A gloriosa identidade: a afirmação da literatura africana num romance de Pepetela

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A gloriosa identidade: a afirmação da literatura africana num romance de Pepetela"

Transcrição

1 A gloriosa identidade: a afirmação da literatura africana num romance de Pepetela Audemaro Taranto Goulart A literatura africana sofre os efeitos do estigma de ser uma literatura de país colonizado. Essa circunstância, de certa forma, levou os autores africanos a uma espécie de posição defensiva em que se projeta, de modo nítido, uma ânsia de reconhecimento e de busca de identidade. Esse é o motivo de se encontrar nas páginas das narrativas e da poética desses autores uma reiterada manifestação de nacionalismo, expressa, direta ou metaforicamente, na focalização das guerras e dos conflitos que marcaram o processo de independência dos países africanos. Talvez seja essa peculiaridade que tenha levado muitos leitores a ver a literatura africana com um certo ar de desconfiança, como se a sua dinâmica criativa estivesse irremediavelmente comprometida com a factualidade histórica das lutas pela libertação. Entretanto, é preciso dizer que a literatura africana projeta um espírito bastante nítido, marcado num desenho político decorrente das condições de sua enunciação. Hoje, pode-se dizer que ela não é uma literatura em busca de uma identidade, mesmo porque essa identidade é muito clara para os escritores africanos e para os leitores estrangeiros que a reconhecem facilmente num universo simbólico bastante característico, assim como num encantado mundo de mitos, de crenças e de prodígios que compõem o seu estrato cultural. O que a literatura africana quer é, na verdade, afirmar essa identidade, fazê-la reconhecida internacionalmente, espécie de contrapartida natural do projeto de nação que se fez em meio a lutas e a sofrimentos. E nesse aspecto, destaca-se a figura de um autor cuja marca é, exatamente, a capacidade de invenção. Trata-se do angolano Pepetela, pseudônimo com que é conhecido Arthur Maurício Pestana dos Santos. Dentre suas obras, destaco uma que é exemplar na ilustração do que seja uma narrativa marcada pela criatividade. E veja-se que essa criatividade se dá num texto que explora um momento histórico preciso, revelador do sempre focalizado drama de um povo colonizado. Trata-se de A gloriosa família, romance em que Pepetela propõe a releitura de uma parte da história de Angola, fazendo-o de uma perspectiva em que factum e fictum se recobrem, confundindo-se de tal modo que é impossível determinar-se o que é realidade e o que é ficção. E dentre as notáveis invenções da narrativa, quero destacar aquela que me parece a mais significativa que é a instância do narrador. Tal aspecto cresce de importância na medida em que ele configura a temática deste grupo de trabalho. A gloriosa família é uma narrativa longa 406 páginas, através das quais Pepetela relê um episódio da história angolana, mais precisamente os sete anos (de 1642 a 1648) em que os holandeses, estabelecidos com a Companhia das Índias Ocidentais, realizaram um enorme tráfico de escravos, de Luanda para o Brasil, principalmente. Exatamente por isso, o romance traz, como subtítulo, O tempo dos flamengos, numa alusão ao período em que os mafulos nome com que os holandeses eram conhecidos em Angola dominaram boa parte da região. Como se disse, Pepetela estabelece um diálogo entre a literatura e a história e é nesse aspecto que sua obra adquire uma dimensão extraordinária. Primeiro porque, naquela conjunção entre ideário político e invenção ficcional, a que me referi, percebe-se que em A gloriosa família é a parte literária que vetoriza a relação, uma vez que em nenhum

2 2 momento a narrativa deixa-se arrastar pelo contorno político que subsiste nela, ainda que esse contorno ocupe um lugar de destaque no registro do mundo simbólico que se explicita. Ainda vou falar mais detidamente da figura do narrador dessa obra, mas aproveito para dizer que ele exemplifica bem a concepção de Bakhtin sobre o romance. Para o autor russo, o romance tem sua gênese na praça pública, estando sua origem ligada às figuras do bufão e do bobo, tipos consagrados na veia popular como reveladores do que é do conhecimento de poucos, do que está escondido ou camuflado em relação ao domínio público. Desse modo, Bakhtin adverte que as figuras do bufão e do bobo são máscaras que têm raízes populares muito profundas, são ligadas ao povo por privilégios consagrados de não participação do bufão na vida, e da intangibilidade de seu discurso, estão ligados ao cronotopo (espaço-tempo) da praça pública e aos palcos de teatros (BAKHTIN, 2002, p. 277). Essa seria, pois, a função do romancista, estrategicamente camuflado na máscara do bufão: trazer a público o que não é do conhecimento geral, o que está sonegado como informação ou como saber. E Pepetela faz isso admiravelmente em A gloriosa família, mostrando o que há por detrás de entidades conhecidas apenas superficialmente, como a famosa Companhia das Índias Ocidentais, que se ocupou, principalmente, de fazer o lucro de investidores, através da captura de escravos e do odiento tráfico negreiro. 1 É nessa parte da história de Angola, marcada pela presença da Companhia das Índuas Ocidentais, que se estabelece o confronto entre portugueses e holandeses, ambos interessados no domínio e exploração do território africano. É preciso ressaltar que a articulação entre factum e fictum se dá de uma maneira tão singular que história e invenção passam por um processo íntimo de interação. Afinal, para realizar as pesquisas que geraram a narrativa, Pepetela contou com o patrocínio do Instituto Camões e do Instituto Português da Cooperação, o que revela como o seu trabalho ultrapassa em muito a simples eleição de um recorte histórico que funcionaria como pano de fundo do texto ficcional. Uma das obras sobre que Pepetela se debruçou foi a História geral das guerras angolanas, de 1680, do cronista António de Oliveira Cadornega, extraindo dali episódios e referências a personagens que vão transitar na narrativa. Inclusive, o prólogo do romance é uma página da obra de Cadornega que é glosada, logo a seguir, no capítulo de abertura de A gloriosa família. E o que confirma a intimidade da interação história/literatura é o fato de Cadornega ser transformado em personagem do romance na história ele é um soldado que luta nas tropas portuguesas caracterizando-se, inclusive, como o futuro cronista de fatos ocorridos em Angola. Sua disposição de historiador é focalizada de modo irônico, uma vez que se insinuam para o leitor a parcialidade e as trapaças que o texto com intenção historiográfica pode conter. Sirva de exemplo a passagem seguinte, em que Cadornega fornece a outras personagens detalhes de seu trabalho como cronista: - Chega a ser uma questão moral. Se escrevo sobre as grandezas de Portugal, como posso contar as coisas mesquinhas? Não, essas ficam no tinteiro, pois não interessam 1 Chamo a atenção para tal aspecto. Sabemos, através da história, muito pouco do caráter privado da Companhia das Índias Ocidentais. Os seus escaninhos, abertos pela narrativa, revelam um emaranhado de absurdos que vão de negócios escusos até a exploração do negro e à eliminação de quem se opusesse aos seus objetivos. O livro de Pepetela é uma lição de história sobre essa organização, descobrindo traços estarrecedores nela.

3 3 para a história. Será necessário saber interpretar a crônica. Personagem que não aparece revestida de grandes encômios é porque não prestava mesmo para nada e só o pudor do escritor salvaguarda a sua memória. Assim tem feito, assim deve ser. (p. 269) Notem-se os subtextos que se desentranham do discurso, dentre os quais podem ser citados o amoralismo com que o cronista confessa sua índole bajuladora (cita apenas os poderosos e vitoriosos) e a sua advertência (que, no fundo, é uma justificativa mesquinha) quanto à necessidade de o leitor saber interpretar o escrito. Ora, o que se tem aí é uma espécie de palimpsesto, em que o texto (ficcionalizado) de Cadornega é raspado para deixar aparecer um texto que não se oferece explicitamente à leitura. E esse texto, articulando-se com o prólogo, vem mostrar a necessidade de o leitor saber ler o que lhe é oferecido: uma narrativa primeira, que se cola numa narrativa segunda (que é histórica) mas que, ao mesmo tempo, adverte contra a ingenuidade de se crer irrestritamente no que é tido como factual. Desse modo, a advertência que Cadornega faz ao seu leitor, na verdade, aponta o gesto singular do leitor do romance de Pepetela, no sentido de que esse leitor deve levantar o papel da segunda escrita para que possa ler o que é, de fato, importante: o discurso ficcional que chama o leitor para o seu interior. A gloriosa família que aparece na narrativa é constituída por Baltazar Van Dum e seus onze filhos (três dos quais são resultado de sua união com escravas). Van Dum é uma figura saliente da narrativa, encarnando o tipo ladino dos que conseguem agradar a Deus e ao diabo. É um flamengo do sul, ligado à religião católica, tendo sido súdito do rei de Espanha. Tais características foram aproveitadas por Baltazar para equilibrar-se entre portugueses e holandeses, à época do domínio que cada um deles exerceu em Angola. Ser flamengo e católico que esteve a serviço do reino da Espanha significa uma dupla identidade, a holandesa, por nascimento, e a portuguesa, por afinidade religiosa, e isso propiciou ao esperto Van Dum uma rendosa situação em Luanda, que lhe permitiu enriquecer-se com o tráfico e a venda de escravos. Dentre os filhos de Van Dum, destaca-se a bela Matilde, mulher que levava os homens à loucura, fossem eles padres, oficiais holandeses ou gente simples. Matilde é uma espécie de feiticeira que chegou, inclusive, a prever que o domínio holandês, em Luanda, não passaria dos sete anos compreendidos entre 1642 e Mas essa personagem é mais do que um ponto de articulação entre a história que atesta os sete anos do domínio holandês em Luanda e a ficção. Na verdade, ela está a serviço de uma fundamentação da própria essência do romance que é poder fazer-se um instrumento que aspira a produzir modificações no futuro real daqueles que se envolvem com ele e que são o autor e os leitores. Pelo menos essa é a posição de Bakhtin, ao estabelecer a distinção entre a epopéia e o romance. Para o autor russo, o romance é um gênero do presente, em contraste com a epopéia que se ocupa do passado. É por isso que a epopéia trata da profecia, vista como o acontecimento que confirma o que se deu num tempo anterior, enquanto o romance, por vislumbrar o futuro como uma época a ser alcançada e modificada, realça a predição, ou seja, o que será o futuro, a partir da perspectiva do presente. Isso significa dizer que o presente na narrativa épica é um tempo que se volta para o passado, tomado este como um instante que se basta a si mesmo. Já na tópica presencista do romance, o passado sempre se caracteriza como um futuro do pretérito, de vez que a real dimensão do tempo da narrativa é vetorizar o futuro. É nesse aspecto que se pode perceber

4 como Pepetela trabalhou a figura da feiticeira Matilde, tornando-a uma espécie de agente que dava a ver um passado histórico vislumbrado como devir o que, em última instância, é a própria representação do passado de uma Angola dominada, em relação a uma nação do futuro. A utilização de estratégias como a que acabo de mencionar corresponde a um trabalho de construção da narrativa que tem como objetivo alcançar do modo mais transparente possível as mensagens e os subtextos que transitam por debaixo do enredo e da movimentação das personagens. Como se sabe, isso não é uma tarefa fácil. Lembre-se, a propósito, o destaque que Adorno deu à crise em que mergulhou o romance, no século XX, crise decorrente das dificuldades que o romance enfrentou para narrar e representar a realidade. Tem-se aí um paradoxo, de vez que o narrar é da essência mesmo do romance o que significa que problematizar tal aspecto implica pôr o próprio romance em questão, descrendo-se da sua efetiva possibilidade de representar o real. É por isso que Adorno afirma que a tarefa do narrador, hoje, é das mais difíceis. E isso se deve às condições mesmas em que se encontra o mundo no século XX, um mundo premido pelo desenvolvimento tecnológico e que acaba por maquinizar o ser, solapando as subjetividades e produzindo uma alienação que dificulta o entendimento do próprio mundo. Essa condição é que torna a narrativa problemática, na medida em que o real a ser representando é hermético e insondável. Como diz Adorno, narrar algo significa, na verdade, ter algo especial a dizer, e justamente isso é impedido pelo mundo administrado pela estagnação e pela mesmidade (ADORNO, 1980, p. 270) Observe-se quão diferente esse narrador é daquele narrador tradicional apontado por Walter Benjamin. A começar pelo fato de que o narrador da epopéia é o que se deixa rodear de ouvintes, fazendo de sua voz o movimento perfeito para o entendimento do que se conta. Tal narrador está sempre a dizer o que sabe, ou por experiência própria ou por ouvir a palavra de um outro, daí a sua confortável posição de saber e, por isso mesmo, poder dar conselhos. Ora, isso é impossível no mundo do século XX, devido à dissonância que existe entre o romance reflexo da interioridade do sujeito que o escreve e o mundo em que esse romance e esse sujeito estão. Como se sabe, o homem é um ser vocacionado à continuidade, inteiramente avesso aos hiatos ou interrupções que lhe são impostos pelo mundo. Essa ânsia de continuidade, tem uma significativa representação no romance, de vez que nele o narrador como que procura contar uma história em que busca preencher os espaços que problematizam o estar do homem no mundo. Nesse sentido, pode-se dizer que a estratégia do romancista é organizar as dissonâncias, dando-lhes um curso que se faça consentâneo com a sua interioridade. Essa atitude é totalmente abstrata, ela diz respeito a uma subjetividade cujos valores sempre estarão em confronto com o mundo concreto, num confronto em que se destaca a vontade de substituir uma ordem disjuntiva por uma ordem estética. É aí que se coloca, segundo Lukács, a chamada forma romanesca, ou seja, o reconhecimento que o romancista tem do contraste entre a sua interioridade e o mundo em que está situado, cabendo-lhe, pois, construir um discurso que alcance a objetividade, deixando de lado a pura abstração que fatalmente ocorreria devido aos impulsos da sua subjetividade (LUKÁCS, 2000, p. 182) É por isso que a invenção é o principal eixo articulador dessa tarefa do romancista, o que, aliás, é propiciado pelo próprio romance, gênero que se presentifica permanentemente. Como diz Bakhtin, o romance não é simplesmente mais um gênero ao 4

5 5 lado de outros gêneros. Trata-se do único gênero que ainda está evoluindo no meio de gêneros já há muito formados e parcialmente mortos (BAKHTIN, 2002, p. 398). E é esse ponto, o da invenção, que insisto em destacar n A gloriosa família. Já falei da criatividade ocorrente no processo de ficcionalização com que Pepetela relê a história. Quero agora me deter um pouco sobre a sua grande invenção, que é a figura do narrador. O narrador de A gloriosa família é algo que transita do insólito ao admirável. Insólito porque é uma inesperada surpresa e admirável porque é fruto de uma originalíssima invenção. Essa dimensão do narrador acaba fazendo com que ele, embora tendo a função específica de contar a história, ultrapasse essa função e se converta num ponto de interesse do texto, na medida em que o leitor vai, aos poucos, não sem surpresas, descobrindo suas singularidades, chegando ao ponto de só desenhar um retrato completo de sua figura ao final da narrativa. Na verdade, ele é um narrador de primeira pessoa mas, curiosamente, é alguém que está dentro da história, observando os fatos, sem ter uma participação efetiva neles. Enfim, o narrador é um escravo de Baltazar Van Dum que acompanha o dono aonde quer que ele vá. Sua presença, no nível da história narrada, é apenas a de correr atrás do dono e, no máximo, servir de anteparo, às costas de Baltazar, nos ambientes de grande concentração de pessoas. Em dois ou três momentos apenas, o escravo-narrador age por conta própria, como se fora uma personagem atuante. Afinal, trabalho não lhe falta, pois narrar é preciso, atuar não é preciso, motivo por que ele se esquiva, de um modo meio mágico, de tudo, para pôr-se como uma instância enunciativa, espalhando recortes de vozes que se colam, reunidas numa forma que propicia as presenças virtuais do autor empírico, do autor-modelo e do sujeito da enunciação, associados à presença do sujeito do enunciado, para compor o grande conjunto que dá voz e vida à narrativa. É, pois, esse conjunto de elementos que permite a audição/leitura de uma história contada a partir de escrupulosas, detalhadas e judiciosas observações. A surpresa maior acerca do narrador se dá, como disse, no final da narrativa, a pouco mais de dez páginas do fecho da obra, numa conversa de Baltazar Van Dum com seu amigo Domingos Fernandes, quando este pergunta se Van Dum não tem receio de dizer tudo sem rodeios na presença daquele escravo. A resposta é surpreendente: - Não tem perigo. É mudo de nascença. E analfabeto. Até duvido que perceba uma só palavra que não seja de kimbundu. Sei lá mesmo se percebe kimbundo... Umas frases se tanto! Como pode revelar segredos? Este é que é mesmo um túmulo, o mais fiel dos confidentes. Confesse-lhe todos os seus pecados, ninguém saberá, nem Deus. (p.393) Aí está delineado o que parece ser o grande paradoxo desse narrador. Pode alguém, em sendo mudo, contar uma história? A resposta para isso está no fato de que Pepetela aproveita o aparente absurdo para pôr em circulação o universo de prodígios, mitos, milagres e surpresas que cercam o mundo africano, o que, aliás, é um dos sustentáculos de sua narrativa. Mas deixo tudo isso de lado para me deter na caracterização da figura do narrador enquanto instância enunciativa do romance. Nesse sentido, é preciso dizer que o grau de invenção de Pepetela atua em função de compor o que se poderia chamar de narrador caleidoscópico. Isso porque o narrador cumpre sua função, passando pelas diversas configurações, tais como as que foram colocadas por Adorno, Benjamim e Bakhtin, conforme se poderá ver.

6 6 Em primeiro lugar, pode-se perceber que, devido a sua condição mesma ser mudo e analfabeto, o narrador representa a própria impossibilidade da narração, tal como pontua Adorno. Desse modo, o que ele diz pode, perfeitamente, não corresponder a tudo que ele pretendia dizer uma vez que não apenas a sua condição de mudez mas, sobretudo, a sua condição de escravo lhe impedem uma essência de individuação necessária para o narrar sem o auxílio de uma mediação qualquer. Está claro, pois, que existe um descompasso entre o narrador, na sua condição, e o mundo que o cerca. Mas se o leitor tem essa sensação pelo fato de estar diante da situação insólita que é um escravo mudo produzir a narrativa vai, por outro lado, perceber que ele representa também o narrador benjaminiano. Afinal, ele é um observador da história, que assiste aos fatos, que convive com as personagens, que experiencia sensações que vão desde ouvir segredos de ordem pessoal e política a suspiros e gritinhos sensuais que se desprendem das relações amorosas. Por isso, a palavra desse narrador está imantada de uma sabedoria que decorre do saber de experiência feito, estando apto, inclusive, a poder dar conselhos. Talvez, por isso mesmo, é que o escravo nunca se preocupe em dar explicações, fiado no pressuposto do narrador clássico de que a melhor explicação está no próprio relato. Um outro detalhe que tem destaque na caracterização do narrador é o fato de ele representar bem aquele bufão de que se vale Bakhtin para caracterizar o romancista. Só que, aqui, é o romancista que se metamorfoseia na figura do narrador para expedir as críticas contra o autoritarismo colonialista e contra a desumana dominação a que grandes contingentes de negros de África foram submetidos. Criando um narrador analfabeto e mudo, pessoa presente mas não participante das ações e das decisões das personagens, Pepetela evoca a fundamentação bakhtiniana para o romancista, que é a de ser um participante da vida sem dela tomar parte, ser o seu eterno observador e refletor, e as formas específicas encontradas são as de revelação ao público. (BAKHTIN, p. 277). Ou, como diz Rogério Pereira: Participar da vida sem participar, ser um eterno observador, trazer a público, denunciar aquilo que está escondido no privado, etc eis a função do romancista. Eis a máscara que assume: a do bufão (dentre outras), isto é, aquele que pode dizer por estar lá, mas não participar daquilo. O bufão é aquele que participa da vida como observador e a sua forma de discurso é a de denunciar aquilo que está escondido, privado, oculto. (PEREIRA p. 37) Essas palavras assentam-se como luva ao narrador de A gloriosa família. Mas ainda se pode dizer que, girando incessantemente sobre si mesmo e assumindo as mais diferentes formas, esse narrador caleidoscópico é a dissonância que enfrenta a dissonância. Enquanto ser insólito, na sua condição mesma de ser o sujeito da enunciação, ele é a irônica manifestação de um agente que não age, de um enganoso pobre coitado que contrabalança o descompasso entre sua interioridade e o mundo, rindo das diferenças, ironizando seus superiores, através de um recurso muito simples: contar a vida deles. Essa, aliás, é a forma romanesca de que fala Lukács, ou seja, é a construção de um discurso que alcança a objetividade, apesar do contraste irreversível entre a abstração da subjetividade do romancista e a objetividade do mundo exterior que o acossa. E o que é isso? Nada mais que a estratégia de substituição de uma ordem externa, extremamente angustiante, por uma ordem estética que redime as frustrações, que suaviza os sofrimentos, que salva o sujeito.

7 7 Referências bibliográficas ADORNO, Theodor W. e HORKHEIMER, Max. Posição do narrador no romance contemporâneo. Trad. Modesto Carone. In. Benjamín, W. et al. Textos escolhidos. São Paulo: Abril, p (Coleção Os pensadores ) BAKHTIN, M. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. Trad. Aurora Fornoni Bernardini et. al. São Paulo: Hucitec/Editora da Unesp, BENJAMIN, Walter. Magia e Técnica. Arte e Política, ensaios sobre literatura e história da cultura. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1993 (Obras escolhidas v. 1) CADORNEGA, Antóio de Oliveira. História geral das guerras angolanas (1680), tomo 1, Lisboa:Agência-Geral do Ultramar, LUKÁCS, G. A teoria do romance. Trad. José Marcos Mariani de Macedo. São Paulo: Duas Cidades/Editora 34, PEPETELA. A gloriosa família o tempo dos flamengos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, PEREIRA, Rogério Silva. O intelectual no romance de Graciliano Ramos. Tese de doutorado, PUC Minas, 2004.

Luciene Araújo de ALMEIDA (PG/FL/UFG) luayaba@gmail.com Orientadora: Marilúcia Mendes RAMOS (D/FL/UFG) profamariluciaramos@gmail.

Luciene Araújo de ALMEIDA (PG/FL/UFG) luayaba@gmail.com Orientadora: Marilúcia Mendes RAMOS (D/FL/UFG) profamariluciaramos@gmail. A formação da identidade nacional brasileira em Viva o povo brasileiro, de João Ubaldo Ribeiro, e o (re)contar da história Angolana na Gloriosa Família, de Pepetela Palavras - chave: história; literatura

Leia mais

500 anos: O Brasil Colônia na TV

500 anos: O Brasil Colônia na TV 500 anos: O Brasil Colônia na TV Episódio 5: A Conquista da terra e da gente Resumo O episódio 5, A Conquista da terra e da gente, parte da série 500 anos: O Brasil Colônia na TV, apresenta o processo

Leia mais

A OBRA DE ARTE E SUA REPRODUTIBILIDADE TÉCNICA: UMA ANÁLISE DA PEÇA O QUE FAREI COM ESTE LIVRO E SUA PERSPECTIVA HISTÓRICA E FILOSÓFICA

A OBRA DE ARTE E SUA REPRODUTIBILIDADE TÉCNICA: UMA ANÁLISE DA PEÇA O QUE FAREI COM ESTE LIVRO E SUA PERSPECTIVA HISTÓRICA E FILOSÓFICA A OBRA DE ARTE E SUA REPRODUTIBILIDADE TÉCNICA: UMA ANÁLISE DA PEÇA O QUE FAREI COM ESTE LIVRO E SUA PERSPECTIVA HISTÓRICA E FILOSÓFICA Devalcir Leonardo (UNESPAR Campus Campo Mourão) devalcirleonardo@gmail.com

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

PARÓQUIA NOSSA SENHORA APARECIDA e SÃO LOURENÇO Em obediência à vossa palavra, lançarei as redes (Lc 5,5b)

PARÓQUIA NOSSA SENHORA APARECIDA e SÃO LOURENÇO Em obediência à vossa palavra, lançarei as redes (Lc 5,5b) Evangelho A palavra Evangelho significa: Boas Novas. Portando, não temos quatro evangelhos, mas quatro evangelistas que escreveram, cada um, conforme sua visão, as boas-novas de salvação, acerca do Senhor

Leia mais

YUME : NARRATIVAS MÍTICAS DE KUROSAWA

YUME : NARRATIVAS MÍTICAS DE KUROSAWA YUME : NARRATIVAS MÍTICAS DE KUROSAWA CAVALHEIRO, Kaline (UNIOESTE G/Pibic - CNPq) DIAS, Acir (UNIOESTE Orientador) RESUMO: O presente trabalho tem como objeto o estudo da cultura, mitos e imagens presentes

Leia mais

Relações de força: história, retórica, prova

Relações de força: história, retórica, prova resenhas 223 Relações de força: história, retórica, prova autor Carlo Ginzburg cidade São Paulo editora Companhia das Letras ano 2002 O historiador Carlo Ginzburg configura-se com destaque no cenário internacional,

Leia mais

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA Kellen Millene Camargos RESENDE (Faculdade de Letras UFG; kellenmil@gmail.com); Zênia de FARIA (Faculdade de Letras UFG; zenia@letras.ufg.br).

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia PRIMEIRA QUESTÃO A) É importante que o candidato ressalte o fato de que, na ilha, a princípio, tudo é eletivo : cabe aos indivíduos escolher os seus papéis. Esta liberdade da constituição do sujeito deve

Leia mais

MODOS DE ESCREVER, JEITOS DE SENTIR, MANEIRAS DE REFLETIR: A "ESCRITA DE HOSPÍCIO" REVELANDO SENSIBILIDADES

MODOS DE ESCREVER, JEITOS DE SENTIR, MANEIRAS DE REFLETIR: A ESCRITA DE HOSPÍCIO REVELANDO SENSIBILIDADES MODOS DE ESCREVER, JEITOS DE SENTIR, MANEIRAS DE REFLETIR: A "ESCRITA DE HOSPÍCIO" REVELANDO SENSIBILIDADES Nádia Maria Weber Santos PPG-UFRGS Professora convidada FEEVALE / RS Pensar o "fenômeno social"

Leia mais

T. V. Dijk (org.) Racismo e discurso na América Latina São Paulo: Contexto, 2008. João Vianney Cavalcanti Nuto

T. V. Dijk (org.) Racismo e discurso na América Latina São Paulo: Contexto, 2008. João Vianney Cavalcanti Nuto T. V. Dijk (org.) Racismo e discurso na América Latina São Paulo: Contexto, 2008. João Vianney Cavalcanti Nuto O fato de um livro sobre o racismo ter sido organizado por um lingüista revela um ramo fecundo

Leia mais

OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS

OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS Autor e Consumador da Nossa Fé (Hebreus 12) Introdução: Para uma melhor compreensão do texto sobre o qual vamos meditar durante todo esse ano, é necessário observar que ele

Leia mais

SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p.

SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p. SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p. Ana Cláudia da SILVA A publicação da Lei Nº. 10.639, de 9 de janeiro de 2003,

Leia mais

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão 3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão ACADEMIA DE PLATÃO. Rafael, 1510 afresco, Vaticano. I-Revisão brevíssima

Leia mais

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS Mestranda Kézia Dantas Félix 1, UEPB 1 Resumo: Neste artigo estudo o debate estabelecido em torno do cânone literário,

Leia mais

PROVA BIMESTRAL Língua portuguesa

PROVA BIMESTRAL Língua portuguesa 7 o ano 2 o bimestre PROVA BIMESTRAL Língua portuguesa Escola: Nome: Turma: n o : Sotaque mineiro: é ilegal, imoral ou engorda? Gente, simplificar é um pecado. Se a vida não fosse tão corrida, se não tivesse

Leia mais

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan João Paulo I O NORDESTE COLONIAL Professor Felipe Klovan A ECONOMIA AÇUCAREIRA Prof. Felipe Klovan Portugal já possuía experiência no plantio da cana-de-açúcar nas Ilhas Atlânticas. Portugal possuía banqueiros

Leia mais

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA Suellen Lopes 1 Graduação Universidade Estadual de Londrina su.ellen23@hotmail.com Rovilson José da Silva 2 Universidade Estadual de Londrina rovilson@uel.br

Leia mais

Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão

Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão Gustavo Henrique Lopes Machado Vimos nos dois artigos iniciais desta série o conceito preciso de mercadoria, assim como dos ditos serviços. Sendo que,

Leia mais

Cara Professora, Caro Professor,

Cara Professora, Caro Professor, A olhinhos menina de rasgados Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos um belo livro de narrativa A menina de olhinhos rasgados, do premiado autor mineiro Vanderlei Timóteo.

Leia mais

José Eduardo Agualusa

José Eduardo Agualusa José Eduardo Agualusa entrevista Direitos Reservados «A linguagem num livro para crianças deve ser o mais rica possível e inteligente, porque as crianças são mais inteligentes que os adultos» Mariana Sim-Sim

Leia mais

PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA

PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA INSTRUÇÃO: Para responder às questões de 41 a 44, leia atentamente o texto que se segue. PELÉ: 1000 5 10 15 20 25 44 O difícil, o e x t r a o r d i n

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 47 Discurso ao receber o Prémio Príncipe

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

BAPTISTA, Abel Barros. O livro agreste. Campinas: Editora Unicamp, 2005. Gustavo Silveira Ribeiro UFMG

BAPTISTA, Abel Barros. O livro agreste. Campinas: Editora Unicamp, 2005. Gustavo Silveira Ribeiro UFMG Resenhas BAPTISTA, Abel Barros. O livro agreste. Campinas: Editora Unicamp, 2005. Gustavo Silveira Ribeiro UFMG A leitura de O livro agreste desconcerta. Nascido de um curso de literatura brasileira ministrado

Leia mais

VEROSSIMILHANÇA: BREVE ROMANCE DE SONHO DE ARTHUR SCHNITZLER E AURA DE CARLOS FUENTES

VEROSSIMILHANÇA: BREVE ROMANCE DE SONHO DE ARTHUR SCHNITZLER E AURA DE CARLOS FUENTES VEROSSIMILHANÇA: BREVE ROMANCE DE SONHO DE ARTHUR SCHNITZLER E AURA DE CARLOS FUENTES Gabriela Silva 1 A questão da verossimilhança tem sido discutida desde Aristóteles, que a definiu na Poética, como

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO 1 DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO INTRODUCÃO Patrícia Edí Ramos Escola Estadual Maria Eduarda Pereira Soldera São José dos Quatro Marcos Este trabalho tem por objetivo uma pesquisa

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES ESPECIALIZAÇÃO EM ESTUDOS COMPARADOS EM LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES ESPECIALIZAÇÃO EM ESTUDOS COMPARADOS EM LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES ESPECIALIZAÇÃO EM ESTUDOS COMPARADOS EM LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA A REPRESENTAÇÃO DA IDENTIDADE DA MULHER AFRO- DESCENDENTE, TIA

Leia mais

Escrita Eficiente sem Plágio

Escrita Eficiente sem Plágio Escrita Eficiente sem Plágio Produza textos originais com qualidade e em tempo recorde Ana Lopes Revisão Rosana Rogeri Segunda Edição 2013 Direitos de cópia O conteúdo deste livro eletrônico tem direitos

Leia mais

A EXPERIÊNCIA PÓS-COLONIAL NA ORDEM RUINOSA DO MUNDO: O ESPLENDOR DE PORTUGAL

A EXPERIÊNCIA PÓS-COLONIAL NA ORDEM RUINOSA DO MUNDO: O ESPLENDOR DE PORTUGAL A EXPERIÊNCIA PÓS-COLONIAL NA ORDEM RUINOSA DO MUNDO: O ESPLENDOR DE PORTUGAL 1 Fernanda Fátima da Fonseca Santos (USP) Orientadora: Prof a. Dr a. Salete de Almeida Cara (USP) RESUMO: Na elaboração do

Leia mais

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES Simone de Souza Burguês (PIBIC/CNPq-UEM), Mirian Hisae Yaegashi Zappone (Orientadora), e-mail: mirianzappone@gmail.com Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

É O AMOR, de João Canijo

É O AMOR, de João Canijo É O AMOR, de João Canijo por Daniel Ribas Da experiência do amor: um filme-processo Em 2012, o festival de cinema Curtas Vila do Conde organizou o Campus / Estaleiro, um intenso programa com estudantes

Leia mais

Bernardo Carvalho, madeira de lei

Bernardo Carvalho, madeira de lei Bernardo Carvalho, madeira de lei por Moisés Neto O escritor Bernardo Carvalho nasceu no Rio de Janeiro, vive em São Paulo, mas para ele é fundamental o sentimento de não pertencer a um lugar, um certo

Leia mais

Quando vi Fátima pela primeira vez

Quando vi Fátima pela primeira vez ... Quando vi Fátima pela primeira vez Texto de Fernando Ben, falando resumidamente sobre sua experiência nos primeiros encontros mediúnicos com Fátima. As religiões são janelas para ver o céu. Você pode

Leia mais

Literatura de Monteiro Lobato

Literatura de Monteiro Lobato Literatura de Monteiro Lobato Cléa Coitinho Escosteguy ULBRA Trabalhar com as obras de Monteiro Lobato é fazer emergir a fantasia e a criatividade, já tão esquecidas. Não há, com certeza, na ficção de

Leia mais

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Filho, não vês que estou queimando! Ondina Maria Rodrigues Machado * Fui a Salvador para o XV Encontro Brasileiro do Campo Freudiano, mas não só para isso. Fui

Leia mais

Prática Educativa da Língua Portuguesa na Educação Infantil. Autoras Daniela Guimarães Patrícia Corsino

Prática Educativa da Língua Portuguesa na Educação Infantil. Autoras Daniela Guimarães Patrícia Corsino Prática Educativa da Língua Portuguesa na Educação Infantil Autoras Daniela Guimarães Patrícia Corsino 2009 2008 IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autorização

Leia mais

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1 Juliana Dionildo dos Santos 2 e Eliane Marquez da Fonseca Fernandes 3 Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

Leia mais

Leituras rebeldes: a presença de Maria Helena Souza Patto na História da Psicologia e da Educação

Leituras rebeldes: a presença de Maria Helena Souza Patto na História da Psicologia e da Educação Mnemosine Vol.8, nº2, p. 331-336 (2012) Biografia Leituras rebeldes: a presença de Maria Helena Souza Patto na História da Psicologia e da Educação Marcelo de Abreu Maciel Roger Chartier é um historiador

Leia mais

EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ

EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ Geane Apolinário Oliveira Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) - Geane-cg@hotmail.com RESUMO: Este

Leia mais

BARROCO TROPICAL: Versões e subversões

BARROCO TROPICAL: Versões e subversões BARROCO TROPICAL: Versões e subversões Sabrina Rodrigues Magalhães (FURG) O texto literário pode apresentar várias formas de recepção e com o passar do tempo é atualizado a partir das análises realizadas

Leia mais

paulo henriques britto eu quero é botar meu bloco na rua

paulo henriques britto eu quero é botar meu bloco na rua paulo henriques britto eu quero é botar meu bloco na rua de sérgio sampaio análise das faixas 1. lero e leros e boleros Lero e leros Traga branco o seu sorriso Em que rua, em que cidade Eu fui mais feliz?

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

2 > Ciência Política UNIDADE 2. Maquiavel: a ação política virtuosa que desafia as contingências

2 > Ciência Política UNIDADE 2. Maquiavel: a ação política virtuosa que desafia as contingências 2 > Ciência Política UNIDADE 2 Maquiavel: a ação política virtuosa que desafia as contingências Objetivos Discutir o contexto histórico no qual Maquiavel escreveu a obra O Príncipe. Apresentar a obra de

Leia mais

Texto 4 Composição em prosa não literária

Texto 4 Composição em prosa não literária Curso de Redação: Do texto ao texto Professora: Maria Aparecida Araújo Texto 4 Composição em prosa não literária Conteúdo Descrição Narração Dissertação Bibliografia: 1. CARNEIRO, Agostinho Dias: Redação

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA MOVIMENTO PARANÁ SEM CORRUPÇÃO Primeiro voto: o papel do jovem eleitor em relação ao combate à corrupção ROTEIRO

Leia mais

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria 1 Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria especiais. Fomos crescendo e aprendendo que, ao contrário dos

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

Historia das relações de gênero

Historia das relações de gênero STEARNS, P. N. Historia das relações de gênero. Trad. De Mirna Pinsky. Sao Paulo: Contexto, 2007. 250p. Suellen Thomaz de Aquino Martins Santana 1 Historia das relações de gênero aborda as interações entre

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível?

A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível? A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível? Michelle CAVALLI 1 RESUMO: O presente artigo pretende discutir sobre as reflexões referentes à polêmica que permeia

Leia mais

Tendências contemporâneas nas pesquisas em educação matemática e científica. sobre linguagens e práticas culturais

Tendências contemporâneas nas pesquisas em educação matemática e científica. sobre linguagens e práticas culturais Tendências contemporâneas nas pesquisas em educação matemática e científica sobre linguagens e práticas culturais Cláudia Regina Flores Suzani Cassiani (organizadoras) Tendências contemporâneas nas pesquisas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca VISITA A ANGOLA Jantar no Futungo

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

Título: A vocação de escritor e o romance na cidade de São Paulo 1940-1960

Título: A vocação de escritor e o romance na cidade de São Paulo 1940-1960 1 Plano de atividades para pós-doutorado Título: A vocação de escritor e o romance na cidade de São Paulo 1940-1960 Supervisor: Sergio Miceli Pessôa de Barros Resumo A proposta tem por interesse investigar

Leia mais

Vamos começar nossos estudos e descobertas????????

Vamos começar nossos estudos e descobertas???????? Aula 07 RESUMO E RESENHA Vamos iniciar nossos estudos???? Você já deve ter observado que pedimos que leia determinados textos e escreva o que entendeu, solicitamos que escreva o que o autor do texto quis

Leia mais

Terra Papagalli é uma obra ficcional dos escritores brasileiros de José Roberto Torero e Marcus Aurelius Pimenta, publicada pela primeira vez em 1997

Terra Papagalli é uma obra ficcional dos escritores brasileiros de José Roberto Torero e Marcus Aurelius Pimenta, publicada pela primeira vez em 1997 1 Terra Papagalli é uma obra ficcional dos escritores brasileiros de José Roberto Torero e Marcus Aurelius Pimenta, publicada pela primeira vez em 1997 pela Editora Objetiva. Misturando fatos históricos

Leia mais

A RODA DE LITERATURA INFANTIL COMO ESPAÇO DE REFLEXÃO CRÍTICA: um relato de experiência

A RODA DE LITERATURA INFANTIL COMO ESPAÇO DE REFLEXÃO CRÍTICA: um relato de experiência A RODA DE LITERATURA INFANTIL COMO ESPAÇO DE REFLEXÃO CRÍTICA: um relato de experiência Ana Raquel da Rocha Bezerra, UFPE Andressa Layse Sales Teixeira, UFRN RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

Arte Africana. 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino

Arte Africana. 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino Arte Africana 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino África O Brasil é um país mestiço, nossa cultura é composta de uma mistura de etnias. Parte relevante de nossa raiz cultural é o povo africano,

Leia mais

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA 1 As autoras A vivência como professoras foi a base de trabalho das autoras. Na sala de aula, puderam conviver com a realidade de leitura

Leia mais

RESENHA BIBLIOGRÁFICA

RESENHA BIBLIOGRÁFICA RESENHA BIBLIOGRÁFICA CORTELLA, Mario Sergio. Educação, escola e docência: novos tempos, novas atitudes. São Paulo: Cortez, 2014, 126p. Palavras chave: Educação. Vocação. Docência. Bullying. Novos Paradigmas.

Leia mais

RESENHA: O QUE É E COMO SE FAZ

RESENHA: O QUE É E COMO SE FAZ 1 Resenha: o que é e como se faz RESENHA: O QUE É E COMO SE FAZ Ronaldo Martins Você já deve saber que o que nós chamamos "texto" corresponde a um conjunto de coisas bastante diversas. Sua certidão de

Leia mais

A BÍBLIA EM NOSSA VIDA Bruno Glaab

A BÍBLIA EM NOSSA VIDA Bruno Glaab A BÍBLIA EM NOSSA VIDA Bruno Glaab Para os cristãos, bem como para os judeus e também alguns outros grupos religiosos, a Bíblia é um livro de extraordinária importância. Mesmo pessoas sem fé lêem a Bíblia.

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

Como o cinema nacional pode ser socialmente relevante e interessante?

Como o cinema nacional pode ser socialmente relevante e interessante? São Paulo, Ano II, n. 04, jan./abr. de 2015 Como o cinema nacional pode ser socialmente relevante e interessante? Sobre a representação multicultural de personagens em obras audiovisuais educativas Autor:

Leia mais

Olimpíada de LP Escrevendo o futuro

Olimpíada de LP Escrevendo o futuro Olimpíada de LP Escrevendo o futuro QUATRO GÊNEROS EM CARTAZ: OS CAMINHOS DA ESCRITA Cristiane Cagnoto Mori 19/03/2012 Referências bibliográficas RANGEL, Egon de Oliveira. Caminhos da escrita: O que precisariam

Leia mais

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 Karen Capelesso 4 O livro Feminismo e política: uma introdução, de Luis Felipe Miguel e Flávia Biroli, se vincula

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

Em matérias jornalísticas publicadas em vários. Introdução

Em matérias jornalísticas publicadas em vários. Introdução Introdução Em matérias jornalísticas publicadas em vários países do mundo nos últimos anos emerge um aparente paradoxo a respeito da vida na península italiana: o amor do mundo pela Itália, enquanto os

Leia mais

Uma Propedêutica para uma Discussão sobre Pesquisa em História e Filosofia da Matemática

Uma Propedêutica para uma Discussão sobre Pesquisa em História e Filosofia da Matemática Uma Propedêutica para uma Discussão sobre Pesquisa em História e Filosofia da Matemática John A. Fossa As presentes linhas pretendem ser uma espécie de propedêutica para a discussão do grupo temático sobre

Leia mais

Cartão postal. CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz

Cartão postal. CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz Cartão postal CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz SINOPSE geral da série Chico, 6 anos, adora passar as tardes na estamparia de fundo de quintal do seu avô. Nela, Vô Manu construiu um Portal

Leia mais

HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS

HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS Aline Cavalcante e Silva (Bolsista PIBIC/CNPq/UFPB) aline.mbz@hotmail.com Orientador: Dr. Elio Chaves Flores (PPGH/UFPB) elioflores@terra.com.br

Leia mais

NARRATIVAS NA ESCOLA: ALGUÉM PODE ME DEIXAR ESCREVER?

NARRATIVAS NA ESCOLA: ALGUÉM PODE ME DEIXAR ESCREVER? 1 Danitza Dianderas da Silva 1 Universidade Federal de São Carlos NARRATIVAS NA ESCOLA: ALGUÉM PODE ME DEIXAR ESCREVER? Palavras são iguais Sendo diferentes... Palavra eu preciso Preciso com urgência Palavras

Leia mais

O ESPAÇO URBANO E O RURAL EM LIMA BARRETO Denise Vilela Rodrigues (PBIC/UEG) 1 denise-vilela@hotmail.com Ewerton de Freitas Ignácio (UEG) 2

O ESPAÇO URBANO E O RURAL EM LIMA BARRETO Denise Vilela Rodrigues (PBIC/UEG) 1 denise-vilela@hotmail.com Ewerton de Freitas Ignácio (UEG) 2 O ESPAÇO URBANO E O RURAL EM LIMA BARRETO Denise Vilela Rodrigues (PBIC/UEG) 1 denise-vilela@hotmail.com Ewerton de Freitas Ignácio (UEG) 2 ewertondefreitas@uol.com.br INTRODUÇÃO Este trabalho apresenta

Leia mais

1469: nascimento de Maquiavel, em 04 de maio.

1469: nascimento de Maquiavel, em 04 de maio. NICOLAU MAQUIAVEL Vida e Obra 1469: nascimento de Maquiavel, em 04 de maio. 1498: é nomeado chanceler e, mais tarde, secretário das Relações Exteriores de Florença.Essas funções não detiam tanto poder,

Leia mais

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado LIÇÃO 1 - EXISTE UM SÓ DEUS 18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado A Bíblia diz que existe um único Deus. Tiago 2:19, Ef. 4 1- O Deus que Criou Todas as coisas, e que conduz a sua criação e

Leia mais

Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade.

Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade. HETERONÍMIA 7. REALIDADE Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade. Horóscopo de Alberto Caeiro, feito por Fernando Pessoa. «Uma sombra é real, mas é menos real que uma pedra» Uma das

Leia mais

Fábula. Obs: A estrutura das fábulas segue a mesma explicada no gênero anterior Conto. Afinal fazem parte do mesmo tipo textual: Narrativa.

Fábula. Obs: A estrutura das fábulas segue a mesma explicada no gênero anterior Conto. Afinal fazem parte do mesmo tipo textual: Narrativa. 10 Fábula O que é: Trata-se de um gênero narrativo ficcional bastante popular. É uma história curta, vivida por animais e que termina com uma conclusão ético- moral. As fábulas eram narrativas orais, e

Leia mais

Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Comentário: Comentário:

Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Comentário: Comentário: A primeira frase do emissor do texto denota inicialmente sua intenção de se pôr em uma situação simétrica, e não submissa ou inferior, aos não índios. O código de vocês, adotado como contato e respeitado

Leia mais

Filosofia para crianças? Que história é essa?

Filosofia para crianças? Que história é essa? Filosofia para crianças? Que história é essa? P Isabel Cristina Santana Diretora do CBFC ara muitos provoca espanto a minha resposta quando me perguntam: qual é o seu trabalho? e eu respondo trabalho com

Leia mais

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Notandum 14 http://www.hottopos.com CEMOrOC Feusp / IJI Univ. do Porto 2007 Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Marcos Sidnei Pagotto

Leia mais

PROJECTOS NACIONAIS A IMPLEMENTAR NO TRIÉNIO 2013-2015

PROJECTOS NACIONAIS A IMPLEMENTAR NO TRIÉNIO 2013-2015 PROJECTOS NACIONAIS A IMPLEMENTAR NO TRIÉNIO 2013-2015 1/10 PROJECTO 1 - Curso de Preparação para a Parentalidade Adoptiva Depois de tudo te amarei Como se fosse sempre antes Como se de tanto esperar Sem

Leia mais

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus A Identidade da Igreja do Senhor Jesus Atos 20:19-27 (Ap. Paulo) Fiz o meu trabalho como Servo do Senhor, com toda a humildade e com lágrimas. E isso apesar dos tempos difíceis que tive, por causa dos

Leia mais

4. Constelação. 196 BRETON, André. Nadja, p.71 197 MORAES, Eliane. Breton diante da esfinge In: Nadja, p.13 198 P/ Scholem, Tomo II - 1935, p.

4. Constelação. 196 BRETON, André. Nadja, p.71 197 MORAES, Eliane. Breton diante da esfinge In: Nadja, p.13 198 P/ Scholem, Tomo II - 1935, p. 71 4. Constelação Mas não existe passo perdido 196, declara Nadja, personagem do livro homônimo de André Breton, ao tomar das mãos do narrador os livros que ele carregava e reagir (mal) a um dos títulos:

Leia mais

ENTRE A LENDA E A HISTÓRIA: A NARRATIVA EM A CABEÇA DO TIRADENTES, DE BERNARDO GUIMARÃES

ENTRE A LENDA E A HISTÓRIA: A NARRATIVA EM A CABEÇA DO TIRADENTES, DE BERNARDO GUIMARÃES ENTRE A LENDA E A HISTÓRIA: A NARRATIVA EM A CABEÇA DO TIRADENTES, DE BERNARDO GUIMARÃES Gisela Morena de Souza * Bernardo Joaquim da Silva Guimarães nasceu em Ouro Preto em 1825, e atuou como magistrado,

Leia mais

NOVA ÁGORA: CAMINHO PARA A AÇÃO

NOVA ÁGORA: CAMINHO PARA A AÇÃO NOVA ÁGORA: CAMINHO PARA A AÇÃO Inicia-se, esta semana, a Nova Ágora. Um espaço, por definição, de encontro, de troca de ideias, de estilo aberto, de respeito pela opinião diferente; no fundo, é um espaço

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Uma Escuridão Maior Sobre o Mundo

Uma Escuridão Maior Sobre o Mundo Uma Escuridão Maior Sobre o Mundo CERTAMENTE UMA NOVA MENSAGEM DE DEUS deve responder a uma grande necessidade, uma necessidade tão grande que a humanidade não pôde compreender ou para qual ela não pôde

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44)

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Autora: Tell Aragão Colaboração: Marise Lins Personagens Menina Zé Bonitinho +++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Leia mais

A UNIÃO PERFEITA ENTRE LÍNGUA E LITERATURA POR MONTEIRO LOBATO EM EMÍLIA NO PAÍS DA GRAMÁTICA

A UNIÃO PERFEITA ENTRE LÍNGUA E LITERATURA POR MONTEIRO LOBATO EM EMÍLIA NO PAÍS DA GRAMÁTICA A UNIÃO PERFEITA ENTRE LÍNGUA E LITERATURA POR MONTEIRO LOBATO EM EMÍLIA NO PAÍS DA GRAMÁTICA Patrícia Scarabotto Nasralla* RESUMO: O pré modernista Monteiro Lobato criou uma narrativa extremamente envolvente

Leia mais

A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL

A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL Calixto de Inhamuns A palavra dramaturgia, usando a pesquisa do mestre Alexandre Mate, nasce de drama (sentido conotativo de) ação e tourgia (sentido de trabalho, de tecimento),

Leia mais