MEMORIAL DESCRITIVO. Elaboração dos projetos elétricos da REFORMA DA SEDE DA CERON PORTO VELHO-RO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MEMORIAL DESCRITIVO. Elaboração dos projetos elétricos da REFORMA DA SEDE DA CERON PORTO VELHO-RO"

Transcrição

1 MEMORIAL DESCRITIVO 1 OBJETIVO Elaboração dos projetos elétricos da REFORMA DA SEDE DA CERON PORTO VELHO-RO 2 PROJETO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 3 - COMENTÁRIOS GERAIS O presente memorial visa descrever as principais características do sistema elétrico, as cargas consideradas, os fatores de carga e demanda, a tensão de suprimento e distribuição além de apresentar as especificações dos equipamentos e materiais e as recomendações para a execução das instalações, de acordo com as normas e especificações da ABNT DA REFORMA DA SEDE DA CERON PORTO VELHO-RO 4 NORMA BRASILERA NBR 5410 A norma brasileira NBR 5410 fixa as condições nas quais devem ser estabelecidas e mantidas as instalações elétricas alimentadas sob tensão nominal igual a 1.000volts em corrente alternada, com freqüência inferior a hz, ou 1500 volts em corrente contínua, a fim de garantir seu bom funcionamento, e a segurança dos usuários. Destacamos aqui algumas recomendações: 5 CRITERIOS BÁSICOS 5.1 A queda de tensão máxima admissível nos circuitos de iluminação e tomadas é de 2% e nos circuitos de força de 4%. 5.2.Todos os circuitos são calculados de modo a apresentarem uma folga de, no mínimo 20% em relação a capacidade nominal dos cabos, preservando-se a queda de tensão do item A proteção dos circuitos é dimensionada de forma a garantir que nunca seja ultrapassada a capacidade térmica dos cabos, a fim de evitar possíveis acidentes pôr superaquecimento. 5.4 Os fatores de demanda utilizados são aqueles do calculo da carga da subestação folha ELET-09/11 6 PROTEÇÃO CONTRA OS CONTRATOS DIRETOS 6.1 As partes vivas (condutoras) devem ser completamente recobertas por uma isolação que só pode ser removida através de sua destruição. A isolação se destina a impedir qualquer contato com as partes vivas da instalação elétrica. 6.2 A isolação deve ser feita com material isolante capaz de suporta as solicitações mecânicas, elétricas e térmicas as quais possa ser submetida.

2 6.3 Quando da utilização de invólucros (quadros de distribuição) devem ser tomadas as seguintes precauções: 6.4 Impedir que as pessoas ou animais domésticos toquem acidentalmente as partes vivas. 6.5 Garantir que as pessoas sejam advertidas de que as partes acessíveis através de aberturas são vivas e não devem ser tocadas intencionalmente. 7 PROTEÇÃO CONTRA CONTATOS INDIRETOS 7.1 Todas as massas - (quadros, equipamentos, postes de aço, etc.), devem ser ligados a condutores de proteção e estes deverão ser aterrados Um dispositivo de proteção (disjuntor, fusível, etc.) deve separar, automaticamente, da alimentação à parte da instalação protegida por este dispositivo, de tal forma que, logo em seguida a uma falha ocorrida, a tensão de contato não possa se manter, em qualquer parte da instalação. 8 DESCRIÇÃO DO SISTEMA PROPOSTO NO PROJETO 8.1 SUBESTAÇÃO REBAIXADORA O PREDIO DA SEDE EM REFORMA DA CERON SERÁ ALIMENTADO ATRAVES DE DUAS SUBESTAÇAO REBAIXADORA AEREA, UMA DE 225 KVA /220/127V QUE IRÁ ALIMENTAR TODOS SO QUADROS DE ARCONDICIONADOS DOS BLOCOS E OUTRA DE KVA /220/127V, QUE IRÁ ALIMENTAR TODOS OS QUADROS DE TOMADAS ESTABILIZADAS E GERAIS,ILUMINAÇÃO DOS BLOCOS. O GRUPO GERADOR DE EMERGENCIA ALIMENTARA TODA A CARGA DESTE TRANSFORMADOR DE KVA. 8.2 ALIMENTAÇÃO DOS QUADROS DE DISTRIBUIÇÃO Dos transformadores rebaixadores de 225 e kva sairão cabos conduzidos por eletrodutos enterrados no solo até os quadros de distribuição geral que serão construidos ao lado das muretas das SE S. Estes quadros possuirão barramentos e disjuntores para alimentação dos quadros terminais secundário a serem instalados, o quadro do trafo de KVA (PGD- EMERGENCIA) interligará com o quadro do gerardor de emergência que ficará localizado na casa do grupo gerador que irá alimentar as cargas de emergências previamente escolhidas conforme prancha ELET-09/ DISTRIBUIÇÃO DE TOMADAS NORMAIS Todas as tomadas de uso geral serão locadas conforme desenhos existente, as tomadas estabilizadas serão locadas conforme projeto novo dos blocos sendo que no transcorrer da obra poderão ocorrer alterações que deverão ser analisadas anteriormente. As tomadas serão alimentadas na tensão de 220/127 volts e utilizarão fio e cabo com bitola mínima de 2,5 mm².

3 8.4 ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO GERAL Toda a instalação terá iluminação com lâmpadas fluorescente de 2x40w,2x20w e 1x20w-220V. 8.5 SISTEMA DE ATERRAMENTO O sistema de aterramento previsto para estas edificações segue o padrão da ABNT denominado de TN-S, no qual o condutor neutro e condutor de proteção são distintos. Este esquema é concebido de modo a que o caminho de uma corrente de falta fase-massa seja constituído exclusivamente por elementos condutores e que a impedância desse percurso tenha um valor suficientemente baixo para que a proteção, contra contatos indiretos, seja garantida pelos dispositivos de proteção contra as sobrecorrentes. ESQUEMAS TN-S Fase ( R ) Fase ( S ) Fase ( T ) Neutro ( N ) Condutor proteção (PE) MASSA Aterramento de alimentação 8.6 PROJETO ESPECIFICO PARA A MALHA DE ATERRAMENTO OBJETIVO Para que um sistema de energia elétrica, opere corretamente, com uma adequada, continuidade de serviço, com um desempenho seguro do sistema de proteção e, mais ainda, para garantir os limites (dos níveis) de segurança pessoal é, fundamental que o quesito aterramento mereça um cuidado especial. Os principais objetivo de aterramento são: Obter uma resistência do aterramento a mais baixa possível, para correntes de falta a terra; Manter os potenciais produzidos pelas correntes de falta dentro de limites de segurança de modo a não causar fibrilação do coração humano;

4 Fazer com que equipamentos de proteção sejam mais sensibilizados e isole rapidamente as falhas a terra; Proporcionar um caminho de escoamento para terra de descargas atmosféricas; Usar a terra como retorno de corrente no sistema MRT; Escoar as cargas estáticas geradas nas carcaça dos equipamentos CONFIGURAÇÃO DA MALHA DE ATERRAMENTO ADOTADO O sistema de aterramento será constituído de uma malha para cada bloco e interligadas entre si e com a subestação, constituindo um unico aterramento, os cabos utilizados serão de 50mm² e será composto de hastes 2,40 x 5/8 espaçada de 10m.sua resistência final não deverá exceder 10 Ohms. 8.7 QUADROS DE DISTRIBUIÇAO QUADRO DE DISTRIBUIÇAO TOMADAS ESTABIL - QDTEBLOCOIPABX O quadro de distribuição QDTEBLOCOIPABX será para instalação interna, construção de caixa modular em chapa de aço, espessura mínima 1.5 mm da Siemens ou equivalente. Terá barramento para 100 A e capacidade para 12 circuitos, será alimentado do PGDE através de condutores de bitola 6 mm² para as fases e neutro e de bitolas 6 mm² para o terra, terá doze disjuntores monofásico de 15 A tipo siemens e disjuntor geral trifásico de 40 A QUADRO DE DISTRIBUIÇAO TOMADAS ESTABIL - QDLTEBLOCOIICERON O quadro de distribuição QDTEBLOCOIICERON será para instalação interna, construção de barramento para 100 A e capacidade para 12 circuitos, será alimentado do PGDE através de condutores de bitola 16 mm² para as fases e neutro e de bitolas 16 mm² para o terra, terá trinta disjuntores monofásico de 15 A tipo siemens e disjuntor geral trifásico de 60 A QUADRO DE DISTRIBUIÇAO TOMADAS ESTABIL- QDTEBLOCOIITGOCERON O quadro de distribuição QDTEBLOCOIITGOCERON será para instalação interna, construção de barramento para 100 A e capacidade para 12 circuitos, será alimentado do PGDE através de condutores de bitola 10 mm² para as fases e neutro e de bitolas 10 mm² para o terra, terá dezoito disjuntores monofásico de 15 A tipo siemens e disjuntor geral trifásico de 50 A QUADRO DE DISTRIBUIÇAO TOMADAS ESTABIL- QDTEBLOCOIVPESSOAL O quadro de distribuição QDTEBLOCOIVPESSOAL será para instalação interna, construção de barramento para 100 A e capacidade para 18 circuitos, será alimentado do PGDE através de condutores de bitola 16 mm² para as fases e neutro e de bitolas 16 mm² para o terra, terá dezoito disjuntores monofásico de 15 A tipo siemens e disjuntor geral trifásico de 60 A.

5 8.7.5 QUADRO DE DISTRIBUIÇAO TOMADAS ESTABIL - QDTEBLOCOIVAGH O quadro de distribuição QDTEBLOCOIVAGH será para instalação interna, construção de caixa modular em chapa de aço, espessura mínima 1.5 mm da Siemens ou equivalente. Terá barramento para 100 A e capacidade para 18 circuitos, será alimentado do PGDE através de condutores de bitola 16 mm² para as fases e neutro e de bitolas 16 mm² para o terra, terá vinte disjuntores monofásico de 15 A tipo siemens e disjuntor geral trifásico de 60 A QUADRO DE DISTRIBUIÇAO TOMADAS ESTABIL- QDTEBLOCOVI1CERONTER O quadro de distribuição QDTEBLOCOVI1CERONTER será para instalação interna, construção de caixa modular em chapa de aço, espessura mínima 1.5 mm da Siemens ou equivalente. Terá barramento para 100 A e capacidade para 36 circuitos, será alimentado do PGDE através de condutores de bitola 16 mm² para as fases e neutro e de bitolas 16 mm² para o terra, terá trinta e seis disjuntores monofásico de 15 A tipo siemens e disjuntor geral trifásico de 60 A QUADRO DE DISTRIBUIÇAO TOMADAS ESTABIL- QDTEBLOCOVI2CERONTER O quadro de distribuição QDTEBLOCOVI2CERONTER será para instalação interna, construção de caixa modular em chapa de aço, espessura mínima 1.5 mm da Siemens ou equivalente. Terá barramento para 100 A e capacidade para 28 circuitos, será alimentado do PGDE através de condutores de bitola 16 mm² para as fases e neutro e de bitolas 16 mm² para o terra, terá vinte e oito disjuntores monofásico de 15 A tipo siemens e disjuntor geral trifásico de 60 A QUADRO DE DISTRIBUIÇAO TOMADAS ESTABIL- QDTEBLOCOVI3CERONSUPER O quadro de distribuição QDTEBLOCOVI3CERONSUPER será para instalação interna, construção de caixa modular em chapa de aço, espessura mínima 1.5 mm da Siemens ou equivalente. Terá barramento para 100 A e capacidade para 28 circuitos, será alimentado do PGDE através de condutores de bitola 16 mm² para as fases e neutro e de bitolas 16 mm² para o terra, terá vinte e oito disjuntores monofásico de 15 A tipo siemens e disjuntor geral trifásico de 60 A.

6 8.7.9 QUADRO DE DISTRIBUIÇAO TOMADAS ESTABIL QDTEBLOCOVI4CERONSUPER O quadro de distribuição QDTEBLOCOVI4CERONSUPER será para instalação interna, construção de caixa modular em chapa de aço, espessura mínima 1.5 mm da Siemens ou equivalente. Terá barramento para 100 A e capacidade para 28 circuitos, será alimentado do PGDE através de condutores de bitola 16 mm² para as fases e neutro e de bitolas 16 mm² para o terra, terá vinte e oito disjuntores monofásico de 15 A tipo siemens e disjuntor geral trifásico de 60 A QUADRO DE DISTRIBUIÇAO TOMADAS ESTABIL- QDTESERVIDORCERON O quadro de distribuição QDTESERVIDORCERON será para instalação interna, construção de barramento para 150 A e capacidade para 36 circuitos, será alimentado do PGDE através de condutores de bitola 35 mm² para as fases e neutro e de bitolas 16 mm² para o terra, terá trinta e seis disjuntores monofásico de 15 A tipo siemens e disjuntor geral trifásico de 100 A QUADRO DE DISTRIBUIÇAO TOMADAS ESTABIL- QDTESERVIDOR1MCERON O quadro de distribuição QDTESERVIDOR1MCERON será para instalação interna, construção de barramento para 150 A e capacidade para 36 circuitos, será alimentado do PGDE através de condutores de bitola 35 mm² para as fases e neutro e de bitolas 16 mm² para o terra, terá trinta e seis disjuntores monofásico de 15 A tipo siemens e disjuntor geral trifásico de 100 A QUADRO DE DISTRIBUIÇAO TOMADAS ESTABIL - QDTESERVIDOR2CERON O quadro de distribuição QDTESERVIDOR2CERON será para instalação interna, construção de barramento para 100 A e capacidade para 20 circuitos, será alimentado do PGDE através de condutores de bitola 16 mm² para as fases e neutro e de bitolas 16 mm² para o terra, terá vinte disjuntores monofásico de 15 A tipo siemens e disjuntor geral trifásico de 60 A QUADRO DE DISTRIBUIÇAO TOMADAS ESTABIL - QDTEBLOCOVIIAGG O quadro de distribuição QDTEBLOCOVIIAGG será para instalação interna, construção de barramento para 100 A e capacidade para 18 circuitos, será alimentado do PGDE através de condutores de bitola 16 mm² para as fases e neutro e de bitolas 16 mm² para o terra, terá dezoito disjuntores monofásico de 15 A tipo siemens e disjuntor geral trifásico de 60 A.

7 QUADRO DE DISTRIBUIÇAO TOMADAS ESTABIL- QDTEBLOCOVIITGD O quadro de distribuição QDTEBLOCOVIITGD será para instalação interna, construção de barramento para 100 A e capacidade para 20 circuitos, será alimentado do PGDE através de condutores de bitola 16 mm² para as fases e neutro e de bitolas 16 mm² para o terra, terá vinte disjuntores monofásico de 15 A tipo siemens e disjuntor geral trifásico de 60 A QUADRO DE DISTRIBUIÇAO ARCOND- QDTARBLOCOICERON O quadro de distribuição QDTARBLOCOICERON será para instalação interna, construção de barramento para 100 A e capacidade para 20 circuitos, será alimentado do PGDAR através de condutores de bitola 16 mm² para as fases e de bitolas 16 mm² para o terra, terá cinco disjuntores bifásicos de 25 A e um disjuntor trifásico de 35 A tipo siemens e disjuntor geral trifásico de 60 A QUADRO DE DISTRIBUIÇAO ARCOND - QDTARBLOCOIICERON O quadro de distribuição QDTARBLOCOIICERON será para instalação interna, construção de barramento para 200 A e capacidade para 30 circuitos, será alimentado do PGDAR através de condutores de bitola 50 mm² para as fases e de bitolas 25 mm² para o terra, terá tres disjuntores bifásicos de 25 A,três disjuntores bifásico de 35 A e quatro disjuntores trifásico de 35 A tipo siemens e disjuntor geral trifásico de 125 A QUADRO DE DISTRIBUIÇAO ARCOND - QDARBLOCOIVAGS quadro de distribuição QDTARBLOCOIVAGS será para instalação interna, construção de caixa modular em chapa de aço, espessura mínima 1.5 mm da Siemens ou equivalente. Terá barramento para 200 A e capacidade para 36 circuitos, será alimentado do PGDAR através de condutores de bitola 50 mm² para as fases e de bitolas 25 mm² para o terra, terá oito disjuntores bifásicos de 25 A,dois disjuntores bifásico de 35 A e dois disjuntores trifásico de 35 A tipo siemens e disjuntor geral trifásico de 125 A QUADRO DE DISTRIBUIÇAO ARCOND - QDARBLOCOIVAGH quadro de distribuição QDTARBLOCOIVAGS será para instalação interna, construção de caixa modular em chapa de aço, espessura mínima 1.5 mm da Siemens ou equivalente. Terá barramento para 200 A e capacidade para 20 circuitos, será alimentado do PGDAR através de condutores de bitola 35 mm² para as fases e de bitolas 16 mm² para o terra, terá quatro disjuntores trifásico de 35 A tipo siemens e disjuntor geral trifásico de 100 A QUADRO DE DISTRIBUIÇAO ARCOND - QDARBLOCOVI1 quadro de distribuição QDTARBLOCOVI1(TERREO) será para instalação interna, construção de barramento para 200 A e capacidade para 28 circuitos, será alimentado do PGDAR através de condutores de bitola 50 mm² para as fases e de bitolas 25 mm² para o terra, terá cinco disjuntores bifásicos de 25 A,seis disjuntores bifásico de 35 A e um disjuntor trifásico de 35 A tipo siemens e disjuntor geral trifásico de 125 A.

8 QUADRO DE DISTRIBUIÇAO ARCOND QDARBLOCOVI2 quadro de distribuição QDTARBLOCOVI2(TERREO) será para instalação interna, construção de barramento para 200 A e capacidade para 28 circuitos, será alimentado do PGDAR através de condutores de bitola 50 mm² para as fases e de bitolas 25 mm² para o terra, terá seis disjuntores bifásicos de 25 A, quatro disjuntores bifásico de 35 A e um disjuntor trifásico de 35 A tipo siemens e disjuntor geral trifásico de 125 A QUADRO DE DISTRIBUIÇAO ARCOND QDARBLOCOVI3 quadro de distribuição QDTARBLOCOVI3(1ºPavto) será para instalação interna, construção de barramento para 200 A e capacidade para 28 circuitos, será alimentado do PGDE através de condutores de bitola 35 mm² para as fases e de bitolas 16 mm² para o terra, terá, tres disjuntores bifásico de 35 A e tres disjuntor trifásico de 35 A tipo siemens e disjuntor geral trifásico de 100A QUADRO DE DISTRIBUIÇAO ARCOND QDARBLOCOVI4 quadro de distribuição QDTARBLOCOVI4(1ºPavto) será para instalação interna, construção de barramento para 200 A e capacidade para 18 circuitos, será alimentado do PGDAR através de condutores de bitola 25 mm² para as fases e de bitolas 16mm² para o terra, terá um disjuntores bifásicos de 25 A, tres disjuntores bifásico de 35 A e um disjuntor trifásico de 35 A tipo siemens e disjuntor geral trifásico de 80 A QUADRO DE DISTRIBUIÇAO ARCOND QDARBLOCOVI5 quadro de distribuição QDTARBLOCOVI5(1ºPavto) será para instalação interna, construção de barramento para 200 A e capacidade para 12 circuitos, será alimentado do PGDE através de condutores de bitola 16 mm² para as fases e de bitolas 16 mm² para o terra, terá, dois disjuntores bifásico de 35 A e um disjuntor trifásico de 35 A tipo siemens e disjuntor geral trifásico de 60A QUADRO DE DISTRIBUIÇAO ARCOND QDARBLOCOVI6 quadro de distribuição QDTARBLOCOVI6(1ºPavto) será para instalação interna, construção de barramento para 200 A e capacidade para 18 circuitos, será alimentado do PGDE através de condutores de bitola 16 mm² para as fases e de bitolas 16 mm² para o terra, terá, seis disjuntores bifásico de 35 A tipo siemens e disjuntor geral trifásico de 80A.

9 QUADRO DE DISTRIBUIÇAO ARCOND - QDARBLOCOVIISERVID quadro de distribuição QDTARBLOCOVIISERVID será para instalação interna, construção de barramento para 200 A e capacidade para 20 circuitos, será alimentado do PGDAR através de condutores de bitola 25 mm² para as fases e de bitolas 16 mm² para o terra, terá quatro disjuntores bifásicos de 25 A,um disjuntores bifásico de 35 A e dois disjuntores trifásico de 35 A tipo siemens e disjuntor geral trifásico de 80 A QUADRO DE DISTRIBUIÇAO ARCOND - QDARBLOCOVIIAGG quadro de distribuição QDTARBLOCOVIIAGG será para instalação interna, construção de barramento para 200 A e capacidade para 20 circuitos, será alimentado do PGDAR através de condutores de bitola 35 mm² para as fases e de bitolas 16 mm² para o terra, dois disjuntores bifásicos de 25 A, quatro disjuntores trifásico de 35 A tipo siemens e disjuntor geral trifásico de 100 A QUADRO DE DISTRIBUIÇAO ARCOND - QDARBLOCOVIITGDCERO quadro de distribuição QDTARBLOCOVIITGDCERO será para instalação interna, construção de barramento para 200 A e capacidade para 36 circuitos, será alimentado do PGDAR através de condutores de bitola 50 mm² para as fases e de bitolas 25 mm² para o terra, terá cinco disjuntores bifásicos de 25 A,dois disjuntores bifásico de 35 A e tres disjuntores trifásico de 35 A tipo siemens e disjuntor geral trifásico de 125 A QUADRO DE DISTRIBUIÇAO ARCOND - QDARBLOCOAUDITORIO quadro de distribuição QDTARBLOCOAUDITORIO será para instalação interna, construção de barramento para 200 A e capacidade para 20 circuitos, será alimentado do PGDAR através de condutores de bitola 35 mm² para as fases e de bitolas 16 mm² para o terra, dois disjuntores bifásicos de 25 A, três disjuntores trifásico de 35 A tipo siemens e disjuntor geral trifásico de 100 A QUADRO DE DISTRIBUIÇAO GERAL DE ARCOND- PGDAR O quadro de distribuição geral PGDAR sera para instalação externa, construção de caixa modular em chapa de aço, espessura mínima 1.5 mm da Siemens ou equivalente. Terá barramento para 680 A(60X5mm) e capacidade para 48 circuitos, será alimentado da subestaçao de 225 KVA através de condutores de bitola 2x(3x240 mm² para as fases e de bitolas 240 mm² para o terra e disjuntor geral de 600 A ou chave seccionadora trifásica de 800 A e fusíveis de 630 A, que vem direto da subestação. terá dois disjuntores trifásicos de 60 A, dois disjuntores trifásico de 80 A, tres disjuntores trifásico de 100 A, quatros disjuntores trifásico de 125 A tipo industrial e disjuntor geral de 600 A ou chave seccionadora trifásica de 800 A e fusíveis de 630 A, que vem direto da subestação.

10 QUADRO DE DISTRIBUIÇAO GERAL DE EMERGENCIA- PGDE O quadro de distribuição geral PGDE sera para instalação externa, construção de caixa modular em chapa de aço, espessura mínima 1.5 mm da Siemens ou equivalente. Terá barramento para 480 A(40X5mm) e capacidade para 60 circuitos, será alimentado da subestaçao de KVA através de condutores de bitola 3x240 mm² para as fases e de bitolas 240 mm² para o neutro e 120mm² para o terra e disjuntor geral de 350 A ou chave seccionadora trifásica de 400 A e fusíveis de 315 A, que vem direto da subestação. terá um disjuntores trifásicos de 50 A, doze disjuntores trifásico de 60 A, um disjuntores trifásico de 80 A, tres disjuntores trifásico de 100 A tipo industrial e disjuntor geral de 350 A ou chave seccionadora trifásica de 400 A e fusíveis de 315 A, que vem direto da subestação. 8.8 ESPECIFICAÇÕES DE MONTAGENS FIOS Condutor de cobre eletrolítico, com isolamento em PVC / 70º C 750 volts, com características especiais para não propagação de chamas e auto extinção do fogo, BWF, e certificado de conformidade emitido pelo INMETRO, atendendo Norma NBR 6148, até bitola 4,0 mm² CABOS Condutor de cobre eletrolítico, com isolamento em PVC / 70º C 750 volts, com características especiais para não propagação de chamas e auto extinção do fogo, BWF, e certificado de conformidade emitido pelo INMETRO, atendendo Norma NBR EMENDAS As emendas deverão ser executadas através de conectores apropriados e isolados, com fitas de alta fusão e fita isolantes comum. Dentro de eletrodutos não poderá ter qualquer tipo de emendas; Todos os condutores de um mesmo circuito, inclusive o neutro e terra, devem ser agrupados em um único eletroduto; Durante a instalação dos cabos, as forças de tração devem ser aplicadas somente nos condutores e não na isolação ou proteção dos mesmos; Só serão permitidas emendas ou derivações de cabos em caixas de passagem; Antes de iniciar a enfiação, a tubulação deverá ser perfeita mente limpa, através de ar comprimido ou buchas de estopa; Os arames e guias de puxamento só devem ser introduzidos no momento da enfiação, só poderá ser utilizado vaselina ou talco industrial aplicado sobre a superfície dos cabos. È vedada à utilização de graxas ou óleos lubrificantes; Internamente as caixas de passagem, os circuitos formados por cabos singelos deverão ser unidos com fita de amarração, de forma a constituir um único conjunto. Deve, ainda ser deixada um folga no comprimento dos cabos, de forma a permitir o puxamento e acomodação interna à mesma; Dentro dos quadros, os circuitos devem ser unidos com fitas de amarração e devidamente identificados;

11 Para cabos ou fios com bitolas até 6 mm², as emendas ou derivações deverão ser executadas diretamente entre suas extremidades com utilização de ferramenta própria; A isolação para estes deverá ser feita com fita plástica com camadas suficientes para proteção elétrica, mecânica e contra umidade. 8.9 INTERLIGAÇÃO DE CONDUTORES A interligação de cabos a disjuntores, tomada elétricas, barramentos, etc, serão através de terminais pré-isolados do tipo olhal, garfo ou pino. Deverão estar identificados através de anilhas apropriadas com o número do circuito correspondente. Caso houver emendas em condutores acima 6,0 mm², deverão ser utilizadas luvas de emenda a compressão, de cobre e estanhada para obter maior resistência à corrosão. Deverá ser isolada com utilização de fita de alta fusão e posteriormente com baixa conforme já discriminado CORES Deverão ser utilizados condutores obedecendo ao seguinte padrão de cores conforme NBR Condutor fase R preto Condutor fase S branco Condutor fase T vermelho Condutor neutro azul claro Condutor terra verde ELETRODUTOS Serão utilizados eletrodutos obedecendo a Norma NBR 6150 para eletroduto de PVC rígido e nome NBR 5624 para eletroduto de ferro galvanizado ou esmaltado, de acordo com os seguintes critérios: Montagem aparente: Eletroduto de ferro galvanizado ou de ferro esmaltado pintado (classe leve 1) ou sistema de conduletes em PVC com eletrodutos em PVC, rígidos, roscáveis; Montagem embutida: Eletrodutos em PVC rígidos, roscáveis ou eletrodutos em ferro esmaltado; As luvas e curvas deverão ser do mesmo material do eletroduto correspondente CAIXAS Embutidas em alvenaria ou laja: deverão ser em ferro em chapa tratada de Nº 16 USG contra corrosão, pintadas e com abas estampadas; Embutidas em piso: deverão ser utilizadas em alumínio fundido, preferencialmente com altura de 65 mm, com tampa de latão e sobretampa de latão do tipo rosqueável; Aparentes ou entre ferros: caixas do tipo condulete em PVC ou em aluminio seguindo o tipo de eletroduto a ser utilizado.

12 8.13 CAIXAS DE PASSAGEM As caixas de passagem deverão ser de alvenaria conforme projeto. Na parte inferior deverá ser instalada uma camada de pedra brita nº 1 de 10 cm de espessura. As tampas deverão ser de sobrepor. A parte superior da caixa sem a tampa deverá ficar a 10 cm do piso para evitar infiltrações ou deposição de sujeiras FIAÇÃO E BLOCOS TERMINAIS As réguas terminais deverão ser de alta qualidade, resistentes a impactos e que assegurem boa fixação, mesmo quando sujeita as vibrações. Cada bloco terminal deverá possuir identificação visível. Todos os condutores deverão ser identificados por anilhas de plástico. A fiação interna do quadro deverá ser completa, sem emendas e protegida por canaletas. A fiação de todos os circuitos terminais, inclusive o neutro deverá ser levado a bornes. A corrente de cada borne ou qualquer outra conexão, não deverá ultrapassar a 80% do seu valor nominal, e deverão ser dimensionados de acordo com a capacidade máxima de cada circuito. Os bornes dos equipamentos aos quais serão ligados os cabos de força, bem como os bornes dos blocos terminais, deverão ser apropriados para cabos de cobre. Deverá ter no mínimo, 03 blocos terminais como reserva, de cada tipo utilizado DISJUNTORES Deverá ser do tipo seco, em caixa moldado, para instalação fixa em suporte montado no interior do quadro. Todos os disjuntores deverão ter acionamento direto por meio de alavanca, com sinalização "aberto-fechado" indicado pela posição da alavanca. Deverão ser tri polar bi polar e mono polar, equipados com rele termomagnético de ação direta para proteção contra sobrecargas e curto circuito. Nos quadros PGDAR e PGDE todos os disjuntores serão alimentados através de barramentos de cobre conectados ao barramento principal e não por cabos. Nos quadros PGDAR e PGDE todos os disjuntores deverão possuir corrente de curto circuito na tensão de 220 volts maior que 25 KA. No restante de distribuição com exceção do disjuntores gerais (I>25 KA) os disjuntores de proteção dos circuitos deverão possuir capacidade de curto circuito mínima de 10 KA CONTACTORES A fiação dos contactores deverá ser levada a borne e as bobinas serão alimentadas em 220 volts, 60 Hz. Os contactores deverão ser dimensionados considerando um fator de segurança de 15% acima da corrente nominal do equipamento a ser energizado.

13 8.17 FUSÍVEIS. Os fusíveis do circuito de força deverão ser do tipo "NH" instalados em base apropriada. Todos os fusíveis deverão ser de alta capacidade de ruptura e possuir correntes compatíveis com os circuitos associados TOMADAS Características: Deverão ser utilizadas tomadas elétricas do tipo 2P + T, com pino universal para instalações de usos geral em piso e alvenaria, com certificação de conformidade do INMETRO, com capacidade de corrente mínima de 15 ampéres; Para cargas sensíveis deverão ser utilizadas tomadas elétricas do tipo 2P + T, pinto chato, com certificação de conformidade emitida pelo INMETRO; Para aparelhos de ar condicionado do tipo janela, deverão ser utilizadas 2P + T, especificada, de pino chato, com capacidade mínima de 25 ampéres; As tomadas e interruptores, a não ser uma instrução especifica, serão montadas em caixas de chapa de aço estampadas, 4"x2"x2", embutidas nas paredes ou nos rodapés conforme projeto; Quando da montagem de interruptores e tomadas em todos os casos acima citados, deve-se acomodar convenientemente a fiação no interior da caixa, para que não cause esforços mecânicos indevidos nas peças e não prejudique as emendas e derivações TOMADA Pontos totais de tomadas Estabilizadas por bloco: Bloco I- 20 tomadas Bloco II- 126 tomadas Bloco IV/VIII- 60 tomadas Bloco VI- 328 tomadas Bloco VII- 130 tomadas Guaritas-8 tomadas Pontos totais de tomadas lógica por bloco: Bloco I- 10 tomadas Bloco II- 63 tomadas Bloco IV/VIII- 30 tomadas Bloco VI- 164 tomadas Bloco VII- 65 tomadas Guaritas-3 tomadas Pontos totais de tomadas telefone por bloco: Bloco I- 10 tomadas Bloco II- 59 tomadas Bloco IV/VIII- 46 tomadas Bloco VI- 156 tomadas Bloco VII- 65 tomadas Guaritas-3 tomadas

14 8.20 PLANTAS DAS INSTALAÇÕES ELET-01/17 TOMADAS ESTABILIZADAS/LOGICA/FONE BLOCO VI ELET-02/17 TOMADAS ESTABILIZADAS/LOGICA/FONE BLOCO VII ELET-03/17 TOMADAS ESTABILIZADAS/LOGICA/FONE SALA SERVIDOR ELET-04/17 TOMADAS ESTABILIZADAS/LOGICA/FONE BLOCO IV ELET-05/17 - TOMADAS ESTABILIZADAS/LOGICA/FONE BLOCO II ELET-06/17 TOMADAS ESTABILIZADAS/LOGICA/FONE BLOCO I ELET-07/17 TOMADAS ARCONDICIONADOS BLOCO VI ELET-08/17 TOMADAS ARCONDICIONADOS/QUADRO CARGA BLOCO VII ELET-09/17 TOMADAS ARCONDICIONADOS/QUADRO CARGA BLOCO IV ELET-10/17 TOMADAS ARCONDICIONADOS/QUADRO CARGA BLOCO II ELET-11/17 TOMADAS ARCONDICIONADOS/QUADRO CARGA BLOCO I ELET-12/17 QUADROS CARGAS E DIAGRAMA UNIFILAR TOMADAS ESTABILIZADAS BLOCO VI ELET-13/17 /QUADRO CARGA E DIAGRAMA UNIFILAR TOMADAS ARCONDICIONADOS BLOCO VI ELET-14/17 DIAGRAMAS DE INTERLIGAÇAO ELETRICA DA SE PARA OS QUADROS DOS BLOCOS ELET-15/17 DIAGRAMAS DE INTERLIGAÇAO DA FIBRA OTICA/FONE DOS BLOCOS ELET-16/17 DIAGRAMAS UNIFILAR GERAL DE INTERLIGAÇAO DA SE PARA OS BLOCOS ELET-17/17 SPDA E MALHA DE TERRA DOS BLOCOS

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO

PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO Instalação Nobreak 60 KVA - 380 V PROPRIETÁRIO: Procuradoria Geral de Justiça. 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO DADOS DO PROPRIETÁRIO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IMPLANTAÇÃO.

ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IMPLANTAÇÃO. OBRA: COL. EST. RESIDENCIAL SÃO PEDRO - PROJETO PADRÃO SECULO XXI. LOCAL: - Rua Tucunaré com Rua Pacu e Avenida Astolpho Leão Borges APM-05, Residencial São Pedro Goianira - GO ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES

Leia mais

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS No caso das instalações elétricas existentes nos espaços não comportarem a carga elétrica a ser ligada pelo evento, é necessário que a Contratante apresente os documentos e respeite as condições mínimas

Leia mais

PROJETO BÁSICO CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A. GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL - AGG

PROJETO BÁSICO CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A. GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL - AGG GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL - AGG PROJETO BÁSICO SERVIÇOS DE ADEQUAÇÕES DE REDE ELÉTRICA, LÓGICA E TELEFÔNICA; E IMPLANTAÇÃO DE ANEL ÓPTICO METROPOLITANO DE 1GBPS, NO PRÉDIO SEDE DA CERON. 1. DO OBJETO

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO 1. GENERALIDADES 1.1 O projeto refere-se às instalações elétricas do empreendimento comercial localizado

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DIP/SMOV ANEXO X - MODELO DE ORÇAMENTO PARQUE FARROUPILHA - SUBESTAÇÃO SE 2 ADMINISTRAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DIP/SMOV ANEXO X - MODELO DE ORÇAMENTO PARQUE FARROUPILHA - SUBESTAÇÃO SE 2 ADMINISTRAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DIP/SMOV ANEXO X - MODELO DE ORÇAMENTO PARQUE FARROUPILHA - SUBESTAÇÃO SE 2 ADMINISTRAÇÃO MATERIAL CÂMARA TRANSFORMADORA Unid. Quant. V. unit.r$ V. TotalR$ Placa de

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE PROJETO ELÉTRICO PARA CONSTRUÇÃO DAS CASAS POPULARES DO LOTEAMENTO DE INTERESSE SOCIAL PRESIDENTE KENNDY ES

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE PROJETO ELÉTRICO PARA CONSTRUÇÃO DAS CASAS POPULARES DO LOTEAMENTO DE INTERESSE SOCIAL PRESIDENTE KENNDY ES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE PROJETO ELÉTRICO PARA CONSTRUÇÃO DAS CASAS POPULARES DO LOTEAMENTO DE INTERESSE SOCIAL PRESIDENTE KENNDY ES MEMORIAL DESCRITIVO Memorial Descritivo Elétrico Projeto: Marcelo

Leia mais

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES Prezado cliente, índice Bem-vindo à GVT. Agora sua empresa conta com soluções inovadoras de voz, dados e Internet com o melhor custo-benefício. Para garantir a qualidade dos serviços e aproveitar todos

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS GERAL DETECEÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS GERAL DETECEÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO 1 MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS GERAL DETECEÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO CLIENTE: OBRA: LOCAL: BNDES RETROFIT DESUL AV. JUSCELINO KUBITSCHEK,

Leia mais

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS NORMA TÉCNICA NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo padronizar, especificar e fixar os critérios e as exigências técnicas mínimas relativas à fabricação e o recebimento

Leia mais

Responsavel Técnico: Kadner Pequeno Feitosa CREA 1600584594 Email-ativaprojetoseletricos@gmail.com

Responsavel Técnico: Kadner Pequeno Feitosa CREA 1600584594 Email-ativaprojetoseletricos@gmail.com Projeto Elétrico Padrão de Medição, fornecimento de energia em tensão primária 13.8kV, a partir da rede aérea de distribuição para atender Defensoria Pública do Estado da Paraíba. Responsavel Técnico:

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO Responsável Técnico: Proprietário / Responsável Legal: Marcos Antônio de Sordi Instituto Federal de Ciência e Eng.º Eletricista CREA PR-73895/D Tecnologia

Leia mais

OBRA: INSTALAÇÃO ELÉTRICA DA INCUBADORA INDUSTRIAL MARCENARIA ; MUNICÍPIO: MATO QUEIMADO - RS. MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO

OBRA: INSTALAÇÃO ELÉTRICA DA INCUBADORA INDUSTRIAL MARCENARIA ; MUNICÍPIO: MATO QUEIMADO - RS. MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO OBRA: INSTALAÇÃO ELÉTRICA DA INCUBADORA INDUSTRIAL MARCENARIA ; MUNICÍPIO: MATO QUEIMADO - RS. MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO 1) OBJETIVO DO PROJETO: O presente memorial tem por objetivo descrever e detalhar

Leia mais

A DESATIVAÇÃO OU REMOÇÃO DA CHAVE SIGNIFICA A ELIMINAÇÃO DA MEDIDA PROTETORA CONTRA CHOQUES ELÉTRICOS E RISCO DE VIDA PARA OS USUÁRIOS DA INSTALAÇÃO.

A DESATIVAÇÃO OU REMOÇÃO DA CHAVE SIGNIFICA A ELIMINAÇÃO DA MEDIDA PROTETORA CONTRA CHOQUES ELÉTRICOS E RISCO DE VIDA PARA OS USUÁRIOS DA INSTALAÇÃO. Fornecimento de Energia Elétrica Nos banheiros deverão ser instalados um disjuntor bifásico no quadro de energia existente de cada quadrante conforme projeto. Deste quadro sairá a alimentação para os banheiros.

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Os seis critérios de dimensionamento de circuitos de BT: 1. Seção mínima; 2. Capacidade de condução de corrente; 3. Queda de tensão; 4. Proteção contra sobrecargas; 5. Proteção contra curtos-circuitos;

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 07/05/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Quadro de Distribuição Circuitos Terminais Circuitos Terminais Quadro de Distribuição Quadro de Distribuição

Leia mais

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO OBRA: SUBESTAÇÃO 500KVA PROPRIETÁRIO: TRT TRIBUNAL REGIONALDO TRABALHO 12ºREGIÃO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. EMERSON CESAR PADOIN PADOIN ENGENHARIA E PROJETOS LTDA MEMORIAL

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO Administração Regional no Estado da Bahia. Criado e mantido pelos Empresários do Comércio de Bens, Serviços e Turismo

SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO Administração Regional no Estado da Bahia. Criado e mantido pelos Empresários do Comércio de Bens, Serviços e Turismo CONVITE N. 44/2012 MEMORIAL DESCRITIVO CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA REALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE AJUSTES E CORREÇÕES EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DO SESC COMÉRCIO, PARA INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS DE

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Capítulo 4 Parte 2 Condutores elétricos: 1. semestre de 2011 Abraham Ortega Número de condutores isolados no interior de um eletroduto Eletroduto é um elemento de linha elétrica fechada,

Leia mais

Exemplo de uma planta de distribuição elétrica utilizando parte da simbologia acima.

Exemplo de uma planta de distribuição elétrica utilizando parte da simbologia acima. TOMADA NO PISO PONTO DE FORÇA 2 3 3w 4w INTERRUPTOR DE 1 SEÇÃO INTERRUPTOR DE 2 SEÇÕES INTERRUPTOR DE 3 SEÇÕES INTERRUPTOR THREE-WAY PARALELO INTERRUPTOR FR-WAY INTERMEDIÁRIO ACIONADOR DE CIGARRA CIGARRA

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS PEA - Eletrotécnica Geral 1 PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS OBJETIVOS Estudar: Constituição de uma instalação elétrica Tipos de instalações elétricas Funcionamento de circuitos típicos Representação de

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Conceito Instalações Elétricas Prediais -É a Ligação intencional de um condutor à terra. -Significa colocar instalações de estruturas metálicas e equipamentos elétricos

Leia mais

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROJETO: ELÉTRICO Modelo: 3.000 m2 MAIO 2011 SUMÁRIO 1. GENERALIDADES... 03 2. DOCUMENTOS APLICÁVEIS... 04 3. DESCRIÇÃO DO PROJETO...

Leia mais

Número PE022/2015. Fornecedor. Pregão. Item Descrição do Material UF Quantidade Preço Unitário Preço Total Marca / Modelo Prazo Entrega

Número PE022/2015. Fornecedor. Pregão. Item Descrição do Material UF Quantidade Preço Unitário Preço Total Marca / Modelo Prazo Entrega Folha 1 UNIVERSIDADE DO SUDOESTE DA - CAMPUS VITORIA DA CO 1 ALICATE, universal, de 8 polegadas, em aco, cabo com isolacao para 1000 volts e em conformidade com norma ABNT NBR vigente no que diz respeito

Leia mais

A solução ideal para instalações residenciais e terciárias

A solução ideal para instalações residenciais e terciárias NOVOS Disjuntores RX 3 A solução ideal para instalações residenciais e terciárias Ambiente Residencial - área úmida Ambiente Residencial Soho - Pequeno Escritório ou Home Office Ambiente Residencial -

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO Dados do cliente Proprietário: Roney Casagrande CPF: 765.425.990-53 Endereço: Estrada Pinhal da Serra, n 04452, Interior Cidade: Pinhal da Serra RS CEP: 95.390-000 Dados da

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA Índice 1 Introdução 2 Local da Obra 3 Normas 4 Malha de Aterramento 5 Equipamento e Materiais 6 Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas 7 Cálculo dos Elementos

Leia mais

ANEXO XII - MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO XII - MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO XII - MEMORIAL DESCRITIVO OBJETO: Contratação de empresa c/ Tradição no Ramo (trabalha de forma especializada) p/ Locação e Execução (Instalação, Montagem, Manutenção, Operacionalização e Desmontagem)

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA REFORMA DE INSTALAÇÕES ELETRICAS TEATRO SERRADOR

RECOMENDAÇÕES PARA REFORMA DE INSTALAÇÕES ELETRICAS TEATRO SERRADOR RECOMENDAÇÕES PARA REFORMA DE INSTALAÇÕES ELETRICAS TEATRO SERRADOR Tel.: (021) 2583 6737 Fax.: (021) 2583 6737 Cel.: (021) 9159 4057 dsp@dsp-rj.com.br 1 / 9 Sumário 1 OBJETIVO... 3 2- NORMAS APLICÁVEIS...

Leia mais

1. Considerações Gerais

1. Considerações Gerais Governo do Estado do Ceará Secretaria da Educação Coordenadoria Administrativa Engenharia MEMORIAL DESCRITIVO DA REFORMA ELÉTRICA Unidade de Trabalho: 20ª COORDENADORIA REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz

Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz 1 Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz Prezado Usuário, A partir de agora você estará utilizando um sistema que integra Dados, Voz e Imagem em uma rede de alta confiabilidade, com equipamentos

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 9 Divisão da Instalação em Circuitos Porto Alegre - 2012 Tópicos Quadros de distribuição Disjuntores Divisão da instalação elétrica

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG.. Instalações Elétricas Gerais 02.1. Geral 02.2. Normas 02.3. Escopo de Fornecimento 02.4. Características Elétricas para Iluminação de Uso Geral 02.4.1. Geral 02.4.2. Tensões de Alimentação

Leia mais

LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA José Antonio Mocarzel engenheiro eletricista CREA RJ 1981103822

LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA José Antonio Mocarzel engenheiro eletricista CREA RJ 1981103822 LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA N O 21/2015 1. Informações gerais sobre o local da vistoria: Imóvel sito a rua Jornalista Irineu Marinho nº 441 Icaraí Niterói RJ Nome do Condomínio: Edifício Luanda CNPJ/MP:

Leia mais

Padrão de Entrada COELBA. Padrão de Entrada Monofásico

Padrão de Entrada COELBA. Padrão de Entrada Monofásico Padrão de Entrada COELBA Informações do site www.coelba.com.br Padrão de Entrada é o conjunto de instalações composto de caixa de medição, sistema de aterramento, condutores e outros acessórios indispensáveis

Leia mais

2.5. Placas eletrônicas da central

2.5. Placas eletrônicas da central 2.5. Placas eletrônicas da central Placa eletrônica de laço Piezo Placa de laço Na placa eletrônica de laço podem ser ligados quatro laços de detecção, compostos por detectores de fumaça, detectores termovelocimétricos

Leia mais

SIMBOX XF. Design Segurança Fácil instalação. Quadros de distribuição de energia. A melhor opção em quadros de distribuição de energia.

SIMBOX XF. Design Segurança Fácil instalação. Quadros de distribuição de energia. A melhor opção em quadros de distribuição de energia. Fabricado no Brasil SIMBOX XF Quadros de distribuição de energia A melhor opção em quadros de distribuição de energia. Design Segurança Fácil instalação www.siemens.com.br/simboxxf SIMBOX XF Por fora muito

Leia mais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Me. Hader Aguiar Dias Azzini hader_azzini@hotmail.com Campinas - ES 2014 Introdução Em geral, o projeto elétrico compreende quatro partes: Memória (justificativa

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL PRESIDENTE VARGAS ANEXO XII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PROJETO ELÉTRICO

ESCOLA MUNICIPAL PRESIDENTE VARGAS ANEXO XII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PROJETO ELÉTRICO ESCOLA MUNICIPAL PRESIDENTE VARGAS ANEXO XII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PROJETO ELÉTRICO SUMÁRIO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS...3 APRESENTAÇÃO...3 DADOS BÁSICOS E NORMAS TÉCNICAS...3 SUPRIMENTO DE ENERGIA...3 ENTREGA

Leia mais

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Fornecimento de Energia Elétrica a Edificações de Múltiplas Unidades Consumidoras do Programa Minha Casa Minha Vida com Telemedição Processo Atividade Realizar novas ligações Executa ligação BT Código

Leia mais

PROJETO DE SUBESTAÇÃO ABRIGADA DE

PROJETO DE SUBESTAÇÃO ABRIGADA DE PROJETO DE SUBESTAÇÃO ABRIGADA DE 750kVA DESTINADA AO PRÉDIO DA PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DE PERNAMBUCO, SITUADO NO MUNICÍPIO DE RECIFE NO ESTADO DE PERNAMBUCO. MEMORIAL DESCRITIVO 1. FINALIDADE:

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BRASÍLIA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO SPDA BRASÍLIA - DF

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BRASÍLIA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO SPDA BRASÍLIA - DF INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BRASÍLIA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO SPDA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BRASÍLIA - DF 1 - MEMORIAL DESCRITIVO 2 MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

CONDUTORES ELÉTRICOS

CONDUTORES ELÉTRICOS CONDUTORES ELÉTRICOS R = ρ l S ( Ω) Produto metálico, geralmente de forma cilíndrica, utilizada para transportar energia elétrica ou transmitir sinais elétricos. ρ cobre = 1,72 10-8 Ωm ρ alum = 2,80 10-8

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO ITEM R$

ESPECIFICAÇÃO DO ITEM R$ ANEXO 2 Planilha Orçamentária Estimativa de Quantitativos e Preços Máximos Global e Unitários LOTE ÚNICO ESPECIFICAÇÃO DO ITEM Qtde. Unitário R$ Total R$ 01 02 03 04 05 CHAVE NIVEL TIPO BOIA,ATUACAO: ALARME

Leia mais

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada Notas: Critérios Construtivos do Padrão de Entrada A fiação do ramal de saída deve ser a mesma fiação do ramal de entrada. O padrão de entrada na zona rural deverá ficar no mínimo de 10 metros e no máximo

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA INSTALADORES SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MODELO SAFIRA

RECOMENDAÇÕES PARA INSTALADORES SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MODELO SAFIRA RECOMENDAÇÕES PARA INSTALADORES SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MODELO SAFIRA 1. INSTALAÇÃO E INFRAESTRUTURA A Central de alarme e detecção de incêndio Safira exige cuidados importantes na hora

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO E MEMORIAL DE CÁLCULO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

ESPECIFICAÇÃO E MEMORIAL DE CÁLCULO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ESPECIFICAÇÃO E MEMORIAL DE CÁLCULO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS OBRA: C.M.E.I TIA JOVITA LOCAL: RUA PARACATU C/ RUA 4 C/ AVENIDA CRUZEIRO DO SUL - VILA PEDROSO. GOIÂNIA / GO. 1 1.0 - MEMORIAL DESCRITIVO.

Leia mais

ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES PROJETO ELÉTRICO

ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES PROJETO ELÉTRICO ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES PROJETO ELÉTRICO 1. GENERALIDADES 1.1 Este memorial tem por objetivo especificar detalhes construtivos para execução do projeto elétrico da Creche Comunitária 24 de Junho na cidade

Leia mais

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA.

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. TRANSFORMADORES MONOFÁSICOS DE ISOLAÇÃO COM BLINDAGEM APLICAÇÃO Os transformadores monofásicos de isolação com blindagens, magnética e eletrostática, foram desenvolvidos

Leia mais

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Tipos de linhas Sumário Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Instalação dos condutores Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Os cabos multipolares só deve conter os condutores de um

Leia mais

DICAS. Instalações elétricas residenciais. 8ª Edição

DICAS. Instalações elétricas residenciais. 8ª Edição DICAS Instalações elétricas residenciais 8ª Edição DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE Nos condutores existem partículas invisíveis chamadas de elétrons livres que, assim

Leia mais

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador.

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador. CAPÍTULO 8 TRANSFORMADORES ELÉTRICOS 8.1 CONCEITO O transformador, representado esquematicamente na Figura 8.1, é um aparelho estático que transporta energia elétrica, por indução eletromagnética, do primário

Leia mais

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA Página 1 de 1. OBJETIVO 2. ÂMBO DE APLICAÇÃO 3. NORMAS E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. ANEXOS 6. VIGÊNCIA. APROVAÇÃO Página 2 de 1. OBJETIVO Esta norma estabelece as condições exigíveis

Leia mais

Tabelas de Dimensionamento

Tabelas de Dimensionamento Com o objetivo de oferecer um instrumento prático para auxiliar no trabalho de projetistas, instaladores e demais envolvidos com a seleção e dimensionamento dos em uma instalação elétrica de baixa tensão,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS BALNEÁREO CACHOEIRA GRANDE Goiás GO Revisão Data Emissão Elaboração Aprovação Descrição 0 20/03/13 A RODRIGO Emissão inicial Emissão (A) Para aprovação (D)

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE ATERRAMENTO

GUIA PRÁTICO DE ATERRAMENTO 2014 GUIA PRÁTICO DE ATERRAMENTO MAURÍCIO RODRIGUES DOS REIS SENAI-MG 15/02/2014 GUIA PRÁTICO SOBRE ATERRAMENTO INTRODUÇÃO... Pág.02 CONCEITOS BÁSICOS... Pág.02 MONTAGEM PASSO A PASSO DE ATERRAMENTO...

Leia mais

N O: Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Rio Grande do Norte CREA / RN PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

N O: Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Rio Grande do Norte CREA / RN PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Power Engenharia CLIENTE: ÁREA: N O: MD-003-CREA-2014 Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Rio Grande do Norte CREA / RN PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 1 de 14 POWER ENGENHARIA ELÉTRICA E TELECOM.

Leia mais

ANEXO III PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE PREÇOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO - FÓRUM DA COMARCA DE SANTOS

ANEXO III PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE PREÇOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO - FÓRUM DA COMARCA DE SANTOS ANEXO III PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE PREÇOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO - FÓRUM DA COMARCA DE SANTOS 1 SERVIÇOS PRELIMINARES 1.1 CANTEIRO DE OBRAS 1.1.1 Construção provisória em madeira -

Leia mais

SERVIÇOS PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM BAIXA TENSÃO. Cliente: Prefeitura Municipal de Sinop/MT

SERVIÇOS PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM BAIXA TENSÃO. Cliente: Prefeitura Municipal de Sinop/MT PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM BAIXA TENSÃO Cliente: Prefeitura Municipal de Sinop/MT Endereço: Restaurante Popular Av. das Embaúbas - Centro Sinop - MT Memorial Descritivo_Restaurante Popular Sinop

Leia mais

Projeto Elétrico. Sistema de Abastecimento de Água. Volume III. Rede de Água do Residencial Minha Casa. Minha Vida - Pacatuba/CE

Projeto Elétrico. Sistema de Abastecimento de Água. Volume III. Rede de Água do Residencial Minha Casa. Minha Vida - Pacatuba/CE Projeto Elétrico Volume III Sistema de Abastecimento de Água Rede de Água do Residencial Minha Casa Minha Vida - Pacatuba/CE Outubro / 2012 1 I. Apresentação 4 Dados da Obra 5 Localização da Obra 5 Estrutura

Leia mais

Canoas, 20 de julho de 2010.

Canoas, 20 de julho de 2010. PROJETO DE SUBESTAÇÃO TRANSFORMADORA ABRIGADA DE 112,5 KVA COM RAMAL DE ENTRADA SUBTERRÂNEO E MEDIÇÃO INDIRETA EM FORNECIMENTO DE TENSÃO PRIMÁRIA DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA. LOTEAMENTO CAPRI RUA DR.

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. Kathiane Queiroz

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. Kathiane Queiroz INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Kathiane Queiroz ATERRAMENTO ELÉTRICO Sistema de aterramento elétrico ATERRAMENTO ELÉTRICO Mas o que é o terra? Qual a diferença entre terra, neutro, e massa(carcaça do Equipamento)?

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais

Instalações Elétricas Industriais Instalações Elétricas Industriais ENG 1480 Professor: Rodrigo Mendonça de Carvalho Instalações Elétricas Industriais CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO Flexibilidade: admitir mudanças nas localizações dos equipamentos,

Leia mais

TUTORIAL PARA PREPARO DE AMBIENTE DE RECEPÇÃO DE PLATAFORMA HIDRÁULICA TIPO PL-G DA DWA

TUTORIAL PARA PREPARO DE AMBIENTE DE RECEPÇÃO DE PLATAFORMA HIDRÁULICA TIPO PL-G DA DWA 2014 DWA CONSTRUÇÕES ELETROMECÂNICAS LTDA. TUTORIAL PARA PREPARO DE AMBIENTE DE RECEPÇÃO DE PLATAFORMA HIDRÁULICA TIPO PL-G DA DWA Orientação ao construtor para preparo do ambiente que irá receber a plataforma

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.14.009 SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE SUBESTAÇÃO ABAIXADORA DE ENERGIA ELÉTRICA

MEMORIAL DESCRITIVO DE SUBESTAÇÃO ABAIXADORA DE ENERGIA ELÉTRICA MEMORIAL DESCRITIVO DE SUBESTAÇÃO ABAIXADORA DE ENERGIA ELÉTRICA CLIENTE: EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS- DR/PE CNPJ 34.028.316/0021-57 LOCAL: AVENIDA GUARARAPES Nº250-SANTO ANTÕNIO RECIFE-PE.

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO www.celesc.com.br PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL

Leia mais

Instalações elétricas resumo

Instalações elétricas resumo Instalações elétricas resumo Na instalação elétrica de um prédio (residencial, comercial ou industrial), temos basicamente: - Equipamentos relacionados com a alimentação da instalação, tais como geradores,

Leia mais

REFORMA MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO

REFORMA MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO REFORMA MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO CAMPUS CAMPO LARGO 1 IDENTIFICAÇÃO Obra: Reforma de Laboratórios e Salas de Aula. Local: Rua Engenheiro Tourinho, 829 Vila Solenen. Campus: Instituto Fed. de Ciência

Leia mais

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Instalações Elétricas Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 104 13.1 - Introdução 13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Existem três configurações básicas para alimentação de motores que operam em condições

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. ASPECTOS GERAIS... 2 3. EXCEÇÕES... 2 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

1. Considerações Gerais

1. Considerações Gerais Governo do Estado do Ceará Secretaria da Educação Básica Coordenadoria Administrativa Financeira Engenharia SEDUC MEMORIAL DESCRITIVO Unidade de Trabalho: CREDE 13-CRATEÚS Obra: REFORMA ELÉTRICA Engenheiro

Leia mais

Memorial Descritivo e Especificação Técnica dos Materiais

Memorial Descritivo e Especificação Técnica dos Materiais FL.: 1/16 REV.: 00 SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA INSTALAÇÃO ELÉTRICA DO AR CONDICIONADO CENTRO DE CULTURA, MEMÓRIA E ESTUDOS DA DIVERSIDADE SEXUAL DO ESTADO DE SÃO PAULO. LOJAS 515 e 518 - METRÔ REPÚBLICA

Leia mais

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 1 PROJETO ELÉTRICO

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 1 PROJETO ELÉTRICO AULA 1 PROJETO ELÉTRICO 1- Introdução 2- Normas técnicas Todo projeto deve ser concebido a luz de uma norma técnica. No Brasil, a normatização é de responsabilidade da Associação Brasileira de Normas Técnica

Leia mais

PROJETO DE UMA INSTALAÇÃO DE UTILIZAÇÃO

PROJETO DE UMA INSTALAÇÃO DE UTILIZAÇÃO PROJETO DE UMA INSTALAÇÃO DE UTILIZAÇÃO (RESUMO) Instalações tipo C são instalações abastecidas a partir da rede pública de baixa tensão. Estas instalações são certificadas pela Certiel Associação Certificadora

Leia mais

ANEXO III PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE PREÇOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO - FÓRUM DA COMARCA DE SANTOS

ANEXO III PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE PREÇOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO - FÓRUM DA COMARCA DE SANTOS ANEXO III PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE PREÇOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO - FÓRUM DA COMARCA DE SANTOS 1 SERVIÇOS PRELIMINARES 1.1 CANTEIRO DE OBRAS 1.1.1 Construção provisória em madeira -

Leia mais

INCENTIVO AO ATERRAMENTO ELÉTRICO RESIDENCIAL RESUMO

INCENTIVO AO ATERRAMENTO ELÉTRICO RESIDENCIAL RESUMO INCENTIVO AO ATERRAMENTO ELÉTRICO RESIDENCIAL Fernando Nascimento 1-21370122 Gabriela Sampaio Rêma 2-21370051 Marcos Vinícius Lemos da Silva 3-21270116 Paula da Silva Nogueira 4-21370049 RESUMO Poucas

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TRANSITO DE GOIAS PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS.

DEPARTAMENTO DE TRANSITO DE GOIAS PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. MEMORIAL DESCRITIVO DEPARTAMENTO DE TRANSITO DE GOIAS PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. 1 I INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE GOIÁS. 1.0 - DADOS BÁSICOS: 1.1 - Edifício: Prédio

Leia mais

Estado de Santa Catarina Prefeitura Municipal de BOMBINHAS Secretaria de Educação CEIT BOMBINHAS PROJETO

Estado de Santa Catarina Prefeitura Municipal de BOMBINHAS Secretaria de Educação CEIT BOMBINHAS PROJETO Estado de Santa Catarina Prefeitura Municipal de BOMBINHAS Secretaria de Educação CEIT CENTRO EDUCAÇÃO INTEGRAL TECNOLÓGICA BOMBINHAS MEMORIAL DESCRITIVO SUBESTAÇÃO DE ENERGIA PROJETO CENTRO DE EDUCAÇÃO

Leia mais

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS:

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410 relativos à escolha

Leia mais

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE ITA - 006 Rev. 0 Setembro / 2003 Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Agência SHS Novas Instalações Código do Projeto: 1641-11 Pág. 2 Índice 1. Memorial Descritivo da Obra...3

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 1. INTRODUÇÃO O presente memorial refere-se ao projeto de instalações elétricas Espaço Vivencia do IEE- USP, localizado na Av. Prof. Luciano Gualberto, 1289. Cidade

Leia mais

Aterramento. 1 Fundamentos

Aterramento. 1 Fundamentos Aterramento 1 Fundamentos Em toda instalação elétrica de média tensão para que se possa garantir, de forma adequada, a segurança das pessoas e o seu funcionamento correto deve ter uma instalação de aterramento.

Leia mais

DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES

DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES z CNCEITS BÁSICS DE ELETRICIDADE Nos condutores existem partículas invisíveis chamadas de elétrons livres que, assim como os planetas ao redor do sol, giram ao redor

Leia mais

www.cpsol.com.br LAUDO TÉCNICO ELÉTRICO

www.cpsol.com.br LAUDO TÉCNICO ELÉTRICO LAUDO TÉCNICO ELÉTRICO 1. APRESENTAÇÃO Em cumprimento às Normas Regulamentadora NR10 INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE e NBR5410 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO, apresentamos as verificações

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 7 Simbologia de Projetos Elétricos Porto Alegre - 2012 Tópicos Projeto de instalações elétricas prediais Simbologia para instalações

Leia mais

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE DOCUMENTO NORMATIVO CRITÉRIO DE PROJETO DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE Código Página Revisão Emissão CP 015 I 1 JAN/2004 APRESENTAÇÃO A

Leia mais

Dispositivos de Proteção

Dispositivos de Proteção 4 Dispositivos de Proteção Todos os circuitos deverão ser protegidos, a fim de garantir a integridade física das pessoas das instalações e equipamentos. Para isso, existem diversos dispositivos e equipamentos

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, LÓGICA E ELÉTRICA DA LÓGICA, PARA A OBRA DE CONSTRUÇÃO SENAI CRUZEIRO DO SUL.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, LÓGICA E ELÉTRICA DA LÓGICA, PARA A OBRA DE CONSTRUÇÃO SENAI CRUZEIRO DO SUL. SRVIÇOS LTDA LUCNA SPCIFICAÇÕS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕS LÉTRICAS, LÓGICA LÉTRICA DA LÓGICA, PARA A OBRA D CONSTRUÇÃO SNAI CRUZIRO DO SUL. INTRODUÇÃO O presente memorial enfoca o Projeto de Instalações létricas

Leia mais

2.0 - MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO

2.0 - MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO Pg 2/59 2.0 - MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO 2.1 - IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO 2.1.1 INSTALAÇÃO DE REDE DE ILUMINAÇÃO PÚBILCA DO ACESSO A CIDADE DE CAICÓ, PELA BR 427 E MELHORIA DA QUALIDADE DA REDE DE ILUMINAÇÃO

Leia mais

Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos:

Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos: 5 Proteção e Coordenação de Instalações Industriais Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos: 1 Seletividade É a capacidade

Leia mais

R & R Projetos e Instalações Ltda ( MASTER Engenharia em Eletricidade)

R & R Projetos e Instalações Ltda ( MASTER Engenharia em Eletricidade) PROJETO ELÉTRICO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DA BAHIA CEFET - BA MEMORIAL DESCRITIVO Este projeto visa a unificação de medição de média tensão, reforma da subestação II e instalação de alimentadores

Leia mais

ANEXO XIII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REDES ELÉTRICAS

ANEXO XIII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REDES ELÉTRICAS ANEXO XIII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REDES ELÉTRICAS OBRA: Escola Municipal Marcírio Goulart Loureiro LOCAL: Porto Alegre - (RS) ENDEREÇO: Rua Volta da Cobra, s/n PROPRIETÁRIO: Secretaria Municipal de

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA DO CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS 1 INDICE 1 OBJETIVO 2 NORMAS APLICÁVEIS 3 GENERALIDADES 4 METODOLOGIA 5 MEDIÇÕES DE GRANDEZAS

Leia mais