Principais Tópicos Abordados

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Principais Tópicos Abordados"

Transcrição

1 BC0307 Transfo ormaçõe es Químicas Principais Tópicos Abordados.Indústrias químicas: Processo Haber Equilíbrio químico: Lei de Ação das Massas e constante de equilíbrio. Fatores que afetam o equilíbrio químico. Kp e Kc; Processo Solvay Solubilidade, Kps; Equilíbrio ácido-base Sistema tampão

2 BC0307 Transfo ormaçõe es Quími cas Sistemas em Equilibrio são: DINÂMICOS (está em movimento sempre) REVERSÍVEIS Podem ser direcionados Equilíbrio se estabelece desde que o sistema it seja fechado!

3 BC0307 Transfo ormaçõe es Químicas No equilíbrio, tanto de N 2 O 4 reage para formar NO 2 quanto de NO 2 reage para formar outra vez N 2 O 4 : N 2 O 4 (g) 2NO 2 (g) Incolor Marrom A seta dupla significa que o processo é dinâmico.

4 cas BC0307 Transfo ormaçõe es Quími Em geral, todos os sistemas químicos são caracterizados pelos seus QUOCIENTE DE REAÇÃO,,Q a A + b B c C + d D, Q. BSe Q = K, então o sistema está em equilíbrio.

5 BC0307 Transfo ormaçõe es Quími cas Para uma reação genérica qualquer a A + b B c C + d D Tem-se a CONSTANTE DE EQUILÍBRIO (a uma dada T) K = [C]c [D]d [A]a [B]b equilibrium constant conc. of products conc. of reactants Se K é conhecida, pode-se prever a concentração de produtos e reagentes no equilíbrio!

6 BC0307 Transfo ormaçõe es Quími cas 2 NOCl(g) 2 NO(g) + Cl 2 (g) Foi colocado 2,00 mol de NOCl em um frasco de 1,00 L. No equilíbro encontra-se 0.66 mol/l de NO. Cl Calcule l K. Solução Faça uma tabela com as concentrações [NOCl NOCl] [NO] [Cl 2 ] I nicial 2, Reage/Forma Equilíbrio 0,66

7 BC0307 Transfo ormaçõe es Quími cas 2 NOCl(g) 2 NO(g) + Cl 2 (g) Foi colocado 2,00 mol de NOCl em um frasco de 1,00 L. No equilíbro encontra-se 0.66 mol/l de NO. Cl Calcule l K. Solução Faça uma tabela com as concentrações [NOCl NOCl] [NO] [Cl 2 ] Inicial 2, Reage/Forma -0, ,66 +0,33 Equilíbrio 1,34 0,66 0,33

8 2 NOCl(g) 2 NO(g) + Cl 2 (g) BC0307 Transfo ormaçõe es Quími cas [NOCl NOCl] [NO] [Cl 2 ] Inicial 2, Reage/Forma -0,66 +0,66 +0,33 Equilíbrio 1,34 0,66 0,33 [NO]2 [Cl K [ ] 2 ] [NOCl] 2 2 K [NO]2 [Cl 2 ] 2 = (0.66) 2 (0.33) 2 = [NOCl] (1.34)

9 cas BC0307 Transfo ormaçõe es Quími Produto- ou Reagente Favorecida? Produto-favorecida Reagente-favorecida

10 BC0307 Transformações Químicas

11 Produto- ou Reagente Favorecida? BC0307 Transfo ormaçõe es Quími cas G < 0: reação é produto-favorecida G > 0: reação é reagente-favorecida G = -RT ln K Se K > 1, então ΔG é negativo Se K < 1, então ΔG é positivo

12 BC0307 Transformações Químicas

13 H 2 (g) + I 2 (g) 2 HI(g) K c = 55.3 BC0307 Transfo ormaçõe es Quími cas 1 o Passo: Faça uma tabela com as concentrações [H 2 ] [I 2 ] [HI] Inicial 1, , Reage/Forma -x -x +2x Equilíbrio 1,00-x 1,00-x +2x Seguindo as proporções estequiométricas, estabeleça quanto de cada substância reage/forma Etbl Estabeleça quanto de cada substância btâ tem-se no equilíbrio

14 BC0307 Transfo ormaçõe es Quími cas H 2 (g) + I 2 (g) 2 HI(g) K c = o Passo: Monte a expressão de equilíbrio, Kc, e substitua as concetrações. [2x] 2 K c = = 55.3 [ x][ x] 3 o Passo: Resolva a expressão raiz quadrada dos dois lados [2x] 2 = = 2x x K c = 55.3 [ x][ x]

15 K c = [ x][ x] = x BC0307 Transfo ormaçõe es Quími cas x = 0,79 Portanto, no equilíbrio: [H 2 ] [I 2 ] [HI] Inicial 1,00 1,00 0 Reage/Forma -x -x +2x Equilíbrio 1,00-x 1,00-x +2x [H 2 ] = [I 2 ] = 1,00 - x = 0,21 M [HI] = 2x = 1,58 M

16 PROCESSO HABER-BOSCH Fit Fritz Haber Carl Bosch BC0307 Transformações Químicas

17 N 2 (g) +3H 2 (g) 2NH 3 (g) BC0307 Transfo ormaçõe es Químicas Não importaa composição iã iniciali i lde reagentes e produtos, a mesma proporção de concentrações é alcançada no equilíbrio.

18 Relação K c e K (ou K p )? [C]c [D] d Kc = [[A] a [B] b BC0307 Transfo ormaçõe es Quími cas Em fase gasosa as concentrações podem ser expressas em atm. Kc está relacionado com o Kp através da equação K p ( RT) R = Constante dos gases perfeitos (0,0821 Latm/(K.mol); T = Temperatura (K) n = b-a = mols de produtos no estado gasoso mols de reagentes no estado gasoso. n K c

19 O que fazer para ter um rendimento elevado para esse processo? BC0307 Transfo ormaçõe es Quími cas N 2 (g) + 3H 2 (g) 2NH 3 (g) O que acontecerá se: - Aumentarmos a temperatura; - Acrescentarmos ao sistema reacional NH3; - Retirarmos H2; - Aumentarmos a pressão; H = - 91,8 kj

20 BC0307 Transfo ormaçõe es Químicas Princípio de Le Châtelier: quando uma perturbação exterior é aplicada a um sistema em equilíbrio dinâmico, ele tende a se ajustar para reduzir ao mínimo a perturbação.

21 N 2 (g) + 3H 2 (g) 2NH 3 (g) BC0307 Transformações Químicas

22 BC0307 Transformações Químicas

23 cas BC0307 Transfo ormaçõe es Quími À medida que diminui-se o volume, a pressão aumenta.

24 Variações na pressão não afetam as concentrações das espécies reagentes nas fases condensadas (por ex, numa solução aquosa) porque os líquidos e os sólidos são virtualmente incompressíveis. BC0307 Transfo ormaçõe es Quími cas Por outro lado, as concentrações dos gases são geralmente afetadas por variações de pressão. Exemplo: considere os seguintes sistemas em equilíbrio (a) 2PbS(s)+3O 2 (g) 2PbO(s)+2SO 2 (g) (b) PCl 5 (g) PCl 3 (g)+cl 2 (g) (c) H 2 (g)+co 2 (g) H 2 O(g)+CO(g) Preveja o sentido da reação global, em cada um dos casos, como resultado de um aumento de pressão (diminuição de volume) no sistemaatemperaturaconstante.

25 BC0307 Transfo ormaçõe es Quími cas A adição de calor (por ex. o aquecimento do recipiente) favorece a reação no sentido: se H > 0, a adição de calor favorece a reação direta, se H < 0, a adição de calor favorece a reação inversa. A remoção de calor (por ex. o resfriamento do recipiente), favorece a reação no sentido: se H > 0, o resfriamento favorece a reação inversa, se H < 0, o resfriamento favorece a reação direta.

26 A constante de equilíbrio depende da temperatura. BC0307 Transfo ormaçõe es Quími cas K=e G0 /RT Para uma reação endotérmica, H > 0 e o calor pode ser considerado um reagente. Para uma reação exotérmica, H < 0 e o calor pode ser considerado um produto.

27 N 2 (g) + 3H 2 (g) 2NH 3 (g) H = 91,8 kj Utiliza um catalisador a base de ferro (catálise heterogênea) BC0307 Transfo ormaçõe es Quími cas Elevadas temperaturas (500 C) e pressões (250 atm) A energia necessária é proveniente da queima de combustíveis fósseis (carvão, gás ou óleo) Hidrogênio é produzido a partir de gás natural (metano) ou outros hidrocarbonetos

28 BC0307 Transformações Químicas

29 endo [Co(H 2 O) 6 ] 2+ (aq) + 4Cl - (aq) [CoCl 4 ] 2- (aq) + 6H 2 O(l) exo BC0307 Transformações Químicas

30 Não tem efeito sobre o equilíbrio! BC0307 Transformações Químicas

31 Resumindo, fatores que afetam o equilíbrio químico BC0307 Transfo ormaçõe es Quími cas 1. Concentração 2. Pressão: só afeta de maneira considerável as reações envolvendo gases. 3. Volume: afeta os gases, uma vez que tanto líquidos como sólidos apresentam volume praticamente constante. 4. Temperatura: um aumento da temperatura favorece reações endotérmicas e uma diminuição de temperatura favorece reações exotérmicas.

32 BC0307 Transfo ormaçõe es Químicas Ernest Solvay Produção industrial de NaHCO 3 e Na 2 CO 3 a partir de matérias primas baratas: cloreto de sódio, amoníaco e carbonato de cálcio (pedra calcária) Utilizados para: Vidros, Sabões Papel, Fármacos etc.

33 REAÇÕES CaCO 3 CaO + CO 2 H = +43,4 Kcal C (amorfo) +O 2 CO 2 H = -96,5 Kcal BC0307 Transfo ormaçõe es Quími cas CaO + H 2 O Ca(OH) 2 H = -15,9 Kcal NH 3 + H 2 O NH 4 OH H = -8,4 Kcal 3 2 4, 2NH 4 OH + CO 2 (NH 4 ) 2 CO 3 + H 2 O H = -22,1 Kcal (NH 4 ) 2 CO 3 + CO 2 + H 2 O 2NH 4 HCO 3 NH 4 HCO 3 + NaCl NH 4 Cl + NaHCO 3 2NaHCO 3 Na 2 CO 3 + CO 2 + H 2 O H = +30,7 Kcal 2NH 4 Cl + Ca(OH) 2 2NH 3 + CaCl 2 + 2H 2 O H = +10,7 Kcal

34 REAÇÃO GLOBAL: CaCO 3 + NaCl Na 2 CO 3 (s) + CaCl 2 (s) BC0307 Transfo ormaçõe es Quími cas

35 Etapas principais do Processo Solvay: 1. Saturação de uma solução aquosa de NaCl com amônia NH 3 + H 2 O NH 4 OH 2. Saturação desta solução com CO 2 NH 4 OH + CO 2 NH 4 HCO 3 BC0307 Transfo ormaçõe es Quími cas 3. Reação do bicarbonato com NaCl NH 4 HCO 3 + NaCl NH 4 Cl + NaHCO 3 4. Precipitação do sal menos solúvel NaHCO 3 5. Produção do Na 2 CO 3 por calcinação 2NaHCO 3 Na 2 CO 3 + CO 2 + H 2 O 6. Recuperação da amônia 2NH 4 Cl + Ca(OH) 2 2NH 3 + CaCl 2 + 2H 2 O Química Nova 1998, v. 21 (1), p

36 cas BC0307 Transfo ormaçõe es Quími - Avaliação do equilíbrio heterogêneo: H 2 O CaCO 3 (s) Ca CO CO K= [Ca2+ 2- ].[CO 3 ] K. [CaCO 3 ] = [Ca 2+ 2 ].[CO 3 ] [CaCO 3 ] Kps = [Ca ]. [CO 3 ]

37 Para converter solubilidade em K ps cas BC0307 Transfo ormaçõe es Quími a solubilidade precisa ser convertida em solubilidade molar (através da massa molar); a solubilidade é convertida na concentração em quantidade de matéria de íons no equilíbrio (cálculo do equilíbrio), K ps é o produto da concentração de íons no equilíbrio.

38 Concentração necessária para ocorrer precipitação atingir o Kps cas BC0307 Transfo ormaçõe es Quími O conhecimento dos valores de Kps e das concentrações em solução permite controlar a precipitação de espécies de interesse: Se o produto iônico, Q, > K ps, a solução é supersaturada Se o produto iônico, Q, = K ps, a solução é dita saturada Se o produto iônico, Q, < K ps, a solução é insaturada e não há formação de precipitado

39 BC0307 Transformações Químicas

40 BC0307 Transformações Químicas

41 BC0307 Transfo ormaçõe es Quími cas Considere PbI 2 dissolvido em água PbI 2 (s) Pb 2 + (aq) + 2 I - (aq) Calcule K = - 3 ps se a solubilidade 1.30 x 10 M Resposta: Solubilidade = [Pb 2+ ] = 1.30 x 10-3 M [I - ] =? [I - ] = 2 x [Pb 2+ ] = 2.60 x 10-3 M

42 BC0307 Transfo ormaçõe es Quími cas Considere PbI 2 dissolvido em água PbI 2 (s) Pb 2 + (aq) + 2I - (aq) Calcule K = - 3 ps se a solubilidade 1.30 x 10 M Resposta: K ps ps = [Pb 2 + ] [I - ] 2 = [Pb 2 + ] {2 [Pb 2 + ]} 2 K ps = 4 [Pb 2 + ps ] 3 = 4 (solubilidade ) solubilidade) 3 K ps = 4 (1.30 x 10 3 ) 3 = 8.8 x 10

43 Hg 2 Cl 2 (s) Hg 2+ 2 (aq) + 2 Cl - (aq) cas BC0307 Transfo ormaçõe es Quími K 1 ps = 1.1 x = [Hg 2+ 2 ] [Cl - ] 2 Se [Hg 2+ = M, qual a [Cl - 2 ] ] necessária para iniciar a precipitação do Hg 2 Cl 2?

44 Hg 2 Cl 2 (s) Hg 2+ 2 (aq) + 2 Cl - (aq) cas BC0307 Transfo ormaçõe es Quími K ps = 1.1 x 10 = [Hg 2+ 2 ] [Cl ] 2 Reconheça que: Deve ser maior que Se [Hg 2+ 2 ] = M, qual [Cl - ] é necessária BCl2? para iniciar a precipitação p do Hg 2 2

45 Hg 2 Cl 2 (s) Hg (aq) + 2 Cl (aq aq) BC0307 Transfo ormaçõe es Quími cas K ps ps = 1.1 x = [Hg 2+ 2 ] [Cl - ] 2 Resposta Quanto tem-se de [Cl - ] quando [Cl ] = quando [Hg [Hg 2+ 2 K sp = 1.1 x 10-8 M 2+ ] = M, Se essa concentração de Cl - for ultrapassada, Hg 2 Cl 2 começa a precipitar.

46 BC0307 Transfo ormaçõe es Quími cas Ag + Pb 2+ AgCl Cl - PbCl 2 Como fazer para precipitar apenas o AgCl? Solução: manter a [Cl - ] em um valor suficiente para atingir o Kps do AgCl (1,7 x ), mas insuficiente i para o Kps do PbCl 2 (1,6 x 10-5 ).

47 Por exemplo: se [Ag + ] = [Pb 2+ ] = 0,01 M, temos: AgCl Ag + + Cl - BC0307 Transfo ormaçõe es Quími cas [ Cl ] 10 Kps 17, x10 1, 7x 10 8 [ Ag ] 001, PbCl 2 Pb Cl - 5 Kps 16, x10 [ Cl ] 2 [ Pb ] 001, 1,7x10-8 < [Cl - ] < 0,04 M 004, M

48 BC0307 Transfo ormaçõe es Químicas Ag(CH 3 CO 2 )(s) Ag + (aq) + CH 3 CO 2- (aq) O que acontece com o aquilíbrio i aoadicionar i AgNO 3? Forma se Ag(CH 3 CO 2 )(s) e ocorre a precipitação!

49 Exemplo: Qual a solubilidade molar do PbI 2 em NaI 0.10 M? BC0307 Transfo ormaçõe es Quími cas Primeiro vamos analisar a solubilidade do PbI 2 em água pura: PbI 2 (s) Pb 2+ (aq) + 2I - (aq) K ps = 8, K ps = [Pb 2+ ][I - ] 2 8, = y(2y) 2 8, = 4y 3 8, /4 = y 3 y = 1,30 x10-3 mol/l Análise: NaI é solúvel em água e fornece o íon comum (I - ).

50 Análise: NaI é solúvel em água e fornece o íon comum (I - ). PbI 2 (s) Pb 2+ (aq) + 2I - (aq) K ps = [Pb 2+ ][I - ] 2 BC0307 Transfo ormaçõe es Quími cas Inicial 0 0,10 Variação +x +2x Equilíbrio +x +2x x+0 0,10 [ I ] 0,10 2 x K ps Portanto x(0,10) ( x 0,10 2 ou 0,10 x portanto a então 7, M consideração inicial Solubilidade em água pura = y = 1, M é válida) Solubilidade d em presença de I - adicionado i d = x = 79 7, M Princípio de Le Chatelier é obedecido!

51 Onde estudar? 1) ATKINS, P., JONES, L., Princípios de Química - Questionando a Vida Moderna e o Meio Ambiente, 3 ed., Porto Alegre: Bookman, ) KOTZ, J. C., TREICHEL Jr., P., Química Geral e Reações Químicas, Vol. 1 e 2, 1 ed., São Paulo: Thomson Pioneira, BC0307 Transfo ormaçõe es Quími cas 3) BRADY, J., HOLUM, J.R., RUSSELL, J. W., Química - a Matéria e Suas Transformações, V. 2, 3 ed., Rio de Janeiro: LTC, ) BROWN, T.L., Le MAY Jr., H.E.; BURSTEN, B.E., Química - a Ciência Central, 9 ed., São Paulo: Pearson, ) BROWN, L. S., HOLME T.A., Química Geral Aplicada à Engenharia, São Paulo: Cengage, ) HOLUM, J.R., RUSSELL, J. W., BRADY, J., Química - a Matéria e Suas Transformações, V. 1, 3 ed., Rio de Janeiro: LTC, ) MAHAN, B.M., MYERS, R.J., Química um Curso Universitário, 4 ed., São Paulo: Ed. Blücher, ) MASTERTON, W.L., Princípios de Química, 6 ed., Rio de Janeiro: LTC, Conceitos que devem ser estudados: Processo Haber Equilíbrio químico: Lei de Ação das Massas e constante de equilíbrio, Fatores que afetam o equilíbrio químico, Princípio de Le Châtelier, Kp e Kc, Produto de solubilidade

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 1- Introdução Uma reação química é composta de duas partes separadas por uma flecha, a qual indica o sentido da reação. As espécies químicas denominadas como reagentes ficam à esquerda

Leia mais

Introdução. Muitas reações ocorrem completamente e de forma irreversível como por exemplo a reação da queima de um papel ou palito de fósforo.

Introdução. Muitas reações ocorrem completamente e de forma irreversível como por exemplo a reação da queima de um papel ou palito de fósforo. Introdução Muitas reações ocorrem completamente e de forma irreversível como por exemplo a reação da queima de um papel ou palito de fósforo. Existem também sistemas, em que as reações direta e inversa

Leia mais

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza 1) a-) Calcular a solubilidade do BaSO 4 em uma solução 0,01 M de Na 2 SO 4 Dissolução do Na 2 SO 4 : Dado: BaSO

Leia mais

- A velocidade da reação direta (V1) é igual à velocidade da reação inversa (V2) V 1 = V 2

- A velocidade da reação direta (V1) é igual à velocidade da reação inversa (V2) V 1 = V 2 EQUILÍBRIO QUÍMICO Equilíbrio Químico - Equilíbrio químico é a parte da físico-química que estuda as reações reversíveis e as condições para o estabelecimento desta atividade equilibrada. A + B C + D -

Leia mais

Equilíbrio Químico. Hiram Araujo. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons.

Equilíbrio Químico. Hiram Araujo. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. Hiram Araujo Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/br/legalcode Introdução

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 11/10/08

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 11/10/08 P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 11/10/08 Nome: Gabarito Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Constantes: R 8,314 J mol -1 K -1 0,0821

Leia mais

Revisão: Química inorgânica Soluções aquosas

Revisão: Química inorgânica Soluções aquosas QUÍMICA è Revisão: Química inorgânica Hidróxidos fortes família 1A e 2A (exceto Ca e Mg) Ácidos fortes nº de oxigênios nº de hidrogênios > 2, principalmente nítrico (HNO 3 ), clorídrico (HCl) e sulfúrico

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 20/05/06

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 20/05/06 - ROVA DE QUÍMICA GERAL - 0/05/06 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 0,0 Constantes: R 8,34 J mol - K - 0,08 atm L mol - K - atm L 0,35

Leia mais

BC Transformações Químicas

BC Transformações Químicas Transformações Químicas BC0307 Prof. Anderson O. Ribeiro http://www.andersonorzari.com BC 0307 Transformações Químicas ANDERSON ORZARI RIBEIRO Bloco B, 10º andar - Sala 1043 www.andersonorzari.com Transformações

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA FICHA DE EQUILÍBRIO DE SOLUBILIDADE

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA FICHA DE EQUILÍBRIO DE SOLUBILIDADE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA FICHA DE EQUILÍBRIO DE SOLUBILIDADE 1. 1.1. s(cdcl 2 ) = 114,1g/100g H 2 O M(CdCl 2 )= 183,3 g/mol M(H 2 O) = 18,0 g/mol x(cdcl 2 ) = n (CdCl2)/n total m(h 2 O) = 100 g e m(cdcl

Leia mais

VI OLIMPÍADA BAIANA DE QUÍMICA 2011

VI OLIMPÍADA BAIANA DE QUÍMICA 2011 VI OLIMPÍADA BAIANA DE QUÍMICA 2011 RESPONDA AS QUESTÕES DE 1 a 30, MARCANDO UMA DAS ALTERNATIVAS DE ACORDO COM O QUE SE PEDE QUESTÃO 1 Peso 2 A dissolução do cloreto de amônio, NH 4 Cl(s), em água ocorre

Leia mais

ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO.

ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO. ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO. 1 Escreva as expressões de equilíbrio, K c e K p, para cada uma das seguintes reações abaixo: a) CO(g) + Cl 2

Leia mais

ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS QUESTÕES É OBRIGATÓRIO

ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS QUESTÕES É OBRIGATÓRIO IX Olimpíada Capixaba de Química 2011 Prova do Grupo II 2 a série do ensino médio Fase 02 Aluno: Idade: Instituição de Ensino: Coordenador da Instituição de Ensino: ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS

Leia mais

TURMA EMESCAM - QUÍMICA 1º SEMESTRE

TURMA EMESCAM - QUÍMICA 1º SEMESTRE TURMA EMESCAM - QUÍMICA 1º SEMESTRE Prof. Borges TESTES - DESCOLAMENTO DE EQUILÍBRIO 1. (Enem) Os refrigerantes têm-se tornado cada vez mais o alvo de políticas públicas de saúde. Os de cola apresentam

Leia mais

Equilíbrio Químico. Prof. Alex Fabiano C. Campos

Equilíbrio Químico. Prof. Alex Fabiano C. Campos 6/09/010 Equilíbrio Químico rof. Alex Fabiano C. Campos rocessos Reversíveis e Irreversíveis Algumas reações são irreversíveis, ou seja, uma vez obtios os proutos não há previsão espontânea e regeneração

Leia mais

BC Transformações Químicas

BC Transformações Químicas Transformações Químicas BC0307 Prof. Anderson O. Ribeiro http://www.andersonorzari.com BC 0307 Transformações Químicas ANDERSON ORZARI RIBEIRO Bloco B, 10º andar - Sala 1043 www.andersonorzari.com Transformações

Leia mais

A B EQUILÍBRIO QUÍMICO. H 2 + 2ICl I 2 + 2HCl. % Ach

A B EQUILÍBRIO QUÍMICO. H 2 + 2ICl I 2 + 2HCl. % Ach A B EQUILÍBRIO QUÍMICO H 2 + 2ICl I 2 + 2HCl!. % % Ach. Ac 1 Equilíbrio Químico - Reversibilidade de reações químicas A B Exemplo: N 2 (g) + 3H 2 (g) 2NH 3 (g) equilíbrio dinâmico aa + bb yy + zz Constante

Leia mais

Energia é conservada!

Energia é conservada! Calor transferido E = q + w Variação de energia Trabalho realizado pelo sistema Energia é conservada! ENDOtérmico: o calor é transferido da VIZINHANÇA para o SISTEMA. T(sistema) aumenta enquanto T (vizinhança)

Leia mais

Propriedades Físicas das Soluções

Propriedades Físicas das Soluções Propriedades Físicas das Soluções Solução (def): é uma mistura homogénea de duas ou mais substâncias. Solvente: componente da solução do mesmo estado físico, por exemplo água numa solução aquosa Soluto:

Leia mais

Resolução: 0,86ºC. x = 0,5 mol etanol/kg acetona. 0,5 mol 1000 g de acetona. 200 g de acetona. y = 0,1 mol de etanol. 1 mol de etanol (C 2 H 6 O) 46 g

Resolução: 0,86ºC. x = 0,5 mol etanol/kg acetona. 0,5 mol 1000 g de acetona. 200 g de acetona. y = 0,1 mol de etanol. 1 mol de etanol (C 2 H 6 O) 46 g (ACAFE) Foi dissolvida uma determinada massa de etanol puro em 200 g de acetona acarretando em um aumento de 0,86 C na temperatura de ebulição da acetona. Dados: H: 1 g/mol, C: 12 g/mol, O: 16 g/mol. Constante

Leia mais

Química Analítica Avançada: Volumetria de Neutralização. Prof a Lilian Silva 2011

Química Analítica Avançada: Volumetria de Neutralização. Prof a Lilian Silva 2011 Química Analítica Avançada: Volumetria de Neutralização Prof a Lilian Silva 2011 INTRODUÇÃO À VOLUMETRIA TITULAÇÃO Processo no qual uma solução padrão ou solução de referência é adicionada a uma solução

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa QUESTÃO 01 Num laboratório químico, havia três frascos que continham, respectivamente, um alcano, um álcool e um alqueno. Foram realizados experimentos que envolviam

Leia mais

10/02/2014. O Processo de Dissolução. Solução: é uma mistura homogênea de soluto e solvente. Solvente: Componente cujo estado físico é preservado.

10/02/2014. O Processo de Dissolução. Solução: é uma mistura homogênea de soluto e solvente. Solvente: Componente cujo estado físico é preservado. Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Bacharelado em Ciência e Tecnologia Diamantina - MG Solução: é uma mistura homogênea de soluto e solvente. Solvente: Componente cujo estado físico

Leia mais

QUÍMICA TESTES EXERCÍCIOS DE SOLUBILIDADE SÉRIE CASA

QUÍMICA TESTES EXERCÍCIOS DE SOLUBILIDADE SÉRIE CASA QUÍMICA Prof. Borges TESTES EXERCÍCIOS DE SOLUBILIDADE SÉRIE CASA 1. (Fuvest-SP) Descargas industriais de água pura aquecida podem provocar a morte de peixes em rios e lagos porque causam: a) o aumento

Leia mais

BC0307 Transformações Químicas. Cinética química

BC0307 Transformações Químicas. Cinética química Cinética química 1 É possível que ocorra uma determinada reação? Essa reação é espontânea? Termodinâmica Quão rápida é esta reação? Qual o mecanismo desta transformação química? Cinética 2 Modelo de colisão

Leia mais

QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica:

QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica: QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica: 1. Considere que, durante esse experimento, a diminuição de massa se

Leia mais

COVEST/UFPE 2003 2ª ETAPA

COVEST/UFPE 2003 2ª ETAPA COVEST/UFPE 2003 2ª ETAPA 97. A solubilidade do oxalato de cálcio a 20 C é de 33,0 g por 100 g de água. Qual a massa, em gramas, de CaC 2 O 4 depositada no fundo do recipiente quando 100 g de CaC 2 O 4

Leia mais

P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 16/06/12

P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 16/06/12 P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 6/06/ Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Dados gerais: G = H - TS G= - n F E G = G o + RT ln Q ΔE ΔE [A] [A] 0 Questão Valor Grau Revisão kt a,5 a,5 3 a,5

Leia mais

As questões de 31 a 34 referem-se ao texto abaixo.

As questões de 31 a 34 referem-se ao texto abaixo. QUÍMICA As questões de 31 a 34 referem-se ao texto abaixo. Em diversos países, o aproveitamento do lixo doméstico é quase 100%. Do lixo levado para as usinas de compostagem, após a reciclagem, obtém-se

Leia mais

Variação de entalpia nas mudanças de estado físico. Prof. Msc.. João Neto

Variação de entalpia nas mudanças de estado físico. Prof. Msc.. João Neto Variação de entalpia nas mudanças de estado físico Prof. Msc.. João Neto Processo Endotérmico Sólido Líquido Gasoso Processo Exotérmico 2 3 Processo inverso: Solidificação da água A variação de entalpia

Leia mais

FATORES QUE AFETAM AS VELOCIDADES DAS REAÇÕES. 2. As concentrações dos reagentes. 3. A temperatura na qual a reação ocorre.

FATORES QUE AFETAM AS VELOCIDADES DAS REAÇÕES. 2. As concentrações dos reagentes. 3. A temperatura na qual a reação ocorre. CINÉTICA QUÍMICA FATORES QUE AFETAM AS VELOCIDADES DAS REAÇÕES 1. O estado físico dos reagentes. 2. As concentrações dos reagentes. 3. A temperatura na qual a reação ocorre. 4. A presença de um catalisador.

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Departamento de Engenharia Química e do Ambiente. QUÍMICA I (1º Ano/1º Semestre)

INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Departamento de Engenharia Química e do Ambiente. QUÍMICA I (1º Ano/1º Semestre) INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA Departamento de Engenharia Química e do Ambiente QUÍMICA I (1º Ano/1º Semestre) 4ª Série de Exercícios EQUILÍBRIO QUÍMICO Tomar (2003) 1 Equilíbrio

Leia mais

Departamento de Física e Química Química Básica Rodrigo Vieira Rodrigues

Departamento de Física e Química Química Básica Rodrigo Vieira Rodrigues Departamento de Física e Química Química Básica Rodrigo Vieira Rodrigues Equilíbrio Químico Todas as reações tendem alcançar o equilíbrio químico Quando as velocidades das reações directa e inversa forem

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO.

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S QUÍMICA Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Prova contém cinco

Leia mais

COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR

COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR Página 1 de 6 COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR Unidade Osasco. Processo Avaliativo Trabalho Bimestral 2º Bimestre/2014 Disciplina: Matemática - 2º Ano Período: Manhã Nome do aluno: Nº: Turma: O trabalho bimestral

Leia mais

Equilíbrio Químico. Controlo da Produção Industrial de Amoníaco

Equilíbrio Químico. Controlo da Produção Industrial de Amoníaco Equilíbrio Químico Controlo da Produção Industrial de Amoníaco Reações completas Combustão do carvão C (s) + O 2 (g) CO 2 (g) Reações completas Reação do Ácido clorídrico com o Magnésio 2 HCl (aq) + Mg

Leia mais

A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático).

A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático). 61 b A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático). Essa solução ácida ataca o mármore, desprendendo gás carbônico, segundo a reação descrita

Leia mais

TITULAÇÃO ÁCIDO-BASE

TITULAÇÃO ÁCIDO-BASE Introdução a Analise Química - II sem/2013 Profa Ma Auxiliadora - 1 Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Disciplina QUIO94 - Introdução à Análise Química

Leia mais

EQUILÍBRIO QUÍMICO CURCEP UNIDADE 09 QUÍMICA B

EQUILÍBRIO QUÍMICO CURCEP UNIDADE 09 QUÍMICA B EQUILÍBRIO QUÍMICO CURCEP UNIDADE 09 QUÍMICA B 01 - (UFPR) O íon cromato (CrO 4 ) de cor amarela e o íon dicromato (CrO7 ) de cor laranja podem ser utilizados em processos de eletrodeposição para produzir

Leia mais

Aula 19 PROPRIEDADES DAS SOLUÇÕES. Eliana Midori Sussuchi Samísia Maria Fernandes Machado Valéria Regina de Souza Moraes

Aula 19 PROPRIEDADES DAS SOLUÇÕES. Eliana Midori Sussuchi Samísia Maria Fernandes Machado Valéria Regina de Souza Moraes Aula 19 PROPRIEDADES DAS SOLUÇÕES META Apresentar os fatores que influenciam no processo de dissolução. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: reconhecer um processo de dissolução; identificar

Leia mais

MASSA ATÔMICA. 1u corresponde a 1,66.10-24 g, que equivale aproximadamente à massa de um próton ou de um nêutron.

MASSA ATÔMICA. 1u corresponde a 1,66.10-24 g, que equivale aproximadamente à massa de um próton ou de um nêutron. Cálculos Químicos MASSA ATÔMICA Na convenção da IUPAC (União Internacional de Química Pura e Aplicada) realizada em 1961, adotou-se como unidade padrão para massa atômica o equivalente a 1/12 da massa

Leia mais

Descrição da Disciplina

Descrição da Disciplina BC0307 Transformações Químicas Descrição da Disciplina Fornecer os fundamentos básicos de química para a compreensão de fenômenos envolvendo a relação entre as várias áreas da ciência, no que tange as

Leia mais

Cinética e Eq. Químico Folha 10 João Roberto Fortes Mazzei

Cinética e Eq. Químico Folha 10 João Roberto Fortes Mazzei 01. Em um recipiente de 500 ml, encontram-se, em condições de equilíbrio, 10 mol/l de H 2 (g) e 0,01 mol/l de I 2 (g). Qual é a concentração do HI(g), sabendo-se que, nas condições do experimento, a constante

Leia mais

Oficina: O que acontece com as substâncias quando elas se transformam? Ciências da Natureza II/Ensino Médio

Oficina: O que acontece com as substâncias quando elas se transformam? Ciências da Natureza II/Ensino Médio Oficina: O que acontece com as substâncias quando elas se transformam? Ciências da Natureza II/Ensino Médio Nesta oficina, abordaremos as reações químicas, com foco nas evidências de uma transformação.

Leia mais

Resolução da Prova de Química Vestibular UFRGS 2006 Prof. Emiliano Chemello

Resolução da Prova de Química Vestibular UFRGS 2006 Prof. Emiliano Chemello Níveis de dificuldade das Questões Fácil 11 questões Médio 14 questões Difícil 5 questões Resolução da Prova de Química Vestibular UFRGS 2006 Prof. Emiliano Chemello www.quimica.net/emiliano chemelloe@yahoo.com.br

Leia mais

A Termoquímica tem como objetivo o estudo das variações de energia que acompanham as reações químicas.

A Termoquímica tem como objetivo o estudo das variações de energia que acompanham as reações químicas. A Termoquímica tem como objetivo o estudo das variações de energia que acompanham as reações químicas. Não há reação química que ocorra sem variação de energia! A energia é conservativa. Não pode ser criada

Leia mais

QUÍMICA Prova de 2 a Etapa

QUÍMICA Prova de 2 a Etapa QUÍMICA Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Prova contém sete questões, constituídas de itens e subitens, e é composto de dezesseis

Leia mais

Equilíbrio é um estado em que não há mudanças observáveis, com passar do tempo.

Equilíbrio é um estado em que não há mudanças observáveis, com passar do tempo. Equilíbrio Químico Equilíbrio é um estado em que não há mudanças observáveis, com passar do tempo. Equilíbrio químico é alcançado quando: as taxas das reações direta e inversa são iguais e não são iguais

Leia mais

Leis Históricas da Estequiometria

Leis Históricas da Estequiometria Estequiometria A proporção correta da mistura ar-combustível para o motor de uma carro de corrida pode ser tão importante quanto a habilidade do piloto para ganhar a corrida. As substâncias químicas, como

Leia mais

LCE-108 Química Inorgânica e Analítica. Equilíbrio Químico. Wanessa Melchert Mattos

LCE-108 Química Inorgânica e Analítica. Equilíbrio Químico. Wanessa Melchert Mattos LCE-108 Química Inorgânica e Analítica Equilíbrio Químico Wanessa Melchert Mattos Equilíbrio Químico Estalactites: CaCO 3 (s) + CO 2 (aq) + H 2 O (l) Ca 2+ (aq) + 2 HCO 3- (aq) Estalagmites: Ca 2+ (aq)

Leia mais

Equilíbrio Químico Folha 2.1 Prof.: João Roberto Mazzei

Equilíbrio Químico Folha 2.1 Prof.: João Roberto Mazzei 01. A cisteína é um aminoácido que contém enxofre e é encontrada na feijoada, devido às proteínas da carne e derivados. A reação de conversão da cisteína em cistina ocorre de acordo com a seguinte equação

Leia mais

Lista I de exercícios de estequiometria e balanceamento de equações Química Geral e Experimental I Prof. Hamilton Viana

Lista I de exercícios de estequiometria e balanceamento de equações Química Geral e Experimental I Prof. Hamilton Viana 1. O iso-octano é um combustível automotivo. A combustão desse material ocorre na fase gasosa. Dados a massa molar do iso-octano igual a 114g/mol, o volume molar de gás nas "condições ambiente" igual a

Leia mais

Segundo a Portaria do Ministério da Saúde MS n.o 1.469, de 29 de dezembro de 2000, o valor máximo permitido (VMP) da concentração do íon sulfato (SO 2

Segundo a Portaria do Ministério da Saúde MS n.o 1.469, de 29 de dezembro de 2000, o valor máximo permitido (VMP) da concentração do íon sulfato (SO 2 11 Segundo a Portaria do Ministério da Saúde MS n.o 1.469, de 29 de dezembro de 2000, o valor máximo permitido (VMP) da concentração do íon sulfato (SO 2 4 ), para que a água esteja em conformidade com

Leia mais

Gabarito Química - Grupo A. 1 a QUESTÃO: (1,0 ponto) Avaliador Revisor

Gabarito Química - Grupo A. 1 a QUESTÃO: (1,0 ponto) Avaliador Revisor VESTIB LAR Gabarito Química - Grupo A 1 a QUESTÃO: (1,0 ponto) Avaliador Revisor Muitos álcoois, como o butanol (C 4 H 10 O), têm importância comercial como solventes e matériasprimas na produção industrial

Leia mais

Prova de Química Resolvida Segunda Etapa Vestibular UFMG 2011 Professor Rondinelle Gomes Pereira

Prova de Química Resolvida Segunda Etapa Vestibular UFMG 2011 Professor Rondinelle Gomes Pereira QUESTÃO 01 Neste quadro, apresentam-se as concentrações aproximadas dos íons mais abundantes em uma amostra de água típica dos oceanos e em uma amostra de água do Mar Morto: 1. Assinalando com um X a quadrícula

Leia mais

Química Geral e Experimental II Equilíbrio químico Resolução comentada de exercícios selecionados versão equilíbrio_v1_2005 Prof. Fabricio R.

Química Geral e Experimental II Equilíbrio químico Resolução comentada de exercícios selecionados versão equilíbrio_v1_2005 Prof. Fabricio R. Química Geral e Experimental II Equilíbrio químico comentada de exercícios selecionados versão equilíbrio_v1_2005 Prof. Fabricio R. Sensato 1) A constante de equilíbrio K c da reação: H 2 (g) + Cl 2 (g)

Leia mais

Questão 69 Questão 70

Questão 69 Questão 70 Questão 69 Questão 0 Alguns polímeros biodegradáveis são utilizados em fios de sutura cirúrgica, para regiões internas do corpo, pois não são tóxicos e são reabsorvidos pelo organismo. Um desses materiais

Leia mais

EXPERIÊNCIA 9 PRINCÍPIO DE LE CHATELIER E EQUILÍBRIO QUÍMICO

EXPERIÊNCIA 9 PRINCÍPIO DE LE CHATELIER E EQUILÍBRIO QUÍMICO EXPERIÊNCIA 9 PRINCÍPIO DE LE CHATELIER E EQUILÍBRIO QUÍMICO 1. OBJETIVOS No final desta experiência o aluno deverá ser capaz de: Dada a equação química de um equilíbrio, escrever a expressão para a constante

Leia mais

Equilíbrio químico. Prof. Leandro Zatta

Equilíbrio químico. Prof. Leandro Zatta Equilíbrio químico Prof. Leandro Zatta O que é equilíbrio? Do dic.: e.qui.lí.brio sm (lat aequilibriu) 1 Fís Estado de um corpo que é atraído ou solicitado por forças cuja resultante é nula. Histórico

Leia mais

REAÇÕES QUÍMICAS ORGANIZAÇÃO: Márcia Adriana Warken Magalhães ORIENTAÇÃO: Prof a Márcia Cunha 2001

REAÇÕES QUÍMICAS ORGANIZAÇÃO: Márcia Adriana Warken Magalhães ORIENTAÇÃO: Prof a Márcia Cunha 2001 CENTRO DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE QUÍMICA - LICENCIATURA INSTRUMENTAÇÃO PARA O ENSINO DE QUÍMICA SÉRIE: EXPERIÊNCIAS DEMONSTRATIVAS REAÇÕES QUÍMICAS ORGANIZAÇÃO: Márcia Adriana Warken Magalhães

Leia mais

Quando juntamos duas espécies químicas diferentes e, não houver reação química entre elas, isto é, não houver formação de nova(s) espécie(s), teremos

Quando juntamos duas espécies químicas diferentes e, não houver reação química entre elas, isto é, não houver formação de nova(s) espécie(s), teremos SOLUÇÕES Quando juntamos duas espécies químicas diferentes e, não houver reação química entre elas, isto é, não houver formação de nova(s) espécie(s), teremos uma MISTURA Quando na mistura tiver apenas

Leia mais

Questão 61. Questão 63. Questão 62. alternativa B. alternativa B. alternativa D

Questão 61. Questão 63. Questão 62. alternativa B. alternativa B. alternativa D Questão 61 A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático). Essa solução ácida ataca o mármore, desprendendo gás carbônico, segundo a reação

Leia mais

Reações Químicas Reações Químicas DG O QUE É UMA REAÇÃO QUÍMICA? É processo de mudanças químicas, onde ocorre a conversão de uma substância, ou mais, em outras substâncias. A + B REAGENTES C +

Leia mais

X -2(3) X -2 x (4) X - 6 = -1 X 8 = -1 X = 5 X = 7

X -2(3) X -2 x (4) X - 6 = -1 X 8 = -1 X = 5 X = 7 2001 1. - Uma camada escura é formada sobre objetos de prata exposta a uma atmosfera poluída contendo compostos de enxofre. Esta camada pode ser removida quimicamente envolvendo os objetos em questão com

Leia mais

P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 13/11/07

P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 13/11/07 P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 3//07 Nome: GABARITO Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão Dados gerais: G = - n F E o a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 0,0 RT ΔE = ΔE lnq nf G

Leia mais

DE RECUPERAÇÃO QUÍMICA

DE RECUPERAÇÃO QUÍMICA SÉRIE: º ANO LISTA DE RECUPERAÇÃO IV Bimestre Matéria Abordada: Equilíbrio Químico, Deslocamento de Equilíbrio Químico, Equilíbrio Iônico, Hidrólise Salina, ph e poh. 01 - (FUVEST SP) A uma determinada

Leia mais

TITULAÇÃO DE ÁCIDO-BASE

TITULAÇÃO DE ÁCIDO-BASE Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Introdução a Analise Química - II sem/2012 Profa Ma Auxiliadora - 1 Disciplina QUIO94 - Introdução à Análise Química

Leia mais

CALOR, TEMPERATURA E CAPACIDADES CALORÍFICAS. C = q/ T. C = n. C m

CALOR, TEMPERATURA E CAPACIDADES CALORÍFICAS. C = q/ T. C = n. C m CALOR, TEMPERATURA E CAPACIDADES CALORÍFICAS Nem todas as substâncias têm a mesma capacidade calorífica, isto é, para a mesma energia calorífica recebida, a elevação de temperatura é diferente. C capacidade

Leia mais

Professora Sonia - Química para o Vestibular Questões Resolvidas Equilíbrio Químico (com respostas e resoluções no final)

Professora Sonia - Química para o Vestibular Questões Resolvidas Equilíbrio Químico (com respostas e resoluções no final) Questões Resolvidas Equilíbrio Químico (com respostas e resoluções no final) 01. (Fuvest) A isomerização catalítica de parafinas de cadeia não ramificada, produzindo seus isômeros ramificados, é um processo

Leia mais

ÁCIDOS E BASES. + (aq) + OH - (aq)

ÁCIDOS E BASES. + (aq) + OH - (aq) ÁCIDOS E BASES O conhecimento sobre termodinâmica, particularmente sobre as constantes de equilíbrio é de grande importância na discussão quantitativa das forças de ácidos e bases o que permite desenvolver

Leia mais

Tipologia, número de itens e cotação. Tipologia dos itens Número de Itens cotação 2 6 Resposta curta 1 8 3 20 Resposta restrita 2 12 3 20 Cálculo 3 12

Tipologia, número de itens e cotação. Tipologia dos itens Número de Itens cotação 2 6 Resposta curta 1 8 3 20 Resposta restrita 2 12 3 20 Cálculo 3 12 E s c o l a S e c u n d á r i a d e A l c á c e r d o S a l Ano letivo 2011/2012 Física e Química A Bloco II Teste Sumativo 5A Critérios de classificação ( 31/05/2012) Tipologia, número de itens e cotação

Leia mais

Características e os efeitos das propriedades coligativas

Características e os efeitos das propriedades coligativas Características e os efeitos das propriedades coligativas O estudo das propriedades coligativas é um dos conteúdos mais importantes a serem estudados, pois facilita a compreensão de fenômenos químicos

Leia mais

P4 PROVA DE QUÍMICA GERAL 02/12/08

P4 PROVA DE QUÍMICA GERAL 02/12/08 P4 PROVA DE QUÍMICA GERAL 0/1/08 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 10,0 Constantes e equações: R = 0,08 atm L mol -1 K -1 = 8,314

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 27/10/12

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 27/10/12 P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 27/10/12 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Dados: T (K) = T ( C) + 273,15 R = 8,314

Leia mais

Solubilidade. Ricardo Queiroz Aucélio Letícia Regina de Souza Teixeira

Solubilidade. Ricardo Queiroz Aucélio Letícia Regina de Souza Teixeira Ricardo Queiroz Aucélio Letícia Regina de Souza Teixeira Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/br/legalcode

Leia mais

EQUILÍBRIO QUÍMICO. Profa. Loraine Jacobs DAQBI.

EQUILÍBRIO QUÍMICO. Profa. Loraine Jacobs DAQBI. EQUILÍBRIO QUÍMICO Profa. Loraine Jacobs DAQBI lorainejacobs@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.br/lorainejacobs É a parte da físico-química que estuda as reações reversíveis e as condições para

Leia mais

TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima

TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima 1. Em diversos países, o aproveitamento do lixo doméstico é quase 100%. Do lixo levado para as usinas de compostagem, após a reciclagem, obtém-se

Leia mais

2º ANO QUÍMICA 1 PROFª ELAINE CRISTINA. Educação para toda a vida. Colégio Santo Inácio. Jesuítas

2º ANO QUÍMICA 1 PROFª ELAINE CRISTINA. Educação para toda a vida. Colégio Santo Inácio. Jesuítas 2º ANO QUÍMICA 1 1 mol 6,02.10 23 partículas Massa (g)? Massa molar Cálculo do número de mols (n) Quando juntamos duas espécies químicas diferentes e, não houver reação química entre elas, isto é, não

Leia mais

Eletroquímica e Termodinâmica

Eletroquímica e Termodinâmica Eletroquímica e Termodinâmica Podemos relacionar a variação de energia livre de Gibbs de uma reação e a diferença de potencial da pilha através da seguinte equação: G(reação) = - nfe O potencial da célula

Leia mais

química 2 Questão 37 Questão 38 Questão 39 alternativa C na alternativa B. Sabendo-se que a amônia (NH 3)

química 2 Questão 37 Questão 38 Questão 39 alternativa C na alternativa B. Sabendo-se que a amônia (NH 3) química 2 Questão 37 Questão 38 abendo-se que a amônia (N 3) é constituída por moléculas polares e apresenta boa solubilidade em água. o diclorometano (2 2) não possui isômeros. ua molécula apresenta polaridade,

Leia mais

UNIVERSIDADE ZAMBEZE. Fundamentos de Combustão Al 3Páti Aula 3-Prática Prof. Jorge Nhambiu

UNIVERSIDADE ZAMBEZE. Fundamentos de Combustão Al 3Páti Aula 3-Prática Prof. Jorge Nhambiu UNIVERSIDADE ZAMBEZE Fundamentos de Combustão Al 3Páti Aula 3-Prática Aula 3. Tópicos Cinética química da combustão: Reacções elementares; Cadeia di de Reacções; Cinética da Pré-Ignição; Reacções globais.

Leia mais

TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS

TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS CONDUTOMETRIA TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS CONDUTOMETRIA Baseia-se em medições de condutância das soluções iônicas (seio da solução). A condução de eletricidade através das soluções iônicas é devida

Leia mais

Lista de Exercícios Fundamentos de Análise Volumétrica ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO.

Lista de Exercícios Fundamentos de Análise Volumétrica ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO. ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO. 1 Quantos mililitros de ácido nítrico 0,125 M são necessários para titular 1,30 g de hidróxido de bário? MASSAS

Leia mais

P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 18/06/05

P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 18/06/05 P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 18/06/05 Nome: Nº de Matrícula: (Gabarito) Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a,0 a,0 3 a,0 4 a,0 5 a,0 Total 10,0 Constantes K w [H + ] [OH - ] 1,0 x 10-14 a

Leia mais

PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I

PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I ÁCIDO CLORÍDRICO ÁCIDO CLORÍDRICO Embora não seja produzido em quantidades tão grandes como o ácido sulfúrico, o ácido clorídrico é um produto de igual importância para

Leia mais

Exercícios 3º ano Química -

Exercícios 3º ano Química - Exercícios 3º ano Química - Ensino Médio - Granbery 01-ufjf-2003- Cada vez mais se torna habitual o consumo de bebidas especiais após a prática de esportes. Esses produtos, chamados bebidas isotônicas,

Leia mais

GABARITO - QUÍMICA - Grupo A

GABARITO - QUÍMICA - Grupo A GABARITO - QUÍMICA - Grupo A 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor O teor do íon Cl - existente nos fluidos corporais pode ser determinado através de uma analise volumétrica do íon Cl - com o íon

Leia mais

Equilíbrio Químico. Processos Reversíveis e Irreversíveis

Equilíbrio Químico. Processos Reversíveis e Irreversíveis Equilíbrio Químico rocessos Reversíveis e Irreversíveis rocessos Reversíveis e I Algumas reações são irreversíveis, ou seja, uma vez obtios os proutos não há previsão espontânea e regeneração os reagentes.

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Resposta

Questão 1. Questão 2. Resposta Questão 1 Água pode ser eletrolisada com a finalidade de se demonstrar sua composição. A figura representa uma aparelhagem em que foi feita a eletrólise da água, usando eletrodos inertes de platina. a)

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA - QUÍMICA - Grupo A

PADRÃO DE RESPOSTA - QUÍMICA - Grupo A PADRÃO DE RESPOSTA - QUÍMICA - Grupo A 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor Num recipiente de 3,0 L de capacidade, as seguintes pressões parciais foram medidas: N 2 = 0,500 atm; H 2 = 0,400 atm;

Leia mais

PROPRIEDADES DOS MATERIAIS QUÍMICA GERAL

PROPRIEDADES DOS MATERIAIS QUÍMICA GERAL PROPRIEDADES DOS MATERIAIS QUÍMICA GERAL PROPRIEDADES DA MATÉRIA CONCEITOS BÁSICOS MATÉRIA: tudo o que tem massa e ocupa lugar no espaço. CORPO/OBJETO: porção limitada da matéria. MASSA: quantidade matéria,

Leia mais

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 04/09/10

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 04/09/10 P - PROVA DE QUÍMICA GERAL 04/09/0 Nome: Nº Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão a,5 a,5 a,5 4 a,5 Total 0,0 Dados R 0,08 atm L - K - T (K) T ( C) + 7,5 PV nrt K p K c (RT)

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS DE QUÍMICA 1 etapa/14 2 Série Ensino Médio

ROTEIRO DE ESTUDOS DE QUÍMICA 1 etapa/14 2 Série Ensino Médio ROTEIRO DE ESTUDOS DE QUÍMICA 1 etapa/14 2 Série Ensino Médio Aluno (a): Turma n Mol Massa de átomos molécula, íons, mol e determinação de fórmula química Aspectos quantitativos das reações químicas. Relações

Leia mais

Professora Sonia - Química para o Vestibular Questões Resolvidas Hidrólise Salina (com respostas e resoluções no final)

Professora Sonia - Química para o Vestibular Questões Resolvidas Hidrólise Salina (com respostas e resoluções no final) Questões Resolvidas Hidrólise Salina (com respostas e resoluções no final) 01. (Uftm) Em soluções aquosas de acetato de sódio, o íon acetato sofre hidrólise: 3 l 3 CH COO (aq) + H O( ) CH COOH (aq) + OH

Leia mais

PAGQuímica 2011/1 Exercícios de Equilíbrio Químico

PAGQuímica 2011/1 Exercícios de Equilíbrio Químico PAGQuímica 2011/1 Exercícios de Equilíbrio Químico 1. Para o equilíbrio gasoso entre NO e O 2 formando NO 2 (2 NO (g) + O 2 (g) 2 NO 2 (g)), a constante de equilíbrio é Kc = 6,45 x 10 5. a) em que concentração

Leia mais

Propriedades das Soluções

Propriedades das Soluções Propriedades das Soluções Prof. Alex Fabiano C. Campos O Processo de Dissolução Uma solução é uma mistura homogênea de soluto(presente em menor quantidade de mols) e solvente(presente em maior quantidade

Leia mais

PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS PROVA DE QUÍMICA

PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS PROVA DE QUÍMICA PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS PROVA DE QUÍMICA TEMAS 1. Estrutura da matéria 1.1 Elementos, átomos e iões 1.2

Leia mais

química FUVEST ETAPA Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2 c) Determine o volume adicionado da solução

química FUVEST ETAPA Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2 c) Determine o volume adicionado da solução Química QUESTÃO 1 Um recipiente contém 100 ml de uma solução aquosa de H SO 4 de concentração 0,1 mol/l. Duas placas de platina são inseridas na solução e conectadas a um LED (diodo emissor de luz) e a

Leia mais

Matéria: Química Assunto: Materiais Prof. Gilberto Ramos

Matéria: Química Assunto: Materiais Prof. Gilberto Ramos Matéria: Química Assunto: Materiais Prof. Gilberto Ramos Química Materiais, suas propriedades e usos Estados Físicos Estado vem do latim status (posição,situação, condição,modo de estar). O estado físico

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA. QUÍMICA 1 2º ANO Prof.ª ELAINE CRISTINA. Educação para toda a vida. Colégio Santo Inácio. Jesuítas

CINÉTICA QUÍMICA. QUÍMICA 1 2º ANO Prof.ª ELAINE CRISTINA. Educação para toda a vida. Colégio Santo Inácio. Jesuítas CINÉTICA QUÍMICA QUÍMICA 1 2º ANO Prof.ª ELAINE CRISTINA CLASSIFICAÇÃO DAS REAÇÕES CINÉTICAS I - Quanto à velocidade Rápidas: neutralizações em meio aquoso, combustões,... Lentas: fermentações, formação

Leia mais