A N E X O III M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S DE S U B E S T A Ç Õ E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A N E X O III M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S DE S U B E S T A Ç Õ E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O"

Transcrição

1 A N E X O III M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S DE S U B E S T A Ç Õ E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O C A T Á L O G O R E F E R E N C I A L DE M Ó D U L O S P A D R Õ E S D E C O N S T R U Ç Ã O D E S U B E S T A Ç Õ E S, L I N H A S E R E D E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O D E E N E R G I A E L É T R I C A

2 Fls. 2 do Anexo III da Nota Técnica nº 304/2010-SRE/ANEEL, de 24/09/2010. Relação de Módulos Construtivos Subestações de Distribuição Módulo Código Descrição 2.1 INF INFRAESTRUTURA ELÉTRICA GERAL INF INF INF INF INF INF06 SUBESTAÇÃO EM 34,5kV, BARRA SIMPLES OU BARRA PRINCIPAL E TRANSFERÊNCIA, TIPO: PEQUENA SUBESTAÇÃO EM 34,5kV, BARRA SIMPLES OU BARRA PRINCIPAL E TRANSFERÊNCIA, TIPO: MÉDIA SUBESTAÇÃO EM 34,5kV, BARRA SIMPLES OU BARRA PRINCIPAL E TRANSFERÊNCIA, TIPOS: GRANDE SUBESTAÇÃO EM 69kV, BARRA SIMPLES OU BARRA PRINCIPAL E TRANSFERÊNCIA, TIPO: PEQUENA SUBESTAÇÃO EM 69kV, BARRA SIMPLES OU BARRA PRINCIPAL E TRANSFERÊNCIA, TIPO: MÉDIA SUBESTAÇÃO EM 69kV, BARRA SIMPLES OU BARRA PRINCIPAL E TRANSFERÊNCIA, TIPOS: GRANDE INF07 SUBESTAÇÃO EM 138kV, BARRA SIMPLES, TIPOS: PEQUENA INF08 SUBESTAÇÃO EM 138kV, BARRA SIMPLES, TIPOS: MÉDIA INF INF INF MAN MANOBRA SUBESTAÇÃO EM 138kV, BARRA PRINCIPAL E TRANSFERÊNCIA OU BARRA DUPLA, TIPOS: PEQUENA SUBESTAÇÃO EM 138kV, BARRA PRINCIPAL E TRANSFERÊNCIA OU BARRA DUPLA, TIPOS: MÉDIA SUBESTAÇÃO EM 138kV, BARRA PRINCIPAL E TRANSFERÊNCIA OU BARRA DUPLA, TIPOS: GRANDE MAN01 ENTRADA DE LINHA EM 13,8kV, BARRA SIMPLES MAN02 ENTRADA DE LINHA EM 13,8kV, BARRA PRINCIPAL E TRANSFERÊNCIA MAN03 ENTRADA DE LINHA EM 34,5kV, BARRA SIMPLES MAN04 ENTRADA DE LINHA EM 34,5kV, BARRA PRINCIPAL E TRANSFERÊNCIA MAN05 ENTRADA DE LINHA EM 69kV, BARRA SIMPLES MAN06 ENTRADA DE LINHA EM 69kV, BARRA PRINCIPAL E TRANSFERÊNCIA MAN07 ENTRADA DE LINHA EM 138kV, BARRA SIMPLES MAN08 ENTRADA DE LINHA EM 138kV, BARRA PRINCIPAL E TRANSFERÊNCIA MAN09 ENTRADA DE LINHA EM 138kV, BARRA DUPLA MAN10 CONEXÃO DE TRANSFORMADOR EM 13,8kV, BARRA SIMPLES MAN11 CONEXÃO DE TRANSFORMADOR EM 13,8kV, BARRA PRINCIPAL E TRANSFERÊNCIA MAN12 CONEXÃO DE TRANSFORMADRO EM 34,5kV, BARRA SIMPLES MAN13 CONEXÃO DE TRANSFORMADOR EM 34,5kV, BARRA PRINCIPAL E TRANSFERÊNCIA MAN14 CONEXÃO DE TRANSFORMADOR EM 69kV, BARRA SIMPLES MAN15 CONEXÃO DE TRANSFORMADOR EM 69kV, BARRA PRINCIPAL E TRANSFERÊNCIA MAN16 CONEXÃO DE TRANSFORMADOR EM 138kV, BARRA SIMPLES MAN17 CONEXÃO DE TRANSFORMADOR EM 138kV, BARRA PRINCIPAL E TRANSFERÊNCIA MAN18 CONEXÃO DE TRANSFORMADOR EM 138kV, BARRA DUPLA MAN19 CONEXÃO DE CAPACITOR PARALELO EM 13,8kV, BARRA SIMPLES

3 Fls. 3 do Anexo III da Nota Técnica nº 304/2010-SRE/ANEEL, de 24/09/2010. Módulo Módulo Descrição MAN20 CONEXÃO DE CAPACITOR PARALELO EM 13,8kV, BARRA PRINCIPAL E TRANSFERÊNCIA MAN21 INTERLIGAÇÃO DE BARRAS EM 13,8kV, BARRA PRINCIPAL E TRANSFERÊNCIA MAN22 INTERLIGAÇÃO DE BARRAS EM 34,5kV, BARRA PRINCIPAL E TRANSFERÊNCIA MAN23 INTERLIGAÇÃO DE BARRAS EM 69kV, BARRA PRINCIPAL E TRANSFERÊNCIA MAN24 INTERLIGAÇÃO DE BARRAS EM 138kV, BARRA PRINCIPAL E TRANSFERÊNCIA MAN25 INTERLIGAÇÃO DE BARRAS EM 138kV, BARRA DUPLA 2.3 EQP EQUIPAMENTOS EQP01 TRANSFORMADOR DE FORÇA TRIFÁSICO - 34,5/13,8kV EQP02 TRANSFORMADOR DE FORÇA TRIFÁSICO - 69/13,8kV EQP03 TRANSFORMADOR DE FORÇA TRIFÁSICO - 69/34,5kV EQP04 TRANSFORMADOR DE FORÇA TRIFÁSICO 138/13,8kV EQP05 TRANSFORMADOR DE FORÇA TRIFÁSICO 138/34,5kV EQP06 TRANSFORMADOR DE FORÇA TRIFÁSICO 138/69kV EQP07 BANCO DE CAPACITORES EM 13,8kV EQP08 BANCO DE CAPACITORES EM 34,5kV EQP09 REGULADOR DE TENSÃO EM 13,8kV

4 Fls. 4 do Anexo III da Nota Técnica nº 304/2010-SRE/ANEEL, de 24/09/ MÓDULOS CONSTRUTIVOS DE SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO 2.1 INFRAESTRUTURA ELÉTRICA GERAL SUBESTAÇÃO EM 34,5kV, BARRA SIMPLES OU BARRA PRINCIPAL E TRANSFERÊNCIA, TIPO: PEQUENA a. Características técnicas das unidades de cadastro (UC) O módulo de infraestrutura elétrica geral terá como Unidades de Cadastro (equipamentos principais) os sistemas que atendem a subestação como um todo, conforme a seguir relacionados: Sistema de Alimentação de Energia: composto de baterias, inversores, carregadores, retificadores, conversores, no break, grupos motor-gerador, incluindo-se suportes, abrigos, recipientes para ácidos e álcalis, densímetros e unidades supervisoras de corrente. SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO DE ENERGIA Descrição Tipo ODI.TI.CM Sistema de Alimentação de Energia Código da Empresa Sistema de Proteção, Medição e Automação: composto de sistemas de proteção (automático), teleproteção via microondas e fibra ótica, telecontrole, telealarme, telemedição, de aquisição de dados e de monitoramento, incluindo-se os equipamentos de transmissão, recepção, unidades de controle remoto e de supervisão, detectores de falta e dispositivos relacionados tais como cabos de descida, circuitos de aterramento e demais acessórios. Os painéis, mesas de comando, quadros e cubículos exclusivos, computadores, microcomputadores, impressoras, monitores e modem utilizados para estes tipos de sistema estão incluídos neste tipo de UC, bem como os softwares industriais embarcados, de dedicação exclusiva para cada equipamento e rede de comunicação exclusiva e dedicada ao sistema. SISTEMA DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E AUTOMAÇÃO Descrição 01 ODI.TI.CM Sistema de Proteção 02 ODI.TI.CM Sistema de Teleproteção 03 ODI.TI.CM Sistema de Telecontrole 04 ODI.TI.CM Sistema de Telemedição 05 ODI.TI.CM Sistema de Aquisição de Dados 06 ODI.TI.CM Sistema de Monitoramento Sistema de Comunicação e Proteção Carrier: Composto de sistemas de comunicação e proteção "carrier", compreendendo bobinas de bloqueio, capacitores de acoplamento, caixas de sintonia, transmissores-receptores, filtros, unidades híbridas, fiação e outros.

5 TRIFÁSICO - Y (COM NEUTRO ACESSÍVEL) 380 / / / / 127 Fases / Ligação Fls. 5 do Anexo III da Nota Técnica nº 304/2010-SRE/ANEEL, de 24/09/2010. SISTEMA DE COMUNICAÇÃO E PROTEÇÃO CARRIER Descrição 01 ODI.TI.CM Sistema de Comunicação e Proteção Carrier Sistema de Aterramento: Composto de sistemas de aterramento, incluindo-se os cabos nus e isolados, tubos e barras de cobre e alumínio, conexões a equipamentos, grades, caixas de inspeção, eletrodos, hastes e placas de aterramento e materiais para cobertura da malha em usinas, subestações e instalações de comunicações. Os cabos para-raios e os fios contrapeso, instalados em linhas de transmissão e em linhas e redes de distribuição, também estão incluídos neste tipo de UC. SISTEMA DE ATERRAMENTO Descrição 01 ODI.TI.CM Sistema de Aterramento de Subestação 02 ODI.TI.CM Sistema de Aterramento em Instalação de Comunicação Sistema de Iluminação e Força: Composto de sistemas de iluminação e força, incluindo os equipamentos, estruturas e acessórios integrantes. ODI.TI.CM SISTEMA DE ILUMINAÇÃO E FORÇA Descrição Sistema de Iluminação e Força Transformador de Serviços Auxiliares: Composto de transformadores de serviços auxiliares, incluindo-se suprimento inicial de óleo, para-raios e chaves integrantes, buchas, terminais e outros. TRANSFORMADOR TRIFÁSICO DE SERVIÇOS AUXILIARES 1 ODI.TI.CM Potência (kva) 2 ODI.TI.CM ODI.TI.CM ,5 4 ODI.TI.CM ODI.TI.CM ODI.TI.CM ODI.TI.CM ODI.TI.CM ODI.TI.CM ,5 10 ODI.TI.CM ODI.TI.CM ODI.TI.CM Características Elétricas NBI (kv) 95 Primária Tensões (V) Secundária

6 Fls. 6 do Anexo III da Nota Técnica nº 304/2010-SRE/ANEEL, de 24/09/2010. Sistema de Radiocomunicação: Composto de instalações de comunicação em HF, VHF, UHF, microondas e por fibra ótica, incluindo-se equipamentos de transmissão, recepção e multiplexação, unidades de controle, abrigos, prateleiras, microfones, alto-falantes, servomecanismos, torres de antena com a respectiva sinalização aeronáutica, antenas e dispositivos relacionados, tais como cabos de descida, circuitos de aterramento, pressurizadores e desidratadores de cabos de descida, linhas que tenham a função exclusiva de conexão entre estações repetidoras de microondas e outros sistemas de comunicação e linhas de controle remoto destinadas especialmente para estações de rádio, incluindo postes e respectivos acessórios, cabos e condutores. ODI.TI.CM ODI.TI.CM ODI.TI.CM ODI.TI.CM ODI.TI.CM SISTEMA DE RADIOCOMUNICAÇÃO Descrição Estação HF Estação VHF Estação UHF Estação Microondas Estação Fibra Ótica Painel, Mesa de Comando e Cubículo: Composto de painéis, mesas, cubículos e quadros de comando, de proteção, de sincronismo, de alarme, de aquisição de dados, de supervisão e controle e de distribuição de força, compreendendo os painéis, mesas e cubículos de comando, de medidores, de relés, de sincronismo, de alarme, de distribuição de força para serviços auxiliares de média e baixa tensão do centro de controle de motores, de excitação do alternador, dos retificadores, de comando dos retificadores, dos oscilógrafos, dos registradores gráficos, etc. PAINEL, MESA DE COMANDO E CUBÍCULO Descrição Função 1 ODI.TI.CM Entrada / Saída de Linha 2 ODI.TI.CM Entrada / Saída de Circuito Painel 3 ODI.TI.CM Transformação 4 ODI.TI.CM Oscilografia 5 ODI.TI.CM Serviços Auxiliares 6 ODI.TI.CM Mesa de Comando Proteção de Sincronismo 7 ODI.TI.CM Alarme 8 ODI.TI.CM Aquisição de Dados 9 ODI.TI.CM Supervisão e Controle 10 ODI.TI.CM Distribuição de Força 11 ODI.TI.CM Proteção de Transformador Cubículo 12 ODI.TI.CM Manobra e Sinalização 13 ODI.TI.CM Transferência e Religamento 14 ODI.TI.CM Medição 15 ODI.TI.CM Interface Barramento (barramentos, cabos e tubos): São compostos os barramentos rígidos e/ou flexíveis e os cabos isolados em instalações de produção, transmissão ou distribuição, incluindo-

7 Fls. 7 do Anexo III da Nota Técnica nº 304/2010-SRE/ANEEL, de 24/09/2010. se tubos metálicos, conexões com equipamentos, ancoragens, isoladores, buchas de passagem, anéis anticorona, fios e cabos nus e a prova de tempo, abrigos e proteções. Cabos, conectores e tubos, para instalação dos barramentos e interligações elétricas de Média Tensão entre barramentos e equipamentos. Descrição 1 ODI.TI.CM BARRAMENTO Classe de Tensão (kv) Material Isolamento 2 ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 3 ODI.TI.CM Isolado- epr 4 ODI.TI.CM Isolado- xlpe Cobre 5 ODI.TI.CM Isolado- pvc 6 ODI.TI.CM Protegido- epr 7 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 8 ODI.TI.CM Protegido- pvc 9 ODI.TI.CM ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 11 ODI.TI.CM Isolado- epr 12 ODI.TI.CM Isolado- xlpe Alumínio 13 ODI.TI.CM Isolado- pvc 14 ODI.TI.CM Protegido- epr 15 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 16 ODI.TI.CM Protegido- pvc Rígido 36,2 17 ODI.TI.CM ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 19 ODI.TI.CM Isolado- epr 20 ODI.TI.CM Alumínio com Isolado- xlpe 21 ODI.TI.CM alma de aço Isolado- pvc 22 ODI.TI.CM Protegido- epr 23 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 24 ODI.TI.CM Protegido- pvc 25 ODI.TI.CM ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 27 ODI.TI.CM Isolado- epr 28 ODI.TI.CM Isolado- xlpe Aço 29 ODI.TI.CM Isolado- pvc 30 ODI.TI.CM Protegido- epr 31 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 32 ODI.TI.CM Protegido- pvc

8 Fls. 8 do Anexo III da Nota Técnica nº 304/2010-SRE/ANEEL, de 24/09/2010. Descrição 33 ODI.TI.CM BARRAMENTO Classe de Tensão (kv) Material Isolamento 34 ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 35 ODI.TI.CM Isolado- epr 36 ODI.TI.CM Isolado- xlpe Aço cobreado 37 ODI.TI.CM Isolado- pvc 38 ODI.TI.CM Protegido- epr 39 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 40 ODI.TI.CM Protegido- pvc 41 ODI.TI.CM ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 43 ODI.TI.CM Isolado- epr 44 ODI.TI.CM Aço Isolado- xlpe 45 ODI.TI.CM aluminizado Isolado- pvc 46 ODI.TI.CM Protegido- epr 47 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 48 ODI.TI.CM Protegido- pvc Rígido 36,2 49 ODI.TI.CM ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 51 ODI.TI.CM Isolado- epr 52 ODI.TI.CM Tubo de Isolado- xlpe 53 ODI.TI.CM alumínio Isolado- pvc 54 ODI.TI.CM Protegido- epr 55 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 56 ODI.TI.CM Protegido- pvc 57 ODI.TI.CM ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 59 ODI.TI.CM Isolado- epr 60 ODI.TI.CM Barra de Isolado- xlpe 61 ODI.TI.CM alumínio Isolado- pvc 62 ODI.TI.CM Protegido- epr 63 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 64 ODI.TI.CM Protegido- pvc

9 Fls. 9 do Anexo III da Nota Técnica nº 304/2010-SRE/ANEEL, de 24/09/2010. Descrição 65 ODI.TI.CM BARRAMENTO Classe de Tensão (kv) Material Isolamento 66 ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 67 ODI.TI.CM Isolado- epr 68 ODI.TI.CM Isolado- xlpe Cobre 69 ODI.TI.CM Isolado- pvc 70 ODI.TI.CM Protegido- epr 71 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 72 ODI.TI.CM Protegido- pvc 73 ODI.TI.CM ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 75 ODI.TI.CM Isolado- epr 76 ODI.TI.CM Isolado- xlpe Alumínio 77 ODI.TI.CM Isolado- pvc 78 ODI.TI.CM Protegido- epr 79 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 80 ODI.TI.CM Protegido- pvc Flexível 36,2 81 ODI.TI.CM ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 83 ODI.TI.CM Isolado- epr 84 ODI.TI.CM Alumínio com Isolado- xlpe 85 ODI.TI.CM alma de aço Isolado- pvc 86 ODI.TI.CM Protegido- epr 87 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 88 ODI.TI.CM Protegido- PVC 89 ODI.TI.CM ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 91 ODI.TI.CM Isolado- epr 92 ODI.TI.CM Isolado- xlpe Aço 93 ODI.TI.CM Isolado- pvc 94 ODI.TI.CM Protegido- epr 95 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 96 ODI.TI.CM Protegido- pvc

10 Fls. 10 do Anexo III da Nota Técnica nº 304/2010-SRE/ANEEL, de 24/09/2010. Descrição 97 ODI.TI.CM BARRAMENTO Classe de Tensão (kv) Material Isolamento 98 ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 99 ODI.TI.CM Isolado- epr 100 ODI.TI.CM Isolado- xlpe Aço cobreado 101 ODI.TI.CM Isolado- pvc 102 ODI.TI.CM Protegido- epr 103 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 104 ODI.TI.CM Protegido- pvc 105 ODI.TI.CM ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 107 ODI.TI.CM Isolado- epr 108 ODI.TI.CM Aço Isolado- xlpe 109 ODI.TI.CM aluminizado Isolado- pvc 110 ODI.TI.CM Protegido- epr 111 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 112 ODI.TI.CM Protegido- pvc Flexível 36,2 113 ODI.TI.CM ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 115 ODI.TI.CM Isolado- epr 116 ODI.TI.CM Tubo de Isolado- xlpe 117 ODI.TI.CM alumínio Isolado- pvc 118 ODI.TI.CM Protegido- epr 119 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 120 ODI.TI.CM Protegido- pvc 121 ODI.TI.CM ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 123 ODI.TI.CM Isolado- epr 124 ODI.TI.CM Barra de Isolado- xlpe 125 ODI.TI.CM alumínio Isolado- pvc 126 ODI.TI.CM Protegido- epr 127 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 128 ODI.TI.CM Protegido- pvc Normas Aplicáveis: NBR 6835 Alumínio e suas Ligas Têmperas NBR 7270 Cabos de Alumínio com Alma de Aço para Linhas Aéreas NBR 7302 Condutores elétricos de alumínio - Tensão - Deformação em condutores de alumínio NBR 7312 Rolos de fios e cabos elétricos - Características dimensionais

11 Fls. 11 do Anexo III da Nota Técnica nº 304/2010-SRE/ANEEL, de 24/09/2010. NBR Conectores de alumínio para ligações aéreas de condutores elétricos em sistemas de potência Estrutura suporte de equipamento e de barramento: Compostos de estruturas suporte de aço, de ferro, de madeira, de alvenaria, de concreto ou mista (concreto e aço), para equipamentos e barramentos, incluindo-se as respectivas fundações. 01 ODI.TI.CM ESTRUTURA SUPORTE DE EQUIPAMENTO E DE BARRAMENTO Descrição Material Concreto 02 ODI.TI.CM Madeira 03 ODI.TI.CM ESTRUTURA DE SUPORTE Ferro 04 ODI.TI.CM PARA EQUIPAMENTO Aço 05 ODI.TI.CM Alvenaria 06 ODI.TI.CM Mista ( concreto e aço ) 07 ODI.TI.CM Concreto 08 ODI.TI.CM Madeira 09 ODI.TI.CM ESTRUTURA DE SUPORTE Ferro 10 ODI.TI.CM PARA BARRAMENTO Aço 11 ODI.TI.CM Alvenaria 12 ODI.TI.CM Mista ( concreto e aço ) Base para equipamento em concreto armado ou estrutura metálica. Normas Aplicáveis: NBR 5732 Cimento Portland comum; NBR 5733 Cimento Portland de alta resistência inicial; NBR 5738 Moldagem e cura de corpos-de-prova cilíndricos ou prismáticos de concreto; NBR 6124 Determinação da elasticidade, carga de ruptura, absorção de água e da espessura do cobrimento em postes e cruzetas de concreto armado; NBR 7211 Agregados para concreto; NBR 7480 Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado.

12 Fls. 12 do Anexo III da Nota Técnica nº 304/2010-SRE/ANEEL, de 24/09/2010. b. Tabela Construtiva do Módulo Módulo de Subestação de Distribuição Categoria: 2.1 INFRAESTRUTURA GERAL Subcategoria: SUBESTAÇÃO EM 34,5kV, BARRA SIMPLES OU BARRA PRINCIPAL E TRANSFERÊNCIA, TIPO: PEQUENA Código do Módulo: INF01 a. Unidade de Cadastro Descrição Unidade Quantidade Unidade de Cadastro Sistema de Alimentação de Energia cj Sistema de Proteção, Medição e Automação cj Sistema de Comunicação e Proteção Carrier cj Sistema de Aterramento cj Sistema de Iluminação e Força cj Transformador de Serviços Auxiliares cj Sistema de Radiocomunicação cj Painel, Mesa de Comando e Cubículo cj Barramentos, cabos e tubos cj Estrutura suporte de equipamento e de barramento cj c. Componentes Menores (Componentes menores já estão englobados dentro de cada sistema) d. Custos Adicionais - Atividades / Serviços Montagem Eletromecânica % 5 Proporcional Comissionamento % 2 Proporcional Canteiro de obras % 4 Proporcional Engenharia % 4 Proporcional Administração % 3 Proporcional Eventuais % 2 Proporcional Normas Aplicáveis: NBR NBR 5410 NBR 5418 NBR NR 10 NBR NBR NBR NBR 6546 NBR 6855 Instalações elétricas de média tensão; Instalações elétricas de baixa tensão; Instalações elétricas em atmosferas explosivas; Sistema de Iluminação de emergência; Instalações e Serviços em Eletricidade; Acumuladores elétricos; Acumulador chumbo-ácido estacionário ventilado Ensaios; Acumulador chumbo-ácido regulado por válvula Ensaios; Transformadores para instrumentos - Terminologia; Transformador de Potencial Indutivo Especificação;

13 Fls. 13 do Anexo III da Nota Técnica nº 304/2010-SRE/ANEEL, de 24/09/2010. NBR 6856 NBR 9112 IEC NBR NBR 8146 NBR NBR NBR Transformador de Corrente Especificação; Conversor a semicondutores; Communication Networks and Systems in Substations; Equipamento terminal de ondas portadoras em linhas de alta tensão para teleproteção; Equipamento terminal de ondas portadoras em linhas de alta tensão; Relés de medição e sistemas de proteção; Sistemas de aterramento de subestações Requisitos; Medição de resistência de aterramento e de potenciais na superfície do solo em sistemas de aterramento; c. Componentes Menores Os componentes menores já estão englobados dentro de cada sistema. Como a listagem dos componentes menores para cada tipo de sistema é muito peculiar de cada área de concessão e tipo de subestação, não foram listados os componentes menores. Será proposta uma metodologia de valoração de preços para o sistema como um todo. d. Custos Adicionais (Atividades e Serviços) A metodologia de cálculo e a descrição detalhada de custo adicional deste módulo está descrita no relatório dos módulos construtivos referenciais do setor de distribuição de energia elétrica.

14 Fls. 14 do Anexo III da Nota Técnica nº 304/2010-SRE/ANEEL, de 24/09/ SUBESTAÇÃO EM 34,5kV, BARRA SIMPLES OU BARRA PRINCIPAL E TRANSFERÊNCIA, TIPO: MÉDIA a. Características técnicas das unidades de cadastro (UC) O módulo de infraestrutura elétrica geral terá como Unidades de Cadastro (equipamentos principais) os sistemas que atendem a subestação como um todo, conforme a seguir relacionados: Sistema de Alimentação de Energia: composto de baterias, inversores, carregadores, retificadores, conversores, no break, grupos motor-gerador, incluindo-se suportes, abrigos, recipientes para ácidos e álcalis, densímetros e unidades supervisoras de corrente. SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO DE ENERGIA Descrição Tipo ODI.TI.CM Sistema de Alimentação de Energia Código da Empresa Sistema de Proteção, Medição e Automação: composto de sistemas de proteção (automático), teleproteção via microondas e fibra ótica, telecontrole, telealarme, telemedição, de aquisição de dados e de monitoramento, incluindo-se os equipamentos de transmissão, recepção, unidades de controle remoto e de supervisão, detectores de falta e dispositivos relacionados tais como cabos de descida, circuitos de aterramento e demais acessórios. Os painéis, mesas de comando, quadros e cubículos exclusivos, computadores, microcomputadores, impressoras, monitores e modem utilizados para estes tipos de sistema estão incluídos neste tipo de UC, bem como os softwares industriais embarcados, de dedicação exclusiva para cada equipamento e rede de comunicação exclusiva e dedicada ao sistema. SISTEMA DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E AUTOMAÇÃO Descrição 01 ODI.TI.CM Sistema de Proteção 02 ODI.TI.CM Sistema de Teleproteção 03 ODI.TI.CM Sistema de Telecontrole 04 ODI.TI.CM Sistema de Telemedição 05 ODI.TI.CM Sistema de Aquisição de Dados 06 ODI.TI.CM Sistema de Monitoramento Sistema de Comunicação e Proteção Carrier: Composto de sistemas de comunicação e proteção "carrier", compreendendo bobinas de bloqueio, capacitores de acoplamento, caixas de sintonia, transmissores-receptores, filtros, unidades híbridas, fiação e outros. SISTEMA DE COMUNICAÇÃO E PROTEÇÃO CARRIER Descrição 01 ODI.TI.CM Sistema de Comunicação e Proteção Carrier

15 TRIFÁSICO - Y (COM NEUTRO ACESSÍVEL) 380 / / / / 127 Fases / Ligação Fls. 15 do Anexo III da Nota Técnica nº 304/2010-SRE/ANEEL, de 24/09/2010. Sistema de Aterramento: Composto de sistemas de aterramento, incluindo-se os cabos nus e isolados, tubos e barras de cobre e alumínio, conexões a equipamentos, grades, caixas de inspeção, eletrodos, hastes e placas de aterramento e materiais para cobertura da malha em usinas, subestações e instalações de comunicações. Os cabos para-raios e os fios contrapeso, instalados em linhas de transmissão e em linhas e redes de distribuição, também estão incluídos neste tipo de UC. SISTEMA DE ATERRAMENTO Descrição 01 ODI.TI.CM Sistema de Aterramento de Subestação 02 ODI.TI.CM Sistema de Aterramento em Instalação de Comunicação Sistema de Iluminação e Força: Composto de sistemas de iluminação e força, incluindo os equipamentos, estruturas e acessórios integrantes. ODI.TI.CM SISTEMA DE ILUMINAÇÃO E FORÇA Descrição Sistema de Iluminação e Força Transformador de Serviços Auxiliares: Composto de transformadores de serviços auxiliares, incluindo-se suprimento inicial de óleo, para-raios e chaves integrantes, buchas, terminais e outros. TRANSFORMADOR TRIFÁSICO DE SERVIÇOS AUXILIARES 1 ODI.TI.CM Potência (kva) 2 ODI.TI.CM ODI.TI.CM ,5 4 ODI.TI.CM ODI.TI.CM ODI.TI.CM ODI.TI.CM ODI.TI.CM ODI.TI.CM ,5 10 ODI.TI.CM ODI.TI.CM ODI.TI.CM Características Elétricas NBI (kv) 95 Primária Tensões (V) Secundária

16 Fls. 16 do Anexo III da Nota Técnica nº 304/2010-SRE/ANEEL, de 24/09/2010. Sistema de Radiocomunicação: Composto de instalações de comunicação em HF, VHF, UHF, microondas e por fibra ótica, incluindo-se equipamentos de transmissão, recepção e multiplexação, unidades de controle, abrigos, prateleiras, microfones, alto-falantes, servomecanismos, torres de antena com a respectiva sinalização aeronáutica, antenas e dispositivos relacionados, tais como cabos de descida, circuitos de aterramento, pressurizadores e desidratadores de cabos de descida, linhas que tenham a função exclusiva de conexão entre estações repetidoras de microondas e outros sistemas de comunicação e linhas de controle remoto destinadas especialmente para estações de rádio, incluindo postes e respectivos acessórios, cabos e condutores. ODI.TI.CM ODI.TI.CM ODI.TI.CM ODI.TI.CM ODI.TI.CM SISTEMA DE RADIOCOMUNICAÇÃO Descrição Estação HF Estação VHF Estação UHF Estação Microondas Estação Fibra Ótica Painel, Mesa de Comando e Cubículo: Composto de painéis, mesas, cubículos e quadros de comando, de proteção, de sincronismo, de alarme, de aquisição de dados, de supervisão e controle e de distribuição de força, compreendendo os painéis, mesas e cubículos de comando, de medidores, de relés, de sincronismo, de alarme, de distribuição de força para serviços auxiliares de média e baixa tensão do centro de controle de motores, de excitação do alternador, dos retificadores, de comando dos retificadores, dos oscilógrafos, dos registradores gráficos, etc. PAINEL, MESA DE COMANDO E CUBÍCULO Descrição Função 1 ODI.TI.CM Entrada / Saída de Linha 2 ODI.TI.CM Entrada / Saída de Circuito Painel 3 ODI.TI.CM Transformação 4 ODI.TI.CM Oscilografia 5 ODI.TI.CM Serviços Auxiliares 6 ODI.TI.CM Mesa de Comando Proteção de Sincronismo 7 ODI.TI.CM Alarme 8 ODI.TI.CM Aquisição de Dados 9 ODI.TI.CM Supervisão e Controle 10 ODI.TI.CM Distribuição de Força 11 ODI.TI.CM Proteção de Transformador Cubículo 12 ODI.TI.CM Manobra e Sinalização 13 ODI.TI.CM Transferência e Religamento 14 ODI.TI.CM Medição 15 ODI.TI.CM Interface Barramento (barramentos, cabos e tubos): São compostos os barramentos rígidos e/ou flexíveis e os cabos isolados em instalações de produção, transmissão ou distribuição, incluindo-

17 Fls. 17 do Anexo III da Nota Técnica nº 304/2010-SRE/ANEEL, de 24/09/2010. se tubos metálicos, conexões com equipamentos, ancoragens, isoladores, buchas de passagem, anéis anticorona, fios e cabos nus e a prova de tempo, abrigos e proteções. Cabos, conectores e tubos, para instalação dos barramentos e interligações elétricas de Média Tensão entre barramentos e equipamentos. Descrição 1 ODI.TI.CM BARRAMENTO Classe de Tensão (kv) Material Isolamento 2 ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 3 ODI.TI.CM Isolado- epr 4 ODI.TI.CM Isolado- xlpe Cobre 5 ODI.TI.CM Isolado- pvc 6 ODI.TI.CM Protegido- epr 7 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 8 ODI.TI.CM Protegido- pvc 9 ODI.TI.CM ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 11 ODI.TI.CM Isolado- epr 12 ODI.TI.CM Isolado- xlpe Alumínio 13 ODI.TI.CM Isolado- pvc 14 ODI.TI.CM Protegido- epr 15 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 16 ODI.TI.CM Protegido- pvc Rígido 36,2 17 ODI.TI.CM ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 19 ODI.TI.CM Isolado- epr 20 ODI.TI.CM Alumínio com Isolado- xlpe 21 ODI.TI.CM alma de aço Isolado- pvc 22 ODI.TI.CM Protegido- epr 23 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 24 ODI.TI.CM Protegido- pvc 25 ODI.TI.CM ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 27 ODI.TI.CM Isolado- epr 28 ODI.TI.CM Isolado- xlpe Aço 29 ODI.TI.CM Isolado- pvc 30 ODI.TI.CM Protegido- epr 31 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 32 ODI.TI.CM Protegido- pvc

18 Fls. 18 do Anexo III da Nota Técnica nº 304/2010-SRE/ANEEL, de 24/09/2010. Descrição 33 ODI.TI.CM BARRAMENTO Classe de Tensão (kv) Material Isolamento 34 ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 35 ODI.TI.CM Isolado- epr 36 ODI.TI.CM Isolado- xlpe Aço cobreado 37 ODI.TI.CM Isolado- pvc 38 ODI.TI.CM Protegido- epr 39 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 40 ODI.TI.CM Protegido- pvc 41 ODI.TI.CM ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 43 ODI.TI.CM Isolado- epr 44 ODI.TI.CM Aço Isolado- xlpe 45 ODI.TI.CM aluminizado Isolado- pvc 46 ODI.TI.CM Protegido- epr 47 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 48 ODI.TI.CM Protegido- pvc Rígido 36,2 49 ODI.TI.CM ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 51 ODI.TI.CM Isolado- epr 52 ODI.TI.CM Tubo de Isolado- xlpe 53 ODI.TI.CM alumínio Isolado- pvc 54 ODI.TI.CM Protegido- epr 55 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 56 ODI.TI.CM Protegido- pvc 57 ODI.TI.CM ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 59 ODI.TI.CM Isolado- epr 60 ODI.TI.CM Barra de Isolado- xlpe 61 ODI.TI.CM alumínio Isolado- pvc 62 ODI.TI.CM Protegido- epr 63 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 64 ODI.TI.CM Protegido- pvc

19 Fls. 19 do Anexo III da Nota Técnica nº 304/2010-SRE/ANEEL, de 24/09/2010. Descrição 65 ODI.TI.CM BARRAMENTO Classe de Tensão (kv) Material Isolamento 66 ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 67 ODI.TI.CM Isolado- epr 68 ODI.TI.CM Isolado- xlpe Cobre 69 ODI.TI.CM Isolado- pvc 70 ODI.TI.CM Protegido- epr 71 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 72 ODI.TI.CM Protegido- pvc 73 ODI.TI.CM ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 75 ODI.TI.CM Isolado- epr 76 ODI.TI.CM Isolado- xlpe Alumínio 77 ODI.TI.CM Isolado- pvc 78 ODI.TI.CM Protegido- epr 79 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 80 ODI.TI.CM Protegido- pvc Flexível 36,2 81 ODI.TI.CM ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 83 ODI.TI.CM Isolado- epr 84 ODI.TI.CM Alumínio com Isolado- xlpe 85 ODI.TI.CM alma de aço Isolado- pvc 86 ODI.TI.CM Protegido- epr 87 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 88 ODI.TI.CM Protegido- PVC 89 ODI.TI.CM ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 91 ODI.TI.CM Isolado- epr 92 ODI.TI.CM Isolado- xlpe Aço 93 ODI.TI.CM Isolado- pvc 94 ODI.TI.CM Protegido- epr 95 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 96 ODI.TI.CM Protegido- pvc

20 Fls. 20 do Anexo III da Nota Técnica nº 304/2010-SRE/ANEEL, de 24/09/2010. Descrição 97 ODI.TI.CM BARRAMENTO Classe de Tensão (kv) Material Isolamento 98 ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 99 ODI.TI.CM Isolado- epr 100 ODI.TI.CM Isolado- xlpe Aço cobreado 101 ODI.TI.CM Isolado- pvc 102 ODI.TI.CM Protegido- epr 103 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 104 ODI.TI.CM Protegido- pvc 105 ODI.TI.CM ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 107 ODI.TI.CM Isolado- epr 108 ODI.TI.CM Aço Isolado- xlpe 109 ODI.TI.CM aluminizado Isolado- pvc 110 ODI.TI.CM Protegido- epr 111 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 112 ODI.TI.CM Protegido- pvc Flexível 36,2 113 ODI.TI.CM ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 115 ODI.TI.CM Isolado- epr 116 ODI.TI.CM Tubo de Isolado- xlpe 117 ODI.TI.CM alumínio Isolado- pvc 118 ODI.TI.CM Protegido- epr 119 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 120 ODI.TI.CM Protegido- pvc 121 ODI.TI.CM ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 123 ODI.TI.CM Isolado- epr 124 ODI.TI.CM Barra de Isolado- xlpe 125 ODI.TI.CM alumínio Isolado- pvc 126 ODI.TI.CM Protegido- epr 127 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 128 ODI.TI.CM Protegido- pvc Normas Aplicáveis: NBR 6835 Alumínio e suas Ligas Têmperas NBR 7270 Cabos de Alumínio com Alma de Aço para Linhas Aéreas NBR 7302 Condutores elétricos de alumínio - Tensão - Deformação em condutores de alumínio NBR 7312 Rolos de fios e cabos elétricos - Características dimensionais

21 Fls. 21 do Anexo III da Nota Técnica nº 304/2010-SRE/ANEEL, de 24/09/2010. NBR Conectores de alumínio para ligações aéreas de condutores elétricos em sistemas de potência Estrutura suporte de equipamento e de barramento: Compostos de estruturas suporte de aço, de ferro, de madeira, de alvenaria, de concreto ou mista (concreto e aço), para equipamentos e barramentos, incluindo-se as respectivas fundações. 01 ODI.TI.CM ESTRUTURA SUPORTE DE EQUIPAMENTO E DE BARRAMENTO Descrição Material Concreto 02 ODI.TI.CM Madeira 03 ODI.TI.CM ESTRUTURA DE SUPORTE Ferro 04 ODI.TI.CM PARA EQUIPAMENTO Aço 05 ODI.TI.CM Alvenaria 06 ODI.TI.CM Mista ( concreto e aço ) 07 ODI.TI.CM Concreto 08 ODI.TI.CM Madeira 09 ODI.TI.CM ESTRUTURA DE SUPORTE Ferro 10 ODI.TI.CM PARA BARRAMENTO Aço 11 ODI.TI.CM Alvenaria 12 ODI.TI.CM Mista ( concreto e aço ) Base para equipamento em concreto armado ou estrutura metálica. Normas Aplicáveis: NBR 5732 Cimento Portland comum; NBR 5733 Cimento Portland de alta resistência inicial; NBR 5738 Moldagem e cura de corpos-de-prova cilíndricos ou prismáticos de concreto; NBR 6124 Determinação da elasticidade, carga de ruptura, absorção de água e da espessura do cobrimento em postes e cruzetas de concreto armado; NBR 7211 Agregados para concreto; NBR 7480 Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado.

22 Fls. 22 do Anexo III da Nota Técnica nº 304/2010-SRE/ANEEL, de 24/09/2010. b. Tabela Construtiva do Módulo Módulo de Subestação de Distribuição Categoria: 2.1 INFRAESTRUTURA GERAL Subcategoria: SUBESTAÇÃO EM 34,5kV, BARRA SIMPLES OU BARRA PRINCIPAL E TRANSFERÊNCIA, TIPO: MÉDIA Código do Módulo: INF02 a. Unidade de Cadastro Descrição Unidade Quantidade Unidade de Cadastro Sistema de Alimentação de Energia cj Sistema de Proteção, Medição e Automação cj Sistema de Comunicação e Proteção Carrier cj Sistema de Aterramento cj Sistema de Iluminação e Força cj Transformador de Serviços Auxiliares cj Sistema de Radiocomunicação cj Painel, Mesa de Comando e Cubículo cj Barramentos, cabos e tubos cj Estrutura suporte de equipamento e de barramento cj c. Componentes Menores (Componentes menores já estão englobados dentro de cada sistema) d. Custos Adicionais - Atividades / Serviços Montagem Eletromecânica % 5 Proporcional Comissionamento % 2 Proporcional Canteiro de obras % 4 Proporcional Engenharia % 4 Proporcional Administração % 3 Proporcional Eventuais % 2 Proporcional Normas Aplicáveis: NBR NBR 5410 NBR 5418 NBR NR 10 NBR NBR NBR NBR 6546 NBR 6855 Instalações elétricas de média tensão; Instalações elétricas de baixa tensão; Instalações elétricas em atmosferas explosivas; Sistema de Iluminação de emergência; Instalações e Serviços em Eletricidade; Acumuladores elétricos; Acumulador chumbo-ácido estacionário ventilado Ensaios; Acumulador chumbo-ácido regulado por válvula Ensaios; Transformadores para instrumentos - Terminologia; Transformador de Potencial Indutivo Especificação;

23 Fls. 23 do Anexo III da Nota Técnica nº 304/2010-SRE/ANEEL, de 24/09/2010. NBR 6856 NBR 9112 IEC NBR NBR 8146 NBR NBR NBR Transformador de Corrente Especificação; Conversor a semicondutores; Communication Networks and Systems in Substations; Equipamento terminal de ondas portadoras em linhas de alta tensão para teleproteção; Equipamento terminal de ondas portadoras em linhas de alta tensão; Relés de medição e sistemas de proteção; Sistemas de aterramento de subestações Requisitos; Medição de resistência de aterramento e de potenciais na superfície do solo em sistemas de aterramento; c. Componentes Menores Os componentes menores já estão englobados dentro de cada sistema. Como a listagem dos componentes menores para cada tipo de sistema é muito peculiar de cada área de concessão e tipo de subestação, não foram listados os componentes menores. Será proposta uma metodologia de valoração de preços para o sistema como um todo. d. Custos Adicionais (Atividades e Serviços) As atividades e serviços deste módulo são as apresentas a seguir acrescidas das atividades dos submódulos descritos na tabela construtiva do módulo (item b). Montagens eletromecânicas de cada sistema: Corresponde a todas atividades realizadas para montagem e instalação dos equipamentos eletromecânicos e instrumentos elétricos de cada sistema, instalados nas subestações pequena, média e grande. Testes de comissionamento de cada sistema: Corresponde a todas atividades realizadas para comissionamento dos equipamentos eletromecânicos e instrumentos elétricos de cada sistema, instalados nas subestações pequena, média e grande.

24 Fls. 24 do Anexo III da Nota Técnica nº 304/2010-SRE/ANEEL, de 24/09/ SUBESTAÇÃO EM 34,5kV, BARRA SIMPLES OU BARRA PRINCIPAL E TRANSFERÊNCIA, TIPO: GRANDE a. Características técnicas das unidades de cadastro (UC) O módulo de infraestrutura elétrica geral terá como Unidades de Cadastro (equipamentos principais) os sistemas que atendem a subestação como um todo, conforme a seguir relacionados: Sistema de Alimentação de Energia: composto de baterias, inversores, carregadores, retificadores, conversores, no break, grupos motor-gerador, incluindo-se suportes, abrigos, recipientes para ácidos e álcalis, densímetros e unidades supervisoras de corrente. SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO DE ENERGIA Descrição Tipo ODI.TI.CM Sistema de Alimentação de Energia Código da Empresa Sistema de Proteção, Medição e Automação: composto de sistemas de proteção (automático), teleproteção via microondas e fibra ótica, telecontrole, telealarme, telemedição, de aquisição de dados e de monitoramento, incluindo-se os equipamentos de transmissão, recepção, unidades de controle remoto e de supervisão, detectores de falta e dispositivos relacionados tais como cabos de descida, circuitos de aterramento e demais acessórios. Os painéis, mesas de comando, quadros e cubículos exclusivos, computadores, microcomputadores, impressoras, monitores e modem utilizados para estes tipos de sistema estão incluídos neste tipo de UC, bem como os softwares industriais embarcados, de dedicação exclusiva para cada equipamento e rede de comunicação exclusiva e dedicada ao sistema. SISTEMA DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E AUTOMAÇÃO Descrição 01 ODI.TI.CM Sistema de Proteção 02 ODI.TI.CM Sistema de Teleproteção 03 ODI.TI.CM Sistema de Telecontrole 04 ODI.TI.CM Sistema de Telemedição 05 ODI.TI.CM Sistema de Aquisição de Dados 06 ODI.TI.CM Sistema de Monitoramento Sistema de Comunicação e Proteção Carrier: Composto de sistemas de comunicação e proteção "carrier", compreendendo bobinas de bloqueio, capacitores de acoplamento, caixas de sintonia, transmissores-receptores, filtros, unidades híbridas, fiação e outros. SISTEMA DE COMUNICAÇÃO E PROTEÇÃO CARRIER Descrição 01 ODI.TI.CM Sistema de Comunicação e Proteção Carrier

25 TRIFÁSICO - Y (COM NEUTRO ACESSÍVEL) 380 / / / / 127 Fases / Ligação Fls. 25 do Anexo III da Nota Técnica nº 304/2010-SRE/ANEEL, de 24/09/2010. Sistema de Aterramento: Composto de sistemas de aterramento, incluindo-se os cabos nus e isolados, tubos e barras de cobre e alumínio, conexões a equipamentos, grades, caixas de inspeção, eletrodos, hastes e placas de aterramento e materiais para cobertura da malha em usinas, subestações e instalações de comunicações. Os cabos para-raios e os fios contrapeso, instalados em linhas de transmissão e em linhas e redes de distribuição, também estão incluídos neste tipo de UC. SISTEMA DE ATERRAMENTO Descrição 01 ODI.TI.CM Sistema de Aterramento de Subestação 02 ODI.TI.CM Sistema de Aterramento em Instalação de Comunicação Sistema de Iluminação e Força: Composto de sistemas de iluminação e força, incluindo os equipamentos, estruturas e acessórios integrantes. ODI.TI.CM SISTEMA DE ILUMINAÇÃO E FORÇA Descrição Sistema de Iluminação e Força Transformador de Serviços Auxiliares: Composto de transformadores de serviços auxiliares, incluindo-se suprimento inicial de óleo, para-raios e chaves integrantes, buchas, terminais e outros. TRANSFORMADOR TRIFÁSICO DE SERVIÇOS AUXILIARES 1 ODI.TI.CM Potência (kva) 2 ODI.TI.CM ODI.TI.CM ,5 4 ODI.TI.CM ODI.TI.CM ODI.TI.CM ODI.TI.CM ODI.TI.CM ODI.TI.CM ,5 10 ODI.TI.CM ODI.TI.CM ODI.TI.CM Características Elétricas NBI (kv) 95 Primária Tensões (V) Secundária

26 Fls. 26 do Anexo III da Nota Técnica nº 304/2010-SRE/ANEEL, de 24/09/2010. Sistema de Radiocomunicação: Composto de instalações de comunicação em HF, VHF, UHF, microondas e por fibra ótica, incluindo-se equipamentos de transmissão, recepção e multiplexação, unidades de controle, abrigos, prateleiras, microfones, alto-falantes, servomecanismos, torres de antena com a respectiva sinalização aeronáutica, antenas e dispositivos relacionados, tais como cabos de descida, circuitos de aterramento, pressurizadores e desidratadores de cabos de descida, linhas que tenham a função exclusiva de conexão entre estações repetidoras de microondas e outros sistemas de comunicação e linhas de controle remoto destinadas especialmente para estações de rádio, incluindo postes e respectivos acessórios, cabos e condutores. ODI.TI.CM ODI.TI.CM ODI.TI.CM ODI.TI.CM ODI.TI.CM SISTEMA DE RADIOCOMUNICAÇÃO Descrição Estação HF Estação VHF Estação UHF Estação Microondas Estação Fibra Ótica Painel, Mesa de Comando e Cubículo: Composto de painéis, mesas, cubículos e quadros de comando, de proteção, de sincronismo, de alarme, de aquisição de dados, de supervisão e controle e de distribuição de força, compreendendo os painéis, mesas e cubículos de comando, de medidores, de relés, de sincronismo, de alarme, de distribuição de força para serviços auxiliares de média e baixa tensão do centro de controle de motores, de excitação do alternador, dos retificadores, de comando dos retificadores, dos oscilógrafos, dos registradores gráficos, etc. PAINEL, MESA DE COMANDO E CUBÍCULO Descrição Função 1 ODI.TI.CM Entrada / Saída de Linha 2 ODI.TI.CM Entrada / Saída de Circuito Painel 3 ODI.TI.CM Transformação 4 ODI.TI.CM Oscilografia 5 ODI.TI.CM Serviços Auxiliares 6 ODI.TI.CM Mesa de Comando Proteção de Sincronismo 7 ODI.TI.CM Alarme 8 ODI.TI.CM Aquisição de Dados 9 ODI.TI.CM Supervisão e Controle 10 ODI.TI.CM Distribuição de Força 11 ODI.TI.CM Proteção de Transformador Cubículo 12 ODI.TI.CM Manobra e Sinalização 13 ODI.TI.CM Transferência e Religamento 14 ODI.TI.CM Medição 15 ODI.TI.CM Interface Barramento (barramentos, cabos e tubos): São compostos os barramentos rígidos e/ou flexíveis e os cabos isolados em instalações de produção, transmissão ou distribuição, incluindo-

27 Fls. 27 do Anexo III da Nota Técnica nº 304/2010-SRE/ANEEL, de 24/09/2010. se tubos metálicos, conexões com equipamentos, ancoragens, isoladores, buchas de passagem, anéis anticorona, fios e cabos nus e a prova de tempo, abrigos e proteções. Cabos, conectores e tubos, para instalação dos barramentos e interligações elétricas de Média Tensão entre barramentos e equipamentos. Descrição 1 ODI.TI.CM BARRAMENTO Classe de Tensão (kv) Material Isolamento 2 ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 3 ODI.TI.CM Isolado- epr 4 ODI.TI.CM Isolado- xlpe Cobre 5 ODI.TI.CM Isolado- pvc 6 ODI.TI.CM Protegido- epr 7 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 8 ODI.TI.CM Protegido- pvc 9 ODI.TI.CM ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 11 ODI.TI.CM Isolado- epr 12 ODI.TI.CM Isolado- xlpe Alumínio 13 ODI.TI.CM Isolado- pvc 14 ODI.TI.CM Protegido- epr 15 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 16 ODI.TI.CM Protegido- pvc Rígido 36,2 17 ODI.TI.CM ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 19 ODI.TI.CM Isolado- epr 20 ODI.TI.CM Alumínio com Isolado- xlpe 21 ODI.TI.CM alma de aço Isolado- pvc 22 ODI.TI.CM Protegido- epr 23 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 24 ODI.TI.CM Protegido- pvc 25 ODI.TI.CM ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 27 ODI.TI.CM Isolado- epr 28 ODI.TI.CM Isolado- xlpe Aço 29 ODI.TI.CM Isolado- pvc 30 ODI.TI.CM Protegido- epr 31 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 32 ODI.TI.CM Protegido- pvc

28 Fls. 28 do Anexo III da Nota Técnica nº 304/2010-SRE/ANEEL, de 24/09/2010. Descrição 33 ODI.TI.CM BARRAMENTO Classe de Tensão (kv) Material Isolamento 34 ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 35 ODI.TI.CM Isolado- epr 36 ODI.TI.CM Isolado- xlpe Aço cobreado 37 ODI.TI.CM Isolado- pvc 38 ODI.TI.CM Protegido- epr 39 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 40 ODI.TI.CM Protegido- pvc 41 ODI.TI.CM ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 43 ODI.TI.CM Isolado- epr 44 ODI.TI.CM Aço Isolado- xlpe 45 ODI.TI.CM aluminizado Isolado- pvc 46 ODI.TI.CM Protegido- epr 47 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 48 ODI.TI.CM Protegido- pvc Rígido 36,2 49 ODI.TI.CM ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 51 ODI.TI.CM Isolado- epr 52 ODI.TI.CM Tubo de Isolado- xlpe 53 ODI.TI.CM alumínio Isolado- pvc 54 ODI.TI.CM Protegido- epr 55 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 56 ODI.TI.CM Protegido- pvc 57 ODI.TI.CM ODI.TI.CM Isolado - papel imprregnado 59 ODI.TI.CM Isolado- epr 60 ODI.TI.CM Barra de Isolado- xlpe 61 ODI.TI.CM alumínio Isolado- pvc 62 ODI.TI.CM Protegido- epr 63 ODI.TI.CM Protegido- xlpe 64 ODI.TI.CM Protegido- pvc

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 24/2014

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 24/2014 ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 24/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: Associação UTC América Latina AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Audiência Pública nº 024/2014

Leia mais

A N E X O V I I I M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E L I N H A S E R E D E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O S U B M E R S A S

A N E X O V I I I M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E L I N H A S E R E D E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O S U B M E R S A S A N E X O V I I I M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E L I N H A S E R E D E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O S U B M E R S A S C A T Á L O G O R E F E R E N C I A L DE M Ó D U L O S P A D R Õ E S D

Leia mais

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO.

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. Introdução A energia elétrica que alimenta as indústrias, comércio e nossos lares é gerada principalmente em usinas hidrelétricas, onde a passagem

Leia mais

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO OBRA: SUBESTAÇÃO 500KVA PROPRIETÁRIO: TRT TRIBUNAL REGIONALDO TRABALHO 12ºREGIÃO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. EMERSON CESAR PADOIN PADOIN ENGENHARIA E PROJETOS LTDA MEMORIAL

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE INSTRUMENTOS PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS Por que medir grandezas elétricas? Quais grandezas elétricas precisamos medir? Como medir

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Novas Normas NBR IEC 61643-1 - Dispositivos de proteção contra surtos em baixa tensão - Parte 1: Dispositivos de proteção conectados a sistemas de

Leia mais

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERICIAS NAS DIVERSAS ÁREAS DA ENGENHARIA ELÉTRICA 1. PERICIAS EM TRANSFORMADORES Transformadores a óleo e transformadores a seco; Verificação de seus componentes; Ensaios

Leia mais

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Subestações Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Parte de um sistema de potência, concentrada em um dado local, compreendendo primordialmente as extremidades de linhas de transmissão

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Conceitos modernos de especificação e uso de Subestações e Painéis de média tensão Eng. Nunziante Graziano, M. Sc. AGENDA - NORMAS DE REFERÊNCIA

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 02

COMUNICADO TÉCNICO Nº 02 COMUNICADO TÉCNICO Nº 02 Página 1 de 1 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL 1.OBJETIVO Visando a redução de custos de expansão do sistema

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO Responsável Técnico: Proprietário / Responsável Legal: Marcos Antônio de Sordi Instituto Federal de Ciência e Eng.º Eletricista CREA PR-73895/D Tecnologia

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG D Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv NTC-06 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 Página 1 de 15 COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 ALTERAÇÃO DE TENSÃO SECUNDÁRIA DE NOVOS EMPREENDIMENTOS NO SISTEMA RETICULADO SUBTERRÂNEO (NETWORK) Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da

Leia mais

Aplicação de Sistema Telemedição em Unidades Consumidoras Alimentadas por Redes Subterrâneas Caso Praia do Paiva

Aplicação de Sistema Telemedição em Unidades Consumidoras Alimentadas por Redes Subterrâneas Caso Praia do Paiva Aplicação de Sistema Telemedição em Unidades Consumidoras Alimentadas por Redes Subterrâneas Caso Praia do Paiva Autores Marcelo Artur Xavier de Lima CELPE; José Aderaldo Lopes CELPE. 1 AGENDA: A Celpe;

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

LISTA DE ESCOPO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÕES POR FAMÍLIA

LISTA DE ESCOPO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÕES POR FAMÍLIA LISTA DE ESCOPO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÕES POR FAMÍLIA ANTENAS FAMÍLIAS DE PRODUTOS ACUMULADORES DE ENERGIA (BATERIA) CABOS COAXIAIS CABOS ÓPTICOS E FIBRAS ÓPTICAS CABOS PARA TRANSMISSÃO DE DADOS

Leia mais

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Fornecimento de Energia Elétrica a Edificações de Múltiplas Unidades Consumidoras do Programa Minha Casa Minha Vida com Telemedição Processo Atividade Realizar novas ligações Executa ligação BT Código

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE SUBESTAÇÃO ABAIXADORA DE ENERGIA ELÉTRICA

MEMORIAL DESCRITIVO DE SUBESTAÇÃO ABAIXADORA DE ENERGIA ELÉTRICA MEMORIAL DESCRITIVO DE SUBESTAÇÃO ABAIXADORA DE ENERGIA ELÉTRICA CLIENTE: EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS- DR/PE CNPJ 34.028.316/0021-57 LOCAL: AVENIDA GUARARAPES Nº250-SANTO ANTÕNIO RECIFE-PE.

Leia mais

ASSUNTO: CO.APR.T.013.2004 CONSTRUÇÃO CIVIL E MONTAGEM ELETROMECÂNICA, COM FORNECIMENTO DE MATERIAIS E SISTEMAS, DA SE IVAIPORÃ 7ª AMPLIAÇÃO.

ASSUNTO: CO.APR.T.013.2004 CONSTRUÇÃO CIVIL E MONTAGEM ELETROMECÂNICA, COM FORNECIMENTO DE MATERIAIS E SISTEMAS, DA SE IVAIPORÃ 7ª AMPLIAÇÃO. ASSUNTO: CONSTRUÇÃO CIVIL E MONTAGEM ELETROMECÂNICA, COM FORNECIMENTO DE MATERIAIS E SISTEMAS, DA SE IVAIPORÃ 7ª AMPLIAÇÃO. ESCLARECIMENTOS N 04 1) Transcrevemos abaixo, perguntas de empresas participantes

Leia mais

Montagem de SPDA e Aterramento

Montagem de SPDA e Aterramento Executamos obras com uma equipe especializada e experiente, qualificada na área de sistem as de SPDA e aterramento. O SPDA e o aterramento é de fundamental importância para a proteção de pessoas e de sistemas

Leia mais

CABOS ISOLADOS / COBERTOS DE BAIXA TENSÃO (até 1kV) Nota: Sob consulta, os cabos Forex, Flexonax, Forenax, Forefix podem ser fornecidos com armadura Fio e Cabo WPP Cordão FOREPLAST (300 V) Os fios WPP

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CADASTRO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO CD.DT.PDN.03.14.001 03 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO (DEEE) SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO Dados do cliente Proprietário: Roney Casagrande CPF: 765.425.990-53 Endereço: Estrada Pinhal da Serra, n 04452, Interior Cidade: Pinhal da Serra RS CEP: 95.390-000 Dados da

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. ASPECTOS GERAIS... 2 3. EXCEÇÕES... 2 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva Com a linha Geafol, obteve-se um transformador com excelentes características elétricas, mecânicas e térmicas que, adicionalmente, ainda é ecológico. São produzidos sob certificação DQS, ISO 9001 e ISO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 9. Sistema de Aterramento 02 9.1. Geral 02 9.2. Normas 02 9.3. Escopo de Fornecimento 02 T-9.1. Tabela 02 9.4. Características Elétricas 03 9.4.1. Gerais 03 9.4.2. Concepção Geral

Leia mais

ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA

ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA 1. DETERMINAÇÃO DA CARGA INSTALADA a) Para definição do tipo de fornecimento, o consumidor deve determinar a carga instalada, somando-se a potência

Leia mais

Série Quasar. Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente. www.altus.com.br

Série Quasar. Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente. www.altus.com.br Série Quasar Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente www.altus.com.br Na medida exata para seu negócio Modular: ampla variedade de configurações para

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Conceito Instalações Elétricas Prediais -É a Ligação intencional de um condutor à terra. -Significa colocar instalações de estruturas metálicas e equipamentos elétricos

Leia mais

ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES

ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES A descrição das atividades tem como propósito facilitar o relacionamento entre a CONTRATANTE e a CONTRATADA, na medida em que visa

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ASPECTOS GERAIS... 1 3. EXCEÇÕES... 1 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

O Site da Eletrônica Aterramento

O Site da Eletrônica Aterramento O Site da Eletrônica Aterramento 1 - Generalidades As características e a eficácia dos aterramentos devem satisfazer às prescrições de segurança das pessoas e funcionais da instalação. O valor da resistência

Leia mais

APLICAÇÃO DE SISTEMA TELEMEDIÇÃO EM UNIDADES CONSUMIDORAS ALIMENTADAS POR REDES SUBTERRÂNEAS CASO PRAIA DO PAIVA

APLICAÇÃO DE SISTEMA TELEMEDIÇÃO EM UNIDADES CONSUMIDORAS ALIMENTADAS POR REDES SUBTERRÂNEAS CASO PRAIA DO PAIVA APLICAÇÃO DE SISTEMA TELEMEDIÇÃO EM UNIDADES CONSUMIDORAS ALIMENTADAS POR REDES SUBTERRÂNEAS CASO PRAIA DO PAIVA Jose A. Lopes, Marcelo A. X. Lima, CELPE, Brasil, Jose.lopes@celpe.com.br, marcelo.lima@celpe.com.br

Leia mais

MANUTENÇÃO PREVENTIVA EM SUBESTAÇÕES DE MÉDIA E ALTA TENSÃO 13,8kV

MANUTENÇÃO PREVENTIVA EM SUBESTAÇÕES DE MÉDIA E ALTA TENSÃO 13,8kV MANUTENÇÃO PREVENTIVA EM SUBESTAÇÕES DE MÉDIA E ALTA TENSÃO 13,8kV EQUIPAMENTOS CONSTANTES: 1.0 CABINE SEMI-ENTERRADA (MECANICA) 13,8 kv - GENÉRICA 1.1.1 Disjuntor de Alta Tensão (classe tensão 15 KV);

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS DA SE PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA COMPONENTES SUBESTAÇÕES OBJETIVOS Apresentar os principais equipamentos

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Avaliação do Sistema de Transformação em Subestações e Painéis de Média Tensão - Operação, Manutenção e Ensaios Eng. Marcelo Paulino Subestações

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00-13/07/2009 13/07/2009 APROVADO POR José Rubens Macedo Junior SUMÁRIO 1. RESUMO...3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...3 3.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DIP/SMOV ANEXO X - MODELO DE ORÇAMENTO PARQUE FARROUPILHA - SUBESTAÇÃO SE 2 ADMINISTRAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DIP/SMOV ANEXO X - MODELO DE ORÇAMENTO PARQUE FARROUPILHA - SUBESTAÇÃO SE 2 ADMINISTRAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DIP/SMOV ANEXO X - MODELO DE ORÇAMENTO PARQUE FARROUPILHA - SUBESTAÇÃO SE 2 ADMINISTRAÇÃO MATERIAL CÂMARA TRANSFORMADORA Unid. Quant. V. unit.r$ V. TotalR$ Placa de

Leia mais

para cargas críticas.

para cargas críticas. 50 anos NO-BREAKS & ESTABILIZADORES DE TENSÃO Soluções em sistemas de pura ENERGIA para cargas críticas. www.amplimag.com.br EMPRESA Amplimag Controles Eletrônicos Ltda. Empresa 100% Nacional, desde 1962

Leia mais

TABELA II - CLASSES DE TENSÃO, TENSÃO PRIMÁRIA E TENSÃO SECUNDÁRIA (OBS:

TABELA II - CLASSES DE TENSÃO, TENSÃO PRIMÁRIA E TENSÃO SECUNDÁRIA (OBS: Anexo II Lista de alterações TABELA II - CLASSES DE TENSÃO, TENSÃO PRIMÁRIA E TENSÃO SECUNDÁRIA (OBS: Deve indicar a tensão nominal dos equipamentos, não a tensão que está sendo operado ou tensão máxima)

Leia mais

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº DELIBERAÇÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DE PUBLICAÇÃO 01 29/07/2014 01/08/2014 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI DTESES SUMÁRIO 1. OBJETIVO...

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IMPLANTAÇÃO.

ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IMPLANTAÇÃO. OBRA: COL. EST. RESIDENCIAL SÃO PEDRO - PROJETO PADRÃO SECULO XXI. LOCAL: - Rua Tucunaré com Rua Pacu e Avenida Astolpho Leão Borges APM-05, Residencial São Pedro Goianira - GO ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES

Leia mais

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA. RUA SECUNDINO DOMINGUES 787, JARDIM INDEPENDÊNCIA, SÃO PAULO, SP TELEFONE (011) 2100-0777 - FAX (011) 2100-0779 - CEP 03223-110 INTERNET: http://www.equacional.com.br

Leia mais

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Eng. Fernando Azevedo COPEL Distribuição Eng. Henrique Florido Filho - Pextron 1 A Copel Companhia Paranaense de Energia,

Leia mais

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS 02.111-TD/AT-3013a Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS Gerência de Desenvolvimento e Engenharia de Ativos da Distribuição TD/AT Belo Horizonte Setembro/2013

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO - NTE 014 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO. Cuiabá Mato Grosso - Brasil

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO - NTE 014 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO. Cuiabá Mato Grosso - Brasil NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO - NTE 014 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Cuiabá Mato Grosso - Brasil SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 1-OBJETIVO...4 2-AMPLITUDE...4 3-RESPONSABILIDADE

Leia mais

Rendimento EscolarFrequência : Obrigatório Critério de Avaliação : NOTA. DependênciasCritérios: Este curso não admite dependências.

Rendimento EscolarFrequência : Obrigatório Critério de Avaliação : NOTA. DependênciasCritérios: Este curso não admite dependências. Titulação : Eletricista Nome Abreviado : Eletricista Nível : Aprendizagem Tipo de Curso : Aprendizagem Industrial Área : Eletroeletrônica Segmento de Área : Eletricidade Estratégia : Presencial Carga Horária

Leia mais

CONECTORES PARA CABOS FLEXÍVEIS RAMAIS DE LIGAÇÃO E MEDIDORES

CONECTORES PARA CABOS FLEXÍVEIS RAMAIS DE LIGAÇÃO E MEDIDORES TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DA DISTRIBUIÇÃO CONECTORES PARA CABOS FLEXÍVEIS RAMAIS DE LIGAÇÃO E MEDIDORES CÓDIGO ESP-I-GPC-01/13 VERSÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DA VIGÊNCIA R0 20/05/2013 CONTROLE DE REVISÃO

Leia mais

FIOS E CABOS BAIXA TENSÃO

FIOS E CABOS BAIXA TENSÃO FIOS E CABOS BAIXA TENSÃO Conceitos Básicos sobre es Elétricos Definições: Vergalhão Produto metálico não-ferroso de seção maciça circular, destinado à fabricação de fios. Fio Metálico Produto maciço,

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Capítulo 4 Parte 2 Condutores elétricos: 1. semestre de 2011 Abraham Ortega Número de condutores isolados no interior de um eletroduto Eletroduto é um elemento de linha elétrica fechada,

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO S istema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº APROVAÇÃO DATA DATA DA VIGÊNCIA 01 18/11/2013 22/11/2013 ENGENHARIA E SISTEMAS TÉCNICOS (DTESES) MARCELO POLTRONIERI DTESES SUMÁRIO 1. RESUMO...

Leia mais

TÉCNICA NTE - 014 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO

TÉCNICA NTE - 014 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO NORMA TÉCNICA NTE - 014 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Cuiabá Mato Grosso - Brasil APRESENTAÇÃO...3 1-OBJETIVO...4 2-AMPLITUDE...4 3-RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...4

Leia mais

CCM. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão. Painéis metálicos fabricados em aço carbono.

CCM. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão. Painéis metálicos fabricados em aço carbono. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão Painéis metálicos fabricados em aço carbono. Definição ( montado): é uma combinação de dispositivos e equipamentos de manobra,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS, LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Local da realização dos serviços 03 5.2. Condições

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 474, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2012.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 474, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2012. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 474, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2012. Estabelece novas taxas anuais de depreciação para os ativos em serviço outorgado no setor elétrico, alterando

Leia mais

Escolha o melhor parceiro para estar entre os maiores. Escolha TSE ENERGIA E AUTOMAÇÃO. www.grupotse.com.br

Escolha o melhor parceiro para estar entre os maiores. Escolha TSE ENERGIA E AUTOMAÇÃO. www.grupotse.com.br Escolha o melhor parceiro para estar entre os maiores. Escolha TSE www.grupotse.com.br I. A EMPRESA II. SERVIÇOS III. CLIENTES IV. CERTIFICAÇÕES V. CASES www.grupotse.com.br A Empresa Com Matriz em São

Leia mais

CM ELETRICISTA MONTADOR PLANO DE CURSO

CM ELETRICISTA MONTADOR PLANO DE CURSO CM ELETRICISTA MONTADOR PLANO DE CURSO Categoria e Atribuições Executar a montagem de painéis e quadro de distribuição, caixas de fusíveis e outros instrumentos de comandos, encaixando e ajustando as peças

Leia mais

Eletrobrás. Chesf. DIVISÃO DE ENGENHARIA DE TRANSMISSÃO ELETROBRÁS S/A Dezembro, 2005.

Eletrobrás. Chesf. DIVISÃO DE ENGENHARIA DE TRANSMISSÃO ELETROBRÁS S/A Dezembro, 2005. Eletrobrás ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA ANEEL / ELETROBRÁS GRUPO DE DIRETRIZES PARA ORÇAMENTOS DE SUBESTAÇÕES Chesf Eletrosul DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE ORÇAMENTOS DE SUBESTAÇÕES DIVISÃO DE ENGENHARIA

Leia mais

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada Notas: Critérios Construtivos do Padrão de Entrada A fiação do ramal de saída deve ser a mesma fiação do ramal de entrada. O padrão de entrada na zona rural deverá ficar no mínimo de 10 metros e no máximo

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG.. Instalações Elétricas Gerais 02.1. Geral 02.2. Normas 02.3. Escopo de Fornecimento 02.4. Características Elétricas para Iluminação de Uso Geral 02.4.1. Geral 02.4.2. Tensões de Alimentação

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64

NORMA TÉCNICA CELG. Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64 NORMA TÉCNICA CELG Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TIPOS

Leia mais

Acessórios Desconectáveis 200A

Acessórios Desconectáveis 200A 200A APLICAÇÃO Os Acessórios da Prysmian possuem uma concepção de projeto baseada no sistema plugue - tomada, porém para tensões, permitindo fácil conexão e desconexão de um cabo de potência, de um equipamento,

Leia mais

Plano Plurianual da Distribuição. Turn Key 1. Dados e Informações para Projeto sobre as. SE S Esmeraldas e Jaboticatubas

Plano Plurianual da Distribuição. Turn Key 1. Dados e Informações para Projeto sobre as. SE S Esmeraldas e Jaboticatubas Doc. TC 00267/2009 SUPERINTENDÊNCIA DE TELECOMUNICAÇÕES GERÊNCIA DE MANUTENÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA DE TELECOMUNICAÇÕES Plano Plurianual da Distribuição Turn Key 1 Dados e Informações para Projeto sobre

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Workshop Etapa BRASÍLIA CEB CEB 01 UPS 150 kva IGBT/IGBT BASEADO NAS INFORMAÇÕES DO DIAGRAMA UNIFILAR APRESENTADO, DEFINIR: 1 - Corrente nominal

Leia mais

FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO DE GRUPO MOTOR GERADOR PARA A PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM AMAPÁ (PR-AP)

FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO DE GRUPO MOTOR GERADOR PARA A PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM AMAPÁ (PR-AP) CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO DE GRUPO MOTOR GERADOR PARA A PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM AMAPÁ (PR-AP) OBJETIVO O presente caderno tem como objetivo estabelecer as especificações

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES Prezado cliente, índice Bem-vindo à GVT. Agora sua empresa conta com soluções inovadoras de voz, dados e Internet com o melhor custo-benefício. Para garantir a qualidade dos serviços e aproveitar todos

Leia mais

SUBESTAÇÃO TIPOS DE SUBESTAÇÕES

SUBESTAÇÃO TIPOS DE SUBESTAÇÕES SUBESTAÇÃO Uma subestação elétrica é um grupamento de equipamentos elétricos com a finalidade de dirigir o fluxo de energia elétrica num sistema de potência e de possibilitar a operação segura do sistema,

Leia mais

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES 3$'5 2'((6758785$6 '(/,1+$6(5('(6 PARTE 1 ASPECTOS GERAIS INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES Gerência de Planejamento e Engenharia Processo de Engenharia e Obras ASPECTOS GERAIS PARTE

Leia mais

VBWK Módulo de Entrada em MT para Instalações em Alvenaria. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas

VBWK Módulo de Entrada em MT para Instalações em Alvenaria. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas VBWK Módulo de Entrada em MT para Instalações em Alvenaria Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Solução Integrada para Instalações em Alvenaria O kit de entrada em média tensão VBWK

Leia mais

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA.

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. TRANSFORMADORES MONOFÁSICOS DE ISOLAÇÃO COM BLINDAGEM APLICAÇÃO Os transformadores monofásicos de isolação com blindagens, magnética e eletrostática, foram desenvolvidos

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ELETRICA

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ELETRICA ELETRICA A ME Engenharia tem como aliados profissionais altamente qualificados com anos de experiência em Engenharia de Eletricidade. Garantindo nossos projetos e manutenção com toda a proteção adequada

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE)

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL SUPERIOR CARGO: Tecnologista da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Tecnologista Junior Padrão I TEMA: CADERNO DE PROVAS

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Cruzamentos SEÇÃO 6 Rabichos SEÇÃO 7 Aterramento 1 OBJETIVO

Leia mais

Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I

Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I Prof. Eng. José Ferreira Neto ALLPAI Engenharia Out/14 Parte 1 -Conceitos O Sistema Elétrico e as Subestações Efeitos Elétricos

Leia mais

A partir de 1998 passou a se dedicar ao segmento de telecom, tendo sido Gerente de Operação e 1

A partir de 1998 passou a se dedicar ao segmento de telecom, tendo sido Gerente de Operação e 1 Infraestrutura de Sistemas de Energia CA em Sites de Telecomunicações Este tutorial apresenta a descrição de conceitos de Infraestrutura de Sistemas de Energia CA em Sites de Telecomunicações. (Versão

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA DO CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS 1 INDICE 1 OBJETIVO 2 NORMAS APLICÁVEIS 3 GENERALIDADES 4 METODOLOGIA 5 MEDIÇÕES DE GRANDEZAS

Leia mais

CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO

CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO 1 CONDIÇÕES PRÉVIAS Antes de iniciar qualquer trabalho de montagem, ou antes de adquirir um posto de transformação (PT),

Leia mais

CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA

CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA ROMAGNOLE Produtos Elétricos S.A. 1 2 ROMAGNOLE Produtos Elétricos S.A. A energia é o núcleo dos acontecimentos,

Leia mais

Cabos e acessórios para redes subterrâneas

Cabos e acessórios para redes subterrâneas Cabos e acessórios para redes subterrâneas Evoluindo com você. A distribuição de energia Vida atual com alta dependência de energia elétrica: produção serviços uso doméstico Conseqüências nas grandes cidades:

Leia mais

PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI

PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI 1 - NOME DO CURSO: Projetos de RDI / RDP: RDI: Redes de Distribuição Aéreas Isoladas; RDP: Redes de Distribuição Aéreas Protegidas (Compactas). 2 - ÁREA: Eletrotécnica Sub

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA Índice 1 Introdução 2 Local da Obra 3 Normas 4 Malha de Aterramento 5 Equipamento e Materiais 6 Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas 7 Cálculo dos Elementos

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 49

COMUNICADO TÉCNICO Nº 49 Página 1 de 13 COMUNICADO TÉCNICO Nº 49 PADRÃO DE ENTRADA INDIVIDUAL ECONÔMICO COM POSTE DE AÇO E CAIXA DE POLICARBONATO TIPO PP Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

Transformadores trifásicos

Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Por que precisamos usar transformadores trifásicos Os sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

Leia mais

Produtos & Serviços. Banco de Capacitores

Produtos & Serviços. Banco de Capacitores HV Denki Engenharia Apresentação A HV Denki é um empresa de engenharia com foco na Eficiência e na Qualidade de Energia, tem como objetivo oferecer aos seus clientes a melhor opção de solução, assim como

Leia mais

USF Mineirão. Álbum de fotografias. (acervo Cemig) Usina Solar Fotovoltaica

USF Mineirão. Álbum de fotografias. (acervo Cemig) Usina Solar Fotovoltaica USF Mineirão Usina Solar Fotovoltaica Álbum de fotografias (acervo Cemig) O ESTÁDIO Inaugurado em 5 de setembro de 1965, o Estádio Governador Magalhães Pinto, mais conhecido como Mineirão, passou por reformas

Leia mais

NBR 5419 : 2005 Proteção de Estruturas Contra Descargas Atmosféricas. Eng. Antonio Carlos Mori

NBR 5419 : 2005 Proteção de Estruturas Contra Descargas Atmosféricas. Eng. Antonio Carlos Mori NBR 5419 : 2005 Proteção de Estruturas Contra Descargas Atmosféricas Eng. Antonio Carlos Mori NÍVEL I NÍVEIS DE PROTEÇÃO Estruturas nas quais uma falha do sistema de proteção pode causar: a) Interrupção

Leia mais

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng.

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Transformadores Para Instrumentos Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Sumário 1. Tipos de Transformadores. 2. Transformadores de Corrente - TCs. 3. Transformadores de Potencial TPs. 4. Ligação

Leia mais

DEFINIÇÕES. Entrada de energia. Entrada de serviço

DEFINIÇÕES. Entrada de energia. Entrada de serviço 1 Entrada de energia DEFINIÇÕES Instalação de responsabilidade do consumidor, compreendendo ramal de entrada, poste particular ou pontalete, caixas, dispositivos de proteção, eletrodo de aterramento e

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-003 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA E SECUNDÁRIA

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-003 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA E SECUNDÁRIA NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-003 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-003 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA E SECUNDÁRIA FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA A AGRUPAMENTOS OU EDIFICAÇÃO

Leia mais

www.pratil.com.br Infraestrutura Elétrica AT (69kW) UNIFOR PROPOSTA COMERCIAL Fortaleza, 16 de Abril de 2014

www.pratil.com.br Infraestrutura Elétrica AT (69kW) UNIFOR PROPOSTA COMERCIAL Fortaleza, 16 de Abril de 2014 Infraestrutura Elétrica AT (69kW) UNIFOR PROPOSTA COMERCIAL Fortaleza, 16 de Abril de 2014 Eduardo Guimarães E-mail.: eduguimarães@pratil.com.br Cel.: (85) 9635-2993 Tel.: (85) 3133-9404 Rua Vicente Linhares,

Leia mais

NORMA DE FORNECIMENTO

NORMA DE FORNECIMENTO NORMA DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA REVISÃO: JULHO/2014 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 CAMPO DE APLICAÇÃO 3 DEFINIÇÕES 3.1 - Aterramento 3.2 - Caixa de Barramentos 3.3 - Caixa de Medição 3.4 - Carga Instalada

Leia mais

TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO 106 ENGENHEIRO ÁREA ELETRICISTA

TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO 106 ENGENHEIRO ÁREA ELETRICISTA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE BRASÍLIA CONCURSO PÚBLICO NÍVEL SUPERIOR TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO 106 ENGENHEIRO ÁREA ELETRICISTA INSTRUÇÕES Verifique atentamente se este

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 187, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 187, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 187, DE 2006 Altera o art. 193 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), que dispõe sobre atividades ou operações perigosas no trabalho e o art. 1º da Lei nº 7.369, de 20

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-144/2013 R-00

DECISÃO TÉCNICA DT-144/2013 R-00 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DA REDE DT-144/2013 DECISÃO TÉCNICA DT-144/2013 R-00 INSTALAÇÃO DE CAIXA DE PROTEÇÃO SECUNDÁRIA NA REDE DE BAIXA TENSÃO FOLHA DE CONTROLE DECISÃO TÉCNICA INSTALAÇÃO

Leia mais

Número da Licitação CO.DAQ.G.0020.2012 1/9 ESCLARECIMENTO Nº 4

Número da Licitação CO.DAQ.G.0020.2012 1/9 ESCLARECIMENTO Nº 4 CO.DAQ.G.0020.2012 1/9 ESCLARECIMENTO Nº 4 Seguem abaixo, solicitações formuladas por empresas participantes da Licitação supra e as respectivas respostas de FURNAS: 1. Pergunta: Gostaria de solicitar

Leia mais