PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO NA. TRANSFUSÃO MACIÇA e EMERGÊNCIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO NA. TRANSFUSÃO MACIÇA e EMERGÊNCIA"

Transcrição

1 PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO NA TRANSFUSÃO MACIÇA e EMERGÊNCIA Versão: 04 Código: TX maciça 08 Paginação: 1 de 17

2 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Aprovado e liberado por: Hildenete Monteiro Fortes Data da Elaboração: 25 de Abril de 2005 Assinatura: Data da implantação: 24/04/2005. Data da revisão: Revisado por: Hildenete Monteiro Fortes Periodicidade da Revisão: anual Tempo de arquivo: 05 anos Setor: Todos aqueles que solicitam Transfusão à Agência Transfusional do HUJM Código do documento: TX maciça 08 Número da versão atual: 04 Número total de Páginas: 17 Número de cópias-distribuição: 09 Original para a direção arquivo Setores do HUJM: Pronto Atendimento, Clínica Médica, Clínica Cirúrgica, Centro Cirúrgico, Pediatria, Berçário, UTI Adulto, Chefia de Enfermagem, Clínica Ginecologia e Obstetrícia. ESTE É UM DOCUMENTO CONTROLADO Não deve ser copiado ou distribuído sem a autorização da chefia da Agência Transfusional do HUJM Versão: 04 Código: TX maciça 08 Paginação: 2 de 17

3 Considerações O Serviço de Hemoterapia do HUJM tem como norma manter sob seu estrito controle todo uso de sangue e de Hemocomponentes no Hospital. As orientações estão de acordo com a Portaria Nº1353 de 13 de junho de Toda transfusão de sangue traz um si um risco, seja imediato ou tardio, devendo, portanto ser criteriosamente indicada. O médico que prescrever a transfusão é o responsável pela correta indicação de uso RDC Nº 151, de 21 de agosto de 2001, art. 10 Das responsabilidades item II. Solicitação de Transfusão: Toda e qualquer transfusão de hemocomponentes ou hemoderivados deve ser solicitada e/ou prescrita por médico As necessidades transfusionais de um paciente com trauma severo ou aqueles pacientes que necessitam de transfusão maciça, associadas os procedimentos cirúrgicos eletivos, apresentam aspectos semelhantes. Cuidado especial deve ser tomado no atendimento a esses pacientes, com sua adequada identificação e das amostras sanguíneas, pois existe maior risco de reações transfusionais por incompatibilidade ABO além de estas reações poderem ser confundidas com coagulopatias em virtude de hipotermia, hemodiluição e choque. Todo médico que utiliza hemocomponentes deve ter em mente que os estoques destes são limitados e apresentam quedas sazonais carnaval, etc. Definição: TRANSFUSÃO MACIÇA pode ser considerada quando houver qualquer uma das situações abaixo: 1. Reposição de uma ou mais volemia sanguínea em um intervalo de 24 horas 2. Reposição de 30 a 50% do total da volemia sanguínea em 3 horas 3. Transfusão de mais de 20 unidades de concentrado de hemácias 4. Transfusão de 4 unidades de concentrado de hemácias em 1 hora Versão: 04 Código: TX maciça 08 Paginação: 3 de 17

4 TRANSFUSÀO de EMERGÊNCIA - quando qualquer retardo na administração da transfusão pode acarretar risco para a vida do paciente. Na transfusão de emergência a indicação e responsabilidade são exclusivas do médico que presta atendimento direto ao paciente, o qual deve preencher e assinar formulário próprio autorizando a liberação de hemocomponentes sem exames pré transfusionais. I O médico solicitante deve ser informado dos riscos e será responsável pelas conseqüências do ato transfusional. SITUAÇÕES CLÍNICAS em que a transfusão maciça é altamente possível de ocorrer: 1. Hemorragia digestiva 31% 2. Poli trauma lesão de grandes vasos, lesão hepática e fratura de ossos da pélvis 29 % 3. Cirurgia cardiovascular 12% 4. Doenças neoplásicas 9% 5. Complicações associadas à gestação ou parto síndrome HELLP (hemolisys (H), elevated liver enzymes (EL) and low platelets (LP), atonia uterina ou coagulação intravascular disseminada CIVD (4%) 6. Associada as cirurgias vasculares, cardíacas, hepáticas etc. 7. Ressecções radicais de próstata 8. Prótese de quadril 9. Transplante hepático. Abordagem do Paciente: Trabalhos clínicos experimentais têm mostrado que perda de até 75% de massa eritrocitária pode ser tolerada, desde que seja mantida a volemia. Porém perdas volêmicas de cerca de 30% são freqüentemente fatais. A atenção inicial em pacientes com hemorragias deve ser dada à manutenção da volemia, e posteriormente devemos nos ater à capacidade de transporte de oxigênio. O paciente deve ser avaliado clinicamente com o intuito de quantificar a perda sanguínea, o que é muitas vezes difícil em um paciente com hemorragia. Para tanto, é preconizado pela ATLS (Advanced Trauma Life Support), apresentado na tabela abaixo. De um modo geral, não há necessidade de transfusão de hemácias para os pacientes com trauma agudo das Classes I e II, particularmente em pacientes jovens que podem adaptar-se bem à anemia por perda aguda, e, devem receber soluções cristalóides. Se mais de 40% do volume sanguíneo foram perdidos (classe III e IV) em Versão: 04 Código: TX maciça 08 Paginação: 4 de 17

5 pacientes jovens, ou menos, em pacientes mais idosos que podem ter já de antemão funções orgânicas criticamente comprometidas, além de receber as soluções cristalóides, necessitam restaurar a capacidade de carrear oxigênio e, eventualmente, reposição de elementos responsáveis por hemostasia. Importante lembrar que apenas um terço do volume de cristalóide administrado permanece no espaço intravascular, o restante extravasa rapidamente para o espaço intersticial, portanto as perdas sanguíneas quando repostas com cristalóides devem manter a proporção de 03 volumes de cristalóides para cada volume de sangue perdido. Outro detalhe, períodos variáveis de hipoperfusão tecidual determina alterações relevantes na permeabilidade de micro circulação, fazendo com que a distribuição para o espaço intersticial seja facilitada, isto é amenizado com soluções que aumentem a pressão coloidosmótica intravascular, utilizando soluções de albumina humana ou expansores plasmáticos (dextranos de baixo peso molecular ou os amidos hetastarch ou pentastarch ), a utilização destes não é isenta de complicações como interferência na hemostasia e reações anafiláticas. O hematócrito não é um bom parâmetro para guiar a decisão de transfundir ou não transfundir, devido ao fato de que só começa a diminuir uma a duas horas depois do início da hemorragia. Perda Aguda de Sangue estimada baseada na apresentação clínica inicial do paciente Classe I Classe II Classe III Classe IV Perda de sangue - ml Até > 2000 Perda de sangue - % VS Até > 40 Pulso ( min ) < > > 140 Pressão de pulso# N ou A N D D Pressão arterial Normal Normal Diminuída Diminuída Freq. Respiratória - min < > 35 Débito urinário ml/h > Desprezível SNC ( estado mental ) Fluídos Ansiedade discreta Somente cristalóides Ansiedade moderada Cristalóides; possível TS Ansioso e confuso Cristalóides ; provável TS # Pressão de pulso diferença entre pressão sistólica e diastólica Confuso e letárgico TS e cristalóides Versão: 04 Código: TX maciça 08 Paginação: 5 de 17

6 Considerações Concernentes à transfusão maciça de sangue 1. A necessidade imediata ou urgente de hemácias e outros produtos podem prescindir dos testes de compatibilidade de rotina 2. Podem ocorrer erros na identificação da amostra 3. Uma transfusão rápida de hemácias pode causar hipotermia Aquecedores de sangue Substância salina aquecida misturada com sangue 4. Complicações geradas por transfusão de grande volume durante um curto período de tempo (< 24 horas ) Metabólicas Diluicionais 5. Acompanhamento do grupo para examinar o risco de transmissão de doenças através da transfusão de sangue. Correção de Perda Sanguínea 1. Canulização de duas veias cateter calibre 16G 2. Soluções cristalóides: soro fisiológico, ringer lactato etc. 3. Soluções de Albumina Humana 5 a 25% ou expansores plasmáticos. 4. Uso de hemocomponentes 5. Outras medidas A decisão de quais hemocomponentes e quando devem ser transfundidos deve ser feito baseando-se na avaliação clínica e resposta à terapêutica inicial, à localização e extensão de lesões, duração do choque, resposta à ressuscitação e presença de fatores complicantes como sangramento intracraniano. Em situações nas qual a hemoglobina é inferior a 6 g/dl existe grande risco de hipóxia tissular e comprometimento das funções vitais, aqui os mecanismos compensatórios não seriam eficazes para prevenir o dano tecidual. Entre 6 e 10 g/dl de hemoglobina, a anemia pode ou não exigir transfusão, ficando a indicação na dependência da avaliação clínica do paciente, doença de base etc. A reposição de hemácias, tem como função restabelecer a capacidade de transporte de oxigênio, evitando hipoxemia tecidual. Versão: 04 Código: TX maciça 08 Paginação: 6 de 17

7 A reposição de plaquetas pode estar indicadas em pacientes que apresentam sinais de sangramento micro vasculares (petéquias, sangramento de mucosas ou por cateter) e se a contagem de plaquetas tem os níveis de / mm 3 ou menos. Pacientes com lesão de sistema nervoso central devem ser mantidos com níveis de plaquetas acima de / mm 3 Não existe uma fórmula para a reposição de plasma fresco congelado em TM, sendo geralmente feita se TP ou TPPa for maior que 1.5 vezes o limite do valor de controle. A concentração de fibrinogênio deve ser mantida acima de 100 mg/dl, a reposição de crioprecipitado pode ser usada com essa finalidade. Resumo das recomendações práticas para tratamento com hemocomponentes Sociedade Americana de Anestesiologia (ASA guidelines) Concentrado de Hemácias - Geralmente indicado quando Hb < 6 g / dl - Raramente indicado quando Hb > 10 g / dl Plasma fresco congelado - Geralmente indicado quando TP ou TTPa > 1.5 x controle Concentrado de plaquetas - Geralmente indicado quando número < / mm 3 - Raramente indicado quando número > / mm 3 Crioprecipitado - Geralmente indicado se há sangramento e fibrinogênio < 80 g/dl - Sangramento na doença de von Willebrand sem resposta ao DDAVP DOSES: Concentrado de hemácias 01 U eleva 3 a 4% no hematócrito e o nível de Hemoglobina em 1 g /dl. Pacientes adultos 20 ml/kg e crianças 10 ml/kg Plasma fresco congelado 10 a 20 ml/kg ou 01 U PFC para cada 20 kg de peso Concentrado de plaquetas 01 U/10 Kg Crioprecipitado 01 U / 10 kg Versão: 04 Código: TX maciça 08 Paginação: 7 de 17

8 COMPLICAÇÕES As complicações associadas com a transfusão maciça geralmente estão associadas à infusão de materiais usados para aumentar o período de estocagem do sangue ou a alterações que ocorrem durante a estocagem. Os problemas metabólicos imediatos importantes, associados à transfusão sanguínea, se relacionam com a possibilidade de altas concentrações de potássio levar à hipercalemia e/ou a infusão rápida de citrato causar hipocalcemia. HIPERCALEMIA A hipercalemia se origina do fato de a concentração extracelular de K + aumentar progressivamente durante a estocagem das hemácias, o potássio deixa o interior da célula por falência da bomba de sódio, atingindo 27 meq/l e 40 meq/l após 35 e 42 dias de estocagem respectivamente. Como cada unidade de CH contém cerca de 250 ml, a cada unidade transfundida, seriam administrados 7 meq de potássio. A correção da volemia e do transporte de oxigênio revertem a acidose e modificam o sentido do fluxo de potássio para o interior das células. A hipercalemia esperada durante a TM não chega a ser um problema, exceto em pacientes com insuficiência renal. HIPOCALCEMIA Evento temido durante a TM, por acarretar alterações no estímulo elétrico cardíaco (alargamento do intervalo QT), insuficiência ventricular aguda, convulsão e hipotensão. Pode ocorrer devido às grandes quantidades de ácido cítrico na transfusão rápida de grandes volumes de plasma (> 20 ml/kg ou de 50 a 150 ml/min), ou plaquetas, levando a redução de 40 a 50% dos valores normais de cálcio iônico, que retornam ao valor normal em poucos minutos, após a interrupção da infusão. Na verdade, esse fenômeno está mais relacionado com a velocidade de infusão da transfusão que com a quantidade de hemocomponente transfundido. O ácido cítrico produz ligação estável com o cálcio iônico que volta a ser liberado depois do metabolismo do citrato pelo fígado. O citrato pode ser útil, pelo fato de aumentar os níveis de bicarbonato no plasma, promovendo uma alcalose metabólica, que poderá antagonizar a acidose metabólica associada à hipoxemia, que é o distúrbio ácido básico mais importante nestes pacientes, ajudando também a reduzir o K + no plasma. Na maioria dos casos o uso de cálcio é desnecessário, devemos manter a vigilância dos sintomas de hipocalcemia. Versão: 04 Código: TX maciça 08 Paginação: 8 de 17

9 O tratamento pode ser feito com gluconato de cálcio (30 mg/kg) ou cloreto de cálcio ( 10 mg/ml ) que é preferível, já que o cálcio ionizado é mais rapidamente disponível. Importante: não administrar cálcio pela mesma via de administração do sangue, pois, pode ocorrer formação de micro êmbolo (pela anulação do efeito quelante do citrato). ACIDOSE A coleta de sangue em solução de preservação ácida CPDA-1 (ph 5,5) reduz o ph para 7, no final de 35 dias o ph é de 6.6, resultando acúmulo de CO2 e ácidos fixos. A acidose está mais relacionada ao choque com hipoperfusão dos tecidos, que à quantidade de sangue transfundido. É possível que pacientes com função hepática comprometida necessitem de bicarbonato para correção da acidose, entretanto, como esses pacientes recebem substâncias precursoras do bicarbonato acetato, lactato e citrato, a alcalose metabólica é o achado mais freqüente nos paciente em TM. É preciso conhecer o ph e o déficit de base para providenciar as correções e manter o ph próximo de 7.3 2,3 DIFOSFOROGLICERATO ( 2,3 DPG ) É encontrado no interior da hemácia, tem influência na afinidade da hemoglobina por oxigênio. A concentração de 2,3 DPG cai gradualmente durante o armazenamento do concentrado de hemácias, até níveis próximos de zero. A queda na concentração de 2,3 DPG é dependente do tipo de conservante e o mais comumente utilizado é o CPDA- 1, que mantém níveis adequados de 2,3 DPG até 05 dias pós estoque. A normalização dos níveis intracelulares de 2,3 DPG demora cerca de 12 à 24 horas após transfusão. Aumento de 2,3 DPG acarreta menor afinidade da hemoglobina por hemácias, favorecendo sua liberação para os tecidos, enquanto sua diminuição aumenta a afinidade e diminui a liberação de oxigênio. Em transfusão maciça, faz-se necessário o uso de concentrado de hemácias com tempo de estoque menor que 3 dias se possível. Versão: 04 Código: TX maciça 08 Paginação: 9 de 17

10 DISTÚRBIOS DE HEMOSTASIA EM TM Entre os principais fatores que contribuem para o aparecimento de coagulopatia dilucional associada à TM estão a hemodiluição, hipotermia, hipoxia e a lesão do sistema nervoso central que constitui importante fonte de ativadores de plasminogênio, conhecidos ativadores do sistema fibrinolítico. A hemodiluição extensa pode afetar a coagulação, contudo a incidência é baixa quando é reposta até uma volemia. Nessa situação, até 40% da atividade dos fatores de coagulação é preservada e esses níveis são, de modo geral, suficientes para a hemostasia adequada. A queda de fatores de coagulação vai depender de qual hemocomponente for usada como reposição, a deficiência como causa primária de coagulopatia ocorre principalmente com o uso de Concentrado de Hemácias. Nessa situação, hipofibrinogenemia ocorre na maioria dos pacientes atingindo nível crítico (1g/dl ) com a troca de 1.5 volemia. Raramente os níveis de plaquetas são inferiores a / mm 3 até que haja troca de 1.5 a 2 volemias. Diluição de plaquetas e fatores de coagulação intravascular após transfusões de grande volume durante curto período de (< 24 horas) Montante de transfusão de sangue (hemácias) 01 Volume sanguíneo 02 Volume sanguíneo 03 Volume sanguíneo 04 Volume sanguíneo Concentração residual de plaquetas ou fatores de coagulação (fator V, fibrinogênio) 33 % 25% 12% 04% A hipotermia pode afetar a coagulação normal, quando a temperatura central cai, abaixo de 34 C, ocorre inibição progressiva da atividade de protease da serina, inibindo as reações da cascata da coagulação, provocando o alargamento do TP e do TPPa. Nessas condições também há ativação do sistema fibrinolítico e presença de atividade heparínica; há diminuição da síntese de prostaglandinas e de tromboxano, essenciais ao funcionamento das plaquetas. A hipotermia leva graves conseqüências ao paciente como alterações cardíacas (arritmias ventriculares), metabolismo alterado de citrato e lactato, desvia para a esquerda da curva de dissociação da hemoglobina e distúrbios da coagulação. Versão: 04 Código: TX maciça 08 Paginação: 10 de 17

11 As hemácias são estocadas entre 2-6 C e uma transfusão rápida de grandes volumes pode causar hipotermia. Isto é comum quando a velocidade de infusão é maior do que 100 ml/minuto, equivalente à transfusão de uma unidade em 2-3 minutos, utilizando de cateter central, posicionado próximo ao sistema de condução cardíaco. Para contornar esses efeitos há várias maneiras, como afastar o cateter central do átrio, diminuir a taxa de infusão, ou ainda utilizar aquecedor de sangue, que não deve elevar a temperatura do sangue acima de 42ºC, para evitar hemólise térmica do concentrado. Uma outra conduta incluem a adição de salina pré aquecida (68ºC) às hemácias antes da infusão, esta prática pode resultar em hemólise, com aumento do potássio, causando complicações metabólicas. A coagulação intravascular disseminada (CIVD) pode fazer parte do quadro clínico do paciente recebendo TM, entretanto devemos afastar outras causas desencadeante dessa coagulopatia como embolia amniótica ou de gordura etc. A CIVD associada a TM está relacionada com intensidade e duração do choque circulatório que produz isquemia tecidual, acidose e acúmulo de detritos provenientes de lesão celular e metabolismo anaeróbico. TRANSFUSÃO DE EMERGÊNCIAA / URGENCIA Em caso de EMERGÊNCIA/URGÊNCIA as solicitações de transfusão são atendidas a qualquer hora, o Serviço de Hemoterapia libera o fornecimento de sangue tão logo a exata natureza do caso lhe seja comunicada. Não se aceita REQUISIÇÕES de transfusão incompletas ou não assinadas pelo médico solicitante, descartam-se os tubos de amostra sem etiqueta de identificação. Quando há risco de vida pode não haver tempo para a realização dos exames pré transfusionais, a liberação de sangue ou de concentrado de hemácias sem prova de compatibilidade poderá ser feita, desde que obedecidas as seguintes condições: O quadro clínico do paciente justifique a emergência, isto é, quando um retardo no inicio da transfusão possa levar o paciente ao óbito. TERMO DE RESPONSABILIDADE assinando pelo médico responsável pelo paciente no qual afirme expressamente concordar com o procedimento. As provas pré-transfusionais devem ser realizadas até o final, mesmo que a transfusão já tenha sido completada. Versão: 04 Código: TX maciça 08 Paginação: 11 de 17

12 PROCEDIMENTO A precisão na etiquetagem dos tubos das amostras de sangue para as provas pré transfusionais enviadas ao Serviço de Hemoterapia é de importância fundamental, a maioria de erros cometidos em transfusão é decorrente de amostras incorretamente identificadas. 1. Cabe ao médico solicitante Telefonar ao serviço de hemoterapia comunicando a natureza da emergência, o nome e o tipo de sangue (se conhecido) do paciente. I Se não houver amostra de sangue do paciente no serviço, esta deve ser colhida assim que possível. A amostra de sangue do receptor será colhida pelo médico assistente, em tubo limpo, seco e com tampa, sem anticoagulante, identificado de maneira legível no momento da coleta com o nome completo, número de registro, data e rubrica. Não serão aceitos os tubos de amostra sem etiqueta de identificação. 2. Cabe a enfermeira do setor Providenciar que o tubo, contendo a amostra do receptor devidamente etiquetado e o formulário de solicitação de transfusão de caráter de emergência/urgência já autorizado pelo médico solicitante seja levado ao Serviço de Hemoterapia o mais rapidamente possível. Verificar se a transfusão prescrita pelo médico está registrada no prontuário do paciente. Registrar no prontuário os números, tipos dos hemocomponentes transfundidos, tipo sanguíneo e Rh, hora do inicio da transfusão assinatura de quem instalou a transfusão. Executar e ou supervisionar a administração e a monitorização da infusão de hemocomponentes e hemoderivados, detectando as eventuais reações adversas. 3. Cabe ao mensageiro ou técnico do serviço Nos casos de emergência em que não há amostra de sangue do receptor ou não há tempo para realizar a tipagem sanguínea o mensageiro ou o técnico do serviço de hemoterapia retornar ou vai ao local de emergência levando uma unidade de sangue total ou concentrado de Hemácias O NEGATIVO. Não havendo este tipo de sangue em estoque no serviço, poderá ser usado sangue O POSITIVO, sobretudo em pacientes do sexo masculino ou em pacientes de qualquer sexo com mais de 45 anos de idade. Versão: 04 Código: TX maciça 08 Paginação: 12 de 17

13 4. Cabe ao técnico do serviço de hemoterapia Verificar se os formulários de solicitação de transfusão de emergência conferem com a etiqueta colada no tubo de amostra e notificar a fonte solicitante, se houver alguma irregularidade na identificação da amostra do receptor ou no preenchimento do formulário. Realizar as provas pré-transfusionais Retipificação ABO e Rh (casos negativos) da bolsa de sangue. Determinação ABO/Rh e pesquisa de anticorpos irregulares do receptor. Prova de compatibilidade Amostra de sangue do receptor e da bolsa transfundida deverá ser armazenada em geladeira pelo menos por 03 (três) dias após a transfusão. Se a pesquisa de anticorpos irregulares negativa, e caso se comprove a compatibilidade em tubo no meio salino (o termino da prova de compatibilidade será realizada em seguida), dirigir-se ao local de emergência levando outras unidades, de plasma, concentrado de hemácias ou sangue total, entregando-as ao medico solicitante ou a supervisão de enfermagem. Se a pesquisa de anticorpos irregulares positiva, a 37ºC ou em fase de antiglobulina humana indicando presença de anticorpo clinicamente significante, a decisão transfusional vai depender do risco / benefício, na ausência de identificação de anticorpo ou bolsa antígeno negativo. Na prática, comprovada a compatibilidade, enquanto se aguarda o prosseguimento da investigação laboratorial, hemocomponentes são liberados. Preenche a APAC e deixar com a supervisão de enfermagem que ao final da transfusão faz o relato da transfusão. Recomendações I O envio de bolsa não implica na interrupção das provas pré-transfusionais, que devem ser terminadas. Em caso de anormalidades nestas provas, o médico assistente deve ser imediatamente notificado, e a decisão sobre a suspensão ou continuação da transfusão deve ser tomada em conjunto por este e pelo médico do serviço de hemoterapia. Versão: 04 Código: TX maciça 08 Paginação: 13 de 17

14 I Quando o resultado das provas pré-transfusionais demonstrarem que não há SANGUE compatível para o receptor, o Serviço de Hemoterapia deve comunicar este fato ao médico solicitante e, em conjunto, realizar a avaliação clínica do paciente. Caso seja feita a opção de se transfundir sangue incompatível, esta decisão deve ser justificada por escrito, em termo que deve ser assinado pelo hemoterapeuta, pelo médico assistente do paciente e, quando possível, pelo próprio paciente ou por seu responsável legal. 5. Cabe a auxiliar de enfermagem Terminada a transfusão acabar de preencher o relato da transfusão na APAC (que se encontra no prontuário do paciente) temperatura axilar, pulso, pressão arterial e hora do termino. Todos os procedimentos deverão ser assinados, para apuração de responsabilidades. RESPONSABILIDADES: Dos colaboradores que executam as atividades neste setor, do corpo de enfermagem e dos médicos assistentes do paciente. COMENTÁRIOS Este procemento operacional foi elaborado e implantado para ser seguido por todos os profissionais envolvidos, padronizando o atendimento ao paciente que necessita de transfusão maciça e de emergência/urgência no HUJM. NORMAS DE SEGURANÇA Os profissionais da área de saúde que manipulam materiais biológicos devem obedecer aos procedimentos básicos de biossegurança também deverão estar fazendo a segurança do meio ambiente. GERAIS: 1. Não jogar material biológico na pia. 2. Lixo comum acondicionar em sacos escuros. 3. Lixo infectante acondicionar em sacos brancos leitoso. Versão: 04 Código: TX maciça 08 Paginação: 14 de 17

15 4. Em caso de derramamento de material biológico, despeje hipoclorito de sódio 1% e deixe agir por 20 minutos, limpar com papel toalha e descartá-lo em recipiente apropriado. 5. Caso ocorra algum ferimento durante seu trabalho, procure imediatamente o serviço médico dos funcionários para comunicar a ocorrência e receber orientação. 6. Todo material cortante, perfurante ou perfuro-cortante como agulhas e seringas, devem ser lacrados e enviados ao expurgo. Não despreze estes materiais em outros cestos de lixo. 7. As bolsas de hemocomponentes não devem ser colocadas diretamente nas latas ou depósitos de lixo; 8. Toda bolsa de sangue e hemocomponentes a ser descartada deve ser submetida a algum método que elimine a infectividade de patógenos eventualmente presentes; 9. Depois de inativados as bolsas devem ser acondicionadas em sacos plásticos destinados a resíduos biológicos; 10. É permitido o transporte de bolsas para serem incineradas em outros locais desde que, sejam transportados em recipientes rígidos, lacrados, identificados e em veículos apropriados; INDIVIDUAIS: Utilizar os equipamentos de proteção individual. 1. Lavar as mãos antes e após qualquer procedimento; 2. O papel utilizado para enxugar as mãos após a lavagem pode ser usado para fechar a torneira, evitando uma eventual "recontaminação"; 3. Troque as luvas imediatamente caso elas se contaminem com material biológico ou apresentem sinais de perfuração ou rompimento; 4. Ao remover as luvas inverta-as completamente, evitando, que sua porção exterior entre em contato com qualquer superfície; 5. Quando estiver utilizando luvas evitar tocar superfícies limpas, tais como telefones, mesas ou maçanetas de portas; 6. Ao manipular o paciente utilize uma nova luva desprezando a anterior em local adequado; 7. Trajar vestimentas totalmente brancas ou aventais longos brancos de mangas compridas, caso estejam trajando roupas que não sejam brancas; 8. Troque o avental sempre que estiver sujo e/ou contaminado. Versão: 04 Código: TX maciça 08 Paginação: 15 de 17

16 TREINAMENTO - Objetivo é o aprimoramento contínuo Será dado treinamento a todos os colaboradores da AT, antes da implantação deste manual de procedimentos, são responsabilidades dos colaboradores participarem dos treinamentos e implantá-los na prática. A reciclagem será feita anualmente ou quando novos colaboradores sejam admitidos. FORMULÁRIOS/DOCUMENTOS RELACIONADOS Pop de coleta de sangue de doadores/receptores Pop de Testes imunohematológicos Pop de biossegurança Pop de Gerenciamento de Resíduos Formulário de solicitação de transfusão APAC Formulário específico para solicitação de transfusão de emergência/urgência RESULTADOS Padronização de todos os procedimentos para solicitação de transfusão maciça e as de emergência/urgência no Hospital Universitário Julio Muller. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. Manual Prático de Hemoterapia Josephh D. Sweeney e Yvonne Rizk Ministério de Estado de Súde Portaria Nº 1353, 13 de Junho Manual de transfusão sanguínea Dalton de Alencar Fischer Chamone, Maarcia Cristina Zago Novaretti e Pedro Enrique Dorlhiac-Llacer Segurança no Laboratório Clínico ABNT Abril/ Agência Nacional de Vigilância Sanitária RDC Nº 151, 21 de agosto de Ministério da Saúde Técnicas para Coleta de Sangue. Coordenação Nacional de Doenças Sexualmente Transmissíveis e Aids. Brasília 1997 Série Telelab. 7. Conselho Federal de Enfermagem COFEN N 200 de 25 de Abril de AABB, Technical Manual Committe. 12 th edition Versão: 04 Código: TX maciça 08 Paginação: 16 de 17

17 SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO EM CARÁTER DE EMERGÊNCIA/URGÊNCIA Portaria nº1353 de 13 de junho de Seção X Transfusão Sanguínea Artigo Transfusão de urgência ou emergência: a liberação de sangue total ou concentrado de Hemácias sem provas de compatibilidade pode ser feita, desde que o termo de responsabilidade seja assinado pelo médico responsável pelo paciente no qual afirme expressamente o conhecimento do risco e concordar com o procedimento. Nome:...Data nasc:... Sexo...Clínica...Qto...Lto...Reg:... Diagnóstico:... Hemocomponente:...Quantidade:... Antecedentes transfusionais:... Tipo de transfusão: urgência ( ) emergência ( ) Justificativa: Eu Dr(a)... portador do CRM... autorizo a liberação de sangue total (...) unidades e ou concentrado de hemácias (...) unidades para o paciente...estando ciente de que foi realizado apenas prova de compatibilidade na fase salina e retipagem das bolsas utilizadas. Data:.../.../... Assinatura do Médico e CRM Versão: 04 Código: TX maciça 08 Paginação: 17 de 17

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA Versão: 06 Código: STROEM 02 Paginação: 1 de 36 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Aprovado e liberado por:

Leia mais

AGÊNCIA TRANSFUSIONAL - HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MULLER

AGÊNCIA TRANSFUSIONAL - HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MULLER PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO: TRANSFUSÃO EM NEONATOS E CRIANÇAS ATÉ 4 MESES DE IDADE Versão: 05 Código: APTRN/4M 05 paginação: 1 de 12 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Data da Elaboração:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HEMOVIGILÂNCIA Responsáveis: Enfª Cledes Moreira Enfª Danielli S. Barbosa Enfª Luciana Paiva VAMOS TRABALHAR HOJE Os cuidados na instalação de sangue e hemocomponentes.

Leia mais

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA Parte I: Múltipla Escolha 01 Quanto à classificação do grupo

Leia mais

Requisição incompleta, inadequada ou ilegível não será aceita pelo Serviço de Hemoterapia

Requisição incompleta, inadequada ou ilegível não será aceita pelo Serviço de Hemoterapia 1 1 - REQUISIÇÃO DE HEMOCOMPONENTES A enfermagem deve checar se a requisição de transfusão (MA5-036) foi preenchida corretamente, em duas ou mais vias, com os seguintes itens: - Nome completo do paciente

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. XV Jornada Interiorana de Hematologia e Hemoterapia II Encontro Interiorano de Enfermagem em Hemoterapia e Hemovigilância TESTES PRÉ

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PREPARAO DE HEMOCOMPONENTES ESPECIAIS

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PREPARAO DE HEMOCOMPONENTES ESPECIAIS PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PREPARAO DE HEMOCOMPONENTES ESPECIAIS Versão atual: 05 Código: PHEsp-03 Paginação: 1 de 11 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Data da Elaboração: 05/06/04

Leia mais

INSTALAÇÃO E CONTROLE DE TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE Enf a Chefe de Enfermagem do Serviço de Hemoterapia: Gilce Erbe de

INSTALAÇÃO E CONTROLE DE TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE Enf a Chefe de Enfermagem do Serviço de Hemoterapia: Gilce Erbe de Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Instalação e administração de concentrado de hemácias, plaquetas ou plasma fresco congelado. FINALIDADE Estabelecer a rotina para instalação e controle da transfusão de hemocomponentes

Leia mais

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição.

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. 1. Introdução: Atualmente, a transfusão de hemocomponentes é considerado um procedimento

Leia mais

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL HEMOCENTRO DE BELO HORIZONTE 2015 TRANFUSÃO SANGUÍNEA BREVE RELATO Atualmente a transfusão de sangue é parte importante da assistência à saúde. A terapia transfusional

Leia mais

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS Nome do responsável: Formação profissional: Registro no conselho de classe: Contato: 1. Atividades avaliadas Nível

Leia mais

Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor. Rotina de Enfermagem na Hemotransfusão. Enfermeira Claudete Carmen Girotto Sartori

Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor. Rotina de Enfermagem na Hemotransfusão. Enfermeira Claudete Carmen Girotto Sartori Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor Rotina de Enfermagem na Hemotransfusão Enfermeira Claudete Carmen Girotto Sartori Rotina de Enfermagem na Hemotransfusão. O processo transfusional contempla

Leia mais

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Agência Transfusional

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Agência Transfusional Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Gerência de Sangue, outros Tecidos, Células e Órgãos/GSTCO/GGPBS/Anvisa Christiane da Silva Costa Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL INSTALAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA TRANSFUSÃO E REAÇÕES ADVERSAS

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL INSTALAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA TRANSFUSÃO E REAÇÕES ADVERSAS Pagina 1 de 20 1. OBJETIVO Assegurar todo o procedimento de transfusão sanguínea. 2. APLICAÇÃO Receptores (Pacientes). 3. RESPONSABILIDADES Médicos Supervisora Técnica Coordenador de Imunohematologia (

Leia mais

Rotina da Agência Transfusional. Mara Martins Bióloga HCI / INCA

Rotina da Agência Transfusional. Mara Martins Bióloga HCI / INCA Rotina da Agência Transfusional Mara Martins Bióloga HCI / INCA O ato transfusional é um delicado processo na assistência a saúde. No INCA são realizadas cirurgias de grande porte e também grande número

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL RECEBIMENTO DE SOLICITAÇÕES PARA A TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL RECEBIMENTO DE SOLICITAÇÕES PARA A TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES Pagina 1 de 17 1. OBJETIVO Atender com eficácia as solicitações realizadas pelo corpo clínico dos hospitais. 2. APLICAÇÃO Receptores (pacientes). 3. RESPONSABILIDADES Médicos Supervisora Técnica Coordenador

Leia mais

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante: Azida de Sódio 0,1 % Responsável

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO TRANSFUSÃO SANGUÍNEA

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO TRANSFUSÃO SANGUÍNEA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO TRANSFUSÃO SANGUÍNEA Versão atual: 05 código: Transang - 04 Paginação: 1 de 18 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Data da Elaboração: 13/05/03 Aprovado e liberado

Leia mais

XV JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA II ENCONTRO INTERIORANO DE ENFERMAGEM EM HEMOTERAPIA E HEMOVIGILÂNCIA CICLO DO SANGUE DRA LUCIANA

XV JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA II ENCONTRO INTERIORANO DE ENFERMAGEM EM HEMOTERAPIA E HEMOVIGILÂNCIA CICLO DO SANGUE DRA LUCIANA XV JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA II ENCONTRO INTERIORANO DE ENFERMAGEM EM HEMOTERAPIA E HEMOVIGILÂNCIA CICLO DO SANGUE DRA LUCIANA PREMISSAS A transfusão sanguínea é uma terapêutica

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 027 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 027 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 027 / 2011 Assunto: Autotransfusão intra-operatória. 1. Do fato Solicitado parecer por enfermeira sobre a atuação dos profissionais de Enfermagem na autotransfusão intra-operatória.

Leia mais

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO IV PROCESSAMENTO, ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO IV PROCESSAMENTO, ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO MÓDULO IV PROCESSAMENTO, ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO PROCESSAMENTO Nome do responsável: Formação profissional: Registro no conselho de classe: Contato: 1. Recursos Humanos Nível Sim Não NA 1.1. RH qualificado/capacitado

Leia mais

HEMOTERAPIA. Segurança do Sangue. Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes

HEMOTERAPIA. Segurança do Sangue. Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes Segurança do Sangue Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes Escolha dos Doadores Voluntários Baixa prevalência de doenças Doadores de repetição

Leia mais

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico ANTI HUMANO Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante:

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PREPARO DE TRANSFUSÕES E LIBERAÇÃO DE HEMOCOMPONENTES PARA TRANSFUSÃO

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PREPARO DE TRANSFUSÕES E LIBERAÇÃO DE HEMOCOMPONENTES PARA TRANSFUSÃO Pagina 1 de 30 1. OBJETIVO Assegurar o procedimento de liberação e transfusão sangüínea. 2. APLICAÇÃO Receptores (Pacientes). 3. RESPONSABILIDADES Médicos Supervisora Técnica Coordenador de Imunohematologia

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO SANITÁRIO PARA AUTORIZAÇÃO DE TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E COMPONENTES

ROTEIRO DE INSPEÇÃO SANITÁRIO PARA AUTORIZAÇÃO DE TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E COMPONENTES ROTEIRO DE INSPEÇÃO SANITÁRIO PARA AUTORIZAÇÃO DE TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E COMPONENTES Período da Inspeção: / / a / / Tipo de serviço REMETENTE: ( ) HC ( ) HR ( ) NH ( ) UC fixa ( ) UC móvel

Leia mais

Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso

Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso Dra. Maria Odila Jacob de Assis Moura Centro de Hematologia de São Paulo Setembro/2006 Guidelines 1980 National Institutes of Health 1984 American

Leia mais

Projeto coordenado por Denise Costa Dias

Projeto coordenado por Denise Costa Dias A hemoterapia moderna baseia-se no uso seletivos dos componentes do sangue. A utilização correta dos diversos hemocomponentes, associados a um maior controle de qualidade nas diversas etapas desde a coleta

Leia mais

Produção, Armazenamento e Procedimentos de Hemocomponentes

Produção, Armazenamento e Procedimentos de Hemocomponentes Produção, Armazenamento e Procedimentos de Hemocomponentes Keicia Moreira Pinto Instituto Nacional do Câncer Hospital do Câncer I Serviço de Hemoterapia Setor de Fracionamento e Expedição de Hemocomponentes

Leia mais

ANTI IgG (Soro de Coombs)

ANTI IgG (Soro de Coombs) ANTI IgG (Soro de Coombs) Soro Anti Gamaglobulinas Humanas PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS. Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS. Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian SISTEMA HEMATOLÓGICO ATUAÇÃO DE ENFERMAGEM NO PROCESSO DE DOAÇÃO E TRANSFUSÃO SANGUÍNEA SEMINÁRIO ALUNOS DO 4º SEMESTRE

Leia mais

2 Conservação do sangue e hemocomponentes

2 Conservação do sangue e hemocomponentes 2 Conservação do sangue e hemocomponentes Alguns problemas de saúde hematológicos ou hemodinâmicos podem ser tratados utilizando produtos hemoterápicos, como por exemplo, problemas ligados à coagulação,

Leia mais

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS:

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS: 1. CADASTRO Para atuar no Hospital São Luiz, todo médico tem de estar regularmente cadastrado. No momento da efetivação, o médico deve ser apresentado por um membro do corpo clínico, munido da seguinte

Leia mais

Disfunção plaquetária em situações especiais

Disfunção plaquetária em situações especiais Disfunção plaquetária em situações especiais Fernanda Andrade Orsi Médica Hematologista do Serviço de Hemostasia do Hemocentro de Campinas - UNICAMP Atividade plaquetária Exposição do colágeno subendotelial

Leia mais

Transfusão de Hemocomponentes em Pediatria

Transfusão de Hemocomponentes em Pediatria Transfusão de Hemocomponentes em Pediatria Adriana Barretto de Mello hemoba@hemoba.ba.gov.br Todo sangue é fracionado em componentes Vantagens Uma doação pode ajudar vários pacientes Para manter as propriedades

Leia mais

MÓDULO II- Referenciado

MÓDULO II- Referenciado MÓDULO - Referenciado CAPTAÇÃO, RECEPÇÃO/REGSTRO, TRAGEM CLÍNCA E COLETA 1. Captação de Doadores 1.1. Recursos Humanos Nível Sim Não 1.1.1. Pessoal qualificado/capacitado. (RDC 34/, Art. 19) 1.1.2. Supervisão

Leia mais

COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO. Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ

COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO. Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ HEMOSTASIA Conjunto de mecanismos que visa manter a fluidez do sangue no interior dos vasos no sistema

Leia mais

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH 1. APRESENTAÇÃO A SEPSE TEM ALTA INCIDÊNCIA, ALTA LETALIDADE E CUSTO ELEVADO, SENDO A

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE Os acidentes de trabalho com material biológico e/ou perfurocortante apresentam alta incidência entre

Leia mais

Como diagnosticar e notificar uma reação transfusional

Como diagnosticar e notificar uma reação transfusional www.anvisa.gov.br Como diagnosticar e notificar uma reação transfusional II Encontro Goiano de Gerenciamento de Risco 1 a 3 de outubro de 2012 Termos e Palavras-chave Hemoterapia Uso Racional do sangue

Leia mais

a) do Serviço de Hemoterapia para a Vigilância Sanitária Municipal, até o 10º dia útil subsequente ao mês/período informado;

a) do Serviço de Hemoterapia para a Vigilância Sanitária Municipal, até o 10º dia útil subsequente ao mês/período informado; Republicada no D.O. de 22/8/01 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso IV, do Regulamento da ANVISA, aprovado pelo Decreto

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

SEGURANÇA DO PACIENTE: CUIDADOS EM HEMOTRANSFUSÃO

SEGURANÇA DO PACIENTE: CUIDADOS EM HEMOTRANSFUSÃO SEGURANÇA DO PACIENTE: CUIDADOS EM HEMOTRANSFUSÃO Dda ENF LEOMAR ALBINI Ms ENF MIRELA PEZZINI VERAN Comitê Transfusional/ Hemovigilância HC UFPR Transfusão Ciclo do sangue Candidato à Doação DOADOR AMOSTRAS

Leia mais

Nestes 30 anos, crescemos, amadurecemos e compreendemos nosso papel na sociedade.

Nestes 30 anos, crescemos, amadurecemos e compreendemos nosso papel na sociedade. Nestes 30 anos, crescemos, amadurecemos e compreendemos nosso papel na sociedade. Auditoria em Hemoterapia Experiências vivenciadas BREVE HISTÓRICO TRANSFUSÃO SANGUÍNEA HEMOCOMPONENTES HEMODERIVADOS TRANSFUSÃO

Leia mais

VIII Simposio Hemominas de Transfusão Sanguinea

VIII Simposio Hemominas de Transfusão Sanguinea VIII Simposio Hemominas de Transfusão Sanguinea Transfusão de Hemocomponentes Especiais Belo Horizonte Abril 2015 Ricardo Olivo Hemocentro Regional de Uberaba Hemocomponentes Especiais São hemocomponentes

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

Mini-conferência Detecção de agentes infecciosos em hemocomponentes não plasmáticos. Discussão

Mini-conferência Detecção de agentes infecciosos em hemocomponentes não plasmáticos. Discussão Foto: Marcelo Rosa 8h30 8h40-9h 9h-9h50 9h50-10h 10h-10h20 Entrega do material Abertura Conferência: A doação de sangue na América Latina 10h20-10h50 10h50-11h 11h-12h30 11h-11h20 11h20-11h40 11h40-12h

Leia mais

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Página: 1/6 SUMÁRIO 1.OBJETIVO: Fazer a reposição de sangue e/ou componentes sanguíneos conforme a necessidade terapêutica dos pacientes. 2.APLICAÇÃO: Aos pacientes internados e ambulatoriais com prescrição

Leia mais

Resolução Estadual nº 05, de 1988

Resolução Estadual nº 05, de 1988 Resolução Estadual nº 05, de 1988 ASSUNTO: Aprovação da Norma Técnica Especial (NTE) relativa ao Controle de Transfusão de Sangue em Estabelecimentos Hospitalares e Afins. DATA DE ENTRADA EM VIGOR: REVOGAÇÃO:

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaboradora Texto Introdutório TESTES IMUNO-HEMATOLÓGICOS E TRANSFUSÃO EM ANEMIA HEMOLÍTICA AUTO-IMUNE A FRIO Margarida de Oliveira Pinho. Bióloga, Responsável pelo Laboratório de Imunohematologia

Leia mais

(nome da Unidade de Saúde), com sede na

(nome da Unidade de Saúde), com sede na TERMO DE COMPROMISSO que entre si celebram o Estado do Rio de Janeiro, por meio da Secretaria de Estado de Saúde, neste ato representada pela Dra. Simone Silva da Silveira, Diretora Geral do Instituto

Leia mais

CLINICA MÉDICA TERAPÊUTICA COM SANGUE E COMPONENTES ANEMIA NEUTROPENIAS TROMBOCITOPENIAS HEMATOLOGIA 2003-2004 TROMBOCITOPENIAS TROMBOCITOPATIAS

CLINICA MÉDICA TERAPÊUTICA COM SANGUE E COMPONENTES ANEMIA NEUTROPENIAS TROMBOCITOPENIAS HEMATOLOGIA 2003-2004 TROMBOCITOPENIAS TROMBOCITOPATIAS CLINICA MÉDICA HEMATOLOGIA TERAPÊUTICA COM SANGUE E COMPONENTES 2003-2004 ANEMIAS TROMBOCITOPENIAS TROMBOCITOPATIAS ANEMIA NEUTROPENIAS FERRO VITAMINA B12 ÁCIDO FÓLICO COAGULOPATIAS CONGÉNITAS COAGULOPATIAS

Leia mais

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS Resolução da Diretoria Colegiada RDC no 57, de 16 de dezembro de 2010. Determina o Regulamento Sanitário para Serviços que desenvolvem atividades relacionadas

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. São pequenas partículas originadas do citoplasma dos megacariócitos na medula óssea, desprovidas de núcleo (sem capacidade de síntese

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE ENFERMAGEM NA INSTALAÇÃO DA TRANSFUSÃO

BOAS PRÁTICAS DE ENFERMAGEM NA INSTALAÇÃO DA TRANSFUSÃO BOAS PRÁTICAS DE ENFERMAGEM NA INSTALAÇÃO DA TRANSFUSÃO Jaciane Vargas de Freitas Silva Enfermeira RT Serviço de Enfermagem do Ambulatório do HBH Fundação Hemominas BOA PRÁTICA TRANSFUSIONAL Aplicação

Leia mais

Cuidados e indicações atuais

Cuidados e indicações atuais Hemotransfusão em Pediatria Cuidados e indicações atuais Priscila Cezarino Rodrigues Pediatra Hematologista e Hemoterapeuta Fundação Hemominas Grupo de Hematologia Pediátrica do HC UFMG Belo Horizonte

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 29 Página 1 de 5 1. Sinonímia Pesquisa de anticorpos frios. 2. Aplicabilidade Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de Imunologia. 3. Aplicação clínica As Crioaglutininas são anticorpos

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Pg.: 1 de Elaboração Verificação Aprovação Janaina Bacci Data: Data: Data: Título da Atividade: Procedimentos para descarte de Resíduos Quimioterápicos Executante: Colaboradores envolvidos na manipulação

Leia mais

Punção Venosa Periférica CONCEITO

Punção Venosa Periférica CONCEITO Punção Venosa Periférica CONCEITO É a criação de um acesso venoso periférico a fim de administrar soluções ou drogas diretamente na corrente sanguínea, para se obter uma ação imediata do medicamento. Preparar

Leia mais

CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FRENTE AO PACIENTE SUBMETIDO À TERAPIA TRANSFUSIONAL... 260

CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FRENTE AO PACIENTE SUBMETIDO À TERAPIA TRANSFUSIONAL... 260 CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FRENTE AO PACIENTE SUBMETIDO À TERAPIA TRANSFUSIONAL... 260 CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FRENTE AO PACIENTE SUBMETIDO À TERAPIA TRANSFUSIONAL. PRISCILA VICENTIN

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular Composto pelo coração, pelos vasos sanguíneos e pelo sangue; Tem por função fazer o sangue

Leia mais

Boletim Informativo 1 e 2-2010

Boletim Informativo 1 e 2-2010 PPEETT IMAGEEM I DIAGNÓSSTTI ICOSS VEETTEERRI INÁRRI IOSS UUM ÓTTI IIMO 22001100 Em nosso primeiro boletim desejamos a todos nossos colegas um ano de 2010 muito bom e com muito sucesso. Bom trabalho a

Leia mais

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS 1. A partir de janeiro de 2014 o Brasil adotará a nova classificação de caso de dengue revisada da Organização Mundial de Saúde (detalhamento anexo I):

Leia mais

Hemocomponentes. Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com

Hemocomponentes. Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com Hemocomponentes Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com Banco de sangue Hemocomponentes: Produtos gerados nos serviços de hemoterapia a partir do sangue total por meio de centrifugação,

Leia mais

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício Desde as décadas de 60 e 70 o exercício promove Aumento do volume sanguíneo Aumento do volume cardíaco e suas câmaras Aumento do volume sistólico Aumento do débito cardíaco que pode ser alcançado Aumento

Leia mais

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte:

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: QUESTÃO 01 Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: a) 10.000/mm 3 b) 5.000/mm 3 c) 20.000/mm 3 d) 100.000/mm 3 e) 30.000/mm 3 QUESTÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES Elisandro Luis Lima Saldanha Orientadora: Profª Themis Dovera Porto Alegre

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

FISIOLOGIA DO SANGUE HEMATÓCRITO 08/10/2008 ERITRÓCITOS OU HEMÁCIAS HEMATÓCRITO PLASMA: CELULAR:

FISIOLOGIA DO SANGUE HEMATÓCRITO 08/10/2008 ERITRÓCITOS OU HEMÁCIAS HEMATÓCRITO PLASMA: CELULAR: FISIOLOGIA DO SANGUE Sistema Circulatório PLASMA: semelhante ao líquido intersticial PROTEÍNAS PLASMÁTICAS Albumina pressão coloidosmótica Globulinas transporte e substrato imunidade, anticorpos Fibrinogênio

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ MANUAL DO PACIENTE TRANSPLANTE DE RIM CURITIBA 2012 Índice 1. Objetivo... 3 2. O que é a Central Estadual de

Leia mais

Figura 1 Principais áreas de atuação

Figura 1 Principais áreas de atuação AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA GREVE DA ANVISA NO SETOR DE SAÚDE A Associação Brasileira da Indústria de Alta Tecnologia de Equipamentos, Produtos e Suprimentos Médico-Hospitalares realizou junto as suas empresas

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE AGÊNCIA TRANSFUSIONAL

MANUAL DA QUALIDADE AGÊNCIA TRANSFUSIONAL MANUAL DA QUALIDADE AGÊNCIA TRANSFUSIONAL Versão: 03 Código: MQAT 01 paginação: 1 de 19 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Data da Elaboração: 27/08/2007 Aprovado e liberado por: Hildenete

Leia mais

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS Ebola Perguntas e Respostas 13 O que fazer se um viajante proveniente desses países africanos apresentar sintomas já no nosso

Leia mais

Sistema tampão. Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H +

Sistema tampão. Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H + Sistema tampão Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H + Quando se adiciona um ácido forte na solução de ácido fraco HX X - + H + HA A - H + X - H + H + HA A

Leia mais

ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano)

ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano) ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano) PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. Reagente para classificação do fator Rh PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO Somente para Uso Diagnóstico IN VITRO Conservar entre: 2-8

Leia mais

PERFIL DAS HEMOTRANSFUSÕES REALIZADAS PELA AGÊNCIA TRANSFUSIONAL DE UM HOSPITAL PRIVADO DA CIDADE DE LIMEIRA/SP GLAUCIA ALINE DIBBERN DOS SANTOS

PERFIL DAS HEMOTRANSFUSÕES REALIZADAS PELA AGÊNCIA TRANSFUSIONAL DE UM HOSPITAL PRIVADO DA CIDADE DE LIMEIRA/SP GLAUCIA ALINE DIBBERN DOS SANTOS PERFIL DAS HEMOTRANSFUSÕES REALIZADAS PELA AGÊNCIA TRANSFUSIONAL DE UM HOSPITAL PRIVADO DA CIDADE DE LIMEIRA/SP GLAUCIA ALINE DIBBERN DOS SANTOS LIMEIRA/SP 215 RESUMO O estudo teve como objetivo descrever

Leia mais

Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC

Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC 1- Introdução O propósito das Metas Internacionais de Segurança do Paciente é promover melhorias específicas

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE 1 de 6 335547222 5 RESULTADO ESPERADO: 335547222 Ajudar a garantir que as equipes cirúrgicas sigam de forma consistente algumas medidas de segurança críticas. Espera-se que dessa forma os riscos mais comuns

Leia mais

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Transfusão de sangue Blood Transfusion - Portuguese UHN Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Quais são os benefícios da transfusão de sangue? A transfusão de sangue pode

Leia mais

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano.

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano. Feridas e Curativos Enfermeira: Milena Delfino Cabral Freitas Pele Maior órgão do corpo humano. Funções: proteção contra infecções, lesões ou traumas, raios solares e possui importante função no controle

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Especialização Profissional Técnica

Leia mais

SINAIS VITAIS. Base teórica

SINAIS VITAIS. Base teórica Base teórica SINAIS VITAIS Os sinais vitais são informações básicas colhidas pelo enfermeiro para avaliação do estado de saúde do cliente. O enfermeiro(a) deve saber avaliar e orientar a equipe quanto

Leia mais

Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo 1

Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo 1 Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo 1 Protocolo Transfusional do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) Módulo: Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo. 1 Edição,

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 154/2014 Alfapoetina na IRC

RESPOSTA RÁPIDA 154/2014 Alfapoetina na IRC RESPOSTA RÁPIDA 154/2014 Alfapoetina na IRC SOLICITANTE Dra. Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito Comarca de Itapecerica NÚMERO DO PROCESSO 0335.14.706-3 DATA 26/03/2014 SOLICITAÇÃO Solicito parecer

Leia mais

ANTI-A ANTI-B ANTI-AB

ANTI-A ANTI-B ANTI-AB ANTI-A ANTI-B ANTI-AB Monoclonal Murino IgM PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. Reagentes para classificação do sistema sangüíneo ABO PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO Somente para Uso Diagnóstico IN VITRO

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Alburex 20 albumina humana

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Alburex 20 albumina humana IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Alburex 20 albumina humana APRESENTAÇÃO Alburex 20: embalagem contendo 1 frasco-ampola com 50 ml de solução hiperoncótica de albumina humana para infusão (20%). VIA INTRAVENOSA

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

Papel do CQ na Validação da Técnica de Produção de Hemocomponentes

Papel do CQ na Validação da Técnica de Produção de Hemocomponentes III Oficina HEMOBRÁS Controle de Qualidade no Serviço de Hemoterapia Papel do CQ na Validação da Técnica de Produção de Hemocomponentes Martha Cristina Dicencia Centro de Hematologia e Hemoterapia da UNICAMP

Leia mais

Hemovida. Agência Transfusional Visão Geral. Versão do produto: 2.0.7. Edição do documento: 1.0 Fevereiro de 2007 MS DATASUS

Hemovida. Agência Transfusional Visão Geral. Versão do produto: 2.0.7. Edição do documento: 1.0 Fevereiro de 2007 MS DATASUS Hemovida Agência Transfusional Visão Geral Versão do produto: 2.0.7 Edição do documento: 1.0 Fevereiro de 2007 MS DATASUS Hemovida Agência Transfusional Visão Geral Versão do produto: 2.0.7 Edição do documento:

Leia mais

FMB MANUAL DE TRANSFUSÃ PARA ENFERMAGEM

FMB MANUAL DE TRANSFUSÃ PARA ENFERMAGEM HC FMB MANUAL DE TRANSFUSÃ PARA ENFERMAGEM Patrícia Carvalho Garcia Pedro Bonequini Júnior Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu Botucatu 2015 Agência Transfusional Tel.: (14) 3811-6041

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA COLETA E TRANSPORTE DE SECREÇÃO RESPIRATÓRIA - 2015

ORIENTAÇÕES PARA COLETA E TRANSPORTE DE SECREÇÃO RESPIRATÓRIA - 2015 Secretaria da Saúde do Rio Grande do Sul Instituto de Pesquisas Biológicas Laboratório Central de Saúde Pública- IPB-LACEN/RS SEÇÃO DE VIROLOGIA - LABORATÓRIO DE VÍRUS RESPIRATÓRIOS INVESTIGAÇÃO DA INFLUENZA

Leia mais

INSPEÇÃO SANITÁRIA EM SERVIÇO DE HEMOTERAPIA CICLO DO SANGUE. Captação, Recepção/Registro, Triagem Clínica e Coleta

INSPEÇÃO SANITÁRIA EM SERVIÇO DE HEMOTERAPIA CICLO DO SANGUE. Captação, Recepção/Registro, Triagem Clínica e Coleta INSPEÇÃO SANITÁRIA EM SERVIÇO DE HEMOTERAPIA CICLO DO SANGUE Captação, Recepção/Registro, Triagem Clínica e Coleta DEFINIÇÃO DE CICLO DO SANGUE ART. 2º RDC N 34, DE 11 DE JUNHO DE 2014 Captação e seleção

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 QUESTÃO 31 Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, obedecendo ao Quadro II da NR- 4, subitem 4.4, com redação dada pela Portaria nº

Leia mais

TABELA DE CÓDIGOS CONCENTRADO DE HEMÁCIAS

TABELA DE CÓDIGOS CONCENTRADO DE HEMÁCIAS UNIDADE HEMACIAS CONCENTRADO DE HEMÁCIAS TRIAGEM CLÍNICA DE DOADOR COLETA DE SANGUE DE DOADOR 40402045 27020010 PROCESSAMENTO ABO/RH(**) Doador ANTICORPOS IRREGULARES(**) Doador TAXA DE BOLSA PLASTICA

Leia mais

Manutenção do Potencial Doador. Dra. Viviane Cordeiro Veiga

Manutenção do Potencial Doador. Dra. Viviane Cordeiro Veiga Manutenção do Potencial Doador Dra. Viviane Cordeiro Veiga 2009 Fila de Transplantes São Paulo 13.244 pacientes 9.911 - rim 2.556 fígado 391 pâncreas/rim 114 coração 80 pulmão 56 - pâncreas TRANSPLANTES:

Leia mais

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP CENTRO CIRÚRGICO Jardim Japonês Centro Cirúrgico Hospital Maternidade Terezinha de Jesus Juiz de Fora (MG) Queimaduras

Leia mais

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança 1. 1.1 1.2 Cultura de Segurança Existe um elemento(s) definido(s) com responsabilidade atribuída para a segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na implementação de processos relativos

Leia mais