UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO MESTRADO EM COMUNICAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO MESTRADO EM COMUNICAÇÃO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO MESTRADO EM COMUNICAÇÃO A representação das identidades homossexuais nas telenovelas da Rede Globo: uma leitura dos personagens protagonistas no período da censura militar à televisão Juiz de Fora Março de 2012

2 Guilherme Moreira Fernandes A representação das identidades homossexuais nas telenovelas da Rede Globo: uma leitura dos personagens protagonistas no período da censura militar à televisão. Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Comunicação, área de concentração: Comunicação e Sociedade; linha de pesquisa: Comunicação e Identidades, da Universidade Federal de Juiz de Fora, como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre em Comunicação. Orientadora: Profª. Drª. Maria Cristina Brandão de Faria Juiz de Fora Março de 2012

3 Fernandes, Guilherme Moreira. A representação das identidades homossexuais nas telenovelas da Rede Globo: uma leitura dos personagens protagonistas no período da censura militar à televisão / Guilherme Moreira Fernandes f. : il. Dissertação (Mestrado em Comunicação)-Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, Telenovela. 2. Homossexualidade. 3. Identidade. 4. Televisão. 5. Censura. I. Título.

4 Guilherme Moreira Fernandes A representação das identidades homossexuais nas telenovelas da Rede Globo: uma leitura dos personagens protagonistas no período da censura militar à televisão. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-graduação em Comunicação, área de concentração: Comunicação e Sociedade; linha de pesquisa: Comunicação e Identidades, da Universidade Federal de Juiz de Fora, como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre em Comunicação. Orientadora: Profª. Drª. Maria Cristina Brandão de Faria Dissertação aprovada em 28/03/2012 pela banca composta pelos seguintes membros: Profª. Drª. Maria Cristina Brandão de Faria Orientadora Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF Prof. Dr. Aluizio Ramos Trinta Convidado Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF Profª. Drª. Maria Immacolata Vassallo de Lopes Convidada Universidade de São Paulo - USP Conceito Obtido:

5 Dedico esta dissertação a quatro mulheres importantes na minha vida e que, infelizmente, não estão mais entre nós: À minha avó Dorinha Stopato; À minha avó Maria Umbelino; À minha tia Norma Fernandes; À minha professora e amiga Nelma Fróes.

6 AGRADECIMENTOS Esse trabalho não seria o mesmo se não fosse a ajuda e empenho de algumas pessoas que gostaria de agradecer. Primeiramente, agradeço os meus familiares, especialmente minha mãe, Maria de Fátima Moreira; meu pai, Etelvino de Oliveira Fernandes; minhas irmãs Ana Cristina, Fernanda e Andressa; e a minha madrinha Leninha Fernandes. Também não posso deixar de agradecer meus tios, tias, primos e sobrinhos, especialmente as sempre presentes Tia Carmem, Tia Rita e Tia Ana; minha avó Terezinha e meu bisavô Geraldo. Agradeço especialmente minha orientadora, Maria Cristina Brandão de Faria, pela amizade, confiança e por me convidar para do grupo Obitel. Tenho certeza que vivemos bons momentos durante esses dois anos. À Ana Brandão, secretária do PPGCOM e nossa super mãe. Agradeço aos professores da Facom-UFJF, pelos conselhos e confiança no meu trabalho, em especial: Aluizio Trinta, Christina Musse, Wedencley Alves, Iluska Coutinho, Paulo Roberto Leal, Boanerges Lopes, Marise Mendes e Cláudia Lahni. Agradeço também a todos os professores que fizeram parte de minha vida desde minha primeira infância. Agradeço aos amigos (presenciais e virtuais) que se dispuseram a discutir comigo, emprestar material e me ajudar nos momentos de estresse: Fulvio Flores, Patrícia Mendes, Claiton Cesarewski, Rogério Terra, Álvaro Nunes, Claudinha Figueiredo, Flávio Lins, Evandro Medeiros, Flávia Crizanto, Marise Baesso, Sílvia Gomide, Adriana Agostini, Raphael Carvalho, Rafael Grohmann, Francislene de Paula, Marcello Machado, Thais Torres, Diogo Mendes, Paulinho Jones, Arthur Ovidio, Sabina Anzuategui, Guilherme Salviano, Abraão Gouvêa, Donizetti Teixeira, Fábio Durso, Cibele Carneiro, Meire Vieira, Dircimar Carneiro, Aparecida Firmo, Sérgio Benatti, Alexandre Serpa, Durval Teixeira, Diego Noronha, Camila Silva, Eduardo Mendes, Fábio Costa (e demais membros da comunidade Teledramaturgia do Orkut); E, especialmente, André Tavares, Alan Rodrigues e Maria José Oliveira. Agradeço a confiança e paciência dos meus alunos de Pesquisa em Comunicação e Teledramaturgia; à época de meu Estágio Docência. Aos amigos da Rede Folkcom e do Obitel. Ao Centro de Estudos de Telenovela (CETVN) da ECA-USP; em especial as professoras Maria Immacolata Vassallo de Lopes e Maria Cristina Palma Mungioli. À Rede Globo de Televisão, em especial ao Globo Universidade (GU) e o Centro de Documentação (Cedoc), pelo amplo apoio a esta pesquisa; especialmente a atenção recebida por Viviane Tanner (GU), Laura Martins (Cedoc) e suas equipes. À CAPES e a PROPG pela concessão da bolsa de pesquisa.

7 And now the end is near So I face the final curtain My friend, I'll say it clear I'll state my case of which I'm certain I've lived a life that's full I've traveled each and every highway And more, much more than this I did it my way Regrets, I've had a few But then again, too few to mention I did what I had to do And saw it through without exception I planned each charted course Each careful step along the byway Oh, and more, much more than this I did it my way Yes, there were times, I'm sure you knew When I bit off more than I could chew But through it all when there was doubt I ate it up and spit it out I faced it all and I stood tall And did it my way I've loved, I've laughed and cried I've had my fails, my share of losing And now as tears subside I find it all so amusing To think I did all that And may I say, not in a shy way Oh, no, no not me I did it my way For what is a man, what has he got If not himself, then he has not To say the words he truly feels And not the words of one who kneels The record shows I took the blows And did it my way The record shows I took the blows And did it my way (MY WAY - PAUL ANKA)

8 RESUMO Nossa dissertação parte dos conceitos de identidade cultural na contemporaneidade à luz de autores filiados aos Estudos Culturais, ao Interacionismo Simbólico e ao Pós-estruturalismo. A partir das conceituações de identidades, passamos a discutir as identidades de orientação sexual e de gênero. Também observamos a narrativa da telenovela como forma de revelar a nação em uma época marcada pela censura federal à televisão. No processo construtivo da narrativa daremos ênfase aos personagens homossexuais nas telenovelas da Rede Globo, protagonistas de histórias escritas em pleno controle oficial da censura, mas que, de certa forma, abordaram ora timidamente, ora com mais contundência a homossexualidade de personagens centrais dessas tramas. Nosso recorte temático versou os protagonistas homossexuais desta época, assim analisamos com profundidade, de acordo com as premissas da Análise de Conteúdo de Laurence Bardin, três telenovelas. A primeira, O Rebu, de Bráulio Pedroso, exibida em 1974, narrou a festa oferecida por Conrad Mahler para recepcionar uma princesa italiana. Durante a festa, um crime é cometido pelo próprio anfitrião, sendo uma relação homoafetiva um dos motivos do assassinato. Ainda em O Rebu, Roberta e Glorinha abandonam seus respectivos maridos e passam a viver juntas. A telenovela seguinte, Os Gigantes, de Lauro César Muniz, 1979, narra a história de Paloma Gurgel, uma mulher livre, a frente do seu tempo, que se permitia inclusive uma relação com outra mulher. Por fim, em Brilhante de Gilberto Braga (1981), acompanhamos os dilemas de Inácio, um homossexual que sofreu para ser aceito por sua família. Concluímos a importância das telenovelas mostrarem personagens LGBTs em um período onde à censura inibia a sociedade de debater, em esfera pública, essa possibilidade de cidadania. PALAVRAS-CHAVE: Telenovela; Homossexualidade; Identidade; Televisão; Censura.

9 ABSTRACT This master s thesis is based on the concepts of cultural identity in contemporaneity in the light of authors linked to Cultural Studies, Symbolic Interactionism and Post-Structuralism. We first focus on identity concepts and after discuss sexual orientation and gender identities. We also observe the soap opera narrative as a form of revealing the nation in a time marked by federal censorship on television. In the constructive process of the narrative we will emphasize the homosexual characters in Rede Globo s telenovelas, protagonists of stories written under the official control of censorship, but that in a way approached sometimes timidly, sometimes more incisively the homosexuality of main characters of these plots. Our thematic focus is on the homosexual characters of this period, so we have analyzed three telenovelas in accordance with the premises of the Content Analysis by Laurence Bardin. The first telenovela is O Rebu, by Bráulio Pedroso, aired in 1974, which presented the story of a party offered by Conrad Mahler to entertain an Italian princess. During the party, the host commits a crime, being a homoaffective relationship one of the reasons of the murder. In this telenovela, Roberta and Glorinha leave their husbands and move together. The second one is Os Gigantes, by Lauro César Muniz, aired in 1979, in which Paloma Gurgel, a free woman ahead of her time takes the liberty of relating herself to another woman. The third one is Brilhante, by Gilberto Braga, aired in In this telenovela we follow the predicaments of Inácio, a homosexual who suffers to be accepted by his family. We argue for the importance of telenovelas showing LGBT characters in a period in which censorship repressed society from publicly debating this possibility of citizenship. KEYWORDS: Telenovela; Homosexuality; Identity; Television; Censorship.

10 SUMÁRIO INTRODUÇÃO TELENOVELA E HOMOSSEXUALIDADE: O QUE DIZEM AS PESQUISAS JÁ REALIZADAS IDENTIDADES E SEXUALIDADES: A PERSPECTIVA CONTEMPORÂNEA O DEBATE CONTEMPORÂNEO SOBRE AS IDENTIDADES IDENTIDADES HOMOSSEXUAIS: HISTÓRIAS E CONTEMPORANEIDADES Identidades de Gênero: de Scott à Butler BREVE HISTÓRIA DO MOVIMENTO HOMOSSEXUAL MINORIAS E HOMOSSEXUALIDADE TEORIA QUEER E TRANSGRESSÃO IDENTITÁRIA A estética camp Diálogos possíveis: Teoria Queer e Estudos Culturais TELENOVELA, CIDADANIA E REPRESENTAÇÃO IDENTITÁRIAS BREVE HISTÓRIA DA TELEFICÇÃO NO BRASIL A HOMOSSEXUALIDADE NO TELETEATRO BRASILEIRO 122

11 3.3 CIDADANIAS, IDENTIDADES E PROJEÇÕES NA TELENOVELA A TELENOVELA NARRANDO A NAÇÃO: DENTRO E FORA DA ESFERA PÚBLICA A CENSURA DURANTE O REGIME MILITAR E A REPRESENTAÇÃO DAS IDENTIDADES HOMOSSEXUAIS NAS TELENOVELAS A CENSURA MILITAR E A TELEDRAMATURGIA BRASILEIRA A TRAJETÓRIA DOS PERSONAGENS HOMOSSEXUAIS NO CONTEXTO DA CENSURA MILITAR Assim na terra como no céu O Grito O astro Dancin Days Marron Glacé Ciranda de pedra Partido Alto UMA PROPOSTA DE ANÁLISE TELEFICCIONAL A ANÁLISE DE CONTEÚDO SEGUNDO BARDIN CATEGORIAS TEMÁTICAS DA NOSSA ANÁLISE DE CONTEÚDO Manifestação de amor e afetividade homoconjugal Processo de coming out e a narrativa da revelação Família (como a família lida com a orientação homossexual) A homossexualidade vista por outros personagens fora do núcleo 215

12 familiar Relacionamentos heterossexuais que perturbam à ordem do romance homossexual; O Happy end (a narrativa dos felizes para sempre); Destaque da telenovela como foi a representação da homossexualidade e o que a distingue das outras tramas A OUSADIA TEMÁTICA EM O REBU DE BRÁULIO PEDROSO CONRAD MAHER: O OTELO REPRESENTADO POR ZIEMBINSKI Manifestação de amor e afetividade homoconjugal Relacionamentos heterossexuais que perturbam a ordem do romance homossexual ROBERTA E GLORINHA: MUITO MAIS DO QUE BOAS AMIGAS Manifestação de amor e afetividade homoconjugal; Processo de coming out e a narrativa da revelação A homossexualidade vista por outros personagens fora do núcleo 250 familiar O Happy end (a narrativa dos felizes para sempre) DESTAQUE DA TELENOVELA COMO FOI A REPRESENTAÇÃO DA HOMOSSEXUALIDADE E O QUE A DISTINGUE DAS OUTRAS TRAMAS A TENTATIVA EM OS GIGANTES DE LAURO CÉSAR MUNIZ A HOMOSSEXUALIDADE NA TRAMA Manifestação de amor e afetividade homoconjugal DESTAQUE DA TELENOVELA COMO FOI A REPRESENTAÇÃO DA HOMOSSEXUALIDADE E O QUE A DISTINGUE DAS OUTRAS TRAMAS 275

13 8. A HISTÓRIA BRILHANTE DE GILBERTO BRAGA A HOMOSSEXUALIDADE NA TRAMA Manifestação de amor e afetividade homoconjugal; Família (como a família lida com a orientação homossexual) A homossexualidade vista por outros personagens fora do núcleo familiar Relacionamentos heterossexuais que perturbam à ordem do romance homossexual O Happy end (a narrativa dos felizes para sempre) DESTAQUE DA TELENOVELA COMO FOI A REPRESENTAÇÃO DA HOMOSSEXUALIDADE E O QUE A DISTINGUE DAS OUTRAS TRAMAS 324 CONCLUSÃO 330 FONTES DE PESQUISA 337 FONTES PRIMÁRIAS 337 FONTES JORNALÍSTICAS E DE DEPOIMENTOS 338 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 341 ANEXOS 352

14 12 INTRODUÇÃO Em fevereiro de 1952 foi ao ar, pela TV Tupi de São Paulo, o último capítulo da primeira telenovela brasileira, Sua Vida me Pertence, de Walter Forster. Sessenta anos depois, redigi uma dissertação de mestrado sobre o tema. Uma homenagem à telenovela brasileira, este foi um dos meus objetivos ao escrever estas páginas. A telenovela brasileira lança modas, costumes e hábitos. Suas histórias encantam e já encantaram muitos brasileiros, que se viram representados nos diversos plots 1 criados pelos autores. As histórias e as representações foram muitas. Desta forma, foi necessário criar um recorte do público representado e, também, do período, para a realização desta homenagem. Desde que acompanhei, assim como milhares de brasileiros, o desfecho do personagem Júnior (Bruno Gagliasso) da telenovela América de Glória Perez, em 2005, me perguntei sobre a trajetória dos personagens homossexuais na televisão brasileira. Naquela época, o comentário da impressa era que seria exibido o primeiro beijo homossexual da TV no Brasil. Infelizmente, naquela telenovela, apesar de a autora ter afirmado a gravação da cena, ela não foi exibida. Nossas pesquisas nos levaram a duas constatações. A primeira delas é que aquele não foi e nem seria o primeiro beijo homossexual da televisão, pois ele já havia acontecido no teleteatro nos idos de 1963, entre as atrizes Vida Alves e Geórgia Gomide. A Rede Manchete, em 1990, também mostrou um beijo entre dois homens na minissérie Mãe de Santo, entre os personagens Rafael (Rai Alves) e Lúcio (Thiago Justino), dois jovens universitários, que se 1 Em linguagem televisual, o termo plot é usado como sinônimo de enredo, trama ou fábula: uma cadeia de acontecimentos, organizada segundo um modo dramático, escolhido pelo autor. (CAMPEDELLI, 2001, p. 92).

15 13 conheceram na Bahia. A segunda constatação é que, ao contrário da nossa crença até então, um beijo homoafetivo não é a representação mais importante das identidades homossexuais. O público que gostaríamos de retratar nas telenovelas já estava escolhido: os homossexuais. Faltava ainda um norte para a pesquisa. O primeiro que estabelecemos foi o de trabalhar com as telenovelas da Rede Globo, a principal produtora desse gênero no Brasil e uma das principais do mundo. Parte dessa pesquisa, desenvolvemos durante nossa monografia de conclusão de curso em Comunicação Social, porém, estávamos mais preocupados com a pesquisa de recepção. À época, aplicamos uma pesquisa de opinião e realizamos um grupo focal, com cenas das telenovelas globais a partir de (FERNANDES, 2009a). Nosso projeto de mestrado também visava dar continuidade aos estudos de recepção, contudo, a partir de leituras de teses e dissertações que abordavam a homossexualidade nas telenovelas percebemos uma carência de informações sobre a trajetória dos personagens homossexuais nas telenovelas brasileiras. A partir desse ponto, foi esta trajetória e as formas de representação LGBT 2 (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transsexuais) nosso problema de pesquisa. Não encontramos praticamente nenhuma referência sobre as telenovelas globais da década de 1970 e Sabíamos da existência de personagens LGBT, mas não tínhamos dados concretos do enredo. Foi então que decidimos submeter nosso projeto de pesquisa do projeto Globo Universidade (GU) das Organizações Globo. Com o aceite do projeto, tivemos 2 Em 2008 realizou-se, em Brasília, uma Conferência Nacional GLBT inédita, com o objetivo de elaborar propostas para o Plano Nacional de Promoção da Cidadania e Direitos Humanos de LGBT. A denominação LGBT aqui usada segue a fórmula aprovada nessa Conferência, referindo-se a lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais. Antes disso, o XII Encontro Brasileiro de Gays, Lésbicas e Transgêneros, de 2005, incluiu oficialmente o B de bissexuais e convencionou que o T referia-se a travestis, transexuais e transgêneros. Embora, com a deliberação da I Conferência Nacional, a sigla LGBT venha predominando nos meios ativistas, ela eventualmente assume outras variantes, que inverte a ordem das letras (colocando o T à frente do B ), duplicam o T (para distinguir entre travestis e transexuais, por exemplo) [em alguns casos também há triplicação do T, para além de travestis e transexuais; distingui-los dos transgêneros] ou acrescentam novas letras que remetem a outras identidades (como I de intersexual e/ou Q de queer ). (adaptado de SIMÕES e FACCHINI, 2009, p. 15). Os significados das letras vão ser expostos no segundo capítulo.

16 14 acesso aos scripts com todos os capítulos das telenovelas que iríamos estudar. Fomos duas vezes ao Cedoc (Centro de Documentação da Rede Globo) fazer a leitura. Tíamos um universo muito grande de informações e um tempo relativamente escasso para concluir o mestrado. Desta forma, tivemos que realizar um recorte temporal, já que não havia como retratar toda a trajetória dos personagens homossexuais. Foi então que privilegiamos o período mais carente de informações sobre esses personagens: o da censura militar à televisão. Não objetivamos reconstruir historiograficamente esse período. Faremos apenas alguns apontamentos sobre os generais-presidentes e focaremos a prática da censura. Notamos que este é outro tema muito carente de estudos em nível stricto sensu. Encontramos pouquíssimos materiais que versassem especificamente sobre a censura às telenovelas. Desta forma, a história nos foi contada pelos autores, diretores e produtores. Foram as experiências que eles viveram sob a censura que nos serviram de base teórica. Como forma metodológica, exploramos o material empírico (os scripts de telenovelas), juntamos críticas de jornais e revista sobre as tramas e anotamos os principais diálogos dos personagens homossexuais nessas tramas. Como o material e as formas de abordá-lo seriam múltiplas, optamos por trabalhar em profundidade as novelas que apresentavam o homossexual como parte do núcleo dos protagonistas, em que sua homossexualidade, de certa forma, ocupava grande importância narrativa. Para essas telenovelas a saber: O Rebu (1974, de Bráulio Pedroso), Os Gigantes (1979, de Lauro César Muniz) e Brilhante (1981, de Gilberto Braga) utilizamos a técnica da análise categorial de conteúdo, concebida por Laurence Bardin. Esse caminho metolodógico foi escolhido por acreditarmos que seria o que melhor nos permitiria explorar, em profundidade, o material. Desta forma, juntamos o material que colhemos no Cedoc e o dividimos em categorias temáticas; englobando, assim,

17 15 todo o enredo do universo homoafetivo dessas três telenovelas analisadas em capítulos separados. As demais telenovelas com personagens homossexuais no período da censura militar à televisão foram estudas de forma exploratória, apenas apresentando os personagens homossexuais. Não utilizamos nosso protocolo metodológico para estudá-las, apenas descrevemos como foi a representação da homossexualidade. Além da Análise de Conteúdo, utilizamos a pesquisa bibliográfica para realizar essa pesquisa. Recorremos, também, às pesquisas stricto sensu para nos revelar o estado da arte, ou melhor, a ciência constituída, sobre os objetos telenovela e homossexualidade. As pesquisas de mestrado e doutorado que versaram a homossexualidade nas telenovelas fazem parte do nosso primeiro capítulo. Encontramos oito dissertações de mestrado (TREVIZANI, 2002; MARQUES, 2003; PERET, 2005; TONON, 2005; GOMIDE, 2006; LIMA, 2007; SOARES, 2009; e TRINDADE, 2010) e uma tese de doutorado (BORGES, 2008). Procuramos neste capítulo justificar o período histórico que vamos trabalhar. O segundo capítulo vai estabelecer as concepções contemporâneas das identidades, à luz de distintas correntes, como os Estudos Culturais, o Interacionismo Simbólico e os estudos Pós-estruturalistas. Ainda neste capítulo, serão explanadas algumas considerações sobre o que poderia ser chamado de identidade homossexual e identidade de gênero, levando em conta que tais conceitos não são fechados e por vezes são ambíguos. Orientação sexual não define uma identidade de gênero. O tópico traz ainda as ideias da teórica feminista Judith Butler, que radicalizou as propostas históricas e concebeu o gênero como um ato performático. Com Butler, veio a teoria queer, que propõe a acabar com os modelos normalizadores e binários. O conhecimento da teoria queer direcionou nossos olhares para outras questões. Acreditamos que a reflexão

18 16 sobre as identidades e o discurso que cada pessoa faz de si próprio seja fundamental para entender a representação no âmbito da telenovela. O capítulo seguinte trata da história da telenovela, passando pelas suas origens: o folhetim, o melodrama, as soap operas norte-americanas e as radionovelas cubanas. Nele também se busca retratar a experiência de personagens homossexuais no teleteatro brasileiro, tanto o paulista como o carioca. Para tal, comentaremos as peças Calúnia, Entre Quatro Paredes e O Caso Maurizius. O capítulo mostra ainda a telenovela como espaço para projeção de identidades e como recurso narrativo, utilizando as concepções dos professores Aluizio Ramos Trinta e Maria Immacolata Vassallo de Lopes. Em seguida, no quarto capítulo, vamos retratar a história da censura às telenovelas e a trajetória dos personagens homossexuais nas tramas globais de sete telenovelas no período histórico de 1964 a 1985: Assim na Terra como no Céu (1970 Dias Gomes); O Grito (1975 Jorge Andrade); O Astro (1977 Janete Clair); Dancin Days (1978 Gilberto Braga); Marron Glacé (1979 Cassiano Gabus Mendes); Ciranda de Pedra (1981 Teixeira Filho); e Partido Alto (1984 Glória Perez e Aguinaldo Silva). O capítulo seguinte vai mostrar nossas premissas metodológicas. Nele, definimos por trabalhar com a Análise de Conteúdo sistematizada por Laurence Bardin e elencamos as sete categorias temáticas que serão utilizadas para analisar em profundidade três telenovelas escolhidas: O Rebu, Os Gigantes e Brilhante. A escolha do uso da Análise de Conteúdo de Bardin se justifica por acreditarmos que é a técnica de pesquisa que melhor nos daria um panorama temático ao se preocupar com a análise da mensagem cumprindo critérios de sistematicidade e confiabilidade. Utilizamos as palavras do professor Wilson Corrêa da Fonseca Júnior (2006) para defendermos esta escolha metodológica: No contexto dos métodos de pesquisa em comunicação de massa, a análise de conteúdo ocupa-se basicamente com a análise de mensagens, o mesmo ocorrendo com a análise semiológica ou análise de discurso. As principais diferenças entre essas modalidades são que apenas a análise de conteúdo cumpre com os requisitos de sistematicidade e confiabilidade. (FONSECA JÚNIOR, 2006, p. 286).

19 17 E ainda a perspectiva de José Carlos Lozano A análise de conteúdo é sistemática porque se baseia num conjunto de procedimentos que se aplicam da mesma forma a todo o conteúdo analisável. É também confiável ou objetiva porque permite que diferentes pessoas, aplicando em separado as mesmas categorias à mesma amostra de mensagens, possam chegar às mesmas conclusões. (LOZANO, 1994, p ; apud FONSECA JÚNIOR, 2006, p. 286). Os capítulos que seguem (sexto, sétimo e oitavo) serão dedicados às análises dos personagens protagonistas nessas três telenovelas. No capítulo de O Rebu abordamos o triângulo amoroso formado por Mahler (Ziembinski), Cauê (Buza Ferraz) e Sílvia (Bete Mentes). Nessa mesma trama, também encontramos o casal Roberta (Regina Viana) e Glorinha (Isabel Ribeiro) que, mesmo não sendo os protagonistas da narrativa (papel que coube a Mahler, Sílvia e também a Boneco [Lima Duarte]), são importantes personagens para o desenrolar da narrativa. O capítulo de Os Gigantes vai destacar a liberal Paloma (Dina Sfat), uma mulher livre, a frente de seu tempo, capaz de tudo, até de uma relação amorosa com Renata (Lídia Brondi). O affair das duas ficou só na insinuação. Mas, a bissexualidade de Paloma era uma marca identitária. Por fim, em Brilhante o destaque caberá a Inácio (Dennis Carvalho) e seu sofrimento para ser aceito pelos pais, que queriam arranjar-lhe um casamento, acreditando ser a felicidade do filho. O capítulo realça ainda as figuras de Luísa (Vera Fisher), a amiga fiel; Sérgio (João Paulo Adour) e Cláudio (Buza Ferraz), parceiros homoafetivos de Inácio; e de Leonor (Renata Sorrah), sua esposa de fachada. Especialmente nesses capítulos de análises (como também estiveram presentes no quarto capítulo), inserimos uma série de diálogos dos personagens envolvidos com a orientação homossexual. Poderíamos ter apenas descrito, com nossas palavras, algumas cenas. Porém, como parte dessa homenagem, preferimos reproduzir os diálogos na íntegra. Assim como nas telenovelas, cada um dos capítulos dessa dissertação vai iniciar-se com a letra de uma música que reproduza o espírito do mesmo, é a nossa trilha sonora.

20 18 Não se afobe, não Que nada é pra já O amor não tem pressa Ele pode esperar em silêncio Num fundo de armário Na posta-restante Milênios, milênios No ar E quem sabe, então O Rio será Alguma cidade submersa Os escafandristas virão Explorar sua casa Seu quarto, suas coisas Sua alma, desvãos Sábios em vão Tentarão decifrar O eco de antigas palavras Fragmentos de cartas, poemas Mentiras, retratos Vestígios de estranha civilização Não se afobe, não Que nada é pra já Amores serão sempre amáveis Futuros amantes, quiçá Se amarão sem saber Com o amor que eu um dia Deixei pra você (Chico Buarque) FUTUROS AMANTES Com GAL COSTA

21 19 1. TELENOVELA E HOMOSSEXUALIDADE: O QUE DIZEM AS PESQUISAS JÁ REALIZADAS Este capítulo tem a finalidade de apresentar as pesquisas, em nível stricto sensu, que tinham como problema a relação da homossexualidade com a telenovela brasileira 3. Desta forma, não consideramos outros formatos ficcionais brasileiros ou estrangeiros. É justamente por meio do diagnóstico das pesquisas já realizadas nos programas de pós-graduação que nos propusemos a tratar, especificamente, da trajetória dos personagens homossexuais nas telenovelas no período da Ditadura Militar no Brasil, já que esse período, marcado pela forte censura federal, a nosso ver ainda não havia recebido devida atenção das pesquisas acadêmicas. Registros do Centro de Estudos de Telenovela (CETVN) da Escola de Comunicação e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo (USP) apontam a pesquisa O estereótipo visual da telenovela como instrumento de educação permanente de João Luís Van Tilburg (1975) como a primeira dissertação de mestrado sobre telenovela. No que diz respeito à pesquisa de doutorado, consta o trabalho de Mauro Wilton de Sousa (1986) A rosa púrpura de cada dia: trajetória de vida e cotidiano de receptores de telenovela como a primeira tese nesse campo de estudos. Em relação à homossexualidade, o primeiro estudo acadêmico, no Brasil, é a monografia de especialização de José Fábio Barbosa Filho, intitulada Homossexualismo em São Paulo: estudo de um grupo minoritário escrito em 1958, defendido em 1960 e publicado somente em O trabalho foi orientado por Florestan Fernandes e contou com Fernando Henrique Cardoso e Octavio Ianni na banca na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP. 3 Existem diversos outras pesquisas que não mencionamos aqui e que têm como objeto de estudo a homossexualidade nas telenovelas. Destacamos o trabalho desenvolvido pelo grupo CUS sob a coordenação do Prof. Dr. Leandro Colling. Para acesso aos textos, consultar: 4 Ver GREEN e TRINDADE (orgs.), 2005.

22 20 Todavia, a união desses dois objetos de estudos (homossexualidade e telenovela) é recente. Com base nos arquivos do CETVN e em pesquisas nos sites do Domínio Público 5 e da Capes 6 encontramos apenas oito dissertações e uma tese que focam especificamente os personagens homossexuais em telenovelas brasileiras. Localizamos outros trabalhos que também se dedicam a este tema, porém com um corpus de pesquisa maior, ou seja, trabalham com outros programas de TV, como humorísticos, seriados, entre outros. Desta forma, vamos refletir sobre os resultados desses trabalhos acadêmicos fazendo um cotejamento sobre eles e a nossa pesquisa, semelhanças e diferenças. O primeiro trabalho que encontramos foi a dissertação de William Caldas Trevizani, orientada por Elizabeth Gonçalves, defendida em 2002 no Programa de Pós- Graduação em Comunicação da Universidade Metodista de São Paulo. Intitulada O discurso da telenovela sobre a homossexualidade, a pesquisa de Trevizani foca, sobretudo, a telenovela Roda da Vida (2001) de Solange Castro Neves, exibida às 20h pela Rede Record. Nas palavras do pesquisador, sua dissertação busca investigar como a telenovela transforma em linguagem televisiva o discurso sobre a homossexualidade oferecido pela ciência e até que ponto esse discurso é realmente transmitido para o telespectador (TREVIZANI, 2002, p. 11). A escolha da trama da Rede Record é justificada porque à época do início da pesquisa, era a única que apresentou um homossexual entre seus personagens (TREVIZANI, 2002, p. 89). O foco do autor foi perceber as ferramentas das linguagens televisiva e de telenovela usadas para a simulação do real, para traduzir o discurso científico de forma a ser aceito como natural pelo espectador. Trevizani utilizou a metodologia da pesquisa descritiva, colhendo os dados com observação direta (gravação dos capítulos da telenovela e entrevista com a autora e os dois colaboradores) e indireta (referências teóricas). 5 Disponível em: <http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/pesquisaperiodicoform.jsp>. Pesquisa realizada em setembro de Disponível em: <http://capesdw.capes.gov.br/capesdw/teses.do>. Pesquisa realizada em setembro de 2011.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Prof. Dr. Cássio Tomaim Departamento de Ciências da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Cesnors Adaptação: Prof. Claudio Luiz Fernandes

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 A língua, a ciência e a produção de efeitos de verdade Programa Hora de Debate. Campanhas de prevenção contra DST: Linguagem em alerta SOM: abertura (Vinheta de abertura do

Leia mais

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA Rouseleyne Mendonça de Souza NEVES Mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG Órgão financiador: CAPES

Leia mais

Entrevista sobre o Programa Pica

Entrevista sobre o Programa Pica Entrevista sobre o Programa Pica Ficha de Identificação Nome: Artur Ribeiro Cargo/Função: Co-Argumenista Programa: Pica Questões 1. Qualidade - Na sua opinião, o que pode ser considerado qualidade em televisão

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?...

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?... Sumário Prefácio... 9 A mulher do pai... 14 A mulher do pai faz parte da família?... 17 A mulher do pai é parente?... 29 Visita ou da casa?... 37 A mulher do pai é madrasta?... 43 Relação civilizada?...

Leia mais

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1 Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG RESUMO Como forma de estimular a criatividade

Leia mais

Amigas Conselheiras, Amigos Conselheiros Amigo e Amigas da Secretaria Executiva do CC

Amigas Conselheiras, Amigos Conselheiros Amigo e Amigas da Secretaria Executiva do CC Amigas Conselheiras, Amigos Conselheiros Amigo e Amigas da Secretaria Executiva do CC Caro Américo, Diretor Presidente da EBC Demais Diretoras e Diretores da EBC Queridas Empregadas e Queridos Empregados

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes Imagens de professores e alunos Andréa Becker Narvaes Inicio este texto sem certeza de poder concluí-lo de imediato e no intuito de, ao apresentá-lo no evento, poder ouvir coisas que contribuam para continuidade

Leia mais

Resenha. Interesses Cruzados: A produção da cultura no jornalismo brasileiro (GADINI, Sérgio Luiz. São Paulo: Paulus, 2009 Coleção Comunicação)

Resenha. Interesses Cruzados: A produção da cultura no jornalismo brasileiro (GADINI, Sérgio Luiz. São Paulo: Paulus, 2009 Coleção Comunicação) Resenha Interesses Cruzados: A produção da cultura no jornalismo brasileiro (GADINI, Sérgio Luiz. São Paulo: Paulus, 2009 Coleção Comunicação) Renata Escarião PARENTE 1 Parte do resultado da tese de doutoramento

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

CORPO, JOVENS E PRÁTICA DE MUSCULAÇÃO

CORPO, JOVENS E PRÁTICA DE MUSCULAÇÃO UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE DESPORTO CORPO, JOVENS E PRÁTICA DE MUSCULAÇÃO Um estudo em freqüentadores de academia na região do Grande Porto Dissertação apresentada com vista à obtenção do grau

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1

FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1 FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1 Francisco José da Silva ROCHA Filho 2 Nathalia Aparecida Aires da SILVA 3 Sebastião Faustino PEREIRA Filho 4 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal,

Leia mais

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA DE SANTANA FERREIRA PEREIRA JÉSSICA PALOMA RATIS CORREIA NOBRE PEDAGOGIA: PROJETO MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA JANDIRA - 2012 FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Entrevista com Ricardo de Paiva e Souza. Por Flávia Gomes. 2 Flávia Gomes Você acha importante o uso de meios de comunicação na escola? RICARDO

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

VIOLÊNCIA GERA VIOLÊNCIA E DO CONTRÁRIO GENTILEZA GERA GENTILEZA

VIOLÊNCIA GERA VIOLÊNCIA E DO CONTRÁRIO GENTILEZA GERA GENTILEZA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL CALDAS JUNIOR SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE NOVO HAMBURGO VIOLÊNCIA GERA VIOLÊNCIA E DO CONTRÁRIO GENTILEZA GERA GENTILEZA Professoras: Jane Engel Correa Patrícia

Leia mais

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Susana Lazzaretti Padilha Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) Campus Cascavel susana.lap@hotmail.com

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA

EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA RESUMO DE LIMA,Claudia Barbosa 1 GONÇALVES, Danielle Balbino Souto 2 HERMENEGILDO, Raquel do Nascimento 3 LIMA,

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

5 Considerações finais retomando o problema

5 Considerações finais retomando o problema 5 Considerações finais retomando o problema A análise dos dados, dividida nos eixos critérios de avaliação, interpretação e juízo moral, tentou responder as perguntas formuladas no início da pesquisa como

Leia mais

ATIVISMO E SALA DE AULA: O ENTRE - LUGAR

ATIVISMO E SALA DE AULA: O ENTRE - LUGAR ATIVISMO E SALA DE AULA: O ENTRE - LUGAR Margarete de Carvalho Santos 1 Bárbara Elcimar dos Reis Alves 2 Lesbibahia é uma articulação de lésbicas e mulheres bissexuais que inicia a atuação de forma especifica

Leia mais

Gtp+ PROGRAMAS E PROJETOS Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP+) Fundação em 2000, Recife-PE O Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo é a única ONG da Região Nordeste do Brasil coordenada

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS Técnico de Multimédia 10 H 7536 Alberto Filipe Cardoso Pinto 7566 Ana Isabel Lomar Antunes 7567 Andreia Carine Ferreira Quintela 7537 Bruno Manuel Martins Castro 7538 Bruno Miguel Ferreira Bogas 5859 Bruno

Leia mais

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança.

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. Jaquelaine SOUSA 1 Dalva Borges de SOUZA 2 Programa de Pós-Graduação em Sociologia/Faculdade de Ciências

Leia mais

A CRIANÇA NA PUBLICIDADE

A CRIANÇA NA PUBLICIDADE A CRIANÇA NA PUBLICIDADE Entrevista com Fábio Basso Montanari Ele estuda na ECA/USP e deu uma entrevista para e seu grupo de colegas para a disciplina Psicologia da Comunicação, sobre sua história de vida

Leia mais

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A palavra liderança é uma palavra grávida, tem vários significados. Desde os primórdios dos tempos a humanidade vivenciou exemplos de grandes líderes. Verdadeiros

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Metodologia da Pesquisa Cientifica Metodologia Como se procederá a pesquisa? Caminhos para se

Leia mais

O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara dos Deputados pela imprensa escrita.

O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara dos Deputados pela imprensa escrita. Câmara dos Deputados Centro de Formação e Treinamento CEFOR Programa de Pós-Graduação Nara Lucia de Lima O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO

ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO ESCOLHA DO TEMA - Seja cauteloso na escolha do tema a ser investigado. Opte por um tema inserido no conteúdo programático da disciplina pela qual teve a maior aptidão

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

Histórico do livro Menino brinca de boneca?

Histórico do livro Menino brinca de boneca? Histórico do livro Menino brinca de boneca? Menino brinca de boneca? foi lançado em 1990, com grande aceitação de público e crítica, e vem sendo referência de trabalho para profissionais, universidades,

Leia mais

MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER

MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER Nilton Cezar Ferreira 1 Por mais de dois séculos já se faz reformas curriculares no Brasil, no entanto nenhuma dessas reformas conseguiu mudar de forma

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

UM ESTUDO DA OCORRÊNCIA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA RELACIONADA A CASOS DE ATENDIMENTO À FAMÍLIA NO ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA DA PUC-RIO

UM ESTUDO DA OCORRÊNCIA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA RELACIONADA A CASOS DE ATENDIMENTO À FAMÍLIA NO ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA DA PUC-RIO UM ESTUDO DA OCORRÊNCIA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA RELACIONADA A CASOS DE ATENDIMENTO À FAMÍLIA NO ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA DA PUC-RIO Aluna: Janaína da Guia Santos Panisset Orientadora: Ilda Lopes Rodrigues

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO Érika Cristina Mashorca Fiorelli, UNESP - Presidente Prudente-SP, SESI/SP; Ana

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Tânia de Sousa Lemos 1 ; Ana Beatriz Araujo Velasques 2 1 Aluna do Curso de Arquitetura e

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema.

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema. Aquecimento Global e Danos no Manguezal Pernambucano SANDRA MARIA DE LIMA ALVES 1 - sandrali@bol.com.br RESUMO Este artigo procura enriquecer a discussão sobre o fenômeno do aumento da temperatura na terra

Leia mais

Editorial. Revista Eletrônica Direito, Justiça e Cidadania Volume 2 nº 1-2011

Editorial. Revista Eletrônica Direito, Justiça e Cidadania Volume 2 nº 1-2011 1 Editorial O volume segundo, número um do ano de 2011 da Revista Eletrônica Direito, Justiça e Cidadania, pretende compartilhar com a comunidade acadêmica, uma coletânea de textos que apresenta uma análise

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) Roteiro de áudio. Programa: Hora de Debate. Campanhas.../ Monica G. Zoppi-Fontana 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 Combatendo o preconceito: argumentação e linguagem Programa Hora de Debate. Campanhas de

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA MINHA CIDADE É UM MORANGO

PROJETO DE PESQUISA MINHA CIDADE É UM MORANGO UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE FILOSOFIA E EDUCAÇÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL Maria Rosane Flach Rosangela Beatriz Dienstmann

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

Formação, desafios e perspectivas do professor de música

Formação, desafios e perspectivas do professor de música Formação, desafios e perspectivas do professor de música João Alderlei Leite da Silva email: joaoderlei17@hotmail.com Lucas Roberto Guedes email: lucasrobertoguedes@gmail.com Verônica Agnelli Chiarelli

Leia mais

COTIDIANO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

COTIDIANO NA EDUCAÇÃO INFANTIL COTIDIANO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Reflexão sobre aspectos da rotina nas creches e pré-escolas, tomando com motivação os desenhos de Francesco Tonucci e buscando apoio em alguns trabalhos teóricos significativos

Leia mais

Interação das Escolas do Tocantins

Interação das Escolas do Tocantins SINDICATO DOS PEDAGOGOS DO ESTADO DO TOCANTINS - SINPETO www.sinpeto.com.br Interação das Escolas do Tocantins Palmas 2010. SINDICATO DOS PEDAGOGOS DO ESTADO DO TOCANTINS - SINPETO www.sinpeto.com.br Projeto:

Leia mais

ASPARMIG- Pelo que você corre? 1

ASPARMIG- Pelo que você corre? 1 ASPARMIG- Pelo que você corre? 1 Nayara CAMPOS 2 Bárbara CAROLINA 3 Brenda SIQUEIRA 4 Emília RODRIGUES 5 Elisa FERRARI 6 Flávia POLASTRI 7 Gabriela NEVES 8 Laísa ANRADE 9 Luiza CHEIB 10 Lamounier LUCAS

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR Já pensou um bairro inteirinho se transformando em escola a

Leia mais

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Introdução O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Sonia de Alcantara IFRJ/UGB sonia.alcantara@ifrj.edu.br Letícia Mendes Pereira, Lohanna Giovanna Gonçalves da Silva,

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 UMA ANÁLISE DA PERSPECTIVA DOS GRADUANDOS DO CURSO DE MATEMÁTICA DAS MODALIDADES DE LICENCIATURA E BACHARELADO DA UFRN SOBRE A FORMAÇÃO CONTINUADA STRICTO SENSU Claudianny Noronha Amorim Universidade Federal

Leia mais

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS Jéssica Molina Quessada * Mariana Caroline Brancalhão Guerra* Renata Caroline Barros Garcia* Simone Taís Andrade Guizelini* Prof. Dr. João Juliani ** RESUMO:

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: A PERCEPÇÃO DE LUZ E SOMBRA NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Palavras-chave: Conhecimentos físicos. Luz e sombra. Educação Infantil.

RELATO DE EXPERIÊNCIA: A PERCEPÇÃO DE LUZ E SOMBRA NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Palavras-chave: Conhecimentos físicos. Luz e sombra. Educação Infantil. RELATO DE EXPERIÊNCIA: A PERCEPÇÃO DE LUZ E SOMBRA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo Camille Cistina Witsmiszyn de Souza 1 Dulce Stela Schramme 2 Neila Tonin Agranionih 3 Lucilene Paixão 4 Percepção de luz e

Leia mais

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO Autor (unidade 1 e 2): Prof. Dr. Emerson Izidoro dos Santos Colaboração: Paula Teixeira Araujo, Bernardo Gonzalez Cepeda Alvarez, Lívia Sousa Anjos Objetivos:

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA

JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA A relevância do projeto: O negro em destaque: As representações do negro na literatura brasileira se dá a partir das análises e percepções realizadas pelo coletivo cultural,

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA. Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social. Período: 1º/2014 1. UNIDADE TEMÁTICA:

PLANO DE DISCIPLINA. Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social. Período: 1º/2014 1. UNIDADE TEMÁTICA: PLANO DE DISCIPLINA Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social Coordenação: Naiara Magalhães Professor (a): Adriana Barros Disciplina: Pesquisa Social I Carga horária: 60h Período: 1º/2014

Leia mais

10 passos para ganhar a mídia. Estudantes Pela Liberdade

10 passos para ganhar a mídia. Estudantes Pela Liberdade 10 passos para ganhar a mídia Estudantes Pela Liberdade 2013 10 passos para ganhar a mídia Aqui estão 10 passos para atrair a atenção da mídia para o seu grupo. Siga todos esses passos efetivamente, e

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

Qual o seu posicionamento com relação à criminalização da homofobia? Por quê?

Qual o seu posicionamento com relação à criminalização da homofobia? Por quê? Entrevista com Cláudio Nascimento, membro do Grupo Arco-Íris, coordenador geral da 13ª Parada do Orgulho LGBT do Rio de Janeiro e superintendente de Direitos Individuais, Coletivos e Difusos da Secretaria

Leia mais

O HÁBITO DE LEITURA DOS UNIVERSITÁRIOS

O HÁBITO DE LEITURA DOS UNIVERSITÁRIOS 1 O HÁBITO DE LEITURA DOS UNIVERSITÁRIOS Introdução Raema Almeida Borges (UEPB) Visando observar como está sendo a leitura dos professores em formação, que auxiliarão os novos leitores, a turma de Português

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

Princípios de pesquisa na área de educação: análise de dados.

Princípios de pesquisa na área de educação: análise de dados. www..botanicaonline.com.br Site organizado pela Profa. Dra. Suzana Ursi Depto. de Botânica, Instituto de Biociências, USP Princípios de pesquisa na área de educação: análise de dados. Autor: João Rodrigo

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA:

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: CRENÇAS DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE ACERCA DO CUIDADO DA PESSOA EM SOFRIMENTO MENTAL. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Faculdade de Filosofia Ciências

Leia mais

O USO DE TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DO CINEMA COMO FONTE HISTÓRICA Leandro Batista de Araujo* RESUMO: Atualmente constata-se a importância

O USO DE TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DO CINEMA COMO FONTE HISTÓRICA Leandro Batista de Araujo* RESUMO: Atualmente constata-se a importância O USO DE TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DO CINEMA COMO FONTE HISTÓRICA Leandro Batista de Araujo* RESUMO: Atualmente constata-se a importância e necessidade do uso de tecnologias no trabalho escolar

Leia mais

AS INTERFACES ENTRE A PSICOLOGIA E A DIVERSIDADE SEXUAL: UM DESAFIO ATUAL 1

AS INTERFACES ENTRE A PSICOLOGIA E A DIVERSIDADE SEXUAL: UM DESAFIO ATUAL 1 AS INTERFACES ENTRE A PSICOLOGIA E A DIVERSIDADE SEXUAL: UM DESAFIO ATUAL 1 CHRISTO, Aline Estivalet de 2 ; MOTTA, Roberta Fin 3 1 Trabalho de Pesquisa referente ao Projeto de Trabalho Final de Graduação

Leia mais

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Cláudio Messias 1 Resumo Investigamos, por meio de pesquisa quantitativa e qualitativa, referenciais que dão sustentação à expansão da prática

Leia mais

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES Poliana de Brito Morais ¹ Francisco de Assis Lucena² Resumo: O presente trabalho visa relatar as experiências

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais