A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE."

Transcrição

1 A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE. Juliana de Castro Chaves 1 ; Zuzy dos Reis Pereira 2 1 Professora Doutora da UnUCSEH-UEG e da UCG e coordenadora do grupo de Estudo Educação e Emancipação da UEG. 2 Acadêmica do curso de Geografia, monitora da disciplina Teoria do Conhecimento, estagiária do projeto AABB Comunidade e membro do grupo de estudo Educação e Emancipação. RESUMO Este trabalho pretende fornecer alguns subsídios teóricos que embasem a reflexão sobre a relação entre indivíduo e meio ambiente. A base teórica que sustenta essa análise é a Teoria Crítica da Escola de Frankfurt, representada pelos teóricos: Max Horkheimer, Theodor Adorno, Herbert Marcuse. As análises aqui apresentadas foram suscitadas pelas discussões realizadas no grupo de estudo Educação e Emancipação da UEG UnUCSEH. Esse grupo tem o objetivo de realizar a reflexão crítica sobre a formação do indivíduo na sociedade capitalista atual com o intuito de compreender a racionalidade predominante na sociedade, como também as suas contradições. Entende-se que ao realizar esse movimento encontrar-se-á elementos de resistência à dominação e, possivelmente, maior possibilidade de transformação das condições objetivas da sociedade. Atualmente muitas questões assolam a sociedade no que diz respeito à destruição da vida em suas diversas expressões. O progresso e a razão iluminista trouxeram uma cultura de emancipação do indivíduo, mas não concretizaram as promessas de construção de uma sociedade mais justa e de uma relação mais racional com a natureza. Essa questão só pode ser entendida no interior das condições objetivas da sociedade capitalista que possui uma racionalidade instrumental que, por não ser refletida, perpetua relações de dominação com a natureza. No cenário atual, questões como análise dos impactos ambientais, desenvolvimento auto-sustentável, devastação da natureza e cultura se entrecruzam exigindo uma teoria capaz de pensar a relação indivíduo-sociedade-natureza. A cultura da dominação perante o desconhecido e o diferente vem sendo propagada no enaltecimento de procedimentos, controles que possam auxiliar o homem esquadrinhar a realidade. Desse modo, é necessário o debate sobre essa racionalidade. Palavras-chave: Teoria Crítica, Indivíduo, Natureza. 1

2 Introdução O homem é natureza e mais do que natureza. Essa afirmativa quer dizer que o homem possui uma natureza que só se manifesta na história e, da mesma forma, essa história depende do contexto em que o homem está inserido. Segundo Marx, o homem transforma a natureza interna e externa, e atua como natureza na medida em que usa os produtos, que são materiais da natureza, para satisfazer as suas necessidades vitais. Assim, a natureza não é apenas o que está externo ao indivíduo, ou seja, não é apenas o meio ambiente. Reconhecer a dimensão natural do homem é fundamental para que possamos entender como o domínio da natureza interna pode influenciar a relação de domínio da natureza externa - tratada aqui como meio ambiente. A sociedade capitalista consolida a relação coisificada consigo, com o outro e com a natureza externa quando trata tudo como produto a ser vendido no mercado. Para fortalecer ainda mais essa idéia a razão que deveria refletir sobre isso se manifesta dentro dos conformes da lógica capitalista. Nesse emaranhado, defender a natureza chega a ser um fetiche que não é pensado em suas determinações. Exemplos são as afirmações: precisamos defender o meio ambiente se não a humanidade vai desaparecer ou você é ecologicamente correto? A relação com a natureza é permeada pela hipostasia, as pessoas em geral se amarraram a um conceito e defendem-no em qualquer situação no momento que a todo instante desqualifica a natureza, fazendo com que se torne apenas fonte de matéria-prima, onde o seu valor em si é esquecido. Quando a natureza é transformada pelo homem em um objeto a ser explorado, o homem exerce sobre ela a dominação. Como foi dito anteriormente, a dominação da natureza envolve a dominação do homem, que por si mesma se torna interiorizada. Enquanto isso, o progresso e os descobrimentos científicos correm velozmente. No afã de descobrir as aventuras científicas são cada vez mais ousadas, sem serem permeadas pela reflexão. Material e métodos A base teórica utilizada é a Teoria Crítica da Escola de Frankfurt, representada pelos teóricos Max Horkheimer, Theodor Adorno e Herbert Marcuse. Através das discussões suscitadas no grupo de estudo Educação e Emancipação, da UEG - UNUCSEH. 2

3 Resultados e discussão A cultura é a subjetividade do individuo, ela não possui em si valores positivos ou negativos. Sendo que, o ser humano não vive sem subjetividade, que é a forma particular de determinadas pessoas pensarem. A cultura é a forma de subjetivar o mundo, e deve ser pensada na sua racionalidade. É exatamente por isso que temos que questionar o que na nossa cultura perpetua a barbárie. É por meio do trabalho que o homem sobrevive, transforma a natureza e é transformado por ela. Nesse sentido, a transformação da natureza foi fundamental, no entanto, o problema é que nesse processo, o homem foi negando a sua própria natureza e construindo uma relação de dominação. Nos velhos tempos, onde não existia o conhecimento cientifico tudo era explicado pelo conhecimento mitológico. Uma má colheita era justificada pela falta de sacrifícios aos deuses de um determinado povo. Hoje em dia, com o advento da ciência, esse fato é explicado devido ao baixo índice de sais minerais contidos no solo. De uma forma ou de outra a razão está sendo usada como justificativa de um homem que quer explorar o meio ambiente. A razão instrumental, predominante na sociedade capitalista, é aquela que não se pensa, é a razão lógica que esquece de indagar sobre se os fins são racionais, ela não questiona sobre a racionalidade dos fins, simplesmente está preocupada em atingir os meios. Desse jeito, ela é convertida em instrumento de dominação da natureza externa e interna dos homens. O homem se apropria da razão em seu beneficio, sendo totalmente individualista, e acaba, por não pensá-la, reproduzindo a lógica da sociedade capitalista. A razão, nesse caso, é vista como um meio formal para atingir os fins. Sendo assim, a natureza é tratada como coisa que não estabelece comunicação com o sujeito. O que leva o contato do individuo a ser reduzido consigo e com o outro é a apropriação da existência humana pelo trabalho. O trabalho está associado à dominação, tanto da natureza quanto dos homens, que por sinal também são natureza. Na verdade a finalidade do trabalho deveria ser o engrandecimento do homem, mas não é isso que vem acontecendo. Desde a antiguidade o trabalho esteve associado à dominação, e no capitalismo o trabalho está associado ao capital, sendo que um é dependente do outro. O trabalho transforma não somente a natureza interna, mas igualmente a natureza externa. O homem transforma a natureza, atuando como natureza, em produtos que satisfazem as necessidades (do estômago ou da fantasia) da vida. Pode-se afirmar que o animal também produz coisas úteis, pois constrói para si um ninho, habitações, como a abelha, castor, formiga etc. (MARX, 2003, p. 85). Entretanto, os animais produzem apenas para si ou sua 3

4 cria, movidos pela carência física imediata, ao passo que o homem, como ser lúcido produz mesmo livre da carência física imediata, produz a medida de qualquer espécie, produz segundo leis da beleza e da liberdade, produz a sua própria vida (MARX, 2003, p. 85). No entanto, a ênfase na transformação da natureza pelo trabalho como condição sine qua non, de forma descontextualizada, pode levar o homem a tratar a natureza como algo a ser dominado e também realiza a hipostasia do trabalho (MARCUSE, 1981). Marcuse (1981) aponta que o próprio Marx revelou preocupação com os efeitos perversos da dominação da natureza pelo trabalho, tanto ao discutir o caráter nocivo do progresso da agricultura capitalista para o trabalhador e para o solo, quanto ao verificar que a expansão da indústria moderna e a subsunção do indivíduo à lógica do lucro são processos de destruição do homem e da natureza. É importante resgatar a relação de comunicação e não de dominação entre homem e natureza, pois o homem não está na natureza, a natureza não é seu mundo exterior, ao qual ele teria que se dirigir a partir de sua interiorização, e sim o homem é natureza; a natureza é sua" exteriorização ", sua obra e sua realidade. (Marcuse, 1981, p. 24). Conclusões É a relação com a natureza, e não a própria natureza, que deve ser transformada. A origem do homem está na natureza e, por isso, ele deve retornar a ela para ser diferente. Desse modo, a naturalidade pertence à essência humana e, portanto, não pode ser negligenciada. Para um convívio pacífico da natureza com o homem, é necessário que esse também se submeta a ela e, assim, será possível a paz entre homem e natureza. A liberdade pressupõe o estado de paz, um estado de diferenciação sem dominação, no qual o diferente é compartido (Adorno, 1995, p. 184), a liberdade pressupõe o estado de paz, um estado de diferenciação sem dominação, no qual o diferente é compartido. A afirmação e a comprovação do homem, que consiste na apropriação de uma exterioridade que está colocada diante dele e em um transferir-se para a exterioridade, exige, a dimensão da natureza (MARX, 2004). A educação atual deve questionar esse modelo de formação dada ao indivíduo no intuito de mostrar as suas contradições. A relação de comunicação com a natureza deve ser resgatada pelo homem, ao contrário da relação de dominação. O que deve ser modificado não é a própria natureza, mas a relação que o homem estabelece com ela. Na busca por um bom convívio com a natureza, o homem também deve ser submetido a ela. E para que a paz entre homem e natureza seja estabelecida, é necessário quebrar essa relação de dominação. A 4

5 emancipação pressupõe verdadeiramente a negação da lógica da racionalidade da sociedade contemporânea. A reflexão critica não pode cair na mesma lógica que condena. Adorno aponta para a barbárie que é proclamada, e para que o sujeito tenha emancipação, ele deve ser critico e reflexivo. Só se pode ter resistência pelo que se apresenta e o que podemos transformar. É necessário que o indivíduo se torne dia-a-dia mais critico e reflexivo para que possa ser emancipado, e assim, se libertar e tentar mudar essas condições objetivas. Referências Bibliográficas ADORNO, Theodor W. Palavras e sinais: modelos críticos 2. Tradução Maria Helena Ruschel. Petrópolis-RJ: Vozes, HORKHEIMER, Max. ADORNO, Theodor W. (1973b). (org.). Cultura e Civilização. In: Temas Básicos da Sociologia. Trad. Álvaro Cabral. São Paulo, Cultrix, Ed. Universidade de São Paulo. P HORKHEIMER, Max. ADORNO, Theodor W. (1973b). (org.). Indivíduo. In: Temas Básicos da Sociologia. Trad. Álvaro Cabral. São Paulo, Cultrix, Ed. Universidade de São Paulo. P MARCUSE, Herbert. Idéias sobre uma teoria crítica da sociedade. Tradução Fausto Guimarães. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, MARX, Karl. Manuscritos econômicos-filosóficos. Tradução Jesus Ranieri. São Paulo: Boitempo,

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS 1 EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS Daniela da Costa Britto Pereira Lima UEG e UFG Juliana Guimarães Faria UFG SABER VI Ensinar a compreensão 5. Educação para uma cidadania planetária

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Universidade Federal do Piauí kelyoliveira_@hotmail.com INTRODUÇÃO Diante

Leia mais

CLAUDINEI ZAGUI PARESCHI Núcleo de Estudos e Pesquisas: História e Filosofia da Educação Mestrando Orientador: Prof. Dr. Bruno Pucci I Introdução

CLAUDINEI ZAGUI PARESCHI Núcleo de Estudos e Pesquisas: História e Filosofia da Educação Mestrando Orientador: Prof. Dr. Bruno Pucci I Introdução AS NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE FILOSOFIA A DISTÂNCIA NO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO DA REDE SÃO PAULO DE FORMAÇÃO DOCENTE (REDEFOR): ANÁLISES. CLAUDINEI ZAGUI PARESCHI Núcleo

Leia mais

Trabalho Alienado e Fetichismo da Mercadoria

Trabalho Alienado e Fetichismo da Mercadoria Trabalho Alienado e Fetichismo da Mercadoria Juversino Júnior Lisandro Braga "Em lugar da mercadoria aparecer como resultado de relações sociais enquanto relações de produção, ela aparece como um bem que

Leia mais

Cultura: diferentes significados

Cultura: diferentes significados 1 Cultura: diferentes significados O termo cultura é utilizado com diferentes significados. No senso comum encontramos o uso do termo como sinônimo de educação. Nesta acepção, a cultura tem sido motivo

Leia mais

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO ESTILO E IDENTIDADE Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO Introdução Por milhares de anos, foi possível concordar que a mais importante linguagem do homem

Leia mais

Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin. A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer

Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin. A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin Francisco Alambert 1 Resumen: A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer formulou-se uma chave dialética

Leia mais

Manuscritos Econômico-Filosóficos

Manuscritos Econômico-Filosóficos Manuscritos Econômico-Filosóficos Karl Marx Trabalho Alienado (XXII) Partimos dos pressupostos da Economia Política. Aceitamos sua terminologia e suas leis. Aceitamos como premissas a propriedade privada,

Leia mais

Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I).

Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I). Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I). CCJ0001 - Fundamentos das Ciências Sociais Profa. Ivana Schnitman

Leia mais

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial Décima Oitava Sessão Agenda item 43 Resoluções aprovadas pela Assembléia Geral 1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial A Assembléia Geral,

Leia mais

TEORIAS DA COMUNICAÇÃO ENADE VOLUME

TEORIAS DA COMUNICAÇÃO ENADE VOLUME CADERNO PEDAGÓGICO TEORIAS DA COMUNICAÇÃO ENADE VOLUME 4 ISBN: 2015/1 ALUNO(A): APOIO PEDAGÓGICO: NUCLEO DE FORMAÇÃO GERAL ANNA PAULA SOARES LEMOS JOAQUIM HUMBERTO COELHO DE OLIVEIRA LUCIMAR LEVEGNHAGEN

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA SOCIOLÓGICA DE MAX WEBER PARA EDUCAÇÃO. Introdução

CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA SOCIOLÓGICA DE MAX WEBER PARA EDUCAÇÃO. Introdução CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA SOCIOLÓGICA DE MAX WEBER PARA EDUCAÇÃO Guilherme Costa Garcia Tommaselli 1 Luis Paulo Santos Bezerra 2 Introdução Este artigo tem como objetivo realizar uma reflexão sobre a educação

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

SIMULADO DE SOCIOLOGIA

SIMULADO DE SOCIOLOGIA SIMULADO DE SOCIOLOGIA 1) O que é Sociologia? a) ( ) Ciência que estuda a relação do homem com a natureza. b) ( ) Ciência que estuda o meio ambiente. c) ( ) Ciência que estuda os grupos, sua organização

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista

O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista Fabíola dos Santos Cerqueira O homem tem de viver em dois mundos que se contradizem (...) O espirito afirma o seu direito e a sua dignidade perante a anarquia

Leia mais

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA.

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. NOGUEIRA, Ione da Silva Cunha - UNESP/Araraquara Uma educação conscientizadora e emancipadora, que garanta qualidade de ensino e acesso

Leia mais

Exercícios de Revisão - 1

Exercícios de Revisão - 1 Exercícios de Revisão - 1 1. Sobre a relação entre a revolução industrial e o surgimento da sociologia como ciência, assinale o que for incorreto. a) A consolidação do modelo econômico baseado na indústria

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

EL APRENDIZAJE CRÍTICO

EL APRENDIZAJE CRÍTICO EL APRENDIZAJE CRÍTICO Andrea Lapa decalapa@ced.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Centro de Ciências da Educação (CED) Laboratório de Novas Tecnologias (LANTEC) APRENDIZAGEM CRÍTICA

Leia mais

Sustentabilidade x Desperdício

Sustentabilidade x Desperdício Sustentabilidade x Desperdício Alunos: Antônio Fernandes Margarida Késsia Daniele de Brito Nilmara Oliveira Introdução O tema consciência ambiental tem estado em alta no Brasil. A falta d água em vários

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

1 A sociedade dos indivíduos

1 A sociedade dos indivíduos Unidade 1 A sociedade dos indivíduos Nós, seres humanos, nascemos e vivemos em sociedade porque necessitamos uns dos outros. Thinkstock/Getty Images Akg-images/Latin Stock Akg-images/Latin Stock Album/akg

Leia mais

A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA. Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves

A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA. Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves Estamos vivendo um período extremamente difícil, onde as relações sociais encontram em plena estagnação.

Leia mais

(1864-1920) Max Weber: a ética protestante e o espírito do capitalismo

(1864-1920) Max Weber: a ética protestante e o espírito do capitalismo (1864-1920) Max Weber: a ética protestante e o espírito do capitalismo Contexto histórico: Alemanha: organização tardia do pensamento burguês e do Estado nacional. e Humanas na Alemanha: interesse pela

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

ATITUDES DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA QUANTO A PRECONCEITO, RACIONALIDADE TECNOLÓGICA E NARCISISMO

ATITUDES DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA QUANTO A PRECONCEITO, RACIONALIDADE TECNOLÓGICA E NARCISISMO ATITUDES DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA QUANTO A PRECONCEITO, RACIONALIDADE TECNOLÓGICA E NARCISISMO Maria Amélia Güllnitz Zamprohna Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PEPG em Educação:

Leia mais

PSICOLOGIA SOCIAL COMUNITÁRIA E EMANCIPAÇÃO: UMA EXPERIÊNCIA DE TRABALHO COM JOVENS

PSICOLOGIA SOCIAL COMUNITÁRIA E EMANCIPAÇÃO: UMA EXPERIÊNCIA DE TRABALHO COM JOVENS PSICOLOGIA SOCIAL COMUNITÁRIA E EMANCIPAÇÃO: UMA EXPERIÊNCIA DE TRABALHO COM JOVENS ARANTES, João Henrique Magri jh_arantes@yahoo.com.br PPGE/UFMT 1 PINTO, Evelyn Gonçalves de Arruda evelyn_pse@yahoo.com.br

Leia mais

1 A sociedade dos indivíduos

1 A sociedade dos indivíduos 1 A dos indivíduos Unidade Nós, seres humanos, nascemos e vivemos em porque necessitamos uns dos outros. Entre os estudiosos que se preocuparam em analisar a relação dos indivíduos com a, destacam-se Karl

Leia mais

Planejamento Estratégico do Sistema 2008/2010 PARTE II

Planejamento Estratégico do Sistema 2008/2010 PARTE II Planejamento Estratégico do Sistema 2008/2010 Planejamento Estratégico do Sistema 2008/2010 PARTE II 10/08/2007 SUMÁRIO Conceitos... 2 1. Missão... 2 2. Negócio... 3 3. Visão... 3 4. Valores... 5 5. Cenários...

Leia mais

SOLIDARIEDADE SOCIAL QUESTÃO.

SOLIDARIEDADE SOCIAL QUESTÃO. 1. ÉMILE DURKHEIM. Bases empíricas da sociologia: o estudo da vida moral. Objeto e método da sociologia: 1. A sociedade como realidade sui generis Representações coletivas da consciência. 2. Fato Social

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA LIBERDADE ANTIGA E LIBERADE MODERNA LINHARES 2011 EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE Max WEBER 1864-1920 TEMPOS MODERNOS Apresentando Max Weber Principais contribuições: OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE O PROTESTANTISMO E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO O MUNDO DESENCANTADO Apresentando Max Weber

Leia mais

A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES

A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES 1/6 A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES Definir o que é pesquisa; mostrar as formas clássicas de classificação das pesquisas; identificar as etapas de um planejamento de pesquisa. INTRODUÇÃO O que é pesquisa?

Leia mais

Conteúdo: Habilidades: A religião na visão dos autores clássicos da Sociologia

Conteúdo: Habilidades: A religião na visão dos autores clássicos da Sociologia Conteúdo: A religião na visão dos autores clássicos da Sociologia Habilidades: Reconhecer a religião como uma instituição social e objeto de estudo das Ciências Sociais; Conhecimento Teológico A religião

Leia mais

Teoria Sociológica I

Teoria Sociológica I MARX, Karl, Trabalho Estranhado e Propriedade Privada, Manuscritos Econômico-filosóficos, São Paulo, Boitempo Editorial, 2004 (tradução de Jesus Ranieri) (1844) Partimos dos pressupostos da economia nacional.

Leia mais

Antropologia, História e Filosofia

Antropologia, História e Filosofia Antropologia, História e Filosofia Breve história do pensamento acerca do homem Um voo panorâmico na história ocidental Cosmológicos 1. Embora o objeto não seja propriamente o homem já encontramos indícios

Leia mais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais INTRODUÇÃO À sociologia Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais introdução à S Maura Pardini Bicudo Véras O CIO LO GIA Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais Direção editorial Claudiano

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM Introdução O artigo 36 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei n. 9.394/96) determina que

Leia mais

OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL E SUA INFLUÊNCIA NA REPRESENTAÇÃO DE AMBIENTE EM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Lucia de Fatima Estevinho Guido

OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL E SUA INFLUÊNCIA NA REPRESENTAÇÃO DE AMBIENTE EM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Lucia de Fatima Estevinho Guido OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL E SUA INFLUÊNCIA NA REPRESENTAÇÃO DE AMBIENTE EM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Lucia de Fatima Estevinho Guido Universidade Federal de Uberlândia Este trabalho apresenta resultados

Leia mais

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades Como vimos na unidade anterior, é próprio do homem buscar e produzir conhecimento para tentar melhorar sua realidade. Portanto,

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

DISCIPLINA: SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIAL AULA 01 => HISTÓRICO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL.

DISCIPLINA: SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIAL AULA 01 => HISTÓRICO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. DISCIPLINA: SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIAL AULA 01 => HISTÓRICO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. PROBLEMÁTICA: REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E INTENSIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES ANTRÓPICAS LINHA DO TEMPO:

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

Palavras-chave: Currículo. Empreendedorismo. Teoria Crítica. Semiformação.

Palavras-chave: Currículo. Empreendedorismo. Teoria Crítica. Semiformação. 1 O CURRÍCULO DE FORMAÇÃO DO CIDADÃO- EMPREENDEDOR MATERIALIZADO NA SALA DE AULA: DISCIPLINAMENTO E NEGAÇÃO DO CONHECIMENTO IMPEDM A AUTONOMIA E A FORMAÇÃO Marco Aurélio Ferreira Alves Programa de Pós-graduação

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Weber e o estudo da sociedade

Weber e o estudo da sociedade Max Weber o homem Maximilian Karl Emil Weber; Nasceu em Erfurt, 1864; Iniciou seus estudos na cidade de Heidelberg Alemanha; Intelectual alemão, jurista, economista e sociólogo; Casado com Marianne Weber,

Leia mais

SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO

SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO Universidade de Franca Graduação em Pedagogia-EAD Profa.Ms.Lucimary Bernabé Pedrosa de Andrade 1 Objetivos da disciplina Fornecer elementos teórico-conceituais da Sociologia,

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE SOCIOLOGIA 3ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO PROFESSOR

Leia mais

ALEXANDRE WILLIAM BARBOSA DUARTE

ALEXANDRE WILLIAM BARBOSA DUARTE SURVEY Método de pesquisa amplamente utilizado em pesquisas de opinião pública, de mercado e, atualmente, em pesquisas sociais que, objetivamente, visam descrever, explicar e/ou explorar características

Leia mais

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR LUIZ, Cintya Fonseca; AMARAL, Anelize Queiroz & PAGNO, Sônia Fátima Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste. cintya_fonseca@hotmail.com;

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA PAISAGEM NO AUXÍLIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

AS IMPLICAÇÕES DA PAISAGEM NO AUXÍLIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL AS IMPLICAÇÕES DA PAISAGEM NO AUXÍLIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Wallace Matheus Torres Peres / UERJ w.matheustorres@bol.com.br Renan Caldas Galhardo Azevedo / UERJ renan.azevedo08@outlook.com INTRODUÇÃO O

Leia mais

América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio

América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio Cláudio Roberto Ribeiro Martins claudiorrmartins@gmail.com FCT/UNESP - Presidente Prudente Palavras-chave:

Leia mais

Max Weber. Sociologia Compreensiva

Max Weber. Sociologia Compreensiva Max Weber Sociologia Compreensiva Índice Max Weber: Vida e obra Uma teia de sentidos Desencantamento do mundo e racionalização Tipos puros 1. O conceito de ação social 1.1 Ação racional com relação a objetivos

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Slides produzidos a partir do caderno: Currículo no ciclo de

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário

SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário SILVA, IVANNA SILIANA DO NASCIMENTO 1, ALVES, MARIA GERALDA 2, SILVA, IRBIA SONALY DO NASCIMENTO 3, NASCIMENTO, MARIA ANAZUILA 4, LEANDRO, DARLANIA

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

a psicologia e o seu dinheiro

a psicologia e o seu dinheiro a psicologia e o seu dinheiro entenda os fatores psicológicos que afetam sua relação com o dinheiro e tenha uma vida melhor Claudio Bastidas Novatec CAPÍTULO 1 Parabéns, você já superou um problema! Deus

Leia mais

IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS

IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS Maria Teresa Buonomo de Pinho * O objetivo deste artigo é examinar o caráter de ideologia da práxis educativa e o papel relativo que

Leia mais

A UNIVERSIDADE ABERTA À TERCEIRA IDADE (UNATI) NO PROCESSO DE SOCIALIZAÇÃO - CAMPUS DE FRANCA-SP

A UNIVERSIDADE ABERTA À TERCEIRA IDADE (UNATI) NO PROCESSO DE SOCIALIZAÇÃO - CAMPUS DE FRANCA-SP A UNIVERSIDADE ABERTA À TERCEIRA IDADE (UNATI) NO PROCESSO DE SOCIALIZAÇÃO - CAMPUS DE FRANCA-SP Autora: Cristiane de Fátima Poltronieri- Faculdade de Ciências Humanas e Sociais /UNESP Campus de Franca

Leia mais

500 anos: O Brasil- Um novo mundo na TV

500 anos: O Brasil- Um novo mundo na TV 500 anos: O Brasil- Um novo mundo na TV Episódio 3: Encontro no além-mar Resumo A série discute temas históricos, alternando a narrativa com encenações de bonecos animados que resgatam o contexto da época

Leia mais

O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER RESUMO. do homem em sociedade. Origem de tal Capitalismo que faz do homem um ser virtual e alienador

O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER RESUMO. do homem em sociedade. Origem de tal Capitalismo que faz do homem um ser virtual e alienador O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER Tamires Albernaz Souto 1 Flávio Augusto Silva 2 Hewerton Luiz Pereira Santiago 3 RESUMO Max Weber mostra suas ideias fundamentais sobre o Capitalismo e a racionalização

Leia mais

GHI052 Cultura Afro-Brasileira 60 Cultura afro-brasileira e resistência escrava no Brasil escravista. Estudo da historiografia sobre o tema.

GHI052 Cultura Afro-Brasileira 60 Cultura afro-brasileira e resistência escrava no Brasil escravista. Estudo da historiografia sobre o tema. Ementas das Disciplinas Optativas GHI050 A Constituição do Homem Moderno 60 A figura do homem moderno. Humanismo, individualismo, racionalismo e as mudanças no comportamento, na cultura e o processo civilizatório

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Educação matemática, Matemática financeira, Pedagogia Histórico-Crítica

RESUMO. Palavras-chave: Educação matemática, Matemática financeira, Pedagogia Histórico-Crítica POSSIBILIDADES DIDATICO-PEDAGÓGICAS NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO FINANCEIRA: UMA PROPOSTA ENTRE DOMÍNIOS DE CONHECIMENTOS NA ESCOLA ESTADUAL INDIGENA CENTRAL EDUCAÇÃO BÁSICA KĨSÊDJÊ Rosimeyre Gomes da Silva

Leia mais

Conexões entre o estranhamento e o capitalismo

Conexões entre o estranhamento e o capitalismo Conexões entre o estranhamento e o capitalismo Stênio Eduardo de Sousa Alves Universidade Federal de Uberlândia stenioche@yahoo.com.br Resumo Nos marcos de uma sociedade capitalista globalizada em que

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

CULTURA ORAL E SEUS PROCESSOS MNEMÔNICOS MARILENE MEIRA DA COSTA

CULTURA ORAL E SEUS PROCESSOS MNEMÔNICOS MARILENE MEIRA DA COSTA CULTURA ORAL E SEUS PROCESSOS MNEMÔNICOS MARILENE MEIRA DA COSTA RESUMO: É difícil pensar em se memorizar um texto ou até mesmo uma história, sem o recurso da escrita. Mais difícil ainda, é imaginar como

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB,

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, 2009. p. 24-29. CAPITALISMO Sistema econômico e social

Leia mais

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros.

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros. INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM Fato Social - Exterioridade (o fato social é exterior ao indivíduo). - Coercitividade. - Generalidade (o fato social é geral). * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE E A FORMAÇÃO HUMANA NO CONTEXTO DA SALA DE AULA

O TRABALHO DOCENTE E A FORMAÇÃO HUMANA NO CONTEXTO DA SALA DE AULA O TRABALHO DOCENTE E A FORMAÇÃO HUMANA NO CONTEXTO DA SALA DE AULA Resumo BELADELLI, Ediana Maria Noatto 1 - CTESOP ORO, Maria Consoladora Parisotto 2 - CTESOP BASTOS, Carmem Célia Barradas Correia 3 -

Leia mais

A Alienação (Karl Marx)

A Alienação (Karl Marx) A Alienação (Karl Marx) Joana Roberto FBAUL, 2006 Sumário Introdução... 1 Desenvolvimento... 1 1. A alienação do trabalho... 1 2. O Fenómeno da Materialização / Objectivação... 2 3. Uma terceira deterninação

Leia mais

LIMITES E POSSIBILIDADES HISTÓRICAS À EDUCAÇÃO OMNILATERAL

LIMITES E POSSIBILIDADES HISTÓRICAS À EDUCAÇÃO OMNILATERAL LIMITES E POSSIBILIDADES HISTÓRICAS À EDUCAÇÃO OMNILATERAL Resumo Este artigo analisa os limites e as possibilidades históricas à educação omnilateral. Trata se de um ensaio teóricofilosófico sobre o conceito

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

LIÇÃO 3 S DANIEL 2:1-49

LIÇÃO 3 S DANIEL 2:1-49 Reinos Vindouros LIÇÃO 3 S DANIEL 2:1-49 II. Daniel Interpreta o Sonho de Nabucodonosor sobre os Reinos Vindouros, 2:1-49 A. O sonho e o decreto de Nabucodonosor, 2:1-16 1. Nabucodonosor pede aos sábios

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

O espetáculo do consumo: a relação entre crianças e mídia na educação infantil.

O espetáculo do consumo: a relação entre crianças e mídia na educação infantil. O espetáculo do consumo: a relação entre crianças e mídia na educação infantil. Universidade Federal de Santa Catarina julianacmuller@hotmail.com Ficamos sabendo pelo narrador que as novas aventuras fizeram

Leia mais

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural CONHECIMENTO DA LEI NATURAL Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural O que é a Lei Natural? Conceito de Lei Natural A Lei Natural informa a doutrina espírita é a

Leia mais

Sociologia e Espiritismo

Sociologia e Espiritismo Sociologia e Espiritismo Sérgio Biagi Gregório SUMÁRIO: 1. Introdução. 2. Conceito: 2.1. Etimologia; 2.2. Objeto da Sociologia; 2.3. Natureza da Sociologia. 3. Histórico. 4. O Positivismo de Augusto Comte.

Leia mais

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção.

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. Modos de Produção O modo de produção é a maneira pela qual a sociedade produz seus

Leia mais

OS ECONOMISTAS E O MEIO AMBIENTE

OS ECONOMISTAS E O MEIO AMBIENTE OS ECONOMISTAS E O MEIO AMBIENTE Marcus Eduardo de Oliveira (*) A relação dos economistas com o meio ambiente passa, indubitavelmente, pela seguinte pergunta: Quando é que os economistas vão entender definitivamente

Leia mais

AULA 8.1 Conteúdo: As tecnologias e o homem Homem: o ser tecnológico O ser humano e a tecnologia Aspectos positivos INTEIRATIVIDADE FINAL

AULA 8.1 Conteúdo: As tecnologias e o homem Homem: o ser tecnológico O ser humano e a tecnologia Aspectos positivos INTEIRATIVIDADE FINAL 8.1 Conteúdo: As tecnologias e o homem Homem: o ser tecnológico O ser humano e a tecnologia Aspectos positivos Conteúdo: Aspectos negativos Afinal, o que é a tecnologia? A influência da tecnologia na cultura

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA SOCIOLOGIA NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO CRÍTICO

A CONTRIBUIÇÃO DA SOCIOLOGIA NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO CRÍTICO 1 A CONTRIBUIÇÃO DA SOCIOLOGIA NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO CRÍTICO Sandra Maria Mattar RESUMO Esta pesquisa tem por objetivo analisar a contribuição da Sociologia na formação do pedagogo, considerando-se as

Leia mais

A VIRTUALIZAÇÃO DO LÚDICO: O FECHAMENTO DO UNIVERSO FORMATIVO DO BRINQUEDO

A VIRTUALIZAÇÃO DO LÚDICO: O FECHAMENTO DO UNIVERSO FORMATIVO DO BRINQUEDO A VIRTUALIZAÇÃO DO LÚDICO: O FECHAMENTO DO UNIVERSO FORMATIVO DO BRINQUEDO Palavras-chave: Lúdico; formação cultural; tecnologia; semiformação. Almir ZANDONÁ JÚNIOR; Mona BITTAR (orient.) PPGE / FE UFG

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO EPISTÊMICO EM BIOLOGIA

A CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO EPISTÊMICO EM BIOLOGIA A CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO EPISTÊMICO EM BIOLOGIA Janice Silvana Novakowski Kierepka - janicekierepka@bol.com.br Tamini Wyzykowski - tamini.wyzykowski@gmail.com Tatiane Cristina Possel Greter tati.cris2010@gmail.com

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UM DESAFIO AO ENSINO DE HISTÓRIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UM DESAFIO AO ENSINO DE HISTÓRIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UM DESAFIO AO ENSINO DE HISTÓRIA Fabricia Evellyn Araújo Medeiros 1 Email: fabriciaevellyn3@gmail.com Amelia Neta Diniz de Oliveira 2 Email: ameliadiniz.uepb.@gmail.com Daniela Santos

Leia mais

ECONOMIA SOLIDÁRIA Embrião de uma nova sociedade

ECONOMIA SOLIDÁRIA Embrião de uma nova sociedade ECONOMIA SOLIDÁRIA Embrião de uma nova sociedade Economia Lenita Gripa - ICF O termo ECONOMIA vem do grego OIKOS = CASA e NOMOS = NORMAS ou LEI. Economia é a arte de cuidar da casa; normas, jeito, maneira

Leia mais

ENSINO-APRENDIZAGEM PARA A CIDADANIA: EXPERIÊNCIA DO PROJETO AGROECOLÓGICO EM ESCOLAS PÚBLICAS EM POMBAL/PB

ENSINO-APRENDIZAGEM PARA A CIDADANIA: EXPERIÊNCIA DO PROJETO AGROECOLÓGICO EM ESCOLAS PÚBLICAS EM POMBAL/PB ENSINO-APRENDIZAGEM PARA A CIDADANIA: EXPERIÊNCIA DO PROJETO AGROECOLÓGICO EM ESCOLAS PÚBLICAS EM POMBAL/PB Introdução Marcos Antonio Lopes do Nascimento Universidade Federal da Paraíba marcosal99@yahoo.com.br

Leia mais

ALIENAÇÃO DO TRABALHO

ALIENAÇÃO DO TRABALHO ALIENAÇÃO DO TRABALHO Enquanto ser ativo, o homem se humaniza pelo trabalho e se desumaniza no trabalho. Por que o trabalho, atividade pela qual o homem se produz, também o aliena de si e dos outros? Desde

Leia mais

La cage d acier. Max Weber et le marxisme wébérien. Max Weber et les paradoxes de la modernité

La cage d acier. Max Weber et le marxisme wébérien. Max Weber et les paradoxes de la modernité La cage d acier. Max Weber et le marxisme wébérien De: Michael Lowy La cage d acier. Max Weber et le marxisme wébérien Paris: Éditions Stock. 2013 Max Weber et les paradoxes de la modernité Michael Lowy

Leia mais

TERCEIRO SETOR E EDUCAÇÃO NA PRODUÇÃO ACADÊMICA DA REGIÃO SUDESTE, ENTRE 1995 E 2004

TERCEIRO SETOR E EDUCAÇÃO NA PRODUÇÃO ACADÊMICA DA REGIÃO SUDESTE, ENTRE 1995 E 2004 TERCEIRO SETOR E EDUCAÇÃO NA PRODUÇÃO ACADÊMICA DA REGIÃO SUDESTE, ENTRE 1995 E 2004 Ana de Godoy Weisz 1 O trabalho se propôs a pesquisar a tendência da produção acadêmica quanto à inserção do Terceiro

Leia mais

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática GEOGRAFIA, ECONOMIA E POLÍTICA Terreno montanhoso Comércio marítimo Cidades-estado

Leia mais