HISTÓRIA. Av. João Paulino Vieira filho, 763 Sobrelojas CEP: Fone: Maringá - PR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HISTÓRIA. Av. João Paulino Vieira filho, 763 Sobrelojas CEP: 87020-015 Fone: 44 3026.2929 Maringá - PR"

Transcrição

1 HISTÓRIA Sobre a história de Roma e da Grécia, na antiguidade, assinale a(s) 01) Palco das lutas entre os gladiadores, o Coliseu, a maior das arenas romanas, era também palco de outros espetáculos, tais como encenações teatrais e festivais públicos. 02) No século I, com a rápida difusão do cristianismo, os romanos abandonaram o politeísmo e se tornaram monoteístas. 04) As conquistas de Alexandre, da Macedônia, favoreceram o surgimento de uma nova cultura, herdeira da grega, mas diferente dela em razão das influências da cultura oriental. 08) No período clássico da história da Grécia, Atenas e Esparta mantinham sistemas de governos extremamente semelhantes, o que favoreceu o surgimento da democracia, quando a Grécia foi unificada. 16) A Grécia é tida como o berço da filosofia, ou seja, berço do estudo que tem por objetivo procurar explicações racionais e universais para a vida em geral. Aproximadamente entre os séculos XV e XVI, a Itália conheceu um extraordinário desenvolvimento cultural, o Renascimento, que depois também foi vivenciado por outras regiões da Europa. A esse respeito, assinale a(s) 01) Um dos principais escritores renascentistas foi Tomás de Aquino, pensador católico que combateu o protestantismo e promoveu uma reforma na Igreja. 02) O Renascimento significou o ressurgimento das artes e da cultura, pois a Idade Média havia sido, de fato, uma época das trevas, sem nenhum tipo de expressão artístico-cultural, em razão de ter sido marcada por uma profunda intolerância. 04) Fugindo das interpretações religiosas que predominavam até então, a ciência renascentista procurou explicar o mundo a partir de novas teorias e idéias, e o método experimental tornou-se a base da ciência moderna. 08) O humanismo renascentista tinha como um de seus traços característicos o pensamento preponderantemente teocêntrico. 16) O Renascimento originou-se na Itália em razão da descentralização política desse país no período inicial da Época Moderna. Identifique o que for correto sobre o Período Medieval. 01) Ainda que tenha fracassado em alguns de seus objetivos, o maior êxito das cruzadas foi a unificação do cristianismo, com sede em Roma. 02) O renascimento das atividades mercantis, na Baixa Idade Média, foi um dos entraves que retardaram o desenvolvimento das universidades e centros de ensino na Europa. 04) A união entre a França e a Inglaterra, no final da Idade Média, possibilitou que os dois países emergissem como grandes potências econômicas na Idade Moderna. 08) Na Sociedade Medieval, o trabalhador da agricultura está ligado ao proprietário da terra por laços de servidão. 16) Os chamados movimentos heréticos eram tentativas de reformar os dogmas e os ensinamentos oficiais da Igreja Católica. Os movimentos pré-reformistas e reformistas nos séculos XV e XVI, além de abalarem as estruturas religiosas da Igreja romana, marcaram definitivamente a divisão do cristianismo ocidental. A respeito desses movimentos, assinale o que for correto. 01) John Wyclif liderou um movimento reformista na Inglaterra que pregava a diminuição do predomínio do clero na Igreja, cujos bens deveriam ser entregues ao Estado. 02) A reforma na Alemanha no século XVI tem como principal referência intelectual Martinho Lutero e como uma das principais críticas, as práticas das indulgências vendidas pelo clero ao povo como salvação eterna. 04) A Reforma na Suíça teve como seu maior representante João Calvino. Sua doutrina foi exposta na obra As Instituições da Religião Cristã. 08) O surgimento da Companhia de Jesus foi a concretização dos ideais protestantes de fé para combater o cristianismo romano. 16) Os países ibéricos foram os que mais se beneficiaram com as reformas religiosas, pois o rompimento de Portugal e Espanha com o papado possibilitou que eles desenvolvessem uma ciência náutica sem as superstições religiosas da Idade Média. 2

2 A expansão comercial e marítima europeia figura entre os principais acontecimentos da época moderna. A esse respeito, assinale a(s) 01) A dilatação comercial e marítima foi responsável pela mudança do eixo econômico do Atlântico para o Mediterrâneo. 02) Com exceção do continente asiático, a expansão marítima contribuiu para a internacionalização da economia mundial. 04) O pioneirismo de Portugal no processo expansionista explica-se, entre outras questões, pela experiência acumulada na arte de navegar. 08) O sucesso da expansão comercial marítima explica-se pela não participação dos Estados Modernos nas atividades mercantis, os quais representavam verdadeiros entraves do desenvolvimento econômico da época. 16) A expansão inglesa sobre o continente americano foi facilitada, desde o início, pela valorosa contribuição que recebeu da coroa espanhola. A respeito da Revolução Industrial Inglesa, assinale a(s) 01) A Revolução Industrial foi um profundo processo de transformação nos meios de produção que permitiu a multiplicação da capacidade produtiva da Inglaterra. 02) As modificações na forma da organização da produção promovidas pela Revolução Industrial produziram também, no campo social, uma nova configuração de classes, formando dois pólos bem definidos: burguesia e proletariado. 04) A Revolução Industrial, ao abreviar o tempo de trabalho necessário para produzir as mercadorias, promoveu um êxodo urbano, levando milhares e milhares de habitantes de volta ao campo. 08) Por ser o país com uma legislação mais liberal, com menos entraves à circulação das mercadorias, a Inglaterra teve melhores condições para realizar a Revolução Industrial. 16) Devido à exploração de suas vastas colônias, a Inglaterra acumulou grande quantidade de capital que possibilitou a aquisição das máquinas da Alemanha para desenvolver sua indústria. Sobre os contatos entre os diferentes povos e as relações mercantis estabelecidas entre eles, ao longo da história moderna, assinale a(s) 01) Na América, o Império Incaico, a partir do final do século XIII, iniciou um comércio marítimo com as cidades Maias da Mesoamérica. 02) Os povos anglo-saxões no norte da Europa, a partir do século XIX, iniciaram um comércio com a China, denominado comércio da rota da seda. 04) Com a chegada dos portugueses à China, no século XVIII, iniciou-se um intenso comércio desta com a Índia, o que possibilitou ao budismo integrar-se à cultura tradicional chinesa. 08) Na época da chegada dos portugueses à África, no século XV, havia um comércio estabelecido entre povos da África sub-sahariana e povos do mediterrâneo intermediado por nômades do deserto. 16) No século XVIII, o comércio no Oceano Índico, que ligava o litoral da África Oriental à Índia e ao Golfo Pérsico, era controlado pelos comerciantes muçulmanos, que impediam a ação de mercadores europeus naquela região. Na década de 1640, na Inglaterra, eclode a primeira grande revolução moderna contra o Antigo Regime, que ficou conhecida como Revolução Puritana ou Revolução Burguesa. Sobre esse movimento, assinale o que for correto. 01) A Revolução Puritana teve como líder máximo Oliver Cromwell, que governou a Inglaterra como Lorde Protetor, durante o período republicano. 02) Um dos desfechos da Revolução foi a execução do rei Carlos I, da dinastia dos Stuart, que foi acusado de despotismo. 04) O Ato de Navegação, decretado por Oliver Cromwell na década de 1650, foi uma das principais realizações da Revolução, que estimulou a navegação, o comércio e a exploração colonial por parte dos ingleses. 08) No campo religioso, a Revolução aboliu o protestantismo e reimplantou a religião católica como credo oficial dos ingleses. Com isso, a Igreja Oficial da Inglaterra voltou a se subordinar ao Papa como líder universal do cristianismo. 16) Esse movimento revolucionário preparou o caminho para a eclosão da Revolução Industrial inglesa no século XVIII, ao estimular o processo de cercamento legal das terras comunais e ao acelerar o processo de proletarização dos antigos camponeses independentes, transformando-os em trabalhadores assalariados para a manufatura e a indústria. 3

3 "O homem nasceu livre e está sempre acorrentado. Há quem se julgue dono dos outros, mas não deixa de ser mais escravo do que eles. (...) Quando um povo é obrigado a obedecer e obedece, faz bem; logo que ele pode romper o jugo, e o rompe, faz ainda melhor: pois, recuperando sua liberdade com o mesmo direito com que lhe foi tirada, ou é justo que ele a reconquiste, ou não era justo que lhe fosse tirada." (ROUSSEAU, Jean Jacques. Contrato social). Rousseau, o autor do texto acima, é considerado um dos maiores expoentes do Iluminismo. A respeito do Iluminismo, assinale a(s) 01) Além de Rousseau, entre os principais pensadores iluministas, podem-se incluir Dante Alighieri, Tomasio Campanella e Montaigne. 02) Originado na Inglaterra, difundido pela França, o Iluminismo pregava a razão, a liberdade do espírito, a livre crítica e a tolerância religiosa, contrapondo-se, assim, ao peso da tradição, do dogmatismo religioso e filosófico e ao absolutismo monárquico. 04) O Iluminismo, em seu conjunto, fazia uma incisiva crítica ao mundo civilizado e propunha um retorno às formas de vida da sociedade primitiva. 08) O impulso renovador das ideias iluministas provocou, na Europa, um grande interesse pelos problemas da vida em sociedade, possibilitando o surgimento de novas ideias e de teorias econômicas. 16) O espírito renovador, presente no Iluminismo, conduziu a um profundo estudo das ciências, campo onde ocorreu um grande avanço. O economista Adam Smith, ao publicar sua obra maior, A Riqueza das Nações (1776), faz a defesa da ordem econômica liberal como forma de promover o desenvolvimento das forças produtivas e a satisfação das necessidades humanas. Com respeito à postura de Adam Smith, assinale o que for correto. 01) Defendia a manutenção dos monopólios comerciais como meio de promover a riqueza das nações. 02) Adam Smith foi um importante crítico da sociedade burguesa e impulsionador dos movimentos socialistas. 04) Segundo Adam Smith, a divisão do trabalho implicava um aumento da produção. Assim, cada operário faria apenas uma operação incorrendo em uma especialização. Isso levaria a um aumento da produção e, consequentemente, ao barateamento dos custos. Logo, os produtos no mercado custariam mais barato e ocorreria um aumento no consumo. 08) Adam Smith era um crítico dos monopólios comercias e defendia um desenvolvimento nacional baseado no trabalho artesanal. 16) Considerava que o trabalho era a origem de toda a riqueza, refutando os mercantilistas que afirmavam ser o comércio o grande gerador de riqueza. Leia o fragmento a seguir. "Toda a organização administrativa e burocrática criada pela metrópole objetivava, sobretudo criar a base necessária para valorizar economicamente suas terras americanas, incentivando o desenvolvimento da agromanufatura do açúcar. Dessa forma, o início da colonização propriamente dita esteve ligado ao cultivo da cana e ao preparo do açúcar." (NADAI, Elza e NEVES, Joana. História do Brasil da Colônia a Republica. São Paulo: Saraiva,1987, p.44.) A respeito da colonização do Brasil, assinale a(s) 01) Para a colonização efetiva dos territórios, com a organização dos engenhos, a Coroa portuguesa recorreu aos recursos particulares, por meio das concessões das capitanias e das sesmarias. 02) Inicialmente, a mão-de-obra utilizada nos engenhos foi a do índio escravizado. No entanto, à medida que a produção açucareira foi crescendo, recorreu-se à importação do africano e à sua utilização como escravo. 04) A produção de açúcar no Brasil colonial visava, em primeiro lugar, a atender as necessidades de consumo dos produtores. Isso não impedia que eventuais excedentes fossem vendidos no mercado externo. 08) A intensa utilização do trabalho escravo nos engenhos não excluía completamente os trabalhadores assalariados. Entre esses últimos, apareciam os feitores e o mestre de açúcar, entre outros. 16) Os escravos viviam nas senzalas, habitações coletivas, trabalhavam sem descanso e eram responsáveis pela imensa maioria das atividades na Casa Grande, nas oficinas e nos canaviais. Nos dois primeiros séculos da colonização do Brasil, o engenho foi a unidade produtiva básica. Além do engenho propriamente dito o local onde a cana era transformada em açúcar faziam parte dessa unidade produtiva a lavoura, a casa-grande, a senzala e a capela. Assim sendo, conforme o jesuíta Antonil escreveu, em 1711, "O ser senhor de engenho é título a que muitos aspiram porque traz consigo o ser servido, obedecido e respeitado de muitos. E se fôr, qual deve ser, homem de cabedal e governo, bem se pode estimar no Brasil o ser senhor de engenho (...)." A esse respeito, assinale a(s) 4

4 01) O desenvolvimento de uma economia baseada na produção de açúcar pelos engenhos propiciou um notável processo de crescimento urbano nos dois primeiros séculos da colonização do Brasil. Nesse período, surgem as principais cidades da região sul, com destaque para Curitiba, Florianópolis e Porto Alegre. 02) A produção açucareira nos engenhos era caracterizada pelo trabalho escravo, pela monocultura e pela grande propriedade. Embora o trabalho escravo fosse predominante, o engenho também utilizava, em menor escala, o trabalho livre. Entre os trabalhadores livres, destacavam-se o feitor, o mestre-do-açúcar e o capitão-do-mato. 04) Para a montagem dos engenhos, foi essencial o papel da Coroa portuguesa, que atuava como um banco, financiando a totalidade das atividades às quais o senhor de engenho se dedicava. Essa participação direta da Coroa na colonização pode ser observada, também, na concessão de sesmarias, que era efetuada direta e exclusivamente pela Coroa. 08) Na estrutura social do nordeste brasileiro, predominava a figura do senhor de engenho, que exercia seu domínio sobre a sua família, seus escravos, empregados e sobre a região na qual estava instalado o engenho. 16) Os quilombos foram, sobretudo, uma reação coletiva dos negros africanos à escravidão. O quilombo mais conhecido, tanto pelo seu nível de organização quanto pela resistência que impôs ao branco, foi o Quilombo de Palmares. Em meados do século XVII, o Padre Antonio Vieira, defendendo a necessidade de retomar os entrepostos portugueses de escravos no litoral africano, que se encontravam sob controle dos holandeses, afirmava que "sem Angola, não há negros e sem negros, não há Pernambuco". Em 1711, Antonil, em Cultura e Opulência do Brasil, dizia que "os escravos são as mãos e os pés do senhor de engenho, porque sem eles não é possível fazer, conservar e aumentar fazenda". A partir das informações acima, assinale a(s) 01) As citações dos dois autores demonstram que, desde o início da colonização, a escravidão do negro de origem africana foi alvo de contundentes contestações no Brasil. 02) Por aproximadamente três séculos, a resistência do africano à escravidão não encontrou eco entre os colonizadores de origem europeia do Brasil. 04) Os trechos citados acima mostram que o colonizador considerava a escravidão fundamental para a continuidade da produção mercantil no Brasil Colonial. 08) Durante o denominado Ciclo do Ouro, a escravidão tornou-se muito mais branda no Brasil; em razão disso, no decorrer do século XVIII, houve uma significativa queda do número de escravos que fugiam para viver nos quilombos. 16) O controle da Holanda sobre os entrepostos de escravos na África acabou definitivamente com o fornecimento de escravos para o Brasil e obrigou a Princesa Isabel a determinar a abolição da escravidão no Brasil. Na última década do século XVII, os portugueses encontraram ouro no centro-oeste do Brasil. Esse fato marcou o início da ocupação daquela região e desencadeou uma série de mudanças no Brasil Colonial. A esse respeito, assinale a(s) 01) Na economia açucareira nordestina dos séculos XVI e XVII, a vida social e política girava em torno dos engenhos, um ambiente caracteristicamente rural, enquanto o ciclo minerador propiciou um rápido desenvolvimento da vida urbana. 02) As regiões auríferas viveram, inicialmente, graves crises provocadas por falta ou por escassez de víveres, pois o deslocamento de grande número de mineradores para a região não foi acompanhado do desenvolvimento simultâneo de um sistema de abastecimento bem articulado. 04) O ouro de aluvião, que pode ser explorado pelo método da faiscação, contribuiu para que ocorresse uma diminuição do número de escravos no Brasil. 08) O ciclo do ouro possibilitou um desenvolvimento das artes, com destaque para a arquitetura barroca e a literatura. 16) Em razão do pacto colonial entre colônia e metrópole, todo o ouro produzido pelos brasileiros destinou-se aos cofres da Inglaterra. A produção de açúcar na região Nordeste do Brasil, a partir da lavoura canavieira, tornou-se, no século XVII, o principal produto da economia da América portuguesa. A esse respeito, assinale a(s) 01) Em razão dos lucros possibilitados pelo tráfico de africanos, o índio não foi escravizado naquela região. Assim sendo, as populações indígenas que habitavam a região litorânea e a região do agreste nordestino foram preservadas. 02) Em razão de a produção de açúcar ser mais lucrativa, a antiga atividade de extração de pau-brasil foi abandonada. Tal fato contribuiu para a preservação da Mata Atlântica no litoral do Nordeste. 5

5 04) Além de poder econômico e prestígio social, o senhor de engenho detinha poder político e militar, mesmo não ocupando cargos públicos. 08) A sociedade que se formou na região Nordeste tinha características agrárias, estava organizada em torno do complexo formado pela casa-grande, capela, senzala, engenho (local onde se produzia o açúcar) e o canavial. 16) Os engenhos podiam ser desde trapiches, isto é, pequenas unidades movidas a força motriz animal, até engenhos reais, grandes unidades produtivas, movidos por energia hidráulica, com a utilização de uma roda d água e grande número de trabalhadores. 02) Em 1821, em razão das pressões que resultaram da Revolução Liberal do Porto, D. João VI e a Corte retornam a Portugal, ficando no Brasil, como príncipe regente, D. Pedro. 04) Em 1816, chega ao Rio de Janeiro a Missão Francesa, trazendo artistas e cientistas que vão colaborar na criação da primeira Academia Brasileira de Belas-Artes. 08) A revolução pernambucana de 1817 tinha como principal objetivo forçar D. João VI a permanecer no Brasil e a não ceder às pressões para retornar à Europa. 16) A permanência da Corte no Rio de Janeiro por quatorze anos e a transposição dos principais órgãos do Estado tornaram o Brasil, naquele período, o centro do Império português. Desde o início da colonização, a América portuguesa foi alvo de invasões de outros povos europeus. Dentre tais invasões, a mais significativa é, provavelmente, a invasão holandesa no atual Nordeste do Brasil, na primeira metade do século XVII. A respeito dessa invasão, assinale a(s) alternativa(s) correta(s). 01) Em seu auge, o domínio holandês estendeu-se, aproximadamente, desde o litoral do atual Estado do Maranhão até o território que, em nossos dias, corresponde ao Estado de Sergipe. 02) A expulsão dos holandeses do Nordeste resultou da ação militar comandada pelo governador geral Mem de Sá, o segundo governador geral do Brasil. 04) Durante o período em que permaneceram no Nordeste, os holandeses mudaram completamente as estruturas econômico-sociais da região, com destaque para a introdução do trabalho livre nas fazendas e o estímulo à diversificação agrícola. 08) A pecuária e a produção das drogas do sertão foram as duas principais atividades desenvolvidas pelos holandeses no Nordeste. 16) A invasão holandesa vincula-se ao processo de separação dos Países Baixos do domínio espanhol, bem como a questões relativas à União Ibérica ( ). A vinda da família real portuguesa para o Brasil, em 1808, relaciona-se ao Bloqueio Continental, decreto de Napoleão Bonaparte, de 1806, que proibia os países europeus de receberem navios ingleses em seus portos e de venderem produtos à Inglaterra. A esse respeito, assinale a(s) 01) Entre as principais medidas de política econômica adotadas pela Coroa, destacam-se a abertura dos portos e a suspensão da proibição das atividades manufatureiras no Brasil. Na história do Brasil, o período de 1831 a 1840 é conhecido como período da Regência. Sobre essa etapa de nossa história, assinale o que for correto. 01) Foi uma época de plena paz política interna, na qual D. Pedro II reinou pessoalmente sem nenhuma contestação interna ao regime monárquico. 02) Esse período foi denominado regencial porque, com a abdicação de D. Pedro I, em 1831, o Brasil passou a ser governado, até a maioridade de D. Pedro II, por interventores portugueses indicados pela Inglaterra, chamados de Regentes do Trono. 04) A Regência foi uma maneira de a classe dirigente brasileira contornar o problema político criado com a abdicação de D. Pedro I, em 1831, e a impossibilidade de o herdeiro do trono, D. Pedro II, subir imediatamente ao trono devido ao fato de ser ainda uma criança. Na Regência, portanto, senadores e deputados indicavam os chamados regentes para administrarem o País no lugar de D. Pedro II, considerado sem idade suficiente para assumir o poder. 08) Na Regência, irromperam vários movimentos de rebeldia contra o governo central, como a Sabinada, na Bahia, a Balaiada, no Maranhão, e a Guerra dos Farrapos, no Rio Grande do Sul. Esta última rebelião foi a mais longa ( ) e a que mais fortemente agitou a bandeira do separatismo provincial em relação ao governo central. 16) A medida mais importante e polêmica tomada pela primeira Regência, a Trina Provisória, foi a decretação do fim da escravidão, em 1832, medida essa que teve de ser revogada em 1834 devido à insatisfação dos proprietários rurais. 6

6 Entre as décadas de trinta e quarenta do século XIX, o jovem Império brasileiro enfrentou uma série de insurreições e revoltas, em diferentes regiões do país. A respeito da época em que ocorreram e sobre tais revoltas, assinale a(s) 01) A Revolta dos Malês, ocorrida em Salvador-BA, reuniu um grande número de negros e mulatos, livres e escravos, em sua maioria muçulmanos, que lutavam, entre outros motivos, pelo fim da escravidão. 02) A Guerra dos Emboabas, ocorrida na cidade de São Paulo, foi motivada pela luta contra os portugueses que não aceitavam a Independência do Brasil e pretendiam a imediata reincorporação dos territórios brasileiros ao Reino de Portugal. 04) Na Guerra dos Farrapos, no Rio Grande do Sul, os farroupilhas lideraram grupos sociais descontentes com a centralização política do Império e contrários ao que consideravam descaso do governo Imperial com a Província, e proclamaram a República Riograndense. 08) A maior revolta popular desse período foi o chamado golpe da maioridade, que, ao legitimar a ascensão de D. Pedro ao trono, pôs fim a todas as revoltas que ocorriam nas províncias. 16) Concomitantemente a essas revoltas, ocorreram revoluções liberais na França, na Alemanha e na Itália; e a Inglaterra aboliu a escravidão em suas colônias. positivista no Estado republicano brasileiro está na própria bandeira nacional, que contém os dizeres "Ordem e Progresso". 16) Com a República, institui-se a separação entre Estado e Igreja, no Brasil. No Brasil, o regime republicano foi instituído em 1889, através de um golpe de Estado liderado pelo Marechal Deodoro da Fonseca. A respeito desse acontecimento político, assinale a(s) 01) A Proclamação da República criou, de imediato, uma ampla rede de proteção social para os negros libertos, concedendo a eles vários direitos trabalhistas, tais como: direito de greve, salário mínimo, registro em Carteira de Trabalho, aposentadoria após 30 anos de trabalho etc. 02) O advento do regime republicano no Brasil foi uma decorrência dos descontentamentos de segmentos da classe média (letrados e militares) e dos fazendeiros escravistas, estes últimos prejudicados e ressentidos com a abolição da escravidão pela Princesa Isabel, em maio de ) A Revolta de Canudos, liderada por Antônio Conselheiro na década de 1890, foi um dos primeiros movimentos de rebeldia antirrepublicana enfrentados pelo recémcriado Estado republicano brasileiro. 08) O movimento republicano brasileiro foi fortemente influenciado pela doutrina positivista de Augusto Comte, que defendia reformas políticas e sociais sem ataques violentos à ordem social. A prova da influência 7

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº:

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº: Exerc íciosde Revisão Aluno(a): Nº: Disciplina:HistóriadoBrasil Prof(a).:Cidney Data: deagostode2009 2ªSériedoEnsinoMédio Turma: Unidade:Nilópolis 01. QuerPortugallivreser, EmferrosqueroBrasil; promoveaguerracivil,

Leia mais

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2 1º ano O absolutismo e o Estado Moderno Capítulo 12: Todos os itens A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10:

Leia mais

Total aulas previstas

Total aulas previstas ESCOLA BÁSICA 2/3 DE MARTIM DE FREITAS Planificação Anual de História do 7º Ano Ano Lectivo 2011/2012 LISTAGEM DE CONTEÚDOS TURMA Tema 1.º Período Unidade Aulas Previas -tas INTRODUÇÃO À HISTÓRIA: DA ORIGEM

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos.

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. HISTÓRIA 8º ANO A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. Por volta do século XIII, o rei João sem terras estabeleceu novos

Leia mais

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan João Paulo I O NORDESTE COLONIAL Professor Felipe Klovan A ECONOMIA AÇUCAREIRA Prof. Felipe Klovan Portugal já possuía experiência no plantio da cana-de-açúcar nas Ilhas Atlânticas. Portugal possuía banqueiros

Leia mais

Agrupamento de Escolas Agualva-Mira Sintra Planificação anual 2013/2014

Agrupamento de Escolas Agualva-Mira Sintra Planificação anual 2013/2014 Agrupamento de Escolas Agualva-Mira Sintra Planificação anual 2013/2014 Departamento Curricular de Ciências Sociais e Humanas Disciplina de História Ano:8º Temas Conteúdos Conceitos E : Expansão e Mudança

Leia mais

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727)

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727) A Revolução Inglesa A Revolução inglesa foi um momento significativo na história do capitalismo, na medida em que, ela contribuiu para abrir definitivamente o caminho para a superação dos resquícios feudais,

Leia mais

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA INDEPENDÊNCIA DO Colonização: espanhola até 1697, posteriormente francesa. Produção açucareira. Maioria da população:

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 8º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ HISTÓRIA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ HISTÓRIA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA HISTÓRIA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA EIXOS TEMÁTICOS: I. MUNDOS DO TRABALHO COMPETÊNCIA HABILIDADES CONTEÚDO -Compreender as relações de trabalho no mundo antigo, nas sociedades pré-colombianas e no mundo medieval.

Leia mais

História do Brasil Colônia

História do Brasil Colônia História do Brasil Colônia Aula VII Objetivo: a expansão e a consolidação da colonização portuguesa na América. A) A economia política da colônia portuguesa. Em O tempo Saquarema, o historiador Ilmar R.

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. Revolução Agrícola Capítulo 1: Item 5 Egito - política, economia, sociedade e cultura - antigo império

1º ano. 1º Bimestre. Revolução Agrícola Capítulo 1: Item 5 Egito - política, economia, sociedade e cultura - antigo império Introdução aos estudos de História - fontes históricas - periodização Pré-história - geral - Brasil As Civilizações da Antiguidade 1º ano Introdução Capítulo 1: Todos os itens Capítulo 2: Todos os itens

Leia mais

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes Africana: África como berço da humanidade Capítulo 1: Item 1 Européia Capítulo 1: Item 2 Asiática Capítulo 1: Item 2 Americana Capítulo 1: Item 3 Arqueologia Brasileira Capítulo 1: Item 4 A paisagem e

Leia mais

Economia e Sociedade Açucareira. Alan

Economia e Sociedade Açucareira. Alan Economia e Sociedade Açucareira Alan Características coloniais gerais Colônia de exploração Existência de Pacto Colonial Monopólio Economia de exportação de produtos tropicais Natureza predatória extrativista,

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes A independência foi o processo político e militar que afetou todas as regiões situadas entre os vicereinados da Nova Espanha e do Rio da

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

O Brasil holandês http://www.youtube.com/watch?v=lnvwtxkch7q Imagem: Autor Desconhecido / http://educacao.uol.com.br/biografias/domingos-fernandescalabar.jhtm DOMINGOS CALABAR Domingos Fernandes

Leia mais

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL Portugal: crises e dependências -Portugal: acordos comerciais com a Inglaterra; -Exportação de produtos brasileiros; -Tratado de Methuen: redução fiscal para os

Leia mais

A Revolução Puritana

A Revolução Puritana A Revolução Puritana O que foi a Revolução Puritana A Revolução Puritana, ocorrida na Inglaterra entre 1641 e 1649, originou pela primeira vez a constituição de uma República (1649-1658) em solo inglês.

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 3ª. Disciplina:História(p1,2º. Bimestre ) Data da prova: 30/04/2014

Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 3ª. Disciplina:História(p1,2º. Bimestre ) Data da prova: 30/04/2014 Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 3ª. Disciplina:História(p1,2º. Bimestre ) Data da prova: 30/04/2014 01. (Fatec-SP) Não

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo

A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo Parlamento Inglês -Rainha Elizabeth I (1558-1603) maior exemplo de poder absoluto na Inglaterra daquele tempo; - Maquiavélica; - Enquanto

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Índice Clique sobre tema desejado: A origem dos Estados Nacionais Contexto Histórico: crise feudal (séc. XIV-XVI) Idade Média Idade Moderna transição Sociedade

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

1º ano CULTURA, DIVERSIDADE E SER HUMANO TRABALHO, CONSUMO E LUTAS POR DIREITOS

1º ano CULTURA, DIVERSIDADE E SER HUMANO TRABALHO, CONSUMO E LUTAS POR DIREITOS 1º ano Estudo da História Estudo da História O Brasil antes dos portugueses América antes de Colombo Povos indígenas do Brasil A colonização portuguesa A colonização europeia na América Latina Introdução:

Leia mais

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência Século XVIII e XIX Crise do mercantilismo e do Estado Absolutista Hegemonia de

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

o declínio do poder dos senhores feudais e as monarquias nacionais... 14

o declínio do poder dos senhores feudais e as monarquias nacionais... 14 SuMÁRIo UNIDADE I O ADVENTO DO MUNDO MODERNO: POLÍTICA E CULTURA... 12 Capítulo 1 o declínio do poder dos senhores feudais e as monarquias nacionais... 14 A fragmentação do poder na sociedade feudal...

Leia mais

IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA (SÉC. XI XV)

IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA (SÉC. XI XV) 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS: Decadência do feudalismo. Estruturação do modo de produção capitalista. Transformações básicas: auto-suficiência para economia de mercado; novo grupo social: burguesia; formação

Leia mais

03. O que foi o Bloqueio Continental? 04. Qual o interesse de Napoleão Bonaparte em estabelecer esse Bloqueio?

03. O que foi o Bloqueio Continental? 04. Qual o interesse de Napoleão Bonaparte em estabelecer esse Bloqueio? Pré Universitário Uni-Anhanguera Lista de Exercícios Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 2ª. Disciplina: História (p2,1ª,chamada, 3º. Bimestre) prova dia 26 setembro de 2015.

Leia mais

Quadro de conteúdos HISTÓRIA

Quadro de conteúdos HISTÓRIA Quadro de conteúdos HISTÓRIA 1 Apresentamos, a seguir, o conteúdo a ser trabalhado em cada período do segundo ciclo do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano. 6 o ano 1 A História e a humanidade 2 Sociedades

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM.

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. PLANO DE TRABALHO DOCENTE - 2012 Professora: Ana Claudia Martins Ribas Disciplina: História - 8º ano -Fundamental 1º BIMESTRE Conteúdos Básicos: -Povos, Movimentos e

Leia mais

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras O descobrimento de novas terras e riquezas (o pau-brasil) estimulou a cobiça de várias nações européias que iniciavam as suas aventuras

Leia mais

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista A era dos impérios A expansão colonial capitalista O século XIX se destacou pela criação de uma economia global única, caracterizado pelo predomínio do mundo industrializado sobre uma vasta região do planeta.

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Distribuição dos tempos letivos disponíveis para o 5 º ano de escolaridade 1º Período 2º Período 3º Período *Início:15-21 de setembro 2015 *Fim:17 dezembro 2015 *Início:4

Leia mais

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo.

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo. HISTÓRIA 37 Associe as civilizações da Antigüidade Oriental, listadas na Coluna A, às características políticas que as identificam, indicadas na Coluna B. 1 2 3 4 COLUNA A Mesopotâmica Fenícia Egípcia

Leia mais

A Organização da Aula

A Organização da Aula Curso: Ciências Sociais Prof. Ms: Edson Fasano Sociedade Capitalista: Revoluções Inglesas. A Organização da Aula 1º Bloco: A Inglaterra do século XVI; 2º Bloco: - A Revolução Puritana e Gloriosa; 3º Bloco:

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA Fase 1 Novembro 2008 INTRODUÇÃO Na prova de História de 2009 foi possível concretizar vários dos objetivos do programa do Vestibular.

Leia mais

Invasões Holandesas. 1630 uma armada holandesa ocupou Olinda e o Recife.

Invasões Holandesas. 1630 uma armada holandesa ocupou Olinda e o Recife. Invasões Holandesas A dependência holandesa do açúcar brasileiro era enorme; Entre 1625 e 1630 a Holanda dedicou-se aos ataques de corsários, no litoral brasileiro e região do Caribe, chegando a ocupar

Leia mais

Expansão do território brasileiro

Expansão do território brasileiro Expansão do território brasileiro O território brasileiro é resultado de diferentes movimentos expansionistas que ocorreram no Período Colonial, Imperial e Republicano. Esse processo ocorreu através de

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: Independência dos Estados Unidos

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: Independência dos Estados Unidos Conteúdo: Independência dos Estados Unidos Habilidades: Compreender o processo de independência Norte Americana dentro do contexto das ideias iluministas. Yankee Doodle 1 Causas Altos impostos cobrados

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ HISTÓRIA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ HISTÓRIA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA HISTÓRIA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA EIXOS TEMÁTICOS HABILIDADES/ COMPETÊNCIAS TEMAS/ CONTEÚDO - Compreender a diversidade do trabalho em sociedades que se baseiam nas relações sociais compulsórias e nas de

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640)

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) Portugal e Brasil no século XVII Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) O domínio espanhol. Em 1580, o rei de Portugal, D. Henrique, morreu sem deixar herdeiros ( fim da dinastia de Avis) surgiram disputas

Leia mais

Os pontos principais e a resolução das questões formam um roteiro a ser seguido.

Os pontos principais e a resolução das questões formam um roteiro a ser seguido. Orientação de Estudos Os pontos principais e a resolução das questões formam um roteiro a ser seguido. Porém, a leitura do livro texto é indispensável para compreensão e fixação do conteúdo. 3EM - Antiguidade

Leia mais

Estes são os conteúdos e sugestões de atividades para os estudos de recuperação semestral.

Estes são os conteúdos e sugestões de atividades para os estudos de recuperação semestral. Nome: Nº: Ano: 8º Ensino Fundamental Disciplina: História Data: / / Prof: Teonila L. S. Maia Nota: Roteiro de Recuperação 2ª etapa Caro aluno, Estes são os conteúdos e sugestões de atividades para os estudos

Leia mais

7. Bibliografias... 10

7. Bibliografias... 10 1. Introdução... 03 2. Surgimento da Economia Açucareira... 04 3. Desenvolvimento da Economia Açucareira... 05 4. Desarticulação da Economia Açucareira... 07 5. Encerramento da Economia Açucareira... 08

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

Cidade e desigualdades socioespaciais.

Cidade e desigualdades socioespaciais. Centro de Educação Integrada 3º ANO GEOGRAFIA DO BRASIL A Produção do Espaço Geográfico no Brasil nas economias colonial e primário exportadora. Brasil: O Espaço Industrial e impactos ambientais. O espaço

Leia mais

América Colonial Portuguesa (sécs. XVI-XVIII)

América Colonial Portuguesa (sécs. XVI-XVIII) América Colonial Portuguesa (sécs. XVI-XVIII) 1) Período Pré-Colonial Trinta anos sem projeto de colonização (1500-1530) Interesses voltados para o comércio com o Oriente Desapontamento quanto às potenciais

Leia mais

Cite e analise UMA SEMELHANÇA e UMA DIFERENÇA entre a religião muçulmana e a religião cristã durante a Idade Média.

Cite e analise UMA SEMELHANÇA e UMA DIFERENÇA entre a religião muçulmana e a religião cristã durante a Idade Média. Questão 1: Leia o trecho abaixo a responda ao que se pede. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE Quando Maomé fixou residência em Yatrib, teve início uma fase decisiva na vida do profeta, em seu empenho

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano

Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano 1. CARACTERÍSTICAS GERAIS DO PERÍODO COLONIAL Colônia de exploração (fornecimento de gêneros inexistentes na Europa). Monocultura.

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA http://plataformabrioli.xpg.uol.com.br/historiaresumo/2ano/epopeialusitana.pdf http://blog.msmacom.com.br/familia-real-portuguesa-quem-e-quem-na-monarquia/

Leia mais

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza O MUNDO MEDIEVAL Prof a. Maria Fernanda Scelza Antecedentes Crises políticas no Império Romano desgaste; Colapso do sistema escravista; Problemas econômicos: aumento de impostos, inflação, descontentamento;

Leia mais

1. (Unicamp) Referindo-se à expansão marítima dos séculos XV e XVI, o poeta português Fernando Pessoa escreveu, em 1922, no poema Padrão :

1. (Unicamp) Referindo-se à expansão marítima dos séculos XV e XVI, o poeta português Fernando Pessoa escreveu, em 1922, no poema Padrão : Vai Ter Específica 1. (Unicamp) Referindo-se à expansão marítima dos séculos XV e XVI, o poeta português Fernando Pessoa escreveu, em 1922, no poema Padrão : E ao imenso e possível oceano Ensinam estas

Leia mais

Exercícios de Economia Açucareira, União Ibérica e O Brasil Holandês

Exercícios de Economia Açucareira, União Ibérica e O Brasil Holandês Exercícios de Economia Açucareira, União Ibérica e O Brasil Holandês 1. (Enem) O açúcar e suas técnicas de produção foram levados à Europa pelos árabes no século VIII, durante a Idade Média, mas foi principalmente

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DE AMORA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DE AMORA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DE AMORA Ano Letivo 2014/2015 I - AVALIAÇÃO: Escola Secundária com 3º Ciclo do Ensino Básico de Amora 1. Domínios de avaliação, parâmetros e ponderações I Domínio dos Conhecimentos

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA SURGIMENTO DO MUNDO MODERNO

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA SURGIMENTO DO MUNDO MODERNO EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA SURGIMENTO DO MUNDO MODERNO 01) O Estado moderno, que representou o fim das concepções políticas medievais, encontrou vários teóricos. Entre eles merecem destaque Maquiavel,

Leia mais

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) PORTUGAL -Atinge as Índias contornando

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO 1 CONTEXTO HISTÓRICO Crescimento econômico da Inglaterra no século XVIII: industrialização processo de colonização ficou fora. Ingleses se instalaram

Leia mais

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer CAUSAS: Acirramento da concorrência comercial entre as potências coloniais; Crise das lavouras de cana; Estagnação da economia portuguesa na segunda metade do século XVII; Necessidade de encontrar metais

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Análise de informação do manual. Filmes educativos

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Análise de informação do manual. Filmes educativos ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES 3º C.E.B. DISCIPLINA: História ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS INSTRUMENTOS DE

Leia mais

Introdução ao conceito de História/Tempos históricos/fonte Histórica/Periodização da História

Introdução ao conceito de História/Tempos históricos/fonte Histórica/Periodização da História Guará, 12/12/2014. Planejamento de conteúdos para o ano 2015 Professor: Otto Terra Disciplina: História 1º Ano Ens. Médio Fevereiro (02/02 a 06/02) Introdução ao conceito de História/Tempos históricos/fonte

Leia mais

REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA. Professor: Eduardo C. Ferreira

REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA. Professor: Eduardo C. Ferreira REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA Professor: Eduardo C. Ferreira REFORMA PROTESTANTE MOVIMENTO DE CONTESTAÇÃO AOS DOGMAS DA IGREJA CATÓLICA, APÓS SÉCULOS DE FORTE PODER INFLUÊNCIA NA EUROPA.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA código 171608 Escola Básica D. Domingos Jardo MANUAL ADOPTADO: HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - HGP AUTORES: ANA OLIVEIRA/ FRANCISCO CANTANHEDE/ MARÍLIA GAGO

Leia mais

HISTÓRIA - 6º AO 9º ANO

HISTÓRIA - 6º AO 9º ANO A FORMAÇÃO DO CURRÍCULO DA REDE O solicitou-nos uma base para colocar em discussão com os professores de história da rede de São Roque. O ponto de partida foi a grade curricular formulada em 2008 pelos

Leia mais

Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final. A Revolução Francesa (14/07/1789)

Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final. A Revolução Francesa (14/07/1789) Profª.: Lygia Mânica Costa 7ª série do E. Fundamental Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final A Revolução Francesa (14/07/1789) A situação social era grave e o nível de insatisfação

Leia mais

MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA PROF. ROSE MARY OLIVEIRA LIMA 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL

MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA PROF. ROSE MARY OLIVEIRA LIMA 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA PROF. ROSE MARY OLIVEIRA LIMA 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL OS VÁRIOS PROCESSOS DE EXPANSÃO DA COLONIZAÇÃO PORTUGUESA. EXTENSÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO O Brasil é o 5º maior

Leia mais

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O sistema feudal entra em crise com o advento das cidades e a expansão do comércio, somados a outros fatores. 1) Necessidade de moedas, crescimento das cidades

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

A COLONIZAÇÃO DO BRASIL

A COLONIZAÇÃO DO BRASIL A COLONIZAÇÃO DO BRASIL OS FUNDAMENTOS DO COLONIALISMO PORTUGUÊS O processo de ocupação e formação do Império Colonial Lusitano baseou-se dentro da ótica mercantilista. Essa forma de organização ficou

Leia mais

Lista de Exercícios História MODERNA Profº. Bruno Nichel 06/05/2013

Lista de Exercícios História MODERNA Profº. Bruno Nichel 06/05/2013 Lista de Exercícios História MODERNA Profº. Bruno Nichel 06/05/2013 1. O Renascimento, amplo movimento artístico, literário e científico, expandiu-se da Península Itálica por quase toda a Europa, provocando

Leia mais

Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial

Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial Franceses, Ingleses e Holandeses Prof. Alan Carlos Ghedini O princípio: competição nos mares Portugal e Espanha chegaram primeiro à corrida das Grandes

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL 1ºREINADO/REGÊNCIAS/2º REINADO

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL 1ºREINADO/REGÊNCIAS/2º REINADO EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL 1ºREINADO/REGÊNCIAS/2º REINADO 01) Para muitos brasileiros que vivenciaram o período regencial (1831-1840), aquele foi um tempo de impasses, mudanças

Leia mais

Superioridade ibérica nos mares

Superioridade ibérica nos mares 2.ª metade do século XVI Superioridade ibérica nos mares PORTUGAL Entre 1580 e 1620 ESPANHA Império Português do oriente entra em crise devido a Escassez de gentes e capitais Grande extensão dos domínios

Leia mais

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Conteúdos Ano Lectivo Período Lectivo Tema A-A península Ibérica: dos primeiros povos à formação

Leia mais

HISTÓRIA. SEGUNDA SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Profº Msc. Givaldo Santos de Jesus REVOLUÇÕES INGLESAS DO SÉCULO XVII

HISTÓRIA. SEGUNDA SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Profº Msc. Givaldo Santos de Jesus REVOLUÇÕES INGLESAS DO SÉCULO XVII HISTÓRIA SEGUNDA SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Profº Msc. Givaldo Santos de Jesus REVOLUÇÕES INGLESAS DO SÉCULO XVII 1 - A Inglaterra no Início do Século XVII 1 - A Inglaterra no Início do Século XVII - A Dinastia

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 1ª Etapa 2014 Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA Ano: 2º Turma: FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 8 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Elabore um texto utilizando as palavras do quadro. França Napoleão Bonaparte Egito 18 Brumário guerra Constituição 2. Sobre

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA EUROPA Expansão dos Ideais Iluministas Revolução Francesa Fim do Antigo regime Ascensão da Burguesia ao poder Revolução Industrial

Leia mais

1554 Fundação da Vila de São Paulo de Piratininga.De início pequena agricultura de substância.(via apresamento).

1554 Fundação da Vila de São Paulo de Piratininga.De início pequena agricultura de substância.(via apresamento). HB. Expansão territorial da colônia. Expansão territorial Bandeirantes. 1554 Fundação da Vila de São Paulo de Piratininga.De início pequena agricultura de substância.(via apresamento). Mão-de-obra indígena.

Leia mais

A COLONIZAÇÃO INGLESA NA AMÉRICA. O processo de formação dos EUA

A COLONIZAÇÃO INGLESA NA AMÉRICA. O processo de formação dos EUA A COLONIZAÇÃO INGLESA NA AMÉRICA O processo de formação dos EUA Inglaterra X Portugal e Espanha A incursão dos ingleses no processo de colonização do continente americano conta com determinadas particularidades

Leia mais

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL BASES COMUNS DO SISTEMA COLONIAL PACTO-COLONIAL Dominação Política Monopólio Comercial Sistema de Produção Escravista ESTRUTURA SOCIAL DAS COLONIAS ESPANHOLAS Chapetones

Leia mais

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A Europa no século XIX Napoleão realizou uma série de batalhas para a conquista de novos territórios para a França. O exército francês aumentou o número

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS - HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 6º ANO

PLANO DE ESTUDOS - HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 6º ANO PLANO DE ESTUDOS - HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 6º ANO O aluno, no final do 6º ano, deve ser capaz de: Conhecer e compreender as características do império português dos séculos XVII e XVIII Conhecer

Leia mais

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPEIA E CONQUISTA DA AMÉRICA Nos séculos XV e XVI, Portugal e Espanha tomaram a dianteira marítima e comercial europeia, figurando entre as grandes

Leia mais

AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP

AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP ABSOLUTISMO AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP. 268 A 274 CONTEÚDO EM SALA DE AULA SLIDES PORTAL ROTEIRO NO CADERNO A SOCIEDADE DO ANTIGO REGIME XV-XVIII

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ( Aprovados em Conselho Pedagógico de 15 outubro de 2013 ) No caso específico da disciplina de História e Geografia de Portugal, do 6ºano de escolaridade, a avaliação

Leia mais