MAPEAMENTO E AVALIÇÃO DAS PRINCIPAIS ÁREAS DE EXPANSÃO URBANA NA BACIA DO RIO MURIQUI, LESTE METROPOLITANO DO RIO DE JANEIRO (RJ)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MAPEAMENTO E AVALIÇÃO DAS PRINCIPAIS ÁREAS DE EXPANSÃO URBANA NA BACIA DO RIO MURIQUI, LESTE METROPOLITANO DO RIO DE JANEIRO (RJ)"

Transcrição

1 MAPEAMENTO E AVALIÇÃO DAS PRINCIPAIS ÁREAS DE EXPANSÃO URBANA NA BACIA DO RIO MURIQUI, LESTE METROPOLITANO DO RIO DE Silva, L.O. 1 ; Placido, D.T. 2 ; 1 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 2 INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA RESUMO: O presente trabalho analisa a expansão urbana na bacia do Rio Muriqui (municípios de São Gonçalo e Niterói/RJ) para investigar a contribuição da urbanização nos eventos de inundações. Foi realizado o mapeamento e a análise das alterações no uso e ocupação do solo na bacia entre os anos de 2003 e Os resultados indicam que a expansão urbana avançou em direção às cabeceiras dos vales e ao longo dos divisores de drenagem, alterando profundamente a dinâmica fluvial. PALAVRAS CHAVES: Bacias urbanas; expansão urbana; enchentes e inundações ABSTRACT: This paper analyzes the urban expansion in the Rio Muriqui (municipalities of Niterói and São Gonçalo/RJ) in order to investigate the contribution of urbanization on flood events. Mapping and analysis of changes in the use and occupation of land in the basin between the years 2003 and 2012 was performed. Results indicate that urban sprawl advanced toward the headwaters of the valleys and along the divisors of drainage, profoundly changing the fluvial dynamics. KEYWORDS: Urban drainage basin; urban sprawl; floods INTRODUÇÃO: As transformações que ocorrem na superfície terrestre, resultando em diferentes paisagens e geossistemas, devem ser entendidas como o resultado da combinação dinâmica de fatores bióticos, abióticos e humanos (TROPPMAIR e GALINA, 2006). No caso do espaço urbano, as ações humanas têm um grande peso nas transformações, especialmente descaracterizando as bacias hidrográficas e alterando profundamente seu funcionamento (BOTELHO, 2011; CUNHA, 2012). A expansão urbana e industrial ocorrida no Brasil, a partir da década de 1940, provocou o aumento da densidade demográfica nas cidades brasileiras. Com isso, as bacias hidrográficas e, principalmente, os rios receberam grandes intervenções como canalização/retificação, impermeabilização das encostas e da planície fluvial, poluição e contaminação das águas etc. Em várias cidades brasileiras os episódios de inundação vêm se tornando frequentes e mais intensos 338

2 (HACK, 2002; GONÇALVES, 2003; VIEIRA e CUNHA, 2010). O caso dos municípios de São Gonçalo, Niterói e Itaboraí (Leste Metropolitano do Rio de Janeiro/RJ) é um exemplo do conflito entre dinâmica fluvial e urbanização, pois a bacia dos rios Guaxindiba-Alcântara sofre constantemente com inundações de diferentes proporções, principalmente nas áreas de médio e baixo curso (SILVA, 2006; NUNES, 2010). A área da referida bacia apresenta trechos com intensa urbanização e outros em que há um crescente adensamento, especialmente à montante. Neste sentido, o objetivo deste estudo é analisar a influência da expansão da ocupação urbana nas recorrentes inundações da bacia do Rio Guaxindiba-Alcântara, tendo como área piloto a bacia do rio Muriqui, afluente no alto vale. MATERIAL E MÉTODOS: A pesquisa bibliográfica se baseou na busca de referenciais teóricos relativos ao meio físico envolvido, como a bacia hidrográfica e seus subsistemas, a encosta e os vales fluviais, além da interface desses com o meio urbano na forma de enchentes e inundações, de modo a pontuar quais são os fatores humanos que influenciam nesses processos. Para a construção dos resultados desse trabalho foi utilizada a delimitação da bacia do rio Alcântara realizada por Silva (2013). Uma vez delimitada a bacia, esta foi dividida em sub-bacias de 2ª ordem segundo a hierarquização de Strahler (CHRISTOFOLETTI, 1980), sendo selecionado para o estudo a sub-bacia do rio Muriqui. Esta bacia situa-se num trecho do alto vale do rio Alcântara, onde está ocorrendo uma expansão urbana em direção às cabeceiras de drenagem. Possivelmente, esse processo contribui de forma significativa para o aumento do fluxo de água superficial e aumento dos picos de vazão durantes os eventos chuvosos de maior intensidade no médio e baixo vale do Alcântara, onde a ocupação urbana é muito densa. Para avaliar a expansão urbana na bacia do Rio Muriqui foram empregadas as imagens disponíveis no software Google Earth, para os anos de 2003 e 2013, comparando-se os principais pontos de expansão da ocupação urbana na referida bacia. Os locais selecionados pela observação das imagens de satélite foram visitados de modo a observar in loco as características do processo, como o grau de infraestrutura de saneamento, a impermeabilização do solo, o grau de modificação das condições naturais dos canais fluviais, a densidade da urbanização, além da identificação das características da expansão urbana quanto aos grupos sociais envolvidos. RESULTADOS E DISCUSSÃO: A bacia do Rio Muriqui está inserida no alto curso da bacia dos Rios Guaxindiba- Alcântara. A bacia em questão compreende dois municípios, Niterói e São Gonçalo, sendo cortada pela Estrada de Velha de Maricá, via que fazia a ligação entre os municípios de Niterói e Maricá (Figura 1). Compreende os seguintes bairros: Muriqui, Rio do Ouro, Maria Paula, Vila Progresso (Niterói), Arrastão, Rio do Ouro e Maria Paula (São Gonçalo). Apesar da grande extensão da área da bacia ser destinada ao uso urbano, esta ainda conserva áreas nas quais as características naturais se encontram mais preservadas, como por exemplo, na área da Reserva Ecológica Darcy Ribeiro, além de áreas onde a ocupação urbana é mais rarefeita. Devido à sua localização no alto curso, possui desnivelamento altimétrico de 345 metros, ligado à presença de maciços costeiros e interiores, como a Serras Grande e do Malheiro, gradiente de declividade de 0,06 m/m e densidade de drenagem média, correspondente a 1,7 Km/Km² (Silva, 2013). Apesar de possuir um alto desnível altimétrico, considerando as condições da bacia na qual está inserida, o gradiente de declividade pode ser considerado modesto, fato que se deve à maior extensão do relevo de característica suave colinoso. O ponto 1 está localizado na 339

3 Estrada da Paciência, bairro de Maria Paula, município de São Gonçalo. No referido ponto e nas áreas adjacentes a expansão urbana no período analisado é clara, sendo representada pela construção de condomínios de classe média. Os condomínios não aparecem na imagem de 2003, que apresenta uma cobertura vegetal rarefeira, com trechos de gramíneas, outras com solo exposto, além de árvores esparsas. Na área em questão foram construídas cerca de cinquenta novas residências, no Condomínio Country. O lago anteriormente presente foi transformado em canteiro de obras do Condomínio Ecopark, modificações que reduziram de forma acentuada as áreas de infiltração natural. O ponto 2 se localiza no bairro de Maria Paula (Niterói), na Estrada do Muriqui Pequeno, compreendendo o vale por onde percorre um dos afluentes do Rio Muriqui. A ocupação dessa via vem se realizando a partir de sua confluência com a Estrada Velha de Maricá. Durante as observações de campo foi constatado que a cobertura vegetal nas encostas e nos divisores ainda é bastante densa. Contudo, a partir da comparação entre as imagens de satélite foi possível perceber que a ocupação tem avançado para montante através da zona côncava do vale e também através da parte mais baixa do divisor. O ponto 3 está localizado na Rua Eucaliptos, no bairro de Maria Paula (SG). Comparando as imagens de satélite de 2003 e 2012, observa-se a expansão da ocupação ao longo de toda a via. Na imagem de 2003, a faixa urbana ocupava principalmente o fundo do vale, com alguns trechos onde a ocupação subia a encosta pela parte convexa e também pela parte côncava. Na imagem de 2012 percebe-se que a ocupação no fundo do vale principal se tornou mais densa, além da expansão da ocupação na área dos vales adjacentes. A urbanização na área da bacia do rio Muriqui tem como resultado a degradação dos canais fluviais, com canalizações, coberturas por construções, lançamento de efluentes, retirada da cobertura vegetal, assim como a diminuição das áreas de infiltração, fato que contribui para o aumento do escoamento superficial (Figura 2). Figura 1 - Localização da Sub-bacia do Rio Muriqui Localização da sub-bacia do Rio Muriqui no alto curso da bacia dos Rios Guaxindiba-Alcântara. Destaque para a intensa urbanização ao longo da última. 340

4 Figura 2 - Alterações nos canais fluviais À esquerda,rio está canalizado por debaixo das residências. À direita,o mesmo se encontra sem canalização por um pequeno trecho. CONSIDERAÕES FINAIS: A bacia do Rio Muriqui apresenta um setor densamente ocupado na área mais a jusante, a partir da qual as águas são drenadas para a região central do município de São Gonçalo. No alto curso a ocupação urbana ainda é rarefeita. No entanto, verifica-se que a ocupação urbana, ao longo do período estudado, vem tomando como direção a área mais a montante da bacia, na forma de ocupação dos fundos de vale e vertentes pela população de menor poder aquisitivo, como também da expansão dos imóveis destinadas à população mais abastada. Nos pontos à montante da bacia é possível observar os impactos já causados na qualidade da água e na dinâmica do canal em função do crescimento urbano na área, onde as águas dos canais apresentam coloração derivada do lançamento de efluentes domésticos. As margens se encontram ocupadas por residências que promovem a canalização do rio, o que provoca a acúmulo de sedimentos, lixo e outros materiais nas laterais da estrutura. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICA: BOTELHO, R. G. M. Bacias Hidrográficas Urbanas. In: GUERRA, A.J.T. (org). Geomorfologia Urbana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia. São Paulo: Edgard Blucher, 2ª edição, CUNHA, S. B. Rios desnaturalizados. In: BARBOSA, J.L. e LIMONAD, E. Ordenamento territorial e ambiental. Niterói, Editora da UFF, 2012, 282p. 341

5 GONÇALVES, N. M. S. Impactos pluviais e desorganização do espaço urbano em Salvador. In: Monteiro, C. A. F. e Mendonça, F. (org.) Clima Urbano. São Paulo, Contexto, p GUERRA, A.J.T. e CUNHA, S.B. (org). 6ª ed. Impactos ambientais urbanos no Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, HACK, L. P. O clima urbano de Petrópolis RJ: análise dos impactos ambientais das chuvas de verão nas áreas de risco e nas inundações. In: SANT ANNA NETO, J. L. (org.) O clima das cidades brasileiras. Presidente Prudente, UNESP/Laboratório de Climatologia, p. NUNES. R. R. Degradação ambiental em bacias hidrográficas urbanas, o caso da Bacia do Guaxindiba - Alcântara. São Gonçalo: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Faculdade de Formação de Professores, SILVA, A. T. Levantamento das áreas de Áreas de Inundação do Médio e Baixo Curso da Bacia do Rio Guaxindiba-Alcântara-SG/RJ. São Gonçalo: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Faculdade de Formação de Professores, SILVA. L. O. Avaliação dos Parâmetros Morfométricos da Bacia do Rio Guaxindiba Alcântara (SG/RJ) como Subsídio a Análise de Inundações, 2013, 107 p. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização) Faculdade de Formação de Professores, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, São Gonçalo, TROPPMAIR, H; GALINA, M. H. Geossistemas. In: Departamento de Geografia da Universidade Federal do Ceará: Revista Mercator. Ano 5, nº 10, VIEIRA, V. T; CUNHA, S. B. Mudanças na rede de drenagem urbana de Teresópolis. In: GUERRA, A.J.T. e CUNHA, S.B. (org). 6ª ed. Impactos ambientais urbanos no Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil,

BACIA HIDROGRÁFICA URBANIZADA: O CASO DO RIO IMBOAÇU SÃO GONÇALO (REGIÃO METROPOLITANO DO RIO DE JANEIRO)

BACIA HIDROGRÁFICA URBANIZADA: O CASO DO RIO IMBOAÇU SÃO GONÇALO (REGIÃO METROPOLITANO DO RIO DE JANEIRO) BACIA HIDROGRÁFICA URBANIZADA: O CASO DO RIO IMBOAÇU SÃO Martins, V.A. 1 ; Menezes, C.R. 2 ; Salgado, C.M. 3 ; 1 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Email:viamaralinda@gmail.com; 2 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

Leia mais

Intervenções Urbanas na Bacia Hidrográfica do Rio Imboaçu, São Gonçalo (Leste Metropolitano do Rio de Janeiro)

Intervenções Urbanas na Bacia Hidrográfica do Rio Imboaçu, São Gonçalo (Leste Metropolitano do Rio de Janeiro) Intervenções Urbanas na Bacia Hidrográfica do Rio Imboaçu, São Gonçalo (Leste Metropolitano do Rio de Janeiro) Virginia Amaralinda Calabrez Martins Graduanda em Geografia na Universidade Federal Fluminense,

Leia mais

Reflexos da extração de areia na morfologia do ribeirão dos Macacos-MG, entre 1989 e 2010

Reflexos da extração de areia na morfologia do ribeirão dos Macacos-MG, entre 1989 e 2010 Reflexos da extração de areia na morfologia do ribeirão dos Macacos-MG, entre 1989 e 2010 Carvalho, A. (PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA, IGC/UFMG) ; Raposo, A.A. (PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA,

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO PROGRAMA GOOGLE EARTH NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA EXPERIÊNCIA NA BACIA DO RIO MARIMBONDO SÃO GONÇALO/RJ

A UTILIZAÇÃO DO PROGRAMA GOOGLE EARTH NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA EXPERIÊNCIA NA BACIA DO RIO MARIMBONDO SÃO GONÇALO/RJ A UTILIZAÇÃO DO PROGRAMA GOOGLE EARTH NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA EXPERIÊNCIA NA BACIA DO RIO MARIMBONDO SÃO GONÇALO/RJ Julliana Peclat do Nascimento 1 Luana Santos do Rosário 1 Anice Esteves Afonso 1 Rafael

Leia mais

A EXPANSÃO URBANA E AS CONSEQUÊNCIAS PARA CABECEIRAS DE DRENAGEM: UM ESTUDO DE CASO NAS NASCENTES DO CÓRREGO VERTENTE 1 UBERABA MG

A EXPANSÃO URBANA E AS CONSEQUÊNCIAS PARA CABECEIRAS DE DRENAGEM: UM ESTUDO DE CASO NAS NASCENTES DO CÓRREGO VERTENTE 1 UBERABA MG A EXPANSÃO URBANA E AS CONSEQUÊNCIAS PARA CABECEIRAS DE DRENAGEM: UM ESTUDO DE CASO NAS NASCENTES DO CÓRREGO VERTENTE 1 UBERABA MG Juliana Paula da Silva Rodrigues Universidade Federal de Goiás julianna_paula@hotmail.com

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE VALES INTRAMONTANOS DA SERRA DA BOCAINA, DIVISA ENTRE OS ESTADOS DO RIO DE JANEIRO E SÃO PAULO

CLASSIFICAÇÃO DE VALES INTRAMONTANOS DA SERRA DA BOCAINA, DIVISA ENTRE OS ESTADOS DO RIO DE JANEIRO E SÃO PAULO CLASSIFICAÇÃO DE VALES INTRAMONTANOS DA SERRA DA BOCAINA, Ferraz, D. 1 ; Cronemberg, F. 2 ; Vicens, R. 3 ; 1 UFF Email:debora.ferraz93@gmail.com; 2 UFF Email:felipecron@gmail.com; 3 UFF Email:rsvicens@gmail.com;

Leia mais

ANÁLISE MORFOMÉTRICA E GEOMORFOLÓGICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DA SALSA, LITORAL SUL DO ESTADO DA PARAÍBA/BRASIL

ANÁLISE MORFOMÉTRICA E GEOMORFOLÓGICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DA SALSA, LITORAL SUL DO ESTADO DA PARAÍBA/BRASIL ANÁLISE MORFOMÉTRICA E GEOMORFOLÓGICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DA SALSA, LITORAL SUL DO ESTADO DA PARAÍBA/BRASIL RESUMO Barbosa, Mª E. F. Nascimento, J. J de S. Furrier, M. Departamento de Geociências

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI Grizio-orita, E.V. 1 ; Souza Filho, E.E. 2 ; 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Email:edineia_grizio@hotmail.com; 2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

Leia mais

Definiu-se como área de estudo a sub-bacia do Ribeirão Fortaleza na área urbana de Blumenau e um trecho urbano do rio Itajaí-açú (Figura 01).

Definiu-se como área de estudo a sub-bacia do Ribeirão Fortaleza na área urbana de Blumenau e um trecho urbano do rio Itajaí-açú (Figura 01). Relatório Trimestral 1 RELATÓRIO TRIMESTRAL BOLSISTA/PESQUISADOR: LUCAS DA SILVA RUDOLPHO 1. APRESENTAÇÃO As atividades apresentadas a seguir foram desenvolvidas como etapas do projeto: DEFINIÇÃO DE CRITÉRIOS

Leia mais

MAPEAMENTO DA SUSCETIBILIDADE E PERIGO DE INUNDAÇÃO EM ROSÁRIO DO SUL-RS. Anderson Augusto Volpato Sccoti 1 Daniel Junges Menezes 2 RESUMO

MAPEAMENTO DA SUSCETIBILIDADE E PERIGO DE INUNDAÇÃO EM ROSÁRIO DO SUL-RS. Anderson Augusto Volpato Sccoti 1 Daniel Junges Menezes 2 RESUMO MAPEAMENTO DA SUSCETIBILIDADE E PERIGO DE INUNDAÇÃO EM ROSÁRIO DO SUL-RS Anderson Augusto Volpato Sccoti 1 Daniel Junges Menezes 2 1 Universidade Federal de Santa Maria Departamento de Geociências asccoti@yahoo.com.br

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL REI (MG)

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL REI (MG) ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL REI (MG) Alan Cássio Campos 1 Julio Cezar Costa 1 Gabriel Pereira 1 E-mail: allancassiio@hotmail.com; juliocezar188@hotmail.com pereira@ufsj.edu.br

Leia mais

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo Análise da Paisagem Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo (análise do meio físico como subsídio para o planejamento territorial) Desastres naturais ocorridos no mundo e seus respectivos

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO E USO DO SOLO URBANO: ESTUDO DE CASO NA MICRO-BACIA CÓRREGO DO AVIÁRIO CURITIBA/PR

IMPERMEABILIZAÇÃO E USO DO SOLO URBANO: ESTUDO DE CASO NA MICRO-BACIA CÓRREGO DO AVIÁRIO CURITIBA/PR IMPERMEABILIZAÇÃO E USO DO SOLO URBANO: ESTUDO DE CASO NA Landolfi Teixeira de Carvalho, J.W. 1 ; de Oliveira, F. 2 ; 1 UFPR Email:ju_wlt@hotmail.com; 2 UFPR Email:foliveira@ufpr.br; RESUMO: O presente

Leia mais

RELATÓRIO. Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses

RELATÓRIO. Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses RELATÓRIO Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses 1 TRAGÉDIA ANUNCIADA! Após 6 meses decorridos da tragédia na Região Serrana em janeiro/2011, onde morreram mais de 900 pessoas,

Leia mais

Uso da terra na Área de Preservação Permanente do rio Paraíba do Sul no trecho entre Pinheiral e Barra do Piraí, RJ

Uso da terra na Área de Preservação Permanente do rio Paraíba do Sul no trecho entre Pinheiral e Barra do Piraí, RJ Uso da terra na Área de Preservação Permanente do rio Paraíba do Sul no trecho entre Pinheiral e Barra do Piraí, RJ Stephanie Freitas Couto de Magalhães Samara Salamene Tom Adnet Moura Viviane Costa Elias

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA Prof. Dr. Eng. Civil Adilson Pinheiro Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Departamento de Engenharia Civil UNIVERSIDADE

Leia mais

MUDANÇAS NO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES NOS RIOS SEMIÁRIDOS: ESTUDO NO RIO JAGUARIBE CEARÁ - BRASIL

MUDANÇAS NO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES NOS RIOS SEMIÁRIDOS: ESTUDO NO RIO JAGUARIBE CEARÁ - BRASIL MUDANÇAS NO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES NOS RIOS Andrade, J.H.R. 1 ; Maia, C.E. 2 ; Cavalcante, A.A. 3 ; Sousa, D.M.M. 4 ; 1 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMIÁRIDO - UFERSA Email:hamilton.meioambiente@yahoo.com.br;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Departamento de Ciências Geográficas Programa de Pós-Graduação em Geografia

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Departamento de Ciências Geográficas Programa de Pós-Graduação em Geografia UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Departamento de Ciências Geográficas Programa de Pós-Graduação em Geografia Disciplina: Tópicos Especiais em Geografia Física - Geomorfologia Fluvial. Professor: Osvaldo

Leia mais

CONDICIONANTES SOCIOAMBIENTAIS PARA A OCORRÊNCIA DE CATÁSTROFES NATURAIS NO ESTADO DO MARANHÃO

CONDICIONANTES SOCIOAMBIENTAIS PARA A OCORRÊNCIA DE CATÁSTROFES NATURAIS NO ESTADO DO MARANHÃO CONDICIONANTES SOCIOAMBIENTAIS PARA A OCORRÊNCIA DE CATÁSTROFES NATURAIS NO ESTADO DO MARANHÃO Feitosa, A.C. (DEGEO/NEPA-UFMA/SÃO LUÍS) RESUMO Os elementos e as interações do meio físico sempre influenciaram

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL

CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL Maria Francisca Jesus Lírio Ramalho Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Departamento de Geografia/Area Geomorfologia

Leia mais

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA A água é o mais abundante solvente natural que atua no sentido de desagregar, ou seja, fragmentar

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1. CONCEITUE HIDROLOGIA? Ciência que trata da água na terra, em relação a sua ocorrência, Circulação,

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO RIO PARAGUAI EM CÁCERES A PARTIR DE INDICADORES MORFOLÓGICOS, PANTANAL SUPERIOR BRASIL

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO RIO PARAGUAI EM CÁCERES A PARTIR DE INDICADORES MORFOLÓGICOS, PANTANAL SUPERIOR BRASIL DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO RIO PARAGUAI EM CÁCERES A PARTIR DE Ferreira Santana, M. 1 ; Appolari, B.P. 2 ; Leocádio de Oliveira, J. 3 ; Lourenço Alves da Silva, J. 4 ; dos Santos Leandro, G.R. 5 ; dos Santos,

Leia mais

Riacho Riachão do Natal, Piauí: dinâmica fluvial e análise morfométrica

Riacho Riachão do Natal, Piauí: dinâmica fluvial e análise morfométrica Riacho Riachão do Natal, Piauí: dinâmica fluvial e análise morfométrica Leilson Alves dos Santos Iracilde Maria de Moura Fé Lima Bartira Araújo da Silva Viana 1 Instituto Federal de Educação, Ciência e

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO Uhênia Caetano PEREIRA Universidade Federal de Goiás (uhenea@hotmail.com) Cláudia Valéria LIMA

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG)

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG) Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental Sistema de Informações Geográficas Aplicado à Recursos Hídricos Sistema de Informações Geográficas Avaliação da

Leia mais

ANÁLISES DA DINÂMICA FLUVIAL DO RIO IMBOAÇU SÃO GONÇALO RJ BRASIL: REFLEXÕES SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

ANÁLISES DA DINÂMICA FLUVIAL DO RIO IMBOAÇU SÃO GONÇALO RJ BRASIL: REFLEXÕES SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL 1 ANÁLISES DA DINÂMICA FLUVIAL DO RIO IMBOAÇU SÃO GONÇALO RJ BRASIL: REFLEXÕES SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Beray Armond 1(*), Núbia; Borba Morelli 1, Rafaela de Cássia; Saraiva 1, Felipe; Brandão, Rafael

Leia mais

ESTUDO DA DINÂMICA EROSIVA DO RIO ACRE NA ÁREA URBANA DE BRASILÉIA-ACRE: RISCOS GEOMORFOLÓGICOS NA FRONTEIRA BRASIL- BOLÍVIA

ESTUDO DA DINÂMICA EROSIVA DO RIO ACRE NA ÁREA URBANA DE BRASILÉIA-ACRE: RISCOS GEOMORFOLÓGICOS NA FRONTEIRA BRASIL- BOLÍVIA ESTUDO DA DINÂMICA EROSIVA DO RIO ACRE NA ÁREA URBANA DE BRASILÉIA-ACRE: RISCOS GEOMORFOLÓGICOS NA FRONTEIRA BRASIL- Almeida, L. 1 ; Santos, W.L. 2 ; Arcos, F.O. 3 ; 1 UFAC Email:ane_almeidasantos@hotmail.com;

Leia mais

RECONSTITUIÇÃO DAS ALTERAÇÕES EM CANAIS FLUVIAIS URBANIZADOS COM BASE NA CARTOGRAFIA HISTÓRICA: BACIA DOS RIOS GUAXINDIBA/ALCÂNTARA (RJ)

RECONSTITUIÇÃO DAS ALTERAÇÕES EM CANAIS FLUVIAIS URBANIZADOS COM BASE NA CARTOGRAFIA HISTÓRICA: BACIA DOS RIOS GUAXINDIBA/ALCÂNTARA (RJ) RECONSTITUIÇÃO DAS ALTERAÇÕES EM CANAIS FLUVIAIS Damasco, F.S. 1 ; Cunha, S.B. 2 ; 1 IBGE/PPGG-UFF Email:fernandodamasco@id.uff.br; 2 PPGG-UFF/CNPQ Email:sandracunha@openlink.com.br; RESUMO: O presente

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM Serviço Geológico do Brasil CPRM LEVANTAMENTO DE ÁREAS DE RISCO ALTO E MUITO ALTO A DESLIZAMENTOS E INUNDAÇÕES NO ESTADO DO PARANÁ Pedro Augusto dos Santos Pfaltzgraff Maria Emilia R. Brenny Obje8vos:

Leia mais

HIDROLOGIA AULA 02. 5 semestre - Engenharia Civil. Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br

HIDROLOGIA AULA 02. 5 semestre - Engenharia Civil. Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br HIDROLOGIA AULA 02 5 semestre - Engenharia Civil Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br 1. Bacia hidrográfica DEFINIÇÃO É a área de captação natural dos fluxos de água originados a partir da

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO DO RELEVO DE ANÁPOLIS (GO) COM BASE NA INTENSIDADE DA DISSECAÇÃO

COMPARTIMENTAÇÃO DO RELEVO DE ANÁPOLIS (GO) COM BASE NA INTENSIDADE DA DISSECAÇÃO COMPARTIMENTAÇÃO DO RELEVO DE ANÁPOLIS (GO) COM BASE NA INTENSIDADE DA DISSECAÇÃO Alessandro de Araújo Cardoso 1,4, Erivelton Campos Cândido 2,4, Daisy Luzia Caetano do Nascimento 2,4, Homero Lacerda 3,4

Leia mais

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO A AGÊNCIA PERNAMBUCANA DE ÁGUAS E CLIMA APAC, de acordo com o Plano Hidroambiental da Bacia do Rio Capibaribe, está recebendo manifestações

Leia mais

ANTROPIZAÇÃO NO BAIRRO DA GLÓRIA E IMPACTOS AMBIENTAIS ASSOCIADOS

ANTROPIZAÇÃO NO BAIRRO DA GLÓRIA E IMPACTOS AMBIENTAIS ASSOCIADOS ANTROPIZAÇÃO NO BAIRRO DA GLÓRIA E IMPACTOS AMBIENTAIS ASSOCIADOS Roberto Epifânio Lessa beto.lessa.epifanio@hotmail.com /Bolsista FAPEAM Márcia Regina Albuquerque Alves marciaregina.geo@gmail.com /Bolsista

Leia mais

26º. Encontro Técnico AESABESP DIAGNÓSTICO DAS CONDIÇÕES DE SANEAMENTO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE MACAPÁ- AP.

26º. Encontro Técnico AESABESP DIAGNÓSTICO DAS CONDIÇÕES DE SANEAMENTO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE MACAPÁ- AP. 26º. Encontro Técnico AESABESP Izanilde Barbosa da Silva Elivania Silva de Abreu DIAGNÓSTICO DAS CONDIÇÕES DE SANEAMENTO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE MACAPÁ- AP. São Paulo-SP INTRODUÇÃO O Brasil é um pais

Leia mais

Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal.

Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal. Capítulo Controle de Enchentes e Inundações 10 1. DEFINIÇÃO Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE AUDIÊNCIA PÚBLICA - ESTUDOS TÉCNICOS MACRODRENAGEM E APP S EM ÁREAS URBANA CONSOLIDADA PROPOSTA DE CONDICIONANTES E RESTRIÇÕES

Leia mais

ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO).

ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO). ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO). Maria de Lourdes Gomes Guimarães 1,3 ; Homero Lacerda 2,3 1 Voluntária de Iniciação Científica PVIC/UEG 2 Pesquisador Orientador

Leia mais

Para entender melhor como os alagamentos no bairro afetam a população local e quais os fatores responsáveis direta ou indiretamente por esses

Para entender melhor como os alagamentos no bairro afetam a população local e quais os fatores responsáveis direta ou indiretamente por esses INTRODUÇÃO A medida em que a cidade cresce durante o processo de expansão urbana, as pessoas mais pobres são expulsas dos centros e das áreas nobres da cidade e de maneira induzida são direcionadas a novos

Leia mais

hidrográficas estão separadas por uma linha que une pontos de maior altitude, o interflúvio ou divisor d água

hidrográficas estão separadas por uma linha que une pontos de maior altitude, o interflúvio ou divisor d água HIDROGRAFIA Águas Continentais Como vimos, a maior parte da água doce do planeta encontra-se congelada na forma de geleiras, nas regiões polares, nos aqüíferos ou nos cumes das altas montanhas. Resta,

Leia mais

IMPACTOS DE ATIVIDADES DE MINERAÇÃO NA DINÂMICA FLUVIAL DO RIO ARAQUÁ (SÃO PEDRO SP)

IMPACTOS DE ATIVIDADES DE MINERAÇÃO NA DINÂMICA FLUVIAL DO RIO ARAQUÁ (SÃO PEDRO SP) IMPACTOS DE ATIVIDADES DE MINERAÇÃO NA DINÂMICA FLUVIAL DO Ribeiro, D.F. 1 ; Cunha, C.M.L. 2 ; 1 UNESP Email:dani_ferry@msn.com; 2 UNESP Email:cenira@rc.unesp.br; RESUMO: As atividades mineradoras causam

Leia mais

APLICAÇÃO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO AO GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

APLICAÇÃO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO AO GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS APLICAÇÃO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO AO GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS MESSIAS, M ; Programa de Pós Graduação em Geociências Mestrado - UFF, Outeiro de São João Batista, s/nº - 5º andar Centro, Niterói

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Recursos Hídricos na Região Sudeste: Segurança Hídrica, Riscos, Impactos e Soluções São Paulo, 20-21 de novembro de 2014 Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Rhama Consultoria Ambiental

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DAS ANOMALIAS DE DRENAGEM DA CARTA TOPOGRÁFICA DE RIO BOM PR. Danieli Barbosa Araújo 1 Karine Bueno Vargas²

CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DAS ANOMALIAS DE DRENAGEM DA CARTA TOPOGRÁFICA DE RIO BOM PR. Danieli Barbosa Araújo 1 Karine Bueno Vargas² CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DAS ANOMALIAS DE DRENAGEM DA CARTA TOPOGRÁFICA DE RIO BOM PR Danieli Barbosa Araújo 1 Karine Bueno Vargas² 1. INTRODUÇÃO As bacias hidrográficas e consequentemente suas redes hidrográficas

Leia mais

LINHA DE PESQUISA: DINÂMICAS DA NATUREZA

LINHA DE PESQUISA: DINÂMICAS DA NATUREZA Clima urbano e qualidade socioambiental Margarete Cristiane de Costa Trindade Amorim João Lima Sant Anna Neto Este projeto tem como objetivo identificar como se processa a produção do clima urbano em cidades

Leia mais

A CHEIA DO RIO NEGRO EM MANAUS E SEUS IMPACTOS NO CENTRO E NA PONTA NEGRA EM 2009

A CHEIA DO RIO NEGRO EM MANAUS E SEUS IMPACTOS NO CENTRO E NA PONTA NEGRA EM 2009 A CHEIA DO RIO NEGRO EM MANAUS E SEUS IMPACTOS NO CENTRO E NA PONTA NEGRA EM 2009 1. INTRODUÇÃO Diego Lopes Morais 1 1 Graduando em Geografia / Universidade do Estado do Amazonas - UEA Instituto Nacional

Leia mais

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP 361 MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP Andressa Mastroldi Ferrarezi, Arlete Maria Francisco Curso de Arquitetura e Urbanismo; Departamento de Planejamento,

Leia mais

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Associação Brasileira de Recursos Hídricos Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Vladimir Caramori CTEC/UFAL Fortaleza, novembro de 2010 Gestão das águas urbanas Tema complexo reconhecido

Leia mais

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares Erosão e Voçorocas Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares O que é erosão? A erosão caracteriza-se pela abertura de enormes buracos no chão pela

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DINÂMICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO PITO ACESO EM BOM JARDIM RJ

AVALIAÇÃO DA DINÂMICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO PITO ACESO EM BOM JARDIM RJ AVALIAÇÃO DA DINÂMICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO PITO ACESO EM BOM JARDIM RJ Távora, G.S.G. (UFF) ; Rangel, L.A. (UFRJ) RESUMO A atividade agrícola é uma das principais atividades econômicas responsáveis

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA Hogana Sibilla Soares Póvoas Bolsista do PET Solos Universidade Estadual de Santa Cruz hogana_sibila@hotmail.com Ednice de Oliveira Fontes Universidade

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO FÁBIO VIEIRA MARTINS Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP fabio.vieirageo@hotmail.com

Leia mais

A PRODUÇÃO DO ESPAÇO E OS PROBLEMAS AMBIENTAIS OCASIONADOS POR INUNDAÇÕES URBANAS NO RIO MARANGUAPINHO: O BAIRRO HENRIQUE JORGE, FORTALEZA- CE.

A PRODUÇÃO DO ESPAÇO E OS PROBLEMAS AMBIENTAIS OCASIONADOS POR INUNDAÇÕES URBANAS NO RIO MARANGUAPINHO: O BAIRRO HENRIQUE JORGE, FORTALEZA- CE. A PRODUÇÃO DO ESPAÇO E OS PROBLEMAS AMBIENTAIS OCASIONADOS POR INUNDAÇÕES URBANAS NO RIO MARANGUAPINHO: O BAIRRO HENRIQUE JORGE, FORTALEZA- CE. Karinne Wendy Santos de Menezes Universidade Estadual do

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES.

AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES. AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES. Taynara Messias Pereira da Cunha Universidade Católica de Brasília, graduanda em Engenharia Ambiental. Com experiência em resíduos

Leia mais

Estudo da Delimitação por MDE de Ottobacias de Cursos de Água da Sub-Bacia 63 Visando o Cálculo de Perímetro e Área de Drenagem

Estudo da Delimitação por MDE de Ottobacias de Cursos de Água da Sub-Bacia 63 Visando o Cálculo de Perímetro e Área de Drenagem Estudo da Delimitação por MDE de Ottobacias de Cursos de Água da Sub-Bacia 63 Visando o Cálculo de Perímetro e Área de Drenagem RESUMO FRANCISCO F. N. MARCUZZO SGB / CPRM Ministério de Minas e Energia

Leia mais

PERÍCIA AMBIENTAL E MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1. Paulo Nobukuni

PERÍCIA AMBIENTAL E MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1. Paulo Nobukuni 1 PERÍCIA AMBIENTAL E MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1 Paulo Nobukuni RESUMO: O objetivo foi tratar sobre elementos da perícia ambiental como mobilizadores sociais, ocorrendo o estudo em trechos inundáveis da bacia

Leia mais

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte Tabela 1 Tema Dado Atributo Fonte 1. Base Cartográfica Básica a. Limites municipais b. Limites Distritais c. Localidades d. Rodovias e Ferrovias d. Rodovias e Ferrovias e. Linhas de Transmissão f. Estações

Leia mais

BACIA HIDROGRÁFICA OU BACIA DE DRENAGEM

BACIA HIDROGRÁFICA OU BACIA DE DRENAGEM BACIA HIDROGRÁFICA OU BACIA DE DRENAGEM Constituída pelo conjunto de superfícies que, através de canais e tributários, drenam a água da chuva, sedimentos e substâncias dissolvidas para um canal principal

Leia mais

GROSSO Email:vinicius.k99@gmail.com; GROSSO Email:celiaalvesgeo@globo.com; GROSSO Email:jennyfercarla18@gmail.com;

GROSSO Email:vinicius.k99@gmail.com; GROSSO Email:celiaalvesgeo@globo.com; GROSSO Email:jennyfercarla18@gmail.com; CARACTERIZAÇÃO MORFOLÓGICA E SEDIMENTOLÓGICA DO RIO PARAGUAI, NO SEGMENTO ENTRE A FOZ DO CÓRREGO JACOBINA A FOZ. Neves da Silva, V. 1 ; Alves de Souza, C. 2 ; Ferraz Bühler, B. 3 ; Carla de Almeida, J.

Leia mais

BACIA DO RIO DAS VELHAS

BACIA DO RIO DAS VELHAS BACIA DO RIO DAS VELHAS A bacia hidrográfica do rio das Velhas está localizada na região central do estado de Minas Gerais, entre as coordenadas 17 o 15 e 20 o 25 S - 43 o 25 e 44 o 50 W, apresentando

Leia mais

Juliana Aurea Uber, Leonardo José Cordeiro Santos. Introdução

Juliana Aurea Uber, Leonardo José Cordeiro Santos. Introdução ANÁLISE COMPARATIVA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS SAGRADO E MARUMBI: PRINCIPAIS CONDICIONANTES FÍSICOS PREDOMINANTES NA OCORRÊNCIA DE MOVIMENTOS DE MASSA¹ Universidade Federal do Paraná (UFPR) Juliana

Leia mais

I Revisão do. Caracterização biofísica. Leiria

I Revisão do. Caracterização biofísica. Leiria I Revisão do Plano Director Municipal de Caracterização biofísica Leiria Volume II 2004 1. ECOZONAS Ao percorrer o concelho de Leiria de Norte para Sul e de Este para Oeste a paisagem varia. Uma imagem

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MORFOMÉTRICA DO MÉDIO E BAIXO CURSO DO RIO ACARAÚ-CEARÁ-BRASIL

CARACTERIZAÇÃO MORFOMÉTRICA DO MÉDIO E BAIXO CURSO DO RIO ACARAÚ-CEARÁ-BRASIL CARACTERIZAÇÃO MORFOMÉTRICA DO MÉDIO E BAIXO CURSO DO RIO ACARAÚ-CEARÁ-BRASIL SUCUPIRA, P.A.P. 1 Mestre em Geografia, Universidade Estadual do Ceará UECE, psucupira@gmail.com PINHEIRO, L. DE S. 2 Prof

Leia mais

G-Évora: Análise exploratória de relações espaciais na construção de um modelo geográfico de escoamento superficial. Marco Freire Nuno de Sousa Neves

G-Évora: Análise exploratória de relações espaciais na construção de um modelo geográfico de escoamento superficial. Marco Freire Nuno de Sousa Neves G-Évora: Análise exploratória de relações espaciais na construção de um modelo geográfico de escoamento superficial Marco Freire Nuno de Sousa Neves A gestão dos recursos naturais requer um conhecimento

Leia mais

MACRO CAPTURA FLUVIAL NO NORDESTE DO PLANALTO CENTRAL: RESULTADOS PRELIMINARES

MACRO CAPTURA FLUVIAL NO NORDESTE DO PLANALTO CENTRAL: RESULTADOS PRELIMINARES MACRO CAPTURA FLUVIAL NO NORDESTE DO PLANALTO CENTRAL: Cherem, L.F.S. 1 ; Zancopé, M.H.C. 2 ; Bayer, M. 3 ; 1 UFG Email:luis.cherem@gmail.com; 2 UFG Email:zancope@terra.com.br; 3 UFG Email:maxibayer@yahoo.com.ar;

Leia mais

ANÁLISES DA DINÂMICA FLUVIAL DO RIO IMBOAÇU (São Gonçalo, RJ): um enfoque a partir da consciência ambiental

ANÁLISES DA DINÂMICA FLUVIAL DO RIO IMBOAÇU (São Gonçalo, RJ): um enfoque a partir da consciência ambiental ANÁLISES DA DINÂMICA FLUVIAL DO RIO IMBOAÇU (São Gonçalo, RJ): um enfoque a partir da consciência ambiental Anice Esteves Afonso 1 ; Felipe Saraiva Rodrigues ; Núbia Beray Armond ; Rafael Pereira Brandão

Leia mais

BACIA DO ALTO PARAGUAI: DESENVOLVIMENTO URBANO E MUDANÇA MORFOLÓGICA E SEDIMENTOLÓGICA NO CÓRREGO JUNCO EM CÁCERES MATO GROSSO

BACIA DO ALTO PARAGUAI: DESENVOLVIMENTO URBANO E MUDANÇA MORFOLÓGICA E SEDIMENTOLÓGICA NO CÓRREGO JUNCO EM CÁCERES MATO GROSSO BACIA DO ALTO PARAGUAI: DESENVOLVIMENTO URBANO E MUDANÇA MORFOLÓGICA E SEDIMENTOLÓGICA NO CÓRREGO JUNCO EM CÁCERES Cruz, J.S. 1 ; Souza, C.A. 2 ; Santos, M. 3 ; Paula, W.C.S. 4 ; 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO

Leia mais

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Segurança hídrica - Declaração Ministerial do 2o Fórum Mundial da Água, 2001 Acesso físico e econômico à água em quantidade e qualidade suficiente

Leia mais

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos (Unidade de Tratamento e Processamento de Gás Monteiro Lobato UTGCA) 3º Relatório Semestral Programa de Monitoramento

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS EM ÁREA DE RIO SÃO FRANCISCO, PETROLINA PE.

IMPACTOS AMBIENTAIS EM ÁREA DE RIO SÃO FRANCISCO, PETROLINA PE. IMPACTOS AMBIENTAIS EM ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL URBANA, MARGEM DO RIO SÃO FRANCISCO, PETROLINA PE. Profa. Miriam Cleide Amorim Universidade Federal do Vale do São Francisco Campus Juazeiro, BA INTRODUÇÃO

Leia mais

Gestão das Águas urbanas e a Drenagem

Gestão das Águas urbanas e a Drenagem Gestão das Águas urbanas e a Drenagem Carlos E. M. Tucci Instituto de Pesquisas Hidráulicas UFRGS Porto Alegre-RS Brasil Conteúdo Desenvolvimento urbano e a fonte de impacto na gestão das águas As fases

Leia mais

MODIFICAÇÕES AMBIENTAIS PROVOCADAS PELA URBANIZAÇÃO

MODIFICAÇÕES AMBIENTAIS PROVOCADAS PELA URBANIZAÇÃO MODIFICAÇÕES AMBIENTAIS PROVOCADAS PELA URBANIZAÇÃO Carmynie Barros e Xavier¹ ¹Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Leia mais

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Material de apoio do Extensivo 1. (UNIOESTE) O relevo apresenta grande diversidade de formas que se manifestam, ao longo do tempo e do espaço,

Leia mais

Mapeamento da evolução dos usos e coberturas das terras na bacia do ribeirão das Anhumas Campinas (SP)

Mapeamento da evolução dos usos e coberturas das terras na bacia do ribeirão das Anhumas Campinas (SP) Mapeamento da evolução dos usos e coberturas das terras na bacia do ribeirão das Anhumas Campinas (SP) Samuel Fernando Adami 1 Francisco de Paula Nogueira 1 Jener Fernando Leite de Moraes 1 1 Instituto

Leia mais

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO PERGUNTAS BÁSICAS 1. O QUE E COMO OCORRE: Processos 2. ONDE OCORREM OS PROBLEMAS: Mapeamento 3. QUANDO OCORREM OS PROBLEMAS: Correlação, monitoramento 4.

Leia mais

Adensamento do tecido urbano e drenagem de águas pluviais Arquiteto Prof. Nestor Goulart Reis

Adensamento do tecido urbano e drenagem de águas pluviais Arquiteto Prof. Nestor Goulart Reis Adensamento do tecido urbano e drenagem de Arquiteto Prof. Nestor Goulart Reis Enchentes, no campo, são problemas naturais. Em áreas urbanas, são problemas sociais Nosso primeiro objetivo: origem dos problemas.

Leia mais

Ações Integradas em Microbacias Hidrográficas

Ações Integradas em Microbacias Hidrográficas Ações Integradas em Microbacias Hidrográficas Valdemir Antonio Rodrigues Luiza Zulian Pinheiro Guilherme Toledo Bacchim 4º Simpósio Internacional de Microbacias - FCA-UNESP - FEPAF- 2013. 11p. 1º Paisagem

Leia mais

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO Thalyta Lopes Rego Mestranda em Geografia, Universidade Federal de Goiás Instituto de

Leia mais

A contribuição da geomorfologia no estudo dos recursos hídricos

A contribuição da geomorfologia no estudo dos recursos hídricos A contribuição da geomorfologia no estudo dos recursos hídricos Antonio José Teixeira Guerra * Resumo Este artigo enfoca o papel da Geomorfologia nos recursos hídricos, considerando a Geomorfologia como

Leia mais

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil PLANEJAMENTO URBANO O planejamento urbano é o processo de

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FISIOGRÁFICA DA BACIA DO RIO DO PEIXE EMPREGANDO SIG (SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS)

CARACTERIZAÇÃO FISIOGRÁFICA DA BACIA DO RIO DO PEIXE EMPREGANDO SIG (SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS) Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 CARACTERIZAÇÃO FISIOGRÁFICA DA BACIA DO RIO DO PEIXE EMPREGANDO SIG (SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS) Fernando Angelo Couto Cardoso (*), Deborah Luiza Poletto de Paula,

Leia mais

Alterações ambientais em decorrência do processo de urbanização acelerada na bacia hidrográfica do Rio Jacaré, Niterói - RJ

Alterações ambientais em decorrência do processo de urbanização acelerada na bacia hidrográfica do Rio Jacaré, Niterói - RJ Alterações ambientais em decorrência do processo de urbanização acelerada na bacia hidrográfica do Rio Jacaré, Niterói - RJ Juliana Vasconcellos Baptista 1 Vladimir da Franca Fernandes 2 1 Geógrafa - Esp.

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 5 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Cap5 Plano Diretor de Águas Pluviais A gestão das águas pluviais dentro do município

Leia mais

Morfologia do Terreno

Morfologia do Terreno Conferência Internacional ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL CONCEITOS E DELIMITAÇÃO Auditório da Torre do Tombo, 22 de Novembro de 2013 Morfologia do Terreno Natália Cunha Manuela Raposo Magalhães Maria Manuela

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof. Claudimar Fontinele

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof. Claudimar Fontinele Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras Prof. Claudimar Fontinele BACIA HIDROGRÁFICA Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO USO E COBERTURA DA TERRA POR DOMÍNIOS GEOMORFOLÓGICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO JOÃO - RIO DE JANEIRO

DISTRIBUIÇÃO DO USO E COBERTURA DA TERRA POR DOMÍNIOS GEOMORFOLÓGICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO JOÃO - RIO DE JANEIRO DISTRIBUIÇÃO DO USO E COBERTURA DA TERRA POR DOMÍNIOS GEOMORFOLÓGICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO JOÃO - RIO Oliveira, P.M.F. 1 ; Silveira, J.L.C. 2 ; Seabra, V.S. 3 ; 1 UERJ-FFP Email:pris.mathias@hotmail.com;

Leia mais

ANÁLISE GEOGRÁFICA DAS ÁREAS DE RISCO EM MANAUS (AMAZONAS, BRASIL)

ANÁLISE GEOGRÁFICA DAS ÁREAS DE RISCO EM MANAUS (AMAZONAS, BRASIL) ANÁLISE GEOGRÁFICA DAS ÁREAS DE RISCO EM MANAUS (AMAZONAS, BRASIL) Karla Regina Mendes Cassiano Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia karlamendes@inpa.gov.br Reinaldo Corrêa Costa Instituto Nacional

Leia mais

USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO RESERVATÓRIO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TOMBOS (MG)

USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO RESERVATÓRIO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TOMBOS (MG) USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO Calderano Filho, B. 1 ; Carvalho Junior, W. 2 ; Prado, R.B. 3 ; Calderano, S.B. 4 ; 1 EMBRAPA - CNPS Email:braz.calderano@embrapa.br; 2 EMBRAPA- CNPS Email:waldir.carvalho@embrapa.br;

Leia mais

Laudo Técnico Ambiental

Laudo Técnico Ambiental E-MAIL: tnm_1984@hotmail.com Laudo Técnico Ambiental Atendimento a Notificação Nº 104/2013 Laudo Anual para Atender as exigências da Lei nº 4.123 de 04 de maio de 2007. Ano de referência: 2012 Valinhos

Leia mais

DADOS SOBRE ESTE RECURSO EM ZONA RURAL

DADOS SOBRE ESTE RECURSO EM ZONA RURAL 1 1 AS NASCENTES E OS NOSSOS RIOS: IMPORTÂNCIA DE LEVANTAR DADOS SOBRE ESTE RECURSO EM ZONA RURAL Neuma Rubia Figueiredo Santana Email: rubia.aguas@gmail.com Ana Karina Santana Martins Email: bionarika@yahoo.com.br

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS ORIUNDOS DA IMPLANTAÇÃO DE LOTEAMENTOS: O CASO DO NOVA ITUIUTABA II E IV.

IMPACTOS AMBIENTAIS ORIUNDOS DA IMPLANTAÇÃO DE LOTEAMENTOS: O CASO DO NOVA ITUIUTABA II E IV. IMPACTOS AMBIENTAIS ORIUNDOS DA IMPLANTAÇÃO DE Silva, J.V.F. 1 ; Miyazaki, L.C.P. 2 ; 1 UFU/FACIP Email:joaovictorfs14@yahoo.com; 2 UFU/FACIP Email:lecpgeo@gmail.com; RESUMO: O objetivo deste trabalho

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOTECNOLOGIAS PARA ANÁLISE DOS PROBLEMAS AMBIENTAIS NA CIDADE DE TEFÉ - AM.

UTILIZAÇÃO DE GEOTECNOLOGIAS PARA ANÁLISE DOS PROBLEMAS AMBIENTAIS NA CIDADE DE TEFÉ - AM. UTILIZAÇÃO DE GEOTECNOLOGIAS PARA ANÁLISE DOS PROBLEMAS AMBIENTAIS NA CIDADE DE TEFÉ - AM. Amanda Caroline Cabral da Silva mandinha.geo.cabral@gmail.com Bolsista de iniciação científica PAIC/FAPEAM Grupo

Leia mais

SUMÁRIO I. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO... I 1

SUMÁRIO I. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO... I 1 SUMÁRIO VOLUME I I. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO... I 1 1.1.Informações Gerais... I 2 1.1.1.Órgão Empreendedor... I 2 1.1.2.Pessoa de Contato... I 2 1.1.3.Empresa Responsável pelo Licenciamento Ambiental...

Leia mais

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014 O USO DO GEOPROCESSAMENTO COMO APOIO AO DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO BOM RETIRO, JAÚ SP Fábio César Martins 1, Rafael Aleixo Braga 2, José Carlos Toledo Veniziani Junior 3 1 Tecnólogo

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Consultor do Banco Mundial São Paulo 4 a 6 de dezembro de 2012 1 Impactos Aumento da magnitude das vazões e da frequência de inundações; Aumento

Leia mais

www.concursovirtual.com.br

www.concursovirtual.com.br Geografia Professor Marcelo saraiva Principais Temas: Noções básicas de cartografia Natureza e meio ambiente no Brasil As atividades econômicas e a organização do espaço Formação Territorial e Divisão

Leia mais