JOSÉ MARCOS PRENAZZI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JOSÉ MARCOS PRENAZZI"

Transcrição

1 JOSÉ MARCOS PRENAZZI A CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES BRASILEIRAS NA TV: ANÁLISE DE REPRESENTAÇÕES VEICULADAS NO QUADRO ME LEVA BRASIL E NA SÉRIE BRASILEIROS, DA REDE GLOBO DE TELEVISÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS: TEORIA LITERÁRIA E CRÍTICA DA CULTURA Outubro de 2012

2 JOSÉ MARCOS PRENAZZI A CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES BRASILEIRAS NA TV: ANÁLISE DE REPRESENTAÇÕES VEICULADAS NO QUADRO ME LEVA BRASIL E NA SÉRIE BRASILEIROS, DA REDE GLOBO DE TELEVISÃO Dissertação apresentada ao Programa de Mestrado em Letras da Universidade Federal de São João del-rei, como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Letras. Área de Concentração: Teoria Literária e Crítica da Cultura Linha de Pesquisa: Discurso e Representação Social Orientador: Guilherme Jorge de Rezende PROGRAMA DE MESTRADO EM LETRAS: TEORIA LITERÁRIA E CRÍTICA DA CULTURA Outubro de 2012

3 JOSÉ MARCOS PRENAZZI A CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES BRASILEIRAS NA TV: ANÁLISE DE REPRESENTAÇÕES VEICULADAS NO QUADRO ME LEVA BRASIL E NA SÉRIE BRASILEIROS, DA REDE GLOBO DE TELEVISÃO Banca Examinadora: Prof. Dr. Guilherme Jorge de Rezende UFSJ Orientador Profa. Dra. Iluska Maria da Silva Coutinho UFJF Prof. Dr. Antônio Luiz Assunção UFSJ Profa. Dra. Eliana da Conceição Tolentino Coordenadora do Programa de Mestrado em Letras São João del-rei, de de 2012

4 Aos meus pais, Arlindo e Lígia, por me mostrarem, cada um a seu modo, a poesia que há na vida. Por investirem em minha formação e por serem, para mim, exemplos de amor, humildade e perseverança.

5 AGRADECIMENTOS À UFSJ e à agência financiadora Reuni, pelo subsídio concedido a esta pesquisa. À Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais, pelo afastamento de minhas atividades profissionais, concedido para a realização deste trabalho. Ao meu orientador, Guilherme Jorge de Rezende, que sempre me incentivou a fazer o mestrado. Pela sua sabedoria e tranquilidade, por compartilhar comigo seus conhecimentos e, no momento em que as reflexões beiravam o devaneio, por me puxar para o centro das questões, com a sua objetividade e clareza de jornalista. Aos professores do Promel, que contribuíram de forma direta para o meu desenvolvimento acadêmico, em especial à professora Eliana da Conceição Tolentino, que além do seu papel de coordenadora, sempre esteve ao nosso lado como uma amiga. À professora Suely da Fonseca Quintana, que muito me ensinou e que foi quem primeiro me apontou os caminhos da pesquisa científica. Aos meus companheiros do Promel não cito nomes para não correr o risco de ser injusto por fazerem parte dessa etapa da minha vida, pela troca de experiências, pela convivência produtiva, amizade e pelos momentos de descontração. Ao professor Paulo Henrique Caetano que, além de ceder algumas de suas aulas para que eu realizasse o meu estágio de docência, compartilhou comigo importantes experiências e conhecimentos. À diretora da escola onde trabalho, Irani Sena Veloso, pela seriedade com que se dedica à educação, por compreender certas ausências e negociá-las, quando foi preciso. À toda a minha família, sem exceção, pelo incentivo e apoio constante, principalmente nos momentos em que mais precisava. A minha vitória, com certeza, é vitória deles também. Em especial aos meus irmãos, pela nossa união e por sempre terem acompanhado meu crescimento, nos estudos e na vida.

6 Às amigas Mara e Eni, pelas ideias e pelo auxílio nos primeiros passos que antecederam essa jornada acadêmica. À Adriana, a mais bela flor que surgiu em meus caminhos, principalmente pela compreensão e paciência pelos meus momentos de estudo e reclusão para concluir este trabalho, pelo sacrifício de tantos finais de semana. Finalmente, à força que nos move neste universo, que nos faz capazes de grandes realizações, de buscar o progresso das ciências e a evolução do espírito humano.

7 RESUMO O objetivo desta pesquisa é analisar o processo discursivo de representação de identidades brasileiras em dois programas da Rede Globo de Televisão, integrante do grupo de mídia hegemônico no sistema de comunicação nacional, constituindo-se como uma grande difusora de representações sociais para a sociedade brasileira: a série Brasileiros e o quadro Me Leva Brasil, do Fantástico. Partimos dos conceitos de Indústria cultural e Cultura de massa para voltarmos nossa atenção para questões como a espetacularização, os hibridismos, o sincretismo realidade-ficção e o caráter opaco versus transparente das representações através das mensagem audiovisuais transmitidas pelos programas analisados. Mediante a articulação entre a fundamentação teórica e a análise do corpus, verificamos que fragmentos de identidades brasileiras representados pelos dois programas generalizam atributos positivos, qualificando o brasileiro como um povo solidário, perseverante, trabalhador, criativo, bem humorado, muitas vezes exótico e dotado de grande capacidade de superação. Palavras-chave: Identidade, representações sociais, televisão brasileira, Rede Globo, Me Leva Brasil, Brasileiros.

8 ABSTRACT The aim of this research is to analyze the discursive process of Brazilian identities representation in two TV programs from the Rede Globo de Televisão, integral of the hegemonic media group of the national communication system, and therefore constitutes itself as a great broadcaster of social representations for the Brazilian society. The TV programs are the series Brasileiros and Me Leva Brasil, part of the Sunday program Fantástico. We depart from the concepts of Cultural industry and Mass culture in order to direct our attention at subjects as the spectacularization, the hybridisms, the syncretism reality-fiction and the opaque versus transparent character of the representations through audiovisual messages transmitted by the analyzed programs. By articulating theoretical grounding and corpus analysis, we found out that fragments of Brazilian identities represented by the two programs generalize positive attributes, qualifying Brazilians as a solidary, perseverant, hardworking, creative, good humored people, oftentimes exotic and endowed with great capacity to overcome. Keywords: Identity, social representations, Brasilian television, Rede Globo, Me Leva Brasil, Brasileiros.

9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO O corpus, a abordagem e os passos da análise CAPÍTULO 1 MÍDIA, CULTURA E SOCIEDADE A Indústria cultural e a Cultura de massa A cultura como recurso Mídia e Espetacularização O formato do espetáculo nas narrativas midiáticas Modos de ver as imagens-representações A visibilidade dos olimpianos e dos anônimos Midiacentrismo Hibridismos, aceleração e fugacidade CAPÍTULO 2 IDEOLOGIA, REPRESENTAÇÕES SOCIAIS E IDENTIDADES Ideologia e me(i)diação cultural As categorias de interpelação ideológica Representações sociais e identidade O humor nas representações A construção das identidades Identidades nacionais Contribuições da Análise do Discurso Identificação e fluidez das identidades A segurança da comunidade de pertença CAPÍTULO 3 ANÁLISE DA CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES EM BRASILEIROS E ME LEVA BRASIL A Rede Globo de Televisão A condição hegemônica Um certo sentimento nacional O dispositivo pedagógico da mídia Campanhas de valorização do Brasil e do povo brasileiro Me leva Brasil, que eu sou brasileiro Me Leva Brasil

10 3.2.2 Famílias do Brasil Todo brasileiro é um artista As histórias de superação em Brasileiros Lua Nova Reconfigurando histórias e transformando vidas Jovens Talentosos Resgatando talentos e oferecendo oportunidades CONSIDERAÇÕES FINAIS Somos brasileiros e não desistimos nunca? REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Sites ANEXOS ANEXO ANEXO ANEXO ANEXO ANEXO

11 ÍNDICE DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 - Logomarca de Me Leva Brasil apresentada na vinheta de abertura..105 Figura 2 - Maurício Kubrusly apresenta o episódio Figura 3 - Kubrusly sendo coberto por imagens Figura 4 - Celso Neidert: um brasileiro típico Figura 5 - Celso Neidert com família reunida Figura 6 - Filhos de Sérgio Moura estudando Figura 7 - Foto da família de Sérgio reunida Figura 8 - Uma das filhas em atividades escolares Figura 9 - Família de Aúro reunida Figura 10 - Meninos trocando de embarcação Figura 11 - Foto da família de Keila reunida Figura 12 - Celton e seu trabalho no trânsito Figura 13 - O "artista empresário" em entrevista Figura 14 - Logomarca da série Brasileiros apresentada na vinheta de abertura Figura 15 - Introdução do episódio feita por Neide Figura 16 - Raquel fala sobre a Comunidade Figura 17 - Cena de Camila grávida Figura 18 - Documento de identificação do bebê Figura 19 - Taís se pergunta sobre sua condição

12 Figura 20 - Luzitânia: Você acha que tenho jeito? Figura 21 - Daiane: A minha história é a pior Figura 22 - Detalhe de bonecas fabricadas no Criando Arte Figura 23 - Bandeira brasileira se destaca na abertura Figura 24 - Edney Silvestre introduz o episódio Figura 25 - Leopoldo de Meis em entrevista a Edney Silvestre Figura 26 - Amanda trabalhando no laboratório Figura 27 - Pais da garota falam do apoio à filha Figura 28 - Reinaldo com a avó: incentivo constante Figura 29 - Wagner: o discípulo que virou mestre Figura 30 - Wagner: motivo de orgulho da família Figura 31 - Anderson no laboratório Figura 32 - Mãe: ele tem que ser nota Figura 33 - Gislaine é entrevistada no laboratório

13 INTRODUÇÃO Quem não se lembra com uma certa dose de saudade da própria infância? Eu me recordo com um pouco de saudosismo dos meus tempos de criança. Lembro-me de eu menino a correr e a pular pelo meu quintal, pelos arredores do meu lugar, inventando histórias, brincadeiras e cidades, imaginárias ou de papelão. Lembro-me de brincar com fogo, fogos de artifício, subir na laje e me arriscar com tudo aquilo que todo moleque gosta e que deixa os pais loucos. Durante muito tempo o meu lugar era pequeno, se resumia ao espaço do lar e ao quintal, onde reinavam tranquilos, numa profusão de cores, plantas e animais domésticos, onde as invenções podiam surgir e durar dias. Nos meus domínios também estava a rua, íngreme rampa com calçamento de pedras, como muitas outras assentadas pela cidade pelas mãos de meu avô, tios e pai. Ladeada por casas que eram praticamente extensões da minha, por serem todas, na época, de parentes. Pequena rua que brilhava de noite molhada pela chuva. Fora isso, fazia parte desse meu lugar alguns pares de outras ruas poucos quarteirões. É certo que fazia passeios, ia a outros lugares, cidades, pequenas viagens, finais de semana na fazenda. Mas esses espaços já eram outros domínios. Iria conquistá-los mais tarde. Mas um local que realmente me fascinava e onde sempre passava algum tempo, era a oficina de meu pai, que ocupava todo o porão de minha casa. Ficava curioso com a forma dos objetos guardados ali, meio amedrontado com alguns cantos sombrios, ávido por mexer nas máquinas, ferramentas, tintas e engenhocas que o povoavam. Espaço de escavações quase arqueológicas, de quadros de santo, de todos os tipos de metais e madeiras, de peças que se abrem, se apertam, se parafusam, residência das mais diversas formas, residência da poeira de diversas épocas, das teias de aranha que emprestavam um ar de filme de terror e que me faziam crer que outras formas de vida mais misteriosas existiam ali, na espreita, só esperando que as luzes se apagassem para voltar à atividade. Parafraseando levianamente o poeta, cada objeto ali parecia conter o eco de antigas palavras e 13

14 vestígios de estranha civilização 1. Lá também havia um possante esmeril, que cuspia fogo quando trabalhava. A única coisa ali que era mais fascinante do que assistir televisão. E era grande o meu interesse por tudo que estava lá para ser descoberto, explorado e apreendido. Lá eu passava horas na companhia de meu pai. Enquanto ele realizava consertos, achava soluções, puxava um dedo de prosa, cortava o cabelo de algum dos sobrinhos (e muitas vezes o meu e de meus irmãos), ia trazendo novamente à vida objetos e peças que há muito já eram dadas como irrecuperáveis. E o mais impressionante: Passavam a funcionar quase que para sempre... Enquanto ele trabalhava, estava sempre escutando o rádio, se distraindo com as músicas da AM e se informando com as notícias, que invariavelmente serviam para incrementar a pauta das rodas de conversa. Enquanto isso, eu pedia alguma máquina velha para mexer, desmontar, quebrar e transformar em um bocado de pedaços que nem mesmo meu pai podia depois recompor. Mais tarde esses fragmentos acabavam virando um robô, uma arma, um carrinho maluco ou qualquer outra obra, fragmentária como uma escultura cubista. Naquela época não tinha dimensão de fronteiras, nem a necessidade de um território maior, mas sabia que existiam no mundo muitos outros domínios aos quais eu não tinha acesso. E esses outros mundos me chegavam justamente pelo rádio, nas minhas mais remotas lembranças. Ainda hoje consigo me lembrar das chamadas, anúncios e jingles que compunham a programação: O globo no ar... Rádio Globo!, deixando um eco inconfundível na memória, ou A Voz do Brasil, com sua melodia tediosa e monótona, que dava sono e não interessava a nenhuma criança. Quando terminavam os trabalhos (no meu caso, as brincadeiras), a luz era apagada, o portão rangia e subíamos para dentro de casa. Minha mãe chamava e era hora de comer, tomar banho e preparar para o descanso. Em momentos como esse, normalmente entrava em cena a televisão. A cor, as imagens, as músicas, os diálogos, as histórias divertidas dos desenhos e dos Trapalhões, as incríveis aventuras de personagens dotados dos mais loucos poderes faziam da 1 BUARQUE, Chico. Futuros Amantes. In: Paratodos. São Paulo: BMG Ariola, CD, digital. 14

15 televisão uma presença muito mais marcante e envolvente que a do rádio. Minhas mãos já não ficavam ocupadas enquanto conhecia outros universos, como o rádio permitia. Os olhos, a atenção e a imaginação se voltavam pra tela onde explodia tanta novidade. E ali tudo parecia muito mais fascinante do que em qualquer outro lugar. Cada emoção era uma emoção elevada ao quadrado. Cada novo golpe ou ação do herói eram os mais espetaculares que podiam existir. Cada tombo do palhaço era o mais atrapalhado e divertido do que qualquer um que tivesse visto na vida real. Cada dificuldade ou drama dos personagens eram os mais tocantes e os mais dignos de serem superados. Na minha cabeça de criança, pouco podia distinguir ali o que era verdade do que era ficção é certo que ainda hoje, muitos telespectadores, mesmo os adultos, também se confundem. Na minha cabeça de criança, não tinha a exata noção (era mais uma leve suspeita), mas minha vida cotidiana já era regrada em parte pelo horário dos programas. Quando escutava pelo rádio, por exemplo, O globo no ar... está no ar o boletim do Sentinela da Mantiqueira... Soldado Valério está de plantão!, era a hora mais triste do dia. Faltavam poucos minutos para almoçar e ir para a escola. Quando voltava e, já tendo tomado café, descia ao porão (que mais parecia a caverna onde o mito platônico foi inspirado), estava quase na hora da Voz do Brasil, com aqueles trombones rufantes e aquela pompa que em poucos instantes se transformava nas monótonas vozes que falavam daquilo que eu não entendia. A solene Voz do Brasil... Depois, mais tarde, a parte melhor... ligada a televisão, a família reunida e começavam as viagens por lugares nunca antes percorridos. Se a programação da semana já atraía, a do final de semana era mais fascinante. Ficava absorvido com os filmes e outros programas de sábado, muitas vezes trocando aventuras reais pelas aventuras da TV, que pareciam muito mais reais que as minhas em meu pequeno reinado. Já no domingo, estar sintonizado na TV reservava prêmios ainda maiores, exceto pela vontade de brigar com os adultos e tirar do ar o Velho Guerreiro, que a mim não dizia nada. Fora isso, era puro deleite. Normalmente era o momento da reunião e do descanso de todos, do lazer abastecido pelas comidas de domingo, muitas vezes em frente à TV. 15

16 Só de escutar a música de abertura do programa dos Trapalhões, deixava de lado qualquer coisa e corria para a televisão. Também o Fantástico exercia um fascínio enorme em mim, ficava maravilhado com tanta diversidade e curiosidades espalhadas pelo mundo. Impressionava-me com as matérias científicas, com as reportagens sobre viagens e aventuras realizadas nos mais diversos lugares do planeta, com o que havia de inusitado e espetacular na natureza e na vida dos seres humanos, com a possibilidade de percorrer muitos mundos, nas noites de domingo, sem precisar sair de casa. Terminado o programa, as histórias fictícias e reais que chegavam até a mim povoavam a minha imaginação durante dias. Naquela época, esses programas ocupavam minha cabeça de forma quase mítica, como se fossem grandes revelações. Mas, aos poucos, fui começando a compreender como se estruturavam e o que se escondia por trás das maravilhas que nos chegavam com tamanha facilidade. O tempo foi passando e o mundo da comunicação continuou presente em minha vida. Em Barbacena, minha cidade natal, junto a um grupo de amigos, atuei como editor do Informativo Cultural O Grito, impresso de periodicidade mensal que trazia poesias e outros textos literários, fotos antigas, humor, reproduções de obras de arte e outros assuntos ligados às artes e à cultura de uma forma geral. Ao entrar para a meio universitário, escolhi a Graduação em Letras, Artes e Cultura da Universidade Federal de São João del-rei. Na instituição, além de cursar as disciplinas, fiz Iniciação Científica em Literatura, me dedicando a uma pesquisa que envolveu as representações sociais, a questão da alteridade e das personagens femininas nos contos infantis. Apesar da minha graduação ser em Letras, direcionei boa parte dos meus estudos e atividades extracurriculares para a área da Comunicação e do Jornalismo. Uma dessas atividades foi ter trabalhado, já morando em São João del-rei, como repórter do jornal impresso Gazeta de São João del-rei, o que me deu a oportunidade de vivenciar na prática o trabalho existente por trás de um veículo de comunicação e certas questões que o cercam. Mesmo desvelando vários e consecutivos véus o que tirou muitas de minhas ilusões meu interesse por essas questões aumentou e em meus 16

17 estudos universitários, busquei me aproximar mais dessas temáticas. Foi por esse motivo que ao elaborar o projeto da presente dissertação, resolvi enveredar novamente pelos caminhos da mídia e estudar mais a fundo alguns dos processos que a tornam tão onipresente em nossa sociedade contemporânea. Continuo ouvinte e telespectador, embora a forma de ver e ouvir tenha mudado em muitos sentidos, embora tenha eu próprio mudado muito... em muitos sentidos também. Paro para pensar e me questiono: o que hoje é imutável? O que hoje é perene e constante, como julgava ser muitas coisas nas minhas concepções de menino do interior? Acredito que muito pouca coisa... A própria noção de identidade, que será discutida em momento apropriado, no segundo capítulo, perdeu seu caráter essencialista, fixo, e hoje figura como algo que pode ser alterado constantemente. Ao expandir questões como essas e direcioná-las aos papéis assumidos socialmente pelos veículos de comunicação de massa, principalmente pela televisão, podem ser propostas novas perguntas: Quais os valores, identidades e práticas sociais estão sendo encenadas? Com base em quais elementos e como são construídas muitas das representações dirigidas aos telespectadores brasileiros? Será que a televisão realmente tem a capacidade de estimular determinadas práticas e comportamentos? Partindo de questionamentos básicos como esses e já nos dirigindo aos nossos objetivos propriamente ditos, o presente trabalho vai tomar como ponto de partida de sua análise, questões referentes às relações entre linguagem, construção de identidades, ideologia e os discursos 2 veiculados pela mídia 3. Dentro desse estudo, serão trabalhados também aspectos da cultura de massa e hibridização cultural. À luz de diversos autores, que serão apresentados ao longo do texto, abordaremos essas questões dentro do contexto das sociedades contemporâneas, capitalistas e globalizadas, inseridas em um mundo onde a informação é cada vez mais valiosa e atinge um nível crescente de espetacularização (DEBORD, 1997). 2 O termo discurso está sendo usado nesse trabalho em seu sentido amplo, como qualquer produção verbal de enunciados, estando carregado ou não de sentidos ideológicos. 3 Assim com o termo discurso, o conceito de mídia será usado de uma forma ampla, significando o conjunto dos meios de comunicação de uma forma geral, ou seja, as instituições públicas ou privadas que são responsáveis pela mediação cultural nas sociedades contemporâneas. 17

18 Esse panorama só foi possível porque os avanços tecnológicos e as transformações dos meios de comunicação de massa ocorridos no século XX influenciaram todo um sistema de representações sociais das populações que fazem parte do mundo globalizado. Daí infere-se o grande alcance dos discursos midiáticos no modo de agir e pensar de grande parcela das sociedades atuais. Nesse sentido, os grandes palcos erguidos pelas mídias definem-se como espaços privilegiados das questões sociais, nos quais os meios de comunicação têm um papel de predominância na construção de identidades. Ao levar ao público informação, cultura e entretenimento, as mídias constroem discursos e efeitos de sentido, aliando-os a inúmeros recursos e estratégias como forma de concretizar a mediação. O estudo e a crítica dessa cultura midiática nos parecem bastante significativos, visto que analisar a orquestração desses elementos nos aproximaria muito da análise dos próprios processos representacionais utilizados, no caso, pela mídia brasileira. O corpus, a abordagem e os passos da análise Esta pesquisa se insere nos estudos de Crítica da Cultura, área de concentração do Programa de Mestrado em Letras da Universidade Federal de São João del-rei. Volta sua atenção para atuação da mídia contemporânea, sob o viés da linha de pesquisa que trata das relações entre discurso e representações sociais. Nosso objetivo neste estudo é analisar como se dá a representação de identidades brasileiras na TV, mais especificamente pela Rede Globo de Televisão. Selecionamos essa rede, hegemônica no sistema midiático nacional, por reconhecer as contribuições que trouxe para a consolidação de um sentimento e de uma identidade nacional. Para tanto, escolhemos como corpus dois programas da Rede Globo de Televisão, por eles promoverem nitidamente representações identitárias de brasileiros, mesmo apresentando perfis e propostas diferenciadas. O primeiro é o quadro Me Leva Brasil, do Fantástico, veiculado nas noites de domingo. De todos 18

19 os quadros do Fantástico, é o que traz de forma mais explícita representações típicas brasileiras. O outro é a série Brasileiros, que foi ao ar em nove episódios, nas noites de quinta-feira, do dia 17 de junho ao dia 12 de agosto de Porém, torna-se necessário delimitar ainda mais nosso corpus de estudo. No que diz respeito ao Me leva Brasil, abordamos genericamente vários episódios que foram ao ar em 2010, ano em que o quadro completou 10 anos. Isso foi feito em função de se exemplificar e traçar um perfil do quadro, mas nos restringimos a analisar mais profundamente os episódios dos dias 08 e 15 de agosto de Quanto à forma de abordagem da série Brasileiros, o procedimento adotado foi o mesmo, no intuito de demonstrar sua recorrência temática e de tornar possível uma análise mais aprofundada do corpus. Assim, atentamos de forma geral para vários dos nove episódios que compõem a sua primeira temporada, mas analisamos de forma mais detalhada os episódios do dia 01 e 29 de julho de 2010, por verificarmos que neles, com bastante clareza, as identidades podem ser construídas e também reconfiguradas, mediante performances discursivas. Partindo do pressuposto de que a linguagem é fundamental para se representar a cultura e vários outros elementos do social, esta pesquisa foi estruturada de forma a permitir a análise de certas práticas de linguagem para observar como o sujeito e o social se constroem discursivamente. Com base nos referenciais teóricos apresentados na revisão de literatura, realizamos a análise da versão integral dos programas que compõem o corpus de estudo, buscando observar como os indivíduos apresentados são constituídos nos enunciados produzidos por eles próprios e pelos repórteres dos programas. Os procedimentos metodológicos aplicados ao corpus compreenderam as seguintes ações: identificação, transcrição e descrição dos discursos veiculados, considerando a constituição tríplice da linguagem televisiva: icônica, linguística e sonora. Nosso objetivo aqui é focar no aspecto linguístico dos programas, mas não podem ser ignorados o icônico e o sonoro por isso optamos pela transcrição e descrição, que constam nos anexos, como forma de abarcar elementos sonoros e visuais. 19

20 Após o tratamento dos dados, partimos para a interpretação dos discursos veiculados nos programas, visando identificar e descrever as relações discursivas que estabelecem entre si, as suas características e a forma como são construídas as identidades. Essa interpretação, como será visto no terceiro capítulo e também em nossas considerações finais, nos permitiu tecer uma análise das representações sociais propriamente ditas, desvelando as ideologias implícitas em tal sistema de representação. Nesse estágio, procuramos estabelecer uma comparação entre as características principais de cada programa e responder a questões fundamentais desta pesquisa: Como são construídas as representações de identidade? Quais são os papéis sociais que estão sendo articulados e as estratégias discursivas que os programas utilizam para construir todo esse conjunto de significações? A análise do corpus nos permitiu a comparação de como as identidades podem ser construídas de formas diferentes na televisão e numa mesma emissora. Possibilitou também observar e refletir sobre elementos característicos da cultura de massa presentes nos programas, como a espetacularização (DEBORD, 1997), o hibridismo (BURKE, 2003) e o fait-divers (BARTHES, 1970). O programa Fantástico se mostra um corpus riquíssimo para análise e aplicação de teorias críticas da cultura, pois utilizando os conceitos de Peter Burke, o Fantástico (e consequentemente o quadro Me Leva Brasil, por possuir características muito semelhantes ao programa como um todo), é um claro exemplo de hibridização cultural e da criação de um mundo crioulizado 4 (BURKE, 2003, p ). Ao promover a tradução de diversos tipos de comunidades e culturas a serem apresentadas ao público brasileiro, o Fantástico representa modelos culturais híbridos. Já numa reflexão preliminar, percebe-se que o programa é voltado para o entretenimento, se dirige a um público genérico, seus conteúdos são normalmente massificados e usa muitas vezes, como o próprio nome sugere, recursos que provocam a espetacularização. Além disso, não se deve esquecer que, como formador de opinião, o programa constitui um sistema de referências para os indivíduos, é assistido pela 4 Em Hibridismo Cultural, Peter Burke (2003), chama a atenção para o fato de que as trocas culturais estão ficando cada vez mais constantes e intensas e chega ao conceito de crioulização do mundo, que seria uma nova ordem, um espaço sempre aberto à reconfiguração de culturas e a confluências diversas, que vai promover a cristalização de novas formas. Esse conceito será melhor apresentado no item 1.3 deste trabalho. 20

21 maioria dos brasileiros e tem penetração em praticamente todas as camadas sociais. Ele utiliza, como uma de suas estratégias, a aproximação com o ambiente familiar (SODRÉ, 1977), pois cria um ambiente amigável e confortável, para informar e entreter os brasileiros nas noites de domingo. Sem sair da poltrona e da segurança do lar, o público se informa e forma sua opinião, como se ela fosse única em um mundo tão multifacetado e plural. Pluralidade esta que também é representada pelo povo e pela cultura brasileiros. Ao apresentar um mix de culturas mundiais e regionais, o Fantástico acaba por promover representações identitárias brasileiras. Existem vários trabalhos acadêmicos no Brasil que se dirigem ao programa. Germana Barata analisa como o Fantástico apresenta a Aids para o público na primeira década de disseminação da doença no país (BARATA, 2000), Gláucia Guimarães e Raquel Barreto abordam a articulação de linguagens em matérias sobre assuntos educacionais (GUIMARÃES; BARRETO, 2008). Nenhum deles, porém, enfoca a questão das identidades e das representações sociais propriamente ditas, da forma como se propõe aqui. Maior afinidade com nossa pesquisa encontramos no estudo de Lara Linhalis Guimarães e Iluska Coutinho (2008). Elas partem da indagação sobre como o brasileiro é construído discursivamente no JN, para constatar que aspectos como a resignação, o sofrimento (e a maneira particular de lidar com ele), o tratamento do povo como vítima (do governo, das empresas, da natureza em fúria, de doenças), a solidariedade e a cordialidade dos brasileiros (Idem, p. 10) predominaram no conteúdo do corpus analisado. Esse mesmo foco na construção discursiva da identidade brasileira na TV está presente na análise das representações veiculadas pelos programas que compõem o corpus desta pesquisa. Esta investigação é de extrema relevância para os estudos culturais sobre a contemporaneidade, por ser uma forma possível de se chegar aos processos representacionais corporificados nos programas televisivos, principalmente no que diz respeito à constituição e representação de identidades. Voltando ao nosso objetivo específico, o quadro Me Leva Brasil, Maurício Kubrusly, que o apresenta, convida os telespectadores a viajarem de norte a sul 21

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 IMAGENS CONTEMPORÂNEAS: ABORDAGENS ACERCA DA ANÁLISE DA IMAGEM Elis Crokidakis Castro (UFRJ/UNESA/UNIABEU) eliscrokidakis@yahoo.it Caminhei até o horizonte onde me afoguei no azul (Emil de Castro) Para

Leia mais

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO Resumo Hoje muitas crianças convivem com narrativas audiovisuais na tv, no cinema e na Internet. Como se relacionam

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 DO ACONTECIMENTO

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA.

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Autor: Paulo Vitor Tavares, Ms. Palavras-chave: EAD, Televisão, Videoaula, IFSC.

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1 Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG RESUMO Como forma de estimular a criatividade

Leia mais

Resenha. Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011).

Resenha. Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011). Resenha Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011). Bruno Ribeiro NASCIMENTO 1 Dominique Wolton costuma nadar contra a corrente: quando os críticos da indústria cultural

Leia mais

Inovação e o Telejornalismo Digital

Inovação e o Telejornalismo Digital Inovação e o Telejornalismo Digital Prof. Antonio Brasil Cátedra UFSC - RBS 2011 Telejornalismo Digital Novas práticas, desafios e oportunidades O que é Telejornalismo Digital Inovação tecnológica Interatividade

Leia mais

Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP

Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP Brasil: qual é o teu negócio? 1 Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP RESUMO Baseado na composição

Leia mais

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se VOZ DO LEITOR ANO 4 EDIÇÃO 30 On/off-line: entreolhares sobre as infâncias X, Y e Z Amanda M. P. Leite A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se prende a uma espécie de saudosismo da

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011

A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011 Ciências Humanas e Sociais Comunicação A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011 Ingo A.F. von Ledebur 1 Thiago H. Ruotolo da Silva 2 Gabriela Rufino

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR.

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. Autor: Wagner de Araújo Baldêz 1 - UFOP. Orientador: William Augusto Menezes 2 - UFOP. O objetivo desse artigo é relatar

Leia mais

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula José Manuel Moran A seguir são apresentadas sugestões de utilização de vídeo, CD e DVD. Vídeo como produção Como documentação, registro de eventos, de aulas,

Leia mais

O CENTRO CULTURAL TAMBOLELÊ E A MÚSICA COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL

O CENTRO CULTURAL TAMBOLELÊ E A MÚSICA COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL O CENTRO CULTURAL TAMBOLELÊ E A MÚSICA COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL Denis ARAÚJO Fernando D AGOSTINI Márcia Regina FANTINI Orlando PINEL Pedro Alberto ANDRADE Shelber CRUZ Lamounier Lucas PEREIRA

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

Comunicação Organizacional no Terceiro Setor: a experiência do Brasil Vivo

Comunicação Organizacional no Terceiro Setor: a experiência do Brasil Vivo Comunicação Organizacional no Terceiro Setor: a experiência do Brasil Vivo Adalberto NUNES (Universidade de Brasília) 1 Élida SANTOS (Universidade de Brasília) 2 Gabriel PONTES (Universidade de Brasília)

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE 1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE Natália Maria G. Dantas de Santana- UAE/CFP/UFCG Mayrla Marla Lima Sarmento-UAE/CFP/UFCG Maria Thaís de Oliveira

Leia mais

Departamento de Educação Alunas: Gleilcelene Neri de Brito Orientadora: Rosália Duarte Título do Projeto:

Departamento de Educação Alunas: Gleilcelene Neri de Brito Orientadora: Rosália Duarte Título do Projeto: PIBIC 05/06 Departamento de Educação Alunas: Gleilcelene Neri de Brito Orientadora: Rosália Duarte Título do Projeto: Criança e Televisão: O que as Crianças da favela da Maré pensam sobre o que vêem na

Leia mais

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 JUNIOR, Carlos de Faria 1 FERNANDES, Priscila Mendonça 2 Palavras-Chave: Indústria Cultural. Regime Militar. Telenovelas. Introdução O projeto consiste

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO ESTILO E IDENTIDADE Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO Introdução Por milhares de anos, foi possível concordar que a mais importante linguagem do homem

Leia mais

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO 1. Oficina de Produção CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO Duração: 03 dias Público ideal: grupos de até 15 pessoas Objetivo: Capacitar indivíduos ou grupos a produzirem pequenas peças

Leia mais

A diferença entre marketing, propaganda publicidade, relações públicas e jornalismo Por Renato Galisteu

A diferença entre marketing, propaganda publicidade, relações públicas e jornalismo Por Renato Galisteu A diferença entre marketing, propaganda e publicidade, relações públicas e jornalismo Por Renato Galisteu Communication and social media specialist, passionate tech journalism and Noah's Dad A comunicação

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

Teorias de Media e Comunicação

Teorias de Media e Comunicação Teorias de Media e Comunicação (4) Teóricos Contemporâneos Rita Espanha Mestrado em Comunicação, Cultura e Tecnologias de Informação 1º Semestre 2012/2013 terça-feira, 20 de Novembro de 2012 Página 2 Jürgen

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP Resumo O 2ª Opinião - Espaço cultural é um jornal-laboratório que vem sendo

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação LINHA DE PESQUISA: Inovações na Linguagem e na Cultura Midiática PROFESSOR

Leia mais

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas o Docente universitária na disciplina Fundamentos de marketing o 12 anos de experiência em comunicação

Leia mais

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA (versão simples da Lei da Comunicação Social Eletrônica) CAPÍTULO 1 PARA QUE SERVE A LEI Artigo 1 - Esta lei serve para falar como vai acontecer de fato o que está escrito em alguns

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO

A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO Jéssica Dalla Corte¹ Márcia Moreno (Orientadora) ² Universidade Comunitária da Região de Chapecó-Unochapecó Resumo: Esta

Leia mais

VIOLÊNCIA GERA VIOLÊNCIA E DO CONTRÁRIO GENTILEZA GERA GENTILEZA

VIOLÊNCIA GERA VIOLÊNCIA E DO CONTRÁRIO GENTILEZA GERA GENTILEZA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL CALDAS JUNIOR SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE NOVO HAMBURGO VIOLÊNCIA GERA VIOLÊNCIA E DO CONTRÁRIO GENTILEZA GERA GENTILEZA Professoras: Jane Engel Correa Patrícia

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO

TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO Patricia Neves de Almeida Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade de Sorocaba (UNISO) patricia.almeida@prof.uniso.br Resumo: O presente texto refere-se

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA Connie, a Vaquinha 2. EPISÓDIO(S) TRABALHADO(S): A Ponte 3. SINOPSE DO(S) EPISÓDIO(S) ESPECÍFICO(S) O episódio A Ponte faz parte da série Connie,

Leia mais

Classes Funcionais 21

Classes Funcionais 21 Classes Funcionais 21 3 Classes Funcionais Em todo trabalho de classificação funcional é necessário determinar quais serão as classes funcionais utilizadas. Esta divisão não se propõe a ser extensiva,

Leia mais

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE Mayara Teles Viveiros de Lira (UFAL) Maria Helena de Melo Aragão (UFAL) Luis Paulo Leopoldo Mercado (UFAL) Resumo Este estudo analisa

Leia mais

Cara Professora, Caro Professor,

Cara Professora, Caro Professor, A olhinhos menina de rasgados Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos um belo livro de narrativa A menina de olhinhos rasgados, do premiado autor mineiro Vanderlei Timóteo.

Leia mais

Televisão brasileira: o início da problemática 1

Televisão brasileira: o início da problemática 1 Televisão brasileira: o início da problemática 1 AUTOR: QUINTANA JÚNIOR, José CURSO: Comunicação Social Jornalismo/Unifra, Santa Maria, RS OBRA: CAPARELLI, Sérgio. Televisão e capitalismo no Brasil: com

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS

O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS Lucas Germani Wendt; Leonardo Pestillo de Oliveira; Letícia Rossi RESUMO: O presente projeto terá por objetivo

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA Juliana de Oliveira Meirelles Camargo Universidade Candido Mendes/ Instituto Prominas e-mail: Ju_meirelles@yahoo.com.br Léa Mattosinho

Leia mais

SEMANA DO SERVIDOR PÚBLICO sugestão de palestrantes. Otimize seu orçamento e mantenha um bom nível de palestrantes.

SEMANA DO SERVIDOR PÚBLICO sugestão de palestrantes. Otimize seu orçamento e mantenha um bom nível de palestrantes. SEMANA DO SERVIDOR PÚBLICO sugestão de palestrantes Otimize seu orçamento e mantenha um bom nível de palestrantes. resultados positivos para os servidores? qualidade de vida fernando rocha wesley schunk

Leia mais

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA 1 As autoras A vivência como professoras foi a base de trabalho das autoras. Na sala de aula, puderam conviver com a realidade de leitura

Leia mais

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO A FUNÇÃO DO BRINQUEDO E OS DIVERSOS OLHARES Érica Cristina Marques de Oliveira- erikacmo06@hotmail.com Rafaela Brito de Souza - rafa_pdgg@hotmail.com.br Raquel Cardoso de Araújo- raquelins1@hotmail.com

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade.

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade. RELATÓRIOS DE ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES PARA A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE PORTUGUÊS BORGES, Ana Maria de Miranda Marques/UFG anamariademiranda2@gmail.com MORAES, Eliana Melo Machado/CAJ-UFG

Leia mais

PROJETOS CULTURAIS: MITOS E REALIDADES

PROJETOS CULTURAIS: MITOS E REALIDADES SEMINÁRIO PROJETOS CULTURAIS: MITOS E REALIDADES NOSSA PROGRAMAÇÃO 1ª Parte Alguns mitos e realidades sobre a Cultura e o Marketing Cultural 2ª Parte Projetos Culturais: Planejamento e modelos I - PORQUE

Leia mais

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL JOÃO GOULART INTRODUÇÃO A arte apresenta uma forma de

Leia mais

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 (Orientador) Profa. Dra. Tatiana Machiavelli Carmo Souza 2 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA. CONVERSAS COM O PROFESSOR. Prezado(a) Professor(a),

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA. CONVERSAS COM O PROFESSOR. Prezado(a) Professor(a), MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA. CONVERSAS COM O PROFESSOR SOBRE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS. TEMA 2: Televisão e Vídeo no Ensino Médio: algumas reflexões e sugestões. Prezado(a)

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA Geane Apolinário Oliveira UEPB Geane-cg@hotmail.com Introdução O presente artigo tem por objetivo enfatizar

Leia mais

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p.

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Resenha Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Naná Garcez de Castro DÓRIA 1 Qual a lógica das políticas de comunicação

Leia mais

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo Artes Audiovisuais: Estratégia cooperativa na modalidade Educação Jovem e Adulta - EJA STEFANELLI, Ricardo 1 Instituto Federal de Educação Tecnológica de São Paulo RESUMO O presente trabalho na disciplina

Leia mais

Vinheta Sala de Cinema 1. Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM

Vinheta Sala de Cinema 1. Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM Vinheta Sala de Cinema 1 Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM RESUMO Esse trabalho surgiu a partir das atividades de um projeto de extensão (Pibex)

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS CURSO DE JORNALISMO MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS 1 1 ÁREAS TEMÁTICAS Respeitada a disponibilidade de carga horária dos professores orientadores e a escolha dos alunos,

Leia mais

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro sumário 9 prefácio. A lição aristotélica de Poe [Pedro Süssekind] 17 A filosofia da composição

Leia mais

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE Cleide Aparecida Carvalho Rodrigues 1 Resumo A proposta para a realização do SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE surgiu durante uma das atividades do Grupo de Estudos de Novas Tecnologias

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

Marcos Tarciso Masetto COMPETÊNCIA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO

Marcos Tarciso Masetto COMPETÊNCIA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO Marcos Tarciso Masetto COMPETÊNCIA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO Competência pedagógica do professor universitário Copyright 2003, 2012 by Marcos Tarciso Masetto Direitos desta edição reservados

Leia mais

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo?

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo? Pré-Vestibular Social Grupo SOA Suporte à Orientação Acadêmica Ela faz cinema Ela faz cinema Ela é demais (Chico Buarque) CINEMA Chegou o momento de escolher um curso. Diante de tantas carreiras e faculdades

Leia mais

ONG Projetos sociais meu sonho não tem fim Pesquisa - Sonhos, desejos e virtudes

ONG Projetos sociais meu sonho não tem fim Pesquisa - Sonhos, desejos e virtudes ONG Projetos sociais meu sonho não tem fim Pesquisa - Sumário Dedicatória Página 3 Introdução Página 4 Perfil do público pesquisado Página 5 Sonhos e desejos Página 8 Virtudes e pecados Página 10 Conclusões

Leia mais

CECIS, LABES e a elaboração de materiais de divulgação científica

CECIS, LABES e a elaboração de materiais de divulgação científica Estimulando crianças a práticas preventivas da dengue: o desenho de animação como recurso para mobilização Mariana de Queiroz Bertelli, Héliton da Silva Barros, Felipe Kolb Bernardes, Virgínia Torres Schall

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Pronac Nº 1111032 Você em Cenna é um concurso cultural que irá eleger atores e atrizes amadores de todo o país, que enviarão vídeos de suas performances para votação popular e de júri especializado. Os

Leia mais

10 Educação Musical: planejamento e atividades Conteúdo

10 Educação Musical: planejamento e atividades Conteúdo Planejamento de atividades lúdicas em Educação Musical Planejamento de atividades em Educação Musical Criando estratégias de ensino e aprendizagem musical Questões para pensar estratégias de ensino e aprendizagem

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil.

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. RADIOBRÁS Empresa Brasileira de Comunicação S. A. Diretoria de Gestão de Pessoas e Administração

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES DISCURSIVAS DE ALUNOS DE LÍNGUA ESPANHOLA EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL

AS REPRESENTAÇÕES DISCURSIVAS DE ALUNOS DE LÍNGUA ESPANHOLA EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL AS REPRESENTAÇÕES DISCURSIVAS DE ALUNOS DE LÍNGUA ESPANHOLA EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Élida Cristina de Carvalho Castilho 1 INTRODUÇÃO Indubitavelmente, questões sociais e econômicas sempre

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual RESENHA CRÍTICA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: PRÁTICAS DE ANÁLISE E PRODUÇÃO DE TEXTOS Valdisnei Martins de CAMPOS Letras - CAC/UFG; valdis_martins@hotmail.com Erislane Rodrigues RIBEIRO Letras - CAC/UFG;

Leia mais