RESUMO: O artigo discute a possibilidade do laço social a partir da pulsão e não dos ideais. Palavras-chave: Pulsão, objeto, laço social.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESUMO: O artigo discute a possibilidade do laço social a partir da pulsão e não dos ideais. Palavras-chave: Pulsão, objeto, laço social."

Transcrição

1 Título: Sobre a pulsão: corpo e gozo na psicanálise com crianças Autora: Suzana Faleiro Barroso Psicanalista, membro da EBP e da AMP. Professora da Faculdade de Psicologia da PUC-Minas, doutora em Teoria Psicanalítica (UFRJ). RESUMO: O artigo discute a possibilidade do laço social a partir da pulsão e não dos ideais. Palavras-chave: Pulsão, objeto, laço social. ABOUT THE INSTINCT: BODY AND ENJOY IN PSYCHOANALYSIS WITH CHILDREN ABSTRACT: The article discusses the possibility of social ties from the instinct and not from ideals. Keywords: Instinct, object, social ties. Página 1 de 12

2 Sobre a pulsão: corpo e gozo na psicanálise com crianças 1 Não há nenhuma necessidade de ir muito longe numa análise de adulto, basta ser alguém que pratica com crianças para conhecer esse elemento que constitui o peso clínico de cada um dos casos que temos que manipular e que se chama pulsão. Parece então haver aqui referência a um dado último, ao arcaico, ao primordial. Tal recurso, ao qual meu ensino os convida, para compreender o inconsciente, a renunciar, parece aqui inevitável. (LACAN, 1964/1985, p.154) A pulsão, a criança e o sonho de Freud A pulsão tem um percurso na psicanálise desde Freud até Lacan não sem passar pelos pósfreudianos. Ela implica a desnaturalização do corpo a partir da incidência da linguagem no mais íntimo do organismo. Desse modo, a função orgânica é habitada pela pulsão. O inconsciente estruturado como linguagem tem como parceiro o Outro enquanto corpo reduzido à gramática das pulsões. Por meio do circuito pulsional, os órgãos e as funções biológicas se inscrevem enquanto funções de gozo. Conceito limite entre o psíquico e o somático, a pulsão também implica limites quanto às mudanças, transformações e mutações que a análise pode efetuar nos modos de gozo do sujeito (MILLER, 2005, p.49). Por sua dupla face de significante e de silêncio é que a pulsão interroga que o fato de falar pode acarretar mudanças no modo de gozo do sujeito. É com relação à pulsão que Lacan vai localizar o desejo do analista, como o que, em última instância, opera na cura. Com esse operador clínico, a saber, o desejo do analista, Lacan fazia uma intervenção no campo dos ideais analíticos que o precederam com relação aos destinos da pulsão. Freud já nos havia advertido quanto aos limites e mesmo quanto ao fracasso da análise correlacionado ao impossível de educar e governar a vida pulsional. Ainda assim, parece ter sonhado com a eficácia do simbólico para promover o governo da pulsão. A correlação entre a criança e a pulsão se encontra no conceito freudiano do perverso polimorfo. Trata-se da criança sob um regime anárquico de gozo a ser organizado e humanizado pela intervenção da ordem simbólica da qual se esperam a submissão do gozo à castração e a instalação do regime fálico de gozo. A humanização do desejo atribuída à incidência da autoridade parental sobre o caráter selvagem da pulsão interfere nos seus destinos segundo a lei do pai. Desse modo, podemos distinguir a neurose da perversão e da psicose segundo o fracasso da submissão da pulsão à autoridade paterna e suas consequências para o corpo e o gozo. Página 2 de 12

3 Na neurose, temos o exemplo do Pequeno Hans, que, segundo Freud, foi um modelo de todos os vícios. Esse caso ilustra a intervenção humanizadora da metáfora fóbica na vida pulsional, promovendo a extração de gozo e sua localização fora do corpo. Verifica-se, nos circuitos do Pequeno Hans, a montagem da pulsão. Na perversão, contrapondo-se ao Pequeno Hans, temos o caso de Gide, cuja falha na humanização do desejo e na sua compatibilização com o laço social fez com que a masturbação se mantivesse desde sua infância até a juventude enquanto satisfação selvagem da pulsão. Na psicose, o caso de Robert ilustra os efeitos da não inscrição do circuito da pulsão devido à não extração de gozo do corpo. A linguagem reduzida a um significante sozinho promoveu devastação e não simbolização ao nível do corpo e do gozo, de modo que foi pela via do ato que Robert tentou obter a extração de gozo. Educar e civilizar a pulsão é o que a sociedade sempre esperou da família, motivo pelo qual a psicanálise com crianças foi de início questionada ou socialmente consentida desde que sustentasse uma aliança com a educação. Como aceitar um método que iria contra o processo de educação da criança, visto que ele supostamente liberaria seus impulsos os mais antissociais e contrários aos ideais da civilização? Disso decorre a inauguração do debate que envolveu a psicanálise e a educação. De fato, não só Lacan reinventou a psicanálise como também as transformações sociais foram muitas desde o tempo de Freud. De modo que, a partir da orientação lacaniana, podemos pensar em como promover o laço social não a partir dos ideais, e sim a partir da pulsão. Muitos analistas de crianças tentaram dar conta da questão da pulsão e do laço social, a exemplo de Anna Freud e de Melanie Klein. Anna Freud associou a tarefa de analisar com a de educar, acreditando que o analista deveria promover uma regulação da vida pulsional infantil. Para cumprir esse objetivo, ela defendia a ideia de um pacto com os pais, de uma aliança terapêutica, ou seja, aliança do analista com os pais em prol do fortalecimento do eu. Melanie Klein, ao voltar-se, sobretudo, para a vida pulsional, privilegiou o papel das pulsões estruturantes das relações objetais, o que lhe conferiu o apelido de Tripeira, dado por Lacan. Ambas as analistas abordaram, cada uma à sua maneira, as duas faces da pulsão, a face que implica o Outro e a cadeia significante de sua demanda endereçada à criança e a face de gozo que implica o objeto mais-de-gozar. Enquanto Anna Freud parece ter valorizado demais o papel do Outro parental na organização da vida pulsional, em detrimento do objeto visado pela pulsão, Melanie Klein, ao contrário, valorizou, acima de tudo, o objeto, porém desconhecendo que a pulsão é capturada num sistema de significantes. Lacan deslocou esse debate ao valorizar o fator satisfação implicado na pulsão, o que se sobrepõe à sua aliança com os ideais e a verdade. A satisfação da pulsão pode infiltrar-se até mesmo no processo de análise, na fala, na transferência e na interpretação. O problema, cada vez mais Página 3 de 12

4 evidente, mediante o declínio da autoridade paterna e dos termos freudianos da organização edipiana da pulsão, é a tendência da pulsão de se satisfazer autoeroticamente, portanto, até certo ponto, à revelia do Outro e do laço social. De fato, quanto à satisfação das pulsões parciais, nunca foi evidente a referência ao campo do Outro, à cultura, ao laço social. A pulsão genital, suposta pelos pós-freudianos como aquela que coroaria o desenvolvimento pulsional infantil para além de seus interesses parciais, não existe. Disso decorre a possibilidade de pensarmos a constituição do laço social a partir da parcialidade da pulsão. É o que a teoria lacaniana dos discursos vem demonstrar, desde que Lacan insere no âmago da estrutura discursiva o objeto mais-de-gozar. As duas faces da pulsão O Seminário 11 constitui um marco para a noção de pulsão em Lacan, visto que aí ela ganha o estatuto de conceito fundamental, ao lado do inconsciente, da transferência e da repetição. Nesse seminário, a pulsão é relançada além da primazia do simbólico, segundo a qual ela foi abordada, precisamente por meio da concepção da tríade necessidade, demanda e desejo. Para além de sua inscrição simbólica, definida até então pela fórmula do grafo do sujeito, ($ D), Lacan concebeu as noções de alienação e de separação. São operações de constituição do sujeito que incluem as duas faces da pulsão, a simbólica e a real, respectivamente, o valor de verdade e de gozo, a face que fala por meio de uma gramática e a face silenciosa. Enquanto a dimensão simbólica da pulsão, representada pela intervenção da demanda do Outro sobre o organismo do falasser, concerne à operação de alienação, a dimensão real implica o mais-de-gozar e concerne à separação. A separação coloca em jogo o organismo vivo, a libido, os objetos pulsionais. Cada um dos objetos pulsionais é especificado por certa matéria na medida em que a esvazia. O objeto a, na verdade, é, para Lacan, uma função lógica, uma consistência lógica que consegue encarnar-se naquilo que cai do corpo sob a forma de diversos dejetos. É a dessubstancialização do objeto que evidencia a sua consistência lógica de vazio, de cavo (MILLER, 1994). Lacan nos lembra, em 1964, do dizer de Freud de que as pulsões são nossos mitos e acrescenta que é o real que elas mitificam, reproduzindo a relação do sujeito com o objeto perdido. Não faltam objetos que passam por lucros e perdas para ocupar seu lugar. Mas é em número limitado que eles podem desempenhar um papel que se simbolizaria da melhor maneira possível pela automutilação do lagarto, por sua cauda desprendida com desolação (LACAN, 1964/1998, p.867). Página 4 de 12

5 A noção freudiana de pulsão é por excelência a demonstração de que a fala tem efeito e ressoa no corpo. O conceito de pulsão, explicado por Lacan, designa um traço comum às palavras e ao corpo. É o que é designado pelo traço do corte (COTTET, 2000, p.70). Além disso, as pulsões são, no corpo, o eco do fato de que há um dizer (LACAN, /2007, p.18). Para que esse dizer ressoe, é preciso que o corpo seja sensível, o que concerne aos seus orifícios dos quais o mais importante é o ouvido. Porque ele não pode se tapar, se cerrar, se fechar. É por esse viés que, no corpo, responde o que chamei de voz (LACAN, /2007, p.19). O corpo sensível às palavras está em jogo na constituição do circuito das demandas lastreado pelas zonas erógenas a partir da incidência do discurso do Outro sobre o infans. No encontro do ser vivente com a língua materna, o corpo se constitui não somente como imagem, mas também como eco pulsional do dizer do Outro. A substância corporal coloca em relevância a capacidade do dizer de afetar o corpo, de imprimir marcas sobre o corpo e desalojar o gozo. Trata-se da implicação da função do signo e sua incidência sobre o corpo mais do que a função do significante, visto que este sempre vem no lugar de uma falta, opera pela negatividade e não enquanto presença. A montagem da pulsão supõe a constituição de um circuito de gozo em torno do furo deixado pela extração do objeto. O paradigma da extração do objeto é o fort-da freudiano, matriz da relação do sujeito com o significante e com o objeto. Ao observar o brincar de seu neto de um ano e meio de idade, Freud descreveu o jogo que ficou conhecido como jogo do fort-da e que marca a inserção da criança na dimensão simbólica. Ao afastar de si o carretel com o qual brincava, a criança enunciava o fort e, ao recuperá-lo, trazendo-o para junto de si, enunciava o da, expressando a alternância do desaparecimento e do retorno do objeto. Foram esses jogos de ocultação que Freud, numa intuição genial, produziu, a nosso ver, para que neles reconhecêssemos que o momento em que o desejo se humaniza é também aquele em que a criança nasce para a linguagem (LACAN, 1953/1998, p.320). A criança demonstra aí seu compromisso com o discurso do Outro, reproduzindo, em seu fort e em seu da, os significantes que dele recebe. Pois sua ação destrói o objeto que ela faz aparecer e desaparecer na provocação antecipatória de sua ausência e sua presença. Ela negativiza assim o campo de forças do desejo, para se tornar, em si mesmo, seu próprio objeto. E esse objeto, ganhando corpo imediatamente no par simbólico de dois dardejamentos elementares, anuncia no sujeito a integração diacrônica da dicotomia dos fonemas, da qual a linguagem existente oferece a estrutura sincrônica e sua assimilação (LACAN, 1953/1985, p.320). Observa-se bem que o ato da criança, aparentemente ingênuo, é um ato de palavra que anula o objeto e implica uma cessão de gozo acarretada pela entrada no discurso. Se é verdade que o significante é a primeira marca do sujeito, como não reconhecer aqui [...] que o objeto ao qual essa Página 5 de 12

6 oposição se aplica em ato, o carretel, é ali que devemos designar o sujeito (LACAN, 1964/1985, p.63). Uma das interpretações mais correntes do fort-da é que, nesse jogo, por meio da repetição, a criança estaria elaborando a perda relativa à ausência da mãe, fazendo-se agente dessa perda. Nesse contexto, o carretel é a mãe. Para Lacan, fazer-se agente da perda torna-se um fenômeno secundário em relação à importância fundante do sujeito nesse jogo. O psicanalista desloca a questão da separação do par mãe-criança para a criança e o objeto, ao mesmo tempo íntimo e exterior a ela mesma. O carretel é, então, o objeto a. A necessidade do retorno da mãe poderia manifestar-se pelo grito. Há, portanto, algo mais do que o grito e a demanda que se inscreve no jogo do carretel e que o eleva à dimensão de um ato. O fort-da testemunha a perda inerente à introdução do sujeito na dimensão simbólica. A hiância introduzida pela ausência desenhada, e sempre aberta, permanece causa de um traçado centrífugo no qual o que falha não é o outro enquanto figura em que o sujeito se projeta, mas aquele carretel ligado a ele próprio por um fio que ele segura onde se exprime o que, dele, se destaca nessa prova, a auto-mutilação a partir da qual a ordem da significância vai se pôr em perspectiva (LACAN, 1964/1985, p.63). O que chamou a atenção de Freud foi, sobretudo, a necessidade da criança de repetir o jogo reiteradamente, revelando o verdadeiro segredo do lúdico, isto é, a diversidade mais radical que constitui a repetição em si mesma. A repetição típica do fort-da é uma presentificação em ato do encontro com o real que Lacan nomeou de tiquê, em O Seminário, livro 11: os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. É a repetição da saída da mãe como causa de uma Spaltung no sujeito superada pelo jogo alternativo, fort-da, que é um aqui ou ali, e que só visa, em sua alternância, a ser o fort de um da e o da de um fort. O que se visa é aquilo que, essencialmente, não está representado (LACAN, 1964/1985, p.63). A observação de Freud esclarece como o sujeito se produz a partir de sua inscrição na cadeia significante (fort-da). O que se destaca aí é a condição dessa operação, a saber, a extração do objeto que introduz uma negativização do gozo. O carretel não é a mãe reduzida a uma bolinha [...] é alguma coisinha do sujeito que se destaca embora ainda sendo bem dele, que ele ainda segura [...] É com seu objeto que a criança salta as fronteiras de seu domínio transformado em poço e que começa a encantação (LACAN, 1964/1985, p.63). O sujeito como efeito de significação é resposta do real à ausência do Outro. O jogo do carretel é a resposta do sujeito àquilo que a ausência da mãe veio criar na fronteira de seu domínio Página 6 de 12

7 a borda do seu berço isto é, um fosso, em torno do qual ele nada mais tem a fazer senão o jogo do salto (LACAN, 1964/1985, p.63). O salto é o ato e indica uma clínica do objeto para além de uma clínica do sentido. Esse jogo infantil se tornou para Lacan o paradigma das operações de constituição do sujeito, a alienação e a separação. Pode-se extrair daí uma clínica do fort-da, isto é, uma clínica das relações do sujeito com o significante e com o objeto. O par fort-da corresponde ao par S 1 S 2, necessário para definir a estrutura do Outro, segundo a primeira linha do discurso do mestre, no qual se inscreve a identificação do sujeito. A clínica do objeto concerne a uma orientação que prioriza a extração do excedente de gozo. O objeto a definido como um furo no Outro, um furo com uma borda que funciona como lugar de captura de gozo, proporciona uma forma ao gozo, pois isola uma unidade de gozo em relação ao seu caráter de absolutização e infinitização. Trata-se do isolamento de zonas especiais no corpo que se tornam lugares do mais-de-gozar. A angústia na neurose demonstra a positividade do objeto e sua presença avassaladora para o sujeito nas aparições, perturbações e separações do objeto a (MILLER, 2005, p.54). As aparições dizem respeito a toda presentificação do objeto ali onde ele deveria faltar, a saber, no lugar de -. Nesse ponto, onde o neurótico sentiria angústia, devido a uma vacilação dos semblants, o psicótico sente horror e perplexidade, provocados, portanto, pela irrupção do gozo no corpo. O menino do fort-da ilustra como a castração impõe a articulação da linguagem e faz com que uma palavra tenha que se articular a outra para produzir sentido, não sem uma perda de seu valor de gozo autoerótico. A passagem de uma alíngua à linguagem, isto é, o acesso à oposição mínima de dois significantes necessária à produção de sentido, supõe uma operação discursiva. Essa elucubração de saber pode ser vista como a incidência do discurso do mestre sobre alíngua, na perspectiva de sua decomposição, do isolamento de sua unidade elementar, no estabelecimento de suas relações fundamentais e de seu reordenamento numa estrutura de linguagem (MANDIL, 2010, p.234). Para pensar então o percurso infantil de alíngua à linguagem, a teoria lacaniana dos discursos torna-se fundamental. Com a formulação dos discursos, Lacan estabeleceu uma conjunção de elementos heterogêneos, isto é, o efeito de significação promovido pela oposição dos significantes S 1 e S 2 e o efeito da produção de mais de gozo, condensado no objeto a. O objeto a como mais-degozar advém da renúncia ao gozo exigida pela inserção do ser falante no discurso. A clínica do objeto e o laço social Página 7 de 12

8 Diante das transformações provenientes da inexistência do Outro da ascensão do objeto a ao zênite na civilização, Éric Laurent explica, no artigo O objeto a pivô da experiência analítica (2007), que o tratamento pelo objeto a pode ser uma via de abertura ao campo do Outro, ali onde o sujeito goza do autismo de seu sintoma. Ele defende que, a partir do objeto de gozo, a exemplo do que é a droga para o toxicômano, possa-se refazer o laço com o Outro. O objeto anal, na contemporaneidade, por exemplo, poderia vincular o sujeito ao Outro, ao promover a paixão pelas acumulações, fusões e aquisições financeiras, embora sempre à beira de uma ruptura, quebra ou crise. Com relação ao olhar, é a paixão para ver tudo que vem sendo explorada insistentemente, inclusive pela mídia. No artigo Uma clínica do objeto a em instituição (2011), Rabanel define dois movimentos civilizatórios, dois modos de inserção social, a saber, por meio do Outro e por meio do gozo. A inserção social por meio do Outro depende das interdições, limites, normas, prescrições e aprendizagens, o que restringe bastante as chances de laço para o psicótico, sobretudo, o autista. Mas, por meio do objeto, seja a voz ou o olhar, por exemplo, alcança-se alguma inserção do sujeito, a partir de suas invenções. A partir do Seminário, livro 16: de um Outro ao outro, a noção de discurso e de mais-degozar implica diretamente a pulsão em sua função de laço social. É um modo de, com o objeto, re-inscrever esse sujeito, supostamente separado de tudo, em um discurso [...] este gozo também reúne o sujeito com o Outro. Ele não é só separação como exclusão, e sim um lugar êxtimo deste gozo no Outro (LAURENT, 2007, p.115). Longe de ser algo que só destrói os laços sociais, que significa uma ameaça para esse laço, pode ser, precisamente, o laço social que resta. A psicanálise pode então sustentar uma clínica do objeto visando à extração do excedente de gozo inclusive na psicose infantil. Trata-se de localizar o gozo fora do corpo por meio de intervenções voltadas para uma redução do gozo, sem a qual não há laço social possível. Do lado do efeito de significação, os discursos promovem a falta-a-ser e a identificação do sujeito, sustentam a comunicação e o endereçamento ao Outro. Do lado do efeito de produção, os discursos localizam o ser do sujeito, um efeito de real e de gozo, que não comunica nem endereça nada ao Outro. Segundo a leitura de Miller (2009), por incluir no discurso os quatro elementos articulados, $, a, S 1, S 2, num sistema de quatro lugares, Lacan obtém a essência da estrutura clínica em psicanálise, para além de uma mera classificação, pois faz valer o acréscimo da causa às classes. O falasser, ser falado falante, é o conjunto dessa articulação e, por isso, adquire uma densidade especial. O discurso visa a distinguir os elementos de alíngua, S 1 e S 2, estabelecer relações, articulações e fundar laços sociais. O significante, que se define apenas como uma diferença em relação a outro significante, é extraído de alíngua a partir da introdução da diferença enquanto tal pela Página 8 de 12

9 operação do traço unário. Há estrutura de linguagem, propriamente dita, quando o S 1 se articula a S 2. Há, portanto, um real prévio à estrutura, definido como matéria de estrutura, fora do sentido. O último ensino de Lacan começa com essa clivagem entre a estrutura e os elementos prévios de acaso, os quais ela encaixa e significa. A prática da psicanálise ganha então outra ênfase. Trata-se de reconduzir a trama de destino do sujeito da estrutura aos elementos primordiais, fora de articulação ou seja, fora do sentido e, por serem absolutamente separados, podemos dizê-los absolutos reconduzir o sujeito aos elementos absolutos de sua existência contingente (MILLER, 2009, p.28). A estrutura quer dizer efeito de sentido e produção de mais de gozo, ou seja, é a estrutura do discurso. O laço social requer a relação com os significantes S 1 -S 2 com produção de a, cuja resposta é o sujeito barrado. Antes que o par ordenado dos significantes inscreva o sujeito num discurso, o falasser está alienado a um gozo prévio que não se articula com a linguagem como um sistema de significantes. Esse ser prévio é um ser de gozo, quer dizer, um corpo afetado de gozo (MILLER, 2000, p.98). A incidência traumática de alíngua sobre o corpo instala o enigma do gozo, que poderá ser submetido ao seu regime paterno, no caso da neurose. Numa análise, mediante a associação livre, o sujeito faz emergirem de sua narração sobre o que lhe acontece os axiomas que tecem a trama do sentido de sua existência, transformando a contingência em articulação. Um S 1, ao acaso, articula-se com um S 2, e se produz um efeito de sentido articulado, organizando os elementos do acaso que precedem a estrutura. Os discursos estruturam modos diferentes de conjunção e disjunção das palavras e dos corpos. A condição maior da montagem de um discurso é uma perda, ou seja, a exclusão do gozo. De uma parte, encontra-se a antinomia entre o discurso e o gozo, delimitando a exterioridade absoluta do gozo em relação ao campo discursivo e, de outra parte, uma recuperação do gozo por meio da função do mais-de-gozar no discurso. A teoria dos discursos conta, portanto, com a solidariedade e não com a incompatibilidade do significante e do gozo. O gozo não contraria a ordem simbólica, mas supõe sua incorporação e o seu funcionamento. A prova maior de que o gozo não contraria o simbólico e que, ao contrário, se imiscui nele está no próprio processo civilizatório. Cada um dos quatro discursos, a saber, o discurso do mestre, o discurso da histérica, o discurso universitário e o discurso do analista, busca recuperar algo do gozo do corpo que foi exilado sob a forma do mais-de-gozar. Os quatro discursos consistem em quatro aparelhos de tratamento do real do gozo por meio dos laços sociais. Os laços sociais escritos pelos discursos são articulados a partir do real como impossível de ser escrito, tributário da pulsão de morte e irredutível ao simbólico. Enquanto laços sociais, os discursos fazem conexões entre dois campos, o campo do sujeito e o do Outro. Cada discurso implica um modo típico de tratamento do gozo. Página 9 de 12

10 O ponto de inserção do aparelho significante é, portanto, o gozo. O paradigma do gozo discursivo não supõe uma lógica autônoma do significante, independentemente dos corpos, nem é transcendente ao corpo, mas, ao contrário, implica o corpo. O corpo é uma das condições de gozo, um corpo afetado pelo inconsciente, cujo gozo satisfaz a uma pulsão. O gozo implica a vertente da repetição que não conhece limite, senão a consumação do próprio organismo. A introdução de um modo de gozo estranho à sobrevivência do organismo e ao saber natural e instintivo do corpo torna esse gozo equivalente à pulsão de morte. O campo do sujeito, no discurso do mestre, é regido pelo falo, que é também um dos nomes do S 1, visto que esse significante determina a castração. O campo do Outro é ocupado pelo saber e pelo objeto mais-de-gozar. A fantasia comporta algo da vida, do corpo vivo e libidinal, por meio da inserção do pequeno a enquanto imagem de gozo capturada no simbólico. Sem o recurso de um discurso estabelecido, o sujeito não tem como levar em conta o lugar de objeto indizível que é ele mesmo e dar um tratamento a esse objeto pelo enquadramento fantasmático. O discurso do mestre está correlacionado ao discurso da família edípica, que insere a criança na civilização a partir da articulação dos significantes fundamentais, pai e mãe, que representam o sujeito, impõem uma renúncia à pulsão e permitem a localização do ser de gozo numa fantasia. Quando uma criança é socializada e entra no discurso, ela apreende muito cedo a norma civilizatória que regula a sua relação com o corpo, ao internalizar a lei do pai, as regras do convívio social. Ao tomar a palavra nesse discurso estabelecido, o sujeito recebe uma forma de regulação do vivo que agita seu ser, que Lacan nomeava falasser (LACADÉE, 2009, p.1). Mas nem tudo da dimensão do vivo é regulado pelo discurso do mestre. Assim demonstra o Pequeno Hans, criança que se vê tomada pela angústia diante de um órgão, o fálico, que escapava à captura do corpo pelo discurso do mestre. A inscrição do sujeito no discurso leva em conta o lugar do objeto indizível que é ele mesmo. O significante do Nome-do-Pai tem efeitos de significação fálica, isto é, dar sentido e orientação à falta, em face do enigma do desejo do Outro. De início, o sujeito localiza uma parte de seu gozo nessa falta, separando-se e inscrevendo-se na linguagem que vem aparelhar o gozo em excesso. Noutro texto, Há um final de análise para as crianças (1999), Éric Laurent já discutia a formalização da psicanálise com crianças e a direção da cura do ponto de vista da teoria fálica de Lacan e da teoria do objeto a. À medida que a promoção do objeto a como real se faz insistente, surge a crítica à referência exclusivamente edipiana na análise de crianças. A questão subjacente a essa crítica é a de que o aporte psicanalítico sobre o gozo, segundo a estrutura edipiana, demonstra-se insuficiente para o tratamento do gozo, na época do declínio social da imago paterna. Há outro artigo mais recente de Laurent, A análise de crianças e a paixão familiar (2010), em que ele ratifica essa Página 10 de 12

11 contribuição anterior ao definir o que é a análise de criança. Ela é a exploração dos circuitos pulsionais graças a esse objeto transicional fálico e também, mais além, a exploração do que é a versão cada vez mais particular de como funcionou a articulação entre o objeto pulsional e o falo (LAURENT, 2010, p.31). Laurent nos indica então que o matema a/- se torna precioso para nossa investigação. Ele acrescenta que [...] analisar seria poder, ao mesmo tempo, articular estes dois planos: o plano da relação com a significação fálica e o da criança como objeto da fantasia da mãe. Analisar uma criança, então, é poder, com ela, extrair a história do que foi sua relação com essas duas classes de objetos, por meio da família, pai e mãe (LAURENT, 2010, p. 32). Essa definição abre uma série de possibilidades de investigação, a saber, as variedades clínicas derivadas das articulações e desarticulações de a e -. Proponho algumas perguntas: 1) quais os impasses contemporâneos para essa articulação? 2) como o corpo da pulsão é tomado nessa articulação? 3) o que se passa na neurose infantil e na psicose infantil a propósito desses elementos estruturantes do laço social? 4) o que a angústia revela sobre o objeto e o falo? 5) como as ficções familiares podem tratar esses elementos? Referências bibliográficas: COTTET, Serge. "Le langage, corps subtil", La Cause Freudienne, Paris: Navarin, Seuil, 2000, p LACADÉE, Philippe. A autoridade da língua, Almanaque on-line, ano 3, n.4, jan./jun Disponível em: Acesso em: 02 jul LACAN, Jacques. (1964) O Seminário, livro 11: os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, ( ) O Seminário, livro 23: o sinthoma. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Edito, (1964) Do Trieb de Freud e do desejo do psicanalista, In: Escritos. Rio de Janeiro: J.Z.E., p LAURENT, Éric. O objeto a pivô da experiência analítica, Opção Lacaniana, São Paulo: Eólia, v.49, ago. 2007, p Página 11 de 12

12 . Hay un fin de análisis para los niños. Buenos Aires: Coleccion Diva, A análise de crianças e a paixão familiar, In: Loucuras, sintomas e fantasias na vida cotidiana. Belo Horizonte: Ed. Scriptum, p MANDIL, Ram. O inconsciente como parasita falador e seus destinos, In: LAIA, Sergio; BATISTA, Maria do Carmo Dias. (Org.) Todo mundo delira. Belo Horizonte: Scriptum, p MILLER, Jacques-Alain. Silet, os paradoxos da pulsão de Freud a Lacan. Rio de Janeiro: J.Z.E, "Jacques Lacan et la voix, Quarto-révue de psychanalyse, Bruxelles, n.54, jun.1994, p São os acasos que nos fazem ir a torto e a direito, Opção Lacaniana, São Paulo: Eólia, v.55, nov.2009, p RABANEL, Jean-Robert. "Une clinique de l objet a en institution", La Cause Freudienne, Paris: Navarin, Seuil, n.78, 2011, p Texto apresentado na reunião do Núcleo de Pesquisa em Psicanálise com Crianças da Seção Clínica do Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais, em 07/03/2012. Página 12 de 12

Os três tempos do objeto no Fort-Da (1) Maria Rita de Oliveira Guimarães Coordenadora Adjunta do Núcleo de Psicanálise e Criança

Os três tempos do objeto no Fort-Da (1) Maria Rita de Oliveira Guimarães Coordenadora Adjunta do Núcleo de Psicanálise e Criança Os três tempos do objeto no Fort-Da (1) Maria Rita de Oliveira Guimarães Coordenadora Adjunta do Núcleo de Psicanálise e Criança O ponto central da investigação que, atualmente, a Nova Rede Cereda realiza,

Leia mais

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2 DAR CORPO AO SINTOMA NO LAÇO SOCIAL Maria do Rosário do Rêgo Barros * O sintoma implica necessariamente um corpo, pois ele é sempre uma forma de gozar, forma substitutiva, como Freud bem indicou em Inibição,

Leia mais

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 Arlete Mourão 2 Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

Desdobramentos: A mulher para além da mãe

Desdobramentos: A mulher para além da mãe Desdobramentos: A mulher para além da mãe Uma mulher que ama como mulher só pode se tornar mais profundamente mulher. Nietzsche Daniela Goulart Pestana Afirmar verdadeiramente eu sou homem ou eu sou mulher,

Leia mais

A criança, a lei e o fora da lei

A criança, a lei e o fora da lei 1 A criança, a lei e o fora da lei Cristina Drummond Palavras-chave: criança, mãe, lei, fora da lei, gozo. A questão que nos toca na contemporaneidade é a do sujeito às voltas com suas dificuldades para

Leia mais

Almanaque on-line entrevista Uma questão para a AMP-América

Almanaque on-line entrevista Uma questão para a AMP-América Almanaque on-line entrevista Uma questão para a AMP-América Entrevistada: Elisa Alvarenga Diretora Geral do IPSM-MG e Presidente da FAPOL (Federação Americana de Psicanálise de Orientação Lacaniana). E-mail:

Leia mais

A dimensão aditiva do sintoma

A dimensão aditiva do sintoma Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 7 março 2012 ISSN 2177-2673 Glória Maron Introdução Vivemos um tempo posterior à queda dos ideais e das figuras clássicas de autoridade que encarnam a função

Leia mais

Os princípios da prática analítica com crianças

Os princípios da prática analítica com crianças Os princípios da prática analítica com crianças Cristina Drummond Palavras-chave: indicação, tratamento, criança, princípios. As indicações de um tratamento para crianças Gostaria de partir de uma interrogação

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

CLINICA DA ANSIEDADE: Um projeto terapêutico

CLINICA DA ANSIEDADE: Um projeto terapêutico CLINICA DA ANSIEDADE: Um projeto terapêutico De nossos antecedentes Existem instituições onde a psicanálise aplicada da orientação lacaniana tem lugar há muitos anos, como é o caso do Courtil e L Antenne

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 I Introdução O objetivo deste trabalho é pensar a questão do autismo pelo viés da noção de estrutura, tal como compreendida

Leia mais

A criança objetalizada

A criança objetalizada A criança objetalizada Cristina Drummond Psicanalista, Membro da Escola Brasileira de Psicanálise A posição de objeto da criança Para ler as evidências, em nosso mundo contemporâneo, de que os sujeitos

Leia mais

Sujeito do desejo, sujeito do gozo e falasser

Sujeito do desejo, sujeito do gozo e falasser Sujeito do desejo, sujeito do gozo e falasser Luis Francisco Espíndola Camargo 1 lfe.camargo@gmail.com Resumo: A noção de sujeito do desejo não inclui a substância gozante. Na clínica, tal característica

Leia mais

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico 1 A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico Samyra Assad Foi a oportunidade de falar sobre o tema da ética na pesquisa em seres humanos, que me fez extrair algumas reflexões

Leia mais

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania?

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? 2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? Giselle Fleury(IP/UERJ), Heloisa Caldas(IP/UERJ) Para pensar, neste trabalho, a neurose e a psicose em relação

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE. O valor do corpo como imagem, como suporte imaginário e consistência, por

CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE. O valor do corpo como imagem, como suporte imaginário e consistência, por CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE Regina Cibele Serra dos Santos Jacinto Ana Maria Medeiros da Costa Podemos afirmar que o interesse de Lacan pela questão do corpo esteve

Leia mais

A fala freada Bernard Seynhaeve

A fala freada Bernard Seynhaeve Opção Lacaniana online nova série Ano 1 Número 2 Julho 2010 ISSN 2177-2673 Bernard Seynhaeve Uma análise é uma experiência de solidão subjetiva. Ela pode ser levada suficientemente longe para que o analisante

Leia mais

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO Denise de Fátima Pinto Guedes Roberto Calazans Freud ousou dar importância àquilo que lhe acontecia, às antinomias da sua infância, às suas perturbações neuróticas, aos seus sonhos.

Leia mais

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Maria José Gontijo Salum Em suas Contribuições à Psicologia do Amor, Freud destacou alguns elementos que permitem

Leia mais

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança.

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança. Ser mãe hoje Cristina Drummond Palavras-chave: família, mãe, criança. Hoje em dia, a diversidade das configurações familiares é um fato de nossa sociedade. Em nosso cotidiano temos figuras cada vez mais

Leia mais

Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS

Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS Samyra Assad Abrir o Iº Colóquio sobre Psicanálise e Educação é, dar início não somente aos trabalhos que a partir de agora se seguirão,

Leia mais

Devastação: um nome para dor de amor Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset

Devastação: um nome para dor de amor Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset No início da experiência analítica, foi o amor, diz Lacan 1 parafraseando a fórmula no

Leia mais

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana Fome de quê? Daniela Goulart Pestana O trabalho a seguir fruto de um Cartel sobre sintomas alimentares, propõe a ser uma reflexão dos transtornos alimentares mais comuns de nossa contemporaneidade. O eixo

Leia mais

Feminilidade e Angústia 1

Feminilidade e Angústia 1 Feminilidade e Angústia 1 Claudinéia da Cruz Bento 2 Freud, desde o início de seus trabalhos, declarou sua dificuldade em abordar o tema da feminilidade. Após um longo percurso de todo o desenvolvimento

Leia mais

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1 FUNÇÃO MATERNA Luiza Bradley Araújo 1 Entendemos por função materna a passagem ou a mediação da Lei que a mãe opera. Nós falamos de uma função e não da pessoa da mãe, função de limite entre o somático

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

As vicissitudes da repetição

As vicissitudes da repetição As vicissitudes da repetição As vicissitudes da repetição Breno Ferreira Pena Resumo O objetivo deste trabalho é explorar o conceito de repetição em psicanálise. Para tanto, o autor faz uma investigação

Leia mais

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial.

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. Claudia Wunsch. Psicóloga. Pós-graduada em Psicanálise Clínica (Freud/Lacan) Unipar - Cascavel- PR. Docente do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005

Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005 Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005 Dos novos sintomas ao sintoma analítico Elizabeth Karam Magalhães Na contemporaneidade, a prática clínica confronta o analista com novas formas do sintoma, que têm

Leia mais

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 Elza Macedo Instituto da Psicanálise Lacaniana IPLA São Paulo, 2008 A angústia é um afeto Lacan (2005) dedica o Seminário de 1962-1963 à angústia. Toma a experiência

Leia mais

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC O Pai em Freud 1997 O Pai em Freud Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC Conteudo: Pais freudianos... 3 O pai de Dora... 3 O pai de Schreber.... 4 O pai castrador, que é o terceiro em Freud,

Leia mais

Há um acontecimento de corpo

Há um acontecimento de corpo Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 13 março 2014 ISSN 2177-2673 1 Ram Avraham Mandil Para uma discussão sobre a lógica do tratamento a partir do Seminário...ou pior, de Jacques Lacan, gostaria

Leia mais

Latusa digital ano 0 N 2 setembro de 2003

Latusa digital ano 0 N 2 setembro de 2003 Latusa digital ano 0 N 2 setembro de 2003 O forçamento da psicanálise * Ruth Helena Pinto Cohen ** A ciência moderna tende a excluir a poética de seu campo e a psicanálise, a despeito de ter nascido a

Leia mais

O desenho e sua interpretação: quem sabe ler?

O desenho e sua interpretação: quem sabe ler? O desenho e sua interpretação: quem sabe ler? Sonia Campos Magalhães Em seu artigo Uma dificuldade da psicanálise de criança, Colette Soler 1 lança uma questão aos psicanalistas que se ocupam desta prática,

Leia mais

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Inovação em psicanálise: rumos e perspectivas na contemporaneidade Quarta-feira 10/6 10h30-12h Mesa-redonda Saúde mental e psicanálise

Leia mais

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski Iniciemos este texto fazendo uma breve retomada de alguns momentos importantes da

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Sinthoma e fantasia fundamental no caso do homem dos ratos * Cleide Maschietto Doris Rangel Diogo ** O Homem dos ratos 1 é um caso de neurose muito comentado,

Leia mais

A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE

A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE Autores: Gleici Kelly de LIMA, Mário Ferreira RESENDE. Identificação autores: Bolsista IN-IFC; Orientador IFC-Videira. Introdução Qual seria

Leia mais

A Estrutura na Psicanálise de criança

A Estrutura na Psicanálise de criança A Estrutura na Psicanálise de criança Maria de Lourdes T. R. Sampaio O que está na cabeça do filho depende de seu desejo 1 Esta frase de Alfredo Jerusalinsky, que se refere à ilusão de alguns pais de que

Leia mais

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA Doris Rinaldi 1 A neurose obsessiva apresenta uma complexidade e uma riqueza de aspectos que levou, de um lado, Freud a dizer que tratava-se do tema mais

Leia mais

4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta

4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta Mesa: 4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta OS RISCOS NA CONSTITUIÇÃO PSÍQUICA Autora: CRISTINA HOYER Breve Nota Curricular da Autora -

Leia mais

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Filho, não vês que estou queimando! Ondina Maria Rodrigues Machado * Fui a Salvador para o XV Encontro Brasileiro do Campo Freudiano, mas não só para isso. Fui

Leia mais

A CRIANÇA, O ADULTO E O INFANTIL NA PSICANÁLISE. Desde a inauguração da psicanálise, através dos estudos de seu criador Sigmund

A CRIANÇA, O ADULTO E O INFANTIL NA PSICANÁLISE. Desde a inauguração da psicanálise, através dos estudos de seu criador Sigmund A CRIANÇA, O ADULTO E O INFANTIL NA PSICANÁLISE Germano Quintanilha Costa Desde a inauguração da psicanálise, através dos estudos de seu criador Sigmund Freud, a infância se difundiu e se impôs à cultura

Leia mais

Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem

Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem 1 Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem Palavras-chave: Transferência, Desejo do analista, Formação Que haja amor à fraqueza, está

Leia mais

Título: A imagem e o imaginário: quando o sujeito é excluído do imaginário materno e permanece sem a ajuda de nenhuma imagem estabelecida

Título: A imagem e o imaginário: quando o sujeito é excluído do imaginário materno e permanece sem a ajuda de nenhuma imagem estabelecida Título: A imagem e o imaginário: quando o sujeito é excluído do imaginário materno e permanece sem a ajuda de nenhuma imagem estabelecida Autor: Suzana Faleiro Barroso Psicóloga, psicanalista praticante

Leia mais

O sinthome no autismo é o corpo

O sinthome no autismo é o corpo O sinthome no autismo é o corpo M. Aparecida Farage Osorio Na origem do autismo, está a dissociação entre a voz e a linguagem, como proteção da presença sonora real do Outro angustiante. A voz, assim,

Leia mais

A função especular da fala materna e suas referências. ao psiquismo e à constituição do si mesmo.

A função especular da fala materna e suas referências. ao psiquismo e à constituição do si mesmo. A função especular da fala materna e suas referências ao psiquismo e à constituição do si mesmo. Alexandre Socha No artigo O papel de espelho da mãe e da família no desenvolvimento infantil (1967), Winnicott

Leia mais

O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1

O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1 O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1 Miriam A. Nogueira Lima 2 1ª - O corpo para a psicanálise é o corpo afetado pela linguagem. Corpo das trocas, das negociações. Corpo

Leia mais

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n.6

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n.6 Psicanálise e Saúde Mental Helenice Saldanha de Castro Resumo: Este artigo faz um contraponto entre dois textos de Jacques Alain Miller, a saber, Saúde Mental e Ordem Pública e A salvação pelos dejetos,

Leia mais

UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1

UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1 UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1 Celso Rennó Lima A topologia..., nenhum outro estofo a lhe dar que essa linguagem de puro matema, eu entendo por aí isso que é único a poder se ensinar: isso

Leia mais

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial 30 1. 3. Anna Freud: o analista como educador Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial ênfase ao desenvolvimento teórico e terapêutico da psicanálise de crianças. Sua

Leia mais

Clínica psicanalítica com crianças

Clínica psicanalítica com crianças Clínica psicanalítica com crianças Ana Marta Meira* A reflexão sobre a clínica psicanalítica com crianças aponta para múltiplos eixos que se encontram em jogo no tratamento, entre estes, questões referentes

Leia mais

Autismo e Deficiência Intelectual.

Autismo e Deficiência Intelectual. Autismo e Deficiência Intelectual. Wagner Ranna. Pediatra. Psiquiatra. Psicanalista. Professor de Psicossomática Psicanalítica do SEDES. Psiquiatra CAPS Infantil da Lapa/PMSP/CRSCO/STS Lapa. Ex-professor

Leia mais

Há ou não um ato sexual? 1

Há ou não um ato sexual? 1 Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 13 março 2014 ISSN 2177-2673 Há ou não um ato sexual? 1 Patrícia Badari Um, dois, três..., uma série de homens, uma série de encontros sexuais é o que ouvimos

Leia mais

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A comunicação que segue procura pensar algumas especificidades constitucionais do feminino a partir do aforismo lacaniano: Não há relação sexual. Para dizer

Leia mais

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise.

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise. A FUNÇÃO DO PAI NA INTERDIÇÃO E NA LEI: UMA REFLEXÃO SOBRE IDENTIFICAÇÃO E VIOLÊNCIA NA CONTEMPORANEIDADE. Jamille Mascarenhas Lima Psicóloga, Universidade Federal da Bahia. Especialista em psicomotricidade,

Leia mais

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO 2015 Marcell Felipe Alves dos Santos Psicólogo Clínico - Graduado pela Centro Universitário Newton Paiva (MG). Pós-graduando em

Leia mais

Analista em função ama?

Analista em função ama? Analista em função ama?... o amor demanda o amor. Ele não deixa de demandá-lo. Ele o demanda... mais... ainda (Lacan) (1) Este texto é causado pelo interrogante insistente sobre o que é do amor ao final?

Leia mais

Título: Entrevista com Fabián Naparstek

Título: Entrevista com Fabián Naparstek Título: Entrevista com Fabián Naparstek Autor: Didier Velásquez Vargas Psicanalista em Medellín, Colômbia. Psychoanalyst at Medellín, Colômbia. E-mail: didiervelasquezv@une.net.co Resumo: Entrevista com

Leia mais

Título: O que é que tem um corpo e não existe? Resposta O grande Outro

Título: O que é que tem um corpo e não existe? Resposta O grande Outro Título: O que é que tem um corpo e não existe? Resposta O grande Outro Autora: Sandra Maria Espinha Oliveira - Membro da Escola Brasileira de Psicanálise (EBP) e da Associação Mundial de Psicanálise (AMP).

Leia mais

QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM...

QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM... QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM... Adelson Bruno dos Reis Santos adelsonbruno@uol.com.br Mestrando em Psicologia - IP/UFRJ; Bolsista CAPES; Membro do CLINP-UFRJ/CNPq (Grupo de Pesquisa Clínica Psicanalítica);

Leia mais

Um Quarto de Volta. Maria Cristina Vecino de Vidal. Discursos

Um Quarto de Volta. Maria Cristina Vecino de Vidal. Discursos Um Quarto de Volta Maria Cristina Vecino de Vidal Este escrito versará em torno da estrutura dos quatro discursos e seu funcionamento na clínica psicanalítica. As questões se centrarão na problemática

Leia mais

A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação. com a função paterna

A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação. com a função paterna www.franklingoldgrub.com Édipo 3 x 4 - franklin goldgrub 7º Capítulo - (texto parcial) A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação com a função paterna (Salvo menção expressa em contrário,

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO Igor Guterres Faria¹ RESUMO: Este estudo é parte integrante do projeto de pesquisa de iniciação científica

Leia mais

Os nós e o amor. Silvia Emilia Espósito* Palavras - chave: nós, real, amor, três registros

Os nós e o amor. Silvia Emilia Espósito* Palavras - chave: nós, real, amor, três registros Os nós e o amor Silvia Emilia Espósito* Palavras - chave: nós, real, amor, três registros Aprendemos com Freud que o amor é sempre narcísico, ou seja, não importa de que escolha de objeto se trate, ele

Leia mais

O SIGNIFICANTE NA NEUROSE OBSESSIVA: O SINTOMA E SUA RELAÇÃO COM O DESEJO RILMA DO NASCIMENTO MEDEIROS E MARGARIDA ELIA ASSAD - UFPB

O SIGNIFICANTE NA NEUROSE OBSESSIVA: O SINTOMA E SUA RELAÇÃO COM O DESEJO RILMA DO NASCIMENTO MEDEIROS E MARGARIDA ELIA ASSAD - UFPB O SIGNIFICANTE NA NEUROSE OBSESSIVA: O SINTOMA E SUA RELAÇÃO COM O DESEJO RILMA DO NASCIMENTO MEDEIROS E MARGARIDA ELIA ASSAD - UFPB É a verdade do que esse desejo foi em sua história que o sujeito grita

Leia mais

O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA. Adriana Grosman

O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA. Adriana Grosman O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA Adriana Grosman Pretendo tratar de um caso clinico que coloca em evidencia que não é só a questão fálica que está em jogo na maternidade se não o resto do desejo, algo que escapa

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES Daniela de Oliveira Martins Mendes Daibert Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Psicanálise da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ);

Leia mais

A Outra: o delírio da histérica

A Outra: o delírio da histérica Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 1 Ana Martha Maia e Maria Fátima Pinheiro Desde Freud, podemos dizer que a fantasia e o delírio são construções ficcionais

Leia mais

Angústia e sexualidade masculina

Angústia e sexualidade masculina Angústia e sexualidade masculina Palavras-chave: angústia, falo, órgão real, virilidade Sérgio Laia * Em psicanálise, a associação entre angústia e sexualidade masculina é geralmente abordada a partir

Leia mais

O amor em análise: algumas considerações a partir de depoimentos de passe Jussara Jovita Souza da Rosa

O amor em análise: algumas considerações a partir de depoimentos de passe Jussara Jovita Souza da Rosa Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 14 julho 2014 ISSN 2177-2673 : algumas considerações a partir de depoimentos de passe Jussara Jovita Souza da Rosa [...] Falar de amor, com efeito, não se

Leia mais

Latusa Digital Ano 9 N. 49 Junho de 2012. Sobre a letra e o gozo na escrita de Clarice Lispector

Latusa Digital Ano 9 N. 49 Junho de 2012. Sobre a letra e o gozo na escrita de Clarice Lispector Clarisse Boechat 1 Marcia Mello de Lima 2 A obra de Clarice Lispector surpreende o psicanalista de orientação lacaniana, que trabalha com a prática da letra, pois é possível extrair dali alguns conceitos

Leia mais

Do todos iguais ao um por um Oscar Zack

Do todos iguais ao um por um Oscar Zack Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 Oscar Zack O espetáculo não é um conjunto de imagens, mas uma relação social entre as pessoas mediatizadas pelas imagens. Guy

Leia mais

Rafael Saliba Regis Fundação de Assistência Especializada de Nova Lima - FAENOL

Rafael Saliba Regis Fundação de Assistência Especializada de Nova Lima - FAENOL QUANDO A CLÍNICA ENCONTRA A ESCOLA: O TRATAMENTO DO AUTISMO E AS SAÍDAS POSSÍVEIS DE UMA INCLUSÃO Rafael Saliba Regis Fundação de Assistência Especializada de Nova Lima - FAENOL Rua Divinópolis, 318/201,

Leia mais

Tudo o que gosto é ilegal, imoral ou engorda

Tudo o que gosto é ilegal, imoral ou engorda Tudo o que gosto é ilegal, imoral ou engorda Maria Cristina da Cunha Antunes Flávia Lana Garcia de Oliveira Introdução: O campo freudiano de orientação lacaniana trabalha segundo o axioma de que não há

Leia mais

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas,

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas, Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? Fernanda Samico Küpper É notória a contribuição que as mulheres sempre deram à engrenagem da psicanálise enquanto campo teórico. Desde Anna O., passando

Leia mais

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Trabalho apresentado na IV Jornada de Saúde Mental e Psicanálise na PUCPR em 21/11/2009. A prática da psicanálise em ambulatório de saúde mental pode

Leia mais

A palavra que humaniza o desejo

A palavra que humaniza o desejo 1 A palavra que humaniza o desejo Cristina Drummond Palavras-chave: pai, desejo, criança, Gide. Proponho tomarmos o caso Amâncio como um paradigma da função do romance familiar para a amarração de um sujeito.

Leia mais

escrita como condicionante do sucesso escolar num enfoque psicanalítico

escrita como condicionante do sucesso escolar num enfoque psicanalítico escrita como condicionante do sucesso escolar num enfoque psicanalítico Meu objetivo aqui é estabelecer um ponto de convergência entre a apropriação da linguagem escrita, o fracasso escolar e os conceitos

Leia mais

A adoção de uma ficção 1

A adoção de uma ficção 1 1 A adoção de uma ficção 1 Samyra Assad Quatro conceitos fundamentais da psicanálise poderiam ser explorados, se quiséssemos, no que de elementar traz o caso que hoje discutimos, com o tema: Clínica da

Leia mais

Negar é no fundo querer recalcar

Negar é no fundo querer recalcar Negar é no fundo querer recalcar Jorge A. Pimenta Filho Introdução A Negativa 1 artigo de Freud escrito em 1925 se refere à metapsicologia e também à técnica psicanalítica. (FREUD, 1976). A primeira indicação

Leia mais

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior O exterior da inclusão e a inclusão do exterior www.voxinstituto.com.br O tema do V Simpósio Derdic- "Mecanismos de exclusão, estratégias de inclusão" permitiu que a problemática da inclusão social do

Leia mais

CORPO FREUDIANO ESCOLA DE PSICANÁLISE SEÇÃO RIO DE JANEIRO PROGRAMAÇÃO 2012.2. INÍCIO: 07 de agosto FORMAÇÃO BÁSICA

CORPO FREUDIANO ESCOLA DE PSICANÁLISE SEÇÃO RIO DE JANEIRO PROGRAMAÇÃO 2012.2. INÍCIO: 07 de agosto FORMAÇÃO BÁSICA CORPO FREUDIANO ESCOLA DE PSICANÁLISE SEÇÃO RIO DE JANEIRO PROGRAMAÇÃO 2012.2 INÍCIO: 07 de agosto FORMAÇÃO BÁSICA MÓDULO: REAL, SIMBÓLICO E IMAGINÁRIO Quintas-feiras, horário: 9:30 às 11:30h, semanal

Leia mais

THE BODY AND THE OTHER

THE BODY AND THE OTHER Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais Almanaque On-line nº 13 Julho a dezembro de 2013 Título: O corpo e o Outro Autora: Sandra Maria Espinha Oliveira Psicóloga, Analista praticante,

Leia mais

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO Fernanda de Souza Borges feborges.psi@gmail.com Prof. Ms. Clovis Eduardo Zanetti Na praça Clóvis Minha carteira foi batida, Tinha

Leia mais

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante Heloisa Caldas ** Minha contribuição para este número de Latusa visa pensar o amor como um semblante que propicia um tratamento

Leia mais

A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO

A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO 2014 Olga Cristina de Oliveira Vieira Graduada em Psicologia pela Universidade Presidente Antônio Carlos. Docente no Centro Técnico de Ensino Profissional (CENTEP). Especialização

Leia mais

O BRINCAR E A CLÍNICA

O BRINCAR E A CLÍNICA O BRINCAR E A CLÍNICA Christine Nunes (psicóloga clínica, candidata da SPRJ) RESUMO: O presente trabalho, propõe a uma breve exposição do que pensa Winnicott sobre o brincar e a sessão analítica estendendo

Leia mais

A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica

A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica Natália De Toni Guimarães dos Santos O humano só advém a partir de outros humanos. O filho do homem é um ser absolutamente dependente

Leia mais

PODERES DO PSICANALISTA

PODERES DO PSICANALISTA Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 PODERES DO PSICANALISTA Nelisa Guimarães O título tem o duplo sentido de discutir o que pode um psicanalista na clínica a partir

Leia mais

INIBIÇÃO, SINTOMA E FPS Cristiane Elael

INIBIÇÃO, SINTOMA E FPS Cristiane Elael 1 INIBIÇÃO, SINTOMA E FPS Cristiane Elael Sabemos que, antes dos 6 meses, o bebê ainda tem de seu corpo a idéia de uma imagem despedaçada. Suas relações com um outro diferenciado dela mesma, ou seja, suas

Leia mais

ESTÉTICA: IDEAL DE JUVENTUDE DA TERCEIRA IDADE

ESTÉTICA: IDEAL DE JUVENTUDE DA TERCEIRA IDADE ESTÉTICA: IDEAL DE JUVENTUDE DA TERCEIRA IDADE 2008 Paulo Roberto Cardoso Pereira Júnior juniorcamamu@hotmail.com Tatiana Pereira Boureau tatiboureau@hotmail.com Raimundo Francisco Frank Ribeiro frank.ribeiro@terra.com.br

Leia mais