CASA DE BADIA ANÁLISE ARQUITETÔNICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CASA DE BADIA ANÁLISE ARQUITETÔNICA"

Transcrição

1 CASA DE BADIA ANÁLISE ARQUITETÔNICA HISTÓRICO CONSTRUTIVO 1. APRESENTAÇÃO O presente documento compõe-se de uma pesquisa bibliográfica e iconográfica com o objetivo de elucidar o histórico construtivo da Casa de Badia. Badia, cujo nome verdadeiro era Maria de Lourdes Silva, nasceu em no bairro de São José e faleceu em Ainda recém-nascida teria ido morar com as tias Eugênia, Sinhá e Iaiá: as Tias do Terço, famosas na cidade pelas práticas religiosas africanas. Práticas estas que Badia tratou de dar continuidade e pelas quais tornou-se famosa, assim como também pelo seu envolvimento com o carnaval da cidade. Em 1985, a prefeitura do Recife homenageou Badia, ainda em vida, como a Primeira Dama do Carnaval do Pátio do Terço, dando ao carnaval deste ano o tema Carnaval Badia Na fachada de sua casa encontra-se uma placa registrando esta homenagem. Convém esclarecer que foram poucas as informações obtidas nas fontes pesquisadas, o que dificultou a elaboração deste trabalho. No entanto, com estas informações aliadas ao conhecimento específico da arquitetura e do urbanismo no Recife, foi possível compreender o histórico desta construção que abrigou, por muitas décadas, mulheres negras, notáveis na cidade, e sua cultura afrodescendente. O texto a seguir não pretende esgotar o tema, mas, sim, tentar ressaltar as características primitivas da edificação e respaldar o projeto de intervenção para criação do Centro Cultural Badia. 1 Não há registro oficial de seu nascimento. Esta data era declarada pela própria Badia. 1

2 2. CONTEXTO 2.1. LOCALIZAÇÃO A Casa de Badia compreende, atualmente, dois imóveis interligados pelo quintal: o primeiro na Rua Vidal de Negreiros, nº 143, e o outro na Rua do Forte, nº 46, no bairro de São José, Recife PE. Como monumentos históricos de destaque em seu entorno imediato estão a Igreja de Nossa Senhora do Terço e o Forte das Cinco Pontas, que abriga o Museu da cidade do Recife. Muitos textos consideram a casa como imóvel integrante do Pátio do Terço, devido ao fato do Pátio se confundir com a Rua Vidal de Negreiros, ou o contrário. E D B A N C F Figura 1 - Localização (Fonte: Google Earth. Acesso em 15/03/2010) Legenda A. Casa de Badia B. Rua Vidal de Negreiros C. Rua do Forte D. Igreja de Nossa Senhora do Terço E. Pátio do Terço F. Forte das Cinco Pontas 2.2. ORIGEM DO SÍTIO Para compreender em que momento a Casa de Badia passou a existir, apesar dos documentos que comprovassem sua construção não terem sido encontrados, consideramos pertinente analisar a trajetória da ocupação urbana no bairro de São José através da cartografia antiga e dos mapas do Atlas Histórico Cartográfico do Recife, organizado por José Luiz da Mota Menezes, em que mapas do Recife de diversas épocas são sobrepostos ao mapa da cidade elaborado por Douglas Fox em 1906/1907. Os Bairros de São José e Santo Antônio, juntos, chamavam-se Ilha de Antônio Vaz e atualmente preservam uma das formações urbanas mais antigas da cidade, apesar das intervenções ao longo dos anos, o que é facilmente constatado na cartografia. Até as primeiras décadas do século XVII, a Ilha de Antônio Vaz era muito pouco ocupada e mantinha principalmente atividades rurais. Além do convento Franciscano, havia ali apenas alguns armazéns e residências modestas e esparsas, em geral de pescadores e comerciantes. Durante a invasão holandesa (1630 a 1654), o convento foi ocupado e em sua volta recebeu a construção do Forte Ernesto, centro do poder holandês em Pernambuco. 2

3 B A C D Figura 2 - Recife, 1631 Planta da Ilha de Antônio Vaz, do Recife e do Continente no Porto de Pernambuco,... (Fonte: Atlas Histórico Cartográfico do Recife). Legenda A. Atual Bairro de São José B. Forte das Cinco Pontas C. Atual Bairro de Santo Antônio D. Bairro do Recife Nos primeiros anos do domínio holandês, era perigoso viver na ilha devido às constantes emboscadas dos luso-brasileiros. Com a construção e consolidação dos Fortes Ernesto e das Cinco Pontas (ambos em 1630) e de paliçadas e redutos, a população pôde se estabelecer e crescer na ilha. A escolha de Antônio Vaz como sede se deu pela sua posição estratégica de cruzamento de fogo para se defender das emboscadas, pela sua constituição geológica, e também pela existência em grande quantidade de água potável, cuja única fonte conhecida no Recife era as Cacimbas de Ambrósio Machado 2. A abundância de água salobra na cidade obrigava a população a quase sempre buscar água potável em Olinda. O forte das cinco Pontas garantia a defesa destas Cacimbas para os holandeses, além de também guarnecer a entrada do porto. Na figura 3, percebe-se que em 1631 o local onde hoje é a Casa de Badia (em vermelho), era um pequeno trecho de terra, possivelmente alagável, não apenas devido ao fosso do forte, mas também às cheias do rio. Neste período, a igreja de Nossa Senhora do Terço ainda não existia. A localização do forte das Cinco Pontas, bem como sua forma e proporção, tal como foi construído pelos holandeses, no mapa de 1631, não coincide com a fortificação atual reconstruída pelos portugueses. Esta disparidade foi ressaltada no Atlas Histórico Cartográfico do Recife 3, que considerou a possibilidade de um estudo específico posterior para comprovação do verdadeiro local. 2 (ALBUQUERQUE e LUCENA, Arraial Novo do Bom Jesus - Consolidando um processo, iniciando um futuro 1997) 3 Para compreensão da sobreposição dos mapas no Atlas Histórico Cartográfico do Recife: Cinza escuro representa terra firme, e laranja área construída. Em cinza claro, o mapa de Douglas Fox de 1906/1907, com a indicação das ruas, quadras e construções. 3

4 N A B C Figura 3 Sobreposição do mapa de 1631 (A. Drewisch) com o mapa de 1906/1907 (Douglas Fox) - (Fonte: Atlas Histórico Cartográfico do Recife). Legenda A. Casa de Badia (ainda não construída) B. Igreja de N.S. do Terço (ainda não construída) C. Forte das Cinco Pontas Com a chegada de Maurício de Nassau, em 1637, o Recife recebeu sua primeira grande obra de urbanização que se concentrou no porto e na Ilha de Antônio Vaz (A cidade Maurícia), através de aterros, drenagens, construção de vias, canais, diques, jardins, palácios (Friburgo e Boa Vista), uma ponte (1642) ligando a ilha ao istmo, hoje chamada de Maurício de Nassau. No ano de 1648, como encontra-se registrado no mapa da figura 4, percebe-se o centro urbano formado, o Palácio de Friburgo, novas ruas traçadas, pequenas baterias espalhadas no rio Capibaribe, canais de drenagem e a existência de um fosso que interligava o Forte das Cinco Pontas ao Forte Ernesto. Nas proximidades do atual Pátio do Terço passavam as trincheiras e paliçadas que guarneciam o grande fosso de interligação entre os fortes. Nesta região também houve drenagem dos trechos alagados. N A D E Figura 4 - Sobreposição do mapa de 1648 (C.B. Golijath) com o mapa de 1906/1907 (Douglas Fox) - (Fonte: Atlas Histórico Cartográfico do Recife). F B C Legenda A. Forte das Cinco Pontas B. Forte Ernesto C. Palácio de Friburgo D. Fosso E. Canal de drenagem F. Centro urbano 4

5 N A B D C Figura 5 Detalhe da figura anterior Legenda A. Casa de Badia (ainda não construída) B. Igreja de N.S. do Terço (ainda não construída) C. Forte das Cinco Pontas D. Fosso Diferentemente do que ocorreu com o Bairro do Recife, após a retomada dos portugueses, a Ilha de Antônio Vaz não foi tratada urbanisticamente de forma ordenada e contínua. As próprias guerras de reconquista arrasaram o local, mas nos séculos subseqüentes, a Ilha prosseguiu seu crescimento urbano e passou a se chamar Freguesia do Santíssimo Sacramento de Santo Antônio. A reocupação ocorreu desmontando todo o sistema fortificado holandês, fechando os antigos canais e encobrindo os jardins públicos e palacianos. Quase todas as edificações erguidas no domínio holandês foram demolidas, incluindo os Palácios de Friburgo e da Boa Vista. Um novo sistema defensivo foi projetado e uma grande ocupação urbana já tinha tomado o lugar, seguindo os padrões portugueses, com ruas estreitas e pátios diante das igrejas. As poucas casas que restaram do período holandês haviam sido remodeladas à maneira lusitana e as novas construções obedeciam também a este padrão. Como se pode notar nas pinturas de Frans Post, as casas holandesas, em geral, possuíam telhado em duas águas com a cumeeira perpendicular à fachada frontal e platibanda escalonada. Era comum encontrar na volumetria e nas fachadas a prática da simetria. Tais características são constatadas nas figuras 6 e 7. Figura 6 - Vista da Cidade Maurícia e do Recife em Frans Post. 5

6 Figura 7 - Detalhe da figura anterior. Após a expulsão dos holandeses, o atual Pátio do Terço ficou conhecido como "a estrada da cidade, para quem viesse do lado do continente" 4. Nas adjacências dessa estrada, até as primeiras décadas do século XVIII, existiu um nicho com a imagem de Nossa Senhora na Rua dos Copiares, atual Cristóvão Colombo, onde os transeuntes e viajantes costumavam se ajoelhar e rezar um terço à Virgem. Este hábito deu importância ao lugar e nele foi construída a Igreja de Nossa Senhora do Terço. A existência desta igreja pode ser notada no mapa de 1739 (Figura 8), porém sabe-se que primitivamente não se apresentava com as feições que conhecemos. Era bem mais modesta, esteve arruinada devido à falta de recursos e à fragilidade de seus materiais construtivos; recebeu reformas, ampliação e remodelação ao longo do tempo. 5 A partir desta data, o Forte das Cinco Pontas é representado no local e na proporção atuais. A quadra onde hoje se encontra a Casa de Badia ainda não havia sido edificada, mas a ocupação urbana continuava crescendo. A B N C Legenda A. Casa de Badia (ainda não construída) B. Igreja de N.S. do Terço (ainda não construída) C. Forte das Cinco Pontas Figura 8 Sobreposição do mapa de 1739 (Velloso) com o mapa de 1906/1907 (Douglas Fox) - (Fonte: Atlas Histórico Cartográfico do Recife). 4 (VAINSENCHER, 2003) 5 Idem. 6

7 Durante as décadas seguintes, ainda no século XVIII, a ocupação urbana na ilha expandiu-se em direção às margens, ampliando o território com obras de aterramento. As diretrizes anteriores de ocupação foram mantidas e a expansão se deu apenas com a criação de novas quadras, definidas pelo prolongamento do arruamento pré-existente, mas também com a criação de novas ruas como a Vidal de Negreiros e a do Forte. No mapa de 1776 (Figura 9), dezenas de edificações encontravam-se construídas nas novas quadras e surge o primeiro registro da existência dos dois imóveis que atualmente compõem a Casa de Badia. É a partir daqui que inicia a história da construção onde Badia morou por muitos anos. N A B D C E Legenda A. Casa de Badia B. Rua Vidal de Negreiros C. Rua do Forte D. Igreja de N.S. do Terço E. Forte das Cinco Pontas Figura 9 Sobreposição de mapa anônimo de 1776 com o mapa de 1906/1907 (Douglas Fox) - (Fonte: Atlas Histórico Cartográfico do Recife). No século XVIII o bairro tem sua malha urbana adensada, consolidada, mais próxima do que é atualmente, com a ressalva de que suas maiores alterações deste período até os dias de hoje são de cunho arquitetônico. Excetuando a controversa abertura da Avenida Dantas Barreto na década de Por força da Lei Provincial nº 132, de 2 de maio de 1844, o bairro de São José foi desmembrado da Freguesia do Santíssimo Sacramento de Santo Antônio. Tornou-se um dos bairros mais importantes da cidade, onde se desenvolviam todas as atividades cotidianas. Entre os séculos XVIII e XIX foram erguidos no Bairro de São José edifícios notáveis como o Mercado de São José, a Basílica da Penha, a Igreja de Nossa Senhora do Terço, a Concatedral de São Pedro dos Clérigos, entre outros. A figura seguinte, embora seja do Bairro vizinho, Santo Antônio, ilustra a ambiência urbana no século XIX. 7

8 Figura 10 - Rua do Crespo, atual 1º de Março, no Bairro de Santo Antônio (Foto: Augusto Stahl. Acervo Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro). No século XX, o bairro era habitado por comerciantes, funcionários públicos, portuários e outros representantes da classe média do Recife. Porém, o local adquiriu fortemente a vocação mascate e, com o tempo, o número de residências diminuiu drasticamente. Nesta época, a visão geral do bairro era composta predominantemente por edificações com seus telhados em duas águas, com cumeeira paralela à fachada, e as torres das igrejas pontuando a paisagem. Praticamente não existem mais os quintais e as hortas que outrora fizeram parte da vida doméstica no local. Figura 11 - Vista do Bairro de São José no início do Século XX. (Foto: Manoel Tondella / Acervo FUNDAJ). 8

9 3. A CASA DE BADIA 3.1. CONTEXTUALIZAÇÃO ESTILÍSTICA Como foi visto no capítulo anterior, os dois imóveis que compõem a Casa de Badia, de nº 143 na Rua Vidal de Negreiros e de nº 46 na Rua do Forte, surgem na cartografia no século XVIII. Sendo assim, podem ter sofrido, no mínimo, duas das três reformulações estilísticas que vigoraram do período em que foram construídos até o início do século XX: a típica fachada do período colonial (século XVIII), o neoclassicismo (século XIX) e o ecletismo (século XX), sua feição atual. No Recife, os sobrados urbanos típicos do período colonial abrigavam funções comerciais no térreo e residenciais nos demais pavimentos. Eram geminados, esguios, com até cinco pavimentos, em lotes compridos, com quintais arborizados. Em alguns casos, em cada pavimento habitava uma família. Em outros, todo o sobrado era apenas residencial, para uma ou mais famílias. As casas térreas afastadas das zonas predominantemente comerciais eram comumente residenciais. Estas edificações possuíam telhado em duas águas, cumeeira paralela à fachada frontal e, sobre esta, o beiral em tríplice telha ou acimalhado. De modo geral, a nobreza das casas estava principalmente no uso de elementos mais duráveis na sua construção. Na fachada, a separação visual entre os imóveis se dava por pilastras e as esquinas eram arrematadas por cunhais, ambos geralmente em cantaria. Os vãos de portas e janelas tinham vergas retas ou em arco abatido emoldurados, também em cantaria, ou, nos casos mais simples, em argamassa. Nos pavimentos intermediários, e raramente nos últimos, era comum a existência de balcões suportados por cachorros de cantaria com guarda-corpo em ferro e mainel em madeira. As cimalhas, quando existiam, tinham suas modenaturas em cantaria ou em tijolos maciços rebocados. As esquadrias, todas em madeira, eram almofadadas ou de ficha, com ferragens robustas. Em alguns casos, havia grades de ferro como elemento de proteção. A figura 12 mostra a Rua do Bom Jesus em meados do século XIX, no Bairro do Recife, ainda ostentando as feições do século anterior, ilustrando bem o cenário urbano com os altos sobrados, nos fazendo crer na possibilidade de que os imóveis de Badia pudessem ter originalmente as características arquitetônicas descritas nos dois parágrafos anteriores. Figura 12 Rua da Cruz, atual Rua do Bom Jesus. Meados do século XIX. Autor desconhecido. (Fonte: 9

10 No início do século XIX, o Neoclassicismo, que teve origem no final do século XVIII, ganha força na Europa, retomando os ideais da cultura clássica em reação aos estilos barroco e rococó. Mas em contraposição ao Classicismo renascentista, propunha o uso e a adaptação dos princípios da era clássica à realidade moderna. Paris tornou-se referência cultural no ocidente e exerceu um fascínio sobressalente sobre a sociedade. Suas filosofias e modas estilísticas na arquitetura foram inspiração direta na classicização do Brasil, vindas com a Missão Artística Francesa (1816), tendo o arquiteto Grandjean de Montigny como maior expoente, o qual adaptou a estética neoclássica à realidade do clima tropical. Em termos práticos, as características marcantes da arquitetura neoclássica produzida no Recife foram os vãos em arco pleno, cornijas em cada pavimento, platibandas, frontões triangulares e pórticos colunados. Além disso, houve a introdução em larga escala do vidro nas esquadrias, melhorando as condições de iluminação natural. Em paralelo à incorporação do estilo neoclássico no Recife, surgiram as posturas e as leis municipais que buscavam o embelezamento e a salubridade na cidade, impondo normas de conduta e de construção. Em Recife, o Edital de 15 de novembro de 1830, publicado pela Câmara Municipal do Recife, estabeleceu regras para as edificações, definindo seus gabaritos, medidas de portas e janelas, proibindo beirais, obrigando a implantação de cornijas e platibandas com calha. Tais regras somavam-se às diretrizes discorridas nos tratados clássicos de arquitetura, em que as dimensões e proporções dos edifícios, e de suas partes, deveriam ser obtidas através de relações geométricas. Os tratados de arquitetura existiam desde a antiguidade e eram adaptados ou substituídos por novos tratados de acordo com o espírito intelectual e artístico de cada época. Os interiores não foram alvo dessas leis, permanecendo sem iluminação e ventilação diretas, como as alcovas e as caixas de escada, com exceção das salas que sempre se abriam para as fachadas. As construções preexistentes foram naturalmente reformuladas ao gosto parisiense, com seus vãos e volumetrias reproporcionados, incorporando os elementos do vocabulário neoclássico. Mas também tiveram de se adaptar aos ditames das novas leis urbanas, apesar de algumas edificações terem permanecido inalteradas, ao menos em termos estilísticos. A iconografia de períodos diferentes mostra que estas obras de repaginação arquitetônica não aconteceram de maneira simultânea em todos os imóveis, mas sim, gradativamente. Figura 13 - Pátio do Terço em (Fonte: Histórico do Processo de Tombamento da Casa de Badia). Notar os edifícios em estilo neoclássico. 10

11 Figura 14 - Configuração padrão dos sobrados. Gilberto Freye, no livro Sobrados e Mucambos, referiu-se às residências urbanas do Recife como construções espontâneas, fruto das mãos de seus proprietários: "as casas levantavam-se ao sabor dos próprios donos, cada qual 'arvorado em engenheiro'; cada proprietário traça o 'risco' de seu prédio". Ainda no mesmo livro, Freyre cita o viajante L. de Freycinet, o qual se referiu às escadas como verdadeiros quebra-costas por serem quase sempre mal-construídas. Apesar das obras de remodelação estilística na arquitetura dos sobrados, a paisagem urbana mantinhase homogênea, como ressaltou o engenheiro francês Louis Vauthier, em sua passagem pelo Recife: Em meio da extrema diversidade dessas habitações humanas, o viajante não descobrirá, entretanto, sinais de uma desigualdade fortemente marcada... Assim, quem viu uma casa brasileira, viu quase todas... É de uma monotonia desesperadora....o sobrado significa a aristocracia e a casa térrea a plebe.. As grandes transformações urbanas praticadas em Paris na segunda metade do século XIX, encabeçadas por Haussmann 6, em que os novos ideais de segurança, salubridade e urbanidade se sobrepuseram ao tecido urbano primitivo daquela cidade, tortuoso e insalubre, exerceram forte influência nos planos de modernização do Recife. 6 Georges-Eugène Haussmann, encarregado, a convite de Napoleão III, o Imperador da França, de modernizar Paris e transformá-la em uma capital mundial burguesa. 11

12 O novo plano urbanístico para a capital francesa dispunha de grandes artérias viárias (os chamados Boulevards), com vias geometrizadas, utilização de praças como confluência de avenidas, etc. Esse processo de intervenção foi traduzido em higienização ampla. O objetivo simbólico deste plano visava a monumentalidade com a exaltação dos ícones do poder. A perspectiva monumental dos eixos viários intencionava ressaltar os monumentos em detrimento da escala da moradia, da rua, do bairro. Desde o início do século XIX já existiam planos de reforma para o porto, mas só em 1907 um deles foi aprovado: o Plano de Esgotamento Sanitário do Recife, de autoria do engenheiro sanitarista Saturnino de Brito. Este novo projeto englobava não apenas a ampliação e melhoramento dos serviços portuários, mas também a reforma de parte da malha urbana e das edificações do bairro. A grande reforma, a exemplo do que aconteceu em paris, desconsiderou parte significativa do tecido do período colonial do Bairro do Recife, originado da progressiva expansão do arruamento espontâneo. Importantes edificações como a Matriz do Corpo Santo, possivelmente o primeiro templo religioso erguido na cidade, e os arcos que davam acesso ao bairro, remanescentes do século XVII, foram demolidos para dar lugar à nova malha urbana. As obras delineavam uma nova imagem para a cidade, reflexo da nova sociedade urbana e da economia em Pernambuco, diretamente influenciada por Paris, onde o Ecletismo foi o estilo arquitetônico que surgiu como resposta às ideologias urbanas, filosóficas e sociais. Os ideais estéticos do ecletismo pregavam, principalmente, a coexistência de elementos de estilos distintos e o rebuscamento na ornamentação das fachadas, relacionadas com estilos arquitetônicos antecedentes, de diversas épocas e lugares distintos. Extraía-se o que se considerava de melhor nas obras dos grandes mestres do passado, com uma abordagem de cunho mítico, ideológico, interpretativo e com liberdade criativa, em um mesmo edifício. As esquadrias ganharam mais requinte com suas vidraças e aderiram, em massa, à utilização de venezianas. As esquinas das edificações passaram a ser chanfradas, ou curvas, conferindo aos cruzamentos uma melhor comunicação visual entre as construções e favorecendo o fluxo de pessoas no comércio. Os edifícios mais suntuosos dispunham de cúpulas, muitas vezes meramente decorativas, arrematando as esquinas, coroando ambientes nobres ou sinalizando eixos de simetria. Figura 15 - Avenida Marquês de Olinda, Bairro do Recife. Postal datado de (Acervo FUNDAJ). 12

13 No Recife, algumas cobertas permaneceram da forma como haviam sido construídas nos séculos passados, outras foram adaptadas ou substituídas. As novas cobertas tiveram suas cumeeiras postas perpendicularmente à fachada frontal, em duas águas, ou tantas águas fossem necessárias, em conformidade com a lâmina da construção, a funcionalidade e a volumetria desejadas. A cumeeira ora tocava a platibanda, ora terminava em espigões, formando uma água com descida em direção à fachada (tacaniça). O mesmo aconteceu às construções térreas. Figura 16 - Edifício eclético na Rua do Imperador, Recife. (Foto: Pedro Valadares 2007). A liberdade na ornamentação coexistia com a liberdade na composição volumétrica, no ritmo das aberturas, nas platibandas recortadas, etc. Assim como nos estilos arquitetônicos que vigoraram nos séculos passados, o rebuscamento e a utilização de técnicas mais elaboradas nas casas ostentavam o nível social, a nobreza de seus moradores. As casas de pessoas mais simples, que aderiram ao ecletismo, gozavam de maior liberdade na aplicação deste estilo por terem sido erguidas, ou também planejadas, por seus proprietários, muitas vezes à revelia da tratadística. Figura 17 - Residência em estilo eclético na Rua da Santa Cruz, Bairro da Boa Vista, Recife. (Foto: Pedro Valadares ). 13

14 As normas de salubridade do início do século XX não interferiram apenas no meio urbano, mas também no interior dos imóveis com a inserção de banheiros, com ventilação e iluminação naturais, visando salubridade também no convívio da sociedade em sua intimidade. A malha urbana do Bairro de São José permaneceu praticamente imutável em meio ao fervor de crescimento e remodelação no Bairro do Recife no início do século XX, no que concerne à demolição e reformulação do traçado urbano, permanecendo assim até a década de 1970, quando sofreu a intervenção que arrasou parte de seu tecido do período colonial e demoliu a Igreja dos Martírios para dar lugar à Avenida Dantas Barreto. Sua ambiência urbana não dispôs da monumentalidade, nobreza e modernidade que fizeram do Bairro do Recife o símbolo da sociedade pernambucana em ascensão no início do século XX. O ecletismo fez-se presente no Bairro de São José, porém, de maneira simplificada, talvez devido à menor escala de suas edificações e ao menor poder aquisitivo de seus proprietários A CASA Discorrido o contexto, podemos compreender, ainda que teoricamente, como os dois imóveis que compõem a Casa de Badia chegaram aos nossos dias, tendo possivelmente sofrido as reestilizações de cada século. Os documentos mais antigos que descrevem as duas edificações, ainda que minimamente, são suas respectivas escrituras que comprovam a aquisição dos imóveis por parte de Tia Sinhá (Vivina Rodrigues Braga ) e Tia Iaiá (Emília Rodrigues Castro ), tias de Badia. Os trechos pertinentes são: Rua Vidal de negreiros, nº 143: (11 de outubro de 1922) Em tempo declarou o procurador do vendedor que a casa acima descripta tem uma porta e uma janella de frente, duas salas, tres quartos, cosinha e quintal murado. Rua Vidal de Negreiros nº 41 antigo e 143 moderno. Características do imóvel: Casa terrea edificada em solo próprio com a frente para o poente e fundo para o nascente. Escritura da casa da rua do forte: (9 de dezembro de 1926) Edificada em solo próprio, com uma porta e uma janella de frente, dividida em quartos e salas, quintal murado,... Rua do Forte nº 46, antigo 14, freguesia de São José, desta cidade. Características: Casa de pedra e cal edificada em solo próprio, com uma porta e uma janella de frente, dividida em salas e quartos e quintal murado. (não menciona a quantidade dos cômodos). Não foram encontrados documentos que comprovassem os materiais construtivos destes imóveis, nem quanto às suas exatas feições anteriores. Entretanto, as plantas do início do século XX, período das primeiras obras de saneamento no Recife, mostram que o imóvel 143 da Rua Vidal de Negreiros possuía acesso também para a rua do forte, por meio de um estreito corredor, certamente descoberto. A planta do corpo principal deste mesmo imóvel permanece com a mesma compartimentação até os dias de hoje, exceto a 14

15 construção anexa que sofreu reformas para melhorias e instalação do banheiro, durante as obras de saneamento já citadas. A ocupação do lote representada nestas plantas confere com o mapa de 1906/1907 de autoria de Douglas Fox, com a ressalva de que o mapa não possui a mesma precisão (Figura 18). A C D B Legenda A. Rua Vidal de Negreiros B. Rua do Forte C. Imóvel nº 143 D. Imóvel nº 46 Figura 18 - Trecho do mapa de 1906/1907 de autoria de Douglas Fox. (Acervo do Arquivo Público). A C D B Legenda A. Rua Vidal de Negreiros B. Rua do Forte C. Quintal D. Imóvel nº 46 Figura 19 - Planta Baixa (Acervo DPPC - Diretoria de Preservação do Patrimônio Cultural Prefeitura do Recife). Devemos salientar que a comparação do Levantamento Arquitetônico recente, de autoria da Lopes & Valadares Arquitetos Associados Ltda. (Figura 20), com a planta primitiva do imóvel nº 143, demonstra disparidade na esconsidade dos ambientes. Porém, é possível compreender a probabilidade de que o corredor de acesso à Rua do Forte pode ter sido integrado ao imóvel vizinho. Este raciocínio ganha força com o que diz a escritura do imóvel 46: com uma porta e uma janella de frente, certamente os dois vãos existentes. A Figura 20 Planta Baixa do Levantamento Arquitetônico realizado em agosto de 2009 pela Lopes & Valadares Arquitetos Associados Ltda. C D B Legenda A. Rua Vidal de Negreiros B. Rua do Forte C. Quintal D. Imóvel nº 46 Provável limite do lote primitivo 15

16 Segundo relato de Lúcia, filha adotiva de Badia, as duas fotos a seguir mostram festividades no quintal da casa 143, cuja porta ao fundo abriria para o corredor de acesso à Rua do Forte. Figura 21 - Uma das festas na casa de Badia. Sem data. Provavelmente nos anos (Autoria desconhecida. Acervo pessoal de Lúcia, filha de Badia). Figura 22 - Uma das festas na casa de Badia. Sem data. Provavelmente nos anos (Autoria desconhecida. Acervo pessoal de Lúcia, filha de Badia). As paredes das fachadas frontal e posterior (para o quintal) são mais espessas por terem função estrutural. Sobre elas, repousavam os frechais e suas calhas, ou beirais. As paredes laterais, dividindo os lotes, recebiam a carga das terças e da cumeeira. As paredes internas, por terem a função única de compartimentar, eram (e ainda são) mais esguias. O desenho primitivo do corte longitudinal da casa 143 ilustra, ainda que muito esquematicamente, a coberta do corpo principal da casa em duas águas, com a cumeeira paralela à fachada. Neste caso, a estrutura da coberta desenvolvia-se em terças, cumeeira e frechais, todas paralelas à fachada, características típicas das casas e sobrados dos períodos colonial e imperial. 16

17 Figura 23 Corte Longitudinal (Acervo DPPC - Diretoria de Preservação do Patrimônio Cultural Prefeitura do Recife). Atualmente, a sala encontra-se sem reboco nas paredes laterais, deixando expostos os tijolos maciços e a marcação da inclinação da coberta primitiva (Figura 24). Assim sendo, a localização da possível calha primitiva nos afirma que a porta e as janelas foram redimensionadas ou relocadas verticalmente para cima. Isto nos leva a crer também que o nível da rua e, por conseqüência, o gabarito das construções tenham sido elevados devido às obras de calçamento, possivelmente realizadas durante as obras de saneamento no início do século XX (Figura 25). Registro da coberta primitiva. Figura 24 - Parede da sala em seu estado atual. (Foto: Pedro Valadares 2009). Registro da coberta primitiva. Registro da calha primitiva. Figura 25 - Situação atual da sala. (Foto: Pedro Valadares 2009). 17

18 Constatando que o imóvel 143 foi adquirido pelas tias de Badia em 1922, e que a planta mais antiga encontrada desta casa data de 1923, com características do século XVIII/XIX, concluímos que as obras de reestilização que conferiram estilo eclético ao imóvel ocorreram sob a propriedade destas senhoras. Segundo a escritura do imóvel 143, no momento de sua aquisição pelas tias de Badia, a fachada dispunha de apenas uma porta e uma janela. Certamente, a casa passou a contar com mais uma janela durante as obras de ecletização da fachada. Complementando estas informações, uma planta e um corte longitudinal datados de 1924 (Figura 26), embora incompletos, apontam a execução de um banheiro e a reconfiguração da coberta, também em duas águas, mas com cumeeira perpendicular à fachada, apoiada sobre tesouras. Percebe-se, no corte longitudinal, a existência, ou intenção de execução, de forros acimalhados, certamente em estuque ou madeira. Além das reformas citadas, pode-se perceber que houve relocação, entaipamento e abertura de portas nos ambientes internos. O cômodo do meio, no corpo principal da casa, recebeu o nome de area", o que, segundo relato de Lúcia, filha adotiva de Badia, teria sido um local à céu aberto, como um jardim de inverno, destinado aos rituais da cultura afro. Segundo ortofotocarta dos anos 1970, de autoria da FIDEM, é possível constatar que as paredes deste ambiente projetavam-se acima da coberta, formando três pequenas platibandas. Infelizmente, estes elementos não são visíveis na ortofotocarta em meio digital, única versão disponibilizada por aquele órgão. Ainda na planta de 1924, percebe-se uma nova parede na sala (A), criando um corredor um pouco mais largo que o primitivo. A Figura 26 - Planta baixa e Corte longitudinal (Acervo DPPC - Diretoria de Preservação do Patrimônio Cultural Prefeitura do Recife). Desconsiderando a parede que criou um novo corredor (que não mais existe) e a total descaracterização da coberta atual, no que se refere ao madeiramento e suas bitolas, e ao telhamento, a compartimentação dos ambientes e seus vãos de porta permanecem os mesmos desde Quanto aos elementos e detalhes construtivos do interior, os únicos registros encontrados são fotos sem data mas possivelmente dos anos 1970 e 1980, que retratam reuniões e festas protagonizadas por Badia, onde é possível ver as esquadrias internas que ainda hoje existem, apesar de descaracterizadas. 18

19 Figura 27 - Uma das festas na casa de Badia. Sem data. Provavelmente nos anos (Autoria desconhecida. Acervo pessoal de Lúcia, filha de Badia). O piso da sala e da circulação é revestido com ladrilho hidráulico, embora de pouca qualidade artística, é também um elemento de importância histórica na residência, provavelmente assentado durante as obras de reforma protagonizadas pelas tias de Badia na década de Figura 28 - Ladrilho hidráulico na sala e na circulação. (Foto: Pedro Valadares 2009). 19

20 No que concerne à fachada, o registro iconográfico mais antigo encontrado trata-se de uma fotografia, sem data, mas possivelmente dos anos 1970, considerando a qualidade da imagem, em que seus elementos decorativos estão aparentemente íntegros. A comparação desta foto com a situação atual constata que, embora a fachada de hoje esteja praticamente imutável, apesar de pequenas perdas em alguns elementos da composição, suas esquadrias foram substituídas por outras de modelo ligeiramente diferente, mas mantendo as grades de ferro nas bandeiras. Figura 30 Fotografia sem data. Possivelmente dos anos (Autoria desconhecida. Acervo DPPC - Diretoria de Preservação do Patrimônio Cultural Prefeitura do Recife). Figura 29 - Fachada atual. (Foto: Pedro Valadares 2009). Figura 32 - Detalhe da Figura 29. Figura 31 - Detalhe da Figura 30. Notar as esquadrias e a descaracterização das cercaduras, com a retirada de seus frisos. 20

5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL

5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL 57 5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL O conjunto arquitetônico da residência de Antônio de Rezende Costa, que hoje abriga a Escola Estadual Enéas de Oliveira Guimarães foi pelos autores do presente

Leia mais

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE TENORIO, LUCIENE A. (1); CARVALHO, AMANDA B. (2); ZHAYRA, ADELAIDE C. (3) 1. LVF Empreendimentos LTDA.

Leia mais

ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS E URBANÍSTICAS

ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS E URBANÍSTICAS ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS E URBANÍSTICAS 01. Município: Uberlândia 02. Distrito: Sede 03. Designação: Estabelecimento de Uso Misto Comércio e Residência 04. Endereço: Rua Coronel Antônio Alves, nº 9.151

Leia mais

Intervenção em Bens Culturais. Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia

Intervenção em Bens Culturais. Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia Intervenção em Bens Culturais Edificados Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia O QUE É UM PROJETO DE INTERVENÇÃO NO PATRIMÔNIO EDIFICADO? Compreende-se por Projeto de Intervenção

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERLÂNDIA PREFEITO MUNICIPAL: ODELMO LEÃO SECRETÁRIA DE CULTURA: MÔNICA DEBS DINIZ

PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERLÂNDIA PREFEITO MUNICIPAL: ODELMO LEÃO SECRETÁRIA DE CULTURA: MÔNICA DEBS DINIZ Página 48 de 108 BENS IMÓVEIS IPAC Nº 4 / 2013 MUNICÍPIO: Uberlândia. DISTRITO: Sede. DESIGNAÇÃO: Comércio. ENDEREÇO: Rua Barão de Camargo, 614 - Bairro Fundinho. USO ATUAL: Comércio (bar). IMAGEM 01:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERLÂNDIA PREFEITO MUNICIPAL: ODELMO LEÃO SECRETÁRIA DE CULTURA: MÔNICA DEBS DINIZ

PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERLÂNDIA PREFEITO MUNICIPAL: ODELMO LEÃO SECRETÁRIA DE CULTURA: MÔNICA DEBS DINIZ Página 42 de 108 BENS IMÓVEIS IPAC Nº 3 / 2013 MUNICÍPIO: Uberlândia. DISTRITO: Sede. DESIGNAÇÃO: Residência. ENDEREÇO: Rua Vigário Dantas, 495 Bairro Fundinho Uberlândia MG. USO ATUAL: A casa se encontra

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA CASA VIZINHA

Leia mais

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno 3.3 O Largo do Carmo e seu entorno O Largo do Carmo, como ainda é conhecido o espaço público na frente das igrejas da Ordem Primeira e Terceira do Carmo, e ao lado do Teatro Vasques. Seu entorno conserva

Leia mais

IPHAE. II Caracterização da área de entorno do bem tombado : características urbanas.

IPHAE. II Caracterização da área de entorno do bem tombado : características urbanas. IPHAE SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO DO ESTADO Av. Borges de Medeiros, 1501, 21º andar- Porto Alegre-RS - Cep:90110-150 Fone/Fax: (051)3225.3176 e-mail: iphae@via-rs.net

Leia mais

Estrutura Arquitetônica. 3- Designação: ESCOLA MUNICIPAL AMÂNCIO BERNARDES

Estrutura Arquitetônica. 3- Designação: ESCOLA MUNICIPAL AMÂNCIO BERNARDES INVENTÁRIO DE PROTEÇÃO DO ACERVO CULTURAL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANTÔNIO DO MONTE Praça Getúlio Vargas, nº 18, Centro Tel.: (37) 3281-1131 CEP: 35560-000 Estação Cultura: Praça Benedito Valadares,

Leia mais

HISTÓRIA DO PRÉDIO DO MUSEU DA ESCOLA CATARINENSE

HISTÓRIA DO PRÉDIO DO MUSEU DA ESCOLA CATARINENSE HISTÓRIA DO PRÉDIO DO MUSEU DA ESCOLA CATARINENSE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC Reitor: Prof. Antonio Heronaldo de Souza Vice Reitor: Prof. Marcus Tomasi Coordenação do Museu da Escola

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL CESÁRIO COIMBRA

ESCOLA ESTADUAL CESÁRIO COIMBRA ESCOLA ESTADUAL CESÁRIO COIMBRA No dia dois de Dezembro de 1.910, foi assinado contrato entre a câmara municipal e o senhor Francisco Leonardo Cerávolo, para a construção do prédio do grupo escolar. Aos

Leia mais

DOS CRITÉRIOS PARA COLOCAÇÃO DE LETREIROS

DOS CRITÉRIOS PARA COLOCAÇÃO DE LETREIROS Ministério da Cultura IPHAN INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL Escritório Técnico II - São João del Rei Rua Hermíllo Alves n.º 52 Centro São João del-rei Minas Gerais CEP 36.307-328

Leia mais

369 UM MÉTODO SUBSIDIÁRIO EM PROJETOS DE RESTAURO DE EDIFÍCIOS HISTÓRICOS: ESTUDO DE TRAÇADOS REGULADORES EM CASOS PERNAMBUCANOS.

369 UM MÉTODO SUBSIDIÁRIO EM PROJETOS DE RESTAURO DE EDIFÍCIOS HISTÓRICOS: ESTUDO DE TRAÇADOS REGULADORES EM CASOS PERNAMBUCANOS. 369 UM MÉTODO SUBSIDIÁRIO EM PROJETOS DE RESTAURO DE EDIFÍCIOS HISTÓRICOS: ESTUDO DE TRAÇADOS REGULADORES EM CASOS PERNAMBUCANOS. Pedro Henrique Cabral Valadares Resumo O presente artigo intende demonstrar

Leia mais

Neoclássico. França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264

Neoclássico. França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264 Neoclássico França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264 Definição Neoclássico Movimento cultural dado no século

Leia mais

CASA DE CÂMARA E CADEIA Centro Cultural do Brejo da Madre de Deus

CASA DE CÂMARA E CADEIA Centro Cultural do Brejo da Madre de Deus CASA DE CÂMARA E CADEIA Centro Cultural do Brejo da Madre de Deus Projeto de Restauro e Adaptação para novo uso da Casa de Câmara e Cadeia do Brejo da Madre de Deus - PE. Pedro Valadares Arq. CREA 38471-D/PE

Leia mais

Teatro e Bar no Morro da Urca 1986

Teatro e Bar no Morro da Urca 1986 Anexo 1.12 Teatro e Bar no Morro da Urca 1986 1. EDIFÍCIO HISTÓRICO Endereço: Rio de Janeiro RJ, Brasil. Autoria: desconhecida. Data do Projeto: 1912. Data da Construção: 1913. Área do Terreno: não foram

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA A CASA HUBBE, PROJETADA POR MIES VAN DER ROHE, POSSUI

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA A CASA HUBBE, PROJETADA POR MIES VAN DER ROHE, POSSUI FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA ESQUADRIAS/PANOS

Leia mais

Instituto Estadual do Patrimônio Cultural Secretaria de Estado de Cultura -RJ Inventário de Identificação de Bens de Interesse Cultural

Instituto Estadual do Patrimônio Cultural Secretaria de Estado de Cultura -RJ Inventário de Identificação de Bens de Interesse Cultural Instituto Estadual do Patrimônio Cultural Secretaria de Estado de Cultura -RJ Inventário de Identificação de Bens de Interesse Cultural Denominação: Hospital Geral da Santa Casa da Misericórdia Localização:

Leia mais

Antropocentrismo (do grego anthropos, "humano"; e kentron, "centro") é uma concepção que considera que a humanidade deve permanecer no centro do

Antropocentrismo (do grego anthropos, humano; e kentron, centro) é uma concepção que considera que a humanidade deve permanecer no centro do ARTE GÓTICA A Arte Gótica se desenvolveu na Europa entre os séculos XII e XV e foi uma das mais importantes da Idade Média, junto com a Arte Românica. Ela teve grande influencia do forte Teocentrismo (O

Leia mais

FUNCIONAL TOPOGRAFIA SOLAR/ PRIMEIRA METADE DO TERRENO E O INFERIOR LOCADO MAIS A

FUNCIONAL TOPOGRAFIA SOLAR/ PRIMEIRA METADE DO TERRENO E O INFERIOR LOCADO MAIS A FUNCIONAL IMPLANTAÇÃO IDENTIFICAR COMO SE DÁ A OCUPAÇÃO DA PARCELA DO LOTE, A DISPOSIÇÃO DO(S) ACESSO(S) AO LOTE; COMO SE ORGANIZA O AGENCIAMENTO, UMA LEITURA DA RUA PARA O LOTE ACESSO SOCIAL ACESSO ÍNTIMO

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ANEXO II DO DECRETO N 80/2011 DE 02/05/2011 PARTE 01: OBRA NOVA OU AMPLIAÇÃO 1. Planta de situação

Leia mais

História da Arquitetura

História da Arquitetura História da Arquitetura Subdivisão da História da Arte - estudo da evolução histórica da arquitetura. Seus princípios Idéias Realizações História da arte Evolução das expressões artísticas, a constituição

Leia mais

Telma de Barros Correia 1

Telma de Barros Correia 1 dossiê ART DÉCO O art déco na arquitetura brasileira Telma de Barros Correia 1 1 Docente na Escola de Engenharia de São Carlos USP. 1. Art déco na arquitetura Nada marcou mais o cenário das cidades brasileiras

Leia mais

CASA DA CULTURA natural Pouso Alegre Minas Gerais

CASA DA CULTURA natural Pouso Alegre Minas Gerais CASA DA CULTURA Situado à Rua Tiradentes n.º 264, fazendo esquina com Rua Dr. Licurgo Leite, o casarão dos Leite, como era chamada a atual Casa da Cultura, foi construído aproximadamente no final da década

Leia mais

Igrejas paulistas: barroco e rococó

Igrejas paulistas: barroco e rococó Igrejas paulistas: barroco e rococó Vanessa Proença Título da obra: Igrejas paulistas: barroco e rococó. Autor: Percival Tirapeli 1 Um grande catálogo: é essa a impressão que o livro nos passa. A proposta

Leia mais

Locais a Visitar na Vila de Almodôvar

Locais a Visitar na Vila de Almodôvar Locais a Visitar na Vila de Almodôvar Igreja Matriz de Almodôvar A matriz é o monumento mais visitado do Concelho de Almodôvar e é dedicada a Santo Ildefonso, sendo que D. Dinis doou-a à Ordem de Santiago,

Leia mais

situação e ambiência códice AII - F01 - PF denominação Fazenda Todos os Santos localização Estrada Sacra Família do Tíngua, nº.

situação e ambiência códice AII - F01 - PF denominação Fazenda Todos os Santos localização Estrada Sacra Família do Tíngua, nº. Parceria: denominação Fazenda Todos os Santos códice AII - F01 - PF localização Estrada Sacra Família do Tíngua, nº. 300 Graminha município Engenheiro Paulo de Frontin época de construção século XIX estado

Leia mais

PARÂMETROS PARA COLOCAÇÃO DE ANÚNCIOS E TOLDOS NO CONJUNTO HISTÓRICO E PAISAGÍSTICO TOMBADO DE IGUAPE/SP

PARÂMETROS PARA COLOCAÇÃO DE ANÚNCIOS E TOLDOS NO CONJUNTO HISTÓRICO E PAISAGÍSTICO TOMBADO DE IGUAPE/SP PARÂMETROS PARA COLOCAÇÃO DE ANÚNCIOS E TOLDOS NO CONJUNTO HISTÓRICO E PAISAGÍSTICO TOMBADO DE IGUAPE/SP Iguape : Área tombada - Setores Setor Portuário Setor Morro da Espia Setor Núcleo Urbano O TOMBAMENTO

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA MURO CERCA

Leia mais

Inventário de Identificação de Bens Culturais Imóveis do Sistema Ferroviário

Inventário de Identificação de Bens Culturais Imóveis do Sistema Ferroviário Instituto Estadual do Patrimônio Cultural Secretaria de Estado de Cultura RJ Inventário de Identificação de Bens Culturais Imóveis do Sistema Ferroviário Denominação: Estação de Barão de Juparanã Localização:

Leia mais

Educação Patrimonial / Turismo Subprefeitura de Parelheiros

Educação Patrimonial / Turismo Subprefeitura de Parelheiros Educação Patrimonial / Turismo Subprefeitura de Parelheiros Bens preservados em destaque: A. Igreja e Cemitério de Parelheiros B. Igreja e Cemitério de Colônia C. Vila e Estação Ferroviária Evangelista

Leia mais

AS CIDADES ITALIANAS DA RENASCENÇA

AS CIDADES ITALIANAS DA RENASCENÇA AS CIDADES ITALIANAS DA RENASCENÇA O novo modelo de projeção estabelecido no início do século XV se aplica teoricamente a todo gênero de objetos, desde os artefatos menores à cidade e ao território. Mas

Leia mais

situação e ambiência denominação Fazenda Rio Novo códice AIV - F04 - PS localização Estrada da Palestina município Paraíba do Sul

situação e ambiência denominação Fazenda Rio Novo códice AIV - F04 - PS localização Estrada da Palestina município Paraíba do Sul Parceria: denominação Fazenda Rio Novo códice AIV - F04 - PS localização Estrada da Palestina município Paraíba do Sul época de construção séc. XIX detalhamento do estado de conservação no corpo da ficha

Leia mais

situação e ambiência denominação Fazenda Santana códice AIII - F15 - Val localização Rodovia RJ-151, 3º distrito, Santa Isabel do Rio Preto

situação e ambiência denominação Fazenda Santana códice AIII - F15 - Val localização Rodovia RJ-151, 3º distrito, Santa Isabel do Rio Preto Parceria: denominação Fazenda Santana códice AIII - F15 - Val localização Rodovia RJ-151, 3º distrito, Santa Isabel do Rio Preto município Valença época de construção séc. XIX detalhamento do estado de

Leia mais

situação e ambiência códice AII - F06 - Vass denominação Fazenda São Luiz da Boa Sorte localização Km 85 da Rodovia Lúcio Meira (BR 393)

situação e ambiência códice AII - F06 - Vass denominação Fazenda São Luiz da Boa Sorte localização Km 85 da Rodovia Lúcio Meira (BR 393) Parceria: denominação Fazenda São Luiz da Boa Sorte códice AII - F06 - Vass localização Km 85 da Rodovia Lúcio Meira (BR 393) município Barra do Piraí época de construção século XIX estado de conservação

Leia mais

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 26. Leia atentamente o texto abaixo. Os desenhos devem ser executados em papéis transparentes ou opacos, de resistência e durabilidade apropriadas. A escolha do tipo de papel

Leia mais

Rua. olhar texto Rodrigo Apolloni. arquitetura

Rua. olhar texto Rodrigo Apolloni. arquitetura arquitetura Rua do olhar texto Rodrigo Apolloni imagens Rafael dabul Descansar o olhar sobre certas fachadas, sobre certas casas, pode ser uma experiência reveladora em Curitiba. Uma cidade de mil arquiteturas,

Leia mais

ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS (acervo civil) ficha 11: Antigo Cine Teatro Helena

ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS (acervo civil) ficha 11: Antigo Cine Teatro Helena Página 70 de 141 ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS (acervo civil) ficha 11: Antigo Cine Teatro Helena Coroamento da fachada frontal Vista da fachada frontal Afastamento lateral esquerdo Inscrições do nome do antigo

Leia mais

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN)

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN) Logradouro: Rua Francisco Manoel, 10 1ª Categoria Terreno: 1400m² Observações: PMP: SIP3 INEPAC: Conjunto XI / 3 IPHAN: 1ª categoria, tipo V Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo Taxa de ocupação 30% - 30% 30%

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1 AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização por

Leia mais

DECRETO Nº 1627 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

DECRETO Nº 1627 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 DECRETO Nº 1627 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Dispõe sobre a atualização do artigo 1º, da Lei da Lei Complementar nº 241 de 24 de Fevereiro de 2015, onde trata da Tabela nº 05, Anexo II - Planta Genérica

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ OS OFÍCIOS DO RESTAURO

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ OS OFÍCIOS DO RESTAURO UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ OS OFÍCIOS DO RESTAURO O UNIVERSO DA RESTAURAÇÃO NO RIO DE JANEIRO O estado do Rio de Janeiro apresenta um enorme acervo de imóveis de valor cultural, histórico, artístico, arquitetônico

Leia mais

BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX

BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX Campus São Cristóvão II Coordenador pedagógico de disciplina: Shannon Botelho 8º ano. TURMA: NOME: nº BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX O barroco brasileiro desenvolve-se principalmente em Minas Gerais,

Leia mais

Parque do Engenho Central e Mirante 2002

Parque do Engenho Central e Mirante 2002 Anexo 1.34 Parque do Engenho Central e Mirante 2002 1. EDIFÍCIO HISTÓRICO Endereço: Rua Maurice Allain, 454, Vila Rezende, Piracicaba SP, Brasil. Autoria: desconhecida. Data do Projeto: final da década

Leia mais

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares Lei 1620/1997 - Secretaria de Urbanismo e Controle Urbano - www.urbanismo.niteroi.rj.gov.br 0 Lei

Leia mais

VISTA DE SALVADOR FINAL DO SÉCULO XIX

VISTA DE SALVADOR FINAL DO SÉCULO XIX VISTA DE SALVADOR FINAL DO SÉCULO XIX O terreno está inserido em área de Proteção Rigorosa, segundo Lei Municipal n 3289/83, em Área Tombada pelo Governo Federal, mediante processo n 1093-T, e no entorno

Leia mais

DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES

DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES Na representação dos projetos de edificações são utilizados os seguintes desenhos: _ Planta de situação _ Planta de localização

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Tipologia Construtiva. Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015.

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Tipologia Construtiva. Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015. PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Tipologia Construtiva Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015. TIPOLOGIA CONSTRUTIVA 1 SUB HABITAÇÃO 1.1- Sub-habitação Compostos

Leia mais

Museu da Inconfi dência

Museu da Inconfi dência c a s e Museu da Inconfi dência Por Claudia Sá Fotos: Gustavo Xavier Luz suave e pontual revela traçado colonial ANTIGA CASA DE CÂMARA E CADEIA DE VILA RICA, O casarão que abriga o Museu da Inconfidência,

Leia mais

DESENHO ARQUITETÔNICO CEPREVI 2012

DESENHO ARQUITETÔNICO CEPREVI 2012 DESENHO ARQUITETÔNICO CEPREVI 2012 OBJETIVO: Tornar o aluno apto a interpretação do desenho técnico e das simbologias utilizadas em projetos de segurança contra incêndio e pânico; Identificar e compreender

Leia mais

Vila do IAPI - Patrimônio Cultural da Cidade

Vila do IAPI - Patrimônio Cultural da Cidade Item Diretriz Tipologia 1. Reformas e Ampliações 1.1. Cosntruções Originais 1.1.1. Não será permitida a demolição da edificação original para construção de uma nova edificação ou para qualquer outro fim.

Leia mais

O Barroco no Brasil. Capitulo 11

O Barroco no Brasil. Capitulo 11 O Barroco no Brasil Capitulo 11 O Barroco no Brasil se desenvolveu do século XVIII ao início do século XIX, época em que na Europa esse estilo já havia sido abandonado. Um só Brasil, vários Barrocos O

Leia mais

Data de construção: 1955 Autor do Projeto: Nº da planta da CEDAE: 7108080/53 Tipologia: Edifício de apartamentos Arquitetura: Angélica Galetti

Data de construção: 1955 Autor do Projeto: Nº da planta da CEDAE: 7108080/53 Tipologia: Edifício de apartamentos Arquitetura: Angélica Galetti . Cidade do Rio de Janeiro EDIFICAÇÃO MULTIFAMILIAR N o de ARQUIVO folha nº 01 Estado do Imóvel A.R.: V Caracterização Conservação Proprietário: vários Uso Original: edifício de apartamentos Atual: edifício

Leia mais

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA 2CTDAMT08 PELOS ARRUAMENTOS E CASARIO DO CENTRO HISTÓRICO DE AREIA ESTUDO DE MORFOLOGIA URBANA Rafaela Mabel Guedes (1), Maria Berthilde de Moura Filha (3) Centro de Tecnologia/Departamento de Arquitetura/MONITORIA

Leia mais

DOSSIÊ DE TOMBAMENTO DA CASA DA FESTA DE JUCA SURDO

DOSSIÊ DE TOMBAMENTO DA CASA DA FESTA DE JUCA SURDO DOSSIÊ DE TOMBAMENTO DA CASA DA FESTA DE JUCA SURDO Porteirinha MG Março de 2002 INTRODUÇÃO O dossiê aqui apresentado quer ser, em primeiro lugar, um registro documental da história e das características

Leia mais

INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES

INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES Profª. Msc. Carolina Albuquerque de Moraes Prof. Dr. Luiz Fernando Loureiro Ribeiro São Paulo, Brasil

Leia mais

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA 2CTDAMT06.P METODOLOGIAS DE INVENTÁRIO PARA RESTAURO DE EDIFICAÇÕES DE VALOR PATRIMONIAL Carolina Marques Chaves (2) ; Maria Berthilde Moura Filha (3) Centro de Tecnologia/Departamento de Arquitetura e

Leia mais

Relatório da Visita da Comissão ao. Museu Nacional UFRJ. 5 de agosto de 2011

Relatório da Visita da Comissão ao. Museu Nacional UFRJ. 5 de agosto de 2011 Relatório da Visita da Comissão ao Museu Nacional UFRJ 5 de agosto de 2011 Bruno de Cerqueira Luiz da Motta Recepção Fomos recebidos de maneira extremamente cordial pela diretora do Museu Nacional, Profª.

Leia mais

neoclassicismo Arquitetura Pintura Escultura

neoclassicismo Arquitetura Pintura Escultura neoclassicismo Arquitetura Pintura Escultura A arquitectura neoclássica De acordo com os ideais iluministas, os arquitectos neoclássicos responderam às necessidades do seu tempo com originalidade e engenho,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MUZAMBINHO

CÂMARA MUNICIPAL DE MUZAMBINHO CÂMARA MUNICIPAL DE MUZAMBINHO Localizado à Rua Carlos Prado, esquina com a Rua Tiradentes encontra se o prédio da Câmara Municipal. Pertenceu inicialmente a Carlos Prado, farmacêutico / manipulador, que

Leia mais

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Ponta do Calabouço e adjacências: história, memória e patrimônio nos 450 anos da cidade do Rio de Janeiro CHAMADA PÚBLICA DE TRABALHOS A faixa de terra

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

Arquitetura: do repertório à prática

Arquitetura: do repertório à prática Arquitetura: do repertório à prática Arquiteto: - tecton, em grego, designava um artífice ligado à construção de objetos por junção de peças; - arqui, prefixo que indica superioridade. Arquitetura: Aurélio:

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.281

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.281 Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.281 Estabelece normas e procedimentos para recuperação, manutenção e valorização de edifícios, obras e monumentos tombados, sujeitos ao tombamento vizinho ou identificados

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo de Área

Leia mais

APLICAÇÃO DE SOFTWARE DE MODELAGEM PARA RESTAURAÇÃO DE BENS IN- TEGRADOS O CASO DA ESCADARIA DO ANTIGO HOTEL SETE DE SETEMBRO

APLICAÇÃO DE SOFTWARE DE MODELAGEM PARA RESTAURAÇÃO DE BENS IN- TEGRADOS O CASO DA ESCADARIA DO ANTIGO HOTEL SETE DE SETEMBRO Revista Brasileira de Arqueometria, Restauração e Conservação. Vol.1, No.4, pp. 210-214 Copyright 2007 AERPA Editora APLICAÇÃO DE SOFTWARE DE MODELAGEM PARA RESTAURAÇÃO DE BENS IN- TEGRADOS O CASO DA ESCADARIA

Leia mais

OBRAS DE RESTAURO E CONSERVAÇÃO DO ED. RAMOS DE AZEVEDO E ANEXO. - RELATÓRIO DE PROSPECÇÃO (ED. ANEXO)

OBRAS DE RESTAURO E CONSERVAÇÃO DO ED. RAMOS DE AZEVEDO E ANEXO. - RELATÓRIO DE PROSPECÇÃO (ED. ANEXO) OBRAS DE RESTAURO E CONSERVAÇÃO DO ED. RAMOS DE AZEVEDO E ANEXO. - RELATÓRIO DE PROSPECÇÃO (ED. ANEXO) Fichas de Prospecções No. 01 Ambiente: fachada do anexo Andar: térreo Data: Fevereiro de 2007 Elemento:

Leia mais

situação e ambiência códice AII-F01-Vass denominação Fazenda Visconde de Cananéia localização Rodovia Lucio Meira (BR-393) Estrada de Cananéia

situação e ambiência códice AII-F01-Vass denominação Fazenda Visconde de Cananéia localização Rodovia Lucio Meira (BR-393) Estrada de Cananéia Parceria: denominação Fazenda Visconde de Cananéia códice AII-F01-Vass localização Rodovia Lucio Meira (BR-393) Estrada de Cananéia município Vassouras época de construção século XIX estado de conservação

Leia mais

FICHA DE INVENTÁRIO 2.CARACTERIZAÇÃO

FICHA DE INVENTÁRIO 2.CARACTERIZAÇÃO FICHA DE INVENTÁRIO 1.IDENTIFICAÇÃO Designação- Imóvel Local/Endereço- Largo da Sé velha, nº4 a 8 Freguesia- Sé Nova Concelho- Coimbra Distrito- Coimbra 2.CARACTERIZAÇÃO Função Origem Habitação. Função

Leia mais

Ponta Grossa. Antigo edifício do Fórum

Ponta Grossa. Antigo edifício do Fórum 386 ESPIRAIS DO TEMPO Ponta Grossa Antigo edifício do Fórum Da inauguração do prédio em 1928, até 1982, ali funcionou o Fórum de Ponta Grossa. A partir de então passou a abrigar o Museu Histórico da Universidade

Leia mais

O MUSEU DO FORTE DAS CINCO PONTAS

O MUSEU DO FORTE DAS CINCO PONTAS O MUSEU DO FORTE DAS CINCO PONTAS Maria de Betânia Corrêa de Araújo Museu da Cidade do Recife betania_mcr@hotmail.com Apresentação (Imagem 01) A criação do Museu da Cidade e sua instalação no Forte das

Leia mais

INVENTÁRIO DO PATRIMÔNIO CULTURAL DE SANTA CATARINA GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA

INVENTÁRIO DO PATRIMÔNIO CULTURAL DE SANTA CATARINA GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA INVENTÁRIO DO PATRIMÔNIO CULTURAL DE SANTA CATARINA GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA FUNDAÇÃO CATARINENSE DE CULTURA Diretoria de Patrimônio Cultural 1. MUNICÍPIO: Agrolândia DENOMINAÇÃO: Casa de Hildegard

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA BAIRRO

Leia mais

I. P. R. inovação e pesquisa para o restauro

I. P. R. inovação e pesquisa para o restauro I. P. R. inovação e pesquisa para o restauro MUSEU DA IMIGRAÇÃO Santa Bárbara d Oeste - SP Proposta de Intervenção Emergencial I. P. R. inovação e pesquisa para o restauro 2 16 MUSEU DA IMIGRAÇÃO Santa

Leia mais

6.2 ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS (acervo civil) ficha 04: Antiga Fábrica da CICA

6.2 ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS (acervo civil) ficha 04: Antiga Fábrica da CICA Página 38 de 141 6.2 ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS (acervo civil) ficha 04: Antiga Fábrica da CICA Fachada frontal da Fábrica da CICA Vista lateral esquerda da Fábrica da CICA Vista dos fundos da Fábrica da

Leia mais

Resgate da Memória ANO 2, Nº 4. ABR.2015

Resgate da Memória ANO 2, Nº 4. ABR.2015 116 A história de uma cidade pode ser contada de diversas maneiras: por meio de livros, vídeos, sons e a partir de histórias passadas de gerações em gerações. Nesta seção, a Revista buscou uma maneira

Leia mais

Chama-se vulgarmente de telhado qualquer tipo de cobertura em uma edificação. Porém, o telhado, rigorosamente, é apenas uma categoria de cobertura,

Chama-se vulgarmente de telhado qualquer tipo de cobertura em uma edificação. Porém, o telhado, rigorosamente, é apenas uma categoria de cobertura, Infinite Cursos. Chama-se vulgarmente de telhado qualquer tipo de cobertura em uma edificação. Porém, o telhado, rigorosamente, é apenas uma categoria de cobertura, em geral caracterizado por possuir um

Leia mais

Etapas do Projeto de Arquitetura. Normas técnicas. Desenhos componentes do Projeto de Arquitetura. Folhas de desenho

Etapas do Projeto de Arquitetura. Normas técnicas. Desenhos componentes do Projeto de Arquitetura. Folhas de desenho Etapas do Projeto de Arquitetura Normas técnicas Desenhos componentes do Projeto de Arquitetura Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - FAU Departamento de Projeto,

Leia mais

Ficha 02 1. Município: Delfim Moreira. 8. Uso atual: Culto religioso.

Ficha 02 1. Município: Delfim Moreira. 8. Uso atual: Culto religioso. Página 25 de 128 Ficha 02 1. Município: Delfim Moreira. 3. Designação: Capela São Lázaro. 5. Propriedade: Privada eclesiástica - Paróquia de Delfim Moreira. 7. Situação de ocupação: Próprio. 9. Proteção

Leia mais

ESCALA 1/750 PLANTA BAIXA - SUBSOLO ESCALA 1/750 PISCINA CORTE AA ESCALA 1/400 SOLARIUM PISCINA VARANDA JARDIM SALA DE ESTAR CORTE BB

ESCALA 1/750 PLANTA BAIXA - SUBSOLO ESCALA 1/750 PISCINA CORTE AA ESCALA 1/400 SOLARIUM PISCINA VARANDA JARDIM SALA DE ESTAR CORTE BB LAVANDERIA DEPENDÊNCIA DE GARAGEM GUARITA CASA DE MÁQUINAS HALL DE ENTRADA DEPÓSITO FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR -

Leia mais

ficha 08: Edificação à estrada Barra/Mogiano km 4,5.

ficha 08: Edificação à estrada Barra/Mogiano km 4,5. Página 62 de 121 ficha 08: Edificação à estrada Barra/Mogiano km 4,5. Vista geral da fachada da edificação. Lateral direita da edificação. Fachada posterior da edificação. 1. Município: Delfim Moreira.

Leia mais

ESTUDO DE FACHADAS AV. PRESIDENTE VARGAS 62, CENTRO

ESTUDO DE FACHADAS AV. PRESIDENTE VARGAS 62, CENTRO ESTUDO DE FACHADAS AV. PRESIDENTE VARGAS 62, CENTRO ESTUDO DE FACHADAS AV. PRESIDENTE VARGAS 62, CENTRO Índice INTRODUÇÃO 5 1. LOCALIZAÇÃO 7 2. CONTEXTO URBANO 8 3. CONTEXTO ARQUITETÔNICO 16 4. PROPOSTA

Leia mais

D E C R E T A: Art. 1 - Ficam estabelecidas os procedimentos e valores relativos ao PROGRAMA HABITAR MAMBORÊ de que trata a Lei Municipal 58/2013.

D E C R E T A: Art. 1 - Ficam estabelecidas os procedimentos e valores relativos ao PROGRAMA HABITAR MAMBORÊ de que trata a Lei Municipal 58/2013. DECRETO MUNICIPAL Nº. 05/2014 SUMULA: Regulamenta a doação de material de construção e o fornecimento de mão-de-obra a famílias carentes de natureza habitacional na forma do PROGRAMA HABITAR MAMBORÊ disposto

Leia mais

SMALL HOUSE. Sejima e Nishizawa 1999-2000

SMALL HOUSE. Sejima e Nishizawa 1999-2000 SMALL HOUSE 1999-2000 Sejima e Nishizawa Andressa Rodrigues Melo 11411ARQ028 Ariane Xavier Duarte 11411ARQ023 Guilherme Duarte Cunha 11411ARQ001 Larissa Costa Silva 11411ARQ026 Kazuyo Sejima e Ruye Nishizawa

Leia mais

ARTE PRÉ-COLOMBIANA: nas artes, a arquitetura e a escultura foram dominantes. A pintura e o desenho foram relativamente apagados.

ARTE PRÉ-COLOMBIANA: nas artes, a arquitetura e a escultura foram dominantes. A pintura e o desenho foram relativamente apagados. ARTE PRÉ-COLOMBIANA: nas artes, a arquitetura e a escultura foram dominantes. A pintura e o desenho foram relativamente apagados. Três principais civilizações: Maias; Astecas; Incas. Civilização Maia:

Leia mais

Orçamento Projeto de Arquitetura

Orçamento Projeto de Arquitetura São Paulo, 19 de Outubro de 2012 Orçamento Projeto de Arquitetura Cliente Empreendimento De Alphaville Urbanismo S.A. Av. Nações Unidas, 8501, 9º Andar São Paulo, SP Alphaville Bauru Arq. Márton Gyuricza

Leia mais

3.4 Patrimônio histórico e cultural O Pólo Costa do Delta conta com 18 bens tombados, sendo 17 em Teresina e 1 em Parnaíba. Destes, a totalidade é

3.4 Patrimônio histórico e cultural O Pólo Costa do Delta conta com 18 bens tombados, sendo 17 em Teresina e 1 em Parnaíba. Destes, a totalidade é 3.4 Patrimônio histórico e cultural O Pólo Costa do Delta conta com 18 bens tombados, sendo 17 em Teresina e 1 em Parnaíba. Destes, a totalidade é tombada em nível estadual, apenas um bem é tombado pela

Leia mais

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 )

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) Este regulamento sem prejuízo das Restrições Convencionais, tem como objetivo

Leia mais

DAS ARTES. 1º semestre / 2012. Aula 4. Prof. a M. a Marcela Provinciatto Siscão. masiscao@hotmail.com

DAS ARTES. 1º semestre / 2012. Aula 4. Prof. a M. a Marcela Provinciatto Siscão. masiscao@hotmail.com ESTÉTICA TICA E HISTÓRIA DAS ARTES 1º semestre / 2012 Aula 4 Prof. a M. a Marcela Provinciatto Siscão masiscao@hotmail.com 1 ANTIGUIDADE OCIDENTAL ARTE ANTIGA: ROMANA 2 Roma Antiga Extensão máxima território

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural.

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural. Alvenaria Estrutural Introdução CONCEITO ESTRUTURAL BÁSICO Tensões de compressão Alternativas para execução de vãos Peças em madeira ou pedra Arcos Arco simples Arco contraventado ASPECTOS HISTÓRICOS Sistema

Leia mais

PORTARIA IPHAN Nº 231, DE 13 DE JULHO DE 2007 DOU 19.07.2007

PORTARIA IPHAN Nº 231, DE 13 DE JULHO DE 2007 DOU 19.07.2007 PORTARIA IPHAN Nº 231, DE 13 DE JULHO DE 2007 DOU 19.07.2007 Define os critérios para controle de intervenções sobre o conjunto Histórico, Arquitetônico e Paisagístico do Pátio Ferroviário da Estrada de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DA OBRA (Versão resumida)

MEMORIAL DESCRITIVO DA OBRA (Versão resumida) MEMORIAL DESCRITIVO DA OBRA (Versão resumida) TAMANHO E DEPENDÊNCIAS DO IMÓVEL Definido com o Corretor de Imóveis da negociação em conjunto com nosso Escritório de Arquitetura parceiro: FRAN Arquitetura

Leia mais

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Secretaria Municipal de Urbanismo INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Lei de Uso e Ocupação do Solo: Introdução Estamos construindo uma cidade cada vez melhor A Lei

Leia mais

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS EXATAS E AMBIENTAIS CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS EXATAS E AMBIENTAIS CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS EXATAS E AMBIENTAIS CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Projeto Arquitetônico I 2015/01 Representação de projetos de arquitetura - NBR 6492 Arquitetura

Leia mais

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 221 ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Este informativo foi elaborado visando a padronização para a Apresentação de Projetos junto ao da Associação, para que a análise e a aprovação de projetos transcorram de forma mais rápida e eficiente.

Leia mais

1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino

1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino 1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino Contrapondo-se a Egípcia vida pósmortem. Arte grega fundamenta-se na inteligência Os governantes não eram deuses, mas seres mortais Usavam a razão e o senso de

Leia mais

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI:

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI: LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Lei do Sistema Viário do Município de Cafeara, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais