Percursos históricos e modos de produção: uma análise sobre a emissora T V Uruguaiana no Rio G rande do Sul 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Percursos históricos e modos de produção: uma análise sobre a emissora T V Uruguaiana no Rio G rande do Sul 1"

Transcrição

1 1 Percursos históricos e modos de produção: uma análise sobre a emissora T V Uruguaiana no Rio G rande do Sul 1 EMERIM, Cárlida (Doutora) 2 OLIVEIRA, Gabriella Souza de (Graduanda) 3 SOLARES, Márcia Martins (Graduanda) 4 UFSC (SC) e UNIPAMPA (RS) Resumo: O presente artigo constitui-se na apresentação de alguns resultados iniciais sobre uma pesquisa maior que se propõe a restabelecer a história da mídia televisiva no interior do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina integrando os objetivos de dois grupos de pesquisa: o Grupo de Pesquisa História da Mídia (GPHM) da Universidade Federal do Pampa (RS) e o Grupo Interinstitucional de Pesquisa em Telejornalismo (GIPTELE) da Universidade Federal de Santa Catarina (SC). Em específico, neste trabalho, objetiva-se esboçar os primeiros levantamentos sobre a implantação histórica da emissora de televisão RBS TV Uruguaiana, localizada na fronteira oeste do Rio Grande do Sul, relacionando a suas rotinas produtivas e buscando dados históricos recentes para compreender as relações que estabelece com os modos específicos de produção que podem ser resultado de sua trajetória política e econômica. Para tanto o trabalho intercala estratégias empregadas pelos métodos da História Orla, centrando nas entrevistas temáticas e nas entrevistas de história de vida bem como lança mão das técnicas de pesquisa propostas pela análise de conteúdo e da semiótica discursiva aliadas, eventualmente, com o conhecimento da prática produtiva em televisão. As reflexões aqui apresentadas são fruto de um ano de investigação sobre esta temática que seguirá até dezembro de 2011 para o seu fechamento final. Palavras-chave: história, mídia televisiva, telejornalismo, mercado de interior 1 Trabalho apresentado no GT de História da Mídia Visual e Audiovisual, integrante do VIII Encontro Nacional de História da Mídia, Orientadora do Trabalho, Mestre em Semiótica e Doutora em Processos Midiáticos, é professora e pesquisadora da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), líder do GIPTELE, desenvolveu pesquisa sobre o telejornalismo na fronteira oeste do RS, na Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA) até dezembro de Desde janeiro de 2011 atua na UFSC seguindo o foco de investigação na mídia televisiva regional, com pesquisa atual sobre os telejornais em Florianópolis e o ensino de telejornalismo em Santa Catarina. F: (48) Acadêmica do 7º semestre do Curso de Jornalismo da Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA), bolsista de Iniciação Científica PBDA desde 2008 e integrante dos Grupos de Pesquisa História da Mídia (GPHM) da Unipampa/RS e Interinstitucional de Pesquisa em Telejornalismo (GIPTELE) da UFSC (SC). cel: (55) Acadêmica do 7º semestre do Curso de Jornalismo da Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA), bolsista de Iniciação Científica PIBIC 2010 e integrante do Grupo Interinstitucional de Pesquisa em Telejornalismo (GIPTELE) da UFSC (SC). cel: (55)

2 2 1. Introdução A história da televisão no Brasil e, por conseqüência, do telejornalismo, é um percurso recente na academia. Durante muitos anos, a televisão era considerada mídia menor e não se constituía em objeto de pesquisa sobre suas histórias e seus modos de produção. Os poucos que se dedicavam a estudar a televisão!"#$!#!%!&"'(&(")("&!*"+(",-'.*(/0" '.1(" '(2#34+(" &!256.*!#7$5(" 3" 5+3(*785'(" 6$31.+5'!%!" (" +3,32%(*%5&32#(" crítico e intelectual das massas populares. Mas esta crença vem sofrendo transformações ao longo do tempo. Mesmo reconhecendo suas limitações, a televisão está se consolidando como um objeto importante na pesquisa acadêmica e muitas investigações a tem tratado com mais lucidez, analisando-a sobre suas especificidades, possibilidades e restrições. É nesta perspectiva que este artigo se insere e, portanto, propõe contribuir com a análise dos modos de produção da mídia televisiva tentando compreender as relações que esses estabelecem com o percurso histórico e mercadológico das emissoras. Para tanto, o artigo apresenta uma etapa de imersão histórica em duas direções, a de implantação e a de um passado mais recente, na tentativa de compreender o percurso de implantação da emissora RBS TV Uruguaiana, localizada na fronteira oeste do Rio Grande do Sul, há 700 km da capital Porto Alegre, integrante da Rede Regional de Emissoras montada pelo Grupo RBS no final dos anos 70 no interior do estado gaúcho e como este percurso interfere no modo de produção de telejornalismo. 2. História e tecnologia: possibilidades e restrições A implantação da televisão no Brasil iniciou tarde em relação a outros países, como aponta (REZENDE: 2000), projetando-se em 1950 com a TV Tupi, sendo que seus programas eram integralmente produzidos em suporte fílmico e, muitas emissões, ao vivo que não foram registradas em arquivo. Mesmo assim, obteve uma grande aceitação e já em 1965 consolidou-se como um hábito do brasileiro, quando havia em torno de quatro grandes emissoras no país que emitiam programação para as principais capitais e algumas cidades do interior através de antenas repetidoras. Em 1970, a televisão avança nos seus modos produtivos numa mudança tecnológica fundamental

3 3 passando a utilizar-se da fita magnética em detrimento do filme para capturar suas imagens do mundo. O processo de finalização também ganha agilidade, pois não é mais necessário revelar os filmes e as edições são operacionalizadas com as imagens direto das fitas. Quem mais lucra com esse processo são os programas puramente noticiosos, ou seja, os telejornais, visto que o ganho de tempo permitiu que as notícias pudessem ser relatas com mais proximidade à sua ocorrência, embora, é claro, ainda com larga defasagem do tempo real. Esta evolução tecnológica, porém, traz uma conseqüência negativa para a preservação imagética da história, pois, se os filmes não permitiam a sua reutilização, sendo necessário sempre um negativo novo para a gravação, as fitas magnéticas, ao contrário, eram passíveis de reutilização, estabelecendo, em todas as emissoras, a prática de regravação. A regravação obrigava aos profissionais da ativa selecionar as imagens e/ou reportagens que considerassem mais importantes para arquivar, porém, o material restante era desgravado, ou seja, a fita era reutilizada e gravavam-se imagens novas por cima das antigas. Esta era prática comum empregada no mercado pelas emissoras de televisão sediadas no interior no Rio Grande do Sul nos anos 70, 80 e boa parte dos 90, pois não só lhes faltava espaço físico adequado para o armazenamento como também o preço das fitas era alto, assim, o reaproveitamento era, também, uma medida de economia. Parece ser contraditório dizer que a história de uma emissora de televisão não possa ser recuperada através de imagens, mas infelizmente é o que a pesquisa empreendia tem mostrado que acontece, principalmente, em emissoras de pequeno porte e localizadas em regiões fora do eixo das grandes cidades. Segundo alguns entrevistados, a RBS TV Uruguaiana tinha o hábito de gravar imagens por sobre as outras para reaproveitar as fitas de vídeo. O não arquivamento das fitas impede o acesso a importantes dados que poderiam contribuir com a pesquisa. A partir do advento da tecnologia digital, essas emissoras passaram a se preocupar em organizar estes materiais e a disponibilizar, via site, os arquivos aos telespectadores. Porém, as imagens tratam de fatos recentes, os mais antigos ainda são raros e de difícil acesso. Outra situação que a pesquisa verificou foi em relação a documentos e registros escritos em emissoras do interior do Rio Grande do Sul. Com a rotatividade natural de profissionais, ocorria que muitos documentos não recebiam o arquivamento necessário restando nessas emissoras, na maioria das vezes, apenas um registro burocrático do setor de recursos humanos com dados mais objetivos, tais como, endereço, função na

4 4 qual fora admitido, ano de contratação e data de nascimento. Para uma pesquisa maior sobre o desenvolvimento deste profissional, as características de trabalho da época e o modo com o qual desenvolvia a sua produção na emissora bem como sua trajetória, não são passíveis de recuperação. E, segundo os relatos, muitos destes profissionais levavam consigo seus materiais e, com isso, de certa forma, os registros históricos, porém, se assim não o fizesse este material seria desgravado ou inutilizado. Diante do exposto, considerando que: 1) a documentação sobre o surgimento da emissora em questão é de difícil acesso, 2) a existência de poucos materiais de arquivos: os produtos gravados em fita magnética (analógica) veiculados pela emissora ao longo de 20 anos foram sendo desgravados, pois as fitas eram reutilizadas e, por fim, 3) muitos dos registros imagéticos existentes encontram-se em poder de terceiros que precisam ser cuidadosamente mapeados, o percurso metodológico escolhido para se tentar restabelecer a história de implantação da emissora de televisão RBS TV Uruguaiana recorreu a História Oral e ao emprego de duas técnicas de entrevista temática e de entrevista de história e vida. Os materiais empregados para esta primeira fase de coleta de informações constituíram-se em dois tipos: 1) documentos, registros oficiais e bibliografia direcionada ao tema (livros, publicações impressas, jornais, revistas e documentos existentes na emissora); 2) gravação de entrevistas em mídia digital (gravados em vídeo HD) realizadas com profissionais que atuaram mais recentemente na emissora (para posterior mapeamento dos mais antigos) e, por fim, 3) a observação empírica das produções que são exibidas pela emissora na programação cotidiana com vistas a compreender as relações que o produto final da atualidade estabelece com os modelos empregados ao longo dos anos. Nesta direção, para o primeiro tipo de material, o método de trabalho incluiu a sistematização dos dados, o exame e o recorte por nomes de profissionais e datas significativas, a seleção de material a ser digitalizado para arquivo da pesquisa e, por fim, o mapeamento das entrevistas com a busca pela localização dos próximos entrevistados. Nas entrevistas, utilizou-se de dois tipos: 1) a aberta, para compreender o próprio profissional (num primeiro encontro) e seu lugar de fala e a 2) direcionada: com perguntas organizadas a partir da primeira entrevista/fala do entrevistado e outras de interesse da pesquisa e complementares à investigação. Diante do exposto, a próxima secção propõe-se a recuperar alguns dados apurados que se constituem, em sua maioria,

5 5 dos resultados de pesquisa empreendida pelo Grupo de Pesquisa História da Mídia (GPHM) desde 2006 como, também, os resultantes da articulação e do confrontamento das entrevistas gravadas nos últimos dois anos. 3. Uma primeira parte da história No Rio Grande do Sul, a televisão surgiu em 1961, com a inauguração da TV Piratini, mas foi a TV Gaúcha, que surgiu no final de 1962, que inicia com uma forte programação local e vai se expandindo com emissoras regionais e sucursais pelo interior do Estado. Em 1969, quando se desvincula da TV Excelsior do Rio de Janeiro e passa a operar com a Rede Globo de Televisão 5, também uma empresa carioca, a TV Gaúcha inaugura duas emissoras no interior do estado gaúcho, a TV Caxias em 22 de fevereiro e a TV Imembuí, em Santa Maria, no dia 13 de dezembro. Dois anos depois, em 1972, a TV Gaúcha apresenta mais duas empresas regionais localizadas em cidades diferentes, por coincidência, ambas tinham o mesmo nome quando de sua fundação, TV Tuiuti, uma fundada em 30 de abril em Erechim e a outra na cidade de Pelotas, em 05 de julho. Em abril de 1974, surge a TV Uruguaiana e mais tarde, em 1977 a TV Gaúcha começa a integrar o estado no projeto Rede Regional de Emissoras, inaugurando neste mesmo ano a TV Bagé, em 19 de janeiro e a TV Rio Grande em 26 de outubro. Esta Rede integraria, ainda, já com o nome RBS TV, as emissoras de Passo Fundo, em 25 de maio de 1980; Cruz Alta em 22 de dezembro de 1987; Santa Cruz, em 28 de setembro de 1988 e Santa Rosa em 28 de agosto de Segundo SEIBT e SILVEIRA (2004): Em 1979, o Rio Grande do Sul superava São Paulo em termos de canais televisivos, com 13 emissoras, enquanto o outro estado detinha 11 emissoras. [...] Já em 1977, o Brasil contava com 75 emissoras de televisão e o cenário mais promissor da América Latina em termos de televisão local. (2004: p. 03) Não só esta interiorização promovida pela TV Gaúcha ajudou a consolidar a televisão como um espaço de produção regional no Rio Grande do Sul como também fortaleceu a programação exibida pela Rede Globo que, através destas emissoras 5 Quando surgiu, em 1962, a TV Gaúcha (hoje RBS TV), exibia programação local-regional e a programação da TV Excelsior, depois, em 1969, passou a retransmitir a da Rede Globo de Televisão, parceria que mantém até os dias atuais, tornando-se, ao longo dos anos, a afiliada mais produtiva da emissora carioca.

6 6 regionais e as antenas repetidoras, conseguia atingir uma grande audiência num largo espaço geográfico no estado. Esta grande audiência, durante muito tempo, não recebia outros sinais, ou seja, por longos anos, era a única emissora que emitia programação para essas regiões, pois as outras redes não tinham emissoras regionais e nem antenas repetidoras. Em tempo, mesmo a TV Gaúcha tinha dificuldades em manter suas antenas repetidoras em condições, pois se localizavam nos altos dos morros, locais de difícil acesso e sujeito a intempéries. Outra questão importante refere-se aos modos de produção, visto que, para muitas pessoas, a televisão era um instrumento de lazer, talvez o único, sendo que essa audiência acabava se tornando fiel/ cativa por falta de opção. Nesse contexto, paulatinamente, os modos de fazer televisão da TV Gaúcha e da própria Rede Globo consolidavam-se como hegemônicos, educando muitas gerações e construindo um padrão que era compreendido e aceito. A pesquisa bibliográfica empreendida também mostrou que a interiorização da TV Gaúcha no Rio Grande do Sul ocorre com mais força nos anos mais duros da ditadura militar que dominaram o Brasil de 1964 até meados dos anos 80. Como remonta a história recente, de 1969 a 1974, no governo de Emílio Garrastazu Médici, foram os anos de maior cerceamento da liberdade de imprensa, ocorreram inúmeros fechamentos de veículos de comunicação e a perseguição ideológica sobre muitos jornalistas. É no período mais acirrado, de 70 a 74, de certa forma, que ocorre esta interiorização compactuando com uma idéia de governo vigente que pretendia integrar todas as regiões do país e da qual a Rede Globo se beneficiou consolidando-se como grupo hegemônico de comunicação no Brasil. E, ao seu turno, a expansão da TV Gaúcha foi fundamental neste processo no território gaúcho, permitindo não só o crescimento da Rede Globo como também o seu próprio aliado ao fato de que ambas ajudaram!" &!2#3$"!" 5+-5!" +3" )52#38$!9:(" 2!'5(2!*/" propagada pela ditadura militar. Mas, este paper não se deterá a este tema, como bem aponta o resumo, sendo assim, na próxima secção tratar-se-á de apresentar um relato comentado sobre a história de implantação da TV Uruguaiana. 4. Levantamentos sobre a RBS T V Uruguaiana Até esta etapa da pesquisa, com o material coletado, foi possível recuperar uma parte da história de surgimento da emissora que, do ponto de vista investigativo,

7 7 apontou para diferentes versões. A primeira delas, encontrada em livros como o de SCHIRMER (2002) e manuscritos/textos da própria emissora narra sobre a existência de uma campanha de arrecadação de fundos a Fundo Comum de Garantia de Serviço e Crédito da Rádio e Televisão São Miguel Ltda, iniciada em 1969, pelo representante da Mitra Diocesana de Uruguaiana, Bispo dom Augusto Petró em parceria com o diretor da Rádio São Miguel, professor João Antônio Souto. A promoção, que envolvia o comércio da cidade, cobrava 100 cruzeiros novos e o comprador tinha direito a um desconto na compra de um aparelho de televisão nas casas de eletrodomésticos conveniadas. A Rádio São Miguel, de propriedade da Igreja Católica e, por conseqüência, quem detinha a concessão de televisão, pretendia construir um prédio onde funcionaria a Rádio São Miguel, o Jornal Cidade e a Televisão Quero-Quero, como havia sido batizada a emissora. Com a idéia de organizar a construção deste prédio é que foi promovida essa campanha de arrecadação de recursos que mobilizou toda a sociedade da época. Apesar de a arrecadação ter sido bem sucedida, houve um atraso na estruturação e no funcionamento da emissora devido, segundo SCHIRMER (2002), à crise financeira vivida no estado e no país. Para fechar o capital que faltava, o grupo de empresários de Uruguaiana negocia com Maurício Sirotsky Sobrinho que completa a verba que faltava para concretizar a implantação da emissora. Porém, para o historiador Ramão Aguilar, ex-funcionário da RBS TV Uruguaiana, a história era outra. Ele afirma, no livro de EMERIM & PIPPI (2007) que a Rádio São Miguel fundou em Uruguaiana a Televisão Quero-Quero que deveria ser uma emissora moderna que atendesse toda a região e, para isso, contratou o engenheiro Moacir Ramos Martins bem como foram adquiridos os equipamentos necessários para o seu pleno funcionamento. Porém, como somente esta parte do projeto já havia desembolsado uma grande soma, para manter a emissora, na época, a saída mais eficaz era arrecadar fundos através da venda de títulos abertos a qualquer interessado. E, para AGUILLAR (2007), a entrada da TV Gaúcha no negócio televisivo em Uruguaiana deve-se muito mais às dificuldades de manutenção de uma emissora local, sem a logística necessária para tal proposta, do que a ampliação ou a própria potencialização da emissora, como mostra a primeira versão. A TV Uruguaiana foi então inaugurada em 03 de abril de , exibindo uma programação local/regional e outra nacional, já 6 Alguns autores apontam o dia 02 de abril, porém, a divergência de datas ocorre somente entre o dia 02 e

8 8 repetindo a grade da Rede Globo em programas como Jornal Nacional, as novelas e as coberturas dos eventos esportivos. Segundo BERGUESCH (2010) e SCHIRMER (2002), as dificuldades tecnológicas eram muitas, pois a emissora não tinham link entre ela e a cidade de Santa Maria, a mais próxima geograficamente e a segunda emissora do grupo a ser criada no interior gaúcho em dezembro de A rotina fazia com que os profissionais gravassem o Jornal Nacional, as novelas, shows musicais e eventos esportivos em videotape e os exibissem um dia depois na cidade e região. Repetindo a história do meio televisivo no mundo e no Brasil, a TV Uruguaiana formou a sua primeira equipe e programação com base não só nos profissionais do rádio e do jornal impresso que atuavam na cidade e na região como também a estrutura de programas que já eram conhecidos no rádio gaúcho. Em relação aos profissionais, o primeiro diretor foi Francisco Soler, um uruguaio naturalizado brasileiro e na equipe de atuação direta no vídeo regional despontam como nomes destes primórdios da televisão em Uruguaiana os radialistas Antônio Souza, Mário Dino Papaléo, Marques Acunha, Milton Souza, Paulo Santana e Paulo Soares. Entre as peculiaridades da TV Uruguaiana está o embrião do programa tradicionalista mais conhecido do sul do país, o Galpão Crioulo, que a pesquisa mostra ter surgido a partir da matriz do programa Quando os Povos Cantam, na época produzido por Juarez Bittencourt e Antônio Augusto Fagundes, apresentado, inicialmente por Milton Souza. Este programa não só trazia a interlocução entre as diferentes culturas da fronteira oeste do RS como apresentava atrações internacionais da América Latina com músicos e artistas da Argentina, do Uruguai e do Paraguai sendo considerado o primeiro programa bilíngüe na história da tevê gaúcha, pois era apresentado com dois apresentadores: um brasileiro e outro argentino, segundo aponta EMERIM & PIPPI (2007) 7. Nos primeiros anos, a TV Uruguaiana não tinha muito alcance regional e os municípios da região só poderiam acompanhar as notícias de sua cidade se fossem à cidade de Uruguaiana para acompanhar a programação. Eventualmente, eram exibidas reportagens com informações das cidades próximas, mas, somente, os temas mais diferenciais, polêmicos e de catástrofes. Foi somente nos anos 80 que as cidades maiores da região de cobertura da TV Uruguaiana passaram a contar com as sucursais 03 de abril. 7 Informações contidas num texto escrito enviado por aos alunos pesquisadores do GPHM em 2007, pela própria Televisão Uruguaiana.

9 9 que funcionavam mais como escritórios comerciais visto que não tinham repórter ou cinegrafistas sediados nas cidades, sendo enviada uma equipe a cada localidade para fazer cobertura dos eventos. As equipes passavam um dia inteiro gravando diferentes materiais que eram exibidos, então, de forma paulatina, na programação em Uruguaiana. O que se pode apreender, objetivamente, do ponto de vista histórico ou de implantação, é que os direitos de transmissão da Televisão São Miguel, pertencente a um grupo de empresários e a Cúria Metropolitana de Uruguaiana, que era o maior acionista, foram comprados pela Rádio e TV Gaúcha e que esta implantou, de fato, a televisão na cidade, sendo que a programação local/regional já partiu das proposições de programação e de formatos que a TV Gaúcha vinha construindo em suas outras emissoras e, com mais força em Porto Alegre, porém, a equipe local passou a construir propostas que refletiam os interesses e as características do gosto do povo regional. Apreende-se, também, que estes programas não permaneceram na programação diante da enorme dificuldade de custos de produção na época bem como os programas de grande repercussão nas emissoras regionais passavam a ser cooptados para fazer parte da programação que era exibida para todo o estado, mudando sua estrutura para a sede na capital, sendo produzidos e gravados direto de Porto Alegre para o restante do estado. No percurso de mercado da TV Gaúcha, em 1979 ela passou a ser denominada de RBS TV Porto Alegre e todas as emissoras de sua rede pelo interior passaram-se a se chamar RBS TV mais o nome da cidade sede. 5. Um pulo na História: de 1996 a 2001 Como se apontou anteriormente, os percursos da presente pesquisa têm seguido a História Oral e tem apurados muitos de seus dados através do método de entrevista. Estas entrevistas não têm seguido uma ordem cronológica de participação na história de implantação desta emissora, visto que muitos profissionais não habitam mais a região, alguns outros falecidos e muitos não tem os endereços facilmente localizados. Por isso, a pesquisa tem recorrido frequentemente aos profissionais cuja história mais recente auxilia a compreender os processos de produção e a própria evolução histórica da emissora e não eventualmente tem sido eles que indicam os caminhos para o desenvolvimento dos objetivos de pesquisa. Assim sendo, a presente secção apresenta

10 10 um breve relato sobre duas entrevistas realizadas que ajudaram a mapear e a organizar investigação a ser seguida. Entre 1996 e 1999 quem esteve à frente da Coordenação de Jornalismo da RBS TV Uruguaiana foi o jornalista Paulo de Tarso. Neste período, a empresa passava por um momento de crise econômica e operou uma redução no seu quadro de funcionários. Na emissora de Uruguaiana a redução foi de 50 por cento, restringindo sua equipe de repórteres em apenas quatro pessoas que, em vários momentos desta trajetória, ficou restrita a três profissionais. Em tempo, a RBS TV Uruguaiana recobre oito municípios da fronteira oeste do estado gaúcho (Itaqui, Barra do Quarai, São Borja, Maçambará, Alegrete, Manoel Viana e Quarai e, eventualmente, as cidades argentinas e uruguaias que fazem fronteira com alguns dos municípios), atinge 360 mil habitantes, num total de 120 mil domicílios com televisão e cerca de 850 clientes ativos, segundo dados obtidos em BORTOLON (2001). Neste cenário, Paulo de Tarso vivenciou a implantação de um modelo de atividade profissional muito utilizado no mercado americano, mas incomum no Brasil: o videorrepórter ou, como popularmente é chamado, o repórter abelha. Tal denominação deve-se ao fato de que este profissional condensa quatro atividades da estrutura produtiva em televisão: pauteiro, produtor, cinegrafista e repórter e, muitas vezes, também alia a função de editor. Para dar conta da agilidade necessária e da necessidade de cobertura dos oito municípios que são distantes entre si geograficamente, o repórter abelha foi inserido em!*8.&!," +!,",.'.$,!5," +!," '5+!+3," +3"!;$!28<2'5!" +!" )Reativamos nessa época a sucursal de Alegrete, inaugurando os abelinhas. Depois de trazer para!"#$%#&#'#((#')*+#"*,'-*)#./)*('/'0%*+123%'#)'45*'6*%7/8 (TARSO, 2010). Nesta época, a televisão profissional de Uruguaiana utilizava-se de um equipamento quase amador para a produção de seus materiais, o Super VHS, em fita magnética, o que limitava a qualidade da imagem visibilizada pela emissora local, quando em exibição com as outras grades de programação, da própria RBS Porto Alegre e da Rede Globo. As reportagens produzidas nestas cidades, especialmente, São Borja e Alegrete, eram realizadas em apenas um dia, com uma pré-produção via telefone. Mas antes de se ter um profissional em cada sucursal, eles ficavam sediados em Uruguaiana e se deslocavam para fazer uma cobertura em dias definidos. Devido à falta desses profissionais nestas cidades e o reduzido número da equipe em Uruguaiana, a emissora reduziu a demanda, 9/'#)3((*%/'0/%*1'+#'0%*+123%'0/%/'*'6*)':3/';3*'<%/=+#,'>1#'

11 11 antes tinha o bloco local que foi, praticamente, desativado. Tínhamos que trabalhar )13&*,'-*)'0*1-/'$#=&#8 (TARSO, 2010). Somente em 1999 é que a emissora passa por uma evolução tecnológica como conta Roni Padilha (2010), coordenador entre 1999 e 2001: Nesse período houve também uma transformação tecnológica muito grande, foi exatamente a fase de mudança de formatos de gravação. A RBS TV Uruguaiana sai do formato que eles utilizavam o Super VHS, uma fita próxima do VHS, com qualidade um pouco melhor, e passa para um sistema digital, no caso o DVCAM. (PADILHA, 2010) Os coordenadores tinham que trabalhar com a precária estrutura como, por exemplo, a geração de imagens, na época, utilizava canais da CRT, a antiga companhia Rio-grandense de Telecomunicações. Foi entre 1999 e 2000 que iniciou a implantação de equipamentos para que isso fosse melhorado: Começaram a instalar dentro da própria emissora o sistema para geração de imagens, ficou mais fácil e a praticidade ajudou muito. Porque antes disso tínhamos que fazer os )stand-ups/, os famosos boletins, as entradas ao vivo, na frente da CRT, na calçada. A partir das transformações, isso começou a mudar, começamos a fazer na frente da emissora, isso passa mais credibilidade ao telespectador, ver!" &!$'!" +!" 3&6$3,!" 2(" )!(" %5%(/. (PADILHA, 2010) Além das dificuldades com infra-estrutura, a empresa enfrentava uma crise de mercado. Apesar da grande oferta de cursos de comunicação no interior do Estado, em cidades como Bagé, Santa Cruz, Ijuí, Cruz Alta, etc, existia o obstáculo de levar profissionais, recém formados para Uruguaiana, devido à distância da cidade dos grandes centros, como enfatiza PADILHA (2010): 9/3=+/' &3=?/' /' >1#(&5*' +*' que era baixo realmente e não cobria nem o custo de vida. Ninguém queria vir para a A%*=&#3%/8. Nas cidades de cobertura como São Borja e Itaqui, por exemplo, o serviço de imagens era feito por alguém contratado, como um serviço terceirizado, isso acontecia também na parte comercial, onde essas imagens eram vendidas para a emissora. Em outros locais como Quarai e Barra do Quarai, era feito um agendamento periódico, em determinado espaço de tempo, 10 em 10 dias, deslocava-se uma equipe para fazer as matérias locais, abrindo exceções quando um acontecimento de grande importância

12 12 exigia a presença da equipe que era composta por cinco repórteres, um estagiário e três cinegrafistas, entre 1999 a Até chegarmos a uma estrutura assim, demorou um pouco, cheguei em abril de 1999 na RBS TV Uruguaiana, só no final do ano consegui todo o pessoal, até contratar e treinar demorou um pouco. Vieram profissionais de Passo Fundo e Santa Maria, principalmente dessas duas cidades, porque estavam A($&!2+(" ;!,#!2#3" 1($2!*5,#!," *B0"!*-&" +!" $3!#5%!9:(" +(" 6$(13#(" )C!$!," Novas 8 /" D.3" 3$!" +!" EFG0" 3H!#!&32#3" 6$!",.6$5$" 3,,!" 23'3,,5+!+3" +3" emissoras +("52#3$5($/"IJKLMNOK0"PQRQS Depois de estruturada a equipe, o passo seguinte seria estabelecer os critérios de noticiabilidade. A emissora estabeleceu como prioridade a abrangência da notícia, a proximidade com o público de audiência, dando ênfase ao regional em detrimento do local, respeitando o que fosse de mais interessante para a comunidade na região, tanto é D.3" )às vezes a pauta aqui de Uruguaiana surgia e passava para outra cidade, São Borja, por exemplo, porque tem ainda a questão do contato com as fontes de 3=A*%)/.5*8 (PADILHA, 2010). O entrevistado refere-se ao contato que a comunidade ou fontes principais tem com a emissora. É importante para uma empresa jornalística ter um meio de contato com a população para ouvir sugestões de pauta e receber informações que são de interesse público, isso deve ser passado e instruído não só para a parte de jornalismo da empresa, mas para a parte comercial, para os técnicos, para os funcionários em geral. Vai que mandamos alguém da equipe para manutenção e um morador chega para ver o que está acontecendo, já inicia uma conversa informal, de repente ele passa algo importante para nós. É fundamental perfil de profissionais assim dentro dos meios de comunicação, que criem essa proximidade com a população local. (PADILHA, 2010). Até 2001, quando Roni Padilha estava ocupando o cargo de Ccoordenador de Jornalismo da RBS TV Uruguaiana não havia repórteres abelha. Situação que foi 8 O Projeto Caras Novas é uma estratégia criada pelo Grupo RBS no Rio Grande do Sul para suprir a carência de profissionais capacitados para atuar em televisão. Constitui-se de um curso de qualificação sobre os processos de produção da RBS TV destinado aos estudantes que se encontram no último semestre do Curso de Jornalismo ou recém formados. Estes passam por um processo seletivo e, se aprovados, estudam e exercitam-se por um ano com os profissionais da própria emissora, sendo a maioria deles absorvido pela RBS TV em diferentes praças, os mais destacados passam a atuar na sede em Porto Alegre.

13 13 revertida na gestão de Maria Helena Soares, que re-implantou esta proposta, porém, sobre esta temática, a presente pesquisa ainda não teve a oportunidade de entrevistá-la. O estúdio completo, as ilhas de edição e a Coordenação Regional continuam em Uruguaiana, atualmente apresentado por uma âncora, a jornalista Vanessa Backes, no bloco do meio dia no Jornal do Almoço e pelo atual coordenador, Cristiano dos Santos, no bloco da noite no RBS Notícias. Além destes profissionais, em seu quadro atual de telejornalismo a emissora possui um repórter que cobre São Borja e Maçambará, três em Uruguaiana que são responsáveis pela cobertura naquela cidade, além de Itaqui e Barra do Quarai e um em Alegrete que é responsável ainda por Quarai e Manoel Viana. Considerações Estes relatos permitem compreender alguns pontos desta trajetória como também apurar que eles continuam vigentes embora tenha ocorrido inúmeras mudanças tecnológicas e de marcado de televisão. A primeira consideração, do ponto de vista histórico, pode-se afirmar que a implantação da TV Uruguaiana ocorreu de forma similar a de outras emissoras da região do interior do Rio Grande do Sul pelo Grupo RBS, a compra das ações de empresários e/ou comunidade local que por inexperiência no negócio televisivo precisam vender para permanecer no mercado e potencializar as produções locais. A pesquisa mostrou que o tanto a RBS TV Porto Alegre (TV Gaúcha) como a Televisão Uruguaiana tinham um espaço considerável para a apresentação local e que foram perdendo esse espaço para as produções de rede nacional emitidas pela Rede Globo e, mais especificamente, a TV Uruguaiana, para a própria RBS TV Porto Alegre. Outra constatação que a pesquisa mostrou é que a economia impetrada pelas administrações do negócio de televisão foi o motivo para a venda das televisões regionais em poder da comunidade para os grandes grupos como também foram fator preponderante para a redução do espaço local de exibição dessas realidades específicas em detrimento de uma realidade mais homogênea e globalizada: o interior do estado gaúcho perdendo espaço para os interesses da capital Porto Alegre que, por sua vez, perdia espaço do Rio Grande do Sul para as realidades e interesses do Rio de Janeiro, cidade sede e centro de produção da maioria da programação gerada pela Rede Globo.

14 14 A economia, ou a pretexto de, implicou na redução do espaço de visibilidade local nas televisões regionais do interior do Rio Grande do Sul que desde sua implantação lutavam contra os altos custos de produção deste produto. Nos modos de produção, especificamente, os documentos pesquisados até então e as entrevistas coletadas mostram que as alternativas de manutenção do negócio precarizam a informação ou sobrecarregando profissionais com diferentes e importantes funções na estrutura produtiva T como a função repórter abelha (que tem que produzir telejornalismo diariamente exercendo as funções de pauteiro, produtor, cinegrafista, repórter, editor e motorista da unidade móvel) ou reduzindo sobremaneira os espaços locais diminuindo, desta forma, a demanda de produção (o que acarreta em diminuição das equipes de trabalho). A estrutura apresentada pelo presente artigo mostrou que a falta de memória das emissoras no interior do Rio Grande do Sul deve-se aos pequenos espaços em que funcionavam estas emissoras que além de não terem a preocupação com o arquivo histórico, também não tinham estrutura financeira para tal procedimento (ausência de espaço físico e material para arquivo (fitas)). O artigo também apontou que a economia ou as limitações financeiras foram fundamentais para a imposição de estratégias mercadológicas cujo único elemento que não se tinha pudor em diminuir era exatamente (" 6$(+.#(0",32+(" 3*3" +3" )32#$3#325&32#(" (." +3" U.",31!0"!(" +5&52.5$" equipes (implantando o repórter abelha), baratear a aquisição de equipamentos optando por tecnologia amadora (caso do SVHS) e reduzindo o espaço de visibilidade local (pois no interior há menos investimento das empresas em publicidade de televisão - que é a mais cara entre todas as mídias -), contribui-se de um lado para a homogeneização das práticas produtivas 3" +(," &(+(," +3" )$3!*5V!9:(/"3&" #3*3%5,:(" D.3"!'!;!&",38.52+("(" que as cidades grandes ou grandes capitais produzem bem como, por outro lado, desqualificam a força das comunidades locais que ou não têm espaço de tempo para se fazerem ouvidos ou quando tem são extremamente restritivos. A pesquisa histórica aliada à preocupação em compreender as práticas produtivas pode contribuir para a reflexão crítica do mercado televisivo atual bem como propor alternativas de produção que possam reconstruir um caminho de uma prática em prol do social, sem ser ideológica ou demagógica. A exemplo, as emissoras aqui tratadas, TV Gaúcha e TV Uruguaiana que começaram suas trajetórias valorizando e

15 15 significando o espaço do local na tela da televisão do Rio Grande do Sul e hoje tentam retomar esta perspectiva para dar conta de uma grande parcela do mercado que está migrando para outras mídias e/ou canais televisivos. Porém, este retorno ao local se dá pelos moldes do econômico, das estratégias mercadológicas, sem se pensar em suas especificidades e, em verdade, no quanto a sua própria trajetória histórica poderia contribuir para esta retomada de programação do local/regional para o global, buscando novas propostas de aproximação com os telespectadores não só pelos modos de interpelação bem como pela proposição de formatos televisuais diferenciados e, quem sabe, inovadores. Referências ALBERTI, Verena. Manual de História O ral. Rio de Janeiro: Ed. FGV, BERGESCH, Walmor. Os televisionários. Porto Alegre: Ardotempo, CAPARELLI, S. Ditaduras e indústrias culturais no Brasil, na A rgentina, no C hile e no Uruguai. Porto Alegre: UFRGS, CAPARELLI, Sergio et all. Enfim, sós: a nova televisão no Cone Sul. Porto Alegre: L&PM/ CNPQ, KLIPP, Suzana. Apontamentos para uma história da televisão no Rio G rande do Sul. Porto Alegre: Unisinos, MATTOS, Sérgio. História da Televisão no Brasil. Petrópolis: Vozes, PEREIRA (orgs.), Joseline PIPPI e Cárlida EMERIM Jacinto. Memórias sobre a imprensa em São Borja. Santa Maria: Ed. PROGRAD/UFSM, REZENDE, Telejornalismo brasileiro: um perfil editorial. São Paulo: Summus, RIBEIRO, Igor SACRAMENTO, Marco ROXO e Ana Paula Goulart. História da televisão no Brasil. São Paulo: Contexto, SCHIRMER, Lauro. RBS: da voz-do-poste à multimídia. Porto Alegre: L&PM, Referências eletrônicas GRUPO RBS. TV Uruguaiana, In: htpp://wp.clicrbs.com.br/rbstvuruguaiana/?topo=52,1,1,268,e268; acessado em 20 de novembro de BORTOLON, Clodovi. A percepção da comunidade sobre a contribuição econômica e social de uma empresa de comunicações para o desenvolvimento regional B o Caso da RBS TV Uruguaiana Ltda na fronteira oeste do Rio Grande do Sul. In: posta_bortolon.pdf; acessado em 12 de outubro de SILVEIRA, Micheli SEIBT e Ada Cristina Machado da. O surgimento da tv local e artesanal nas Terras de Fronteira do Brasil Meridional. In: acessado em 23 de janeiro de Depoimentos PEREIRA, Paulo de Tarso. Paulo de Tarso Pereira: depoimento [setembro de 2010], Alegrete. Unipampa, Entrevista concedida ao Grupo Interinstitucional de Pesquisa em Telejornalismo (GIPTELE). PADILHA, Roni César Barros. Roni César Barros Padilha: depoimento [novembro de 2010], Uruguaiana. Unipampa, Entrevista concedida ao Grupo Interinstitucional de Pesquisa em Telejornalismo (GIPTELE).

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO Código Unidade 042 Cód. Curso Curso 42501 COMUNICAÇÃO SOCIAL Habilitação Etapa Sem/Ano JORNALISMO 6ª 1º / 2009 Cód. Disc. Disciplina Créditos CH Sem Teoria Prática 121.3604.2 TELEJORNALISMO I 04 X X Docentes

Leia mais

Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática. (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi)

Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática. (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi) Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi) XI Colóquio Internacional de Comunicação para o Desenvolvimento Regional (9,10,11

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Assessoria de imprensa; Divulgação; Feira do Livro; São Borja.

PALAVRAS-CHAVE: Assessoria de imprensa; Divulgação; Feira do Livro; São Borja. Multiplataforma Felivro Informa: A primeira Assessoria de Imprensa da Feira do Livro de São Borja 1 Janine MOTTA 2 Phillipp GRIPP 3 Tamara FINARDI 4 Universidade Federal do Pampa, São Borja, RS RESUMO

Leia mais

Televisão brasileira: o início da problemática 1

Televisão brasileira: o início da problemática 1 Televisão brasileira: o início da problemática 1 AUTOR: QUINTANA JÚNIOR, José CURSO: Comunicação Social Jornalismo/Unifra, Santa Maria, RS OBRA: CAPARELLI, Sérgio. Televisão e capitalismo no Brasil: com

Leia mais

CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008;

CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008; CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014 Dispõe sobre propostas para adequação do Plano de Trabalho 2015 da EBC. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008; Considerando que o Plano de

Leia mais

o melhor da noite já está no ar...

o melhor da noite já está no ar... PROGRAMA O PROGRAMA O Programa Click Noite é veiculado diariamente há 11 anos, acompanhando os principais eventos e acontecimentos de São Paulo. Há alguns anos iniciou a cobertura em outros estados e também

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 DO ACONTECIMENTO

Leia mais

Programa Anexo 1. Resumo

Programa Anexo 1. Resumo Programa Anexo 1 Bruno LIMA 2 Carolina RIBEIRO 3 Lara MARQUES 4 Elga MÓL 5 Elisa FRANÇA 6 Ana AMORIM 7 Michelle BASTOS 8 Soraya VIEIRA 9 Universidade Federal de Viçosa, Minas Gerais, MG Resumo Este trabalho

Leia mais

ETAPAS. 1ª Inscrições. 2ª Seleção. 3ª Palestra Inaugural.

ETAPAS. 1ª Inscrições. 2ª Seleção. 3ª Palestra Inaugural. O PROJETO O curso de Residência em Jornalismo da Rede Gazeta atinge a maioridade e chega a sua 18º edição, cada vez mais se consolidando como uma importante porta de entrada de novos profissionais no mercado

Leia mais

O jornal comunitário como instrumento de reconhecimento social. Moema Novais Costa 1 Angelo Sottovia Aranha 2

O jornal comunitário como instrumento de reconhecimento social. Moema Novais Costa 1 Angelo Sottovia Aranha 2 O jornal comunitário como instrumento de reconhecimento social Moema Novais Costa 1 Angelo Sottovia Aranha 2 RESUMO O Voz do Nicéia é um projeto de extensão da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação

Leia mais

PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM PRODUTO DE INCENTIVO A FAVOR DAS ENTIDADES DA TV COMUNITÁRIA

PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM PRODUTO DE INCENTIVO A FAVOR DAS ENTIDADES DA TV COMUNITÁRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM

Leia mais

UMC Repórter: Prestação de Serviços Em Prol do Bairro Ponte Grande 1

UMC Repórter: Prestação de Serviços Em Prol do Bairro Ponte Grande 1 UMC Repórter: Prestação de Serviços Em Prol do Bairro Ponte Grande 1 Rogério NASCIMENTO 2 Caio ROCHA 3 Josuel SILVA 4 Júlia FIGUEIREDO 5 Marina ALENCAR 6 Hércules MOREIRA 7 Universidade de Mogi das Cruzes,

Leia mais

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA

Leia mais

MEDIA TRAINING: COMO SE COMUNICAR COM A IMPRENSA. Ingresso Janeiro 2015. Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias

MEDIA TRAINING: COMO SE COMUNICAR COM A IMPRENSA. Ingresso Janeiro 2015. Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias MEDIA TRAINING: COMO SE COMUNICAR COM A IMPRENSA Ingresso Janeiro 2015 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias MEDIA TRAINING: COMO SE COMUNICAR COM A IMPRENSA Num mundo midiático e acelerado,

Leia mais

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3 A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1 RESUMO Thais CASELLI 2 Iluska COUTINHO 3 Universidade Federal de Juiz De Fora, Juiz de Fora, MG Este trabalho verifica como é a

Leia mais

VII Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão

VII Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA VII Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão 24-26 de Novembro de 2015 Alegrete, RS Saberes que movem o Pampa Plano de Apoiadores Saberes que movem o Pampa O conhecimento

Leia mais

CANAIS 14 UHF 22 da NET

CANAIS 14 UHF 22 da NET www.facebook.com/tvredepaulista www.twitter.com/tvredepaulista www.youtube.com/tvredepaulista www.projectocom.com.br tvredepaulista Fundação Cultural Anhanguera R. Dr. Leonardo Cavalcanti, 56 Centro Jundiaí/SP

Leia mais

Portifólio Regina Ramalho

Portifólio Regina Ramalho 1 Portifólio Regina Ramalho Diretora de Comunicação e Editora do Pró Trabalhador Aniger Comunicação janeiro de 2013 até o momento (1 ano 6 meses)aclimação Regina Ramalho- Estratégias de comunicação e Assessoria

Leia mais

Comunicação social Jornalismo, Relações Públicas, Assessoria e Comunicação de Marketing.

Comunicação social Jornalismo, Relações Públicas, Assessoria e Comunicação de Marketing. Comunicação social Comunicação social A Comunicação Social é um campo de conhecimento académico que estuda a comunicação humana e as questões que envolvem a interação entre os sujeitos em sociedade. Os

Leia mais

Luau Bom D+ Bom D+ Verão. Desafio Ciclístico

Luau Bom D+ Bom D+ Verão. Desafio Ciclístico 4 Luau Bom D+ 10 Bom D+ Verão 16 Desafio Ciclístico 22 Triathlon Bahia de Todos os Santos 28 Revezamento a Nado Farol a Farol 34 Carnaval 2013 Record Bahia O que já era bom ficou ainda melhor. A primeira

Leia mais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5.1 A Rede Globo A Rede Globo é uma das maiores redes de televisão do mundo, com milhões de espectadores

Leia mais

Execução Contratual de Publicidade - Fornecedores e Veículos

Execução Contratual de Publicidade - Fornecedores e Veículos 05.121.225/0001-10 Antares Radiodifusão Ltda - EPP 05.121.225/0002-09 Antares Rádiodifusão Ltda 48.060.727/0001-90 Antena Um Radiodifusão Ltda - Matriz - SP 48.060.727/0004-33 Antena Um Radiodifusão Ltda

Leia mais

As inscrições encontram-se abertas no período de 29 a 31 de agosto do corrente ano.

As inscrições encontram-se abertas no período de 29 a 31 de agosto do corrente ano. PROCESSO DE INSCRIÇÁO DOS ALUNOS DE JORNALISMO PARA O TRABALHO INTERDISCIPLINAR EDITAL As Faculdades Integradas Barros Melo tornam público aos alunos matriculados no Curso de Jornalismo, que estarão abertas

Leia mais

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno)

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Disciplina Ementa Pré- requisito C.H. Curso Assessoria de Comunicação Conhecimento geral, reflexão e prática

Leia mais

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO 1. Oficina de Produção CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO Duração: 03 dias Público ideal: grupos de até 15 pessoas Objetivo: Capacitar indivíduos ou grupos a produzirem pequenas peças

Leia mais

BLOCO CIDADANIA: UMA PROPOSTA TELEVISIVA EM DEBATE

BLOCO CIDADANIA: UMA PROPOSTA TELEVISIVA EM DEBATE 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

PROJETO GERAL DA SIGNIS/BRASIL - Triênio 2011/2013

PROJETO GERAL DA SIGNIS/BRASIL - Triênio 2011/2013 PROJETO GERAL DA SIGNIS/BRASIL - Triênio 2011/2013 Signis Brasil Associação católica de comunicação foi criada no Brasil, no dia 2 de dezembro de 2010, em Assembleia, que aprovou seus estatutos e elegeu

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Elaboração de pauta para telejornal

Elaboração de pauta para telejornal Elaboração de pauta para telejornal Pauta é a orientação transmitida aos repórteres pelo pauteiro, profissional responsável por pensar de que forma a matéria será abordada no telejornal. No telejornalismo,

Leia mais

Execução Contratual de Publicidade - Fornecedores e Veículos

Execução Contratual de Publicidade - Fornecedores e Veículos COMPETENCE COMUN. E MARKETING LTDA 01/2015 0001138/2011.2 92.785.989/0001-04 Cia Jornalistica JC Jarros 91.654.806/0001-59 Empr. Portoalegrense de Comunicação Ltda 92.757.798/0001-39 Empresa Jornalística

Leia mais

POR TRÁS DAS GRADES: A REALIDADE NO PRESÍDIO REGIONAL DE PELOTAS 1 Mateus João MARQUES 2 Marcus SPOHR 3 Margareth MICHEL 4

POR TRÁS DAS GRADES: A REALIDADE NO PRESÍDIO REGIONAL DE PELOTAS 1 Mateus João MARQUES 2 Marcus SPOHR 3 Margareth MICHEL 4 POR TRÁS DAS GRADES: A REALIDADE NO PRESÍDIO REGIONAL DE PELOTAS 1 Mateus João MARQUES 2 Marcus SPOHR 3 Margareth MICHEL 4 Resumo: A reportagem mostra a realidade dentro de uma das maiores casas prisionais

Leia mais

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O PAPEL DA

Leia mais

Sistema de Gerenciamento da Informação. Mais informação, mais conteúdo, em menos tempo. Mais negócios, mais sucesso profissional.

Sistema de Gerenciamento da Informação. Mais informação, mais conteúdo, em menos tempo. Mais negócios, mais sucesso profissional. Sistema de Gerenciamento da Informação Mais informação, mais conteúdo, em menos tempo. Mais negócios, mais sucesso profissional. O tempo sumiu-1 8 horas dormir; 8 horas trabalhar; 1,5 hora no trânsito;

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Comunicação

Universidade. Estácio de Sá. Comunicação Universidade Estácio de Sá Comunicação A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades em 1970, como Faculdades

Leia mais

GESTÃO DA COMUNICAÇÃO NAS ATIVIDADES CRIATIVAS E CULTURAIS. Proposta de curso. Edição 2014.

GESTÃO DA COMUNICAÇÃO NAS ATIVIDADES CRIATIVAS E CULTURAIS. Proposta de curso. Edição 2014. GESTÃO DA COMUNICAÇÃO NAS ATIVIDADES CRIATIVAS E CULTURAIS Proposta de curso Edição 2014. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Título: Gestão da Comunicação nas Atividades Criativas e Culturais Local de realização:

Leia mais

PORTARIA PGR Nº 107 DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014.

PORTARIA PGR Nº 107 DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014. PORTARIA PGR Nº 107 DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014. Aprova o Guia para o Relacionamento com a Imprensa do Ministério Público Federal. O PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

Comunicação dirigida nas organizações: o caso da GPS Net 1. Franciele PIMENTA 2 Joseane Curtis REINAÇO 3

Comunicação dirigida nas organizações: o caso da GPS Net 1. Franciele PIMENTA 2 Joseane Curtis REINAÇO 3 Comunicação dirigida nas organizações: o caso da GPS Net 1 Franciele PIMENTA 2 Joseane Curtis REINAÇO 3 Marcela Guimarães e SILVA 4 Universidade Federal do Pampa, Rio Grande do Sul, RS Resumo: A atividade

Leia mais

PROGRAMA REALIDADES- DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA TVU RECIFE. UM ESPAÇO PRIVILEGIADO DE CRÍTICAS, REFLEXÕES E GRANDES DEBATES SOBRE TEMAS SOCIAIS.

PROGRAMA REALIDADES- DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA TVU RECIFE. UM ESPAÇO PRIVILEGIADO DE CRÍTICAS, REFLEXÕES E GRANDES DEBATES SOBRE TEMAS SOCIAIS. PROGRAMA REALIDADES- DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA TVU RECIFE. UM ESPAÇO PRIVILEGIADO DE CRÍTICAS, REFLEXÕES E GRANDES DEBATES SOBRE TEMAS SOCIAIS. Jadiewerton Tavares da Silva (Autor); Marcelo Luiz Pelizzoli

Leia mais

MÍDIA E ESPORTE: A EXPERIÊNCIA INTERDISCIPLINAR DO LABORATÓRIO DE COMUNICAÇÃO, MOVIMENTO E MÍDIA NA EDUCAÇÃO FÍSICA DO CEFD/UFSM/RS

MÍDIA E ESPORTE: A EXPERIÊNCIA INTERDISCIPLINAR DO LABORATÓRIO DE COMUNICAÇÃO, MOVIMENTO E MÍDIA NA EDUCAÇÃO FÍSICA DO CEFD/UFSM/RS MÍDIA E ESPORTE: A EXPERIÊNCIA INTERDISCIPLINAR DO LABORATÓRIO DE COMUNICAÇÃO, MOVIMENTO E MÍDIA NA EDUCAÇÃO FÍSICA DO CEFD/UFSM/RS Resumo Marli Hatje (UFSM RS) e Sérgio Carvalho (UFSM RS) Este texto trata

Leia mais

Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹

Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹ Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹ Serena Veloso GOMES² Thamara Rocha Ribeiro FAGURY³ Kalyne Menezes SOUZA4 Silvana Coleta Santos PEREIRA5 Universidade Federal

Leia mais

A pauta é o material preparado pelo jornalista que tem como objetivo reunir o maior número de informações a respeito de um tema que deve se tornar

A pauta é o material preparado pelo jornalista que tem como objetivo reunir o maior número de informações a respeito de um tema que deve se tornar A pauta é o material preparado pelo jornalista que tem como objetivo reunir o maior número de informações a respeito de um tema que deve se tornar uma futura reportagem. Um resumo dos acontecimentos ;

Leia mais

Edital 01/2015. Seleção de estagiários voluntários para o Projeto de Extensão Crítica de Esportes no Jornalismo Esportivo em convênio com a TV UFPB

Edital 01/2015. Seleção de estagiários voluntários para o Projeto de Extensão Crítica de Esportes no Jornalismo Esportivo em convênio com a TV UFPB Edital 01/2015 Seleção de estagiários voluntários para o Projeto de Extensão Crítica de Esportes no Jornalismo Esportivo em convênio com a TV UFPB O Departamento de Comunicação torna pública a realização

Leia mais

CRIDI / UFBa - Audiovisual Institucional - 2014

CRIDI / UFBa - Audiovisual Institucional - 2014 #2 COMPLETAS Coletor: Website Collector 1 (Questionário do site) Iniciado em: segunda-feira 30 de março de 2015 19:24:58 Última modificação: domingo 7 de junho de 2015 15:08:05 Tempo gasto: Mais de um

Leia mais

RPC TV. no caminho da TV Digital. reportagem RPC TV

RPC TV. no caminho da TV Digital. reportagem RPC TV reportagem RPC TV RPC TV no caminho da TV Digital A primeira cidade a ter transmissão digital foi Curitiba, a capital do Estado e sede da RPC TV. Empresa completou em 2012 o ciclo de cobertura digital

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social Políticas Públicas de Comunicação...a presença ativa duma universidade, revigorada ao contato de seu núcleo mais vivo e ciosa do seu espaço

Leia mais

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1 Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG RESUMO Como forma de estimular a criatividade

Leia mais

Clipping: medindo a presença da Embrapa Soja na mídia em 2008

Clipping: medindo a presença da Embrapa Soja na mídia em 2008 Clipping: medindo a presença da Embrapa Soja na mídia em 2008 CRUSIOL, P.H.T. 1 ; DINIZ, L.B.S. 1 ; NASCIMENTO, L.L. 2 1 Universidade Estadual de Londrina UEL, pedroc@ cnpso.embrapa.br, lilian@cnpso.embrapa.br;

Leia mais

A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011

A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011 Ciências Humanas e Sociais Comunicação A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011 Ingo A.F. von Ledebur 1 Thiago H. Ruotolo da Silva 2 Gabriela Rufino

Leia mais

Script: a organização da produção audiovisual no telejornalismo

Script: a organização da produção audiovisual no telejornalismo Script: a organização da produção audiovisual no telejornalismo Karen Cristina Kraemer Abreu * UNISINOS- UNISUL Índice 1. O script e a organização do telejornal 2 1.1. Modelos de scripts para telejornalismo.............

Leia mais

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP Resumo O 2ª Opinião - Espaço cultural é um jornal-laboratório que vem sendo

Leia mais

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão.

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Possibilitando novas formas de pesquisa, leitura e oratória através de Oficinas de Televisão. Programa Assunto de Gente Grande

Possibilitando novas formas de pesquisa, leitura e oratória através de Oficinas de Televisão. Programa Assunto de Gente Grande Possibilitando novas formas de pesquisa, leitura e oratória através de Oficinas de Televisão. Programa Assunto de Gente Grande Educação Integral e Programa Mais Cultura nas Escolas ESCOLA MUNICIPAL DE

Leia mais

A AGÊNCIA DE JORNALISMO COMO SUPORTE E APOIO AOS PROJETOS E AÇÕES DO CURSO DE JORNALISMO UEPG

A AGÊNCIA DE JORNALISMO COMO SUPORTE E APOIO AOS PROJETOS E AÇÕES DO CURSO DE JORNALISMO UEPG ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A AGÊNCIA DE JORNALISMO COMO SUPORTE

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) Dispõe sobre a outorga de canais de televisão no Sistema Brasileiro de Televisão Digital para as entidades que menciona. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA

TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA AUTOR / AUTOR: Ruy Alkmim Rocha Filho INSTITUIÇÃO / INSTITUCIÓN: Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

XI Reunião da RedPOP TRABALHO MODALIDADE ORAL ÁREA: JORNALISMO CIENTÍFICO DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA E TV UNIVERSITÁRIA: EXPERIÊNCIAS DA TV UNICAMP

XI Reunião da RedPOP TRABALHO MODALIDADE ORAL ÁREA: JORNALISMO CIENTÍFICO DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA E TV UNIVERSITÁRIA: EXPERIÊNCIAS DA TV UNICAMP XI Reunião da RedPOP TRABALHO MODALIDADE ORAL ÁREA: JORNALISMO CIENTÍFICO DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA E TV UNIVERSITÁRIA: EXPERIÊNCIAS DA TV UNICAMP MORETTI, Luiza H. A.B. mestranda em Divulgação Científica

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS EDITAL

FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS EDITAL FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS EDITAL A Profª. Ivânia Maria de Barros Melo dos Anjos Dias, Diretora Geral das Faculdades Integradas Barros Melo, no uso de suas

Leia mais

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA (versão simples da Lei da Comunicação Social Eletrônica) CAPÍTULO 1 PARA QUE SERVE A LEI Artigo 1 - Esta lei serve para falar como vai acontecer de fato o que está escrito em alguns

Leia mais

POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE. Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa²

POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE. Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa² POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa² 1. 2. Bolsista UEMS, Acadêmica do Curso de Enfermagem da UEMS Professora do Curso de Ciências Biológicas

Leia mais

O Jornalista como divulgador das informações científicas: o caso do Programa Vida & Saúde

O Jornalista como divulgador das informações científicas: o caso do Programa Vida & Saúde O Jornalista como divulgador das informações científicas: o caso do Programa Vida & Saúde Resumo Priscila Mathias Rosa ¹ Paula Regina Puhl² Universidade Feevale, Novo Hamburgo, RS O artigo trata de que

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

VEM AÍ A FEIRA COM OPORTUNIDADE PARA OS JOVENS NAS CARREIRAS DO AGRONEGÓCIO

VEM AÍ A FEIRA COM OPORTUNIDADE PARA OS JOVENS NAS CARREIRAS DO AGRONEGÓCIO PROPOSTA COMERCIAL VEM AÍ A FEIRA COM OPORTUNIDADE PARA OS JOVENS NAS CARREIRAS DO AGRONEGÓCIO A INSPER,SRB e Canal Rural trazem a oportunidade para as organizações do setor conectarem-se com profissionais

Leia mais

Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão

Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão SET 2014 A SET (Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão) é a principal associação de profissionais que trabalham com tecnologias e sistemas operacionais

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DA MÍDIA Profa. Marli Hatje Educação Física e as Novas TICs CEFD/UFSM

CARACTERÍSTICAS DA MÍDIA Profa. Marli Hatje Educação Física e as Novas TICs CEFD/UFSM CARACTERÍSTICAS DA MÍDIA Profa. Marli Hatje Educação Física e as Novas TICs CEFD/UFSM Jornal Revista Televisão Rádio Internet - Relata o que já passou e o que vai acontecer; -Credibilidade; - Cobertura

Leia mais

Comunicação Organizacional no Terceiro Setor: a experiência do Brasil Vivo

Comunicação Organizacional no Terceiro Setor: a experiência do Brasil Vivo Comunicação Organizacional no Terceiro Setor: a experiência do Brasil Vivo Adalberto NUNES (Universidade de Brasília) 1 Élida SANTOS (Universidade de Brasília) 2 Gabriel PONTES (Universidade de Brasília)

Leia mais

CAP.III. CARACTERIZAÇÃO DE MONOPÓLIO NA REGIÃO SUL DO BRASIL

CAP.III. CARACTERIZAÇÃO DE MONOPÓLIO NA REGIÃO SUL DO BRASIL CAP.III. CARACTERIZAÇÃO DE MONOPÓLIO NA REGIÃO SUL DO BRASIL Este capítulo tentará caracterizar através de dados sobre propriedade cruzada, índice de audiência, abrangências de alcance das emissoras e

Leia mais

Rastreamento da notícia: a produção jornalística no Jornal De Fato 1

Rastreamento da notícia: a produção jornalística no Jornal De Fato 1 Rastreamento da notícia: a produção jornalística no Jornal De Fato 1 André Luís da SILVA 2 Tamara de Sousa SENA 3 Marcília Luzia Gomes da Costa MENDES 4 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Mossoró,

Leia mais

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais

A organização dos acervos radiofônicos da Faculdade de Comunicação Social (Famecos)

A organização dos acervos radiofônicos da Faculdade de Comunicação Social (Famecos) XI Salão de Iniciação Científica PUCRS A organização dos acervos radiofônicos da Faculdade de Comunicação Social (Famecos) Daniel Augusto Pereira Marcilio, Luciano Klöckner (orientador) Faculdade de Comunicação

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS EDITAL

FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS EDITAL FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS EDITAL A Profª. Ivânia Maria de Barros Melo dos Anjos Dias, Diretora Geral das Faculdades Integradas Barros Melo, no uso de suas

Leia mais

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula José Manuel Moran A seguir são apresentadas sugestões de utilização de vídeo, CD e DVD. Vídeo como produção Como documentação, registro de eventos, de aulas,

Leia mais

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário SOUZA, Kauana Mendes 1 ; XAVIER, Cintia 2 Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná, PR RESUMO O projeto Portal

Leia mais

Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo

Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo Autores: Maria Zaclis Veiga e Élson Faxina Docentes do Centro Universitário Positivo UnicenP Resumo: A Rede Teia de Jornalismo

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO MEU SONHO MEU NEGÓCIO 1. APRESENTAÇÃO. alternativa de autoemprego e geração de renda para sobreviver.

REGULAMENTO CONCURSO MEU SONHO MEU NEGÓCIO 1. APRESENTAÇÃO. alternativa de autoemprego e geração de renda para sobreviver. CONCURSO MEU SONHO MEU NEGÓCIO PROJETO DE INCENTIVO AO PEQUENO NEGÓCIO 7ª EDIÇÃO, 2015 Realização: SEBRAE/SC e RICTV Record REGULAMENTO 1. APRESENTAÇÃO O concurso MEU SONHO MEU NEGÓCIO é um projeto realizado

Leia mais

RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL

RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL UNITAU - Universidade de Taubaté CBH-PS Comitê de Bacias Hidrográficas do Rio Paraíba do Sul Trabalho realizado

Leia mais

Palavras-chave: Mercado Publicitário. Publicidade e Propaganda. TV Digital.

Palavras-chave: Mercado Publicitário. Publicidade e Propaganda. TV Digital. 8 1ª Jornada Científica de Comunicação Social A pesquisa em Comunicação: tendências e desafios O ADVENTO DA TV DIGITAL E A PRODUÇÃO DE CAMPANHAS PUBLICITÁRIAS UM ESTUDO ENFOCANDO AS PERSPECTIVAS FUTURAS

Leia mais

A melhor maneira de ficar informado em São José dos Pinhais

A melhor maneira de ficar informado em São José dos Pinhais A melhor maneira de ficar informado em São José dos Pinhais A sua agência de notícias em São José dos Pinhais O PautaSJP.com é um canal de Comunicação de São José dos Pinhais e Região, criado em 02 de

Leia mais

CARTILHA MONTE SEU PERCURSO DE FORMAÇÃO LIVRE

CARTILHA MONTE SEU PERCURSO DE FORMAÇÃO LIVRE CARTILHA MONTE SEU PERCURSO DE FORMAÇÃO LIVRE Tutorial básico para realização de atividades de formação livre em campi temporários ÍNDICE Apresentação, 03 Como funcionam os campi temporários?, 04 O que

Leia mais

ROTINAS DE PRODUÇÃO JORNALÍSTICA NO SITE PORTAL COMUNITÁRIO

ROTINAS DE PRODUÇÃO JORNALÍSTICA NO SITE PORTAL COMUNITÁRIO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) (X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 29 PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 QUESTÃO 41 A importância e o interesse de uma notícia são avaliados pelos órgãos informativos de acordo com os seguintes critérios, EXCETO: a) Capacidade de despertar o interesse

Leia mais

O processo da pauta do Programa Ade!

O processo da pauta do Programa Ade! 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS EM JORNALISMO Como unir os veículos formais e os inovadores

INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS EM JORNALISMO Como unir os veículos formais e os inovadores INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS EM JORNALISMO Como unir os veículos formais e os inovadores Ingresso Janeiro 2014 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS EM JORNALISMO: Como

Leia mais

REGULAMENTO DA SELEÇÃO DE EMPRESAS PARTICIPANTES DO EU EMPRESÁRIO SEBRAE 2013

REGULAMENTO DA SELEÇÃO DE EMPRESAS PARTICIPANTES DO EU EMPRESÁRIO SEBRAE 2013 REGULAMENTO DA SELEÇÃO DE EMPRESAS PARTICIPANTES DO EU EMPRESÁRIO SEBRAE 2013 1. Objeto e prazo da seleção de empresas 1.1. O presente Regulamento tem por objeto a seleção de micro, pequenas empresas e

Leia mais

INSTITUTO LOJAS RENNER

INSTITUTO LOJAS RENNER 2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES INSTITUTO LOJAS RENNER Instituto Lojas Renner Inserção de mulheres no mercado de trabalho, formação de jovens e desenvolvimento da comunidade fazem parte da essência do Instituto.

Leia mais

Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia

Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia Sumário 07 11 12 12 13 13 13 14 15 15 17 18 19 20 21 21 23 Guia rápido

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE COMUNICAÇÃO, TURISMO E ARTES Coordenação de Jornalismo

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE COMUNICAÇÃO, TURISMO E ARTES Coordenação de Jornalismo UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE COMUNICAÇÃO, TURISMO E ARTES Coordenação de Jornalismo REGIMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM JORNALISMO Capítulo I Da concepção de estágio O Estágio visa oportunizar

Leia mais

Relato de Experiência: Iniciativas Acadêmicas PRIMEIRO PASSO. Elaboração de um jornal de bairro em comunidade do interior do Rio Grande do Sul

Relato de Experiência: Iniciativas Acadêmicas PRIMEIRO PASSO. Elaboração de um jornal de bairro em comunidade do interior do Rio Grande do Sul Relato de Experiência: Iniciativas Acadêmicas PRIMEIRO PASSO Elaboração de um jornal de bairro em comunidade do interior do Rio Grande do Sul PARZIANELLO, Geder Universidade Federal do Pampa RESUMO Projeto

Leia mais

Inovação e o Telejornalismo Digital

Inovação e o Telejornalismo Digital Inovação e o Telejornalismo Digital Prof. Antonio Brasil Cátedra UFSC - RBS 2011 Telejornalismo Digital Novas práticas, desafios e oportunidades O que é Telejornalismo Digital Inovação tecnológica Interatividade

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

:: C A N A L B A N D N E W S ::

:: C A N A L B A N D N E W S :: :: TABELA DE PREÇOS :: JANEIRO JANEIRO 2013 2011 :: C A N A L B A N D N E W S :: SKY, NET, Claro TV, Oi Tv e independentes, alcança mais de 10.800.000 assinantes. SEXO 4 IDADE CLASSE SOCIAL DIA INÍCIO

Leia mais

SBT PILARES SBT COBERTURA REGIONAIS FAMÍLIA INFORMAÇÃO DIVERSÃO

SBT PILARES SBT COBERTURA REGIONAIS FAMÍLIA INFORMAÇÃO DIVERSÃO AGROPEC 360º SBT PILARES SBT FAMÍLIA A base de nossos esforços e conquistas. Segundo pesquisas, o SBT é reconhecidamente uma emissora para toda a família. INFORMAÇÃO Informar bem para melhor formar nosso

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE COMUNICAÇÃO BR-285/RS

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE COMUNICAÇÃO BR-285/RS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE COMUNICAÇÃO BR-285/RS CENÁRIO A BR-285 inicia em Araranguá, Santa Catarina, e termina em São Borja, no Rio Grande do Sul. Sua extensão total é de 743,6 km, sendo 67,3 km no

Leia mais

RESUMO. PALAVRAS CHAVE: jornalismo audiovisual, mobilidade, cobertura de eventos. 1. INTRODUÇÃO

RESUMO. PALAVRAS CHAVE: jornalismo audiovisual, mobilidade, cobertura de eventos. 1. INTRODUÇÃO Mobilidade e Cobertura de Eventos: O Lançamento da Nona Bienal do Mercosul Produzido Por Um Tablet 1. Rafael SILVA 2 Natalia Silveira RECH 3 Paula PUHL 4 RESUMO O objetivo deste artigo é destacar o jornalismo

Leia mais

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana Gerência de Comunicação GCO tem por finalidade planejar, organizar, coordenar e controlar as atividades de comunicação e editoriais do Confea. Competências da GCO 1. Organizar e executar projetos editoriais:

Leia mais

ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES RELATÓRIO TÉCNICO

ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES RELATÓRIO TÉCNICO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GOVERNANÇA PÚBLICA ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA FONTES DO JORNALISMO IMPRESSO EM CAMPO GRANDE

PROJETO DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA FONTES DO JORNALISMO IMPRESSO EM CAMPO GRANDE Gerson Luiz Martins PROJETO DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA FONTES DO JORNALISMO IMPRESSO EM CAMPO GRANDE A contribuição da Reportagem, Assessorias e Agências para a formação do jornal diário. Equipe

Leia mais

EVOLUÇÃO DA MÍDIA AUDIOVISUAL ANDRÉIA SOARES F. DE SOUZA

EVOLUÇÃO DA MÍDIA AUDIOVISUAL ANDRÉIA SOARES F. DE SOUZA EVOLUÇÃO DA MÍDIA AUDIOVISUAL ANDRÉIA SOARES F. DE SOUZA Cronograma de Evolução da Mídia Audiovisual no Brasil Gráfico representativo do desenvolvimento de mídia audiovisual no Brasil década a década A

Leia mais