COMUNICAÇÃO CORPORATIVA ESTRATÉGICA: UM ESTUDO DE CASO DA REDE GLOBO DE TELEVISÃO. Juliana Coutinho Oliveira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMUNICAÇÃO CORPORATIVA ESTRATÉGICA: UM ESTUDO DE CASO DA REDE GLOBO DE TELEVISÃO. Juliana Coutinho Oliveira"

Transcrição

1 COMUNICAÇÃO CORPORATIVA ESTRATÉGICA: UM ESTUDO DE CASO DA REDE GLOBO DE TELEVISÃO Juliana Coutinho Oliveira Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Administração, Instituto Coppead de Administração, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, como parte dos requisitos necessários à obtenção do título de Mestre em Administração. Orientadora: Ângela da Rocha Rio de Janeiro Setembro, 2005

2 ii COMUNICAÇÃO CORPORATIVA ESTRATÉGICA: UM ESTUDO DE CASO DA REDE GLOBO DE TELEVISÃO Juliana Coutinho Oliveira Orientadora: Ângela da Rocha Dissertação de mestrado submetida ao Programa de Pós-graduação em Adminitração, Instituto Coppead de Administração da Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ, como parte dos requisitos necessários à obtenção do título de Mestre em Administração. Aprovada por: Presidente, Prof. Ângela da Rocha Prof. Valdecy Leite Prof. Letícia Casotti Rio de Janeiro 2005 ii

3 iii Oliveira, Juliana Coutinho. Comunicação Corporativa Estratégica: um estudo de caso da Rede Globo de Televisão / Juliana Coutinho Oliveira. - Rio de Janeiro: UFRJ, Coppead, vi, 130f.: 31 cm, il. Orientadora: Ângela da Rocha. Dissertação (Mestrado em Administração) UFRJ, Instituto Coppead de Administração, Referências Bibliográficas: f Estratégia Empresarial. 2. Comunicação Corporativa. I. Rocha, Ângela da II. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Instituto Coppead de Administração. III. Título. iii

4 iv RESUMO COMUNICAÇÃO CORPORATIVA ESTRATÉGICA: UM ESTUDO DE CASO DA REDE GLOBO DE TELEVISÃO Juliana Coutinho Oliveira Orientadora: Ângela da Rocha Resumo da Dissertação de Mestrado submetida ao Programa de Pósgraduação em Administração, Instituto Coppead de Administração, Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ, como parte dos requisitos necessários à obtenção do título de Mestre em Administração. O objetivo deste estudo é analisar a relação existente entre a comunicação e a administração, mais especificamente a estratégia, buscando entender de que forma a comunicação corporativa se encontra associada à estratégia da empresa e se atua como facilitadora ou não da implementação da estratégia planejada. Utiliza-se para essa análise o método de estudo de caso aplicado à empresa Rede Globo de Televisão, escolhida por ser a maior empresa de comunicação do Brasil e estar entre as maiores do mundo. A pesquisa busca entender se a referida empresa utiliza sua competência central a comunicação como uma ferramenta estratégica de negócios. O estudo encontra indícios do uso da comunicação corporativa alinhada aos objetivos estratégicos da empresa, porém de forma ainda incipiente e em um nível mais gerencial e por iniciativa das áreas responsáveis pela comunicação do que pela iv

5 v direção geral da Globo. O estudo de caso apresenta exemplos do uso e do não uso da comunicação corporativa de forma estratégica. Palavras-chave: comunicação corporativa, estratégia, Rede Globo de Televisão. v

6 vi ABSTRACT STRATEGIC CORPORATE COMMUNICATION: A CASE STUDY ABOUT REDE GLOBO DE TELEVISÃO. Juliana Coutinho Oliveira Orientadora: Ângela da Rocha Abstract da Dissertação de Mestrado submetida ao Programa de Pósgraduação em Administração, Instituto Coppead de Administração, Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ, como parte dos requisitos necessários à obtenção do título de Mestre em Administração. The purpose of this study is to analyse the relation between the communication and the administration, specifically the strategy, looking forward to understand the way the corporate communication is associated to the company s strategy and if it acts to facilitate or not the implementation of the planned strategy. The case study method applied to Rede Globo de Televisão is used in this analysys. This company was chosen for it is the biggest brazilian communication company and also one of the world s biggest. The research seeks to understand if the mentioned company uses it s core competence the communication - as a strategic business tool. The study founds indications of the use of the corporate communication aligned to the company s strategic goals, nevertheless in an incipient and managemental level as an initiative more vi

7 vii of the areas responsible for the communication than as a general direction. The case study shows exemples of the use and of the non use of the corporate communication in a strategic way. Key-words: corporate communication, strategy, Rede Globo de Televisão. vii

8 viii Dedico essa dissertação à memória de meus pais oficiais: Silvia Pires Coutinho e Walmir Andrade Oliveira; e ao carinho e apoio de meus pais adquiridos: Claudia Coutinho Lacerda e Willy Alvarenga Lacerda. viii

9 ix AGRADECIMENTOS Agradeço, em primeiro lugar, ao Coppead e ao CNPQ Capes, pela infra-estrutura que possibilitou a realização desse estudo. A bolsa de estudos cedida pelo CNPQ permitiu uma dedicação integral ao mestrado. O Coppead ofereceu todas as ferramentas necessárias para a pesquisa. Agradeço especialmente a minha orientadora e professora Ângela da Rocha, pelo apoio nos momentos mais difíceis e por comemorar junto comigo cada conquista. Agradeço aos funcionários Sidney da segurança, por ser sempre gentil e prestativo; Cida e Simone da secretaria acadêmica, pelo cuidado e carinho com nossa turma e a todo pessoal da biblioteca pelo excelente nível profissional e dedicação. De igual importância foi o conhecimento adquirido nas aulas do mestrado. Por isso, agradeço a cada professor da instituição. Meus colegas de turma se tornaram grandes amigos e foram fundamentais na motivação para essa pesquisa. Meu muito obrigada é especial para os estrategistas da turma Paulo, Jayme, Iuri, Renato e Luis e também ao Dudu, estrategista da turma As conversas e insights foram valiosos na definição do tema e das questões desse estudo. A Rede Globo de Televisão agradeço a abertura dos funcionários para a pesquisa e a disponibilidade para as entrevistas. Também fico grata pelo material cedido. ix

10 x Não posso deixar de agradecer todo o apoio e incentivo de minha família e de meus amigos, que compreenderam minhas ausências nesses dois anos. A meu pai Walmir (in memoriam), agradeço pelas aulas de matemática, decisivas para que eu passasse no Teste Anpad, e também pela co-orientação na hora de escrever a dissertação. x

11 xi LISTA DE SIGLAS ABC ABP CBS CEDOC CEO CGCOM CGJ CGP CGPRH CGRH CPI EJB Australian Broadcasting Corporation Associação Brasileira de Propaganda Columbia Broadcasting System Centro de Documentação Chief Executive Officer Central Globo de Comunicação Central Globo de Jornalismo Central Globo de Produção Central Globo de Pesquisa e Recursos Humanos Central Globo de Recursos Humanos Comissão Parlamentar de Inquérito Empresa Jornalística Brasileira EMBRATEL Empresa Brasileira de Telecomunicações EUA IBMEC IBOPE JN MBA NBC ONG ONU PROJAC Estados Unidos da América Instituto Brasileiro de Mercados de Capitais Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística Jornal Nacional Master of Business Administration National Broadcasting Company Organização Não Governamental Organização das Nações Unidas Projeto Jacarepaguá xi

12 xii RH RP TV SESI SBT SUCOM UNESCO Recursos Humanos Relações Públicas Televisão Serviço Social da Indústria Sistema Brasileiro de Televisão Superintendência Comercial United Nations Educational Scientific and Cultural Organization xii

13 13 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS PERGUNTAS DA PESQUISA O LOCUS DA PESQUISA ORGANIZAÇÃO DO ESTUDO 20 2 REVISÃO DE LITERATURA SOBRE A COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL Conceitos e Definições Funções e Usos da Comunicação Institucional SOBRE ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Conceitos e Definições Funções e Usos da Estratégia Empresarial COMUNICAÇÃO VERSUS ESTRATÉGIA 43 3 METODOLOGIA ELABORAÇÃO DAS PERGUNTAS DA PESQUISA MÉTODO ESTUDO DE CASO O CASO ESCOLHIDO COLETA DE DADOS ANÁLISE DE DADOS 53 13

14 LIMITAÇÒES DO ESTUDO 54 4 ESTUDO DE CASO: A REDE GLOBO DE TELEVISÃO BREVE HISTÓRICO DA TELEVISÃO A EVOLUÇÃO DA REDE GLOBO DE TELEVISÃO A COMUNICAÇÃO CORPORATIVA DA REDE GLOBO DE TELEVISÃO A Estrutura Organizacional para Comunicação Comunicação Interna Planejamento da Comunicação Interna Públicos-alvo da Comunicação Interna Tipos de Comunicação Utilizados Internamente Resultados da Comunicação Interna Comunicação Externa Planejamento da Comunicação Externa Públicos-alvo da Comunicação Externa Tipos de Comunicação Utilizados Externamente Resultados da Comunicação Externa 87 5 ANÁLISE DO CASO 89 6 CONSIDERAÇÕES FINAIS BIBLIOGRAFIA BIBLIOGRAFIA TEÓRICA BIBLIOGRAFIA DO CASO ANEXOS

15 ANEXO 1 - Entrevista com José Land - Diretor da Divisão de Propaganda da CGCOM - Central Globo de Comunicação ANEXO 2 - Entrevista com Andréa Mendes, Gerente de Comunicação e Integração CGPRH Central Globo de Pesquisa e Recursos Humanos ANEXO 3 Descrição de Peças de Comunicação Interna ANEXO 4 - Descrição de Peças de Comunicação Externa

16 16 1 INTRODUÇÃO 1.1 OBJETIVOS Esse trabalho busca aproximar duas áreas do conhecimento: a estratégia e a comunicação. Ao longo do curso de mestrado, pôde-se detectar um aproveitamento parco das ferramentas de comunicação pela literatura de administração estratégica e, justamente por acreditar que essa relação pode ser estreitada, esse trabalho se propõe a buscar conexões entre as referidas áreas. Melo (1998, p.7) mostra porque a comunicação precisa ser mais estudada: O extraordinário progresso experimentado pelas técnicas de comunicação de 1970 para cá representa para a Humanidade uma conquista e um desafio. Conquista, na medida em que propicia possibilidades de difusão de conhecimentos e de informações numa escala antes inimaginável. Desafio, na medida em que o avanço tecnológico impõe uma séria revisão e reestruturação dos pressupostos teóricos de tudo que se entende por comunicação. A comunicação é difícil de ser mensurada, tendo critérios de avaliação muitas vezes qualitativos. Por ser uma área do conhecimento advinda de um processo comum a todo ser humano o ato de comunicar-se seu estudo é freqüentemente negligenciado. No entanto, os stakeholders estão cada vez mais exigentes no que se refere a informações sobre a atuação das empresas, que hoje não mais podem prescindir de cuidar de seus processos de comunicação, tanto externa quanto internamente. A comunicação tem ligação direta com a administração, uma vez que é através dela que se estreitam os contatos e as negociações entre os participantes de uma organização. Assim, parece clara a relevância do estudo para a área 16

17 17 empresarial. Com os parâmetros de qualidade das empresas cada vez mais equilibrados, uma das ferramentas que a organização pode encontrar para se diferenciar e atrair seu consumidor é a comunicação. São as impressões que fazem a reputação, e a reputação que constrói relações de negócios (BOOHER, 1995). A comunicação existente na empresa é chamada institucional, organizacional, empresarial ou corporativa. Dentro da área de comunicação existem muitos estudos sobre a área de atuação da administração, mas o mesmo parece não ocorrer na literatura de administração. Na literatura de administração e, mais especificamente na de estratégia, encontram-se poucos indícios do uso da comunicação como ferramenta estratégica. No entanto, é razoável dizer que a comunicação organizacional pode ser trabalhada de modo a auxiliar o desenvolvimento, a implantação e a disseminação da estratégia traçada pela organização, sendo uma ferramenta complementar na busca pela longevidade saudável da empresa. A pesquisa a esse respeito pode identificar construtos relevantes, sugerir hipóteses sobre relações e propor explicações sobre essas relações (SNOW & THOMAS, 1994). Assim sendo, esse estudo teve como objetivo analisar as relações existentes entre comunicação corporativa e estratégia, buscando, através do estudo de caso, exemplos do uso e do não uso da comunicação corporativa como ferramenta estratégica. 17

18 PERGUNTAS DA PESQUISA Uma pergunta geral e cinco perguntas específicas nortearam essa pesquisa, buscando encontrar evidências da relação entre a comunicação e a estratégia na empresa. Pergunta Geral: estratégia? De que forma a comunicação da empresa encontra-se associada a sua Perguntas Específicas: 1- Qual a estrutura organizacional para as atividades de comunicação da empresa e de que forma esta estrutura facilita ou dificulta a coordenação estratégica das atividades de comunicação? 2- Como é feito o planejamento da comunicação e qual a sua relação com o planejamento estratégico da empresa? 3- De que forma são definidos os públicos-alvo a que se destinam as comunicações internas e externas? 4- Quais os tipos de comunicação utilizados no que se refere a públicos-alvo, conteúdo mídia e freqüência? Há sinergia com o planejamento estratégico? 5- De que forma são avaliados e mensurados os resultados da comunicação? 18

19 O LOCUS DA PESQUISA Optou-se pela realização de um estudo de caso e escolheu-se para isso uma organização brasileira que trabalha diretamente com comunicação: a Rede Globo de Televisão, que, em 2005, completou 40 anos. Essa empresa está entre as maiores empresas de comunicação e entretenimento do mundo, mas será que ela, além de utilizar a comunicação como produto, também a utiliza como ferramenta estratégica em seu relacionamento interno com funcionários e externo com o ambiente? Será que a Globo usa sua competência central na busca da longevidade saudável? A Rede Globo de Televisão faz parte das Organizações Globo, o maior grupo empresarial brasileiro do ramo de comunicações. As Organizações Globo surgiram em 1925, com o Jornal O Globo, fundado pelo jornalista Irineu Marinho, pai do empresário Roberto Marinho, que, por sua vez foi o fundador da TV Globo, em Os gestores das Organizações Globo atualmente detêm controle e participação em mais de cem empresas atuantes em diversos negócios, não restritos à área de comunicação. Em julho de 1996, tinha 24 mil empregados e 5,8 bilhões de reais em ativos. As Organizações Globo se dividem em dois braços: um composto pela TV Globo, pelo Sistema Globo de Rádio e pela Empresa Jornalística Brasileira (EJB), responsável pela mídia impressa. O outro braço é a Globopar (Globo Comunicações e Participações Ltda), holding financeira do grupo, que funciona como controladora das empresas (BETHLEM, 2003). A Rede Globo é o maior negócio isolado do grupo, 16 o no ranking nacional. Em 1996, os membros da família Marinho - Roberto Irineu, João Roberto, José Roberto (filhos de Roberto Marinho) decidiram deixar os cargos executivos que 19

20 20 ocupavam para dedicar-se à área estratégica (BETHLEM, 2003), ponto alto da atividade dos executivos segundo Mintzberg, Ahlstrand & Lampel (2000). A família decidiu centrar as atividades do grupo no seu core business, ou seja, mídia, entretenimento telecomunicações e vender os outros negócios (BETHLEM, 2003). 1.4 ORGANIZAÇÃO DO ESTUDO No capítulo inicial, apresentam-se os objetivos, as perguntas e o Iocus da pesquisa. Também é apresentada a organização do estudo nessa seção. O capítulo 2 apresenta a Revisão de Literatura, subdividida em Sobre a Comunicação Institucional e Sobre a Estratégia Empresarial. As interseções encontradas entre as duas áreas de conhecimento estão expostas no item 2.3 intitulado Comunicação versus Estratégia. Em seguida, o capítulo 3 apresenta a metodologia utilizada nesse estudo. O item 3.1 trata da elaboração das perguntas da pesquisa. O item 3.2 explicita o método de pesquisa escolhido, a saber o método do caso. O item 3.3 trata especificamente do caso escolhido a Rede Globo de Televisão apontando os motivos pelos quais a empresa foi eleita. O item 3.4 explica como foi feita a coleta de dados enquanto o 3.5 trata da maneira como foi realizada a análise dos mesmos. Finalmente, o item 3.6 aponta as limitações do estudo, dado o método escolhido para sua realização. O capítulo 4 expõe o estudo de caso da Rede Globo de Televisão. O item 4.1 traz um histórico da televisão. O item 4.2 trata da história da Rede Globo. Esses dois itens permitem conhecer com mais profundidade a indústria e a empresa referentes ao caso escolhido. Buscou-se partir de um panorama geral da indústria da televisão, 20

21 21 seu surgimento e importância no processo de difusão de informações e entretenimento no Brasil, para então compreender o aparecimento da Rede Globo de Televisão e as mudanças realizadas por essa empresa. Também se optou por esmiuçar a história da empresa antes de se partir para a análise específica do uso e das ferramentas de comunicação no âmbito institucional. Como a empresa estudada tem como produto final a comunicação, e oferece como diferencial a qualidade de seus produtos, é razoável pensar que sua competência central também seja utilizada em sua comunicação institucional. Os itens 4.3 e 4.4 exploram as comunicações interna e externa da empresa, respectivamente. No capítulo 5, que se sucede, apresenta-se a análise do caso, de que maneira a comunicação institucional na empresa é feita, e se parece utilizada de forma estratégica. O capítulo foi dividido nos itens 5.1 e 5.2, análises dos materiais de comunicação interna e externa respectivamente. A separação foi meramente facilitadora do estudo e não significa separação na análise propriamente dita. O capítulo 6 apresenta as conclusões do estudo e o 7 a bibliografia utilizada, que foi dividida em duas partes: bibliografia teórica e bibliografia do caso, para que futuros pesquisadores tenham mais facilidade ao buscar as referências e demais materiais pesquisados. Ao final, encontram-se os anexos, com o material utilizado na análise. 21

22 22 2 REVISÃO DE LITERATURA O texto dessa revisão de literatura foi disposto em duas partes iniciais: Sobre a Comunicação Institucional e Sobre a Estratégia Empresarial. Nessas seções, apresentam-se os conceitos, definições, usos e funções da comunicação e da estratégia nas empresas. Em seguida a seção Comunicação x Estratégia busca identificar relações entre as duas áreas de conhecimento e tenta mostrar de que forma elas podem atuar em conjunto no dia-a-dia da firma. 2.1 SOBRE A COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL Conceitos e Definições O termo Comunicação, de origem latina (communicare = tornar comum, partilhar, repartir, associar, trocar opiniões, conferenciar) tem diversos significados, entre os quais o seguinte, que parece sintetizar o que dizem os especialistas da área: A comunicação é o processo da participação da experiência para que se torne patrimônio comum. Ela modifica a disposição mental das duas partes associadas. (J. Dewey) (RABAÇA & BARBOSA, 1978, p. 107 e 108) A comunicação está presente em qualquer relação entre indivíduos, entre organizações e mesmo entre países. As pessoas, organizações e países têm imagens com as quais precisam lidar. O Japão, por exemplo, teve por muitos anos uma imagem de produtor de bens de baixa qualidade e por imitação, mas conseguiu reverter esse quadro (HOWARD, 1998). 22

23 23 Dentro da empresa, a comunicação ganha proporções ainda maiores. Tudo que a organização faz e não faz tem impacto direto sobre sua imagem corporativa (HOWARD, 1998, p. 41). A organização precisa usar a comunicação para lidar com seus três públicos principais: o consumidor final de seus produtos e/ou serviços, o mercado no qual atua e seus acionistas e os recursos humanos que a compõe, ou que deseja conquistar (NEVES, 1998). Howard (1998) diz que a personalidade da organização é algo difícil de ser copiado e que a comunicação é responsável pela manutenção e difusão dessa imagem. Segundo Westwood & Linstead (2001), a organização é movimento e produção de textos. E, através desses textos que nada mais são do que a linguagem funcional existente na firma -, a empresa consegue fazer sentido e levar todos os funcionários unidos na mesma direção. Assim, aparece a identidade organizacional. De forma sucinta, a organização emerge na e através da comunicação (TAYLOR & ROBICHAUD, 2004). A comunicação dentro das organizações pode ser dividida em quatro aspectos, segundo Rabaça e Barbosa (1878): Comunicação Empresarial: conjunto de métodos e técnicas de comunicação dentro da empresa, dirigida ao público interno (funcionários) ou ao público externo (clientela, fornecedores, consumidores, etc.). (p. 122); Comunicação Institucional: conjunto de procedimentos destinados a difundir informações de interesse público sobre as políticas, práticas e objetivos de uma instituição, interna e externamente, de modo a fazer compreensíveis e aceitáveis essas proposições. (p. 122); Comunicação Organizacional: 1- Situações de comunicação interpessoal, direta ou indireta, no interior de uma organização (comunicação intra-organizacional); 2- Situações de comunicação entre duas ou mais organizações (comunicação interorganizacional). (p. 123). 23

24 24 Sistema de Comunicação: conjunto integrado de normas, material e pessoas, engajados a um planejamento de Relações Públicas, de modo a estabelecer uma unidade de mensagem, a evitar a dispersão de meios e esforços, a dar visão geral e integral dos problemas e maior flexibilidade na consecução dos objetivos. (p. 434). Apesar de todas essas nuances da comunicação dentro da empresa, muitos acreditam que comunicação é uma coisa simples e que não necessariamente precisa ser exercida por um profissional. Entretanto, em um mercado cada vez mais competitivo, erros de comunicação podem ser fatais para a sobrevivência da empresa (CAHEN, 1990; NEVES, 1998). A comunicação é, às vezes, vista como custo, que não traz retorno mensurável, mas o que se vê, de fato, é que se gasta mais em comunicação quando não se utiliza a mesma como prevenção (NEVES, 1998). A visão da comunicação como custo ocorre não sem motivo: a comunicação contém componentes de caráter subjetivo que dificultam ou impedem a quantificação do lucro gerado (CAHEN, 1990). Dada a dificuldade em tangibilizar o retorno gerado pela comunicação, são de fundamental importância um registro contábil e orçamentos claros (CAHEN, 1990). A comunicação empresarial engloba, entre outras coisas, a política de marketing institucional, que visa o fortalecimento da imagem, buscando competitividade para se expandir no mercado (BAHIA, 1995). Howard (1998) e Rocha & Christensen (1999) corroboram essa idéia: Estratégia de marketing é a face externa da estratégia empresarial. (p. 249). A imagem corporativa compreende os elementos visuais, verbais e comportamentais da empresa (HOWARD, 1998). Semenik & Bamossy (1995) chamam as atividades de marketing no contexto da organização individual de micromarketing, e são categóricos: Nenhuma organização pode escapar da 24

25 25 necessidade de decisões de marketing (p. 6). O papel do micromarketing, segundo os autores, diz respeito às decisões do marketing mix, ou seja: produto, preço, praça e promoção (conhecidos como os quatro Ps do marketing). Howard (1998) acrescenta a esses, mais um P, de percepção, quando falamos de marketing corporativo. A imagem corporativa é uma afirmação profunda e dinâmica da natureza, cultura e estrutura de uma organização. Isso vale para organizações governamentais e sem fins lucrativos também, de qualquer tamanho, com ou sem data para terminar (HOWARD, 1998; NEVES, 1998). A imagem existe independentemente da vontade da empresa e merece a mesma atenção e comprometimento que qualquer outro assunto da firma (SIMÕES, DIBB & FISK, 2005; HOWARD, 1998). Apesar dessa existência independente, há uma parte da imagem corporativa que é mais controlável : a relação com o público interno. O marketing interno pensa nos funcionários como clientes (BERRY & PARASURAMAN, 1995). O objetivo é fazer com que eles compreendam e vivenciem o negócio da empresa, desenvolvendo uma cultura organizacional voltada para o cliente e também atraindo e mantendo os funcionários na firma (GRÖNROOS, 1995). Todos os funcionários participam da manutenção da imagem corporativa, independentemente da hierarquia (HOWARD, 1998). A marca da empresa precisa estar internalizada, ser conhecida pelos funcionários. Devem ser compartilhadas com os funcionários a pesquisa e a estratégia da marca, em forma de uma comunicação criativa (BERRY & PARASURAMAN, 1995). A utilização do marketing interno e a disseminação da informação levam o funcionário a criar uma conexão emocional com os produtos da empresa, podendo 25

26 26 vendê-los adequadamente (MITCHELL, 2002; GUINIVEN, 2001). As pessoas que acreditam na marca ficam motivadas a trabalhar com mais afinco, a lealdade à empresa aumenta e a tomada de decisões é mais coerente com a visão do negócio. Os empregados se unem e têm um senso comum de objetivo e identidade (MITCHELL, 2002). Já Carvalho (2005) acredita que a comunicação é diferente do marketing interno. O último vê a empresa como mercado, em que os funcionários devem comprar as idéias, os valores e a filosofia da empresa. Já a comunicação enxerga os funcionários como colaboradores, co-empreendedores de um projeto comum, e tem um enfoque integrador, tentando incentivar nos funcionários uma participação consciente e responsável nos processos da companhia. Cahen (1990) propõe uma interessante imagem metafórica da comunicação empresarial eficaz: ela seria representada por uma pirâmide de cristal, por ser transparente e ter bases sólidas. Sua composição (do topo para a base): atividades (parte visível), atitudes (coerentes com a empresa e percebidas por seus públicos), políticas (que regem a filosofia da empresa) e sua filosofia propriamente dita. A comunicação na empresa ocorre em três fluxos: descendente, ascendente e lateral. O bloqueio do fluxo ascendente gera maior fluxo lateral, criando redes informais de comunicação. Essas redes podem ser perigosas em tempos de crise por serem focos de tensão. As empresas precisam saber lidar tanto com a rede formal quanto com a rede informal de comunicação, sabendo ser ela um processo de influência, que pode servir como um instrumento para o alcance de objetivos (BERLO, 1960). 26

27 27 A comunicação interna pode ser pessoal (entre indivíduos) ou impessoal (disponível em murais ou outras mídias para os funcionários), sem contato direto entre os indivíduos (PESSOA, 2004). Segundo Porcaro (2002), o importante é manter o funcionário informado, pois assim, ele se sente parte do todo. Indivíduos em uma organização devem sentir-se parte de um todo, como em um grupo familiar ou esportivo (HOWARD, 1998). Os funcionários mantêm relações emocionais com a empresa, através de contratos que Guiniven (2001) chama de sociais. Segundo o autor, esses contratos podem ter mais valor do que documentos escritos, pois geram senso de valor, do papel do funcionário e assim promove a lealdade do mesmo, elemento vital para o sucesso da firma. Muitos funcionários enxergam a empresa como uma segunda família (GUINIVEN, 2001). A comunicação coordena ações e emoções e permite a existência da organização. Nem sempre é capaz de alcançar um consenso, mas gera comprometimento. As emoções são os principais motivadores da ação, são a base da fidelidade. Elas fazem parte de toda a experiência de comunicação e devem ser reconhecidas, pois são a base para formar relacionamentos (BARLO & MAUL, 2001). É importante lembrar que nenhum material de comunicação interna substitui a comunicação pessoal do alto escalão com os funcionários da base. Além disso, a comunicação organizacional deve ser constante, mantendo viva a empresa na cabeça de seus funcionários (MITCHELL, 2002). A imagem corporativa requer um trabalho contínuo (HOWARD, 1998). Torquato (1997) afirma que o Brasil tem excelência em comunicação corporativa. A empresa que valoriza a comunicação é considerada moderna 27

28 28 (GONÇALVES, 2004). Essa idéia parece se confirmar na prática: o Guia Exame 100 Melhores Empresas para Você Trabalhar avalia, entre outros quesitos, a clareza e abertura na comunicação interna das empresas (PORTAL EXAME, 2004) Funções e Usos da Comunicação Institucional Segundo Pessoa (2004), a primeira empresa que parece ter utilizado a comunicação institucional foi a General Electric, que, na década de 60, implementou uma série de debates entre os executivos e os intelectuais da época para estimular o pensamento estratégico de seus gestores. Foi também nessa época que, no Brasil, com a instalação de indústrias e agências de publicidade, começou-se a utilizar a comunicação empresarial, inicialmente apenas com profissionais de jornalismo (PESSOA, 2004). No início, o termo comunicação empresarial englobava apenas as relações públicas, a imprensa e a propaganda, sendo considerada uma comunicação de mão única (CANFIELD, 1969). Durante muito tempo a comunicação empresarial permaneceu unilateral, pois o emissor não se preocupava com o resultado do processo, mas apenas com a emissão da mensagem em si. Esta situação modificouse posteriormente: o emissor precisa considerar a opinião e a reação do receptor para poder atender a suas necessidades (PESSOA, 2004). O nível de conhecimento dos participantes e o uso de canais adequados influenciam positivamente o ato comunicativo. Para que a comunicação ocorra de forma adequada, tanto o emissor quanto o receptor precisam aprender a compreender os sinais um do outro. 28

29 29 Uma metáfora proposta por Torquato (1986) trata a comunicação como forma/processo e a informação como conteúdo/produto. A comunicação empresarial surgiu com o intuito de manipular/vender, mas hoje é considerada essencial para o aproveitamento das oportunidades, dos clientes e dos mercados (CAHEN, 1990). A comunicação organizacional está presente em um vasto universo de instrumentos dentro da empresa, a começar pelo espaço físico e localização da organização. O tipo de móveis, as cores, a existência ou não de portas, tudo isso comunica, fala pela empresa (MITCHELL, 2002). Ambientes abertos, por exemplo, simbolizam abertura na comunicação (SCHEIN, 1999). As preocupações em divulgar segurança eram antes, na maioria das empresas, uma das principais funções da comunicação. Hoje, são apenas uma parcela da comunicação que também cuida da ergonomia e de um ambiente de trabalho agradável. Nassar (1999) acredita que as empresas modernas são veículos de comunicação em si mesmas, e que o comportamento e estilo dos executivos, as políticas e os prédios emitem sinais sobre as empresas. As estratégias de comunicação se expressam através dos sistemas ou modelos da empresa para fornecer informações, interna e externamente. A origem da estratégia de comunicação nas empresas parece ser o jornal ou revista de circulação interna, além das assessorias. O jornal da empresa tem a função de informar e formar, recrear, educar e orientar os empregados, estimular a sociabilidade, divulgar atividades sociais e os produtos da empresa e pode ser uma iniciativa dos empregadores ou dos empregados (BAHIA, 1995). Kotler (1999) define os tipos de público com os quais uma empresa se relaciona: financeiros, de mídia, governamentais, grupos de interesse, locais, gerais 29

Comunicação Empresarial

Comunicação Empresarial Comunicação Empresarial MBA em Gestão Empresarial MBA em Logística MBA em Recursos Humanos MBA em Gestão de Marketing Prof. Msc Alice Selles 24/11 Aula inicial apresentação e visão geral do módulo. Proposição

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores)

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) Negociação: conceitos e aplicações práticas Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) 2 a edição 2009 Comunicação na Negociação Comunicação, visão sistêmica

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 5 1. Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada 4 1 Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas com os seus públicos de relacionamento,

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional Política de Comunicação Institucional POLÍTICA PÚBLICA P DE COMUNICAÇÃO O homem é um ser social. O intercâmbio de suas experiências e de seus conhecimentos possibilitou que as pessoas se apropriassem dos

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios.

Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios. Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios. A palavra vem do grego strátegos, que significa "a arte do general". Arte militar de escolher onde, quando e

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

PESSOAS ORGANIZACIONAL

PESSOAS ORGANIZACIONAL #7 #8 CULTURA GESTÃO DE PESSOAS ORGANIZACIONAL ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição de cultura 3. A cultura organizacional 4. Níveis da cultura organizacional 5. Elementos da cultura organizacional 6. Dicas

Leia mais

Imagem corporativa e as novas mídias

Imagem corporativa e as novas mídias Imagem corporativa e as novas mídias Ellen Silva de Souza 1 Resumo: Este artigo irá analisar a imagem corporativa, mediante as novas e variadas formas de tecnologias, visando entender e estudar a melhor

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento;

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento; FRANCISCO BITTENCOURT Consultor Sênior do MVC VISÃO, AÇÃO, RESULTADOS Visão sem ação é um sonho, sonho sem visão é um passatempo. Fred Polak INTRODUÇÃO No conhecido diálogo entre Alice e o gato Ceeshire,

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Programa de Comunicação Interna e Externa

Programa de Comunicação Interna e Externa Programa de Comunicação Interna e Externa Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Comunicação Interna e Externa das Faculdades Integradas Ipitanga FACIIP pretende orientar a execução

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO

COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO CALDAS, Rosângela Formentini Departamento de Ciência da Informação UNESP/Marília A definição de marketing ainda permanece enquanto uma discussão

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING Professor: Arlindo Neto Competências a serem trabalhadas GESTÃO DE MARKETING PUBLICIDADE E PROPAGANDA GESTÃO COMERCIAL FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

A importância do branding

A importância do branding A importância do branding Reflexões para o gerenciamento de marcas em instituições de ensino Profª Ligia Rizzo Branding? Branding não é marca Não é propaganda Mas é sentimento E quantos sentimentos carregamos

Leia mais

Inteligência. Emocional

Inteligência. Emocional Inteligência Emocional Inteligência Emocional O que querem os empregadores?? Atualmente, as habilitações técnicas específicas são menos importantes do que a capacidade implícita de aprender no trabalho

Leia mais

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs Vendas - Cursos Curso Completo de Treinamento em Vendas com - 15 DVDs O DA VENDA Esta palestra mostra de maneira simples e direta como planejar o seu trabalho e, também, os seus objetivos pessoais. Através

Leia mais

Comunicação Institucional. Curso de Administração SECAL Administração Mercadologica - 2. ano. Profa Msc Monalisa Rodrigues Zoldan

Comunicação Institucional. Curso de Administração SECAL Administração Mercadologica - 2. ano. Profa Msc Monalisa Rodrigues Zoldan Comunicação Institucional Curso de Administração SECAL Administração Mercadologica - 2. ano Profa Msc Monalisa Rodrigues Zoldan COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL É a estratégia de posicionamento da marca que define

Leia mais

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política No Brasil, há poucas experiências conhecidas de uso de ferramentas de monitoramento de mídias sociais em campanhas políticas. Uma delas

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 Bárbara Fernandes Valente da Cunha 2 * Palavras-chaves: Comunicação

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

DESAFIOS DA GESTÃO DAS PARTES INTERESSADAS DE UM PROJETO

DESAFIOS DA GESTÃO DAS PARTES INTERESSADAS DE UM PROJETO DESAFIOS DA GESTÃO DAS PARTES INTERESSADAS DE UM PROJETO João Souza Neto, Dr. joaon@ucb.br Diana L. N. dos Santos, MSc. dianas@mpdft.mp.br www.twitter.com/govtiapf http://govtiapf.com.br/blog/ Agenda Relacionamento

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Estabelecimento da Diretriz Organizacional

Estabelecimento da Diretriz Organizacional Estabelecimento da Diretriz Organizacional AULA 3 Bibliografia: Administração Estratégica: Planejamento e Implantação da Estratégia SAMUEL C. CERTO & J. P. PETERTO ASSUNTO: Três importantes considerações

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA. Profª. Danielle Valente Duarte

GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA. Profª. Danielle Valente Duarte GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA Profª. Danielle Valente Duarte 2014 Os Estudos e a Prática da Gestão Estratégica e do Planejamento surgiram no final da década

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

O gerenciamento da Comunicação Organizacional

O gerenciamento da Comunicação Organizacional O gerenciamento da Comunicação Organizacional Hilbert Reis Comunicação Social Jornalismo UFOP Pesquisador PIP/UFOP Índice 1 Otimização da comunicação integrada 1 2 Estratégias, planejamentos e a gestão

Leia mais

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ José Alves de SOUZA² Maria Stella Galvão SANTOS³ Universidade Potiguar (UnP ), Natal, RN RESUMO Este Plano de Comunicação refere-se a um estudo

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA 1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA SIGA: PMBAIE*08/00 Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA As grandes questões emergentes que permeiam o cenário organizacional exigem

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS

Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS OFICINA 2 Professora: Izabel Portela izabel@institutoiris.org.br Novembro - 2007 1 M A R K E T I N G

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI)

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) (The Instructional Design (ID) Domains, Competencies and Performance Statements) International Board of Standards for Training,

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data

Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data 9 Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data Planejamento Performance Dashboard Plano de ação Relatórios Indicadores Sua empresa sabe interpretar os dados que coleta? Para aumentar

Leia mais

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Avaliação desenvolvida por Mónica Galiano e Kenn Allen, publicado originalmente no livro The Big Tent: Corporate Volunteering in the Global Age. Texto

Leia mais

A contribuição da comunicação interna na construção e

A contribuição da comunicação interna na construção e A contribuição da comunicação interna na construção e fortalecimento da imagem corporativa O QUE É IMAGEM CORPORATIVA? Para fazer uma comunicação interna que fortaleça a Imagem Corporativa é preciso entender

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Já passou a época em que o pedagogo ocupava-se somente da educação infantil. A pedagogia hoje dispõe de uma vasta

Leia mais