Revista Acta, Assis, v. 2, ISSN:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Revista Acta, Assis, v. 2, 2013. ISSN: 2237-1109 1"

Transcrição

1 POR UMA ANÁLISE HISTÓRICO-RELIGIOSA DA PRIMEIRA TRADUÇÃO DO NOVO TESTAMENTO EM LÍNGUA PORTUGUESA (AMSTERDAM, 1681) Luis Henrique Menezes FERNANDES 1 RESUMO: Intentaremos apresentar suscintamente os meandros relativos à tradução e publicação da primeira versão do Novo Testamento em língua portuguesa, impressa em Amsterdam no ano de Deixando em segundo plano os seus aspectos literários, focalizamos em nossa pesquisa os conflitos religiosos subjacentes ao seu processo de tradução, ocorrido nas Índias Orientais holandesas, ao longo da segunda metade do século XVII. Talvez não haja, em termos históricos, melhor forma de identificar o significado de determinados acontecimentos do que aprofundar-se no universo conflitivo relacionado ao seu processo de produção. O objetivo central de nossa proposta é, portanto, identificar as particularidades históricas desse conflito doutrinário, visando compreender o significado histórico-religioso da primeira versão completa dos escritos bíblicos neotestamentários em língua portuguesa. PALAVRAS-CHAVE: tradução da Bíblia; conflitos religiosos; João Ferreira de Almeida. Não há pensamento religioso (nem pensamento simplesmente), por mais puro e desinteressado que seja, que não seja colorido em sua massa pela atmosfera de uma época. (FEBVRE, 2009, p. 32). Na segunda metade do século XVII, foram publicadas, nos domínios holandeses orientais, algumas edições de um panfleto intitulado Differença d a Christandade. Esse livrinho, carregado de ataques ao papado romano, materializava-se como representação literária exemplar dos constantes embates doutrinários travados entre católicos e protestantes, desde o alvorecer da Idade Moderna, na Europa Ocidental e, posteriormente, nos seus domínios ultramarinos. Esse escrito polemista, publicado numa conjuntura de expansão do Império Holandês no Oriente graças às repetidas investidas perpetradas desde princípios do século XVII contra as possessões portuguesas, consistia num eloquente discurso apologético da Reforma protestante, elaborado em direta oposição à ortodoxia doutrinária católica, firmada e reafirmada no Concílio de Trento ( ). O fato, à primeira vista curioso, de haver sido publicado em língua portuguesa, apesar de impresso em território holandês no Oriente, se justifica, em primeiro lugar, pela importância global adquirida por esse idioma nas chamadas Índias Orientais, mesmo em um período em que Portugal perdia a primazia diante da abrupta ascensão dos holandeses (os quais, por vezes, obstinadamente, tentaram, sempre em vão, extinguir a língua portuguesa de seus domínios 1 Doutorando em História Social pela FFLCH-USP, pesquisador financiado pela FAPESP, Revista ISSN:

2 coloniais). Além disso, o panfleto apologético da Reforma fora traduzido, anotado e impresso sob os auspícios de um até então desconhecido calvinista português João Ferreira A. d'almeida ( ), ministro pregador da Igreja Reformada Holandesa da comunidade de língua portuguesa em Batávia, na ilha de Java. O seu nome, porém, permaneceria inexoravelmente associado ao pioneiro trabalho de tradução das Escrituras Sagradas do cristianismo para a língua portuguesa. João Ferreira de Almeida nasceu provavelmente no ano de 1628, em Torre de Tavares, pequeno vilarejo do Conselho de Mangualde, norte de Portugal. Não se sabe por qual motivo, emigrou para a Holanda entre 1641 e 1642, então com quatorze anos de idade, passando posteriormente aos domínios holandeses orientais. Converteu-se à religião cristã reformada neste período, quando em viagem de Batávia para Malaca (empório comercial estratégico no Oriente, conquistado pelos holandeses aos portugueses em 1641). Aí permaneceu até 1651, havendo desde então iniciado seus esforços para traduzir as Escrituras para a língua portuguesa. Durante os cinco anos posteriores, residiu em Batávia, trabalhando junto ao presbitério da Igreja Reformada Holandesa. Após desenvolver trabalhos de missionação no Ceilão e na Índia entre 1656 e 1663, retornou para Batávia, onde permaneceu até a sua morte, provavelmente no ano de Em 1681, viu o primeiro fruto do seu trabalho como tradutor das Escrituras sair à luz, com a publicação, em Amsterdam, do primeiro Novo Testamento completo em língua portuguesa, com o seguinte título: O Novo Testamento, isto he, todos os sacro sanctos livros e escritos evangelicos e apostolicos do novo concerto de nosso fiel Senhor Salvador e Redemptor Iesu Christo, agora traduzido em portugues pelo Padre Joaõ Ferreira A d'almeida. Quanto à sua tradução do Antigo Testamento, deixou o trabalho inacabado até os versículos finais das profecias de Ezequiel. A tradução dos demais livros do Velho Testamento foi finalizada em 1694 por outro ministro da Igreja Reformada Holandesa, companheiro de Almeida na comunidade de língua portuguesa de Batávia: o holandês Jacob op den Akker. Entretanto, a tradução completa do Velho Testamento foi publicada pela primeira vez somente em 1748 e 1753, em dois tomos, na imprensa tipográfica de Batávia, embora grande parte dessa tradução já tivesse sido impressa pela Missão Luterana Dinamarquesa de Tranquebar, na Índia. Diante dessas especificidades, focalizaremos neste texto apenas a questão da publicação do Novo Testamento, embora os conflitos religiosos subjacentes às traduções sejam os mesmos. Além disso, analisaremos neste artigo, por uma questão de espaço, apenas dois escritos polemistas referentes a esse contexto de tradução. A bibliografia existente sobre o surgimento da primeira tradução do Novo Testamento em língua portuguesa privilegia, de modo geral, a singular trajetória individual de seu principal Revista ISSN:

3 tradutor João Ferreira de Almeida, com ênfase nas dificuldades circunstanciais por ele encontradas na consumação desse trabalho. Os estudos existentes sobre o assunto podem ser, assim, organizados a partir de duas vertentes principais. Primeiramente, encontra-se a literatura de tendência confessional, que visa enaltecer o calvinista português por seu pioneirismo no trabalho de tradução e divulgação do texto bíblico em língua portuguesa. Dentre estes, destacam-se Guilherme Ferreira, Eduardo Moreira, Ian Swellengrebel e António Barata. Além destes, há também as pesquisas que procuram elencar sistematicamente as inúmeras edições da tradução bíblica de João Ferreira de Almeida, publicadas ao longo dos últimos quatro séculos. Neste caso, os principais autores são António Ribeiro dos Santos, Inocêncio Francisco da Silva, Cunha Rivara, Pedro de Azevedo e, mais recentemente, Herculano Alves. É possível perceber, todavia, que a bibliografia produzida especificamente sobre o conflituoso contexto de tradução do Novo Testamento em língua portuguesa carece de uma maior profundidade analítica e de uma mais densa problematização histórica. Essa defasagem historiográfica diante das ricas fontes primárias disponíveis decorre, primeiramente, do fato de não haver sido dada a devida ênfase à relação intrínseca existente entre o processo histórico de elaboração da primeira tradução da Bíblia em português e os conflitos doutrinários católicocalvinistas a ele subjacentes, manifestos abundantemente nos diversos escritos polemistas vinculados diretamente ao ambiente da tradução. Além desse aspecto evidente ou melhor, como decorrência dele, a historiografia acabou não analisando com a atenção necessária as diversas fontes relacionadas ao tema, todas indispensáveis ao seu satisfatório entendimento histórico. Supomos, em vista disso, que a formação da primeira tradução do Novo Testamento em língua portuguesa, em sua singularidade e importância histórica, não poderá ser satisfatoriamente compreendida se não forem analisados rigorosamente os diversos escritos apologéticos, catequéticos e polemistas relacionados diretamente ao contexto de sua elaboração (os quais, como vimos, permanecem apenas superficialmente explorados pela bibliografia especializada). Neste sentido, visando uma compreensão histórica aprofundada da tradução bíblica de João Ferreira de Almeida no Oriente seiscentista, torna-se indispensável proceder-se a uma análise minuciosa dos conflitos católico-calvinistas subjacentes ao processo de sua elaboração. A hipótese central de nossa investigação é a ideia de que o contexto espacial em que esses conflitos tomaram corpo (as então chamadas Índias Orientais ) incidiu sobre eles de forma expressiva, tornando-os singulares em termos doutrinários, literários e missiológicos. Em outras palavras, a proximidade geográfica desse choque doutrinal em relação à alteridade cultural do Oriente luso-holandês e suas circunvizinhanças (especialmente em relação aos Revista ISSN:

4 povos nativos da ilha de Java, de Ceilão, da Índia, da China e do Japão) parece ter levado os contendores religiosos europeus a compreendê-la após absorverem sub specie religionis as culturas locais, ou seja, interpretá-las de acordo com seu particular código ocidental de religião pelo prisma privilegiado do embate doutrinário no qual estavam de todo inseridos. Nessa conjuntura delicada, teriam sido produzidos não somente os escritos catequéticoapologéticos já delineados, mas também a própria tradução pioneira do Novo Testamento em língua portuguesa. Assim, não nos interessa exatamente analisar e descrever a alteridade cultural das Índias Orientais seiscentistas em si, conforme as indicações que, porventura, apareçam na documentação analisada. Estamos buscando, fundamentalmente, analisar de que forma essa alteridade cultural foi absorvida e instrumentalizada por católicos e calvinistas em suas disputas teológicas, para podermos identificar as singularidades dos produtos religiosos resultantes desse processo. Portanto, não nos interessa, neste caso, analisar o que aquelas culturas realmente eram para depois lamentarmos como teriam sido distorcidas pelas interpretações ocidentais, mas queremos, justamente, enfatizar no que elas se transformaram no interior do debate teológico católico-calvinista, tornando possível, assim, a identificação das particularidades desse conflito religioso específico das Índias luso-holandesas orientais. Além disso, devemos destacar que a questão das particularidades relativas ao embate religioso analisado é fruto espontâneo do caráter histórico que fundamenta nossa pesquisa. Em outras palavras, o domínio histórico é, em si mesmo, ciência das particularidades não por ser um apanhado de curiosidades sobre o passado, mas por focalizar inexoravelmente as transformações no tempo, decorrentes de certos contextos específicos, de tal sorte que o imutável, o uno, o eterno, etc., como apontamos acima, são objeto de reflexão, não do historiador enquanto tal, mas do filósofo, do teólogo ou do místico. Assim, uma análise, de fato, histórica desses conflitos religiosos só será tal na medida em que for, sobretudo, estudo de suas particularidades, e não apenas de sua homogeneidade em relação a outros contextos similares. A documentação relativa ao contexto de elaboração da primeira edição do Novo Testamento em língua portuguesa demonstra que este trabalho de tradução não se r esume a um esforço apenas literário de divulgação das Escrituras judaico-cristãs em língua vulgar, mas é parte integrante de toda uma postura religiosa, espiritual e missiológica, diante do mundo de sua época, destinada especialmente (mas não exclusivamente) à sociedade portuguesa católica do século XVII. Isso podemos apreender pela leitura do prefácio escrito pelo próprio João Ferreira de Almeida, em 1668, ao tratado Differença da Christandade, traduzido por ele em português a partir de uma versão original castelhana. Nesse prólogo, intitulado Ao discreto Revista ISSN:

5 leitor, Almeida dirige-se explicitamente a todos os senhores católicos romanos da nação portuguesa, de qualquer estado, qualidade e condição que sejam, com todos os demais que da língua portuguesa usam, e juntamente deveras desejam e procuram sua salvação. (ALMEIDA, 1684, p. 19). Nesse mesmo prefácio, podemos encontrar grande parte das informações sobre a passagem de João Ferreira de Almeida à Igreja Reformada Holandesa, em 1642, justamente a partir da leitura desse folheto em língua castelhana, cuja autoria tem gerado dúvidas e hipóteses entre os especialistas. O propósito de tradução desse livrinho em língua portuguesa seria possibilitar, segundo João Ferreira de Almeida, a conversão e salvação dos que outra nenhuma língua sabem, senão a portuguesa, enquanto não houvesse tradução das próprias Escrituras Sagradas nesse idioma. (p. 10). Assim, portanto, os esforços de Almeida na divulgação da doutrina da Igreja Reformada em língua portuguesa esforço este que engloba todo o seu trabalho de tradução das Escrituras se destina, não somente ao Reino de Portugal, mas também às populações de língua portuguesa que habitavam as Índias Orientais naquele período, especialmente os fiéis católicos romanos. Neste mesmo prefácio, o tradutor português apresenta sua indignação diante da situação de Portugal em relação a essa matéria: Que seja possível que não haja já hoje, em toda a nossa Europa, a mínima nação, que em sua própria língua tenha já impressa toda a Escritura Sagrada, e que só a portuguesa não tenha ainda, na sua, impresso nem um só evangelho? E só ela, entre tantas, careça de um tamanho, inefável, incompreensível e salutário bem! Que seja esta nação, em tudo o demais, uma das primeiras e principais, e no que, sobretudo, mais lhe importa, chegue a tanta miséria, que ela só venha a ser a última e ínfima! Que todas as outras deem entrada e abram os olhos a esta divina luz, e que só esta, tão pertinazmente, lhe resista e se lhe oponha! (ALMEIDA, 1684, p ). Em seguida, vemos João Ferreira de Almeida tratando do seu propósito pessoal de tradução da Bíblia em português trabalho por ele iniciado já em 1642, ano de sua conversão ao cristianismo reformado, contando com apenas quatorze anos de idade, dando-lhe todo o significado espiritual e sagrado, que desejamos enfatizar nesse momento: [Por enquanto], vos podeis servir e ajudar da versão castelhana [da Bíblia], uma das melhores que, até o presente, tenha saído à luz, [...] até que, mediante o divino favor, acabe de alimpar, e bem conferir com o texto original, uma tradução do Novo Testamento que, já vai por alguns anos, tenho preparada. E, o mais presto que puder, pretendo fazer sair à luz. Como também (dando-me Deus, nosso Senhor, vida, tempo e saúde), com todas minhas forças, ainda que bem poucas (que, enfim, quando os homens calam, faz Deus que as pedras falem), espero, em poucos anos, fazer o mesmo com o Velho, e dar-vos, assim, em breve, toda a Escritura Sagrada em vossa própria língua. Que é a maior dádiva, e o mais precioso tesouro, que nunca ninguém, que eu saiba, até o presente, vos tenha dado. (p ). Revista ISSN:

6 É possível, desde já, perceber que tentar reduzir a compreensão histórica do processo de formação dessa primeira tradução completa do Novo Testamento em língua portuguesa aos seus aspectos sociais, literários ou políticos, por exemplo, constituiria indevida simplificação da matéria, desviando o objeto analisado de seu aspecto central: os conflitos religiosos a ele subjacentes e, portanto, circunscritos ao domínio autônomo da perspectiva histórico-religiosa. Os fatos religiosos devem ser estudados historicamente com ênfase naquilo que trazem de peculiar às sociedades em que se constroem e nas quais se manifestam: sua sacralidade, construída, porém, historicamente. Em relação ao conteúdo da Differença d a Christandade, focalizamos nossa análise sobre as muitas notas que compõem o texto, por serem escritas pelo próprio João Ferreira de Almeida, sendo portadoras, portanto, de algumas particularidades provenientes de seu contexto específico de produção. O tom é, como em todos os seus escritos, de franco ataque às doutrinas católicas, reafirmadas veementemente, no século anterior, pelo Concílio Tridentino. Em relação às acusações de que os reformados seriam hereges, Almeida responde dizendo que por heresia, não entendem outra coisa, senão a verdadeira, divina e antiga doutrina católica e apostólica cristã de nossas igrejas reformadas, as quais, segundo ele, pela graça e misericórdia de Deus, nosso Senhor, já do papismo e do anticristianismo estão purgadas e purificadas. (p. 46). No entanto, o aspecto mais interessante dessas notas explicativas acrescentadas por João Ferreira de Almeida ao texto original castelhano, visando adaptar, ao que parece, s uas informações ao contexto específico português corresponde, para nossa proposta, às comparações estabelecidas entre a missa romana e as cerimônias gentílicas das Índias Orientais, especialmente chinesas e japonesas. Em dado momento de seu texto, o tradutor calvinista defende que quem for à China e ao Japão, pode bem coligir quão grande conveniência tenha a missa com as cerimônias e superstições ridículas e idolátricas daquelas partes, e de toda a demais gentilidade. (p. 111). Segundo sua visão, as cerimônias católicas devem ser consideradas não mais que uma pura gentilidade, e uma mera, abominável e gentílica idolatria. (Idem). Intentando comprovar tal afirmativa, refere-se ao relato de um fato histórico: Bem claro se viu naquele tão notório e abominável exemplo de Dom Vasco da Gama e seus companheiros, quando foram a descobrir a Índia. Pois, entrando em Calicute num pagode dos gentios, se ajoelharam e adoraram aos ídolos que nele estavam, cuidando que eram imagens a seu modo, ou, para melhor dizer, ídolos à romanesca. Tanta é a semelhança que entre uns e outros há, e tanta a conformidade entre as cerimônias e superstições gentílicas e as romanas. (p. 130). Revista ISSN:

7 Concluindo seu raciocínio, afirma que a mesma semelhança se acha também entre a uma e a outra idolatria, assim dos infiéis gentios, como dos cegos e pertinazes papistas; entre os ídolos dos uns e dos outros, e o modo e maneira de os adorar. Por fim, faz referência específica aos casos chinês e japonês, onde, segundo ele, a semelhança é tanta, que a muitos faz ficar atônitos. (p. 131). Parece elemento distintivo de seu discurso, também, a comparação estabelecida por João Ferreira de Almeida entre a missa católica e expressões como feitiçarias, encantamento e agouro. Em sua estrutura discursiva, as cerimônias católicas encontram-se, portanto, num degrau abaixo da religião, sendo identificadas às magias do paganismo. Em seus próprios termos, o clero católico romano acabou, ao longo dos séculos, por corromper e falsificar a sacrossanta e salutífera doutrina do Santo Evangelho, convertendo-a e mudando-a, assim, em puros e meros agouros, superstições, feitiçarias e encantamentos. (p ) A aparência exterior da missa lhe parece elaborada para entreter o povo em ignorância, superstição e idolatria, trazendo-o assim embebido, enguiçado e como que encantado e enfeitiçado com aquelas mostras de pompa exterior. (Idem). Há ainda, no fim da obra, um anexo bastante curioso, intitulado Corolário, onde se estabelece uma equiparação, em forma de verso, entre o Papa e Maomé (a quem chama Mafoma, conforme a grafia da época). (p. 199). De fato, os elementos do Islã são instrumentalizados diversas vezes nesse embate, por ambos os lados, para defenderem suas posições doutrinárias e atacarem seus opositores. Neste caso, não há referências ao autor do poema, que não podemos deixar de supor que seja o próprio João Ferreira, pelo seu conteúdo polemista. O trecho reza assim: Pergunta. Digam-me, pois, que diferença Há entre o Papa e Mafoma? Se, em Roma, em tanta eminência, Se entroniza assim Sodoma! Resposta. Não há nenhuma, e há muita. Mas parece contradiz? Não: espremei esta fruta; Sereis então bom juiz. Conclusão Provante. Nenhuma, pois alto prega Roma inteira tudo isto. Muita, pois Mafoma nega, E o Papa simula a Cristo. Revista ISSN:

8 Outro documento, relativo a esse contexto de embates doutrinários, fundamental para a compreensão histórico-religiosa do processo de surgimento da Bíblia em português, intitula-se Carta Apologetica em defenção da Religião Catholica Romana contra João Ferreira de Almeida, predicante da secta calvinista. Foi escrito por volta de 1670 pelo frade agostiniano Jerônimo de Siqueira, cujo nome verdadeiro era Antônio Dias. Trata-se do único texto apologético católico escrito explicitamente contra João Ferreira de Almeida. O único exemplar dessa Carta Apologética é um manuscrito e encontra-se no Arquivo Nacional da Torre do Tombo (ANTT). Foi através dessa fonte que se descobriu o local de nascimento de Almeida Torre de Tavares, no Concelho de Mangualde, norte de Portugal, até então desconhecido e geralmente citado como tendo nascido em Lisboa. Interessante notar, a partir da análise deste escrito, primeiramente, o fato de o seu autor parecer desconhecer a relação entre João Ferreira de Almeida e o seu propósito de tradução da Bíblia em língua portuguesa (até este momento, não havia sido publicado ainda a primeira edição do Novo Testamento, de 1681, e as versões portuguesas neotestamentárias de Almeida circulavam apenas em versões manuscritas, especialmente em Malaca, Ceilão e Batávia). O frade agostiniano se levanta, por um lado, contra o panfleto sobre a Differença d a Christandade e, por outro, mais especialmente, contra uma carta de João Ferreira de Almeida enviada a João Correia de Mesquita, fidalgo da Ordem de Cristo sobre um encontro conflitivo entre ambos, que teria ocorrido em Batávia, em meados da década de Nesse encontro, marcado por intensos debates teológicos, conforme podemos coligir desse e de outros documentos analisados, o centro da controvérsia entre ambos foi a seguinte questão: é possível ou não aos homens guardar perfeitamente os preceitos de Deus? A partir daí, a tônica do texto é uma tentativa de degradação, não apenas doutrinária, mas especialmente moral, do calvinista português e de seus correligionários. Segundo Siqueira, João Ferreira de Almeida traz em sua carta a fábula tão mal composta, autorizada com vinho, como se os portugueses se criassem em tavernas, como hereges fazem, sendo estas suas escolas. (SIQUEIRA, 1670, p. 42). Têm especial relevância, porém, para nossa análise, as comparações estabelecidas pelo agostiniano entre João Ferreira de Almeida e Maomé. No final de seu texto, Jerônimo de Siqueira estabelece um paralelo entre a biografia do profeta do Islã e a trajetória de Almeida, desde seu nascimento até a renegação da fé católica, em 1642 (daí ser o documento rico em informações biográficas sobre o tradutor português). Conforme os termos de Siqueira, convém essa comparação: Porque o vejo na vida mui semelhante a Mafoma. Porque, se Mafoma foi precursor do anticristo, João Ferreira foi o que seus passos seguiu muito ao claro. [...] Aquele, amigo leitor, foi Mafoma; este é João Ferreira. Aquele, Revista ISSN:

9 legislador da mais infame seita, e este, predicante da ne fanda religião calvinística. (p ). Essa equiparação entre Islã e Reforma é bastante recorrente na documentação católica contra as doutrinas do cristianismo reformado. Do mesmo modo, como já demonstramos, João Ferreira de Almeida também instrumentalizou componentes da religião islâmica em seu discurso, utilizando-os, por sua vez, contra o catolicismo romano. Por outro lado, Jerônimo de Siqueira estabelece também algumas relações entre as doutrinas reformadas e a chamada obstinação judaica. Já no início de sua carta, pondera que de hebreus a hereges, vai pouca diferença. (p. 5). Citando uma profecia do Antigo Testamento, escrita expressamente contra a Casa de Israel, Siqueira expressa que: não só dos hebreus entendo eu essa profecia, mas também o desatino da calvinística seita o profeta com ela chora, porque igreja mais dissoluta, a que Vossas Mercês chamam reformada, não mostra só [em] enganar a fé de Cristo sua malícia, mas também em blasfemarem dela mostram sua pouca vergonha. (Idem). Assim, segundo seus argumentos, o que se diz dos hebreus no Velho Testamento, no tocante a sua desobediência aos preceitos divinos, exatamente o mesmo se pode dizer dos da família calvinística, pois chamando a sua igreja reformada, são os mais ímpios na vida; na doutrina, os mais blasfemos; no político, os mais tiranos; e contra a divina lei, os mais cegos. (p. 6). Finalmente, Jerônimo de Siqueira acusa João Ferreira de Almeida, juntamente com toda a Igreja Reformada, de ateísmo, devido, primeiramente, ao apego dos calvinistas aos seus escritos catequéticos citando explicitamente o Catecismo de Heidelberg, bem como pelo não reconhecimento dos escritos deuterocanônicos do Velho Testamento. Assim, pudemos demonstrar, de maneira bastante breve, alguns meandros históricoreligiosos desse conflito doutrinário, subjacente à primeira tradução do Novo Testamento em língua portuguesa, identificando também, ainda que preliminarmente, não apenas o seu valor de homogeneidade/recorrência no âmbito da história das religiões, mas também, e acima de tudo, sua particularidade enquanto processo religioso singular, resultante de sua ocorrência em um contexto histórico e cultural particularizado. Amparados por parte da documentação selecionada, pudemos demonstrar, por um lado, o caráter religioso desse trabalho de tradução, a partir da análise dos conflitos relativos ao seu ambiente de produção, e por outro, algumas das suas particularidades, relativas ao seu contexto específico de produção. Evidentemente, há inúmeras outras particularidades que não foram tratadas neste artigo, por conta de sua brevidade, mas em outra oportunidade poderemos destacar a maneira como este conflito doutrinário, a princípio intra-europeu, se manifestou de forma sui generis em um novo contexto Revista ISSN:

10 espacial e cultural, trazendo consigo não apenas singulares produtos doutrinais, mas também missiológicos e literários. Referências Bibliográficas ALVES, Herculano. A Bíblia de João Ferreira Annes d'almeida. Lisboa: Sociedade Bíblica, AZEVEDO, Pedro de. O calvinista português, Ferreira de Almeida. Boletim de Segunda Classe da Academia de Ciências de Lisboa, vol. XII. Coimbra: Imprensa da Universidade, BARATA, António da Costa. João Ferreira de Almeida: o homem e a sua obra. Imago Dei. n. 7, 1.º semestre, 2003/04. FEBVRE, Lucien. O problema da incredulidade no século XVI: a religião de Rabelais. São Paulo: Companhia das Letras, FERREIRA, Guilherme Luís Santos. A Bíblia em Portugal: apontamentos para uma monografia ( ). Lisboa: Tipografia de Ferreira de Medeiros, MATOS, Manuel Cadafaz de (ed.). Uma edição de Batávia em português do ultimo quartel do século XVII. Lisboa: Edições Távola Redonda, MOREIRA, Eduardo. O Defensor da Verdade: João Ferreira de Almeida, o primeiro tradutor da Bíblia em língua portuguesa. Lisboa: Sociedade Bíblica Britânica e Estrangeira, 1928 RIVARA, Joaquim Heliodoro da Cunha. João Ferreira de Almeida e a sua Traducção Portugueza da Bíblia. O Chronista de Tissuary, periódico mensal, vol. I, n. 3, Março, Nova Goa: Imprensa Nacional, SANTOS, Antônio Ribeiro dos. Memorias sobre algumas traduccções, edições biblicas menos vulgares; em lingua portuguesa... Memorias de litteratura portugueza, Tomo VII. Lisboa: Academia Real das Sciencias, SILVA, Inocêncio Francisco da. Dicionário bibliográfico português, III, Lisboa, TEIXEIRA, Manuel. João Ferreira de Almeida, tradutor da Bíblia em português. Macau: Imprensa Nacional, Fontes Citadas ALMEIDA, João Ferreira de. Differença d a Christandade, em que claramente se manifesta a grande Disconformidade entre a Verdadeira e Antiga Doctrina de Deus, e a Falsa e nova d os homens... Batávia, SIQUEIRA, Hieronymo. Carta Apologetica em defenção da Religião Catholica Romana contra João Ferreira de Almeida, predicante da secta calvinista, feita em Bangalla pello muito Reverendo Pe. Hieronymo de Siqueira, Portugues Theologo Pregador. Anno? Revista ISSN:

11 O NOVO TESTAMENTO, isto he, Todos os Sacro Santos Livros e Escritos Evangelicos e Apostolicos do Novo Concerto de nosso Fiel Senhor Salvador e Redemptor IESU CHRISTO. Agora traduzido en Portugues Pelo Padre João Ferreira A d Almeida, Ministro Pregador do Sancto Evangelho. Em Amsterdam: Por viuva de J. V. Someren. Anno Revista ISSN:

Diferença entre a Bíblia Católica e a Protestante

Diferença entre a Bíblia Católica e a Protestante Diferença entre a Bíblia Católica e a Protestante Hugo Goes A Bíblia é formada por duas partes: o Antigo Testamento e o Novo Testamento. Em relação ao Novo Testamento, não há nenhuma diferença entre a

Leia mais

Introdução à Bíblia e ao Novo Testamento

Introdução à Bíblia e ao Novo Testamento Introdução à Bíblia e ao Novo Testamento A palavra Bíblia deriva do grego: ta biblía; plural de: ton biblíon. E significa "livros" Logo descobrimos que a Bíblia é uma coleção de livros! Nós, cristãos,

Leia mais

Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES

Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

O CÂNON Sagrado compreende 46 Livros no ANTIGO TESTAMENTO e 27 Livros no NOVO TESTAMENTO.

O CÂNON Sagrado compreende 46 Livros no ANTIGO TESTAMENTO e 27 Livros no NOVO TESTAMENTO. Ao contrário do que parece à primeira vista, a Bíblia não é um livro único e independente, mas uma coleção de 73 livros, uma mini biblioteca que destaca o a aliança e plano de salvação de Deus para com

Leia mais

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS.

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL 21-jun-2015 - TEMA: A FÉ Assunto: INTERFERÊNCIAS NO PROCESSO DA SALVAÇÃO Texto fundamental: JOÃO CAP. 9 EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. COMENTAR OS

Leia mais

Estes 20 dons mencionados por Paulo não são os únicos existentes, há outros dons que você pode descobrir em sua vida ou em sua igreja.

Estes 20 dons mencionados por Paulo não são os únicos existentes, há outros dons que você pode descobrir em sua vida ou em sua igreja. Lição 3 para o dia 17 de janeiro de 2009 Paulo nos dá quatro listas de dons espirituais: Romanos, 12: 6-8 I Coríntios, 12: 8-10 I Coríntios, 12: 28-30 Efesios, 4: 11-12 Profecia Sabedoria Apostolado Apostolado

Leia mais

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1 Bíblia Sagrada Novo Testamento Primeira Epístola de São João virtualbooks.com.br 1 Capítulo 1 1 O que era desde o princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com os nossos olhos, o que temos contemplado

Leia mais

Novas descobertas documentais sobre os conflitos religiosos subjacentes à elaboração da primeira tradução da Bíblia em língua portuguesa (1642 1694)

Novas descobertas documentais sobre os conflitos religiosos subjacentes à elaboração da primeira tradução da Bíblia em língua portuguesa (1642 1694) Lusitania Sacra. 28 (Julho-Dezembro 2013) 241 254 Novas descobertas documentais sobre os conflitos religiosos subjacentes à elaboração da primeira tradução da Bíblia em língua portuguesa (1642 1694) L

Leia mais

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros REFORMA E CONTRARREFORMA Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros INTRODUÇÃO A Reforma Religiosa e o Renascimento ocorreram na mesma época e expressam a grande renovação de ideias

Leia mais

Maria Maria Maria Maria

Maria Maria Maria Maria 1 Ave, Maria! 2 Introdução Poucas vezes, Maria é citada nas Escrituras Sagradas. Na verdade, são apenas 17 passagens, algumas relativas aos mesmos fatos, distribuídas nos quatro Evangelhos, e uma passagem

Leia mais

A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver.

A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver. A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver. Richard Baxter Contexto: Os puritanos surgiram para apoiar e desejar a reforma

Leia mais

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado LIÇÃO 1 - EXISTE UM SÓ DEUS 18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado A Bíblia diz que existe um único Deus. Tiago 2:19, Ef. 4 1- O Deus que Criou Todas as coisas, e que conduz a sua criação e

Leia mais

São Paulo ganha dos companheiros. São atribuías a S.Paulo 14 cartas. Umas são dele mesmo: Romanos, 1 e 2 aos Corintios, a Filemom, aos Gálatas, aos

São Paulo ganha dos companheiros. São atribuías a S.Paulo 14 cartas. Umas são dele mesmo: Romanos, 1 e 2 aos Corintios, a Filemom, aos Gálatas, aos No Antigo Testamento são citadas algumas cartas, como no 2ºMacabeus, capi.1º. Mas é no Novo Testamento que muitas cartas foram conservadas como parte integrante da revelação de Deus. No Novo Testamento

Leia mais

Os Legados da Reforma Protestante. Sobre o Indivíduo 2/9

Os Legados da Reforma Protestante. Sobre o Indivíduo 2/9 Os Legados da Reforma Protestante Sobre o Indivíduo 2/9 Criado por Pedro Siena Neto em 03/2015 O legado da reforma sobre o indivíduo o trabalho a comunidade a intervenção divina a educação a economia o

Leia mais

As reformas religiosas do século XVI

As reformas religiosas do século XVI As reformas religiosas do século XVI Crise na Igreja: a contestação e a ruptura Prof. Nilson Urias Crises religiosas na Europa No início do século XVI, a Igreja vivia uma época de profunda crise. Século

Leia mais

Lição 01 O propósito eterno de Deus

Lição 01 O propósito eterno de Deus Lição 01 O propósito eterno de Deus LEITURA BÍBLICA Romanos 8:28,29 Gênesis 1:27,28 Efésios 1:4,5 e 11 VERDADE CENTRAL Deus tem um propósito original e eterno para minha vida! OBJETIVO DA LIÇÃO Que eu

Leia mais

Plano de salvação e História de salvação

Plano de salvação e História de salvação Igreja Nova Apostólica Internacional Plano de salvação e História de salvação O artigo que se segue aborda a questão de como a salvação de Deus se evidencia na realidade histórica. A origem do pensamento

Leia mais

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2.

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. TRADIÇÃO JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. A TRANSMISSÃO DO TESTEMUNHO APOSTÓLICO 3. TRADIÇÃO, A ESCRITURA NA IGREJA Revelação TRADIÇÃO Fé Teologia

Leia mais

2.0 - ALGUMAS DIRETRIZES PARA O ESTUDO

2.0 - ALGUMAS DIRETRIZES PARA O ESTUDO 2.0 - ALGUMAS DIRETRIZES PARA O ESTUDO Antes de começarmos a preparar a moldura do nosso quebra-cabeças apocalíptico, há alguns princípios que devemos estabelecer para a interpretação dos textos proféticos

Leia mais

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula XXII A PRIMEIRA CARTA DE PEDRO E REFLEXÕES SOBRE O SOFRIMENTO Até aqui o Novo Testamento tem dito pouco sobre

Leia mais

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado.

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. 1 Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. Neste sentido a Carta aos Hebreus é uma releitura da lei,

Leia mais

A Unidade de Deus. Jesus Cristo é o Único Deus. Pai Filho Espírito Santo. Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz?

A Unidade de Deus. Jesus Cristo é o Único Deus. Pai Filho Espírito Santo. Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz? A Unidade de Deus Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz? Vejamos a seguir alguns tópicos: Jesus Cristo é o Único Deus Pai Filho Espírito Santo ILUSTRAÇÃO Pai, Filho e Espírito

Leia mais

Grandes Santos de Deus.

Grandes Santos de Deus. Grandes Santos de Deus. Grupo de da IBRVN 2010 2010 John Wyckliff (1320 31 /12/1384) A estrela Matutina da Reforma. Valoroso campeão da Verdade! Foi professor da Universidade de Oxford, teólogo e reformador

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1 1 O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA Élcio Aloisio FRAGOSO 1 Resumo O novo acordo ortográfico já rendeu uma série de discussões sob pontos de vistas bem distintos. O acordo

Leia mais

Grandes Santos de Deus

Grandes Santos de Deus MOMENTO DA HISTÓRIA Grandes Santos de Deus Jovens Momento da História JOHN ELIOT (1604-1690) Apóstolo aos índios Norte-americanos Jovens A primeira Bíblia impressa na América foi feito na língua indígena

Leia mais

1ª Carta de João. A Palavra da Vida. Deus é luz. Nós somos pecadores. Cristo, nosso defensor junto a Deus

1ª Carta de João. A Palavra da Vida. Deus é luz. Nós somos pecadores. Cristo, nosso defensor junto a Deus 1ª Carta de João A Palavra da Vida 1 1 O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e o que as nossas mãos apalparam da Palavra da Vida 2 vida esta que

Leia mais

O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE

O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE José Carlos Pezini Luis Alexandre Ribeiro Branco O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE Uma Espiritualidade Cristocêntrica 1 Revisão: Bruna Perrella Brito 2 Prefácio Introdução 1 Índice O Que é Espiritualidade

Leia mais

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga SUMÁRIO Introdução... 11 A história da Igreja e sua problemática... 17 A. Alguns pressupostos e indicações básicos antes de começar o caminho... 17 Trata-se de um ramo da ciência histórica ou da ciência

Leia mais

Sumário. Prefácio...3. 1. As evidências da ressurreição de Cristo...5. 2. Se Jesus está vivo, onde posso encontrá-lo?...15

Sumário. Prefácio...3. 1. As evidências da ressurreição de Cristo...5. 2. Se Jesus está vivo, onde posso encontrá-lo?...15 1 Sumário Prefácio...3 1. As evidências da ressurreição de Cristo...5 2. Se Jesus está vivo, onde posso encontrá-lo?...15 Comunidade Presbiteriana Chácara Primavera Ministério de Grupos Pequenos Março

Leia mais

7 E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade. 8 Porque três são os que dão testemunho: o Espírito, e a água, e o sangue; e

7 E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade. 8 Porque três são os que dão testemunho: o Espírito, e a água, e o sangue; e I João 1 1 O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e as nossas mãos apalparam, a respeito do Verbo da vida 2 (pois a vida foi manifestada, e nós

Leia mais

Igreja Batista Fundamental Taguatinga/DF. Aula 5 - Justiça e Justificação

Igreja Batista Fundamental Taguatinga/DF. Aula 5 - Justiça e Justificação Domingo, 29/03/2009 Autor: Fábio Ramos A Recapitulação Igreja Batista Fundamental Taguatinga/DF Aula 5 - Justiça e Justificação 1 Visão Geral I) somos servos que servem evangelizando II) perdidos estão

Leia mais

A Bíblia afirma que Jesus é Deus

A Bíblia afirma que Jesus é Deus A Bíblia afirma que Jesus é Deus Há pessoas (inclusive grupos religiosos) que entendem que Jesus foi apenas um grande homem, um mestre maravilhoso e um grande profeta. Mas a Bíblia nos ensina que Jesus

Leia mais

Cite e analise UMA SEMELHANÇA e UMA DIFERENÇA entre a religião muçulmana e a religião cristã durante a Idade Média.

Cite e analise UMA SEMELHANÇA e UMA DIFERENÇA entre a religião muçulmana e a religião cristã durante a Idade Média. Questão 1: Leia o trecho abaixo a responda ao que se pede. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE Quando Maomé fixou residência em Yatrib, teve início uma fase decisiva na vida do profeta, em seu empenho

Leia mais

Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica

Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica Igreja Nova Apostólica Internacional Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica Depois de, na última edição, termos abordado os aspetos inclusivos e exclusivos no Antigo e no Novo Testamento,

Leia mais

Easinfluências do Oriente.

Easinfluências do Oriente. IMPÉRIO BIZANTINO (séc IV a XV) Easinfluências do Oriente. PROFESSOR NICHOLAS GABRIEL MINOTTI LOPES FERREIRA INTRODUÇÃO O império romano caiu, dividiu-se em dois: Ocidental e Oriental. Oi Sua sede Bizâncio

Leia mais

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula IV - Introdução ao Novo Testamento e o caráter Literário dos evangelhos A ORIGEM DO NOME A expressão traduzida

Leia mais

Vós sois a luz do mundo Mateus 5:14

Vós sois a luz do mundo Mateus 5:14 Vós sois a luz do mundo Mateus 5:14 Bem aventuranças O caráter do Cristão Humilde de Espírito O que chora Manso Fome e sede de justiça Misericordioso Limpo de coração Pacificador A influência do Cristão

Leia mais

Introdução à 26/05/2011 A doutrina de Cristo segundo as escrituras Divindade de Cristo O que a história da igreja fala sobre o assunto? A Igreja Primitiva No início do século II, o cristianismo era uma

Leia mais

TRADUÇÃO Hope Gordon Silva Regina Aranha

TRADUÇÃO Hope Gordon Silva Regina Aranha TRADUÇÃO Hope Gordon Silva Regina Aranha 7 João Desfrutando João ao máximo Pode-se resumir o fato mais relevante de toda a história em quatro palavras: Jesus Cristo é Deus! A maior declaração da Bíblia

Leia mais

O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial

O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial sentimento de ocupar a tribuna para tecermos comentários

Leia mais

DISCIPLINA SÉRIE BIMESTRE PROVA MODELO 6ª 3 P2 REVISÃO

DISCIPLINA SÉRIE BIMESTRE PROVA MODELO 6ª 3 P2 REVISÃO DISCIPLINA SÉRIE BIMESTRE PROVA MODELO História CONTEÚDO: CAP 3 - Islã CAP 4 Francos e Carolíngios 6ª 3 P2 REVISÃO 1. Na Arábia pré-islâmica, uma cidade em especial se transformou num ponto de encontro,

Leia mais

Lição 6 para 7 de novembro de 2015

Lição 6 para 7 de novembro de 2015 Lição 6 para 7 de novembro de 2015 «Falei aos profetas, e multipliquei a visão; e pelo ministério dos profetas propus símiles» (Oséias 12:10) Na Bíblia encontramos muitos símbolos. Cenas ou objetos que

Leia mais

Lição 6 Actos 2, 10, 15, e 21 Epístola aos Gálatas Enxertados

Lição 6 Actos 2, 10, 15, e 21 Epístola aos Gálatas Enxertados Lição 6 Actos 2, 10, 15, e 21 Epístola aos Gálatas Enxertados E uma voz lhe disse: Levanta-te, Pedro, mata e come. 14 Mas Pedro respondeu: De modo nenhum, Senhor, porque nunca comi coisa alguma comum e

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

1 de 5 12/05/2011 01:45

1 de 5 12/05/2011 01:45 1 de 5 12/05/2011 01:45 Ainda falta aprendermos um Nome!!! Todas as referências escriturais ao Criador Pai são feitas por meio de seu Nome: YAOHUH (IÁORRU), sendo, muitas vezes, acompanhado do título UL

Leia mais

Interpenetração de dois cumprimentos

Interpenetração de dois cumprimentos Abordagem Bíblica e Teológica Interpenetração de dois cumprimentos Por Defensores do Evangelho Que a graça e a paz do Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo seja convosco! Introdução Este tema é extremamente

Leia mais

Livre arbítrio, eleição, predestinação: dá para conciliar?

Livre arbítrio, eleição, predestinação: dá para conciliar? Livre arbítrio, eleição, predestinação: dá para conciliar? O livre arbítrio tem sido definido como a capacidade que o homem tem de escolher entre o bem e o mal, entre o certo e o errado, e é óbvio, a de

Leia mais

O seu conceito das religiões é como o seguinte quadro?

O seu conceito das religiões é como o seguinte quadro? ...as religiões? Sim, eu creio que sim, pois não importa a qual religião pertença. O importante é apoiar a que tem e saber levá-la. Todas conduzem a Deus. Eu tenho minha religião e você tem a sua, e assim

Leia mais

DECLARAÇÃO DE FÉ ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CONSELHEIROS BÍBLICOS (ABCB)

DECLARAÇÃO DE FÉ ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CONSELHEIROS BÍBLICOS (ABCB) DECLARAÇÃO DE FÉ ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CONSELHEIROS BÍBLICOS (ABCB) A Igreja de Jesus Cristo está comprometida somente com o Antigo e Novo Testamentos como a única autoridade escrita de fé e conduta.

Leia mais

Estes capítulos introduzem a última série de visões de Ezequiel, nas quais ele vê

Estes capítulos introduzem a última série de visões de Ezequiel, nas quais ele vê Lição 14 Ezequiel Mede o Templo Restaurado (Ezequiel 40:1-42:20) Estes capítulos introduzem a última série de visões de Ezequiel, nas quais ele vê o templo restaurado. Nesta lição, vamos considerar alguns

Leia mais

O ARCO-ÍRIS. Usado em tantas fotos, admirado quando aparece no céu, usado em algumas simbologias... e muitas vezes desconhecido sua origem.

O ARCO-ÍRIS. Usado em tantas fotos, admirado quando aparece no céu, usado em algumas simbologias... e muitas vezes desconhecido sua origem. Origem do Arco-Íris O ARCO-ÍRIS Usado em tantas fotos, admirado quando aparece no céu, usado em algumas simbologias... e muitas vezes desconhecido sua origem. Quando eu era criança, e via um arco-íris,

Leia mais

COMO SE TORNAR UM CRISTÃO FIEL. Apêndice 5. A Igreja de Jesus: Organização

COMO SE TORNAR UM CRISTÃO FIEL. Apêndice 5. A Igreja de Jesus: Organização 274 Apêndice 5 A Igreja de Jesus: Organização A maneira exata como a igreja se organiza é de pouco interesse para muitos. No entanto, organização é um assunto de importância vital. A organização da igreja

Leia mais

Apostolado do Oratório Meditação dos Primeiros Sábados

Apostolado do Oratório Meditação dos Primeiros Sábados Apostolado do Oratório Meditação dos Primeiros Sábados 1º Mistério Luminoso Janeiro 2015 Batismo de Nosso Senhor Introdução: Vamos dar inicio à meditação reparadora dos primeiros sábados, que nos foi indicada

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann 1 DELIMITAÇÃO Ao abordarmos sobre as razões para ser um professor numa escola e falar sobre o amor de Deus, encontramos algumas respostas

Leia mais

CONHECENDO AS SEITAS

CONHECENDO AS SEITAS CONHECENDO AS SEITAS RELIGIÃO: deriva do termo latino "Re-Ligare", que significa "religação" com o divino. SEITA: é um grupo que afirma ser cristão, porém nega uma verdade essencial do cristianismo bíblico.

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL Aula ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL META Apresentar as razões da expansão da pedagogia (ensino) jesuítica no Brasil-colônia e, posteriormente, a sua expulsão motivada pela reforma da

Leia mais

Estudo 9 Laicato e Clero. Em Marcha, 2014.2 IGREJA METODISTA ASA NORTE 406

Estudo 9 Laicato e Clero. Em Marcha, 2014.2 IGREJA METODISTA ASA NORTE 406 Estudo 9 Laicato e Clero Em Marcha, 2014.2 IGREJA METODISTA ASA NORTE 406 Roteiro 1- Introdução 2- Fundamento Bíblico 3- Conclusão 1. Introdução Parceria e participação da Igreja. 1. Texto de referência

Leia mais

Condições Gerais de Uso e Permissões de Cópias

Condições Gerais de Uso e Permissões de Cópias - Ensino Sistêmico sobre a Vida Cristã - Condições Gerais de Uso e Permissões de Cópias Série: Informações Gerais sobre o Ensino Sistêmico Sobre Vida Cristã 1ª Edição Out/2013 - Copyright do Autor Ver

Leia mais

Todos Batizados em um Espírito

Todos Batizados em um Espírito 1 Todos Batizados em um Espírito Leandro Antonio de Lima Podemos ver os ensinos normativos a respeito do batismo com o Espírito Santo nos escritos do apóstolo Paulo, pois em muitas passagens ele trata

Leia mais

O Sr. OSMÂNIO PEREIRA (PTB-MG) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e. Senhores Deputados, o que me traz a esta tribuna é a

O Sr. OSMÂNIO PEREIRA (PTB-MG) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e. Senhores Deputados, o que me traz a esta tribuna é a O Sr. OSMÂNIO PEREIRA (PTB-MG) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, o que me traz a esta tribuna é a indignação diante do desrespeito e do ultraje à fé católica

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA A IMPORTÂNCIA DAS OBRAS DE FÉ William Soto Santiago Cayey Porto Rico 16 de Março de 2011 Reverendo William Soto Santiago, Ph. D. CENTRO DE DIVULGAÇÃO DO EVANGELHO DO REINO http://www.cder.com.br E-mail:

Leia mais

Reforma Religiosa. Contra-Reforma. Crise da Igreja no séc. XVI. Crise da Igreja no séc. XVI. O Movimento Reformista - Início 30/01/2015

Reforma Religiosa. Contra-Reforma. Crise da Igreja no séc. XVI. Crise da Igreja no séc. XVI. O Movimento Reformista - Início 30/01/2015 Crise da Igreja no séc. XVI Reforma Religiosa e Contra-Reforma Muitos Humanistas criticaram a Igreja de então devido ao comportamento dos seus membros: Os Papas estavam mais interessados no luxo e no seu

Leia mais

Provas Bíblicas da Existência de Espíritos

Provas Bíblicas da Existência de Espíritos 1 Bruno Chaves Provas Bíblicas da Existência de Espíritos 2 Bibliotecária Maria José Costa Amorim. CRB 13/707 C512p Chaves, Bruno. Provas bíblicas da existência de espíritos. / Bruno Chaves. Imperatriz-MA:

Leia mais

O texto nomeia os 11, mais algumas mulheres, das quais só menciona Maria, com os irmãos de Jesus. Aqui aparece um fato curioso e edificante.

O texto nomeia os 11, mais algumas mulheres, das quais só menciona Maria, com os irmãos de Jesus. Aqui aparece um fato curioso e edificante. Aula 25 Creio na Igreja Católica.1 Frei Hipólito Martendal, OFM. 1. Leitura de At 2, 1-15. Ler e explicar... Dia de Pentecostes (=Quinquagésima) é o 50º dia depois da Páscoa. Os judeus celebravam a Aliança

Leia mais

COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA. Estudo 104 CNBB

COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA. Estudo 104 CNBB COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA Estudo 104 CNBB ASPECTOS GERAIS DO DOCUMENTO PERSPECTIVAS PASTORAIS TEXTOS BASES DESAFIOS FUNÇÕES DA PARÓQUIA PERSPECTIVA TEOLÓGICA MÍSTICA DO DOCUMENTO PERSPECTIVA

Leia mais

INTRODUÇÃO : Através de toda a Bíblia, a santificação tem sido um elemento essencial

INTRODUÇÃO : Através de toda a Bíblia, a santificação tem sido um elemento essencial ESCOLA BIBLICA DOMINICAL LIÇÃO 01 e 02 ANO BASE 2011 Aplicado em 13 e 20/02/2011 TEMA: SANTIFICAÇÃO TEXTO AUREO : "Eu sou o Senhor, vosso Deus; portanto, vós vos consagrareis e sereis santos, porque eu

Leia mais

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural CONHECIMENTO DA LEI NATURAL Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural O que é a Lei Natural? Conceito de Lei Natural A Lei Natural informa a doutrina espírita é a

Leia mais

LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER

LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER INTRODUÇÃO: Qualquer que seja meu objetivo, ler é a atividade básica do aprendizado. Alguém já disse: Quem sabe ler, pode aprender qualquer coisa. Se quisermos estudar a Bíblia,

Leia mais

I. A decadência espiritual da sociedade - O Sal Se tor vers. 1-5

I. A decadência espiritual da sociedade - O Sal Se tor vers. 1-5 ESTUDO 09-6:1-13 A MANIFESTAÇÃO DA IRA E DA GRAÇA DE DEUS : Existem aspectos no Evangelho de Cristo que são extremamente duros, e ao mesmo tempo consoladores. Quando pensamos na seriedade do pecado diante

Leia mais

LIÇÃO 3 S DANIEL 2:1-49

LIÇÃO 3 S DANIEL 2:1-49 Reinos Vindouros LIÇÃO 3 S DANIEL 2:1-49 II. Daniel Interpreta o Sonho de Nabucodonosor sobre os Reinos Vindouros, 2:1-49 A. O sonho e o decreto de Nabucodonosor, 2:1-16 1. Nabucodonosor pede aos sábios

Leia mais

O ANTIGO TESTAMENTO ENTRE PASSADO E ATUALIDADE

O ANTIGO TESTAMENTO ENTRE PASSADO E ATUALIDADE Jörg Garbres Ms. De Teologia O ANTIGO TESTAMENTO ENTRE PASSADO E ATUALIDADE Introdução ao AT e sua importância Introdução O AT faz parte do Cânon da cristandade! O AT abrange 4/5 da Bíblia! O AT é testemunho

Leia mais

Implantar o Seu Reino na Terra

Implantar o Seu Reino na Terra CHAMADOS PARA RESPLANDECER A LUZ DO SENHOR ENTRE TODOS OS POVOS Disse Jesus: Venham a mim todos que estão cansados e oprimidos e eu darei alivio para vocês Mat. 11.28 VISÃO DO MDA MÉTODO DE DISCIPULADO

Leia mais

Igreja Pentecostal da Bíblia

Igreja Pentecostal da Bíblia Igreja Pentecostal da Bíblia 2014 O Ano de Josué ** Fidelidade Josué cap. 24 ** Pastoreio # 014 Direção Nacional Retorno: Antes do pastoreio #014 é hora de ouvir: Motive os envolvidos no pastoreio a relatar

Leia mais

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC 1. ESPAC O QUE É? A ESPAC é uma Instituição da Arquidiocese de Fortaleza, criada em 1970, que oferece uma formação sistemática aos Agentes de Pastoral Catequética e

Leia mais

Uma biblioteca composta de 66 livros. 1.1 O significado da Palavra Bíblia

Uma biblioteca composta de 66 livros. 1.1 O significado da Palavra Bíblia Aula 1 10/09/2014 Uma biblioteca composta de 66 livros 39 antigo testamento 27 novo testamento 1.1 O significado da Palavra Bíblia Grego = Livros ou coleção de pequenos livros João Crisostomos disseminação

Leia mais

Teologia Bíblica de Missões SEFO 2013

Teologia Bíblica de Missões SEFO 2013 Teologia Bíblica de Missões SEFO 2013 1 ª Aula Fabio Codo Fábio Codo - http://teologiaaservicoevangelho.wordpress.com Igreja Evangélica Assembleia de Deus Ministério Madureira Campo de Mogi das Cruzes

Leia mais

VERIFICAÇÃO GLOBAL 4 HISTÓRIA 2ª ETAPA 7 a SÉRIE OLÍMPICA ENSINO FUNDAMENTAL

VERIFICAÇÃO GLOBAL 4 HISTÓRIA 2ª ETAPA 7 a SÉRIE OLÍMPICA ENSINO FUNDAMENTAL 1. Analise os quesitos a seguir e assinale, nos itens I e II, a única opção correta: (1,0 ponto) I. Observe a tirinha do Hagar e o texto de Alberto Caeiro: Da minha aldeia vejo quanto da terra se pode

Leia mais

#93r. 11.7 O Apocalipse X Mateus 24

#93r. 11.7 O Apocalipse X Mateus 24 11.7 O Apocalipse X Mateus 24 #93r Há uma grande semelhança entre a sequência dos acontecimentos do período da Tribulação, descritos no livro do Apocalipse, com relação a Mateus 24. Vamos hoje, analisar

Leia mais

/6cih.pphuem.439

/6cih.pphuem.439 Os conflitos doutrinários nos domínios luso-holandeses orientais e a elaboração da primeira tradução da Bíblia em língua portuguesa: por uma perspectiva histórico-religiosa (1642-1694) Luis Henrique Menezes

Leia mais

RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009.

RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009. caderno ufs - filosofia RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009. Jadson Teles Silva Graduando em Filosofia UFS Indivíduo

Leia mais

Sola Scriptura Somos diferentes?

Sola Scriptura Somos diferentes? Sola Scriptura Somos diferentes? Introdução: 3 pilares da Reforma Protestante: sola Scriptura, sola fide, sola gratia Mesmo em forma de afirmação, cada pilar também é negação. Por exemplo, a expressão,

Leia mais

REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA. Professor: Eduardo C. Ferreira

REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA. Professor: Eduardo C. Ferreira REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA Professor: Eduardo C. Ferreira REFORMA PROTESTANTE MOVIMENTO DE CONTESTAÇÃO AOS DOGMAS DA IGREJA CATÓLICA, APÓS SÉCULOS DE FORTE PODER INFLUÊNCIA NA EUROPA.

Leia mais

OBJETIVOS. FEB EADE Livro I - Módulo II Roteiro 25 A reforma protestante

OBJETIVOS. FEB EADE Livro I - Módulo II Roteiro 25 A reforma protestante OBJETIVOS Elaborar uma linha histórica que retrate os marcos significativos da Reforma Protestante. Citar dados biográficos dos principais reformadores. Explicar a importância da Reforma Protestante no

Leia mais

"Ajuntai tesouros no céu" - 5

Ajuntai tesouros no céu - 5 "Ajuntai tesouros no céu" - 5 Mt 6:19-21 Temos procurado entender melhor através das escrituras, o que Jesus desejou ensinar aos seus discípulos nesta sequência de palavras, e pra isso, estudamos algumas

Leia mais

Programa semipresencial do Curso Bacharel em Teologia do SECATAB

Programa semipresencial do Curso Bacharel em Teologia do SECATAB Programa semipresencial do Curso Bacharel em Teologia do O pauta suas ações partindo de um princípio interconfessional preparando ministros para a pregação do evangelho. ESTRUTURA DO CURSO O curso conta

Leia mais

8º Capítulo. Petros Os Dons Pilares 1ª Parte

8º Capítulo. Petros Os Dons Pilares 1ª Parte 8º Capítulo Petros Os Dons Pilares 1ª Parte O texto de I Co 12:7-11 fala sobre os dons espirituais, aqui chamados de carismáticos; O texto de Ef 4:11 fala sobre os dons ministeriais, aqui chamados de dons

Leia mais

www.projeto-timoteo.org 2ª edição Como Viver a Plenitude de Deus Projeto Timóteo Apostila do Aluno

www.projeto-timoteo.org 2ª edição Como Viver a Plenitude de Deus Projeto Timóteo Apostila do Aluno Como Viver a Plenitude de Deus Projeto Timóteo 1 Apostila do Aluno Como Viver a Plenitude de Deus Projeto Timóteo Coordenador do Projeto Dr. John Barry Dyer Equipe Pedagógica Marivete Zanoni Kunz Tereza

Leia mais

LIÇÃO 5 INTERPRETAÇÃO 2ª PARTE INTRODUÇÃO

LIÇÃO 5 INTERPRETAÇÃO 2ª PARTE INTRODUÇÃO 29 LIÇÃO 5 INTERPRETAÇÃO 2ª PARTE INTRODUÇÃO No capítulo anterior falamos sobre as regras de interpretação e a necessidade de conhecermos o contexto de uma passagem e também da importância das palavras.

Leia mais

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM - XXXIII Domingo do Tempo Comum ANO C

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM - XXXIII Domingo do Tempo Comum ANO C EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM - XXXIII Domingo do Tempo Comum ANO C CAMINHANDO PARA O FIM O Ano Litúrgico vai chegando ao fim. Ainda

Leia mais

O NOVO NASCIMENTO. Texto base: Jo 3: 1 a 21

O NOVO NASCIMENTO. Texto base: Jo 3: 1 a 21 O NOVO NASCIMENTO Texto base: Jo 3: 1 a 21 I. INTRODUÇÃO II. QUEM ERA NICODEMOS? Povo de Deus JUDEU MEMBRO DO SINÉDRIO FARISEU COM POSSES Instruído na Lei de Deus e Tradição Oral. Conhecido por ser puro,

Leia mais

Deus está implantando o Seu Reino aqui na Terra e Ele tem deixado bem claro qual é a visão dele para nós:

Deus está implantando o Seu Reino aqui na Terra e Ele tem deixado bem claro qual é a visão dele para nós: Visão do MDa Na visão do MDA, é possível à Igreja Local ganhar multidões para Jesus sem deixar de cuidar bem de cada cristão é o modelo de discipulado um a um em ação. O MDA abrange diversos fatores desenvolvidos

Leia mais

SEBEMGE - Seminário Batista do Estado de Minas Gerais

SEBEMGE - Seminário Batista do Estado de Minas Gerais SEBEMGE - Seminário Batista do Estado de Minas Gerais Epístola de Judas Prof. Anísio Renato de Andrade Autor: Judas, irmão de Jesus. Data: entre 64 e 70 d.c. Tema: Defesa da fé cristã. Palavra-chave: guardar.

Leia mais

Calvino sobre Conhecimento

Calvino sobre Conhecimento 1 Calvino sobre Conhecimento W. Gary Crampton Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto 1 JOÃO CALVINO começou sua obra prima, As Institutas da Religião Cristã, com essas sentenças: Quase toda a soma de nosso

Leia mais

Aula 24 Reforma e contrarreforma

Aula 24 Reforma e contrarreforma FB MED, M3, 3 ANO e ANUAL. Aula 24 Reforma e contrarreforma DeOlhoNoEnem H3 - Associar as manifestações culturais do presente aos seus processos históricos.(análise das diversas práticas protestantes)

Leia mais

Terceira viagem Missionária de Paulo ITQ-Vila Ema Prof.Baroni

Terceira viagem Missionária de Paulo ITQ-Vila Ema Prof.Baroni Terceira viagem Missionária de Paulo ITQ-Vila Ema Prof.Baroni Éfeso foi uma das grandes cidades dos jônicos na Ásia Menor, situada no local onde o rio Cayster desagua no Egeu. Foi fundada por colonos provenientes

Leia mais

Apostila Fundamentos. Batismo nas Águas. batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo... Mt 28:19

Apostila Fundamentos. Batismo nas Águas. batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo... Mt 28:19 Apostila Fundamentos Batismo nas Águas batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo... Mt 28:19 B a t i s m o n a s Á g u a s P á g i n a 2 Batismo nas Águas Este é outro passo que está

Leia mais

Estudos na Palavra de Deus. Jovens

Estudos na Palavra de Deus. Jovens Estudos na Palavra de Deus Jovens Grandes Santos de Deus Jovens programação Jovens Sirvo a um Deus preciso Richard Roger (1550-1618) Jovens Família Igreja Sociedade Jovens CTB Os Puritanos Juliano Heyse

Leia mais

Reforma Protestante e Contrarreforma

Reforma Protestante e Contrarreforma Reforma Protestante e Contrarreforma Causas As pessoas que não corcondavam com o comportamento do alto e baixo clero e com a maneira que a Igreja era conduzida. Corrupção do clero religioso: para ganhar

Leia mais