OBJETIVOS TECNOLÓGICOS CONTEÚDOS CURRICULARES COMPETÊNCIAS COGNITIVAS COMPETÊNCIAS SOCIOEMOCIONAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OBJETIVOS TECNOLÓGICOS CONTEÚDOS CURRICULARES COMPETÊNCIAS COGNITIVAS COMPETÊNCIAS SOCIOEMOCIONAIS"

Transcrição

1 1 o ano Conhecer as peças LEGO do kit Equilíbrio. Praticar encaixes entre as peças LEGO. Verticalidade. Noções de medidas lineares. Planejar. Programar. Construir montagens estáveis e que se sustentem em pé. Experimentar os melhores encaixes para obter uma construção estável e resistente. Identificar e compreender o uso de peças como pneu, eixo, manivela, engrenagem, prancha e viga. Realizar construções que simulem o funcionamento de máquinas reais. Entrar em contato com diferentes modelos de robôs e seus diversos usos industriais e sociais. Comparação de números em contextos de medição. Medidas de comprimento. Unidades de medida. Noção de peso. Formas geométricas. Forma circular. Noção de roda como máquina simples. Planificação do cubo. Usar linguagem técnica. Usar evidência científica. Resolver problemas. Construir um robô LEGO que movimenta os braços utilizando engrenagens. Forma geométrica: quadrado. Transformação.

2 2 o ano Explorar e identificar as peças LEGO do conjunto Velocidade. Montar e observar o funcionamento de uma caixa de redução que utiliza rosca-sem-fim e engrenagem. Linguagem artística. Sólidos geométricos. Conhecer o movimento basculante usado em caminhões Números, quantidades, contagens. e portões automáticos. Relações entre dobro e metade. Utilizar manivelas para movimentar eixos. Máquinas simples. Conhecer o mecanismo de tração dos guinchos. Noção de força. Noções de equilíbrio. Saber montar um mecanismo giratório. Saber utilizar engrenagem acoplada à coroa dentada. Conceber os piões como objetos com a propriedade de parar em pé sobre um ponto quando estão girando. Direção de movimento (horizontal e vertical). Transferência de movimento com polias e engrenagens. Medidas de comprimento. Acoplar engrenagens com o propósito de obter rotações mais velozes. Movimento circular (giro). Multiplicação. Conhecer e utilizar manivela, eixos, rodas e engrenagens Noções de proporcionalidade. combinados em mecanismos simples. Noções de simetria.

3 3 o ano Conhecer e saber utilizar os conectores do conjunto Classificação. LEGO Medidas de comprimento. Montar e observar o funcionamento de uma caixa de redução que utiliza rosca- sem-fim e engrenagem. Medidas de massa. Instrumentos de medida. Realizar montagens livres com o propósito de praticar encaixes com as peças do conjunto LEGO Figuras geométricas simples. Rotação e movimento circular. Usar linguagem técnica adequada. Conhecer e saber utilizar o motor elétrico do conjunto LEGO Ângulo como giro. Alavanca. Saber motorizar máquinas. Paralelogramo. Avançar nos conhecimentos sobre máquinas simples: Noções de peso e força. rodas (polias, engrenagens) e alavancas. Noção de paralelismo. Observar o uso de conectores na construção de estru- Noções sobre ângulo. turas fixas e de estruturas com movimento. Força elástica. Construir veículo que se move com o uso de força elástica. Organização de dados em tabelas. Relações de proporcionalidade simples. Adição e multiplicação.

4 4 o ano Ampliar os conhecimentos sobre roldanas, polias e Noções de torque e velocidade. suas aplicações. Movimento circular. Conhecer esteiras rolantes e refletir sobre suas aplicações em processos industriais. Construir um mecanismo de enrolar fios que utiliza a transformação de um movimento de rotação em um movimento de vaivém. Observar o funcionamento da rosca-sem-fim acoplada a uma engrenagem. Utilizar o conjunto engrenagem e rosca-sem-fim em algumas máquinas. Construir modelos de transmissão de movimento utilizando polias com correias, engrenagens e eixos. Montar modelos mecânicos de movimentos envolvendo a Terra e a Lua. Compreender o chassi como a estrutura básica de um automóvel e outros veículos automotivos. Montar um mecanismo de direção de automóveis e compreender seu funcionamento, envolvendo engrenagem e cremalheira. Transformação de movimento circular em movimento linear. Medidas de comprimento. Engrenagens. Polias. Rodas e eixos. Transmissão de movimento. Movimentos da Lua e da Terra. Medidas de distância. Noção de ângulo como inclinação e como mudança de direção. Noções de massa e peso e de medidas de massa (grama e quilograma). Equilíbrio. Simetria. Alavanca. Utilizar linguagem técnica. Construir um modelo de elevador. Paralelogramo. Avançar no uso das roldanas móveis como forma de multiplicar forças. Construir e observar o funcionamento de balanças mecânicas. Multiplicação. Cálculo mental e estimativas Utilizar engrenagens e roldanas para aumentar a força do motor.

5 5 o ano Ampliar conhecimentos sobre polias, roldanas e suas Noções de torque e velocidade. aplicações. Construir e motorizar uma estrutura em forma de ponte rolante. Investigar o torque de um carro por meio do movimento em planos inclinados. Investigar a relação entre torque e velocidade em um carro equipado com câmbio de duas marchas. Aplicar conhecimentos sobre torque e velocidade para propor uma montagem que resulte em um carro veloz. Aplicações de polias e roldanas. Noções de perpendicularidade e verticalidade. Noções de direção e sentido. Medidas de massa. Transmissão de movimento por meio de engrenagens e coroas dentadas. Utilizar linguagem técnica. Investigar. Estudar propriedades de uma alavanca na construção de Relações de proporcionalidade. um lançador de objetos chamado trebuchet. Construir um carro equipado com hodômetro e investigar a relação entre o deslocamento do carro e as marcações do hodômetro. Investigar a relação entre o diâmetro de um pneu e a distância que ele percorre a cada volta. Ângulo como inclinação. Noção de força de atrito. Características de alavancas- -braço, ponto de apoio, força potente e força resistente. Construir um modelo funcional de relógio de pêndulo. Medidas de distância. Investigar a relação que existe entre o andamento do relógio e o comprimento e a massa de seu pêndulo. Noção de perímetro de uma circunferência. Conhecer o mecanismo de escape em âncora (balancim), que controla o andamento dos relógios mecânicos (analógicos). Construir um modelo de mecanismo que estabiliza o voo Oscilação e período de um pêndulo. Noção de forças de ação e reação. de helicópteros. Paralelogramo.

6 6 o ano Construir um mecanismo movimentado pelo motor do conjunto LEGO EV3. Compreender os comandos do bloco de programação do motor. Programar o funcionamento do motor. Compreender os comandos do bloco de programação de som. Programar o bloco EV3 para que ele emita diferentes sons. Construir um robô com dois motores. Compreender os comandos do bloco de repetição. Utilizar o bloco de programação para dois motores simultâneos (move steering). Construir um robô que utiliza dois motores e sensor de toque. Compreender os comandos do bloco de programação aguardar (wait). Programar o robô para mudar o movimento quando o sensor de toque for acionado. Programar o robô para que ele percorra de forma autônoma um caminho com obstáculos. Explorar e compreender o funcionamento do sensor de luz. Programar o controle de uma cortina inteligente por meio do sensor de luz, para que ela abra e feche em função da luz ambiente. Construir um robô equipado com sensor de cor. Compreender o funcionamento do sensor de cor. Compreender os comandos do bloco de programação condicional (switch). Programar o robô para que ele se mova controlado por um código de cores. Avançar na utilização do bloco de controle do sensor de luz. Conhecer o funcionamento do sensor de luz na identificação de cores. Compreender o funcionamento do sensor ultrassônico. Avançar na utilização do bloco de controle do sensor ultrassônico. Utilizar o sensor ultrassônico para construir um equipamento para medir distâncias. Conhecer e utilizar o guia de experimentos do software LEGO MINDSTORMS EV3. Ângulos e soma de ângulos. Deslocamento angular e arcos de circunferência. Dança como expressão cultural. Deslocamentos angulares. Composição de movimentos. Relações entre ângulos e arcos de circunferência. Sentidos (visão e tato). Trajetórias retas e curvas. Luz e intensidade de luz. Reflexão e absorção de luz. Intervalos numéricos. Cores dos objetos. Tecnologias para a obtenção de imagens topográficas. Som e ultrassom como fenômenos ondulatórios. Planejar. Programar. Usar linguagem técnica. Usar evidência científica. Resolver problemas.

7 7 o ano Familiarizar-se com noções de programação. Ângulo como rotação. Ampliar o conhecimento sobre roldanas e polias como Medidas. forma de multiplicar forças. Utilizar engrenagens e roldanas para aumentar o torque de um mecanismo movimentado por motor elétrico. Construir um modelo de elevador que funciona controlado pelo sensor ultrassônico. Proporcionalidade. Função do primeiro grau. Massa e peso. Energia potencial gravitacional. Polias e roldanas. Usar evidência científica. Representar. Utilizar o sensor ultrassônico como sonar. Avançar na análise de dados provenientes do sensor ultrassônico. Utilizar a ferramenta experimentos do software LEGO MINDSTORMS EV3. Noções de programação e algoritmo. Coleta e análise de dados. Som e ultrassom. Sonar. Construir um equipamento para medidas de altura utilizando o sensor ultrassônico. Reflexão e absorção de sons. Instrumentos de medição. Conhecer e saber programar o bloco de lógica matemática. Algoritmo. Construir e programar o funcionamento de um robô com 2, 4 e 6 pernas. Artrópodes. Articulações.

8 8 o ano Compreender os comandos do bloco de programação Ângulos e soma de ângulos. de tempo. Construir modelos automáticos para contagem de pontos em jogos de quadra. Programar um robô para chutar uma bola em diferentes posições e ângulos. Utilizar o bloco de programação matemática e variável para contabilizar os pontos em um jogo. Compreender os comandos do bloco do sensor giroscópico. Programar um robô para que fique em equilíbrio utilizando o sensor giroscópico. Programar um robô para controlar seu próprio equilíbrio. Avançar no conhecimento do bloco de controle do sensor giroscópico. Compreender os comandos do bloco dos sensores de luz e de cor e do sensor ultrassônico. Programar um robô com sensor de luz para que siga uma linha. Programar um robô com o sensor de luz e o sensor ultrassônico para que siga outro que se move à sua frente. Construir e programar um robô que identifica e contorna obstáculos utilizando o sensor ultrassônico e o sensor de luz. Utilizar os comandos do bloco dos sensores de toque e de som. Programar um robô para enviar mensagens por meio da tecnologia bluetooth. Programar o controlador remoto de um robô usando a tecnologia bluetooth. Aparelho locomotor: sistemas esquelético e muscular. Equações de primeiro grau. Equilíbrio. Noção de centro de massa. Pêndulos. Segurança no trânsito. Sons e ultrassons. Lugar geométrico. Código Morse. Ondas eletromagnéticas. Usar linguagem técnica. Representar.

9 9 o ano Compreender o funcionamento de veículos movimentados Velocidade. por lagartas. Controlar o deslocamento de um veículo com lagartas usando o bloco move steering. Avançar na utilização do sensor de cores. Utilizar o sensor de cores para construir uma esteira seletora. Avançar na programação e no uso do sensor de distância (ultrassônico). Controlar dois motores simultaneamente usando os blocos move steering e move tank. Programar o movimento de um veículo equipado com dois motores para que execute uma trajetória predeterminada. Construir uma máquina industrial com dispositivos de segurança para evitar acidentes de trabalho utilizando o sensor ultrassônico. Avançar na programação do sensor de cor. Movimento linear e movimento de rotação. Eixo de rotação. Ângulo de rotação. Pressão. Frequência. Segurança no setor industrial e segurança do trabalho. Sons e ultrassons e tecnologias que os utilizam. Cores de objetos. Representar. Usar linguagem técnica. Coletar e analisar dados. Argumentar utilizando evidências científicas. Construir carro com lagartas controlado pelo sensor de cores. Automação. Programar o sensor de cores para que reconheça cores e reaja a uma delas. Unidades de medida. Construir e programar um braço robótico para a manipulação de objetos. Avançar na programação com o uso de dois motores simultaneamente. Construir uma balança que mede massas por meio do deslocamento do giroscópio.

ROBÓTICA ESTUDO DE PEÇAS E COMPONENTES

ROBÓTICA ESTUDO DE PEÇAS E COMPONENTES ROBÓTICA ESTUDO DE PEÇAS E COMPONENTES Introdução Este material visa facilitar o uso e o reconhecimento de peças dos kits de robótica da Lego para montagem dos projetos. Em uma primeira abordagem apresentaremos

Leia mais

Aproveitamento de potência de tratores agrícolas *

Aproveitamento de potência de tratores agrícolas * Aproveitamento de potência de tratores agrícolas * 1. Introdução Uma das principais fontes de potência, responsáveis pela alta produção agrícola com significante economia de mão-de-obra, é o trator agrícola.

Leia mais

Transmissão de Movimento

Transmissão de Movimento Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias Laboratório de Engenharia Agrícola EAG 03204 Mecânica Aplicada * Transmissão de Movimento 1. Introdução A transmissão

Leia mais

Curso Automação Industrial Aula 2 Estrutura e características Gerais dos Robôs. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica

Curso Automação Industrial Aula 2 Estrutura e características Gerais dos Robôs. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Curso Automação Industrial Aula 2 Estrutura e características Gerais dos Robôs Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Cronograma Introdução a Robótica Estrutura e Características Gerais dos Robôs

Leia mais

Física. Resolução. Q uestão 01 - A

Física. Resolução. Q uestão 01 - A Q uestão 01 - A Uma forma de observarmos a velocidade de um móvel em um gráfico d t é analisarmos a inclinação da curva como no exemplo abaixo: A inclinação do gráfico do móvel A é maior do que a inclinação

Leia mais

INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO COM ROBÔS LEGO

INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO COM ROBÔS LEGO RAYNER DE MELO PIRES ANA PAULA SUZUKI ANDRÉ REIS DE GEUS GABRIELA QUIRINO PEREIRA SALVIANO LUDGÉRIO FELIPE GOMES INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO COM ROBÔS LEGO JULHO DE 2010 SUMÁRIO 1 O que é o NXT?...4 2 Explicando

Leia mais

Cortina Elétrica com Controle Remoto

Cortina Elétrica com Controle Remoto FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA 1º SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Turma 3111 Trabalho Trimestral de Física Cortina Elétrica com Controle Remoto Arian Müller (03)

Leia mais

Tratores Agrícolas 1

Tratores Agrícolas 1 Tratores Agrícolas 1 TRATOR AGRÍCOLA 1 DEFINIÇÃO???? Máquina autopropelida provida de meios que, além de lhe conferirem apoio estável sobre uma superfície horizontal, capacitam-no a tracionar, transportar

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Sumário Correias e Polias Correntes Definição Polia: São peças cilíndricas, movimentadas pela rotação do eixo do motor e pelas correias. Correias: É o elemento da máquina que,

Leia mais

Introdução. Mudanças na forma de utilizar

Introdução. Mudanças na forma de utilizar Introdução Para você que já possuía e já conhecia os produtos Modelix, existe uma novidade na área de mecânica. Agora as polias Modelix evoluíram e, ao invés de serem de metal e com furo redondo, elas

Leia mais

5 Sistema Experimental

5 Sistema Experimental 5 Sistema Experimental Este capitulo apresenta o sistema experimental utilizado e é composto das seguintes seções: - 5.1 Robô ER1: Descreve o robô utilizado. É dividida nas seguintes subseções: - 5.1.1

Leia mais

Miguel C. Branchtein, Delegacia Regional do Trabalho no Rio Grande do Sul

Miguel C. Branchtein, Delegacia Regional do Trabalho no Rio Grande do Sul DETERMINAÇÃO DE CONDIÇÃO DE ACIONAMENTO DE FREIO DE EMERGÊNCIA TIPO "VIGA FLUTUANTE" DE ELEVADOR DE OBRAS EM CASO DE QUEDA DA CABINE SEM RUPTURA DO CABO Miguel C. Branchtein, Delegacia Regional do Trabalho

Leia mais

Você já pensou o que seria do ser humano

Você já pensou o que seria do ser humano A UU L AL A Eixos e árvores Você já pensou o que seria do ser humano sem a coluna vertebral para lhe dar sustentação. Toda a estrutura de braços, pernas, mãos, pés seria um amontoado de ossos e músculos

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL JOÃO XXIII A

ESCOLA ESTADUAL JOÃO XXIII A Educando para a Modernidade desde 1967 ESCOLA ESTADUAL JOÃO XXIII A Escola que a gente quer é a Escola que a gente faz! NATUREZA DA ATIVIDADE: EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 2 DISCIPLINA: FÍSICA ASSUNTO: MOVIMENTO

Leia mais

6 Conclusões e Trabalhos futuros 6.1. Conclusões

6 Conclusões e Trabalhos futuros 6.1. Conclusões 6 Conclusões e Trabalhos futuros 6.1. Conclusões Neste trabalho estudou-se o comportamento do sistema que foi denominado pendulo planar com a adição de uma roda de reação na haste do pendulo composta de

Leia mais

b) Qual deve ser a aceleração centrípeta, para que com esta velocidade, ele faça uma trajetória circular com raio igual a 2m?

b) Qual deve ser a aceleração centrípeta, para que com esta velocidade, ele faça uma trajetória circular com raio igual a 2m? 1 - Dadas as medidas da bicicleta abaixo: a) Sabendo que um ciclista pedala com velocidade constante de tal forma que o pedal dá duas voltas em um segundo. Qual a velocidade linear, em km/h da bicicleta?

Leia mais

Resumo de Física 2C13 Professor Thiago Alvarenga Ramos

Resumo de Física 2C13 Professor Thiago Alvarenga Ramos Resumo de Física 2C13 Professor Thiago Alvarenga Ramos ENERGIA Grandeza escalar que existe na natureza em diversas formas: mecânica, térmica, elétrica, nuclear, etc. Não pode ser criada nem destruída;

Leia mais

O mundo da energia...9 1. Uma presença universal... 10

O mundo da energia...9 1. Uma presença universal... 10 S UNIDADE 1 U M Á R I O O mundo da energia...9 1. Uma presença universal... 10 ENERGIA, SEMPRE MUDANDO DE FORMA...11 ENERGIA AO LONGO DA HISTÓRIA...16 NA VIDA MODERNA...18 Buscando a sustentabilidade...20

Leia mais

GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300. Capacidade de Elevação 130t

GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300. Capacidade de Elevação 130t GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300 Capacidade de Elevação 130t PÁGINA 01 GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300 Comprimento da extensão total da lança principal de 60m, perfil U, placa de aço WELDOX de alta resistência.

Leia mais

Na Cinemática Aplicada estuda-se a aplicação dos conceitos da Cinemática na Síntese e Análise dos Mecanismos.

Na Cinemática Aplicada estuda-se a aplicação dos conceitos da Cinemática na Síntese e Análise dos Mecanismos. . MECA!ISMOS.0 Algumas definições Um mecanismo é um conjunto de elementos de máquinas ligados de forma a produzir um movimento específico. Podem ser subdivididos conforme suas aplicações: mecanismos com

Leia mais

CINEMÁTICA DE MÁQUINAS

CINEMÁTICA DE MÁQUINAS CINEMÁTICA DE MÁQUINAS CAPITULO I Rotação em torno de um eixo fixo 1. A barra dobrada ABCDE mostrada na figura 1, roda com velocidade angular constante de 9 rad/s em torno do eixo que liga as extremidades

Leia mais

PROTÓTIPOS DA LINHA LEGO MINDSTORMS PARA AUXÍLIO NO ENSINO/APRENDIZAGEM PROGRAMAÇÃO

PROTÓTIPOS DA LINHA LEGO MINDSTORMS PARA AUXÍLIO NO ENSINO/APRENDIZAGEM PROGRAMAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS CURRAIS NOVOS UTILIZAÇÃO DE PROTÓTIPOS DA LINHA LEGO MINDSTORMS PARA AUXÍLIO NO ENSINO/APRENDIZAGEM DA DISCIPLINA DE PROGRAMAÇÃO

Leia mais

Elementos de Transmissão Correias

Elementos de Transmissão Correias Elementos de Transmissão Correias Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Transmissão por polias e correias Transmissão por polias e correias As polias são peças cilíndricas, movimentadas pela rotação do eixo

Leia mais

Programa de Retomada de Conteúdo - 3º Bimestre

Programa de Retomada de Conteúdo - 3º Bimestre Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio Regular. Rua Cantagalo 313, 325, 337 e 339 Tatuapé Fones: 2293-9393 e 2293-9166 Diretoria de Ensino Região LESTE 5 Programa de Retomada de Conteúdo

Leia mais

DINÂMICA DE MÁQUINAS

DINÂMICA DE MÁQUINAS DINÂMICA DE MÁQUINAS CAPITULO 2 Momentos de inércia de componentes de máquinas com diferentes geometrias 1. O corpo composto mostrado na figura consiste em uma barra esbelta de 3 kg e uma placa fina de

Leia mais

Carregadeira LW300K. Potência Motor: 124 HP - Capacidade da caçamba: 1,9 m³ - Peso operacional: 10.600 Kg

Carregadeira LW300K. Potência Motor: 124 HP - Capacidade da caçamba: 1,9 m³ - Peso operacional: 10.600 Kg Carregadeira LW300K Potência Motor: 124 HP - Capacidade da caçamba: 1,9 m³ - Peso operacional: 10.600 Kg Qualidade, confiabilidade e força, aliada ao baixo consumo de combustível. A Pá-carregadeira LW300K

Leia mais

Apresentação. www.modelix.com.br Tel: (11) 3858-0099 - contato@modelix.com.br

Apresentação. www.modelix.com.br Tel: (11) 3858-0099 - contato@modelix.com.br COMBO 8.0 Solução Escolar Modelix A Solução Educacional Modelix, é um programa criado especialmente a fim de suprir as necessidades de implantação de um curso de robótica. Seja ele para escolas de ensino

Leia mais

Lista 1 Cinemática em 1D, 2D e 3D

Lista 1 Cinemática em 1D, 2D e 3D UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA DEPARTAMENTO DE ESTUDOS BÁSICOS E INSTRUMENTAIS CAMPUS DE ITAPETINGA PROFESSOR: ROBERTO CLAUDINO FERREIRA DISCIPLINA: FÍSICA I Aluno (a): Data: / / NOTA: Lista

Leia mais

TRANSMISSÃO MECÂNICA E MECÂNICA HIDRÁULICA HIDRÁULICA EM TRAT EM TRA ORES

TRANSMISSÃO MECÂNICA E MECÂNICA HIDRÁULICA HIDRÁULICA EM TRAT EM TRA ORES UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL VERSÃO 2005 CAPÍTULO 6 TORQUE POTÊNCIA SISTEMAS DE TRANSMISSÃO MECÂNICA E HIDRÁULICA EM TRATORES

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Sumário Definição Eixos e Árvores Cabos Definição Função: Transmissão de potênica e movimento (direção). Definição As transmissões entre os elementos podem se realizar: Por

Leia mais

Prof. Casteletti. Segurança na Operação de Ponte Rolante

Prof. Casteletti. Segurança na Operação de Ponte Rolante Segurança na Operação de Ponte Rolante Material elaborado pelo Professor LUÍS FRANCISCO CASTELETTI Formação: Técnico em Segurança do Trabalho Técnico Mecânico Licenciatura Plena em Pedagogia Pós Graduação

Leia mais

Como funciona o motor de corrente contínua

Como funciona o motor de corrente contínua Como funciona o motor de corrente contínua Escrito por Newton C. Braga Este artigo é de grande utilidade para todos que utilizam pequenos motores, principalmente os projetistas mecatrônicos. Como o artigo

Leia mais

Escolar Fundamental 1

Escolar Fundamental 1 Grátis Escolar Fundamental 1 Especificação do curso Aulas de robótica curricular, extra curricular e laboratório de robótica. Da 1 à 5 série com idades entre 6 e 10 anos Solução Educacional para Fundamental

Leia mais

Convertendo um servo motor RC em um dispositivo de tração para micro-robôs

Convertendo um servo motor RC em um dispositivo de tração para micro-robôs Convertendo um servo motor RC em um dispositivo de tração para micro-robôs Roberto Fernandes Tavares Filho Centro Tecnológico Para Informática Vice-presidente executivo da FIRA Todos aqueles que já se

Leia mais

Corrente alternada. Chamamos de corrente elétrica, o movimento ordenado de elétrons dentro de um fio condutor.

Corrente alternada. Chamamos de corrente elétrica, o movimento ordenado de elétrons dentro de um fio condutor. Corrente alternada Chamamos de corrente elétrica, o movimento ordenado de elétrons dentro de um fio condutor. A corrente elétrica pode ser contínua (quando movimento é em uma única direçaõ e sentido) ou

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO. 1 Alimentador

DESCRITIVO TÉCNICO. 1 Alimentador DESCRITIVO TÉCNICO Nome Equipamento: Máquina automática para corte de silício 45º e perna central até 400 mm largura Código: MQ-0039-NEP Código Finame: *** Classificação Fiscal: 8462.39.0101 1 Alimentador

Leia mais

Mecânica 2007/2008. 6ª Série

Mecânica 2007/2008. 6ª Série Mecânica 2007/2008 6ª Série Questões: 1. Suponha a=b e M>m no sistema de partículas representado na figura 6.1. Em torno de que eixo (x, y ou z) é que o momento de inércia tem o menor valor? e o maior

Leia mais

(a) a aceleração do sistema. (b) as tensões T 1 e T 2 nos fios ligados a m 1 e m 2. Dado: momento de inércia da polia I = MR / 2

(a) a aceleração do sistema. (b) as tensões T 1 e T 2 nos fios ligados a m 1 e m 2. Dado: momento de inércia da polia I = MR / 2 F128-Lista 11 1) Como parte de uma inspeção de manutenção, a turbina de um motor a jato é posta a girar de acordo com o gráfico mostrado na Fig. 15. Quantas revoluções esta turbina realizou durante o teste?

Leia mais

Como usar a robótica pedagógica aplicada ao currículo

Como usar a robótica pedagógica aplicada ao currículo 1 Congresso sobre práticas inovadoras na educação em um mundo impulsionado pela tecnologia Workshop: Como usar a robótica pedagógica aplicada ao currículo Palestrante: João Vilhete Viegas d'abreu Núcleo

Leia mais

Acionamentos estanques de giro

Acionamentos estanques de giro WD-L Acionamento de giro por rosca sem-fim Série Leve Acionamentos estanques de giro Acionamentos estanques de giro www.imo.de Clientes OEM Acionamentos de giro IMO - perfeitas para a utilização de produtores

Leia mais

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Nem sempre as unidades geradoras

Leia mais

Ensaio de torção. Diz o ditado popular: É de pequenino que

Ensaio de torção. Diz o ditado popular: É de pequenino que A UU L AL A Ensaio de torção Diz o ditado popular: É de pequenino que se torce o pepino! E quanto aos metais e outros materiais tão usados no nosso dia-a-dia: o que dizer sobre seu comportamento quando

Leia mais

Matriz de Referência de Matemática da 8ª série do Ensino Fundamental. Comentários sobre os Temas e seus Descritores Exemplos de Itens

Matriz de Referência de Matemática da 8ª série do Ensino Fundamental. Comentários sobre os Temas e seus Descritores Exemplos de Itens Matriz de Referência de Matemática da 8ª série do Ensino Fundamental TEMA I ESPAÇO E FORMA Comentários sobre os Temas e seus Descritores Exemplos de Itens Os conceitos geométricos constituem parte importante

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA Robótica Na Sala De Aula De Matemática: Os Estudantes Aprendem Matemática? PRODUTO DA

Leia mais

Unidade VIII: Estática e Equilíbrio de um corpo rígido

Unidade VIII: Estática e Equilíbrio de um corpo rígido 132Colégio Santa Catarina Unidade VIII: Estática e Equilíbrio de um corpo rígido 132 Unidade VIII: Estática e Equilíbrio de um corpo rígido 8.1 - Equilíbrio: Um corpo pode estar em equilíbrio das seguintes

Leia mais

Pontes Rolantes - Aplicações

Pontes Rolantes - Aplicações Pontes Rolantes Pontes rolantes são máquinas transportadoras utilizadas, em meio industrial, no içamento e locomoção de cargas de um local para o outro. Conta com três movimentos independentes ou simultâneos

Leia mais

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Autores: Caio Felipe Favaretto, Henrique Corrêa Ramiro, Rômulo de Oliveira Souza e Marcelo Barboza Silva Professor orientador:

Leia mais

FAPERJ & PIUES/PUC-Rio FÍSICA E MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO APLICADAS A SISTEMAS DE ENGENHARIA

FAPERJ & PIUES/PUC-Rio FÍSICA E MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO APLICADAS A SISTEMAS DE ENGENHARIA FAPERJ & PIUES/PUC-Rio FÍSICA E MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO APLICADAS A SISTEMAS DE ENGENHARIA 1) INTRODUÇÃO Rio de Janeiro, 05 de Maio de 2015. A equipe desenvolvedora deste projeto conta com: - Prof.

Leia mais

Equipamentos para Estamparia

Equipamentos para Estamparia Equipamentos para Estamparia CLIENTES EQUIPAMENTOS PARA LINHA DE PRENSAS Mesa destaque de platinas; METALURGIA Braço com imã para destaque; Mesa transferência platina; Sistema de centralização platina;

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices Tópicos Abordados Grupo Moto-Propulsor. Motores para a Competição AeroDesign. Características das Hélices. Modelo Propulsivo.

Leia mais

Sensores. Sensor. Passivos: Chave Potenciômetro Energia Auxiliar. Ativos: Célula Fotoelétrica Cristal Piezoelétrico. Digitais: Encoder Régua Óptica

Sensores. Sensor. Passivos: Chave Potenciômetro Energia Auxiliar. Ativos: Célula Fotoelétrica Cristal Piezoelétrico. Digitais: Encoder Régua Óptica Sensores Passivos: Chave Potenciômetro Energia Auxiliar Ativos: Célula Fotoelétrica Cristal Piezoelétrico Entrada Sensor Saída Analógicos: Potenciômetro Resolver Digitais: Encoder Régua Óptica Prof. Silas

Leia mais

Física Experimental - Mecânica - EQ005H.

Física Experimental - Mecânica - EQ005H. Índice Remissivo... 4 Abertura... 6 Guarantee / Garantia... 7 Certificado de Garantia Internacional... 7 As instruções identificadas no canto superior direito da página pelos números que se iniciam pelos

Leia mais

Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica

Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Cronograma Introdução a Robótica Estrutura e Características Gerais dos Robôs Robôs e seus Periféricos

Leia mais

Unidade VIII: Estática e Equilíbrio de um corpo rígido

Unidade VIII: Estática e Equilíbrio de um corpo rígido Página 1 de 10 Unidade VIII: Estática e Equilíbrio de um corpo rígido 8.1 - Equilíbrio: Um corpo pode estar em equilíbrio das seguintes formas: a) Equilíbrio estático - É aquele no qual o corpo está em

Leia mais

Física FUVEST ETAPA. ε = 26 cm, e são de um mesmo material, Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2. c) Da definição de potência, vem:

Física FUVEST ETAPA. ε = 26 cm, e são de um mesmo material, Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2. c) Da definição de potência, vem: Física QUESTÃO 1 Um contêiner com equipamentos científicos é mantido em uma estação de pesquisa na Antártida. Ele é feito com material de boa isolação térmica e é possível, com um pequeno aquecedor elétrico,

Leia mais

Acoplamento. Uma pessoa, ao girar o volante de seu automóvel, Conceito. Classificação

Acoplamento. Uma pessoa, ao girar o volante de seu automóvel, Conceito. Classificação A U A UL LA Acoplamento Introdução Uma pessoa, ao girar o volante de seu automóvel, percebeu um estranho ruído na roda. Preocupada, procurou um mecânico. Ao analisar o problema, o mecânico concluiu que

Leia mais

Qual gráfico expressa as intensidades das forças que a Terra exerce sobre cada satélite em função do tempo?

Qual gráfico expressa as intensidades das forças que a Terra exerce sobre cada satélite em função do tempo? 1. (Enem 2013) A Lei da Gravitação Universal, de Isaac Newton, estabelece a intensidade da força de atração entre duas massas. Ela é representada pela expressão: F G mm d 1 2 2 onde m1 e m2 correspondem

Leia mais

Exercícios cinemática MCU, Lançamento horizontal e Oblíquo

Exercícios cinemática MCU, Lançamento horizontal e Oblíquo Física II Professor Alexandre De Maria Exercícios cinemática MCU, Lançamento horizontal e Oblíquo COMPETÊNCIA 1 Compreender as Ciências Naturais e as tecnologias a elas associadas como construções humanas,

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 2011 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Um varal de roupas foi construído utilizando uma haste rígida DB de massa desprezível, com

Leia mais

Física Experimental - Mecânica - Conjunto Arete - EQ005.

Física Experimental - Mecânica - Conjunto Arete - EQ005. Índice Remissivo... 4 Abertura... 6 Guarantee / Garantia... 7 Certificado de Garantia Internacional... 7 As instruções identificadas no canto superior direito da página pelos números que se iniciam pelos

Leia mais

SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE POTÊNCIA

SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE POTÊNCIA SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE POTÊNCIA Introdução Funções do sistema de transmissão de potência: Transmitir potência do motor para as rodas motrizes e para a TDP (tomada de potência) Possibilitar o engate

Leia mais

Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta

Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta Aula 03: Movimento em um Plano Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta Caro aluno, olá! Neste tópico, você vai aprender sobre um tipo particular de movimento plano, o movimento circular

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANO DE AULA DE ROBÓTICA USANDO O APLICATIVO DE PROGRAMAÇÃO EV3

INTRODUÇÃO AO PLANO DE AULA DE ROBÓTICA USANDO O APLICATIVO DE PROGRAMAÇÃO EV3 INTRODUÇÃO AO PLANO DE AULA DE ROBÓTICA USANDO O APLICATIVO DE PROGRAMAÇÃO EV3 LEGOeducation.com/MINDSTORMS πr Sumário Sumário Introdução aos planos de aula de robótica.... 3 Aula 1 - Construção e configuração....

Leia mais

Matriz Curricular de Matemática 6º ao 9º ano 6º ano 6º Ano Conteúdo Sistemas de Numeração Sistema de numeração Egípcio Sistema de numeração Romano Sistema de numeração Indo-arábico 1º Trimestre Conjunto

Leia mais

Controle de vibração significa a eliminação ou a redução da vibração.

Controle de vibração significa a eliminação ou a redução da vibração. Quais são os métodos mais utilizados para controle de vibrações? Defina um absorvedor de vibração? Qual é função de um isolador de vibração? Por que um eixo rotativo sempre vibra? Qual é a fonte da força

Leia mais

Introdução. Sistemas. Tecnologia. Produtos e Serviços

Introdução. Sistemas. Tecnologia. Produtos e Serviços Introdução Apresentamos nosso catálogo técnico geral. Nele inserimos nossa linha de produtos que podem ser padronizados ou de projetos desenvolvidos para casos específicos. Pedimos a gentileza de nos contatar

Leia mais

FÍSICA. Questões de 01 a 04

FÍSICA. Questões de 01 a 04 GRUPO 1 TIPO A FÍS. 1 FÍSICA Questões de 01 a 04 01. Considere uma partícula presa a uma mola ideal de constante elástica k = 420 N / m e mergulhada em um reservatório térmico, isolado termicamente, com

Leia mais

Semeadoras. Plantadora de linha, hidráulica, plantio direto, pequena propriedade. Moderna, versátil e resistente. Planta soja, milho, feijão e sorgo.

Semeadoras. Plantadora de linha, hidráulica, plantio direto, pequena propriedade. Moderna, versátil e resistente. Planta soja, milho, feijão e sorgo. Semeadoras 1. Semeadora MAX Seed Line Plantadora de linha, hidráulica, plantio direto, pequena propriedade. Moderna, versátil e resistente. Planta soja, milho, feijão e sorgo. Características: Distribuição

Leia mais

Colégio Estadual Dr. Xavier da Silva EF e EM. PIBID - FÍSICA Disciplina: Física 1º Ano EM Turma:A Atividade Experimental Conteúdo: Colisões

Colégio Estadual Dr. Xavier da Silva EF e EM. PIBID - FÍSICA Disciplina: Física 1º Ano EM Turma:A Atividade Experimental Conteúdo: Colisões Colégio Estadual Dr. Xavier da Silva EF e EM. PIBID - FÍSICA Disciplina: Física 1º Ano EM Turma:A Atividade Experimental Conteúdo: Colisões Aluno(a): Nº: Data: / /2014 INTRODUÇÃO: a) Se você pudesse escolher

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A L 0 H mola apoio sem atrito B A figura acima mostra um sistema composto por uma parede vertical

Leia mais

FÍSICA. Prof. Raphael Fracalossi. 1. (Ueg 2010) Observe a figura.

FÍSICA. Prof. Raphael Fracalossi. 1. (Ueg 2010) Observe a figura. FÍSICA Prof. Raphael Fracalossi. (Ueg 00) Observe a figura. Nessa figura, está representada uma máquina hipotética constituída de uma sequência infinita de engrenagens circulares E, E, E... que tangenciam

Leia mais

Laboratório de Física Básica 2

Laboratório de Física Básica 2 Objetivo Geral: Determinar a aceleração da gravidade local a partir de medidas de periodo de oscilação de um pêndulo simples. Objetivos específicos: Teoria 1. Obter experimentalmente a equação geral para

Leia mais

Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar)

Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar) Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar) 1. OBJETIVOS DA EXPERIÊNCIA 1) Esta aula experimental tem como objetivo o estudo do movimento retilíneo uniforme

Leia mais

As leis de Newton e suas aplicações

As leis de Newton e suas aplicações As leis de Newton e suas aplicações Disciplina: Física Geral e Experimental Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá: O que significa o conceito de força

Leia mais

-2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE

-2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE -2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE DISCURSIVA OBJETIVA QUÍMICA FÍSICA QUÍMICA FÍSICA Matéria e energia Propriedades da matéria Mudanças de estado físico

Leia mais

PEÇAS MECÂNICAS Manipuladores Industriais

PEÇAS MECÂNICAS Manipuladores Industriais PEÇAS MECÂNICAS Equipamentos realizados para a pega e a movimentação em ausência de peso, de peças mecânicas diversas com auxílio de dispositivos de pega estudados e realizadas sob medida. Simples de usar

Leia mais

Mecânica e FÍSICA Ondas

Mecânica e FÍSICA Ondas Mecânica e FÍSICA Ondas Energia e Trabalho; Princípios de conservação; Uma bala de massa m = 0.500 kg, viajando com velocidade 100 m/s atinge e fica incrustada num bloco de um pêndulo de massa M = 9.50

Leia mais

Layout_P.qxd 30.09.2004 18:11 Uhr Seite 101. Índice

Layout_P.qxd 30.09.2004 18:11 Uhr Seite 101. Índice Layout_.qxd 30.09.2004 18:11 Uhr Seite 101 R O F I M E C H A N I C & S T A T I C F O L H E T O Máquinas ao nosso redor p. 102 O que é mecânica? p. 102 O motor elétrico p. 102 Engrenagem de parafuso helicoidal

Leia mais

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial Prof. Daniel Hasse Robótica Industrial Aula 02 - Robôs e seus Periféricos Tipos de Sistemas de Controle Volume de Trabalho Dinâmica e Precisão dos Movimentos Sistemas de Acionamentos Garras Tipos de Sistemas

Leia mais

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL Esta aula apresenta o princípio de funcionamento dos motores elétricos de corrente contínua, o papel do comutador, as características e relações

Leia mais

Atividade 2: Desenvolvimento de um pequeno processo de fabricação

Atividade 2: Desenvolvimento de um pequeno processo de fabricação Introdução à Engenharia Elétrica I 2007.1 Grupo 1 Professor Fernando Passold Atividade 2: Desenvolvimento de um pequeno processo de fabricação Desafio: Numa fábrica, existe uma máquina chamada máquina

Leia mais

ROTEIRO 20 PÊNDULO SIMPLES E PÊNDULO FÍSICO

ROTEIRO 20 PÊNDULO SIMPLES E PÊNDULO FÍSICO ROTEIRO 20 PÊNDULO SIMPLES E PÊNDULO FÍSICO INTRODUÇÃO Estamos cercados de oscilações, movimentos que se repetem. Neste roteiro vamos abordar oscilações mecânicas para uma classe de osciladores harmônicos

Leia mais

Robótica Industrial. Projeto de Manipuladores

Robótica Industrial. Projeto de Manipuladores Robótica Industrial Projeto de Manipuladores Robôs são os típicos representantes da Mecatrônica. Integram aspectos de: Manipulação Sensoreamento Controle Comunicação 1 Robótica e Mecatrônica 2 Princípios

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM NOVAS TECNOLOGIAS: Um desafio constante. (A Mecatrônica como exemplo do estado da arte)

CAPACITAÇÃO EM NOVAS TECNOLOGIAS: Um desafio constante. (A Mecatrônica como exemplo do estado da arte) CAPACITAÇÃO EM NOVAS TECNOLOGIAS: Um desafio constante. (A Mecatrônica como exemplo do estado da arte) SESTINFO-2008 São Bernardo do Campo/março/2008 Áreas da Tecnologia que estão definindo nosso Futuro

Leia mais

Para peças de reposição e Discos de Plantio acesse nossa Loja Virtual: www.knapik.com.br

Para peças de reposição e Discos de Plantio acesse nossa Loja Virtual: www.knapik.com.br Para peças de reposição e Discos de Plantio acesse nossa Loja Virtual: www.knapik.com.br INDÚSTRIA MECÂNICA KNAPIK LTDA - EPP Rua Prefeito Alfredo Metzler, 480 - Bairro Santa Rosa - Porto União - SC Site:

Leia mais

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Prof. Roberto Leal Sensores Dispositivo capaz de detectar sinais ou de receber estímulos de natureza física (tais como calor, pressão, vibração, velocidade, etc.),

Leia mais

Análise Dimensional Notas de Aula

Análise Dimensional Notas de Aula Primeira Edição Análise Dimensional Notas de Aula Prof. Ubirajara Neves Fórmulas dimensionais 1 As fórmulas dimensionais são formas usadas para expressar as diferentes grandezas físicas em função das grandezas

Leia mais

Prof. Rogério Porto. Assunto: Cinemática em uma Dimensão III

Prof. Rogério Porto. Assunto: Cinemática em uma Dimensão III Questões COVEST Física Mecânica Prof. Rogério Porto Assunto: Cinemática em uma Dimensão III 1. Um atleta salta por cima do obstáculo na figura e seu centro de gravidade atinge a altura de 2,2 m. Atrás

Leia mais

Automação industrial Sensores

Automação industrial Sensores Automação industrial Sensores Análise de Circuitos Sensores Aula 01 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina O que são sensores?

Leia mais

. linear ou rotativo. analógico ou digital. absoluto, incremental ou incremental-absoluto. princípio de operação

. linear ou rotativo. analógico ou digital. absoluto, incremental ou incremental-absoluto. princípio de operação 8 - Transdutores Um transdut or é um equipamento que converte variações de uma determinada grandeza física em outra. Por exemplo, um transdut or de posição converte variações de movimento em um sinal de

Leia mais

Força atrito. Forças. dissipativas

Força atrito. Forças. dissipativas Veículo motorizado 1 Trabalho Ocorrem variações predominantes de Por ex: Forças constantes Sistema Termodinâmico Onde atuam Força atrito É simultaneamente Onde atuam Sistema Mecânico Resistente Ocorrem

Leia mais

Engrenagens V. A ponte rolante precisava de reparos. A coroa. Conceito

Engrenagens V. A ponte rolante precisava de reparos. A coroa. Conceito A UU L AL A Engrenagens V A ponte rolante precisava de reparos. A coroa e o parafuso com rosca sem-fim estavam com defeitos. Os dentes da coroa e os filetes da rosca do parafuso estavam desgastados. O

Leia mais

TC 3 UECE - 2013 FASE 2 MEDICINA e REGULAR

TC 3 UECE - 2013 FASE 2 MEDICINA e REGULAR TC 3 UECE - 03 FASE MEICINA e EGULA SEMANA 0 a 5 de dezembro POF.: Célio Normando. A figura a seguir mostra um escorregador na forma de um semicírculo de raio = 5,0 m. Um garoto escorrega do topo (ponto

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS TALHAS ELÉTRICAS GUINCHOS DE ALAVANCA TALHAS COM ACIONAMENTO MANUAL 1) NORMAS UTILIZADAS: NBR 10401 e 10402 Especificação: Fixa as condições exigíveis

Leia mais

Núcleo de Informática Aplicada à Educação Universidade Estadual de Campinas

Núcleo de Informática Aplicada à Educação Universidade Estadual de Campinas Núcleo de Informática Aplicada à Educação Universidade Estadual de Campinas Resumo A construção de dispositivos controlados através do computador, como ferramenta educacional associado ao trabalho com

Leia mais

6. CILINDROS PNEUMÁTICOS

6. CILINDROS PNEUMÁTICOS 6. CILINDROS PNEUMÁTICOS Os cilindros, também conhecidos como atuadores lineares, são elementos pneumáticos de trabalho os quais transformam a energia proveniente do ar comprimido em energia mecânica,

Leia mais

HGE / HEG / HHEV / HSph e DGE

HGE / HEG / HHEV / HSph e DGE HGE / HEG / HHEV / HSph e DGE VERSÃO 0 ÍNDICE.0 - FINALIDADE 0.0 - APLICAÇÃO 0.0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 0.0 - TERMINOLOGIA 0.0 - CARACTERÍSTICAS GERAIS 0.0 - CHAVES FIM DE CURSO ROTATIVA HGE e HGES

Leia mais

a) os módulos das velocidades angulares ωr NOTE E ADOTE

a) os módulos das velocidades angulares ωr NOTE E ADOTE 1. Um anel condutor de raio a e resistência R é colocado em um campo magnético homogêneo no espaço e no tempo. A direção do campo de módulo B é perpendicular à superfície gerada pelo anel e o sentido está

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE MATEMÁTICA (ao longo do ano)

PLANIFICAÇÃO DE MATEMÁTICA (ao longo do ano) PLANIFICAÇÃO DE MATEMÁTICA (ao longo do ano) DOMÍNIOS Subdomínios / Conteúdos programáticos Metas / Descritores de desempenho Números e operações Números naturais Números racionais não negativos Compreender

Leia mais

Física Aplicada PROF.: MIRANDA. 2ª Lista de Exercícios DINÂMICA. Física

Física Aplicada PROF.: MIRANDA. 2ª Lista de Exercícios DINÂMICA. Física PROF.: MIRANDA 2ª Lista de Exercícios DINÂMICA Física Aplicada Física 01. Uma mola possui constante elástica de 500 N/m. Ao aplicarmos sobre esta uma força de 125 Newtons, qual será a deformação da mola?

Leia mais