Conferência Europeia de Minerais. Declaração sobre Matérias-Primas de Madrid em Nota de Imprensa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conferência Europeia de Minerais. Declaração sobre Matérias-Primas de Madrid em 2010. Nota de Imprensa"

Transcrição

1 Conferência Europeia de Minerais Declaração sobre Matérias-Primas de Madrid em 2010 Nota de Imprensa Os minerais proporcionam-nos tudo o que nós apreciamos na sociedade em que vivemos, trabalhamos, relaxamos e viajamos. Existem três tipos principais de minério: inertes (brita, areia e cascalho), minerais industriais (usados, por exemplo, em produtos de vidro, argila e cerâmica) e minérios de metal (usado para a fabricação de automóveis, comboios e aviões). As matérias-primas para todos esses minerais têm que ser extraídas do solo em pedreiras e minas. Na Europa, temos mais de milhões de toneladas de matérias-primas a cada ano. A indústria europeia de minerais emprega mais de um milhão de pessoas nas actividades extractivas e muitos mais na fabricação de produtos. Apesar da actual recessão, prevê-se o aumento, em larga medida, Da procura por essas matérias-primas, ao longo dos próximos 5-10 anos, mesmo com o aumento da reciclagem. A disponibilidade de matérias-primas é fundamental para o futuro da indústria de minerais. Algumas matérias-primas são importadas, uma vez que simplesmente não há depósitos geológicos na Europa e, portanto, o seu fornecimento pode estar em risco de ruptura. Outros estão geologicamente presentes na Europa, mas o acesso a estes depósitos é cada vez mais difícil devido a outras utilizações dos solos, a medidas de conservação e, infelizmente, à opinião pública adversa ou mesmo má informação sobre o assunto. Por estas razões, a Comissão Europeia lançou a sua comunicação em 2008: "A Iniciativa das Matérias-Primas Satisfação das necessidades vitais para o crescimento e o emprego". A indústria dos minerais acolheu muito bem esta Iniciativa e tem cooperado activamente com a Comissão e com os Grupos de Trabalho na elaboração da estratégia para alcançar os objectivos essenciais de vida em comunidade. 1

2 Os resultados provisórios deste trabalho são a causa principal da importante Conferência Europeia de Minerais patrocinada pela Presidência Espanhola em Madrid, de 16 a 18 Junho de Os pontos de vista do sector são descritos em detalhe, na Declaração de Madrid, cujos pontos principais se resumem, a seguir: o A nível europeu é necessário promover uma Política de Matérias-Primas que defina uma estratégia para garantir que a Europa, no futuro, tenha um fornecimento de matérias-primas importadas, bem como o acesso adequado às suas próprias matérias-primas naturais. o Os Estados-Membros devem desenvolver políticas adequadas a todas as matérias-primas, a nível nacional, regional e local para garantir um acesso adequado às matérias-primas geologicamente presentes: em particular para os inertes, devido ao seu tamanho e peso, por razões económicas e ambientais, para garantir o acesso aos recursos locais perto dos mercados mais importantes. o Os Estados-Membros devem desenvolver Politicas Associadas de Ordenamento do Território assegurando que o aproveitamento dos recursos minerais, onde estejam presentes geologicamente, tenha um tratamento preferencial. o Cada Estado-Membro deve rever os Procedimentos para a Concessão de Autorizações de acesso a depósitos de matérias-primas, uma vez que a maioria destes procedimentos são complexos e requerem um compromisso a longo prazo, embora os Estados-Membros tendam a ter diferentes sistemas, por razões históricas, todos devem adoptar as melhores práticas, que são contrastantes com outros Estados-Membros, a fim de garantir a eficácia do licenciamento e a seu tempo, solicitar períodos de exploração que justifiquem grandes investimentos de capital necessários. A indústria de minerais pede à Comissão a adopção destas propostas e a incorporá-las na declaração final sobre a iniciativa prevista para finais de Devido à crescente importância do acesso às matérias-primas, a indústria de minerais aponta também que a iniciativa seja revista, sucessivamente, nos próximos cinco anos e que faça parte da Agenda e da Estratégia da Comissão para

3 Conferência Europeia de Minerais de Madrid Junho 2010 Declaração da Indústria sobre Matérias-Primas I. Futura procura por minérios e inertes na Europa Considerando o seguinte: (iii) A procura de minerais e inertes em toneladas/capita aumenta de acordo com o desenvolvimento económico de cada país, atingindo altos níveis do PIB per capita. No caso dos inertes, uma vez terminada a actual recessão económica, a procura na Europa é provável que assista a um aumento constante de pelo menos milhões de toneladas, a médio e longo prazo. Mesmo com o aumento da reciclagem nos países onde até há estava pouco desenvolvida, é pouco provável que o total de materiais reciclados ultrapasse 10% da oferta total de inertes, a médio prazo. Os inertes marinhos e os manufacturados, actualmente em conjunto representam apenas 4% da oferta total de inertes. Portanto, o futuro fornecimento de inertes na Europa (até 85%) ainda tem de vir dos recursos inertes naturais. Devido ao seu grande volume e peso, os inertes devem produzir-se perto do local de utilização para reduzir ao mínimo as distâncias de transporte, as emissões de CO2, o impacto ambiental, o congestionamento do trânsito e os custos associados. O sector exige: Que os governos nacionais promovam a melhoria da recolha de dados para estabelecer os limites da oferta e procura de inertes minerais a curto, médio e longo prazo, para as diferentes áreas de desenvolvimento, tendo em conta os futuros planos de desenvolvimento. Estes podem igualmente incluir as rotas de exportação por via ferroviária e fluvial para os mercados vizinhos que não tenham depósitos minerais. Estes planos de desenvolvimento não devem 3

4 excluir, a priori, zonas com a designação Natura 2000 ou designações semelhantes. Devem ser tomadas medidas para preencher, progressivamente, lacunas existentes no conhecimento geológico de depósitos minerais e inertes nos Estados-Membros. II. A política de produtos minerais e inertes a nível nacional e da União Europeia Considerando o seguinte: Ao nível da UE tem de ser claramente reconhecida a importância do fornecimento de minerais e inertes, num curto prazo, nos contextos económicos nacionais e europeus e todos os Estados devem garantir, a longo prazo, o fornecimento a partir de recursos nacionais e, no caso dos inertes o seu fornecimento deve ser garantido localmente. Apenas alguns Estados-Membros têm uma Política Nacional de Minerais clara e estruturada. Essa deficiência está a afectar negativamente as políticas de planeamento mineral (a nível estratégico e operacional, onde os minerais não são considerados, em grande parte, no processo de planeamento) e também os processos de licenciamento (que são muitas vezes ineficazes, ineficientes e com grande exigência de tempo gasto). O sector exige: Para os minerais e inertes nacionais, que se estabeleçam políticas concretas dos Estados-Membros. As políticas nacionais de minerais e inertes necessitam: a. Criar uma consciencialização da dependência da sociedade em relação aos minerais e a necessidade real de acesso aos recursos naturais. b. Destacar a importância para a sociedade de um fornecimento adequado de minerais e inertes, e promover um processo de avaliação equilibrada 4

5 do conflito de interesses entre o desenvolvimento da produção de minerais e inertes e outras questões problemáticas relativas ao uso dos solos. III. Políticas de planeamento de minerais e inertes a nível nacional, regional e local Considerando o seguinte: Os minerais e os inertes não são devidamente considerados no planeamento do uso da terra na maioria dos países e mesmo onde eles existem, muitas vezes há uma predisposição desproporcionada contra as actividades extractivas, que precisa ser abordada de forma clara. Tendo em conta os locais geologicamente determinados dos recursos minerais e inertes, estes merecem o mesmo estatuto na planificação do uso da terra, tais como água ou outros recursos ambientais para garantir o acesso, a longo prazo, aos recursos de minerais e inertes. Em geral, os recursos minerais e os inertes não estão assinalados nos mapas de detalhe, a menos que a indústria local tenha contribuído para planos de desenvolvimento nacional e regional e, mesmo quando isso é feito, as necessidades de acesso podem, às vezes, ser ignoradas pelas autoridades responsáveis pelo planeamento, uma situação que precisa de ser encarada e resolvida. O sector exige: Para os minerais, políticas de planeamento para abordar o planeamento estratégico de minerais e inertes (se possível, a nível nacional, ou pelo menos regional) e de exploração de minerais com base em planos de uso de solos. A nível estratégico, deve decidir-se qual será o melhor planeamento estratégico para o país. A nível regional ou local, os planos de uso de solos devem incluir minerais e inertes, tendo em conta as questões específicas dessa indústria. O horizonte de planeamento deve ser de médio a longo prazo e garantir que o 5

6 acesso aos recursos locais é feito de forma sustentável. Esta é a questão crucial da política do planeamento para os minerais e inertes. As políticas de planeamento dos minerais e inertes coordenadas a nível nacional, regional e local têm que ter em conta: a. A geologia local. No caso dos inertes que estejam ou não presentes geologicamente, procedentes de rochas duras, areia e cascalho (na superfície, dado que a extracção subterrânea normalmente não é economicamente viável para esses materiais). b. Se o depósito é ou não de qualidade adequada, com base nalgumas perfurações exploratórias. c. Se houver algum solo disponível perto dos depósitos de minerais (para as vias de acesso). d. Se os depósitos estão, ou não, em áreas potencialmente sensíveis, tais como áreas protegidas (Rede Natura 2000), têm valor paisagístico ou são de uso público, estas denominações não impedem, a priori, as actividades de mineração. e. A distância entre as áreas industriais ou de alta densidade populacional ou projectos de infra-estruturas, onde haveria uma grande procura. f. Infra-estruturas de transportes rodoviários, ferroviários e fluviais para o transporte de minerais e inertes do ponto de extracção para o ponto de utilização. IV. Procedimento eficaz para a concessão de licenças Considerando o seguinte: Apenas alguns Estados-Membros ou zonas vinculam os procedimentos de concessão de autorizações a planos de utilização de solos. A inclusão de informação sobre depósitos de minerais e inertes nas bases de dados de planeamento de uso de solos é necessária para facilitar os procedimentos para a concessão de licenças. 6

7 (iii) (iv) (v) Poucos Estados-Membros ou regiões têm sistemas de licenciamento eficientes e a seu tempo deveria haver uma forma de "fonte única para tudo." Em muitos Estados-Membros existem sistemas que permitem muitas autorizações, por múltiplas entidades, por razões históricas, muitas vezes com diferentes perspectivas e áreas de responsabilidade. O processo de licenciamento é complexo e muito lento na maioria dos países, normalmente leva 5 a 10 anos para obter a autorização para uma nova unidade de produção sendo também concedidos períodos demasiado curtos para justificar o investimento de capital. Em alguns países, os sistemas inadequados ou inconsistentes de concessão de autorizações pode permitir a invasão de operadores não autorizados: Qualquer uma destas deficiências ou contradições precisam ser corrigidas. O sector requer: Para todas as concessões de licenças, que estejam ligadas à presença de minerais e inertes e que tenham capacidade física para obter acesso. Em princípio, cada Estado-Membro deve ter um sistema de licenciamento para permitir a emissão de licenças para projectos de forma eficiente e que a seu tempo traga: a. Uma estrutura clara e adequada legislação, com a designação das autoridades e competências. b. Processo de candidatura simplificado através de uma única Entidade (como uma "fonte única para tudo"), ou pelo menos devidamente coordenada entre todas elas, se houver várias, evitando assim a duplicação de requisitos ou procedimentos. É importante que as autoridades regionais ou locais estejam incluídas neste processo, pois apesar de não ser um imperativo legal, estão incluídas, por inerência, como partes interessadas no âmbito dos processos de AIA. c. Procedimentos com um limite de tempo para o esclarecimento de todos os intervenientes das aplicações, de modo a que todo o processo seja 7

8 completado num prazo de 3 anos (actualmente há inúmeras situações que duram de 10 a 15 anos, havendo poucas empresas que o possam assumir). d. Uma abordagem razoavelmente equilibrada para preservar o meio ambiente, biodiversidade, etc. reconhecendo, também, a necessidade real de minerais e inertes com benefícios para a região. Os projectos de extracção devem ser tão importantes como outro tipo de interesses e em nenhum caso deve ser proibido a priori mesmo que a extracção seja em áreas protegidas. As decisões de tais projectos devem ser tomadas, em geral, ao mais alto nível e que a avaliação seja equilibrada e se baseie num amplo interesse público. e. Quando são concedidas as licenças para mineração ou extracção de rocha dura, devem ser, normalmente, para um período de 50 anos. Nenhuma licença deve ser inferior a 15 anos, pois de outro modo não se justifica um investimento de capital significativo. Mesmo nesses casos, as renovações por períodos similares devem estar previstas desde o início. Para as pedreiras de areia e cascalho, a duração da concessão de licenças devem ser entre 15 a 50 anos dependendo da magnitude do depósito. As licenças devem ser concedidas conforme a vida útil do depósito, uma vez que a sustentabilidade requer a extracção total dos depósitos. f. As autoridades que licenciam as concessões devem estar cientes do efeito, potencialmente esterilizante, mesmo para uma única habitação e que estejam perto de uma área de mineração ou pedreira, planeadas ou reais. g. Seja qual for o sistema de planeamento utilizado, devem ser estabelecidos calendários fixos para que as autoridades que tomam as decisões os respeitem. Nalguns países, o sistema pode ser prolongado indefinidamente levando o processo até última instância. Há necessidade de um processo de apelo ao mais alto nível, determinado por peritos, nos 8

9 domínios em causa, podendo tomar decisões objectivas e politicamente livres. h. Em cada país é útil proporcionar organigramas relacionados com as entidades que tratam do planeamento e organização do processo de concessão de licenças. Com base nisso podem-se discutir as questões de eficiência e ineficiência estruturais e melhorar o funcionamento de todo o processo. Finalmente, a indústria recomenda que: a. Todos os pedidos anteriores do sector estão incorporados nas recomendações da Iniciativa Matérias-Primas e incluídos no documento final. b. O progresso deve ser analisado por um sucessor da Iniciativa das Matérias-Primas, numa base anual durante os próximos cinco anos. 9

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

Qualidade dos EIA Critérios para avaliação

Qualidade dos EIA Critérios para avaliação Engenharia Civil: 5º ano / 10º semestre Engenharia do Territorio: 4º ano / 8º semestre Qualidade dos EIA Critérios para avaliação IMPACTES AMBIENTAIS 11 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, 25.6.2003 L 156/17 DIRECTIVA 2003/35/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Maio de 2003 que estabelece a participação do público na elaboração de certos planos e programas relativos ao ambiente

Leia mais

A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA

A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA João M. L. Meira Geólogo Mário J. N. Bastos Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO A exploração de minas e pedreiras, bem como a actividade

Leia mais

PROCONVERGENCIA ORIENTAÇÃO N.º 1/2011 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

PROCONVERGENCIA ORIENTAÇÃO N.º 1/2011 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES PROCONVERGENCIA PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA ORIENTAÇÃO N.º 1/2011 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO FEDER Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Abril de 2011 PROCONVERGENCIA

Leia mais

Comissão Europeia Livro Branco dos Transportes. Transportes 2050: Principais desafios e medidas-chave

Comissão Europeia Livro Branco dos Transportes. Transportes 2050: Principais desafios e medidas-chave Razões da importância deste sector Os transportes são fundamentais para a economia e a sociedade. A mobilidade é crucial em termos de crescimento e criação de emprego. O sector dos transportes representa

Leia mais

Importância de Moçambique em termos ambientais. Situação de pobreza em que vive a maioria da população moçambicana. Corrida aos recursos naturais

Importância de Moçambique em termos ambientais. Situação de pobreza em que vive a maioria da população moçambicana. Corrida aos recursos naturais Carlos Manuel Serra Importância de Moçambique em termos ambientais. Situação de pobreza em que vive a maioria da população moçambicana. Corrida aos recursos naturais destaque para os petrolíferos e mineiros

Leia mais

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA ACQUALIVEEXPO Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA Lisboa, 22 de Março de 2012 1 1. Introdução A diplomacia económica é um

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

Capítulo 15. Impactos Cumulativos

Capítulo 15. Impactos Cumulativos Capítulo 15 Impactos Cumulativos ÍNDICE 15 IMPACTOS CUMULATIVOS 15-1 15.1 INTRODUÇÃO 15-1 15.1.1 Limitações e Mitigação 15-1 15.1.2 Recursos e Receptores Potenciais 15-3 15.2 IMPACTO CUMULATIVO DA ZONA

Leia mais

Bruxelas, 18 de Março de 2002

Bruxelas, 18 de Março de 2002 Bruxelas, 18 de Março de 2002 O tratado da UE institui uma política comercial comum cuja execução é da competência da Comissão Europeia : A política comercial comum assenta em princípios uniformes, designadamente

Leia mais

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de Regulamento (CEE) nº 1768/92 do Conselho, de 18 de Junho de 1992, relativo à criação de um certificado complementar de protecção para os medicamentos Jornal Oficial nº L 182 de 02/07/1992 p. 0001-0005

Leia mais

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA Ciclo de melhoria contínua conhecido como Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS In, APA,

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

PE-CONS 3619/3/01 REV 3

PE-CONS 3619/3/01 REV 3 PE-CONS 3619/3/01 REV 3 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e programas no ambiente O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Monitorização e Auditoria

Monitorização e Auditoria Monitorização e Auditoria Duas fases no processo de AIA, enquanto processo de planeamento e gestão ambiental: - A fase preditiva da pré-decisão e; - A fase de gestão da pós-decisão. A avaliação da capacidade

Leia mais

Actualização da. Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000

Actualização da. Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000 COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU Actualização da Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000 1 1. Introdução Em Dezembro de 1999,

Leia mais

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 ÌNDICE Principais orientações e dotação orçamental Programas Operacionais e dotação orçamental específica Órgãos de Governação (Decreto-Lei n.º 137/2014 de 12 de setembro)

Leia mais

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 PORTUGAL 2020 Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 ÍNDICE PORTUGAL 2020 A. Principais orientações e dotação orçamental B. Programas Operacionais e dotação orçamental específica C. Regras gerais de aplicação

Leia mais

Análise ao Novo Regulamento Geral do Ruído

Análise ao Novo Regulamento Geral do Ruído Análise ao Novo Regulamento Geral do Ruído Augusto Miguel Lopes Director Geral do Laboratório de Acústica e Vibrações da ECO 14 Em 17 de Janeiro de 2007 foi publicado um Novo Regulamento Geral do Ruído

Leia mais

DECLARAÇÃO CONJUNTA DA COESS E DA UNI-EUROPA SOBRE A HARMONIZAÇÃO EUROPEIA DAS LEGISLAÇÕES QUE REGULAM O SECTOR DA SEGURANÇA PRIVADA

DECLARAÇÃO CONJUNTA DA COESS E DA UNI-EUROPA SOBRE A HARMONIZAÇÃO EUROPEIA DAS LEGISLAÇÕES QUE REGULAM O SECTOR DA SEGURANÇA PRIVADA DECLARAÇÃO CONJUNTA DA COESS E DA UNI-EUROPA SOBRE A HARMONIZAÇÃO EUROPEIA DAS LEGISLAÇÕES QUE REGULAM O SECTOR DA SEGURANÇA PRIVADA INTRODUÇÃO O sector da segurança privada, na União Europeia, está em

Leia mais

Processo de Negociação sobre a Nova Directiva CELE. Ângelo Neves Direcção-Geral das Actividades Económicas (DGAE) Ministério da Economia e da Inovação

Processo de Negociação sobre a Nova Directiva CELE. Ângelo Neves Direcção-Geral das Actividades Económicas (DGAE) Ministério da Economia e da Inovação Nova Directiva do Comércio Europeu de Licenças de Emissão Novas regras. Novos desafios AIP, C.C.Lisboa, 21 de Maio de 2009 Processo de Negociação sobre a Nova Directiva CELE Ângelo Neves Direcção-Geral

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

DIRECTIVA 2002/30/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRECTIVA 2002/30/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO L 85/40 DIRECTIVA 2002/30/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Março de 2002 relativa ao estabelecimento de regras e procedimentos para a introdução de restrições de operação relacionadascom

Leia mais

Os riscos ambientais e o seu impacto para o sector empresarial: Soluções ao nível de seguros

Os riscos ambientais e o seu impacto para o sector empresarial: Soluções ao nível de seguros Os riscos ambientais e o seu impacto para o sector empresarial: Soluções ao nível de seguros Famalicão 14 de Julho de 2010 Jorge Cardoso Agenda Introdução ao Meio Ambiente Definição de risco e responsabilidade

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O acesso à internet assume hoje um papel crucial na nossa sociedade, devendo

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

Anexos. Aviso de Revisão do EIA para a exploração offshore nos Blocos 16 e 19, Províncias de Inhambane e Sofala, Moçambique.

Anexos. Aviso de Revisão do EIA para a exploração offshore nos Blocos 16 e 19, Províncias de Inhambane e Sofala, Moçambique. Anexos Aviso de Revisão do EIA para a exploração offshore nos Blocos 16 e 19, Províncias de Inhambane e Sofala, Moçambique (Anexos 1-2) ANEXO 1 Aviso de Revisão do EIA para a exploração offshore nos Blocos

Leia mais

A CARTA DE BELGRADO. Colecção Educação Ambiental Textos Básicos. Editor Instituto Nacional do Ambiente

A CARTA DE BELGRADO. Colecção Educação Ambiental Textos Básicos. Editor Instituto Nacional do Ambiente A CARTA DE BELGRADO Colecção Educação Ambiental Textos Básicos Editor Instituto Nacional do Ambiente INTRODUÇÃO Texto adoptado, por unanimidade, no Colóquio sobre Educação Ambiental", organizado pela UNESCO

Leia mais

AS AUDITORIAS INTERNAS

AS AUDITORIAS INTERNAS AS AUDITORIAS INTERNAS Objectivos Gerais Reconhecer o papel das auditorias internas Objectivos Específicos Reconhecer os diferentes tipos de Auditorias Identificar os intervenientes Auditor e Auditado

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2004 Documento de sessão 2009 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B6-0000/2007 nos termos do nº 5 do artigo

Leia mais

ANEXO COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

ANEXO COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 2.12. COM() 614 final ANNEX 1 ANEXO da COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES Fechar o ciclo

Leia mais

ORGANIGRAMA DIÁRIO DA REPÚBLICA. O Ministro, Joaquim Duarte da Costa David. Decreto executivo n.º 155/11

ORGANIGRAMA DIÁRIO DA REPÚBLICA. O Ministro, Joaquim Duarte da Costa David. Decreto executivo n.º 155/11 4632 ORGANIGRAMA DIRECÇÃO CONSELHO DE DIRECÇÃO REPARTIÇÃO DOS SERVI- ÇOS ADMINISTRATIVOS DE LICENCIAMENTO EREGISTO DE CADASTRO MINEIRO DE TOPOGRAFIA EDESENHO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS DE LICENCIAMENTO

Leia mais

CONGRESSO TOCANTINENSE DE ENGENHARIA E MINERAÇÃO. Gestão para a Sustentabilidade na Mineração 20 anos de história

CONGRESSO TOCANTINENSE DE ENGENHARIA E MINERAÇÃO. Gestão para a Sustentabilidade na Mineração 20 anos de história CONGRESSO TOCANTINENSE DE ENGENHARIA E MINERAÇÃO Gestão para a Sustentabilidade na Mineração 20 anos de história Palmas, 13 de maio de 2014 IBRAM-Instituto Brasileiro de Mineração Organização privada,

Leia mais

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE Apresentado por :Zefanias Chitsungo (Director Nacional de Habitação e Urbanismo) INTRODUÇÃO Moçambique tem mais de 20 milhões de habitantes; sendo que

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, L 197/30 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias 21.7.2001 DIRECTIVA 2001/42/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 27 de Junho de 2001 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e

Leia mais

O Conselho Executivo do Fórum Parlamentar sobre Armas Ligeiras e de Pequeno Porte, realizado no dia 13 de Julho de 2008 em Nova Iorque, E.U.A.

O Conselho Executivo do Fórum Parlamentar sobre Armas Ligeiras e de Pequeno Porte, realizado no dia 13 de Julho de 2008 em Nova Iorque, E.U.A. FÓRUM PARLAMENTAR SOBRE ARMAS LIGEIRAS E DE PEQUENO PORTE Declaração da política sobre a gestão de estoque de munições convencionais O Conselho Executivo do Fórum Parlamentar sobre Armas Ligeiras e de

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão dos Orçamentos PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003. da Comissão dos Orçamentos

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão dos Orçamentos PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003. da Comissão dos Orçamentos PARLAMENTO EUROPEU 1999 Comissão dos Orçamentos 2004 PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003 PROJECTO DE PARECER da Comissão dos Orçamentos destinado à Comissão da Indústria, do Comércio Externo,

Leia mais

RESÍDUOS DA INDÚSTRIA EXTRATIVA O PROCESSO DE LICENCIAMENTO GESTÃO, PROJETO, CONSTRUÇÃO E ENCERRAMENTO DE INSTALAÇÕES DE RESÍDUOS MINEIROS SEMINÁRIO

RESÍDUOS DA INDÚSTRIA EXTRATIVA O PROCESSO DE LICENCIAMENTO GESTÃO, PROJETO, CONSTRUÇÃO E ENCERRAMENTO DE INSTALAÇÕES DE RESÍDUOS MINEIROS SEMINÁRIO GESTÃO, PROJETO, CONSTRUÇÃO E ENCERRAMENTO DE INSTALAÇÕES DE RESÍDUOS MINEIROS SEMINÁRIO RESÍDUOS DA INDÚSTRIA EXTRATIVA O PROCESSO DE LICENCIAMENTO Patrícia Falé patricia.fale@dgeg.pt ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha.

Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha. Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha. Questionário «Para uma avaliação intercalar da Estratégia Europa 2020 do ponto de vista dos municípios e regiões da UE» Contexto A revisão

Leia mais

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA Bruxelas, 7 de ovembro de 2008 REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA 1. A unidade dos Chefes de Estado e de Governo da União Europeia para coordenar as respostas

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

O Programa de Acção Territorial do Escarpão

O Programa de Acção Territorial do Escarpão O Programa de Acção Territorial do Escarpão João Telha CEDRU - Centro de Estudos e Desenvolvimento Regional e Urbano, Lda Seminário Indústria Extractiva Ordenamento Territorial e Licenciamento de Pedreiras

Leia mais

DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO 13.3.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 68/3 DIRECTIVAS DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 11 de Março de 2009 que altera a Directiva 94/19/CE relativa aos sistemas de garantia

Leia mais

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS Objectivo do presente documento O presente documento descreve a actual situação no que se refere ao comércio electrónico e serviços

Leia mais

Orientações relativas à prorrogação do prazo de recuperação em situações adversas excecionais

Orientações relativas à prorrogação do prazo de recuperação em situações adversas excecionais EIOPA-BoS-15/108 PT Orientações relativas à prorrogação do prazo de recuperação em situações adversas excecionais EIOPA Westhafen Tower, Westhafenplatz 1-60327 Frankfurt Germany - Tel. + 49 69-951119-20;

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS PROCESSOS DE CANDIDATURA A FINANCIAMENTO DO BANCO DE DESENVOLVIMENTO DE ANGOLA REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO Parlamento Europeu 2014-2019 Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia 2015/2108(INI) 12.6.2015 PROJETO DE RELATÓRIO sobre alcançar o objetivo de 10% de interligação elétrica - preparar a rede

Leia mais

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais EQUASS Assurance Procedimentos 2008 - European Quality in Social Services (EQUASS) Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução total ou parcial

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD)

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) Recomenda ao Governo que utilize sistemas de teleconferência e videoconferência em substituição de reuniões presenciais I - Exposição de motivos A proposta de

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O enorme atraso na democratização do acesso à internet é um motivo de preocupação para

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2005 COM(2005) 361 final 2005/0147 (COD) Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que revoga a Directiva 90/544/CEE do Conselho relativa

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS N. o 032/B/2009-DBS/AMCM Data: 14/8/2009 DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que lhe foram atribuídas pelo Artigo 9. o

Leia mais

CERM Manual do Usuário

CERM Manual do Usuário Governo do Estado do Pará Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia SEDEME Diretoria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral DIGEM SISTEMA ESTADUAL DE CADASTRO DE RECURSOS

Leia mais

Figurativa: aquela constituída por desenho, figura ou qualquer forma estilizada de letra e número, isoladamente.

Figurativa: aquela constituída por desenho, figura ou qualquer forma estilizada de letra e número, isoladamente. MARCA O que é marca? É um sinal visualmente perceptível, usado para identificar e distinguir certos bens e serviços produzidos ou procedentes de uma específica pessoa ou empresa. As marcas podem ser: Nominativa:

Leia mais

Avis juridique important 31991L0412

Avis juridique important 31991L0412 Avis juridique important 31991L0412 Directiva 91/412/CEE da Comissão, de 23 de Julho de 1991, que estabelece os princípios e directrizes das boas práticas de fabrico de medicamentos veterinários Jornal

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Depositos e política de localização (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Depositos e politica de localização necessidade de considerar qual o papel dos depositos

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

*** PROJECTO DE RECOMENDAÇÃO

*** PROJECTO DE RECOMENDAÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão do Comércio Internacional 22.11.2011 2010/0343(NLE) *** PROJECTO DE RECOMENDAÇÃO sobre o projecto de decisão do Conselho relativa à celebração pela União Europeia

Leia mais

Programas Operacionais das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas. Acções ambientais

Programas Operacionais das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas. Acções ambientais Página: 1 de 14 das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas Acções ambientais Acção 7.3 Recuperação de energia a partir de resíduos de colheitas e outras matérias orgânicas Acção 7.4

Leia mais

Notas de orientação 3: Registros de licenças

Notas de orientação 3: Registros de licenças Estas notas foram publicadas pela Secretaria Internacional da EITI para oferecer orientação para os países implementadores sobre como satisfazer os requisitos do Padrão da EITI. Aconselhamos os leitores

Leia mais

ANEXO UM CONCEITO PARA OS PLANOS DE MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL

ANEXO UM CONCEITO PARA OS PLANOS DE MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 17.12.2013 COM(2013) 913 final ANNEX 1 ANEXO UM CONCEITO PARA OS PLANOS DE MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL da COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

CARTA DAS CIDADES EUROPEIAS PARA A SUSTENTABILIDADE

CARTA DAS CIDADES EUROPEIAS PARA A SUSTENTABILIDADE CARTA DAS CIDADES EUROPEIAS PARA A SUSTENTABILIDADE (aprovada pelos participantes na Conferência Europeia sobre Cidades Sustentáveis, realizada em Aalborg, Dinamarca, a 27 de Maio de 1994) PARTE I: Declaração

Leia mais

públicos) e colocaremos no centro dos nossos esforços de planificação a associação dos diferentes meios de transporte. Os veículos privados

públicos) e colocaremos no centro dos nossos esforços de planificação a associação dos diferentes meios de transporte. Os veículos privados CARTA DAS CIDADES EUROPEIAS PARA A SUSTENTABILIDADE (aprovada pelos participantes na Conferência Europeia sobre Cidades Sustentáveis, realizada em Aalborg, Dinamarca, a 27 de Maio de 1994) PARTE I: Declaração

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO UNIVERSIDADE DE CAIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Produção mais Limpa: O Caso do Arranjo Produtivo Local Metal-Mecânico Mecânico Automotivo da Serra Gaúcha Eliana Andréa

Leia mais

SERVIÇOS BÁSICOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO

SERVIÇOS BÁSICOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO SERVIÇOS BÁSICOS DE ABASTECIMENTO ASSUNTOS-CHAVE DE ÁGUA E SANEAMENTO Princípios Institucionais e de Gestão RESPOSTAS POSSIVEIS As alterações dos objectivos políticos e dos factores económicos ocorridos

Leia mais

Tendo em conta a comunicação da Comissão (COM(1999) 317 C5-0206/1999),

Tendo em conta a comunicação da Comissão (COM(1999) 317 C5-0206/1999), Tendo em conta a comunicação da Comissão (COM(1999) 317 C5-0206/1999), Tendo em conta o nº 1 do artigo 47º do seu Regimento, Tendo em conta o relatório da Comissão da Política Regional, dos Transportes

Leia mais

Resolução 1325(2000) Aprovada pelo Conselho de Segurança na sua 4213 a reunião, em 31 de Outubro de 2000. O Conselho de Segurança,

Resolução 1325(2000) Aprovada pelo Conselho de Segurança na sua 4213 a reunião, em 31 de Outubro de 2000. O Conselho de Segurança, Resolução 1325(2000) Aprovada pelo Conselho de Segurança na sua 4213 a reunião, em 31 de Outubro de 2000 O Conselho de Segurança, Tendo presentes as suas resoluções 1261(1999) de 25 de Agosto de 1999,

Leia mais

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010 Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo Data de Apresentação:14 de Abril de2010 1 Agenda 1 SIFIDE 2 Internacionalização 3 Investimento Produtivo 2 Incentivos Fiscais SIFIDE

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE PARA ATRIBUIÇÃO DA MARCA EUR-ACE

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE PARA ATRIBUIÇÃO DA MARCA EUR-ACE SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE PARA ATRIBUIÇÃO DA MARCA EUR-ACE REGULAMENTO DA BOLSA DE AVALIADORES Preâmbulo O processo de avaliação de cursos de Engenharia foi iniciado em Portugal, de forma pioneira,

Leia mais

Decreto-Lei n.º 213/92 de 12 de Outubro Altera o Decreto-Lei n.º 93/90, de 19 de Março (Reserva Ecológica Nacional).

Decreto-Lei n.º 213/92 de 12 de Outubro Altera o Decreto-Lei n.º 93/90, de 19 de Março (Reserva Ecológica Nacional). A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 213/92, de 12 de Outubro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 213/92 de 12 de Outubro

Leia mais

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 3 Elos Soluções Ambientais Alternativa para otimizar a destinação de resíduos: Crescente necessidade das

Leia mais

Portaria n.º 29-B/98 de 15 de Janeiro

Portaria n.º 29-B/98 de 15 de Janeiro Portaria n.º 29-B/98 de 15 de Janeiro A Portaria n.º 313/96, de 29 de Julho, regulamentou o Decreto-Lei n.º 322/95, de 28 de Novembro, que estabelecia os princípios e as normas aplicáveis à gestão de embalagens

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Novo Aeroporto de Lisboa e privatização da ANA

Novo Aeroporto de Lisboa e privatização da ANA Novo Aeroporto de Lisboa e privatização da ANA O turismo de Portugal não precisa de uma cidade aeroportuária nem de um mega aeroporto; O desenvolvimento do turismo de Portugal, num quadro de coesão territorial

Leia mais

A Nossa Perspectiva Comum. Os Nossos Desafios. As Nossas Responsabilidades. A Nossa Resposta: Os Compromissos de Aalborg

A Nossa Perspectiva Comum. Os Nossos Desafios. As Nossas Responsabilidades. A Nossa Resposta: Os Compromissos de Aalborg AALBORG+10 Inspirando o Futuro Versão Portuguesa: Prof. Doutor João Farinha e Dr.ª Lurdes Poeira, participantes na Conferência, com colaboração da Eng.ª Graciete Silva. A Nossa Perspectiva Comum Nós, Autoridades

Leia mais

26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9

26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9 26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 859/2011 DA COMISSÃO de 25 de Agosto de 2011 que altera o Regulamento (UE) n. o 185/2010 que estabelece as medidas de

Leia mais

Relatório de Monitorização do Regime de Fruta Escolar. Ano lectivo 2010/2011

Relatório de Monitorização do Regime de Fruta Escolar. Ano lectivo 2010/2011 Relatório de Monitorização do Regime de Fruta Escolar Ano lectivo 2010/2011 Apreciação Geral A aplicação do Regime de Fruta Escolar (RFE) em Portugal tem os seguintes objectivos gerais: Saúde Pública:

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO 27.4.2001 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 118/41 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO

Leia mais

A crise na Zona Euro - Implicações para Cabo Verde e respostas possíveis:

A crise na Zona Euro - Implicações para Cabo Verde e respostas possíveis: A crise na Zona Euro - Implicações para Cabo Verde e respostas possíveis: Uma Mesa-Redonda Sector Público-Privado 7/10/2011 Centro de Políticas e Estratégias, Palácio do Governo, Praia. A crise na Zona

Leia mais

Uma rede que nos une

Uma rede que nos une Uma rede que nos une Uma rede que nos une O IMTT - Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres, I.P. é um organismo da Administração Central, dotado de autonomia administrativa e financeira,

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 13.2.2007 SEC(2007) 190 final Recomendação de PARECER DO CONSELHO em conformidade com o n.º 3 do artigo 9º do Regulamento (CE) n.º 1466/97 do Conselho, de 7

Leia mais

Pág.1.Capa. Pág.2 Índice. Pág.3...O que é a sustentabilidade? / Para quê o desenvolvimento sustentável?

Pág.1.Capa. Pág.2 Índice. Pág.3...O que é a sustentabilidade? / Para quê o desenvolvimento sustentável? 1 Pág.1.Capa Pág.2 Índice Pág.3...O que é a sustentabilidade? / Para quê o desenvolvimento sustentável? Pág.4.Para quê o desenvolvimento sustentável? / Como se torna uma cidade sustentável? (ambiente)

Leia mais

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS (Aberto a todos os Cidadãos) 1. O QUE É: O concurso Uma Boa Ideia para a Sustentabilidade é uma iniciativa da Câmara Municipal de

Leia mais

DIRETIVA 2013/56/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRETIVA 2013/56/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO 10.12.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 329/5 DIRETIVA 2013/56/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 20 de novembro de 2013 que altera a Diretiva 2006/66/CE do Parlamento Europeu e do Conselho

Leia mais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais IMF Survey PERSPECTIVAS ECONÓMICAS REGIONAIS África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais Por Jesus Gonzalez-Garcia e Juan Treviño Departamento da África, FMI 24 de Abril de 2014

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

GE Power & Water Water & Process Technologies. Recursos preciosos, desafios prementes, melhores soluções.

GE Power & Water Water & Process Technologies. Recursos preciosos, desafios prementes, melhores soluções. GE Power & Water Water & Process Technologies Recursos preciosos, desafios prementes, melhores soluções. Recursos preciosos Se o consumo de água continuar a aumentar à mesma taxa, as estatísticas deixam

Leia mais

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental A Nestlé, na qualidade de Companhia líder em Nutrição, Saúde e Bem-Estar, assume o seu objectivo

Leia mais

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção IP/03/716 Bruxelas, 21 de Maio de 2003 Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção O reforço dos direitos dos accionistas e da protecção dos trabalhadores e

Leia mais

Aplicação do Regulamento «Reconhecimento Mútuo» a suplementos alimentares

Aplicação do Regulamento «Reconhecimento Mútuo» a suplementos alimentares COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E DA INDÚSTRIA Bruxelas, 1.2.2010 - Documento de orientação 1 Aplicação do Regulamento «Reconhecimento Mútuo» a suplementos alimentares 1. INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

Newsletter de Outubro de 2014 DIREITO PÚBLICO, AMBIENTE & URBANISMO

Newsletter de Outubro de 2014 DIREITO PÚBLICO, AMBIENTE & URBANISMO Newsletter de Outubro de 2014 DIREITO PÚBLICO, AMBIENTE & URBANISMO Fevereiro de 2013 Novidades Legislativas ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA LOCAL Portaria n.º 209/2014 - Diário da República n.º 197/2014, Série

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 121/XII/1.ª

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 121/XII/1.ª PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 121/XII/1.ª Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) n.º 562/2006 para estabelecer regras comuns sobre a reintrodução temporária

Leia mais

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 UNIÓN EUROPEA 1 de junio de 2011 3. SUMÁRIO EXECUTIVO A avaliação do Plano de

Leia mais

O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO

O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO O Banco Europeu de Investimento (BEI) promove os objetivos da União Europeia ao prestar financiamento a longo prazo, garantias e aconselhamento a projetos. Apoia projetos,

Leia mais

Organização e Gestão de Cooperativas ESAPL / IPVC

Organização e Gestão de Cooperativas ESAPL / IPVC Organização e Gestão de Cooperativas ESAPL / IPVC As Cooperativas são empresas. Por isso devem ser geridas com recurso ao uso de técnicas de gestão empresarial em uso noutros tipos de empresas. Há que

Leia mais

Aspectos fundamentais para uma posição da FSESP sobre os desenvolvimentos no sector europeu dos resíduos

Aspectos fundamentais para uma posição da FSESP sobre os desenvolvimentos no sector europeu dos resíduos Aspectos fundamentais para uma posição da FSESP sobre os desenvolvimentos no sector europeu Documento final conforme adoptado pelo Comité Executivo, 25-26/05/1998 Aspectos fundamentais para uma posição

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais