ESTRUTURA E COMPOSIÇÃO DA ICTIOFAUNA DO MÉDIO RIO CASCA, BACIA DO (ALTO) RIO DOCE, MINAS GERAIS, BRASIL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTRUTURA E COMPOSIÇÃO DA ICTIOFAUNA DO MÉDIO RIO CASCA, BACIA DO (ALTO) RIO DOCE, MINAS GERAIS, BRASIL"

Transcrição

1 ESTRUTURA E COMPOSIÇÃO DA ICTIOFAUNA DO MÉDIO RIO CASCA, BACIA DO (ALTO) RIO DOCE, MINAS GERAIS, BRASIL Siqueira, R.C.; Oliveira Júnior, P.R.; Silveira, V.C; Melo, R S.; Teixeira, T.M.; Guedes, E.A; Sousa, V. M. Resumo: Estudos para a avaliação de impactos ambientais em rios são, tradicionalmente, focados em espécies de peixes de importância econômica ou migradoras. Este procedimento equivocado tem contribuído para o declínio de peixes nativos, em grande parte de pequeno porte, que requerem ambientes lóticos, mas que, não necessariamente, realizam longas migrações ou apresentam importância econômica. O presente trabalho teve por objetivo descrever os padrões de espaço temporal da diversidade da ictiofauna do médio rio Casca ao longo de quatro unidades geográficas do trecho longitudinal da drenagem, bem como realizar um inventário das espécies presentes na região. As campanhas de estudo da ictiofauna foram realizadas trimestralmente durante um ano, em quatro pontos do médio rio Casca. Os peixes foram coletados com redes de emalhar de malhas 3, 4, 5, 6, 7, 8, 10 e 12 cm entre nós opostos e os dados obtidos foram tratados através dos índices: Shannon Wiener, Pielou, Jackknife 1ª Ordem, Sorensen e Jaccard. Foram coletados na região 184 indivíduos distribuídos em quatorze espécies, dez famílias e quatro ordens, totalizando 37.65Kg de biomassa. Palavras-Chave: peixes; redes-de-emalhar; migrações; inventário. Introdução: O Brasil é considerado um país megadiverso em relação à fauna de peixes de água doce, fato relacionado à grande diversidade e ao tamanho de suas bacias hidrográficas. Além do grande número de espécies, muitas delas são endêmicas. Apesar de o país possuir uma vasta diversidade de peixes, várias regiões vêm apresentando uma significativa redução na diversidade de peixes nativos, principalmente pela degradação dos habitats, a pesca predatória e a introdução de espécies exóticas, que juntos provocam a desestruturação das comunidades ou até mesmo a extinção local de algumas espécies. Estudos para a avaliação de impactos ambientais em rios são, tradicionalmente, focados em espécies de peixes de importância econômica ou migradoras. Este procedimento equivocado tem contribuído para o declínio de peixes nativos, em grande parte de pequeno porte, que requerem ambientes lóticos, mas que, não necessariamente, realizam longas migrações ou apresentam importância econômica. O resultado desta visão simplificada tem sido o empobrecimento progressivo da ictiofauna em diversas bacias brasileiras, o que não tem se mostrado diferente na bacia do rio Doce (PIRH DOCE, 2007). Minas Gerais, pela sua posição geográfica, possui um sistema hidrográfico que abrange a maior parte das bacias brasileiras. Ao todo, são quinze bacias, das quais apenas duas (Paraíba do Sul e Tietê) não possuem suas nascentes dentro dos limites estaduais (DRUMOND et al., 2005). O estado abriga uma ictiofauna nativa estimada em 354 espécies, o que representa quase 7,9% das espécies de peixes de água doce encontradas no Brasil (REIS et al., 2003). Por representar 18% da capacidade geradora de energia elétrica no Brasil, Minas Gerais deve ter especial atenção no que se refere aos impactos ambientais ocasionados por esses empreendimentos (BRAGA & REZENDE, 2007). Dentre esses impactos, destacamse aqueles sobre a fauna aquática, em especial sobre a ictiofauna (COMASE, 1994).

2 A Bacia Hidrográfica do rio Doce apresenta uma significativa extensão territorial, abrangendo cerca de km², dos quais 86% pertencem ao estado de Minas Gerais e, o restante, ao estado do Espírito Santo, alcançando, total ou parcialmente, áreas de 228 municípios, sendo 202 em Minas Gerais e 26 no Espírito Santo (ANA, 2009). O rio Casca, objeto de estudo deste trabalho, possui suas nascentes nos municípios de Cajuri, Coimbra e Ervália, e é afluente pela margem direita do alto rio Doce. O principal objetivo deste estudo foi descrever os padrões espaço temporais da diversidade da ictiofauna do médio rio Casca ao longo de quatro unidades geográficas do trecho longitudinal da drenagem, bem como realizar um inventário das espécies presentes na região. Metodologia: As Campanhas de estudo da Ictiofauna foram realizadas trimestralmente durante um ano, em quatro pontos do médio rio Casca (Figura 01), a fim de se completar um ciclo hidrológico completo. As amostragens foram realizadas nos meses de Janeiro, Abril, Julho e Outubro de Nas quatro estações especificadas anteriormente, os peixes foram coletados com redes de emalhar de malhas 3, 4, 5, 6, 7, 8, 10 e 12 cm entre nós opostos. Esta amostragem é aqui definida como quantitativa. Nestas amostragens, as redes de emalhar foram armadas ao entardecer e retiradas na manhã do dia seguinte. O esforço (m² de redes) utilizado em cada estação foi padronizado, de modo a permitir comparações, tanto durante o estudo quanto futuramente. Foram empregados como forma qualitativa de obtenção de dados, outros artefatos de pesca (tarrafas, redes tipo picaré, redes de arrasto e peneiras). Os peixes capturados foram acondicionados em sacos plásticos, etiquetados, separados por estação, tipo de ambiente, artefato de pesca e malhas. Após este procedimento, todos os exemplares foram acondicionados em recipientes apropriados e fixados em formalina 10%. Em laboratório, todo o material foi lavado e conservado em solução de álcool etílico a 70 GL. Todos os exemplares capturados, através das redes de espera, foram identificados, etiquetados, pesados e medidos (comprimento padrão). Resultados e Discussão: Figura 01 Área de estudo Foram coletados na região 184 indivíduos, totalizando 37.65Kg de biomassa (tabela 01). Os peixes amostrados estão distribuídos em quatorze espécies, dez famílias e quatro ordens (Tabela 02), totalizando 21,87% das 64 espécies inventariadas para a porção mineira do Rio Doce. (DRUMMOND, 2005).

3 Tabela 01. Número de indivíduos e biomassa amostrados por campanha e por ponto. Número de Indivíduos por campanha/ponto Janeiro Abril Julho Outubro Total Peso Ponto Ponto Ponto Ponto Total Tabela 02. Lista de espécies de peixes registrados nas áreas amostradas. Ordem, família, espécie, nomes populares das espécies, área do registro (A1, A2, A3 e A4), registro que permitiu identificá-las, status nas listas vermelhas. Ordem Família Espécie Nome Popular A1 A2 A3 A4 Registro Status Characiformes Anostomidae Leporinus copelandi Piau Vermelho X X X X Coleta Não Ameaçado Characidae Astyanax bimaculatus Lambari X X X X Coleta Não Ameaçado Oligosarcus argenteus Bocarra X Coleta Não Ameaçado Erythrinidae Hoplias malabaricus Traíra X X X X Coleta Não Ameaçado Gymnotiformes Gymnotidae Gymnotus carapo Sarapó X X Coleta Não Ameaçado Siluriformes Auchenipteridae Parauchenipterus striatulus Cumbaca X Coleta Não Ameaçado Callichthyidae Hoplosternum littorale Tamboatá X Coleta Não Ameaçado Clariidae Clarias gariepinus Bagre Africano X Coleta Exótico Heptapteridae Rhamdia quelen Bagre X X X X Coleta Não Ameaçado Loricariidae Hypostomus affinis Cascudo X X X X Coleta Não Ameaçado Delturus carinotus Cascudo Laje X X Coleta Não Ameaçado Loricariichthys castaneus Cascudo viola X X X Coleta Não Ameaçado Perciformes Cichlidae Geophagus brasiliensis Acará X X X X Coleta Não Ameaçado Tilapia rendalli Tilápia X X Coleta Exótico As espécies mais abundantes foram Astyanax bimaculatus (Lambari), Hypostomus affinis (Cascudo) e Hoplias malabaricus (Traíra), (Figura 04). As duas espécies exóticas inventariadas na área de estudo não tiveram número significativo de indivíduos, sendo: Clarias gariepinus (Bagre Africano) e Tilapia rendalli (Tilápia) com 2 indivíduos cada, coletados na campanha 4, no mês de outubro. A família Loricaridae foi a que apresentou maior riqueza de espécies, 21% do total de espécies, seguida das famílias Characidae e Cichlidae, ambas com 14%.

4 Figura 02 Amostra dos exemplares coletados A comparação da similaridade mostrou que os pontos 1 e 2 apresentam maior similaridade. Os menores índices foram observados no ponto 4. O gráfico 01 mostra uma comparação entre o S-observado (curva do coletor) e o S- estimado (índice de Jackknife 1ª ordem) para cada amostra, formando a curva da eficiência amostral. A diversidade de espécies na região variou entre 1,4 e 1,99 (gráfico 02). O ponto 1 apresentou maior diversidade (1,99), e o ponto 4 (1,4) a menor. Gráfico 01 Curva do coletor Gráfico 02 Índice de Shannon-Wiener Gráfico 03 Índice de Equabilidade de Pielou Gráfico 02 Índices de Similaridade de Jaccard e Sorensen

5 Conclusão: As comparações entre as áreas amostrais, no que diz respeito à similaridade, diversidade e equabilidade, mostraram que o ponto (4) apresentou os menores valores, quando comparado com os demais pontos. Isso pode ser explicado pelo fato deste ponto estar inserido logo após os vilarejos de Águas Férreas e Vista Alegre, onde esses animais estão susceptíveis a poluição pelo esgoto doméstico, bem como à prática da pesca predatória. Os dados obtidos não podem ser considerados como o total da ictiofauna do rio Casca, por se tratar apenas de um ciclo hidrológico e ter sido amostrado somente um trecho do rio Casca. Esse número representa apenas o total das espécies estimadas para a metodologia e o esforço amostral utilizado. Agradecimentos: Agradeço a Deus por estar sempre presente em minha vida e aos meus colegas de trabalho da Vert Ambiental Consultoria e Projetos pelo apoio recebido. Referências: ANA Agência Nacional das Águas. Disponível em Acessado em 11 de janeiro de 2010 às 15:00. BRAGA, V. M. & REZENDE, J. L. P. Proteção legal das áreas de preservação permanente no entorno de hidrelétricas no Estado de Minas Gerais. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Lavras, Lavras, 87 p COMASE. Seminário Sobre Fauna Aquática e o Setor Elétrico Brasileiro: Reuniões Temáticas e Preparatórias. Comitê Coordenador das Atividades de Meio Ambiente do Setor Elétrico, Rio de Janeiro: Eletrobrás, 4 cadernos DRUMOND, M. M. et al,. Morfologia gonadal de piranhas e pirambebas (Characiformes, Serrasalminae) da represa de Três Marias, MG. In: XIX Jornada de Biologia. Resumos, Belo Horizonte: PUC Minas PIRH DOCE. Plano Integrado de Recursos Hídricos da Bacia do Rio Doce e dos Planos de Ações de Recursos Hídricos para as Unidades de Planejamento e Gestão de Recursos Hídricos no Âmbito da Bacia do Rio Doce CONSÓRCIO ECOPLAN LUME REIS, R. E. et al. Check list of the freshwater fishes of South and Central America. EDIPUCRS, Porto Alegre p

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO Centro de Hidráulica e Hidrologia Prof. Parigot de Souza RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ RELATÓRIO TÉCNICO Nº 44 2012 COORDENAÇÃO

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GIA 27 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XI GRUPO DE ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS GIA ESTUDO ICTIOFAUNÍSTICO PARA

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO Centro de Hidráulica e Hidrologia Prof. Parigot de Souza RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ RELATÓRIO TÉCNICO Nº 45 2013 COORDENAÇÃO

Leia mais

Projeto de apoio à revitalização do Rio dos Cochos, Januária MG.

Projeto de apoio à revitalização do Rio dos Cochos, Januária MG. Estudo da Fauna de Peixes do Rio dos Cochos e da Relação com a Comunidade em seu Entorno. Deborah Mattos Guimarães Apgaua¹; Paulo dos Santos Pompeu²; Áureo Eduardo Magalhães Ribeiro³ ¹Estudante de graduação

Leia mais

Bios Consultoria e Serviços Ambientais Ltda. MARÇO 2012 LAVRAS MG

Bios Consultoria e Serviços Ambientais Ltda. MARÇO 2012 LAVRAS MG 1 PLANO DE RESGATE DA ICTIOFAUNA NOS VÃOS DO VERTEDOURO PRINCIPAL DA UHE SANTO ANTÔNIO PARA CONSTRUÇÃO DAS OGIVAS FASE DE IMPLANTAÇÃO DA UHE SANTO ANTÔNIO, RIO MADEIRA/RO Bios Consultoria e Serviços Ambientais

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO Centro de Hidráulica e Hidrologia Prof. Parigot de Souza RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ RELATÓRIO TÉCNICO Nº 42 2012 COORDENAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO DO MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA DAS PCHS BOM JESUS DO GALHO E SUMIDOURO

RELATÓRIO DO MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA DAS PCHS BOM JESUS DO GALHO E SUMIDOURO RELATÓRIO DO MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA DAS PCHS BOM JESUS DO GALHO E SUMIDOURO CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. DATAS DAS COLETAS: 29 de agosto de 2011 e 28 de fevereiro de 2012 DATA DA EMISSÃO DO RELATÓRIO:

Leia mais

Licenciamento Ambiental para o Projeto de Duplicação Rodovia BR 163/MS

Licenciamento Ambiental para o Projeto de Duplicação Rodovia BR 163/MS Foto 01: Estação de coleta P01 localizada no rio Iguatemi no eixo Foto 02: Estação de coleta P01 localizada no rio Iguatemi no eixo Foto 03: Estação de coleta P02 localizada no rio Itaquiraí no eixo Foto

Leia mais

ESTUDOS ICTIOLÓGICOS E PESQUEIROS EM ÁGUAS INTERIORES DO RIO GRANDE DO NORTE

ESTUDOS ICTIOLÓGICOS E PESQUEIROS EM ÁGUAS INTERIORES DO RIO GRANDE DO NORTE ESTUDOS ICTIOLÓGICOS E PESQUEIROS EM ÁGUAS INTERIORES DO RIO GRANDE DO NORTE Dr. Rodrigo Silva da Costa (rdgcosta@ufersa.edu.br) Dr. José Luís Costa Novaes (novaes@ufersa.edu.br) Universidade Federal Rural

Leia mais

Peixes migradores do rio Uruguai: Monitoramento, ações de manejo e conservação

Peixes migradores do rio Uruguai: Monitoramento, ações de manejo e conservação Peixes migradores do rio Uruguai: Monitoramento, ações de manejo e conservação Prof. Evoy Zaniboni Filho, Dr. Departamento de Aqüicultura / CCA Universidade Federal de Santa Catarina Florianópolis, SC,

Leia mais

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DA ICTIOFAUNA USINA HIDRELÉTRICA SÃO SIMÃO

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DA ICTIOFAUNA USINA HIDRELÉTRICA SÃO SIMÃO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DA ICTIOFAUNA PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DA ICTIOFAUNA USINA HIDRELÉTRICA SÃO SIMÃO CONTRATO Nº 4570010988/510 ÁGUA E TERRA PLANEJAMENTO AMBIENTAL JULHO/2011 1 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO...

Leia mais

As Cabeceiras de um Rio que ainda não Morreu

As Cabeceiras de um Rio que ainda não Morreu As Cabeceiras de um Rio que ainda não Morreu Considerado morto dentro dos limites da cidade de São Paulo, o rio Tietê abriga a menos de 80 km do centro da capital espécies de peixes não descritas pela

Leia mais

Biodiversidade em Minas Gerais

Biodiversidade em Minas Gerais Biodiversidade em Minas Gerais SEGUNDA EDIÇÃO ORGANIZADORES Gláucia Moreira Drummond Cássio Soares Martins Angelo Barbosa Monteiro Machado Fabiane Almeida Sebaio Yasmine Antonini Fundação Biodiversitas

Leia mais

MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA

MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA MONITORAMETO DE ICTIOFAUNA NO RESERVATÓRIO E A JUSANTE DA UHE DE SÃO SIMÃO, RIO PARANAÍBA, BACIA DO PARANÁ RELATÓRIO ANUAL OUTUBRO / 2006 1 RESPONSABILIDADE TÉCNICA TECNEVES

Leia mais

Construção de um banco de dados da Ecorregião Xingu-Tapajós: organismos aquáticos, ênfase em ictiologia.

Construção de um banco de dados da Ecorregião Xingu-Tapajós: organismos aquáticos, ênfase em ictiologia. Construção de um banco de dados da Ecorregião Xingu-Tapajós: organismos aquáticos, ênfase em ictiologia. Rodrigo Braga da Rocha Villa Verde Bolsista de Iniciação Científica História, Universidade Federal

Leia mais

ESTRUTURA POULACIONAL DE H. ancistroides (Ihering, 1911) EM RIACHOS URBANOS NO MUNICIPIO DE TOLEDO, PARANA

ESTRUTURA POULACIONAL DE H. ancistroides (Ihering, 1911) EM RIACHOS URBANOS NO MUNICIPIO DE TOLEDO, PARANA ESTRUTURA POULACIONAL DE H. ancistroides (Ihering, 1911) EM RIACHOS URBANOS NO MUNICIPIO DE TOLEDO, PARANA 1* Thales Serrano Silva, 2 Tiago Debona, 3 Vinicius Valiente do Santos, 4 Ricardo Soni, 5 Éder

Leia mais

INVENTário da Ictiofauna do rio Santa catarina, bacia do Rio são francisco) no município de vazante, minas gerais

INVENTário da Ictiofauna do rio Santa catarina, bacia do Rio são francisco) no município de vazante, minas gerais ISSN 2236-3866 DOI: 10.7902/ecb.v4i1.53 Acesso livre em www.simposiodabiodiversidade.com.br/ecb 14 INVENTário da Ictiofauna do rio Santa catarina, bacia do Rio são francisco) no município de vazante, minas

Leia mais

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS.

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. BACIA HIDROGRÁFICA. É UMA REDE DE TERRAS DRENADAS POR UM RIO E SEUS PRINCIPAIS AFLUENTES.

Leia mais

A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco

A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco Antônio Thomaz Gonzaga da Matta Machado Projeto Manuelzão/UFMG Conceito de Revitalização Caráter técnico-científico Legislação

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG)

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG) Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental Sistema de Informações Geográficas Aplicado à Recursos Hídricos Sistema de Informações Geográficas Avaliação da

Leia mais

RELATÓRIO DE RESGATE DE ICTIOFAUNA DURANTE A PARADA PROGRAMADA DE MÁQUINAS (UG-01) - UHE SÃO JOSÉ - Empresa Executora:

RELATÓRIO DE RESGATE DE ICTIOFAUNA DURANTE A PARADA PROGRAMADA DE MÁQUINAS (UG-01) - UHE SÃO JOSÉ - Empresa Executora: RELATÓRIO DE RESGATE DE ICTIOFAUNA DURANTE A PARADA PROGRAMADA DE MÁQUINAS (UG-01) - UHE SÃO JOSÉ - Empresa Executora: Novembro de 2013. 1. INTRODUÇÃO Nos dias 25, 26 e 27 de novembro de 2013 foi realizado

Leia mais

Peixes do Rio Fruteiras (Bacia do Itapemirim): Na área de influência da PCH Fruteiras - EDP

Peixes do Rio Fruteiras (Bacia do Itapemirim): Na área de influência da PCH Fruteiras - EDP Peixes do Rio Fruteiras (Bacia do Itapemirim): Na área de influência da PCH Fruteiras - EDP Realização: ENERGEST - PCH Fruteiras Elaboração: Água Viva Coordenação do Projeto: Catálogo das Espécies de Peixes

Leia mais

BACIA DO RIO DAS VELHAS

BACIA DO RIO DAS VELHAS BACIA DO RIO DAS VELHAS A bacia hidrográfica do rio das Velhas está localizada na região central do estado de Minas Gerais, entre as coordenadas 17 o 15 e 20 o 25 S - 43 o 25 e 44 o 50 W, apresentando

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA ICTIOFAUNA E AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS AMBIENTAIS DE DUAS SUB-BACIAS DO BAIXO SOROCABA, SP.

CARACTERIZAÇÃO DA ICTIOFAUNA E AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS AMBIENTAIS DE DUAS SUB-BACIAS DO BAIXO SOROCABA, SP. CARACTERIZAÇÃO DA ICTIOFAUNA E AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS AMBIENTAIS DE DUAS SUB-BACIAS DO BAIXO SOROCABA, SP. Cruz, B. B. 1 ; Teshima, F. A. 1 ; Cetra, M. 1 ¹ Universidade federal de São Carlos, Campus Sorocaba.

Leia mais

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos (Unidade de Tratamento e Processamento de Gás Monteiro Lobato UTGCA) 3º Relatório Semestral Programa de Monitoramento

Leia mais

DESCRIÇÃO DO PESCADO NA BAIXADA MARANHENSE São Bento/MA

DESCRIÇÃO DO PESCADO NA BAIXADA MARANHENSE São Bento/MA DESCRIÇÃO DO PESCADO NA BAIXADA MARANHENSE São Bento/MA Resumo: Diego Carvalho Viana¹ Amilton Cesar dos Santos² Rennan Lopes Olio³ Luís Miguel Lobo 4 Carlos Eduardo Malavasi Bruno 5 Douglas de Jesus Soares

Leia mais

5º RELATÓRIO REFERENTE A 6ª CAMPANHA DE MONITORAMENTO DE ICTIOFAUNA DAS TERRAS INDÍGENAS DO RIO TIBAGI/PR

5º RELATÓRIO REFERENTE A 6ª CAMPANHA DE MONITORAMENTO DE ICTIOFAUNA DAS TERRAS INDÍGENAS DO RIO TIBAGI/PR 5º RELATÓRIO REFERENTE A 6ª CAMPANHA DE MONITORAMENTO DE ICTIOFAUNA DAS TERRAS INDÍGENAS DO RIO TIBAGI/PR Interessado: CONSÓRCIO ENERGÉTICO CRUZEIRO DO SUL CPF/CNPJ: 08.587.195 /0001-20 Município: Processo:

Leia mais

Gestão de Riscos e oportunidades relacionadas à Ictiofauna. Dezembro de 2011

Gestão de Riscos e oportunidades relacionadas à Ictiofauna. Dezembro de 2011 Gestão de Riscos e oportunidades relacionadas à Ictiofauna Dezembro de 2011 Consultas realizadas pelo Programa Peixe Vivo Foram realizadas várias consultas, no 2º semestre de 2007, à comunidade científica,

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 5

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 5 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 5 Bacias Hidrográficas de Minas Gerais O desenvolvimento dos recursos hídricos não pode ser visto dentro de um sistema limitado onde a complexidade dos usos múltiplos

Leia mais

LEVANTAMENTO HISTÓRICO AVALIATIVO DA BACIA DO RIO URUGUAI MÉDIO

LEVANTAMENTO HISTÓRICO AVALIATIVO DA BACIA DO RIO URUGUAI MÉDIO LEVANTAMENTO HISTÓRICO AVALIATIVO DA BACIA DO RIO URUGUAI MÉDIO Bolina, V. A. (1) ; Pessano, E. F. C. (1) ; Gralha, T. S. (1) ; Querol, M. V. (1) viniciusbolina@aol.com (1) Universidade Federal do Pampa

Leia mais

RELATÓRIO DO MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA DAS PCHS BOM JESUS DO GALHO E SUMIDOURO

RELATÓRIO DO MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA DAS PCHS BOM JESUS DO GALHO E SUMIDOURO RELATÓRIO DO MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA DAS PCHS BOM JESUS DO GALHO E SUMIDOURO CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. RELATÓRIO FINAL: 2010/2011 DATA DA COLETA: 03 de agosto/2010 e 25 de janeiro/2011 DATA

Leia mais

COMPOSIÇÃO ICTIOFAUNÍSTICA DO RIO DAS CINZAS BACIA DO RIO PARANAPANEMA, SÃO PAULO, BRASIL

COMPOSIÇÃO ICTIOFAUNÍSTICA DO RIO DAS CINZAS BACIA DO RIO PARANAPANEMA, SÃO PAULO, BRASIL COMPOSIÇÃO ICTIOFAUNÍSTICA DO RIO DAS CINZAS BACIA DO RIO PARANAPANEMA, SÃO PAULO, BRASIL Tiago Debona 1, Evelini Arsego 1, Vinicius Valiente dos Santos 1, Daniele Zaneratto Damasceno 2, Norberto Castro

Leia mais

MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA USINA HIDRELÉTRICA SÃO SIMÃO

MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA USINA HIDRELÉTRICA SÃO SIMÃO MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA RELATÓRIO 2007 USINA HIDRELÉTRICA SÃO SIMÃO Água e Terra Planejamento Ambiental Ltda. PATOS DE MINAS, MARÇO DE 2008. 1 RESPONSABILIDADE TÉCNICA Água e Terra Planejamento Ambiental

Leia mais

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A visão dos brasileiros O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água Dezembro, 2006 METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA ASGAM Assessoria de Gestão Ambiental Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos COGERH USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA Marcos Dantas Gestão Ambiental Pós-graduando em Biodiversidade e Sustentabilidade

Leia mais

INSTITUTO ESTADUAL DE FLORESTAS MG DIRETORIA DE BIODIVERSIDADE GERÊNCIA DE PROJETOS E PESQUISAS

INSTITUTO ESTADUAL DE FLORESTAS MG DIRETORIA DE BIODIVERSIDADE GERÊNCIA DE PROJETOS E PESQUISAS INSTITUTO ESTADUAL DE FLORESTAS MG DIRETORIA DE BIODIVERSIDADE GERÊNCIA DE PROJETOS E PESQUISAS MG.BIOTA Belo Horizonte v.2, n.5 dez./jan. 2009/2010 SUMÁRIO Editorial... Apresentação... Distribuição, impactos

Leia mais

Invasões Biológicas em Águas

Invasões Biológicas em Águas Invasões Biológicas em Águas Odete Rocha Laboratório rio de Limnologia Departamento de Ecologia e Biologia Evolutiva, Universidade Federal de São Carlos Biodiversidade em Águas Doces e a Invasão Biológica

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE ICTIOPLÂNCTON

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE ICTIOPLÂNCTON PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE ICTIOPLÂNCTON CONSÓRCIO AMBIENTAL ELETROSUL - IJUÍ ENERGIA 2º RELATÓRIO PARCIAL NOV-14/ABR-15 Rua Santos Dumont, 1515 - CEP: 38400-062 Bairro Lídice Uberlândia - MG Programa

Leia mais

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular]

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] Bacias hidrográficas do Brasil Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] A água doce corresponde a apenas 2,5% do volume da hidrosfera. O Brasil é bastante privilegiado

Leia mais

Processo de regulamentação para o repovoamento de peixes em bacias

Processo de regulamentação para o repovoamento de peixes em bacias Processo de regulamentação para o repovoamento de peixes em bacias hidrográficas brasileiras DBFLO/CGFAP/COOPE Rogério Inácio de Carvalho rogerio.carvalho@ibama.gov.br (61)3316-1703 Normas Ambientais Art.

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL Rod. Campinas Mogi-Mirim, km 2,5 Campinas. SP. Brasil. 13088-900 cpfl@cpfl.com.br www.cpfl.com.br CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL

Leia mais

Conservação da Ictiofauna na Bacia do Rio São Francisco

Conservação da Ictiofauna na Bacia do Rio São Francisco Conservação da Ictiofauna na Bacia do Rio São Francisco Carlos Bernardo Mascarenhas Alves Projeto Manuelzão - UFMG Roteiro da apresentação Aspectos gerais Plano Diretor de Recursos Hídricos Ictiofauna

Leia mais

PROJETO BICHOS DO PANTANAL Pesquisa ictiofauna julho/13 a setembro/13 PROJETO BICHOS DO PANTANAL

PROJETO BICHOS DO PANTANAL Pesquisa ictiofauna julho/13 a setembro/13 PROJETO BICHOS DO PANTANAL PROJETO BICHOS DO PANTANAL Pesquisa ictiofauna julho/13 a setembro/13 PROJETO BICHOS DO PANTANAL Mato Grosso - MT Julho/2013 a Setembro/2013 PROJETO BICHOS DO PANTANAL Pesquisa ictiofauna julho/13 a setembro/13

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD) TR GERAL

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD) TR GERAL Termo de Referência para Elaboração do Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD) TR GERAL ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS (PRAD) ATENÇÃO O DOCUMENTO DEVE CONTER,

Leia mais

Belo Horizonte ganha o maior aquário de água doce do Brasil - Publicadas - IBAMA - Instituto Brasileiro d

Belo Horizonte ganha o maior aquário de água doce do Brasil - Publicadas - IBAMA - Instituto Brasileiro d Belo Horizonte (08/03/2010) - Belo Horizonte ganhou na sexta-feira, dia 5, o maior aquário de água doce do Brasil. A Prefeitura, por meio da Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte (FZB-BH), inaugurou

Leia mais

O que é saneamento básico?

O que é saneamento básico? O que é saneamento básico? Primeiramente, começaremos entendendo o real significado de saneamento. A palavra saneamento deriva do verbo sanear, que significa higienizar, limpar e tornar habitável. Portanto,

Leia mais

Peixes e crustaceos Nativos da PVSuL

Peixes e crustaceos Nativos da PVSuL Peixes e crustaceos Nativos da PVSuL Alguns, encobertos pela água. Outros, ativos à noite. A maioria, raramente vista. Os peixes e crustáceos presentes no PV-Sul representam dois grupos de animais presentes

Leia mais

EIA/ RIMA - TERMINAL BRITES

EIA/ RIMA - TERMINAL BRITES 1. Identificação do empreendedor e Empresa Consultora 1 1 1 1 1.1 Identificação do empreendedor 1 1 1 1 CPEA 746 Brasil Intermodal Terminal Santos Terminal Brites Check List 5 1.2 Identificação da empresa

Leia mais

As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol

As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol Vice Presidente de Gestão e Assuntos Institucionais Resumo Planejamento das atividades de Infraestrutura de Saneamento

Leia mais

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE SIMULAÇÃO DA CAPACIDADE DE AUTODEPURAÇÃO EM DIFERENTES CENÁRIOS DE VAZÃO DE UM TRECHO DO RIO CACHOEIRA, SUL DA BAHIA. José Wildes Barbosa dos Santos; Neylor Alves Calasans Rêgo INTRODUÇÃO O forte crescimento

Leia mais

ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ

ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ 1. INTRODUÇÃO Otacílio Lopes de Souza da Paz Acadêmico de Geografia UFPR otacílio.paz@gmail.com

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros O que o brasileiro pensa sobre a conservação e o uso da água no Brasil METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para subsidiar o planejamento

Leia mais

ICTIOFAUNA DO BAIXO RIO MANHUAÇU (BACIA DO MÉDIO RIO DOCE) ICHTHYOFAUNA OF THE LOWER MANHUAÇU RIVER (MIDDLE DOCE RIVER BASIN)

ICTIOFAUNA DO BAIXO RIO MANHUAÇU (BACIA DO MÉDIO RIO DOCE) ICHTHYOFAUNA OF THE LOWER MANHUAÇU RIVER (MIDDLE DOCE RIVER BASIN) ISSN 2236-3866 DOI: 10.7902/ecb.v4i1.63 Acesso livre em www.simposiodabiodiversidade.com.br/ecb 32 ICTIOFAUNA DO BAIXO RIO MANHUAÇU (BACIA DO MÉDIO RIO DOCE) ICHTHYOFAUNA OF THE LOWER MANHUAÇU RIVER (MIDDLE

Leia mais

Avançando na gestão das águas do DF

Avançando na gestão das águas do DF Avançando na gestão das águas do DF O Conselho de Recursos Hídricos do Distrito Federal (CRH DF) 1 emitiu no ano de 2014 duas resoluções tratando do enquadramento dos corpos d água superficiais do Distrito

Leia mais

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos Pra começo de conversa, um video... NOVO PROGRAMA Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL 2014-2018 3 ELABORAÇÃO DO NOVO

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 5-CEPE/UNICENTRO, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2010. Aprova o Curso de Especialização em Educação, Meio Ambiente e Desenvolvimento, modalidade modular, a ser ministrado no Campus CEDETEG, da UNICENTRO.

Leia mais

GUIA FOTOGRÁFICO E ASPECTOS DA BIOLOGIA DOS PRINCIPAIS PEIXES DE ÁGUA DOCE DO PARQUE NACIONAL DA LAGOA DO PEIXE, RS

GUIA FOTOGRÁFICO E ASPECTOS DA BIOLOGIA DOS PRINCIPAIS PEIXES DE ÁGUA DOCE DO PARQUE NACIONAL DA LAGOA DO PEIXE, RS GUIA FOTOGRÁFICO E ASPECTOS DA BIOLOGIA DOS PRINCIPAIS PEIXES DE ÁGUA DOCE DO PARQUE NACIONAL DA LAGOA DO PEIXE, RS Fabiano CORRÊA 1, Marlucy Coelho CLAUDINO 2, Alexandre Miranda GARCIA 3 Laboratório de

Leia mais

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura Planejamento da Propriedade Agrícola (APP e RL) Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes Dept o. Ciências Florestais ESALQ/USP Estação Experimental

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS EM TRECHOS DO ARROIO CANDÓI, LARANJEIRAS DO SUL, REGIÃO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ

ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS EM TRECHOS DO ARROIO CANDÓI, LARANJEIRAS DO SUL, REGIÃO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS EM TRECHOS DO ARROIO CANDÓI, LARANJEIRAS DO SUL, REGIÃO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ Aline da Silva Rodrigues de Oliveira Graduanda em Geografia Licenciatura e Bolsista Voluntária

Leia mais

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO Ronald Carvalho Guerra Diretor de Meio Ambiente Prefeitura Municipal de Ouro Preto Gerente da APA da Cachoeira das Andorinhas -

Leia mais

REVISÃO DO LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DA ANTIGA FAZENDA CONCEIÇÃO

REVISÃO DO LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DA ANTIGA FAZENDA CONCEIÇÃO REVISÃO DO LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DA ANTIGA FAZENDA CONCEIÇÃO Relatório de atividades de estágio apresentado ao Instituto Oikos de Agroecologia BRUNO NATALI DE ALMEIDA Graduando em Biologia - FATEA (brunonatali1987@hotmail.com)

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO OBJETIVO GERAL O objetivo deste plano de ação é assegurar permanentemente a manutenção das populações e da distribuição geográfica de Mergus octosetaceus, no médio e longo prazo; promover o aumento do

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS Fórum de Debates da agpch LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS RAFAEL VOLQUIND Diretor Técnico 01 de Outubro de 2015 Porto Alegre RS Brasil IMPACTOS AMBIENTAIS DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS

Leia mais

Fish, Sorocaba river sub-basin, state of São Paulo, Brazil.

Fish, Sorocaba river sub-basin, state of São Paulo, Brazil. Fish, Sorocaba river sub-basin, state of São Paulo, Brazil. Welber Senteio Smith 1 Miguel Petrere Jr. 2 Valter Barrella 3 1 Instituto Manchester Paulista de Ensino Superior (IMAPES) / Universidade Paulista

Leia mais

UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde TÍTULO. Roney Rodrigues Guimarães Professor Orientador

UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde TÍTULO. Roney Rodrigues Guimarães Professor Orientador UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde PROJETO DE PESQUISA TÍTULO COMPOSIÇÃO E ESTRUTURA DA ICTIOFAUNA DO PARQUE MUNICIPAL DE NOVA IGUAÇU, ESTADO DO RIO DE JANEIRO, BRASIL. Roney

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Ictiofauna do Rio Guaporé e áreas adjacentes

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Ictiofauna do Rio Guaporé e áreas adjacentes PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Ictiofauna do Rio Guaporé e áreas adjacentes Marcos Antonio de Oliveira 1, Angela Emi Takamura 2, Raquel Gonçalves Barbosa 3, Amorésio Souza Silva

Leia mais

Revista Agrogeoambiental - v.7, n.1 - Março 2015

Revista Agrogeoambiental - v.7, n.1 - Março 2015 COMPOSIÇÃO E ESTRUTURA DA COMUNIDADE DE PEIES DE UM AFLUENTE DO RIO TIETÊ, BACIA DO ALTO RIO PARANÁ 1 Jane Piton Serra Fabio de Faria e Souza Campos 3 André Luis da Silva Castro 2 Resumo A América do Sul

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS Emerson Chaves Ferreira Gomes (*), Natalia Nogueira de Oliveira, Luiz Gonçalves Junior, Felipe Gonçalves dos Santos Cabral (*)

Leia mais

Formas de uso da água

Formas de uso da água Formas de uso da água INTRODUÇÃO A água é utilizada para várias atividades humanas: uso doméstico, geração de energia, irrigação, navegação, lazer, entre outras atividades. Distribuição relativa do consumo

Leia mais

6 - Áreas de Influência... 1. 6.1 - Delimitação das Áreas de Influência... 2. 6.1.1 - Área de Influência Direta (AID)... 2

6 - Áreas de Influência... 1. 6.1 - Delimitação das Áreas de Influência... 2. 6.1.1 - Área de Influência Direta (AID)... 2 Índice 6 -... 1 6.1 - Delimitação das... 2 6.1.1 - Área de Influência Direta (AID)... 2 6.1.2 - Área de Influência Indireta (AII)... 2 Índice de Quadros Quadro 1 - Lista dos Municípios da Área de Influência

Leia mais

Reservatórios periurbanos da RMBH. -É possível compatibilizar serviços ecológicos com o desenvolvimento urbano? Gustavo Soares Xavier

Reservatórios periurbanos da RMBH. -É possível compatibilizar serviços ecológicos com o desenvolvimento urbano? Gustavo Soares Xavier Reservatórios periurbanos da RMBH -É possível compatibilizar serviços ecológicos com o desenvolvimento urbano? Gustavo Soares Xavier O que é um reservatório: Um reservatório é uma construção formada pelo

Leia mais

Peixes de riachos e novas Unidades de Conservação no sul da Bahia

Peixes de riachos e novas Unidades de Conservação no sul da Bahia Peies de riachos e novas Unidades de Conservação no sul da Bahia MAURICIO CETRA 1, LUISA MARIA SARMENTO-SOARES 2 & RONALDO FERNANDO MARTINS-PINHEIRO 2 1 UFSCar - Universidade Federal de São Carlos, Ciências

Leia mais

Diário Oficial n 2.605 43, Ano XX - Estado do Tocantins, quinta-feira, 6 de março de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA No 002, 04 de março de 2008.

Diário Oficial n 2.605 43, Ano XX - Estado do Tocantins, quinta-feira, 6 de março de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA No 002, 04 de março de 2008. Diário Oficial n 2.605 43, Ano XX - Estado do Tocantins, quinta-feira, 6 de março de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA No 002, 04 de março de 2008. Dispõe sobre parâmetros de caracterização e uniformização dos

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 26, de 2 de SETEMBRO de 2009 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

ICTIOFAUNA PRESENTE NO RESERVATÓRIO DE CHAVANTES, MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO CLARO PR. RESUMO

ICTIOFAUNA PRESENTE NO RESERVATÓRIO DE CHAVANTES, MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO CLARO PR. RESUMO ICTIOFAUNA PRESENTE NO RESERVATÓRIO DE CHAVANTES, MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO CLARO PR. Dyego Leonardo Ferraz Caetano (PG UEL GEPRHEA CCHE UENP/CJ) Estevão Gottlieb Gatzke (G GEPRHEA CCHE UENP/CJ) Luís Carlos

Leia mais

Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP. Pós-graduanda em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP

Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP. Pós-graduanda em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO DE IMPACTOS CAUSADOS PELA POLUIÇÃO DAS ÁGUAS DA REPRESA DE FURNAS NO ENTORNO DO MUNICÍPIO DE ALFENAS-MG FÁBIO VIEIRA MARTINS Pós-graduando

Leia mais

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL EDMILSON COSTA TEIXEIRA LabGest GEARH / UFES (edmilson@npd.ufes.br) DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL? [COMISSÃO

Leia mais

PORTARIA IAP Nº 211 DE 19 DE OUTUBRO DE

PORTARIA IAP Nº 211 DE 19 DE OUTUBRO DE PORTARIA IAP Nº 211 DE 19 DE OUTUBRO DE 2012 Estabelece normas e define os locais, formas e quantidades de captura de peixes oriundos da pesca amadora e profissional nas bacias hidrográficas dos Rios Paraná,

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS Alice Nardoni Marteli, Edson Luís Piroli Unesp Campus de Ourinhos Geografia alicenmart@gmail.com;

Leia mais

OS CUIDADOS COM A ÁGUA NA ESCOLA FUNDAMENTAL PROFESSOR ADAILTON COELHO COSTA

OS CUIDADOS COM A ÁGUA NA ESCOLA FUNDAMENTAL PROFESSOR ADAILTON COELHO COSTA OS CUIDADOS COM A ÁGUA NA ESCOLA FUNDAMENTAL PROFESSOR ADAILTON COELHO COSTA Dantas 1, Mayara; Gomes 1, Márcia; Silva 1, Juliene; Silva 1, Jaciele; 1 Discente do Curso de Bacharelado em Ecologia; 2 Professora

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Unidade de Conservação Área geograficamente estabelecida para se alcançar um objetivo específico de conservação por meio do uso controlado dos recursos biológicos

Leia mais

Art. 1º - A Política Nacional de Recursos Hídricos baseia-se nos seguintes fundamentos:

Art. 1º - A Política Nacional de Recursos Hídricos baseia-se nos seguintes fundamentos: Patrimonio Hídrico Brasileiro - Explicação do Abaixo Assinado. Observação: O melhor instrumento para entender essa proposta é o Texto Base da Campanha da Fraternidade de 2004, Fraternidade e Água, realizada

Leia mais

Análise da rede de monitoramento hidrometeorológico do estado de Sergipe

Análise da rede de monitoramento hidrometeorológico do estado de Sergipe Análise da rede de monitoramento hidrometeorológico do estado de Sergipe George Alves Monteiro 1 & Ana Paula Barbosa Ávila Macêdo 2 RESUMO: Este trabalho faz uma análise da rede de monitoramento hidrometeorológico

Leia mais

Caatinga: exclusivamente brasileira

Caatinga: exclusivamente brasileira Caatinga: exclusivamente brasileira Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Biodiversidade e Florestas Departamento de Conservação da Biodiversidade Parque Nacional da Serra da Capivara - PI Caatinga:

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Tânia de Sousa Lemos 1 ; Ana Beatriz Araujo Velasques 2 1 Aluna do Curso de Arquitetura e

Leia mais

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO HIDROLOGIA I RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 - Introdução: Apresentação do Programa da Disciplina, Sistema de Avaliação; Conceito; Importância e Aplicação da Hidrologia (2h) 2 - Ciclo Hidrológico (2h);

Leia mais

A árvore das árvores

A árvore das árvores A árvore das árvores Resumo O documentário apresenta os múltiplos usos do carvalho para as sociedades, desde tempos remotos até os dias de hoje; além de retratar lendas e histórias sobre essas árvores

Leia mais

Alegre-ES, CEP.: 29.500-000, Caixa Postal 16, edreis@cca.ufes.br

Alegre-ES, CEP.: 29.500-000, Caixa Postal 16, edreis@cca.ufes.br ANÁLISE ESTATÍSTICA PARA DETERMINAÇÃO DA NA BACIA DO RIO SÃO MATEUS-ES Eduardo Morgan Uliana 1, Camila Aparecida da Silva Martins 1, José Geraldo Ferreira da Silva 2, Edvaldo Fialho dos Reis 3 1 Universidade

Leia mais

A fauna de peixes na bacia do rio dos Frades e microbacias vizinhas, extremo sul da Bahia, Brasil

A fauna de peixes na bacia do rio dos Frades e microbacias vizinhas, extremo sul da Bahia, Brasil Bol. Mus. Biol. Mello Leitão (N. Sér.) 26:25-46. Dezembro de 2009 25 A fauna de peixes na bacia do rio dos Frades e microbacias vizinhas, extremo sul da Bahia, Brasil Luisa M. Sarmento-Soares 1* & Ronaldo

Leia mais

FORMULÁRIOS PARA AUTORIZAÇÃO DE RECUPERAÇÃO OU RESTAURAÇÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS COM SUPRESSÃO DE ESPÉCIES EXÓTICAS

FORMULÁRIOS PARA AUTORIZAÇÃO DE RECUPERAÇÃO OU RESTAURAÇÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS COM SUPRESSÃO DE ESPÉCIES EXÓTICAS CONDIÇÃO OBRIGATÓRIA EXECUÇÃO DE PROJETO DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS CONSIDERADAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE ATINGIDAS COM PLANTIOS E MANUTENÇÃO DE ÁRVORES NATIVAS DA REGIÃO E/OU CONDUÇÃO DA REGENERAÇÃO NATURAL,

Leia mais

METODOLOGIA PARA ANÁLISE DE RELEVÂNCIA: escala de análise. Allan Calux Redespeleo Brasil

METODOLOGIA PARA ANÁLISE DE RELEVÂNCIA: escala de análise. Allan Calux Redespeleo Brasil METODOLOGIA PARA ANÁLISE DE RELEVÂNCIA: escala de análise Allan Calux Redespeleo Brasil BRASÍLIA Outubro de 2012 SUMÁRIO Parte I Bases legais e conceituais Parte II Aplicações concretas: a realidade e

Leia mais

Água. Como tema gerador para. Apresentação cedida por Valéria G. Iared

Água. Como tema gerador para. Apresentação cedida por Valéria G. Iared Água Como tema gerador para trabalhos de EA Apresentação cedida por Valéria G. Iared O elemento água e o imaginário construído em torno da água nas diversas civilizações, Água como traço de união entre

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

Localização da bacia e aspectos políticos

Localização da bacia e aspectos políticos Localização da bacia e aspectos políticos Nasce na região central do estado (Serra do Espinhaço) e flui em direção nordeste...... até o Oceano Atlântico em Belmonte (BA) Apresenta 94% da área de drenagem

Leia mais

Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil

Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí I Seminário dos Estudantes de Pós Graduação Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil 1

Leia mais