SÂMEA BEATRIZ SILVA DA ROCHA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SÂMEA BEATRIZ SILVA DA ROCHA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM TURISMO E HOTELARIA MESTRADO ACADÊMICO CAMPUS BALNEÁRIO CAMBORIÚ SÂMEA BEATRIZ SILVA DA ROCHA A PERSPECTIVA DE VALORIZAÇÃO CULTURAL DO QUILOMBO DOS PALMARES ATRAVÉS DO TURISMO: O caso da Comunidade do Muquém, no município de União dos Palmares AL. Balneário Camboriú 2013

2 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM TURISMO E HOTELARIA MESTRADO ACADÊMICO CAMPUS BALNEÁRIO CAMBORIÚ SÂMEA BEATRIZ SILVA DA ROCHA A PERSPECTIVA DE VALORIZAÇÃO CULTURAL DO QUILOMBO DOS PALMARES ATRAVÉS DO TURISMO: O caso da Comunidade do Muquém, no município de União dos Palmares - AL Dissertação apresentada ao Programa de Mestrado em Turismo e Hotelaria da Universidade do Vale do Itajaí- UNIVALI. Orientada pela Drª. Raquel Fontes do Amaral Pereira. Balneário Camboriú 2013

3 A PERSPECTIVA DE VALORIZAÇÃO CULTURAL DO QUILOMBO DOS PALMARES ATRAVÉS DO TURISMO: O caso da Comunidade do Muquém, no município de União dos Palmares AL SÂMEA BEATRIZ SILVA DA ROCHA Dissertação de mestrado submetida à Banca Examinadora instituída pelo colegiado do Programa de Mestrado em Turismo e Hotelaria da Universidade do Vale do Itajaí- UNIVALI, como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Turismo e Hotelaria. Balneário Camboriú, Fevereiro de Banca examinadora: Prof.ª Dr.ª Raquel Fontes do A. Pereira (Orientadora) Universidade do Vale do Itajaí- UNIVALI Prof. Pós-Dr. Francisco Dos Anjos Universidade do Vale do Itajaí- UNIVALI Profª. Drª. Adriana Marques Rossetto Universidade Federal de Santa Catarina- UFSC Balneário Camboriú 2013

4 DEDICATÓRIA: À Mainha e Ruthinha, pelo amor incondicional.

5 AGRADECIMENTOS: A DEUS, com seus diferentes nomes, cores, formas e gostos, por me presentear a vida. À Maria Valdenice, minha mãe, por ser meu alicerce, meu porto seguro, meu exemplo de honra e superação, e além de tudo, por me permitir voar, por saber que sempre terei para onde e para quem voltar. À Ruth, minha filha amada, pela ausência suportada, pelos momentos de ternura e carinho, pelo colo, pelas lágrimas de alegria e de saudades, por me aguentar em todos os momentos que precisei de silêncio, pelas palavras muitas vezes repetidas baixinho antes de dormir: te amo mamãe! Pelas ditas quase que seriamente: calma mamãe, calma mamãe, vou dar massagem pra passar a dor de cabeça. Por me impulsionar a prosseguir pelo simples fato de existir, por ser minha melhor amiga. Ao meu pai, Sebastião, por me amar e permitir que o ame. Às minhas irmãs e irmão, Cíntia, Sanny (por ser minha presença com a Ruth, em todos meus ir e vir), Thammyris, Thayná e Segundinho; Meu cunhado Marcio; meus sobrinhos, Guilherme, Andrei, Davi e Thalita; Meu tio Neto (e família); avó Beatriz (In Memorian) pelo lindo empréstimo do seu nome e avô Nestor (In Memorian), por me permitirem entender o valor da família. À minha avó Antonia, pelos gogós morninhos, as lembranças do cheiro de café moído no pilão de sua casa e por me ter aninhado tantas vezes em seu colo. À Família Rodrigues, em particular a Dona Ruth Ramos, João Rodrigues e José Robério, pelo amor, carinho e cuidados dedicados a Ruthinha enquanto me dedicava à academia. As amiga de sempre, Etiene Belo, Kélvia Almeida (minhas comadres) e Alyne Angélica pela amizade sincera desde a época dos acampamentos e Colégio Batista. As Nandas, Fernanda Melo e Fernanda Gonçalves, por tonarem minha vida mais alegre. Aos amigos Lídio Fabio (por aceitar a ausência), Priscila Correia (pela amizade sincera) e Jeyson Rodrigues (pelas conversas inquietantes).

6 À Waldarcir Rocha, por me permitir transformar um sonho em realidade. A todos que fazem parte da Unidade de Saúde José Tenório, de forma especial à Claudia Moura, Eli Borges e Ana Patrícia pela presença constante, mesmo na distância. E a Célia Regina (pelas contribuições feitas a esta pesquisa). Às novas amizades, construídas no sul, em especial a Léia (pelos cafés da manhã compartilhados no cafôfo), Lú Ímes (pelos muitos cafés londrinenses na madrugada, regados por chocolate, psicologia e turismo) e Felipe Sirqueira (por nos presentear com a presença constante de Schopenhauer), esses foram imprescindíveis para suportar a distância dos que amo, o frio que não conhecia, pelas noites de estudo e longas discussões acadêmicas e pelas noitadas nem tão acadêmicas assim, entretanto, não menos necessárias para o desenvolvimento de um mestrado. Às novas amizades, construídas no nordeste, em especial aos Turismólogos, o pernambucano Renato Santos (pelo carinho e apoio), a alagoana Marcela Marinho (pelo incentivo constante e seu amor passional pela docência e pelo turismo, que me contagiam), a paraense Rebecca Cisne (por ter se tornado uma referência acadêmica em minha vida e principalmente por todos os Vinicius, Drummonds, Clarisses, Cecílias, Zecas e Wanessas, compartilhados nas noites de Olinda e no ir e vir para Maceió). À família Facottur, por acreditar e me oportunizar a descoberta do que eu quero ser quando crescer. Aos alunos, por me instigarem à busca continua pelo conhecimento. A todos os colegas, funcionários e mestres dos Colégios Batista Alagoano e Saint Germain, por me transmitir mais do que consta em um currículo escolar, por me oportunizar amigos eternos e ensinar a viver. A todos os Profissionais que compõem o Programa de Pós Graduação Stricto Sensu Em Turismo Hotelaria da Univali, em especial a Professora Doris Ruschmman, Yolanda Flores, Paulo Pires e Francisco dos Anjos.

7 À Professora Raquel Fontes, por aceitar, insistir e cobrar para que este trabalho fosse realizado. A todos que fazem parte do Muquém, de forma especial ao Seu Laercio e Seu Guida pelo conhecimento compartilhado. Aos que militam a favor da igualdade racial, em especial, Mestre de capoeira Claudio Figueiredo (pelo tempo e sapiência compartilhados) e Valdicley Vilas Boas (pelas conversas sobre a realidade brasileira das comunidades quilombolas e pelas informações partilhadas). À Santa Catarina, que me acolheu, me possibilitou a percepção mais real do sul e hoje me presenteia com lembranças saudosas.

8 Deve-se escrever da mesma maneira como as lavadeiras lá de Alagoas fazem seu ofício. Elas começam com uma primeira lavada, molham a roupa suja na beira da lagoa ou do riacho, torcem o pano, molham-no novamente, voltam a torcer. Colocam o anil, ensaboam e torcem uma, duas vezes. Depois enxáguam, dão mais uma molhada, agora jogando a água com a mão. Batem o pano na laje ou na pedra limpa, e dão mais uma torcida e mais outra, torcem até não pingar do pano uma só gota. Somente depois de feito tudo isso é que elas dependuram a roupa lavada na corda ou no varal, para secar. Pois quem se mete a escrever devia fazer a mesma coisa. A palavra não foi feita para enfeitar, brilhar como ouro falso; a palavra foi feita para dizer. (Graciliano Ramos).

9 RESUMO O presente trabalho procurou identificar as principais características da formação sócio-espacial da comunidade quilombola do Muquém e suas expressões culturais de interesse turístico, a fim de suscitar o (re)conhecimento cultural desse grupo remanescente do Quilombo dos Palmares. Para tanto, foi necessário realizar uma análise da realidade sócio-espacial da área objeto deste estudo, tomando por base o paradigma de formação sócio-espacial proposto por Milton Santos, que permite realizar estudos de caráter globalizante, por considerar as múltiplas determinações responsáveis por uma realidade concreta. Aliado a este conceito chave, a pesquisa se apoiou também nas ideias difundidas por Cholley (1964), para o qual a realidade geográfica resulta de um complexo de combinações de elementos físicos, biológicos e humanos, responsáveis por sua configuração ao longo do tempo. Para alcançar os objetivos propostos nesta pesquisa, foi realizado um estudo de caso na comunidade do Muquém, apresentado por meio de um instrumento de sistematização das observações da realidade, o relato de experiência. Este foi desenvolvido através de uma narrativa da experiência, proporcionada pela pesquisa, construindo conhecimentos vindos do cotidiano vivenciado através das visitas técnicas à comunidade. Tal relato serviu para registrar situações ou acontecimentos da prática, permitindo o melhor entendimento dos saberes e fazeres dos sujeitos que compõem o objeto deste estudo. Esses saberes, entendidos como herança cultural intangível, foram diagnosticados a partir do estudo de caso e registrados no relato de campo. Tal diagnóstico, possibilitou a identificação de atrativos culturais de interesse turístico, que poderão, se utilizados de forma planejada, suscitar o (re)conhecimento cultural desse grupo remanescente do Quilombo dos Palmares. Palavras - Chave: Formação Sócio-Espacial; Comunidade Quilombola Do Muquém; Valorização Cultural; Turismo.

10 ABSTRACT This work sought to identify the main characteristics of social-spatial formation of the Quilombo community of Muquém and its cultural expressions of tourist interest, in order to encourage the cultural (re)knowledge of this group of that goes back to the Quilombodos Palmares, a community of fugitive slaves during colonial times.an analysis was carried out of the social-spatial reality of the area in question, based on the paradigm of social-spatial formation proposed by Milton Santos, which enables studies of a globalizing nature, as it considers multiple determinations responsible for a concrete reality.linked to this key concept, the research was based on the ideas of Cholley (1964),for whom the geographical reality results in a complex of combinations of physical, biological and human elements responsible for their configuration over time. To achieve the objectives proposed in this research, a case study was performed of the community of Muquém,presented through a tool for systematization of the observations of the reality: the reportof experience. This was developed through a narrative of experience, provided by the research, constructing knowledge from the resident s daily lives, through technical visits to the community. This report served to record situations or events of practice, enabling a better understanding of the knowledge and practices of the subjects that are the objects of the study. This knowledge, understood as intangible cultural heritage, was diagnosed based on a case study, and recorded in the field report. This diagnosis enabled the identification of cultural attractions of tourism interest that could be used in a planned way, promoting cultural (re)knowlege of this group that goes back to the Quilombodos Palmares. Keywords: Social-Spatial Formation; Community of QuilomboDoMuquém; Cultural Valorization; Tourism.

11 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1: Mapa dos primeiros núcleos de povoamento de Alagoas...33 FIGURA 2: Primeiros núcleos de povoamento...34 FIGURA 3: construção do porto de Jaraguá na década de FIGURA 4: Porto de Jaraguá na década de FIGURA 5: Armazém de PC Vilela, FIGURA 6: Associação comercial de Maceió...38 FIGURA 7: Melhorias feitas no bairro...38 FIGURA 8: Associação Comercial Revitalizada...39 FIGURA 9: Urna funerária indígena...44 FIGURA 10: Cachimbo feito de barro...44 FIGURA 11: Tigela de barro, utilizada para preparo de alimentos...45 FIGURA 12: Mapa da divisão das Sesmarias entre 1600 e FIGURA 13: Mapa da área de ação dos quilombos liberados pelo de Palmares...47 FIGURA 14: Povoamento e colonização Sec. XVII...48 FIGURA 15: Estrutura Social do Quilombo dos Palmares...49 FIGURA 16: Divisão das Sesmarias entre 1677 e FIGURA 17: Imagem da Serra da Barriga nos dias atuais...51 FIGURA 18: Parque Memorial Quilombo dos Palmares...52 FIGURA 19: Parque Memorial Quilombo dos Palmares II...52 FIGURA 20: Percursos e vales dos Rios Mundaú e Paraíba, Complexo Lagunas Mundaú Manguaba...71 FIGURA 21: Localização do Município de União dos Palmares I...74 FIGURA 22: Localização do Município de União dos Palmares II...75 FIGURA 23: Microrregião Serrana dos Quilombos...75 FIGURA 24: Casa utilizada para fabricação de artesanato de cerâmica...85 FIGURA 25: Artesanato em Cerâmica...86

12 LISTA DE GRÁFICOS E TABELAS Gráfico 1: Perfil populacional do município...76 Gráfico 2: Perfil educacional do eleitorado...77 Tabela 1: Perfil educacional do eleitorado...77 Tabela 2: PIB per capita...78 Tabela 3: Número de famílias atendidas pelo bolsa família...79 Tabela 4: Número de empresas e empregos formais em

13 LISTA DE SIGLAS E ABREVIAÇÕES FSE- Formação Socio-Espacial IPHAN- Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional M TUR- Ministério do Turismo PIB- Produto Interno Bruto PMQP- Parque Memorial Quilombo dos Palmares QP- Quilombo dos Palmares UNESCO- United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization.

14 Sumário INTRODUÇÃO REFERENCIAL TEÓRICO-METODOLÓGICO I-AS ORIGENS DA COLONIZAÇÃO PORTUGUESA E AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DA FORMAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL NORDESTINA BREVE RESGATE ACERCA DA FORMAÇÃO HISTÓRICA DE ALAGOAS A ESCRAVIDÃO NO BRASIL O SÍMBOLO DA REVOLTA DOS NEGROS NA LUTA PELA LIBERDADE: O QUILOMBO DOS PALMARES AS COMUNIDADES REMANESCENTES DO QP EM ALAGOAS II- TURISMO E CULTURA TURISMO SOB O ENFOQUE SOCIAL E HUMANO CULTURA SOB O ENFOQUE SOCIAL E ANTROPOLOGICO TURISMO CULTURAL O TESTEMUNHO DE PALMARES ATRAVÉS DAS REPRESENTAÇÕES CULTURAIS ALAGOANAS III- O TESTEMUNHO DO PALMARES POR MEIO DA COMUNIDADE DO MUQÉM, NO MUNICÍPIO DE UNIÃO DOS PALMARES-AL. UM RELATO DE EXPERIÊNCIA EM CAMPO UNIÃO DOS PALMARES COMEMORAÇÃO DO DIA DA CONCIÊNCIA NEGRA NA SERRA DA BARRIGA: MANIFESTAÇÕES CULTURAIS O RELATO DE CAMPO REVELANDO O MUQUÉM O PROCESSO DE TITULAÇÃO DAS TERRAS DO MUQUÉM EXPRESSÕES CULTURAIS DE INTERESSE TURÍSTICO CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICES

15 15 INTRODUÇÃO O interesse em estudar a comunidade remanescente dos Quilombos dos Palmares está relacionado às minhas experiências enquanto aluna do Curso de Graduação em Turismo, período durante o qual fui particularmente instigada pelo contato com uma comunidade daquela região, contato esse proporcionado pelas visitas técnicas feitas ao município de União dos Palmares AL. A percepção inicial que tive desse grupo remanescente quilombola me inquietava e gerava questionamentos de cunho humano, econômico e também social, tais como: de que forma o turismo poderia contribuir para a geração de renda daquela comunidade? Quais as origens da singularidade daquela comunidade? Como ela se insere no contexto da formação sócio-espacial brasileira, e de Alagoas em particular? Teriam seus integrantes o entendimento e a percepção da herança cultural que possuíam? Os questionamentos passaram, então, a ser mais profundos e constantes e me levaram a refletir sobre a contribuição de pesquisas que estimulassem ainda mais as discussões sobre A formação sócio-espacial da comunidade remanescente do Quilombo dos Palmares e sua herança cultural, capazes de esclarecer algumas indagações acerca das origens e dos fatos que conduziram à situação sócio-econômica vivenciada por essa comunidade nos dias atuais e de que forma essas pessoas poderiam ser inseridas como sujeitos no processo de planejamento Turístico e das tomadas de decisões da cidade de União de Palmares AL. Afora as questões pessoais, o interesse em estudar a realidade relacionada ao Quilombo dos Palmares justifica-se pela sua importância histórica no contexto do Brasil-Colônia, época em que a produção econômica brasileira, e em especial a economia açucareira do nordeste dependia do trabalho escravo e que as origens do

16 16 próprio Quilombo representam uma reação dos escravos, numa sociedade escravocrata, dominada pelos grandes latifundiários, senhores de engenho que não podiam, sob sua ótica, prescindir da mão de obra escrava. A temática justifica-se, ainda, pela necessidade de resgatar análises e debates acerca da origem dos Quilombos, assim como das heranças culturais deixadas no território nordestino e, particularmente, no alagoano, pontuando especificamente o município de União dos Palmares AL, com o olhar voltado para os atrativos turísticos. Para conseguir compreender a gênese dessa formação foi necessário resgatar através de pesquisa bibliográfica, a evolução histórica do Brasil, em especial do período colonial, a fim de apreender as motivações que deram origem à ocupação do território pelos portugueses. Do ponto de vista sócio-econômico, pode-se destacar, que tal resgate permitiu identificar manifestações culturais, suscitando o (re)conhecimento histórico -cultural dessa população e a percepção de possíveis caminhos para formatação de produtos turísticos calcados no seu patrimônio cultural imaterial, ou seja, o modo de viver, de se relacionar e de (re)produzir da comunidade. O foco central da pesquisa foi a Comunidade do Muquém, no município de União dos Palmares AL, cuja formação sócio-espacial remonta às origens do Quilombo dos Palmares. Aliás, no contexto colonial brasileiro, a formação nordestina revela algumas singularidades ligadas à gênese e evolução do povoamento e das atividades econômicas, marcados de um lado, pela monocultura da cana de açúcar e de outro, pelo trabalho escravo. No decorrer dos estudos, emergiram algumas questões-problema que se colocaram como estímulo à pesquisa, questionamentos esses ditados pelo entendimento de que as características da comunidade quilombola do Muquém, a partir do (re)conhecimento da sua identidade cultural, poderiam se converter em atrativo turístico. Daí derivou-se o problema central da pesquisa: O resgate das principais características da formação sócio-espacial da comunidade quilombola do Muquém poderia contribuir para a identificação de atrativos culturais de interesse turístico, suscitando o (re)conhecimento cultural desse grupo remanescente do Quilombo dos Palmares?

17 17 Outras questões foram surgindo a partir da definição desse problema central: As origens do Quilombo dos Palmares e a sua relação com o contexto sócio -econômico e cultural do Brasil-Colônia e, em especial, do Nordeste exercem influência na cultura da comunidade do Muquém? Existe por parte da comunidade Muquém um reconhecimento de sua identidade cultural? Existem manifestações culturais, nessa comunidade, que podem se converter em atrativos de interesses turísticos? Que manifestações são essas? Como objetivo geral da investigação, ficou definida a intenção de resgatar a origem e evolução da comunidade do Muquém, a fim de identificar expressões culturais de interesse turístico, que suscitem o (re)conhecimento cultural desse grupo remanescente do Quilombo dos Palmares. Esse objetivo, por sua vez, foi desdobrado nos seguintes objetivos específicos: resgatar a gênese da formação FSE de Alagoas e sua evolução; conhecer as origens do Quilombo dos Palmares e a comunidade remanescente na atualidade, bem como as heranças sócio-culturais ainda existentes, que possam ser turisticamente atrativas. REFERENCIAL TEÓRICO-METODOLÓGICO A análise da realidade sócio-espacial da área objeto deste estudo tomou por base o paradigma de formação sócio-espacial proposto por Milton Santos que permite realizar estudos de caráter globalizante, por considerar as múltiplas determinações responsáveis por uma realidade concreta. Aliado a este conceito chave, o trabalho se apoiou também nas ideias difundidas por Cholley (1964), para o qual a realidade geográfica resulta de um complexo de combinações de elementos físicos, biológicos e humanos, responsáveis por sua configuração ao longo do tempo. A opção por esta perspectiva respaldou-se igualmente na recomendação defendida por Marx de que o caráter globalizante da realidade investigada precisa ser captado a partir da consideração das múltiplas determinações responsáveis por sua definição. Assim sendo, na aplicação do paradigma da formação sócio -espacial fez-se necessário considerar os aspectos físicos (naturais) do espaço onde se constituíram os municípios que compõem a região a ser estudada, bem como a evolução da sociedade que ali se estabeleceu, das suas origens até a atualidade.

18 18 Milton Santos(1982) propôs, pioneiramente, a aplicação do paradigma da formação sócio-espacial para estudos na área da geografia por entender que a noção de formação econômica e social de origem marxista era a categoria de análise mais apropriada para explicar o desenvolvimento de diferentes sociedades, nas mais variadas escalas e o único capaz de assegurar um estudo de caráter mais totalizante. Esta categoria reúne uma multiplicidade de determinações analíticas, de ordem natural e humana, que combinadas permitem um maior conhecimento da realidade empírica, visto que as especificidades de um determinado local têm explicações de ordem natural e humana, ao mesmo tempo em que correspondem a uma conjugação de condicionantes endógenos e exógenos, os quais, ao longo de diferentes períodos históricos, deram origem à sua configuração atual. Como nenhum lugar se explica por si mesmo, é fundamental analisá-lo em um contexto mais amplo, que inclua as escalas regional, nacional e mundial e interpretálo numa perspectiva que integre espaço e sociedade, visto que é no espaço que os movimentos sociais se expressam, uma vez que, conforme Santos (2008, p. 67): [...] o espaço constitui uma realidade objetiva, um produto social em permanente processo de transformação. O espaço impõe sua própria realidade; por isso, a sociedade não pode operar fora dele. Consequentemente, para estudar o espaço, cumpre apreender sua relação com a sociedade, pois é essa que dita a compreensão dos efeitos dos processos (tempo e mudança) e especifica as noções de forma, função e estrutura elementos fundamentais para a nossa compreensão da produção do espaço. Considerando que a perspectiva teórica utilizada adota como fundamento o paradigma de formação sócio-espacial, proposta metodológica formulada por Milton Santos (1982), tornou-se necessário discutir a gênese da formação do nordeste brasileiro e, em particular, de Alagoas, para o entendimento da origem do Quilombo dos Palmares. Foram também utilizados para embasar teoricamente a pesquisa os conceitos de território, a relação dialética entre natureza e sociedade, cultura e turismo. A pesquisa exigiu uma vasta revisão bibliográfica e a busca de informações de natureza histó rica, geográfica e econômica, bem como o levantamento de dados junto à comunidade foco desse estudo.

19 19 Durante o processo de desenvolvimento do trabalho de investigação foram utilizadas pesquisas que se classificam como: exploratória e descritiva. A união desses dois modelos de pesquisa decorre da preocupação com o uso do conhecimento para futuras aplicações e consequências práticas, visando, assim, não apenas o progresso da ciência através da construção de teorias e leis, mas uma utilização, subsequente, que interfira na realidade circunstancial da comunidade quilombola estudada. Assim sendo, a utilização da pesquisa exploratória foi necessária para proporcionar uma visão geral, com o objetivo de propiciar maior familiaridade (GIL, 2009) com a população remanescente desse quilombo, tornando mais explícita a percepção que esta comunidade tem acerca de suas origens e evolução histórica e cultural. Esse modelo de pesquisa foi utilizado na primeira etapa da investigação, pois o tema escolhido é bastante genérico, razão pela qual houve necessidade de esclarecimento e delimitação, o que levou à revisão da literatura, discussão com especialistas e outros procedimentos. Como produto final dessa etapa dos estudos, o problema levantado inicialmente ficou mais claro e passível de investigação frente aos procedimentos utilizados. O segundo modelo de pesquisa aplicado, a descritiva, teve como premissa básica a descrição das características do fenômeno (entendendo-se por fenômeno o Quilombo dos Palmares), e a exposição das peculiaridades da população remanescente desse quilombo. Com a aplicação desse modelo de pesquisa foi possível estabelecer relações entre o comportamento da população estudada, quanto a suas expressões culturais, e o (re)conhecimento da identidade cultural pelos sujeitos desta comunidade. Tais comportamentos passaram a ser apresentados e entendidos como as variáveis desse estudo. (LAKATOS e MARCONI, 2010). Seguindo o processo de delineamento da pesquisa, foram utilizados os procedimentos relativos à pesquisa bibliográfica, documental e estudo de campo apontado por GIL (2008), como meios técnicos para a investigação. Ressaltando, então, a importância da pesquisa bibliográfica neste estudo, ficou demonstrado que ela permitiu a cobertura de uma gama de acontecimentos e fatos, muito mais ampla do que aquela que poderia ser pesquisada diretamente, visto que os estudos históricos permitiram não apenas conhecer os fatos do passado, mas através

20 20 deles também entender a realidade atual. O avanço do trabalho de pesquisa demandou ainda, a coleta de dados muito dispersos no espaço, já que o fenômeno estudado, o Quilombo dos Palmares (cuja existência originou a comunidade do Muquém, objeto deste estudo) teve sua ocorrência e domínio em um território muito amplo. No que diz respeito à pesquisa documental, cabe ressaltar que ela complementou a primeira, pois foi necessário recorrer a materiais que não haviam recebido um tratamento analítico anterior, sendo feita, portanto, uma análise voltada aos objetivos do presente estudo. Quanto à necessidade de realização de estudo de campo, cabe destacar que esta técnica deu maior flexibilidade ao estudo de uma comunidade tão específica como a do Muquém. Essa técnica permitiu, ainda, um maior aprofundamento das questões aqui propostas. Nesse caminho investigativo, acabo por tornar-me agente mediadora entre as análises feitas e a produção acadêmica. Outra articulação percebida ao ser desenvolvido esse estudo de campo é a interação que realizo com os atores sociais envolvidos na pesquisa. Tal interação teve como objetivo principal a aceitação da convivência, que não se limitou a entrevistas e conversas informais, servindo para o melhor entendimento das falas dos sujeitos em suas ações. De acordo com Minayo: Por meio dessa compreensão somos capazes de entender melhor os aspectos rotineiros, as relevâncias, os conflitos, os rituais, bem como a delimitação dos espaços púbicos e privados. Essas considerações baseiam-se no pressuposto de que os entrevistados não são ingênuos espectadores, nem subjetividades ao acaso ou atores não- críticos.(2004. p. 62). Com base nesse entendimento e com o intuito de relatar de forma mais fidedigna as observações feitas acerca dos aspectos acima mencionados por Minayo, no decorrer deste trabalho optei por apresentar o estudo de caso realizado na comunidade do Muquém através de um relato de experiência, que foi utilizado como instrumento de sistematização das observações da realidade, através de uma narrativa da experiência proporcionada pela pesquisa, construindo conhecimentos vindos do cotidiano vivenciado através das visitas técnicas a comunidade, que serviram para registrar situações ou acontecimentos da prática, permitindo o melhor entendimento dos saberes e fazeres desse grupo. (DYNIEWICZ, 2007).

21 21 Após especificar os modelos de pesquisas e os meios técnicos que foram adotados para o desenvolvimento do trabalho, faz-se necessário, agora, identificar o método. Segundo GIL, Para que um conhecimento possa ser considerado cientifico, torna-se necessário identificar as operações mentais e técnicas que possibilitam a sua verificação. Ou, em outras palavras, determinar o método que possibilitou chegar a esse conhecimento. (2008 p. 8). Partindo, então, desse entendimento, foi adotado o método capaz de facilitar o percurso para atingir o conhecimento cientifico. Assim, diante dos vários tipos de métodos analisados foi selecionado aquele capaz de proporcionar bases lógicas de investigação, qual seja, o método proveniente da dialética, o materialismo histórico dialético, desenvolvido por Marx. Com vistas a facilitar a compreensão da escolha do método dialético para esse estudo, descreve-se de forma sucinta sua evolução histórica, visto que através dela o método torna-se mais claro o que, consequentemente, ressalta a importância dessa ferramenta na elaboração do trabalho de investigação. Novelli e Pires citam alguns dos filósofos para demonstrar que a dialética surge ainda na Grécia antiga. Lembram que Sócrates utilizou-se dela para o desenvolvimento de sua filosofia e que Platão a empregou de forma abundante em seus diálogos. Até esse momento constata-se o diálogo entre iguais. Entretanto, alerta o autor, tal posicionamento foi antecedido por uma visão distinta, encontrada de forma mais clara em Heráclito, o qual alegava que a conversa existe somente entre os diferentes, pois, não é o acordo que leva ao diálogo e sim a divergência, ou seja, a exacerbação dos conflitos. (NOVELLI; PIRES, 1996). Novelli lembra ainda que esse conceito foi deixado de lado e essa marginalização do pensamento de Heráclito sobre a contraditoriedade e o conflito pode ser atribuída em grande parte a Aristóteles, pois o princípio da identidade, perseguido por este filósofo, estabelecia a fixação do ser: o que é, é e o que não é, não é. O autor Durant (1996), citando Heráclito, retoma a ideia de movimento do pensamento, a ideia de contraditoriedade da vida, já apresentada nos discursos desse filósofo. Percebemos, portanto, que a lógica da dialética se mantém presente na elaboração científica de vários pensadores. Konder faz um resgate e apresenta esta lógica nas ideias de Copérnico de que a terra não é imóvel; de Galileu e Descartes,

Economia e Sociedade Açucareira. Alan

Economia e Sociedade Açucareira. Alan Economia e Sociedade Açucareira Alan Características coloniais gerais Colônia de exploração Existência de Pacto Colonial Monopólio Economia de exportação de produtos tropicais Natureza predatória extrativista,

Leia mais

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer CAUSAS: Acirramento da concorrência comercial entre as potências coloniais; Crise das lavouras de cana; Estagnação da economia portuguesa na segunda metade do século XVII; Necessidade de encontrar metais

Leia mais

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan João Paulo I O NORDESTE COLONIAL Professor Felipe Klovan A ECONOMIA AÇUCAREIRA Prof. Felipe Klovan Portugal já possuía experiência no plantio da cana-de-açúcar nas Ilhas Atlânticas. Portugal possuía banqueiros

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB Monaliza Silva Professora de ciências e biologia da rede estadual

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

História do Brasil Colônia

História do Brasil Colônia História do Brasil Colônia Aula VII Objetivo: a expansão e a consolidação da colonização portuguesa na América. A) A economia política da colônia portuguesa. Em O tempo Saquarema, o historiador Ilmar R.

Leia mais

Trabalhar as regiões

Trabalhar as regiões A U A UL LA Trabalhar as regiões Nesta aula, vamos aprender como a organi- zação espacial das atividades econômicas contribui para diferenciar o espaço geográfico em regiões. Vamos verificar que a integração

Leia mais

CIÊNCIAS SOCIAIS 10/9/2012. I ECONOMIA COLONIAL SÉCULOS XVI a XIX OBJETIVOS: Formação Econômica e Social Brasileira (I)

CIÊNCIAS SOCIAIS 10/9/2012. I ECONOMIA COLONIAL SÉCULOS XVI a XIX OBJETIVOS: Formação Econômica e Social Brasileira (I) CIÊNCIAS SOCIAIS M.I DESENVOLVIMENTO DESIGUAL E COMBINADO DA SOCIEDADE MODERNA Formação Econômica e Social Brasileira (I) Profa. Claudete Pagotto Período 2 2012 2 OBJETIVOS: Abordar as características

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

O Brasil holandês http://www.youtube.com/watch?v=lnvwtxkch7q Imagem: Autor Desconhecido / http://educacao.uol.com.br/biografias/domingos-fernandescalabar.jhtm DOMINGOS CALABAR Domingos Fernandes

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS A CHEGADA DOS PORTUGUESES A AMÉRICA E AS VIAGENS MARÍTIMAS Projeto apresentado e desenvolvido

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

Invasões Holandesas. 1630 uma armada holandesa ocupou Olinda e o Recife.

Invasões Holandesas. 1630 uma armada holandesa ocupou Olinda e o Recife. Invasões Holandesas A dependência holandesa do açúcar brasileiro era enorme; Entre 1625 e 1630 a Holanda dedicou-se aos ataques de corsários, no litoral brasileiro e região do Caribe, chegando a ocupar

Leia mais

Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano

Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano 1. CARACTERÍSTICAS GERAIS DO PERÍODO COLONIAL Colônia de exploração (fornecimento de gêneros inexistentes na Europa). Monocultura.

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 7 5 Unidade 7 Nome: Data: 1. Sobre as formas de conquista e exploração do governo português, associe corretamente as colunas. a) Relações diplomáticas.

Leia mais

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/05 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 05 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA DO BRASIL 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatores fisiográficos do espaço territorial do Brasil, concluindo sobre a influência

Leia mais

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais Autor(a): João Corcino Neto Coautor(es): Suzana Ferreira Paulino Email: jcn1807iop@gmail.com Introdução As relações comerciais entre

Leia mais

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE Conceitos Diversos Estado É uma organização políticoadministrativa da sociedade. Estado-nação - Quando um território delimitado é composto de um governo e uma população

Leia mais

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) PORTUGAL -Atinge as Índias contornando

Leia mais

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio Planejamento Anual Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015 Professor(s): Júlio APRESENTAÇÃO: Percebemos ser de fundamental importância que o aluno da 2 Ano do Ensino Fundamental possua

Leia mais

Sugestões de avaliação. História 7 o ano Unidade 7

Sugestões de avaliação. História 7 o ano Unidade 7 Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 7 Unidade 7 Nome: Data: 1. Leia o trecho a seguir e faça o que se pede. Depois de estabelecer colônias na África e chegar à Índia e à América, os navegadores

Leia mais

7. Bibliografias... 10

7. Bibliografias... 10 1. Introdução... 03 2. Surgimento da Economia Açucareira... 04 3. Desenvolvimento da Economia Açucareira... 05 4. Desarticulação da Economia Açucareira... 07 5. Encerramento da Economia Açucareira... 08

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 3ª. Disciplina:História(p1,2º. Bimestre ) Data da prova: 30/04/2014

Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 3ª. Disciplina:História(p1,2º. Bimestre ) Data da prova: 30/04/2014 Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 3ª. Disciplina:História(p1,2º. Bimestre ) Data da prova: 30/04/2014 01. (Fatec-SP) Não

Leia mais

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar 1º Período UNIDADE 1 A aventura de navegar Produtos valiosos Navegar em busca de riquezas Viagens espanholas Viagens portuguesas Ampliação O dia a dia dos marinheiros Conhecer as primeiras especiarias

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO Prof. Israel Frois SÉCULO XV Território desconhecido; Era habitado por ameríndios ; Natureza praticamente intocada Riqueza imediata: Pau-Brasil (Mata Atlântica) Seus limites

Leia mais

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Formação do Estado e do território Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Sociedade humana kei É um conjunto de pessoas Que vivem em determinado espaço e tempo e de acordo com certas regras

Leia mais

- Século XVI estabeleceu o domínio inglês na costa norte da América do Norte fundam Treze Colônias Atual

- Século XVI estabeleceu o domínio inglês na costa norte da América do Norte fundam Treze Colônias Atual DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) -Atinge as Índias contornando a costa da África PORTUGAL -1500 supera os obstáculos do Atlântico chega ao Brasil ESPANHA

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A Palestra: História da Cana-de de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A ORIGEM DA CANA-DE-AÇÚCAR A cana-de de-açúcar é uma planta proveniente

Leia mais

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS.

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. Carina da Silva UFPel, carinasg2013@gmail.com INTRODUÇÃO A atual sociedade capitalista tem como alicerce, que fundamenta sua manutenção,

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

ÁREA: RESENHA CRÍTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS PET ECONOMIA UESB

ÁREA: RESENHA CRÍTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS PET ECONOMIA UESB UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS PET ECONOMIA UESB Tutor: Gildásio Santana Júnior Bolsista: Iago Fernandes Botelho e Silva Resenha da

Leia mais

O VIVO NO CEMITÉRIO DOS INGLESES DO RECIFE

O VIVO NO CEMITÉRIO DOS INGLESES DO RECIFE O VIVO NO CEMITÉRIO DOS INGLESES DO RECIFE Autores: LUCIANO BORGES DE SOUZA e MÁRCIO LIMA BARROS DA SILVA Introdução Localizado na Avenida Cruz Cabugá, bairro de Santo Amaro, no Recife, o Cemitério dos

Leia mais

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa Capítulo Organização político- -administrativa na América portuguesa 1 O Império Português e a administração da Colônia americana Brasil: 1500-1530 O interesse português pelo território americano era pequeno

Leia mais

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras O descobrimento de novas terras e riquezas (o pau-brasil) estimulou a cobiça de várias nações européias que iniciavam as suas aventuras

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 7 o ano 4 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Leia o trecho da carta de Pero Vaz de Caminha, escrivão da armada de Pedro Álvares Cabral, escrita em maio de 1500 para o rei português

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Discurso de Luiz Inácio Lula da Silva Seminário do Prêmio Global de Alimentação Des Moines, Estados Unidos 14 de outubro de 2011

Discurso de Luiz Inácio Lula da Silva Seminário do Prêmio Global de Alimentação Des Moines, Estados Unidos 14 de outubro de 2011 Discurso de Luiz Inácio Lula da Silva Seminário do Prêmio Global de Alimentação Des Moines, Estados Unidos 14 de outubro de 2011 Estou muito honrado com o convite para participar deste encontro, que conta

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção?

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção? Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 3 o Bimestre 4 o ano história Data: / / Nível: Escola: Nome: Memórias de um Brasil holandês Nessa terra

Leia mais

5 Considerações Finais

5 Considerações Finais 5 Considerações Finais Neste capítulo serão apresentadas as considerações finais do estudo. Quando necessário, serão feitas referências ao que já foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores, dispondo,

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 1ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 9º Turma: Data: / /2012 Nota: Professor(a): Edvaldo Valor da Prova: 65 pontos Orientações gerais: 1)

Leia mais

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco.

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. Autora: Maria José de Souza Marcelino. Orientador: Professor Dr. Washington Luiz Martins (UFPE). Instituto

Leia mais

Cidade e desigualdades socioespaciais.

Cidade e desigualdades socioespaciais. Centro de Educação Integrada 3º ANO GEOGRAFIA DO BRASIL A Produção do Espaço Geográfico no Brasil nas economias colonial e primário exportadora. Brasil: O Espaço Industrial e impactos ambientais. O espaço

Leia mais

PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011

PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011 PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011 Trabalhas sem alegria para um mundo caduco Carlos Drumond de Andrade 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Realização do 6º ano do Projeto Universidade Aberta, com o título Faces

Leia mais

Colégio Senhora de Fátima

Colégio Senhora de Fátima Colégio Senhora de Fátima A formação do território brasileiro 7 ano Professora: Jenifer Geografia A formação do território brasileiro As imagens a seguir tem como principal objetivo levar a refletir sobre

Leia mais

Expedição 1. 7º ANO_ PROFª BRUNA ANDRADE

Expedição 1. 7º ANO_ PROFª BRUNA ANDRADE Expedição 1. 7º ANO_ PROFª BRUNA ANDRADE O Brasil é considerado um país de dimensões CONTINENTAIS, pois sua área de 8.514.876 Km² é quase igual a do Continente Oceânico. Ele é o 5º país em extensão territorial

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010)

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) Taílla Caroline Souza Menezes¹ e Ludmila Oliveira Holanda

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 C C A E A A E C B A

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 C C A E A A E C B A GABARITO 2ª CHAMADA DISCIPLINA: FÍS./GEO. COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO 53 ANOS DE HISTÓRIA ENSINO E DISCIPLINA QUEM NÃO É O MAIOR TEM QUE SER O MELHOR Rua Frei Vidal, 1621 São João do Tauape/Fone/Fax:

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA

PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA EJA - Ensino Fundamental 2º Segmento GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA Fase/Ano: 4ª Fase -6º e 7º Ano Ano Letivo: 2014 Componente Curricular: História Professores do Estúdio: Cláudio

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA PARCIAL DE HISTÓRIA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: 02/04/2011 Nota: Professora: Ivana Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL Portugal: crises e dependências -Portugal: acordos comerciais com a Inglaterra; -Exportação de produtos brasileiros; -Tratado de Methuen: redução fiscal para os

Leia mais

ANÁLISE ESPAÇO TEMPORAL DO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO - PERNAMBUCO

ANÁLISE ESPAÇO TEMPORAL DO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO - PERNAMBUCO Autor: Lucas André Penha dos Santos Universidade Federal de Pernambuco Email: llucas.94@hotmail.com Coautor(a): Kétcia Ferreira de Santana Universidade Federal de Pernambuco Email: ketciaferrira@hotmail.com

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades Resoluções das Atividades Sumário Módulo 1 A conquista da América, a história cultural dos povos indígenas e africanos e a economia açucareira...1 Módulo 2 A mineração no Período Colonial, as atividades

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG)

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) MONTES CLAROS FEVEREIRO/2014 1 COORDENAÇÃO DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM CURSOS

Leia mais

Origem da agricultura. META Mostrar a importância da agricultura para o processo de formação econômica do Brasil.

Origem da agricultura. META Mostrar a importância da agricultura para o processo de formação econômica do Brasil. Origem da agricultura AGRICULTURA E FORMAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL META Mostrar a importância da agricultura para o processo de formação econômica do Brasil. OBJETIVOS Ao final da aula, o aluno deverá: compreender

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

REVISÃO AMÉRICA ANGLO SAXÔNICA E MÉXICO

REVISÃO AMÉRICA ANGLO SAXÔNICA E MÉXICO REVISÃO AMÉRICA ANGLO SAXÔNICA E MÉXICO DIVISÃO DO CONTINENTE AMERICANO Os países que pertencem a América do Norte são: EUA, Canadá e México. Os países que pertencem a América Anglo Saxônica são: EUA

Leia mais

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente,

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente, O COMPROMISSO DA UNIVERSIDADE NO EXERCÍCIO DA DOCÊNCIA BROILO, Cecília Luiza UNISINOS ceciliab@unisinos.br FAGUNDES, Maurício César UNISINOS mc.fagundes@terra.com.br GOMES, Marta Quintanilha UNISINOS martaqg@unisinos.br

Leia mais

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza).

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza). GEOGRAFIA 7ª Série/Turma 75 Ensino Fundamental Prof. José Gusmão Nome: MATERIAL DE ESTUDOS PARA O EXAME FINAL A GEOGRAFIA DO MUNDO SUBDESENVOLVIDO A diferença entre os países que mais chama a atenção é

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA FERREIRA, Adriana Ribeiro & ROSSO, Ademir José INTRODUÇÃO O meio ambiente (MA) é

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA ESCRAVIDÃO ANTIGA A escravidão é um tipo de relação de trabalho que existia há muito tempo na história da humanidade. Na Antiguidade, o código

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

AS CONTRIBUIÇÕES DAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO AS CONTRIBUIÇÕES DAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Resumo Elaine Carvalho de Campos Abib¹ Este trabalho foi realizado com base nas características das Tendências Pedagógicas e nas

Leia mais

RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano

RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano História/15 7º ano Turma: 3º trimestre Nome: Data: / / 7ºhis303r RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano 3º trimestre Aluno(a), Seguem os conteúdos trabalhados no 3º trimestre. Como base neles você deverá

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO LIVRO: CABO VERDE ABOLIÇÃO DA ESCRAVATURA SUBSÍDIOS PARA O ESTUDO Iva Cabral

APRESENTAÇÃO DO LIVRO: CABO VERDE ABOLIÇÃO DA ESCRAVATURA SUBSÍDIOS PARA O ESTUDO Iva Cabral APRESENTAÇÃO DO LIVRO: CABO VERDE ABOLIÇÃO DA ESCRAVATURA SUBSÍDIOS PARA O ESTUDO Iva Cabral O convite que me foi feito por João Lopes Filho para apresentar o livro Cabo Verde abolição da escravatura subsídios

Leia mais

Ciências Humanas. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

Ciências Humanas. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo Ciências Humanas baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS HUMANAS Elementary School 2 K5 Conteúdos Gerais Conteúdos Específicos Habilidades

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Tema: Consciência Negra Público-alvo: O projeto é destinado a alunos do Ensino Fundamental - Anos Finais Duração: Um mês Justificativa:

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Ministrantes: Anita Maria da Rocha Fernandes César Albenes Zeferino Maria Cristina Kumm Pontes Rafael Luiz Cancian Itajaí,

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i

O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i LUÍS CARLOS SANTOS luis.santos@ese.ips.pt Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal 1- Agostinho da Silva, um adepto da Educação

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

Quando olhei a terra ardente...

Quando olhei a terra ardente... Quando olhei a terra ardente... A UU L AL A Nesta aula estudaremos a região Nordeste, identificando suas principais características e sua importância para o país. Para entender suas paisagens, vamos avaliar

Leia mais

Encontro: 20 e 21 de Setembro. Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves

Encontro: 20 e 21 de Setembro. Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves Encontro: 20 e 21 de Setembro Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves 1 RAÍZES - Habilidades, Qualidades, Valores 2 TRONCO: Nome / Formação 3 GALHOS/FOLHAS: Projetos para o futuro 4 FLORES: Projetos em

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA 2015

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA 2015 ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA 2015 Nome: Nº 7º ano Data: / /2015 Professor: Nota: (valor: 2,0) A - Introdução Neste ano, sua pontuação foi inferior a 60,0 pontos e você não assimilou os conteúdos

Leia mais

A expansão da América Portuguesa

A expansão da América Portuguesa 8 ANO A/B RESUMO DA UNIDADE 1 DISCIPLINA: HISTÓRIA PROFESSORA: SUELEM *Os índios no Brasil A expansão da América Portuguesa Violência contra os povos indígenas; - Doenças, trabalho forçado; - Foram obrigados

Leia mais

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC.

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. Neusa Maria Zangelini - Universidade do Planalto Catarinense Agência Financiadora: Prefeitura de Lages/SC

Leia mais