Movimentos Nativistas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Movimentos Nativistas"

Transcrição

1 Movimentos Nativistas Domínio Holandês 1-O movimento de expulsão dos holandeses foi denominado: a)guerra dos Emboabas c)guerra dos Mascates b)insurreição Pernambucana d)jornada dos vassalos 2 - (UNIPAR) "(...) nos períodos 1637 a 1644 e 1649 a 1654 (...) muitos portugueses tinham fugido para os sertões, o que contribuiu muito para o povoamento do interior da Capitania, onde se desenvolveu a criação de gado. Da Paraíba, de Pernambuco e de Alagoas os criadores de gado também avançaram para o sul do Ceará, surgindo assim nos sertões cearenses uma civilização característica, baseada no boi e no couro." O fato histórico, que pode ser associado ao fenômeno descrito no texto, é: a)a Guerra dos Mascates em Olinda. c)a invasão francesa no Nordeste. e)o domínio holandês no Brasil. b)o movimento abolicionista no Sul. d)a Confederação do Equador. 3 - (UNOFOR) Considere o texto abaixo. "(...) O povoamento do interior do Estado do Ceará e o desenvolvimento da agropecuária são incrementados quando proprietários de Pernambuco, da Paraíba e de Alagoas fogem (...) dos invasores instalados no litoral do Nordeste até meados do século XVII." Ele se refere aos efeitos: a)do domínio holandês no Brasil. b)das incursões inglesas na Região. c)do estabelecimento da França Equinocial. d)da ação das Companhias das Índias Orientais. e)das questões de limites entre Portugal e Espanha. 4 - (UEBA) Do ponto de vista do mercado internacional do açúcar no século XVII, as invasões holandesas no Nordeste brasileiro representavam: a)a luta pela manutenção do papel de intermediários. b)a luta pelo controle da distribuição do produto. c)a necessidade de controlar os centros produtores. d)o interesse no controle do transporte do produto. e)a pressão pela baixa dos preços. 5 - (UFPR) O quadro político-econômico fundamentado na empresa agrícola, na qual se baseou a colonização do Brasil, sofreu transformações com a união das coroas de Portugal e Espanha, em A Holanda, que promoveu guerra contra a Espanha, exerceu influência direta na colônia portuguesa na América:

2 a)ocupando grande parte da região produtora de açúcar. b)destinando capitais para a atividade mineradora, visando a exploração das Minas Gerais. c)fazendo deslocar o eixo econômico do centro-oeste para o leste. d)incentivando a indústria de pesca, única atividade, rendosa na época. e)implantando a cultura cafeeira e modificando a base do sistema econômico. 6-(PUC-SP) A participação ativa dos holandeses nas atividades relativas aos primeiros anos da economia açucareira do Brasil colonial se traduzia, principalmente: a)na adoção do sistema de lavoura extensiva. b)na introdução do escravo negro como mão-de-obra. c)nas operações de refino e distribuição do açúcar no mercado europeu. d)na introdução de trabalhadores flamengos para a lavoura da cana. e)na adoção de novas técnicas para o plantio da cana. 7 - (FGV-SP) Assinale a alternativa incorreta quanto às realizações do governo de Maurício de Nassau no Nordeste brasileiro de 1637 a a)financiamento da recuperação dos engenhos de açúcar; b)tolerância para com as práticas religiosas dos habitantes da terra; c)incentivo a instalação de indústrias manufatureiras em Pernambuco; d)obras urbanísticas na cidade de Recife; e)estímulo à cultura promovendo a vinda de artistas e cientistas da Europa. 8 - (FGA) Com relação ao domínio holandês no Brasil, no período colonial, pode-se afirmar que: a)os limites das suas conquistas ficaram restritos a Pernambuco, então a Capitania que mais produzia açúcar na Colônia; b)o governo de Nassau, de acordo com a Companhia das Índias Ocidentais, procurou, juntamente com os produtores locais, incrementar ainda mais a produção do açúcar; c)a partir de suas bases no Nordeste, os holandeses ampliaram o raio da sua dominação, chegando, em 1645, a conquistar a Amazônia peruana; d)oriundo de uma Holanda dividida pelas guerras de religião, o protestante Nassau fez do seu governo, em Pernambuco, um regime teocrático de protestantismo radical; e)nas regiões que dominaram, os holandeses transformaram a economia numa atividade igualmente lucrativa para Portugal e Espanha. 9-(FESP) Assinale a alternativa incorreta: a)a dominação holandesa no Brasil trouxe concepções de mundo diferentes que se chocavam com o catolicismo predominante na colonização portuguesa. b)as disputas pelo mercado de açúcar foram decisivas para que os holandeses invadissem o Brasil. c)portugal não demonstrou interesse em expulsar os holandeses do Brasil, mesmo depois do término da União Ibérica d)recife conseguiu um crescimento significativo com a administração holandesa, chegando seus habitantes a enfrentar problemas de falta de moradia. e)apesar das diferenças, holandeses e portugueses tinham a visão do colonizador que se preocupava em aumentar suas riquezas.

3 10 - (FUVEST) Foram, respectivamente, fatores importantes na ocupação holandesa do Nordeste do Brasil e na sua posterior expulsão: a)o envolvimento da Holanda no tráfico de escravos e os desentendimentos entre Maurício de Nassau e a Companhia das Índias Ocidentais. b)a participação da Holanda na economia do açúcar e o endividamento dos senhores de engenho com a Companhia das Índias Ocidentais. c)o interesse da Holanda na economia do ouro e a resistência e não-aceitação do domínio estrangeiro pela população. d)a tentativa da Holanda em monopolizar o comércio colonial e o fim da dominação espanhola em Portugal. e)a exclusão da Holanda da economia açucareira e a mudança de interesses da Companhia das Índias Ocidentais (UFF) O domínio holandês no Brasil, sobretudo no governo de Maurício de Nassau, foi marcado por grande desenvolvimento cultural e artístico. Tal processo pode ser relacionado a características peculiares da República das Províncias Unidas no século XVII. Relativamente a este momento histórico é incorreto afirmar: a)a assimilação da arte, identificada mais fortemente na produção artística de Rembrandt, testemunhou o poderio da burguesia holandesa do período. b)os holandeses viviam numa república descentralizada que encorajava não só a eficiência econômica, como também o florescimento das artes e ciências. c)o calvinismo foi o fator determinante para o desenvolvimento do capitalismo holandês. d)a cultura holandesa era mais receptiva às inovações, assim como aos elementos estrangeiros. e)a inexistência de uma corte contribuiu para que a burguesia holandesa não assimilasse, mais efetivamente, o consumismo exacerbado ditado pelos padrões culturais europeus No período de 1630 a 1654, a Companhia das Índias Ocidentais se apoderou de uma grande parcela do Nordeste brasileiro, período que ficou marcado pela figura do conde Maurício de Nassau. Constitui uma das características do governo de Nassau: a)a vinda de vários cientistas e artistas, como Jorge Marcgrave, Willem Piso e Franz Post, que estudaram e representaram a natureza e a cultura do Brasil. b)o início de um programa bem sucedido de miscigenação com índios e negros no Brasil, razão da grande presença de pessoas louras e de olhos azuis no Nordeste. c)a política religiosa extremamente rígida, com a instalação de colégios para o ensino da religião protestante às crianças brasileiras e a proibição aos cultos realizados pelos judeus. d)a busca de ouro e prata, realizada através de várias expedições dirigidas ao interior, principal interesse da Companhia no Brasil. e)a execução de uma série de obras urbanas em Olinda, inclusive a construção de novas igrejas e conventos, tornando-a uma das cidades mais importantes de sua época.

4 13 - (UNIFOR-CE) No século XVII, os holandeses ocuparam boa parte do Nordeste brasileiro. A primeira invasão ocorreu na Bahia ( ), mas foi a partir do domínio de Pernambuco, que os holandeses conseguiram uma ocupação mais prolongada ( ). Estas invasões estão ligadas: a)à posição assumida pelo grupo mercantil português que, receando perder mercado na Europa com a União Ibérica, manteve sua aliança com as Províncias Unidas. b)ao interesse holandês em manter o controle sobre a distribuição do açúcar na Europa, rompido desde a União Ibérica. c)ao interesse da Holanda que desejava controlar o aparelho fiscal do governo português no Brasil. d)à Companhia das Índias Orientais, criada no século XV, que tinha por objetivo interferir diretamente na produção e na aquisição das terras produtoras de cana-deaçúcar. e)à necessidade de Antuérpia e Amsterdã manterem-se como centros urbanos desinteressados em comercializar açúcar na Europa. 14-(PUC-SP) A expulsão dos holandeses do Brasil alterou a vida econômica-financeira da Metrópole portuguesa, porque: a)permitiu aos portugueses retomar o controle técnico do processo de refinação do açúcar, dominado pelos holandeses. b)permitiu que Portugal retomasse o total controle da produção açucareira brasileira. c)favoreceu o consumo do açúcar, tendo em vista a quebra do monopólio de distribuição no mercado internacional. d)assegurou ao governo português a ampliação de suas rendas, pela estatização dos engenhos holandeses em Pernambuco. e)permitiu maiores lucros, pela introdução de novas técnicas da produção nos engenhos do Nordeste. 15-E se a lição foi aprendida a vitória não será vã. Nesse Brasil holandês tem lugar para português e para o Banco de Amsterdam. (Calabar - Chico Buarque e Rui Guerra). Indique a alternativa que justifica o texto relativo às Invasões Holandesas no séc. XVII. a)após a vitória holandesa, os senhores de engenho continuaram a resistência, sem jamais aceitar o novo dominador. b)a administração de Nassau, marcada pela intolerância religiosa, desencadeou a violenta resistência dos colonos. c)negros e índios não participaram das lutas contra os invasores holandeses. d)a Companhia das Índias ofereceu créditos, liberdade religiosa e proteção aos colonos, que aos poucos retornaram aos engenhos e à produção. e)os holandeses não conseguiam dominar Pernambuco, nem conseguiam aliados entre os nativos, sofrendo duros revezes.

5 Guerra dos Mascates 16 - (FUVEST-SP) A chamada Guerra dos Mascates, ocorrida em Pernambuco em 1710, deveu-se: a)ao surgimento de um sentimento nativista brasileiro, em oposição aos colonizadores portugueses. b)ao orgulho ferido dos habitantes da vila de Olinda, menosprezados pelos portugueses. c)ao choque entre comerciantes portugueses do Recife e a aristocracia rural de Olinda pelo controle da mão-de-obra escrava. d)ao choque entre comerciantes portugueses do Recife e a aristocracia rural de Olinda cujas relações comerciais eram, respectivamente, de credores e devedores. e)a uma disputa interna entre grupos de comerciantes, que eram chamados depreciativamente de mascates (SANTA CASA-SP) A chamada Guerra dos Mascates decorreu, entre outros fatores, do fato de: a)recife não possuir prestígio político, apesar de sua expressão econômico-financeira. b)pombal promover a derrama, para cobrança de todos os quinhões atrasados. c)olinda não se conformar com o papel que a aristocracia rural exercia na capitania. d)portugal intervir na economia das capitanias, isentando os portugueses do pagamento de impostos. e)pernambuco não apoiar a política de tributação fiscal do governador Fêlix José Machado Mendonça (FESP) Apesar do poder de coerção da metrópole portuguesa, algumas rebeliões mostravam o descontentamento dos colonos. Em Pernambuco, no século XVIII, a Guerra dos Mascates revelava o desejo dos senhores de engenho olindenses de: a)fazer um pacto com os comerciantes recifenses para lutar contra os impostos cobrados por Portugal. b)impedir a presença das forças estrangeiras nos seus territórios. c)enfrentar suas rivalidades com Recife, causadas sobretudo pelas dívidas que acumularam junto aos comerciantes portugueses, que moravam em Recife. d)organizar uma república democrática baseada em princípios liberais, significado um expressivo avanço político para a época. e)acabar com o monopólio que Recife exercia no comércio do algodão e do açúcar, controlado por comerciantes judeus e portugueses A Guerra dos Mascates foi: a)o conflito entre os mascates de Olinda e os senhores de engenho de Recife. b)o movimento que tinha como objetivo extinguir a Companhia de Comércio do Maranhão e expulsar os padres jesuítas. c)o conflito entre os senhores de engenho de Olinda e os comerciantes do Recife, tendo como estopim a autonomia administrativa pretendida por Recife. d)a rebelião baiana organizada pelos alfaiates contra a opressão colonial.

6 20-Sobre a Guerra dos Mascates, assinale a alternativa incorreta: a)com a revolta dos senhores de engenho de Olinda, a Metrópole foi obrigada a anular o ato que elevava Recife à Vila. b)o rei de Portugal atendeu ao pedido dos mascates que desejavam ver a cidade de Recife independente de Olinda. c)por volta de 1710, os senhores de engenho de Olinda enfrentavam séria crise financeira em razão da queda dos preços do açúcar no mercado europeu. d)para reprimir a revolta dos olindenses, o Estado interveio, apoiando as pretensões dos recifenses. 21-(UNESP) A Guerra dos Mascates, no princípio do século XVIII, analisada segundo uma perspectiva econômica, pode ser interpretada como um: a)episódio na luta para a consolidação dos holandeses no domínio da exploração dos engenhos; b)conflito entre produtores de açúcar e comerciantes favorecidos pelo monopólio comercial; c)esforço realizado pelos brasileiros com vistas à penetração das terras situadas no Norte; d)momento de disputa entre portugueses e brasileiros para o domínio do comércio das drogas do sertão; e)choque ocorrido entre duas frentes expansionistas em conflito no interior do Nordeste: a dos bandeirantes e a dos baianos (UECE) Assinale a afirmativa correta sobre a guerra dos mascates: a)envolveu mineiros e paulistas pelo controle das minas de ouro. b)não envolveu no conflito elementos nativos contra portugueses. c)teve como palco de ação a Região Norte do país, principalmente a cidade de Belém. d)envolveu proprietários rurais de Olinda e comerciantes portugueses do Recife Sobre a história de Olinda e Recife, considere as seguintes proposições: I-Durante a invasão holandesa, a cidade de Olinda foi incendiada e praticamente precisou ser reconstruída. II-Em 1710, uma Carta Régia criou a Vila de Recife, mas a aristocracia rural de Olinda não gostou da medida e mandou suas milícias invadirem essa Vila, derrubarem seu pelourinho, que era símbolo da autonomia do Recife. III-A Guerra dos Mascastes foi um enfrentamento entre os habitantes de Olinda e de Recife, para definir qual das duas cidades seria a mais importante da Capitania de Pernambuco. IV-Bernardo Vieira de Melo tentou, em Olinda, transformar Pernambuco numa República Independente. Estão corretas as proposições a)i e III somente. c)iii e IV somente. e)i, II, III e IV. b)ii e IV somente. d)i, II e III somente.

7 Revolta dos Beckman 24 (UERJ-RJ) Movimento subversivo em São Luís do Maranhão no século XVII contra a mudança da capital para Belém, contra o monopólio da Companhia de Comércio do Maranhão e contra os jesuítas. Estamos falando da: a)guerra dos Emboabas c)conjuração de Nosso Pai e)conjuração dos Alfaiates b)guerra dos Mascates d)revolta de Beckman 25-Rebelião colonial motivada pelas dificuldades econômicas da empresa açucareira e pela crise da mão-de-obra que a Companhia Geral do Comércio no Estado do Maranhão não conseguiu solucionar. Este texto refere-se à: a)revolta de Beckman c)revolta de João de Deus b)revolta de Felipe dos Santos d)revolta de Cláudio Manuel da Costa 26 Na segunda metade do século XVII, um grupo de senhores de engenho do Maranhão organizou um movimento para acabar com a Companhia de Comércio do Estado do Maranhão e a influência dos jesuítas, que eram contrários à escravização dos indígenas. Esse movimento ficou conhecido como: a)a Guerra dos Mascates. c)a Revolta de Beckman. e)a Guerra dos Emboabas. b)a Revolta dos Malês. d)a Revolta de Felipe dos Santos. 27-(UNIFESP) Não resta outra coisa senão cada um defender-se por si mesmo; duas coisas são necessárias... a fim de recuperar a mão livre no que diz respeito ao comércio e aos índios (Manuel Beckman, 1684). As duas principais reivindicações do líder da Revolta que leva seu nome são: a)a revogação do monopólio da Companhia de Comércio do Estado do Maranhão e a expulsão dos jesuítas que se opunham à escravidão indígena. b)a saída dos portugueses do Grão-Pará e Maranhão e a supressão dos aldeamentos indígenas, que monopolizavam as chamadas drogas do sertão. c)a repressão ao contrabando estrangeiro, que prejudicava os negócios dos atacadistas portugueses, e a liberdade para importar escravos negros. d)a expulsão dos holandeses do Nordeste, que monopolizavam o comércio do açúcar, e a reedição da guerra justa, que proibia a escravidão indígena. e)a revogação do monopólio comercial da Metrópole sobre o Norte e Nordeste da colônia e a proibição para importar escravos negros.

8 Guerra dos Emboabas 28 - (PUC-SP) A Guerra dos Emboabas foi provocada: a)pela atitude da burocracia portuguesa, que cobrava impostos extorsivos na região das minas. b)pelo alto preço das mercadorias que chegava, as regiões mineradoras, provocado pelo monopólio metropolitano. c)pela proibição dos jesuítas de escravidão dos indígenas pelos colonos nas regiões das minas. d)pela rivalidade entre paulistas e os estrangeiros, em torno do problema de exploração do ouro. e)pela criação, por parte da metrópole, das Casas de Fundição (UFSC) A eclosão da chamada Guerra dos Emboabas ( ) decorreu de vários fatores, podendo ser relacionada, em parte, com a: a)nomeação de Manuel Nunes Viana, paulista de grande prestígio, para a capitania das Minas de Ouro. b)proibição aos Emboabas de exercerem atividades comerciais na região das minas. c)decisão da Câmara de São Paulo, que desejava que as datas fossem exploradas apenas por elementos dessa vila e seus arredores. d)separação político-administrativa da capitania de São Paulo e Minas do Ouro. e)convulsão social promovida pela intensificação da atividade apresadora de índios pelos bandeirantes. 30 (UERJ) Revolta ocorrida em território do atual Estado de Minas Gerais, envolvendo paulistas e forasteiros: a)guerra dos Mascates; c)guerra Guaranítica e)conflito dos Emboabas. b)revolta de Beckman; d)conjuração Baiana; 31 - (UFRN) A Guerra dos Emboabas, a dos Mascates e a Revolta de Vila Rica, verificadas nas primeiras décadas do século XVIII, podem ser caracterizadas como a)movimentos isolados em defesa de ideias liberais, nas diversas capitanias, com a intenção de se criarem governos republicanos. b)movimentos de defesa das terras brasileiras, que resultaram num sentimento nacionalista, visando à independência política. c)manifestações de rebeldia localizadas, que contestavam aspectos da política econômica de dominação do governo português. d)manifestações das camadas populares das regiões envolvidas, contra as elites locais, negando a autoridade do governo metropolitano.

9 32-(FGV-SP) Antunes voltou ao capão e transmitiu a seus companheiros as promessas de Bento. Os paulistas saíram dos matos aos poucos, depondo as armas. Muitos não passavam de meninos; outros eram bastante velhos. Sujos, magros, cambaleavam, apoiavam-se em seus companheiros. Estendiam a mão, ajoelhados, suplicando por água e comida. Bento fez com que os paulistas se reunissem numa clareira para receber água e comida. Os emboabas saíram da circunvalação, formando-se em torno dos prisioneiros. Bento deu ordem de fogo. Os paulistas que não morreram pelos tiros foram sacrificados a golpes de espada. (Ana Miranda. O retrato do rei.) O texto trata do chamado Capão da Traição, episódio que faz parte da Guerra dos Emboabas, que se constituiu: a)em um conflito opondo paulistas e forasteiros pelo controle das áreas de mineração e tensões relacionadas com o comércio e a especulação de artigos de consumo como a carne de gado, controlada pelos forasteiros. b)em uma rebelião envolvendo senhores de minas de regiões distantes dos maiores centros como Vila Rica que não aceitavam a legislação portuguesa referente à distribuição das datas e a cobrança do dízimo. c)no primeiro movimento colonial organizado que tinha como principal objetivo separar a região das Minas Gerais do domínio do Rio de Janeiro, assim como da metrópole portuguesa, e que teve a participação de escravos. d)no mais importante movimento nativista da segunda metade do século XVIII, que envolveu índios cativos, escravos africanos e pequenos mineradores e faiscadores contra a criação das Casas de Fundição. e)na primeira rebelião ligada aos princípios do liberalismo, pois defendia reformas nas práticas coloniais e exigia que qualquer aumento nos tributos tivesse a garantia de representação política para os colonos. Inconfidência Mineira 33 - (UFPR-PR) A suspensão da Derrama em 1789 sustou o movimento separatista da: a)confederação de Equador. c)inconfidência Mineira. e)revolução Praieira. b)revolução Farroupilha. d)revolta dos Alfaiates. 34-Podemos citar como uma das principais causas da Conjuração Mineira: a)a decadência da atividade rural de Vila Rica. b)a decadência da atividade mineradora e os pesados impostos a que Portugal submetia os mineiros. c)a defesa da abolição da escravatura, proclamada pelos poetas e padres mineiros. d)a movimentação das camadas mais humildes da população. 35-(FUVEST-SP) A Inconfidência Mineira, no plano das ideias, foi inspirada: a)nas reivindicações das camadas menos favorecidas da Colônia. b)no pensamento liberal dos filósofos da Ilustração europeia. c)nos princípios do socialismo utópico de Saint-Simon. d)nas ideias absolutistas, defendidas pelos pensadores iluministas. e)nas fórmulas políticas desenvolvidas pelos comerciantes do Rio de Janeiro.

10 36-(UM-SP) A situação política e econômica, responsável pelo aparecimento da Inconfidência Mineira, pode ser descrita como: a)enfraquecimento do fisco, que diante da crise na mineração abrandava a cobrança de impostos. b)apogeu do ciclo do ouro, enriquecimento da sociedade mineira e rejeição das elites às ideias francesas. c)fase de declínio da mineração, crescimento da opressão metropolitana e influência das ideias iluministas. d)movimento liderado pelas elites empobrecidas, extremamente organizado militarmente e voltado para a solução dos problemas das camadas da população. e)revolta das camadas populares oprimidas, sem influências filosóficas externas. 37- (ACAFE-SC) No ano de 1789, dois acontecimentos importantes marcaram a História mundial e a História do Brasil: a Revolução Francesa e a Inconfidência Mineira. Estabelecendo uma relação entre estes dois acontecimentos, podemos dizer que tiveram a mesma fonte de inspiração, fato que justifica a necessidade de conhecer a nossa história no contexto global. Sobre a Inconfidência Mineira assinale o item correto: a)ela foi inspirada nas camadas mais pobres da colônia, exploradas pela metrópole. b)inspirou-se nos princípios do socialismo utópico de Sant Simon, bem como nos ideais absolutistas defendidos pelos pensadores iluministas. c)ela inspirou-se no pensamento iluminista fortemente difundidos pela Europa, que pregava ideias de liberdade, igualdade e fraternidade. d)ela aconteceu devido à forte expressão exercida pela metrópole exigindo a emancipação política do Brasil. e)a vitória dos inconfidentes transformou a região das Minas Gerais numa República, ainda que temporariamente. 38- (MACKENZIE-SP) O fato de ser alferes influiu para transformar-me em conspirador, levado a tanto que fui pelas injustiças que sofri, preterido sempre nas promoções a que tinha direito. Uni minhas amarguras às do povo, que eram maiores, e foi assim que a ideia de libertação tomou conta de mim. (Tiradentes). As razões da insatisfação do alferes e do povo mineiro em 1789 eram: a)a opressão tributária sobre a capitania cujo ouro se esgotara, o empobrecimento e ameaça da derrama e a divulgação das ideias iluministas pela elite letrada. b)a concentração de terras e do comércio em mãos de comerciantes lusos, provocando intensa xenofobia na região do ouro. c)a criação de indústrias nesta área pelo governo de D. Maria I, fato que enriqueceu a população local, gerando a ideia da independência. d)o predomínio do trabalho escravo na zona mineradora e a ausência total de mecanismos de alforria e trabalho livre, agravando a crise social. e)o declínio da produção de açúcar para exportação, despertando o choque de interesses entre colônia e metrópole, e a ideia de libertação.

11 39 - (FUVEST) A Inconfidência Mineira foi um episódio marcado a)pela influência dos acontecimentos de julho de 1789, a tomada da Bastilha. b)pela atitude anti-escravista, consensual entre seus participantes. c)pelo intuito de acabar com o predomínio da Companhia de Comércio do Brasil. d)pela insatisfação ante a cobrança do imposto sobre bateias. e)pelas ideias ilustradas e pela Independência dos Estados Unidos. 40 Em 1789, na cidade mineira de Vila Rica um grupo de pessoas influenciadas pelos ideais republicanos propagados pelo Iluminismo e pela independência dos Estados Unidos resolveu reagir contra a opressão portuguesa, iniciando uma rebelião que ficou conhecida como Inconfidência Mineira. As afirmativas abaixo correspondem aos planos dos inconfidentes, EXCETO: a)instituir o serviço militar. b)desenvolver indústrias no Brasil. c)fundar uma universidade em Vila Rica. d)abolir definitivamente a escravidão. e)proclamar uma República com capital em São João Del Rei. 41- (UFC) Ao mesmo tempo que se desenvolvia, em Portugal, uma política de reforma do absolutismo, surgiram conspirações na Colônia. Elas estavam ligadas às novas ideias e a acontecimentos ocorridos na Europa e nos Estados Unidos, mas também à realidade local. A ideia de uma nação brasileira foi se definindo à medida em que setores da sociedade da Colônia passaram a ter interesses distintos da Metrópole ou a identificar nela a fonte de seus problemas. Uma dessas conspirações foi a Inconfidência Mineira. Sobre o grupo que organizou esse movimento é correto dizer: a)era heterogêneo, de origem social variada, com ideias diferentes sobre as transformações sociais que o movimento deveria provocar; b)era um pequeno grupo de mineradores, preocupados unicamente em não pagar mais impostos à Metrópole, pois a extração do ouro tinha diminuído, e a Coroa continuava a cobrar o quinto; c)era um grupo homogêneo de intelectuais, inspirados no Iluminismo e no liberalismo da Revolução Americana; d)eram todos jovens, filhos da elite colonial, que tinham ido estudar na Europa; e)teve forte presença de homens pobres, livres, libertos e escravos, e por isso, o fim da escravidão era um de seus principais objetivos. Conjuração baiana ou Revolta dos Alfaiates 42- (UFBA) Um aspecto que diferencia a Conjuração Mineira de 1789 da Conjuração Baiana de 1798 é que a última: a)representou, pela primeira vez na História do Brasil, um movimento de caráter republicano. b)preocupou-se mais com os aspectos sociais, a liberdade do povo e do trabalho. c)apresentou, pela primeira vez, planos políticos e ideológicos. d)representou o primeiro movimento apoiado por grupos de intelectuais. e)tinha caráter de protesto contra certas medidas do governo, sem pretender a separação de Portugal.

12 43 - (UNIFOR) A presença da ideologia liberal ilustrada forjou o ideário revolucionário da segunda metade do século XVIII, no Brasil. As rebeliões naquele momento se diferenciavam em essência dos movimentos rebeldes do século XVII e da primeira metade do século XVIII, nos quais em nenhum momento esteve presente a ideia da separação definitiva de Portugal. Os novos movimentos visavam a emancipação da colônia, questionando o sistema colonial. Dentre esses movimentos destaca-se a a)revolução Praieira. c)guerra dos Mascates. e)confederação do Equador. b)conjuração Baiana. d)revolução Farroupilha "Animai-vos povo bahiense!" Na manhã de 12 de agosto de 1798 as paredes das igrejas de Salvador, a antiga capital, apareceram com manuscritos que diziam: "Está para chegar o tempo em que todos seremos irmãos, o tempo em que todos seremos iguais". (Mário Schmidt). O movimento citado teve como objetivo fundamental a independência nacional, foi liderado pelas camadas médias e populares e caracterizouse por propostas sociais radicais. A influência externa mais destacada, a influência ideológica e a causa local desse movimento foram, respectivamente: a)revolução Francesa; Iluminismo; crise abastecimento. b)independência Americana; Iluminismo; crise abastecimento. c)revolução Francesa; Liberalismo; crise abastecimento. d)independência Americana; lluminismo; crise mineração. e)revolução Francesa; lluminismo; crise mineração. 45-A respeito da Revolta dos Alfaiates de 1798, podemos afirmar: a)trata-se de uma revolução burguesa que tinha por objetivo eliminar o sistema colonial e estimular a entrada de imigrantes no Brasil. b)os rebeldes foram influenciados pelas ideias do comunismo francês, que pregava a igualdade social e a distribuição de terras entre os mais pobres. c)influenciados pelas doutrinas sociais da Igreja francesa, os líderes da revolta pretendiam garantir o ingresso no clero de homens de todas as raças. d)o discurso rebelde era marcado pelo anti-clericalismo e defendia uma reforma na ordem vigente, de modo a eliminar as diferenças sociais. e)o movimento foi liderado pela elite baiana, descontente com a falta de incentivos do governo metropolitano com relação às necessidades da produção açucareira (MACK-SP) Além da Conjuração Mineira, de que foi Mártir e herói Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, uma se lhe seguiu, liderada por dois militares e dois alfaiates, todos humildes de fortuna. Esse movimento foi conhecido pelo nome de: a)guerra dos farrapos c)conjuração Baiana e)revolução Praieira b)revolução Paulista d)revolução de Pirajá

13 47-A Conjuração Baiana foi diferente da Conjuração Mineira no seguinte aspecto: a)não desejava romper com a dominação portuguesa. b)não recebeu inspiração de ideias liberais correntes na Europa. c)envolveu a participação significativa de pessoas das mais humildes camadas sociais, possuindo um projeto de maior alcance popular. d)não pretendia proclamar a abolição da escravatura. 48-(PUC-PR) A Conjuração Baiana (1798) diferenciou-se da Conjuração Mineira (1789), entre outros aspectos, porque aquela: a)envolveu a alta burguesia da sociedade do Nordeste. b)pretendia a revogação da política fiscal do Marquês de Pombal. c)aglutinou a oficialidade brasileira insatisfeita com seu soldo. d)teve caráter popular, com preocupações sobretudo sociais. e)ficou também conhecida como revolta dos marinheiros. 49 Rebelião que expressou as contradições do antigo sistema colonial. Teve influência maçônica-iluminista, revelou propósito emancipacionista e republicano. O movimento se diferenciou dos demais pelo caráter social, a igualdade racial e proclamação da república. Estamos falando da: a)conjuração Baiana b)revolução Pernambucana de 1817; c)inconfidência Mineira d)praieira e)revolução Liberal 50 - (PUC RS) "Cada soldado é cidadão, sobretudo os homens pardos e pretos, que vivem escorraçados e abandonados. Todos serão iguais, não haverá diferença; só haverá liberdade, igualdade e fraternidade." (Manifesto afixado nas paredes das igrejas de Salvador, em agosto de 1798). O texto acima se refere: a)à Inconfidência Mineira. c)à Conjuração dos Alfaiates. e)ao Manifesto dos Cabanos. b)à Insurreição Pernambucana. d)à Revolta dos Malês. 51-(UNIBH) Cada soldado é cidadão, sobretudo os homens pardos e pretos, que vivem escorraçados e abandonados. Todos serão iguais, não haverá diferenças; só haverá liberdade, igualdade e fraternidade. (Manifesto afixado em Salvador, em ). Todas as afirmativas referem-se à Conjuração Baiana, EXCETO: a)planejava a abolição da escravidão, reflexo da participação, no movimento, dos setores mais humildes da população. b)possuía um ideal emancipacionista e republicano, nos moldes pregados pelos teóricos do iluminismo europeu. c)possuía um caráter nacional, tendo sido enviados embaixadores a outras províncias. d)defendia a nacionalização do comércio e a liberdade comercial.

14 52-(PUC-MG) A Inconfidência Baiana de 1798 tem como causa a: a)decadência da produção do ouro. b)instalação das casas de fundição. c)insatisfação das populações mais humildes. d)invasão holandesa na Bahia. e)revolta dos comerciantes portugueses. 53-Considere as afirmações seguintes, sobre a Conjuração Baiana. I-A chamada Conjuração Baiana ( ) tinha como projeto o fim do Pacto Colonial, a diminuição de impostos, a abolição da escravatura e o aumento dos soldos militares. II-Os revolucionários baianos pregavam ideias coincidentes com as doutrinas sociais francesas - igualdade, liberdade e representação popular soberana. III-Os articuladores tinham a pretensão de construir uma república libertária e igualitária, apesar de manterem, no início, a escravidão para conseguirem o apoio dos grandes proprietários. IV-A Conjuração Baiana foi mais que uma manifestação pelo fim da dominação colonial. Ela mostrou possuir um caráter democrático, igualitário e popular, que se chocava com o simples projeto de independência proposto pelos grandes senhores rurais, desejosos de manter a estrutura escravista tradicional. Estão corretas somente as afirmações a)i e II b)ii e IV c)i, II e III d)i, II e IV e)ii, III e IV 54-(UFF-RJ) O lema liberal Liberdade, Igualdade e Fraternidade consagrado pela Revolução Francesa influenciou, sobremaneira, as chamadas Inconfidências ocorridas em fins do século XVIII no Brasil Colônia. Assinale a opção que apresenta informações corretas sobre a chamada Conjuração dos Alfaiates. a)envolveu a participação de mulatos, negros livres e escravos, refletindo não somente a preocupação com a liberdade, mas também com o fim da dominação colonial. b)esta inconfidência baiana caracterizou-se por restringir-se à participação de uma elite de letrados e brancos livres influenciados pelos princípios revolucionários franceses. c)em tal conjuração, a difusão das ideias liberais não acarretou crítica às contradições da sociedade escravocrata. d)este movimento, também conhecido como Inconfidência Mineira, teve um papel singular no contexto da crise do sistema colonial, revelando suas contradições e sua decadência. e)um de seus principais motivos foi a prolongada crise do setor cafeeiro que se arrastou ao longo da segunda metade do século XVIII.

15 55-(UFPE) A luta para construir a autonomia política do Brasil contou com várias rebeliões, em que se destacaram reflexões sobre a questão da escravidão, que tanto atingiu a nossa história. Os escravos foram decisivos para a produção da riqueza social e sofreram com a exploração política e física dos seus senhores. Sobre a luta contra a escravidão no Brasil, podemos afirmar que: a)não houve resistências do grandes proprietários, preocupados apenas com os lucros da exportação de seus produtos. b)a Revolta dos Alfaiates, na Bahia, mostrou-se contra a escravidão e teve apoio da população mais pobre de Salvador. c)todas as rebeliões políticas do século XVIII foram claramente contra a escravidão, sobretudo, as que ocorreram em Pernambuco. d)a vinda das classes liberais para o Brasil em nada contribuiu para o fim da escravidão no século XIX. e)o fim do tráfico em 1850 não teve relação com a luta contra a escravidão, não abrindo, pois, espaços para novas reivindicações de liberdade. Revolta de Filipe dos Santos ou de Vila Rica 56 - (MACK-SP) A revolta de 1720 em Vila Rica, chefiada por Felipe dos Santos, teve como causa fundamental: a)perseguição religiosa b)expansão do sentimento nativista. c)criação das Casas de Fundição. d)ideais filosóficos franceses. e)rivalidade pessoal entre o Conde de Assumar e Felipe dos Santos. 57 (UFPE) A Revolta de Filipe dos Santos (1720), em Minas Gerais, resultou entre outros motivos da: a)intromissão dos jesuítas no ativo comércio dos paulistas na região das Minas; b)disseminação das ideias oriundas dos filósofos do Iluminismo francês; c)criação das casas de Fundição e das Moedas, a fim de controlar a produção aurífera; d)tentativa de afirmação política dos portugueses sobre a nascente burguesia paulista; e)tensão criada nas Minas, em virtude do monopólio da Companhia de Comércio do Maranhão (UNIFOR) Em meados do século XVII Portugal, em crise econômica, reforçou o controle sobre todas as atividades da colônia, com a criação de Companhias de Comércio e com uma severa fiscalização. A reação dos colonos deu origem a rebeliões. Entre essas rebeliões, a que se caracterizou fundamentalmente como reação ao aumento da tributação foi a: a)aclamação de Amador Bueno em São Paulo, b)revolta de Beckman no Maranhão, c)guerra dos Emboabas em Minas Gerais, d)guerra dos Mascates em Pernambuco, e)revolta de Filipe dos Santos em Vila Rica, 1720.

16 Comparando a Inconfidência Mineira com a Revolução Baiana 59-A Conjuração Mineira e a Conjuração Baiana são rebeliões que: a)não estão diretamente preocupadas em separar o Brasil de Portugal. b)pretendem abolir a escravidão negra e mudar a ordem social interna da Colônia. c)possuem um projeto de separação política, pretendo romper com a dominação metropolitana. d)objetivam mudar apenas certos aspectos da dominação metropolitana, mas não separar-se politicamente de Portugal. 60-(FATEC-SP) Entre os movimentos revolucionários ocorridos no Brasil, no século XVIII, destacam-se a Inconfidência Mineira e a Conjuração Baiana. Estabelecendo um paralelo entre ambos, podemos afirmar que: a)a inconfidência Mineira foi articulada junto à elite econômica, enquanto a Conjuração Baiana teve conotações acentuadamente populares. b)a Conjuração Baiana tinha um cunho aristocrático e a Inconfidência Mineira uma conotação nitidamente popular. c)tanto a Inconfidência Mineira, como a Conjuração Baiana foram movimentos com características aristocráticas. d)tanto a Inconfidência Mineira como a Conjuração Baiana foram movimentos com características populares. e)tanto a Conjuração Baiana como a Inconfidência Mineira foram movimentos nativistas e, portanto, idênticos sob todos os aspectos (FESP) A crise do sistema colonial foi marcada no Brasil por contestações diversas que comprovam as aspirações de liberdade do nosso povo. Entre as revoltas podemos destacar as Conjurações Mineira e Baiana que tiveram em comum: 1-O fundamento ideológico apoiado nos princípios do Iluminismo e de Revolução Francesa. 2-A proposta de extinção dos privilégios de classe ou cor, abolindo a escravidão. 3-A inquietação e revolta pela eminente cobrança de impostos em atraso. 4-A discriminação social evidenciada na aplicação da justiça. 5-A numerosa participação popular caracterizada pela presença de negros e mulatos. Assinale a opção correta: a)1 e 3 b)2 e 4 c)3 e 5 d)1 e 4 e)2 e 5

17 62-(UNIFOR-CE) Considere os textos: I-Prevaleceu o tipo de motivação mais colonial do que social. A inquietação teve por base a coerção exercida pela metrópole através da cobrança dos impostos sobre a produção aurífera. A revolução foi dirigida pelos proprietários dessa região em plena decadência econômica. II-Prevaleceu o tipo de motivação antes social do que colonial. A revolução foi impulsionada pela participação de pequenos artesãos, militares de baixo escalão, escravos e demais setores populares. Neste modelo, a ruptura se dá em três níveis: separação da colônia, mudança das instituições políticas e reorganização da sociedade em novas bases. No Brasil, as contradições do sistema engendraram movimentos que colocaram em xeque a exploração colonial. Dentre estes movimentos, os textos identificam, respectivamente, a: a)inconfidência Mineira e a Confederação do Equador; b)revolta de Vila Rica e a Conjuração Carioca; c)conjuração Baiana e a Revolta de Vila Rica; d)revolta dos Alfaiates e Revolta de Beckman; e)conjuração Mineira e Conjuração Baiana. Diversos 63-(COPERVE-SP) O sistema colonial passou a ser questionado a partir do século XVII, quando algumas das novas nações interessaram-se por: a)comerciar livremente, sem os limites do pacto colonial. b)introduzir mercadorias agrícolas nos portos americanos. c)traficar mão de obra escrava em nível mundial. d)enriquecer com o ouro e a prata descoberto nas Américas. e)exportar tecnologia industrial para os países americanos. 64-A Guerra dos Emboabas, a dos Mascates e a Revolta de Vila Rica, verificadas nas primeiras décadas do século XVIII, podem ser caracterizadas como: a)movimentos isolados em defesa de ideias liberais, nas diversas capitanias, com a intenção de se criarem governos republicanos. b)movimentos de defesa das terras brasileiras, que resultaram num sentimento nacionalista, visando à independência política. c)manifestações de rebeldia localizadas, que contestavam aspectos da política econômica de dominação do governo português. d)manifestações das camadas populares das regiões envolvidas, contra as elites locais, negando a autoridade do governo metropolitano. e)movimentos nacionalistas que lutavam pela independência do Brasil. 65 (UNESP-SP) Os chamados movimentos nativistas, ao contrário dos movimentos de libertação colonial, não tinham consciência completa da exploração metropolitana, mas apenas de alguns aspectos que prejudicavam as classes dominantes locais. Assinale a alternativa onde aparecem apenas revoltas com esse caráter:

18 a)revolta de Beckman (1684), Guerra dos Emboabas (1709), Guerra dos Mascates (1710) e Revolta de Filipe dos Santos (1720); b)revolta de Filipe dos Santos (1720), Inconfidência Mineira (1789), Conjuração Baiana (1798) e Revolução Pernambucana(1817); c)revolta de Beckman (1684), Guerra dos Emboabas (1709), Inconfidência Mineira (1789) e Conjuração dos Alfaiates (1798); d)guerra dos Mascates (1710), Inconfidência Mineira (1789), Conjuração Baiana (1798) e Revolução Pernambucana (1817); e)guerra dos Emboabas (1709), Guerra dos Mascates (1710), Revolta de Vila Rica (1720) e Inconfidência Mineira (1789). 66-(FGV-RJ) A revolta de Beckman, ocorrida no Maranhão entre 1684 e 1685, a guerra dos Mascates, ocorrida em Pernambuco entre 1710 e 1711, e a revolução de Vila Rica, ocorrida em Minas Gerais em 1720, possuem em comum o fato de terem sido movimentos que: a)tinham como objetivo a emancipação política da colônia. b)expressavam a reação dos colonizadores em face da violência física e cultural a que eram submetidos. c)punham em destaque a forte penetração do ideário liberal entre diversos segmentos da sociedade colonial. d)evidenciavam conflitos de interesses entre colonos e colonizadores. e)visavam pôr fim ao exclusivismo comercial, instituindo um regime de livre comércio com a Inglaterra. 67- (UFES) As transformações econômicas e socioculturais observadas no século XVIII repercutiam na população do Brasil Colonial, onde eclodiam revoltas sociais regionais e manifestações de aspiração emancipacionista. Foram manifestações sociais e políticas observadas nesse período: a)a Insurreição Pernambucana, a Aclamação de Amador Bueno e a Revolta de Beckmann. b)as Guerras dos Emboabas e dos Mascates e as Conjurações Mineira e Baiana c)as Guerras dos Emboabas e dos Mascates, a Revolta de Vila Rica, a Inconfidência Mineira, a Revolta dos Alfaiates e a Conjuração dos Suaçunas. d)a Conjuração dos Suaçunas, a Revolta Pernambucana e a Confederação do Equador. e)a Revolta do Maneta, a Guerra dos Palmares, a Inconfidência Mineira e a Revolução Farroupilha.

19 68 - (FGV-SP) Relacione os eventos com os grupos sociais protagonistas: 1)Revolução Praieira. I-Bandeirantes contra mineradores baianos e portugueses 2)Guerra dos Mascates. II-Senhores de engenho contra comerciantes de Recife. 3)Guerra dos Emboabas. III-Povo gaúcho contra Governo Imperial. 4)Revolução Farroupilha. 5)Revolução Liberal de IV-Paulistas e mineiros contra o Governo Conservador. V-Republicanos de Pernambuco contra oligarquia monarquista. Qual a série de relações corretas: a)1-v; 2-II; 3-I; 4-III; 5-IV. c)1-iii; 2-II; 3-IV.; 4-V; 5-I. e)1-iii; 2-II; 3-I; 4-IV; 5-V b)1-v; 2-III; 3-II; 4-I; 5-IV. d)1-iii; 2-II; 3-IV; 4-I; 5-V (FUVEST-SP) A elevação de Recife à condição de vila; os protestos contra a implantação das Casas de Fundição e contra a cobrança do quinto; a extrema miséria e carestia reinantes em Salvador, no final do século XVIII, foram episódios que colaboraram, respectivamente, para as seguintes sublevações coloniais: a)guerra dos Emboabas, Inconfidência Mineira e Conjuração dos Alfaiates. b)guerra dos Mascates, Motim do Pitangui e Revolta dos Malês. c)conspiração dos Suassunas, Inconfidência Mineira e Revolta do Maneta. d)confederação do Equador, Revolta de Felipe dos Santos e Revolta dos Malês. e)guerra dos Mascates, Revolta de Felipe dos Santos e Conjuração dos Alfaiates (PUC RJ) Nas últimas décadas do século XVIII, ocorreram diversas manifestações de descontentamento em relação ao sistema colonial português na América. Essas manifestações geraram movimentos sediciosos, que chamamos de "Conjurações" ou "Inconfidências", todos abortados pela repressão metropolitana. Sobre eles, NÃO é correto afirmar: a)a Conjuração Mineira, em 1789, foi a primeira a manifestar a intenção de ruptura com os laços coloniais, e reuniu diversos membros da elite mineradora. b)a Conjuração Baiana, em 1798, também conhecida como "Revolta dos Alfaiates", congregou entre as lideranças dos revoltosos, mulatos e negros livres ligados às profissões urbanas, principalmente artesãos e soldados. c)a Conjuração do Rio de Janeiro, em 1794, foi proveniente da Sociedade Literária do Rio de Janeiro, cujos membros, ao se reunirem para debater temas literários, filosóficos e científicos, defendiam concepções libertárias iluministas. d)as conjurações foram influenciadas pelas experiências europeia e norte-americana, que se difundiram nas regiões coloniais por meio de livros importados, de pasquins elaborados localmente e de discussões nas casas e ruas de Ouro Preto, Salvador ou Rio de Janeiro. e)a influência externa se fez de modo distinto: enquanto a Conjuração Mineira tomou como exemplo o período do "terror robespierrista" da Revolução Francesa, a Conjuração Baiana teve como paradigma os ideais expressos na independência norteamericana.

20 71 - (PUC RS) A partir do século XVIII, o sistema colonial português entra em sua fase final, devido a uma série de modificações ocorridas, tanto na Colônia quanto em nível externo. Sobre as causas da crise do sistema colonial, relacionar os fatos da coluna da esquerda com seu respectivo significado na coluna da direita. 1-Inconfidência Mineira ( )força o retorno da família real a Portugal e tenta recolonizar o Brasil. 2-Abertura dos portos às nações amigas ( )determina a equiparação jurídica entre Brasil e Portugal, o que foi feito pelo Congresso de Viena. 3-Elevação do Brasil a Reino-Unido de Portugal e Algarves ( )defende ideias de liberdade e de República, contra a opressão fiscal exercida pela Coroa Portuguesa. 4-Revolução Farroupilha ( )propicia o rompimento do Pacto Colonial e o comércio direto entre o Brasil e outras nações, sobretudo, a Inglaterra. 5-Revolução do Porto 6-Guerra de Canudos A ordem correta dos números da coluna da direita, de cima para baixo, é a) b) c) d) e) (UFRS) A seguir, na coluna I, são citadas seis revoltas ocorridas durante o período colonial brasileiro. Na coluna II, são apresentadas as motivações de quatro daquelas revoltas. Coluna I 1-Inconfidência Mineira 2-Revolta de Beckman Coluna II ( )Insatisfação da comunidade mercantil recifense com o domínio político dos senhores de engenho olindenses. ( )Proibição da circulação de ouro em pó na região mineira e criação das Casas de Fundição. 3-Guerra dos Emboabas ( )Criação da Companhia Geral do Comércio do Maranhão e oposição dos jesuítas à utilização da mão de obra indígena pelos colonos. 4-Guerra dos Mascates ( )Insatisfação dos colonos com a tentativa da monopolização das minas auríferas pelos paulistas. 5-Revolta de Filipe dos Santos 6-Inconfidência Baiana A sequência correta de preenchimento dos parênteses, de cima para baixo, é: a) b) c) d) e)

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL Portugal: crises e dependências -Portugal: acordos comerciais com a Inglaterra; -Exportação de produtos brasileiros; -Tratado de Methuen: redução fiscal para os

Leia mais

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL: CRISE DO SISTEMA COLONIAL E VINDA DA FAMÍLIA REAL

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL: CRISE DO SISTEMA COLONIAL E VINDA DA FAMÍLIA REAL PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL: CRISE DO SISTEMA COLONIAL E VINDA DA FAMÍLIA REAL * Três etapas: 1) Revoltas Nativistas 2) Revoltas Emancipacionistas 3) Período Joanino Família Real no Brasil (1808-1822)

Leia mais

Mineração e a Crise do Sistema Colonial. Prof. Osvaldo

Mineração e a Crise do Sistema Colonial. Prof. Osvaldo Mineração e a Crise do Sistema Colonial Prof. Osvaldo Mineração No final do século XVII, os bandeirantes encontraram ouro na região de Minas Gerais Grande parte do ouro extraído era de aluvião, ou seja,

Leia mais

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real Prof.ª viviane jordão INTRODUÇÃO Na segunda metade do século XVIII, novas ideias começaram a se difundir pela América portuguesa. Vindas da Europa,

Leia mais

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência Século XVIII e XIX Crise do mercantilismo e do Estado Absolutista Hegemonia de

Leia mais

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2 1º ano O absolutismo e o Estado Moderno Capítulo 12: Todos os itens A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10:

Leia mais

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA EUROPA Expansão dos Ideais Iluministas Revolução Francesa Fim do Antigo regime Ascensão da Burguesia ao poder Revolução Industrial

Leia mais

MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS

MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS 3.1- A AGROMANUFATURA AÇUCAREIRA O COMPLEXO AÇUCAREIRO ( XVI / XVII ) - Pré-condições favoráveis( solo, clima, mão-deobra,mercado externo ) - Participação

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

Os movimentos de libertação colonial

Os movimentos de libertação colonial Os movimentos de libertação colonial Fatores determinantes Em fins do século XVIII, iniciaram-se os movimentos que tinham como objetivo libertar a colônia do domínio econômico português. Deste momento

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

Expansão Territorial. Norte (Vale Amazônico): Nordeste: Drogas do Sertão / Missões. Cana-de-açúcar. Sul. Litoral.

Expansão Territorial. Norte (Vale Amazônico): Nordeste: Drogas do Sertão / Missões. Cana-de-açúcar. Sul. Litoral. Expansão Territorial Norte (Vale Amazônico): Drogas do Sertão / Missões Nordeste: Cana-de-açúcar Sertão Nordestino Litoral Sul Pecuária Fortes de defesa Pau-Brasil Missões Jesuíticas Pecuária Tratados

Leia mais

MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA PROF. ROSE MARY OLIVEIRA LIMA 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL

MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA PROF. ROSE MARY OLIVEIRA LIMA 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA PROF. ROSE MARY OLIVEIRA LIMA 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL OS VÁRIOS PROCESSOS DE EXPANSÃO DA COLONIZAÇÃO PORTUGUESA. EXTENSÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO O Brasil é o 5º maior

Leia mais

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer CAUSAS: Acirramento da concorrência comercial entre as potências coloniais; Crise das lavouras de cana; Estagnação da economia portuguesa na segunda metade do século XVII; Necessidade de encontrar metais

Leia mais

1530 O regime de capitanias hereditárias é instituído por D. João III. Primeira expedição colonizadora chefiada por Martim Afonso de Sousa.

1530 O regime de capitanias hereditárias é instituído por D. João III. Primeira expedição colonizadora chefiada por Martim Afonso de Sousa. Vera, Use a seguinte legenda: Amarelo: o documento para o link encontra-se neste site: http://www.info.lncc.br/wrmkkk/tratados.html Rosa: o documento para o link encontra-se neste site: http://www.webhistoria.com.br

Leia mais

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan João Paulo I O NORDESTE COLONIAL Professor Felipe Klovan A ECONOMIA AÇUCAREIRA Prof. Felipe Klovan Portugal já possuía experiência no plantio da cana-de-açúcar nas Ilhas Atlânticas. Portugal possuía banqueiros

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA PARCIAL DE HISTÓRIA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: 02/04/2011 Nota: Professora: Ivana Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras O descobrimento de novas terras e riquezas (o pau-brasil) estimulou a cobiça de várias nações européias que iniciavam as suas aventuras

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA Fase 1 Novembro 2008 INTRODUÇÃO Na prova de História de 2009 foi possível concretizar vários dos objetivos do programa do Vestibular.

Leia mais

O Brasil holandês http://www.youtube.com/watch?v=lnvwtxkch7q Imagem: Autor Desconhecido / http://educacao.uol.com.br/biografias/domingos-fernandescalabar.jhtm DOMINGOS CALABAR Domingos Fernandes

Leia mais

Invasões Holandesas. 1630 uma armada holandesa ocupou Olinda e o Recife.

Invasões Holandesas. 1630 uma armada holandesa ocupou Olinda e o Recife. Invasões Holandesas A dependência holandesa do açúcar brasileiro era enorme; Entre 1625 e 1630 a Holanda dedicou-se aos ataques de corsários, no litoral brasileiro e região do Caribe, chegando a ocupar

Leia mais

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção?

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção? Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 3 o Bimestre 4 o ano história Data: / / Nível: Escola: Nome: Memórias de um Brasil holandês Nessa terra

Leia mais

1554 Fundação da Vila de São Paulo de Piratininga.De início pequena agricultura de substância.(via apresamento).

1554 Fundação da Vila de São Paulo de Piratininga.De início pequena agricultura de substância.(via apresamento). HB. Expansão territorial da colônia. Expansão territorial Bandeirantes. 1554 Fundação da Vila de São Paulo de Piratininga.De início pequena agricultura de substância.(via apresamento). Mão-de-obra indígena.

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

História do Brasil Colônia

História do Brasil Colônia História do Brasil Colônia Aula VII Objetivo: a expansão e a consolidação da colonização portuguesa na América. A) A economia política da colônia portuguesa. Em O tempo Saquarema, o historiador Ilmar R.

Leia mais

Lista de exercícios para pra final de História. 7ª série

Lista de exercícios para pra final de História. 7ª série Lista de exer PROVÍNCIA BRASILEIRA DA CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS FILHAS DA CARIDADE DE SÃO VICENTE DE PAULO COLÉGIO VICENTINO SÃO JOSÉ Rua Pe. José Joaquim Goral, 182 Abranches Curitiba Fone (041) 3355-2200

Leia mais

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL BASES COMUNS DO SISTEMA COLONIAL PACTO-COLONIAL Dominação Política Monopólio Comercial Sistema de Produção Escravista ESTRUTURA SOCIAL DAS COLONIAS ESPANHOLAS Chapetones

Leia mais

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D]

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D] Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA Resposta da questão 1: Somente a proposição está correta. Com a expansão napoleônica na Europa e a invasão do exército Francês em Portugal ocorreu a vinda da corte portuguesa

Leia mais

Questões Brasil Colonial

Questões Brasil Colonial Questões Brasil Colonial (Ufpel 2008) "No decorrer do período colonial no Brasil os interesses entre metropolitanos e colonos foram se ampliando. O descontentamento se agravou quando, a 1º de abril de

Leia mais

Economia e Sociedade Açucareira. Alan

Economia e Sociedade Açucareira. Alan Economia e Sociedade Açucareira Alan Características coloniais gerais Colônia de exploração Existência de Pacto Colonial Monopólio Economia de exportação de produtos tropicais Natureza predatória extrativista,

Leia mais

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº:

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº: Exerc íciosde Revisão Aluno(a): Nº: Disciplina:HistóriadoBrasil Prof(a).:Cidney Data: deagostode2009 2ªSériedoEnsinoMédio Turma: Unidade:Nilópolis 01. QuerPortugallivreser, EmferrosqueroBrasil; promoveaguerracivil,

Leia mais

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640)

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) Portugal e Brasil no século XVII Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) O domínio espanhol. Em 1580, o rei de Portugal, D. Henrique, morreu sem deixar herdeiros ( fim da dinastia de Avis) surgiram disputas

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades Resoluções das Atividades Sumário Módulo 1 A conquista da América, a história cultural dos povos indígenas e africanos e a economia açucareira...1 Módulo 2 A mineração no Período Colonial, as atividades

Leia mais

1- ENTRADAS E BANDEIRAS ENTRADAS

1- ENTRADAS E BANDEIRAS ENTRADAS 1- ENTRADAS E BANDEIRAS ENTRADAS (sec. 16 e 17) expedições militares, organizadas e financiadas pela Coroa Portuguesa a fim de procurar ouro no interior. BANDEIRAS (sec. 17) expedições financiadas por

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes A independência foi o processo político e militar que afetou todas as regiões situadas entre os vicereinados da Nova Espanha e do Rio da

Leia mais

Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final. A Revolução Francesa (14/07/1789)

Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final. A Revolução Francesa (14/07/1789) Profª.: Lygia Mânica Costa 7ª série do E. Fundamental Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final A Revolução Francesa (14/07/1789) A situação social era grave e o nível de insatisfação

Leia mais

03. O que foi o Bloqueio Continental? 04. Qual o interesse de Napoleão Bonaparte em estabelecer esse Bloqueio?

03. O que foi o Bloqueio Continental? 04. Qual o interesse de Napoleão Bonaparte em estabelecer esse Bloqueio? Pré Universitário Uni-Anhanguera Lista de Exercícios Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 2ª. Disciplina: História (p2,1ª,chamada, 3º. Bimestre) prova dia 26 setembro de 2015.

Leia mais

A Organização da Aula

A Organização da Aula Curso: Ciências Sociais Prof. Me: Edson Fasano Sociedade Capitalista: REVOLUÇÃO FRANCESA A Organização da Aula 1º Bloco: Iluminismo e Independência dos EUA. 2º Bloco: - Antecedentes da Revolução Francesa.

Leia mais

Expansão do território brasileiro

Expansão do território brasileiro Expansão do território brasileiro O território brasileiro é resultado de diferentes movimentos expansionistas que ocorreram no Período Colonial, Imperial e Republicano. Esse processo ocorreu através de

Leia mais

A expansão da América Portuguesa

A expansão da América Portuguesa 8 ANO A/B RESUMO DA UNIDADE 1 DISCIPLINA: HISTÓRIA PROFESSORA: SUELEM *Os índios no Brasil A expansão da América Portuguesa Violência contra os povos indígenas; - Doenças, trabalho forçado; - Foram obrigados

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 3ª. Disciplina:História(p1,2º. Bimestre ) Data da prova: 30/04/2014

Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 3ª. Disciplina:História(p1,2º. Bimestre ) Data da prova: 30/04/2014 Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 3ª. Disciplina:História(p1,2º. Bimestre ) Data da prova: 30/04/2014 01. (Fatec-SP) Não

Leia mais

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL A MUDANÇA DA POLÍTICA COLONIAL ESPANHOLA SE DEU EM FUNÇÃO: DO ENVOLVIMENTO DA ESPANHA NAS GUERRAS EUROPEIAS; DA DECADÊNCIA DA MINERAÇÃO; DAS DIFICULDADES QUE

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

A América Espanhola.

A América Espanhola. Aula 14 A América Espanhola. Nesta aula, trataremos da colonização espanhola na América, do processo de independência e da formação dos Estados Nacionais. Colonização espanhola na América. A conquista

Leia mais

Os E.U.A. nos séculos XVIII e XIX.

Os E.U.A. nos séculos XVIII e XIX. Aula 13 Os E.U.A. nos séculos XVIII e XIX. Nesta aula iremos tratar da formação dos Estados Unidos da América. Primeiramente o processo de independência dos Estados Unidos, em seguida, o processo de expansão

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM.

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. PLANO DE TRABALHO DOCENTE - 2012 Professora: Ana Claudia Martins Ribas Disciplina: História - 8º ano -Fundamental 1º BIMESTRE Conteúdos Básicos: -Povos, Movimentos e

Leia mais

Independência do Brasil

Independência do Brasil BRASIL COLÔNIA Independência do Brasil Enquanto o governo absolutista português reprimia com vigor os movimentos republicanos no Brasil, o absolutismo na Europa era contestado pela Revolução Francesa,

Leia mais

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA INDEPENDÊNCIA DO Colonização: espanhola até 1697, posteriormente francesa. Produção açucareira. Maioria da população:

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

América Colonial Portuguesa (sécs. XVI-XVIII)

América Colonial Portuguesa (sécs. XVI-XVIII) América Colonial Portuguesa (sécs. XVI-XVIII) 1) Período Pré-Colonial Trinta anos sem projeto de colonização (1500-1530) Interesses voltados para o comércio com o Oriente Desapontamento quanto às potenciais

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 8º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL 1ºREINADO/REGÊNCIAS/2º REINADO

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL 1ºREINADO/REGÊNCIAS/2º REINADO EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL 1ºREINADO/REGÊNCIAS/2º REINADO 01) Para muitos brasileiros que vivenciaram o período regencial (1831-1840), aquele foi um tempo de impasses, mudanças

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 530, DE 2011

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 530, DE 2011 COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 530, DE 2011 (Do Senado Federal Senador Marco Maciel) Inscreve os nomes de Francisco Barreto de Menezes, João Fernandes Vieira, André Vidal de Negreiros,

Leia mais

Exercícios de Economia Açucareira, União Ibérica e O Brasil Holandês

Exercícios de Economia Açucareira, União Ibérica e O Brasil Holandês Exercícios de Economia Açucareira, União Ibérica e O Brasil Holandês 1. (Enem) O açúcar e suas técnicas de produção foram levados à Europa pelos árabes no século VIII, durante a Idade Média, mas foi principalmente

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade.

REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade. REVOLUÇÃO FRANCESA REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. 1789 Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade. Influência: Iluminista. DIVISÃO SOCIAL 1º

Leia mais

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE 1.Analise as afirmativas abaixo referentes ao Iluminismo: 01 - Muitas das idéias propostas pelos filósofos iluministas são, hoje, elementos essenciais da identidade da

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: Independência dos Estados Unidos

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: Independência dos Estados Unidos Conteúdo: Independência dos Estados Unidos Habilidades: Compreender o processo de independência Norte Americana dentro do contexto das ideias iluministas. Yankee Doodle 1 Causas Altos impostos cobrados

Leia mais

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727)

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727) A Revolução Inglesa A Revolução inglesa foi um momento significativo na história do capitalismo, na medida em que, ela contribuiu para abrir definitivamente o caminho para a superação dos resquícios feudais,

Leia mais

Independência do Brasil

Independência do Brasil A UA UL LA MÓDULO 3 Independência do Brasil Nesta aula No dia 7 de setembro, comemoramos a Independência do Brasil. Por isso, é feriado nacional. Todos nós sabemos que os feriados significam algo mais

Leia mais

Cidade e desigualdades socioespaciais.

Cidade e desigualdades socioespaciais. Centro de Educação Integrada 3º ANO GEOGRAFIA DO BRASIL A Produção do Espaço Geográfico no Brasil nas economias colonial e primário exportadora. Brasil: O Espaço Industrial e impactos ambientais. O espaço

Leia mais

História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa

História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa 1 A Revolução Francesa representou uma ruptura da ordem política (o Antigo Regime) e sua proposta social desencadeou a) a concentração do poder nas mãos

Leia mais

O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM

O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM Organização social que vigorou na França, principalmente na época em que os reis eram absolutistas, ou seja, de meados do século XVII até a Revolução Francesa. Tal

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

UFMG - 2006 3º DIA HISTÓRIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2006 3º DIA HISTÓRIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2006 3º DIA HISTÓRIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR História Questão 01 Considerando as transformações que abriram caminho para o surgimento do Mundo Moderno, ANALISE o impacto dessas mudanças

Leia mais

Estes são os conteúdos e sugestões de atividades para os estudos de recuperação semestral.

Estes são os conteúdos e sugestões de atividades para os estudos de recuperação semestral. Nome: Nº: Ano: 8º Ensino Fundamental Disciplina: História Data: / / Prof: Teonila L. S. Maia Nota: Roteiro de Recuperação 2ª etapa Caro aluno, Estes são os conteúdos e sugestões de atividades para os estudos

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO

GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO BRASIL 1) Aspectos Gerais: Território: 8 547 403 Km 2. 5 0 maior país do mundo em extensão e população. País continental devido a sua dimensão territorial. Ocupa

Leia mais

( ) Saber História consiste em memorizar o maior número possível de fatos ocorridos no passado.

( ) Saber História consiste em memorizar o maior número possível de fatos ocorridos no passado. 1 (UFPE) A necessidade de um conhecimento histórico-sociológico é antiga e universal. Nessa perspectiva, o historiador Pierre Vilar afirma que "uma humanidade - global ou parcial - que não tenha nenhuma

Leia mais

REVOLUÇÃO AMERICANA (1776-1781) - LISTA DE EXERCÍCIOS

REVOLUÇÃO AMERICANA (1776-1781) - LISTA DE EXERCÍCIOS 1. (Upe 2014) A passagem do século XVIII para o XIX foi marcada por um desequilíbrio nas relações entre a Europa e o Novo Mundo. As lutas políticas na América estavam ligadas à resistência contra a colonização

Leia mais

Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano

Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano 1. CARACTERÍSTICAS GERAIS DO PERÍODO COLONIAL Colônia de exploração (fornecimento de gêneros inexistentes na Europa). Monocultura.

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

A Crise do Sistema Colonial.

A Crise do Sistema Colonial. Aula 12 A Crise do Sistema Colonial. A partir do século XVIII, a América Colonial passa a conhecer movimentos que reivindicam a separação política em relação à metrópole. Vários foram os fatores que conduziram

Leia mais

Colonização Portuguesa. Prof. Osvaldo

Colonização Portuguesa. Prof. Osvaldo Colonização Portuguesa Prof. Osvaldo A chegada dos Portugueses Portugal e depois Espanha se tornaram pioneiros nas chamadas Grandes Navegações Portugal buscou contornar a África para tentar chegar ao Oriente

Leia mais

Os pontos principais e a resolução das questões formam um roteiro a ser seguido.

Os pontos principais e a resolução das questões formam um roteiro a ser seguido. Orientação de Estudos Os pontos principais e a resolução das questões formam um roteiro a ser seguido. Porém, a leitura do livro texto é indispensável para compreensão e fixação do conteúdo. 3EM - Antiguidade

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

Colégio SOTER - Caderno de Atividades - 8º Ano - História - 1º Bimestre

Colégio SOTER - Caderno de Atividades - 8º Ano - História - 1º Bimestre Capítulo 1 1) Qual a diferença entre as colônias do Norte e as colônias do sul, na colonização inglesa na América? 2) Explique o comércio triangular. 3) Relacione a Guerra dos Sete Anos (1767-1773), entre

Leia mais

MINERAÇÃO NO BRASIL A DESCOBERTA E EXPLORAÇÃO DO OURO E DO DIAMANTE

MINERAÇÃO NO BRASIL A DESCOBERTA E EXPLORAÇÃO DO OURO E DO DIAMANTE A DESCOBERTA E EXPLORAÇÃO DO OURO E DO DIAMANTE O início da mineração no Brasil; Mudanças sociais e econômicas; Atuação da Coroa portuguesa na região mineira; Revoltas ocorridas pela exploração aurífera;

Leia mais

Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial

Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial Franceses, Ingleses e Holandeses Prof. Alan Carlos Ghedini O princípio: competição nos mares Portugal e Espanha chegaram primeiro à corrida das Grandes

Leia mais

7. Bibliografias... 10

7. Bibliografias... 10 1. Introdução... 03 2. Surgimento da Economia Açucareira... 04 3. Desenvolvimento da Economia Açucareira... 05 4. Desarticulação da Economia Açucareira... 07 5. Encerramento da Economia Açucareira... 08

Leia mais

03. (PUCCAMP) Dentre as consequências sociais forjadas pela Revolução Industrial pode-se mencionar:

03. (PUCCAMP) Dentre as consequências sociais forjadas pela Revolução Industrial pode-se mencionar: 03. (PUCCAMP) Dentre as consequências sociais forjadas pela Revolução Industrial pode-se mencionar: UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ HISTÓRIA GERAL II PROFESSORA: FÁTIMA GEISLA 01. (FEI) Podem ser apontadas

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA BRASIL COLÔNIA

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA BRASIL COLÔNIA EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA BRASIL COLÔNIA 01) São características econômicas do período Pré-Colonial no Brasil: a) latifúndios escravidão monocultura exportação. b) servidão coletiva policultura

Leia mais

Emancipação Política do Brasil

Emancipação Política do Brasil Emancipação Política do Brasil Brasil: Colônia de Portugal. Submetido ao Pacto Colonial só pode comerciar com a Metrópole (Portugal) Insatisfação: altos impostos e autoritarismo Revoltas No Brasil Conjuração

Leia mais

GABARITOS MÓDULO I - HISTÓRIA II

GABARITOS MÓDULO I - HISTÓRIA II GABARITOS MÓDULO I - HISTÓRIA II UNIDADE 1 PRÉ-HISTÓRIA DO BRASIL 1) Sobre os povos dos sambaquis, é incorreto afirmar que: a) sendo nômades, ocuparam a faixa amazônica, deslocando-se durante milhares

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO Prof. Israel Frois SÉCULO XV Território desconhecido; Era habitado por ameríndios ; Natureza praticamente intocada Riqueza imediata: Pau-Brasil (Mata Atlântica) Seus limites

Leia mais

Universidade Federal de Alfenas COPEVE Comissão Permanente de Vestibular

Universidade Federal de Alfenas COPEVE Comissão Permanente de Vestibular PROCESSO SELETIVO UNIFAL MG 2008/1 Gabarito Final com Distribuição dos Pontos questão nº 01 1º) 4 pontos serão atribuídos à resposta que contemplar a explicação da política de submissão dos índios nos

Leia mais

Cap. 12- Independência dos EUA

Cap. 12- Independência dos EUA Cap. 12- Independência dos EUA 1. Situação das 13 Colônias até meados do séc. XVIII A. As colônias inglesas da América do Norte (especialmente as do centro e norte) desfrutavam da negligência salutar.

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

A Ocupação do Litoral e a Expansão Territorial. Introdução:

A Ocupação do Litoral e a Expansão Territorial. Introdução: COLÉGIO MILITAR DE JUIZ DE FORA 2007 HISTÓRIA - 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL Nº: NOME: TURMA: A Ocupação do Litoral e a Expansão Territorial. Introdução: Durante o século XVI, as povoações geralmente

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Influência dos valores iluministas Superação do Absolutismo monárquico e da sociedade estratificada Serviu de inspiração para outras revoluções,

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 1ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 9º Turma: Data: / /2012 Nota: Professor(a): Edvaldo Valor da Prova: 65 pontos Orientações gerais: 1)

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Índice Clique sobre tema desejado: A origem dos Estados Nacionais Contexto Histórico: crise feudal (séc. XIV-XVI) Idade Média Idade Moderna transição Sociedade

Leia mais