II CONGRESSO BRASILEIRO DE ESTUDOS ORGANIZACIONAIS Uberlândia, 19 a 21 de novembro de 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "II CONGRESSO BRASILEIRO DE ESTUDOS ORGANIZACIONAIS Uberlândia, 19 a 21 de novembro de 2014"

Transcrição

1 O poder em Muito além do cidadão Kane : uma análise a partir de Steven Resumo Lukes. Hellton Vinicius Patricio Maciel Universidade Federal da Paraíba Diogo Henrique Helal Universidade Federal da Paraíba A proposta deste estudo é analisar o documentário Além do Cidadão Kane (que trata do poder da Rede Globo de televisão) na perspectiva do pensamento de Stephen Lukes (1980) sobre o poder: o poder aparente, não aparente e o poder difuso. A investigação do estudo foi realizada tendo por base metodológica a observação não participante. Como principais achados de pesquisa, evidenciamos: as expressões comportamentais, todo um conjunto de simbologias que leva a um nível mais interno de poder: o controle subjetivo. E por fim, no cerne do poder, está o potencial governista que a rede Globo possui perante a política. Palavras-Chave: Poder; Controle Subjetivo; Governo. Abstract The purpose of this study is to analyze the documentary Beyond Citizen Kane (which deals with the power of Globo TV) from the perspective of the thought of Stephen Lukes (1980) on the power: not apparent apparent power, and diffuse power. The research study was conducted with methodological basis for the non-participant observation. As main research findings, we noted: behavioral expressions, a whole set of symbols which leads to a more internal level of power: the subjective control. Finally, at the heart of power, is the governing potential Globo network has before the policy. Keywords: Power; Subjective control; Government. 1 INTRODUÇÃO Estudar o poder nas organizações é um desafio para o pesquisador visto sua natureza complexa e ampla. Nada impede que este promova recortes de sua grandeza e delimite o foco de sua abordagem. Há diversas formas de se estudar este tema, dependendo da lente que se use para analisar o poder, seu estudo poderá abordar aspectos constitutivos do fenômeno: suas manifestações aparentes, seus aspectos ocultados, seu caráter individual, abstrato ou mesmo advindo de uma coletividade. Pfeffer (1994) estuda o poder sobre uma perspectiva organizacional, de interação entre seus atores, por meio de rupturas as normas por meio do comportamento, das ações visíveis. Já Bordieu (2000) estuda o fenômeno sobre uma lente bidimensional, analisando o poder não aparente, aquele que está oculto por trás dos símbolos 1

2 de sua manifestação. Foucalt (2004) traz a discussão sobre Poder sobre o âmbito do domínio difuso e latente, não identificável nos sujeitos mas sobre eles. Neste artigo, a âncora teórica escolhida firma-se nos pressupostos sobre Poder na perspectiva de Lukes (1980) por entender que sua ótica possui caráter sistêmico em três dimensões distintas: o poder aparente, o não aparente e o poder difuso, abarcando visões multifacetadas abordadas por outros autores. A proposta central deste estudo é analisar o documentário Além do Cidadão Kane à luz do pensamento de Lukes (1980) sobre três dimensões do poder apresentadas pelo autor. Como desdobramento desta proposta, buscou-se analisar as dimensões do poder por meio do levantamento político-histórico da emissora, como também a influência das novelas e dos programas de entretenimento citados pelo documentário. A produção do documentário foi realizada pela parceria entre duas empresas britânicas de televisão em 1993, a BBC e o Channel Four, sendo dirigido por inglês Simon Hartog. Conta o trajeto da Rede Globo de Televisão na década de O título original é Beyond Citizen Kane i. O documentário alvo deste estudo aborda a influência do poder ideológico de uma emissora de televisão sobre a política governamental e sobre o povo, nele, consegue-se perceber aspectos inerentes ao estudo deste fenômeno: a identificação das manifestações visíveis do poder por meio do discurso explícito das personalidades entrevistadas (políticos, jornalistas, editores de imagem, historiadores, artistas, executivos, publicitários, apresentadores...); a análise dos conflitos encobertos e não aparentes apresentados pelo documentário; o reforço ao posicionamento crítico do documentário alude ao estágio mais profundo da manifestação do poder exercido pela rede Globo: o caráter dominador ideológico, não questionado e não sentido conscientemente pelos seus telespectadores da emissora e não apenas apoiado como também condicionador de muitos governos no país. 2 DISCUSSÃO TEÓRICA O poder foi estudado durante muito tempo como sendo uma manifestação explícita de conflito, de embate onde uma força tenta dominar a oura por meio de mecanismos percebidos e sentidos. Desta forma, a investigação da influência do poder na sociedade era realizada por meio da existência ou não destes embates. Aqueles que ganhavam um conflito eram entendidos como detentores de poder, enquanto os que não obtinham êxito eram classificados como agentes dominados. Esta percepção é entendida como sendo avaliatória, pois parte da observação explícita das ações dos agentes envolvidos, quem ganha, quem perde. 2

3 Ao estudar o poder, Lukes (1980) apresenta uma discussão conceitual sobre o entendimento deste fenômeno, contestando a visão puramente avaliatória que muitos estudos desenvolveram sobre tal abordagem. O poder, sobre um olhar mais aprofundado, ultrapassa os limites do behaviorismo ii ; busca refletir sobre a influência dos aspectos que não estão aparentes, como também, numa perspectiva mais difusa e complexa, envolve uma face política e social de sua manifestação que, algumas vezes, se permite ocultar em meio a uma naturalização inconsciente dos sujeitos sobre seu ideal dominante. Após ler a obra do autor, conseguimos visualizar o poder como um fenômeno constituído por dimensões em que, a cada recorte, novos elementos gradativamente mais complexos se apresentam, requerendo do pesquisador maior esforço para seu entendimento. Eis suscintamente as camadas discutidas: Uma primeira camada, mais superficial e aparente, foi defendida por estudiosos denominados de pluralistas, denominação esta criticada por Lukes (1980), visto o caráter unidimensional dos estudos. De acordo com esta abordagem, o poder é estudado após a análise cuidadosa de uma série de decisões concretas por meio dos comportamentos efetivos: quem prevalece do discurso da tomada de decisão, os confrontos diretos (reais e observáveis), os conflitos de preferências, de interesses, são objetos de estudo do poder em sua perspectiva mais externa. A nosso ver, estudos descritivos podem, com tranquilidade, estudar o poder neste cenário. Analisa-se, nesta perspectiva, o que está tangível e suficientemente claro e explícito à sensibilidade do pesquisador. Entretanto, se a intenção do pesquisador é saber por que existe tal prevalência no discurso, conhecer e refletir sobre os conflitos que estão velados formalmente, sobre os interesses ocultos daqueles que não se posicionam ou que não se tornam evidentes nas disputas de poder, a saída se torna inviável pela lente unidimensional dos pluralistas. O caminho a ser buscado deve ser iluminado por uma abordagem que possa adentrar um pouco mais a fundo na diversidade de camadas que compõem o fenômeno. Bachrach e Baratz (1962) citados por Lukes (1980) acrescentaram uma segunda dimensão aos estudos sobre o poder, não negando a face do poder que se reflete nas decisões concretas, mas afirmando que tal fenômeno também poder ser analisado sobre elementos que não estão explícitos: as não decisões, os fracassos e omissões no processo de tomada de decisão. A abordagem destes autores envolve o estudo sobre o conflito não apenas aberto, mas também encoberto, refletindo sobre as discussões não apenas reais, mas também potenciais. Nesta abordagem, os interesses são articulados e observáveis conscientemente; as pessoas se expõem ou permanecem omissas nos processos de tomada de decisão ou de 3

4 resolução de conflito por razões conscientes a elas. Fala-se aqui em conflito consciente visto que ainda existem aspectos que vão além desta apreciação que não foram alvo de estudo por esta perspectiva de poder. Seja no ambiente organizacional, seja na academia e sobretudo, nos palanques políticos, os conflitos observáveis ou omissos ainda são instrumentos de forte mobilização utilizados pelo agir político: A opressão explícita, a fala impostada ou mesmo suave (mas dissimulada e manipuladora), os gestos bruscos que denotam força e superioridade, os rituais e símbolos, ainda são ferramentas de controle dos liderados e mensuradores sociais de domínio e poder. Schattschneider (1960) apud Lukes (1980:13) resgata um aspecto de relevância nesta perspectiva bidimensional do poder, mais precisamente a respeito da criação e do reforço de obstáculos ao arejamento público dos conflitos políticos nas organizações. Segundo ele, todas as formas de organização política têm um preconceito em favor da exploração de algumas espécies de conflito e a supressão de outras, porque a organização é a mobilização do preconceito. (grifo nosso), e isso faz com que muitos dos potenciais debates não ocorram, pois alguns temas meramente não interessam ao aporte conceitual da organização. Tal mobilização é conceituada por Bachrach e Baratz (1962) apud Lukes (1980, p.13-14): Um conjunto de valores, crenças, rituais e processos institucionais predominantes, são as regras do jogo, que operam sistemática e consistentemente em benefício de certas pessoas e grupos, às custas dos outros. Aqueles que se beneficiam estão colocados numa posição preferencial. Cabe ao sujeito querer jogar o jogo ou não, mas a sua omissão não o exime de posicionamento, seu comportamento demonstra um valor que não está evidente. E não o está por uma causa que pode possuir origens em diversas fundamentações: o não querer se expor pelo medo de ser interpretado equivocadamente, o receio de não saber quais as possíveis consequências, o desinteresse real do que se está tratando, o receio de ser prejudicado de outras formas na ação do sujeito, a acomodação para uma possível posição futura e de melhor aceitação pelos demais, enfim, as alternativas não se esgotam, visto a complexidade dos fenômenos sociais, de seu nascituro e de suas interações no contexto de trabalho. De acordo com a abordagem bidimensional, é a existência de queixas (observáveis ou encobertas) a esta mobilização de preconceito que indica os interesses em um sistema político. A visão bidimensional é entendida como uma relação causal cujas formas de controle expressam, com êxito, a dominação de A sobre B, podendo A criar ou inibir conflitos 4

5 ao seu favor. Temos aqui o panorama clássico causal do exercício do poder, onde A incide sobre B e B faz o que A deseja sendo que de outra forma B não faria, sendo tal exercício entendido por Lukes (1980) como relevância contrafatual. Neste processo, várias estratégias podem ser tomadas pelos atores envolvidos neste fenômeno: coerção, influência, autoridade e manipulação. Não é nossa proposta aqui dissertar sobre cada um destes desdobramentos das formas de controle, porém acredito que seja pertinente apontar a existência destes: a obediência enfatizada pela coerção, a influência sem ameaças tácitas, a autoridade legitimada, e a ausência de reconhecimento por quem obedece oriundos da manipulação, representam as mais diversas manifestação das maneiras como o poder exerce controle. Ressalte-se que a visão bidimensional, evidenciando a existência dos conflitos encobertos, da não tomada de decisão, das queixas à mobilização do preconceito, ainda é limitada se comparada ao panorama apresentado pela visão tridimensional do poder. Não há dúvidas que a visão do poder em três dimensões avança em relação as suas antecessoras. Uma primeira razão se dá pela amplitude do entendimento da visão tridimensional sobre a mobilização do preconceito. Tal sistema de crenças, valores e pressupostos não é mantido apenas por atos observáveis ou encobertos. Este fenômeno pode ser sustentado por aspectos tão profundos e difusos que nem mesmo as pessoas que estão debaixo da influência do poder o percebe. A ideologia é tão impregnada na organização (e não se entenda aqui organização apenas como empresa, mas como uma organização social de sujeitos) e em seus integrantes que tais práticas de dominação se tornam parte de um senso comum difuso. Na visão tridimensional, o poder assume o patamar de ideologia, naturalizando-se no âmbito inconsciente dos sujeitos. O poder aqui é visto como uma camada mais interna e ideológica, socialmente amorfa, extensa e constante, controlando o corpo por meio de estratégias que promovam docilidade e utilidade deste. A ausência de queixas, por exemplo, pode ocultar um falso consenso, consistindo numa contradição entre os interesses dos detentores de poder e os verdadeiros interesses dos excluídos que por nunca terem acesso a elementos que os levem a maior entendimento de suas reais potencialidades ou necessidades. Estes apenas se conformam em aceitar as verdades de seus dominadores. O que se nota é que o conflito se apresenta sobre uma forma latente, cujo cerne não está apenas oculto, mas também dissimulado para os que dominam, e inebriante para os que são dominados. Desta forma, esta visão vai além da existência do exercício de poder aparente ou não aparente. Há nela uma perspectiva mais aprofundada dos estudos de poder, acrescentando ao arcabouço de reflexões sobre tal fenômeno social: a análise das relações de poder, o controle 5

6 da agenda política e as formas de inibição de discussões potenciais. Mas como percebê-los, sendo este tão difuso e de profunda influência inconsciente? Existem complicadores para qualquer intenção de análise empírica já que, neste nível, o poder pode estar agindo em meio a inatividade e na não-consciência dos sujeitos ou mesmo nas grandes massas coletivas ou institucionais cujo acesso é deveras restrito e esguio. Porém, Lukes (1980) tenta dirimir tais dificuldades a partir de um estudo mais detalhado dos frutos das medidas de dominação em meio ao ambiente dominado, em tempos de (a)normalidade, como também em relação à manipulação do ambiente, ao estudo da capacidade dos agentes do poder em criar uma realidade ilusória aceita sem questionamentos pelos liderados. Didaticamente, a figura 1 fornece uma distinção sobre as três dimensões do poder. É importante que se diga para os mais desavisados que uma dimensão mais profunda não exclui a anterior, ou seja, a visão tridimensional não nega a existência de conflitos aberto ou encobertos da visão bidimensional ou mesmo aqueles oriundos da tomada de decisão explícita. Na verdade, uma dimensão complementa a anterior, evidenciado elementos do poder que até então estavam omissos por sua antecessora. Figura 1 As três dimensões do poder Fonte: Lukes (1980:20) A visão do poder por meio de dimensões, sua noção avaliatória ou mesmo de perspectiva causal ou ideológica é apenas uma perspectiva de estudo sobre tal fenômeno social. Ainda é possível estudá-lo sobre a lente de outros sociólogos que contribuíram consideravelmente. O entendimento de poder segundo Parsons envolve metas coletivas, depende da institucionalização da autoridade do meio generalizado de mobilizar a ação coletiva, sendo desviado enquanto interesse de partidos específicos. 6

7 Na visão de Arendt, o poder emerge do povo que empresta seu poder a um representante eleito para cumprir os anseios da coletividade. Esta visão se baseia na origem greco-romana de poder, do ideal de democracia onde os cidadãos participam do exercício pleno do direito político. Porém estudos históricos demonstram que o referido ideal de democracia greco-romano possui caráter elitista e discriminador (RUZZA, 2008), visto que, nas cidades gregas, poucos sujeitos eram considerados cidadãos de direito. Não pretendemos dizer que a visão de Arendt não seja possível, até porque na época da revolução francesa, muito se observou sobre uma plena manifestação do povo em seu próprio favor. Mas aqui gostaria de abrir uma reflexão sobre esta perspectiva de poder no contexto brasileiro. Acreditamos que, no Brasil, a ideia de poder emergente do povo é no máximo uma visão romântica. Afirmo isto resgatando alguns fortes indícios de nossa tenra e controversa história enquanto nação. Resgatando diversos eventos históricos no Brasil, apoiado nos escritos de Carvalho (2008), podemos evidenciar estas deficiências, a começar pela forma como fomos colonizados: o objetivo dos nossos colonizadores era extrair as riquezas de nossa terra e destiná-la para outro país. Reflexo este que até hoje perdura, não em formato de colonização, mas de dominação econômica, a qual é maquiada e sofisticada. A própria independência brasileira, que literalmente foi um acordo para inglês ver, consolidado em um tratado de gabinete, sem a participação efetiva do povo demonstra a nossa subserviência histórica, tanto que o resultado de tal independência foi a continuidade de um regime governamental monárquico que perdurou ainda por longos anos. Outro traço que marcou história brasileira foi o latifúndio monocultor e exportador, cuja base produtiva era escravista. A escravidão por si só já elimina o direito de qualquer direito cidadão, ou qualquer manifestação legitimada do povo. O ideal coronelista era tão forte nesses latifúndios que as influencias do estado terminavam na porteira das grandes fazendas (CARVALHO, 2006, p.21). Aos poucos cidadãos livres que existiam nesse período restavam recorrer à proteção dos senhores de engenho ou estariam à mercê dos mais fortes. Aos escravos, cabia a alternativa da fuga para os quilombos que foram severamente combatidos pelo Estado. Os nativos do próprio país muitas vezes não eram privilegiados no exercício do direito civil, muitos pequenos comércios preferiam contratar imigrantes a contratar indivíduos abolidos da escravatura. Pelos menos, alguns destes imigrantes trouxeram um pouco da experiência de outros países europeus na prática de ideias cidadãs. Mesmo assim muitas destas práticas foram distorcidas. O próprio direito ao voto foi modificado diversas vezes 7

8 provocando instabilidade do ideal cidadão. Ora precisava-se comprovar renda, ora precisavase comprovar alfabetização, escravos não votavam, depois passaram a votar, mesmo contexto para as mulheres. As próprias eleições ocorriam sem muito rigor. Muitos eram os que se passavam por outros para votar, a lei do cabresto, da imposição em quem votar, da troca de favores, até hoje assola o exercício de cidadania. O Brasil é marcado por um conjunto de coletivismos estratificados, onde uns preponderam em relação a outros, o que reforça a distância de poder que aqui existe. É bem verdade que tivemos muitas revoltas no país em prol da cidadania, como a inconfidência mineira, a revolta dos alfaiates, a revolta de canudos, dentre outras. Todavia elas não foram suficientes para a legitimação dos direitos reais de cidadania, dentre outro fatores pela limitação dos movimentos em virtude da grande expansão territorial do Brasil. Sendo assim, se não há plena cidadania ou uma luta conjunta em prol dela, não há poder emergente do povo, e sim a utilização da sociedade como massa de manobra em favor de pequenos grupos como corrobora Lukes ao interpretar a visão de poder de Parsons. Como afirmamos no início deste artigo, analisar poder é estudar algo de extrema complexidade em meio as dificuldades de sua natureza. A identificação do poder em um prisma tridimensional possui elevado caráter difuso e profundo. A identificação de um alegado exercício de poder nesta perspectiva deve debruçar-se em uma exaustiva investigação da inação, da inconsciência e das movimentações das coletividades e das instituições. A própria relevância contrafatual (A incide sobre B e B faz o que A deseja sendo que de outra forma B não faria) é difícil de ser entendida a fundo, podendo ser genuinamente implícita. Sabe-se que A afeta B, mas o que faz A afetar B? A resposta pode ser consciente ou até mesmo inconsciente, tornando o terreno ainda mais desafiador de ser explorado. A divergência na coexistência de concepções de mundo distintas para a ação e para o discurso ainda pode ser um fator de impacto sobre o poder de acordo com Gramsci. O povo ainda pode apresentar formas distintas de reação em tempos encarados como normais (inação popular, pouca mobilidade social) e anormais (diminuição da subordinação intelectual com a ausência do poder). Esta distinção nas formas de reação é inclusive a forma de estudo melhor observáveis das influencias da terceira dimensão de poder de acordo com Lukes. Considerei interessante a visão de outro autor que analisa este parâmetro de estudo da terceira dimensão do poder. A terceira dimensão pode ser entendida não apenas pelas movimentações presentes ou futuras de (a)normalidades, cujo fruto é o consenso. Mas também por um profundo resgate 8

9 histórico das movimentações do poder, das discrepâncias entre as visões de mundo, das consequências nas derrotas sistemáticas, na luta social (PERISSINOTTO, 2008). Desta forma, não apenas o presente pode ser estudado de forma a aprofundarmos a influencia tridimensional do poder, as movimentações de outrora também podem oferecer subsídios pertinentes de análise, visto que também são repletos de interações sociais em que interesses distintos estavam em jogo, sendo forte arena potencial para articulações de dominação e manipulação para se alcançar ou para se manter no poder. Nos estudos sobre poder, é prudente antecipar a informação do recorte que sustentará a análise para que não haja falsas pretensões ou mesmo equívocos de entendimento e compreensão. Como não pretendemos correr este risco, nos dispomos a fazer a análise do documentário Muito Além do Cidadão Kane, que já aborda as influências da mídia e o poder no Brasil, e detalha a posição dominante da Rede Globo na sociedade brasileira. Aqui tentamos estabelecer uma relação da dominação da emissora com as dimensões de poder defendidas por Lukes (1980). Debatemos a influência da empresa, seu poder e suas relações políticas, que são entendidas como manipuladoras e formadora de opinião tendenciosa. Apesar dos quase 20 anos de sua exibição por uma emissora pública no Reino Unido, seu conteúdo nos ajuda a entender as dimensões do poder, suas relações e influência sobre os governos e sobre o povo em nosso país que pouco é discutida ou evidenciada, tendo em vista o seu poderio ideológico. 3 DESENVOLVIMENTO DO ESTUDO EMPÍRICO Os recursos audiovisuais são extremamente ricos em informações verbais e nãoverbais passíveis de serem estudadas e analisadas à luz da ciência. Os filmes, documentários, séries, imagens podem ser entendidos, a priori, como representações da realidade. Quanto mais fidedigno a um determinado contexto social for o recurso audiovisual em questão, maior a pertinência de seu pormenorizado estudo e reflexão para as ciências sociais. Esta é uma das peculiaridades dos documentários que visam analisar criticamente um contexto real. E para estudar metodologicamente tal recurso, vejo a observação científica como metodologia pertinente para este feito (ABBAGNANO, 2003 apud LEITE ET AL, 2012). Tal método deve ser utilizado a partir de critérios previamente estabelecidos pelo pesquisador, buscando responder a uma questão formulada a princípio. No caso deste artigo, o objetivo foi o de analisar o poder e suas influências nos três níveis propostos por Lukes a partir do documentário escolhido. Ancoro-me aqui ao desdobramento metodológico da observação 9

10 indireta e não participante. Tal estratégia é considerada por Flick (2004) como observação de segunda mão, por ser oriunda de filmes, sem que tal fato represente restrição metodológica aos pesquisadores/observadores. Analisa-se o filme enquanto uma narrativa discursiva e, nesse sentido, uma análise discursiva crítica (RESENDE e RAMALHO, 2006), buscando ao final sintetizar a narrativa em elementos distintos e vinculando-a as dimensões propostas por Lukes sobre as manifestações do Poder. 3.1 ANÁLISE DO DOCUMENTÁRIO Como já mencionado, o documentário foi exibido em 1994 e reflete a análise do contexto midiático e televisivo de massa da época. Neste tempo, a Rede Globo, apesar de ser menor que três emissoras americanas no cenário global, possuía um poderio muito superior em circunstâncias proporcionais geográficas. Já na década de 1990 suas emissoras e afiliadas cobriam 99,2% do território do país, e sua audiência em rede nacional era cerca de 80%, o que levava a emissora a usufruir de mais de 70% dos recursos federais destinados à mídia nacional. Armando Falcão, ministro da fazenda entre os anos de 1974 a 1979 defendia o monopólio de televisão da rede Globo, dizendo que se existia algum tipo de monopólio, este estaria voltado para o monopólio da competência. Inclusive foi categórico ao afirmar que Roberto Marinho nunca lhe criou qualquer tipo de dificuldade. Em primeiro lugar, qual a ideia de competência que o ex ministro possuía? Mediante o cenário de dominação, podemos apenas conjecturar que sua ideia é de resultado, de audiência, de números. A ideia de competência não se restringe a isso. Não é de nosso intuito tratar desta temática, mas estudos mais profundos sobre competência nunca a limitam a uma única dimensão. Aspectos cognitivos também fazem parte de seu entendimento. Nesse sentido, a ideia de competência exposta pelo documentário não aborda quaisquer qualidades política ou educacional (ZARIFIAN, 2001; BITTENCOURT, 2010). Os resultados da supremacia da Rede Globo de televisão são entendidos pelo documentário como sendo construídos em bases sustentadoras de um ideal que fascina o telespectador brasileiro, mas que é ilusório em sua capacidade criar possibilidades e realidades que dificilmente todos terão acesso a ela. As chamadas da emissora são excessivamente reforçadas por imagens paradisíacas da nação, e pelos jargões e jingles que buscam estabelecer uma identificação genuína com a sociedade: Globo e você, tudo a ver Globo noventa, não tem pra ninguém, é nota cem. Os jargões forçam uma identificação entre a emissora e o telespectador. A ideia de totalidade, de 10

11 domínio e de exclusão são muito significativas nestas frases. Quem não se identifica com ela, é um excluído social, não está integrado ou informado. Aqui temos um dos primeiros indícios da busca pelo senso comum promovido pela emissora. Para entender um pouco mais sobre a emissora, o documentário nos traz a visão que alguns pensadores da época tinham a respeito de seu fundador. As famosas chamadas de final de ano são ainda mais intensas se analisarmos os jargões contemporâneos: Hoje é um novo dia de um novo tempo que começou. Nesses novos dias as alegrias serão de todos é só querer. Nossos sonhos serão verdade, o futuro já começou. A Globo reforça o seu poder por meio da manipulação dos sonhos brasileiros. Discutiremos mais sobre este ponto ao abordarmos as estratégias de entretenimento e o uso do carnaval a favor do seu poder perante a sociedade. Mas é fato que a Rede Globo se coloca como a frente de seu tempo, estando em situação retrograda aqueles que não a acompanharem. Roberto Marinho presidiu a empresa durante 38 anos ( ) e foi detentor não apenas da emissora, mas também de jornais e rádios de grande circulação e difusão. Brizola o considerava um Stalin das comunicações no país, tal a sua influência: Quem não concorda com ele, ele manda para a Sibéria, a Sibéria do gelo, a Sibéria do esquecimento. Ora, essa expressão do político está diretamente associada aos jargões da emissora (Globo noventa, não tem pra ninguém é nota cem). A Rede Globo passa a ser um instrumento de poder utilizado por Roberto Marinho para seus próprios interesses. O que se tem é um Estado dentro de outro Estado, a visão de Brizola sobre a atuação de Marinho no país reflete a busca pelo consenso político, uma das manifestações do exercício do poder, na visão do político. A comparação à Stalin acaba se dando pela tentativa da emissora de aniquilar queixas contrárias à sua visão, criando uma verdade superior que omite um conflito latente entre os interesses de Marinho e os verdadeiros interesses ocultos e inconscientes dos telespectadores excluídos. Na visão de Chico Buarque, um dos cantores de maior consciência política no Brasil, Roberto Marinho foi mais poderoso que o próprio cidadão Kane iii, sendo detentor de atroz poder político Histórico A Rede Globo começou em 1965 após o golpe militar, obtendo a primeira concessão no governo de Juscelino Kubitschek em 1957, e a segunda do governo João Goulart, que Roberto marinho ajudou a depor. Apesar de se considerar um jornalista, Roberto Marinho era um astuto empresário. Em 1962 Roberto Marinho assinou uma parceria com um grupo 11

12 americano de televisão, recebendo incentivos de mais de seis milhões de dólares para as instalações das emissoras do grupo. Após oito anos de atuação, a rede globo estava fadada a falir devido aos grandes gastos com a manutenção de sua estrutura. Uma grande enchente desastrosa em 1966 ajudou a alavancar os números da Rede Globo visto que fez a cobertura ao vivo nos pontos mais graves. Quando Costa e Silva assumiu a presidência em 1967, começou o breve milagre econômico brasileiro. Uma das célebres frases de seus discursos deprimentes e simplistas foi: Que os ricos sejam mais ricos, para que, graças a eles, os pobres sejam menos pobres. Tal discurso reforça o caráter utilitarista, concentrador e discriminador do capitalismo, onde a menor pobreza é encarada como uma dádiva vinda de uma alta burguesia centralizadora da riqueza. No excêntrico governo de Médici, o slogan torpe Brasil, ame-o ou deixe-o foi levado a ferro e fogo. Em 1970 com a exibição da Copa do Mundo e a vitória da seleção brasileira, o governo encontrou uma forma de explorar ao seu favor tal conquista. Em 1972, ele inaugurou a televisou a cores, uma grande revolução para o sistema televisivo da época, acabando por reforçar a superioridade da Rede Globo, tendo em vista o seu desenvolvimento tecnológico, estabelecendo o padrão Globo de qualidade. Segundo o presidente Médici, todas as noites quando vejo o noticiário, sinto-me feliz, por que? Porque no noticiário da tv Globo o mundo está um caos e o Brasil está em paz. É como tomar um calmante depois de um dia de trabalho (40min50seg) A frase do presidente reforça o poder ideológico da emissora, que consegue inserir nas pessoas a ideia de que o Brasil é um paraíso sem conflitos e sem guerras. Ora, vimos com Lukes (1980) que a ausência explícita de queixas não necessariamente significa harmonia social. Na verdade, o poder exercido é tão profundo que não apenas omite, mas cria uma verdade ilusória que é incorporada pelas pessoas. A frase do presidente apresenta a Rede Globo como uma espécie de redentora para os problemas reais, trazendo à tona um cenário em que os problemas vivenciados no dia a dia não são tão graves quanto os que acontecem ao redor do mundo. Após a ditadura, nos primeiros anos da democracia brasileira, o discurso da emissora era de que muitas das mazelas resultantes das ações governamentais não tinham sido denunciadas em virtude do próprio regime anterior. As eleições em 1989 foram marcadas pelo segundo turno entre Lula e Collor, porém no intuito de eleger Collor, a Rede Globo, que possuía maioria absoluta na audiência, editou o debate de forma a favorecer Collor à presidência do Brasil, concedendo mais tempo ao candidato e podando as falas de lula, a diferença de votos que era de 1% entre os dois candidatos, passou a ser de 4% após a exibição 12

13 da edição do debate. Os funcionários que estavam eram envolvidos com as atividades de edição e que protestaram, foram afastados da empresa. Durante a posse do novo presidente, Roberto Marinho foi em pessoa parabeniza-lo pela vitória, apertos de mão e risos fáceis entre os dois foram apresentados pelo documentário. Muitos aspectos obscuros do governo de Collor em Alagoas não foram exibidos pela emissora, omitindo ao máximo possíveis prejuízos a sua candidatura. A Globo se apresenta como vocacionada a uma atuação governista, e não pretende que a presidência da república seja ocupada por políticos que não coadunam com seus interesses. Após o debate, foi exibido os dados de uma pesquisa telefônica que traziam perguntas vagas sobre o debate, não se perguntava em quem as pessoas iriam voltar, talvez porque a emissora soubesse do favoritismo de lula. A pesquisa trazia critérios que analisavam o debate em si, em todos eles Collor estava à frente de Lula, o que, certamente, levou à grande massa de pessoas que assistiam a repensar sua opção de voto em favor de Collor. Em seguida, um dos principais jornalistas da empresa enfatizou a importância da transparência, do diálogo franco e aberto, do respeito a democracia. Percebe-se aqui o caráter demagogo do jornalismo da emissora que cria uma cortina de fumaça para valorizar uma política distorcida, encarada como verdade pela maioria dos brasileiros. De acordo com Lukes (1980), este poder é sentido em momentos como este, considerados pelo autor como períodos anormais, quando há mobilização ou fragilização do poder estabelecido. Receosa que as eleições pudessem provocar uma reviravolta e que seu candidato perdesse, já que se tratava do governo do país, dos milhares de telespectadores que alimentavam o poderio da emissora, esta, mobilizando o poder que possuía e ainda possui, conseguiu convencer milhares de brasileiros de que a sua verdade é fato sem precisar deixar claro e explicito sua opção eleitoral. Somasse a este caráter outras evidencias explicitas de seu poder, como por exemplo, a não concordância de funcionários, resignados ao sistema por mais de 20 anos, que foram demitidos de seus postos de trabalho por ousarem contrariar o pensamento dominante de Roberto Marinho. A contraprova da edição do debate das eleições e os resultados de demissão evidenciam o poder da rede em níveis profundos Programação O falso otimismo também era exibido no programa Fantástico exibido aos domingos, sendo um dos principais programas da Rede Globo neste dia. Já na abertura do programa, 13

14 mais uma vez, o telespectador é alvejado por explosões de cor, mulheres seminuas, fantasia e belezas naturais paradisíacas. As informações repassadas pelo programa afirmavam o modo de pensar e de fazer pensar condicionado pela emissora. Os demais telejornais da emissora que passam diariamente tratam de matérias curtas e atraentes, enfatizando muito mais aspectos de grandes escândalos de corrupção dificilmente velados, matérias de celebridades nacionais e internacionais como também expressões culturais inofensivas à imagem da emissora. As peculiaridades das riquezas culturais regionais são reduzidas a matérias folclóricas turísticas, algo muito presente na época em que o documentário foi construído, mas que ainda é percebido atualmente. Cidadãos que foram entrevistados no documentário afirmam que o que se passa no jornalismo da emissora é verdade que ela (a Globo) é detentora da informação do mundo inteiro segundo os entrevistados. O elevado índice de audiência da mesma nos revela que a Globo não apenas representa uma verdade, mas a verdade que a grande massa acredita e segue. Isto atribui a Rede Globo um poder ideológico de proporções de alta difusão e alienação, já que existe a legitimidade a favor dela, o que se torna um grande fator de domínio, pois nada impede que a cúpula da emissora distorça certas informações para poder levar vantagem. Ela tanto constrói ídolos como também os destrói pelo poder de convencimento que possui perante o povo. O domínio forja uma imagem de tv impessoal mas que na verdade vela seu posicionamento político de forma que a grande maioria dos brasileiros que assiste a emissora se quer percebe tal tendenciosidade. Sendo assim fica fácil para alguns representantes da emissora afirmaram: É o povo que faz a televisão, é a cabeça do povo que faz a televisão, a televisão no Brasil é um reflexo do próprio povo, o que o povo pensa e quer, porque é uma televisão comercial, e sendo comercial ela precisa ter em primeiro lugar ter rating no ibope iv. Esta frase foi dita por Dias Gomes, um dos mais renomados escritores de novela da emissora. Ora, fica fácil de afirmar que a Globo é a voz do povo quando e ela quem indiretamente sugere a este mesmo povo o que deve assistir, o que deve considerar como certo ou errado. Umas das jornalistas da própria emissora, Beth Costa, que trabalha diretamente na redação construindo as matérias que irão ser exibidas em rede nacional, afirmou que eles apenas recebem as ordens do que deve ser exibido, do que não deve ser e do que deve ser mudado, alterado. Distorcendo o real sentido da matéria a fim de que a mesma se torne mais atrativa para o grande público. Tal desvio do real significado apenas reforça o caráter ilusório da emissora. O abuso não se configura apenas no campo da expressão das ideias transcritas 14

15 nos jornais, mas também na sujeição às imposições de ritmo e de jornada da emissora. Recentemente, em uma das matérias exibidas pelo Esporte Espetacular (programa esportivo apresentado nas manhãs de domingo), a repórter e apresentadora, Glenda Koslovski, emocionada pela homenagem feita ao programa e a ela em especial, atribuiu tal homenagem à equipe que muitas vezes deixava de estar em casa com a família para estar ali, noites e noites para montagem das matérias jornalísticas. Isso demonstra o grau de apropriação do sujeito e do poder de negação do individuo em prol da manutenção da imagem empresa. As novelas são o início da supremacia da rede Globo. Washington Olivetto, especialista em publicidade afirmou no documentário que às vezes tenho a sensação que o Brasil não foi descoberto, ele foi escrito tal é a fascinação que o especialista percebe no comportamento e mobilização social provocada pelas novelas. Considerando as novelas como um dos maiores projetos da Rede Globo, Maria Rita Kehl, historiadora, afirma que: Não se trata de um projeto que esqueceu da pobreza, da periferia; Contemplou. Porque se esquecesse, não daria certo. Contemplou, mas contemplou maquiando a pobreza e apontando uma perspectiva de ascensão pelo trabalho, pelo investimento. É como se o Brasil estivesse tentado viver na forma de farsa o que foi o sucesso mesmo do self-man em outra época do capitalismo (KANE DOCUMENTÁRIO, 38min25seg) A violência e o erotismo eram marcas de seus enredos respectivamente. Algumas destas programações, em virtude de seu sucesso, foram exibidas em mais de cinquenta países. A gente costuma a dizer que o Brasil em determinado momento, apesar da dimensão continental, deixou de falar português, que é a língua dele, para falar TV Globês. (OLIVETTO, 1994 citado por KANE DOCUMENTÁRIO, min49seg). A adaptação da linguagem em tais proporções demonstra a dominação explícita que as novelas da rede globo sobre os indivíduos, criando tendências, jargões e comportamentos que passaram a ser incorporados pelas pessoas. A impressão que eu tenho é que a Globo conseguiu melhor do que qualquer política repressiva, de proibição, de censura, alterar a consciência do brasileiro sobre sua condição. Aqui a historiadora Maria Rita Kehl evidencia o poder profundo que a Rede Globo passa a exercer sobre os sujeitos, a dominação da consciência, mudando a concepção de mundo destes, tornando a sua palavra, verdade que diz e pensa. As reflexões de Lukes (1980) se fazem pertinentes aqui. O poder para o autor se configura em um emaranhado de teias visíveis 15

16 e invisíveis, tecidas cuidadosamente por aqueles que detém a matéria prima, ou seja, os instrumentos de poder. Nesse caso, o controle da mídia de massa promovido pela Emissora é capaz de sugestionar a população de modo a reformar o pensamento dela em prol do interesse de seus dirigentes. Quanto maior o controle, maior o potencial governista, aqui há interesses mútuos entre Governo e Rede Globo que a fazem ter um papel crucial para a mudança ou permanência do poder político em nosso país. A globo não tem necessariamente uma vocação militarista ou ditatorial, mas ela tem uma vocação governista, onde tem governo está a rede globo. Quem saiu do governo já não interessa mais, ela é habilíssima em fazer um casamento de interesse com o governo. E o governo também precisa porque qualquer governo de um mais de 150 milhões de habitantes que tem quase 100 milhões de espectadores precisa de 70% de audiência. (PRIOLLI, Gabriel jornalista, citado em KANE, DOCUMENTÁRIO, min19seg) Não há imposição da Rede Globo, mas dominação pelo fascínio, pela verbalização de que a arte imita a vida, mas que, nas entrelinhas, apresenta o seu real intuito controverso, onde a vida passa a imitar a arte maquiada e distorcida dos sonhos possíveis e alcançáveis. Iludindo milhares de pessoas sobre uma realidade que não é aquela que se vivencia, a Rede Globo passa a incutir nas pessoas que o que se passa na tela da televisão é algo real, tangível e possível, quando na verdade, ela submete as pessoas a uma ilusão com trejeitos de realidade. Uma de suas novelas, exibida no ano de 1991, intitulada Anos Rebeldes, tinha como pano de fundo o contexto da época de 1960 no Brasil, ano em que a ditadura militar dominava o regime político no país. Porém, em nenhum momento se percebe uma retratação fidedigna ao contexto social da época, apenas uma rebeldia romântica era exibida em seus capítulos. Anos mais tarde, foi descoberta uma sepultura coletiva do início da década de 1970 com mais de mil corpos; concluiu-se que se tratava de vítimas dos movimentos contra o regime militar após analisar os corpos de jovens que participaram do movimento e que foram tidos como desaparecidos na época. As novelas das 18h são voltadas para as donas de casa, jovens e crianças. As novelas das 19h são destinadas às pessoas que chegam cansadas do trabalho e não exigem muito do espectador. A novela das 20h é a mais elaborada, suas tramas apresentam temas como traição, manipulação, ambição, subserviência e sensualidade e, normalmente, apresentam índices de audiência mais altos. Nas ultimas semanas de apresentação de uma novela, sobretudo daquela 16

17 das 20h, há uma mobilização nacional impressionante para não perde-la, sobretudo o ultimo episódio. É bem verdade que esta emissora também apresenta em sua grade programas associados à educação. Porém, estes não pertencem ao horário entendido como nobre da televisão, ou estas exibições educativas são exibidas muito cedo, ou muito tarde. A Rede Globo também não fica a desejar no aproveitamento do sonho dos telespectadores. Apesar de não ser foco do estudo do artigo podemos elencar, que na programação atual da rede, muitos são os programas que premiam pessoas de classes sociais de baixo poder aquisitivo com casas, automóveis, cestas básicas, prêmios em dinheiro, etc. benefícios estes concedidos por meio de toda uma construção que resgata o histórico precário do sujeito contemplado, suas frustações sentimentais, a marginalização social, as dificuldades do cotidiano. A chegada da Rede Globo neste ambiente precário transmite ao telespectador uma imagem de redenção atrelada à dádiva concedida. 4. Considerações finais A Rede Globo apresenta diversas manifestações do seu poder na sociedade. A seguir, apresenta-se um quadro demonstrativo de evidências da manifestação do poderio ideológico da empresa nas três dimensões elencadas por Lukes. Visão Unidimensional do Poder Visão Bidimensional do Poder Visão Tridimensional do Poder Quadro 1 Manifestações do poder da emissora Comportamento Linguagem - o discurso superior Crítica (qualificada) do foco comportamental Tomada e não-tomada de decisão A necessidade de consenso Tomada de decisão e controle da agenda política (não apenas por decisões) Discussões e discussões potenciais Interesses subjetivos e reais Propagandas que apresentam consumo elitista (modo de vestir, bebidas, carros); aberturas de programas glamurosas e fantasiosas, exibindo mulheres seminuas e belezas naturais; atitudes dos personagens de novela. As pessoas no Brasil deixaram de falar Português para falar Globês "Globo noventa não tem pra ninguém é nota cem" "O futuro já começou" Roberto Marinho nunca me criou qualquer tipo de problema Quem não concorda com ele, ele manda para a Sibéria, a Sibéria do gelo, a Sibéria do esquecimento O favoritismo das concessões das redes de comunicação Roberto Marinho é uma das formas políticas mais influentes no país, nada se faz sem consultar o Roberto Marinho. É assustador Onde está o governo está a Rede Globo A impressão que eu tenho é que a Globo conseguiu melhor do que qualquer política repressiva, de proibição, de censura, alterar a consciência do brasileiro sobre sua condição. O fascínio a partir da venda do sonho, da possibilidade de melhoria das chances de vida 17

18 Fonte Elaboração própria. Percebe-se que o poder da Rede Globo pode ser percebido nas mais diversas profundidades do prisma do fenômeno. Na dimensão mais aparente, a emissora enfatiza o uso de uma linguagem e do condicionamento do comportamento dos sujeitos por meio de suas novelas e programas de entretenimento. Os jargões da emissora facilmente são memorizados e replicados pelos telespectadores que assistem à rede globo. Em um nível mais interno do poder, permeado pelas criticas qualificadas, ou seja, pelos conflitos encobertos e não aparentes, mas uma vez recorremos aos jargões, mas desta vez, buscando captar o que está oculto e não explícito. Não estar conectado à emissora é estar à margem da informação, da legitimação que a Globo incute na mentalidade dos indivíduos como também dos governos. A emissora busca enfatizar o consenso a partir da determinação de seus valores, a concordância de um imperativo velado v. Fica claro, a partir do documentário, que a Rede Globo possui o perfil governista, da apropriação do sonho dos sujeitos na sociedade para o seu bel prazer. A coisificação do sonho, usado como instrumento de fascínio nos revela o poder não questionado, aceito no inconsciente dos sujeitos que admiram e assistem diariamente aos programas de entretenimento e às noticias televisionadas, as quais são encaradas por muitos como a verdade a ser aceita. A alienação promovida pela emissora passa também a ser imitada enquanto estratégia de audiência pelas outras emissoras que se utilizem de programas e jornais tão ou mais apelativos no sentido de abuso do uso do sonho dos sujeitos. O que mostra que a nossa sociedade ainda apresenta percalços ideológicos, algemas invisíveis que ainda limitam o poder do povo perante o uso deliberado de seus desejos e anseios contra si mesmos. Os canais educativos que porventura estas emissoras disponibilizem ficam limitados a horários de pouca audiência como uma espécie de égide contra analises mais críticas. Porém, é inegável o poder ideológico avassalador de tais emissoras que ainda são consideradas ópio para nossa sociedade, sobretudo, para os menos esclarecidos por vontade ou por condição imposta. Resgatando o objetivo deste artigo, percebe-se o poder avassalador da rede Globo nos três níveis de poder de acordo com Lukes (1980). Na esfera mais superficial do poder estão as expressões comportamentais disseminadas pela emissora: as formas de vestir, de falar e de se portar, as imagens associadas à emissora: a beleza tropical, o avanço tecnológico. Todo um arsenal de simbologias que nos leva a um nível mais interno desta rede nefasta de poder: o controle subjetivo do que está na moda, do que é belo, do que é agradável aos olhos e aos ouvidos, a menção de que a Rede Globo é o futuro, em um esforço não aparente, mas que fica 18

19 nas entrelinhas, de que a empresa é o consenso e que todos os telespectadores devem concordar com ela, não por meios impositivos, mas pelo fascínio, pelo sonho, pela admiração distorcida e velada que a emissora promove aos seus telespectadores. Por fim, no cerne do poder, está o potencial governista que a rede Globo possui perante as forças políticas do país de tal forma que consegue eleger ou mesmo afastar representantes políticos em um cenário que subverte todo o entendimento sobre cidadania, democracia e política. O panorama do poder possuído pela rede Globo nos anos de 1990 ainda está presente nos dias atuais, os discursos ainda se mantêm agradáveis, mas ainda escondem o poder dominador da emissora. Novos estudos aqui podem evidenciar tal poderio que é mas devastador que qualquer armada bélica, pois se dissemina, sem ruído, explosões ou extermínios físicos, o poder de dominar, agindo como um sibilo como uma leve brisa, mas que carrega em si o vírus da subserviência. REFERÊNCIAS BITENCOURT, C. (org). Gestão Contemporânea de Pessoas. P. Alegre: Bookman, BOURDIEU, P. O Poder Simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000 BOSI, A. Dialética da Colonização. São Paulo: Cia das Letras, P Cultura brasileira e culturas brasileiras. CARVALHO, J. M. Cidadania no Brasil. Rio de Janeiro. Civilização Brasileira DAMATTA, R. O que faz o brasil, Brasil? Rio de Janeiro: Rocco, FOUCAULT, M. Vigiar e punir. 28. ed. Petrópolis: Vozes, FLICK, W. Uma introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Bookman, KANE, DOCUMENTÁRIO. Muito além do cidadão Kane, título original: beyond citizen kane. título traduzido: muito além do cidadão kane. release: profil. origem/ano: 1994 gênero: documentário. duração: 90 m, 304 mb. direção: Raoul Simon Hartog. LUKES, S. O poder: uma visão radical. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, PERISSINOTTO, R.M. Poder: Imposição ou consenso ilusório? Por um retorno a Max Weber. In: R.F.Nobre (Org.). O poder no pensamento social. BHorizonte: Ed. UFMG, PFEFFER, Jeffrey. Gerir com Poder. Lisboa: Bertrand Editora, 1994 RESENDE, V. M. e RAMALHO, V. Análise de discurso crítica. S.Paulo:Contexto,2006. RUZZA, A. Rousseau e a crítica à representação política. Integração (USJT), São Paulo, p , 01 jul ZARIFIAN, P. Objetivo Competência. São Paulo: Atlas,

20 i Kane foi um personagem criado em outro filme, Citizen Kane, inspirado em William Randolph Hearst, capitalista de grande notoriedade na história da comunicação nos Estados Unidos. ii Por behaviorismo se entende o estudo comportamental nas organizações, no caso da temática aqui trabalhada, as manifestações observáveis do poder por meio das atitudes demonstradas pelos sujeitos. iii Kane faz menção a um ícone da imprensa americana, de garoto pobre no interior a magnata de um império dos meios de comunicação. Inspirado na vida do milionário William Randolph Hearst. iv No Brasil o Ibope foi a primeira empresa a apresentar índices de audiência na televisão, um ibope alto significa um programa assistido por milhares de pessoas, enquanto um ibope baixo significa poucas pessoas assistindo ao programa em exibição. v Segundo o documentário, a própria concessão das redes de comunicação pelo governo denuncia o poderio oculto da rede globo. 20

Televisão brasileira: o início da problemática 1

Televisão brasileira: o início da problemática 1 Televisão brasileira: o início da problemática 1 AUTOR: QUINTANA JÚNIOR, José CURSO: Comunicação Social Jornalismo/Unifra, Santa Maria, RS OBRA: CAPARELLI, Sérgio. Televisão e capitalismo no Brasil: com

Leia mais

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul 1919 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul Pâmela de Freitas Machado 1, Helena B.K.Scarparo 1 (orientadora) 1 Faculdade Psicologia,

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA (versão simples da Lei da Comunicação Social Eletrônica) CAPÍTULO 1 PARA QUE SERVE A LEI Artigo 1 - Esta lei serve para falar como vai acontecer de fato o que está escrito em alguns

Leia mais

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB.

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. Cinema como ferramenta de aprendizagem¹ Angélica Moura CORDEIRO² Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. RESUMO Este artigo pronuncia o projeto Criancine que

Leia mais

(Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos. na Educação de Surdos

(Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos. na Educação de Surdos (Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos na Educação de Surdos Por MARIA DE FÁTIMA DA SILVA CAVALCANTE Resumo: O presente artigo tem por objetivo discutir a Educação em Direitos Humanos como

Leia mais

Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia

Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia Sumário 07 11 12 12 13 13 13 14 15 15 17 18 19 20 21 21 23 Guia rápido

Leia mais

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR.

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. Autor: Wagner de Araújo Baldêz 1 - UFOP. Orientador: William Augusto Menezes 2 - UFOP. O objetivo desse artigo é relatar

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 106 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros

Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros Capítulo I - Do direito à informação Art. 1º O Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros tem como base o direito fundamental do cidadão à informação, que abrange

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP

Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP Brasil: qual é o teu negócio? 1 Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP RESUMO Baseado na composição

Leia mais

CAMPANHAS ELEITORAIS E COMUNICAÇÃO MIDIÁTICA: CICLOS DE MUDANÇA E CONTINUIDADE

CAMPANHAS ELEITORAIS E COMUNICAÇÃO MIDIÁTICA: CICLOS DE MUDANÇA E CONTINUIDADE CAMPANHAS ELEITORAIS E COMUNICAÇÃO MIDIÁTICA: CICLOS DE MUDANÇA E CONTINUIDADE 48 Monalisa Soares Lopes Universidade Federal do Ceará (UFC) monalisaslopes@gmail.com Os estudos da política contemporânea,

Leia mais

Do contrato social ou Princípios do direito político

Do contrato social ou Princípios do direito político Jean-Jacques Rousseau Do contrato social ou Princípios do direito político Publicada em 1762, a obra Do contrato social, de Jean-Jacques Rousseau, tornou-se um texto fundamental para qualquer estudo sociológico,

Leia mais

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação Valéria Amorim Arantes 1 Brigitte Ursula Stach Haertel

Leia mais

Propaganda ideológica. Baseado no livro: O que é Propaganda Ideológica de Nelson Jahr Garcia

Propaganda ideológica. Baseado no livro: O que é Propaganda Ideológica de Nelson Jahr Garcia Propaganda ideológica Baseado no livro: O que é Propaganda Ideológica de Nelson Jahr Garcia Propagandas: comerciais e eleitorais Estão em todo parte: televisão, rádio, cartazes; veículos; objetos... As

Leia mais

O LABORATÓRIO DE PESQUISA DA UNICARIOCA

O LABORATÓRIO DE PESQUISA DA UNICARIOCA Ingressar em um emprego mediante concurso público é ambição para muitas pessoas, isso se deve ao fato de que o salário oferecido, a estabilidade, os benefícios na maioria dos cargos é bastante superior

Leia mais

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL Coleção EDUCAÇÃO SUPERIOR Coordenação editorial: Claudenir Módolo Alves Metodologia Científica Desafios e caminhos, Osvaldo Dalberio / Maria

Leia mais

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS Perguntas e resposta feitas ao jornalisa Romário Schettino Perguntas dos participantes do 6 Seminário de Direito para Jornalistas

Leia mais

XI Reunião da RedPOP TRABALHO MODALIDADE ORAL ÁREA: JORNALISMO CIENTÍFICO DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA E TV UNIVERSITÁRIA: EXPERIÊNCIAS DA TV UNICAMP

XI Reunião da RedPOP TRABALHO MODALIDADE ORAL ÁREA: JORNALISMO CIENTÍFICO DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA E TV UNIVERSITÁRIA: EXPERIÊNCIAS DA TV UNICAMP XI Reunião da RedPOP TRABALHO MODALIDADE ORAL ÁREA: JORNALISMO CIENTÍFICO DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA E TV UNIVERSITÁRIA: EXPERIÊNCIAS DA TV UNICAMP MORETTI, Luiza H. A.B. mestranda em Divulgação Científica

Leia mais

POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE. Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa²

POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE. Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa² POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa² 1. 2. Bolsista UEMS, Acadêmica do Curso de Enfermagem da UEMS Professora do Curso de Ciências Biológicas

Leia mais

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil.

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. RADIOBRÁS Empresa Brasileira de Comunicação S. A. Diretoria de Gestão de Pessoas e Administração

Leia mais

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos Luciana Aleva Cressoni PPGPE/UFSCar Depois de uma palavra dita. Às vezes, no próprio coração da palavra se reconhece o Silêncio. Clarice Lispector

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 DO ACONTECIMENTO

Leia mais

PROJETO TE VEJO NA ESCOLA

PROJETO TE VEJO NA ESCOLA PROJETO TE VEJO NA ESCOLA Flávia Oliveira Machado 1 Isabela Mayara Cheida José Leonardo Gallep Maria do Carmo Palhaci (coordenadora) Maria Helena Gamas (coordenadora) RESUMO O projeto em questão visa a

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO

A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO GT 02 Educação Matemática no Ensino Médio e Ensino Superior Janete Jacinta Carrer Soppelsa UCS - jsopelsa@gmail.com Raquel

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Não é fácil situar-nos diante da questão da paz na atual situação do mundo e do nosso país. Corremos o risco ou de negar a realidade ou de não reconhecer o sentido

Leia mais

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL 3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL Os fundamentos propostos para a nova organização social, a desconcentração e a cooperação, devem inspirar mecanismos e instrumentos que conduzam

Leia mais

PORTARIA PGR Nº 107 DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014.

PORTARIA PGR Nº 107 DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014. PORTARIA PGR Nº 107 DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014. Aprova o Guia para o Relacionamento com a Imprensa do Ministério Público Federal. O PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

Jornalismo Alternativo e a Internet: Uma Possibilidade Cidadã para a Notícia

Jornalismo Alternativo e a Internet: Uma Possibilidade Cidadã para a Notícia Jornalismo Alternativo e a Internet: Uma Possibilidade Cidadã para a Notícia GARRIDO, Bibiana 1 MAGNONI, Antônio Francisco 2 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP RESUMO Neste breve relato de experiência

Leia mais

O processo de planejamento participativo da unidade escolar

O processo de planejamento participativo da unidade escolar O processo de planejamento participativo da unidade escolar Pedro GANZELI 1 Resumo: Nos últimos anos, com o avanço das políticas educacionais que postulam a descentralização, a gestão da unidade escolar

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

A POLÍTICA, AS RELAÇÕES DE PODER NA ESCOLA E A FORMAÇÃO PARA A CIDADANIA

A POLÍTICA, AS RELAÇÕES DE PODER NA ESCOLA E A FORMAÇÃO PARA A CIDADANIA A POLÍTICA, AS RELAÇÕES DE PODER NA ESCOLA E A FORMAÇÃO PARA A CIDADANIA Maria do Socorro da Cunha Pontifícia Universidade Católica do Paraná Resumo: A presente texto tem, como objetivo, tecer considerações

Leia mais

Inovação e o Telejornalismo Digital

Inovação e o Telejornalismo Digital Inovação e o Telejornalismo Digital Prof. Antonio Brasil Cátedra UFSC - RBS 2011 Telejornalismo Digital Novas práticas, desafios e oportunidades O que é Telejornalismo Digital Inovação tecnológica Interatividade

Leia mais

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 JUNIOR, Carlos de Faria 1 FERNANDES, Priscila Mendonça 2 Palavras-Chave: Indústria Cultural. Regime Militar. Telenovelas. Introdução O projeto consiste

Leia mais

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo MARTINS, André Ricardo Nunes. A polêmica construída: racismo e discurso da imprensa sobre a política de cotas para negros. Brasília: Senado Federal, 2011, 281p. O livro intitulado A polêmica construída:

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

Resenha. Jackson de SOUZA 1

Resenha. Jackson de SOUZA 1 Resenha As armas da persuasão: como influenciar e não se deixar influenciar (CIALDINI, Robert B. [tradução de Ivo Korytowski]; Rio de Janeiro: Sextante, 2012) Jackson de SOUZA 1 Embora todos queiram tomar

Leia mais

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA Rouseleyne Mendonça de Souza NEVES Mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG Órgão financiador: CAPES

Leia mais

Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985) e República Nova (Redemocratização do Brasil) (1985-2010)

Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985) e República Nova (Redemocratização do Brasil) (1985-2010) Trabalho de História Recuperação _3ºAno Professor: Nara Núbia de Morais Data / /2014 Aluno: nº Ens. Médio Valor: 40 Nota: Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985)

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA

COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N o 3.771, DE 2004 Dispõe sobre a identificação obrigatória da localização de paisagens de interesse turístico nas condições que

Leia mais

O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB

O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB Introdução Este trabalho se insere nas discussões atuais sobre relação étnico-cultural

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

A IMAGEM DA PROPAGANDA NO BRASIL

A IMAGEM DA PROPAGANDA NO BRASIL A IMAGEM DA PROPAGANDA NO BRASIL Medição 2004 Menção obrigatória: Pesquisa encomendada ao IBOPE pela ABP- Associação Brasileira de Propaganda Série histórica iniciada em 2002 Principais objetivos - Avaliar

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA"

Mostra de Projetos 2011 PROJETO DIREITO E CINEMA Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA" Mostra Local de: Cornélio Procópio. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido). Cidade: Cornélio

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

Mídia e Comunicação Cenário e desafios para a democracia e a liberdade de expressão. Veridiana Alimonti, advogada do Idec e integrante do Intervozes

Mídia e Comunicação Cenário e desafios para a democracia e a liberdade de expressão. Veridiana Alimonti, advogada do Idec e integrante do Intervozes Mídia e Comunicação Cenário e desafios para a democracia e a liberdade de expressão Veridiana Alimonti, advogada do Idec e integrante do Intervozes Liberdade de Expressão! Para quem? Marco internacional

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

VOTO ABERTO E VOTO FECHADO NO CONGRESSO NACIONAL

VOTO ABERTO E VOTO FECHADO NO CONGRESSO NACIONAL ESTUDO VOTO ABERTO E VOTO FECHADO NO CONGRESSO NACIONAL Márcio Nuno Rabat Consultor Legislativo da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política, História, Relações Internacionais ESTUDO DEZEMBRO/2007

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica Composição fotográfica É a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Os arranjos são feitos colocando-se figuras ou objetos em determinadas posições. Às vezes, na

Leia mais

EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA?

EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA? EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA? Elisane Scapin Cargnin 1 Simone Arenhardt 2 Márcia Lenir Gerhardt 3 Eliandra S. C. Pegoraro 4 Edileine S. Cargnin 5 Resumo: Diante das inúmeras modificações

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

I Semana de Educação Matemática da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB.

I Semana de Educação Matemática da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB. I Semana de Educação Matemática da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB. Tema: Educação Inclusiva. Palestrante: Professor Nivaldo Vieira Santana Inicialmente desejo agradecer aos organizadores

Leia mais

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS A língua, na concepção da sociolingüística, é intrinsecamente

Leia mais

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO 1 POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO SOUSA, Grazielle de Jesus Leal de 1 RESUMO O ensino de língua portuguesa ainda é visto por muitas pessoas como um ensino mecânico, cheio de regras e

Leia mais

PROJETOS CULTURAIS ELEIÇÕES. 5 0 a O - fu dame tal. Votar é uma forma de lutar pelos nossos direitos. Justificativa

PROJETOS CULTURAIS ELEIÇÕES. 5 0 a O - fu dame tal. Votar é uma forma de lutar pelos nossos direitos. Justificativa ELEIÇÕES ELEIÇÕES 5 0 a O - fu dame tal Votar é uma forma de lutar pelos nossos direitos. Justificativa PROJETOS CULTURAIS Estamos em época de eleições, em tempo de discutir ideias para fazer a melhor

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO 1. Oficina de Produção CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO Duração: 03 dias Público ideal: grupos de até 15 pessoas Objetivo: Capacitar indivíduos ou grupos a produzirem pequenas peças

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA Josenilson Felizardo dos Santos 1 INTRODUÇÃO É possível compreender o papel da escola diante de todo o processo de ensino aprendizagem. E

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

Primeiro Contato Histórias reais de um mundo desconhecido 1

Primeiro Contato Histórias reais de um mundo desconhecido 1 Primeiro Contato Histórias reais de um mundo desconhecido 1 Gabriela VICENTINO 2 Ivo STANKIEWICZ 3 Kelly Cristina SILVA 4 Mylena GAMA 5 Otávio Fernando LOPES 6 José Carlos FERNANDES 7 Pontifícia Universidade

Leia mais

OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL E SUA INFLUÊNCIA NA REPRESENTAÇÃO DE AMBIENTE EM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Lucia de Fatima Estevinho Guido

OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL E SUA INFLUÊNCIA NA REPRESENTAÇÃO DE AMBIENTE EM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Lucia de Fatima Estevinho Guido OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL E SUA INFLUÊNCIA NA REPRESENTAÇÃO DE AMBIENTE EM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Lucia de Fatima Estevinho Guido Universidade Federal de Uberlândia Este trabalho apresenta resultados

Leia mais

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança.

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. Jaquelaine SOUSA 1 Dalva Borges de SOUZA 2 Programa de Pós-Graduação em Sociologia/Faculdade de Ciências

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

AÇÕES AFIRMATIVAS: UMA INVESTIGAÇÃO FILOSÓFICA

AÇÕES AFIRMATIVAS: UMA INVESTIGAÇÃO FILOSÓFICA AÇÕES AFIRMATIVAS: UMA INVESTIGAÇÃO FILOSÓFICA Gabriel Goldmeier * RESUMO: O aprimoramento do debate público sobre um tema tão polêmico quanto o das ações afirmativas é fundamental. A fim de colaborar

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Os desafios da Comunicação Pública Jorge Duarte 1

Os desafios da Comunicação Pública Jorge Duarte 1 Os desafios da Comunicação Pública Jorge Duarte 1 Termo até então desconhecido, Comunicação Pública agora é nome de curso de pós-graduação, título de livros, de artigos e pesquisas. Nós, na Secretaria

Leia mais

Comunicação Organizacional no Terceiro Setor: a experiência do Brasil Vivo

Comunicação Organizacional no Terceiro Setor: a experiência do Brasil Vivo Comunicação Organizacional no Terceiro Setor: a experiência do Brasil Vivo Adalberto NUNES (Universidade de Brasília) 1 Élida SANTOS (Universidade de Brasília) 2 Gabriel PONTES (Universidade de Brasília)

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010. Regional

Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010. Regional Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010 Regional Julho de 2010 Pesquisa de Avaliação Campanha Brasil 2010 - Regional No período entre 28 de junho e 02 de julho de 2010 foram realizados os Grupos Focais

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

Ações de Comunicação Realizadas pelo Ministério da Saúde de 2007 a 2010

Ações de Comunicação Realizadas pelo Ministério da Saúde de 2007 a 2010 Ações de Comunicação Realizadas pelo Ministério da Saúde de 2007 a 2010 O período entre 2007 e 2010 foi de grande desafio para a comunicação. Além de inovar em campanhas tradicionais do setor, como amamentação,

Leia mais

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo Artes Audiovisuais: Estratégia cooperativa na modalidade Educação Jovem e Adulta - EJA STEFANELLI, Ricardo 1 Instituto Federal de Educação Tecnológica de São Paulo RESUMO O presente trabalho na disciplina

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO ESTILO E IDENTIDADE Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO Introdução Por milhares de anos, foi possível concordar que a mais importante linguagem do homem

Leia mais

O SIGNIFICADO DO ENSINO DE BIOLOGIA PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

O SIGNIFICADO DO ENSINO DE BIOLOGIA PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS O SIGNIFICADO DO ENSINO DE BIOLOGIA PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Maikon dos Santos Silva 1 Mirian Pacheco Silva 2 RESUMO: Muitos alunos da Educação de Jovens e Adultos não relacionam

Leia mais

Publicidade e Propaganda - Radialismo. Apresentação da ementa

Publicidade e Propaganda - Radialismo. Apresentação da ementa Publicidade e Propaganda - Radialismo Apresentação da ementa Professor substituto da Universidade Federal do Mato Grosso (disciplina Estatuto da Criança e do Adolescente; Direito Penal e Direito e Ética

Leia mais

Incorporando a teoria e refletindo sobre a prática em dança contemporânea

Incorporando a teoria e refletindo sobre a prática em dança contemporânea Incorporando a teoria e refletindo sobre a prática em dança contemporânea Suzi Weber Departamento do Teatro da UFRGS Mestra (Université du Québec à Montreal (UQAM) Doutoranda Resumo: O corpo social refere-se

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno A crise de representação e o espaço da mídia na política RESENHA Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno Rogéria Martins Socióloga e Professora do Departamento de Educação/UESC

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Edda Curi Resumo Os Parâmetros Curriculares Nacionais de Matemática dos Ensinos Fundamental e Médio enfatizam como um critério essencial para

Leia mais

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes 1 Introdução A ascensão do sistema capitalista forjou uma sociedade formatada e dividida pelo critério econômico. No centro das decisões econômicas, a classe proprietária de bens e posses, capaz de satisfazer

Leia mais

Cinema e História - um olhar cultural sobre os espaços de sociabilidades

Cinema e História - um olhar cultural sobre os espaços de sociabilidades Cinema e História - um olhar cultural sobre os espaços de sociabilidades Eliane A Silva Rodrigues * Desde que a humanidade se afirmou capitalista, conheceu a modernidade e as indústrias se desenvolveram

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008;

CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008; CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014 Dispõe sobre propostas para adequação do Plano de Trabalho 2015 da EBC. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008; Considerando que o Plano de

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA E O COMPROMISSO SOCIAL

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA E O COMPROMISSO SOCIAL A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA E O COMPROMISSO SOCIAL Ferreira, Aparecida de Jesus Unioeste/Cascavel A língua Inglesa sem dúvida é, hoje, a língua mais falada e utilizada no mundo como língua

Leia mais