Plano Institucional de Formação de Quadros Docentes da UFES PLANFOR UFES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano Institucional de Formação de Quadros Docentes da UFES PLANFOR UFES"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Plano Institucional de Formação de Quadros Docentes da UFES PLANFOR UFES Sumário 1. Bases do Plano Institucional de Formação de Quadros Docentes Planejamento Acadêmico-Institucional Políticas de ensino, pesquisa e extensão Avaliação Acadêmico-Institucional e Ações de natureza acadêmica e institucional que geram necessidades de expansão e de qualificação dos quadros docentes Plano de Gestão de Pessoas Áreas estratégicas a serem contempladas pelo Programa Prodoutoral Definição dos objetivos e metas do Planfor da instituição Processo seletivo dos docentes participantes do programa Solicitação de apoio no âmbito do Programa Prodoutoral Plano de avaliação e de acompanhamento de desempenho da instituição e dos bolsistas Condições de infraestrutura, de apoio e de financiamento... 13

2 1. Bases do Plano Institucional de Formação de Quadros Docentes A UFES (Universidade Federal do Espírito Santo) ao longo dos seus 54 anos de história, constituiu-se na principal instituição de ensino superior do Espírito Santo. É uma das mais sólidas instituições públicas do Estado, responsável por exercer um papel fundamental no seu desenvolvimento. Possui 4 campi, dois deles sediados em Vitória (situada no centro do Estado), um em Alegre (no sul do Estado), e um em São Mateus (no norte do Estado). Oferece 67 cursos de graduação, 36 de Mestrado e 8 de Doutorado. Seu quadro de docentes efetivos é de 1075 professores, sendo 626 doutores, 288 mestres, e 161 com especialização, aperfeiçoamento, ou graduação. Conta com servidores técnico-administrativos. Atende cerca de mil alunos de graduação presencial e de pós-graduação stricto sensu. Uma das principais estratégias da UFES para a área de Ensino é Expandir o ensino de graduação e pós-graduação. Tal estratégia foi estabelecida no Planejamento Estratégico da UFES. Assim, dentro do escopo dos Objetivos Estratégicos Institucionais, a UFES vem apoiando as iniciativas dos seus grupos de pesquisa para a melhoria da formação de seus quadros e da sua produção científica e tecnológica. Na direção de Expandir o ensino de graduação e pós-graduação, temos contado com o apoio do MEC e da CAPES, participando dos projetos de incentivo do Governo Federal na implementação de expansão das universidades federais via o Programa Novos Campi, o Programa REUNI, e diversos programas implementados pela CAPES em consonância com o preconizado no PNPG No Programa de Expansão da Interiorização das IFES, a UFES criou 15 novos cursos de graduação. No REUNI a UFES planeja ampliar a oferta de cursos de graduação em 23 cursos. O total de vagas ofertadas no vestibular passará de em 2006, para em 2012, um aumento de 55,3%. O número de cursos no turno noturno passará de 9 em 2006, para 22 em 2012, sendo que o número de vagas ofertadas no turno noturno passará de 430 para 1.330, um aumento de 209,3%. Na pós-graduação, como forma de alavancar o desenvolvimento regional e nacional, além de ampliar as contribuições científicas da Universidade neste campo, a UFES vem apoiando fortemente a criação de novos cursos de pós-graduação stricto sensu em todas as áreas de atuação da Instituição, conseguindo um dos maiores crescimentos entre as IFES do país (cerca de 100% de aumento nos cursos de mestrado e de doutorado nos últimos 4 anos). Em 2006 e 2007, a UFES teve aprovados pela CAPES 15 novos cursos de mestrado (Arquitetura e Urbanismo, Artes, Biotecnologia, Direito Processual, Educação Física, Lingüística, Matemática, Psicologia Institucional, Oceanografia, Filosofia, Geografia, Ciências Sociais, Ciências Veterinária, Ciências Florestais, e Engenharia Sanitária e Desenvolvimento Sustentável) e 3 cursos de doutorado (Engenharia Ambiental, Biotecnologia, através da Renorbio, e Oceanografia Ambiental). Recentemente, em 2008, tivemos a aprovação de mais dois doutorados (Doenças Infecciosas e Biologia Animal). A partir de 2009 a UFES vem oferecendo para a sociedade 36 cursos de mestrado e 10 cursos de doutorado. Assim, a UFES considera relevante melhorar cada vez mais a qualidade dos seus cursos de graduação e de pós-graduação para poder cumprir com melhor retorno à sociedade as suas metas e as do governo federal, que coincidem com um ensino público de qualidade. 2

3 Desta forma, é fundamental que a instituição procure ampliar o percentual de docentes com a titulação de doutorado. Neste contexto, o objetivo geral deste programa é promover a qualificação em nível de doutorado dos docentes da UFES em áreas e subáreas de conhecimento que ainda não possuem doutorado na UFES com vistas a formar novos grupos de pesquisa em áreas estratégicas e prioritárias, além de atender a outros objetivos tais como: consolidar grupos de pesquisa já existentes, fomentar a cooperação acadêmica, criar novos programas de pós-graduação e consolidar os programas já existentes, particularmente aqueles onde só temos, no momento, os cursos de mestrado. 2. Planejamento Acadêmico-Institucional Nesta seção são apresentados uma breve descrição das políticas de ensino, pesquisa e extensão da UFES e um resumo da Avaliação Acadêmico-Institucional, ressaltando as ações de natureza acadêmica e institucional geram necessidades de expansão e de qualificação dos quadros docentes, com vistas à ampliação e/ou consolidação da pósgraduação na instituição Políticas de Ensino, Pesquisa e Extensão A UFES tem como princípios: a universalidade de campo, pelo cultivo das áreas fundamentais dos conhecimentos humanos, estudados em si mesmos ou em função de ulteriores aplicações, e de áreas técnico-profissionais; e flexibilidade de métodos e critérios, considerando as diferenças individuais dos alunos, as peculiaridades regionais e as possibilidades de combinação dos conhecimentos para novos cursos e projetos de pesquisas. Todas as modalidades de ensino da Universidade devem ser voltadas para a busca, produção e socialização de conhecimentos e técnicas, e serão utilizadas como recurso de educação destinado à formação ética, crítica, técnica, científica, cultural e artística. A UFES oferece cursos de graduação em todas as áreas do saber nas habilitações de bacharelado, licenciatura e tecnólogo. Estes cursos, nas modalidades presencial e à distância, têm como objetivo principal garantir a formação integral e crítica para os discentes como forma de capacitá-los para o exercício da cidadania, formação para o trabalho e o seu pleno desenvolvimento pessoal. Os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu são destinados ao treinamento e aprimoramento nas áreas que compõem um ramo profissional, técnico, científico ou artístico. Eles são oferecidos em dois formatos: Cursos de Especialização e Cursos de Aperfeiçoamento. Os Cursos de Especialização têm por objetivo preparar especialistas em setores específicos das atividades acadêmicas e profissionais, enquanto os Cursos de Aperfeiçoamento têm por objetivo atualizar e aperfeiçoar conhecimentos e técnicas de trabalho nos diversos campos do saber. Os Cursos de Especialização e Aperfeiçoamento oferecidos pela Universidade poderão ser permanentes ou de caráter eventual. Os cursos de pós-graduação Stricto Sensu, em todas as áreas do saber, têm por objetivo a formação de pessoal qualificado para as atividades de ensino, pesquisa, 3

4 desenvolvimento e inovação, e compreendem dois níveis: o de Mestrado e o de Doutorado. Os cursos de Mestrado podem ser Profissionais ou Acadêmicos. Os Mestrados Profissionais visam aprimorar a competência técnico-científica dos graduados para a atuação profissional. Os Mestrados Acadêmicos visam enriquecer a competência didática, científica, artística, cultural e profissional dos graduados, podendo ser encarados como fase preliminar do Doutorado ou como nível terminal, ou ainda revestir-se simultaneamente de ambas as características. Os cursos de Doutorado têm por fim proporcionar aprimoramento técnico, científico, artístico ou cultural, amplo e aprofundado, desenvolvendo a capacidade de pesquisa e de inovação. Os cursos de extensão universitária constituem-se em ação pedagógica, de caráter teórico e/ou prático, planejada e organizada de modo sistemático, podendo desenvolverse em nível universitário ou não. São oferecidos à comunidade interna e externa, com o propósito de divulgação e criação de conhecimento, atendendo a necessidades de iniciação, de atualização ou de aperfeiçoamento científico, técnico, artístico, cultural e qualificação profissional. A pesquisa na Universidade deve ser voltada para a produção de novos conhecimentos, técnicas e soluções de problemas. Deve ser utilizada como recurso de educação e ensino destinados ao cultivo da atitude crítica indispensável à formação humana e ao progresso da ciência, tecnologia e cultura, sempre respeitando os princípios éticos. A Universidade incentivará a pesquisa por todos os meios ao seu alcance, entre os quais os seguintes (Artigo 78 do Estatuto da Universidade): Concessão de bolsas especiais de pesquisa em categorias diversas, principalmente na de iniciação científica; Formação de pessoal em cursos de pós-graduação próprios ou de outras instituições nacionais ou internacionais; Auxílios para execução de projetos específicos; Realização de convênios com entidades nacionais ou internacionais, visando a promoção da investigação científica; Intercâmbio com outras instituições científicas, estimulando os contatos entre pesquisadores e o desenvolvimento de projetos conjuntos; Divulgação das pesquisas realizadas pela Universidade; e Promoção de congressos, simpósios e seminários para estudo e debate de temas científicos. A Universidade deverá investir na sustentabilidade dos grupos de pesquisa e programas de pós-graduação, bem como provê-los de infra-estrutura compatível com as suas necessidades. A extensão universitária está baseada nos princípios de reciprocidade, emancipação, interdisciplinaridade, transdisciplinaridade e multiprofissionalidade. É uma atividade acadêmica identificada com os fins da Universidade, desenvolvendo processos educativos, artísticos, culturais e científicos, articulados com o ensino, a pesquisa e a assistência de forma indissociável. Tem como propósito contribuir para a promoção da 4

5 interação dialógica dentro da Universidade e com outros setores da sociedade, favorecendo o surgimento de respostas inovadoras aos desafios locais, regionais e nacionais. Na UFES, docentes, discentes, servidores técnico-administrativos e colaboradores externos podem propor ações de extensão, que são realizadas sob a forma de Programas, Projetos, Cursos, Eventos, Prestação de Serviços e Publicações originadas da sua produção acadêmica. A coordenação dessas ações deve ser exercida por docente ou servidor técnico-administrativo da Instituição. A extensão na UFES deverá atender às diretrizes de natureza acadêmica, possuir relevância social, cultivando relações bi e multilaterais, com impacto na formação dos estudantes e na geração de produtos Avaliação Acadêmico-Institucional e Ações de natureza acadêmica e institucional que geram necessidades de expansão e de qualificação dos quadros docentes Conforme citado anteriormente, a UFES é a principal instituição de ensino do Espírito Santo. Desta forma, a formação de pessoal com qualificação técnica e científica mais elevada no Espírito Santo, depende quase que exclusivamente do empenho da UFES em alocar seus recursos humanos e materiais na realização satisfatória desta tarefa. Pela análise do sistema nacional de Pós-Graduação, observando-se particularmente a última avaliação trienal (recentemente concluída em dezembro de 2007), percebe-se que alguns estados destacam-se bastante em termos numéricos e de qualidade dos cursos, o que tem ajudado bastante na consolidação e ampliação das suas vantagens competitivas em relação aos demais estados. Já o Espírito Santo, onde a UFES, em particular, embora tenha tido um dos maiores aumentos no número de programas de pós-graduação (PPG) aproximadamente 100% de aumento nos últimos 4 anos, possui avaliação apenas regular na maioria deles. O Espírito Santo conta hoje com 40 Programas de Pós- Graduação (PPG) reconhecidos pela CAPES, sendo que 36 deles estão na UFES (Tabela 1). Um dos objetivos específicos deste Programa é fornecer meios para a consolidação e a melhoria dos PPG das instituições públicas do Espírito Santo de modo a reduzir nossa distância em relação aos outros estados da região sudeste, de forma que possamos contribuir ainda mais para o desenvolvimento do Estado nesta nova era do conhecimento. Dentro do escopo dos Objetivos Estratégicos Institucionais, estabelecidos no Planejamento Estratégico da Universidade, a administração da UFES vem apoiando as iniciativas dos seus grupos de pesquisa para a melhoria da formação de seus quadros e da sua produção científica e tecnológica. Nesse sentido, como forma de alavancar o desenvolvimento regional e nacional, e ampliar as contribuições científicas nacionais e internacionais da Universidade, a UFES vem apoiando fortemente a criação de novos cursos de pós-graduação stricto sensu em todas as áreas de atuação da Instituição. Em 2006, 2007 e 2008 a UFES teve aprovados pela CAPES 15 novos cursos de mestrado (Arquitetura e Urbanismo, Artes, Biotecnologia, Direito Processual, Educação Física, Lingüística, Matemática, Psicologia Institucional, Oceanografia, Filosofia, Geografia, Ciências Sociais, Ciências Veterinária, Ciências Florestais, e Engenharia de Saúde Pública e Desenvolvimento Sustentável) e 5 cursos de doutorado (Engenharia Ambiental, Biotecnologia através da Renorbio, Oceanografia, Biologia Animal, e 5

6 Doenças Infecciosas). Representando um crescimento considerável da área de pesquisa e pós-graduação na Instituição. Tabela 1. Cursos de pós-graduação da UFES. Conceito PROGRAMA ÁREA (ÁREA DE AVALIAÇÃO) M D F ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO (ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO) ARQUITETURA E URBANISMO ARQUITETURA E URBANISMO (ARQUITETURA E URBANISMO) ARTES ARTES (ARTES / MÚSICA) BIOLOGIA VEGETAL AGRONOMIA (CIÊNCIAS AGRÁRIAS) BIOTECNOLOGIA BIOTECNOLOGIA (BIOTECNOLOGIA) CIÊNCIAS BIOLÓGICAS ZOOLOGIA (CIÊNCIAS BIOLÓGICAS I) CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS FISIOLOGIA (CIÊNCIAS BIOLÓGICAS II) RECURSOS FLORESTAIS E ENGENHARIA CIÊNCIAS FLORESTAIS FLORESTAL (CIÊNCIAS AGRÁRIAS) CIÊNCIAS SOCIAIS SOCIOLOGIA (SOCIOLOGIA) MEDICINA VETERINÁRIA (MEDICINA CIÊNCIAS VETERINÁRIAS VETERINÁRIA) CLINICA ODONTOLÓGICA ODONTOLOGIA (ODONTOLOGIA) DIREITO PROCESSUAL DIREITO PROCESSUAL CIVIL (DIREITO) DOENÇAS INFECCIOSAS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS (MEDICINA II) ECONOMIA TEORIA ECONÔMICA (ECONOMIA) EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO (EDUCAÇÃO) EDUCAÇÃO FÍSICA EDUCAÇÃO FÍSICA (EDUCAÇÃO FÍSICA) ENGENHARIA AMBIENTAL ENGENHARIA SANITÁRIA (ENGENHARIAS I) ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA CIVIL (ENGENHARIAS I) ENGENHARIA DE SAÚDE PÚBLICA E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ENGENHARIA SANITÁRIA (ENGENHARIAS I) ENGENHARIA ELÉTRICA ENGENHARIA ELÉTRICA (ENGENHARIAS IV) ENGENHARIA MECÂNICA ENGENHARIA MECÂNICA (ENGENHARIAS III) FILOSOFIA (FILOSOFIA / TEOLOGIA:subcomissão FILOSOFIA) FILOSOFIA FÍSICA FÍSICA (ASTRONOMIA / FÍSICA) GEOGRAFIA GEOGRAFIA (GEOGRAFIA) HISTÓRIA HISTÓRIA (HISTÓRIA) INFORMÁTICA CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO (CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO) LETRAS LETRAS (LETRAS / LINGUÍSTICA) LINGÜÍSTICA LINGÜÍSTICA (LETRAS / LINGUÍSTICA) MATEMÁTICA (MATEMÁTICA / PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA) MATEMÁTICA OCEANOGRAFIA AMBIENTAL BIOLOGIA GERAL (CIÊNCIAS BIOLÓGICAS I) POLÍTICA SOCIAL SERVIÇO SOCIAL (SERVIÇO SOCIAL) PRODUÇÃO VEGETAL AGRONOMIA (CIÊNCIAS AGRÁRIAS) PSICOLOGIA PSICOLOGIA (PSICOLOGIA) PSICOLOGIA INSTITUCIONAL PSICOLOGIA (PSICOLOGIA) QUÍMICA QUÍMICA (QUÍMICA) SAÚDE COLETIVA SAÚDE COLETIVA (SAÚDE COLETIVA) Cursos: M - Mestrado Acadêmico, D - Doutorado, F - Mestrado Profissional Fonte: Portal da CAPES No âmbito do ensino de graduação, a UFES planeja ampliar a oferta de cursos de graduação em 23 cursos, conforme descrito na Tabela 2. Dos cursos de graduação que a UFES planeja oferecer em 2012, 23 contemplarão a modalidade Licenciatura, contra 13 no ano de 2006, e nestes cursos serão ofertadas vagas, contra 930 em um aumento de 62,0%. 6

7 Tabela 2. Cronograma de ampliação da oferta na graduação. Ano Número de Cursos Vagas Anuais Matrícula Projetada (MAT) Total Noturno Total Noturno Total Noturno FONTE: Reuni/UFES No âmbito da Pesquisa e Pós-Graduação, a UFES tem como objetivo central a consolidação de grupos de pesquisa para posterior criação de novos programas de pósgraduação, com ênfase em programas de doutoramento. O PLANFOR em conjunto com outras ações da UFES visa dar sustentabilidade a um plano evolutivo de melhoria da qualidade, criação de linhas de pesquisa, e expansão da pós-graduação da UFES de 2008 a 2016, conforme apresentado na Tabela 3. Tabela 3. Plano evolutivo de melhoria da qualidade, da criação de linhas de pesquisa, e da expansão da pós-graduação da UFES de 2008 a CENTRO DE ENSINO ARTES M D M D M D Programa de Pós-graduação em Artes 4 4 4* 5 5 Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo 4 4 4* 5 5 Programa de Pós-graduação em Comunicação (a ser implantado) CIÊNCIAS DA SAÚDE Programa de Pós-Graduação em Atenção à Saúde Coletiva 4 4 4* 5 5 Programa de Pós-Graduação em Ciências Fisiológicas Programa de Pós-Graduação em Doencas Infecciosas Programa de Pós-Graduação em Clínica Odontológica (MP) Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia 4 4 4* 5 5 Programa de Pós-Graduação em Clínica Médica (a ser implantado) CIÊNCIAS AGRÁRIAS Programa de Pós-Graduação em Produção Vegetal 4 4* Programa de Pós-Graduação em Ciências Florestais * Programa de Pós-Graduação em Produção Vegetal * CIÊNCIAS EXATAS Programa de Pós-Graduação em Física Programa de Pós-Graduação em Matemática 4 4 4* 5 5 Programa de Pós-Graduação em Química 4 4 4* 5 5 Programa de Pós-Graduação em Estatística (a ser implantado) * Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências EAD (a ser implantado) - MP

8 Tabela 3. Continuação. CENTRO DE ENSINO CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS M D M D M D Programa de Pós-Graduação em Biologia Vegetal 4 4 4* 5 5 Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas -Biologia Animal Programa de Pós-Graduação em História 4 4 4* 5 5 Programa de Pós-Graduação em Letras - Estudos Literários 4 4* Programa de Pós-Graduação em Lingüística * Programa de Pós-Graduação em Oceanografia Programa de Pós-Graduação em Psicologia Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional * Programa de Pós-Graduação em Geografia * Programa de Pós-Graduação em Filosofia * Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais * CIÊNCIAS JURÍDICAS E ECONÔMICAS Programa de Pós-Graduação em Administração 4 4 4* 4 4 Programa de Pós-Graduação em Direito Processual * Programa de Pós-Graduação em Economia 4 4* Programa de Pós-Graduação em Políticas Sociais 4 4 4* 4 4 Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação (a ser implantado) EDUCAÇÃO Programa de Pós-Graduação em Educação EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS Programa de Pós-Graduação em Educação Física TECNOLÓGICO Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil 4 4 4* 4 4 Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica 4 4 4* 4 4 Programa de Pós-Graduação em Informática 4 4 4* 4 4 Programa de Pós-Graduação em Eng. de Saúde Púb. e Desenv.Sust. (MP) Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção (a ser implantado) - M CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ES Programa de Pós-Graduação em Agricultura Tropical (a ser implantado) * Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade Tropical (a ser implantado) * Programa de Pós-Graduação na área de Engenharias (a ser implantado) * * Doutorado a ser implantado. 3. Plano de Gestão de Pessoas Para viabilizar a expansão e reestruturação da UFES descrita na seção anterior deste plano (Seção 2.2), será necessária a contratação de servidores docentes e técnicoadministrativos e promover a qualificação em nível de doutorado dos docentes da UFES em áreas e subáreas de conhecimento, que ainda não possuem doutorado na UFES, com vistas a formar novos grupos de pesquisa em áreas estratégicas e prioritárias, a 8

9 consolidar grupos já existentes, a fomentar a cooperação acadêmica, a criar programas de pós-graduação e a consolidar programas já existentes. No contexto da contratação de servidores docentes e técnico-administrativos para a criação de novos cursos ou ampliação de vagas em cursos existentes, a política é de expansão é fortemente baseada nos planos desenvolvidos no âmbito do REUNI, conforme a apresentado na Tabela 4. Tabela 4. Número cumulativo de professores necessários a partir de 2009, eles são incluídos também em 2010, 2011 e Centro Número cumulativo de professores a serem contratados Totais Ciências Agrárias Centro Universitário do Norte do Espírito Santo Artes Ciências Ciências da Jurídicas e Saúde Econômicas Educação Física e Desportos Ciências Exatas Outros Centros No contexto da qualificação em nível de doutorado dos docentes da UFES, a Comissão Gestora do PLANFOR deverá fazer um acompanhamento para que o docente recémdoutor possa se inserir o melhor possível nas metas pré-estabelecidas. Deve-se observar que o docente da UFES que aderir ao Programa PRODOUTORAL deverá se comprometer a ter uma atuação institucional futura compatível com as metas do PLANFOR. 4. Áreas estratégicas a serem contempladas pelo Programa Prodoutoral Além dos critérios gerais especificados no Art. 15 do Regulamento do PRODOUTORAL (DOU de 04/04/2008), os docentes da UFES que terão prioridade no Programa são: a) Docentes que forem obter seu doutoramento apenas em sub-áreas de conhecimento com cursos de doutorado não existentes na UFES; b) Docentes que forem formar ou se agregar a grupos de pesquisa em áreas estratégicas necessárias à criação de novos programas de pós-graduação em áreas estratégicas ainda não existentes na UFES em sua sede, como engenharia de produção; contabilidade, comunicação, ciência de informação e clínica médica; em seu campus do norte, como ciências agrárias, biodiversidade e engenharia de petróleo; ou em seu campus do sul, como geologia; c) Docentes que forem formar ou se agregar a grupos de pesquisa em áreas estratégicas necessárias à consolidação de programas de pós-graduação já existentes, com o objetivo de uma implantação futura de um curso de doutorado e/ou melhoria do conceito CAPES; Com base nas três diretrizes acima, são indicadas como áreas estratégicas contempladas pelo programa: 9

10 Arte, Lingüística e Letras Ciências Agrárias Ciências Biológicas Ciências da Terra Ciências Farmacêuticas Ciências Humanas Ciências Sociais Aplicadas Educação e Educação Física Enfermagem Engenharias e Informática Matemática e Estatística Medicina Odontologia Química Os docentes selecionados em cada uma destas áreas deverão estar inseridos ou relacionados à pelo menos uma da três diretrizes de prioridade indicadas nesta seção. 5. Definição dos objetivos e metas do Planfor da instituição Objetivo Geral deste programa é promover a qualificação em nível de doutorado dos docentes em áreas e sub-áreas de conhecimento que ainda não possuem doutorado na UFES com vistas a formar novos grupos de pesquisa em áreas estratégicas e prioritárias, a consolidar grupos já existentes, a fomentar a cooperação acadêmica, a criar programas de pós-graduação e a consolidar programas já existentes. O número atual de docentes da UFES que têm o mestrado é 271. Em regime permanente, a nossa meta geral é proceder a uma qualificação destes mestres de aproximadamente 6,5% ao ano no PLANFOR. Considerando as aposentadorias de docentes, e a qualificação de docentes em cursos de doutorado na própria UFES, nossa meta é de que o número de mestres cairá à metade em 5 anos, passando o percentual de mestres do corpo docente dos atuais 22 % para cerca de 11%. O PLANFOR em conjunto com outras ações da UFES visa dar sustentabilidade a um plano evolutivo de melhoria da qualidade, criação de linhas de pesquisa, e expansão da pós-graduação da UFES de 2008 a 2016, conforme apresentado na Tabela 3. O Quadro 1 sumariza as metas para os objetivos de ensino, pesquisa, extensão, quadros docentes e projetos. 10

11 Quadro 1 Resumo de Indicadores, Objetivos e Metas Variáveis Indicadores Objetivos Específicos Metas Criar novas vagas de pósgraduação 400 novas vagas em 5 anos 1 Vagas na pósgraduação Ensino Pesquisa Programas de pósgraduação Áreas de concentração Grupos de pesquisa Linhas de pesquisa Criar novos programas de pósgraduação Consolidar os programas de pósgraduação existentes 10 novos Programas em 5 anos 1 9 em 5 anos (passando de nota 3 para 4 ou criando o doutorado) 1 Criar novas áreas de concentração 30 em 5 anos 1 Consolidar as áreas existentes 27 em 5 anos 1 Criar novos grupos de pesquisa 60 em 5 anos 2 Consolidar grupos existentes 54 em 5 anos 2 Criar novas linhas de pesquisa 120 em 5 anos 2 Consolidar linhas existentes 108 em 5 anos 2 Extensão Programas de extensão Criar novos programas de extensão Consolidar programas de extensão existentes 300 em 5 anos 300 em 5 anos Quadros Docentes Quadros Docentes Formados Formar docentes da instituição em nível de doutorado Reduzir o percentual de mestres do corpo docente de 22% para 11% em 5 anos 3 Projetos da Lei das ICTS Projetos Produzir processos, produtos e patentes 15 em 5 anos 1 - Metas indicadas com base no Plano evolutivo de melhoria da qualidade, da criação de linhas de pesquisa, e da expansão da pós-graduação da UFES de 2008 a 2016 (Tabela 3). 2 Meta baseada na expansão da pós-graduação da UFES de 2008 a 2016 (Tabela 3). 3 Meta baseada nas novas contratações no âmbito do REUNI (Tabela 4), priorizando docentes com doutorado, e com a melhoria da qualificação dos docentes através do PLANFOR. 6. Processo seletivo dos docentes participantes do programa Foi constituída uma Comissão Gestora multidepartamental para o acompanhamento do Programa com a seguinte composição: Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação (presidente) Pró-Reitor de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Diretor do Departamento de Pós-Graduação e Recursos Humanos da PRPPG Diretor do Departamento de Pesquisa da PRPPG 3 representantes indicados pela Câmara de Pós-Graduação 3 representantes indicados pela Câmara de Pesquisa 11

12 Esta Comissão se reúne pelo menos duas vezes por ano para fazer acompanhamento integrado do PLANFOR da UFES, verificando o cumprimento das metas préestabelecidas e propondo eventuais mudanças. Cabe a essa Comissão a aprovação dos nomes dos bolsistas selecionados dentro da Cota da Instituição com base na aderência das propostas aos objetivos institucionais e às áreas prioritárias descritas na Seção 4. A Tabela 5 apresenta um breve descrição dos docentes solicitantes, respectivas áreas de conhecimento, justificativa para seleção e cronograma de ações para o período de abrangência do programa. Tabela 5. Descrição dos docentes solicitantes, respectivas áreas de conhecimento, justificativa para seleção e cronograma de ações para o período de abrangência do programa. Docente Área Estratégica Ação estratégica prevista na Seção 4 (a) (b) (c) 1 - Roberta Paresque Ciências Biológicas X 2 - Rita Luciana Berti Bredariolli Artes, Linguistica e Letras X X X 3 - Marcelo Antonio de Oliveira Química X X 4 - Ana Carolina Giuberti C. Sociais Aplicadas X X 5 - Rosane Vasconcelos Zanotti C. Sociais Aplicadas X X 6 - Gabriel Moreira Campos C. Sociais Aplicadas X X 7 - Junia C. S. de Mattos Zaidan Artes, Linguistica e Letras X X 8 - Vilmar José Borges Educaçcão e Educação Física X 9 - José Antono da Rocha Pinto Engenharia e Informática X 10 - Flavia Ruschi M. de Oliveira C. Sociais Aplicadas X X 11 - Patrick Borges Matemática e Estatística X X 12 - Karla Moreira Conde C. Sociais Aplicadas X X 13 - Denizar Leal C. Sociais Aplicadas X X 14 - Monalessa Perini Barcellos Engenharia e Informática X Uma planilha adicional anexa a este documento apresenta uma listagem completa dos atuais bolsista e candidatos a bolsistas para 2009/2, incluindo seus nomes, as áreas estratégicas, as instituições de destino e nomes dos orientadores se encontram na tabela de atuais bolsistas e candidatos, bem como as distâncias de deslocamento. 7. Solicitação de apoio no âmbito do Programa Prodoutoral Atualmente, a cota da UFES no âmbito do Programa Prodoutoral é de 14 bolsas, sendo que estão sendo implementadas apenas 13 bolsas, devido a um problema de enquadramento de um dos bolsistas. Para atingirmos em 5 anos a meta de qualificação docente detalhada na Seção 5, estimamos que a cota em regime permanente com o número de bolsas do PLANFOR da UFES deva ser de 64 bolsas. Para atingir este patamar pleiteamos um gradual aumento do número de cotas, da seguinte maneira: Cota atual: 14 bolsas Cota 2º semestre 2009: 14 bolsas adicionais (total de 28 bolsas) Cota 1º semestre 2010: 12 bolsas adicionais (total de 40 bolsas) Cota 2º semestre 2010: 12 bolsas adicionais (total de 52 bolsas) Cota 1º semestre 2011: 12 bolsas adicionais (total de 64 bolsas) 12

13 Considerando um valor médio R$ 500,00 por trecho e diárias para 5 dias no valor de R$ 673,47, temos que o custo adicional previsto por cota de bolsa de aproximadamente R$ 5346,94, além do valor das bolsas e mensalidades (que são descritas no item b, inciso II, Art. 17 do regulamento do PRODOUTORAL). 8. Plano de avaliação e de acompanhamento de desempenho da instituição e dos bolsistas O docente em formação doutoral deverá preencher um formulário-modelo de inscrição do projeto informando os dados que justifiquem a necessidade de formação doutoral docente, de modo a demonstrar como essa formação contribuirá para o fortalecimento dos grupos de pesquisa e para a criação ou consolidação de cursos de pós-graduação da UFES. O docente da UFES que aderir ao Programa PRODOUTORAL deverá se comprometer a ter uma atuação institucional futura compatível com as metas do PLANFOR, conforme especificado na sua inscrição. Após a aprovação no Programa o docente deverá encaminhar relatórios semestrais, com históricos parciais da IES de destino dos aproveitamentos em disciplinas, com a assinatura do parecer do orientador, colocando um com o de acordo no relatório. Este relatório deverá ser encaminhado ao Departamento de origem para a aprovação técnica. Posteriormente o relatório será encaminhado à Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós- Graduação (PRPPG). Todos os bolsistas receberão um manual impresso Manual do Bolsista, que também poderá ser encontrado na página Web da PRPPG. O Bolsista poderá ter sua bolsa cancelada caso seu relatório não seja aprovado. Caberá ao Comitê Gestor decidir sobre o cancelamento de bolsa. Ao fazer o acompanhamento das metas do PLANFOR, a Comissão Gestora referida no item anterior deverá fazer uma integração com as unidades acadêmicas e administrativas para um comprometimento efetivo, visando uma melhor execução física e orçamentária do Plano, bem como uma realimentação para eventuais correções de rumo. 9. Condições de infraestrutura, de apoio e de financiamento A UFES se compromete a dispor de recursos de infra-estrutura de ensino e de pesquisa considerados indispensáveis à formação docente nas áreas contempladas no Planfor, e suas unidades acadêmicas e administrativas da UFES se comprometem com a elaboração e a execução física e orçamentária ligadas ao Programa. Os docentes aprovados terão apoio das unidades acadêmicas em relação à absorção dos encargos didáticos durante o período de participação do programa e disponibilização da infra-estrutura local necessária para o desenvolvimento dos trabalhos de pesquisa. 13

C A P E S COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR

C A P E S COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS DOCENTES PLANFOR Dezembro de 2008 ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO

Leia mais

Art. 2º Revogar a Portaria nº 112, de 01 de agosto de 2008. Art. 3º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. JORGE ALMEIDA GUIMARÃES

Art. 2º Revogar a Portaria nº 112, de 01 de agosto de 2008. Art. 3º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. JORGE ALMEIDA GUIMARÃES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR PORTARIA Nº 140, DE 1º DE JULHO DE 2010 O PRESIDENTE DA COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR -

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - UESPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PROP PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO Pesquisa e Pós-Graduação A Universidade Estadual

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

Políticas para a Educação Superior

Políticas para a Educação Superior Políticas para a Educação Superior A experiência da UFERSA Prof. Augusto Carlos Pavão Pró-Reitor de Graduação A Universidade Políticas Públicas Expansão Acesso Interiorização SISU Lei das Cotas PIBID Bolsas

Leia mais

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU A Pesquisa e a Pós-Graduação Stricto Sensu são atividades coordenadas por uma mesma

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

META MUNICIPAL 14: elevar gradualmente o número de matrículas na pós-graduação stricto sensu, de modo a atingir a titulação anual de 60.

META MUNICIPAL 14: elevar gradualmente o número de matrículas na pós-graduação stricto sensu, de modo a atingir a titulação anual de 60. META MUNICIPAL 14: elevar gradualmente o número de matrículas na pós-graduação stricto sensu, de modo a atingir a titulação anual de 60.000 (sessenta mil) mestres e 25.000 (vinte e cinco mil) doutores.

Leia mais

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR Metas PNE - Meta 12 Elevar a taxa bruta de matrícula na Educação Superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por cento) da população

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As atividades de Pesquisa da Universidade de Santo Amaro UNISA buscam fomentar o conhecimento por meio da inovação técnica, científica, humana, social e artística,

Leia mais

Profa. Dra. Sheila Rodrigues de Sousa Porta PLANO DE AÇÃO 2013-2017

Profa. Dra. Sheila Rodrigues de Sousa Porta PLANO DE AÇÃO 2013-2017 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Escola Técnica de Saúde Profa. Dra. Sheila Rodrigues de Sousa Porta PLANO DE AÇÃO 2013-2017 Proposta de trabalho apresentada como pré-requisito para inscrição no processo

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

EDITAL N 003/2015 PROEX SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE UNIDADES AUXILIARES DA UNESP

EDITAL N 003/2015 PROEX SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE UNIDADES AUXILIARES DA UNESP EDITAL N 003/2015 PROEX SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE UNIDADES AUXILIARES DA UNESP Seleção de propostas de extensão universitária de Unidades Auxiliares no âmbito da PROEX/UNESP para

Leia mais

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT 1 FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT Dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Programa de Iniciação Científica

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO REITORIA. EDITAL N.º 001/2015 de 07/01/2015 PROCESSO SELETIVO 2015

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO REITORIA. EDITAL N.º 001/2015 de 07/01/2015 PROCESSO SELETIVO 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO REITORIA EDITAL N.º 001/2015 de 07/01/2015 PROCESSO SELETIVO 2015 O reitor em exercício da reitoria da Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

Estrutura Acadêmica e Administrativa da PUC Goiás

Estrutura Acadêmica e Administrativa da PUC Goiás Estrutura Acadêmica e Administrativa da PUC Goiás Estruturas Organizacionais da Instituição: histórico 1950 1960 Universidade de Goiás Incorporadas: - Faculdade de Filosofia (1948) - Faculdade de Ciências

Leia mais

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 1 Do programa e objetivo 1.1 O Programa CAFP/BA (Centros Associados para o Fortalecimento

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Projeto de Reestruturação e Expansão REUNI - UFRN

Projeto de Reestruturação e Expansão REUNI - UFRN Projeto de Reestruturação e Expansão REUNI - UFRN Alguns indicadores I n d i c a d o r e s 2006 Acréscimo Número de Alunos Graduação (Regulares, Probásica e Educação a Distância) 23.924 Pós-Graduação (Mestrado

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.046, DE 22 DE MAIO DE 2003.

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.046, DE 22 DE MAIO DE 2003. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.046, DE 22 DE MAIO DE 2003. Revoga a Resolução N.º 2.888/CONSEP, estabelece diretrizes e dispõe

Leia mais

Panorama e planejamento de Pós-graduação visando notas 06 e 07 na UFV

Panorama e planejamento de Pós-graduação visando notas 06 e 07 na UFV Pós-Graduação da UFV em debate 2012 26-27 de Novembro de 2012 Panorama e planejamento de Pós-graduação visando notas 06 e 07 na UFV Profa. Simone EF Guimarães Pós Graduação em Genética e Melhoramento UFV

Leia mais

Cadastro de denominações consolidadas para Cursos de Graduação (bacharelado e licenciatura) do Ministério da Educação

Cadastro de denominações consolidadas para Cursos de Graduação (bacharelado e licenciatura) do Ministério da Educação Cadastro de denominações consolidadas para Cursos de Graduação (bacharelado e licenciatura) do Ministério da Educação Justificativa Desde a edição da nova LDB (Lei nº 9.394/1996), promulgada em decorrência

Leia mais

Modelos de Gestão da Qualidade da Pós-graduação e do Doutorado: Experiências Nacionais: BRASIL

Modelos de Gestão da Qualidade da Pós-graduação e do Doutorado: Experiências Nacionais: BRASIL Modelos de Gestão da Qualidade da Pós-graduação e do Doutorado: Experiências Nacionais: BRASIL Livio Amaral Diretor de Avaliação 17set13 A AVALIAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO (SNPG) (SNPG) -FUNDAMENTOS

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CONSUN Nº 029 DE 1º DE OUTUBRO DE 2014 Aprova as Diretrizes da Política de Mobilidade Acadêmica da Universidade Federal da Integra ção Latino-Americana UNILA. O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

MEC e MCTI. Programa Quero ser professor Quero ser cientista

MEC e MCTI. Programa Quero ser professor Quero ser cientista MEC e MCTI Programa Quero ser professor Quero ser cientista Contexto: Censo da Educação Superior 2012 Posição Nome OCDE Total % Matrícula % Acumulado 1 Administração 833.042 11,9 11,9 2 Direito 737.271

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

REQUERIMENTO. (Do Sr. JORGE SILVA) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO. (Do Sr. JORGE SILVA) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. JORGE SILVA) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo, relativa à criação de um curso de medicina no Centro Universitário Norte do Espírito Santo Ceunes, no âmbito do Programa

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES - 2012 a 2021 Instituição: ENSINO DE GRADUAÇÃO Programas/Projetos/Ações Ano Natureza Valores Fonte de Recursos Beneficiado Manutenção

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

PROGRAMA JOVENS TALENTOS PARA A CIÊNCIA - PJTC/CAPES/2015 SELEÇÃO DE PROFESSORES ORIENTADORES EDITAL Nº 01/2015

PROGRAMA JOVENS TALENTOS PARA A CIÊNCIA - PJTC/CAPES/2015 SELEÇÃO DE PROFESSORES ORIENTADORES EDITAL Nº 01/2015 PROGRAMA JOVENS TALENTOS PARA A CIÊNCIA - PJTC/CAPES/2015 SELEÇÃO DE PROFESSORES ORIENTADORES EDITAL Nº 01/2015 O Departamento de Apoio Acadêmico (DAA), da Pró-Reitoria de Graduação (PROGRAD), da Universidade

Leia mais

Por Talamira Taita Rodrigues Brito

Por Talamira Taita Rodrigues Brito Programas acadêmicos e o ensino de graduação: estratégias para o fortalecimento da formação - Panorama da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB Por Talamira Taita Rodrigues Brito Localização

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

PROFLETRAS R E G I M E N T O

PROFLETRAS R E G I M E N T O PROFLETRAS R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPITULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV - CAPÍTULO V - CAPÍTULO VI - CAPÍTULO VII - CAPÍTULO VIII - Das Finalidades Das Instituições Associadas Da Organização

Leia mais

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação;

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação; DECRETO Nº 7.642, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 * Programa Ciência sem Fronteiras. * Institui o Programa Ciência sem Fronteiras. A Presidenta da República, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica.

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica. Ao longo desses 15 anos o CEDESS congrega atividades de ensino, pesquisa e extensão, nos níveis de graduação e pós-graduação lato e stricto sensu e tem por objeto de estudo o binômio Educação e Saúde.

Leia mais

EDITAL DE BOLSAS DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

EDITAL DE BOLSAS DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA EDITAL DE BOLSAS DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Rubens Guilhemat, Secretário Geral do Centro Universitário Sant Anna, no uso de suas atribuições torna público o presente EDITAL que regerá o Processo

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

UNIVERSIDADE DA REGIÃO DA CAMPANHA URCAMP PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO EDITAL Nº 02/2014

UNIVERSIDADE DA REGIÃO DA CAMPANHA URCAMP PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO EDITAL Nº 02/2014 UNIVERSIDADE DA REGIÃO DA CAMPANHA URCAMP PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO EDITAL Nº 02/2014 A Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão da Universidade da Região de Campanha

Leia mais

POR DENTRO DO ENADE CURSO DE CAPACITAÇÃO 2014. Procuradoria Educacional Institucional Pró-Reitoria de Ensino IFG

POR DENTRO DO ENADE CURSO DE CAPACITAÇÃO 2014. Procuradoria Educacional Institucional Pró-Reitoria de Ensino IFG POR DENTRO DO ENADE CURSO DE CAPACITAÇÃO 2014 Procuradoria Educacional Institucional Pró-Reitoria de Ensino IFG Avaliação Institucional Processos de avaliação institucional Interna Relatórios da CPA Externa

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 20/2012, DE 14 DE AGOSTO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 20/2012, DE 14 DE AGOSTO DE 2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 20/2012, DE 14 DE AGOSTO DE 2012 Aprova a regulamentação do Programa de Incentivo à Pesquisa,

Leia mais

PDI GERAL DO CEFET/RJ

PDI GERAL DO CEFET/RJ PDI GERAL DO CEFET/RJ Princípios que devem nortear o estabelecimento de políticas e ações no CEFET/RJ e que devem constar do PDI: Institucionalidade/identidade de UT (estabelecimento de um modelo diferenciado

Leia mais

CURSOS DE PROGRESSÃO LINEAR (C P L)

CURSOS DE PROGRESSÃO LINEAR (C P L) CURSOS DE PROGRESSÃO LINEAR (C P L) (VESTIBULAR EM DUAS FASES) São aqueles tradicionalmente oferecidos pela UFBA, acrescidos de 26 novas opções de curso, das quais 18 no noturno, nas modalidades Licenciatura,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL DIREÇÃO ACADÊMICA

FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL DIREÇÃO ACADÊMICA FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL DIREÇÃO ACADÊMICA REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE PESQUISA CACOAL 2014 Art. 1º - A Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal Facimed, por compreender que a pesquisa

Leia mais

UnB adota SiSU como forma de ingresso

UnB adota SiSU como forma de ingresso UnB adota SiSU como forma de ingresso No total, 88 cursos de graduação foram ofertados. Medicina foi o mais concorrido do País Neste ano, a Universidade de Brasília (UnB) adotou, pela primeira vez, ao

Leia mais

Metas Indicadores Ação para o Alcance das Metas Produto Esperado Fonte dos Dados

Metas Indicadores Ação para o Alcance das Metas Produto Esperado Fonte dos Dados PDI 20111 / 201 15 Pós-Graduação 1. Formar pessoas competentes e éticas, com alta qualificação científica, tecnológica e artística, comprometidas com o bem-estar social, adaptáveis às mudanças, capazes

Leia mais

Escola de Administração UFRGS. Porto Alegre - RS

Escola de Administração UFRGS. Porto Alegre - RS Escola de Administração UFRGS Porto Alegre - RS 1 A Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS está localizada na cidade de Porto Alegre, com cerca de 1.5 milhões de habitantes. Localização 1 A

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Esperidião Amin Helou Filho 1 PROJETO DE LEI Nº 8.035, DE 2010. Ementa: Aprova o Plano Nacional de Educação para o decênio 2011-2020 e dá outras providências. 2 PROJETO DE LEI

Leia mais

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Objetivos Avanço da ciência brasileira em tecnologia, inovação e competitividade, através da expansão da mobilidade internacional:

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018 CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MADEIREIRA 1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA UNIDADE 2014/2018 APRESENTAÇÃO O Curso de Engenharia Industrial Madeireira da UFPR foi criado

Leia mais

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 METAS AÇÕES PRAZOS Expansão do número de vagas do curso de Engenharia de Produção. SITUAÇÃO MARÇO DE 2015 AVALIAÇÃO PROCEDIDA EM 12.03.2015 CPA E DIRETORIA

Leia mais

Proponente: SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS... 2 2. SITUAÇÃO DE CT&I DO ESTADO MAIS DESENVOLVIDO DA FEDERAÇÃO SÃO PAULO.. 3

Proponente: SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS... 2 2. SITUAÇÃO DE CT&I DO ESTADO MAIS DESENVOLVIDO DA FEDERAÇÃO SÃO PAULO.. 3 PROPOS-ES 2008-2016 Projeto Pós-Graduação no Espírito Santo 2008-2016 (OBS: em construção) Submetido à FAPES/SECT Proponente: Universidade Federal do Espírito Santo Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Escola de Governo em Saúde Programa de Educação à Distância IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Equipe da Coordenação

Leia mais

O que é Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade)?

O que é Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade)? O que é Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade)? O Enade é componente curricular obrigatório aos cursos de graduação, conforme determina a Lei nº. 10.861, de 14 de abril de 2004. É aplicado

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto TÍTULO DO PROJETO: Fortalecimento da capacidade institucional com vistas a melhoria dos processos de monitoramento e avaliação dos programas de fomento voltados para a Educação Básica e para o Ensino Superior

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília Edital nº 20/CGPE/PRDI/IFB, de 18 de Dezembro de 2009.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília Edital nº 20/CGPE/PRDI/IFB, de 18 de Dezembro de 2009. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília Edital nº 20/CGPE/PRDI/IFB, de 18 de Dezembro de 2009. PROCESSO DE REMOÇÃO INTERNA DE SERVIDORES DOCENTES. Considerando

Leia mais

NORMA DO PROGRAMA DE BOLSAS REUNI DE ASSISTÊNCIA AO ENSINO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE

NORMA DO PROGRAMA DE BOLSAS REUNI DE ASSISTÊNCIA AO ENSINO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE NORMA DO PROGRAMA DE BOLSAS REUNI DE ASSISTÊNCIA AO ENSINO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE As Pró-Reitorias de Graduação e de Pesquisa e Pós-Graduação, CONSIDERANDO a necessidade

Leia mais

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA POLÍTICA INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA Capítulo I Do Regulamento Art. 1º. O presente Regulamento define e regula a Política de Formação e Desenvolvimento

Leia mais

Prof. Dr. Carlos Rinaldi Cuiabá, UFMT, 2014

Prof. Dr. Carlos Rinaldi Cuiabá, UFMT, 2014 Sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB) na UFMT Prof. Dr. Carlos Rinaldi Cuiabá, UFMT, 2014 Hoje, no Brasil, são inúmeras as Instituições de Ensino credenciadas para oferecer cursos na modalidade de

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E METAS Art. 1º. O Programa de Capacitação Institucional PCI tem por objetivo promover a melhoria da qualidade das funções

Leia mais

PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO CAMPUS ARARANGUÁ DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010

PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO CAMPUS ARARANGUÁ DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010 PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010 CHAMADA DE PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA EXECUÇÃO: 19 DE ABRIL DE 2010 A 10 DE MAIO DE 2010

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização.

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização. PROGRAMA DE TRABALHO PARA O QUADRIÊNIO 2015-2019 DOS CANDIDATOS À DIREÇÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS E SUBPROJETOS DE PESQUISA

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS E SUBPROJETOS DE PESQUISA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS E SUBPROJETOS DE PESQUISA O projeto deve, OBRIGATORIAMENTE, ser elaborado pelo Coordenador do Projeto (titulação mínima Mestre PBIC/UniEVANGÉLICA; titulação mínima Doutor

Leia mais

Lista de Quadros. Fundação Uniplac

Lista de Quadros. Fundação Uniplac Lista de Quadros Quadro 1 Dirigente dafundaçãouniplac... 22 Quadro 2 Matérias apreciadas no Conselho Curador... 23 Quadro 3 Nominata do Conselho Curador... 23 Quadro 4 Matérias apreciadas no Conselho de

Leia mais

Coordenação de Pós-Graduação e Extensão. Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC

Coordenação de Pós-Graduação e Extensão. Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC Coordenação de Pós-Graduação e Extensão Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC Os cursos de especialização em nível de pós-graduação lato sensu presenciais (nos quais

Leia mais

RELATÓRIO GERAL DE VAGAS REMANESCENTES PARA OCUPAÇÃO EM 2011.

RELATÓRIO GERAL DE VAGAS REMANESCENTES PARA OCUPAÇÃO EM 2011. Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional RELATÓRIO GERAL DE VAGAS REMANESCENTES PARA OCUPAÇÃO EM 2011. O total de vagas remanescentes será

Leia mais

Livio Amaral Diretor de Avaliação

Livio Amaral Diretor de Avaliação Livio Amaral Diretor de Avaliação 04nov13 Mestrado Profissional -Portaria nº n 80, de 16 de dezembro de 1998- Dispõe sobre o os mestrados profissionais. Apresenta como um de seus principais objetivos promover

Leia mais

NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I

NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I RESOLUÇÃO N. 001/2007 ANEXO NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I 1. Conceituação As normas relativas à concessão de Bolsas de Formação, de Pesquisa

Leia mais

DIREÇÃO ACADÊMICA PROGRAMA DE PROJETOS DE EXTENSÃO - EDITAL 2015-2016

DIREÇÃO ACADÊMICA PROGRAMA DE PROJETOS DE EXTENSÃO - EDITAL 2015-2016 1 DIREÇÃO ACADÊMICA PROGRAMA DE PROJETOS DE EXTENSÃO - EDITAL 2015-2016 1 INTRODUÇÃO O Programa de Projetos de Extensão tem o objetivo de contribuir para a formação acadêmica, profissional e cidadã, fruto

Leia mais

Programa Institucional de Bolsas e Auxílios para Ações de Extensão. PIBAEX

Programa Institucional de Bolsas e Auxílios para Ações de Extensão. PIBAEX Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul Programa Institucional de Bolsas e Auxílios para Ações de Extensão. PIBAEX MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Profissional

Leia mais

EDUCAÇÃO SUPERIOR NO CONTEXTO DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2010

EDUCAÇÃO SUPERIOR NO CONTEXTO DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2010 EDUCAÇÃO SUPERIOR NO CONTEXTO DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2010 Contribuições para o Plano Municipal de Educação de Palmas Maio 22, 2012 DAS 20 METAS DO PNE, CINCO ESTÃO DIRETAMENTE LIGADAS ÀS INSTITUIÇÕES

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

II. Atividades de Extensão

II. Atividades de Extensão REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EXTENSÃO I. Objetivos A extensão tem por objetivo geral tornar acessível, à sociedade, o conhecimento de domínio da Faculdade Gama e Souza, seja por sua própria produção, seja

Leia mais

ATUALMENTE, a UFSC oferta 13 cursos de graduação na modalidade a distância:

ATUALMENTE, a UFSC oferta 13 cursos de graduação na modalidade a distância: ATUALMENTE, a UFSC oferta 13 cursos de graduação na modalidade a distância: 7 do Programa UAB - Administração, Biológicas, Contábeis, Econômicas, Filosofia, Letras- Espanhol e Letras-Português 2 LIBRAS

Leia mais

ANEXO I - TABELA DE COEFICIENTE DE RENDIMENTO MÍNIMO PARA O ESTUDANTES

ANEXO I - TABELA DE COEFICIENTE DE RENDIMENTO MÍNIMO PARA O ESTUDANTES ANEXO I - TABELA DE COEFICIENTE DE RENDIMENTO MÍNIMO PARA O ESTUDANTE CURSO COEFICIENTE Nº DE ESTUDANTES Administração 69.5 127 Administração (Campus Florestal) 61.1 47 Administração - Integral (Campus

Leia mais

Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes - ENADE. Coordenadoria de Avaliação Institucional Comissão Própria de Avaliação - CPA ENADE 2011

Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes - ENADE. Coordenadoria de Avaliação Institucional Comissão Própria de Avaliação - CPA ENADE 2011 Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes - ENADE Coordenadoria de Avaliação Institucional Comissão Própria de Avaliação - CPA ENADE 2011 SOBRE O ENADE O Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes -

Leia mais

SELEÇÃO DE LICENCIANDOS

SELEÇÃO DE LICENCIANDOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência- PIBID TERMO ADITIVO EDITAL Nº 01/2014 P ROACAD/PIBID/2014 SELEÇÃO DE LICENCIANDOS A

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

Ensino Superior e novas tecnologias: caminhos e desafios

Ensino Superior e novas tecnologias: caminhos e desafios Ensino Superior e novas tecnologias: caminhos e desafios Henrique Paim Ministro de Estado da Educação Maceió, abril de 2014 Plano Nacional de Educação PNE balizador de todas as ações do MEC. Desafios:

Leia mais

RESOLUÇÃO CONEPE Nº 001/2015

RESOLUÇÃO CONEPE Nº 001/2015 RESOLUÇÃO CONEPE Nº 001/2015 Estabelece regras para o funcionamento dos cursos de pós-graduação lato sensu da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Uergs. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas;

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas; Capítulo I Objetivos Regimento Artigo 1º - O Objetivo do Programa de Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional é proporcionar ao aluno formação matemática aprofundada, relevante ao exercício

Leia mais

Perguntas frequentes:

Perguntas frequentes: Perguntas frequentes: 1. Enade 1.1. Qual a legislação pertinente ao Enade? Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004: Criação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes) Portaria Normativa

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 40/2012, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 40/2012, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 40/2012, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a regulamentação do programa institucional

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014

CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014 CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014 Regulamenta a concessão de Auxílio para Apoio a Incubadoras

Leia mais

III.4.4. Inclusão e Desenvolvimento Regional

III.4.4. Inclusão e Desenvolvimento Regional III.4.4. Inclusão e Desenvolvimento Regional UESC Missão: Formar profissionais, construir conhecimento e criar cultura fomentadora da cidadania, do desenvolvimento humano, social, econômico, artístico

Leia mais