QUILOMBO DOS PALMARES HISTORIOGRAFIA DO PERÍODO COLONIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUILOMBO DOS PALMARES HISTORIOGRAFIA DO PERÍODO COLONIAL"

Transcrição

1 QUILOMBO DOS PALMARES HISTORIOGRAFIA DO PERÍODO COLONIAL ADRIANO VIARO DA SILVA PPGH-UPF INTRODUÇÃO No período colonial brasileiro, em grande maioria, os autores que se referiram aos quilombos de Palmares expressaram os interesses das classes dominantes de Portugal e Holanda, através de narrativas que exaltavam os seus feitos e registravam de forma clara o perigo que Palmares representava para a estrutura, organização e evolução do nordeste brasileiro, em geral, e da capitania de Pernambuco, em especial. Passando por aspectos religiosos, tanto do catolicismo lusitano quanto do protestantismo holandês, e abordando questões geográficas e agrícolas, os autores repetem-se em trechos de suas obras. A partir da invasão holandesa do nordeste brasileiro, em 1630, até a restauração lusitana, em 1654, viajantes, comerciantes e artistas, estiveram no Brasil a serviço da Holanda, o que ensejou a produção de crônicas a respeito do Brasil Holandês, incluindo relatos sobre os quilombos de Palmares. Produziram-se alguns livros específicos sobre aqueles mocambos que destacaram, sempre, a necessidade e a urgência da destruição dos quilombos visto que o tipo de civilização existente nos Palmares era incompatível com a proposta de domínio e colonização holandesa. Embora Palmares tenha representado efetivamente um perigo e um incômodo militar, os relatos sobre ele foram geralmente breves. Após a restauração lusitana, foi a vez dos autores portugueses depararem-se com o que chamaram costumeiramente de inimigo interno, visto que o inimigo externo (Holanda) já fora expulso. Desde então, as crônicas seguiram sendo produzidas com a visão dos fatos das classes dominantes portuguesas. O Brasil Colonial não foi plural nas abordagens sobre os quilombos dos Palmares, embora tenha produzido em torno de uma dezena de obras. Em grande maioria, tratam-se de citações e abordagens repetidas, diferenciando-se, umas das outras, sobretudo por suas origens, portuguesa ou batava, conforme veremos. Por além 1

2 das idiossincrasias culturais, dominavam as determinações próprias ao modo de produção escravista colonial comum. 1 OS AUTORES HOLANDESES 1.1 Joan Nieuhof Os primeiros relatos dos quilombos palmarinos ocorrem quando dos sucessos, através de narrativas de viagens e de diários de holandeses, em geral, com o intuito de exaltar a Holanda e registrar seus feitos, como assinalado. Um dos primeiros relatos que se tem notícia é de 1682, produto da pena de Joan Nieuhof [ ]. Este agente comercial da Companhia das Índias Ocidentais foi um dos grandes viajantes holandeses, que se distinguiu pelos registros e narrativas de viagens, muito valorizados devido ao grande interesse dos europeus em relação às novas terras e seus povos. Em pouco mais de duas páginas de sua Memorável viagem marítima e terrestre ao Brasil, Joan Nieuhof referiu-se às características geográficas, populacionais, produtivas e religiosas de Palmares, ressaltando que conservam os pretos alguma coisa do culto religioso dos portugueses, dispondo, porém, de sacerdotes e juízes próprios. (NIEUHOF, 1682: 18). Publicado em 1682, o livro é produto de suas experiências durante os dez anos ( ) em que permaneceu no Brasil Holandês. Sua abordagem sobre Palmares destaca-se pelo pioneirismo, ao assinalar a existência de dois Palmares, diferenciados populacional e geograficamente, e pelo registro da captura de negros escravizados por parte dos palmarinos: Os negros ocupam-se em roubar os escravos dos portugueses, aos quais mantêm no cativeiro até que se alforriem capturando outros. (NIEUHOF, 1682: 18). Embora tenha permanecido dez anos em solo pernambucano, o autor não citou em seu livro a organização, a hierarquia palmarina e nem os enfrentamentos com as forças batavas João Blaer O capitão João Blaer (1645) foi outro autor do período holandês a registrar os quilombos palmarinos. Ele realizou uma expedição, com sua gente, de 26 de fevereiro a 2 de abril de 1645 aos Palmares, tendo como ponto de partida e de retorno o povoado de Alagoas do Sul. No diário dessa expedição de reconhecimento militar, registrou

3 diversos percalços enfrentados na mata. 1 Em 18 de março de 1645, Blaer chegou com sua tropa ao Velho Palmares, já abandonado, registrando, sobretudo suas características geográficas. No dia 21, diferentemente de Nieuhof, Blaer descreveu a autoridade do rei palmarino: [...] o seu rei os governava com severa justiça, não permitindo feiticeiros entre a sua gente [...] (CARNEIRO, 2011: 213). Blaer foi um dos autores que propôs existir escravidão em Palmares. Sua afirmação foi recolhida, mais tarde, dando origem nas últimas décadas na historiografia brasileira à existência de cativeiro para trabalhadores escravizados, que eram levados contra a vontade para Palmares. O autor não estava de todo errado, exceto pelo uso do termo escravidão, que confundia a tradição européia de escravidão colonial com as formas domésticas de escravidão africanas. (GORENDER, 1985) Os escravos em Palmares na primeira etapa organizacional daqueles quilombos além de não terem sido tratados de forma semelhante ao cativeiro colonialmercantil, não ficavam perpetuamente nessa condição, fato relatado pelo autor, mas sem a devida ênfase Gaspar Barléu Salvo engano, o teólogo e humanista Gaspar Barléu ( ) foi o terceiro autor holandês a registrar Palmares. Contratado pelo conde Maurício de Nassau para registrar seus feitos à frente da administração do Brasil Holandês, Barléu deixa claro suas intenções na dedicatória de seu livro História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil: Aqui vos ofereço, ilustríssimo Conde, [...] a vós, que, com insigne galhardia, defendestes e exaltastes a Holanda e enchestes a Espanha com a fama e o temor da guerra [...]. (1647, p. IX) Em seu livro, publicado em 1647, BARLÉU aborda a geografia palmarina e sua forma de organização, sempre dando ênfase à selvageria dos palmarinos: [...] para onde se dirigia uma aluvião de salteadores e escravos fugidos, ligados numa sociedade de latrocínios e rapinas (sic), os quais eram dali mandados às Alagoas para infestarem (sic) as lavouras [...] (1647, p. 253.) Em momento algum são exaltados os negros fugidos como organizados ou evoluídos. 1 BLAER, João. Diário de viagem do Capitão João Blaer aos Palmares em In CARNEIRO, Edison O Quilombo dos Palmares, 4. Ed. São Paulo: Raízes, 2011.

4 O autor, teólogo protestante, cita a religiosidade dos palmarinos como sendo a mesma dos portugueses (1647, p. 253.) o que denota certa proximidade ou aceitação cultural dos negros dos Palmares com a Coroa Lusitana. Em mais de quatrocentas páginas, Palmares não recebe destaque em mais do que duas, e acaba por ser retratado como um inimigo interno combatido por Nassau. 2 OS AUTORES PORTUGUESES Após a Restauração Portuguesa, houve um período de calmaria que durou até 1675, quando o governador dom Pedro de Almeida decidiu retomar as investidas contra os quilombos. Neste período, houve a grande expansão dos Palmares, sobretudo com a implementação de sua estrutura jurídica e administrativa. Foram registradas 25 entradas militares contra a região com o intuito de exterminar os quilombos. No final das investidas e após algumas derrotas significativas por parte da Coroa Lusitana, o governador propôs o acordo de 1678, que dava a liberdade aos negros nascidos em Palmares e propunha a reescravização dos demais. O referido acordo não foi aceito pela maioria dos palmarinos e culminou no assassinato de Nganga Nzumba e na ascensão de Nzumbi como chefe dos Palmares. Logo após a Restauração Portuguesa, em 1640, os autores que historicizaram o Brasil seguiram a linha de exaltação das classes dominantes e, sobretudo, da organização do país Brito Freire Um dos primeiros portugueses a registrar Palmares foi o fidalgo e administrador colonial Francisco de Brito Freire ( ) que, após ter participado da guerra da Restauração, governou a capitania de Pernambuco dos anos de 1661 a 1664, terminando recluso em cárcere ao desobedecer às ordens da Coroa. Em seu período de reclusão, Freire escreveu Nova Lusitânia: História da Guerra Brasílica: Viagem da Armada da Companhia do Comércio e Frotas do Estado do Brasil. Seu livro descrevia Palmares com riqueza de detalhes, visto que havia organizado e participado de entradas militares contra o reduto palmarino durante sua administração local.

5 Seguindo a linha de conservação dos valores portugueses e de descrição das características agrícolas e geográficas dos quilombos palmarinos, o autor destaca: [...] não terem perdido a nossa fé (1675: 281.), apesar de serem criminosos e assassinos, o que justificaria o ataque e destruição dos quilombos. Segundo a historiadora Andressa dos Reis (2004), o peculiar desta obra foi abordar Palmares como estado organizado e respeitável, tanto pelo número de habitantes como por sua extensão territorial (REIS, 2004, p. 41) o que difere o autor dos cronistas holandeses que, sua maioria, destacavam a barbárie e selvageria do Estado palmarino. A historiadora ainda lembra que, segundo o autor, as expedições militares em nada foram benéficas para a Coroa, e sim vândalas, o que caracteriza discrepância com a necessidade de destruição descrita pelo próprio autor. 2.1 Relação Dez anos mais tarde, foi escrita a obra Relação das guerras feitas aos Palmares de Pernambuco no tempo do governador D. Pedro de Almeida de 1675 a 1678, de autoria anônima. O livro foi encontrado pelo Conselheiro Drumonnd e entregue ao Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro que, por sua vez, publicou em sua revista (RIHGB). Conforme o título, trata-se de obra narrativa de exaltação ao governador Pedro de Almeida. A obra destaca-se pela riqueza substancialmente maior de informações a respeito de Palmares, em relação aos relatos anteriores, tanto de holandeses quanto de lusitanos. Uma das primeiras informações importantes é a relação dos nomes dos mocambos palmarinos, com suas devidas identificações e limites geográficos (In CARNEIRO, 2011, p. 158.). Embora haja exaltação aos feitos do governo local, o autor descreveu de forma minuciosa as dificuldades geográficas enfrentadas por sua tropa em locomoção pelos caminhos da serra da Barriga. É destacada na obra a colaboração das vilas vizinhas na troca de produtos com os palmarinos por artigos diversos, principalmente armas e munições, o que aumentou as dificuldades lusitanas de combate aos quilombos. O autor registrou a presença do rei Nganga Nzumba e do respeito e temor que todos alimentavam por ele, inclusive com a definição de casa real para a sede onde o ele habitava: [...] habita a sua cidade real, 5

6 que chamam o Macaco [...] Esta é a metrópole entre as mais cidades e povoações [...] (2011, p. 159.). O autor ressaltou a existência de práticas religiosas próximas à cristã, inclusive com a presença de uma capela: [..] a que recorrem em seus apertos e [...] imagens a quem recomendam suas tensões (2011, p. 160.). As referidas imagens Menino Jesus, Nossa Senhora da Conceição e São Brás - teriam sido encontradas quanto da invasão do Macaco. É crível que não houve por parte do autor interesse em analisar a fé palmarina como oriunda de religiosidade própria ou sincrética, mas sim como permanência da fé cristã. Em relação aos costumes e hábitos do reino palmarino, o autor destacou a existência da poligamia por parte dos líderes do quilombo e da forma de vestir que seria a mesma: que observam entre nós (2011, p. 160.). Ao longo do texto, o quilombo é tratado como o inimigo de portas adentro, que causava danos irreparáveis aos moradores das vilas adjacentes e, sobretudo, ameaçava a economia do nordeste. É na Relação que Zumbi é citado com destaque, quando de seu ferimento em combate: [...] aqui se feriu com uma bala o general das armas, que chamava Zambi, que quer dizer deus da guerra, negro de singular valor, grande ânimo e constância rara (2011, p. 164.). Os louvores em sua descrição não são apenas em relação para Zumbi, mas igualmente para a estrutura e organização palmarina, vista como um grande perigo para a evolução e futuro da capitania. Em sua parte final, o livro aborda o acordo proposto pela Coroa a Nganga Nzumba (1678), com detalhes para a recepção feita à comitiva dos palmarinos, porém dá por definitiva a paz na capitania, sem relatar os enfrentamentos internos de Palmares e o surgimento de Zumbi como autoridade máxima. A obra encerra-se com uma exaltação ao governador Dom Pedro de Almeida, a quem o livro foi claramente dedicado e possivelmente por ele encomendado: [...] toda a felicidade desta glória, toda a glória desta conquista soube merecer o zelo generoso e a prudência singular de d. Pedro de Almeida [...] seu nome será eterno na lembrança dos filhos de Pernambuco [...]. (2011, p. 178) Rocha Pita

7 A principal, ou primeira, obra de cunho e valor historiográfico, é produto da pena de Sebastião da Rocha Pita ( ), português nascido em Salvador, no Brasil Colônia. Pita estudou no Colégio dos Jesuítas na Bahia, onde conseguiu o grau de mestre em artes. Segundo José Honório Rodrigues (1979), é duvidosa sua formação na Universidade de Coimbra. Foi feito coronel das Ordenanças da Corte de Salvador, fidalgo da Casa Real, cavaleiro professo da Ordem de Cristo, Acadêmico na Academia Real da História Portuguesa de Lisboa e da Academia dos Esquecidos da Bahia. (RODRIGUES, 1979, p. 495) O baiano foi ainda Senador da Câmara de Salvador por diversos mandatos (1687, 1692, 1704, 1712 e 1721). Embora tenha escrito outras obras, o seu livro de grande relevância é a História da América Portuguesa, que, publicado em 1730, criou tendência para toda uma época. Pita (1730) descreve o que chama de América Portuguesa (justificando sua naturalidade lusitana, embora nascido na Bahia) sempre com muito louvor a Portugal, sem economizar nas críticas aos batavos (sobretudo à sua religiosidade) e aos brasileiros. Sua ideia de civilização estava diretamente atrelada aos valores das classes dominantes de Portugal - não apenas palmarinos estavam longe de seus padrões de aceitação. O historiador RODRIGUES critica veementemente a obra de Pita, embora destaque a sua real importância. Dentre as críticas iniciais, enfatiza que a obra do baiano sofre pela falta de consulta a documentos originais, o que de certa forma, coloca em discussão suas afirmações e conceitos: [...] por não ter visto todos os originais, fazendo a maior parte das cópias por informações... (RODRIGUES, 1979, p. 496). A historiadora Andressa dos Reis (2004) também atenta para o fato, sem lhe dar porem tanta importância: [...] muitos aludem à obra de Rocha Pita como portadora de inúmeros devaneios; isto se deve ao relato de alguns fatos, que por não possuírem respaldo documental, tornaram-se alvo dos historiadores posteriores... (2004, p. 35). Por além de seu valor, a Academia Real Portuguesa encampou o livro provavelmente também por seu conteúdo notoriamente lusitano, onde são apontados características do território brasileiro, com duras críticas à barbárie dos povos não civilizados ou às heranças holandesas do tempo da invasão. Os louvores e exaltações são direcionados sempre a Portugal, não havendo palavras simpáticas aos movimentos populares duramente condenados. 7

8 Dentre as diversas críticas sofridas pelo livro, o historiador Francisco Adolfo de Varnhagen ( ) ressalta: [...] era mais imaginativo que pensador, mais poeta e admirador do belo do que crítico, vassalo da razão e escravo das provas autênticas... (VARNHAGEN in RODRIGUES, 1979, p. 501). Apesar de todos os seus devaneios e imperfeições, a História da América Portuguesa coloca definitivamente Palmares na historiografia brasileira, trazendo mais tarde o debate para as academias. Outras obras posteriores seguem a mesma linha ou caracterizam-se por repetições de seus relatos. Pita (1730) defende explicação culturalista para as fugas e rebeliões dos palmarinos. Para ele, devido ao trato humano que conheceria no cativeiro, o negro escravizado não tinha motivos para se rebelar e somente o fazia para fugir dos padrões culturais do homem branco, para, com sua rebelião e aquilombamento, retornar à barbárie africana de origem: [...] se congregaram quase quarenta negros [...] dispondo fugirem aos senhores de quem eram escravos, não por tiranias [...] mas por apetecerem viver isentos de qualquer domínio [...]. (Pita, 1952, p. 353.). Seguindo ainda nesta linha interpretativa, afirmava: [...] estimando mais a liberdade entre as feras que a sujeição entre os homens. (1952, p. 353.). Pita referia-se a Palmares como uma república rústica e a seu modo bem ordenada (1952, p. 355). Cita grandes repúblicas da antiguidade para descrever por sua organização estrutural bárbara de Palmares. O autor destacou Zumbi, e, salvo engano, foi o pioneiro ao interpretar o significado daquele termo, ainda que em sentido negativo (diabo) como título africano, e não nome próprio. Para Pita os palmarinos elegiam por seu príncipe, com o nome de Zombi (que no seu idioma vale o mesmo que diabo) (1952, p. 355.). Somente com Nina Rodrigues, em 1905, a grafia evoluiu de Zambi para Zumbi. A denominação de príncipe, com o sentido tendencioso de diabo inspira-se na hierarquia monárquica e na religiosidade católica. Conforme visto anteriormente, a Relação de 1678 traduz zumbi como deus da guerra e não como diabo. Embora repetisse alguns registros de Blaer, Rocha Pita foi um dos primeiros a abordar em forma enfática a existência de escravos em Palmares, desconsiderando as condições econômicas do quilombo em nada compatíveis com a prática escravista 8

9 colonial 2 : Aos escravos que por vontade se lhes iam juntar, concediam viverem em liberdade; os que tomavam por força ficavam cativos e podiam ser vendidos. (1952, p. 355.). O autor não considerou o fato de que os africanos escravizados chegados por livre e espontânea vontade em Palmares eram recebidos como membros plenos dos quilombos, enquanto que os trazidos à força eram colocados em cativeiro para que pudessem ser vigiados, impedindo desta forma que delatassem a existência e os caminhos de Palmares. Não havia, porém, e não podia haver, exploração escravista colonial. Em sua obra, Pita cita a presença de comércio entre Palmares e as vilas adjacentes, propondo tal prática à necessidade de evitar danos de possíveis invasões dos negros palmarinos. Outra contribuição de Pita foi a descrição geográfica da fortaleza do Macaco, com as coordenadas de sua localização. Um dos seus erros históricos mais notórios foi a forma como a morte de Zumbi é citada em seu livro. Embora tenha sido o pioneiro no destaque de tal fato, o fim poético do líder palmarino, jogando-se de penhasco, gerou inúmeras repetições em obras posteriores a sua, fazendo inclusive com que Nina Rodrigues (1905), em uma época onde os documentos já eram conhecidos, optasse pela morte poética e não bélica relatada por Pita. Em resumo, seu livro levantou uma série de discussões, bem como alimentou o imaginário de outros autores do período colonial e imperial do Brasil, colaborando para desenvolver a investigação e o debate sobre Palmares. Pita (1730) concluiu sua obra da mesma forma com que iniciou, exaltando a Coroa lusitana na figura do governador local: [...] Este fim tão útil como glorioso teve a guerra que fizemos aos negros dos Palmares, devendo [...] ao valor e zelo com que Caetano de Melo de Castro governou a província de Pernambuco [...]. (1952, p ). 9 CONCLUSÃO 2 Cf. MAESTRI, Mário. In Péret, Benjamin. O quilombo dos Palmares. Porto Alegre: UFRGS Editora, p. 66.

10 Os autores do período colonial do Brasil registraram Palmares em seus livros, abordando suas características gerais, sempre com a mentalidade e objetivos da época, ou seja, como forma de sustentar seus domínios e exaltar os feitos dos colonizadores. É notório o quanto o extermínio dos palmarinos foi significativo para o controle da província de Pernambuco e o quanto era vital para a economia local, visto que Palmares gerava prejuízos devido à perda da propriedade escravizada e dos produtos que produzia. Palmares foi tratado ao longo do período como o inimigo de portas adentro, devido à sua complexidade organizacional e à seu tempo de duração, que causaram transtornos para as duas administrações da Capitania, Holanda e Portugal. Ao trabalhar a historiografia palmarina no período do Brasil Colônia, é preciso analisar que, de forma geral, os autores daquele período tentaram de todas as formas justificar o extermínio da civilização dos Palmares, ora pela incompatibilidade de seus aspectos civilizatórios, ora por questões de ordem religiosa. Os reais motivos, do controle da terra e do comércio, bem como da restauração dos engenhos através da mão-de-obra escravizada, pouco foram relatados no período, fazendo de Palmares, efetivamente, uma civilização voltada à barbárie e à ameaça do sistema colonial. 10 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALVES FILHO, Ivan. Memorial dos Palmares. Rio de Janeiro: Xenon, BRANCO, Renato Castelo. Domingos Jorge Velho: e a presença paulista no Nordeste. São Paulo: T. A. Queiroz, Editor, CARNEIRO, Edison. O Quilombo dos Palmares. 5. Ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, CASAL, Manuel Aires de. Corografia Brasílica ou Relação histórico-geográfica do Reino do Brasil. São Paulo: Edições Cultura, ENNES, Ernesto. As guerras nos Palmares. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1938.

11 FIABANI, Adelmir. Mato, palhoça e pilão: O quilombo, da escravidão às comunidades remanescentes [ ]. 2. Ed. São Paulo: Editora EXPRESSÃO POPULAR, FONSECA JÚNIOR, Eduardo. Zumbi dos Palmares: Herói negro da nova consciência nacional. São Paulo: Editora Atheneu, FRANÇA, Jean Marcel Carvalho. FERREIRA, Ricardo Alexandre. Três Vezes Zumbi: A construção de um herói brasileiro. São Paulo: Três Estrelas, FREITAS, Décio. O Escravismo Brasileiro. 3. Ed. Porto Alegre: Mercado Aberto, FREITAS, Décio. Palmares: A guerra dos escravos. 5. Ed. Porto Alegre: Mercado Aberto, FREITAS, Mário Martins de. Reino Negro de Palmares. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora, FUNARI, Pedro Paulo. CARVALHO, Aline Viera de. Palmares, ontem e hoje. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, GENNARI, Emilio. Em Busca da Liberdade: Traços das Lutas Escravas no Brasil. 2. Ed. São Paulo: Expressão Popular, GOMES, Flávio dos Santos. De Olho em Zumbi dos Palmares: histórias, símbolos e memória social. São Paulo: Claro Enigma, GOMES, Flávio dos Santos. Histórias de Quilombolas. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, GOMES, Flávio dos Santos. Palmares. São Paulo: Editora Contexto, HANDELMANN, H. História do Brasil. 2. Ed. Tomo 1. São Paulo: Edições Melhoramentos, HOORNAERT, Eduardo. A Igreja no Brasil Colônia: [ ]. 3.Ed. São Paulo: Editora Brasiliense, HOLANDA, Sérgio Buarque de. História geral da civilização brasileira: A época colonial. São Paulo: Difusão Européia do Livro, LANDMANN, Jorge. Tróia Negra: A saga dos palmares. São Paulo: Mandarim, LIBBY, Douglas Cole. PAIVA, Eduardo França. A Escravidão no Brasil: Relações Sociais, Acordos e Conflitos. 2. Ed. São Paulo: Editora Moderna, MAESTRI, Mário. A Servidão Negra. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1988.

12 MAESTRI, Mário. Breve história da escravidão. Porto Alegre: Mercado Aberto, MOURA, Clóvis. Os Quilombos e a Rebelião Negra. 4. Ed. São Paulo: Editora Brasiliense, MOURA, Clóvis. Rebeliões da Senzala. 4. Ed. Porto Alegre: Mercado Aberto, PÉRET, Benjamin. O Quilombo dos Palmares. Porto Alegre: UFRGS Editora, PITTA, Rocha. História da América Portuguesa. São Paulo: Gráfica Editora Brasileira, v. XXX. POMBO, Rocha. História do Brasil. São Paulo: Edições Melhoramentos, PRIORE, Mary del. VENANCIO, Renato. Uma Breve História do Brasil. São Paulo: Planeta, REIS, Andressa Merces Barbosa dos. Zumbi: Historiografia e imagens. 148 f. Dissertação (Mestrado em História) Faculdade de História, Direito e Serviço Social da Universidade Estadual Paulista - UNESP, São Paulo, REIS, João José. GOMES, Flávio dos Santos. Liberdade por um fio. São Paulo: Companhia das Letras, RODRIGUES, José Honório. História da história do Brasil. 2. Ed. São Paulo: Cia Editora Nacional, RODRIGUES, Raymundo Nina. Os africanos no Brasil. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, SALVADOR, Frei Vicente. História do Brasil. 6. Ed. São Paulo: Edições Melhoramentos, SANTOS, Joel Rufino dos. A Vida de Zumbi dos Palmares. Brasília: Imprensa Nacional, SANTOS, Joel Rufino dos. Zumbi. São Paulo: Editora Moderna, SANTOS, João Felício dos. Ganga-Zumba. 2. Ed. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, SOUZA, Marina de Mello e. África e Brasil Africano. 2. Ed. São Paulo: Ática, SOUTHEY, Robert. História do Brasil. 5. Ed. 1. Vol. São Paulo: Edições Melhoramentos, 1977.

13 THOMAS, Claudio Maria. AZEVEDO, Paulo E. de. História do Brasil. São Paulo: F.T.D., v. 2. VILELA, Magno. Antônio Vieira: a escravidão negra na Bahia do século XVII. Rio de Janeiro: Relume Dumará, WANDERLEY, Mario D. Domingos Jorge Velho. São Paulo: Estabelecimento Graphico Irmãos Ferraz,

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan João Paulo I O NORDESTE COLONIAL Professor Felipe Klovan A ECONOMIA AÇUCAREIRA Prof. Felipe Klovan Portugal já possuía experiência no plantio da cana-de-açúcar nas Ilhas Atlânticas. Portugal possuía banqueiros

Leia mais

Economia e Sociedade Açucareira. Alan

Economia e Sociedade Açucareira. Alan Economia e Sociedade Açucareira Alan Características coloniais gerais Colônia de exploração Existência de Pacto Colonial Monopólio Economia de exportação de produtos tropicais Natureza predatória extrativista,

Leia mais

1530 O regime de capitanias hereditárias é instituído por D. João III. Primeira expedição colonizadora chefiada por Martim Afonso de Sousa.

1530 O regime de capitanias hereditárias é instituído por D. João III. Primeira expedição colonizadora chefiada por Martim Afonso de Sousa. Vera, Use a seguinte legenda: Amarelo: o documento para o link encontra-se neste site: http://www.info.lncc.br/wrmkkk/tratados.html Rosa: o documento para o link encontra-se neste site: http://www.webhistoria.com.br

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA PARCIAL DE HISTÓRIA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: 02/04/2011 Nota: Professora: Ivana Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA ESCRAVIDÃO ANTIGA A escravidão é um tipo de relação de trabalho que existia há muito tempo na história da humanidade. Na Antiguidade, o código

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

O Brasil holandês http://www.youtube.com/watch?v=lnvwtxkch7q Imagem: Autor Desconhecido / http://educacao.uol.com.br/biografias/domingos-fernandescalabar.jhtm DOMINGOS CALABAR Domingos Fernandes

Leia mais

MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA PROF. ROSE MARY OLIVEIRA LIMA 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL

MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA PROF. ROSE MARY OLIVEIRA LIMA 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA PROF. ROSE MARY OLIVEIRA LIMA 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL OS VÁRIOS PROCESSOS DE EXPANSÃO DA COLONIZAÇÃO PORTUGUESA. EXTENSÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO O Brasil é o 5º maior

Leia mais

Invasões Holandesas. 1630 uma armada holandesa ocupou Olinda e o Recife.

Invasões Holandesas. 1630 uma armada holandesa ocupou Olinda e o Recife. Invasões Holandesas A dependência holandesa do açúcar brasileiro era enorme; Entre 1625 e 1630 a Holanda dedicou-se aos ataques de corsários, no litoral brasileiro e região do Caribe, chegando a ocupar

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

500 anos: O Brasil Colônia na TV

500 anos: O Brasil Colônia na TV 500 anos: O Brasil Colônia na TV Episódio 5: A Conquista da terra e da gente Resumo O episódio 5, A Conquista da terra e da gente, parte da série 500 anos: O Brasil Colônia na TV, apresenta o processo

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA TREZE COLÔNIAS Base de ocupação iniciativa privada: Companhias de colonização + Grupos de imigrantes = GRUPOS DISTINTOS [excedente da metrópole;

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano

RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano História/15 7º ano Turma: 3º trimestre Nome: Data: / / 7ºhis303r RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano 3º trimestre Aluno(a), Seguem os conteúdos trabalhados no 3º trimestre. Como base neles você deverá

Leia mais

A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL

A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL Ederson da Paixão (Especialista em Educação Especial: Atendimento às Necessidades Especiais Integrante do Projeto de Pesquisa Os Primeiros Dramas

Leia mais

Colonização da Região de São Paulo: Índios, colonos, jesuítas e bandeirantes

Colonização da Região de São Paulo: Índios, colonos, jesuítas e bandeirantes Colonização da Região de São Paulo: Índios, colonos, jesuítas e bandeirantes Maria Aparecida Papali, Maria José Acedo del Olmo e Valéria Zanetti de Almeida 1 Ao longo do século VII, as atividades econômicas

Leia mais

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras O descobrimento de novas terras e riquezas (o pau-brasil) estimulou a cobiça de várias nações européias que iniciavam as suas aventuras

Leia mais

Colonização Portuguesa. Prof. Osvaldo

Colonização Portuguesa. Prof. Osvaldo Colonização Portuguesa Prof. Osvaldo A chegada dos Portugueses Portugal e depois Espanha se tornaram pioneiros nas chamadas Grandes Navegações Portugal buscou contornar a África para tentar chegar ao Oriente

Leia mais

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer CAUSAS: Acirramento da concorrência comercial entre as potências coloniais; Crise das lavouras de cana; Estagnação da economia portuguesa na segunda metade do século XVII; Necessidade de encontrar metais

Leia mais

A TROCA DA MÃO-DE-OBRA INDÍGENA PELA NEGRA AFRICANA

A TROCA DA MÃO-DE-OBRA INDÍGENA PELA NEGRA AFRICANA A TROCA DA MÃO-DE-OBRA INDÍGENA PELA NEGRA AFRICANA O sucesso da lavoura canavieira passou a exigir cada vez mais mão-de-obra, assim, os Senhores de Engenho começaram a importar escravos negros da África

Leia mais

A Revolução Puritana

A Revolução Puritana A Revolução Puritana O que foi a Revolução Puritana A Revolução Puritana, ocorrida na Inglaterra entre 1641 e 1649, originou pela primeira vez a constituição de uma República (1649-1658) em solo inglês.

Leia mais

EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR HORISTA

EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR HORISTA EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR HORISTA 1) Sociologia II A Escola de Ciências Sociais / CPDOC da FGV-RJ informa a abertura de processo seletivo para a contratação de um professor horista para a disciplina

Leia mais

6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º. Valor: 80

6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º. Valor: 80 6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º Valor: 80 1. A invasão holandesa no Nordeste brasileiro, ao longo do século XVII, está relacionada com a exploração de um produto trazido para o Brasil pelos portugueses. Que

Leia mais

Colonização Portuguesa. Prof. Osvaldo

Colonização Portuguesa. Prof. Osvaldo Colonização Portuguesa Prof. Osvaldo Tratado de Tordesilhas de 1494 Terras pertencentes à Espanha Terras pertencentes a Portugal A ficção do Descobrimento Principais povos Indígenas no Brasil No Brasil,

Leia mais

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL Foi a conquista e ocupação do interior do território, além dos limites do Tratado de Tordesilhas. Essa expansão foi responsável pela extensão territorial do Brasil de hoje.

Leia mais

Zumbi dos Palmares Vida do líder negro Zumbi dos Palmares, os quilombos, resistência negra no Brasil Colonial, escravidão, cultura africana

Zumbi dos Palmares Vida do líder negro Zumbi dos Palmares, os quilombos, resistência negra no Brasil Colonial, escravidão, cultura africana DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA O Dia da Consciência Negra é celebrado em 20 de novembro no Brasil e é dedicado à reflexão sobre a inserção do negro na sociedade brasileira. A data foi escolhida por coincidir

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 3ª. Disciplina:História(p1,2º. Bimestre ) Data da prova: 30/04/2014

Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 3ª. Disciplina:História(p1,2º. Bimestre ) Data da prova: 30/04/2014 Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 3ª. Disciplina:História(p1,2º. Bimestre ) Data da prova: 30/04/2014 01. (Fatec-SP) Não

Leia mais

História do Brasil Colônia

História do Brasil Colônia História do Brasil Colônia Aula VII Objetivo: a expansão e a consolidação da colonização portuguesa na América. A) A economia política da colônia portuguesa. Em O tempo Saquarema, o historiador Ilmar R.

Leia mais

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa Capítulo Organização político- -administrativa na América portuguesa 1 O Império Português e a administração da Colônia americana Brasil: 1500-1530 O interesse português pelo território americano era pequeno

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial

Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial Franceses, Ingleses e Holandeses Prof. Alan Carlos Ghedini O princípio: competição nos mares Portugal e Espanha chegaram primeiro à corrida das Grandes

Leia mais

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real Prof.ª viviane jordão INTRODUÇÃO Na segunda metade do século XVIII, novas ideias começaram a se difundir pela América portuguesa. Vindas da Europa,

Leia mais

Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano

Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano 1. CARACTERÍSTICAS GERAIS DO PERÍODO COLONIAL Colônia de exploração (fornecimento de gêneros inexistentes na Europa). Monocultura.

Leia mais

Prova Escrita de História e Geografia de Portugal

Prova Escrita de História e Geografia de Portugal PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de História e Geografia de Portugal 6º Ano de Escolaridade Prova 05 / 2.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 90 minutos.

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 530, DE 2011

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 530, DE 2011 COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 530, DE 2011 (Do Senado Federal Senador Marco Maciel) Inscreve os nomes de Francisco Barreto de Menezes, João Fernandes Vieira, André Vidal de Negreiros,

Leia mais

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL 1. (Unicamp 94) Num panfleto publicado em 1789, um dos líderes da Revolução Francesa afirmava: "Devemos formular três perguntas: - O que é Terceiro Estado? Tudo. - O que tem ele sido em nosso sistema político?

Leia mais

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção?

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção? Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 3 o Bimestre 4 o ano história Data: / / Nível: Escola: Nome: Memórias de um Brasil holandês Nessa terra

Leia mais

EDUCAÇÃO JESUÍTICA RESUMO

EDUCAÇÃO JESUÍTICA RESUMO EDUCAÇÃO JESUÍTICA KARLA FERREIRA DOS SANTOS Profª. Maria Auxiliadora Freitas Pimenta de Araújo Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Licenciatura em Pedagogia (PED0545) HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO

Leia mais

2ª FASE Prof.ª JEANNE ARAÚJO E SILVA

2ª FASE Prof.ª JEANNE ARAÚJO E SILVA 2ª FASE Prof.ª JEANNE ARAÚJO E SILVA 4º BIMESTRE 2ª Avaliação - Área de Ciências Humanas. Aula 196 Revisão e avaliação de Ciências Humanas. 2 Hidrografia 3 A hidrografia é o ramo da geografia física que

Leia mais

A defesa militar da Amazônia. Quem defendia a Amazônia brasileira, antes de o Brasil existir como nação

A defesa militar da Amazônia. Quem defendia a Amazônia brasileira, antes de o Brasil existir como nação A defesa militar da Amazônia Celso Castro e Adriana Barreto de Souza Quem defendia a Amazônia brasileira, antes de o Brasil existir como nação independente? A pergunta, contraditória em seus próprios termos,

Leia mais

Linga A/905759 LUÍS HENRIQJJE DIAS TAVARES. ./is /'/ DA BAHIA 11' EDIÇÃO (revistaeampliada)

Linga A/905759 LUÍS HENRIQJJE DIAS TAVARES. ./is /'/ DA BAHIA 11' EDIÇÃO (revistaeampliada) Linga A/905759 LUÍS HENRIQJJE DIAS TAVARES./is /'/ DA BAHIA 11' EDIÇÃO (revistaeampliada) SUMARIO Capítulo I Povos que habitavam o atual território do estado da Bahia antes dos europeus e dos africanos

Leia mais

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Índice Clique sobre tema desejado: A origem dos Estados Nacionais Contexto Histórico: crise feudal (séc. XIV-XVI) Idade Média Idade Moderna transição Sociedade

Leia mais

A conquista do Sertão. Expedições de apresamento

A conquista do Sertão. Expedições de apresamento A conquista do Sertão Expedições de apresamento As bandeiras contribuíram para a expansão do território em direção ao interior, porém houve muitas mortes de nativos. O principal alvo era as missões dos

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo História Olá, pessoal! Vamos conhecer, entre outros fatos, como era o trabalho escravo no Brasil? CHIQUINHA GONZAGA Programação 3. bimestre Temas de estudo O trabalho escravo na formação do Brasil - Os

Leia mais

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL O QUE ERAM AS ENTRADAS E BANDEIRAS?

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL O QUE ERAM AS ENTRADAS E BANDEIRAS? EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL Foi a conquista e ocupação do interior do território, além dos limites do Tratado de Tordesilhas. Essa expansão foi responsável pela extensão territorial do Brasil de hoje.

Leia mais

A expansão da América Portuguesa

A expansão da América Portuguesa 8 ANO A/B RESUMO DA UNIDADE 1 DISCIPLINA: HISTÓRIA PROFESSORA: SUELEM *Os índios no Brasil A expansão da América Portuguesa Violência contra os povos indígenas; - Doenças, trabalho forçado; - Foram obrigados

Leia mais

A Formação do Território Brasileiro.

A Formação do Território Brasileiro. A Formação do Território Brasileiro. A primeira fronteira do Brasil Fernando e Isabel 1492 - Colombo 1493 papa Alexandre VI (espanhol) editou a Bula Inter Coetera 1494 - Tratado de Tordesilhas. 1530 no

Leia mais

Investidas...pág. 02. Johann Mauritius van Nassau...pág. 03. Batalhas dos Montes Guararapes... pág. 03. BIBLIOGRAFIA...pág. 07

Investidas...pág. 02. Johann Mauritius van Nassau...pág. 03. Batalhas dos Montes Guararapes... pág. 03. BIBLIOGRAFIA...pág. 07 Índice Invasões holandesas... pág. 02 Investidas...pág. 02 Maurício de Nassau...pág. 02 Insurreição Pernambucana... pág. 03 Johann Mauritius van Nassau...pág. 03 Batalhas dos Montes Guararapes... pág.

Leia mais

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar 1º Período UNIDADE 1 A aventura de navegar Produtos valiosos Navegar em busca de riquezas Viagens espanholas Viagens portuguesas Ampliação O dia a dia dos marinheiros Conhecer as primeiras especiarias

Leia mais

1. (Unicamp) Referindo-se à expansão marítima dos séculos XV e XVI, o poeta português Fernando Pessoa escreveu, em 1922, no poema Padrão :

1. (Unicamp) Referindo-se à expansão marítima dos séculos XV e XVI, o poeta português Fernando Pessoa escreveu, em 1922, no poema Padrão : Vai Ter Específica 1. (Unicamp) Referindo-se à expansão marítima dos séculos XV e XVI, o poeta português Fernando Pessoa escreveu, em 1922, no poema Padrão : E ao imenso e possível oceano Ensinam estas

Leia mais

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO.

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. ENSINO FUNDAMENTAL Conteúdos do 7º Ano 3º/4º Bimestre 2015 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Luciana Data: / /2015 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara História Resultado

Leia mais

Os índios Por Marina Mesquita Camisasca

Os índios Por Marina Mesquita Camisasca Os índios Por Marina Mesquita Camisasca Os índios do Novo Mundo não formavam um grupo homogêneo, com características lingüísticas e culturais semelhantes. Ao contrário do que se imagina, existiram vários

Leia mais

BANDEIRAS E BANDEIRANTES

BANDEIRAS E BANDEIRANTES Museu da Cidade de São Paulo BANDEIRAS E BANDEIRANTES São Paulo do Piratininga foi fundada em 1554, no entorno do Colégio dos Jesuítas, na elevação entre os rios Tamanduateí e Anhangabaú. Aos poucos, esta

Leia mais

CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA

CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA Rosemary Maria do Amaral 1 RESUMO: Antes mesmo de sua descoberta nas minas, alguns caminhos começaram

Leia mais

América Colonial Portuguesa (sécs. XVI-XVIII)

América Colonial Portuguesa (sécs. XVI-XVIII) América Colonial Portuguesa (sécs. XVI-XVIII) 1) Período Pré-Colonial Trinta anos sem projeto de colonização (1500-1530) Interesses voltados para o comércio com o Oriente Desapontamento quanto às potenciais

Leia mais

Revista HISTEDBR On-line

Revista HISTEDBR On-line FONTES PRIMÁRIAS DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: A PRIMEIRA EDIÇÃO DE AS CONSTITUIÇÕES PRIMEIRAS DO ARCEBISPADO DA BAHIA - 1707. Paulo de Tarso Gomes UNISAL Americana- SP paulo.gomes@am.unisal.br Foto

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes Africana: África como berço da humanidade Capítulo 1: Item 1 Européia Capítulo 1: Item 2 Asiática Capítulo 1: Item 2 Americana Capítulo 1: Item 3 Arqueologia Brasileira Capítulo 1: Item 4 A paisagem e

Leia mais

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Os estudos sobre a África e as culturas africanas têm ganhado espaço nas últimas décadas. No Brasil esse estudo começou, basicamente, com Nina Rodrigues em

Leia mais

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727)

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727) A Revolução Inglesa A Revolução inglesa foi um momento significativo na história do capitalismo, na medida em que, ela contribuiu para abrir definitivamente o caminho para a superação dos resquícios feudais,

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 7 5 Unidade 7 Nome: Data: 1. Sobre as formas de conquista e exploração do governo português, associe corretamente as colunas. a) Relações diplomáticas.

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades Resoluções das Atividades Sumário Módulo 1 A conquista da América, a história cultural dos povos indígenas e africanos e a economia açucareira...1 Módulo 2 A mineração no Período Colonial, as atividades

Leia mais

Revista HISTEDBR On-line

Revista HISTEDBR On-line do livro: ASSUNÇÃO, P. Negócios Jesuíticos: O cotidiano da administração dos bens divinos. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2004. 512 p. por Flávio Massami Martins Ruckstadter Mestrando

Leia mais

AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP

AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP ABSOLUTISMO AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP. 268 A 274 CONTEÚDO EM SALA DE AULA SLIDES PORTAL ROTEIRO NO CADERNO A SOCIEDADE DO ANTIGO REGIME XV-XVIII

Leia mais

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista?

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? Navegar era preciso, era Navegar era preciso navegar... Por quê? O que motivou o expansionismo marítimo no século

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 7 o ano 4 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Leia o trecho da carta de Pero Vaz de Caminha, escrivão da armada de Pedro Álvares Cabral, escrita em maio de 1500 para o rei português

Leia mais

Capitanias Hereditárias Governo Geral Economia Colonial Escravidão

Capitanias Hereditárias Governo Geral Economia Colonial Escravidão Capitanias Hereditárias Governo Geral Economia Colonial Escravidão As Capitanias Hereditárias Grandes faixas de terra doadas pelo rei à nobreza e pessoas de confiança. Os Capitães Donatários eram os homens

Leia mais

MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS

MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS 3.1- A AGROMANUFATURA AÇUCAREIRA O COMPLEXO AÇUCAREIRO ( XVI / XVII ) - Pré-condições favoráveis( solo, clima, mão-deobra,mercado externo ) - Participação

Leia mais

A COLONIZAÇÃO DO BRASIL

A COLONIZAÇÃO DO BRASIL A COLONIZAÇÃO DO BRASIL OS FUNDAMENTOS DO COLONIALISMO PORTUGUÊS O processo de ocupação e formação do Império Colonial Lusitano baseou-se dentro da ótica mercantilista. Essa forma de organização ficou

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

1 REGISTRO, Tânia Cristina. O arranjo de fotografias em unidades de informação: fundamentos teóricos e

1 REGISTRO, Tânia Cristina. O arranjo de fotografias em unidades de informação: fundamentos teóricos e Michelle Cartolano de Castro Ribeiro. Catolicismo e Espiritismo: potenciais de pesquisa a partir do Fundo José Pedro Miranda (Centro Universitário Barão de Mauá pós-graduando) O espaço de estudo usado

Leia mais

A Ocupação do Litoral e a Expansão Territorial. Introdução:

A Ocupação do Litoral e a Expansão Territorial. Introdução: COLÉGIO MILITAR DE JUIZ DE FORA 2007 HISTÓRIA - 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL Nº: NOME: TURMA: A Ocupação do Litoral e a Expansão Territorial. Introdução: Durante o século XVI, as povoações geralmente

Leia mais

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2 1º ano O absolutismo e o Estado Moderno Capítulo 12: Todos os itens A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10:

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM.

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. PLANO DE TRABALHO DOCENTE - 2012 Professora: Ana Claudia Martins Ribas Disciplina: História - 8º ano -Fundamental 1º BIMESTRE Conteúdos Básicos: -Povos, Movimentos e

Leia mais

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640)

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) Portugal e Brasil no século XVII Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) O domínio espanhol. Em 1580, o rei de Portugal, D. Henrique, morreu sem deixar herdeiros ( fim da dinastia de Avis) surgiram disputas

Leia mais

Exercícios de Economia Açucareira, União Ibérica e O Brasil Holandês

Exercícios de Economia Açucareira, União Ibérica e O Brasil Holandês Exercícios de Economia Açucareira, União Ibérica e O Brasil Holandês 1. (Enem) O açúcar e suas técnicas de produção foram levados à Europa pelos árabes no século VIII, durante a Idade Média, mas foi principalmente

Leia mais

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 UNIDADE DIDÁTICA: TEMA A: DOS PRIMEIROS POVOS À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL.

Leia mais

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) PORTUGAL -Atinge as Índias contornando

Leia mais

Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA

Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 3ª Etapa 2012 Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA Ano: 2012 Turma: 1º FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

Superioridade ibérica nos mares

Superioridade ibérica nos mares 2.ª metade do século XVI Superioridade ibérica nos mares PORTUGAL Entre 1580 e 1620 ESPANHA Império Português do oriente entra em crise devido a Escassez de gentes e capitais Grande extensão dos domínios

Leia mais

A FORMAÇÃO TERRITORIAL BRASILEIRA: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA.

A FORMAÇÃO TERRITORIAL BRASILEIRA: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA. A FORMAÇÃO TERRITORIAL BRASILEIRA: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA. A UNIÃO IBÉRICA (1580 A 1640) OS DESDOBRAMENTOS DA UNIÃO IBÉRICA Juramento de Tomar Perda de Valor da Linha de Tordesilhas Intensificação das

Leia mais

SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA

SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA Izaura Lila Lima Ribeiro 1 Maria de Lourdes Macena Filha 2 RESUMO Este artigo versa sobre o papel dos negros na

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

Total aulas previstas

Total aulas previstas ESCOLA BÁSICA 2/3 DE MARTIM DE FREITAS Planificação Anual de História do 7º Ano Ano Lectivo 2011/2012 LISTAGEM DE CONTEÚDOS TURMA Tema 1.º Período Unidade Aulas Previas -tas INTRODUÇÃO À HISTÓRIA: DA ORIGEM

Leia mais

NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO

NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO Sabrina Nascimento de Carvalho, Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA, sabrinaerarisson@hotmail.com Rárisson

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos OS EPÍTETOS NOS CÂNTICOS MARIANOS Eliane da Silva (USP) eliane1silva@gmail.com 1. Os epítetos A pesquisa visa mostrar a completude histórica refletida nas cantigas marianas, além das cantigas que tiveram,

Leia mais

O descobrimento do Brasil

O descobrimento do Brasil Europa: renascimento cultural Brasil... Pindorama... Ilha de Vera Cruz... Terra de Santa Cruz... A Europa estava num processo de transformação que tinha se iniciado no século XIV. Este processo de transformação

Leia mais

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA EUROPA Expansão dos Ideais Iluministas Revolução Francesa Fim do Antigo regime Ascensão da Burguesia ao poder Revolução Industrial

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 7 o ano 3 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : 1. Leia o texto e responda. No século XV, quando se iniciaram as navegações oceânicas, o rei de Portugal já tinha poder inquestionável,

Leia mais

A FORTALEZA DE SANTA CATARINA Em 1586, o governo de Frutuoso Barbosa reconheceu a necessidade urgente de se construir um forte para a defesa da

A FORTALEZA DE SANTA CATARINA Em 1586, o governo de Frutuoso Barbosa reconheceu a necessidade urgente de se construir um forte para a defesa da / / A CONQUISTA DO TERRITÓRIO Até a metade do século XVI, navegantes franceses frequentavam o nordeste brasileiro e se davam muito bem com os nativos: trocavam quinquilharias pelo pau-brasil, de cuja casca

Leia mais

Brasil - Colônia e Império 1500-1889

Brasil - Colônia e Império 1500-1889 Brasil - Colônia e Império 1500-1889 Texto adaptado do livro "História do Brazil", de Rocha Pombo, publicado em 1919 pela Editora "Weiszflog Irmãos" Atualização e adaptação: Paulo Victorino José Francisco

Leia mais

SESMARIAS E POSSE DE TERRAS: POLÍTICA FUNDIÁRIA PARA ASSEGURAR A COLONIZAÇÃO BRASILEIRA

SESMARIAS E POSSE DE TERRAS: POLÍTICA FUNDIÁRIA PARA ASSEGURAR A COLONIZAÇÃO BRASILEIRA 1 SESMARIAS E POSSE DE TERRAS: POLÍTICA FUNDIÁRIA PARA ASSEGURAR A COLONIZAÇÃO BRASILEIRA Mônica Diniz...até onde temos podido representar aquelas formas de comércio, instituições e idéias de que somos

Leia mais

MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência

MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004.

Leia mais

Reflexões socioantropológicas sobre festa, religião e cidade no Brasil.

Reflexões socioantropológicas sobre festa, religião e cidade no Brasil. Reflexões socioantropológicas sobre festa, religião e cidade no Brasil. PEREZ, Léa Freitas. Festa, religião e cidade. Corpo e Alma do Brasil. Porto Alegre: Medianiz, 2011, 211p. Mauro Dillmann 1 Gilberto

Leia mais

CENTRO CULTURAL DE BELÉM. PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015. Segunda Parte Época Moderna

CENTRO CULTURAL DE BELÉM. PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015. Segunda Parte Época Moderna CENTRO CULTURAL DE BELÉM PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015 Segunda Parte Época Moderna Nuno Gonçalo Monteiro Instituto de Ciências Sociais Universidade de Lisboa Quarta Sessão

Leia mais