UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI SILVANA ANDREIA APARECIDA CORREIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI SILVANA ANDREIA APARECIDA CORREIA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI SILVANA ANDREIA APARECIDA CORREIA ANÁLISE DE TELENOVELAS BRASILEIRAS E SUAS AÇÕES DE MERCHANDISING: Os Casos de O Profeta e Paraíso Tropical SÃO PAULO 2010

2 SILVANA ANDREIA APARECIDA CORREIA ANÁLISE DE TELENOVELAS BRASILEIRAS E SUAS AÇÕES DE MERCHANDISING: Os Casos de O Profeta e Paraíso Tropical Dissertação de Mestrado apresentada à Banca Examinadora, como exigência para a obtenção do título de Mestre em Comunicação, pelo Programa de Mestrado em Comunicação, área de concentração em Comunicação Contemporânea, da Universidade Anhembi Morumbi, sob a orientação do Prof. Dr. Rogério Ferraraz. SÃO PAULO 2010

3 C849 Correia, Silvana Andreia Aparecida Análise das telenovelas brasileiras e suas ações de merchandising: os casos de O Profeta e Paraíso Tropical / Silvana Andreia Aparecida Correia f.: il.; 30 cm. Orientador: Prof. Dr. Rogério Ferraraz. Dissertação (Mestrado em Comunicação) - Universidade Anhembi Morumbi, São Paulo, Bibliografia: f Comunicação. 2. Televisão. 3. Telenovela brasileira. 4. Merchandising. 5. Dramaturgia. I. Título. CDD 302.2

4 SILVANA ANDREIA APARECIDA CORREIA ANÁLISE DE TELENOVELAS BRASILEIRAS E SUAS AÇÕES DE MERCHANDISING: Os Casos de O Profeta e Paraíso Tropical Aprovada em 19/03/2010 Dissertação de Mestrado apresentada à Banca Examinadora, como exigência para a obtenção do título de Mestre em Comunicação, pelo Programa de Mestrado em Comunicação, área de concentração em Comunicação Contemporânea, da Universidade Anhembi Morumbi, sob a orientação do Prof. Dr. Rogério Ferraraz. Prof. Dr. Rogério Ferraraz Profa. Dra. Laura Loguercio Cánepa Prof. Dr. Alfredo Luís Paes de Oliveira Suppia

5 AGRADECIMENTOS Agradeço ao corpo docente do Mestrado em Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi, por todo o conhecimento transmitido e por despertar em mim o senso crítico, a observação, a reflexão e o gosto pela pesquisa. Especial agradecimento ao Prof. Dr. Rogério Ferraraz, por todo apoio, compreensão, encorajamento e incentivo na orientação desta dissertação. Sem ele este trabalho não teria sido concluído. Ao Marcos Aleksander Brandão, secretário do Mestrado em Comunicação, por todo o incentivo e pela prontidão em atender aos meus infindáveis pedidos e e- mails. À Judit Gizella Pelly, pela contribuição e apoio na revisão ortográfica da língua portuguesa e da estrangeira deste estudo. Ao Mauricio Benassato, da empresa Arquivo de Imagens, por sua colaboração no fornecimento do material audiovisual. Ao departamento de merchandising da Rede Globo de televisão por concederem informações fundamentais para o desenvolvimento desta pesquisa. Aos autores que pesquisaram e exploraram sobre a forma de se fazer merchandising em telenovelas. À minha mãe por todo amor, incentivo e inspiração dada para que eu adquirisse meu título de Mestre e por transmitir a mim o seu conhecimento e gosto pela leitura e filmes. Ao meu adorado irmão Marcelo que, ao retomar os estudos, serviu como inspiração para que eu abrisse as portas a novos conhecimentos. Ao meu marido Paulo por seu amor, parceria, colaboração e por dividir mais essa conquista em nossas vidas. Amar não é olhar um para o outro, é olhar juntos na mesma direção (Saint Exupery).

6 Vantagens funcionais frente às vantagens emotivas. Persuasão frente à sedução. Convencimento frente ao fascínio (Joan Ferrés).

7 RESUMO Desde o advento do controle remoto, que permitiu aos espectadores trocarem de canais na hora dos intervalos comerciais, os publicitários, atentos ao seu maior canal de comunicação, a televisão, e principalmente, no caso brasileiro, à telenovela, vêm intensificando suas ações dentro dessas obras de ficção. Este estudo visa observar e investigar a origem e a construção dessas ações publicitárias inseridas em telenovelas brasileiras, com foco nas questões narrativas, de linguagem e de dramaturgia. Como estudo de caso, desenvolveu-se a análise de duas telenovelas, O Profeta e Paraíso Tropical, ambas exibidas no ano de 2007, pela mesma emissora, a Rede Globo de Televisão, a fim de verificar de que forma ocorreram as inserções de merchandising e como elas interferiram na narrativa e na dramaturgia dessas obras. Palavras-chave: Televisão. Telenovela brasileira. Merchandising. Dramaturgia. Narrativa.

8 ABSTRACT Since the creation of the remote control, that allowed spectators to change channels, during the commercial breaks, publicists careful with their biggest means of communication, the television, and mainly, in the case of Brazil, the soap opera, intensified their action inside these fiction works. This study aims to observe and investigate the origin of the construction of these publicity actions inserted in the Brazilian soap operas, focusing the narrative, linguistic and dramaturgy actions. As case study, we developed the analysis of two soap operas aired in the same year, 2007, by the same broadcaster, Globo TV, O Profeta and Paraíso Tropical in order to examine the way the merchandising insertions were made, and if they changed the narration of these works or not. Keywords: Television. Brazilian Soap Opera. Merchandising. Dramaturgy. Narrative.

9 LISTA DE FIGURAS Fig. 1 Story Board da primeira ação Fig. 2 Story Board da segunda ação Fig. 3 Story Board da ação.. 47 Fig. 4 Frame dos Créditos... 54

10 SUMÁRIO INTRODUÇÃO TELEVISÃO E PUBLICIDADE A TV no Brasil A telenovela Telenovela no Brasil Publicidade e Televisão Mershandising em telenovelas Mershandinsing comercial Mershandising social ESTUDOS DE CASO O Profeta A trama Estudo de mercado Identificação do produto OMO com a telenovela Descrição das ações de mershandising Paraíso Tropical A trama Estudo de mercado A ação ANÁLISE DAS INSERÇÕES O Profeta Decupagem da primeira ação Decupagem da segunda ação Análise das inserções em O Profeta Paraíso Tropical Decupagem da ação Análise da inserção em Paraíso Tropical Resultados comparativos... 55

11 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXOS... 62

12 8 INTRODUÇÃO Esta Dissertação tem como objetivo analisar as inserções publicitárias em telenovelas brasileiras, especificamente as produzidas pela Rede Globo de Televisão, em especial os casos exemplares de O Profeta e Paraíso Tropical, ambas exibidas no ano de 2007, às 18 horas e às 21 horas, respectivamente. Como recorte de pesquisa, foram escolhidas duas inserções de merchandising: a primeira sendo do produto OMO, exibido em 13 e 14 de abril de 2007 na telenovela O Profeta, e a segunda sendo a do produto Garnier Nutrisse, exibido em 11 de setembro de 2007 na telenovela Paraíso Tropical. Para poder analisar os principais aspectos relativos ao tema, este estudo procurou observar a origem e evolução da televisão, tendo como foco a televisão brasileira. Assim, no capítulo 1, será apresentada uma visão geral do meio audiovisual mundial até o advento da TV, bem como o início da sua relação com o ramo publicitário, no mundo e no Brasil. Em seguida, dando seqüência ao recorte da pesquisa, será observado o surgimento e o desenvolvimento da telenovela no mundo, destacando sua importância específica no Brasil enquanto produto de entretenimento, até se tornar um produto mercantil que tem a audiência como moeda de troca. Em seguida, ainda neste capitulo, será abordada a publicidade enquanto parceira da televisão: como e por que começou esta parceria, os primeiros formatos, o tipo de discurso e o processo de evolução dos anúncios e dos filmes comerciais na programação televisiva, especialmente nas telenovelas. Finalizando o capítulo, será analisada a publicidade na telenovela brasileira e, assim, apontar o surgimento do merchandising, com suas características e aspectos específicos na construção do discurso. No capítulo 2, dando sequência ao tema desta dissertação, encontram-se as sinopses das duas telenovelas e o resumo dos estudos que foram feitos pela emissora de televisão sobre os potenciais mercadológicos para as inserções de merchandising. Nesse mesmo capítulo, descrevem-se as inserções de mershandising analisadas para esta pesquisa. Finalmente no capítulo 3, depois de observadas as tramas ficcionais e as inserções de merchandising das duas telenovelas, propõe-se uma análise da

13 9 construção dessas inserções, a fim de investigar se a construção do discurso se dá de maneira verossímil, se os ganchos narrativos existem e se estão bem construídos, respeitando a narrativa principal da telenovela. O objetivo da trajetória acima descrita é contribuir para a discussão sobre o potencial comunicativo do mershandising, tanto do ponto de vista publicitário e comercial quanto do ponto de vista de sua capacidade de contribuir (ou não), para o desenvolvimento das tramas ficcionais nas telenovelas.

14 10 1. TELEVISÃO E PUBLICIDADE Estamos na década de 1930 e a comunicação audiovisual está em plena atividade. O som já chegou ao cinema e o rádio já conquistou seu espaço nos lares. A vida metropolitana, em seu ritmo de crescimento frenético industrial e comercial, alcança uma capacidade mais elevada de integração social. As grandes massas começam migrar para os centros urbanos, tornando necessária a criação de um veículo de comunicação que pudesse transmitir a sua mensagem de forma massiva. É neste contexto social da necessidade da vida metropolitana que surge a TV e, graças ao seu aparato tecnológico, já podia ser reproduzida nos lares, em quantidade cada vez maior, após o final da II Guerra Mundial. A distração pública, antes reservada para as praças das metrópoles ou para a audiência do rádio, agora era uma distração privada mais completa, pois continha som e imagem. Com o advento da TV, nasce uma nova era da comunicação, pois não se trata apenas de mais um eletrodoméstico na casa de algum individuo. A TV, assim como o cinema, tem o poder da ilusão e da persuasão, e esse poder é logo notado pela elite dominante dos meios de comunicação, que passa cada vez mais a usá-la. A TV é usada não só como forma de entretenimento, mas também como formadora de opiniões em todos os níveis sociais, econômicos e culturais. Para adaptar os indivíduos às regras sociais é necessário que o coletivo entenda seus limites. Por se tratar da década de 1930, época entre guerras mundiais e de grande desenvolvimento industrial, quando é criado um novo ciclo de desejo, a TV surge como um grande salto qualitativo, produzindo, segundo Alberto Abruzzese, realidades mais próximas, estilos de vida facilmente perceptíveis às grandes massas, representando o imaginário coletivo através da imagem em movimento e fala, dentro da casa do espectador (ABRUZZESE, 2006). O homem moderno está se adaptando às emoções do novo, às experiências do coletivo e do individual. A TV começa a se tornar o grande Príncipe da modernidade, fascinando as massas, através da poderosa técnica audiovisual de lidar com o imaginário humano.

15 A TV no Brasil Em 1950, Assis Chateaubriand 1, dono do grupo de comunicação Diários Associados, queria aumentar o seu conglomerado de mídia, fundando a já extinta TV Tupi (canal 3 de São Paulo). O primeiro transmissor foi comprado pela RCA 2 e transmitido a partir de um estúdio em São Paulo para duzentos aparelhos de TV que Chateaubriand importou dos Estados Unidos. No inicio a programação era improvisada e gerada completamente ao vivo e os profissionais, em sua maioria, migraram do rádio, jornal e teatro, encontrando vários obstáculos, pois a transmissão era precária e a quantidade de televisores ainda muito pequena, visto que ainda tinham de ser importados. Mesmo assim, Chateaubriand conseguiu vender um ano de espaço publicitário para algumas empresas: Sul América Seguros, Antárctica, Moinho Santista e Empresas Pignatari foram às pioneiras em patrocinar a programação televisiva brasileira. Desde então, como observa José Mario Orriz Ramos, a produção de entretenimento e necessidades dos anunciantes caminharam sempre lado a lado (RAMOS, 2004, p. 42). Após um ano da implantação da TV no Brasil, já havia mais de sete mil aparelhos espalhados por todo o Brasil. De olho nesse mercado promissor, as agências de Publicidade McCann Erikson e J.W.Thompson importaram o modelo publicitário americano de televisão e começaram a patrocinar toda a programação, influenciando no conteúdo, na criação dos programas e nos formatos dos comerciais. Em 1952, os telejornais, e alguns programas, são criados com nomes de patrocinadores como, por exemplo, o Repórter Esso, a Gincana Kibon, a Sabatina Maisena, etc. Somente após uma década de programação ao vivo, graças à evolução da tecnologia eletrônica audiovisual, chega ao país o videotape 3, trazido pelo humorista Chico Anysio para a TV Tupi e permitindo a criação de programas independentes. Graças ao sucesso do videotape, logo em seguida foram 1 Francisco de Assis Chateaubriand Bandeira de Melo, foi um magnata das comunicações no Brasil entre o final dos anos 1930 e início dos anos 1960, sendo ele um dos homens públicos mais influentes no país neste período. 2 RCA, também conhecida por Radio Corporation of América, é uma empresa norteamericana, pioneira em telecomunicações, criada no ano de Videotape, que literalmente significa fita de vídeo, consiste numa fita usada para o registro de imagens televisivas. Seu uso permitiu a gravação prévia de programas destinados às transmissões posteriores. Esta tecnologia se tornou obsoleta com o uso dos meios digitais de gravação.

16 12 inauguradas mais 27 novas transmissoras da Tupi no eixo Rio/São Paulo, com 80% da programação exibida em VT. O mercado publicitário, que já vinha financiando a TV desde o seu início no Brasil, também ajuda a importar o sistema americano de comerciais (magazine concept 4 ) e em 1960 o governo brasileiro determina o tempo de 3 minutos de publicidade para cada 15 minutos de programação. De olho no crescente mercado televisivo, seguindo ainda o padrão americano, surgem emissoras independentes na década de 1960 a exemplo da TV Globo, da TV Bandeirantes, da TV Record e da extinta TV Excelsior de São Paulo e ainda da TV Cultura, que foi vendida dez anos após ser fundada ao governo do Estado de São Paulo, tornando-se a primeira emissora pública no Brasil, sem fins lucrativos. Cada emissora procurava se especializar em um tipo de programação com foco no entretenimento, baseado no formato e nos gêneros de programas norte americanos, mas a maioria acabou por experimentar quase todos os formatos, existentes também no rádio até então, através de programas de auditório, de jornalismo, de esportes, de ficção, além da importação de filmes e seriados americanos. Dessa forma, o telespectador brasileiro começou a se encantar pela TV, forte formadora de opinião, criando costumes e definindo tendências, tornandose, assim, um grande veículo de vendas para o mercado publicitário brasileiro. As transmissões de TV em cores no Brasil só começariam, efetivamente, na década seguinte, em 1970, pois os receptores coloridos, até então, custavam muito caro, justamente por serem importados. Uma das primeiras emissoras a transmitir sua programação em cores foi a TV Excelsior, no programa Moacyr Franco Show. Todavia, o grande marco da TV em cores foi a transmissão da Copa do Mundo de 1970, no México, em caráter experimental, para as estações da Embratel, que retransmitia os jogos para os raros possuidores de televisão colorida no Brasil. Em 1972, com o apoio do governo que determina oficialmente o sistema oficial de transmissão no Brasil como sendo o PAL-M (mistura do padrão M do sistema NTSC e das cores do sistema PAL Europeu), é inaugurada a TV em cores no Brasil. Nos anos seguintes, ainda na década de 1970, as emissoras que se destacaram em todo o território nacional foram a TV Tupi e a TV Globo, sendo que no final dessa década 4 Magazine conception consiste na venda de espaços nos variados programas, desaparecendo a figura do patrocinador. CF. Douglas Gomery, Economic Changes in the US Television Industry

17 13 a TV Tupi entra em sérias crises administrativas, enquanto a TV Globo se consolida como a líder de audiência, possuindo um alto padrão técnico e uma programação diferenciada, com foco no entretenimento e produzindo programas populares de grande sucesso como as telenovelas, os programas de auditório, o jornalismo, os esportes, além de importar séries e filmes americanos. Para Kottak, em seu livro Prime-time society - an Anthropological analysis of television and cult: A Globo (rede de televisão brasileira) é perfeitamente comparável aos maiores sucessos da cultura popular americana contemporânea, tais como a ubíqua rede de fast-food Mc Donald s. Globo e Mc Donald s que são organizações comerciais bem-sucedidas em suas culturas de origem, por terem estabelecido habilmente um padrão nacional familiar e culturalmente apropriado de confiabilidade e consistência em vez de excelência em seus produtos. Da mesma forma que o McDonald s é familiar a praticamente todo americano, a Globo é familiar a quase todos os brasileiros (KOTTAK, 1990, p. 36). Na década de 1980, com a falência do grupo Diários Associados e da TV Tupi (até então considerada a mais tradicional emissora de televisão brasileira), e como na década anterior a TV Excelsior já havia sido extinta, sobraram dois canais vagos, que seriam concedidos a dois empresários. Um deles, o apresentador Sílvio Santos, que criou o SBT 5 (Sistema Brasileiro de Televisão), com uma programação popular focada em programas de auditório apresentados pelo próprio apresentador e investindo, também, na importação de telenovelas mexicanas. O outro foi Adolpho Bloch, que criou a Rede Manchete, focada em um público mais selecionado, com exibição de filmes americanos de grande sucesso no cinema, documentários, programas infantis, a exemplo do Clube da Criança da apresentadora Xuxa, e telenovelas como Pantanal, grande sucesso de audiência e de crítica. Em 1999, a Rede Manchete, após varias crises, fechou as portas, dando lugar à Rede TV. Essa também foi a época da chegada do controle remoto para os televisores brasileiros, dando origem a um novo perfil de telespectador, tanto para a programação da TV quanto para o mercado publicitário. Agora, o espectador tinha mais poder em suas mãos para decidir o que iria assistir em sua programação e dentro desse novo cenário, em que o espectador passava a ser um agente mais ativo, surgia uma disputa maior entre as emissoras, com a criação de programas mais populares para 5 Já foi conhecida por TVS (TV Studios).

18 14 atrair as massas. Para o ramo publicitário era, também, um novo desafio, pois os comerciais começavam a espantar a audiência, visto que o espectador trocava de canais neste momento. Assim, uma das alternativas, ainda vigente hoje em dia, foi a de investir em ações de merchandising nas telenovelas, nos programas de auditórios e nos patrocínios de programas. Na década de 1990, com o advento dos canais UHF 6, tivemos a chegada das redes MTV, com sua programação exclusivamente UHF, a Rede Vida com uma programação católica e a Rede Mulher com uma grade voltada ao publico feminino. Tivemos, também, a chegada da TV por assinatura no Brasil, financiada no início pela Rede Globo em associação ao grupo norte americano News Corporation e ao grupo Abril através das operações da TVA, que no começo tinha um público muito reduzido devido ao alto valor de adesão, mas que apresentou um crescimento significativo, aproximadamente após 15 anos, com a melhora do poder aquisitivo do brasileiro e com a associação de serviços de banda larga da Internet. Todavia, a grande mudança dessa época foi a implantação do Plano Real no Brasil, o que provocou um aquecimento econômico, permitindo, assim, que as classes menos favorecidas comprassem aparelhos de televisão. Cerca de 28 milhões de aparelhos de televisão foram vendidos entre os anos de 1994 e de As emissoras passaram a criar em suas grades programas sensacionalistas, com apelo erótico, violência gratuita, programas de auditório e jornalismo popular, como o programa jornalístico Aqui e Agora, do SBT. O que importava, naquele momento, era atingir as massas, independente do conteúdo. O perfil do espectador começava a se igualar a partir do momento em que a maioria vê o mesmo e passa a querer do mesmo. Nesse novo cenário, mesmo com as criticas dos intelectuais na época devido ao conteúdo sensacionalista dos programas, a TV conquista cada vez mais o telespectador, e o ramo publicitário chega a investir entre 50 a 80% de sua verba de marketing neste veículo, sendo assim até os dias de hoje. Como indústria, a TV está sempre atenta às evoluções tecnológicas do seu tempo para se manter soberana. Do improviso na época da transmissão ao vivo, da revolução do videotape, da qualidade da programação, da transmissão via nacional (e via satélite) rumo ao futuro pontocom. 6 UHF, sigla para o termo Ultra High Frequency, que significa Frequência Ultra Alta ou Altíssima Frequência. Designa a faixa de radiofrequências de 300 MHz até 3 GHz. É uma frequência comum para propagações de sinais de televisão e de canais em HDTV, rádio e transceptores.

19 15 Em 2007 a TV se une a Internet convertendo-se em um veículo digital que permite uma qualidade superior de imagem e som. Essa convergência vai transformar o modo do telespectador assistir TV, apesar da criação do controle remoto que já permitia certa interatividade, agora o espectador, graças aos avanços tecnológicos, pode interagir diretamente com a programação. Essa convergência vai permitir que o espectador acesse sites através da televisão, assista à TV on-line e, o melhor, que se adapte aos aparelhos eletrônicos móveis, aumentando ainda mais a sua audiência. Ainda neste ano, ocorreu o lançamento da TV 3D no Brasil que vai oferecer uma sensação de imersão no universo fictício, aproximando, ainda mais, o telespectador da imagem. Agora, de mero receptor de informação do inicio da criação da TV, o espectador, além de interagir com o mundo da televisão com a TV 3D, ele terá a sensação de fazer parte dela. A TV continua sendo a preferida do mercado publicitário, mesmo tendo atualmente tantas opções de mídias e com as ameaças de que o espectador vá migrar para esses novos meios. O produto de maior lucro na televisão brasileira é, sem dúvida, a telenovela, que se transformou em um verdadeiro fenômeno nacional, expressando e influenciando o cotidiano do povo brasileiro. É uma verdadeira narrativa da nação, capaz de promover discussões públicas sobre dramas e conversas privadas, além de influenciar o consumo em diversos níveis, tornando-se um dos maiores canais de vendas de produtos e serviços (LOPES, 2009, p. 102) A telenovela Em 1836, Émile Giradan inaugura, na França, o jornal Lê Siècle, revolucionando o formato de folhetim, termo inicialmente utilizado para referir-se ao rodapé do jornal, onde se publicavam os passatempos, como piadas e receitas culinárias. Depois de reformulado, tanto no conteúdo quanto na estética, histórias passaram a ser contadas de forma seriada, o que levava o leitor a comprar o jornal diariamente apenas para acompanhar a trama. Era um início de um novo gênero: de simples rodapé, o folhetim ganhava o status de romance. Os temas abordados nesses folhetins se assemelhavam ao formato da telenovela: desde assuntos frívolos a acontecimentos políticos, publicação sequênciada e periódica, rica em ganchos, que prendem a atenção do leitor e narrativas ágeis, onde a possibilidade

20 16 das tramas é infinita. Assim, da literatura, nasce um novo produto dirigido ao consumo das massas. A expressão consumo de massas designa um tipo de comportamento e atitude característicos das modernas sociedades de consumo, cuja principal característica fica no fato de seus padrões estarem massificados e a maioria dos produtos e serviços serem acessíveis à população como um todo. O consumo de massas leva o consumidor a adquirir os bens somente porque estão na moda, na medida em que estes constituem uma forma de integração social e são imprescindíveis para se ser aceito na sociedade de consumo (NUNES, 2000). Devido ao grande sucesso na mídia impressa, e depois com o advento das mídias eletrônicas, os folhetins foram adaptados para o rádio. Havana, em Cuba, produziu as primeiras radionovelas de que se tem notícia. O Direito de Nascer, escrita por Félix Caignet em 1946, foi um grande sucesso sendo exportado para vários países, inclusive o Brasil. Nos Estados Unidos, a primeira radionovela foi Painted Dreams, de Irna Phillips, e como diz o autor Álvaro Vieira Pinto, no texto A tecnologia como patrimônio da humanidade (2005), o dinheiro é que impulsiona as grandes mudanças. As fábricas de sabonete, vendo que este gênero prendia a atenção dos ouvintes, resolvem financiar as radionovelas nos Estados Unidos, surgindo o rótulo Soap Opera. O sistema logo foi adotado em Cuba, no Brasil e em outros países da América do Sul. A Gessy-Lever e a Colgate-Palmolive foram as pioneiras a investir em radionovelas em Cuba e no Brasil. Na TV norte americana, a primeira telenovela de que se tem notícia é The Guiding Light, do canal CBS, em Só que nos Estados Unidos a trama não tinha fim, ou seja, os atores iam envelhecendo e eram criadas histórias para acompanhar esse processo. Já a telenovela cubana copiou o sistema do folhetim, aquele que tem começo, meio e fim. O mercado publicitário, atento a esse novo gênero, começava a financiar as telenovelas, tantos nos Estados Unidos como em Cuba, contribuindo para a evolução técnica e operacional da televisão. Assim, em 1966, foi produzida, nos Estados Unidos, a primeira telenovela em cores, chamada Days of our Lives.

21 Telenovela no Brasil A TV começou no Brasil na década de 1950, adotando para si o estilo cubano baseado nos folhetins que já faziam grande sucesso no Brasil desde os tempos de Joaquim Manuel de Macedo e José de Alencar (literatura para o povo, com o povo). Sua Vida me Pertence (Walter Foster, 1951), foi a primeira trama escrita para a televisão brasileira, exibida pela Rede Tupi. No inicio, as telenovelas eram exibidas duas vezes por semana e não duravam mais de 15 capítulos, devido, sobretudo, às limitações técnicas (a ação era transmitida ao vivo, não havendo a possibilidade de gravação devido ao alto custo da película fílmica e a inexistência do videotape) e à falta de estrutura da TV, que ainda estava se adaptando aos seus recursos. Então, no começo da década de 1950, a radionovela ainda continuou reinando na audiência popular brasileira, graças aos seus recursos de sonoplastia e ao trabalho de contrarregra que fascinam, até hoje, muitos profissionais da área. Somente a partir da década de 1960, quando os televisores começam, lentamente, a se popularizar, que os profissionais da TV percebem o potencial do gênero telenovela, investindo, então, tempo e dinheiro e tornando o gênero em periódico, tal qual o romance de folhetim em que se retrata o cotidiano, se tem uma trama central e outras paralelas, histórias que giram em torno de amores e traições (ricas em ganchos), conquistando, assim, o espectador. A primeira novela diária brasileira foi produzida pela TV Excelsior, em 1963, intitulada Ocupado. Um dos primeiros grandes sucessos de público entre as telenovelas produzidas no Brasil foi justamente O Direito de Nascer, adaptação de Thalma de Oliveira e Teixeira Filho para a TV Tupi, que foi do rádio para a TV. Segundo Ismael Fernandes, com o tempo: A TV Tupi manteve três novelas no ar, chegando a quatro. A Rede Globo, com produção predominantemente carioca, concorreu em três horários. Na TV Excelsior, quatro histórias eram contadas diariamente. E a TV Record, mesmo sendo bem sucedida nos musicais, acabou cedendo às exigências do público. (FERNANDES, 1994, p. 65). Como revela Alencar (2004), para tornar a telenovela um produto genuinamente nacional, cortando o fio dos dramalhões de Cuba, foram escritas

22 18 telenovelas direcionadas também para o público masculino e infantil, como Beto Rockefeller ( ), da TV Tupi, que marca o início das histórias que refletiam mais o cotidiano nacional. Neste momento, com a representação do cotidiano, a telenovela começou a gerar uma aproximação por verossimilhança, fazendo com que o espectador começasse a se identificar mais diretamente com as tramas. Na sequência, temos a telenovela Irmãos Coragem, feita pela Rede Globo (1970), que foi um grande sucesso de audiência, dando início à liderança da emissora. Graças ao enorme sucesso de audiência dessas telenovelas, de lá para cá, com o apoio da indústria publicitária, foram produzidas mais de 1000 novelas baseadas em romances da nossa literatura e no cotidiano do povo brasileiro, tornando-se, então, uma grande indústria e empregando milhares de profissionais. A primeira telenovela brasileira a ser exportada foi O Bem Amado, escrita por Dias Gomes e produzida pela Rede Globo em O sucesso é tanto que mais de 120 países já assistiram às telenovelas da Globo. Luiz Costa Pereira Junior afirma que: A vida é uma novela. É a pedra de toque da televisão brasileira, seu produto mais forte e influente. Filha dos folhetins literários e do dramalhão radiofônico, a telenovela cativa o imaginário popular, com competência industrial. Produto multinacional, segue obediente linha de montagem e é capaz de embalar valores com dissimulada inocência (PEREIRA JUNIOR, 2005). A TV Globo, nas últimas décadas, tem produzido o maior número de telenovelas no Brasil. São três novelas exibidas semanalmente a partir das 18 horas no horário nobre das emissoras, sendo que a de maior audiência é sempre exibida no horário das 20:00 horas 7, horário em que toda as famílias já estão reunidas e em suas residências. São telenovelas de, aproximadamente, 45 minutos cada, divididos, em geral, entre quatro ou cinco blocos, nos quais são inseridos entre eles os comerciais de, no máximo, 60 segundos e, mais frequentemente, de 30 segundos. Um grande diferencial da telenovela brasileira, segundo André Lemos, Christa Berger e Marialva Barbosa, é que elas são escritas durante a exibição, em um sistema fabril que envolve profissionais especializados, que trabalham em equipes hierarquicamente organizadas, com um sistema de poder centralizado (2005, p. 45). Essa observação define que o espectador interage no desenrolar da 7 Popularmente chamada de novela das oito.

MERCHANDISING COMERCIAL NA TELENOVELA: DA PERSUASÃO AO INCOMODO

MERCHANDISING COMERCIAL NA TELENOVELA: DA PERSUASÃO AO INCOMODO MERCHANDISING COMERCIAL NA TELENOVELA: DA PERSUASÃO AO INCOMODO Elisa Peres Maranho 1 ; Gláucia Brida 2 RESUMO: Ao inserir-se no intervalo comercial da novela, a publicidade se beneficia da audiência e

Leia mais

Televisão brasileira: o início da problemática 1

Televisão brasileira: o início da problemática 1 Televisão brasileira: o início da problemática 1 AUTOR: QUINTANA JÚNIOR, José CURSO: Comunicação Social Jornalismo/Unifra, Santa Maria, RS OBRA: CAPARELLI, Sérgio. Televisão e capitalismo no Brasil: com

Leia mais

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA (versão simples da Lei da Comunicação Social Eletrônica) CAPÍTULO 1 PARA QUE SERVE A LEI Artigo 1 - Esta lei serve para falar como vai acontecer de fato o que está escrito em alguns

Leia mais

MDD Mídias Interativas. A Evolução da TV no Brasil

MDD Mídias Interativas. A Evolução da TV no Brasil Pós-Graduação MDD Mídias Interativas A Evolução da TV no Brasil Apresentações Profª. Graciana Simoní Fischer de Gouvêa Email: graciana.fischer@prof.infnet.edu.br Evolução da TV Evolução do Homem x TV Evolução

Leia mais

TELEVISÃO x CRIANÇA: novo alvo da publicidade televisiva.

TELEVISÃO x CRIANÇA: novo alvo da publicidade televisiva. TELEVISÃO x CRIANÇA: novo alvo da publicidade televisiva. Mariana Carneiro da Cunha CAMPELO 1 Resumo Ao longo dos anos, na publicidade televisiva brasileira, vem ocorrendo algumas mudanças na comunicação

Leia mais

A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011

A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011 Ciências Humanas e Sociais Comunicação A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011 Ingo A.F. von Ledebur 1 Thiago H. Ruotolo da Silva 2 Gabriela Rufino

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DA MÍDIA Profa. Marli Hatje Educação Física e as Novas TICs CEFD/UFSM

CARACTERÍSTICAS DA MÍDIA Profa. Marli Hatje Educação Física e as Novas TICs CEFD/UFSM CARACTERÍSTICAS DA MÍDIA Profa. Marli Hatje Educação Física e as Novas TICs CEFD/UFSM Jornal Revista Televisão Rádio Internet - Relata o que já passou e o que vai acontecer; -Credibilidade; - Cobertura

Leia mais

SOCIAL MIX A MÍDIA TRADICIONAL E AS OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS DO SOCIAL TV. Outubro de 2012 www.elife.com.br twitter.com/elife_br

SOCIAL MIX A MÍDIA TRADICIONAL E AS OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS DO SOCIAL TV. Outubro de 2012 www.elife.com.br twitter.com/elife_br SOCIAL MIX A MÍDIA TRADICIONAL E AS OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS DO SOCIAL TV Este paper faz parte de uma série elaborada pela E.life/Social Agency que aborda como as tradicionais disciplinas do Mix de Comunicação

Leia mais

O televisor ou aparelho de televisão capta as ondas eletromagnéticas e através de seus componentes internos as converte novamente em imagem e som.

O televisor ou aparelho de televisão capta as ondas eletromagnéticas e através de seus componentes internos as converte novamente em imagem e som. TELEVISÃO Temos a definição da palavra TELEVISÃO do grego como tele - distante e do latim visione visão; é um sistema eletrônico de recepção de imagens e som de forma instantânea. Funciona a partir da

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

NET revoluciona oferta de HD com novos produtos e conteúdos em alta definição

NET revoluciona oferta de HD com novos produtos e conteúdos em alta definição NET revoluciona oferta de HD com novos produtos e conteúdos em alta definição Pioneira em alta definição no Brasil, NET lança novo decodificador HD e novos pacotes de canais neste formato, disponíveis

Leia mais

Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM

Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM JORNALISMO JO 01 Agência Jr. de Jornalismo (conjunto/ série) Modalidade voltada a agências de jornalismo experimentais, criadas, desenvolvidas

Leia mais

Luau Bom D+ Bom D+ Verão. Desafio Ciclístico

Luau Bom D+ Bom D+ Verão. Desafio Ciclístico 4 Luau Bom D+ 10 Bom D+ Verão 16 Desafio Ciclístico 22 Triathlon Bahia de Todos os Santos 28 Revezamento a Nado Farol a Farol 34 Carnaval 2013 Record Bahia O que já era bom ficou ainda melhor. A primeira

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 DO ACONTECIMENTO

Leia mais

Uma Campanha Cinematográfica O caso da campanha promocional do CINE PE 2011 1

Uma Campanha Cinematográfica O caso da campanha promocional do CINE PE 2011 1 Uma Campanha Cinematográfica O caso da campanha promocional do CINE PE 2011 1 Silvana Marpoara 2 Aloísio Beltrão 3 Analice Croccia 4 Faculdade Mauricio de Nassau, Recife, PE RESUMO As campanhas publicitárias

Leia mais

TV UNIVERSITÁRIA: TELEJORNALISMO ALTERNATIVO

TV UNIVERSITÁRIA: TELEJORNALISMO ALTERNATIVO TV UNIVERSITÁRIA: TELEJORNALISMO ALTERNATIVO Fabiana Piccinin 1 Esse artigo faz uma crítica ao modelo de telejornalismo adotado pelas Tvs comerciais brasileiras, apresentando uma nova proposta de jornalismo

Leia mais

Rádio Digital. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Senado Federal

Rádio Digital. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Senado Federal Rádio Digital Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal Roberto Pinto Martins Secretário rio de Telecomunicações Ministério das Comunicações Sumário 1. Cenário

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação LINHA DE PESQUISA: Inovações na Linguagem e na Cultura Midiática PROFESSOR

Leia mais

A CRIANÇA NA PUBLICIDADE

A CRIANÇA NA PUBLICIDADE A CRIANÇA NA PUBLICIDADE Entrevista com Fábio Basso Montanari Ele estuda na ECA/USP e deu uma entrevista para e seu grupo de colegas para a disciplina Psicologia da Comunicação, sobre sua história de vida

Leia mais

Pronac Nº 1111032 Você em Cenna é um concurso cultural que irá eleger atores e atrizes amadores de todo o país, que enviarão vídeos de suas performances para votação popular e de júri especializado. Os

Leia mais

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno)

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Disciplina Ementa Pré- requisito C.H. Curso Assessoria de Comunicação Conhecimento geral, reflexão e prática

Leia mais

17º FESTIVAL BRASILEIRO DE CINEMA UNIVERSITÁRIO. 06.08 a 12.08 Rio de Janeiro 13.08 a 19.08 São Paulo

17º FESTIVAL BRASILEIRO DE CINEMA UNIVERSITÁRIO. 06.08 a 12.08 Rio de Janeiro 13.08 a 19.08 São Paulo 17º FESTIVAL BRASILEIRO DE CINEMA UNIVERSITÁRIO 06.08 a 12.08 Rio de Janeiro 13.08 a 19.08 São Paulo APRESENTAÇÃO O 17º Festival Brasileiro de Cinema Universitário acontecerá de 6 a 12 de agosto de 2012,

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000023 - COMUNICACAO SOCIAL - JORNALISMO Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000023 - COMUNICACAO SOCIAL - JORNALISMO Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000023 - COMUNICACAO SOCIAL - JORNALISMO Nivel: Superior Area Profissional: 0006 - COMUNICACAO Area de Atuacao: 0110 - EDITORACAO/COMUNICACAO

Leia mais

Linguagem Radiofônica Aula 2 História do rádio O Surgimento do Rádio

Linguagem Radiofônica Aula 2 História do rádio O Surgimento do Rádio Linguagem Radiofônica Aula 2 História do rádio O Surgimento do Rádio O desenvolvimento do rádio como MCM faz parte da expansão capitalista. Apesar do senso comum atribuir a invenção do rádio ao italiano

Leia mais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5.1 A Rede Globo A Rede Globo é uma das maiores redes de televisão do mundo, com milhões de espectadores

Leia mais

Big Brother Brasil Realidades espectacularizadas

Big Brother Brasil Realidades espectacularizadas Big Brother Brasil Realidades espectacularizadas Vanessa Curvello Índice 1 O Big Brother........... 1 2 O Big Brother Brasil....... 2 3 A estruturação do programa.... 2 4 As estratégias comunicativas da

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Publicidade e Propaganda 2011-2 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO CAMPANHA DE POSICIONAMENTO

Leia mais

PLANO DE PATROCÍNIO INTEGRADO VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL

PLANO DE PATROCÍNIO INTEGRADO VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL PLANO DE PATROCÍNIO INTEGRADO VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL Dir. Nac. de Marketing Out/13 TROFÉU MUNDIAL DE NADO SINCRONIZADO 2013 De 29 de Novembro a 1 de Dezembro A partir de Novembro, os telespectadores

Leia mais

Radionovela para e com deficientes visuais 1

Radionovela para e com deficientes visuais 1 Radionovela para e com deficientes visuais 1 Gabriela Rodrigues Pereira CAPPELLINI 2 Raquel PELLEGRINI 3 Christian GODOI 4 Centro Universitário do Monte Serrat, Santos, SP RESUMO Narrar histórias a deficientes

Leia mais

Palavras-Chave Plataforma digital, internet, VOD Video On-demand, televisão

Palavras-Chave Plataforma digital, internet, VOD Video On-demand, televisão 1 BALAN, Willians Cerozzi. Plataformas digitais: uma nova forma de ver TV. in FERREIRA JUNIOR, José e SANTOS, Márcio Carneiro dos. Comunicação, tecnologia e inovação: estudos interdisciplinares de um campo

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação - FACOM EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE JORNALISMO. Disciplinas Obrigatórias

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação - FACOM EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE JORNALISMO. Disciplinas Obrigatórias EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE JORNALISMO Disciplinas Obrigatórias Departamento de Comunicação e Artes 1) Teoria da Comunicação I: 1. Comunicação: conceito, objeto e objetivo. 2. Ciências da Informação.

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Captação através da fidelização: segmentar como oportunidade

Captação através da fidelização: segmentar como oportunidade Captação através da fidelização: segmentar como oportunidade A essência da vida é aproximar as pessoas. Tempo, espaço, tecnologia, números. Nada na vida é tão autossuficiente que não precise de interferência

Leia mais

Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010. Regional

Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010. Regional Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010 Regional Julho de 2010 Pesquisa de Avaliação Campanha Brasil 2010 - Regional No período entre 28 de junho e 02 de julho de 2010 foram realizados os Grupos Focais

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

MÍDIA MATERIAL DE REFERÊNCIA TEÓRICA 01. Prof. Rodrigo Duguay a partir de material base da Profa. Dra. Karla Patriota

MÍDIA MATERIAL DE REFERÊNCIA TEÓRICA 01. Prof. Rodrigo Duguay a partir de material base da Profa. Dra. Karla Patriota MÍDIA MATERIAL DE REFERÊNCIA TEÓRICA 01 Prof. Rodrigo Duguay a partir de material base da Profa. Dra. Karla Patriota MÍDIA Definição Mídia. Sf (ing. mass media) Propag. 1 Veículo ou meio de divulgação

Leia mais

E já surgia vitoriosa! Pois todos os vetos de Goulart foram rejeitados.

E já surgia vitoriosa! Pois todos os vetos de Goulart foram rejeitados. Senhoras e senhores Companheiros da Radiodifusão, É para mim e para todos os meus colegas da ABERT uma enorme alegria e uma honra receber tantos amigos e presenças ilustres nesta noite em que comemoramos

Leia mais

estão em evidência hoje?

estão em evidência hoje? estão em evidência hoje? delas. Muito antes de entender quem eram e como pensavam as mulheres, percebemos que era fundamental identificar as diferenças comportamentais entre homens e mulheres. Afinal,

Leia mais

TABELA DE PREÇOS DIA HORA GÊNERO PROGRAMA 30''

TABELA DE PREÇOS DIA HORA GÊNERO PROGRAMA 30'' TABELA DE PREÇOS DIA HORA GÊNERO PROGRAMA 30'' SEG/SAB 06:00/09:00 VARIEDADES SHOW DO ANTONIO CARLOS R$ 39,00 SEG/SAB 09:05/10:00 RELIGIOSO MOMENTO DE FÉ R$ 51,00 SEG/SAB 10:05/13:00 VARIEDADES MANHÃ DA

Leia mais

Produção Eletrônica em Rádio e TV

Produção Eletrônica em Rádio e TV Produção Eletrônica em Rádio e TV Programetes Vídeos Institucionais e Produções Informativas TVs Corporativas Prof. Dirceu Lemos dirceulemos@yahoo.com.br O que são programetes? Programetes são programas

Leia mais

Planejamento de Campanha de Propaganda. Aula 5. Contextualização. Instrumentalização. Meios e Veículos. Mídia Conceito. Profa.

Planejamento de Campanha de Propaganda. Aula 5. Contextualização. Instrumentalização. Meios e Veículos. Mídia Conceito. Profa. Planejamento de Campanha de Propaganda Aula 5 Contextualização Profa. Karin Villatore Esta aula tem como objetivo mostrar quais são as principais mídias que podem ser usadas em campanhas de publicidade

Leia mais

Mídia e Comunicação Cenário e desafios para a democracia e a liberdade de expressão. Veridiana Alimonti, advogada do Idec e integrante do Intervozes

Mídia e Comunicação Cenário e desafios para a democracia e a liberdade de expressão. Veridiana Alimonti, advogada do Idec e integrante do Intervozes Mídia e Comunicação Cenário e desafios para a democracia e a liberdade de expressão Veridiana Alimonti, advogada do Idec e integrante do Intervozes Liberdade de Expressão! Para quem? Marco internacional

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

Novos Modelos de Negócio em Televisão Digital 1. Felippe de Souza LIMA 2

Novos Modelos de Negócio em Televisão Digital 1. Felippe de Souza LIMA 2 Novos Modelos de Negócio em Televisão Digital 1 Felippe de Souza LIMA 2 RESUMO Este artigo tem o propósito de analisar a atual realidade da televisão aberta brasileira em relação ao seu modelo de lucratividade

Leia mais

CANAIS 14 UHF 22 da NET

CANAIS 14 UHF 22 da NET www.facebook.com/tvredepaulista www.twitter.com/tvredepaulista www.youtube.com/tvredepaulista www.projectocom.com.br tvredepaulista Fundação Cultural Anhanguera R. Dr. Leonardo Cavalcanti, 56 Centro Jundiaí/SP

Leia mais

7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL

7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL DICAS PARA DIVULGAR SUA EMPRESA E AUMENTAR AS VENDAS NO FIM DE ANO 7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL Sumário Apresentação Capítulo 1 - Crie conteúdo de alta

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

o melhor da noite já está no ar...

o melhor da noite já está no ar... PROGRAMA O PROGRAMA O Programa Click Noite é veiculado diariamente há 11 anos, acompanhando os principais eventos e acontecimentos de São Paulo. Há alguns anos iniciou a cobertura em outros estados e também

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

Estratégias de marketing digital como diferencial competitivo para pequenas empresas

Estratégias de marketing digital como diferencial competitivo para pequenas empresas IX WORKSHOP DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DO CENTRO PAULA SOUZA São Paulo, 15 e 16 de outubro de 2014 Estratégias Globais e Sistemas Produtivos Brasileiros ISSN: 2175-1897 Estratégias de marketing digital

Leia mais

TV Analógica e TV Digital: como conviver com os dois formatos?

TV Analógica e TV Digital: como conviver com os dois formatos? 1 TV Analógica e TV Digital: como conviver com os dois formatos? Willians Cerozzi Balan Setembro/2009 Autores, pesquisadores e profissionais da área de produção em televisão reconhecem que a imagem exerce

Leia mais

Lei 12.485/2011. SeAC Serviço de Acesso condicionado. Lei da TV Paga

Lei 12.485/2011. SeAC Serviço de Acesso condicionado. Lei da TV Paga Lei 12.485/2011 SeAC Serviço de Acesso condicionado Lei da TV Paga Segundo a Anatel, o serviço de TV por assinatura atende aproximadamente 54,2 milhões de lares brasileiros e 27,9% das residências do país.

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS CURSO DE JORNALISMO MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS 1 1 ÁREAS TEMÁTICAS Respeitada a disponibilidade de carga horária dos professores orientadores e a escolha dos alunos,

Leia mais

Ações de Interatividade

Ações de Interatividade Ações de Interatividade Fundação Padre Anchieta TV Cultura Julho de 2007 Diário de Bárbara Em agosto de 2007, 14 adolescentes de várias partes do mundo foram convidados a conhecer o Pólo Norte para ver

Leia mais

ÍNDICE. Sumário. Expositores. Marketing e Comunicação. Galeria de Fotos

ÍNDICE. Sumário. Expositores. Marketing e Comunicação. Galeria de Fotos POST SHOW REPORT ÍNDICE Sumário Expositores Visitantes Marketing e Comunicação Galeria de Fotos SUMÁRIO SUMÁRIO EXECUTIVO NOVIDADES DE ALTA TECNOLOGIA E NEGÓCIOS FECHADOS MARCAM A FENATRAN 2009 Maior evento

Leia mais

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA 1 As autoras A vivência como professoras foi a base de trabalho das autoras. Na sala de aula, puderam conviver com a realidade de leitura

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA

COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N o 3.771, DE 2004 Dispõe sobre a identificação obrigatória da localização de paisagens de interesse turístico nas condições que

Leia mais

TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA

TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA AUTOR / AUTOR: Ruy Alkmim Rocha Filho INSTITUIÇÃO / INSTITUCIÓN: Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Aparecido Marden Reis 2 Marli Barboza da Silva 3 Universidade do Estado de Mato Grosso, Unemat - MT RESUMO O projeto experimental

Leia mais

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula José Manuel Moran A seguir são apresentadas sugestões de utilização de vídeo, CD e DVD. Vídeo como produção Como documentação, registro de eventos, de aulas,

Leia mais

TV REDE PAULISTA - SEMPRE PERTO DE VOCÊ

TV REDE PAULISTA - SEMPRE PERTO DE VOCÊ TV REDE PAULISTA - SEMPRE PERTO DE VOCÊ \\TV REDE PAULISTA Com foco na região de Jundiaí, a TV Rede Paulista construiu a sua história priorizando a divulgação de tudo o que acontece em nossa comunidade.

Leia mais

Fundamentos da Propaganda TV e Cinema. Prof. Adriano Portela

Fundamentos da Propaganda TV e Cinema. Prof. Adriano Portela Fundamentos da Propaganda TV e Cinema Prof. Adriano Portela Brasil, 1950. A chegada da televisão revoluciona a vida dos brasileiros. Os Anos de Chumbo, como foram chamados os 20 anos de ditadura, marcaram

Leia mais

Apresentação. Diariamente no Net Cidade Canal 26 Sábados na Band Canal 10 Apresentação Eliane Beuren www.progviverbem.com.br

Apresentação. Diariamente no Net Cidade Canal 26 Sábados na Band Canal 10 Apresentação Eliane Beuren www.progviverbem.com.br Apresentação No ar desde 13 de março de 2002, o Programa Viver Bem é apresentado por Eliane Beuren e inspirado no prazer que sentimos em viver e na conquista de uma melhor qualidade de vida através da

Leia mais

TV Digital : Convergência e Interatividade. 2010 HXD Interactive Television

TV Digital : Convergência e Interatividade. 2010 HXD Interactive Television TV Digital : Convergência e Interatividade. A TELEVISÃO. A Televisão... o mais subversivo instrumento da comunicação deste século!" Assis Chateaubriand (1950). A Televisão Sem TV é duro de dizer quando

Leia mais

A participação do rádio no cotidiano da sociedade brasileira (1923-1960)

A participação do rádio no cotidiano da sociedade brasileira (1923-1960) A participação do rádio no cotidiano da sociedade brasileira (1923-1960) Lia Calabre NO APAGAR DAS LUZES DO SÉCULO XX, podemos dizer que este foi o tempo da revolução das formas de comunicação à distância.

Leia mais

Comunicação Integrada de marketing.

Comunicação Integrada de marketing. Comunicação Integrada de marketing. - COMPOSTO DE COMUNICAÇÃO - 4 A s - 4 C s Comunicação: é a transmissão de uma mensagem de um emissor para um receptor, de modo que ambos a entendam da mesma maneira.

Leia mais

CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008;

CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008; CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014 Dispõe sobre propostas para adequação do Plano de Trabalho 2015 da EBC. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008; Considerando que o Plano de

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO ANÁLISE DO DISCURSO DA PROPAGANDA MARLBORO SOROCABA 2014 1 Introdução O presente trabalho

Leia mais

VOLKSWAGEN - VAREJO JORNAL DA BAND

VOLKSWAGEN - VAREJO JORNAL DA BAND VOLKSWAGEN - VAREJO JORNAL DA BAND BAND.COM.BR O BAND.com.br é o endereço da melhor informação na web, com acesso direto ao conteúdo de 4 canais de televisão, 14 emissoras de rádio e 2 jornais impressos.

Leia mais

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo?

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo? Pré-Vestibular Social Grupo SOA Suporte à Orientação Acadêmica Ela faz cinema Ela faz cinema Ela é demais (Chico Buarque) CINEMA Chegou o momento de escolher um curso. Diante de tantas carreiras e faculdades

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE ESPAÇO PARA EXECUÇÃO DE VÍDEOS E SPOTS PUBLICITÁRIOS EM JUKEBOX DIGITAL GUIA DE REFERÊNCIA PARA OPERADORES ASSOCIADOS

CONTRATAÇÃO DE ESPAÇO PARA EXECUÇÃO DE VÍDEOS E SPOTS PUBLICITÁRIOS EM JUKEBOX DIGITAL GUIA DE REFERÊNCIA PARA OPERADORES ASSOCIADOS 1 CONTRATAÇÃO DE ESPAÇO PARA EXECUÇÃO DE VÍDEOS E SPOTS PUBLICITÁRIOS EM JUKEBOX DIGITAL GUIA DE REFERÊNCIA PARA OPERADORES ASSOCIADOS 1. INTRODUÇÃO OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO 2. CONCEITO PARA A PRESTAÇÃO

Leia mais

Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática. (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi)

Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática. (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi) Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi) XI Colóquio Internacional de Comunicação para o Desenvolvimento Regional (9,10,11

Leia mais

Animação Efeito3D AtorVirtual

Animação Efeito3D AtorVirtual Cadbury Adams Nokia AESP AESP Amarula Speedo Animação Efeito3D AtorVirtual +55 11 3167-2533 Rua Jesuíno Arruda, 797-9º andar Itaim-Bibi A Empresa Somos um estúdio de animação focado em agências de marketing

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Jornalismo 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Jornalismo 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Jornalismo 2011-2 O PAPEL DO YOUTUBE NA CONSTRUÇÃO DE CELEBRIDADES INSTANTÂNEAS Aluno: Antonio,

Leia mais

O PAPEL DA PROPAGANDA NO AMBIENTE ESCOLAR

O PAPEL DA PROPAGANDA NO AMBIENTE ESCOLAR O PAPEL DA PROPAGANDA NO AMBIENTE ESCOLAR Izabele Silva Gomes Vívian Galvão Barbosa Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com viviangbarbosa@msn.com INTRODUÇÃO Termos como Era

Leia mais

Alzheimer: de Volta ao Começo 1

Alzheimer: de Volta ao Começo 1 Alzheimer: de Volta ao Começo 1 Marcelo de Paula LEMOS 2 Marcela Terra Cunha MATARIM 3 Mariana Alves MENDES 4 Celi CAMARGO 5 Universidade de Uberaba, Uberaba, MG RESUMO Alzheimer: de Volta ao Começo é

Leia mais

3 A13 DE SETEMBRO RIOCENTRO

3 A13 DE SETEMBRO RIOCENTRO 3 A13 DE SETEMBRO RIOCENTRO A Bienal do Livro Rio é o maior evento literário do país, um grande encontro que tem o livro como astro principal. Para o leitor, é a oportunidade de aproximação com seus autores

Leia mais

O futuro do YouTube - VEJA.com

O futuro do YouTube - VEJA.com Entrevista O futuro do YouTube 29/08/2009 10:49 Por Leo Branco Nesta semana, Chad Hurley, de 32 anos, um dos criadores do YouTube, esteve no Brasil e falou a VEJA sobre o futuro do maior site de vídeos

Leia mais

6 Cultura e ideologia

6 Cultura e ideologia Unidade 6 Cultura e ideologia Escrever sobre cultura no Brasil significa trabalhar com muitas expressões como festas, danças, canções, esculturas, pinturas, gravuras, literatura, mitos, superstições e

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO!

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! Como deixar seu negócio on-line Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! A palavra de ordem das redes sociais é interação. Comparando a internet com outros meios de comunicação em massa como

Leia mais

Missão. Objetivo Geral

Missão. Objetivo Geral SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CINEMA E AUDIOVISUAL Missão O Curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Estácio de Sá tem como missão formar um profissional humanista, com perfil técnico e artístico

Leia mais

Joaozinho, o repórter 1. Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4

Joaozinho, o repórter 1. Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4 Joaozinho, o repórter 1 Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Mossoró, RN. RESUMO O documentário Joãozinho,

Leia mais

Redes sociais e o acesso público ao cinema brasileiro

Redes sociais e o acesso público ao cinema brasileiro Redes sociais e o acesso público ao cinema brasileiro Cynthia Zaniratti Introdução Hoje, pode-se perceber certa onipresença das redes sociais na chamada Sociedade da Informação. Mais do que um conceito

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

Sequência Didática. Criança, a alma do negócio (2) http://tvescola.mec.gov.br/tve/video?iditem=7212. 1 - Título:

Sequência Didática. Criança, a alma do negócio (2) http://tvescola.mec.gov.br/tve/video?iditem=7212. 1 - Título: Sequência Didática 1 - Título: Criança, a alma do negócio (2) http://tvescola.mec.gov.br/tve/video?iditem=7212 2 Resumo: Você, educador(a), e você também que não tem a educação como profissão, mas se interessa

Leia mais

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB.

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. Cinema como ferramenta de aprendizagem¹ Angélica Moura CORDEIRO² Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. RESUMO Este artigo pronuncia o projeto Criancine que

Leia mais

- Deptº de Marketing -TV Bahia. Rua Aristides Novis nº 123 Federação. Tel.: (71) 3203-1207 -

- Deptº de Marketing -TV Bahia. Rua Aristides Novis nº 123 Federação. Tel.: (71) 3203-1207 - O Projeto Despertar a consciência de que cada um é responsável pelo equilíbrio ambiental e que, cabe a nós convencermos a quem convivemos disso. É o mote do projeto que vai estimular a conscientização

Leia mais

inglês MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM Comparativos Curriculares SM língua estrangeira moderna ensino médio

inglês MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM Comparativos Curriculares SM língua estrangeira moderna ensino médio MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM língua estrangeira moderna Comparativos Curriculares SM inglês ensino médio A coleção Alive High Língua Estrangeira Moderna Inglês e o currículo do Estado de Goiás

Leia mais

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 BOGUSZEWSKI, Luiza. 2 SCHETTERT, Gabriela Antunes. 3 MENEZES, Sérgio. 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR. 2013 RESUMO Com a disseminação da cultura norte-americana

Leia mais

Inovação e o Telejornalismo Digital

Inovação e o Telejornalismo Digital Inovação e o Telejornalismo Digital Prof. Antonio Brasil Cátedra UFSC - RBS 2011 Telejornalismo Digital Novas práticas, desafios e oportunidades O que é Telejornalismo Digital Inovação tecnológica Interatividade

Leia mais

SBT PILARES SBT COBERTURA REGIONAIS FAMÍLIA INFORMAÇÃO DIVERSÃO

SBT PILARES SBT COBERTURA REGIONAIS FAMÍLIA INFORMAÇÃO DIVERSÃO AGROPEC 360º SBT PILARES SBT FAMÍLIA A base de nossos esforços e conquistas. Segundo pesquisas, o SBT é reconhecidamente uma emissora para toda a família. INFORMAÇÃO Informar bem para melhor formar nosso

Leia mais

MIDIA KIT. Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br

MIDIA KIT. Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br MIDIA KIT Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br Sobre nosso site O Notícias de Alagoinhas hoje é o portal mais completo da cidade. Somos um Canal de comunicação online que integra

Leia mais

A melhor maneira de ficar informado em São José dos Pinhais

A melhor maneira de ficar informado em São José dos Pinhais A melhor maneira de ficar informado em São José dos Pinhais A sua agência de notícias em São José dos Pinhais O PautaSJP.com é um canal de Comunicação de São José dos Pinhais e Região, criado em 02 de

Leia mais