dados existentes nas estatísticas dos hospitais. Foi observado que isto é necessário para se formar uma cultura de avaliação. No momento inicial, se

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "dados existentes nas estatísticas dos hospitais. Foi observado que isto é necessário para se formar uma cultura de avaliação. No momento inicial, se"

Transcrição

1 Ata da 1ª Reunião Ordinária do Grupo de Trabalho de Indicadores Hospitalares do Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviços na Saúde Suplementar - COGEP. Às quatorze horas do dia oito de março de dois mil e doze, nesta cidade, à Rua Teixeira de Freitas, nº 5, 2º andar, prédio do IHGB, na sala de treinamento, realizou-se a 1ª reunião ordinária do Grupo de Trabalho de Indicadores Hospitalares do Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar - COGEP. A reunião foi coordenada por Antonio Carlos Endrigo, Gerente Geral de Integração Setorial/DIDES e Carlos Figueiredo, Gerente de Relações com Prestadores de Serviços/DIDES, com apoio de Raquel Lisboa, Coordenadora da CQUALISS/GERPS/DIDES e teve como participantes: Benno Kreisel e João de Lucena (CNS); Denise Schout (ANAHP); Rita Ribeiro Kaluf (Unimed); Neusa Kyoko (ABRAMGE); Carlos Eduardo S. Carvalho (); Nise Cardoso (CFFa); Vera Souza e Raimundo Olinto Albergaria (); Walter do Valle (FBH); Anice Holanda Maia (CFP); Henio Braga Junior e Carlos Henrique Souza (UNIDAS); Carlos Ballarati (SBPC); Margareth Portela (ENSP/FIOCRUZ); Eliel Larrubia (COFEN); Roberto Nabarro (CMB); Antonio Carlos Endrigo, Carlos Figueiredo, Raquel Lisboa, Eduardo Neto; Ana Suely Alves, Aline Mesquita e Maristela Bernardi (ANS). Convidado: Cesar Abicalaffe (IMPACTO). O Gerente da GERPS iniciou a reunião, apresentando a pauta e informando que recebeu duas contribuições uma da ANAHP e a outra do Ministério da Saúde. A representante da Unimed informou que a entidade também enviou contribuição, entretanto não foi recebida pela ANS. O Gerente da GERPS fez a apresentação da proposta de metodologia da ANS para o sistema de avaliação por meio de indicadores hospitalares. Foram explicadas as etapas de adesão ao Programa, sendo apresentados aspectos referentes à ficha cadastral do estabelecimento, estratificação, etc. Foi apresentada a proposta inicial de doze indicadores, sendo dois para cada domínio do QUALISS. A idéia é que os indicadores essenciais sejam obrigatórios para os participantes do QUALISS. Destacou-se que existe a possibilidade de inclusão de outros indicadores como recomendáveis, ou seja, as instituições que se sentirem preparadas podem optar por também enviar os indicadores recomendáveis. A proposta é iniciar com poucos indicadores essenciais, no máximo dois por domínio, considerando as áreas prioritárias definidas e os 1-1

2 dados existentes nas estatísticas dos hospitais. Foi observado que isto é necessário para se formar uma cultura de avaliação. No momento inicial, se evitará utilizar indicadores de resultados, tendo em vista a necessidade de um bom ajuste de risco. Destacou-se que estes indicadores poderiam entrar como indicadores recomendáveis. Foi observado que serão priorizados os indicadores já existentes na legislação sanitária. Debate: Foi questionado o motivo da exclusão de hospitais psiquiátricos. A Coordenadora do CQUALISS esclareceu que para a avaliação inicial dos hospitais foram definidas algumas áreas prioritárias (CTI, centro cirúrgico, etc) e, dessa forma, os hospitais psiquiátricos não se enquadrariam. A coordenadora ressaltou que a pretensão é que estes estabelecimentos também sejam avaliados num momento posterior, num bloco separado, com indicadores mais específicos. O gerente da GERPS frisou que essas áreas prioritárias deverão balizar a definição dos indicadores. Ele observou ainda que, caso o GT considere necessário, outras áreas prioritárias poderão ser incluídas. Foi ressaltado que o sistema de mensuração proposto avalia o prestador hospitalar como um todo e não os serviços isolados. Segundo a coordenadora da GERPS, um serviço específico, que seja terceirizado dentro de um hospital, por exemplo, não será avaliado separadamente, mas fará parte da avaliação do prestador hospitalar como um todo. Foi perguntado qual o estímulo que os prestadores teriam para fazer a adesão ao QUALISS. O gerente da GERPS esclareceu que a divulgação de forma diferenciada daquele prestador no material da operadora seria um estímulo para a adesão. Foi perguntado se os prestadores terão que fazer os cálculos dos indicadores. O gerente esclareceu que será disponibilizada uma ferramenta via web para inserção dos dados, que fará o processamento. A partir disso, a análise será devolvida para cada prestador, individualmente, para que este conheça o seu desempenho. Posteriormente, a ANS fará a divulgação de forma agregada. Ele observou que a proposta da ANAPH de estratificação dos hospitais por porte e complexidade, em conformidade com a Portaria 2.224/2002 do Ministério da Saúde, poderia ser incorporada na proposta da ANS. Em relação à questão dos portes, foi observado que a proposta da ANAPH apresenta uma simplificação da Portaria 2.224/2002 e que somente o número de leitos não é suficiente para classificar os hospitais, uma vez que, mesmo um hospital de pequeno porte pode realizar eventos de grande complexidade. Em seguida, foi feita a apresentação da proposta da ANAPH. Foi ressaltado que o sistema de classificação hospitalar se baseou no nº de leitos, salas cirúrgicas, estrutura de atendimento, etc, sendo definidos 3 portes. Foram 2-2

3 apresentados a proposta de metodologia de avaliação, os indicadores, a coleta de dados e o sistema de auditoria. Em seguida foi feita a apresentação do Ministério da Saúde. Debate: Foi sugerido adaptar a Portaria 2.224/2002 e considerar o aspecto regional. Foi sugerido, ainda, que no cadastro dos prestadores fossem utilizados os dados do CNES, para não gerar duplicação de trabalho. Foi ponderado que o CNES apresenta algumas limitações para seu uso no Programa, tais como: foi concebido baseado na lógica de pagamento utilizada no SUS; não tem todas as informações necessárias para o Programa; a atualização das informações não é adequada; a definição de leitos do CNES tem um padrão próprio; etc. O gerente da GERPS sugeriu que no sistema a ser utilizado no Programa, na parte cadastral já poderia terá as informações constantes no CNES, cabendo ao prestador confirmálas ou não, de forma a efetivar a atualização. Foi ponderado que no CNES são cadastrados serviços que estão dentro de hospitais, não sendo propriamente estabelecimentos. O gerente da GERPS observou que a ANS ainda não tem uma proposta de auditoria e que estava pensando em termos de uma auditoria a posteriori, entretanto, a ANAPH propõe uma auditoria sistemática e contínua, com análise de consistência dos dados, batimento de base secundária, etc. Ele ressaltou que essa questão deve ser analisada pelo COGEP e os demais membros do GT podem fazer sugestões, considerando a realidade dos prestadores. O gerente da GERPS considerou que a proposta da ANAPH trouxe elementos importantes que poderiam ser agregados ao Programa. Ele também considerou que os indicadores podem sofrer alteração de domínios, caso o GT concorde. Quanto ao número de indicadores, ele enfatizou que o Programa deveria, pelo menos num momento inicial, trabalhar com no máximo doze indicadores essenciais, dois por domínio, cabendo ao GT fazer a escolha. Foi ponderado que na escolha dos indicadores, deve-se atentar para a realidade do conjunto dos prestadores, pois a realidade da ANAPH é diferenciada. Existem indicadores que por terem um maior grau de complexidade para coleta e tratamento das informações, seriam difíceis para os hospitais de uma maneira geral. Assim, os indicadores mais complexos poderiam entrar como recomendáveis. O gerente da GERPS ressaltou que a ideia dos indicadores recomendáveis é justamente premiar os prestadores que têm condições de atendê-los, para diferenciá-los. Em que pese a complexidade dos indicadores, foi observado que todos os indicadores utilizados na ANAPH estão nas normas sanitárias e que fazem parte do censo hospitalar. O gerente da GERPS destacou que, na escolha dos indicadores, o GT deve se basear no que já existe 3-3

4 nas normas sanitárias e também considerar a realidade dos prestadores, no sentido de estimular e ampliar a possibilidade de adesão ao Programa. Foi proposto que na escolha dos indicadores fossem considerados como critérios: relevância, solidez científica e viabilidade. Foi sugerido que no domínio da segurança se utilizasse um número maior de indicadores recomendáveis. Em relação à definição de se trabalhar com doze indicadores, foi ponderado que, no momento inicial, talvez não fosse adequado adotar tantos indicadores, considerando a necessidade de implantar uma cultura de avaliação. Entretanto, foi observado que muitos dos indicadores propostos são indicadores de conformidade (isto é, são sim ou não ) e muitos deles não são quantitativos. Foi observado, ainda, que se as fichas técnicas estiverem claras o suficiente, o entendimento e a coleta dos indicadores ficam facilitados. O gerente da GERPS destacou que, caso o GT avalie que em determinado domínio não é possível trabalhar com dois indicadores, pode-se utilizar menos indicadores naquele domínio e um número maior noutro. Foi observado que, no sentido de facilitar o trabalho das equipes de coleta das informações, pode-se escolher indicadores que utilizem os mesmos dados na sua composição. Os dados seriam comuns a vários indicadores. Em relação à definição quanto à estratificação dos hospitais, o GT definiu os seguintes critérios: número de leitos de UTI, número de leitos geral, número de salas cirúrgicas e Urgência e Emergência ou Pronto Atendimento. O GT também definiu a pontuação para classificar o hospital na estratificação proposta. Foi sugerido que as fichas técnicas definam claramente o que é leito de UTI, alta complexidade, etc. Ficou acordado que a equipe técnica faria uma simulação para ver a questão da pontuação dos hospitais. O GT acordou que o Programa deveria trabalhar com doze indicadores, dois por domínio, e naqueles domínios em que não fosse possível utilizar dois indicadores poderia ser utilizado um indicador somente. Deliberações: a) A ANS enviará o material apresentado na reunião com as sugestões consolidadas, para que os membros do GT de Indicadores Hospitalares analisem e enviem contribuições; b) Foi solicitado à UNIMED reenviar a proposta de indicadores não recebida pela ANS; c) A próxima reunião será realizada dia 13/04/2012, às 14 horas. Rio de Janeiro, 8 de março de Antonio Carlos Endrigo Walter Lyrio do Valle 4-4

5 ANS FBH João de Lucena CNS Benno Kreisel CNS Denise Schout ANAHP Rita Ribeiro Kaluf Unimed Neusa Kyoko ABRAMGE Carlos Eduardo S. Carvalho Nise Cardoso CFFa Vera Souza Raimundo Olinto Albergaria Maristela Bernardi ANS/DIGES Eliel Larrubia COFEN Anice Holanda Maia CFP Henio Braga Junior UNIDAS Carlos Henrique Souza UNIDAS Carlos Ballarati SBPC Margareth Portela ENSP/FIOCRUZ Roberto Nabarro CMB 5-5

Ata 1ª Reunião GT Indicadores SADT - COGEP julho 2012 1-1

Ata 1ª Reunião GT Indicadores SADT - COGEP julho 2012 1-1 Ata da 1ª Reunião Ordinária do Grupo de Trabalho de Indicadores SADT do Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviços na Saúde Suplementar - COGEP. Às dez horas do

Leia mais

pontuações, de 0 (zero) e 1 (um). Destaca-se que os pontos de cortes diferenciaram-se de acordo com o indicador. Em relação ao Domínio Segurança, os

pontuações, de 0 (zero) e 1 (um). Destaca-se que os pontos de cortes diferenciaram-se de acordo com o indicador. Em relação ao Domínio Segurança, os Ata da 8ª Reunião Ordinária do Subcomitê de Indicadores Hospitalares do Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviços na Saúde Suplementar - COGEP Às treze horas e

Leia mais

Ata da 9ª Reunião Ordinária do Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar - COGEP

Ata da 9ª Reunião Ordinária do Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar - COGEP Ata da 9ª Reunião Ordinária do Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar - COGEP Às quatorze horas do dia dez de junho de dois mil e treze,

Leia mais

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP 6 ªReunião do GT de Indicadores Hospitalares 30/10/2012 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Informes:

Leia mais

Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS

Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS São Paulo - 18 de junho de 2013 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Cenário Atual da Qualidade no Setor. Programas de Qualificação dos Prestadores de

Leia mais

Ata da 65ª Reunião Ordinária do Comitê de Padronização das Informações em Saúde Suplementar (COPISS).

Ata da 65ª Reunião Ordinária do Comitê de Padronização das Informações em Saúde Suplementar (COPISS). Ata da 65ª Reunião Ordinária do Comitê de Padronização das Informações em Saúde Suplementar (COPISS). Às nove horas do dia 18 de julho de dois mil e treze, na cidade do Rio de Janeiro, na Rua Teixeira

Leia mais

Ata da 52ª Reunião Ordinária do COPISS Comitê de Padronização das Informações em Saúde Suplementar.

Ata da 52ª Reunião Ordinária do COPISS Comitê de Padronização das Informações em Saúde Suplementar. Ata da 52ª Reunião Ordinária do COPISS Comitê de Padronização das Informações em Saúde Suplementar. Às nove horas do dia dezenove de abril de dois mil e doze, nesta cidade, à Rua Teixeira de Freitas, nº

Leia mais

Novos Procedimentos de Vigilância Sanitária na Tabela do SUS

Novos Procedimentos de Vigilância Sanitária na Tabela do SUS Novos Procedimentos de Vigilância Sanitária na Tabela do SUS N o 152 Abril/2015 2015 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para

Leia mais

Nota da Ata da 79ª Reunião Ordinária do Comitê de Padronização das Informações em Saúde Suplementar (COPISS), realizada em 28 de maio de 2015.

Nota da Ata da 79ª Reunião Ordinária do Comitê de Padronização das Informações em Saúde Suplementar (COPISS), realizada em 28 de maio de 2015. Nota da Ata da 79ª Reunião Ordinária do Comitê de Padronização das Informações em Saúde Suplementar (COPISS), realizada em 28 de maio de 2015. 1. TUSS OPME: dificuldades operacionais de identificação de

Leia mais

Registro Eletrônico de Saúde para a Odontologia 9º SINPLO. Painel Tecnológico 09 de maio de 2014

Registro Eletrônico de Saúde para a Odontologia 9º SINPLO. Painel Tecnológico 09 de maio de 2014 Registro Eletrônico de Saúde para a Odontologia 9º SINPLO Painel Tecnológico 09 de maio de 2014 Registro Eletrônico de Saúde 9º SINPLO SP 09/05/2014. 1 Marizélia Leão Moreira Graduada em Ciências Sociais

Leia mais

RELATÓRIO 203 ASSUNTO: 79ª REUNIÃO DO COPISS COORDENADOR. 1. Participantes da 79ª reunião do COPISS; 2. Leitura e aprovação da ata 78ª reunião;

RELATÓRIO 203 ASSUNTO: 79ª REUNIÃO DO COPISS COORDENADOR. 1. Participantes da 79ª reunião do COPISS; 2. Leitura e aprovação da ata 78ª reunião; RELATÓRIO 203 ASSUNTO: 79ª REUNIÃO DO COPISS COORDENADOR DATA: 28/05/2015 LOCAL: ANS HORÁRIO: 09h às 12h30min Pauta: 1. Participantes da 79ª reunião do COPISS; 2. Leitura e aprovação da ata 78ª reunião;

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

REDE NACIONAL DE MONITORAMENTO DA RESISTÊNCIA MICROBIANA EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDE RM NOVO TERMO DE ADESÃO

REDE NACIONAL DE MONITORAMENTO DA RESISTÊNCIA MICROBIANA EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDE RM NOVO TERMO DE ADESÃO REDE NACIONAL DE MONITORAMENTO DA RESISTÊNCIA MICROBIANA EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDE RM NOVO TERMO DE ADESÃO Atribuições dos participantes da Rede RM 1) Gestor dos Hospitais Colaboradores da Rede RM Indicar

Leia mais

IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS

IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS Brasília, 08 de junho de 2010. Cumprimento de Contratos das Operadoras com os Laboratórios Clínicos. DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO SETORIAL - DIDES Gerência de

Leia mais

Agenda. GERPS Coordenadoria de Qualidade

Agenda. GERPS Coordenadoria de Qualidade Agenda Introdução ao QUALISS Divulgação e Indicadores Regras Gerais para Adesão dos Prestadores Etapas de Adesão Seleção, elaboração das fichas técnicas e implementação dos indicadores Debate Deliberações

Leia mais

Ata da 7ª Reunião Ordinária do Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar - COGEP

Ata da 7ª Reunião Ordinária do Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar - COGEP Ata da 7ª Reunião Ordinária do Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar - COGEP Às quatorze horas do dia vinte e seis de fevereiro de dois

Leia mais

PROCESSO ELETRÔNICO PADRÃO TISS. Agosto/2014

PROCESSO ELETRÔNICO PADRÃO TISS. Agosto/2014 PROCESSO ELETRÔNICO PADRÃO TISS Agosto/2014 PADRÃO DE TROCA DE INFORMAÇÕES NA SAÚDE SUPLEMENTAR Padrão TISS Histórico e Consulta Pública nº 43 Padrão TISS - Versão 3.0 3 Histórico RN 305 09/10/2012 - Termo

Leia mais

Comitê Gestor dos Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços COGEP

Comitê Gestor dos Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços COGEP Comitê Gestor dos Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços COGEP GT Indicadores de SADT 4ªReunião Subgrupo Anatomia Patológica e Citopatologia 17 de setembro de 2013 GERPS/GGISE/DIDES/ANS

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS DE SAUDE. Rita Maria B. R. Kaluf rita.kaluf@unimeds.com.br (11) 21462585

QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS DE SAUDE. Rita Maria B. R. Kaluf rita.kaluf@unimeds.com.br (11) 21462585 QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS DE SAUDE Rita Maria B. R. Kaluf rita.kaluf@unimeds.com.br (11) 21462585 Sistema Unimed no Estado de São Paulo Singulares - 73 Intrafederativas - 6 Federação Estadual

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA NACIONAL SOBRE MIGRAÇÕES E REFÚGIO. Maio 2014 - São Paulo, Brasil PASSO A PASSO PARA CONFERÊNCIAS LIVRES COMIGRAR

1ª CONFERÊNCIA NACIONAL SOBRE MIGRAÇÕES E REFÚGIO. Maio 2014 - São Paulo, Brasil PASSO A PASSO PARA CONFERÊNCIAS LIVRES COMIGRAR 1ª CONFERÊNCIA NACIONAL SOBRE MIGRAÇÕES E REFÚGIO Maio 2014 - São Paulo, Brasil PASSO A PASSO PARA CONFERÊNCIAS LIVRES COMIGRAR MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA José Eduardo Cardozo SECRETARIA EXECUTIVA Márcia

Leia mais

Relato Reunião COPISS Coordenador 19 de abril de 2012, 52ª reunião ANS, Rio de Janeiro 9h00 às 17h00

Relato Reunião COPISS Coordenador 19 de abril de 2012, 52ª reunião ANS, Rio de Janeiro 9h00 às 17h00 Relato Reunião COPISS Coordenador 19 de abril de 2012, 52ª reunião ANS, Rio de Janeiro 9h00 às 17h00 1 Resumo e considerações* A reunião apresentou bastante debate, e deliberações importantes. Alguns pontos

Leia mais

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES).

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO DOU de 05/10/2015 (nº 190, Seção 1, pág. 669) Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP 2 ª Reunião do GT de Indicadores Hospitalares 09/04/2012 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Comparação

Leia mais

Média de Permanência Geral

Média de Permanência Geral Média de Permanência Geral V1.02 Janeiro de 2013 1. Sigla E-EFI-05 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio 2. Nome Média de Permanência Geral 3. Conceituação Representa o tempo médio em dias que os pacientes

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.2 Novo modelo operacional do Sistema do Cadastro Único

1 INTRODUÇÃO. 1.2 Novo modelo operacional do Sistema do Cadastro Único Instrução Operacional nº 35 SENARC/MDS Brasília, 15 de abril de 2010. Assunto: Divulga as orientações necessárias para a solicitação de cadastramento de usuários municipais no novo sistema de Cadastro

Leia mais

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde Informativo interativo eletrônico do CNS aos conselhos de Saúde Brasília, junho de 2006 Editorial O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde A aprovação unânime do Pacto pela Saúde na reunião

Leia mais

WORKSHOP Registro e Manutenção dos Produtos RN 356 IN-DIPRO 45 IN-DIPRO 46

WORKSHOP Registro e Manutenção dos Produtos RN 356 IN-DIPRO 45 IN-DIPRO 46 WORKSHOP Registro e Manutenção dos Produtos RN 356 IN-DIPRO 45 IN-DIPRO 46 NORMATIVOS Resolução Normativa nº 356, de 2014 Altera a RN nº 85, de 2004. Altera a RN nº 89, de 2003. Altera a RN nº 309, de

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Art.2º - Designação O APL de Software do Oeste Paulista é composto por empresas

REGIMENTO INTERNO. Art.2º - Designação O APL de Software do Oeste Paulista é composto por empresas REGIMENTO INTERNO Este documento regula as relações entre os membros do Arranjo Produtivo Local ( APL) de Software do Oeste Paulista em conformidade com as seguintes normas: Art.1º - Visão e Objetivo O

Leia mais

REGULAMENTO CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2012 CATEGORIA ESTUDANTE

REGULAMENTO CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2012 CATEGORIA ESTUDANTE REGULAMENTO CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2012 CATEGORIA ESTUDANTE ARTIGO I DEFINIÇÃO E NATUREZA O Prêmio Cidadania, categoria Estudante, premia trabalhos de caráter técnico ou científico, referente a implementação

Leia mais

CAMPUS DE SÃO RAIMUNDO NONATO PI), MARINA PEREIRA

CAMPUS DE SÃO RAIMUNDO NONATO PI), MARINA PEREIRA 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 ATA DA REUNIÃO DA CÂMARA DE INTEGRAÇÃO DA UNIVASF, REALIZADA NO DIA NOVE DE MAIO DE DOIS MIL E DOZE, ÀS QUATROZE HORAS E TRINTA MINUTOS

Leia mais

Registro de Produtos. Treinamento

Registro de Produtos. Treinamento Registro de Produtos Treinamento CENÁRIO REGULAMENTAR PARA REGISTRO DE PRODUTOS Cronologia das Resoluções referentes ao Produto Adequação, Registro e Manutenção. Atuação da Equipe Rede de Recursos quanto

Leia mais

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP 1 ªReunião do GT de Indicadores de SADT 19/07/2012 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Categorias

Leia mais

REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE

REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE 1 REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE A Escola de Contas Públicas Professor Barreto Guimarães (ECPBG) torna público o regulamento do 1º Concurso Inovação no TCE-PE, que será regido de acordo com

Leia mais

Ministério da Educação - MEC

Ministério da Educação - MEC Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica do Ministério da Educação - SETEC Instituto Federal de Educação, Ciência de Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais. Diretoria

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

Manual TISS Troca de Informaçõ

Manual TISS Troca de Informaçõ Manual TISS Troca de Informaçõ ções em Saúde Suplementar Versão o 1.1 Instruçõ ções para preenchimento das guias PREENCHER EXCLUSIVAMENTE COM CANETA PRETA OU AZUL GCES A Unimed Natal desenvolveu este manual

Leia mais

Manual de Orientação ao Prestador

Manual de Orientação ao Prestador Manual de Orientação ao Prestador ORIENTAÇÕES IMPORTANTES QUANTO AO PREENCHIMENTO DE GUIAS E AUTORIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS Com a intenção de melhorar a parceria entre o Plano Santa Casa Saúde, médicos,

Leia mais

REQUISITOS PARA A CRIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO PROFISSIONAL

REQUISITOS PARA A CRIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO PROFISSIONAL Ministério da Educação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Diretoria de Avaliação 22.scol@capes.gov.br REQUISITOS PARA A CRIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO PROFISSIONAL IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

EDITAL Nº 010 /2015 APOIO A PROJETOS DE EXTENSÃO

EDITAL Nº 010 /2015 APOIO A PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL Nº 010 /2015 APOIO A PROJETOS DE EXTENSÃO A DA FACAPE, com base na deliberação do Conselho de Ensino Pesquisa e Extensão - CEPE, no uso de suas atribuições previstas no Decreto Lei 085/2009, torna

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO Consulta Pública

MANUAL DO USUÁRIO Consulta Pública MANUAL DO USUÁRIO Consulta Pública Ferramenta de Consulta Pública do Sistema Único de Saúde Versão 2008 Manual do Usuário Consulta Pública Ferramenta de Consulta Pública do Sistema Único de Saúde 1 MINISTÉRIO

Leia mais

Saiba tudo sobre o seu Plano de Saúde. Veja aqui as principais dúvidas e respostas sobre o CorreiosSaúde:

Saiba tudo sobre o seu Plano de Saúde. Veja aqui as principais dúvidas e respostas sobre o CorreiosSaúde: Saiba tudo sobre o seu Plano de Saúde Veja aqui as principais dúvidas e respostas sobre o CorreiosSaúde: Pergunta: O Plano de Saúde dos Correios mudou? A PostalSaúde é um novo Plano? Resposta: Não. O Plano

Leia mais

CÂMARA TÉCNICA - 4ª REUNIÃO: QUALIFICAÇÃO DA ENTRADA DE BENEFICIÁRIOS EM PLANOS DE SAÚDE: DOENÇAS OU LESÕES PREEXISTENTES

CÂMARA TÉCNICA - 4ª REUNIÃO: QUALIFICAÇÃO DA ENTRADA DE BENEFICIÁRIOS EM PLANOS DE SAÚDE: DOENÇAS OU LESÕES PREEXISTENTES CÂMARA TÉCNICA - 4ª REUNIÃO: QUALIFICAÇÃO DA ENTRADA DE BENEFICIÁRIOS EM PLANOS DE SAÚDE: DOENÇAS OU LESÕES PREEXISTENTES A fraude prevista em lei é saber que está doente e não declarar, e não ter a doença

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA. Plano de Saúde TRE/BA

RELATÓRIO DE PESQUISA. Plano de Saúde TRE/BA RELATÓRIO DE PESQUISA Plano de Saúde TRE/BA Março 11 OBJETIVO O presente trabalho busca coletar, entre os servidores das Zonas Eleitorais do Estado da Bahia, opiniões acerca da possibilidade de implantação

Leia mais

5º Congresso Nacional Unimed de Auditoria em Saúde. O Papel do Prestador. Leonisa Scholz Obrusnik

5º Congresso Nacional Unimed de Auditoria em Saúde. O Papel do Prestador. Leonisa Scholz Obrusnik 5º Congresso Nacional Unimed de Auditoria em Saúde O Papel do Prestador Leonisa Scholz Obrusnik ANAHP ANAHP NO BRASIL ANAHP em números Congrega atualmente 40 Hospitais, em 10 Estados e no Distrito Federal

Leia mais

Núcleo de Monitoramento de Ações Estratégicas do INEA NUMAE Contrato de Gestão e Avaliação de Desempenho Individual

Núcleo de Monitoramento de Ações Estratégicas do INEA NUMAE Contrato de Gestão e Avaliação de Desempenho Individual Núcleo de Monitoramento de Ações Estratégicas do INEA NUMAE Contrato de Gestão e Avaliação de Desempenho Individual 1 Relatório de Apuração e Análise dos Resultados Institucionais e Estratégicos e de Resultados

Leia mais

EDITAL Nº 004/2015. SELEÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA SEM FINANCIAMENTO EXTERNO, DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PRPPG/DPI Campus ITABIRA

EDITAL Nº 004/2015. SELEÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA SEM FINANCIAMENTO EXTERNO, DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PRPPG/DPI Campus ITABIRA EDITAL Nº 004/2015 SELEÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA SEM FINANCIAMENTO EXTERNO, DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PRPPG/DPI Campus ITABIRA 1. OBJETIVO: 1.1 - O presente Edital tem por objetivo

Leia mais

Ata de Reunião. Aprovado por: Mara Januário Queiroz Cabral

Ata de Reunião. Aprovado por: Mara Januário Queiroz Cabral Título: Reunião Extraordinária do Colegiado Gestor Data: 06/05/2014 Página: 1 de 6 Pauta: 1. Apresentação das duas candidatas a direção da EEUFMG; 2. Medicamentos trazidos de casa para o HC pelo paciente

Leia mais

Desafios e Rumos da Saúde Suplementar QUALISS GERPS/GGISE/DIDES/ANS. GERPS - Coordenadoria de Qualidade

Desafios e Rumos da Saúde Suplementar QUALISS GERPS/GGISE/DIDES/ANS. GERPS - Coordenadoria de Qualidade Desafios e Rumos da Saúde Suplementar QUALISS GERPS/GGISE/DIDES/ANS 1 GERPS - Coordenadoria de Qualidade Agenda Cenário Atual do Setor Por que Qualidade e Segurança em Saúde? Programas de Qualificação

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS

SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS Curitiba, 18 de março de 2015. 1 SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS Sumário APRESENTAÇÃO... 3 JUSTIFICATIVAS E BENEFÍCIOS... 3 COMO OBTER O SELO...

Leia mais

Orientações sobre o Novo Produto SACR Sistema de Acolhimento com Classificação de Risco. Versão 1.0, 30/11/2009

Orientações sobre o Novo Produto SACR Sistema de Acolhimento com Classificação de Risco. Versão 1.0, 30/11/2009 Orientações sobre o Novo Produto SACR Sistema de Acolhimento com Classificação de Risco Versão 1.0, 30/11/2009 Sumário Objetivo Introdução Características do SACR Organização Questões Funcionais Infraestrutura

Leia mais

ASSUNTO: REUNIÃO DA CÂMARA TÉCNICA DE MONITORAMENTO DOS NORMATIVOS DA LEI 13

ASSUNTO: REUNIÃO DA CÂMARA TÉCNICA DE MONITORAMENTO DOS NORMATIVOS DA LEI 13 RELATÓRIO 206 ASSUNTO: REUNIÃO DA CÂMARA TÉCNICA DE MONITORAMENTO DOS NORMATIVOS DA LEI 13.003/14 E DO GT DE REGULAMENTAÇÃO DO FATOR DE QUALIDADE PARA PRESTADORES DE SERVIÇOS HOSPITALARES E DE SADT DATA:

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL 05/2014

PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL 05/2014 PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL 05/2014 Atualizado em 10/11/2014 Esta nota tem o objetivo de esclarecer as instituições que pretendam apresentar propostas de projetos ao Edital 05/2014. 1. No que se refere

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

Comitê Técnico Nacional de Produtos Médicos como ferramenta de Gestão. de OPME

Comitê Técnico Nacional de Produtos Médicos como ferramenta de Gestão. de OPME 1 Comitê Técnico Nacional de Produtos Médicos como ferramenta de Gestão de OPME Palestrante: Diana Indiara Ferreira Jardim diana.jardim@unimedpoa.com.br 2 Sobre as OPME, no site da ANS circula no mercado

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE PACIENTE INTERNA E EXTERNA

TRANSFERÊNCIA DE PACIENTE INTERNA E EXTERNA 1 de 8 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 25/11/2012 1.00 Proposta inicial LCR, DSR,MGO 1 Objetivo Agilizar o processo de transferência seguro do paciente/cliente, para

Leia mais

NOTA TÉCNICA 36 2011

NOTA TÉCNICA 36 2011 NOTA TÉCNICA 36 2011 Especialidades médicas e áreas de atuação em atenção ao parágrafo único do art. 3º da Portaria GM/MS nº 1.377/11 que trata do Fundo de Financiamento ao Estudante de Ensino Superior

Leia mais

Dispõe sobre o agrupamento de contratos coletivos de planos privados de assistência à saúde para fins de cálculo e aplicação de reajuste.

Dispõe sobre o agrupamento de contratos coletivos de planos privados de assistência à saúde para fins de cálculo e aplicação de reajuste. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 309, DE 24 DE OUTUBRO DE 2012 Dispõe sobre o agrupamento de contratos coletivos de planos privados de assistência à saúde para fins de cálculo e aplicação de reajuste. A Diretoria

Leia mais

Ranking ANBIMA de Renda Variável - Valor e Número de Operações

Ranking ANBIMA de Renda Variável - Valor e Número de Operações Ranking ANBIMA de Renda Variável - Valor e Número de Operações Metodologia Janeiro de 2014 Dos Princípios do Ranking 1. O Ranking da ANBIMA tem o objetivo de retratar fidedignamente o que ocorre no mercado

Leia mais

Normas de regulamentação para a certificação de. atualização profissional de títulos de especialista e certificados de área de atuação.

Normas de regulamentação para a certificação de. atualização profissional de títulos de especialista e certificados de área de atuação. Normas de regulamentação para a certificação de atualização profissional de título de especialista e certificado de área de atuação Em decorrência do convênio celebrado entre a Associação Médica Brasileira

Leia mais

Relatório da Audiência Pública n o 01/2014

Relatório da Audiência Pública n o 01/2014 Relatório da Audiência Pública n o 01/2014 Boas práticas na relação entre operadoras de planos e prestadores de serviços de saúde Rio de Janeiro, 10 de março de 2014 Gerência de Avaliação da Qualidade

Leia mais

Ata de Reunião. Data da Reunião: 02/07/2013 Horário: 10h00min às 18h00min Local: Apex Brasil.

Ata de Reunião. Data da Reunião: 02/07/2013 Horário: 10h00min às 18h00min Local: Apex Brasil. Ata de Reunião 1. IDENTIFICAÇÃO DA REUNIÃO Data da Reunião: 02/07/2013 Horário: 10h00min às 18h00min Local: Apex Brasil. Líder da Reunião: Regina Silvério Telefones: (61) 3426-0785 Ordem do dia: Reunião

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

RESOLUÇÃO CGPC Nº XX - MINUTA V.1_SPC, 30ABR2009. Quadro Comparativo

RESOLUÇÃO CGPC Nº XX - MINUTA V.1_SPC, 30ABR2009. Quadro Comparativo RESOLUÇÃO CGPC Nº XX - MINUTA V.1_SPC, 30ABR2009 Quadro Comparativo O PRESIDENTE DO CONSELHO DE GESTÃO DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR, no uso das atribuições que lhe conferem os artigos 5º, 18 e 74 da Lei

Leia mais

Apresentação. Caicó/RN 2010

Apresentação. Caicó/RN 2010 Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação da Faculdade Católica Santa Teresinha CPA/FCST (Aprovado pela Resolução 001/2010-DG/FCST, datado de 14/07/2010) Caicó/RN 2010 Apresentação O Regimento

Leia mais

Livro de Atas das Reuniões de 2012. Ata da Quadragésima Quarta Reunião Ordinária do Conselho Municipal de Saúde de Uberaba

Livro de Atas das Reuniões de 2012. Ata da Quadragésima Quarta Reunião Ordinária do Conselho Municipal de Saúde de Uberaba Ata da Quadragésima Quarta Reunião Ordinária do Conselho Municipal de Saúde de Uberaba Aos onze dias do mês de janeiro de dois mil e doze, às dezenove horas, realizou-se na sede da Secretaria Municipal

Leia mais

X PRÊMIO SUL-MATO-GROSSENSE DE GESTÃO PÚBLICA CATEGORIA PRÁTICAS E IDEIAS INOVADORAS NA GESTÃO ESTADUAL

X PRÊMIO SUL-MATO-GROSSENSE DE GESTÃO PÚBLICA CATEGORIA PRÁTICAS E IDEIAS INOVADORAS NA GESTÃO ESTADUAL X PRÊMIO SUL-MATO-GROSSENSE DE GESTÃO PÚBLICA CATEGORIA PRÁTICAS E IDEIAS INOVADORAS NA GESTÃO ESTADUAL 1. Nome da prática ou ideia inovadora: Programa Canal de Ideias, sistema de sugestões. 2. Caracterização

Leia mais

Introdução. Gerência de Relações com Prestadores de Serviço - GERPS Diretoria de Desenvolvimento Setorial DIDES. Rio de Janeiro, 10 de junho de 2011

Introdução. Gerência de Relações com Prestadores de Serviço - GERPS Diretoria de Desenvolvimento Setorial DIDES. Rio de Janeiro, 10 de junho de 2011 Relatório da Consulta Pública nº 38 que dispõe sobre a instituição do Programa de Incentivo à Qualificação de Prestadores de Serviços na Saúde Suplementar. Gerência de Relações com Prestadores de Serviço

Leia mais

Ata da 2ª reunião do Grupo Técnico de Risco de Crédito

Ata da 2ª reunião do Grupo Técnico de Risco de Crédito Ao 20º dia do mês de maio do ano de 2010, às 10:30 horas, reuniram-se no endereço da Superintendência de Seguros Privados (SUSEP), localizada à Avenida Presidente Vargas, n.º 730 10º andar, os integrantes

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PAR A CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA Nº 006/2015

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PAR A CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA Nº 006/2015 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PAR A CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA Nº 006/2015 O Município de CAMARGO - RS, torna público a abertura das inscrições, no período de 12/11/2015 a 19/11/2015, no horário

Leia mais

Perguntas freqüentes Projeto Serviços e Cidadania

Perguntas freqüentes Projeto Serviços e Cidadania Perguntas freqüentes Projeto Serviços e Cidadania 1. Sobre o Projeto 1.1. O que é o Projeto Serviços e Cidadania? É um canal de serviços gratuitos que oferece apoio nas áreas de gestão, jurídica e comunicação

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO HOSPITALAR: ESTUDO DE CASO NO HOSPITAL SÃO LUCAS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO HOSPITALAR: ESTUDO DE CASO NO HOSPITAL SÃO LUCAS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO HOSPITALAR: ESTUDO DE CASO NO HOSPITAL SÃO LUCAS Renata Pinto Dutra Ferreira Especialista Administração de Sistemas de Informação Instituto Presidente Tancredo de Almeida

Leia mais

ANEXO 3 da Ata 3/ 2000 da XXIII Reunião Especializada de Ciência e Tecnologia do MERCOSUL

ANEXO 3 da Ata 3/ 2000 da XXIII Reunião Especializada de Ciência e Tecnologia do MERCOSUL ANEXO 3 da Ata 3/ 2000 da XXIII Reunião Especializada de Ciência e Tecnologia do MERCOSUL Ata da 3 a Reunião da Comissão Temática de Capacitação de Recursos Humanos e Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento

Leia mais

RELATÓRIO DE OUVIDORIA 2012

RELATÓRIO DE OUVIDORIA 2012 RELATÓRIO DE OUVIDORIA 2012 SumáriO MENSAGEM DO OUVIDOr 3 ESTRUTURA DE GOVERNANÇA 4 DIRETORIA EXECUTIVA E OUVIDORIA 5 COMPOSIÇÃO DOS CONSELHOS 6 OCORRÊNCIAS 7 CONTATO DOS PARTICIPANTES POR PRODUTO 7 CANAIS

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACIS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACIS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACIS A iniciação científica é um instrumento de formação que permite introduzir na pesquisa científica os acadêmicos de graduação, colocando-os em contato

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

Relatório do 2º Monitoramento

Relatório do 2º Monitoramento TC n? 012.374//2000-3 Relatório do 2º Monitoramento Programa Nacional de Informática na Educação - ProInfo Brasília, dezembro de 2002. Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. ANÁLISE DA IMPLEMENTAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES...

Leia mais

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Reunião de Abertura do Monitoramento 2015 Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Roteiro da Apresentação 1. Contextualização; 2. Monitoramento; 3. Processo de monitoramento;

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05 DE MARÇO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05 DE MARÇO DE 2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05

Leia mais

Fundo Setorial de Petróleo e Gás Natural Comitê Gestor REGIMENTO INTERNO

Fundo Setorial de Petróleo e Gás Natural Comitê Gestor REGIMENTO INTERNO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Fundo Setorial de Petróleo e Gás Natural Comitê Gestor REGIMENTO INTERNO (aprovado na 49ª Reunião do Comitê realizada em 11 de abril de 2013) CAPÍTULO I Do

Leia mais

Programa de Inclusão Digital dos Conselhos de Saúde. O que é. Objetivo. Como se estrutura

Programa de Inclusão Digital dos Conselhos de Saúde. O que é. Objetivo. Como se estrutura MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA/SGEP CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE/CNS Programa de Inclusão Digital dos Conselhos de Saúde O que é O Programa de Inclusão Digital dos Conselhos

Leia mais

Estratégias de e-learning no Ensino Superior

Estratégias de e-learning no Ensino Superior Estratégias de e-learning no Ensino Superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias da Anhanguera Educacional (Jacareí) RESUMO Apresentar e refletir

Leia mais

Agência Nacional de Saúde Suplementar

Agência Nacional de Saúde Suplementar Agência Nacional de Saúde Suplementar A agência reguladora de planos de saúde do Brasil Audiência Pública, 10 de abril de 2013 1 Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS Agência reguladora do Governo

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO COMITÊ TEMÁTICO INVESTIMENTO E FINANCIAMENTO JULHO/2012. Ampliar e fomentar a utilização dos Fundos Garantidores já existentes.

SUMÁRIO EXECUTIVO COMITÊ TEMÁTICO INVESTIMENTO E FINANCIAMENTO JULHO/2012. Ampliar e fomentar a utilização dos Fundos Garantidores já existentes. SUMÁRIO EXECUTIVO COMITÊ TEMÁTICO INVESTIMENTO E FINANCIAMENTO JULHO/2012 Agenda Estratégica 2010 horizonte de 2 anos: Ampliar e fomentar a utilização dos Fundos Garantidores já existentes. Padronização

Leia mais

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora

Leia mais

* Portaria SAS/MS nº 356 de 22 de setembro de 2000

* Portaria SAS/MS nº 356 de 22 de setembro de 2000 * Portaria SAS/MS nº 356 de 22 de setembro de 2000 O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 569, de 1º de julho de 2000, que institui o Programa

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

Estratégias para a implantação do T&V

Estratégias para a implantação do T&V 64 Embrapa Soja, Documentos, 288 Estratégias para a implantação do T&V Lineu Alberto Domit 1 A estratégia de ação proposta está baseada na experiência acumulada na implantação do sistema T&V no estado

Leia mais

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP Grupo de Trabalho da PPI Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP 29 de março de 2011 Considerando: O processo de regionalização dos Municípios, que objetiva a organização

Leia mais

ATA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA 001/99, REALIZADA EM 14 DE MAIO DE 1999.

ATA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA 001/99, REALIZADA EM 14 DE MAIO DE 1999. ATA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA 001/99, REALIZADA EM 14 DE MAIO DE 1999. Aos quatorze dias do mês de maio de mil novecentos e noventa e nove, às quatorze horas e trinta minutos, no Auditório da Agência Nacional

Leia mais

Artigo A GESTÃO DO FLUXO ASSISTENCIAL REGULADO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE João Marcelo Barreto Silva

Artigo A GESTÃO DO FLUXO ASSISTENCIAL REGULADO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE João Marcelo Barreto Silva Artigo A GESTÃO DO FLUXO ASSISTENCIAL REGULADO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE João Marcelo Barreto Silva Introduzir ações de regulação em um sistema de saúde requer um diagnóstico apurado de uma série de processos

Leia mais

FEFISA FACULDADES INTEGRADAS DE SANTO ANDRÉ REGULAMENTO COORDENAÇÃO DE TCC 2014/2015

FEFISA FACULDADES INTEGRADAS DE SANTO ANDRÉ REGULAMENTO COORDENAÇÃO DE TCC 2014/2015 FEFISA FACULDADES INTEGRADAS DE SANTO ANDRÉ REGULAMENTO COORDENAÇÃO DE TCC 2014/2015 SANTO ANDRÉ 2014 1 HISTÓRICO E OBJETIVOS A implantação das políticas vinculadas ao estímulo a pesquisa na instituição

Leia mais

Capacitação dos gestores do serviço público em qualidade e segurança do paciente (com o uso da simulação realística)

Capacitação dos gestores do serviço público em qualidade e segurança do paciente (com o uso da simulação realística) Capacitação dos gestores do serviço público em qualidade e segurança do paciente (com o uso da simulação realística) Parceria da ANVISA com o Centro de Simulação Realística do Hospital Israelita Albert

Leia mais

Grupo Técnico Permanente de Estudos de Metodologia do Monitoramento da Garantia de Atendimento

Grupo Técnico Permanente de Estudos de Metodologia do Monitoramento da Garantia de Atendimento Grupo Técnico Permanente de Estudos de Metodologia do Monitoramento da Garantia de Atendimento 4ª Reunião 16.06.2015 GGREP CONCEITOS Objetivo atual (IN 42): Induzir as operadoras a adequar e a oportunizar

Leia mais

Fator de Qualidade. Rio de Janeiro

Fator de Qualidade. Rio de Janeiro Fator de Qualidade Rio de Janeiro Roteiro da Apresentação 1. Fator de Qualidade - RN 364; 2. Resumo das contribuições recebidas após a terceira reunião; 3. IN n.º 61/2015 2 Reajuste ANS Índice de Reajuste

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Capítulo I Funcionamento O Sistema consiste em um acordo estabelecido entre as Operadoras de Plano de Saúde associadas à Abramge pelo qual se obrigam a prestar atendimento de urgência e emergência aos

Leia mais