Métodos de indução do parto. Marília da Glória Martins

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Métodos de indução do parto. Marília da Glória Martins"

Transcrição

1 Métodos de indução do parto Marília da Glória Martins

2 Métodos de indução 1.Indução com análogo da prostaglandina - misoprostol. 2.Indução com ocitocina. 3.Indução pela ruptura das membranas ovulares.

3 Indução com misoprostol Indicações aborto retido óbito fetal intra-útero abortamento previsto por Lei (Decreto - Lei 2848, incisos I e II do Artigo 128 do Código Penal Brasileiro, que incluem a interrupção da gravidez decorrente de violência sexual e nos casos de risco de morte para a gestante).

4 No aborto retido Idade gestacional até 12 semanas Colo fechado, sem sangramento: Misoprostol 200 mcg um comprimido a cada 6 horas, aplicado no fundo de saco vaginal posterior, durante até 48 h. Recomenda-se dose total de 800 mcg em 24 horas. Idade gestacional de 13 a 16 semanas Aplicar Misoprostol 100mcg um comprimido no fundo de saco vaginal posterior, a cada 6 horas. Recomenda-se a dose total de 400 mcg em 24 horas. Se necessário, repete-se esquema este esquema por mais 24 horas.

5 No aborto retido (continuação) Idade gestacional de 17 a 22 semanas Aplicar o Misoprostol na dose de 100mcg, um comprimido no fundo de saco vaginal posterior, a cada 12 horas. Recomenda-se a dose total de 200 mcg em 24 horas. Se necessário, repete-se este esquema por mais 24 horas.

6 No aborto retido Recomendações 1. Após dois dias de uso do misoprostol deve-se aguardar 72 horas pelo desfecho do procedimento. 2. Caso ele não ocorra, deve-se repetir o esquema anterior, levando-se em consideração as condições clínicas e a concordância da paciente para manter o tratamento.

7 No aborto retido 3. As doses de misoprostol devem ser progressivamente reduzidas, quanto maior a idade gestacional menor a dose efetiva possível. 4. O misoprostol deve ser utilizado em regime de internação hospitalar. 5. Nos casos de falha do tratamento, deve-se oferecer e garantir outros métodos de interrupção da gestação, como dilatação e curetagem ou Aspiração Manual Intra-uterina [AMIU] para abortamentos de até 12 semanas.

8 Na indução eletiva do trabalho de parto em gestação de termo Com feto vivo 1. Bem estar e maturidade assegurados. Colo uterino desfavorável, índice de Bishop < 6. Ideal para o amadurecimento cervical Contra-indicação 1. Cesárea anterior 2. Miomectomia prévia 3. Multiparidade Modo de administração Misoprostol 25 mcg a cada 6 horas, no fundo de saco vaginal posterior. Iniciar pela manhã e manter até as 20 horas : administrar às 8-14 e 20h.

9 Na indução eletiva do trabalho de parto em gestação >30 semanas. Recomendações 1. Iniciar ou manter a indução do parto com misoprostol após as 20 horas é preocupante. No período noturno torna-se mais difícil manter o rigoroso controle da atividade uterina e da vitalidade fetal. 2. Caso não se obtenha êxito, pode-se repetir o tratamento no dia seguinte obedecendo o esquema anterior.

10 Na indução eletiva do trabalho de parto em gestação >30 semanas. Recomendações 3. Se ainda assim não houver resposta satisfatória, deve- se avaliar a possibilidade de manter o mesmo esquema por mais um dia ou interromper a gravidez por outro método. 4. Ocorrendo o início das contrações uterinas não se deve administrar novas doses de misoprostol.

11 Na indução eletiva do trabalho de parto em gestação >30 semanas. Recomendações 5. A associação concomitante do misoprostol com ocitócico não deve ser realizada. 6. O uso de ocitócicos, quando necessário, deve ser iniciado após 6 horas da última dose do misoprostol.

12 Na indução eletiva do trabalho de parto em gestação < 30 semanas. Recomendações 1. Em muitos casos a dose de 25mcg de misoprostol não é suficiente para interromper a gestação com menos de 30 semanas. 2. A dose pode ser elevada para 50 mcg a cada 6 horas, colocado no fundo de saco vaginal posterior. Iniciar pela manhã e manter até as 20 horas : as 8-14 e 20.

13 Na indução eletiva do trabalho de parto com feto morto Recomendação Inicia-se com 50 mcg de misoprostol a cada 6 horas, no fundo de saco vaginal posterior. Iniciar pela manhã e manter até as 20 horas : as 8, 14 e 20.

14 Indução do trabalho de parto com a ocitocina Indicações Gravidez prolongada Ruptura prematura das membranas com sinais de infecção ovular Malformação fetal incompatível com a vida Óbito fetal

15 Indução do trabalho de parto com ocitocina Índice de Bishop é um sistema desenvolvido para avaliar as chances de sucesso quando se pretende induzir o trabalho de parto. Lista as características dos parâmetros envolvidos no processo da parturição, como o colo uterino e a altura da apresentação fetal, e a elas atribui pontos Para efeito prático, considera-se como colo imaturo, desfavorável a indução, quando o índice mostra resultado menor que 9.

16 Parâmetros Avaliados Índice de Bishop Pontos Atribuídos Altura da Apresentação ou abaixo (DeLee) Colo Uterino Dilatação (cm) Apagamento (%) Consistência Posição Firme Posterior Médio Central Amolecido Anterior >5 >80 Pontuação total igual ou superior a 9 indica colo uterino maduro.

17 Indução do trabalho de parto com a ocitocina Contra-indicação Desproporção céfalo-pélvica. Colo uterino imaturo. Apresentação fetal anômala. Sinais de comprometimento fetal. Placenta prévia. Gravidez gemelar. Cicatriz de histerotomia prévia.

18 Indução do trabalho de parto com a ocitocina Técnica Perfusão venosa de ocitocina em bomba de infusão, na velocidade de 2mUI/min [5UI do fármaco diluídas em 500ml de soro glicosado a 5% e administradas na velocidade de 4 gotas por minuto (12ml/hora), EV]. Dobra-se a velocidade de perfusão a cada 30 minutos até obter-se padrão contrátil adequado (3 metrossístoles em 10 minutos com duração mínima de 45 segundos cada) ou até que tenhamos alcançado a dosagem máxima admitida(40mui/min). Se a atividade uterina não atingir o padrão desejado após 2 horas de administração da dose máxima de ocitocina, considera-se frustrada a indução do parto.

19 Indução do trabalho de parto com a ocitocina Efeitos adversos Taquissistolia. Hipertonia. Sofrimento fetal. Observação: Eles são dose - dependentes e podem ser controlados facilmente com a suspensão ou diminuição da ocitocina. Administrar oxigênio sob cateter nasal, hidratação venosa e mudança de decúbito da paciente

20 Indução do trabalho de parto pela ruptura das membranas ovulares Indicação Gestação a termo, colo maduro e apresentação cefálica insinuada.

21 Indução do trabalho de parto pela ruptura das membranas ovulares Técnica Descola-se as membranas ovulares na maior extensão possível com o dedo indicador, A seguir rompe-se com amniótomo a bolsa das águas, em seguida eleva-se a apresentação para permitir escoamento do líquido amniótico O período de latência (período entre a indução e o início do parto) longo, é fator de risco de infecção amniótica

22 Indução do trabalho de parto pela ruptura das membranas ovulares Complicações Prolapso de cordão umbilical Prematuridade.

CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL. » Precoce antes da 20ª semana» Intermédio - entre 20ª e a 28ª semana» Tardio após 28ª semana

CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL. » Precoce antes da 20ª semana» Intermédio - entre 20ª e a 28ª semana» Tardio após 28ª semana CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL Deinição (OMS) - morte do produto da concepção ocorrida antes da expulsão ou de sua extração completa do organismo materno, independentemente da duração da gestação. 1. CLASSIfICAçãO»

Leia mais

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO NO TRABALHO DE PARTO E PARTO. Recomendações do Ministério da Saúde Profª.Marília da Glória Martins

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO NO TRABALHO DE PARTO E PARTO. Recomendações do Ministério da Saúde Profª.Marília da Glória Martins GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO NO TRABALHO DE PARTO E PARTO Recomendações do Ministério da Saúde Profª.Marília da Glória Martins Cerca de 65% dos casos de transmissão vertical do HIV ocorrem durante o trabalho

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER O Ministério da Saúde, por intermédio da Secretaria de Atenção à Saúde,

Leia mais

ABORTAMENTO. Profª Drª Marília da Glória Martins

ABORTAMENTO. Profª Drª Marília da Glória Martins ABORTAMENTO Profª Drª Marília da Glória Martins Definições É a interrupção espontânea ou provocada de concepto pesando menos de 500 g [500 g equivalem, aproximadamente, 20-22 sem. completas (140-154 dias)

Leia mais

A presença simultânea, de 2 ou mais conceptos.

A presença simultânea, de 2 ou mais conceptos. PROTOCOLO - OBS - 017 DATA: 10/01/2005 PÁG: 1 / 4 1. CONCEITO - PRENHEZ MÚLTIPLA A presença simultânea, de 2 ou mais conceptos. - GEMELIDADE MONOZIGÓTICA: fecundação de 1 óvulo com 1 espermatozóide, que

Leia mais

MODELO DE BULA PACIENTE RDC 47/09

MODELO DE BULA PACIENTE RDC 47/09 MODELO DE BULA PACIENTE RDC 47/09 ocitocina Medicamento Genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Embalagem contendo 1, 5, 50 ou 100 ampolas de 1 ml com ocitocina a 5 UI. VIA DE ADMINISTRAÇÃO: INTRAVENOSA

Leia mais

Propess 10 mg dinoprostona

Propess 10 mg dinoprostona Propess 10 mg dinoprostona Pessário vaginal de dose única com liberação controlada com 10 mg de dinoprostona APRESENTAÇÕES Cartucho com 1, 2 ou 5 pessários de uso vaginal com 10 mg de dinoprostona USO

Leia mais

Dr. João Marcelo Guedes

Dr. João Marcelo Guedes Dr. João Marcelo Guedes Pós-Datismo IG > 40 semanas Pós-Datismo Gestação Prolongada IG > 42 semanas Insuficiência Adrenocortical Teoria Síndrome Pós-Maturidade [ Ballantynes ] Panículo adiposo escasso

Leia mais

Diluição e Esquema de Uso das Principais Medicações de Uso Obstétrico. Versão eletrônica atualizada em Julho 2011

Diluição e Esquema de Uso das Principais Medicações de Uso Obstétrico. Versão eletrônica atualizada em Julho 2011 Diluição e Esquema de Uso das Principais Medicações de Uso Obstétrico Versão eletrônica atualizada em Julho 2011 Ocitocina Diluir 1 ampola de ocitocina 05 unidades em 500 ml de soro glicosado 5% ou soro

Leia mais

SYNTOCINON ocitocina. APRESENTAÇÕES Syntocinon 5 UI/mL embalagens contendo 50 ampolas de 1 ml de solução injetável. VIA INTRAVENOSA USO ADULTO

SYNTOCINON ocitocina. APRESENTAÇÕES Syntocinon 5 UI/mL embalagens contendo 50 ampolas de 1 ml de solução injetável. VIA INTRAVENOSA USO ADULTO SYNTOCINON ocitocina APRESENTAÇÕES Syntocinon 5 UI/mL embalagens contendo 50 ampolas de 1 ml de solução injetável. VIA INTRAVENOSA USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada ampola de Syntocinon de 1 ml contém 5 UI de

Leia mais

SANGRAMENTO DO TERCEIRO TRIMESTRE Rossana Maria Alves Carlos Augusto Alencar Júnior

SANGRAMENTO DO TERCEIRO TRIMESTRE Rossana Maria Alves Carlos Augusto Alencar Júnior SANGRAMENTO DO TERCEIRO TRIMESTRE Rossana Maria Alves Carlos Augusto Alencar Júnior A hemorragia no terceiro trimestre da gestação é grave ameaça à saúde e vida da mãe e feto. Junto com hipertensão e infecção

Leia mais

Assistência ao parto

Assistência ao parto Assistência ao parto FATORES DE RISCO NA GESTAÇÃO Características individuais e condições sociodemográficas desfavoráveis: Idade menor que 15 e maior que 35 anos; Ocupação: esforço físico excessivo, carga

Leia mais

PARTOGRAMA LITERATURA CLÁSSICA

PARTOGRAMA LITERATURA CLÁSSICA PARTOGRAMA CONCEITOS FISIOLÓGICOS IMPORTANTES Do ponto de vista funcional o fenômeno do parto pode ser dividido em três períodos : preparatório, dilatatório e pélvico (Friedman, 1978). Nos tratados clássicos

Leia mais

Mecanismo e assistência ao parto

Mecanismo e assistência ao parto Mecanismo e assistência ao parto Trabalho de parto (TP): Contrações uterinas regulares, mais de 2 (de 40 segundo aproximadamente) a cada 10 minutos, por mais de 2 horas Colo uterino com mais de 2-3 cm

Leia mais

Métodos de indução do trabalho de parto

Métodos de indução do trabalho de parto CAPÍTULO 40 Métodos de indução do trabalho de parto 1 Introdução 2 Métodos mecânicos 2.1 Descolamento das membranas 2.2 Outros métodos mecânicos 3 Amniotomia 3.1 Amniotomia usada isoladamente 3.2 Amniotomia

Leia mais

Boas práticas de atenção ao parto e ao nascimento

Boas práticas de atenção ao parto e ao nascimento Boas práticas de atenção ao parto e ao nascimento Em 1996, a Organização Mundial da Saúde (OMS) desenvolveu uma classificação das práticas comuns na condução do parto normal, orientando para o que deve

Leia mais

ABORTAMENTO 2012 ABORTAMENTO

ABORTAMENTO 2012 ABORTAMENTO ABORTAMENTO Gilberto Gomes Ribeira Carlos Augusto Alencar Júnior Francisco das Chagas Medeiros 1. DEFINIÇÃO: Segundo a Organização Mundial da Saúde é a interrupção da gestação antes de 20 22 semanas ou

Leia mais

Protocolo de Ações e Condutas Para Acompanhamento das Patologias Obstétricas

Protocolo de Ações e Condutas Para Acompanhamento das Patologias Obstétricas Protocolo de Ações e Condutas Para Acompanhamento das Patologias Obstétricas Descrição do Procedimento Operacional Padrão Quando Na admissão da paciente após detecção da patologia obstétrica. Objetivo

Leia mais

PROVA R4 MEDICINA FETAL 18/11/2015

PROVA R4 MEDICINA FETAL 18/11/2015 NOME: PROVA R4 MEDICINA FETAL 18/11/2015 1. Gestante primigesta de 40 semanas é levada ao pronto- socorro referindo perda de grande quantidade de líquido há 25h. Após o exame, com o diagnóstico de amniorrexe

Leia mais

Ruptura das membranas antes do trabalho de parto (amniorrexe prematura)

Ruptura das membranas antes do trabalho de parto (amniorrexe prematura) CAPÍTULO 23 Ruptura das membranas antes do trabalho de parto (amniorrexe prematura) 1 Introdução 2 Diagnóstico 2.1 Ruptura das membranas 2.2 Exame vaginal 2.3 Avaliação do risco de infecção 2.4 Avaliação

Leia mais

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO O objetivo deste Termo de Esclarecimento e Consentimento Informado, utilizado pelo HOSPITAL E MATERNIDADE SANTA JOANA, é esclarecer

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 4 Maria do Socorro. Fundamentação Teórica: Abortamento

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 4 Maria do Socorro. Fundamentação Teórica: Abortamento CASO COMPLEXO 4 Maria do Socorro : Évelyn Traina O abortamento é definido como a interrupção da gravidez antes de atingida a viabilidade fetal. A Organização Mundial da Saúde estabelece como limite para

Leia mais

Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004)

Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004) Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004) Flikweert S, Wieringa-de Waard M, Meijer LJ, De Jonge A, Van Balen JAM traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização

Leia mais

CAPÍTULO 1. ABORTAMEnTO

CAPÍTULO 1. ABORTAMEnTO Unidade 6 - Obstetrícia Abortamento CAPÍTULO 1 ABORTAMEnTO 1. DEfINIçãO Segundo a Organização Mundial da Saúde é a interrupção da gestação antes de 20 22 semanas ou com peso fetal inferior a 500g. É dito

Leia mais

CAPÍTULO 15. GESTAnTE HIV POSITIVO: ASSISTÊnCIA AO PARTO

CAPÍTULO 15. GESTAnTE HIV POSITIVO: ASSISTÊnCIA AO PARTO Unidade 6 - Obsterícia CAPÍTULO 15 GESTAnTE HIV POSITIVO: ASSISTÊnCIA AO PARTO 1. ACONSELHAMENTO E USO DE TESTES RÁpIDOS Os testes rápidos devem ser realizados na admissão para o parto e, em último caso,

Leia mais

MATERNIDADE ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND CARDIOTOCOGRAFIA MEAC-UFC 1

MATERNIDADE ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND CARDIOTOCOGRAFIA MEAC-UFC 1 MATERNIDADE ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND CARDIOTOCOGRAFIA MEAC-UFC 1 CARDIOTOCOGRAFIA Gilberto Gomes Ribeiro Paulo César Praciano de Sousa 1. DEFINIÇÃO: Registro contínuo e simultâneo da Freqüência Cardíaca

Leia mais

ABORTO SEGURO - Estamos aqui para ajudar.

ABORTO SEGURO - Estamos aqui para ajudar. ABORTO SEGURO - Estamos aqui para ajudar. Como Aborto com Cytotec? Instruções completas para o uso do medicamento Cytotec (Citotec) no procedimento de aborto. Em primeiro lugar queremos indica-lo que,

Leia mais

Incompetência Cervico - Ístmica

Incompetência Cervico - Ístmica Incompetência Cervico - Ístmica Elsa Landim, Gonçalo Dias, Vanessa Santos Serviço de Obstetrícia Diretora: Dra. Antónia Nazaré Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca, E.P.E. 13 de Outubro de 2011 Introdução

Leia mais

ABORTO INCOMPLETO: ESVAZIAMENTO OU MISOPROSTOL? CORINTIO MARIANI NETO Hospital Maternidade Leonor Mendes de Barros Universidade Cidade de São Paulo

ABORTO INCOMPLETO: ESVAZIAMENTO OU MISOPROSTOL? CORINTIO MARIANI NETO Hospital Maternidade Leonor Mendes de Barros Universidade Cidade de São Paulo ABORTO INCOMPLETO: ESVAZIAMENTO OU MISOPROSTOL? CORINTIO MARIANI NETO Hospital Maternidade Leonor Mendes de Barros Universidade Cidade de São Paulo ABORTAMENTO INCOMPLETO Montenegro, Rezende Filho, 2013.

Leia mais

Diretrizes Clínicas Protocolos Clínicos

Diretrizes Clínicas Protocolos Clínicos Diretrizes Clínicas Protocolos Clínicos 005 Prematuridade Última revisão: 26/11/2013 Estabelecido em: 22/07/2010 Responsáveis / Unidade Frederico José A. Péret Médico MOV Validadores Comissão de Protocolos

Leia mais

Gestações Múltiplas. André Campos da Cunha Hospital Materno Infantil Presidente Vargas. Secretaria Estadual da Saúde RS. 17 de julho de 2009

Gestações Múltiplas. André Campos da Cunha Hospital Materno Infantil Presidente Vargas. Secretaria Estadual da Saúde RS. 17 de julho de 2009 Gestações Múltiplas André Campos da Cunha Hospital Materno Infantil Presidente Vargas Secretaria Estadual da Saúde RS 17 de julho de 2009 Gestações Múltiplas Definição Gestação com presença de dois ou

Leia mais

UNIDADE II: CONDUTA HUMANIZADA NO PARTO E NASCIMENTO

UNIDADE II: CONDUTA HUMANIZADA NO PARTO E NASCIMENTO UNIDADE II: CONDUTA HUMANIZADA NO PARTO E NASCIMENTO Discutiremos nesta unidade a humanização como principio de qualidade, apresentação das condutas humanizadas no parto e nascimento e cuidados durante

Leia mais

Aborto. Douglas Blanco

Aborto. Douglas Blanco Aborto Douglas Blanco Gravidez Indesejada Hoje em dia o principal motivo do aborto é a gravidez indesejada. A gravidez em adolescente pode ser considerado um exemplo, pois o mundo dos adolescentes se resumi

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA PARECER COREN/SC Nº 001/CT/2014 Assunto: Solicitação de parecer sobre a legalidade da realização por profissional Enfermeiro de administração da medicação Misoprostol via vaginal. I - Do Fato Trata-se

Leia mais

Avaliação do crescimento, tamanho e bem-estar fetal

Avaliação do crescimento, tamanho e bem-estar fetal Avaliação do crescimento, tamanho e bem-estar fetal CAPÍTULO 12 1 Introdução 2 Tamanho e crescimento 3 Exame abdominal 4 Contagem dos movimentos fetais 5 Testes biofísicos 5.1 Medidas por ultra-sonografia

Leia mais

Prevenção Diagnóstico Tratamento

Prevenção Diagnóstico Tratamento Prevenção Diagnóstico Tratamento Pré Nupcial Idade Alimentação Drogas Doença de base Vacinas Ácido fólico São fatores de Risco: Características individuais e condições sócio- econômicas Idade Ocupação

Leia mais

TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA MONITORIZAÇÃO DOS BATIMENTOS CARDÍACOS FETAIS PRINCIPIOS DA INTERPRETAÇÃO DA CARDIOTOCOGRAFIA

TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA MONITORIZAÇÃO DOS BATIMENTOS CARDÍACOS FETAIS PRINCIPIOS DA INTERPRETAÇÃO DA CARDIOTOCOGRAFIA TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA MONITORIZAÇÃO DOS BATIMENTOS CARDÍACOS FETAIS PRINCIPIOS DA INTERPRETAÇÃO DA CARDIOTOCOGRAFIA Dr Claire Todd Dr Matthew Rucklidge Miss Tracey Kay Royal Devon and Exeter

Leia mais

INSTRUMENTO PARA COLETA DE DADOS DO PRONTUÁRIO

INSTRUMENTO PARA COLETA DE DADOS DO PRONTUÁRIO INSTRUMENTO PARA COLETA DE DADOS DO PRONTUÁRIO 1. Dados Gerais da coleta de dados 1. Data da coleta de dados / / 2. Horário de início da coleta de dados : 3. Nome da mãe: 4. Nº do prontuário da mãe:. 5.

Leia mais

HEMORRAGIAS DO PRIMEIRO TRIMESTRE

HEMORRAGIAS DO PRIMEIRO TRIMESTRE HEMORRAGIAS DO PRIMEIRO TRIMESTRE Tríade dos sangramentos do Primeiro Trimestre Abortamento Prenhez Ectópica Doença Trofoblástica Gestacional ABORTAMENTO Conceito: Interrupção da gestação antes da viabilidade.

Leia mais

Obstetrícia. Ant.º Miraldo Mota - IGIF CURSO CLÍNICA

Obstetrícia. Ant.º Miraldo Mota - IGIF CURSO CLÍNICA CURSO CODIFICAÇÃO CLÍNICA 2008 Capitulo 11 Complicações da Gravidez, Parto e Puerperio (Códigos 630 676) Gravidez Ectópica e Molar (630-633) Aborto (634-639) Complicações da Gravidez (640-648) Parto Normal

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA Código: ENFAEN2 Disciplina: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II (Enfermagem ao adulto e ao idoso em doenças tropicais) E ENFAENF (Administração em enfermagem I) Teoria: 60h Prática: 60h Teoria: 3 Prática: 3

Leia mais

DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO

DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO Diabete é uma síndrome caracterizada por elevação crônica da glicemia de jejum e/ou das pós-prandiais, devido a defeito absoluto ou relativo da produção de insulina, ou

Leia mais

Indução do parto Informação destinada às mulheres grávidas, aos seus companheiros e familiares.

Indução do parto Informação destinada às mulheres grávidas, aos seus companheiros e familiares. Portuguese translation of Induction of labour - Information for pregnant women, their partners and families Indução do parto Informação destinada às mulheres grávidas, aos seus companheiros e familiares.

Leia mais

ULTRASSOM NO PRÉ NATAL

ULTRASSOM NO PRÉ NATAL ULTRASSOM NO PRÉ NATAL ECOCLINICA Dra. Rejane Maria Ferlin rejaneferlin@uol.com.br Vantagens da Ultrassonografia Obstétrica trica SEGURANÇA NÃO-INVASIVO PREÇO ACEITAÇÃO BENEFÍCIOS Noronha Neto et al.,

Leia mais

Principal causa de morbimortalidade materna Causa de admissão de paciente obstétrica ao CTI Elevada morbimortalidade perinatal

Principal causa de morbimortalidade materna Causa de admissão de paciente obstétrica ao CTI Elevada morbimortalidade perinatal Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Universidade de São Paulo Hemorragias Obstétricas Profa Dra Elaine Christine Dantas Moisés Importância Principal causa de morbimortalidade materna Causa de admissão

Leia mais

Procedimento cirúrgico que se caracteriza incisar a parede abdominal e o útero com a finalidade de retirar o feto.

Procedimento cirúrgico que se caracteriza incisar a parede abdominal e o útero com a finalidade de retirar o feto. PROTOCOLO - OBS - 013 DATA: 16/11/2004 PÁG: 1 / 6 1. CONCEITO Procedimento cirúrgico que se caracteriza incisar a parede abdominal e o útero com a finalidade de retirar o feto. 2. TIPOS - Emergência: Ameaça

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA PÓS PARTO HEMORRAGIA PAULO ROBERTO MUNIZ DANTAS Universidade Federal da Paraíba CONSIDERAÇÕES HEMORAGIA PÓS PARTO SITUAÇÃO DRAMÁTICA

Leia mais

sulfato de terbutalina

sulfato de terbutalina sulfato de terbutalina União Química Farmacêutica Nacional S.A. Solução injetável 0,5 mg/ml sulfato de terbutalina Medicamento genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Solução injetável IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITARIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE MEDICINA

CENTRO UNIVERSITARIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE MEDICINA CENTRO UNIVERSITARIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE MEDICINA PROGRAMA DE INTERNATO EM GINECOLOGIA/OBSTETRÍCIA - 10º Período Corpo docente: Coordenação Obstetrícia: Glaucio

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA / MÉDICO OBSTETRA

PROVA ESPECÍFICA / MÉDICO OBSTETRA PROVA ESPECÍFICA / MÉDICO OBSTETRA QUESTÃO 16 Em relação à cesariana, é CORRETO afirmar que A) não existem atualmente indicações para a cesariana clássica. B) a histerotomia segmentar é a mais utilizada

Leia mais

REGRA PARA CÁLCULO DE DPP ( REGRA DE NAGELE).

REGRA PARA CÁLCULO DE DPP ( REGRA DE NAGELE). PRIMEIRA CONSULTA DE PRÉ NATAL. HISTÓRIA: Entrevista (nome, idade, procedência, estado civil, endereço e profissão) História familiar de problemas de saúde. História clínica da gestante. História obstétrica.

Leia mais

Sulfato de Terbutalina. Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável. 0,5mg/mL

Sulfato de Terbutalina. Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável. 0,5mg/mL Sulfato de Terbutalina Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável 0,5mg/mL 1 sulfato de terbutalina Medicamento genérico Lei 9.787, de 1999 NOME GENÉRICO: Sulfato de terbutalina FORMA FARMACÊUTICA:

Leia mais

NOTA TÉCNICA BOAS PRÁTICAS DO PARTO E NASCIMENTO Diário Oficial do Estado Nº 84, Seção 1 sexta-feira, 8 de Maio de 2015.

NOTA TÉCNICA BOAS PRÁTICAS DO PARTO E NASCIMENTO Diário Oficial do Estado Nº 84, Seção 1 sexta-feira, 8 de Maio de 2015. 24º Congresso FEHOSP 12 à 15 de Maio/2015 Royal Palm Plaza Campinas/SP Circular 159/2015 São Paulo, 08 de Maio de 2015. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) NOTA TÉCNICA BOAS PRÁTICAS DO PARTO E NASCIMENTO Diário

Leia mais

Cuidados com a gestante. Profª Drª Rosângela de Oliveira Alves EVZ/UFG

Cuidados com a gestante. Profª Drª Rosângela de Oliveira Alves EVZ/UFG Cuidados com a gestante Profª Drª Rosângela de Oliveira Alves EVZ/UFG Período gestacional Cadelas 56-60 dias Gatas 58-72 dias (63) Data do cruzamento Objetivos Parto seguro Bem-estar da cadela/ gata e

Leia mais

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo.

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 1 INSTRUÇÕES Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 2 Este Caderno contém 05 casos clínicos e respectivas

Leia mais

1.2 Incidência Aproximadamente 15 a 20% das gestações clinicamente reconhecidas terminam em abortamento e destes 80% ocorrem até a 12ª semana.

1.2 Incidência Aproximadamente 15 a 20% das gestações clinicamente reconhecidas terminam em abortamento e destes 80% ocorrem até a 12ª semana. PROTOCOLO CLÍNICO PROTOCOLO DE ABORTAMENTO Código: PC16 ABORT Data: Março/2016 Especialidade: Ginecologia e Obstetrícia Responsável: Cristine Kolling Konopka Colaboradores: Elaine Verena Resener; Luciana

Leia mais

Termo de Consentimento Livre e Esclarecido

Termo de Consentimento Livre e Esclarecido 6. CONCLUSÕES Conclusões 49 Os resultados deste estudo indicam boa reprodutibilidade do exame de ressonância magnética, por meio da análise da variabilidade intra e interobservadores, na aferição do comprimento

Leia mais

O diabetes mellitus associado à gravidez pode ser classificado como: Diabetes gestacional (diagnosticado durante a gravidez).

O diabetes mellitus associado à gravidez pode ser classificado como: Diabetes gestacional (diagnosticado durante a gravidez). 1 DIABETES NA GRAVIDEZ 1 a edição: setembro/2008 Próxima revisão prevista para setembro/2010 O diabetes mellitus é doença metabólica crônica, caracterizada por hiperglicemia. É responsável por índices

Leia mais

Raniê Ralph. Sangramentos da segunda metade da gravidez

Raniê Ralph. Sangramentos da segunda metade da gravidez Sangramentos da segunda metade da gravidez É importante identificar a idade gestacional. DPP e placenta prévia são os que mais caem em prova. Descolamento prematuro de placenta. Inserção viciosa da placenta

Leia mais

SANGRAMENTO NA GESTAÇÃ ÇÃO

SANGRAMENTO NA GESTAÇÃ ÇÃO - HOSPITAL FÊMINA SANGRAMENTO NA GESTAÇÃ ÇÃO ABORTAMENTO SANGRAMENTO DE TERCEIRO TRIMESTRE Mirela Foresti Jiménez 1ªcausa de morte materna no mundo Complicação Obstétrica N de Mortes % Hemorragia 127.000

Leia mais

PLANO DE PARTO. , e (gestante) (acompanhante) (bebê)

PLANO DE PARTO. , e (gestante) (acompanhante) (bebê) PLANO DE PARTO, e (gestante) (acompanhante) (bebê) I- Nossa filosofia para o nascimento O plano de parto expressa nossos desejos e preferências para o nascimento do nosso bebê. Nós nos informamos antes

Leia mais

HOSPITAL FEMINA PROVA R4 ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA (2016) Nome:

HOSPITAL FEMINA PROVA R4 ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA (2016) Nome: HOSPITAL FEMINA PROVA R4 ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA (2016) Nome: Data: / / Assinatura do Candidato 1. Segundo as DIRETRIZES PARA O RASTREAMENTO DO CÂNCER DE COLO DO ÚTERO -MINISTÉRIO DA SÁUDE INCA O método

Leia mais

PARTO NORMAL: A NATUREZA SE ENCARREGA, MAMÃE E BEBÊ AGRADECEM

PARTO NORMAL: A NATUREZA SE ENCARREGA, MAMÃE E BEBÊ AGRADECEM PARTO NORMAL: A NATUREZA SE ENCARREGA, MAMÃE E BEBÊ AGRADECEM Hospital Materno Infantil Público Tia Dedé *Merielle Barbosa Lobo São nove meses de expectativa e durante a gestação a barriga cresce e a mãe

Leia mais

21.GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA. Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas

21.GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA. Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas X COD PROTOCOLOS DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA ( ) 21.01 Abscesso e Cisto da Glândula de Bartholin ( ) 21.02 Acompanhamento das Gestantes Vacinadas Inadvertidamente (GVI) com a Vacina Dupla Viral (sarampo

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA Código: ENFEOGP Disciplina: ENFERMAGEM EM OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA (ESTAGIO) Prática: 120 Prática: 04 Conhecimentos, habilidades e atitudes necessárias ao desenvolvimento da metodologia de assistência

Leia mais

RESTRIÇÃO DE CRESCIMENTO FETAL

RESTRIÇÃO DE CRESCIMENTO FETAL RESTRIÇÃO DE CRESCIMENTO FETAL José de Arimatéa Barreto DEFINIÇÃO Para evitar correlação com função mental anormal, atualmente, o termo preferido é restrição de crescimento fetal (RCF), em substituição

Leia mais

CARACTERÍSTICAS EXTERNAS DO FETO

CARACTERÍSTICAS EXTERNAS DO FETO PERÍODO FETAL INTRODUÇÃO Nome Feto: Embrião já se tornou um ser humano reconhecível e já se formaram todos os principais sistemas Características do período fetal: 1) Rápido crescimento do corpo; 2) Diferenciação

Leia mais

INDUSTRIA DE PARTOS EM PETROLINA

INDUSTRIA DE PARTOS EM PETROLINA INDUSTRIA DE PARTOS EM PETROLINA É alarmante em todo o Brasil o crescimento de PARTOS CESÁRIANAS e o pior a grande maioria é desnecessária, são as chamadas DESNECESÁRIAS, aqui em nossa cidade não é diferente

Leia mais

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Versão eletrônica atualizada em fev/2012 O agente etiológico e seu habitat A doença estreptocócica neonatal é causada por uma bactéria,

Leia mais

ANEXO I PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO DE ÓBITO E SUA CARACTERIZAÇÃO COMO UMA INFORMAÇÃO ACERCA DE UM CASO DE ÓBITO MATERNO

ANEXO I PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO DE ÓBITO E SUA CARACTERIZAÇÃO COMO UMA INFORMAÇÃO ACERCA DE UM CASO DE ÓBITO MATERNO ANEXO I PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO DE ÓBITO E SUA CARACTERIZAÇÃO COMO UMA INFORMAÇÃO ACERCA DE UM CASO DE ÓBITO MATERNO O adequado preenchimento da Declaração de Óbito (DO) é o que fará com que esta seja

Leia mais

Dados atuais indicam que não há efeitos biológicos confirmados

Dados atuais indicam que não há efeitos biológicos confirmados 1 ULTRA-SONOGRAFIA OBSTÉTRICA Francisco Pimentel Cavalcante Carlos Augusto Alencar Júnior Procedimento seguro, não-invasivo, inócuo, com grande aceitação pela paciente, que pode fornecer muitas informações

Leia mais

Diabetes na gravidez. 2 Aconselhamento e avaliação pré-gestacional. 1 Introdução CAPÍTULO 20

Diabetes na gravidez. 2 Aconselhamento e avaliação pré-gestacional. 1 Introdução CAPÍTULO 20 CAPÍTULO 20 Diabetes na gravidez 1 Introdução 2 Aconselhamento e avaliação pré-gestacional 3 Atenção geral durante a gravidez 4 Controle do diabetes 5 Atenção obstétrica 6 Atenção no trabalho de parto

Leia mais

GESTAÇÃO PROLONGADA. IDADE GESTACIONAL (IG) CONFIRMADA (Avaliação clínica e Ultrassonográfica) **USG + ILA *** IG > 42 SEM. IG 40 a 41 sem e 6 dias

GESTAÇÃO PROLONGADA. IDADE GESTACIONAL (IG) CONFIRMADA (Avaliação clínica e Ultrassonográfica) **USG + ILA *** IG > 42 SEM. IG 40 a 41 sem e 6 dias GESTAÇÃO PROLONGADA IDADE GESTACIONAL (IG) CONFIRMADA (Avaliação clínica e Ultrassonográfica) SIM NÃO IG > 42 SEM IG 40 a 41 sem e 6 dias **USG + ILA *** Parto Avaliar Vitalidade Fetal **USG + ILA ***

Leia mais

Unidade I: Cálculo da idade gestacional (IG) e da data provável do parto (DPP).

Unidade I: Cálculo da idade gestacional (IG) e da data provável do parto (DPP). Unidade I: Cálculo da idade gestacional (IG) e da data provável do parto (DPP). Parte I: Primeiramente abordaremos o cálculo da idade gestacional (IG), que tem o objetivo de estimar o tempo da gravidez

Leia mais

CAPÍTULO 11 GESTAÇÃO ECTÓPICA. José Felipe de Santiago Júnior Francisco Edson de Lucena Feitosa 1. INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 11 GESTAÇÃO ECTÓPICA. José Felipe de Santiago Júnior Francisco Edson de Lucena Feitosa 1. INTRODUÇÃO CAPÍTULO 11 GESTAÇÃO ECTÓPICA José Felipe de Santiago Júnior Francisco Edson de Lucena Feitosa 1. INTRODUÇÃO Gestação Ectópica (GE) é definida como implantação do ovo fecundado fora da cavidade uterina

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE REPRODUÇÃO HUMANA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE REPRODUÇÃO HUMANA 1 SOCIEDADE BRASILEIRA DE REPRODUÇÃO HUMANA ABORTAMENTO LEGAL Guideline COMISSÃO DE ABORTAMENTO LEGAL Avelar de Holanda Barbosa Celeste Reggiani Jefferson Drezett Jorge Andalaft Neto APRESENTAÇÃO Segundo

Leia mais

PREVENÇÃO PRIMÁRIA DA PREMATURIDADE

PREVENÇÃO PRIMÁRIA DA PREMATURIDADE REDUZINDO A PREMATURIDADE MARCELO ZUGAIB Clínica Obstétrica Hospital das Clínicas SP PREVENÇÃO PRIMÁRIA DA PREMATURIDADE NA PRECONCEPÇÃO E NO PRÉ-NATAL IDENTIFICAR OS FATORES DE RISCO REALIZAR INTERVENÇÕES

Leia mais

MODELO DE BULA PROFISSIONAL DE SAÚDE RDC 47/09

MODELO DE BULA PROFISSIONAL DE SAÚDE RDC 47/09 MODELO DE BULA PROFISSIONAL DE SAÚDE RDC 47/09 ocitocina Medicamento Genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Embalagem contendo 1, 5, 50 ou 100 ampolas de 1 ml com ocitocina a 5 UI/mL. VIA DE ADMINISTRAÇÃO:

Leia mais

Parto pré-termo. 2 Estimativa do peso ou da idade gestacional como base para opções de assistência. 1 Introdução CAPÍTULO 37

Parto pré-termo. 2 Estimativa do peso ou da idade gestacional como base para opções de assistência. 1 Introdução CAPÍTULO 37 CAPÍTULO 37 Parto pré-termo 1 Introdução 2 Estimativa do peso ou da idade gestacional como base para opções de assistência 3 Tipos de parto pré-termo 3.1 Morte pré-parto e malformações letais 3.2 Gravidez

Leia mais

SÍFILIS E INFECÇÃO PELO HIV NA GRAVIDEZ A.T. Saúde da Mulher

SÍFILIS E INFECÇÃO PELO HIV NA GRAVIDEZ A.T. Saúde da Mulher SÍFILIS E INFECÇÃO PELO HIV NA GRAVIDEZ A.T. Saúde da Mulher 1 Introdução A aids e a Sífilis constituem problemas importantes de saúde pública nos países em desenvolvimento. A transmissão vertical (T.V.)

Leia mais

Capítulo 10 Parto Eminente

Capítulo 10 Parto Eminente Capítulo 10 Parto Eminente 1. Objetivos No final desta unidade modular, os formandos deverão ser capazes de: Identificar as fases do parto. Identificar o parto iminente. Identificar os sinais de parto

Leia mais

CONFEDERAÇÃO INTERNACIONAL DAS PARTEIRAS/ICM COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS PARA O EXERCÍCIO BÁSICO DA OBSTETRÍCIA/2002

CONFEDERAÇÃO INTERNACIONAL DAS PARTEIRAS/ICM COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS PARA O EXERCÍCIO BÁSICO DA OBSTETRÍCIA/2002 1 CONFEDERAÇÃO INTERNACIONAL DAS PARTEIRAS/ICM COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS PARA O EXERCÍCIO BÁSICO DA OBSTETRÍCIA/2002 INTRODUÇÃO A Confederação Internacional das Parteiras (ICM) é uma federação de associações

Leia mais

HIV no período neonatal prevenção e conduta

HIV no período neonatal prevenção e conduta HIV no período neonatal prevenção e conduta O HIV, agente causador da AIDS, ataca as células do sistema imune, especialmente as marcadas com receptor de superfície CD4 resultando na redução do número e

Leia mais

Nota Técnica: Prevenção da infecção neonatal pelo Streptococcus agalactiae (Estreptococo Grupo B ou GBS)

Nota Técnica: Prevenção da infecção neonatal pelo Streptococcus agalactiae (Estreptococo Grupo B ou GBS) Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Áreas Técnicas da Saúde da Mulher e da Criança e Assistência Laboratorial Nota Técnica: Prevenção da infecção neonatal pelo Streptococcus

Leia mais

1. CONCEITO 2. INCIDÊNCIA

1. CONCEITO 2. INCIDÊNCIA PROTOCOLO - OBS - 001 DATA: 16/07/2004 PÁG: 1 / 6 1. CONCEITO Interrupção da gravidez antes das 20-22 semanas de gestação ou expulsão do feto com menos de 500gr. Pode ser espontâneo ou provocado (quando

Leia mais

Assistência ao Parto e Tocurgia

Assistência ao Parto e Tocurgia Assistência ao Parto e Tocurgia Manual de Orientação Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia Vice-Presidente Região Norte Ione Rodrigues Brum Vice-Presidente Região Nordeste Geraldez

Leia mais

Unidade III Vida e ambiente Aula 14.2 Conteúdo: Reprodução humana

Unidade III Vida e ambiente Aula 14.2 Conteúdo: Reprodução humana A A Unidade III Vida e ambiente Aula 14.2 Conteúdo: Reprodução humana 2 A A Habilidade: Compreender como ocorre a fecundação, a gravidez e o parto em seres humanos. 3 A A Reprodução humana e sexualidade

Leia mais

OXITON (ocitocina) União Química Farmacêutica Nacional S.A. Solução injetável. 5 UI/mL

OXITON (ocitocina) União Química Farmacêutica Nacional S.A. Solução injetável. 5 UI/mL OXITON (ocitocina) União Química Farmacêutica Nacional S.A Solução injetável 5 UI/mL OXITON ocitocina Solução injetável IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Solução injetável 5 UI/mL:

Leia mais

- CAPÍTULO 12 - RESUMO CICLO MENSTRUAL E GRAVIDEZ

- CAPÍTULO 12 - RESUMO CICLO MENSTRUAL E GRAVIDEZ - CAPÍTULO 12 - RESUMO CICLO MENSTRUAL E GRAVIDEZ No início de cada ciclo menstrual (primeiro dia do fluxo menstrual), a hipófise anterior lança no sangue feminino o FSH (hormônio folículo-estimulante),

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO. Não deixe de preencher as lacunas a seguir.

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO. Não deixe de preencher as lacunas a seguir. UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO Não deixe de preencher as lacunas a seguir. Prédio Sala Nome Nº de Identidade Órgão Expedidor UF Nº de Inscrição MÉDICO OBSTETRA ATENÇÃO Abra

Leia mais

REALIZAÇÃO DE EXAMES DE ULTRASSOGRAFIA EM MULHERES PARTICIPANTES DO X ENCONTRO DAS LIGAS ACADÊMICAS DA FACULDADE DE MEDICINA

REALIZAÇÃO DE EXAMES DE ULTRASSOGRAFIA EM MULHERES PARTICIPANTES DO X ENCONTRO DAS LIGAS ACADÊMICAS DA FACULDADE DE MEDICINA REALIZAÇÃO DE EXAMES DE ULTRASSOGRAFIA EM MULHERES PARTICIPANTES DO X ENCONTRO DAS LIGAS ACADÊMICAS DA FACULDADE DE MEDICINA BARBOSA, Raul Carlos 1 ; BORBA, Victor Caponi 2 ; BARBOSA, Tercília Almeida

Leia mais

Desenvolvimento fetal e exames ultrassonográficosde relevância no pré-natal

Desenvolvimento fetal e exames ultrassonográficosde relevância no pré-natal Desenvolvimento fetal e exames ultrassonográficosde relevância no pré-natal Dra. Tatiane Bilhalva Fogaça Médica Obstetra especialista em Medicina Fetal pela Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia

Leia mais

NEOPLASIA TROFOBLÁSTICA GESTACIONAL. Marília da Glória Martins

NEOPLASIA TROFOBLÁSTICA GESTACIONAL. Marília da Glória Martins NEOPLASIA TROFOBLÁSTICA GESTACIONAL Resumé NEOPLASIA TROFOBLÁSTICA GESTACIONAL A nomenclatura proposta por Ewing em 1910, mantém-se atual. Ratificada pela União Internacional de Combate ao Câncer (UICC)

Leia mais

CARACTERÍSTICAS EXTERNAS DO FETO

CARACTERÍSTICAS EXTERNAS DO FETO PERÍODO FETAL INTRODUÇÃO Nome Feto: Embrião já se tornou um ser humano reconhecível e já se formaram todos os principais sistemas Características do período fetal: 1) Rápido crescimento do corpo; 2) Diferenciação

Leia mais

Trabalho de parto pré-termo

Trabalho de parto pré-termo CAPÍTULO 24 Trabalho de parto pré-termo 1 Introdução 2 Prevenção do trabalho de parto pré-termo 2.1 Intervenções sociais 2.2 Medidas físicas 2.2.1 Monitorização domiciliar da atividade uterina 2.2.2 Repouso

Leia mais

3. CARACTERÍSTICAS FARMACOLÓGICAS Grupo farmacoterapêutico: hormônios do lóbulo posterior da hipófise (Código ATC: H01B B02).

3. CARACTERÍSTICAS FARMACOLÓGICAS Grupo farmacoterapêutico: hormônios do lóbulo posterior da hipófise (Código ATC: H01B B02). SYNTOCINON ocitocina APRESENTAÇÕES Syntocinon 5 UI/mL embalagens contendo 50 ampolas de 1 ml de solução injetável. VIA INTRAVENOSA USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada ampola de Syntocinon de 1 ml contém 5 UI de

Leia mais

Profilaxia intraparto para EGB. Importância para o RN. Profª Drª Roseli Calil Hospital da Mulher - CAISM/UNICAMP

Profilaxia intraparto para EGB. Importância para o RN. Profª Drª Roseli Calil Hospital da Mulher - CAISM/UNICAMP Profilaxia intraparto para EGB Importância para o RN Abordagem do RN com Risco de Infecção ovular e colonizado por Streptococcus do grupo B Profª Drª Roseli Calil Hospital da Mulher - CAISM/UNICAMP Infecção

Leia mais

CAPÍTULO 7 GRAVIDEZ ECTÓPICA: DIAGNÓSTICO PRECOCE. Francisco das Chagas Medeiros Veruska de Andrade Mendonça. Definição:

CAPÍTULO 7 GRAVIDEZ ECTÓPICA: DIAGNÓSTICO PRECOCE. Francisco das Chagas Medeiros Veruska de Andrade Mendonça. Definição: CAPÍTULO 7 GRAVIDEZ ECTÓPICA: DIAGNÓSTICO PRECOCE Francisco das Chagas Medeiros Veruska de Andrade Mendonça Definição: Implatação do ovo fora da cavidade endometrial, como, por exemplo, nas tubas, ovário,

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA EM OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

RESIDÊNCIA MÉDICA EM OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO RESIDÊNCIA MÉDICA EM OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO I. OBJETIVOS Geral Capacitar o médico residente em Obstetrícia e Ginecologia a promover a saúde e prevenir, diagnosticar e tratar as

Leia mais