AGROOP: Novo Impulso. plano de Negócios.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AGROOP: Novo Impulso. plano de Negócios. www.facebook.com/agroop www.agroop.net"

Transcrição

1 PLANO DE NEGÓCIOS

2 AGROOP: Novo Impulso plano de Negócios 1

3 Plano de Negócios O impulso faz parte do salto. SPARKIS, Halil Os homens de negócio não precisam apenas de compreender melhor os designers; precisam de ser tornar designers. MARTIN, Roger - Reitor, Rotman School of Managment II

4 AGROOP: Novo Impulso Conteúdo Plano de Negócios Sumário executivo Como surgiu a ideia e quem é a equipa? O que é a Agroop? agroop Operacional Agroop Social Agroop ACADEMIA Agroop Comercial Missão Quem são os potenciais clientes? PROBLEMA E A SOLUÇÃO o mercado concorrentes diferenciação posicionamento análise swot Estratégia comercial GESTÃO E CONTROLO DE NEGÓCIOS GO TO MARKET projeções de venda previsão de Cash flow e resultados líquidos fornecimento de serviços externos previsões de recursos humanos investimento INVESTIMENTO PARA NECESSIDADES A CURTO PRAZO INVESTIMENTO PARA NECESSIDADES A MÉDIO PRAZO DESENVESTIMENTO EXTRA 37 ELEMENTOS DE TRAÇÃO III

5 Nome do documento (ex: Acordo Parassocial) 4

6 AGROOP: Novo Impulso Plano de Negócios (start-up plan) Sumário Executivo A Agroop é uma multiplataforma cloud based destinada ao setor agrícola, constituída por 4 produtos complementares, que serão desenvolvidos pela seguinte ordem: É um software de gestão agrícola, que permitirá aos empresários agrícolas gerirem de forma mais informada e eficiente as suas atividades de campo. Por sua vez as associações de produtores poderão também aceder, em tempo real, à informação útil que é gerada pelos seus associados. É uma rede social destinada ao setor agrícola, onde os diversos agentes agroalimentares poderão comunicar, criar sinergias e consultar anúncios variados (trabalho, equipamentos em segunda mão, bolsa de terras...). É uma plataforma que disponibiliza vídeos informativos que exploram as principais tendências/inovações no setor agrícola e ainda vídeos tutoriais, com os melhores processos e técnicas agrícolas. É um mercado agrícola online, onde associações, cooperativas e produtores poderão vender as suas produções e onde os agentes agrícolas poderão consultar uma base de dados de fornecedores e compradores nacionais e internacionais. Este sistema Agroop, destina-se principalmente a todos os novos e jovens agricultores que possuam uma postura de gestão mais sofisticada e profissionalizada, mas também a associações, cooperativas, grossistas, retalhistas, indústria agro-alimentar que queiram fazer parte deste novo paradigma agrícola. Estes quatro projetos individualmente serão diferenciadores e inovadores, contudo, em conjunto terão um potencial único a nível mundial, visto conseguirem dar resposta de uma forma integrada a várias problemáticas sentidas de forma transversal pelos empresários agrícolas. 01

7 Plano de Negócios Figura 01. Variantes Agroop. Fonte: Agroop. Inicialmente o teste de conceito e tração de mercado irá ser feito em Portugal, onde se estipula existirem cerca de potenciais clientes da Agroop Operacional e possíveis utilizadores interessados nas restantes variantes (Social, Pedagógica e Comercial). Uma vez que se trata de um conceito com um potencial de escalabilidade elevado, o objetivo será migrá-lo para outros mercados, nomeadamente, estados membros da União Europeia e Brasil. PRODUÇÃO NETWORKING APRENDIZAGEM E LEITURA DE MERCADO PROMOÇÃO E VENDA 01 Neste momento, o projeto necessita de um investimento de aproximadamente e estima-se que atinja o break even em finais de 2016, inícios de Já em 2019 espera-se um resultado líquido de e uma equipa constituída por 39 elementos. A frase proferida por Halil Sparkis O impulso faz parte do salto serve de mote para toda a envolvência pretendida para a comunicação da Agroop e o slogan Novo Impulso, reflete a profunda convicção desta marca, de que em qualquer fase de mudança de paradigma é fundamental a existência de elementos disruptivos que ajudem as pessoas a evoluírem nesses períodos de transição. A equipa sente-se preparada para esta transição e desejosa de ajudar os agentes agrícolas a ultrapassar todos os desafios futuros. Por último é importante referir, que embora, estejam aqui identificados quatro produtos, irá neste plano dar-se maior destaque à Agroop Operacional, pois será o primeiro produto a ser desenvolvido e aquele que permitirá futuramente sustentar o desenvolvimento dos restantes. Como surgiu a ideia e quem é a equipa? Este projeto surgiu quando Bruno Fonseca (fundador) estava a trabalhar para um projeto agrícola (Real Idanha) na vertente de design e gestão de marca. Em várias conversações com o seu cliente e agricultor (Ricardo Araújo), foram identificadas algumas dificuldades que se viriam a revelar fontes de problematização, que resultariam, por sua vez, na vontade de desenvolver uma projeto como a Agroop. Verificou-se a necessidade da existência de uma ferramenta digital intuitiva, que possibilitasse uma gestão operacional agrícola mais eficiente e simultaneamente um apoio na aprendizagem, comunicação e promoção de agricultores como o Ricardo. Após esta abordagem Bruno Fonseca, Bruno Rodrigues e Tiago Carvalhinho submeteram a ideia ao programa Passaporte para o Empreendedorismo e conseguiram a aprovação do projeto (taxa de aprovação de 25%), em

8 AGROOP: Novo Impulso Através de benchmarking, chegou-se à conclusão que seria uma mais-valia a génese da equipa ter como principais valências, disciplinas como design, branding e gestão de marca, uma vez que, um dos principais problemas apontados pelos agricultores e associações contactadas, era o facto de os softwares existentes serem muito complexos e muito pouco intuitivos. Figura 02. Competências exercídas no projeto/ empresa. Fonte: Agroop. No entanto, e tendo em conta que se trata de um projeto de execução complexa, direcionado para o setor agrícola, com uma forte componente tecnológica; rapidamente, os promotores procuram e mobilizaram parceiros experientes com o intuito de complementarem as suas próprias competências. A imagem (Figura 02) demonstra a constituição atual da equipa, as valências e funções exercidas na empresa (eagroop, Lda). EQUIPA OPERACIONAL Sócio BRUNO FONSECA CEO Licenciado em Design Multimédia e mestre em Design Comunicação pelo IPCB. É o fundador do projeto, responsável pela gestão da marca, branding, comunicação e estratégia corporativa. BRUNO RODRIGUES Designer Manager Licenciado em Design Comunicação e mestre em Design Gráfico pelo IPCB. Co-fundador e responsável pela gestão do design, desenvolvimento da identidade visual corporativa e layout da multiplataforma. FRANCISCO CHAVES CTO Doutorado em Computer Science pelo IST de Lisboa. Sócio da Innovation Makers, empresa especializada no desenvolvimento de soluções tecnológicas e CTO da MYGON. ROGÉRIO RIBEIRO Adjunct Brand Licenciado em Design de Comunicação e mestre em Design Gráfico pelo IPCB. Exerce funções de adjunt brand e é o elemento responsável pela criação e tratamento de conteúdo. TOMÁS ROCHA Int. Relations Volunteer (Suécia) Mestre em International Logistics and supply chain Management, na JIBS na Suécia É voluntário em relações internacionais na Suécia. DIEGO RIBEIRO Int. Relations Volunteer (Brasil) Licenciado em Engenharia Agrónoma na USP. Consultor da Campo S/A (Empresa de consultoria agropecuária sediada em Coritiba)

9 Plano de Negócios PAINEL DE CONSULTORES Sócio JOÃO PRETO Agronomy Advisor Mestre pela Universidade de Essex, Writtle College (Reino Unido), possui um MBA na AESE/IESE. Engenheiro agrónomo, com larga experiência em direção de produção. JOÃO CALDEANO Logistical Advisor Licenciado em Gestão e Engenharia Industrial pelo ISCTE, exerceu funções de supply chain na Unilever. Atualmente é CEO e formador na empresa Singularway. JOÃO FONSECA Financial Advisor Licenciado em Gestão pela Universidade Católica Portuguesa e mestre em «Executive Master» pela INDEG. Manager controller na empresa Vitas Portugal, no setor agro-químico. DANIEL RAPOSO Design Advisor Doutorado em Design, pela Universidade de Aveiro e docente na ESART do IPCB. É autor de vários livros na sua área metodológica e presidente da assembleia geral da AND. NUNO SILVA IT Advisor Frequentou o curso superior em Engenharia Electrotécnia e de Computadores pela UNL. Co-fundador e responsável pela vertente tecnológica do projeto, com 15 anos de experiência como full-stack developer. JOÃO HORTA Proj. Management Advisor Licenciado em Electronics and Telecommunications, com especialização em Optical Networking pelo IST de Lisboa. É atualmente project manager da NOS. MANUEL FERNANDES Digital Marketing Advisor Mestre com distinção em Finance na City University of Hong Kong. Head Marketeer na empresa Zanui. Atualmente é digital marketter and strategist na Agência Digital. RICARDO MACHADO Farmer & Field Advisor Mestre em Aeroespacial, Aeronáutica e Astronáutica Engenharia, com um MBA em Economia Empresarial. Ele é um empresário agrícola, exportador e apaixonado pelo campo

10 AGROOP: Novo Impulso O que é a agroop? A Agroop é uma multiplataforma tecnológica destinada ao setor agrícola que está dividida em quatro eixos/produtos complementares entre si: AGROOP OPERACIONAL Figura 03. Software bilateral. Fonte: Agroop. Um software multidevice de gestão agrícola, que permitirá aos empresários agrícolas e às associações de produtores, gerirem de forma mais informada e eficiente as suas atividade, individualmente ou de forma colaborativa. 03 Como funciona? 04 Os agricultores (Figura 04), entre muitas outras funcionalidades, poderão adicionar registos de campo e despesas, consultar a estrutura de custos e proveitos da sua atividade, pedir assistência técnica remota, monitorizar as suas culturas em tempo real através de sensores, etc 05 Figura 04 e 05. Software bilateral. Agricultor (04) e Associação (05). Fonte: Agroop. Uma vez que se trata de um software bilateral, as associações (Figura 05) por sua vez poderão aceder em tempo real a alguns dos dados que são gerados pelos seus associados, como por exemplo, a data de previsão de colheita, os estados fenológicos atuais, as atividades agrícolas realizadas, as aplicações de fitofármacos executadas, as condições físicas das culturas, as condições meteorológicas nas explorações, os valores de evapotranspiração das culturas dos associados e muitos outros dados que permitirão às mesmas, fazer um planeamento e um acompanhamento técnico e comercial muito mais assertivo, eficiente e económico. Diferente porquê? Como se poderá comprovar pela tabela seguinte (Figura 06), comparando 05

11 Plano de Negócios Figura 06. Tabela de diferenciação. Fonte: Agroop. alguns concorrentes, a Agroop Operacional será a ferramenta mais completa do mercado (intuitiva, colaborativa, multi device, analítica e cloud based). Intuitiva Colaborativa Analitica Multi device Cloud based AGROOP OP AGROGESTÃO RURALBIT ISAGRI AGSQUARED FARMLOGS 06 Figura 07. Software colaborativa. Fonte: Agroop. É importante destacar que a característica colaborativa é totalmente inovadora a nível mundial e tal como demonstra a figura 07, os agricultores poderão envolver constantemente as associações e os seus técnicos nos processos de trabalho, tomada de decisão e os técnicos da associação poderão por sua vez efetuar um trabalho mais esclarecido e cómodo, feito em contato permanente com os associados. TRANSFERÊNCIA DE DADOS EM TEMPO REAL AGRICULTOR ASSOC. & TÉCNICOS 07 06

12 AGROOP: Novo Impulso AGROOP SOCIAL Figura 08. Agroop Social. Fonte: Agroop. É uma rede social que possibilitará aos agentes agrícolas comunicar e criar sinergias entre si. Os utilizadores poderão ainda aceder a uma secção de classificados (bolsa de terrenos, trabalho e equipamento em segunda mão) e consultar um forúm de apoio técnico em agronomia. 08 AGROOP Academia Figura 09. Agroop Academia. Fonte: Agroop. É uma rede que permitirá aos agricultores e outros agentes, consultar informação técnica especializada em vídeo (workshops e tutoriais agrícolas), perceber as principais tendências e inovações do mercado e acompanhar as cotações de commodities agrícolas

13 Plano de Negócios AGROOP COMERCIAL Figura 10. Agroop Comercial. Fonte: Agroop. É um mercado agrícola online, onde associações, cooperativas e produtores poderão vender as suas produções e onde os agentes agrícolas poderão consultar uma base de dados de fornecedores e compradores nacionais e internacionais. 10 Missão Quem são os potenciais clientes? Contribuir para a mudança de paradigma, ajudando a transformar a agricultura num atividade mais sofisticada, profissionalizada e eficiente. A Agroop vai apoiar os atuais e futuros agricultores ao longo das várias vertentes da sua atividade, fazendo com que os mesmos possam operacionalizar, aprender, comunicar e vender melhor. Uma vez que a Agroop Operacional é uma plataforma inclusiva e intuitiva, terá como objetivo atingir o maior número de agricultores possível, no entanto, e tendo em conta a realidade atual, o core target serão sempre os jovens agricultores e os técnicos agrícolas mais jovens, pois estes, apresentam uma maior propensão para o uso das novas tecnologias e percebem que a competitividade do mercado internacional exige uma gestão cada vez mais eficiente e profissionalizada. Contudo as variantes social, academia e comercial estão também desenhadas para outros agentes do setor agroalimentar, nomeadamente, retalhistas, grossistas, indústria transformadora e empresas de consultoria agrícola. Com o objetivo de se determinar com maior convicção o perfil do utilizador core da Agroop, desenvolveu-se uma técnica de análise qualitativa por intermédio 08

14 AGROOP: Novo Impulso Figura 11. Novos Rurais - Farming Culture. Fonte: Disponível em < www. facebook.com/novosrurais. farmingculture>[consult.30 de Abril de 2014]. do Facebook. Foi identificada uma página, intitulada Novos Rurais Farming Culture (Figura 11) que possui um posicionamento onde a Agroop se revê e por conseguinte, os fãs da mesma enquadram-se no panorama dos potenciais clientes da marca. A imagem seguinte (Figura 12) reflete as preferências narrativas obtidas pela análise a 50 fãs da página referida, nomeadamente, 27 homens e 23 mulheres com idades compreendidas entre os 35 e 44 anos

15 Plano de Negócios 12 Figura 12. Narrativas recolhidas através das preferências (gostos) descritas pelos fãs da página de Facebook Novos Rurais Farming Culture). Fonte: Disponível em <https://www.facebook. com/novosrurais.farmingculture?fref=ts> [Consult. 28 de Novembro de 2013]. Pode, num contexto mais amplo, descrever-se o potencial cliente da Agroop, como uma pessoa aventureira, com espírito empreendedor, que gosta de se manter informada sobre o contexto social, económico e cultural envolvente. Sendo uma pessoa atualizada tem uma forte propensão para identificar tendências e oportunidades. O facto de gostar de programas como Governo Sombra ou 5 para a meia noite, denota um sentido de humor apurado e aptidão por um discurso informal, descontraído e direto. Este utilizador, revela também uma maior capacidade de gestão e um desejo por acompanhar um processo organizado que conflua para um fim mais eficiente. Este potencial cliente, assume uma postura de líder contemporâneo e sabe que o poder de um bom trabalho reside no potencial da equipa que o executa. Além do mencionado, é uma pessoa que valoriza a estrutura familiar, é patriota e valoriza muito, aspetos como a gastronomia. Tem um carácter pragmático, mas uma postura open mind. Figura 13. QRCODE do vídeo aspiracional. Fonte: Agroop. O vídeo aspiricional (ao lado), desenvolvido pelos promotores da Agroop visa estabelecer um contacto emocional com este tipo de consumidor. A Agroop está a afirmar que não só acredita nestes novos e jovens agricultores, como pretende ajudá-los a atingir os seus objetivos e ambições. O problema e a solução 01. Documento Política Agrícola Comum, da Comunicação Europeia. Fonte: Num Mundo cada vez mais competitivo e tendo em conta que a população mundial irá atingir os nove mil milhões de habitantes em 2050, as necessidades alimentares irão, segundo dados da Comissão Europeia, duplicar nos próximos 35 anos. 01 cap-overview/2012_pt.pdf Devido a esta forte exigência do mercado, o setor agroalimentar irá ter que suportar uma grande pressão produtiva e por conseguinte, os atuais e futuros 10

16 AGROOP: Novo Impulso agentes do setor, terão de conseguir aumentar os seus índices de produção, coadunando-os ao mesmo tempo com um forte fator de sustentabilidade ambiental e portanto controlando de forma mais profissional e eficiente os fatores e os custos de produção. Atualmente e mundialmente falando, a maioria dos empresários agrícolas, ainda não estão sensibilizados para estes fatores de produtividade e sustentabilidade e portanto ainda gerem os seus negócios recorrendo fundamentalmente às mesmas técnicas empíricas outrora usadas. Um dos maiores problemas identificados, é o facto de que quando os agricultores querem vender a sua produção, o preço da mesma está sujeito a muitas variantes externas que os mesmos não conseguem controlar, nomeadamente, condições climatéricas e pressão comercial sobre os preços, por parte dos retalhistas; portanto a única forma de contrariar estes obstáculos no lado das receitas, é usando uma ferramenta como a Agroop Operacional que possibilitará um maior controlo sobre os custos de produção e uma gestão mais analítica, que apoiará mais assertivamente as tomadas de decisão. Por outro lado, a Agroop Operacional visa agilizar o trabalho e reduzir custos operacionais das associações de produtores e empresas de consultoria agrícola, mais concretamente, apoiando os técnicos das mesmas, que têm como principal função ajudar os seus associados ao longo de toda a campanha. Segundo os dados recolhidos junto de parceiros, os técnicos despendem muito tempo com as visitas presenciais ao terreno do associados e aquando da elaboração dos cadernos de campo, perdem também imenso tempo a reunir e a centralizar toda a informação solicitada. Quando referimos tempo é organicamente natural que se interprete que há também um gasto económico inerente, mais concretamente com honorários e deslocações. O texto 1 reflete também uma problemática importante, pois a recolha da informação no campo é feita em suporte físico (papel), que consequentemente apresenta as suas limitações. No papel a informação pode perder-se muito facilmente e mesmo quando está presente, não tem a capacidade inata de se correlacionar e portanto não representa em si, de forma isolada, uma base de informação útil ao processo de decisão. Com a Agroop Operacional, os técnicos conseguirão não só ter acesso a informação mais inteligível, mas também acompanhar de forma mais permanente os seus associados, atrás do conforto da sua secretária e sem necessidades de deslocações tão frequentes. Por último e não menos importante, foi também referido pelos nossos parceiros que é fundamental que a informação fique registada em suporte digital, pois, muitas vezes os procedimentos aconselhados pelos técnicos não são cumpridos pelos agricultores, mas como não existem registos escritos, os técnicos nunca podem provar que efetivamente deram determinadas indicações. 11

17 Plano de Negócios Texto 1 ( de Tiago Perloiro) Bom dia. A nossa associação desenvolve um Programa de Conservação e Melhoramento Genético, que obriga a uma permanência no campo com recolha de muitos e variados tipos de dados. Esta recolha é realizada em muitos casos de forma convencional, papel, e em algumas situações com sistemas informáticos obsoletos. O meu ideal seria conseguir transformar tudo isto em registos informatizados com todas as vantagens que um sistema destes tem. Sei exactamente o que quero, só não consegui encontrar até agora quem saiba, queira, e sinta vontade de desenvolver uma plataforma deste tipo. Será que é possível contactar com os promotores do AGROOP para podermos conversar sobre este meu projecto? Obrigado pela atenção dispensada. Cumprimentos Tiago Perloiro o Mercado Este projeto tem fortes ambições e aspirações internacionais e por isso mesmo a equipa está a fazer os possíveis para que a Agroop seja uma born global. Neste momento e tendo em conta que existem parceiros e voluntários internacionais que representam a Agroop, nomeadamente no Brasil, na Suécia e na Noruega, este ADN de internacionalização está bem presente na sua génese e demonstra que o mesmo pode responder a problemáticas também sentidas noutros mercados e realidades. Em 2015, o projeto vai estar centrado em Portugal, pois este será o teste piloto e portanto é importante perceber determinados dados que também possibilitarão uma boa perspetiva de escala relativamente aos outros países alvo que se referirá mais à frente. Segundo dados do INE, existem atualmente em Portugal cerca de explorações agrícolas e agricultores. Deste universo, o EUROSTAT indica-nos que 45% fazem da agricultura a sua ocupação principal e que desses têm menos de 45 anos de idade. 02. Olhos nos olhos. Lisboa, TVI24, 2012 Por sua vez, João Machado 02 (Presidente da CAP Agricultores de Portugal), refere que a CAP tem vindo a apoiar cerca de 200 jovens (maioritariamente abaixo dos 40 anos) todos os meses. Segundo o presidente, estes novos empresários agrícolas são quase todos licenciados, têm uma formação diversa 12

18 AGROOP: Novo Impulso do mundo agrícola, possuem uma visão abrangente, eficiente, moderna e inovadora da agricultura e quase todos tomaram a decisão consciente de abandonar a vida urbana. Estes jovens são também muito mais propensos ao uso das tecnologias e estão mais bem preparados para competir perante os novos desafios da globalização. A internet tem também hoje um papel fundamental, pois ao contrário das últimas gerações, quem vive no interior não tem necessariamente de sofrer de interioridade e sendo assim, a infoexclusão é um problema que não se coloca. O ES Research (Novo Banco), demonstra que a agricultura em Portugal representa um mercado de 6 mil milhões de euros, um universo empresarial de empresas e cerca de associações/cooperativas agrícolas e uma vez que o posicionamento e as especificidades da Agroop Operacional, os agricultores, as associações de produtores e as empresas de consultoria agrícola são o core target da Agroop Operacional. Figura 14. Plano de internacionalização. Fonte: Agroop Tendo em conta os objetivos de internacionalização da equipa, demonstrados na figura 14, estipula-se que o mercado da Agroop, relativamente ao número de potenciais clientes e volume de negócios atinja respetivamente os valores referidos na figura 15 e na figura 16. Plano de Internacionalização (período de 5 anos) Portugal Espanha Brasil Noruega Suécia Alemanha França 14 13

19 Plano de Negócios Nº de agricultores com idade inferior a 46 anos e que se dedicam a tempo inteiro à agricultura 800 k 600 k 400 k 200 k Figura 15. Número de potenciais utilizadores. Fonte: Agroop Portugal Brasil Espanha Suécia Noruega Alemanha França INE e PORDATA (Portugal); EUROSTAT (Europa); IBGD (Brasil) G 3,71% do PIB total 60 G 50 G 2% do PIB total 40 G 3% do PIB total 30 G 1% do PIB total 20 G 10 G 2% do PIB total 2% do PIB total 2% do PIB total Portugal Brasil Espanha Suécia Noruega Alemanha França INE e PORDATA (Portugal); EUROSTAT (Europa); IBGD (Brasil). 16 Figura 16. Volume de negócios no setor agrícola. Fonte: Agroop Com base nos valores descritos nos gráficos em cima, prevê-se que o mercado potencial da Agroop em 2018 seja de aproximadamente 30,5 mil milhões de euros e o mercado alvo de 4.3 mil milhões de euros. 14

20 AGROOP: Novo Impulso Os valores referidos foram calculados, recorrendo também a dados do EUROSTAT que demonstram que as empresas do setor agrícola gastam em média 16% do seu orçamento em outros bens e serviços e 14% compram serviços via internet. Sendo a Agroop Operacional um produto que irá ser vendido online, utilizaram-se as seguintes fórmulas: MERCADO POTENCIAL (Total de volume de negócios no setor agrícola nos 7 mercados destino da Agroop em 2018) * (Percentagem Outros Bens e Serviços ) = Volume do Mercado Potencial * 0,16 = MIL MILHÕES DE EUROS MERCADO ALVO (Total de volume de negócios no setor agrícola nos 7 mercados destino da Agroop em 2018) * (Percentagem Outros Bens e Serviços ) * (Percentagem de empresas que compram online) = Volume do mercado alvo * 0,16 * 0,14 = MIL MILHÕES DE EUROS Concorrentes Como já referido, logo no início do desenvolvimento deste projeto, foi feita uma análise de alguns concorrentes, com o intuito de se identificar soluções e limitações, complementar funcionalidades e compreender de uma forma mais detalhada a construção, arquitetura e posicionamento de plataformas e softwares já implementados no mercado. Não se pode considerar que exista uma concorrência direta à Agroop, uma vez que esta constitui-se como uma plataforma integrada, no entanto, existem concorrentes quando a isolamos nas respetivas variantes. Relativamente à Agroop Operacional foram encontrados softwares concorrentes no mercado nacional como o Agrogestão (Figura 17), o Isagri (Figura 18), o Omi4Campo (Figura 19) e o Ruralbit (Figura 20). Já no panorama internacional o software Agsquared (Figura 21) e Farmlogs (Figura 22) revelaram-se os concorrentes mais diretos. O Agrogestão, o RuralBit e o Isagri (Portugal) têm aproximadamente utilizadores cada e cobram valores iniciais pelos seus programas, que podem variar entre os e os ; cobram também um preço médio anual de 300 pela manutenção dos seus sistemas. Já a Agsquared, que opera no mercado norte-americano tem cerca de utilizadores e cobra uma mensalidade de 23 pela sua utilização. É ainda importante referir que o Isagri é o líder europeu, com cerca de clientes. 15

21 Plano de Negócios 17 Figura 17. Agrogestão mobile. Fonte: Disponível em <http://agrogestao. com/ficheiros/agrogest%c3%83o_ MOBILE_Apresentacao.pdf>[Consult.07 de Agosto de 2013]. Figura 18. PDA Isagri. Fonte: Disponível em <http://www.isagri. pt/gps-agricola--isa360/ sistema-degps-agricola-1176.aspx> [Consult.12 de Agosto de 2013] 18 16

22 AGROOP: Novo Impulso 19 Figura 19. Interface Omi4Campo. Fonte: Omni4Campo Manual Avançado. 20 Figura 20. Interface Ruralbit. Fonte: Disponível em <www.ruralbit.pt/ conteudo.php?idm=18> [Consult.30 de Abril de 2014] 17

23 Plano de Negócios 21 Figura 21. Agsquared. Fonte: Disponível em <www. agsquared.com/en/admin/crops> [Consult.30 de Abril de 2014]. 22 Figura 22. Farmlogs. Fonte: Disponível em <https:// farmlogs.com/> [Consult.04 de Novembro de 2014]. 18

24 AGROOP: Novo Impulso A Agroop Social e Academia têm um concorrente argentino chamado Sojabook (Figura 21), que segundo os seus promotores é a primeira rede social agrícola de todo o Mundo. Em cerca de um ano e meio conseguiu atrair utilizadores e fatura mensalmente aproximadamente % dos seus utilizadores são brasileiros. Figura 23. Sojabook. Fonte: Disponível em < com> [Consult.01 de Maio de 2014]. O Sojabook permite que os utilizadores comuniquem entre si, coloquem classificados promovendo os seus produtos e esclareçam dúvidas por intermédio de um fórum com especialistas. 23 No que diz respeito à Agroop Comercial foram identificados dois concorrentes, um nacional, Mercado agrícola online (Figura 24) e um internacional, Local harvest (Figura 25). Ambos, permitem que os seus utilizadores promovam os seus produtos online. O Mercado agrícola online da Região Autónoma da Madeira funciona como um intermediário e o Local harvest tem um papel mais interventivo, permitindo a compra diretamente a partir do site. 19

25 Plano de Negócios 24 Figura 24. Mercado agrícola online. Fonte: Disponível em < sra.pt/mercadoagricola> [Consult.01 de Maio de 2014]. 25 Figura 25. Local harvest. Fonte: Disponível em < localharvest.org/> [Consult.01 de Maio de 2014]. 20

26 AGROOP: Novo Impulso Diferenciação Ao longo do processo estratégico foram identificados e definidos os principais focos de diferenciação da Agroop em relação aos concorrentes. Embora existam concorrentes com abordagens técnicas e comerciais diferentes entre si, conseguem identificar-se pontos comuns onde a Agroop assume uma clara diferenciação. A perceção de uma forma genérica, é a de que os softwares e as marcas analisadas apresentam para com os seus potenciais clientes, uma abordagem excessivamente rígida e impessoal. Da perspetiva técnica, os softwares e plataformas dos concorrentes são na generalidade completos e tecnicamente capazes, no entanto, e tendo em conta as opiniões dos agricultores, não são desenhados para uma utilização intuitiva. Como referido anteriormente, os fundadores da Agroop, tendo em conta o seu background, preocuparam-se desde cedo com uma definição clara da comunicação da marca e da interface gráfica da multiplataforma. A equipa da Agroop acredita que uma marca deve ter vida, ser sexy, intuitiva e revelar uma personalidade. As pessoas de forma intrínseca fazem escolhas e compras porque determinados produtos as remetem para valores, arquétipos e sensações com que se identificam. Em suma, a Agroop é diferente, porque comunica de forma clara e emocional, porque coloca sempre o utilizador no centro do desenvolvimento e design do produto. Do ponto de vista mais técnico a Agroop é diferenciadora, pois permitirá uma utilização transversal, que apoia várias áreas de atuação da atividade agrícola (gestão operacional, pedagogia, promoção e venda). Por último e não menos importante, é uma solução tecnológica transparente, pois as associação poderão ter acesso em tempo real, aos dados gerados pelos seus associados. Posicionamento O posicionamento representa a área de atuação de uma marca relativamente aos seus concorrentes e a forma como esta pretende vincar as suas premissas dentro dessa posição. Segundo a pesquisa feita anteriormente, relativamente às principais marcas concorrentes, é possível concluir que possuem posicionamentos significativamente idênticos entre si. No processo de branding da Agroop foi decidido que esta marca iria posicionar-se enquanto identidade e comunicação, num espetro mais contemporâneo e emocional, por forma a conseguir vincar nos seus públicos uma perceção mais distinta e diferenciadora dentro do mercado. O gráfico seguinte (Figura 26) representa o posicionamento pretendido: 21

Licenciado em design de comunicação e produção audiovisual; mestre em design gráfico/ comunicação pelo IPCB.

Licenciado em design de comunicação e produção audiovisual; mestre em design gráfico/ comunicação pelo IPCB. PLANO DE NEGÓCIOS AGROOP: Novo Impulso plano de Negócios BRUNO FOnsecA Licenciado em design multimédia e mestre em design gráfico/ comunicação pelo IPCB. É o fundador do projeto, responsável pela gestão

Leia mais

Candidatura ao FIAEA Regulamento

Candidatura ao FIAEA Regulamento Candidatura ao FIAEA Regulamento ARTIGO 1 Objectivos 1.1 A Candidatura ao FIAEA é um processo sistemático e ágil para a avaliação de projetos de investimento de capital de risco no âmbito da Agenda Açoriana

Leia mais

Programa +Inovação +Indústria Formulário de Candidatura

Programa +Inovação +Indústria Formulário de Candidatura Programa +Inovação +Indústria Formulário de Candidatura Com o propósito de ajudar no preenchimento do formulário de candidatura online, em letra Arial, tamanho 11, a informação necessária está resumida

Leia mais

A Portugal Ventures está á procura de projetos com as seguintes características:

A Portugal Ventures está á procura de projetos com as seguintes características: 1. O que é o Candidatura ao FIAEA? Este programa de apoio ao empreendedorismo, é uma iniciativa liderada pela SDEA e pela Portugal Ventures, que visa fortalecer o ecossistema de empreendedorismo nas áreas

Leia mais

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS Sessão de Esclarecimento Associação Comercial de Braga 8 de abril de 2015 / GlobFive e Creative Zone PT2020 OBJETIVOS DO PORTUGAL 2020 Promover a Inovação empresarial (transversal);

Leia mais

Apoiar Business Angels é apoiar o empreendedorismo Segunda, 17 Março 2014 12:03

Apoiar Business Angels é apoiar o empreendedorismo Segunda, 17 Março 2014 12:03 Os Business Angels são, geralmente, os primeiros investidores que o empreendedor conhece e, por isso, o seu papel é crucial nas primeiras etapas da empresa. Este é um negócio de alto risco, já que muitas

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA 1. ENQUADRAMENTO Nos últimos 3 anos e meio a Câmara Municipal de Lisboa vem desenvolvendo uma estratégia para a valorização económica da cidade e captação de investimento (http://www.cm-lisboa.pt/investir)

Leia mais

A Internet nas nossas vidas

A Internet nas nossas vidas Economia Digital A Internet nas nossas vidas Nos últimos anos a internet revolucionou a forma como trabalhamos, comunicamos e até escolhemos produtos e serviços Economia Digital Consumidores e a Internet

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Outras conclusões: Recrutamento na área de Marketing Digital registou crescimento de 15%. Área de E- commerce cresceu 6% Remuneração dos profissionais

Leia mais

As Tecnologias de Informação e a Agenda Digital

As Tecnologias de Informação e a Agenda Digital As Tecnologias de Informação e a Agenda Digital Carlos Brazão Fernando Resina da Silva 28-06-2012 1 Quem somos? Uma plataforma das associações e players de referência das TIC, juntos por uma missão para

Leia mais

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f)

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f) AVISO Admissão de Pessoal (m/f) A AJITER Associação Juvenil da Ilha Terceira pretende admitir jovens recém-licenciados à procura do primeiro emprego, para estágio no seu serviço, ao abrigo do Programa

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

App Banif Trader. Um canal de educação financeira. 8 de Outubro de 2015. Frederico Xavier da Costa Luís Sepulveda Catarina Santos

App Banif Trader. Um canal de educação financeira. 8 de Outubro de 2015. Frederico Xavier da Costa Luís Sepulveda Catarina Santos App Banif Trader Um canal de educação financeira Frederico Xavier da Costa Luís Sepulveda Catarina Santos 8 de Outubro de 2015 Banif - Banco de Investimento, SA Banif Trader Quem Somos - Banif 2014 Empreendedorismo:

Leia mais

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP AIMINHO Braga, 24 de Outubro, 2014 1 P a g e Distintas Entidades aqui presentes, Senhores Empresários, Minhas

Leia mais

XLM Innovation & Technology

XLM Innovation & Technology 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A XLM, sedeada em Aveiro, iniciou a sua atividade em 1995. Nesta data, a sua área de atuação cingia-se à venda, instalação e assistência técnica

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM MARKETING DIGITAL E E-BUSINESS

PÓS-GRADUAÇÃO EM MARKETING DIGITAL E E-BUSINESS PÓS-GRADUAÇÃO EM MARKETING DIGITAL E E-BUSINESS PÓS-GRADUAÇÃO EM MARKETING DIGITAL E E-BUSINESS EDIÇÃO 2ª Edição DURAÇÃO / EXTENSÃO 190 horas / 7 meses CALENDÁRIO Setembro 2016 / Abril 2017 LOCAL DE REALIZAÇÃO

Leia mais

O contexto de internacionalização das start-ups. Os desafios dos BA s e suas participadas

O contexto de internacionalização das start-ups. Os desafios dos BA s e suas participadas Os Business Angels O contexto de internacionalização das start-ups Os desafios dos BA s e suas participadas Possíveis apoios governamentais Os BA s têm um papel fundamental no desenvolvimento de ideias

Leia mais

Inovação e Criação de Novos Negócios

Inovação e Criação de Novos Negócios INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA Inovação e Criação de Novos Negócios Luís Mira da Silva Cristina Mota Capitão Isabel Alte da Veiga Carlos Noéme Inovação INOVAÇÃO Inovação: introdução INOVAR

Leia mais

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Uma Rede de apoio à competitividade das empresas 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Quem somos Quem somos? Onde estamos? Criada pela Comissão Europeia no âmbito do Programa Quadro para a Competitividade

Leia mais

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito REGULAMENTO O presente regulamento estabelece os procedimentos associados à medida «Passaporte para o Empreendedorismo», regulamentada pela Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, estabelecida

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 53 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com ROI - Retorno do Investimento OPINIÃO IDC Os anos 90 permitiram a inclusão das tecnologias

Leia mais

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice 2 Índice Introdução... 3 Passo 1 Entender o que é Venda Online e E-commerce... 4 Passo 2 Entender o Mercado de Comércio Eletrônico... 5 Passo 3 Canais de Venda... 6 Passo 4 Como identificar uma Boa Plataforma

Leia mais

Regulamento do. I Concurso de Empreendedorismo Intermunicipal da Beira Interior Sul

Regulamento do. I Concurso de Empreendedorismo Intermunicipal da Beira Interior Sul Regulamento do I Concurso de Empreendedorismo Intermunicipal da Beira Interior Sul FEVEREIRO 2013 I. INTRODUÇÃO A Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul, (CIMBIS), no âmbito da Rede Regional de

Leia mais

Guião de Candidatura e de Avaliação dos Projetos para Centros de Co-Localização Portugueses a Integrar Knowledge and Innovation Communities (KIC) do

Guião de Candidatura e de Avaliação dos Projetos para Centros de Co-Localização Portugueses a Integrar Knowledge and Innovation Communities (KIC) do Guião de Candidatura e de Avaliação dos Projetos para Centros de Co-Localização Portugueses a Integrar Knowledge and Innovation Communities (KIC) do European Institute of Technology (EIT) que se apresentem

Leia mais

BIS - Banco de Inovação Social

BIS - Banco de Inovação Social BIS - Banco de Inovação Social Natureza do BIS Missão do BIS Instrumentos do BIS Iniciativas e Programas do BIS Os Membros do BIS Orgânica Estratégico Executivo MEMBROS MEMBROS 5 Empresários inovadores

Leia mais

Construção e Inovação juntos no seu Franchising

Construção e Inovação juntos no seu Franchising Construção e Inovação juntos no seu Franchising Projeto Casa Viva Obras O projeto Casa Viva iniciou em 2010. Atuamos em obras de Remodelação, Construção Nova e Recuperação de Edifícios em Portugal, Espanha

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

PLANO DE FEIRAS E MISSÕES EMPRESARIAIS 2015

PLANO DE FEIRAS E MISSÕES EMPRESARIAIS 2015 2015 1. INTRODUÇÃO O acesso a novos mercados e o aumento da base económica de exportação são determinantes para o reforço da competitividade do tecido empresarial dos Açores. Atividades de apoio às empresas

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projectos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projectos em que estão envolvidos, interagindo na optimização

Leia mais

+Inovação +Indústria. AIMMAP Horizonte 2020 - Oportunidades para a Indústria Porto, 14 outubro 2014

+Inovação +Indústria. AIMMAP Horizonte 2020 - Oportunidades para a Indústria Porto, 14 outubro 2014 +Inovação +Indústria AIMMAP Horizonte 2020 - Oportunidades para a Indústria Porto, 14 outubro 2014 Fatores que limitam maior capacidade competitiva e maior criação de valor numa economia global Menor capacidade

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS FACTOS A Internet mudou profundamente a forma como as pessoas encontram, descobrem, compartilham, compram e se conectam. INTRODUÇÃO Os meios digitais, fazendo hoje parte do quotidiano

Leia mais

Passaporte para o Empreendedorismo

Passaporte para o Empreendedorismo Passaporte para o Empreendedorismo Enquadramento O Passaporte para o Empreendedorismo, em consonância com o «Impulso Jovem», visa através de um conjunto de medidas específicas articuladas entre si, apoiar

Leia mais

Qualificação e Internacionalização das PME

Qualificação e Internacionalização das PME Qualificação e Internacionalização das PME Portugal 2020 Programa Operacional INFEIRA GABINETE DE CONSULTADORIA, LDA. RUA DO MURADO, 535, 4536-902, MOZELOS 227 419 350 INFEIRA.PT 0 Tipologia de Projetos

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2016-2019 INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

PLANO ESTRATÉGICO 2016-2019 INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA PLANO ESTRATÉGICO 2016-2019 INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA FICHA TÉCNICA Publicação editada ao abrigo do novo Acordo Ortográfico, exceto a transposição de conteúdos de documentos elaborados

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL HORIZONTE 2015

TURISMO DE PORTUGAL HORIZONTE 2015 TURISMO DE PORTUGAL HORIZONTE 2015 João Cotrim de Figueiredo 10 Out 2014 Turismo: crescimento e resiliência No século do Turismo? Mais de 1.100 milhões de turistas em 2014 OMT prevê crescimento médio anual

Leia mais

Agenda. O Diagnóstico Os Desafios A Estratégia Os Produtos a Promover Os Mercados A Promoção A Oferta

Agenda. O Diagnóstico Os Desafios A Estratégia Os Produtos a Promover Os Mercados A Promoção A Oferta Agenda O Diagnóstico Os Desafios A Estratégia Os Produtos a Promover Os Mercados A Promoção A Oferta O Diagnóstico Turismo marítimo e costeiro Náutica de Recreio 60 Turismo Maritimo e Costeiro 123 Nautica

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 2 CONHECIMENTO Ação 2.1 CAPACITAÇÃO E DIVULGAÇÃO Enquadramento Regulamentar Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

Regulamento 2015. 1. Objectivo. 2. Elegibilidade

Regulamento 2015. 1. Objectivo. 2. Elegibilidade Regulamento 2015 1. Objectivo Prémio Empreendedorismo e Inovação Crédito Agrícola 2015 é um concurso que resulta da conjugação de esforços e vontades do Crédito Agrícola, aqui representado pela Caixa Central

Leia mais

Estratégia de Dinamização e de Divulgação

Estratégia de Dinamização e de Divulgação Estratégia de Dinamização e de Divulgação Plano de Ação de 2015 FEVEREIRO 2015 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. VISÃO DA BOLSA DE TERRAS... 4 3. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS - LINHAS GERAIS DA ESTRATÉGIA... 5

Leia mais

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO Artigo 1º Âmbito Ao abrigo do n.º 1 do artigo 8.º da Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, o presente regulamento estabelece os procedimentos

Leia mais

Consulta - Serviços de consultoria para elaboração de Diagnósticos e Guião para qualificação de fornecedores no âmbito do PORTUGAL SOU EU

Consulta - Serviços de consultoria para elaboração de Diagnósticos e Guião para qualificação de fornecedores no âmbito do PORTUGAL SOU EU Consulta - Serviços de consultoria para elaboração de Diagnósticos e Guião para qualificação de fornecedores no âmbito do PORTUGAL SOU EU Abril 2014 Conteúdo 1. Introdução... 2 2. Enquadramento... 2 3.

Leia mais

O Franchising City School

O Franchising City School O Franchising City School O negócio da City School é a formação Profissional. A formação de línguas e informática na óptica do utilizador são uma componente essencial dos produtos City School. A formação

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

FORMAÇÃO PARA EMPREENDEDORES

FORMAÇÃO PARA EMPREENDEDORES FORMAÇÃO PARA EMPREENDEDORES QUADRO RESUMO: FORMAÇÃO UFCD (H) Noções de Economia de Empresa 5437 25 Métodos e Práticas de Negociação 5442 50 Empresa Estrutura Organizacional 7825 25 Perfil e Potencial

Leia mais

UDAL - União Desportiva Alta de Lisboa ISU - Instituto de Solidariedade e Cooperação Universitária

UDAL - União Desportiva Alta de Lisboa ISU - Instituto de Solidariedade e Cooperação Universitária REFERÊNCIA: 062 DESIGNAÇÃO: Altarix Empreende BIP/ZIP em que pretende intervir: 20. Sete Céus 21. Galinheiras - a) Ameixoeira b) Charneca 26. Pedro Queiróz Pereira 66. Charneca do Lumiar 67. Alta de Lisboa

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

COMMUNITY MANAGER CERTIFICAÇÃO LISBOA E PORTO: 3 DE FEVEREIRO DE 2015 A 7 DE JULHO DE 2015 LISBOA: 18 DE SETEMBRO DE 2015 A 15 ABRIL DE 2016

COMMUNITY MANAGER CERTIFICAÇÃO LISBOA E PORTO: 3 DE FEVEREIRO DE 2015 A 7 DE JULHO DE 2015 LISBOA: 18 DE SETEMBRO DE 2015 A 15 ABRIL DE 2016 COMMUNITY MANAGER CERTIFICAÇÃO LISBOA E PORTO: 3 DE FEVEREIRO DE 2015 A 7 DE JULHO DE 2015 LISBOA: 18 DE SETEMBRO DE 2015 A 15 ABRIL DE 2016 18 DIAS / 90 HORAS MAXIMIZAR A SUA COMUNIDADE E ANIMAR EM COERÊNCIA

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 3 - VALORIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA Ação 3.3 INVESTIMENTO NA TRANSFORMAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS AGRÍCOLAS Enquadramento Regulamentar

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS FACTOS A Internet mudou profundamente a forma como as pessoas encontram, descobrem, compartilham, compram e se conectam. INTRODUÇÃO Os meios digitais, fazendo hoje parte do quotidiano

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projetos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projetos em que estão envolvidos, interagindo na otimização dos

Leia mais

Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial

Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial COMPETIR + O Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial tem por objetivo promover o desenvolvimento sustentável da economia regional,

Leia mais

Tradicionalmente como surgem? Existem ambientes mais propícios para o nascimento de ideias/projectos inovadores?

Tradicionalmente como surgem? Existem ambientes mais propícios para o nascimento de ideias/projectos inovadores? O que é uma start-up? As empresas que criam modelos de negócio altamente escaláveis, a baixos custos e a partir de ideias inovadoras são normalmente consideradas empresas startups. Concebidas para crescerem

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS APRESENTAÇÃO A YOUNIC é especializada na assessoria a empresas com vista ao crescimento e expansão dos seus negócios num panorama internacional. Com uma atuação versátil,

Leia mais

GUIA PORTUGAL 2020: SAIBA TUDO SOBRE OS NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS

GUIA PORTUGAL 2020: SAIBA TUDO SOBRE OS NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS 1. INTRODUÇÃO Saiba tudo sobre as regras de funcionamento dos novos apoios financeiros vindos de Bruxelas 2. O QUE MUDA PARA AS EMPRESAS? Descubra as principais diferenças entre o Portugal 2020 e o QREN

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Ilustração de Antónia Tinturé Associação Zoófila Portuguesa, março de 2014 1 Índice Enquadramento... 2 Qualidade dos Serviços e gestão internaerro! Marcador não definido. Abrangência e divulgação... 7

Leia mais

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015 Desafios da Internacionalização O papel da AICEP APAT 10 de Outubro, 2015 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora 38º PORTUGAL TEM MELHORADO A SUA COMPETITIVIDADE

Leia mais

Curso de Língua Chinesa, Cultura e Dinâmica de Negócios para Empresários e Gestores na China

Curso de Língua Chinesa, Cultura e Dinâmica de Negócios para Empresários e Gestores na China 2ª Edição Curso de Língua Chinesa, Cultura e Dinâmica de Negócios para Empresários e Gestores na China Realizar Negócios na China é o sonho de qualquer empresário, mas pode ser uma realidade para os que

Leia mais

Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro.

Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. Feira do Empreendedor 2014 Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. É essencial para a estruturação e defesa

Leia mais

Regulamento do Programa

Regulamento do Programa Regulamento do Programa Programa +Inovação +Indústria Regulamento Enquadramento A recente melhoria da competitividade de alguns setores da economia portuguesa assentou na inovação e renovação da sua estrutura

Leia mais

PROGRAMA IMPULSO JOVEM

PROGRAMA IMPULSO JOVEM PROGRAMA IMPULSO JOVEM (O PROGRAMA IMPULSO JOVEM APRESENTA UM CONJUNTO DE MEDIDAS DE INCENTIVO À CRIAÇÃO DE EMPREGO JOVEM, UM DOS PRINCIPAIS DESAFIOS COM QUE PORTUGAL SE CONFRONTA ATUALMENTE.) 1. PASSAPORTE

Leia mais

Fundo Caixa Crescimento. Junho de 2015

Fundo Caixa Crescimento. Junho de 2015 Fundo Caixa Crescimento Junho de 2015 O que é o Capital de Risco Modalidades O Capital de Risco constitui uma forma de financiamento de longo prazo das empresas, realizado por investidores financeiros

Leia mais

REGULAMENTO. Preâmbulo

REGULAMENTO. Preâmbulo REGULAMENTO Preâmbulo O espírito de iniciativa, a criatividade, a capacidade de detectar e aproveitar oportunidades, de assumir o risco e formar decisões, constituem premissas essenciais para o sucesso

Leia mais

Consulta - Serviços de Consultoria para elaboração de Guião para potenciar a adesão a emarketplaces de empresas PORTUGAL SOU EU

Consulta - Serviços de Consultoria para elaboração de Guião para potenciar a adesão a emarketplaces de empresas PORTUGAL SOU EU Consulta - Serviços de Consultoria para elaboração de Guião para potenciar a adesão a emarketplaces de empresas PORTUGAL SOU EU Dezembro 2014 Conteúdo 1. Introdução... 2 2. Enquadramento... 2 3. Objetivos

Leia mais

e-mail marketing bases de dados

e-mail marketing bases de dados e-mail marketing bases de dados intro No sentido de se obter uma relação exacta de investimentos na contratação ou compra de bases de dados para futuras acções de E-mail ou SMS marketing foram consultadas

Leia mais

Estudo de Remuneração 2015

Estudo de Remuneração 2015 2015 COMMERCIAL & MARKETING Temporary & permanent recruitment www.pagepersonnel.pt Editorial Page Personnel ir ao encontro do talento A Page Personnel recruta para os seus clientes os melhores perfis qualificados,

Leia mais

Quatro start-ups portuguesas ganham 400 mil e candidatam-se a um prémio de mais 600 mil

Quatro start-ups portuguesas ganham 400 mil e candidatam-se a um prémio de mais 600 mil Fase Final da IUL MIT Portugal Caixa Capital Competition Quatro start-ups portuguesas ganham 400 mil e candidatam-se a um prémio de mais 600 mil ISCTE-IUL, MIT Portugal e Caixa Capital revelaram as quatro

Leia mais

ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO

ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO Joaquim Mourato (Presidente do CCISP e do IP de Portalegre) XX Congresso Nacional da Ordem dos Engenheiros Centro de Congressos da Alfândega do Porto 18.10.2014 SUMÁRIO

Leia mais

Consortia e-market da Fileira Moda. para o Mercado Externo

Consortia e-market da Fileira Moda. para o Mercado Externo Consortia e-market da Fileira Moda para o Mercado Externo O que é? Consórcio entre empresas da Fileira Moda e a Exponor Digital destinado a criar e explorar uma ou mais lojas online, orientada(s) para

Leia mais

CTSP e Pós-Graduações THE MARKETING SCHOOL. porto. aveiro. lisboa

CTSP e Pós-Graduações THE MARKETING SCHOOL. porto. aveiro. lisboa CTSP e Pós-Graduações THE MARKETING SCHOOL porto. aveiro. lisboa LICENCIATURA & MESTRADO THE MARKETING SCHOOL Somos uma escola vocacionada essencialmente para as empresas e mercados. Queremos qualificar

Leia mais

PROPOSTA DE CANDIDATURA PARTE B (ANEXO TÉCNICO) SISTEMA DE INCENTIVOS À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO (SI I&DT) AVISO Nº 10/SI/2015

PROPOSTA DE CANDIDATURA PARTE B (ANEXO TÉCNICO) SISTEMA DE INCENTIVOS À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO (SI I&DT) AVISO Nº 10/SI/2015 PROPOSTA DE CANDIDATURA PARTE B (ANEXO TÉCNICO) SISTEMA DE INCENTIVOS À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO (SI I&DT) AVISO Nº 10/SI/2015 PROJETOS DEMONSTRADORES INDIVIDUAIS Título do projeto /

Leia mais

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015 14 de Janeiro de 2015 O que é o Portugal 2020? O Portugal 2020 é um Acordo de Parceria assinado entre Portugal e a Comissão Europeia, que reúne a atuação dos 5 fundos estruturais e de investimento europeus

Leia mais

Portugal Brasil Moçambique Polónia

Portugal Brasil Moçambique Polónia www.promover.pt www.greatteam.pt Portugal Brasil Moçambique Polónia QUEM SOMOS - Prestamos serviços técnicos de consultoria de gestão e formação nos diversos setores da economia. - Presentes em Lisboa,

Leia mais

Missão. DOTAR AS PME s PORTUGUESAS DE CONHECIMENTO E FERRAMENTAS PARA A CONQUISTA DOS MERCADOS INTERNACIONAIS ATRAVÉS DA MARCA.

Missão. DOTAR AS PME s PORTUGUESAS DE CONHECIMENTO E FERRAMENTAS PARA A CONQUISTA DOS MERCADOS INTERNACIONAIS ATRAVÉS DA MARCA. O que é a Oficina da Marca? Serviço de gestão integrada e estratégica para o desenvolvimento de produtos e a sua promoção no mercado Global através da marca. Missão DOTAR AS PME s PORTUGUESAS DE CONHECIMENTO

Leia mais

CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO

CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL Artigo 1.º Âmbito das iniciativas de apoio a empreendedores emigrantes O Alto Comissariado para as Migrações, I.P. (doravante ACM, I.P.) propõe

Leia mais

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO Como fazemos 1. Através do Serviço de Assistência Empresarial (SAE), constituído por visitas técnicas personalizadas às

Leia mais

PORTUGAL 2020: Como financiar a sua empresa?

PORTUGAL 2020: Como financiar a sua empresa? PORTUGAL 2020: Como financiar a sua empresa? QUAL O MONTANTE DE APOIOS COMUNITÁRIOS ATRIBUÍDOS A PORTUGAL? 25 Mil Milhões de Euros. Outros Programas* Este é o montante que Portugal vai receber em fundos

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

magazine business HOTELS & TRAVEL Distributions

magazine business HOTELS & TRAVEL Distributions magazine HOTELS & TRAVEL Distributions 2 magazine O QUE FAZEMOS WHAT WE DO Somos uma empresa jovem e dinâmica com larga experiência na componente comercial através da execução de funções de gestão, em

Leia mais

Bashen Agro Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária

Bashen Agro Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária Abril de 2008 Bashen Agro Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária 1 Bashen Agro Um projecto Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária Parceria FZ AGROGESTÃO Consultoria em Meio Rural, Lda Av.

Leia mais

e-mail marketing bases de dados

e-mail marketing bases de dados e-mail marketing bases de dados intro No sentido de se obter uma relação exacta de investimentos na contratação ou compra de bases de dados para futuras acções de E-mail ou SMS marketing foram consultadas

Leia mais

Serviços. Conquistar. quando identificou a oportunidade de negócio que constituía a Internet enquanto meio para agilizar

Serviços. Conquistar. quando identificou a oportunidade de negócio que constituía a Internet enquanto meio para agilizar Serviços Conquistar um lugar à mesa nas reservas on-line Até há bem pouco tempo Portugal não contava com um serviço especializado para reservar mesas em restaurantes através da Internet. Este ano ganhou

Leia mais

Soja de Portugal: Liderança e visão estratégica em implementação pioneira

Soja de Portugal: Liderança e visão estratégica em implementação pioneira Soja de Portugal: Liderança e visão estratégica em implementação pioneira Parceiro de Soja de Portugal Indústria Indústria Agroalimentar Produtos e Serviços Carne de Aves, Alimentos Compostos para Avicultura

Leia mais

Artigo 1º Âmbito. Artigo 2º Objetivos

Artigo 1º Âmbito. Artigo 2º Objetivos Artigo 1º Âmbito O WANTED BUSINESS IDEAS é uma iniciativa de captação de novas ideias e negócios promovido e organizado pela Rede Regional de Empreendedorismo Viseu Dão Lafões, sob a coordenação da Comunidade

Leia mais

Guia de Participação na MISSÃO PARA O CRESCIMENTO PORTUGAL

Guia de Participação na MISSÃO PARA O CRESCIMENTO PORTUGAL Guia de Participação na MISSÃO PARA O CRESCIMENTO PORTUGAL Encontro Internacional de Negócios Lisboa, 29 de Novembro de 2013 INTRODUÇÃO As PME portuguesas têm vindo a atravessar bastantes dificuldades

Leia mais

inserralves INDÚSTRIAS CRIATIVAS Programa do Concurso para Selecção de Ideias e Projectos

inserralves INDÚSTRIAS CRIATIVAS Programa do Concurso para Selecção de Ideias e Projectos inserralves INDÚSTRIAS CRIATIVAS Programa do Concurso para Selecção de Ideias e Projectos ÍNDICE 1. Enquadramento e Objectivos 2. Definição 3. Atribuições da Fundação de Serralves 4. Destinatários 5. Candidaturas

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

XOPVision Cloud Digital Signage

XOPVision Cloud Digital Signage XOPVision Cloud Digital Signage O que é o Digital Signage? Conceito O XOPVISION é uma ferramenta de comunicação que utiliza televisores, monitores, smartphones ou tablet s, estrategicamente localizados

Leia mais

We Do. You Sell. A sua loja online (A You Sell Iniciative) Solução de Parceria Lojas Online

We Do. You Sell. A sua loja online (A You Sell Iniciative) Solução de Parceria Lojas Online Largo da Codiceira 74, 1º Tr. We Do. You Sell. A sua loja online (A You Sell Iniciative) Solução de Parceria Lojas Online // VALORVISUAL_SOLUÇÕES GLOBAIS DE COMUNICAÇÃO WE DO, YOU SELL. A SUA LOJA ONLINE

Leia mais

Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas Empresarias de Interesse Regional

Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas Empresarias de Interesse Regional Programa FINICIA 02.02.2006 retirado de www.iapmei.pt Caracterização dos eixos de intervenção Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas

Leia mais

O seu parceiro na Gestão de Projetos e Manutenção

O seu parceiro na Gestão de Projetos e Manutenção O seu parceiro na Gestão de Projetos e Manutenção Índice 1. Introdução. 3 2. PROM&E GROUP.... 4 3. Building Management Organograma. 6 3.1 Project Management 7 3.2 Gestão Manutenção.. 16 3.3 Otimização

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas 7 de Novembro de 2014 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora Enquadramento Evolução Recente Comércio

Leia mais