EQÚILÍBRIO ÁCIDO-BÁSICO E ACIFICAÇÃO URINÁRIA. Profa. Dra. Monica Akemi Sato

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EQÚILÍBRIO ÁCIDO-BÁSICO E ACIFICAÇÃO URINÁRIA. Profa. Dra. Monica Akemi Sato"

Transcrição

1 EQÚILÍBRIO ÁCIDO-BÁSICO E ACIFICAÇÃO URINÁRIA Profa. Dra. Monica Akemi Sato

2 Introdução Homeostasia: constância do meio interno Claude Bernard Parâmetros fisiológicos constantes: temperatura, volume, pressão, concentração, acidez Quebra da homeostasia doença morte

3 COMPOSIÇÃO QUÍMICA DOS MEIOS INTRA E EXTRACELULAR 0,00004 meq/l

4 O que é ph? [H + ] nos líquidos corporais é baixa. Sangue arterial: [H + ] = 0,00004 meq/l (Ex. [Na + ]= 142 meq/l). Por isso, [H + ] é expressa em escala logarítmica: ph = -log [H + ] ph = -log [0, Eq/L] ph = 7,4

5 Medida da acidez de uma solução Conceito de ph ph = - log [H + ] EscalaS de concentração e ph ÁCIDO BÁSICO M M

6 Qual a importância da manutenção do ph??? CONFORMAÇÃO DE PROTEÍNAS Alteração de ph desnatura a proteína perda da função

7 Variações do ph (Sangue arterial) Normal: 7,35 a 7,45 Acidemia: 7,35 Alcalemia: 7,45 Faixa compatível com a vida: 6,8 a 8,0.

8 Concentração de H+ nos líquidos corporais Conc. H+ (meq/l) ph Líq. Extracel. Sg. Arterial 4,0 X ,40 Sg. Venoso 4,5 X ,35 Líq. Intersticial 4,5 X ,35 Líq. Intracel. 1X10-3 a 4X10-5 6,0 a 7,4 Urina 3X10-2 a 1X10-5 4,5 a 8,0 HCl gástrico 160 0,8

9 O QUE É EQUILÍBRIO ÁCIDO-BÁSICO??? Manutenção da concentração normal de íons H + nos líquidos corporais

10 Regulação do EQUILÍBRIO ÁCIDO-BÁSICO 1) Utilização de tampões nos líquidos extra e intracelular; 2) Mecanismos respiratórios (eliminação de CO 2 ); 3) Mecanismos renais (reabsorção de bicarbonato e secreção de íons H + ).

11 PRINCÍPIOS DO TAMPONAMENTO TAMPÃO - Mistura de um ácido fraco com sua base conjugada ou base fraca com seu ácido conjugado; - Fisiologicamente: tem a função de possibilitar a manutenção do ph do meio.

12 O QUE É SÃO ÁCIDOS? SEGUNDO BRÖNSTED & LOWRY Espécies químicas que liberam H + aq HCl H + + Cl -

13 O QUE É SÃO BASES? SEGUNDO BRÖNSTED & LOWRY Espécies químicas que recebem H + aq HCO 3- + H + H 2 CO 3

14 Regulação do EQUILÍBRIO ÁCIDO-BÁSICO 1) Tamponamento do H + no LIC e LEC 2) Compensação respiratória Minutos a horas 3) Compensação renal horas ou dias

15 PRODUÇÃO DE ÁCIDOS NO ORGANISMO ph do sangue arterial é ligeiramente alcalino (7,4) apesar da grande produção de ácidos diariamente. 2 tipos de produção de ácidos: - Voláteis (a partir do CO 2 ); - Não-voláteis (ou fixos).

16 ÁCIDOS VOLÁTEIS AC CO 2 + H 2 O H 2 CO 3 H HCO 3

17 ÁCIDOS NÃO-VOLÁTEIS (FIXOS) A partir do catabolismo de proteínas e fosfolipídeos 40 a 60 nmol/dia de ácidos fixos

18 Ácidos não-voláteis (fixos) 1) proteínas com aa sulfurados (metionina, cisteína) geram ác. sulfúrico após metabolização; 2) Fosfolípídeos produzem ác. fosfórico; 3) Estados fisiopatológicos: ác. acetoacético (pacientes diabéticos não tratados); 4) Exercício extenuante ou qdo tecidos estão em hipóxia - ác. lático; 5) Medicamentos: ácidos salicílico (a partir do ac. acetilsalicílico = aspirina); 6) Ingestão de metanol ác. fórmico.

19 EQUAÇÃO DE HENDERSSON-HASSELBACH ph = pk + log [A - ]/ [HA] É usada para calcular o ph de uma solução tamponada. pk= valor de ph em que haverá 50% de formas ionizadas e 50% de formas não-ionizadas numa solução

20 Mapa ácido-base A equação de Hendersson-Hasselbach pode ser representada em um mapa ácido-básico (relações entre PCO 2, concentração de HCO 3- e ph). Linhas isoídricas: representam a mesma [H+] ou mesmo ph. Fornecem todas as combinações de PCO 2 e de HCO 3 - que geram o mesmo ph.

21 Mapa ácidobase

22 Regulação do EQUILÍBRIO ÁCIDO-BÁSICO 1) Tamponamento do H + no LIC e LEC 2) Compensação respiratória Minutos a horas 3) Compensação renal horas ou dias

23 REGULAÇÃO PELOS TAMPÕES DO LIC E LEC

24 TAMPÕES DO LEC 1) Tampão bicarbonato 2) Tampão fosfato TAMPÕES DO LIC 1) Fosfatos Orgânicos (ATP, ADP, AMP, glicose-1- fosfato; 2,3-bifosfoglicerato): H + é tamponado pela porção fosfato. 2) Proteínas: hemoglobina

25 TAMPÃO BICARBONATO (LEC) É o mais importante do LEC; Primeira linha de defesa qdo ocorre ganho ou perda de H +. Motivos: 1) [HCO 3- ] é bem alta = 24 meq/l; 2) pk do tampão aproxima-se do ph do LEC; 3) CO 2 (forma ácida do tampão é volátil e pode ser expirado dos pulmões). AC CO 2 + H 2 O H 2 CO 3 H + + HCO - 3

26 TAMPÃO BICARBONATO (LEC) 99,9% do bicarbonato filtrado é reabsorvido: TFG = 180 L/dia [HCO 3- ] = 24 meq/l Carga filtrada 180 L/dia X 24 meq/l 4320 meq (dia) Taxa de excreção de HCO 3- = 2 meq (dia) Taxa de reabsorção de HCO 3- = 4318 meq (dia)

27 TAMPÃO FOSFATO (LEC) pk tampão bicarbonato = 6,1 pk do tampão fosfato = 6,8 (mais próximo do ph do sangue) Portanto, tampão fosfato deveria ser mais importante do que o tampão bicarbonato. Porém: [tampão bicarbonato] é > [tampão fosfato] 24 mmol/l 2 mmol/l H + + HPO 4 = H 2 PO 4 - E forma ácida do tampão bicarbonato é eliminado mais facilmente pelos pulmões como CO 2.

28 TAMPÕES DO LIC Para utilizar os tampões intracelulares num distúrbio ácido básico, H + tem de entrar na célula. Ex: distúrbios ácido-base respiratórios Excesso de CO 2 adentra nas células, gerando H + que será tamponado.

29 TAMPÕES DO LIC Proteínas Contém grupamentos ácidos ou básicos (-COOH, -COO - ou NH 3+ /-NH 2 ). Ex: hemoglobina (pk oxiemoglobina = 6,7 e pk da desoxiemoglobina = 7,9). H + + Hb HHb

30 TAMPÕES DO LIC (Hb)

31 TAMPÕES DO LIC Fosfatos orgânicos - (ATP, ADP, AMP, glicose-1-fosfato; 2,3- bifosfoglicerato): H + é tamponado pela porção fosfato. - pk dos fosfatos orgânicos = 6,0 a 7,5 (fisiologicamente eficaz).

32 REGULAÇÃO RESPIRATÓRIA

33 Regulação dos íons H+ nos líquidos corporais: Centro respiratório Durante: Diminuição da ventilação alveolar Aumento da ventilação alveolar

34 REGULAÇÃO RESPIRATÓRIA CO 2 + H 2 0 H 2 CO 3

35 REGULAÇÃO RENAL

36 Metabolismo de proteínas 80 meq de ácidos não voláteis (não são como o H 2 CO 3 - eliminado pelos pulmões) Portanto requerem excreção renal

37 CONTROLE RENAL DO EQUILÍBRIO ÁCIDO-BÁSICO * Os rins controlam o equilíbrio ácido-básico ao excretar urina ácida ou básica; * Os rins controlam a [H + ] do LEC através de 4 mecanismos fundamentais: 1) Secreção de H + ; 2) Reabsorção de HCO 3- filtrado; 3) Secreção de HCO 3 -; 4) Excreção de H + e Produção de novo HCO 3-.

38 FILTRAÇÃO, REABSORÇÃO E SECREÇÃO Para a veia renal

39 CONTROLE RENAL DO EQUILÍBRIO ÁCIDO-BÁSICO 1) Secreção de H + ; 2) Reabsorção de HCO 3- filtrado; 3) Secreção de HCO 3 -; 4) Excreção de H + e Produção de novo HCO 3-.

40 SECREÇÃO DE HIDROGÊNIO Os íons Hidrogênio são secretados por transporte ativo secundário nos segmentos tubulares

41 SECREÇÃO DE HIDROGÊNIO Os íons Hidrogênio são secretados por transporte ativo primário (células intercaladas α) nos túbulos distais e coletores.

42 CONTROLE RENAL DO EQUILÍBRIO ÁCIDO-BÁSICO 1) Secreção de H + ; 2) Reabsorção de HCO 3- filtrado; 3) Secreção de HCO 3 -; 4) Excreção de H + e Produção de novo HCO 3 -

43 LOCAIS DE REABSORÇÃO DE BIC

44

45 REABSORÇÃO DE BICARBONATO (O BIC filtrado pelos glomérulos não pode ser reabsorvido diretamente) BIC filtrado nos glomérulos BIC reabsorvido para o sangue

46 REABSORÇÃO DE BICARBONATO O BIC passa pela membrana basolateral por dois mecanismos: 1.Co-transporte Na + /BIC 2. Troca de Cl - /BIC

47 CONTROLE RENAL DO EQUILÍBRIO ÁCIDO-BÁSICO 1) Secreção de H + ; 2) Reabsorção de HCO 3- filtrado; 3) Secreção de HCO 3 -; 4) Excreção de H + e Produção de novo HCO 3-.

48 SECREÇÃO DE BICARBONATO (Célula intercalada β durante alcalose metabólica)

49 CONTROLE RENAL DO EQUILÍBRIO ÁCIDO-BÁSICO 1) Secreção de H + ; 2) Reabsorção de HCO 3- filtrado; 3) Secreção de HCO 3 -; 4) Excreção de H + e Produção de novo HCO 3-. O excesso de H + no líquido tubular combina-se com tampões Fosfato e Amônia resultando em novos HCO 3 -

50 EXCREÇÃO DE H + FIXO NA FORMA DE ÁCIDO TITULÁVEL Ácido titulável é o H + excretado com os tampões urinários (tampão amônia e tampão fosfato).

51 Tampão amônia

52 EXCREÇÃO DE H + SOB FORMA DE NH 4 + Qdo ph urinário diminui, aumenta a excreção de NH 4+.

53 FORMAÇÃO DE NOVO HCO 3 - Sistema Tampão Fosfato transporta o excesso de H + para a urina e HCO 3- é reabsorvido

54 FORMAÇÃO DE HCO 3 - Geração de 2 novos HCO 3 - pelo Sistema Tampão-Amônia

55 Comparação entre excreção de H + como ácido titulável e como NH 4 + Condição Produção total Excreção de H + Excreção de H + de H + fixo como ác titulável como NH 4 + (meq/dia) (meq/dia) Normal Cetoacidose Diabética Insuf. Renal Crônica

56 DISTÚRBIOS ÁCIDO-BASE Caracterizam-se pela concentração anormal de H + no sangue (ph anormal), causando acidemia ou alcalemia. Causas: - alteração primária na [HCO 3- ] ou - alteração primária da PCO 2.

57 DISTÚRBIOS ÁCIDO-BASE Metabólico Respiratório Acidose Alcalose Acidose Alcalose [HCO 3- ] [HCO 3- ] PCO 2 PCO 2 Por aumento de H+ fixo ou Pela perda HCO3- Pela perda de H+ fixo ou ganho de HCO3-

58 DISTÚRBIOS ÁCIDO-BASE Mecanismos para regular o ph do sangue: -Tamponamento no LEC e LIC -Compensação respiratória -Compensação renal

59 Acidose Respiratória É provocada por diminuição da ventilação e aumento da PCO 2 ph = menor que 7,4 (ácido) [HCO 3- ] = acima de 24 mm PCO 2 = acima de 40 mmhg

60 CAUSAS - Lesão do centro respiratório no bulbo - Pneumonia Acidose Respiratória - Obstrução das vias aéreas -Outros fatores que interfiram na troca de gases sangue-alvéolo COMPENSAÇÃO - Renal: Aumento da reabsorção de HCO 3 - e formação de novo bicarbonato pelos rins para compensar a elevação de pco 2.

61 Acidose metabólica Resulta da diminuição da concentração de bicarbonato do líquido extracelular ph = menor que 7,4 (ácido) [HCO 3- ] = abaixo de 24 mm PCO 2 = normal

62 Acidose metabólica CAUSAS - Formação excessiva de ácidos pelo metabolismo no organismo; -Incapacidade de os rins excretarem ácidos metabólicos formados no organismo; - Ingestão ou infusão de ácidos; - Diarréia (perda de bicarbonato pelas fezes);

63 Acidose metabólica CAUSAS -Diabetes mellitus (grande formação de ácido acetoacético pela metabolização de gorduras); -Insuficiência renal crônica: acúmulo de ácidos fracos nos líquidos corporais, filtração glomerular reduzida de fosfatos e NH 4 + (que reduz a quantidade de bicarbonato nos líquidos corporais).

64 Acidose metabólica COMPENSAÇÃO -Pulmões: Aumento da frequência ventilatória para reduzir pco 2. -Renal: adição de novo bicarbonato ao líquido extracelular

65 Alcalose Respiratória Causada por aumento da ventilação e diminuição da PCO 2. ph = maior que 7,4 (básico) [HCO 3- ] = abaixo de 24 mm PCO 2 = abaixo de 40 mmhg

66 CAUSAS Alcalose Respiratória - Ventilação excessiva pelos pulmões. Fatores: psiconeurose e subida a grandes altitudes (estímulo dos quimiorreceptores) COMPENSAÇÃO - Renal: aumento da excreção de bicarbonato

67 Alcalose Metabólica É causada por aumento na concentração de bicarbonato no líquido extracelular ph = maior que 7.4 (básico) [HCO 3- ] = acima de 24 mm PCO 2 = normal

68 Alcalose Metabólica CAUSAS - Excesso de aldosterona (consequência, aumento da secreção de H+); - Vômito do conteúdo gástrico (perda de HCl); - Ingestão de fármacos alcalinos (bicarbonato de sódio usado no tratamento de gastrite ou úlcera péptica).

69 Alcalose Metabólica COMPENSAÇÃO - Pulmões: diminuição da ventilação (elevação de pco 2 ); - Renal: aumento da excreção de bicarbonato.

70 DISTÚRBIOS ÁCIDO-BASE Regras básicas: Se distúrbio ácido-básico for metabólico (alteração HCO 3- ): -Resposta de compensação é respiratória (altera PCO2) e renal. Se distúrbio ácido-básico for respiratório (alteração da PCO 2 ): - Resposta de compensação é renal (altera a concentração de HCO 3- ).

71

72 Ânion Gap (Hiato aniônico) Medida útil no diagnóstico de distúrbios ácidobásicos. Baseia-se no princípio da neutralidade: em qq compartimento líquido do organismo (ex. plasma), a concentração de cátions e ânions tem de ser igual.

73 Ânion Gap (Hiato aniônico) Análises de rotina do plasma: dosagem de Na +, HCO 3- e Cl -. [Na + ] é > do que [HCO 3- ] e [Cl - ], por isso, há uma falta (hiato, diferença) de ânions. Por isso, para prevalescer a neutralidade,o plasma tem de conter ânions não-medidos (proteínas plasmáticas, fosfato, citrato, sulfatos e outros), que darão conta desse hiato.

74

75 Ânion Gap (Hiato aniônico) Ânion Gap = [Na + ] ([HCO 3- ] + [Cl - ]) ânions não-medidos (meq/l) Normal = 8 a 16 meq/l (média =12 meq/l) Ex: [Na + ] = 140, [HCO 3- ]= 24 e [Cl - ]=105 meq/l AG = 140 ( ) = 11 meq/l

76 Ânion Gap (Hiato aniônico) AG aumentado: Ex: durante acidose metabólica ânion orgânico se acumula ( -hidroxibutirato, acetoacetato, lactato, salicilato). Diminuição do HCO - 3 é compensada por aumento da conc do ânion orgânico. AG normal: Ex: durante diarréia, acidose tubular renal nenhum ânion orgânico está acumulado. Diminuição do HCO 3- é contrabalanceada pelo aumento da conc de Cl - (acidose metabólica hiperclorêmica).

77 Mapa ácido - base

78 Previsão de Respostas Compensadoras em Distúrbios Ácido-Base (DAB) Simples DAB Distúrbio Primário Compens. Resposta Compensat. Prevista Acidose Metab. [HCO3-] PCO2 1 meq/l HCO3-1,3 mmhg PCO2 Alcalose Metab. [HCO3-] PCO2 1 meq/l HCO3-0,7 mmhg PCO2 Acidose Respirat. Aguda PCO2 HCO3 1 mmhg PCO2 0,1 meq/l HCO3- Crônica PCO2 HCO3 1 mmhg PCO2 0,4 meq/l HCO3- Alcalose Respirat. Aguda PCO2 HCO3 1 mmhg PCO2 0,2 meq/l HCO3- Crônica PCO2 HCO3 1 mmhg PCO2 0,4 meq/l HCO3-

79 Exercício 1 Uma paciente esteve vomitando há 3 dias e seu ph sangue = 7,5; PCO 2 = 48 mmhg e HCO 3- = 37 meq/l. Qual distúrbio ácido-básico ela apresenta? É um distúrbio simples ou misto?

80 Resposta 1 Paciente vomitou: perda de H+ HCO 3- = 37 meq/l (> normal = 24 meq/l) PCO 2 = 48 mmhg (> normal = 40 mmhg): é uma compensação respiratória. Paciente hipoventila pela ativação dos quimior. diante do ph alcalino. Portanto, é uma alcalose metabólica. Simples ou mista?

81 Resposta 1 Aumento de HCO 3- (acima do normal)= = 37 meq/l 24 meq/l = 13 meq/l Aumento previsto para PCO 2 (acima do normal) = 0,7 meq/l X 13 meq/l = 9,1 mmhg PCO 2 prevista = 40 mmhg + 9,1 mmhg = 49,1 mmhg (próximo de 48 mmhg) Portanto, trata-se de um distúrbio ác-base simples.

82 Exercício 2 Jovem, 16 anos, tenta suicídio ingerindo várias cartelas de AAS. Encontrada em casa só, aparentemente em pós-comicial. Sem respirações profundas, FR: 24; FC: 108; PA: 90x70. A gasometria provável é: ph: 7,35 (N: 7,35-7,45); PO 2 : 100 (N: ); PCO 2 : 20 (N: 35-45); HCO 3 : 16 (N: 24); glicose: 160 (N: ); Na: 142 (N: ); K: 4 (N: 3,5-4,5); uréia: 80 (N: 7-18); creatinina: 1,9 (N: 0,6-1,2); Cl: 94 (N: ).

83 Resposta 2 ph= 7,35 (N) PCO 2 = 20 mmhg ( ) HCO 3- = 16 meq/l ( ) Na + = 142 meq/l Cl - = 94 meq/l AG = [Na + ] ([HCO 3- ] + [Cl - ]) AG = 142- (16 +94) = 32 (aumentado) Portanto, indica acidose metabólica. Simples ou mista?

84 Resposta 2 Acidose metabólica: - Cálculo da variação de HCO 3- : HCO 3- = = -8 meq/l -Cálculo de previsão da variação de PCO 2 : PCO 2 = 1,3 X (-8) = -10,4 mmhg PCO 2 prevista = 40 + (-10,4) = 29,6 mmhg Mas, valor real de PCO 2 foi de 20 mmhg. Por isso, tb existe alcalose respiratória (baixo PCO 2 e baixo HCO 3- )

85 Resposta 2 Trata-se de um distúrbio misto, acidose metabólica e alcalose respiratória com anion gap, neste caso = 32 (N: 12).

Sistema tampão. Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H +

Sistema tampão. Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H + Sistema tampão Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H + Quando se adiciona um ácido forte na solução de ácido fraco HX X - + H + HA A - H + X - H + H + HA A

Leia mais

Avaliação da Função Renal. Dr. Alexandre S. Fortini Divisão de Laboratório Central HC-FMUSP

Avaliação da Função Renal. Dr. Alexandre S. Fortini Divisão de Laboratório Central HC-FMUSP Avaliação da Função Renal Dr. Alexandre S. Fortini Divisão de Laboratório Central HC-FMUSP Funções do Rim Balanço hídrico e salino Excreção de compostos nitrogenados Regulação ácido-base Metabolismo ósseo

Leia mais

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Sequência de interpretação e estratificação de risco 08/01/2013 Daniela Carvalho Objectivos da Tertúlia Sequência de interpretação da GSA - Método dos 3

Leia mais

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial GASOMETRIA ARTERIAL Processo pelo qual é feita a medição das pressões parciais dos gases sangüíneos, a partir do qual é possível o cálculo do PH sangüíneo, o que reflete o equilíbrio Ácido-Básico 2 GASOMETRIA

Leia mais

CONCEITOS DE ÁCIDO, BASE E ph

CONCEITOS DE ÁCIDO, BASE E ph ÁGUA, ph E TAMPÕES- DISTÚRBIOS ÁCIDO-BÁSICOS (Adaptado de http://perfline.com/cursos/cursos/acbas) A regulação dos líquidos do organismo inclui a regulação da concentração do íon hidrogênio, para assegurar

Leia mais

REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL

REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL Bioquímica Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes Referências Bioquímica Clínica M A T Garcia e S Kanaan Bioquímica Mèdica J W Baynes e M H Dominiczack Fundamentos

Leia mais

Equilíbrio Ácido-Básico. Água : solvente das reações químicas

Equilíbrio Ácido-Básico. Água : solvente das reações químicas Equilíbrio Ácido-Básico Água : solvente das reações químicas Introdução Polaridade molecular: moléculas que possuem uma maior concentração de cargas numa parte da molécula. Os elétrons são compartilhados

Leia mais

Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4. , K +, Mg 2+, etc...)

Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4. , K +, Mg 2+, etc...) Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4 2-, K +, Mg 2+, etc...) Regulação do equilíbrio hidrossalino e da pressão arterial; Regulação do ph sanguíneo (H +, HCO 3- ); Síntese

Leia mais

Interpretação da Gasometria Arterial. Dra Isabel Cristina Machado Carvalho

Interpretação da Gasometria Arterial. Dra Isabel Cristina Machado Carvalho Interpretação da Gasometria Arterial Dra Isabel Cristina Machado Carvalho Distúrbios Ácido-Base O reconhecimento dos mecanismos homeostáticos que controlam o equilíbrio ácido-base é fundamental, pois os

Leia mais

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA Respiração A função da respiração é essencial à vida e pode ser definida, de um modo simplificado, como a troca de gases (O 2 e CO 2 ) entre as células do organismo e a atmosfera.

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br A água é a substância mais abundante nos seres vivos, perfazendo 70% ou mais da massa da maioria dos organismos. A água permeia todas as porções de

Leia mais

TERAPÊUTICA DAS ALTERAÇÕES DO EQUILÍBRIO ÁCIDO-BÁSICO

TERAPÊUTICA DAS ALTERAÇÕES DO EQUILÍBRIO ÁCIDO-BÁSICO TERAPÊUTICA DAS ALTERAÇÕES DO EQUILÍBRIO ÁCIDOBÁSICO Introdução O ph do líquido extracelular é uma das variáveis mais rigorosamente reguladas do organismo. Os limites vitais da variação do ph para mamíferos

Leia mais

SISTEMA TAMPÃO NOS ORGANISMOS ANIMAIS

SISTEMA TAMPÃO NOS ORGANISMOS ANIMAIS SISTEMA TAMPÃO NOS ORGANISMOS ANIMAIS Regulação do Equilíbrio Ácido-Básico ph = Potencial Hidrogeniônico Concentração de H + Quanto mais ácida uma solução maior sua concentração de H + e menor o seu ph

Leia mais

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA RENAL 01. A sudorese (produção de suor) é um processo fisiológico que ajuda a baixar a temperatura do corpo quando está muito calor ou quando realizamos uma atividade

Leia mais

ph arterial entre 7,35 e 7,45 [H+] ~ 40 nanomoles/l (10-9) CO2 (Ácido volátil) O CO 2 não se acumula no organismo, é eliminado pelos pulmões

ph arterial entre 7,35 e 7,45 [H+] ~ 40 nanomoles/l (10-9) CO2 (Ácido volátil) O CO 2 não se acumula no organismo, é eliminado pelos pulmões Regulação do ph dos líquidos Regulação do ph dos líquidos ph = log[ ] LEC =, ±, (, mm) ph , Alcalose Ojetivo: Manutenção do ph sistêmico na faixa de normalidade. ph arterial entre, e, [H]

Leia mais

SISTEMA URINÁRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA URINÁRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA URINÁRIO Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA URINÁRIO Conjunto de órgãos e estruturas responsáveis pela filtração do sangue e consequente formação da urina; É o principal responsável pela eliminação

Leia mais

ÍON HIDROGÊNIO. O íon hidrogênio (H + ) é o íon mais importante nos sistemas biológicos

ÍON HIDROGÊNIO. O íon hidrogênio (H + ) é o íon mais importante nos sistemas biológicos ph E TAMPÕES ÍON HIDROGÊNIO O íon hidrogênio (H + ) é o íon mais importante nos sistemas biológicos A [H + ] nas células e líquidos biológicos influencia a velocidade das reações químicas, a forma e função

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores 1º Ano ENSINO PRÁTICO 5ª AULA PRÁTICA

Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores 1º Ano ENSINO PRÁTICO 5ª AULA PRÁTICA Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores 1º Ano ENSINO PRÁTICO 5ª AULA PRÁTICA EQUILÍBRIO ÁCIDO-BASE NO ORGANISMO HUMANO REGULAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO HIDROGENIÓNICA - IMPORTÂNCIA

Leia mais

ph do sangue arterial = 7.4

ph do sangue arterial = 7.4 Regulação do Equilíbrio Ácido Base ph do sangue arterial = 7.4 < 6.9 ou > 7.7 = MORTE 1 Importância do ph nos processos biológicos Protonação ou desprotonação de radicais proteicos Variação da carga total

Leia mais

Petr Soares de Alencar DISTÚRBIOS DO EQUILÍBRIO ÁCIDO BASE

Petr Soares de Alencar DISTÚRBIOS DO EQUILÍBRIO ÁCIDO BASE Petr Soares de Alencar DISTÚRBIOS DO EQUILÍBRIO ÁCIDO BASE GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA ARTERIAL Paciente com os seguintes valores na gasometria arterial: ph = 7,08; HCO - 3 = 10mEq/litro; PCO 2 = 35

Leia mais

Tampão. O que é? MISTURA DE UM ÁCIDO FRACO COM SUA BASE CONJUGADA, QUE ESTABILIZA O P H DE UMA SOLUÇÃO

Tampão. O que é? MISTURA DE UM ÁCIDO FRACO COM SUA BASE CONJUGADA, QUE ESTABILIZA O P H DE UMA SOLUÇÃO Tampões biológicos Relembrar os conceitos de ácido e base (Brönsted-Lowry), ph, pka; Compreender a importância do ph na manutenção da estrutura tridimensional das biomoléculas; Conhecer os valores de ph

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2011/2012. Unidade Curricular de BIOQUÍMICA I Mestrado Integrado em MEDICINA 1º Ano

Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2011/2012. Unidade Curricular de BIOQUÍMICA I Mestrado Integrado em MEDICINA 1º Ano Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2011/2012 Unidade Curricular de BIOQUÍMICA I Mestrado Integrado em MEDICINA 1º Ano ENSINO PRÁTICO E TEORICOPRÁTICO 5ª AULA TEÓRICOPRÁTICA RESOLUÇÃO

Leia mais

CONTROLE FISIOLÓGICO DA FILTRAÇÃO GLOMERULAR E DO FLUXO SANGUÍNEO RENAL

CONTROLE FISIOLÓGICO DA FILTRAÇÃO GLOMERULAR E DO FLUXO SANGUÍNEO RENAL Prof. Hélder Mauad CONTROLE FISIOLÓGICO DA FILTRAÇÃO GLOMERULAR E DO FLUXO SANGUÍNEO RENAL São variáveis e sujeitas a controle fisiológico São variáveis e sujeitas a controle fisiológico 1. Sistema Nervoso

Leia mais

dagem clínica dos distúrbios do equilíbrio ácido-base

dagem clínica dos distúrbios do equilíbrio ácido-base Simpósio: EMERGÊNCIAS PEDIÁTRICAS Capítulo IX Aborda dagem clínica dos distúrbios do equilíbrio ácidobase A clinical approach to acidbase disorders Ana Paula de Carvalho Panzeri Carlotti RESUMO Este texto

Leia mais

DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO

DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO Preparatório Concursos- 2012 DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc Distúrbio hidro-eletrolítico e ácido-básico Distúrbios da regulação da água; Disnatremias;

Leia mais

TRANSPORTE DE GASES NO SANGUE. Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular Setor de Ciências Biológicas

TRANSPORTE DE GASES NO SANGUE. Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular Setor de Ciências Biológicas TRANSPORTE DE GASES NO SANGUE Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular Setor de Ciências Biológicas ANATOMIA DO SISTEMA RESPIRATÓRIO ESTRUTURA DAS VIAS AÉREAS ESQUERDO WEST 2002 VASOS ALVEOLARES

Leia mais

mu/mm /MûlOOSi HEtWNBk FACULDADE DE CIÊNCIAS DA NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO PORTO SARA ISABEL OLIVEIRA DE CASTRO E ANDRADE 1998/99

mu/mm /MûlOOSi HEtWNBk FACULDADE DE CIÊNCIAS DA NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO PORTO SARA ISABEL OLIVEIRA DE CASTRO E ANDRADE 1998/99 . - ; ; " FACULDADE DE CIÊNCIAS DA NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO PORTO. I II nil,,111,,..-.,1...- " - - ' "«mu/mm /MûlOOSi HEtWNBk - - ii i SARA ISABEL OLIVEIRA DE CASTRO E ANDRADE 1998/99

Leia mais

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração Fisiologia Humana Sistema circulatório Componentes: - Sangue (elementos figurados e plasma) - Vasos sanguíneos - Coração Vasos sanguíneos Artérias Vasos com paredes espessas e elásticas por onde circula

Leia mais

Fluxo sanguíneo - 21% do débito cardíaco.

Fluxo sanguíneo - 21% do débito cardíaco. Função renal: excreção, controle do volume e composição dos líquidos corporais. Composto por um par de rins, um par de ureteres, pela bexiga urinária e pela uretra. Os rins situam-se na parte dorsal do

Leia mais

Mecanismos renais de absorção e equilíbrio ácido-básico

Mecanismos renais de absorção e equilíbrio ácido-básico Mecanismos renais de absorção e equilíbrio ácido-básico A absorção no túbulo contornado proximal A característica base do túbulo contornado proximal é reabsorção ativa de sódio, com gasto energético, na

Leia mais

21/07/14. Processos metabólicos. Conceitos Básicos. Respiração. Catabolismo de proteínas e ácidos nucleicos. Catabolismo de glicídios

21/07/14. Processos metabólicos. Conceitos Básicos. Respiração. Catabolismo de proteínas e ácidos nucleicos. Catabolismo de glicídios Prof. Dr. Adriano Bonfim Carregaro Medicina Veterinária FZEA USP www.anestesia.vet.br Processos metabólicos Respiração Catabolismo de proteínas e ácidos nucleicos Ácidos acético, sulfúrico, fosfórico e

Leia mais

Pigmentos respiratórios: capacidade de se ligar reversivelmente ao oxigênio, aumentando muito a capacidade carreadora do sangue

Pigmentos respiratórios: capacidade de se ligar reversivelmente ao oxigênio, aumentando muito a capacidade carreadora do sangue PIGMENTOS RESPIRATÓRIOS RESPIRAÇÃO AULA 5 Pigmentos respiratórios: capacidade de se ligar reversivelmente ao oxigênio, aumentando muito a capacidade carreadora do sangue Ex: hemoglobina Mamíferos apresentam

Leia mais

TROCAS GASOSAS TRANSPORTE DE O 2 E CO 2 FUNÇOES DA HEMOGLOBINA QUÍMICA DA RESPIRAÇÃO. Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes

TROCAS GASOSAS TRANSPORTE DE O 2 E CO 2 FUNÇOES DA HEMOGLOBINA QUÍMICA DA RESPIRAÇÃO. Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes TROCAS GASOSAS TRANSPORTE DE O 2 E CO 2 FUNÇOES DA HEMOGLOBINA QUÍMICA DA RESPIRAÇÃO Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes Plasma sanguíneo ph normal Acidose Alcalose Líquido extracelular Sangue arterial

Leia mais

Conceito de ph ph = - Log [H + ] Aumento [H + ] => diminuição do ph => acidose Diminuição [H + ] => aumento do ph => alcalose Alterações são dependent

Conceito de ph ph = - Log [H + ] Aumento [H + ] => diminuição do ph => acidose Diminuição [H + ] => aumento do ph => alcalose Alterações são dependent Equilíbrio ácido-básico A concentração de H no FEC é mantida dentro de um limite extremamente estreito: 40 nmol/l = 1.000.000 menor que a Concentração dos outros íons!! [H] tem profundo efeito nos eventos

Leia mais

PRINCÍPIO FÍSICO E TRANSPORTE DOS GASES

PRINCÍPIO FÍSICO E TRANSPORTE DOS GASES PRINCÍPIO FÍSICO E TRANSPORTE DOS GASES Prof. Me Tatiane Quaresma O sangue tem várias funções, entre as quais o transporte de gases respiratórios essenciais ao funcionamento do nosso organismo. O2 das

Leia mais

Equilíbrio. Prof a Alessandra Smaniotto. QMC 5325 - Química Analítica Curso de Graduação em Farmácia Turmas 02102A e 02102B

Equilíbrio. Prof a Alessandra Smaniotto. QMC 5325 - Química Analítica Curso de Graduação em Farmácia Turmas 02102A e 02102B Cap 3: Equilíbrio Químico Equilíbrio brioácido-base Prof a Alessandra Smaniotto QMC 5325 - Química Analítica Curso de Graduação em Farmácia Turmas 02102A e 02102B Íon hidrogênio O íon hidrogênio (H + )

Leia mais

SISTEMA EXCRETOR PROFª CLÁUDIA LOBO

SISTEMA EXCRETOR PROFª CLÁUDIA LOBO SISTEMA EXCRETOR PROFª CLÁUDIA LOBO Excreção Mecanismo pelo qual os seres vivos recolhem seu lixo celular, como a amônia (NH 3 ), CO 2, água e sais. Desta forma, os seres vivos mantém a homeostase, isto

Leia mais

FUNÇÃO RENAL ACADÊMICO JOSÉ DE OLIVEIRA RODRIGUES

FUNÇÃO RENAL ACADÊMICO JOSÉ DE OLIVEIRA RODRIGUES ACADÊMICO JOSÉ DE OLIVEIRA RODRIGUES A função renal é formada por um conjunto de órgãos que filtram o sangue, produzem e excretam a urina. É constituída por um par de rins, um par de ureteres, pela bexiga

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0 EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0 1- Que órgão do sistema nervoso central controla nosso ritmo respiratório? Bulbo 2- Os alvéolos são formados por uma única camada de células muito finas. Explique como

Leia mais

GASOMETRIA ph E GASES SANGUÍNEOS

GASOMETRIA ph E GASES SANGUÍNEOS GASOMETRIA ph E GASES SANGUÍNEOS CBHPM 4.03.0.01-6 AMB 8.01.096-5 CBHPM 4.14.01.16-6 Sinonímia: Gasometria de Siggaard-Andersen. Teste de exercício em ergômetro com realização de gasometria arterial. Gasometria

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RENAL. Profa. Dra.Monica Akemi Sato

INSUFICIÊNCIA RENAL. Profa. Dra.Monica Akemi Sato INSUFICIÊNCIA RENAL Profa. Dra.Monica Akemi Sato REVISÃO DE FISIOLOGIA RENAL FILTRAÇÃO GLOMERULAR TÚBULO PROXIMAL ALÇA DE HENLE CAPILAR GLOMERULAR ARTERÍOLA EFERENTE TUBULO PROXIMAL TUBULO DISTAL ESPAÇO

Leia mais

05/10/2013 SISTEMA CIRCULATÓRIO. Evolução do sistema circulatório. Fisiologia do Sistema Circulatório ou Cardiovascular

05/10/2013 SISTEMA CIRCULATÓRIO. Evolução do sistema circulatório. Fisiologia do Sistema Circulatório ou Cardiovascular SISTEMA CIRCULATÓRIO Prof.Msc.MoisésMendes professormoises300@hotmail.com www.moisesmendes.com Fisiologia do Sistema Circulatório ou Cardiovascular Esse sistema é constituído por um fluido circulante (o

Leia mais

SISTEMA EXCRETOR (URINÁRIO) RIO) Rins: morfologia e funcionamento Regulação hormonal Distúrbios mais comuns Excreção de compostos nitrogenados

SISTEMA EXCRETOR (URINÁRIO) RIO) Rins: morfologia e funcionamento Regulação hormonal Distúrbios mais comuns Excreção de compostos nitrogenados SISTEMA EXCRETOR (URINÁRIO) RIO) Rins: morfologia e funcionamento Regulação hormonal Distúrbios mais comuns Excreção de compostos nitrogenados Regulação osmótica SISTEMA URINÁRIO HUMANO adrenal Veia cava

Leia mais

Prof Me Alexandre Rocha

Prof Me Alexandre Rocha Prof Me Alexandre Rocha alexandre.personal@hotmail.com www.professoralexandrerocha.com.br login: profrocha e senha: profrocha www.avaliacaoja.com.br www.professoralexandrerocha.com.br 1 Função O propósito

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes Vias Respiratórias A) Cavidades ou Fossas Nasais; B) Boca; C) Faringe; D) Laringe; E) Traqueia; F) Brônquios; G) Bronquíolos; H) Pulmões Cavidades ou Fossas Nasais; São duas cavidades paralelas

Leia mais

Alterações do Equilíbrio

Alterações do Equilíbrio Alterações do Equilíbrio 17 Ácido-base A função normal das células do organismo depende de uma série de processos bioquímicos e enzimáticos do metabolismo celular. Diversos fatores devem ser mantidos dentro

Leia mais

Ácidos, bases e sistemas tampão

Ácidos, bases e sistemas tampão Ácidos, bases e sistemas tampão Ionização da água A água pura tem uma baixa concentração de iões hidrónio (H 3 O + ) e uma igual concentração de iões hidróxido (OH - ) Os ácidos são dadores de protões

Leia mais

Planejamento de PIE- Guilherme de Almeida. 2º EM Biologia Frente B. Prof. Jairo José Matozinho Cubas

Planejamento de PIE- Guilherme de Almeida. 2º EM Biologia Frente B. Prof. Jairo José Matozinho Cubas Planejamento de PIE- Guilherme de Almeida 2º EM Biologia Frente B Prof. Jairo José Matozinho Cubas 3º Trimestre: Fisiologia animal e humana: a)fisiologia e relações entre sistemas respiratório e circulatório

Leia mais

BIOQUÍMICA II SISTEMAS TAMPÃO NOS ORGANISMOS ANIMAIS 3/1/2012

BIOQUÍMICA II SISTEMAS TAMPÃO NOS ORGANISMOS ANIMAIS 3/1/2012 BIOQUÍMICA II Professora: Ms. Renata Fontes Medicina Veterinária 3º Período O conteúdo de Bioquímica II utiliza os conhecimentos adquiridos referentes ao estudo do metabolismo celular e fenômenos físicos

Leia mais

Distúrbios Ácido Básicos

Distúrbios Ácido Básicos Distúrbios Ácido Básicos Prof. Vinicius Coca Fisioterapeuta Especialista em Pneumofuncional Mestre em Terapia Intensiva - SOBRATI Mestre em Ensino na Saúde - UGF Equilíbrio Acidobásico O Equilíbrio acidobásico

Leia mais

Alterações do Equilíbrio Ácido-Base.

Alterações do Equilíbrio Ácido-Base. 17 Alterações do Equilíbrio Ácido-Base. 308 - VOL I - FUNDAMENTOS DA CIRCULAÇÃO EXTRACORPÓREA A função normal das células do organismo depende de uma série de processos bioquímicos e enzimáticos do metabolismo

Leia mais

TROCA E TRANSPORTE DE GASES

TROCA E TRANSPORTE DE GASES TROCA E TRANSPORTE DE GASES Difusão dos gases através da membrana respiratória Unidade Respiratória Cada alvéolo: 0,2 mm Parede Unidade respiratória: delgada Capilares Membrana Respiratória ou Membrana

Leia mais

Dose da droga administrada ABSORÇÃO Concentração da droga na circulação sistêmica DISTRIBUIÇÃO ELIMINAÇÃO Droga nos tecidos de distribuição FARMA- COCINÉ- TICA FARMACOCINÉTICA Concentração da droga no

Leia mais

Sistema Urinário. Para eliminar estes resíduos, o organismo possui várias vias de eliminação

Sistema Urinário. Para eliminar estes resíduos, o organismo possui várias vias de eliminação Sistema Urinário Profa Juliana Normando Pinheiro Morfofuncional IV juliana.pinheiro@kroton.com.br O organismo animal depende de várias reações metabólicas para se manter vivo e saudável. Estas reações

Leia mais

GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: MARIO NETO

GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: MARIO NETO GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: MARIO NETO DISCIPLINA: CIÊNCIAS NATURAIS SÉRIE: 2º ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem 1) Elabore o roteiro de estudos: a. Quais são as vias excretoras do nosso corpo? b.

Leia mais

CAD. choque! CAD. Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br. hiperglicemia - + H + glicose. glucagon. catecolaminas cortisol GH

CAD. choque! CAD. Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br. hiperglicemia - + H + glicose. glucagon. catecolaminas cortisol GH Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br hiperglicemia CAD acidose cetose neoglicogênese glicogenólise + amino ácidos insulina insuficiente suspensão da insulina resistência insulínica deficiência

Leia mais

Concentração no local do receptor

Concentração no local do receptor FARMACOCINÉTICA FARMACOCINÉTICA O que o organismo faz sobre a droga. FARMACODINÂMICA O que a droga faz no organismo. RELAÇÕES ENTRE FARMACOCINÉTICA E FARMACODINÂMICA DROGA ORGANISMO FARMACOCINÉTICA Vias

Leia mais

2 - Biodisponibilidade. Biodisponibilidade Velocidade e extensão de absorção de um fármaco a partir de uma forma de administração

2 - Biodisponibilidade. Biodisponibilidade Velocidade e extensão de absorção de um fármaco a partir de uma forma de administração 2 - Biodisponibilidade TOXICOCINÉTICA Biodisponibilidade Velocidade e extensão de absorção de um fármaco a partir de uma forma de administração Fator de Biodisponibilidade (F) Fração da dose administrada

Leia mais

Como o ar entra e sai dos pulmões? RESPIRAÇÃO. Volumes e capacidades pulmonares RESPIRAÇÃO EXTERNA RESPIRAÇÃO INTERNA 09/04/2010. Ventilação Pulmonar

Como o ar entra e sai dos pulmões? RESPIRAÇÃO. Volumes e capacidades pulmonares RESPIRAÇÃO EXTERNA RESPIRAÇÃO INTERNA 09/04/2010. Ventilação Pulmonar RESPIRAÇÃO Volumes e capacidades pulmonares Dividida em duas categorias Ventilação 1.Respiração Interna 2.Respiração Externa RESPIRAÇÃO EXTERNA Processo mecânico especializado Respiração extra-celular

Leia mais

Água e Solução Tampão

Água e Solução Tampão União de Ensino Superior de Campina Grande Faculdade de Campina Grande FAC-CG Curso de Fisioterapia Água e Solução Tampão Prof. Dra. Narlize Silva Lira Cavalcante Fevereiro /2015 Água A água é a substância

Leia mais

Índice EQUILIUBRIO HIDROELECTOLITICO E ÁCIDO BASE. Unidade I Princípios Básicos, 2. 1 Revisão do Equilíbrio Hidroelectrolítico, 3

Índice EQUILIUBRIO HIDROELECTOLITICO E ÁCIDO BASE. Unidade I Princípios Básicos, 2. 1 Revisão do Equilíbrio Hidroelectrolítico, 3 Índice EQUILIUBRIO HIDROELECTOLITICO E ÁCIDO BASE Unidade I Princípios Básicos, 2 1 Revisão do Equilíbrio Hidroelectrolítico, 3 Composição dos Fluidos Corporais, 3 Água, 3 Solutos, 4 Espaços dos Fluidos,

Leia mais

TRANSTORNOS ÁCIDOS-BÁSICOS

TRANSTORNOS ÁCIDOS-BÁSICOS TRANSTORNOS ÁCIDOS-BÁSICOS Marcos Mendes Disciplina de Fisiologia FMABC Conceitos ph = 7,40 0,04 (compatível com a vida 6,8 a 7,8) ph < 7,36 ACIDEMIA ph > 7,44 ALCALEMIA pco2 (a) = (40 4) mmhg TRANST.

Leia mais

Tópicos. Passos intermediários entre o alimento e a célula. Bioquímica da Nutrição e Metabolismo Energético Foco em Obesidade. Daniel G.

Tópicos. Passos intermediários entre o alimento e a célula. Bioquímica da Nutrição e Metabolismo Energético Foco em Obesidade. Daniel G. Bioquímica da Nutrição e Metabolismo Energético Foco em Obesidade Tópicos Passos intermediários entre o alimento e a célula. Equilíbrio ácido-básico. Metabolismo hídrico. Passos intermediários entre o

Leia mais

ph SISTEMAS TAMPÕES Faculdade de Medicina PUC-Campinas Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes

ph SISTEMAS TAMPÕES Faculdade de Medicina PUC-Campinas Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes ph SISTEMAS TAMPÕES Faculdade de Medicina PUC-Campinas Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes ph = potencial hidrogeniônico ph = -log [H + ] Sorenson 1909 A escala de ph é logarítma; portanto, quando duas

Leia mais

Abordagem do Choque. Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis

Abordagem do Choque. Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis Abordagem do Choque Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis CONCEITO Hipóxia tecidual secundária ao desequilíbrio na relação entre oferta e consumo de oxigênio OU a incapacidade celular na

Leia mais

FISIOLOGIA RENAL DAS AVES

FISIOLOGIA RENAL DAS AVES Disciplina de Fisiologia Veterinária FISIOLOGIA RENAL DAS AVES Prof. Fabio Otero Ascoli OBJETIVOS DA AULA Identificar principais semelhanças e diferenças com a fisiologia dos mamíferos Aprender sobre os

Leia mais

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA 01. O transporte de CO 2 no sangue dos vertebrados é feito, principalmente, sob a forma de: a) carboxi-hemoglobina b) íons bicarbonato pela ação da anidrase

Leia mais

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Cetoacidose Diabética Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Complicações Agudas do Diabetes Mellitus Cetoacidose diabética: 1 a 5% dos casos de DM1 Mortalidade de 5% Coma hiperglicêmico

Leia mais

APARELHO EXCRETOR HUMANO

APARELHO EXCRETOR HUMANO Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Aparelho Excretor Humano APARELHO EXCRETOR HUMANO O descarte dos produtos indesejáveis e a regulação hidrossalina

Leia mais

Sistemas Excretores. Professor Fernando Stuchi

Sistemas Excretores. Professor Fernando Stuchi Sistemas Excretores Definição Para manutenção da vida de um organismo animal, todo alimento e substancia que são digeridas, as células absorvem os nutrientes necessários para o fornecimento de energia.

Leia mais

Fenômenos Osmóticos nos Seres Vivos

Fenômenos Osmóticos nos Seres Vivos Fenômenos Osmóticos nos Seres Vivos Referências: Margarida de Mello Aires, Fisiologia, Guanabara Koogan 1999 (612 A298 1999) Ibrahim Felippe Heneine, Biofísica Básica, Atheneu 1996 (574.191 H495 1996)

Leia mais

Sistema Respiratório

Sistema Respiratório Sistema Respiratório FUNÇÃO à troca gasosa O2 GLICOSE H2O H2O ATP CO2 Quando prendemos a respiração a taxa de CO2 no sangue aumenta, o que diminui o ph. Isso leva o bulbo (parte do cérebro) a estimular

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Sistema Urinário Conceito As atividades metabólicas resultam na decomposição de proteínas, lipídeos e carboidratos.

Leia mais

HIDRATAÇÃO NEONATAL. ISRAEL FIGUEIREDO JUNIOR israel@vm.uff.br

HIDRATAÇÃO NEONATAL. ISRAEL FIGUEIREDO JUNIOR israel@vm.uff.br ISRAEL FIGUEIREDO JUNIOR israel@vm.uff.br DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA NOS COMPARTIMENTOS 80 70 ÁGUA TOTAL 60 % ÁGUA 50 40 ÁGUA INTRA-CELULAR 30 20 10 ÁGUA EXTRA-CELULAR 0 3 6 9 1 3 5 7 9 11 13 15 IDADE EM MESES

Leia mais

Faculdade de Medicina do Porto Serviço de Fisiologia FISIOLOGIA RENAL

Faculdade de Medicina do Porto Serviço de Fisiologia FISIOLOGIA RENAL Faculdade de Medicina do Porto Serviço de Fisiologia FISIOLOGIA RENAL Sumário Funções renais Anatomofisiologia renal Princípios da formação de urina Filtração barreira de filtração regulação da GFR Reabsorção

Leia mais

Fisiologia Renal. Mecanismos tubulares I ESQUEMAS SOBRE FISIOLOGIA RENAL. Profa. Ms Ana Maria da Silva Curado Lins Universidade Católica de Goiás

Fisiologia Renal. Mecanismos tubulares I ESQUEMAS SOBRE FISIOLOGIA RENAL. Profa. Ms Ana Maria da Silva Curado Lins Universidade Católica de Goiás ESQUEMAS SOBRE FISIOLOGIA RENAL. Mecanismos tubulares I Fisiologia Renal Profa. Ms Ana Maria da Silva Curado Lins Universidade Católica de Goiás Mecanismos de manipulação do filtrado pelos túbulos renais:

Leia mais

Água e Eletrólitos. Prof Manoel Costa Neto Especialista em Nutrição Clínica

Água e Eletrólitos. Prof Manoel Costa Neto Especialista em Nutrição Clínica Água e Eletrólitos Prof Manoel Costa Neto Especialista em Nutrição Clínica 1 Componente + abundante do organismo; ÁGUA CORPORAL Todos os processos metabólicos ocorrem em meio aquoso; Células com cc de

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

FISIOLOGIA COMPARATIVADA EXCREÇÃO AULA 1: EXCREÇÃO EM INVERTEBRADOS

FISIOLOGIA COMPARATIVADA EXCREÇÃO AULA 1: EXCREÇÃO EM INVERTEBRADOS FISIOLOGIA COMPARATIVADA EXCREÇÃO AULA 1: EXCREÇÃO EM INVERTEBRADOS Tipos de órgão excretor Vacúolo contrátil(protozoários e Porífera) Nefrídios: Protonefrídio(Vermes chatos) Metanefrídio(Oligoqueta) Nefrídio(Moluscos)

Leia mais

Sistema Respiratório Introdução

Sistema Respiratório Introdução Introdução Nesse caso, o termo respiração é empregado incluindo as trocas gasosas através do corpo e as trocas gasosas nas células dos diferentes tecidos. As trocas gasosas são realizadas através da superfície

Leia mais

Química Analítica Avançada: Volumetria de Neutralização. Prof a Lilian Silva 2011

Química Analítica Avançada: Volumetria de Neutralização. Prof a Lilian Silva 2011 Química Analítica Avançada: Volumetria de Neutralização Prof a Lilian Silva 2011 INTRODUÇÃO À VOLUMETRIA TITULAÇÃO Processo no qual uma solução padrão ou solução de referência é adicionada a uma solução

Leia mais

MECANISMOS DE ACIDIFICAÇÃO URINÁRIA. Carlos Balda UNIFESP

MECANISMOS DE ACIDIFICAÇÃO URINÁRIA. Carlos Balda UNIFESP MECANISMOS DE ACIDIFICAÇÃO URINÁRIA Carlos Balda UNIFESP - 2012 Steady State Equilíbrio Dinâmico VALORES NORMAIS ph H+ (nanoeq/l) pco 2 (mmhg) HCO 3 (meq/l) ARTERIAL 7,37-7,43 37-43 36-44 22-26 VENOSO

Leia mais

EXAMES COMPLEMENTARES GASOMETRIA GASOMETRIA ARTERIAL EQUILÍBRIO ÁCIDO - BÁSICO EQUILÍBRIO ÁCIDO - BÁSICO

EXAMES COMPLEMENTARES GASOMETRIA GASOMETRIA ARTERIAL EQUILÍBRIO ÁCIDO - BÁSICO EQUILÍBRIO ÁCIDO - BÁSICO GASOMETRIA ARTERIAL EXAMES COMPLEMENTARES GASOMETRIA A gasometria arterial é um exame invasivo que mede as concentrações de oxigênio, a ventilação e o estado ácido-básico. Prof. Carlos Cezar I. S. Ovalle

Leia mais

Sistema Urinário. Profe. Cristiane Rangel 8º ano Ciências

Sistema Urinário. Profe. Cristiane Rangel 8º ano Ciências Sistema Urinário Profe. Cristiane Rangel 8º ano Ciências O sistema urinário ANTONIA REEVE / SCIENCE PHOTO LIBRARY O rim foi o primeiro órgão vital a ser transplantado com sucesso em pessoas. Qual a função

Leia mais

Controle da Osmolaridade dos Líquidos Corporais

Controle da Osmolaridade dos Líquidos Corporais Controle da Osmolaridade dos Líquidos Corporais Qual é a faixa normal de osmolalidade plasmática? 260-290 - 310 mosm/kg H 2 0 Super-hidratação Desidratação NORMAL Osmolalidade é uma função do número total

Leia mais

EXCREÇÃO EM VERTEBRADOS

EXCREÇÃO EM VERTEBRADOS EXCREÇÃO EM VERTEBRADOS UNIDADE FUNCIONAL DO RIM DE VERTEBRADOS: NÉFRON Cápsula de Bowman Cápsula de Bowman (néfron) + Glomérulo (capilares) = Corpúsculo Renal Membrana de Filtração Podócitos: células

Leia mais

Sistema Respiratório. Superior. Língua. Inferior

Sistema Respiratório. Superior. Língua. Inferior Sistema Respiratório Língua Superior Inferior Funções 1. Troca de gases entre a atmosfera e o sangue. 2. Regulação homeostática do ph corporal 3. Proteção contra substâncias irritantes e patógenos 4. Vocalização

Leia mais

ALCALOSES 1. Introdução HA H + +A -.

ALCALOSES 1. Introdução HA H + +A -. ALCALOSES 1 Introdução Acidose e alcalose referem-se aos mecanismos fisiopatológicos que causam acúmulo de ácido ou base no organismo. Os termos acidemia e alcalemia referem-se ao ph no fluido extracelular.

Leia mais

Biofísica renal. Estrutura e função dos rins

Biofísica renal. Estrutura e função dos rins Biofísica renal Estrutura e função dos rins Múltiplas funções do sistema renal Regulação do balanço hídrico e eletrolítico (volume e osmolaridade) Regulação do equilíbrio ácidobásico (ph) Excreção de produtos

Leia mais

Sistema endócrino + Sistema nervoso. integração e controle das funções do organismo

Sistema endócrino + Sistema nervoso. integração e controle das funções do organismo Sistema endócrino Sistema endócrino + Sistema nervoso integração e controle das funções do organismo Sistema endócrino Conjunto de glândulas endócrinas que secretam hormônio Relembrando Glândulas que liberam

Leia mais

V e t e r i n a r i a n D o c s www.veterinariandocs.com.br. Fisiologia. -Reabsorção (recuperação de substâncias filtradas)

V e t e r i n a r i a n D o c s www.veterinariandocs.com.br. Fisiologia. -Reabsorção (recuperação de substâncias filtradas) V e t e r i n a r i a n D o c s Fisiologia Fisiologia do Sistema Renal Introdução -Manutenção da homeostase corporal -Filtração do sangue (excreção) -Reabsorção (recuperação de substâncias filtradas) -Manutenção

Leia mais

TURMA EMESCAM - QUÍMICA 1º SEMESTRE

TURMA EMESCAM - QUÍMICA 1º SEMESTRE TURMA EMESCAM - QUÍMICA 1º SEMESTRE Prof. Borges TESTES - DESCOLAMENTO DE EQUILÍBRIO 1. (Enem) Os refrigerantes têm-se tornado cada vez mais o alvo de políticas públicas de saúde. Os de cola apresentam

Leia mais

05)Quanto ao ciclo de Krebs é INCORRETO afirmar que:

05)Quanto ao ciclo de Krebs é INCORRETO afirmar que: FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO Questões de Avaliação Parte I 01)Compare a energia produzida pela degradação da glicose pela via aeróbica e pela via anaeróbica terminando com o lactato, destacando quais as vantagens

Leia mais

Alterações do equilíbrio hídrico Alterações do equilíbrio hídrico Desidratação Regulação do volume hídrico

Alterações do equilíbrio hídrico Alterações do equilíbrio hídrico Desidratação Regulação do volume hídrico Regulação do volume hídrico Alteração do equilíbrio hídrico em que a perda de líquidos do organismo é maior que o líquido ingerido Diminuição do volume sanguíneo Alterações do equilíbrio Hídrico 1. Consumo

Leia mais

UE Departamento de Química e Instituto de Ciências Agrárias Mediterrânicas Júlio Morais

UE Departamento de Química e Instituto de Ciências Agrárias Mediterrânicas Júlio Morais UE Departamento de Química e Instituto de Ciências Agrárias Mediterrânicas Júlio Morais O valor do ph FALAMOS DE QUÊ, QUANDO NOS REFERIMOS AO ph? Assim mesmo, com p minúsculo e H maiúsculo, ph designa

Leia mais

TITULAÇÃO ÁCIDO-BASE

TITULAÇÃO ÁCIDO-BASE Introdução a Analise Química - II sem/2013 Profa Ma Auxiliadora - 1 Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Disciplina QUIO94 - Introdução à Análise Química

Leia mais

TITULAÇÃO DE ÁCIDO-BASE

TITULAÇÃO DE ÁCIDO-BASE Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Introdução a Analise Química - II sem/2012 Profa Ma Auxiliadora - 1 Disciplina QUIO94 - Introdução à Análise Química

Leia mais

FARMACOLOGIA DOS DIURÉTICOS

FARMACOLOGIA DOS DIURÉTICOS Universidade Federal Fluminense Depto. Fisiologia e Farmacologia Disciplina de Farmacologia FARMACOLOGIA DOS DIURÉTICOS Profa. Elisabeth Maróstica INTRODUÇÃO PRINCIPAIS FUNÇÕES RENAIS: Excreção de produtos

Leia mais

BATERIA DE EXERCÍCIOS 8º ANO

BATERIA DE EXERCÍCIOS 8º ANO Professor: CRISTINO RÊGO Disciplina: CIÊNCIAS Assunto: SISTEMAS HUMANOS: EXCRETOR E CIRCULATÓRIO Belém /PA BATERIA DE EXERCÍCIOS 8º ANO 1. Coloque C ou E e corrija se necessário: ( ) Os rins recebem sangue

Leia mais