REVISTA DO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO BRASILEIRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REVISTA DO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO BRASILEIRO"

Transcrição

1 REVISTA DO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO BRASILEIRO Hoc facit, ut longos durent bene gesta per annos. Et possint sera posteritate frui. R. IHGB, Rio de Janeiro, a. 173, n. 457, pp , out./dez

2 o conde de BaGnuoLi, salvador da Bahia e Vencedor de Maurício de nassau 149 o CondE de BAGnUolI, SAlVAdoR da BAHIA E VENCEDOR DE MAURICIO DE NASSAU Va s c o Ma r i z 1 Neste período em que festejamos os 150 anos da unificação da Itália, é justo demonstrar o nosso reconhecimento ao ilustre militar napolitano conde de Bagnuoli e a seus soldados italianos por seus feitos militares na Bahia, que fizeram recuar os holandeses de Maurício de Nassau na Bahia e impediram a extensão do domínio holandês no Nordeste brasileiro em momento crucial de nossa história. Quando fui Cônsul do Brasil em Nápoles ( ) interessei-me pelas relações entre o Brasil e o reino de Nápoles e das Duas Sicílias e me espantei com as conexões diretas entre a língua portuguesa e o dialeto napolitano. Esse reino, hoje esquecido, foi fundado no século XII e durou até 1860, por ocasião da unificação e da independência da Itália. Nápoles nos deu, em especial, a imperatriz Teresa Cristina, a boa esposa de D. Pedro II. Logo ao chegar àquela belíssima cidade italiana em 1956, surpreendi-me com o cartaz de um teatro bem defronte ao meu hotel.: A Camarera Nova, com esta exata grafia. Acontece que até hoje permanecem no dialeto napolitano numerosas palavras de origem portuguesa, um pouco deturpadas, mas facilmente reconhecíveis. Os espanhóis, na época, governavam Flandres, Nápoles e o Brasil, além de outras possessões em lugares remotos, onde o sol nunca se punha. Muitos desses soldados luso-brasileiros, levados para Nápoles para guarnecer a cidade e o reino, lá se radicaram, casaram-se com jovens napolitanas e formaram famílias que, bem ou mal, conservam até hoje um pouco do idioma português através dos séculos. A Itália esteve presente no Brasil desde o descobrimento, e o famoso mapa do italiano Cantino muito contribuiu para a exploração de nossa costa. O famoso Amerigo Vespucci, que daria o nome às Américas, aqui esteve duas vezes, em 1502 e 1504, e da ilha do Governador escreveu sua conhecida Lettera ao príncipe florentino Per Luigi Medici, descrevendo as maravilhas de nossa terra. Ele pode até ser considerado o fundador da primeira instalação europeia na baía da Guanabara, na ilha do Governador. Nessa época distante não faltam italianos a recordar, como Sebastiano Caboto, Pigafetta, o armador Marchioni, representante dos Médici em Lisboa, os irmãos Verrazzano, etc. Os irmãos Adorno aqui chegaram em companhia de Martim Afonso de Souza e se encantaram com as possibilidades da terra: começaram 1 Sócio emérito do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. R. IHGB, Rio de Janeiro, a. 173 (457): , out./dez

3 Va s c o Ma r i z logo a construir engenhos para explorar o cobiçado açúcar, que, na época, era valiosíssimo na Europa. Os banqueiros florentinos sempre se sentiram atraídos pelo Brasil e participaram de diversos empreendimentos navais na América do Sul no século XVI, prevendo um grande futuro financeiro para a região recém-descoberta. No século seguinte, os batalhões napolitanos, que vieram a serviço do rei da Espanha para ajudar a expulsar os holandeses do Nordeste, desempenharam um papel importante em nossa história e é o que vamos comentar a seguir. Mais tarde, dois padres matemáticos italianos auxiliaram Alexandre de Gusmão na ampliação do território brasileiro pelo Tratado de Madri, em Assim como os espanhóis levavam soldados brasileiros e portugueses para guarnecer o reino de Nápoles, os espanhóis também escolhiam ilustres militares e competentes nobres napolitanos para missões importantes em outras colônias de seu imenso império. Um bom exemplo foi o do príncipe Carácciolo, de ilustre família napolitana, que serviu como Vice-rei do Peru no século XVIII. Por outro lado, lembro que a governadora de Portugal, representante do rei da Espanha em Lisboa, no período da guerra contra os holandeses no Brasil, era uma italiana, a duquesa de Mântua. Após haver recordado esses interessantes pormenores, passo a comentar de perto esse personagem tão esquecido, o general Giovanni Vincenzo di Sanfelice, conde de Bagnuoli e, depois de morto, príncipe de Monteverde. Ele era muito estimado pelo monarca espanhol e teve papel importante, embora controvertido, na defesa da Bahia e do Nordeste em geral. Em 1933, foi inaugurado um obelisco com três faces na sede da embaixada do Brasil em Roma, que homenageia três personagens italianos ligados ao Brasil: a imperatriz Teresa Cristina, o conde de Bagnuoli e Garibaldi. Compareceram à cerimônia o rei Vittorio Emmanuelle III e uma descendente do general, a duquesa de Bagnuoli. A bibliografia sobre Bagnuoli é pequena, embora as publicações sobre o domínio holandês sejam numerosíssimas e se refiram a ele com frequência, embora sem muitos pormenores. No livro de Evaldo Cabral de Mello, Olinda Restaurada, lemos numerosas citações ao militar napolitano que enriqueceram este nosso estudo. Também o belo livro de Vittorio di Pace, Napoletani nella guerra degli olandesi in Brasil, publicado na Itália nos dois idiomas, nos elucidou diversos aspectos de sua personalidade e comenta com pormenores seu comportamento nas suas três importantes presenças no Brasil durante as campanhas holandesas. Bagnuolo, tal como é conhecido em nossos livros de história, salvou a Bahia mais de uma vez e isso muito contribuiu para a sua fama. Há uma publicação de João Nogueira Jaguaribe sobre nosso 150 R. IHGB, Rio de Janeiro, a. 173 (457): , out./dez. 2012

4 O Conde de Bagnuoli, salvador da Bahia e vencedor de Maurício de Nassau personagem, editada em São Paulo em 1918, que nos aportou algumas novidades. Outras publicações abordam suas atividades no Brasil e.entre elas destaco o livro Italianos no Brasil, de Ricardo Fontana, e Cenni Storici sugli italiani benemeriti del Brasile, editado pela embaixada do Brasil em Roma, que nos trouxeram alguns pormenores interessantes. Existe ainda um artigo sobre suas atividades na revista do IHGB do ano de Giovanni Vincenzo di Sanfelice nasceu em Nápoles em 1575 de uma família de pequena nobreza, tanto que o rapaz entrou para o exército do reino como simples soldado. Se a família fosse importante, certamente ingressaria em academia militar para de lá sair oficial. Não foi o caso. Giovanni era um rapaz inteligente, forte e de estatura média. Consta que era um bom matemático, o que o habilitou a ser um bom oficial de artilharia. Lutou na Calábria, que ajudou a pacificar, e na região de Milão. Pertenceu ao batalhão de guerra do exército real napolitano e em poucos anos galgou vários degraus em sua carreira e chegou a sargento-mor, então uma autoridade militar regional. Em Milão foi indicado a passar ao serviço diretamente da Coroa espanhola no exterior. Sua experiência militar o credenciava a participar nas guerras de Flandres, onde conseguiu ganhar ainda mais experiência e o respeito de seus superiores espanhóis. Participou da batalha de Praga e lá recebeu uma medalha militar por bravura. Lutou depois em Cádiz, ao sul da Espanha, contra os ingleses. Jaguaribe o descreve como um belo homem, de cabeça grande, cabelos separados repartidos à esquerda, olhos vivos, nariz adunco, barba aparada e estatura mediana O livro de Vittorio di Pace tem na capa uma gravura da época com seu retrato. Em Flandres casou-se com uma senhora flamenga, Catarina van Reuss, da casa dos Vandreas, parentes dos príncipes de Orange, que governavam os Paises Baixos. O casal teve três filhos, Marco Antonio e Fabio, que depois combateram no Brasil ao lado do pai, e um terceiro filho que se fez dominicano com o nome de frei Miguel. Toda a família hoje repousa na igreja de Santa Chiara, em Nápoles, e continuam a merecer o respeito da sociedade napolitana. Nossos historiadores habitualmente se referem a ele como conde de Bagnuolo com o final, mas o título nobiliárquico que recebeu de Felipe IV se grafa com i final, tal como se denomina hoje o bairro de Nápoles que leva o seu nome. A esse respeito, lembro que, no início da atual rodovia que vai de Nápoles para Roma, está localizada uma grande área industrial denominada Bagnuoli. Em 1621 acabara a trégua hispano-holandesa e foi fundada a importante Companhia das Índias Ocidentais (WIC), sociedade por ações com matriz em Amsterdã. Três anos depois a Companhia atacou e conquistou a cidade de Salvador. Madrid alarmou-se e organizou a reação contando com o apoio R. IHGB, Rio de Janeiro, a. 173 (457): , out./dez

5 Va s c o Ma r i z de forças de suas diversas colônias, entre as quais Nápoles. Nesse ano de 1624, Sanfelice já era homem maduro, aos 49 anos de idade e com a patente de general de cavalaria. Foi convocado a integrar a importante expedição espanhola que iria combater os holandeses no Brasil, que haviam ocupado facilmente Salvador e causado enormes prejuízos à Coroa espanhola. Lembro que estávamos no período da União Ibérica quando Portugal e o Brasil eram governados desde Madri. Sanfelice estava trabalhando em Milão quando foi encarregado de organizar companhias de guerra. Eram todos voluntários muito jovens, que de lá foram levados a Nápoles e, depois de rápido treinamento, enviados a Cádiz, no sul da Espanha. Lá foram embarcados na frota de D. Fradique de Toledo, que iria combater os holandeses na Bahia. Nessa grande esquadra espanhola de 64 navios e homens, que viajou para o Brasil, havia quatro navios napolitanos que traziam 850 soldados e 50 oficiais. O comandante do contingente napolitano era Carlo Andréa Carácciolo, marquês de Torrecuso, e Sanfelice comandava uma das naus. Os holandeses não haviam encontrado dificuldades em subjugar os arredores de Salvador e depois a própria cidade, ocupados quase sem resistência. O governador se retirara para os arredores de maneira pouco honrosa. Como comentou o historiador inglês Charles Boxer, Havia em funcionamento na região cerca de 350 engenhos, isto é, plantações com maquinárias necessárias à moagem da cana, enquanto que em toda a Holanda só havia 30 refinarias de açúcar. 2 O saque foi imenso e os holandeses levaram caixas de açúcar e enorme quantidade de pau-brasil. Pedro Calmon nos conta que os soldados holandeses enchiam os chapéus de ouro e prata. Ao chegar à Bahia o contingente italiano entrou logo em combate e tiveram a sorte de derrotar os holandeses comandados por Hans Ernst Kiff. O assédio de Salvador demorou cerca de um mês e os problemas da defesa da cidade ocupada preocupavam os holandeses. Curiosamente, os holandeses continuavam a contar com o apoio dos silvícolas, que não gostavam dos portugueses, que sempre desejaram escravizá-los. Por tudo isso e a ambição pelas riquezas que lá se encontravam, os holandeses haviam decidido tentar conquistar a Bahia, o que não foi uma sábia decisão, já que suas forças eram insuficientes. Logo ao chegar, o conde de Bagnuoli reorganizou as forças hispano-luso-brasileiras na Bahia e passou a fazer sortidas nas vizinhanças da capital contra as tropas holandesas. Os comandantes eram o general Von Schkoppe e o almirante Lichthardt e eles haviam aplicado a estratégia da guerra dos 30 anos, fazendo terra rasa no Sergipe. Bagnuoli e o governador-geral tinham 2 BOXER, Charles R. Os holandeses no Brasil. Editora Nacional, São Paulo, 1961, página R. IHGB, Rio de Janeiro, a. 173 (457): , out./dez. 2012

6 O Conde de Bagnuoli, salvador da Bahia e vencedor de Maurício de Nassau suas diferenças, mas acabaram se entendendo e suas tropas infligiram pesadas perdas aos holandeses. O jovem Salvador Corrêa de Sá e Benevides, que depois ficaria famoso, conseguiu incendiar várias naus holandesas com seus índios da Guanabara. Os batavos haviam desembarcado perto de Salvador, na chamada Água de Meninos, e atacaram o Recôncavo. Os estragos que os holandeses lá fizeram foram grandes e tardariam a ser recuperados. O impasse porém demorou e o almirante Piet Heyn chegou a decidir dar um assalto final, mas o conselheiro Gysselingh conseguiu dissuadi-lo. Afinal decidiram retirar as suas tropas, contentando-se com o importante produto dos saques que fizeram nos engenhos do Recôncavo e nas naus portuguesas e espanholas que haviam apresado, mas que compensou amplamente as despesas da expedição. Os italianos estavam conduzidos pelo marquês de Crópani, que, embora idoso, se bateu galhardamente. Depois da vitória, Sanfelice foi nomeado governador provisório da cidade. A vitória sobre os holandeses deu muito prestígio a Bagnuoli, o que lhe foi útil, pois a sua autoridade era frequentemente contestada pelos capitães da terra. No entanto, o jovem padre Antônio Vieira louvou a sua estratégia e também a sua maneira de negociar com os holandeses a sua retirada da Bahia, aonde nunca mais ousaram voltar. Quando afinal a grande esquadra espanhola chegou à Bahia, os holandeses já haviam regressado a Pernambuco. Depois desse sucesso Sanfelice retornou à Europa, onde foi recebido pelo rei da Espanha, que soube recompensar a sua eficiência, fazendo-o conde de Bagnuoli, uma região vizinha a Nápoles. Giovanni foi depois novamente designado para Flandres, onde voltou a participar das guerras locais, já agora como um importante chefe militar espanhol. Em 1628 os holandeses tiveram a sorte de capturar a frota espanhola da prata, em Matanzas, Cuba, o que permitiu à WIC distribuir polpudos dividendos aos acionistas e financiar novo ataque ao Brasil. Dois anos depois os holandeses conquistaram Olinda e o Recife e ergueram ao sul da ilha de Itamaracá o forte Orange. A conquista da Paraíba foi o próximo passo. Estava consolidada a cabeça de ponte neerlandesa. Bagnuoli voltaria ao Brasil seis anos depois, em 1631, no comando de tropas que iriam reforçar Matias de Albuquerque em Pernambuco, onde os brasileiros tinham dificuldades a resistir aos batavos. Ele veio na grande frota do D. Antonio de Oquendo e já tinha então 56 anos, o que na época era o começo da velhice. Duarte de Albuquerque, ao narrar o desembarque dos 300 napolitanos, comentou que Bagnuoli não se descuidou um ápice e que R. IHGB, Rio de Janeiro, a. 173 (457): , out./dez

7 Va s c o Ma r i z sua presença entusiasmou seus vassalos que acudiram com carros, pretos e cavalos. Bagnuoli estava ao lado de Matias de Albuquerque por ocasião do assalto holandês à ilha de Itamaracá, regressando depois ao Arraial do Bom Jesus, em Pernambuco. Defendeu a fortaleza de Nazareth do Cabo e, a partir de 19 de janeiro de 1636, foi investido no comando supremo das tropas de Pernambuco. No ano seguinte sofreu a primeira derrota na batalha de Comendaituba contra forças holandesas duas vezes superiores. Ronaldo Vainfas recorda episódios da campanha na Paraíba: No comando da resistência paraibana estava o governador Antônio de Albuquerque, que recebeu o apoio em pessoa do general italiano, conde de Bagnuoli, adjunto de Matias de Albuquerque, que doente não pôde atuar na batalha. (...) A campanha na Paraíba não caminhou bem. Rendidos os fortes aos holandeses, a resistência portuguesa ficou irremediavelmente comprometida. O conde de Bagnuoli mandou atear fogo às casas de Filipeia (atual João Pessoa), onde havia pau-brasil, açúcar e tabaco, convencido de que a cidade era indefensável e tratou de fugir para o Arraial do Bom Jesus. Os holandeses entraram em Filipeia encontrando-a abandonada. O governador ainda tentou organizar defesa nos engenhos, mas sem sucesso. 3 Bagnuoli desembarcou suas forças em Alagoas e se apressou a defender a região do cabo de Santo Agostinho, onde havia um porto importante ainda em mãos brasileiras para exportar o precioso açúcar para Portugal e Espanha. Bagnuoli participara da batalha de Mata Redonda que foi uma vitória dos holandeses, mas com a morte do comandante-geral espanhol, D. Luís de Rojas y Borja, marquês de Granja, o napolitano assumiu a direção geral das forças espanholas na guerra. Entretanto, suas tropas não eram suficientemente numerosas para enfrentar os batavos e por isso prudentemente Bagnuoli decidiu retirar-se em direção sul, para a região de Porto Calvo, em Alagoas, onde seu sargento-mor Paolo Barnola teve a sorte de apresar e fazer executar o famoso Domingos Fernandes Calabar, notícia que causaria forte efeito psicológico negativo para os holandeses. Bagnuoli demonstrou ainda possuir vigor excepcional, podendo resistir a fadigas e privações. Ele promulgou leis modificando os costumes da guerra, em vigor na época, que considerava bárbaros e selvagens. Em 1633 Bagnuoli firmou convênio com os holandeses para um armistício para troca de prisioneiros, respeito às igrejas e proibição no uso de balas de canhão explosivas, tal como já se havia conseguido em Flandres. Apelou aos batavos, que concordaram, para que libertassem prisioneiros especiais e lhes dessem 3 VAINFAS, Ronaldo. Traição. Companhia das Letras, São Paulo, 2008, pp. 61/ R. IHGB, Rio de Janeiro, a. 173 (457): , out./dez. 2012

8 O Conde de Bagnuoli, salvador da Bahia e vencedor de Maurício de Nassau salvo-condutos. Vittorio di Pace, em seu livro sobre os militares italianos no Brasil, afirmou que os napolitanos trouxeram para o Brasil daquela época uma nova e cavalheiresca concepção de batalha, adotando meios humanitários e iniciativas diretas a reduzir sofrimentos inúteis. Já Evaldo Cabral de Mello afirma que era tal o ressentimento nacionalista entre os oficiais portugueses, a que vinha se juntar a impopularidade de Bagnuoli, que um grupo de oficiais conspirou para prendê-lo. A conjura falhou e Madri se irritou bastante com as reclamações luso-brasileiras, o que viria a contribuir para o reforço da autoridade de Bagnuoli. Aliás, o descontentamento na terra era grande por causa dos impostos espanhóis e os sarcasmos dos fazendeiros não faltavam: Matias escrevia, Duarte dormia e Bagnuoli bebia o dia inteiro...na realidade, o exército de resistência era crescentemente impopular junto à comunidade luso-brasileira que havia optado por permanecer no Brasil holandês. 4 Com essas correrias os habitantes da região sofriam muito. Os donos dos engenhos que aceitavam o domínio holandês eram atacados pelas forças luso-espanholas e pagavam alto preço em vidas, bens e sofrimentos. Rogavam pragas ao conde de Bagnuoli, dizendo que com ele tudo ficou de mal a pior. Varnhagen não deu muito destaque a Bagnuoli em seu famoso livro sobre os holandeses no Brasil, hoje um pouco ultrapassado porque novos documentos foram descobertos desde a sua publicação em Comentando o sítio de Salvador e a campanha de Porto Calvo, o grande historiador e diplomata escreveu que Bagnuoli em vez de apresentar resistência, resolveu empreender uma vergonhosa fuga 5. Um evidente exagero, pois o que ocorreu foi um ato de prudência. Retirou-se porque não dispunha de forças suficientes. Em outro momento, Varnhagen censurou-o por não fortificar corretamente o porto do rio São Francisco. No entanto, outros autores mais recentes elogiaram Bagnuoli, limitando-se a sublinhar que a sua prudência era considerada por vezes como excessiva. Nassau perseguiu-o até o rio São Francisco, mas depois julgou mais prudente regressar a Pernambuco, o que foi considerado uma vitória moral dos italianos sobre o líder holandês. A vitória em Porto Calvo fora completa e Bagnuoli voltou a residir em Salvador e lá, em nome do povo baiano, mandou distribuir cruzados de gratificação às tropas pernambucanas pelo seu bom desempenho. 4 CABRAL DE MELLO, Evaldo. O Brasil Holandês, Companhia das Letras, São Paulo, 2010, p VARNHAGEN, Francisco Adolpho de. História das lutas com os holandeses no Brasil. BI- BLIEX, Rio de Janeiro, 2002, p Apresentação de Arno Wehling. R. IHGB, Rio de Janeiro, a. 173 (457): , out./dez

9 Va s c o Ma r i z Em verdade, no Nordeste o abastecimento era precário e o soldado europeu custava dez vezes mais caro do que o soldado da terra, mas Evaldo Cabral de Melo lembra que o provedor do exército era acusado de roubar a torto e a direito. Bagnuoli se queixava enfaticamente ao rei, em carta de 7 de fevereiro de 1637: Desde que aqui estou há seis anos nunca se deu aos soldados um real. Lembro que os soldados recebiam parte do soldo em tecidos e só em situações de aperto se pagavam os soldos completos. Curiosamente, o militar italiano escreveu ao monarca espanhol, em carta de 3 de junho de 1633, que os soldados da terra eram mais afeitos às delícias do que às armas e (...) se serviam mais dos pés do que das mãos. Essas cartas de Bagnuoli ao rei de Espanha chegavam ao conhecimento dos líderes militares da terra e os deixavam furiosos. A surpreendente prisão de Calabar foi um grande feito da gente de Bagnuoli e uma grande derrota para os batavos. Ele estava marcado para morrer e dificilmente poderia escapar algum dia, não muito distante. Em março de 1635, os holandeses atacaram Porto Calvo, importante povoação hoje em Alagoas, e cidade natal de Calabar. O general italiano se retirara para o sul com suas tropas e o conde polonês Arciszewski não tardou a apossar-se da fortaleza lusa, com auxílio tático de Calabar. Os habitantes da região, aconselhados por Frei Manuel Calado, aceitaram o domínio holandês e os padres católicos foram autorizados a levar suas imagens de santos. Entretanto, os italianos tiveram superioridade momentânea e cercaram um grupo de holandeses, entre os quais estava Calabar, os quais foram obrigados a render-se perto de Porto Calvo. Nos termos da rendição, Calabar ficou à mercê de El-Rei, mas mesmo assim foi submetido a um rápido tribunal militar e condenado a ser enforcado e esquartejado, o que aconteceu no dia 22 de julho de Foi uma grande notícia para o lado luso-ítalo-espanhol e os capitães da terra se rejubilaram com a morte do hábil mameluco. Os luso-italianos se retiraram logo depois, temerosos da próxima chegada de reforços holandeses. Em verdade, Calabar sabia demais e foi morto apressadamente, sem se permitir que dirigisse a palavra ao povo que assistiu ao enforcamento. Como se diria hoje em dia, ocorreu uma verdadeira queima de arquivo. Os holandeses protestaram formalmente contra a violação dos termos de rendição, pois havia ficado acordado que ele deveria ficar à disposição de El-Rei. Matias de Albuquerque alegou que, sem a ratificação do acordo por Madri (e não tinha havido tempo para isso), o acordo não tinha validade. 156 R. IHGB, Rio de Janeiro, a. 173 (457): , out./dez. 2012

10 O Conde de Bagnuoli, salvador da Bahia e vencedor de Maurício de Nassau Bagnuoli trouxera ordem secreta de Felipe IV para que Matias de Albuquerque o consultasse em todas as deliberações importantes. 6 Seu irmão, o donatário Duarte, deixou escrito que Matias tinha de acatar as opiniões de Bagnuoli, mesmo quando suas ideias divergissem. Com sua patente de mestre de campo (general), Bagnuoli não aceitava de bom grado sua subordinação ao irmão do donatário. Aliás, Duarte de Albuquerque não queria abandonar Pernambuco, mas Bagnuoli se recusou a dar-lhe atenção, pois ele só tratava do seu negócio, do seu patrimônio perdido, segundo informou a Madri. Lembro, porém, que o general napolitano comandava no Brasil um exército espanhol bastante heterogêneo, por vezes com tropas esfarrapadas e famintas. Bagnuoli era apegado às regras de guerra europeias e isso levava a gente da terra a pensar em pouca diligência ou em simples traição. As restrições que lhe faziam se referiam à sua cobiça e escassa probidade. Foi acusado até de conluio com o inimigo e troca de presentes com o comando holandês, embora isso fizesse parte do protocolo militar da época. No Maranhão, La Ravardière visitou cordialmente os inimigos portugueses e até ofereceu seu médico particular para cuidar de seus feridos. Maurício de Nassau se correspondia particularmente com seu inimigo, o governador português marquês de Montalvão, e chegou até a enviar-lhe o famoso pintor Eckhout para fazer-lhe o retrato. Por isso, talvez, quando a italiana duquesa de Mântua, governadora de Portugal, encaminhou as queixas dos capitães da terra contra Bagnuoli, Felipe IV não deu atenção às intrigas. O rei tinha grande apreço pelo italiano, assim como os dirigentes holandeses, e Felipe IV o considerava conselheiro prudente e soldado experiente. O monarca teria dito: Se tudo o que há contra o conde de Bagnuoli é o que se diz, seria grande leviandade mandá-lo voltar. 7 No entanto, os brasileiros sempre tiveram má vontade contra ele e o acusavam de peculato e extorsão, embora não de traição. Em 1638 um alto funcionário da Coroa veio à Bahia para investigar as queixas, mas segundo Evaldo Cabral de Mello, é provável que, em vista de seu procedimento inatacável quando do sítio de Salvador, tenha-se posto uma pá de cal no assun- 6 Pedro Calmon em sua História do Brasil, 2º volume, escreveu que Banholo era homem de confiança de el-rei e seu observador nessa guerra, tanto que, constando a desavença, mandou carta de 17/3/1632 dizendo: Sabia Matias de Albuquerque, por caminho de confidente e em direito, que convém a meu serviço a conformidade. Em outra carta real a Matias lê-se:...comunicando tudo com o conde de Bagnuolo. (Página 542) 7 CABRAL DE MELLO, Evaldo. Olinda Restaurada. Editora Topbooks, Rio de Janeiro, 1995, p R. IHGB, Rio de Janeiro, a. 173 (457): , out./dez

11 Va s c o Ma r i z to. Curiosamente, a correspondência de Bagnuoli é sempre pessimista, talvez devido à sua formação profissional europeia. Ele escreveu a El-Rei que havia sido enviado a uma guerra obscura e distante. Sei que vou a uma jornada que de nenhuma maneira me estava bem em ir, porque vou a um lugar onde se pode ganhar pouca reputação, a um clima tão destemperado e numa ocasião em que é mister gastar o que eu não tenho, com incerteza de quando será a volta. Do lado holandês e tampouco do lado luso-brasileiro não havia consenso sobre a utilidade militar dos índios, que se revelavam inferiores na disciplina quanto na produção açucareira. Bagnuoli sustentava em carta à italiana duquesa de Mântua, a governadora de Portugal, de 6 de novembro de 1639, que eles não são para outra coisa senão para que não desertem para o inimigo, e se algumas vezes lutam, muitas não querem. Os holandeses concordavam e se queixavam de que não era possível mantê-los na mesma disciplina e desertam das fileiras como velhacos (relatório Van der Dussen). Aliás Felipe Camarão, que tanto se distinguiu na etapa final da guerra holandesa, reconhecia a deficiência das tropas indígenas. No entanto, havia consenso de que sem o apoio de Calabar e dos indígenas de Manuel de Moraes os holandeses dificilmente teriam conseguido se firmar no Nordeste brasileiro. A decisão de abandonar a ilha de Itamaracá e os fortes da Paraíba foi censurada, mas a verdade é que não havia gente suficiente para defendê-los. Bagnuoli não confiava nos soldados da terra porque os considerava gente inconstante e em verdade poucos tinham habilidade e experiência. O depois notável Henrique Dias, um dos vencedores da guerra dos holandeses, o admirava e se considerava seu discípulo. Bagnuoli escreveu que a gente de Itamaracá, Pernambuco e Paraíba só se alistava com o tento no pagamento antecipado do soldo e, uma vez em ação, desapareciam pelos matos. 8 Em 1635 chegara a Alagoas uma frota com portugueses, espanhóis e mais italianos, entre os quais estava o filho mais velho de Bagnuoli, Marco Antônio, já então sargento-mor. D. Luís de Rojas y Borja durante a batalha de Mata Redonda veio a falecer, o que ensejou a oportunidade para Bagnuoli ascender ao cargo de mestre de campo general. Quando estava em Porto Calvo, Bagnuoli teve notícia de que seu filho faltara com seus deveres disciplinares, mas não hesitou em privar-lhe do comando e enviou-o de volta para a Espanha. Marco Antônio dez anos depois herdou o título de príncipe de Monteverde, concedido a seu pai post mortem pelo rei. Em abril/maio de 1638 ocorreu talvez a ação mais brilhante de Bagnuoli no Brasil. Nassau atacava novamente a Bahia com 3 mil europeus, 10 mil 8 Carta de Bagnuoli ao conde da Torre, de 19 de janeiro de R. IHGB, Rio de Janeiro, a. 173 (457): , out./dez. 2012

12 O Conde de Bagnuoli, salvador da Bahia e vencedor de Maurício de Nassau índios e 30 navios. Em Salvador Bagnuoli continuava às turras com o governador Pedro da Silva sobre qual a melhor maneira de defender a capital. O napolitano estava a 14 km, na torre de Garcia d Ávila. Nassau desembarcou tropas ao norte da cidade, enquanto Bagnuoli fazia cavar trincheiras profundas no caminho. Durante cerca de um mês Nassau sitiou Salvador, ao mesmo tempo em que punha a ferro e fogo o Recôncavo baiano. O impasse era considerável até quando o líder holandês decidiu atacar as defesas de Santo Antônio. Bagnuoli respondeu atacando os holandeses por trás e Nassau não conseguiu progredir. Afinal pediu trégua para retirar os numerosos mortos e feridos, com o que Bagnuoli concordou. Para sua surpresa, enquanto durava a trégua, Nassau decidiu retirar-se aproveitando uma noite de chuva. Cabral de Mello reproduziu no seu citado livro o texto completo do relatório de Nassau à WIC se justificando da derrota. O historiador comentou o episódio: Reforçada pelo exército de resistência expulso do Nordeste, a cidade suportou indomitavelmente o ataque, levando Nassau à desistência depois de realizar sem êxito uma derradeira tentativa na noite de 17 para 18 de maio. Do fracasso do sítio de Salvador data o primeiro desentendimento entre Nassau e a Companhia das Índias Ocidentais. 9 Felipe IV felicitou Bagnuoli vivamente dizendo que ele era o maior soldado que houvera em seu reino. Essa vitória de Santo Antônio teve a maior repercussão e deve ter pesado na memória real para a promoção póstuma de Bagnuoli a príncipe de Monteverde, nas terras de Otranto. No intervalo entre a sua segunda e a terceira permanência no Brasil, Bagnuoli atuou no Caribe à frente de forças espanholas, conseguindo reconquistar as ilhas de Saint Kitts e Nevis. Da terceira vez que veio ao Brasil, em janeiro de 1639, Bagnuoli chegou à Bahia no comando do galeão San Filippo. A esquadra do conde da Torre fora derrotada pelos holandeses, o que de certo modo parecia anular todas as vitórias conseguidas anos antes. Mas Bagnuoli não regressaria à sua pátria. Acabou morrendo em Salvador no ano seguinte, aos 65 anos de idade, e todos recordavam a sua glória de haver feito fugir o grande Maurício de Nassau em Santo Antônio. Por ocasião da independência de Portugal do jugo da Espanha em 1640, as tropas italianas e espanholas no Brasil foram desarmadas e embarcadas para a Europa. Bagnuoli foi convidado a permanecer, em atenção ao mérito de sua defesa da Bahia, mas preferiu continuar a serviço do rei da Espanha. Por isso, foi obrigado a deixar por escrito que não reconhecia o novo domínio 9 CABRAL DE MELLO, Evaldo. Op. cit. p R. IHGB, Rio de Janeiro, a. 173 (457): , out./dez

13 Va s c o Ma r i z português. Não chegou a embarcar de volta à Europa, pois a sua saúde já bastante abalada se deteriorou de vez. Bagnuoli veio a falecer na capital baiana a 26 de agosto de Tinha 65 anos. Depois de sua morte, recebeu do rei da Felipe IV o título de príncipe de Monteverde e em 17 de agosto de 1648, esse título de príncipe e o seu feudo foram transferidos pelo rei da Espanha ao seu filho mais velho Marco Antônio Sanfelice. Era mais uma prova do apreço que os espanhóis lhe devotavam. Durante o terceiro período de sua permanência na Bahia, Bagnuoli adiantara de seu bolso o soldo de tropas espanholas no valor de escudos e o rei, depois de seu falecimento, reembolsou seus herdeiros. Seu filho Fábio, capitão de cavalaria e depois coronel, foi preso pelos portugueses na época da Restauração e teve seus bens seqüestrados, entre os quais os diários de seu pai, que teriam sido muito úteis para estudar os seus comentários sobre as suas campanhas no Brasil. Fábio regressou depois à Itália e faleceu em 1646 na batalha de Porto Ércole. Alguns autores antigos chegaram a escrever que o conde de Bagnuoli falecera em uma batalha na Europa, mas está mesmo comprovado que morreu na Bahia e foi sepultado no convento do Carmo, em Salvador. Seus restos mortais foram mais tarde transferidos para Nápoles, onde descansam na igreja de Santa Chiara. Referências Bibliográficas ALBUQUERQUE COELHO, Duarte. Memórias diárias da guerra do Brasil, 3ª. edição, Recife, BOXER, C.R. Os holandeses no Brasil. Editora Nacional, São Paulo, Notável livro do historiador inglês. CABRAL DE MELLO, Evaldo. Olinda restaurada. Editora Topbooks, Rio de Janeiro, Excelente fonte de informações sobre o período.. O Brasil Holandês. Edição Penguin & Companhia das Letras, São Paulo, Contém textos importantes. CALMON, Pedro. História do Brasil, volume II. Editora José Olympio, Rio de Janeiro, Cenni Storici sugli italiani benemeriti in Brasile. Opúsculo da embaixada do Brasil junto ao Quirinal, Roma, Contém notícias interessantes e foto do citado obelisco. DI PACE, Vittorio. I napoletani nella guerra dei olandesi in Brasile. Editor Fiorentino, Nápoles, R. IHGB, Rio de Janeiro, a. 173 (457): , out./dez. 2012

14 O Conde de Bagnuoli, salvador da Bahia e vencedor de Maurício de Nassau FILAMONDO, R.M. Il gênio belicoso di Napoli. Editado em Nápoles em 1691, em dois volumes. JAGUARIBE, João Nogueira. O conde de Bagnuoli. Editora O Pensamento, São Paulo, Boa biografia. O autor comenta com pormenores as três campanhas de Sanfelice no Brasil. MORAIS, D. Manuel de. A recuperação da cidade de Salvador, na revista do IHGB de 1859, nº 22, anotado por Varnhagen. Várias citações como governador da cidade. VAINFAS, Ronaldo. Traição. Companhia das Letras, São Paulo, VARNHAGEN, Francisco Adolpho de. História das lutas com os holandeses no Brasil. Editora da Biblioteca do Exército (BIBLIEX), Rio de Janeiro, R. IHGB, Rio de Janeiro, a. 173 (457): , out./dez

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras O descobrimento de novas terras e riquezas (o pau-brasil) estimulou a cobiça de várias nações européias que iniciavam as suas aventuras

Leia mais

Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial

Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial Franceses, Ingleses e Holandeses Prof. Alan Carlos Ghedini O princípio: competição nos mares Portugal e Espanha chegaram primeiro à corrida das Grandes

Leia mais

Invasões Holandesas. 1630 uma armada holandesa ocupou Olinda e o Recife.

Invasões Holandesas. 1630 uma armada holandesa ocupou Olinda e o Recife. Invasões Holandesas A dependência holandesa do açúcar brasileiro era enorme; Entre 1625 e 1630 a Holanda dedicou-se aos ataques de corsários, no litoral brasileiro e região do Caribe, chegando a ocupar

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

1530 O regime de capitanias hereditárias é instituído por D. João III. Primeira expedição colonizadora chefiada por Martim Afonso de Sousa.

1530 O regime de capitanias hereditárias é instituído por D. João III. Primeira expedição colonizadora chefiada por Martim Afonso de Sousa. Vera, Use a seguinte legenda: Amarelo: o documento para o link encontra-se neste site: http://www.info.lncc.br/wrmkkk/tratados.html Rosa: o documento para o link encontra-se neste site: http://www.webhistoria.com.br

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

A FORTALEZA DE SANTA CATARINA Em 1586, o governo de Frutuoso Barbosa reconheceu a necessidade urgente de se construir um forte para a defesa da

A FORTALEZA DE SANTA CATARINA Em 1586, o governo de Frutuoso Barbosa reconheceu a necessidade urgente de se construir um forte para a defesa da / / A CONQUISTA DO TERRITÓRIO Até a metade do século XVI, navegantes franceses frequentavam o nordeste brasileiro e se davam muito bem com os nativos: trocavam quinquilharias pelo pau-brasil, de cuja casca

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan João Paulo I O NORDESTE COLONIAL Professor Felipe Klovan A ECONOMIA AÇUCAREIRA Prof. Felipe Klovan Portugal já possuía experiência no plantio da cana-de-açúcar nas Ilhas Atlânticas. Portugal possuía banqueiros

Leia mais

Sérgio Pinto Monteiro*

Sérgio Pinto Monteiro* Sérgio Pinto Monteiro* Em 15 de fevereiro de 1630 o nordeste brasileiro começava a viver o pesadelo da invasão dos holandeses da Companhia das Índias Ocidentais. Nesse dia, a cidade de Recife acordou sob

Leia mais

A ARMADA DE SOCORRO E A BATALHA NAVAL DE 1640

A ARMADA DE SOCORRO E A BATALHA NAVAL DE 1640 A ARMADA SOCORRO E A BATALHA NAVAL 1640 Carlos Roberto Carvalho Daróz Introdução Durante o período da União Ibérica, a Holanda, em busca de açúcar e motivada por questões religiosas, resolveu enviar expedições

Leia mais

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640)

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) Portugal e Brasil no século XVII Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) O domínio espanhol. Em 1580, o rei de Portugal, D. Henrique, morreu sem deixar herdeiros ( fim da dinastia de Avis) surgiram disputas

Leia mais

Colonização Portuguesa. Prof. Osvaldo

Colonização Portuguesa. Prof. Osvaldo Colonização Portuguesa Prof. Osvaldo Tratado de Tordesilhas de 1494 Terras pertencentes à Espanha Terras pertencentes a Portugal A ficção do Descobrimento Principais povos Indígenas no Brasil No Brasil,

Leia mais

Investidas...pág. 02. Johann Mauritius van Nassau...pág. 03. Batalhas dos Montes Guararapes... pág. 03. BIBLIOGRAFIA...pág. 07

Investidas...pág. 02. Johann Mauritius van Nassau...pág. 03. Batalhas dos Montes Guararapes... pág. 03. BIBLIOGRAFIA...pág. 07 Índice Invasões holandesas... pág. 02 Investidas...pág. 02 Maurício de Nassau...pág. 02 Insurreição Pernambucana... pág. 03 Johann Mauritius van Nassau...pág. 03 Batalhas dos Montes Guararapes... pág.

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 530, DE 2011

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 530, DE 2011 COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 530, DE 2011 (Do Senado Federal Senador Marco Maciel) Inscreve os nomes de Francisco Barreto de Menezes, João Fernandes Vieira, André Vidal de Negreiros,

Leia mais

História do Brasil Colônia

História do Brasil Colônia História do Brasil Colônia Aula VII Objetivo: a expansão e a consolidação da colonização portuguesa na América. A) A economia política da colônia portuguesa. Em O tempo Saquarema, o historiador Ilmar R.

Leia mais

MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência

MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004.

Leia mais

O Brasil holandês http://www.youtube.com/watch?v=lnvwtxkch7q Imagem: Autor Desconhecido / http://educacao.uol.com.br/biografias/domingos-fernandescalabar.jhtm DOMINGOS CALABAR Domingos Fernandes

Leia mais

1. Por que o Brasil? Por que o Nordeste?

1. Por que o Brasil? Por que o Nordeste? 1. Por que o Brasil? Por que o Nordeste? Na escolha do Brasil como alvo do ataque empresado pela wic pesou uma variedade de motivos. A América portuguesa constituiria o elo frágil do sistema imperial castelhano,

Leia mais

Colonização Portuguesa. Prof. Osvaldo

Colonização Portuguesa. Prof. Osvaldo Colonização Portuguesa Prof. Osvaldo A chegada dos Portugueses Portugal e depois Espanha se tornaram pioneiros nas chamadas Grandes Navegações Portugal buscou contornar a África para tentar chegar ao Oriente

Leia mais

A defesa militar da Amazônia. Quem defendia a Amazônia brasileira, antes de o Brasil existir como nação

A defesa militar da Amazônia. Quem defendia a Amazônia brasileira, antes de o Brasil existir como nação A defesa militar da Amazônia Celso Castro e Adriana Barreto de Souza Quem defendia a Amazônia brasileira, antes de o Brasil existir como nação independente? A pergunta, contraditória em seus próprios termos,

Leia mais

A FORMAÇÃO TERRITORIAL BRASILEIRA: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA.

A FORMAÇÃO TERRITORIAL BRASILEIRA: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA. A FORMAÇÃO TERRITORIAL BRASILEIRA: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA. A UNIÃO IBÉRICA (1580 A 1640) OS DESDOBRAMENTOS DA UNIÃO IBÉRICA Juramento de Tomar Perda de Valor da Linha de Tordesilhas Intensificação das

Leia mais

Superioridade ibérica nos mares

Superioridade ibérica nos mares 2.ª metade do século XVI Superioridade ibérica nos mares PORTUGAL Entre 1580 e 1620 ESPANHA Império Português do oriente entra em crise devido a Escassez de gentes e capitais Grande extensão dos domínios

Leia mais

Há que imaginar a Europa nos séculos XII e XIII como um imenso tabuleiro de

Há que imaginar a Europa nos séculos XII e XIII como um imenso tabuleiro de SEXTA CRUZADA (1228 1229) O Desencadeamento. Desde 1187 Jerusalém permanecia em mãos dos Muçulmanos. Nenhuma das Cruzadas anteriores havia conseguido avanço algum em terra Santa. Desta forma havia a necessidade

Leia mais

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real Prof.ª viviane jordão INTRODUÇÃO Na segunda metade do século XVIII, novas ideias começaram a se difundir pela América portuguesa. Vindas da Europa,

Leia mais

- 14Ü'- PONTO 8-23 a LIÇÃO

- 14Ü'- PONTO 8-23 a LIÇÃO - 14Ü'- Faleceu, quasi centenario, em 1592, sendo sepultado na capela-mór da matriz da vila de Santos. Português de origem, dedicou sessenta anos de serviços ao Brasil. A ele se deve o descobrimento do

Leia mais

Economia e Sociedade Açucareira. Alan

Economia e Sociedade Açucareira. Alan Economia e Sociedade Açucareira Alan Características coloniais gerais Colônia de exploração Existência de Pacto Colonial Monopólio Economia de exportação de produtos tropicais Natureza predatória extrativista,

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

Exercícios de Economia Açucareira, União Ibérica e O Brasil Holandês

Exercícios de Economia Açucareira, União Ibérica e O Brasil Holandês Exercícios de Economia Açucareira, União Ibérica e O Brasil Holandês 1. (Enem) O açúcar e suas técnicas de produção foram levados à Europa pelos árabes no século VIII, durante a Idade Média, mas foi principalmente

Leia mais

Prova Escrita de História e Geografia de Portugal

Prova Escrita de História e Geografia de Portugal PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de História e Geografia de Portugal 6º Ano de Escolaridade Prova 05 / 2.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 90 minutos.

Leia mais

MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS

MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS 3.1- A AGROMANUFATURA AÇUCAREIRA O COMPLEXO AÇUCAREIRO ( XVI / XVII ) - Pré-condições favoráveis( solo, clima, mão-deobra,mercado externo ) - Participação

Leia mais

A Revolução Puritana

A Revolução Puritana A Revolução Puritana O que foi a Revolução Puritana A Revolução Puritana, ocorrida na Inglaterra entre 1641 e 1649, originou pela primeira vez a constituição de uma República (1649-1658) em solo inglês.

Leia mais

POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN

POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN "Pr. Williams Costa Jr.- Pastor Bullón, por que uma pessoa precisa se batizar? Pr. Alejandro Bullón - O Evangelho de São Marcos 16:16 diz assim: "Quem crer e for batizado,

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL HOLANDÊS (1630 54)

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL HOLANDÊS (1630 54) HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL HOLANDÊS (1630 54) Como pode cair no enem (ENEM) Rui Guerra e Chico Buarque de Holanda es-creveram uma peça para teatro chamada Calabar, pondo em dúvida a reputação

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

2 COMO E QUANDO SURGIU GUARATIBA?

2 COMO E QUANDO SURGIU GUARATIBA? 2 COMO E QUANDO SURGIU GUARATIBA? Em 1555 os franceses entraram na Baía de Guanabara e se ocuparam de algumas ilhas no intuito de ali fundar o que eles chamavam de França Antarctica. Em 1560, pela primeira

Leia mais

500 anos: O Brasil - Império na TV

500 anos: O Brasil - Império na TV 500 anos: O Brasil - Império na TV Episódio 01: A Corte desembarca na Colônia Resumo O episódio A Corte Desembarca na Colônia narra os acontecimentos históricos que envolveram a transferência da corte

Leia mais

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE HISTÓRIA Escola: Nome: Data: / / Turma: Pedro Álvares Cabral foi o comandante da primeira expedição portuguesa que chegou ao território que mais tarde receberia o nome

Leia mais

23 Os jesuítas e os índios guaranis Estamos acostumados a ver na televisão, jornais e revistas, passeios para visitar as regiões das missões

23 Os jesuítas e os índios guaranis Estamos acostumados a ver na televisão, jornais e revistas, passeios para visitar as regiões das missões 23 Os jesuítas e os índios guaranis Estamos acostumados a ver na televisão, jornais e revistas, passeios para visitar as regiões das missões jesuíticas. Nos mostram fotografias de igrejas destruídas, em

Leia mais

Prof. Cristiano Pissolato. Formação dos Estados nacionais. França

Prof. Cristiano Pissolato. Formação dos Estados nacionais. França Prof. Cristiano Pissolato Formação dos Estados nacionais França Ducado da Normandia sob controle Plantageneta (ING). Ducado da Bretanha administrada pela dinastia Plantageneta (ING) a partir de 1116 porque

Leia mais

FO F RMA M ÇÃ Ç O DA D S S MO M NARQUIAS A NACI C ONAIS França e Inglaterra

FO F RMA M ÇÃ Ç O DA D S S MO M NARQUIAS A NACI C ONAIS França e Inglaterra FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS NACIONAIS França e Inglaterra Contexto: Cruzadas O Poder Real Ganha Força Burguesia Renascimentos Comercial e Urbano Aliança Rei-Burguesia versus Senhores Feudais e Igreja Os senhores

Leia mais

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista?

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? Navegar era preciso, era Navegar era preciso navegar... Por quê? O que motivou o expansionismo marítimo no século

Leia mais

A presença dos holandeses no Nordeste do Brasil durou pouco mais de vinte anos, mas deixou um legado histórico, cultural e econômico que ainda

A presença dos holandeses no Nordeste do Brasil durou pouco mais de vinte anos, mas deixou um legado histórico, cultural e econômico que ainda A presença dos holandeses no Nordeste do Brasil durou pouco mais de vinte anos, mas deixou um legado histórico, cultural e econômico que ainda desperta o interesse dos estudiosos e fascina os interessados

Leia mais

MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA PROF. ROSE MARY OLIVEIRA LIMA 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL

MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA PROF. ROSE MARY OLIVEIRA LIMA 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA PROF. ROSE MARY OLIVEIRA LIMA 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL OS VÁRIOS PROCESSOS DE EXPANSÃO DA COLONIZAÇÃO PORTUGUESA. EXTENSÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO O Brasil é o 5º maior

Leia mais

OCS: Observador Online

OCS: Observador Online Observador Online ID: 58199358 04-03-2015 Visitas diárias: 95730 OCS: Observador Online Obra Completa do padre António Vieira é hoje oferecida ao papa Francisco http://observador.pt/2015/03/04/obra-completa-do-padre-antonio-vieira-e-hojeoferecida-ao-papa-francisco/

Leia mais

Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano

Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano 1. CARACTERÍSTICAS GERAIS DO PERÍODO COLONIAL Colônia de exploração (fornecimento de gêneros inexistentes na Europa). Monocultura.

Leia mais

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer CAUSAS: Acirramento da concorrência comercial entre as potências coloniais; Crise das lavouras de cana; Estagnação da economia portuguesa na segunda metade do século XVII; Necessidade de encontrar metais

Leia mais

As escavações arqueológicas no Forte de Orange

As escavações arqueológicas no Forte de Orange Revista Brasileira de Arqueometria, Restauração e Conservação. Vol.1, No.2, pp. 051-055 Copyright 2007 AERPA Editora As escavações arqueológicas no Forte de Orange Marcos Antonio Gomes de Mattos de Albuquerque

Leia mais

ELABORAÇÃO DE VERBETES PARA CONSTITUIÇÃO DO DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI

ELABORAÇÃO DE VERBETES PARA CONSTITUIÇÃO DO DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI ELABORAÇÃO DE VERBETES PARA CONSTITUIÇÃO DO DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI Eliane Gomes Nunes Marcelo Santos Rodrigues (Orientador) O projeto elaboração de verbetes para constituição do dicionário

Leia mais

COMISSÃO PORTUGUESA DE HISTÓRIA MILITAR PROGRAMA XXII COLÓQUIO DE HISTÓRIA MILITAR

COMISSÃO PORTUGUESA DE HISTÓRIA MILITAR PROGRAMA XXII COLÓQUIO DE HISTÓRIA MILITAR COMISSÃO PORTUGUESA DE HISTÓRIA MILITAR PORTUGAL NA GUERRA PENINSULAR (1812 1815) DO CERCO DE CIUDAD RODRIGO AO CONGRESSO DE VIENA O CAMINHO PARA A DERROCADA DO IMPÉRIO NAPOLEÓNICO PROGRAMA XXII Comissão

Leia mais

A COLONIZAÇÃO DO BRASIL

A COLONIZAÇÃO DO BRASIL A COLONIZAÇÃO DO BRASIL OS FUNDAMENTOS DO COLONIALISMO PORTUGUÊS O processo de ocupação e formação do Império Colonial Lusitano baseou-se dentro da ótica mercantilista. Essa forma de organização ficou

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades Resoluções das Atividades Sumário Módulo 1 A conquista da América, a história cultural dos povos indígenas e africanos e a economia açucareira...1 Módulo 2 A mineração no Período Colonial, as atividades

Leia mais

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa Capítulo Organização político- -administrativa na América portuguesa 1 O Império Português e a administração da Colônia americana Brasil: 1500-1530 O interesse português pelo território americano era pequeno

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil de Alencar Arnaut de Toledo, Cézar

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Elabore um texto utilizando as palavras do quadro. rei burguesia senhor feudal leis centralização política moeda feudos 2.

Leia mais

UNIFICAÇÃO Ã DA D ITÁLIA

UNIFICAÇÃO Ã DA D ITÁLIA UNIFICAÇÃO DA ITÁLIA SUIÇA PENÍNSULA ITÁLICA ÁUSTRIA ESLOVENIA UNIFICAÇÃO DA ITÁLIA Localizada no centro-sul da Europa. Ao norte, faz fronteira com França, Suíça, Áustria e Eslovênia ao longo dos Alpes.

Leia mais

843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno.

843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno. História 8A - Aula 22 As Monarquias Feudais 843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno. -Séculos IX e X sociedade francesa se feudalizou. -Poder real enfraqueceu. -Condes,

Leia mais

Expansão do território brasileiro

Expansão do território brasileiro Expansão do território brasileiro O território brasileiro é resultado de diferentes movimentos expansionistas que ocorreram no Período Colonial, Imperial e Republicano. Esse processo ocorreu através de

Leia mais

http://pib.socioambiental.org

http://pib.socioambiental.org http://pib.socioambiental.org Narrativa Indígena DERNIVAL KIRIRI Olá pessoal, lá vai minha primeira contribuição sobre a História da Nação Kiriri, lembrando a vocês que esta informação já esta no nosso

Leia mais

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção?

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção? Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 3 o Bimestre 4 o ano história Data: / / Nível: Escola: Nome: Memórias de um Brasil holandês Nessa terra

Leia mais

OS HOLANDESES NO BRASIL (Ou como perdemos por eles terem desistido do Brasil, indo fundar New York!)

OS HOLANDESES NO BRASIL (Ou como perdemos por eles terem desistido do Brasil, indo fundar New York!) OS HOLANDESES NO BRASIL (Ou como perdemos por eles terem desistido do Brasil, indo fundar New York!) Cláudio Marcos Angelini UMA SÍNTESE HISTÓRICA A curta passagem dos holandeses pelo Brasil foi marcada

Leia mais

BÉLGICA. As Feitorias Portuguesas na Flandres. Bruxelas * Brugges * Ghant * Antuérpia. Leuven * Maline * Aachen * Maastricht

BÉLGICA. As Feitorias Portuguesas na Flandres. Bruxelas * Brugges * Ghant * Antuérpia. Leuven * Maline * Aachen * Maastricht BÉLGICA As Feitorias Portuguesas na Flandres Bruxelas * Brugges * Ghant * Antuérpia Leuven * Maline * Aachen * Maastricht 5 Dias / 4 Noites 1º Dia LISBOA / BRUXELAS Comparência no Aeroporto da Portela

Leia mais

- 146- PONTO 8 a - LIÇÃO 24 a OS HOLANDESESEM PERNAMBUCO;SEGUNDAINVASÃOE OCUPAÇÃO. GUERRILHAS

- 146- PONTO 8 a - LIÇÃO 24 a OS HOLANDESESEM PERNAMBUCO;SEGUNDAINVASÃOE OCUPAÇÃO. GUERRILHAS - 146- Assinalou-se pela ocupação de varios póstos fortificados no Reconcavo e pela proteção aos engenhos por uma esquadrilha de barcos armados. á D. MARCOS TEIXEIRA. Era já bastante idoso quando, em 1618,

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA PARCIAL DE HISTÓRIA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: 02/04/2011 Nota: Professora: Ivana Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

Marcel Gromaire, A Guerra. A partida de soldados portugueses para a guerra.

Marcel Gromaire, A Guerra. A partida de soldados portugueses para a guerra. Marcel Gromaire, A Guerra. A partida de soldados portugueses para a guerra. No início de agosto de 1914, as potências europeias desencadearam um conflito militar que ficou conhecido, entre os contemporâneos,

Leia mais

SAMUEL, O PROFETA Lição 54. 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil.

SAMUEL, O PROFETA Lição 54. 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil. SAMUEL, O PROFETA Lição 54 1 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil. 2. Lição Bíblica: 1 Samuel 1 a 3 (Base bíblica para a história o professor) Versículo

Leia mais

A primeira razão pela qual Jesus chamou os discípulos foi para que estivessem consigo para que tivesses comunhão com Ele.

A primeira razão pela qual Jesus chamou os discípulos foi para que estivessem consigo para que tivesses comunhão com Ele. 1 Marcos 3:13 «E (Jesus) subiu ao Monte e chamou para si os que ele quis; e vieram a ele. E nomeou doze para que estivessem com ele e os mandasse a pregar, e para que tivessem o poder de curar as enfermidades

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 7 o ano 4 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : 1. Leia o texto e responda. Feitoria Igaraçu Fundada pela expedição guarda-costas de Cristóvão Jaques, entre 1516 e 1519. Parece

Leia mais

Linga A/905759 LUÍS HENRIQJJE DIAS TAVARES. ./is /'/ DA BAHIA 11' EDIÇÃO (revistaeampliada)

Linga A/905759 LUÍS HENRIQJJE DIAS TAVARES. ./is /'/ DA BAHIA 11' EDIÇÃO (revistaeampliada) Linga A/905759 LUÍS HENRIQJJE DIAS TAVARES./is /'/ DA BAHIA 11' EDIÇÃO (revistaeampliada) SUMARIO Capítulo I Povos que habitavam o atual território do estado da Bahia antes dos europeus e dos africanos

Leia mais

Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final. A Revolução Francesa (14/07/1789)

Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final. A Revolução Francesa (14/07/1789) Profª.: Lygia Mânica Costa 7ª série do E. Fundamental Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final A Revolução Francesa (14/07/1789) A situação social era grave e o nível de insatisfação

Leia mais

ALEXA X NDR D E, E O G RANDE D

ALEXA X NDR D E, E O G RANDE D ALEXANDRE, O GRANDE A Macedônia é um país nos Balcãs, leste da Europa, que faz fronteira com a Grécia, Sérvia,Albânia e Bulgária. Foi anexada à Iugoslávia e no século XX, tornou-se independente LOCALIZAÇÃO

Leia mais

América Portuguesa. A metrópole percebe que não está funcionando e decide mudar algumas coisas.

América Portuguesa. A metrópole percebe que não está funcionando e decide mudar algumas coisas. América Portuguesa Aspecto político/formas de governo Capitanias hereditárias É um sistema descentralizado. A metrópole quer gastar o mínimo possível com a exploração, por isso dão a nobres a serviço do

Leia mais

A Ocupação do Litoral e a Expansão Territorial. Introdução:

A Ocupação do Litoral e a Expansão Territorial. Introdução: COLÉGIO MILITAR DE JUIZ DE FORA 2007 HISTÓRIA - 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL Nº: NOME: TURMA: A Ocupação do Litoral e a Expansão Territorial. Introdução: Durante o século XVI, as povoações geralmente

Leia mais

História do Brasil Colônia. Profª Maria Auxiliadora

História do Brasil Colônia. Profª Maria Auxiliadora História do Brasil Colônia Profª Maria Auxiliadora O PERÍODO PRÉ-COLONIAL (1500 1530) Pau-Brasil Extrativismo Vegetal Fabricação de tintura para tecidos. Exploração nômade e predatória. Escambo com índios.

Leia mais

Paulo Roberto Rodrigues Teixeira

Paulo Roberto Rodrigues Teixeira Foto: Ricardo Siqueira Paulo Roberto Rodrigues Teixeira Acolonização do Brasil gerou alguns desafios para Portugal. Um deles era o de assegurar a posse da terra descoberta. Era preciso criar uma forte

Leia mais

A expansão da América Portuguesa

A expansão da América Portuguesa 8 ANO A/B RESUMO DA UNIDADE 1 DISCIPLINA: HISTÓRIA PROFESSORA: SUELEM *Os índios no Brasil A expansão da América Portuguesa Violência contra os povos indígenas; - Doenças, trabalho forçado; - Foram obrigados

Leia mais

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA ESCRAVIDÃO ANTIGA A escravidão é um tipo de relação de trabalho que existia há muito tempo na história da humanidade. Na Antiguidade, o código

Leia mais

500 anos: O Brasil Colônia na TV

500 anos: O Brasil Colônia na TV 500 anos: O Brasil Colônia na TV Episódio 5: A Conquista da terra e da gente Resumo O episódio 5, A Conquista da terra e da gente, parte da série 500 anos: O Brasil Colônia na TV, apresenta o processo

Leia mais

A Revolução Francesa (1789-1799)

A Revolução Francesa (1789-1799) A Revolução Francesa (1789-1799) Origens da Revolução Francesa Crise Econômica A agricultura, ainda submetida ao feudalismo, entrava em colapso. As velhas técnicas de produção e a servidão no campo criavam

Leia mais

Non Nobis Domine, Non Nobis, Sed Nomini Tuo ad Gloriam! ( Não por nós Senhor, não por nós, mas para a glória de Teu nome! )

Non Nobis Domine, Non Nobis, Sed Nomini Tuo ad Gloriam! ( Não por nós Senhor, não por nós, mas para a glória de Teu nome! ) TEMPLÁRIOS Non Nobis Domine, Non Nobis, Sed Nomini Tuo ad Gloriam! ( Não por nós Senhor, não por nós, mas para a glória de Teu nome! ) No ano 1071 os turcos mulçumanos tomaram Jerusalém. Na Europa, a Igreja

Leia mais

BITTENCOURT, Carlos Machado *militar; gov. RS. 1890; min. STM 1896-1897; min. Guerra 1897.

BITTENCOURT, Carlos Machado *militar; gov. RS. 1890; min. STM 1896-1897; min. Guerra 1897. BITTENCOURT, Carlos Machado *militar; gov. RS. 1890; min. STM 1896-1897; min. Guerra 1897. Carlos Machado Bittencourt nasceu em Porto Alegre, na então província do Rio Grande do Sul, no dia 12 de abril

Leia mais

Genealogia das Famílias Açorianas - De onde viemos e quem somos.

Genealogia das Famílias Açorianas - De onde viemos e quem somos. Genealogia das Famílias Açorianas - De onde viemos e quem somos. Marcos Henrique Oliveira Pinheiro Descendente de Açorianos Formação Educação Física Pesquisador de Genealogia Participante da 2 Semana de

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

Newton Bignotto. Maquiavel. Rio de Janeiro

Newton Bignotto. Maquiavel. Rio de Janeiro Newton Bignotto Maquiavel Rio de Janeiro Introdução No ano em que nasceu Maquiavel, 1469, Florença vivia um período agitado. Embora ainda fosse formalmente uma república, a cidade era de fato administrada

Leia mais

TEXTO D E ELLY D E VRIS ARTE E CIÊNCIA NO BRASIL HOLANDÊS

TEXTO D E ELLY D E VRIS ARTE E CIÊNCIA NO BRASIL HOLANDÊS TEXTO D E ELLY D E VRIS ARTE E CIÊNCIA NO BRASIL HOLANDÊS Contexto Histórico No final do século XVI a Holanda desenvolvia-se rapidamente nos campos da cartografia, construção naval e instrumentos de navegação,

Leia mais

Guerra por domínio territorial e econômico.

Guerra por domínio territorial e econômico. Guerra da Crimeia Quando: De 1853 até 1856 Guerra por domínio territorial e econômico. Cerca de 595 mil mortos Por que começou: A Rússia invocou o direito de proteger os lugares santos dos cristãos em

Leia mais

10 MULHERES PODEROSAS DA HISTÓRIA. No mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, uma seleção com aquelas que governaram com mãos de ferro.

10 MULHERES PODEROSAS DA HISTÓRIA. No mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, uma seleção com aquelas que governaram com mãos de ferro. 10 MULHERES PODEROSAS DA HISTÓRIA No mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, uma seleção com aquelas que governaram com mãos de ferro. 10. Maria Stuart País que governou Escócia Período 1542-1567

Leia mais

10 Para ganhar a guerra

10 Para ganhar a guerra Prefácio Ao longo da história, líderes militares enfrentaram o dilema de formular o plano tático correto para conseguir a vitória no campo de batalha. Muito depende da preparação para esse momento: ter

Leia mais

LIGA DOS COMBATENTES

LIGA DOS COMBATENTES LIGA DOS COMBATENTES NÚCLEO DISTRITAL DE VIANA DO CASTELO DISCURSO EVOCATIVO DO 95º ANIVERSÁRIO DO ARMISTÍCIO DA 1ª GUERRA MUNDIAL, O 90º ANIVERSÁRIO DA FUNDAÇÃO DA LIGA DOS COMBATENTES E O 39º ANIVERSÁRIO

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

Hans Staden. um aventureiro no Novo Mundo. Jô Oliveira. Adaptação e ilustrações. e m q u a d r i n h o s

Hans Staden. um aventureiro no Novo Mundo. Jô Oliveira. Adaptação e ilustrações. e m q u a d r i n h o s Hans Staden e m q u a d r i n h o s um aventureiro no Novo Mundo Jô Oliveira Adaptação e ilustrações 4 Primeiro Em um dia do ano de 1553, uma pequena embarcação transportando um grupo de marinheiros enfrentava

Leia mais

Távoras Emigrantes Emigrantes Távoras

Távoras Emigrantes Emigrantes Távoras Távoras Emigrantes Emigrantes Távoras A 13 de Janeiro do ano de 1759, foram executados, num descampado onde fica actualmente a praça Afonso de Albuquerque, em Belém, seis membros da mais alta nobreza portuguesa,

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista A era dos impérios A expansão colonial capitalista O século XIX se destacou pela criação de uma economia global única, caracterizado pelo predomínio do mundo industrializado sobre uma vasta região do planeta.

Leia mais

1630 1670. HUGO COELHO VIEIRA*1

1630 1670. HUGO COELHO VIEIRA*1 1 As relações e influências da elite ibérica na circulação e trajetória dos militares na capitania de Pernambuco e no Atlântico Sul durante os anos de 1630 a 1670. HUGO COELHO VIEIRA* 1 Esta comunicação

Leia mais

Mensagem aos Nossos Irmãos Estadunidenses!

Mensagem aos Nossos Irmãos Estadunidenses! Mensagem aos Nossos Irmãos Estadunidenses! Armindo Abreu Armindo Augusto de Abreu (Especial para o MV-Brasil) Vocês, caros irmãos estadunidenses, estão chocados e aborrecidos com estas imagens? www.armindoabreu.ecn.br

Leia mais

Capitanias Hereditárias Governo Geral Economia Colonial Escravidão

Capitanias Hereditárias Governo Geral Economia Colonial Escravidão Capitanias Hereditárias Governo Geral Economia Colonial Escravidão As Capitanias Hereditárias Grandes faixas de terra doadas pelo rei à nobreza e pessoas de confiança. Os Capitães Donatários eram os homens

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sobre Fernando Pessoa

APRESENTAÇÃO. Sobre Fernando Pessoa SUMÁRIO APRESENTAÇÃO Sobre Fernando Pessoa... 7 Ricardo Reis, o poeta clássico... 21 ODES DE RICARDO REIS... 29 CRONOLOGIA... 170 ÍNDICE DE POEMAS... 175 5 6 APRESENTAÇÃO Sobre Fernando Pessoa Falar de

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 7 o ano 4 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Leia o trecho da carta de Pero Vaz de Caminha, escrivão da armada de Pedro Álvares Cabral, escrita em maio de 1500 para o rei português

Leia mais