PARA FORMAÇÃO DO BOM SERGIPANO.UM ESTUDO DO LIVRO DIDÁTICO MEU SERGIPE DE ELIAS MONTALVÃO (1916)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PARA FORMAÇÃO DO BOM SERGIPANO.UM ESTUDO DO LIVRO DIDÁTICO MEU SERGIPE DE ELIAS MONTALVÃO (1916)"

Transcrição

1 PARA FORMAÇÃO DO BOM SERGIPANO.UM ESTUDO DO LIVRO DIDÁTICO MEU SERGIPE DE ELIAS MONTALVÃO (1916) Leila Angélica Oliveira Moraes de Andrade 1 - Universidade Federal de Sergipe Este trabalho tem como tema o livro didático de História de Sergipe, do que se origina o problema central: o que é ser manual didático em Sergipe na segunda década do século XX em relação ao ensino de História? Como já foi dito, a obra é relativa ao ensino de História de Sergipe no período compreendido entre 1910 e 1920, intitulada Meu Sergipe e editada em Com essa análise pretendi preencher uma lacuna na historiografia com relação a estudos sobre a história dos livros didáticos, no caso em especial o livro de História de Sergipe. São escassos, em Sergipe, os trabalhos sobre livro didático sob qualquer abordagem. Além da escassez, outro motivo foi a busca por compreender a idéia do ser didático no início do século XX, tendo em vista essa ser uma discussão constante nos debates acadêmicos e sobre o ensino hoje. Bem como constatar se há ou não uma relação entre saber erudito e saber ensinado no livro didático. Ao longo do meu estudo pretendi: identificar a concepção de história contida na obra analisada; verificar a concepção didático pedagógica do autor de Meu Sergipe; e analisar a articulação entre saber erudito e saber ensinado nesse manual de ensino. A análise do livro didático, especialmente de História, tornou-se uma prática corrente a partir da década de 1970, abordando principalmente o papel do livro no processo ensino-aprendizagem. Autores como Teresa Nidelcoff 2 e Lourdes Nosella 3 que trabalharam com a ideologia no livro didático, buscaram transmitir idéias como a de que o livro didático é um transmissor de interesses da classe dominante e que esta por meio do livro acaba dando continuidade em sua dominação. 1 Professora de História da Rede Estadual de Ensino de Sergipe. Graduada pela Universidade Federal de Sergipe. 2 NIDELCOFF, s.d. 3 NOSELLA,

2 De acordo com Nidelcoff e Nosella, a classe dominante constrói sua hegemonia através de práticas conjuntas nos campos econômico, político, social e cultural. Para essas autoras, a escola seria um instrumento na divulgação de valores que legitimassem a sociedade estratificada, fornecedora de mão de obra barata. Demerval Saviani 4 concorda com essa idéia e coloca que a escola, como Aparelho Ideológico do Estado (AIE), procura reproduzir idéias que legitimem a divisão da sociedade em classes. Dessa maneira, o livro seria o principal meio para a divulgação das idéias conservadoras, na medida em que seus conteúdos não mantêm relações com o cotidiano do estudante, de forma a explicitar as contradições e os conflitos. Além da análise ideológica, outros tipos de estudos podem ser realizados sobre o livro didático, como por exemplo: a pesquisa sobre o conteúdo, a forma, a linguagem, produção e distribuição. Luiz Carlos Villalta 5, baseado nas idéias de Chartier e Darnton, se propõe a analisar a historiografia acerca do livro didático de História do Brasil. Villalta caracteriza os estudos nos quais está embasado como de abordagem materialista-dialética, centrada no conteúdo do livro didático. O autor considera tais pesquisas restritivas a um determinado aspecto da Imposição da ortodoxia do texto, destacando-se temas referentes a periodização, ao recorte temporal-espacial, aos conceitos empregados e aos sujeitos da história constituintes do livro didático. Ressalta o papel inovador dos trabalhos de Bittencourt e Munakata 6, mas alerta que são pouco seguidos por outros pesquisadores do tema. Para Holien Gonçalves Bezerra 7, o prazer e a obrigação são componentes da educação. Cabe, pois, ao professor tornar o seu ofício o mais agradável possível. Para isto existe uma série de condições. O livro didático pode ser um instrumento nessa série, desde que atenda determinadas exigências pedagógicas. Segundo Bezerra, a elaboração de um livro didático é complexa, já que supõe uma gama de conhecimentos didático-pedagógicos, bem como o conhecimento preciso e atualizado dos conteúdos a serem trabalhados. Em uma outra leitura de análise do livro didático, Ernesta Zamboni 8 centra suas atenções no conservadorismo e indica o papel dos paradidáticos nessa prática. Os 4 DEMERVAL, VILLALTA, Os trabalhos serão apresentados ainda nesta parte do trabalho. 7 BEZERRA, 1999.p ZAMBONI,

3 paradidáticos são livros auxiliares para o trabalho docente e neles também estão contidas as relações de poder, portanto analisá-los é uma forma de compreender sua função em meio ao processo ensino-aprendizagem, observando a coerência entre objetivo e narrativa histórica. Kazumi Munakata 9 reflete sobre os acontecimentos que permearam a construção do livro didático nas décadas de 1970/80. Questiona a idéia do livro didático ser um objeto suspeito e a própria organização escolar oriunda do sistema ditatorial no Brasil. Dessa maneira, Munakata remete a pensar no livro didático como uma obra mercadológica, vinculada aos interesses das empresas editoriais. De acordo com Munakata a produção nas décadas de 1970/80 se deu em meio a dois movimentos: o primeiro seria o de ajustar o livro didático aos interesses dos consumidores, renovando conceitos, linguagem e apresentação; o segundo seria a inserção dos paradidáticos no mercado, visando o leitor médio. Tais movimentos provocaram uma mudança no processo de produção e industrialização do livro didático. Dessa forma, o mercado seria a própria ideologia do livro didático que procura se adaptar à demanda. Um outro trabalho que incorpora essa linha de análise é o de Circe Bittencourt 10 um estudo sobre a produção dos livros didáticos de história que procura identificar a maneira como a obra didática era usada por professores e alunos no período de 1820 até Essa análise envereda pelos caminhos da produção e do consumo do livro didático que de acordo com Bittencourt tem sido o instrumento de maior utilização em sala de aula. Em Sergipe, as produções de análises sobre livro didático são bastante escassas. Em seu trabalho Aracaju e outros temas sergipanos, José Calazans 11 faz um balanço dos temas relevantes para a historiografia sergipana e seu grau de estudos. Antes de indicar temas e obras, Calazans preocupa-se em apresentar as influências sofridas pela historiografia sergipana desde Silvio Romero até Carvalho Lima Júnior. Dentre os temas abordados por Calazans temos: a questão dos limites, os municípios, a política, os livros didáticos, a formação étnica e as biografias. Em especial nos interessa o levantamento apresentado acerca da produção didática em Sergipe. Num breve espaço dedicado a este tema, Calazans aponta três obras didáticas: Resumo didático para o uso das escolas públicas de Sergipe(1898); Meu Sergipe(1916); e História de 9 MUNAKATA, p BITTENCOURT, SILVA,

4 Sergipe(1967), cujos autores são, respectivamente, Laudelino Freire, Elias Montalvão e Acrísio Torres. No final dos anos 90 do século XX, o professor Antônio Wanderley de Melo Correia 12 resenha alguns títulos da historiografia didática de Sergipe desde a primeira obra de Laudelino Freire, até a mais recente, referente a 1998, ano do centenário da primeira publicação. Em seu estudo Wanderley Correia notifica a existência de seis livros didáticos destinados ao ensino fundamental, antigo primário. O autor aponta aquilo que considera como erros cometidos pelos escritores das obras analisadas e chama a atenção para a continua falha em omissões, equívocos e exclusões apresentadas desde a primeira publicação até a mais recente. O interessante na série de artigos é que na conclusão o professor Antônio Wanderley Correia afirma que o livro didático não é uma produção científica, mas exigi-se ao menos um método, um estudo cuidadoso haja vista não se poder improvisar em educação. Recentemente, a questão do livro didático foi retomada pelo professor Itamar Freitas 13 em uma comunicação apresentada na semana de comemoração dos 50 anos do curso de História da Universidade Federal de Sergipe. Nesse trabalho há uma série de questões que podem ser abordadas na análise do livro didático sobre a história de Sergipe. Ao dissertar sobre as possibilidades de estudo, o autor demonstra a interseção entre história da educação e história da historiografia. Outro trabalho de análise do livro didático é o de Maria do Nascimento Silva Moura 14 que procurou verificar as relações estabelecidas no processo pedagógico entre professor e livro didático. A pesquisa constou de um levantamento dos instrumentos utilizados em sala de aula e verificou a supressão de outros materiais didáticos em decorrência do uso do livro. A partir desta constatação Moura deixou claro que sua abordagem analítica permearia as conseqüências oriundas da má utilização do livro didático, recurso central para a efetivação do trabalho pedagógico. Num trabalho monográfico recente Ana Paula Lima Freire 15 dedica-se a analisar a questão da luta pela terra nos livros didáticos de História publicados na década de 1990 e 12 CORREIA, Freitas, I. A historiografia didática sobre Sergipe. 14 MOURA, (Monografia) 15 FREIRE, (Monografia) 4

5 utilizados nas escolas públicas e particulares em Sergipe. A autora preocupa-se em observar a correlação entre o que se ensina nas escolas e a formação do cidadão por meio de um dos principais instrumentos utilizados em sala de aula, o livro didático. Percebemos uma preocupação na maioria dos autores citados em engendrar pelo caminho da abordagem ideológica do papel dos livros didáticos. É exatamente este o ponto divergente deste trabalho, que procurará trabalhar a questão didático-pedagógica analisando os aspectos inerentes a um livro didático, sua forma, seus caracteres, entre outros itens. No que diz respeito à obra Meu Sergipe, Montalvão trata da história e da corografia de Sergipe e é destinada aos alunos do curso primário. No período em que foi editada, 1916, assim como outras obras didáticas, era necessário uma recomendação adequada por parte de uma Comissão nomeada pela Congregação da Escola Normal de Sergipe. Meu Sergipe recebeu um parecer favorável por parte da Comissão composta por três membros: Francisco da Graça Leite, Cônego Francisco Gonçalves Lima e Carmem de Sousa. Esse Parecer recebeu a aprovação unânime por parte da Congregação da Escola Normal: O referido livro, trabalho original no estylo, é importante, pois transmite suavemente ás c reanças a Historia e a Chorographia de Sergipe. Em estylo puramente synthetico, é muito accessível á comprehensao dos alumnos do curso primário. Não é somente importante o livrinho em questão; é também patriotico,porquanto incute, de modo fácil, aos alumno s sergipanos os principaes conhecimentos historicos e chorographicos de sua patria; e facilitarn ás creanças o conhecimento da Historia Patria é incital - as ao semtimento sublime do Patriotismo O autor, trata na obra a História e a Corografia de Sergipe sem, no entanto, identificar claramente o término de uma e o início de outra. Porém, é possível delimitar os conteúdos das duas disciplinas. Nota-se que a primeira parte refere-se a História, indo do capítulo 1º ao 12, e a segunda a Corografia, do capítulo 13 ao 26. A obra é constituída por vinte e sete capítulos, sendo que o último é uma menção ao papel do professor e do livro didático no processo de ensino aprendizagem e não se acomoda a divisão disciplinar apresentada acima. 16 Parecer dado pela Comissão. In: MONTALVÃO, E. M e u S e r g i p e. p.09 5

6 Assim, sobre a parte que compreende o ensino da Corografia de Sergipe 17, de uma forma geral, encontra-se os aspectos geográficos, físico e humano, é o caso do estudo do clima, da flora, das riquezas minerais, dos aspectos constitutivos da sociedade como os poderes judiciário e executivo. Em especial nessa parte da obra me chamou a atenção a vontade do autor em apresentar o pluralismo sócio-cultural de Sergipe, na medida em que narra uma série de vultos sergipanos, com importância nacional em diferentes esferas do saber. Exemplo disso Felisbelo Freire, poeta e historiador; Maximino Maciel, filosofo; Horacio Hora, pintor e outros como Tobias Barreto, Sylvio Romero e José Luiz Coelho e Campos. Ainda nos âmbitos econômico e político, uma vez que discorre sobre as riquezas sergipanas e seus políticos que contribuíram para o crescimento do Estado 18. Após ter descrito o Estado tão ricamente, Montalvão transmite a História 19 para os alunos. O fio condutor seguido pelo autor é o político e os marcos temporais são os anos de 1534 ano de doação do território a Francisco Coutinho e 1913, ano anterior à apresentação da obra. Observando a periodização feita por Montalvão é possível distinguir três fases assim caracterizadas: 1ª processo de conquista e colonização entre os anos de 1534 até 1590, quando é fundado o arraial de São Cristóvão; 2ª marcada entre os anos de 1603 e 1645, nos quais temos a transferência de São Cristóvão para a margem do rio Paramopama, a invasão holandesa e a saída dos holandeses do território sergipano; a 3ª - iniciada em 1817 com a Revolução Pernambucana e o de Sergipe a favor da monarquia lhe rendeu a elevação à Capitania independente, prossegue com a confirmação da emancipação em 1822, com a transferência da capital para Aracaju em 1855 e as transformações frutos da proclamação da República até o ano de É possível perceber a importância dada pelo autor em apresentar a história de Sergipe contemporâneo. Ao comparar o número de 17 Nesse estudo iremos inverter a ordem das partes para a análise, pois nos deteremos mais na parte sobre História devido a ela ser o objeto central de nosso estudo 18 O penúltimo capítulo da obra, O Confronto, é a exposição dos vultos sergipanos tanto da esfera política, quanto da cultural, jurídica e social. Montalvão ocupa-se de mencionar os nomes e as funções exercidas pelos sergipanos, que segundo ele são merecedores do orgulho dos demais patrícios. 19 A primeira parte do livro que diz respeito à história sergipana é a que tenho maior interesse e por isso, mesmo, me estenderei mais em termos de análise do que na parte sobre a corografia. Vale relembrar que nosso objetivo nesse trabalho é compreender o que é ser didático em história no início do século XX analisando o livro Meu Sergipe. 6

7 capítulos dispensados a cada uma das fases citadas acima percebi um maior destaque dado por Montalvão em relação ao período pós-independência 20. Com a leitura do livro encontrei variadas teses sobre a história de Sergipe, além das comentadas acima, devo destacar a questão da nomenclatura Sergipe D el Rey. De acordo com Montalvão, foi colocado esse nome em homenagem a Coroa Portuguesa que retomou a posse das terras após a desistência de Manoel Coutinho, filho de Francisco Pereira Coutinho donatário da Capitania da Bahia de Todos os Santos em prosseguir com a ocupação iniciada por seu pai já que este fora devorado pelos índios Tupinambás. Um outro ponto de destaque na história é o momento da invasão holandesa em 1637 que teria deixado um rastro de destruição. Teria sido esse um dos piores acontecimentos para Sergipe já que os holandeses desapareceram do território em 1645, deixando-o devastado e decadente: Os hollandezes tomaram S.Christovam em 17 de Novembro de 1637; e completaram, pelo incendio, a destruição principiada por Bagnuolo, antes de sua fuga. Desde Setembro de 1645 os hollandezes desappa r eceram da Capitania de Sergipe que, em estado decadente, voltou ao poder de Portugal. 21 Nesse momento da obra, há uma lacuna na história em cerca de 175 anos. O autor salta da saída dos holandeses do território sergipano em 1645 para o processo de emancipação de Sergipe em É oportuno fazer um paralelo com a obra de Felisbelo Freire intitulada História de Sergipe, 2 2 marco da historiografia sergipana do período aqui analisado. Iniciando, ressalto que muito do que temos em Montalvão encontramos em Felisbelo Freire, no entanto percebe-se imediatamente a adaptação da linguagem, tema do nosso próximo capítulo. No que diz respeito à conquista e colonização do território sergipano além da causa dada por Montalvão para o nome Sergipe D el rei, Freire coloca a existência de um Sergipe do Conde, o que provavelmente levou a Coroa a identificar o território como do rei. Sobre a luta entre índios e portugueses Montalvão não deixa claro as causas, apenas estabelece que os portugueses foram mal recebidos pelos índios. Freire, por sua vez, 20 Na primeira fase são três capítulos distribuídos em oito páginas, na segunda quatro capítulos e dez páginas e na terceira são seis capítulos em dezesseis páginas 21 Montalvão, 1914, p FREIRE, p.81 7

8 esclarece que a presença constante de soldados no litoral era motivo para sustos para os naturais que tinham suas amantes, esposas e filhas roubadas. Sobre as invasões holandesas, para Freire não passam de um prolongamento das lutas que as Províncias Unidas levantaram contra a Espanha. Para o desenrolar em Sergipe, esse autor coloca que a retirada de Bagnuolo para a Bahia se deu pelo fato de Sergipe não ser considerado merecedor de se tornar teatro de tão importante acontecimento 23. Dessa forma restou a Sergipe os incêndios e a devastação, descritos por Montalvão como uma forma de impedir o avanço holandês em direção a Bahia: O Conde Bagnuolo, que commandava as tropas portuguesas em S. Christovam, tendo sciencia de que os hollandezes marchavam para ali, mandou incendiar tudo que havia na localidade. Depois seguiu com seu exercito para a Torre de Garcia d Avilla No que diz respeito à permanência dos holandeses em Sergipe, Montalvão deixa uma lacuna em sua obra desse período até 1817, data da Revolução de Pernambuco. No entanto, encontrei em Felisbelo Freire os dados sobre o referido período na história sergipana. De acordo com Freire, o período de permanência dos holandeses em Sergipe pode ser considerado devastador, tendo em vista a situação de exploração sofrida por Sergipe, que era o local de onde os holandeses retiravam o gado para alimento e para mover as fábricas de açúcar em Pernambuco. Entretanto, segundo o mesmo autor, não existia qualquer sinal do domínio holandês em Sergipe, pois não houve produto mestiço para fundir as raças. Sobre o que Montalvão chama de desaparecimento dos holandeses do território sergipano, Freire coloca que em setembro de 1645 os holandeses se renderam no limite sul do seu domínio e entregava -se a capitania, cheia de ruínas, devastada, exaurida pelas sucessivas destruições das lutas e das guerras, às mãos dos seus primitivos conquistadores [portugueses]. 2 5 Ainda a respeito da lacuna deixada por Montalvão referente ao período entre os anos de 1645 e 1817, Felisbelo Freire delineia vários acontecimentos que permearam esse período. Destaco aqui alguns deles, como por exemplo: o fato da Bahia ter de certa maneira 23 Idem, p Montalvão, 1914, p FREIRE, 1977, p.171 8

9 tutelado Sergipe, uma vez que resolvia assuntos pertinentes a Sergipe, como fintar o gado e cobrar rendas pela criação do gado; o episódio de Sergipe ter sido reduzido a Comarca da Bahia num ato da Coroa Portuguesa; contraditoriamente, a ampliação de Sergipe até Itapuã (causa para muitas desavenças entre Sergipe e seu tutor ); os protestos dos contribuintes sergipanos em virtude do péssimo estado da capitania e de seus habitantes e a expulsão dos jesuítas do território sergipano; entre outros. Meu Sergipe foi editado em uma tipografia, ou seja, numa oficina cujo processo de editoração é marcado por diversas fases que vão desde a entrega do original pelo autor até a revisão do editor, passando por adequação textual, provas tipográficas, correções, preenchimento de espaços com ilustrações, entre outras etapas. 26 A iconografia da obra é rica, sendo composta por vinhetas e ilustrações. Aquelas estão apresentadas acima do titulo da cada capitulo 27. No total são oito modelos para vinte e seis capítulos, sendo que três estilos são exclusivos (capítulos 11, 21 e 25), algumas espécies se repetem por duas, quatro ou cinco vezes nos demais. Não identifiquei na repetição algum tipo de conexão entre os conteúdos trabalhados para justificar a distribuição, acredito ter sido aleatória a sua escolha. Para melhor entender o significado da obra Meu Ser g i p e, precisei estabelecer um grau de comparação entre duas obras consideradas didáticas impressas no mesmo período (Primeira República), ou seja, necessitei instituir um confronto entre a obra de Laudelino Freire, intitulada História de Sergipe, editada em 1898 e o próprio Meu Sergipe. A partir do exame dos fragmentos das obras, pode-se concluir que há distâncias entre o livro de Laudelino Freire e Elias Montalvão, seja do ponto de vista lingüístico, seja do ponto de vista da formatação gráfica. Sobre o primeiro aspecto verifica-se que Laudelino Freire escreve de maneira direta e sem adaptações ao primário. Sob os aspectos gráficos, percebe-se que seu livro tem fonte 12, com o mesmo tipo serifado romano e os espaçamentos são irregulares, características próximas aos livros produzidos para adultos. Enquanto Meu Sergipe apresenta uma linguagem em discurso direto, porém com tentativas de adequações ao público alvo, também possui certa irregularidade de espaçamentos. No entanto as letras em fonte 14 proporcionam uma leitura mais legível, em especial às crianças primárias. 26 DIRINGER,

10 Estudos sobre o âmbito da produção do livro didático relatam que há uma preocupação em relação às palavras constituintes desse manual para que sejam adequadas as crianças. O motivo dessa preocupação está no fato de crianças do ensino fundamental menor, ou seja, do ensino primário, terem um glossário reduzido, isto é, seu conhecimento de palavras é pequeno e por isso o livro deve conter um certo número de verbetes que serão repetidos no decorrer do livro para garantir a compreensão por parte dos alunos do antigo primário. 28 Apesar do autor ter se esmerado em introduzir ilustrações, contos e ter afirmado que se preocupa em empregar uma linguagem que se acomodasse a criança, numa análise lingüística percebemos o uso de termos não coerentes à proposta de adequação 29. A partir de tudo que foi analisado percebi, então, que a temática seguida por Elias Montalvão versa sob o eixo político administrativo, tendo como forma expositiva a narrativa de sucessivos fatos em ordem cronológica. Sua periodização é de cunho político administrativo e seus agentes históricos são os governantes, ou os homens que fizeram a História de Sergipe. Nesse sentido a obra de Montalvão não se afasta da História erudita de Felisbelo Freire no que diz respeito aos atores da História, a periodização e a maneira das teses apresentadas. 30 Todavia, não posso concluir desse exemplo que o saber erudito, fruto da pesquisa aprofundada e destinada a um público de iniciados é transmitido integralmente para o saber ensinado. Prova disso são as lacunas de M e u S e r g i p e e distanciamentos de algumas teses onde Montalvão (embasado talvez em pesquisas por si mesmo realizadas) demonstra discordância em relação a Felisbelo Freire, as adaptações dos títulos (formulados para atrair o aluno) e os reforços em determinados sentidos que podem ajudar as crônicas a fixarem algumas imagens, mas que necessariamente não estão na obra de Felisbelo Freire, como por exemplo a idéia de selvageria dos índios durante o processo de colonização. A partir da análise desses aspectos tornou-se possível perceber o caráter inovador de Meu Sergipe. Isso pode ser constatado nas tentativas de adequar o texto às capacidades da criança, seja modificando o padrão tipográfico do período (letras e espaçamentos 27 Exceto o capítulo os Retratos que traz duas reproduções fotográficas em molduras. 28 MUNAKATA, Montalvão na mensagem ao leitor em sua obra Meu Sergipe afirma o seguinte: Procurei empregar linguagem bem accommodada á comprehensao da creança.(p.05) 30 ALVES, p

11 maiores entre linhas, adoção de ilustrações, adorno nas páginas com traços ou vinhetas), seja utilizando recursos lingüísticos supostamente dirigidos ao aluno (o uso do conto, o emprego do diálogo, do discurso direto), ou ainda, aproximando família e escola no trabalho de educação da criança. Esse esforço não deixa de apresentar, porém, suas contradições. A presença de preconismos no vocabulário e a disposição dos exercícios de forma a condicionar os alunos a decorarem uma seqüência de questões relativas aos fatos históricos, demonstram o grau de experimentalismo ou ainda as tentativas de conciliar um instrumento inovador dentro de métodos de ensino e programas disciplinares apegados a uma tradição do século XIX. É certo que averigüei contradições como, por exemplo, o uso de um vocabulário não indicado para o público alvo do livro e a intenção de condicionar os alunos a memorizarem o conteúdo histórico através do exercício. No entanto, a vontade de experimentar um novo modelo didático, garante-lhe no mínimo a categoria de inovador. FONTES UTILIZADAS Ata do IHGS. Diário da Manhã. Aracaju, 28 abr nº1198. FREIRE,F. História de Sergipe ( ). Rio de Janeiro: Tip.Perseverança,1891. FREIRE, L. História de Sergipe resumo didático para o uso das Escolas Públicas Primárias. Aracaju: Tip. do Estado de Sergipe, MONTALVÃO, E.R. Meu Sergipe: ensino de História e Corografia. Aracaju: Tip. Comercial, MONTALVÃO, E.R. Pelo direito e pela História de Sergipe. Diário da Manhã. Aracaju, 30 jul.1915.nº1275. Sergipe. Decreto nº587, de 09 jan Regulamenta o serviço de Instrução Pública em Sergipe em substituição ao Decreto nº584 de 29 jul Leis e Decretos do Estado de Sergipe. Aracaju, Tipografia Oficial. Parte 1, p.181. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABUD, K.M. O livro didático e a popularização do saber. In: Silva, M. A da. Repensando à História. São Paulo: Editora Marco Zero,

12 BATISTA, A. A. G. Um objeto variável e instável: textos, impressos e livros didáticos. In: ABREU, M. (org.). Leitura, História e História da leitura. Campinas, SP: Mercado das Letras: Associação de Leitura do Brasil; SP: FAPESP, p BEZERRA, H. G. O processo de avaliação de livros didáticos História. In: Simpósio Nacional da Associação Nacional de História (20: 1999: Florianópolis) História: Fronteiras/ Associação Nacional de História. São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP: Anpuh,1999. BITTENCOURT,C.M.F. Livro didático e conhecimento histórico: uma história do saber escolar. (Tese de doutorado). São Paulo: FFLCH/USP,1993. BITTENCOURT,C.M.F. Os confrontos de uma disciplina escolar: da história sagrada à história profana. Revista Brasileira de História. São Paulo, v.13, n.25/26. P Set.1992/ago CAMBI, F. História da Pedagogia. São Paulo: Editora UNESP, CARVALHO, M. O novo, o velho, o perigoso: relendo a Cultura Brasileira.Caderno de pesquisa. São Paulo, (71): 29-35, nov CORREIA, A W. de M. Didáticos de História de Sergipe 100 anos uma análise clínica. Gazeta de Sergipe. Aracaju, nov./1998. DARNTON, R. O beijo de Lamourette Mídia, cultura e revolução. Cia. Das Letras: São Paulo, FONSECA, T. N. de. LIMA e. O livro didático de História: lugar de memória e formador de identidades. In: Simpósio Nacional da Associação Nacional de História (20: 1999: Florianópolis) História: Fronteiras/ Associação Nacional de História. São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP: Anpuh,1999. FONSECA, T. N. de. LIMA e Ver para compreender : arte, livro didático e a história da nação. In: SIMAN, L. M. de C. (org). Inaugurando a História e construindo a nação discursos e imagens no ensino de História. Belo Horizonte: Autentica, 2001.p FONTES, J. S. L. Levantamento das fontes primárias da História de Sergipe. Aracaju,: Caderno UFS, P FREIRE, A P. L. O livro didático de história e a luta pela terra no Brasil ( ). São Cristovão, SE Monografia (Licenciatura em História), Departamento de História Universidade Federal de Sergipe. FREITAG, B. O livro didático em questão. 3ed. São Paulo: Cortez, FREITAS, I. A historiografia didática sobre Sergipe. Aracaju (mineo). GARCIA, O M. Comunicação em prosa moderna. 2 ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, GATTI JUNIOR, D. Um itinerário de desigualdades: livros didáticos de História e massificação do ensino na escola brasileira ( ). In: Simpósio Nacional da 12

13 Associação Nacional de História (20: 1999: Florianópolis) História: Fronteiras/ Associação Nacional de História. São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP: Anpuh,1999.p GIORGI, C. di. A Escola Nova. São Paulo: Editora Ática, MONARCHA, C. A reinvenção da Cidade e da Multidão: dimensões da modernidade brasileira a Escola Nova. São Paulo: Cortez; Autores Associados, MUNAKATA, K. Histórias que os livros didáticos contam, depois que acabou a ditadura no Brasil. In: FREITAS, M. C. de. Historiografia brasileira em perspectiva. São Paulo: USF/Contexto, p MUNAKATA, K. Produzindo livros didáticos e paradidáticos. PUC São Paulo, 1994 (Tese de Doutorado em História da Educação). NADAI, E. O ensino de História no Brasil: trajetória e perspectiva. Revista Brasileira de História. São Paulo, v.13, nº25/26, p , set.1992/ago,1993. NIDELCOFF, M. T. Uma escola para o povo. São Paulo: editora brasiliense. Sd. NOSALHA,M. de L. C. D. As Belas Mentiras: a ideologia subjacente aos textos didáticos. São Paulo: Cortez e Moraes,1979. RAGO, M. A nova historiografia brasileira. Revista do programa de pós-graduação em História. UFRGS Anos 90 Porto Alegre, nº11, jul SAVIANE, D. Escola e Democracia: teorias da educação, curvatura da vara, onze teses sobre educação política. 33 ed. Campinas, SP: Autores Asociados, SILVA, J. C. B. da. Aracaju e outros temas sergipanos. Aracaju: Governo de Sergipe. FUNDESC, VILLALTA, L. C. O livro didático de história no Brasil: perspectivas de abordagem. Pós- História: Revista de Pós-Graduação em História. São Paulo, nº9, p.39-59, WHELING, A Estado, história, memória: Varnhagen e a construção da identidade nacional. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, ZAMBONI, E. O conservadorismo e os paradidáticos de História. Revista Brasileira de História. São Paulo, v.13. nº25/26, p , set.1992/ago

Aula 7 A COLONIZAÇÃO DE SERGIPE: HISTÓRIAS... Antônio Lindvaldo Sousa

Aula 7 A COLONIZAÇÃO DE SERGIPE: HISTÓRIAS... Antônio Lindvaldo Sousa Aula 7 A COLONIZAÇÃO DE SERGIPE: HISTÓRIAS... META Demonstrar como o processo historiográfico é um exercício de aplicação do historiador, pois as informações não chegam ao seu conhecimento por acaso. OBJETIVOS

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA CURSO DE MESTRADO EM HISTÓRIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA CURSO DE MESTRADO EM HISTÓRIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA CURSO DE MESTRADO EM HISTÓRIA Disciplina: Tópicos Especiais em Historiografia do Ensino

Leia mais

Lançamento de Livros e Sessão de Autógrafos 12 de Julho - 19h30

Lançamento de Livros e Sessão de Autógrafos 12 de Julho - 19h30 Lançamento de Livros e Sessão de Autógrafos 12 de Julho - 19h30 Ana Isabel Madeira (Apresentação pela autora - sala 1) Referência da Obra: Madeira, A. (2012). A Construção do Saber Comparado em Educação:

Leia mais

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO Juliana Ponqueli Contó (PIBIC/Fundação Araucária - UENP), Jean Carlos Moreno (Orientador),

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil

Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil Messias Bonjardim, Solimar Guindo GIL FILHO, Sylvio Fausto. Espaço sagrado: estudo em geografia

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores

Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores Temas geradores Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores têm à sua disposição algumas estratégias

Leia mais

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos.

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Daiane Pacheco-USC pedagogia - daiaspacheco@gmail.com; Carla Viviana-USC pedagogia- vivianamaximino@hotmail.com; Kelly Rios-USC

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

VOCABULÁRIOS DE LÍNGUAS INDÍGENAS NA REVISTA DO IHGB: O PROCESSO DE GRAMATIZAÇÃO

VOCABULÁRIOS DE LÍNGUAS INDÍGENAS NA REVISTA DO IHGB: O PROCESSO DE GRAMATIZAÇÃO Resumo VOCABULÁRIOS DE LÍNGUAS INDÍGENAS NA REVISTA DO IHGB: O PROCESSO DE GRAMATIZAÇÃO Dantielli Assumpção GARCIA. UNESP-IBILCE (São José do Rio Preto) FAPESP (proc. n 07/58250-1). dantielligarcia@gmail.com

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico

Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico Eveline Mattos Tápias-Oliveira Vera Lúcia Batalha de Siqueira Renda Maria do Carmo Souza de Almeida Maria de

Leia mais

Normas para Apresentação de Monografias

Normas para Apresentação de Monografias UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Normas para Apresentação de Monografias Campina Grande, dezembro 2010

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DO LIVRO DIDÁTICO (PNLD): ASPECTOS HISTÓRICOS E POLÍTICOS.

PROGRAMA NACIONAL DO LIVRO DIDÁTICO (PNLD): ASPECTOS HISTÓRICOS E POLÍTICOS. PROGRAMA NACIONAL DO LIVRO DIDÁTICO (PNLD): ASPECTOS HISTÓRICOS E POLÍTICOS. LUCIANO DE OLIVEIRA (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA). Resumo O texto pretende discutir a política do livro didático no

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

Fernando de Araujo Penna *

Fernando de Araujo Penna * Negociando a distância entre passado, presente e futuro em sala de aula: a relação entre o tempo histórico e a aprendizagem significativa no ensino de história Fernando de Araujo Penna * O presente trabalho

Leia mais

RESENHA PRIMEIRAS LETRAS, PRIMEIRA LEITURA: PRÁTICAS DE ALFABETIZADORES DE JOVENS E ADULTOS

RESENHA PRIMEIRAS LETRAS, PRIMEIRA LEITURA: PRÁTICAS DE ALFABETIZADORES DE JOVENS E ADULTOS RESENHA PRIMEIRAS LETRAS, PRIMEIRA LEITURA: PRÁTICAS DE ALFABETIZADORES DE JOVENS E ADULTOS CARVALHO, Marlene. Primeiras letras: alfabetização de jovens e adultos em espaços populares. São Paulo: Ática,

Leia mais

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES Marilene Rosa dos Santos Coordenadora Pedagógica de 5ª a 8ª séries da Prefeitura da Cidade do Paulista rosa.marilene@gmail.com Ana Rosemary

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p.

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Linguagem & Ensino, Vol. 8, Nº 2, 2005 (275-285) RESENHAS BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Resenhado por Márcia Cristina Greco OHUSCHI

Leia mais

Geyso D. Germinari Universidade Estadual do Centro-Oeste

Geyso D. Germinari Universidade Estadual do Centro-Oeste O ENSINO DE HISTÓRIA LOCAL E A FORMAÇÃO DA CONSCIÊNCIA HISTÓRICA DE ALUNOS DO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM A UNIDADE TEMÁTICA INVESTIGATIVA Geyso D. Germinari Universidade Estadual

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores AS DIFICULDADES DE LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS DOS ALUNOS DE PEDAGOGIA NOS PRIMEIROS

Leia mais

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS EIXOS TEMÁTICOS 1. Cultura, saberes e práticas escolares e pedagógicas na educação profissional e tecnológica: arquivos escolares, bibliotecas e centros de documentação. Para este eixo temático espera

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL, GEOGRAFIA E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO CENTRO DE VOCAÇÃO TECNOLÓGICA DE ALFENAS-MG

EDUCAÇÃO AMBIENTAL, GEOGRAFIA E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO CENTRO DE VOCAÇÃO TECNOLÓGICA DE ALFENAS-MG EDUCAÇÃO AMBIENTAL, GEOGRAFIA E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO CENTRO DE VOCAÇÃO TECNOLÓGICA DE ALFENAS-MG Alex Cristiano de Souza lecaocristiano@yahoo.com.br Graduando em Geografia Licenciatura Universidade

Leia mais

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL)

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) Resumo A série apresenta a formação dos Estados europeus por meio da simbologia das cores de suas bandeiras. Uniões e cisões políticas ocorridas ao longo

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa

Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa Silvio Profirio da Silva¹ Durante décadas, o ensino de Língua Portuguesa desenvolvido em nossas escolas limitou - se à análise e à classificação

Leia mais

NAÇÃO, DEMOCRACIA E DESENVOLVIMENTO NO AMBIENTE INTELECTUAL DOS ANOS 50: a obra de Anísio Teixeira

NAÇÃO, DEMOCRACIA E DESENVOLVIMENTO NO AMBIENTE INTELECTUAL DOS ANOS 50: a obra de Anísio Teixeira Departamento de História NAÇÃO, DEMOCRACIA E DESENVOLVIMENTO NO AMBIENTE INTELECTUAL DOS ANOS 50: a obra de Anísio Teixeira Aluna: Claudia Barroso Roquette-Pinto Bojunga (CNPq, março a julho de 2008) Orientador:

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Leitura. Escrita. Perspectiva sócio-cognitiva e interativa.

PALAVRAS-CHAVE: Leitura. Escrita. Perspectiva sócio-cognitiva e interativa. LEITURA E ESCRITA COMO PROCESSO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA PERSPECTIVA SÓCIO-COGNITIVA E INTERATIVA Marta Oliveira Barros¹ Josias Silvano Barros² ORIENTADORA: Dra. Maria de Lourdes da Silva Leandro³ RESUMO

Leia mais

O uso de cartilha paranaense nas Escolas do Estado do Paraná. Solange Apª de O. Collares/UEPG Drª Profª Maria Isabel Moura Nascimento/UEPG

O uso de cartilha paranaense nas Escolas do Estado do Paraná. Solange Apª de O. Collares/UEPG Drª Profª Maria Isabel Moura Nascimento/UEPG 1 O uso de cartilha paranaense nas Escolas do Estado do Paraná Solange Apª de O. Collares/UEPG Drª Profª Maria Isabel Moura Nascimento/UEPG O presente trabalho apresenta resultados preliminares de uma

Leia mais

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação.

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação. Karen Alves de Andrade 1 RESUMO A inserção dos gêneros textuais no ensino vem mudando a dinâmica da educação em língua portuguesa em nosso país. A importância de se trabalhar a língua em uso, através de

Leia mais

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA CENTRO MUNICIPAL DE REFERÊNCIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PROFESSORA FABÍOLA DANIELE DA SILVA A lingüística moderna

Leia mais

SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p.

SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p. SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p. Ana Cláudia da SILVA A publicação da Lei Nº. 10.639, de 9 de janeiro de 2003,

Leia mais

UM ROCHEDO EM FLOR: REVIVENDO ENOCH SANTIAGO FILHO

UM ROCHEDO EM FLOR: REVIVENDO ENOCH SANTIAGO FILHO UM ROCHEDO EM FLOR: REVIVENDO ENOCH SANTIAGO FILHO [1]Fabiana dos Santos O escritor, professor, pesquisador e historiador baiano radicado em Sergipe, Gilfrancisco nos presenteia com mais um de seus trabalhos

Leia mais

UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL

UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL Título do artigo: UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL Disciplina: Alfabetização Selecionadora: Beatriz Gouveia 16ª Edição do

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Círculo de Cultura: Eixo 1 - A educação que emancipa frente às injustiças, desigualdades e vulnerabilidades. EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Cezar Luiz De Mari

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO NA PRÁTICA DOCENTE

A IMPORTÂNCIA DA PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO NA PRÁTICA DOCENTE A IMPORTÂNCIA DA PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO NA PRÁTICA DOCENTE Mauricio Caetano dos Santos Geógrafo DG/FFLCH/USP, Professor Pref. do Município de São Paulo. E-mail: Mauricioc.geo@gmail.com INTRODUÇÃO

Leia mais

Palavras-chave: formação continuada, educação básica, ensino de artes visuais.

Palavras-chave: formação continuada, educação básica, ensino de artes visuais. 4CCHLADAVPEX01 O ENSINO DE ARTES VISUAIS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ALHANDRA: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA OS PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL Cláudia Oliveira de Jesus (1); Adeílson França (1);

Leia mais

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio.

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Dalva Aparecida do Carmo Constantino, UFMT, Faculdades Integradas de Rondonópolis (FAIR/UNIR). Este trabalho

Leia mais

Novas possibilidades de leituras na escola

Novas possibilidades de leituras na escola Novas possibilidades de leituras na escola Mariana Fernandes Valadão (UERJ/EDU/CNPq) Verônica da Rocha Vieira (UERJ/EDU/CNPq) Eixo 1: Leitura é problema de quem? Resumo A nossa pesquisa pretende discutir

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014

PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014 PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014 CARGO E UNIDADES: Professor de Educação Infantil e Fundamental (MACAÍBA) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova:

Leia mais

AVALIADORES & AVALIADOS (CONSENSOS?)

AVALIADORES & AVALIADOS (CONSENSOS?) AVALIADORES & AVALIADOS (CONSENSOS?) Jailson Rogério GOMES* Universidade Estadual de Goiás O presente trabalho objetiva revelar e desvelar representações, problemas, dilemas e desafios enfrentados pelos

Leia mais

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX Ricardo Barros Aluno do curso de Pós graduação (mestrado) da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo Sendo as coisas que pensamos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL Alex Silva Costa 1 Resumo O artigo procura analisar o desenvolvimento do ensino da disciplina de História na educação brasileira,

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Vera Lúcia Lúcio Petronzelli Colegiado do Curso de Matemática UNIOESTE- Campus de Cascavel vlpetronzelli@certto.com.br ALFABETIZAÇÃO e EDUCAÇÃO MATEMÁTICA:

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1 PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO INTRODUÇÃO Solange dos Santos (UFS) A leitura tem sido por muito tempo um tema muito debatido

Leia mais

CIDADANIA CULTURAL: uma experiência interdisciplinar na Educação de Jovens e Adultos do SESC Santo Amaro

CIDADANIA CULTURAL: uma experiência interdisciplinar na Educação de Jovens e Adultos do SESC Santo Amaro CIDADANIA CULTURAL: uma experiência interdisciplinar na Educação de Jovens e Adultos do SESC Santo Amaro Cláudia Mendes de Abreu Furtado e Rodrigo Cunha Santos, Serviço Social do Comércio SESC PE, Professora

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Sequência de aulas de História Autora: Professora Vanessa Maria Rodrigues Viacava

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO.

CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO. CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO. Relatório Final O projeto "Crianças e adultos em diferentes contextos: a infância, a cultura contemporânea

Leia mais

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Renata de Souza Ribeiro (UERJ/FFP) Thiago Jeremias Baptista (UERJ/FFP) Eixo: Fazendo escola com múltiplas linguagens Resumo Este texto relata

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

OS CAMINHOS DA PRODUÇÃO BIBLIOGRÁFICA EM GESTÃO DEMOCRÁTICA: UM ESTUDO SOBRE AS REVISTAS NOVA ESCOLA E EDUCAÇÃO & SOCIEDADE

OS CAMINHOS DA PRODUÇÃO BIBLIOGRÁFICA EM GESTÃO DEMOCRÁTICA: UM ESTUDO SOBRE AS REVISTAS NOVA ESCOLA E EDUCAÇÃO & SOCIEDADE OS CAMINHOS DA PRODUÇÃO BIBLIOGRÁFICA EM GESTÃO DEMOCRÁTICA: UM ESTUDO SOBRE AS REVISTAS NOVA ESCOLA E EDUCAÇÃO & SOCIEDADE LUCIANE WEBER BAIA HEES Núcleo de Estudos e Pesquisas: Política e Gestão da Educação

Leia mais

TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS DENTRO DA SALA DE AULA: INTERVINDO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO EDUCADOR

TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS DENTRO DA SALA DE AULA: INTERVINDO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO EDUCADOR TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS DENTRO DA SALA DE AULA: INTERVINDO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO EDUCADOR Fabiana Aparecida Somavilla Keli Cristina Calisto, URI Luana Nunes Hauch, URI Rudinei Moreira, URI Silvia Regina

Leia mais

Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas

Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas Encontro 2 Coordenadores Pedagógicos CEFOR 05 de Junho 2013 Pauta Acolhimento Leitura deleite Apresentação / entrevista

Leia mais

Governo da Paraíba Secretaria de educação do estado Prêmio mestres da educação Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio José Luiz Neto

Governo da Paraíba Secretaria de educação do estado Prêmio mestres da educação Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio José Luiz Neto Governo da Paraíba Secretaria de educação do estado Prêmio mestres da educação Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio José Luiz Neto Maria José Almeida Silva Projeto: A literatura de cordel como

Leia mais

REFLEXÃO E INTERVENÇÃO: PALAVRAS-CHAVE PARA A PRÁTICA EDUCATIVA

REFLEXÃO E INTERVENÇÃO: PALAVRAS-CHAVE PARA A PRÁTICA EDUCATIVA 178 REFLEXÃO E INTERVENÇÃO: PALAVRAS-CHAVE PARA A PRÁTICA EDUCATIVA FEBA, Berta Lúcia Tagliari 1... ler é solidarizar-se pela reflexão, pelo diálogo com o outro, a quem altera e que o altera (YUNES, 2002,

Leia mais

500 anos: O Brasil Colônia na TV

500 anos: O Brasil Colônia na TV 500 anos: O Brasil Colônia na TV Episódio 5: A Conquista da terra e da gente Resumo O episódio 5, A Conquista da terra e da gente, parte da série 500 anos: O Brasil Colônia na TV, apresenta o processo

Leia mais

Recorde: Revista de História de Esporte volume 1, número 2, dezembro de 2008

Recorde: Revista de História de Esporte volume 1, número 2, dezembro de 2008 CAPOEIRA THE HISTORY OF AN AFRO-BRAZILIAN MARTIAL ART RESENHA Prof. Vivian Luiz Fonseca Fundação Getúlio Vargas - PPHPBC CPDOC/FGV Rio de Janeiro, Brasil vivianluizfonseca@gmail.com Recebido em 9 de setembro

Leia mais

O Ensino de Astronomia em Amargosa: uma reflexão sobre os livros didáticos utilizados no município

O Ensino de Astronomia em Amargosa: uma reflexão sobre os livros didáticos utilizados no município O Ensino de Astronomia em Amargosa: uma reflexão sobre os livros didáticos utilizados no município Edmilson dos Santos Macedo 1, Glênon Dutra 2, Simone Fernades 3. Introdução A Astronomia deve ser vista

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Miriam Correia da Silva¹ Mercedes Carvalho² RESUMO

Leia mais

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA Josenilson Felizardo dos Santos 1 INTRODUÇÃO É possível compreender o papel da escola diante de todo o processo de ensino aprendizagem. E

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA PAISAGEM NO AUXÍLIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

AS IMPLICAÇÕES DA PAISAGEM NO AUXÍLIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL AS IMPLICAÇÕES DA PAISAGEM NO AUXÍLIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Wallace Matheus Torres Peres / UERJ w.matheustorres@bol.com.br Renan Caldas Galhardo Azevedo / UERJ renan.azevedo08@outlook.com INTRODUÇÃO O

Leia mais

O ensino de História Antiga e as inovações metodológicas

O ensino de História Antiga e as inovações metodológicas A transposição didática nas salas de aula: O ensino de História Antiga e as inovações metodológicas DANIEL FRANCISCO DA SILVA 1 DEIZE CAMILA DIAS SALUSTIANO 2 Resumo: Um dos maiores desafios enfrentados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-1 DISCIPLINA: Ensinar e aprender História - JP0038 PROFESSORA: Dra. Hilda Jaqueline de Fraga I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária 75h II EMENTA Concepções e temas recorrentes no

Leia mais

DIFERENTES PRODUÇÕES ESCRITAS DE CRIANÇAS EM CLASSES DE ALFABETIZAÇÃO: ABORDAGENS SINTÉTICAS E DE BASE CONSTRUTIVISTA

DIFERENTES PRODUÇÕES ESCRITAS DE CRIANÇAS EM CLASSES DE ALFABETIZAÇÃO: ABORDAGENS SINTÉTICAS E DE BASE CONSTRUTIVISTA DIFERENTES PRODUÇÕES ESCRITAS DE CRIANÇAS EM CLASSES DE ALFABETIZAÇÃO: ABORDAGENS SINTÉTICAS E DE BASE CONSTRUTIVISTA Fernanda Cargnin Gonçalves 1 Introdução O embate entre os métodos de alfabetização

Leia mais

A construção do saber histórico escolar a partir da temática ambiental uma experiência pedagógica

A construção do saber histórico escolar a partir da temática ambiental uma experiência pedagógica A construção do saber histórico escolar a partir da temática ambiental uma experiência pedagógica Prof. Ms. Sérgio Onofre Seixas de Araújo A experiência pedagógica de que trata o presente texto foi pensada

Leia mais

OFICINA DE ESCRITA E REESCRITA DE TEXTOS PARA ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

OFICINA DE ESCRITA E REESCRITA DE TEXTOS PARA ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL OFICINA DE ESCRITA E REESCRITA DE TEXTOS PARA ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Profª Drª Suzana Lima Vargas UFJF suzana_lima@uol.com.br Aida do Amaral Antunes UFJF amaral.aida@yahoo.com.br Andreza de Souza

Leia mais

ENSINO DE HISTÓRIA: UM OLHAR CRÍTICO COM AS LENTES DA TEORIA DO PROCESSAMENTO DA INFORMAÇÃO

ENSINO DE HISTÓRIA: UM OLHAR CRÍTICO COM AS LENTES DA TEORIA DO PROCESSAMENTO DA INFORMAÇÃO ENSINO DE HISTÓRIA: UM OLHAR CRÍTICO COM AS LENTES DA TEORIA DO PROCESSAMENTO DA INFORMAÇÃO AIRTON DE MORAES Esta reflexão tem como base a monografia de especialização apresentada ao Curso de Metodologia

Leia mais

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 Karen Capelesso 4 O livro Feminismo e política: uma introdução, de Luis Felipe Miguel e Flávia Biroli, se vincula

Leia mais

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte.

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte. MARCAS DA ITÁLIA NA TOPONÍMIA DE BELO HORIZONTE Resumo Zuleide Ferreira Filgueiras 1 Esta comunicação tem como objetivo apresentar os principais resultados da dissertação de mestrado A presença italiana

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS Mestranda Kézia Dantas Félix 1, UEPB 1 Resumo: Neste artigo estudo o debate estabelecido em torno do cânone literário,

Leia mais

UMA ABORDAGEM FREIRIANA PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

UMA ABORDAGEM FREIRIANA PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA UMA ABORDAGEM FREIRIANA PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CARVALHO, Jaciara FE/USP jsacarvalho@gmail.com RESUMO Este trabalho apresenta a tese 1 brasileira Educação Cidadã a Distância: aportes de uma perspectiva

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades.

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades. A PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL/INCLUSÃO ESCOLAR NA PERSPECTIVA DA PESQUISA-AÇÃO: REFLEXÕES A PARTIR DE SEUS CONTEXTOS Mariangela Lima de Almeida UFES Agência Financiadora: FAPES Num contexto

Leia mais

Nem cidadãos, nem brasileiros: Indígenas na formação do

Nem cidadãos, nem brasileiros: Indígenas na formação do Nem cidadãos, nem brasileiros: Indígenas na formação do Estado nacional brasileiro e conflitos na Província de São Paulo (1822-1845). São Paulo: Alameda, 2012. 292 p. Fernanda Sposito Luana Soncini 1 A

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

O USO DOS JORNAIS PARA O CONHECIMENTO HISTORICO: TEORIA E METODOLOGIA

O USO DOS JORNAIS PARA O CONHECIMENTO HISTORICO: TEORIA E METODOLOGIA O USO DOS JORNAIS PARA O CONHECIMENTO HISTORICO: TEORIA E METODOLOGIA Carlos Henrique Ferreira Leite Prof o Dr o José Miguel Arias Neto (Mestrando em História Social UEL) Bolsista CAPES DS 2015/2016 Palavras-chave:

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

Resenha do livro: GONDRA, José Gonçalves; SCHUELER, Alessandra. Educação, poder e sociedade no Império Brasileiro. Sao Paulo: Cortez, 2008.

Resenha do livro: GONDRA, José Gonçalves; SCHUELER, Alessandra. Educação, poder e sociedade no Império Brasileiro. Sao Paulo: Cortez, 2008. do livro: GONDRA, José Gonçalves; SCHUELER, Alessandra. Educação, poder e sociedade no Império Brasileiro. Sao Paulo: Cortez, 2008. de: Surya Aaronovich Pombo de Barros Universidade Federal da Paraíba/UFPB

Leia mais

Leitura e Literatura

Leitura e Literatura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICAB Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e de Tecnologias para Educação BásicaB Leitura e Literatura Dia e Semana Nacional da Leitura

Leia mais

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Idalise Bernardo Bagé 1 GD6- Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação

Leia mais

A FORMAÇÃO PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DE ITUIUTABA

A FORMAÇÃO PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DE ITUIUTABA A FORMAÇÃO PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DE ITUIUTABA Resumo Monalisa Lopes dos Santos Coelho 1 - FACIP/UFU Luene helena Vilela 2 - FACIP/UFU

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB Monaliza Silva Professora de ciências e biologia da rede estadual

Leia mais

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P.

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P. Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento Prof. Juliana P. Viecheneski O que nos vem à mente quando falamos em rotina? Na prática

Leia mais

ACERVO A. TITO FILHO:

ACERVO A. TITO FILHO: ACERVO A. TITO FILHO: PROPOSTAS PARA UMA PESQUISA NA INTERNET Jordan Bruno Oliveira Ferreira * A pesquisa sobre a obra de A. Tito Filho 1 começou como projeto do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE PESQUISA INSTITUIÇÕES E INTELECTUAIS DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: HISTÓRIA, IDEIAS E TRAJETÓRIAS Responsável: Prof. Dr. Mauro Castilho Gonçalves O projeto investiga a história de instituições educativas

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais