Televisão, história e sociedade: trajetórias de pesquisa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Televisão, história e sociedade: trajetórias de pesquisa"

Transcrição

1 KORNIS, Mônica Almeida. Televisão, história e sociedade: trajetórias de pesquisa. Rio de Janeiro: CPDOC, [7]f. Trabalho apresentado no I Encontro Nacional Obitel - a pesquisa da ficção televisiva no Brasil, organizado pelo Núcleo de Pesquisa de telenovela da ECA-USP e o programa Globo Universidade, na cidade de São Paulo, entre os dias 26 e 28 de nov. de Televisão, história e sociedade: trajetórias de pesquisa Mônica Almeida Kornis (CPDOC/FGV) Meu trabalho com ficção televisiva nasceu da confluência de algumas indagações em torno das relações entre narrativas audiovisuais e representações da história e da sociedade. Minha formação em Ciências Sociais associada ao trabalho de pesquisa que venho desenvolvendo no CPDOC/FGV há décadas na área de história contemporânea do Brasil certamente se constituem como base de minha reflexão sobre o campo do audiovisual, em particular no exame das relações entre a linguagem do filme e/ou programa de televisão e seu contexto de produção e recepção. Ciente dos desafios impostos aos trabalhos de caráter interdisciplinar, em particular pelo reconhecimento da necessidade em analisar a dimensão estética das narrativas históricas tanto no cinema quanto na televisão, procurei discutir questões de ordem teóricometodológica referentes aos estudos entre cinema e história em artigo produzido no início dos anos 1990 intitulado História e cinema: um debate metodológico 1. Ao reconhecimento da importância do cinema na conformação de um imaginário coletivo, nos modos de pensar e agir, nos valores e nos comportamentos do homem do século XX se somava a constatação de sua força enquanto elemento de construção de uma memória sobre o passado. As matérias veiculadas pela imprensa por ocasião da exibição em 1993 pela Rede Globo da minissérie Agosto me instigaram a escrever um artigo sobre questões ligadas à representação da história na televisão 2, no qual procurava examinar como um produto como aquela minissérie, gerada por uma poderosa indústria do entretenimento, recriava uma das conjunturas históricas mais marcantes e trágicas da Paper apresentado no I Encontro Nacional Obitel a pesquisa da ficção televisiva no Brasil, organizado pelo Núcleo de Pesquisa de Telenovela da ECA-USP e o Programa Globo Universidade, na cidade de São Paulo, entre os dias 26 e 28 de novembro de In Estudos Históricos, n. 10, Agosto e agostos: a história na mídia in GOMES, Angela de Castro (org.). Vargas e a crise dos anos 50. Rio de Janeiro, Relume Dumará, Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil CPDOC/FGV 1

2 história do país, transmitindo com o olhar do presente um certo conhecimento sobre aquele período. A construção narrativa da minissérie segundo os parâmetros do filme noir gerava implicações na própria configuração do passado recente ali representado, o que confirmava a importância dos estudos sobre cinema para a análise da presença da história na mídia. A opção pelo doutoramento na Escola de Comunicação e Artes da USP sob a orientação do Prof. Dr. Ismail Xavier teve exatamente por objetivo aprofundar meus conhecimentos sobre teoria do cinema e narrativas audiovisuais, o que significava ampliar meus instrumentos de análise em torno das relações entre cinema/televisão e história. A busca por uma interlocução mais decisiva com o campo dos estudos cinematográficos e audiovisuais - onde também se discutia a relação entre história e imagem foi certamente frutífera para o desenvolvimento de minhas questões. Em que medida era possível trabalhar com o cinema e a televisão enquanto documento histórico e enquanto registro de uma dada realidade? Como decifrá-los? Perguntas como essas se somavam à necessidade de refletir sobre temas contemporâneos através de meios igualmente contemporâneos consumidos por mais de 50 anos por uma crescente parcela da população como era o caso da televisão. Por outro lado, entender a história de nosso próprio tempo era premente, dentro dessa tendência que se consolidou ao longo das últimas décadas na chamada história do tempo presente, quando ao historiador se tornara legítimo trabalhar com objetos que lhe são contemporâneos. Além disso, a presença da história no mundo de hoje é um dado marcante, em alguns casos rentável, e particularmente a televisão firmou-se como um meio de narração de nosso tempo, não só no telejornalismo mas também na teleficção e nos programas de viés documental. A trajetória da Rede Globo nesse processo pareceu-me extremamente rica pelo entendimento da própria produção ficcional da emissora desde 1970 enquanto formuladora de um discurso sobre a nação, o que a transformava em poderosa agente de construção de uma identidade nacional. A língua, a paisagem, os hábitos e costumes, os problemas e os dilemas contemporâneos além de aspectos da própria história do país são aspectos fundamentais nesse processo de construção de uma comunidade imaginada. Examinar dentro de que parâmetros esse discurso é elaborado parecia-me um importante desafio, em particular no processo de construção de uma história recente do país a partir de 1986, quatro anos depois de iniciada a programação de minisséries na Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil CPDOC/FGV 2

3 emissora. Minha tese de doutorado 3 teve assim por objetivo analisar como a história brasileira da segunda metade do século XX foi recuperada pelas ficções seriadas televisivas dentro do formato das minisséries que integravam as chamadas Séries Brasileiras da Rede Globo, produzidas numa conjuntura de redemocratização do país inaugurada em 1985 com vistas à restauração da ordem democrática, após 21 anos de regime militar. As minisséries, ao criarem uma memória da história nacional, elegeram momentos específicos o final do governo Vargas, a era JK, o período do regime militar para a abordagem de temas que se ajustavam às demandas da conjuntura em que elas foram produzidas e exibidas. A estratégia naturalista típica às novelas e minisséries se fez pela incorporação da linguagem do cinema industrial, em particular pela adequação ao formato do melodrama, que por sua vez estruturava-se nos princípios do teatro popular pós- Revolução Francesa e do folhetim do século XIX. Foi esse o modelo no qual os meios audiovisuais construíram seus personagens, seus estados morais e emocionais, suas intenções, suas razões, etc... inseridos dentro dos princípios do drama, partindo da clássica unidade tripla a marcar sua estrutura: abertura, desenvolvimento e desenlace. Tomando assim como pressuposto que a matriz melodramática estrutura a narrativa ficcional tanto do cinema industrial quanto dos seriados de televisão, a tese procurou analisar detidamente as minisséries Anos Dourados (1986) 4 e Anos Rebeldes (1992) 5 articulando o contexto de suas produções referidas à história recente e sua própria narrativa interna pensada dentro daqueles parâmetros, na tentativa de identificar como era operada a reconstrução histórica no formato do gênero. Em outras palavras, nossa indagação dirigia-se à busca dos significados e dos limites de uma história reconstruída no campo da moralidade, baseada na dicotomia entre o bem e o mal pedagogicamente bem definidos, sujeita assim a uma forte polarização entre seus personagens e da própria história na ficção. Por outro lado, se pensarmos que é no interior de uma estratégia alegórica que se organiza a construção da história na 3 Uma história do Brasil recente nas minisséries da Rede Globo, tese de doutoramento defendida em março de Escrevi posteriormente o texto Ficção televisiva e identidade nacional: Anos Dourados e a retomada da democracia In ABREU, Alzira A. de; LATTMAN-WELTMAN, Fernando e KORNIS, Mônica Almeida. Mídia e política no Brasil: jornalismo e ficção. Rio de Janeiro, Editora FGV, Um resumo de minha análise desta minissérie encontra-se em Anos Rebeldes e a construção televisiva da história IN 40 anos do golpe de 1964: ditadura militar e resistência no Brasil. Rio de Janeiro, 7 letras, Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil CPDOC/FGV 3

4 minissérie fala-se do passado para se falar do presente, é possível especular mais amplamente sobre os termos em que as minisséries constróem uma identidade de nação. Concebidas para a televisão e realizadas por um mesmo autor, Gilberto Braga, consagrado teledramaturgo da emissora, as duas minisséries compõem um verdadeiro painel da história recente brasileira de mais de duas décadas. Pautadas por dramas de família, ambas perseguem um mesmo estilo de reconstrução histórica, com minuciosa descrição dos costumes e do comportamento de uma época, em ambos os casos representando a trajetória de uma geração entre os anos de 1956 e 1979, dentro de uma mesma matriz melodramática, na qual a história se molda a partir de soluções já codificadas. No primeiro caso, opera-se uma alegoria de um momento histórico que se colocava como novo porque democrático, ao contrapor na narrativa uma sociedade conservadora, patriarcal e hipócrita a uma outra, que emerge nova, racional e autêntica. Hipocrisia x autenticidade é o binômio que organiza a narrativa de Anos Dourados, além de ser no interior desse movimento que os personagens e as referências históricas na ficção são revelados. Já em Anos Rebeldes, a polaridade da narrativa ficcional entre individualismo/defesa do status quo e engajamento/radicalização política se expressa tanto nos dois personagens centrais da trama, quanto na organização da própria história na ficção. Não há ingenuidade no conflito que se opera na minissérie, e a situação final de impasse instaurada na construção ficcional aponta para dilemas vividos na conjuntura política iniciada nos anos A partir do painel traçado em minha tese sobre as minisséries da Rede Globo voltadas para a história brasileira dos últimos 50 anos e produzidas entre 1986 e , decidi, posteriormente à conclusão do doutoramento, analisar mais detidamente uma delas, Decadência (1995) 7, de Dias Gomes. Ao tratar a história de uma família tradicional brasileira cujo processo de decadência financeira e moral correspondia à crise ética e política do país no mesmo período, a narrativa ficcional abarcava o período entre 1984 (morte de Tancredo Neves) e 1992 (impeachment do presidente da 6 Uma memória da história nacional recente: as minisséries da Rede Globo In Acervo: revista do Arquivo Nacional, v. 16, n. 1, jan./jun Uma outra versão deste texto encontra-se disponível em inglês ( The representation of recent brazilian history in the tv serial fiction of Rede Globo ), e foi apresentado na XIXth IAMHIST Conference (The International Association for Media and History) em Leipzig, Alemanha, em julho de A Rede Globo e a construção da história política brasileira: o processo de retomada democrática em Decadência IN ABREU, Alzira A. de (org.). A democratização no Brasil: atores e contexto. Rio de Janeiro, Editora FGV, Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil CPDOC/FGV 4

5 República Fernando Collor), com breve recuo para o ano de A construção de uma verossimilhança foi beneficiada nesse caso por um conjunto de efeitos eletrônicos de inserção de alguns personagens em fatos políticos reais, além da sintonia com eventos ocorridos ao longo desse período. Por outro lado, a correspondência estabelecida entre ficção e a história na ficção transformava metaforicamente o drama de uma família no retrato de uma nação em processo de degeneração, em meio à ascensão de um líder evangélico, que igualmente correspondia a um momento de proliferação de seitas religiosas no país. Em resumo, o trabalho com as minisséries televisivas da Rede Globo voltadas para a história recente brasileira demonstrou como a história é mais que um pano de fundo na diegese. Isso porque ela não só contextualiza a ação, como também organiza as situações os próprios personagens, ao colocá-los identificados com comportamentos, valores e posições políticas no interior de uma estrutura narrativa codificada nos moldes do melodrama, além de corresponder ao momento da própria produção ficcional. Nesses termos, nossa investigação se direcionou para uma análise de como o gênero organiza a história e dessa forma como as minisséries conferem um diagnóstico da nação, cujo acento reside na moralidade, universo privilegiado pelo melodrama. Essa discussão me levou a pensar na importância em escrever sobre a relação entre a ficção seriada televisiva da Rede Globo e o processo ali contido de construção de uma identidade nacional, o que nos remete às mudanças advindas em 1970, quando da valorização pela emissora de uma perspectiva realista na produção de telenovelas 8. Menos direcionado para a análise de uma ficção seriada individualmente, esse trabalho procurou examinar sobre os parâmetros daquela produção televisiva nos seus mais variados formatos e padrões estéticos, durante quase 40 anos de representação da sociedade e da história nacional. Mais recentemente, em função de minha inserção no projeto intitulado Direitos e Cidadania integrado por pesquisadores do CPDOC, da UFRJ e da UFF, sob a chancela do PRONEX/CNPq, resolvi continuar a trabalhar com ficção seriada televisiva atenta à singularidade apresentada por alguns novos produtos televisivos realizados por produtoras independentes e exibidos pela Rede Globo, numa conjuntura nacional de 8 Ficção televisiva e identidade nacional: o caso da Rede Globo IN CAPELATO, Maria Helena; MORETTIN, Eduardo; NAPOLITANO, Marcos e SALIBA, Elias Thomé (orgs.). História e cinema: dimensões históricas do audiovisual. São Paulo, Alameda Casa Editorial, Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil CPDOC/FGV 5

6 valorização de projetos de inclusão social. Uma nova temática era introduzida pela produção ficcional: conflitos e violência no morro e focos de tensão urbana, além do cotidiano e dos habitantes dos morros cariocas passavam a povoar o universo ficcional da emissora com o seriado Cidade dos Homens, exibido durante quatro anos ( ), em 19 episódios 9. Do ponto de vista estético, essa programação incorporava inovações formais já experimentadas na emissora pelo Núcleo Guel Arraes, associada a profissionais do cinema como Jorge Furtado com experiência na mesma emissora ao longo dos anos 1990 e a integrantes da produtora O2, capitaneada pelo publicitário e cineasta Fernando Meirelles, que se consagrara em 2002 com o filme Cidade de Deus, dirigido também por Kátia Lund. A estratégia realista da produção ficcional da Rede Globo ampliava seu universo, agora com atores não-profissionais e em locações reais na cidade do Rio de Janeiro, preferencialmente nos morros. Voltava-se para o olhar de dois jovens negros, narrando suas aventuras preferencialmente no morro, mas também na orla da cidade do Rio de Janeiro. A narração dessas aventuras que se utilizava de recursos formais pouco comuns na ficção televisiva em geral como o uso da voz over, uma edição de planos curtos e inserção de depoimentos apresentava uma pedagogia de caráter moral que se afirmava no tratamento de questões sociais e culturais, e ainda no desfecho da maior parte dos episódios. Ainda no âmbito do referido projeto, ao longo do ano de 2006, atenta aos programas exibidos na Rede Globo cujo foco era a chamada periferia tratada tanto do ponto de vista ficcional quanto documental, formulei como hipótese de trabalho a existência de uma certa fórmula de representação do universo da favela nos produtos televisivos que lidaram com o tema 10. No caso da ficção, à experiência anterior de Cidade dos Homens, somou-se o seriado Antonia e o quadro Minha periferia, exibido no Fantástico e também produzido pela O2. Numa perspectiva de caráter documental, vale lembrar o programa Central da Periferia e sobretudo a exibição no mesmo Fantástico de Falcão, meninos do tráfico. A valorização de projetos sociais e esportivos consoante com uma política de defesa da cidadania preconizada pelo governo federal se fez presente em Central da Periferia que, alavancado pelo carisma da atriz Regina 9 A série do ano de 2003 foi analisada em Aventuras urbanas em Cidade dos Homens: estratégias narrativas de inclusão social em seriados ficcionais In Estudos Históricos, n. 37, jan./jul Cidade dos Homens e Falcão, meninos do tráfico: sobre as representações televisivas da realidade brasileira em tempos de debate sobre direitos e cidadania, artigo a ser publicado no livro Direitos e Cidadania, a ser lançado em dois volumes no primeiro semestre de 2008 pela Editora FGV, organizado por Angela de Castro Gomes. Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil CPDOC/FGV 6

7 Casé, tomou como foco central o contingente de jovens da periferia, personagens centrais desse conjunto de produções televisivas. Esse segmento também foi o foco de Falcão, assim como Acerola e Laranjinha se firmaram como os jovens bem humorados de Cidade dos Homens. Além dos personagens e das locações não cenográficas, esse conjunto de programas valorizou a presença das vozes da periferia também por parte seus diretores e roteiristas, como foi o caso da direção do rapper MVBill e seu empresário Celso Athayde em Falcão, e do escritor Paulo Lins, autor do livro Cidade de Deus, responsável pelo roteiro de alguns episódios de Cidade dos Homens. Nesse sentido, procurei examinar como o vídeo no formato exibido no Fantástico - e o seriado se estruturam a partir de uma fala veiculada como natural, considerada como uma fala de dentro, por oposição a um discurso externo a essa realidade, que seria menos real. Em linhas gerais, o trabalho que venho desenvolvendo no campo da ficção seriada televisiva da Rede Globo tem como foco central a discussão sobre como essa programação se firma e se reafirma como um elemento de identidade nacional, além de consolidar um diagnóstico e uma interpretação de nação. No interior da própria construção ficcional e de seus esquemas narrativos, procuro examinar como esses produtos podem ser entendidos enquanto documentos e memória da sociedade brasileira contemporânea. Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil CPDOC/FGV 7

Missão. Objetivo Geral

Missão. Objetivo Geral SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CINEMA E AUDIOVISUAL Missão O Curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Estácio de Sá tem como missão formar um profissional humanista, com perfil técnico e artístico

Leia mais

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação Beatrice Rossotti rossottibeatrice@gmail.com Instituto de História, 9º período

Leia mais

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO 1. Oficina de Produção CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO Duração: 03 dias Público ideal: grupos de até 15 pessoas Objetivo: Capacitar indivíduos ou grupos a produzirem pequenas peças

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Amarante Oliveira, Wellington Em busca

Leia mais

CINEMA NOSSO. Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual

CINEMA NOSSO. Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual CINEMA NOSSO escola audiovisual Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual Nossa História Em Agosto de 2000, um grupo de duzentos jovens de áreas populares cariocas foi reunido

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras ÁREAS DE ORIENTAÇÕES DOS PROFESSORES DO CURSO DE LETRAS (Licenciatura e Bacharelado) DOCENTE Área(s) de orientação Temas preferenciais de orientação Alexandre - Literatura - Elaboração de propostas Huady

Leia mais

A TELENOVELA COMO FONTE DE PESQUISA HISTORIOGRÁFICA

A TELENOVELA COMO FONTE DE PESQUISA HISTORIOGRÁFICA A TELENOVELA COMO FONTE DE PESQUISA HISTORIOGRÁFICA Emilla Grizende Garcia 1 INTRODUÇÃO A televisão se destaca como um dos principais meios de comunicação, tendo forte influência na formação cultural da

Leia mais

TV brasileira hoje ESTER HAMBURGER. Folha de S. Paulo. ESTER HAMBURGER é professora da ECA-USP e crítica de TV do jornal

TV brasileira hoje ESTER HAMBURGER. Folha de S. Paulo. ESTER HAMBURGER é professora da ECA-USP e crítica de TV do jornal ESTER HAMBURGER TV brasileira hoje ESTER HAMBURGER é professora da ECA-USP e crítica de TV do jornal Folha de S. Paulo. 110 REVISTA USP, São Paulo, n.61, p. 110-115, março/maio 2004 Texto integral escrito

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação LINHA DE PESQUISA: Inovações na Linguagem e na Cultura Midiática PROFESSOR

Leia mais

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro CONSIDERAÇÕES FINAIS A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro de Andrade foi uma mulher bastante conhecida na sociedade brasileira, pelo menos entre a imprensa e

Leia mais

\As revelações do melodrama, a Rede Globo e a construção de uma memória do regime militar 1

\As revelações do melodrama, a Rede Globo e a construção de uma memória do regime militar 1 \As revelações do melodrama, a Rede Globo e a construção de uma memória do regime militar 1 //////////////// Mônica Almeida Kornis 2 1. Versão modificada de trabalho com o mesmo título apresentado no Grupo

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

Mestres 1 RESUMO. 4. Palavras-chave: Comunicação; audiovisual; documentário. 1 INTRODUÇÃO

Mestres 1 RESUMO. 4. Palavras-chave: Comunicação; audiovisual; documentário. 1 INTRODUÇÃO Mestres 1 Tiago Fernandes 2 Marcelo de Miranda Noms 3 Mariane Freitas 4 Tatiane Moura 5 Felipe Valli 6 Bruno Moura 7 Roberto Salatino 8 Conrado Langer 9 Prof. Msc. Luciana Kraemer 10 Centro Universitário

Leia mais

Crônicas Urbanas: narrativas em torno de uma produção audiovisual de periferia

Crônicas Urbanas: narrativas em torno de uma produção audiovisual de periferia Crônicas Urbanas: narrativas em torno de uma produção audiovisual de periferia Daniela Zanetti 1 Resumo As periferias urbanas têm sido representadas de diferentes formas na televisão brasileira nos últimos

Leia mais

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 JUNIOR, Carlos de Faria 1 FERNANDES, Priscila Mendonça 2 Palavras-Chave: Indústria Cultural. Regime Militar. Telenovelas. Introdução O projeto consiste

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

Procedimentos de um laboratório experimental: o melodrama por Almodóvar

Procedimentos de um laboratório experimental: o melodrama por Almodóvar Procedimentos de um laboratório experimental: o melodrama por Almodóvar Maria De Maria Programa de Pós-Graduação em Artes Universidade Federal de Uberlândia Mestranda Práticas e Processos em Artes Or.

Leia mais

Pré-requisito: Conhecimentos básicos de língua inglesa.

Pré-requisito: Conhecimentos básicos de língua inglesa. Pare de assistir e comece a escrever, criar e produzir para a televisão! A arte de contar histórias é a força cultural dominante no mundo contemporâneo, e as séries televisivas são o meio mais atraente

Leia mais

TV VE - uma experiência em webjornalismo participativo na produção de conteúdo audiovisual sob a ótica da comunidade da Vila Embratel 1

TV VE - uma experiência em webjornalismo participativo na produção de conteúdo audiovisual sob a ótica da comunidade da Vila Embratel 1 I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos TV VE - uma experiência em webjornalismo participativo na produção de conteúdo audiovisual sob a ótica da comunidade da Vila Embratel 1 Márcio Carneiro

Leia mais

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB.

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. Cinema como ferramenta de aprendizagem¹ Angélica Moura CORDEIRO² Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. RESUMO Este artigo pronuncia o projeto Criancine que

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO: ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL SE APRENDE NA ESCOLA!

PROJETO PEDAGÓGICO: ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL SE APRENDE NA ESCOLA! PROJETO PEDAGÓGICO: ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL SE APRENDE NA ESCOLA! José Arimatea Barros Bezerra Universidade Federal do Ceará Cláudia Sales de Alcântara Universidade Federal do Ceará Geraldo Magela Oliveira-Silva

Leia mais

UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA

UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA Wanda Patrícia de Sousa Gaudêncio (UFPB/PROFLETRAS) wandapatricia@evl.com.br Sandra Regina Pereira

Leia mais

ANPUH XXII SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA João Pessoa, 2003.

ANPUH XXII SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA João Pessoa, 2003. tempo. 2 Esta idéia por sua vez se liga a de que o olhar contemporâneo não tem mais tempo para a contemplação da ANPUH XXII SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA João Pessoa, 2003. HISTÓRIA E FICÇÃO NA TELEVISÃO

Leia mais

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p.

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Resenha Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Naná Garcez de Castro DÓRIA 1 Qual a lógica das políticas de comunicação

Leia mais

EXAMES ÉPOCA ESPECIAL

EXAMES ÉPOCA ESPECIAL EXAMES ÉPOCA ESPECIAL ANO LETIVO 2014/2015 LICENCIATURAS MESTRADOS PÓS-GRADUAÇÃO EXAMES ÉPOCA ESPECIAL 2014/2015 LICENCIATURA // AUDIOVISUAL E MULTIMÉDIA 4º Semestre 1º Semestre Teorias da Comunicação

Leia mais

Universidade Federal da Bahia

Universidade Federal da Bahia + Universidade Federal da Bahia Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Prof. Milton Santos UFBA NOVA BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES 2010 ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM XXXXXXXX + IDENTIFICAÇÃO DA PROPOSTA

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes,

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, 2009. Editora Práxis, 2010. Autêntica 2003. 11 Selma Tavares Rebello 1 O livro Cineclube, Cinema e Educação se apresenta

Leia mais

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Disciplinas Optativas Publicidade Carga horária total

Leia mais

Jovem Guarda além do iê-iê-iê: Estilo de vida jovem nos anos 1960. Maíra Zimmermann. No período relativo ao segundo pós-guerra, com o avanço da

Jovem Guarda além do iê-iê-iê: Estilo de vida jovem nos anos 1960. Maíra Zimmermann. No período relativo ao segundo pós-guerra, com o avanço da Jovem Guarda além do iê-iê-iê: Estilo de vida jovem nos anos 1960 Maíra Zimmermann Data da defesa: 15/MAIO/2009 Instituição: Centro Universitário Senac No período relativo ao segundo pós-guerra, com o

Leia mais

Joaozinho, o repórter 1. Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4

Joaozinho, o repórter 1. Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4 Joaozinho, o repórter 1 Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Mossoró, RN. RESUMO O documentário Joãozinho,

Leia mais

GT CINEMA UFBA 15 de junho de 2007 15h às 18h

GT CINEMA UFBA 15 de junho de 2007 15h às 18h GT CINEMA UFBA 15 de junho de 2007 15h às 18h Umbelino Brasil (Facom/UFBa) Apresentação da Comissão Cinema UFBa: RICARDO BORDINI, Escola de Música LUIZ MARFUZ, Escola de Teatro ADRIANA BITTENCOURT, Escola

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 65, DE 11 DE MAIO DE 2012 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 257ª Reunião Extraordinária, realizada em 11 de maio de 2012, e considerando

Leia mais

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO Resumo Hoje muitas crianças convivem com narrativas audiovisuais na tv, no cinema e na Internet. Como se relacionam

Leia mais

EXAMES ÉPOCA DE RECURSO

EXAMES ÉPOCA DE RECURSO EXAMES ÉPOCA DE RECURSO 2.º SEMESTRE ANO LETIVO 2014/2015 LICENCIATURAS MESTRADOS PÓS-GRADUAÇÃO EXAMES ÉPOCA DE RECURSO 2.º, 4.º e 6.º SEMESTRES 2014/2015 LICENCIATURA // AUDIOVISUAL E MULTIMÉDIA Comunicação

Leia mais

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo Artes Audiovisuais: Estratégia cooperativa na modalidade Educação Jovem e Adulta - EJA STEFANELLI, Ricardo 1 Instituto Federal de Educação Tecnológica de São Paulo RESUMO O presente trabalho na disciplina

Leia mais

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO Juliana Ponqueli Contó (PIBIC/Fundação Araucária - UENP), Jean Carlos Moreno (Orientador),

Leia mais

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula José Manuel Moran A seguir são apresentadas sugestões de utilização de vídeo, CD e DVD. Vídeo como produção Como documentação, registro de eventos, de aulas,

Leia mais

GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL - HABILITAÇÃO JORNALISMO

GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL - HABILITAÇÃO JORNALISMO 1 GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL - HABILITAÇÃO JORNALISMO ESTRUTURA CURRICULAR O curso de Comunicação Social - habilitação Jornalismo será ofertado, preferencialmente, no turno matutino, terá a duração

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 DO ACONTECIMENTO

Leia mais

TV Analógica e TV Digital: como conviver com os dois formatos?

TV Analógica e TV Digital: como conviver com os dois formatos? 1 TV Analógica e TV Digital: como conviver com os dois formatos? Willians Cerozzi Balan Setembro/2009 Autores, pesquisadores e profissionais da área de produção em televisão reconhecem que a imagem exerce

Leia mais

PROGRAMA REALIDADES- DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA TVU RECIFE. UM ESPAÇO PRIVILEGIADO DE CRÍTICAS, REFLEXÕES E GRANDES DEBATES SOBRE TEMAS SOCIAIS.

PROGRAMA REALIDADES- DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA TVU RECIFE. UM ESPAÇO PRIVILEGIADO DE CRÍTICAS, REFLEXÕES E GRANDES DEBATES SOBRE TEMAS SOCIAIS. PROGRAMA REALIDADES- DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA TVU RECIFE. UM ESPAÇO PRIVILEGIADO DE CRÍTICAS, REFLEXÕES E GRANDES DEBATES SOBRE TEMAS SOCIAIS. Jadiewerton Tavares da Silva (Autor); Marcelo Luiz Pelizzoli

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

Referências Bibliográficas:

Referências Bibliográficas: Referências Bibliográficas: Fontes Primárias: Arquivo CPDOC: Arquivo Getúlio Vargas (GV). VARGAS, Getúlio. A campanha presidencial. São Paulo: Livraria José Olympio Editora, 1951. Arquivo Edgard Leuenroth:

Leia mais

A imagem-câmera. Fernando Weller 1 RESENHA. RAMOS, Fernão. A imagem-câmera. Campinas: Papirus, 2012.

A imagem-câmera. Fernando Weller 1 RESENHA. RAMOS, Fernão. A imagem-câmera. Campinas: Papirus, 2012. A imagem-câmera Fernando Weller 1 RESENHA RAMOS, Fernão. A imagem-câmera. Campinas: Papirus, 2012. 1. Doutor em Comunicação pela Universidade Federal de Pernambuco, roteirista e realizador. Email: ferwel@yahoo.com.br

Leia mais

Estruturas curriculares dos Cursos de Cinema e Audiovisual no Brasil

Estruturas curriculares dos Cursos de Cinema e Audiovisual no Brasil Estruturas curriculares dos Cursos de Cinema e Audiovisual no Brasil Encontro Estruturas Curriculares do Curso de Rádio, TV e Internet no Brasil SOCICOM São Paulo, fevereiro 2014 Luciana Rodrigues Presidente

Leia mais

Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM

Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM JORNALISMO JO 01 Agência Jr. de Jornalismo (conjunto/ série) Modalidade voltada a agências de jornalismo experimentais, criadas, desenvolvidas

Leia mais

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PROGRAMA DE DISCIPLINA

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PROGRAMA DE DISCIPLINA 1 Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PROGRAMA DE DISCIPLINA No equilíbrio entre as várias partes do livro, dei maior peso à fase que se inicia nos fins do século XIX e vai até

Leia mais

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA 1 As autoras A vivência como professoras foi a base de trabalho das autoras. Na sala de aula, puderam conviver com a realidade de leitura

Leia mais

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo?

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo? Pré-Vestibular Social Grupo SOA Suporte à Orientação Acadêmica Ela faz cinema Ela faz cinema Ela é demais (Chico Buarque) CINEMA Chegou o momento de escolher um curso. Diante de tantas carreiras e faculdades

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

A MultiRio na formação do leitor

A MultiRio na formação do leitor A MultiRio na formação do leitor Há 18 anos, a MultiRio presta relevantes serviços, enfrentando o desafio de participar da formação de educadores e alunos da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro,

Leia mais

COMANDO VERDE GUERRA CIVIL NO RIO DE JANEIRO

COMANDO VERDE GUERRA CIVIL NO RIO DE JANEIRO COMANDO VERDE OPERAÇÃO ARCANJO Comando Verde o surpreenderá pela forma que apresenta críticas sociais a problemas enraizados no dia a dia brasileiro, sem que você sinta que está sendo exposto às vísceras

Leia mais

MERCHANDISING COMERCIAL NA TELENOVELA: DA PERSUASÃO AO INCOMODO

MERCHANDISING COMERCIAL NA TELENOVELA: DA PERSUASÃO AO INCOMODO MERCHANDISING COMERCIAL NA TELENOVELA: DA PERSUASÃO AO INCOMODO Elisa Peres Maranho 1 ; Gláucia Brida 2 RESUMO: Ao inserir-se no intervalo comercial da novela, a publicidade se beneficia da audiência e

Leia mais

PAINEL OFICINA DE HISTÓRIAS EM QUADINHOS NO PROJETO NOVA VIDA

PAINEL OFICINA DE HISTÓRIAS EM QUADINHOS NO PROJETO NOVA VIDA PAINEL OFICINA DE HISTÓRIAS EM QUADINHOS NO PROJETO NOVA VIDA Fábio Tavares da Silva, Graduando Centro de Artes da Universidade Regional do Cariri - URCA Fábio José Rodrigues da Costa, Doutor Centro de

Leia mais

Disciplinas Optativas Jornalismo

Disciplinas Optativas Jornalismo Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Jornalismo Disciplinas Optativas Jornalismo Carga horária total de optativas: 930

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

PARA TODOS: MEU ROTEIRO DE INCLUSÃO CONCURSO ESPORTE. Regulamento

PARA TODOS: MEU ROTEIRO DE INCLUSÃO CONCURSO ESPORTE. Regulamento Regulamento O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO, por meio da Secretaria de Educação Básica (SEB), da Diretoria de Formulação de Conteúdos Educacionais, da Coordenação Geral de Mídias e Conteúdos Digitais e da TV

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: 4000 - JORNALISMO MISSÃO DO CURSO O curso de Jornalismo do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo tem como missão formar o profissional dentro

Leia mais

TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA

TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA AUTOR / AUTOR: Ruy Alkmim Rocha Filho INSTITUIÇÃO / INSTITUCIÓN: Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

FERNANDO PESSOA [Professor de filosofia da UFES e organizador dos Seminários Internacionais Museu Vale]

FERNANDO PESSOA [Professor de filosofia da UFES e organizador dos Seminários Internacionais Museu Vale] Os Seminários Internacionais Museu Vale FERNANDO PESSOA [Professor de filosofia da UFES e organizador dos Seminários Internacionais Museu Vale] O propósito desta introdução, além de apresentar a oitava

Leia mais

TV VILA EMBRATEL Uma experiência de Web TV Comunitária a partir de uma solução de Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo

TV VILA EMBRATEL Uma experiência de Web TV Comunitária a partir de uma solução de Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo TV VILA EMBRATEL Uma experiência de Web TV Comunitária a partir de uma solução de Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo Anissa Ayala CAVALCANTE 1 - UFMA Jessica WERNZ 2 - UFMA Márcio CARNEIRO 3 - UFMA

Leia mais

Programação dia 23 de setembro de 2015

Programação dia 23 de setembro de 2015 DEMOCRATIZANDO Pelo segundo ano consecutivo a UNIVALI contempla na programação do seu Festival Cultural a exibição completa da Mostra Cinema e Direitos Humanos no Hemisfério Sul. Neste ano o tema da 9ª.

Leia mais

Cadê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Cinema; curta-metragem; ficção; roteiro; visão.

Cadê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Cinema; curta-metragem; ficção; roteiro; visão. Cadê? 1 Mirielle Katarine do Nascimento CAHUHY 2 Claudilma Marques Mendes da SILVA 3 Karen Alves de LIMA 4 Sara Raquel REIS 5 Anaelson Leandro de SOUSA 6 Universidade do Estado da Bahia, Juazeiro, BA RESUMO

Leia mais

PROPOSTA DE PAINEL TEMÁTICO: Proprietas: Políticas públicas e historicidade

PROPOSTA DE PAINEL TEMÁTICO: Proprietas: Políticas públicas e historicidade PROPOSTA DE PAINEL TEMÁTICO: Proprietas: Políticas públicas e historicidade Proponente: Leandro José Luz Riodades de Mendonça (PPED/UFRJ - Pós- Graduação em Políticas Públicas, Estratégias e Desenvolvimento

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

WORKSHOP Sanguecine Sanguecine

WORKSHOP Sanguecine Sanguecine WORKSHOP Sanguecine é um workshop sobre a história, a produção e o mercado de cinema de gênero em âmbito mundial. Ele é derivado de um cineclube dedicado exclusivamente ao cinema fantástico e de gênero

Leia mais

Resenha. Flávio Júnior Freitas FERREIRA 1

Resenha. Flávio Júnior Freitas FERREIRA 1 Resenha Cinema e Mercado (AUTRAN, Arthur. MATTA, João Paulo Rodrigues. DE LUCA, Luiz Gonzaga. LEAL, Antônio. MATTOS, Tetê. NUDELIMAN, Sabrina. PFEIFFER, Daniela. MASSAROLO, João Carlos. DE ALVARENGA, Marcus

Leia mais

O USO DOS JORNAIS PARA O CONHECIMENTO HISTORICO: TEORIA E METODOLOGIA

O USO DOS JORNAIS PARA O CONHECIMENTO HISTORICO: TEORIA E METODOLOGIA O USO DOS JORNAIS PARA O CONHECIMENTO HISTORICO: TEORIA E METODOLOGIA Carlos Henrique Ferreira Leite Prof o Dr o José Miguel Arias Neto (Mestrando em História Social UEL) Bolsista CAPES DS 2015/2016 Palavras-chave:

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO CÓD. DISC. 090.3630.1 CRÉDITOS UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA Redação e Expressão Oral VI ETAPA 6ª Período

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

Captação através da fidelização: segmentar como oportunidade

Captação através da fidelização: segmentar como oportunidade Captação através da fidelização: segmentar como oportunidade A essência da vida é aproximar as pessoas. Tempo, espaço, tecnologia, números. Nada na vida é tão autossuficiente que não precise de interferência

Leia mais

Televisão brasileira: o início da problemática 1

Televisão brasileira: o início da problemática 1 Televisão brasileira: o início da problemática 1 AUTOR: QUINTANA JÚNIOR, José CURSO: Comunicação Social Jornalismo/Unifra, Santa Maria, RS OBRA: CAPARELLI, Sérgio. Televisão e capitalismo no Brasil: com

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA MOVIMENTO PARANÁ SEM CORRUPÇÃO Primeiro voto: o papel do jovem eleitor em relação ao combate à corrupção ROTEIRO

Leia mais

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul 1919 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul Pâmela de Freitas Machado 1, Helena B.K.Scarparo 1 (orientadora) 1 Faculdade Psicologia,

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO CÓD. DISC. CRÉDITOS UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA Redação e Expressão Oral VI ETAPA 6 Período CH 2 ANO

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

Filme : Quase Deuses Noiriel Ignácio Santos Leal

Filme : Quase Deuses Noiriel Ignácio Santos Leal Filme : Quase Deuses Noiriel Ignácio Santos Leal METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA MODALIDADE EAD CURSOS DE GRADUAÇÃO Pró-Reitoria de Ensino ORGANIZADORAS: Aparecida Cristina Cardoso Cristina Herold Constantino

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO 42951 CÓD. DISC. 090.3630.1 UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA REDAÇÃO E EXPRESSÃO ORAL VI ETAPA 6ª CH 02 ANO 2011 OBJETIVO

Leia mais

O Projeto. Polo Rio de Cine e Video Rua Carlos Machado, 155, 2º andar 21. 2439 3667 www.cineticafilmes.com.br

O Projeto. Polo Rio de Cine e Video Rua Carlos Machado, 155, 2º andar 21. 2439 3667 www.cineticafilmes.com.br O Projeto O Homem e a Bolsa é uma investigação documental a partir das principais bolsas de valores mundiais, incluindo-se aí a do Brasil. Em nossos levantamentos preliminares, buscamos as Bolsas de Nova

Leia mais

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX Ricardo Barros Aluno do curso de Pós graduação (mestrado) da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo Sendo as coisas que pensamos

Leia mais

Os Amigos do Pedrinho

Os Amigos do Pedrinho elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Os Amigos do Pedrinho escrito por & ilustrado por Ruth Rocha Eduardo Rocha Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.958, DE 31 DE MARÇO DE 2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.958, DE 31 DE MARÇO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.958, DE 31 DE MARÇO DE 2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em Cinema

Leia mais

A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro.

A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro. A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro. Resumo: Doutoranda Juliana Maia de Queiroz 1 (UNICAMP). Em 1868, Joaquim Manuel de Macedo publicou o romance

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 TÍTULO DO PROGRAMA Balinha e Dentinho. 2 EPISÓDIO TRABALHADO Conhecendo o Rosquinha. 3 SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Balinha e Dentinho encontram um cachorro perdido

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil de Melo Salgueiro, Eduardo "O MAIOR

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA. Veruska Anacirema Santos da Silva

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA. Veruska Anacirema Santos da Silva A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA Veruska Anacirema Santos da Silva Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Orientador: Prof. Dr. Edson Farias (UnB)

Leia mais

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Prof. Dr. Cássio Tomaim Departamento de Ciências da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Cesnors Adaptação: Prof. Claudio Luiz Fernandes

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

Radionovela para e com deficientes visuais 1

Radionovela para e com deficientes visuais 1 Radionovela para e com deficientes visuais 1 Gabriela Rodrigues Pereira CAPPELLINI 2 Raquel PELLEGRINI 3 Christian GODOI 4 Centro Universitário do Monte Serrat, Santos, SP RESUMO Narrar histórias a deficientes

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Título: A vocação de escritor e o romance na cidade de São Paulo 1940-1960

Título: A vocação de escritor e o romance na cidade de São Paulo 1940-1960 1 Plano de atividades para pós-doutorado Título: A vocação de escritor e o romance na cidade de São Paulo 1940-1960 Supervisor: Sergio Miceli Pessôa de Barros Resumo A proposta tem por interesse investigar

Leia mais

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO O CEET - Centro Estadual de Educação Técnica Vasco Coutinho é uma Instituição de Ensino criada e mantida pelo Governo do Estado do Espírito Santo e transferido através da lei n 9.971/12, para Secretaria

Leia mais