ANÁLISE DOS RESULTADOS DE PRÁTICAS DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL EM AEROPORTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DOS RESULTADOS DE PRÁTICAS DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL EM AEROPORTOS"

Transcrição

1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DE PRÁTICAS DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL EM AEROPORTOS Lícia Rodrigues Negreiros Universidade Federal de São Carlos Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia Programa de Pós-Graduação em Estruturas e Construção Civil Rod. Washington Luís, km São Carlos São Paulo Douglas Barreto Universidade Federal de São Carlos Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia Programa de Pós-Graduação em Estruturas e Construção Civil Rod. Washington Luís, km São Carlos São Paulo Resumo: Aeroportos internacionais tem se comprometido, globalmente, com a adoção e gestão de práticas de sustentabilidade ambiental, incitados, não somente pela obrigatoriedade contida em legislações locais, mas também por instruções de organizações não governamentais, como a Organização das Nações Unidas (ONU), que acabam por influenciar a criação e atualização de políticas ambientais, cujas exigências também são de âmbito mandatório. Somado a esses fatores, tem-se as instituições internacionais voltadas para as iniciativas sustentáveis em ambientes construídos; e as políticas de incentivos fiscais. Tal postura também foi estimulada por resultados positivos, obtidos e comprovados por meio da análise de uma série de estudos de casos, notadamente de aeroportos norte-americanos, europeus e asiáticos, que indicam, além da redução dos impactos ambientais e da diminuição das políticas sociais mitigadoras, a redução dos custos operacionais e de manutenção desses aeroportos. O objetivo principal deste artigo é o de identificar, compilar e analisar, através desses mesmos estudos de caso, as práticas de sustentabilidade ambiental que estão sendo adotadas em aeroportos em vários países, e de relacionar tais práticas aos resultados obtidos, nos casos para os quais os resultados foram disponibilizados, identificando as similaridades e sucessos alcançados. Palavras-chave: Aeroporto, Construções sustentáveis e Sustentabilidade ambiental. ANALYSIS OF RESULTS OF ENVIRONMENTAL SUSTAINABILITY PRACTICES IN AIRPORTS Abstract: International airports has been committed, globally, with the adoption and management practices of environmental sustainability, encouraged not only by the requirements contained in local laws, but also by statements of non-governmental organizations such as the United Nations (UN),

2 which influence the creation and updating of environmental policies, whose requirements are also mandatory under. Added to these factors, there are the international institutions concerned with sustainable initiatives in built environments, and policies of tax incentives. This attitude was also stimulated by positive results obtained and tested through the analysis of a series of case studies, especially from Europeans Americans and Asians airports, which indicate, in addition to reducing environmental impacts and reduction of social policies mitigating, reducing operating and maintenance costs of these airports. The main objective of this paper is to identify, through the analysis of these case studies, the practices of environmental sustainability being taken at airports worldwide, and to relate these practices to the results obtained in the cases for which the results were available. Keywords: Airport, Sustainable buildings and Environmental sustainability. 1. INTRODUÇÃO Segundo a Caixa Econômica Federal (CEF, 2011), estima-se que setor da construção civil é responsável pelo consumo de cerca de 70% do volume total de recursos extraídos da natureza; e cuja tendência de crescimento é relevante, visto os altos níveis de urbanização e industrialização alcançados em cidades nas últimas décadas. Essa tendência é preocupante, não somente em relação aos altos índices de recursos naturais consumidos, mas também em relação aos resíduos produzidos durante a fase de transporte, processamento, beneficiamento e distribuição desses recursos, com uma estimativa de que entre a metade e três quartos dos materiais extraídos da natureza retornam como resíduos em um período de um ano (MATTHEWS et al, 2000). A CEF (2011) orienta que, para que as construções sustentáveis se insiram na realidade do desenvolvimento sustentável, faz-se necessária a adoção de duas ações fundamentais: uma desmaterialização da economia e da construção construir mais usando menos materiais; e a substituição das matérias-primas naturais pelos resíduos, reduzindo a pressão sobre a natureza e o volume de material nos aterros. Estudos desenvolvidos por Souza et al (2008) demonstram que aeroportos, como o Aeroporto Internacional de São Paulo/Guarulhos Governador André Franco Montoro, tem o comportamento semelhando a cidades de médio porte no que diz respeito ao consumo de recursos naturais, como água e energia. Segundo Pitt et al, apud Carra et al (2013), alguns aeroportos produzem volumes de resíduos equivalentes a pequenas cidades, causando significantes impactos nas regiões em que estão situados. Nesse contexto, e visto que aeroportos podem ser comparados a médias e pequenas cidades, no que se refere, respectivamente, ao consumo de recursos e a produção de resíduos, percebese a importância do emprego de ações de sustentabilidade ambiental em aeroportos, justificadas não somente por aspectos ambientais, mas também econômicos. Do ponto de vista ambiental, tem-se não somente o atendimento aos dispostos exigidos por legislações ambientais, mas também a redução dos impactos ao meio ambiente e, consequentemente, o aumento da qualidade de vida da população localizada no entorno dos empreendimentos ambientalmente sustentáveis. Do ponto de vista econômico, a adoção dos requisitos de sustentabilidade ambiental representam a redução dos custos operacionais e de manutenção nos aeroportos. Ambos os fatos podem ser comprovados pela análise de uma série de estudos de caso, disponíveis na página eletrônica da Enviro.aero (ENVIRO.AERO, 2011), objetos deste presente artigo. 2. OBJETIVOS O objetivo principal deste artigo é o de identificar, compilar e analisar, através desses mesmos estudos de caso, as práticas de sustentabilidade ambiental que estão sendo adotadas em

3 aeroportos em vários países, e de relacionar tais práticas aos resultados obtidos, nos casos para os quais os resultados foram disponibilizados, identificando as similaridades e sucessos alcançados. 3. METODOLOGIA A metodologia consiste na breve revisão bibliográfica dos termos aeroportos e construções sustentáveis ; e no estudo das práticas de sustentabilidade ambientais que vem sendo adotadas em aeroportos e seus respectivos resultados. As práticas de sustentabilidade ambiental em aeroportos foram investigadas a partir das informações disponíveis na página eletrônica da Enviro.aero (ENVIRO.AERO, 2011) pela qual foi possível identificar e relacionar as práticas e resultados aos seus aeroportos correspondentes. 4. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 4.1. Aeroportos Segundo a Lei nº 7.565, de 19 de Dezembro de 1986 (BRASIL, 1986), que dispõe sobre o Código Brasileiro da Aeronáutica, aeródromo pode ser definido como toda a área destinada a pouso, decolagem e movimentação de aeronaves; sendo a infraestrutura aeronáutica o conjunto de órgãos, instalações ou estruturas terrestres de apoio à navegação aérea, para prover-lhe a segurança, regularidade e eficiência, compreendendo alguns sistemas específicos, dentre eles o sistema aeroportuário. Ainda de acordo com a respectiva Lei, o sistema aeroportuário é o conjunto de aeródromos brasileiros, com todas as pistas de pouso, pistas de táxi, pátio de estacionamento de aeronaves, terminal de carga aérea, terminal de passageiros e as respectivas facilidades. Segundo Ashford & Wright (1992), as facilidades aeroportuárias dividem-se em três grandes grupos: pistas (runways), taxiways, e Terminal de Passageiros, sendo as premissas técnicas estabelecidas para a construção de aeródromos normalmente definidas por órgão internacionais, a saber: OACI Organização de Aviação Civil Internacional ( Internacional Civil Aviation Organization ICAO ), em seus documentos Anexo 14 ( Aeródromos ), da Convenção de Chicago; Manual de Projetos de Aeródromos, código OACI: 9157; e Manual de Planejamento de Aeroportos, código OACI: 9184; FAA Federal Aviation Administration,, através do Advisory Circular: Planning and Design Guidelines for Airport Terminal Facilities, código AC 150/ e; IATA International Air Transport Association, através do Airport Development Reference Manual. Em complementação às referencias acima citadas, os projetos de aeroportos brasileiros também deverão atender às Normas ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas, para cada especialidade, bem como às normas e às resoluções da Agência Nacional da Aviação Civil (ANAC), do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA) e da Secretaria da Aviação Civil (SAC) Construções sustentáveis Segundo o Green Building Concil Brasil (GBCB, 2012), construção sustentável é a edificação ou espaço construído que teve na sua concepção, construção e operação o uso de conceitos e procedimentos reconhecidos de sustentabilidade ambiental, proporcionando benefícios econômicos, na saúde e bem estar das pessoas e que, por consequência, gera benefícios ambientais, sociais e econômicos para toda uma sociedade. O Instituto para o Desenvolvimento da Habitação Ecológica (IDHEA, 2013) apresenta um conceito parecido, de um sistema construtivo que promove alterações conscientes no entorno, de

4 forma a atender as necessidades de habitação do homem moderno, preservando o meio ambiente e os recursos naturais, garantindo qualidade de vida para as gerações atuais e futuras. Considera, ainda, a definição de outros pesquisadores renomados no assunto, como a de Carvalho, apud IDHEA (2013) (1996) que diz ser aquela que, com especial respeito e compromisso com o Meio Ambiente, implica no uso sustentável da energia ; e de Lanting, apud IDHEA (2013), que conceitua construção sustentável como aquela que reduz os impactos ambientais causados pelos processos construtivos, uso e demolição dos edifícios e pelo ambiente urbanizado. A primeira definição, mais abrangente, discorre sobre a preservação do meio ambiente e dos recursos naturais; a segunda ramifica para a eficiência energética; e a terceira deixa implícita a importância de se analisar o ciclo de vida de uma edificação, pelos materias especificados e pelos processos construtivos e plano de manutenção empregados, reduzindo os custo durante sua vida útil e minimizando os impactos de uma possível demolição, com o aproveitamento dos resíduos já inicialmente definido. 5. RESULTADOS 5.1. Práticas de sustentabilidade ambiental em aeroportos A página eletrônica da Enviro.aero (ENVIRO.AERO, 2011), em sua sessão Case Studies relaciona uma série de estudos de casos que reúnem as atitudes ambientalmente sustentáveis, adotadas aeroportos, visando à redução de sua pegada ecológica 1 e à aquisição da certificação Carbon Neutral 2. A Carbon Neutral Certification pode ser conseguida pela redução, ao mínimo possível, das emissões de gás carbônico em edificações e processos operacionais; e pela mitigação das emissões remanescentes, que não são passíveis de serem reduzidas pela realidade da época, até que novas tecnologias e soluções sejam desenvolvidas. As práticas de sustentabilidade ambiental adotadas em aeroportos, possíveis de análise através das publicações disponíveis da Enviro.aero (ENVIRO.AERO, 2011), encontram-se reunidos na Tabela 1. Tabela 1. Práticas de Sustentabilidade Ambiental em Aeroportos. País Aeroporto (Ano) Iniciativa Nova Christchurch International (2008) Programas de redução de emissão de Gás Zelândia Airport Carbônico. Austrália Melbourne Airport (2006) Pintura reflexiva de telhas metálicas da cobertura do terminal de passageiros. (2005) Emprego de tecnologias mais no sistema de Alemanha Hamburg Airport condicionamento de ar e implantação de um 'termolabirinto', sistema que pré aquece o ar exterior no inverno e pré resfria durante o verão. França Charles de Gaulle Airport (2003) Inauguração do Environment Partners Clubs, para auxílio ao aeroporto e suas concessionárias na implementação e gestão de políticas de sustentabilidade ambiental; (2007) Inauguração de linha de metrô direta ao aeroporto. 1 Entende-se por Pegada Ecológica a metodologia que contabiliza a pressão do consumo das populações humanas sobre os recursos naturais, permitindo a comparação de diferentes padrões de consumo. Essa comparação permite comparar de os padrões vigentes de consumo estão de acordo com a capacidade ecológica do planeta. 2 A certificação Carbon Neutral é concedida pela The Carbon Neutral Company, empresa fundada em 1997 com o objetivo de propor soluções para a redução na emissão de gás carbônico. Maiores informações podem ser obtidas no endereço eletrônico

5 Reino Unido Canadá Estados Unidos Japão Orly Airport Birmingham International Airport Heathrow Airport Vancouver Airport Montréal-Trudeau International Airport Oakland Airport International Dallas/Fort Worth Airport Phoenix Sky Harbor International Airport San Francisco International Airport Narita International Airport Fonte: compilado de Enviro.aero (Enviro.aero, 2011). (2005) Instalação de painéis solares para o aquecimento de água. (2008) Participação no Mercado de Carbono. (2008) Utilização de materiais sustentáveis na construção do novo terminal (T5); e incentivo ao uso de transportes públicos. (2003) Instalação de painéis solares para o aquecimento de água. (2004) Instalação de painéis solares para o aquecimento de água. ( ) Instalação de painéis solares. (2005) Incentivo ao uso de veículos de combustível alternativo. Adoção de políticas de reciclagem; Instalação de uma central de gás comprimido, para abastecimentos da frota aeroportuária e de clientes e usuários; paisagismo sustentável; instalação de sensores de presença para iluminação e ar condicionado. (2007) Instalação de painéis solares. (2005) Incentivos para o uso de aeronaves com menores emissões de ruídos. Por essa mesma tabela, é possível perceber uma concentração de ações ambientalmente sustentáveis em países europeus e norte-americanos. Isso pode ser explicado, em partes, e respectivamente, pelos programas ambientais desenvolvidos na Europa em função da assinatura do Protocolo de Kyoto, cuja principal meta era a de obter a redução na emissão de gases poluentes causadores do efeito estufa 3 por meio de compromissos vinculativos; e pela forte presença, nos Estados Unidos, da certificação Leadership in Energy and Environmental Design (LEED), e também pelas políticas de incentivos fiscais, existentes naquele país, para as construções verdes. Ainda, e se analisada separadamente as ações, percebe-se a predominância por aquelas que contribuem para a redução da emissão dos gases de efeito estufa, com a predominancia da substituição de fontes de energia elétrica por energias limpas, notadamente a solar, pela instalação de placas fotovoltáicas; pela instalação de tecnologias que visam à redução de energia elétrica, como sensores de presença para iluminação e condicionamento de ar; e também pelo incentivo ao uso de combustíveis alternativos. Contribui para essa predominância as políticas de carbono zero 4 difundidas e adotadas por muitos países Análise das práticas de sustentabilidade ambiental em aeroportos 3 Os principais gases causadores do efeito estufa, segundo o Protocolo de Kyoto são: dióxido de carbono (CO 2 ), metano (CH 4 ), óxido nitroso (N 2 O), hidroflurocarbonetos (HFCs), perfluorocarbonos (PFCs) e o exafluoreto de enxofre (SF6). 4 A política de carbono zero refere-se a reduzir a zero as emissões de dióxido de carbono, com fontes de energias substituídas para rodar em zero de emissão de gás de carbônico.

6 Depois de identificadas as práticas de sustentabilidade ambiental em aeroportos, disponíveis para os anos entre 2003 e 2008, faz-se a análise dos benefícios decorrentes da adoção dessas mesmas práticas, para os aeroportos cujos dados encontram-se disponíveis; e na mesma sequência apresentada na Tabela 1, a saber: Christchurch International Airport O Aeroporto Internacional de Christchurch, na Nova Zelândia, tornou-se o primeiro aeroporto do Hemisfério Sul a receber a certificação Carbon Neutral, através da adoção de medidas para a redução da emissão de gases causadores do efeito estufa, que tiveram início no ano de A produção desses gases, estimada em cerca de toneladas equivalentes de dióxido de carbono, para aquele ano, decorria principalmente da utilização da energia elétrica como fonte de energia, responsável por 55% das emissões; seguida pela liberação de gás metano decorrente de atividades agropecuárias realizadas dentro dos limites do sítio aeroportuário, responsável por 19% das emissões. Demais atividades, como o pouso e decolagem das aeronaves, manutenção das pistas e taxiways e queima de combustíveis, completava a porcentagem das emissões. A redução na emissão dos gases causadores do efeito estufa deveu-se à implantação de quatro medidas principais: - Implementação de programas para identificar e solucionar ineficiências energéticas no Terminal de Passageiros. - Utilização de energia proveniente de fontes renováveis para todas as demandas do aeroporto. A energia é proveniente da concessionária Meridian Energy, certificada pela Carbon- Neutral. - Implementação de programas de reciclagem, incluindo a reutilização de mais de 10% do volume de asfalto utilizado para manutenção das pistas e taxiways, em obras de manutenção e reforma. - Aquisição de veículos energeticamente eficientes. Essas medidas, juntamente com o desenvolvimento de ações mitigadores, tiveram como resultado o recebimento da certificação Carbon-Neutral pelo Aeroporto, significando que, em suas atividades operacionais, o aeroporto emite o mínimo possível de gases do efeito estufa. Para as emissões que não são passíveis de redução, são utilizadas as ações mitigadoras, como a regeneração de florestas locais. Melbourn Airport A cobertura do Aeroporto de Melbourn, na Austrália, compõe-se de telhas metálicas, que sob altas temperaturas transmitem calor para o interior das edificações. Para reduzir os ganhos térmicos provenientes dessa situação específica, no ano de 2006, o Aeroporto de Melbourn investiu na pintura de mais de ,00 metros quadrados de telhas com uma tinta denominada SkyCool, desenvolvida pelos próprios australianos, que tem como única função refletir os raios solares infravermelhos, evitando, assim, o aquecimento da edificação. Como resultado, após os 18 primeiros meses do término da pintura das telhas metálicas, verificou-se uma redução de ,00 toneladas de CO 2, devido a redução da utilização de ar condicionados. A comparação dos ganhos de temperatura nas superfícies pintadas e não pintadas com a SkyCool pode ser visualizada na Tabela 2. Tabela 2. Comparativo do ganho térmico em coberturas pintadas e não pintadas com SkyCool. Roof temp. Interior Unpainted 56º 41º

7 SkyCool TM 33º 27.5º Fonte: ACI, Hamburg Airport As ações de sustentabilidade ambiental adotadas no Aeroporto de Hamburgo tiveram início em 2005 e foram consideradas para construção do Terminal de Passageiros 1, no intuito de representarem uma melhora da eficiência energética desse mesmo Terminal em torno de 15 a 20%. Destacando-se duas dessas ações: - Utilização de sistemas de condicionamento de ar a base de água. - Adoção de um termo-labirinto no piso do terminal. A utilização de sistemas de condicionamento a base de água representam uma eficiência energética em torno de 15% maior do que os sistemas de condicionamento a base de ar. A adoção de um termo-labirinto, sistema que pré aquece o ar exterior durante o inverno e pré resfria o ar durante o verão, por sua vez, representa uma diminuição anual de aproximadamente 1.450MWh no consumo de energia do Terminal 1. Além das ações consideradas acima, ressalva-se que toda a demanda de água não potável são provenientes da reutilização das águas de chuva. Heathrow Airport O Aeroporto de Heathrow, considerado um dos aeroportos internacionais de maior movimentação do mundo, obteve a redução dos impactos ambientais, que decorreriam em função da construção de seu Terminal 5, através do emprego de materiais de construção ambientalmente sustentáveis e programas de reciclagem, que iniciaram-se no ano de 2008, a saber: - Utilização somente dos tipos de madeiras certificadas pela Forest Stewardship Council (FSC) 5. - Reciclagem de mais de ,00 toneladas de resíduos provenientes de demolições e desperdícios de concreto. - Adoção de um sistema de classificação e segregação de resíduos de construção, com a reciclagem de mais de 85% desses resíduos. Somada a essas ações, tem-se a reutilização de 85% das águas provenientes das chuvas, o que proporciona uma economia de até 70% na demanda de água potável da rede pública de abastecimento. Vancouver Airport O Aeroporto de Vancouver, o segundo mais movimentado do Canadá (ACI, 2007), investiu, no ano de 2003, na instalação de 100 painéis solares, a fim de compor um sistema solar de aquecimento de água. Instalados na cobertura do Terminal Doméstico do Aeroporto, o sistema composto pelos painéis solares contribui para o aquecimento de cerca de 800 galões de água a cada hora. Somam-se a essa iniciativa a implementação de sistemas de controle de iluminação e temperatura noturnos; instalação de sensores para controle de emissão de CO 2 ; e melhoria do programa de manutenção dos recursos e sistemas. A instalação do sistema de aquecimento solar, por si só, resultou em uma redução de energia de aproximadamente GJ por ano, com uma consequente economia em torno de $90.000,00 também por ano. As demais ações, em conjunto com o sistema de aquecimento solar, responderam por uma diminuição em torno de 30% no consumo de gás natural no Terminal Doméstico do Aeroporto de Vancouver. 5 O FSC, Forest Stewardship Council, é uma organização independente, não governamental, sem fins lucrativos, criada para promover o manejo florestal responsável ao redor do mundo (FSC, 2013).

8 Outras ações de sustentabilidade ambiental são implementadas como, por exemplo: - Educação ambiental dos funcionários do Aeroporto, com foco na importância e resultados ambientais e econômicos de eficiência energética e conservação de energia, inclusive incentivos financeiros para aqueles funcionários que conseguirem reduzir o consumo de energia em suas estações de trabalho. - Instalação de lâmpadas tipo LED para a iluminação das taxiways. - Instalação de lâmpadas energeticamente eficientes em alguns dos andares do prédio de estacionamentos. - Substituição de equipamentos, como computadores, por modelos mais econômicos e eficientes. - Melhorias diversas no chiller do sistema de distribuição de água. Para essas outras ações foi estimada uma redução de mais de kwh de energia, por ano; e, no caso da instalação das lâmpadas tipo LED, redução dos custos de manutenção. Oakland International Airport Localizado na área litorânea de São Francisco, Califórnia, o Aeroporto Internacional de Oakland tem investido, desde 2007, em iniciativas focadas na utilização de fontes alternativas/sustentáveis de energia e combustíveis, com o objetivo de reduzir as emissões de gases causadores do efeito estufa e garantir a qualidade do ar local. As iniciativas incluem: - Inauguração de uma central de Gás Natural para o abastecimento de veículos, em substituição ao tradicional uso da gasolina. - Inclusão, nos contratos com as companhias responsáveis pelo transporte de solo, de cláusula que obriga a aquisição de veículos movidos a combustíveis alternativos, notadamente gás natural, em uma porcentagem de 50% para as frotas de cada companhia de transporte. Com essa medida, 65% dos táxis e 20% dos transportes coletivos (shuttle vans) que operam no Aeroporto passaram a serem movidos à gás natural. - Redução da utilização de combustíveis fósseis, como o diesel, na movimentação e operação de aeronaves. - Instalação de um sistema fotovoltaico no prédio ocupado pela transportadora FedEx. Esse sistema gera cerca de 80% da energia elétrica consumida pela transportadora. Em questão de resultados, apenas a inauguração da central de Gás Natural foi responsável pela substituição de mais de ,00 galões equivalentes de gasolina. Para as outras ações não foram disponibilizados os benefícios alcançados. Dallas/Fort Worth Airport Desde a década de 90, o Aeroporto Forth Worth, em Dallas, tem adotado medidas para a redução das emissões de óxidos de nitrogênio (NO x ) e monóxido de carbono (CO), com a finalidade de reduzir as emissões de gases poluentes causadores do efeito estufa, contribuindo para garantir, assim, a qualidade do ar local. Os principais esforços para atingir tais anseios foram concentrados em alterações nos sistemas de energia e condicionamento de ar, bem como de mudanças na frota de veículos terrestres. Até o ano de 2005, foram contabilizadas as seguintes conquistas: - 100% dos veículos terrestres das categorias leve e média, incluindo ônibus e minivans, e 72% das categorias pesada e off-road foram substituídos por veículos movidos à combustíveis alternativos, a maioria a gás natural. - 87% da frota dos veículos tipo leve e médio enquadravam-se nos requisitos de qualidade para veículos de baixa emissão. - 3% da frota dos veículos tipo leve e médio eram do tipo híbrido ou elétrico. - Substituição dos equipamentos existentes de boilers e chillers por aqueles com tecnologia low-e.

9 Somente esta última ação resultou na diminuição de 97% dos óxidos de nitrogênio; enquanto que todas as ações, em conjunto, contribuíram para a redução das 120 toneladas de emissão de gases poluentes, em 1996, dominadas pelos óxidos de nitrogênio e monóxidos de carbono, para 15 toneladas no ano de 2005, representando uma redução total nas emissões de 87,5% em menos de 10 anos. San Francisco International Airport O Aeroporto Internacional de São Francisco (SFO), localizado no litoral da Califórnia, tem implamentado, continuamente, e através de um departamento próprio (Departmental Climate Action Plan), programas que visam à mitigação e redução dos impactos ambientais a serem causados pelos próximos anos de operação do Aeroporto, com o foco na melhoria da qualidade do ar local, redução da poluição, conservação e qualidade da água, redução e reciclagem dos resíduos, e conservação e eficiência energética. No que diz respeito aos assuntos relacionados à eficiência energética, o Aeroporto Internacional de São Francisco, iniciou, no ano de 2007, a aquisição de painéis solares a serem instalados na cobertura do Terminal Doméstico 3, com capacidade de produção de 445kW, necessário para suprir toda a demanda de energia para a iluminação diária do referido terminal, uma vez que previa-se a substituição de mais de lâmpadas existentes por modelos mais eficientes e econômicos. Como a instalação desses painéis, que compõe o segundo sistema fotovoltaico do Aeroporto, espera-se uma geração anual de aproximadamente ,00 kwh e consequente redução de 7.200,00 toneladas de dióxido de carbono (CO 2 ) em um período de trinta anos após o início do funcionamento do sistema. O primeiro sistema fotovoltaico instalado, em setembro de 2001, com capacidade de produção de 20kW contribuiu para a redução de cerca de kwh nos seis primeiros anos de funcionamento. Além da instalação de painéis solares, no ano de 2003, foi realizada e inauguração de um sistema automatizado de transporte de passageiros entre os terminais do aeroporto, estacionamentos e empresas de aluguel de carros, eliminando cerca de ,00 viagens de veículos entre esses trajetos e reduzindo em 565 toneladas as emissões anuais de C0 2. Narita International Airport O Aeroporto internacional de Narita, localizado no Japão, diferentemente das abordagens feitas pelos estudos de caso relacionados acima, investiu esforços não para a redução e/ou mitigação dos impactos ambientais causados pela operacionalidade do Aeroporto, mas para a redução dos níveis de ruídos causados pela movimentação das aeronaves. Objetivando tal conquista, o Aeroporto introduziu, em outubro de 2005, um sistema diferenciado de cobrança de tarifas para pouso, decolagem e manobras de aeronaves, baseado no nível de ruído gerado durante essas operações, o Narita Aircraft Noise Rating Index (NANRI). O Narita Aircraft Noise Rating Index (NANRI) definiu, de acordo com o estabelecido pela ICAO, seis categorias, de A a F para a classificação dos ruídos. Para a categoria A, de menor índice, as reduções das tarifas chegavam a 31%; enquanto que para as aeronaves classificadas na categoria F, as mesmas tarifas eram reduzidas somente em 12%. Com a implantação desse sistema, os resultados refletiram-se na redução de até 60% no índice de ruídos causados pela movimentação das aeronaves, entre os anos de 2004 e Além dessas reduções, outra consequência, visto que a redução dos níveis de ruídos devese à aquisição de aeronaves com tecnologias mais avançadas e modernas, que necessitam de uma menor queima de combustível para os eu funcionamento, é a redução da emissão de gases poluentes, contribuindo, também, para a melhora da qualidade do ar local. 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS

10 Pelos dispostos acima, pode-se perceber a complexidade de atividades que envolvem a operacionalidade de um aeroporto. Devido a essa mesma complexidade, é notável o grande consumo dos mais variados recursos, principalmente naturais, nessas diversas atividades; como também é preocupante a quantidade de resíduos gerados. Assim, torna-se necessária a adoção de medidas de sustentabilidade ambiental que visem a redução do impacto causado pelas atividades aeropotuárias ao meio ambiente. Como demonstram os estudos de caso considerados nesse artigo, conclui-se que, as iniciativas compreendidas no período do estudo, entre os anos de 2002 a 2007, tinham como foco a redução das emissões de gases causadores do efeito estufa, como o dióxido de carbono. Para a redução das emissões, investiu-se predominantemente na substituição das fontes de combustíveis fósseis por combustíveis alternativos, como o gás natural; e a substituição de energia elétrica convencional pela energia solar, proveniente tanto da instalação de sistemas de coletores solares, para o aquecimento de água, quanto da instalação de sistemas fotovoltáicos para a geração de energia elétrica. REFERÊNCIAS ASHFORD, Norman; WRIGHT, Paul H. Airport Engineering. Third Edition. Canada: John Wiley & Sons, INC, p. BRASIL. Presidência da República. Lei n.º 7.565, de 19 de dezembro de Dispõe sobre o Código Brasileiro de Aeronáutica. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l7565.htm >. Acesso em: 12 mai CARRA, T.A.; CONCEIÇÃO, F.T.; TEIXEIRA, B.B. Indicadores para a gestão de resíduos sólidos em aeroportos e sua aplicação no Aeroporto Internacional de Viracopos, Campinas, São Paulo. Eng. Sanit. Ambient, v.18, n.2, p , CEF. Caixa Econômica Federal. Selo Casa Azul. Boas Práticas para Habitação Mais Sustentável. São Paulo: Páginas & Letras - Editora e Gráfica, p. ENVIRO.AERO. Case studies. Airports. Disponível em < Acesso em: 03 nov IDHEA. Instituto para o Desenvolvimento da Habitação Ecológica. Construção Sustentável. Disponível em : <http://www.idhea.com.br/construcao_sustentavel.asp>. Acesso em: 10 abr INFRAERO. Infraero Aeroportos. A Infraero. Disponível em: < Acesso em: 10 abr FSC. Forest Stewardship Council. Sobre o FSC Brasil. Disponível em: < Acesso em: 09 nov GBCB. Green Building Council Brasil. Certificação para Construção Sustentável. Material de Curso Ministrado pela GBC Brasil. Brasil, MATTHEWS, E.; AMANN, C.; BRINGEZU, S.; FISCHER-KOWALSKI, M.; HÜTTLER, W.; KLEIJN, R.; MORIGUCHI, Y.; OTTKE, C.; RODENBURG, E.; ROGICH, D.; SCHANDL, H.; SCHÜTZ, H.; VAN DER VOET, E.; WEISZ, H.. The weight of nations: material outflows from 106 industrial economies. Washington, DC: World Resources Institute, Disponível em: < em: 15 out

11 SOUZA, E. C.; JÚNIOR,W.C.S.; RIBEIRO, E.N.; PESSOA,G.B.P. Uso Eficiente da Água: O Caso do Aeroporto Internacional de São Paulo. In: II SIMPÓSIO DE RECURSOS HÍDRICOS DO SUL- SUDESTE. Rio de Janeiro, 2008.

GREEN BUILDING COUNCIL BRASIL Building a Sustainable Future

GREEN BUILDING COUNCIL BRASIL Building a Sustainable Future GREEN BUILDING COUNCIL BRASIL Building a Sustainable Future "Desenvolver a indústria da construção sustentável no país, utilizando as forças Visão de mercado do GBC para conduzir Brasil a adoção (Sonho

Leia mais

Sustentabilidade em Edificações Públicas Entraves e Perspectivas

Sustentabilidade em Edificações Públicas Entraves e Perspectivas Câmara dos Deputados Grupo de Pesquisa e Extensão - Programa de Pós-Graduação - CEFOR Fabiano Sobreira SEAPS-NUARQ-CPROJ-DETEC Valéria Maia SEAPS-NUARQ-CPROJ-DETEC Elcio Gomes NUARQ-CPROJ-DETEC Jacimara

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade, paisagens e ecossistemas visualmente atraentes e que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade e de paisagens e ecossistemas visualmente atraentes que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 2014

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 2014 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 2014 Outubro/2014 VERSÃO 01 AUTOR Guilherme Pacheco Schuchter Belo Horizonte, MG Brasil guilherme@waycarbon.com COLABORADORES Jussara Utsch Belo Horizonte, MG Brasil jussara.utsch@scdcbrasil.com.br

Leia mais

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis A Produção de Empreendimentos Sustentáveis Arq. Daniela Corcuera arq@casaconsciente.com.br www.casaconsciente.com.br A construção sustentável começa a ser praticada no Brasil, ainda com alguns experimentos

Leia mais

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas:

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas: Relatório de Emissões de Carbono Camarote Expresso 2222 Carnaval Salvador 2010 Introdução As atividades da humanidade têm aumentado como nunca visto a concentração de gases poluidores na atmosfera. Alguns

Leia mais

Gases de Efeito Estufa na Aviação Civil

Gases de Efeito Estufa na Aviação Civil Relatório de Emissões Relatório Nacional de Emissões de Gases de Efeito Estufa na Aviação Civil Alexandre Filizola NEPA/SAR São José dos Campos, Junho de 2010 Objetivo Apresentar o trabalho que tem sido

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

A Visão do Transporte Aéreo sobre as Fontes Renováveis de Energia

A Visão do Transporte Aéreo sobre as Fontes Renováveis de Energia A Visão do Transporte Aéreo sobre as Fontes Renováveis de Energia Seminário DCA-BR - Fontes Renováveis de Energia na Aviação São José dos Campos 10 de junho de 2010 Cmte Miguel Dau Vice-Presidente Técnico-Operacional

Leia mais

Automação para desempenho ambiental e desenho universal

Automação para desempenho ambiental e desenho universal Automação para desempenho ambiental e desenho universal 58 pontos providos por sistemas de e equipamentos periféricos Eng. Gabriel Peixoto G. U. e Silva Selos verdes AQUA (selo francês HQE) Alta Qualidade

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes.

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. As mudanças nos ecossistemas, causadas pelo modelo de desenvolvimento econômico atual, trazem impactos

Leia mais

Geografia. Professor: Jonas Rocha

Geografia. Professor: Jonas Rocha Geografia Professor: Jonas Rocha Questões Ambientais Consciência Ambiental Conferências Internacionais Problemas Ambientais Consciência Ambiental Até a década de 1970 o homem acreditava que os recursos

Leia mais

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO Medidas estão sendo tomadas... Serão suficientes? Estaremos, nós, seres pensantes, usando nossa casa, com consciência? O Protocolo de Kioto é um acordo internacional, proposto

Leia mais

CGD. Relatório de Compensação de Emissões de GEE

CGD. Relatório de Compensação de Emissões de GEE CGD 1 RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE GEE CGD S.A. 2014 2 CGD Relatório de Compensação de Emissões de GEE - CGD S.A. 2014 1.1 Introdução O Programa de Baixo Carbono, pioneiro no setor da banca

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA IPOJUCATUR TRANSPORTES E TURISMO LTDA ANO BASE 2009

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA IPOJUCATUR TRANSPORTES E TURISMO LTDA ANO BASE 2009 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA IPOJUCATUR TRANSPORTES E TURISMO LTDA ANO BASE 2009 ÍNDICE 1. A Empresa 03 2. Objetivo 03 3. Inventário segundo a ISO 14.064-01 03 4. Identificação dos

Leia mais

Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia Solar para Aquecimento de Água

Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia Solar para Aquecimento de Água Seminário: COPA DO MUNDO DE 2014 NORMATIZAÇÃO PARA OBRAS SUSTENTÁVEIS Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle do Senado Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2013

Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2013 Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2013 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. GHG PROTOCOL... 2 2.1 Premissas... 3 2.1.1 Definições... 3 2.1.1.1. Período... 3

Leia mais

White Paper Inventário de Gases de Efeito Estufa

White Paper Inventário de Gases de Efeito Estufa White Paper Inventário de Gases de Efeito Estufa O que você precisa saber? Inventário de Gases de Efeito Estufa O que você precisa saber? Sumário Objetivo... 2 Parte 1 - Entendendo o Inventário de Gases

Leia mais

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa. Evento: CORRIDA ESPERANÇA - 2011

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa. Evento: CORRIDA ESPERANÇA - 2011 2011 Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa Evento: CORRIDA ESPERANÇA - 2011 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. A GREEN CO 2.... 3 2.1. VISÃO.... 3 2.2. MISSÃO.... 3 2.3. OBJETIVOS.... 3 2.4. VALORES....

Leia mais

Padrões de produção e consumo

Padrões de produção e consumo INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO 113 Padrões de produção e consumo Recicloteca da COMLURB - Gávea 114 INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO ÁGUA ATMOSFERA SOLO BIODIVERSIDADE

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS 4 2º INVENTÁRIO BRASILEIRO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA 5 PERSPECTIVAS E DESAFIOS 6

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

Pesquisa Energy Efficiency Indicator 2011 Resultados - Parceiros Brasil. Resumo - Resultados Parceiros Brasil

Pesquisa Energy Efficiency Indicator 2011 Resultados - Parceiros Brasil. Resumo - Resultados Parceiros Brasil Pesquisa Energy Efficiency Indicator 2011 Resultados - Parceiros Resumo - Resultados Parceiros Agosto de 2011 Introdução A quinta edição da pesquisa anual Energy Efficiency Indicator, analisou a opinião

Leia mais

Ecoeficiência. Inventário de emissões. Assumimos o compromisso de monitorar as emissões de GEE anualmente

Ecoeficiência. Inventário de emissões. Assumimos o compromisso de monitorar as emissões de GEE anualmente Relatório Anual de Sustentabilidade 2011 69 Ecoeficiência A Redecard aprimorou seu nível de controle de consumo de água, energia elétrica, combustível e da geração de lixo para adotar práticas responsáveis

Leia mais

Disciplina Construção de Edifícios - Engenharia Civil - UFJF. Prof. Pedro Kopschitz Xavier Bastos

Disciplina Construção de Edifícios - Engenharia Civil - UFJF. Prof. Pedro Kopschitz Xavier Bastos Disciplina Construção de Edifícios - Engenharia Civil - UFJF Prof. Pedro Kopschitz Xavier Bastos Uso irresponsável dos recursos naturais: Erosão do solo Contaminação de lençóis de água Extinção de espécies

Leia mais

Desafios para enfrentar. o papel dos edifícios verdes. Secretaria do Verde e Meio Ambiente

Desafios para enfrentar. o papel dos edifícios verdes. Secretaria do Verde e Meio Ambiente Desafios para enfrentar mudanças as climáticas e o papel dos edifícios verdes Secretaria do Verde e Meio Ambiente DESAFIOS PARA AS CIDADES Redução da emissão global dos gases que causam efeito estufa 50%

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL Nº 164 GERENCIAMENTO DO RISCO DA FAUNA NOS AERÓDROMOS PÚBLICOS JUSTIFICATIVA

PROPOSTA DE REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL Nº 164 GERENCIAMENTO DO RISCO DA FAUNA NOS AERÓDROMOS PÚBLICOS JUSTIFICATIVA PROPOSTA DE REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL Nº 164 GERENCIAMENTO DO RISCO DA FAUNA NOS AERÓDROMOS PÚBLICOS JUSTIFICATIVA 1. APRESENTAÇÃO A proposta de Regulamento Brasileiro da Aviação Civil nº

Leia mais

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011 Visão do Desenvolvimento nº 97 4 ago 2011 Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono Por André Albuquerque Sant Anna (APE) e Frederico Costa Carvalho (AMA) Economistas

Leia mais

Consumo Consciente Energia Elétrica

Consumo Consciente Energia Elétrica Consumo Consciente Energia Elétrica Agosto 2010 Planeta SUSTENTABILIDADE NO CONSUMO Incentivo ao consumo responsável e consciente IMPORTÂNCIA DA ENERGIA PARA O GRUPO Compra energia elétrica de 23 concessionárias

Leia mais

Painel Energias Limpas

Painel Energias Limpas Painel Energias Limpas Délio Malheiros Secretário Municipal de Meio Ambiente Vice Prefeito Prefeitura de Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil Santa Fé, 11 a 13 de setembro de 2013. 1 Energia Solar no

Leia mais

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Conteúdo: O efeito estufa. Habilidade: Demonstrar uma postura crítica diante do uso do petróleo. REVISÃO Reações de aldeídos e cetonas. A redução de um composto

Leia mais

Sustentabilidade Empresarial

Sustentabilidade Empresarial Política de Sustentabilidade como Instrumento de Competitividade São Paulo Out/2010 Laercio Bruno Filho 1 Desenvolvimento Sustentável 2 Aquecimento Global Word Population WORLD GDP 3 Questões Críticas

Leia mais

In Press Porter Novelli Inventário de Emissões Corporativas 2009

In Press Porter Novelli Inventário de Emissões Corporativas 2009 In Press Porter Novelli Inventário de Emissões Corporativas 2009 1 Sumário 1. Introdução 1.1. Empresa 1.2. Inventário 1.3. Metodologia de Cálculo 2. Determinação do Inventário 2.1. Limites do Inventário

Leia mais

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS CONTEÚDO CRITÉRIO I - POLÍTICA... 2 INDICADOR 1: COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 2 CRITÉRIO II GESTÃO... 3 INDICADOR 2: RESPONSABILIDADES... 3 INDICADOR 3: PLANEJAMENTO/GESTÃO

Leia mais

Contribuição do Projeto BK Energia Itacoatiara para o Desenvolvimento Sustentável. a) Contribuição para a sustentabilidade ambiental local

Contribuição do Projeto BK Energia Itacoatiara para o Desenvolvimento Sustentável. a) Contribuição para a sustentabilidade ambiental local Contribuição do Projeto BK Energia Itacoatiara para o Desenvolvimento Sustentável a) Contribuição para a sustentabilidade ambiental local O projeto BK Energia Itacoatiara contribui para a sustentabilidade

Leia mais

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS:

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: CIDADES SUSTENTÁVEIS OU COLAPSO ANUNCIADO? Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Cidades são parte do Problema Atividades

Leia mais

Eficiência Energética e sustentabilidade ambiental CTCV Centro Tecnológico da cerâmica e do Vidro 25 de Fevereiro 2014

Eficiência Energética e sustentabilidade ambiental CTCV Centro Tecnológico da cerâmica e do Vidro 25 de Fevereiro 2014 Eficiência Energética e sustentabilidade ambiental CTCV Centro Tecnológico da cerâmica e do Vidro 25 de Fevereiro 2014 Soluções para coberturas Telhas e acessórios cerâmicas Fibrocimento Complementos para

Leia mais

Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO

Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO I Ocorre de maneira natural; Atividade humana; Década de 1970 preocupação com a biodiversidade e poluição; Esforço global... Substituir civilização

Leia mais

Emissões e Consumo do Veículo Convencional e VEH: Resultados Medidos

Emissões e Consumo do Veículo Convencional e VEH: Resultados Medidos Emissões e Consumo do Veículo Convencional e VEH: Resultados Medidos Suzana Kahn Ribeiro Programa de Engenharia de Transportes COPPE/UFRJ IVIG Instituto Virtual Internacional de Mudanças Climáticas Estrutura

Leia mais

Introdução àpegada de carbono

Introdução àpegada de carbono Introdução àpegada de carbono Judith Sykes Gases de Efeito Estufa 1 Gases de Efeito Estufa Gas Concentration in 1988 (ppmv) GWP** Dióxido de carbono (CO 2 ) 365 1 Metano (CH 4 ) 1,75 23 Óxido nitroso (N

Leia mais

A POLUIÇÃO DO AR POR NAVIOS

A POLUIÇÃO DO AR POR NAVIOS A POLUIÇÃO DO AR POR NAVIOS A crescente preocupação da comunidade internacional com a proteção do meio ambiente tem trazido à baila a poluição do ar causada pelas embarcações. Em conseqüência, o Anexo

Leia mais

Proposta metodológica para cálculo de emissões de gases de efeito estufa e de plano de mitigação em eventos realizados no estado de Minas Gerais

Proposta metodológica para cálculo de emissões de gases de efeito estufa e de plano de mitigação em eventos realizados no estado de Minas Gerais Nota Técnica Nº 1/2013 GEMUC/DPED/FEAM Proposta metodológica para cálculo de emissões de gases de efeito estufa e de plano de mitigação em eventos realizados no estado de Minas Gerais Maio 2013 Carolina

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2014. Inventário Parcial

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2014. Inventário Parcial Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2014 1. Dados do inventário Banco Santander S.A. (Brasil) Tipo de preenchimento: 1.1 Responsável pela elaboração do inventário

Leia mais

The Boeing Company Resumo do relatório ambiental de 2014. Construindo um mundo melhor

The Boeing Company Resumo do relatório ambiental de 2014. Construindo um mundo melhor The Boeing Company Resumo do relatório ambiental de 2014 Construindo um mundo melhor POLÍTICA E ESTRATÉGIA AMBIENTAL A inovação e a tecnologia estão no centro do que fazemos na Boeing e são fundamentais

Leia mais

Soluções sustentáveis para a vida.

Soluções sustentáveis para a vida. Soluções sustentáveis para a vida. A Ecoservice Uma empresa brasileira que está constantemente em busca de recursos e tecnologias sustentáveis para oferecer aos seus clientes, pessoas que têm como conceito

Leia mais

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa Inventário de de Gases de Efeito Estufa Projeto Coral Vivo Priscila G. C. Sette Moreira CREA 49.354/D Inventário de de Gases de Efeito Estufa 1 Introduça o A variação do clima é um fenômeno natural que

Leia mais

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial;

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; AMBIENTALISMO NO MUNDO GLOBALIZADO 1 O Ano Passado 2 Degradação do meio ambiente A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; A mobilização da sociedade com objetivo de conter

Leia mais

PROGRAMA CAIXA CARBONO ZERO

PROGRAMA CAIXA CARBONO ZERO PROGRAMA CAIXA CARBONO ZERO A compensação de emissões inevitáveis decorrentes da atividade da CGD constitui uma das peças do Programa Caixa Carbono Zero. Com a meta de neutralidade carbónica Caixa Carbono

Leia mais

Inventário de Emissões de GEE: Ferramenta Estratégica para uma Economia de Baixo Carbono

Inventário de Emissões de GEE: Ferramenta Estratégica para uma Economia de Baixo Carbono Inventário de Emissões de GEE: Ferramenta Estratégica para uma Economia de Baixo Carbono Temas abordados 1. Quem somos 2. Efeito estufa e aquecimento global 3. Marco regulatório 4. O inventário de emissões

Leia mais

Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável

Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável São Paulo Maio 2008 Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável Sustentabilidade em Edificações

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa (GEE) do Grupo Abril -2010-

Inventário de Gases de Efeito Estufa (GEE) do Grupo Abril -2010- Inventário de Gases de Efeito Estufa (GEE) do Grupo Abril -2010- ÍNDICE Impactos das Mudanças Climáticas Conceitos Inventário de Gases de Efeito Estufa do Grupo Abril Ano 2010 Impactos das Mudanças Climáticas

Leia mais

ENERGY EFFICIENCY INDICATOR

ENERGY EFFICIENCY INDICATOR ENERGY EFFICIENCY INDICATOR Resultados 2011 Parceiros Brasil 1 A PESQUISA ENERGY EFFICIENCY INDICATOR Em sua quinta edição, a pesquisa atingiu quase 4 mil respondentes A pesquisa global Energy Efficiency

Leia mais

As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações

As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações WORKSHOP ASPECTOS RELEVANTES DA PRÁTICA EMPRESARIAL EM GESTÃO AMBIENTAL CAMPINAS, 17 DE ABRIL 2010 As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações Profa. Josilene T.V.Ferrer Estado de São

Leia mais

Under Strict Embargo Not for distribution or publication until 19 November, 2014, 10:01 Washington D.C. Time (EST)/15:01 GMT

Under Strict Embargo Not for distribution or publication until 19 November, 2014, 10:01 Washington D.C. Time (EST)/15:01 GMT Under Strict Embargo Not for distribution or publication until 19 November, 2014, 10:01 Washington D.C. Time (EST)/15:01 GMT NEGOCIAÇÕES FUNDAMENTAIS SOBRE MUDANÇA CLIMÁTICA CRUCIAL NOS PRÓXIMOS DIAS EM

Leia mais

Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa

Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa Inventário Corporativo de Gases do Efeito Estufa 2011 Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa Gerente do Projeto: Iris Gobato Gercov Consultora: Adriane Elise de Assunção Flausino Consultor:

Leia mais

Artigo Técnico. Empreendedores, sustentabilidade e pré fabricados

Artigo Técnico. Empreendedores, sustentabilidade e pré fabricados Artigo Técnico Empreendedores, sustentabilidade e pré fabricados O novo paradigma da civilização é, sem dúvida, a sustentabilidade. Chegamos a um momento em que é necessário reinterpretar o conceito de

Leia mais

A RESPONSABILIDADE AMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL

A RESPONSABILIDADE AMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL A RESPONSABILIDADE AMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL Adriano Aldrey Pereira Sousa 2 Diana Bárbara Portela Cruz 2 Magno Pereira Correa 2 Claudemir Gomes 3 RESUMO: A necessidade de preservar o meio

Leia mais

2 Documento de Referência CarbonOk

2 Documento de Referência CarbonOk 2 Documento de Referência CarbonOk SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 5 2 PROGRAMA CARBONOK... 6 2.1 Missão... 6 2.2 Objetivos... 6 2.3 Valores... 7 2.4 Metodologia... 7 2.5 Atuação... 8 2.6 Responsável... 9 3

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

Emissões de gases de efeito estufa durante o ciclo de vida das fachadas de edifícios comerciais

Emissões de gases de efeito estufa durante o ciclo de vida das fachadas de edifícios comerciais Emissões de gases de efeito estufa durante o ciclo de vida das fachadas de edifícios comerciais Vanessa Montoro Taborianski, Racine T. A. Prado Laboratório de Sistemas Prediais da Escola Politécnica da

Leia mais

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Projeto: Geração de eletricidade a partir de fontes

Leia mais

Relatório de Neutralização das Emissões de Gases de Efeito Estufa Janeiro de 2009

Relatório de Neutralização das Emissões de Gases de Efeito Estufa Janeiro de 2009 Relatório de Neutralização das Emissões de Gases de Efeito Estufa Janeiro de 2009 Relatório de Neutralização das Emissões de Gases de Efeito Estufa Janeiro de 2009 Apresentação 1 Aquecimento Global 2 Controle

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Projeto de lei n. Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima e fixa seus princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos. A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte

Leia mais

Relatório de Neutralização das emissões de gases do efeito estufa

Relatório de Neutralização das emissões de gases do efeito estufa 2011 Inventário de GEE Relatório de Neutralização das emissões de gases do efeito estufa Evento: -Super 9k Montevérgine -Prova Ciclística 9 de Julho 0 Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa

Leia mais

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental Eco Houses / Casas ecológicas Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental IDHEA - INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DA HABITAÇÃO ECOLÓGICA Conceito:

Leia mais

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento.

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento. MERCADO DE CARBONO M ERCADO DE C A R O mercado de carbono representa uma alternativa para os países que têm a obrigação de reduzir suas emissões de gases causadores do efeito estufa e uma oportunidade

Leia mais

CERTIFICAÇÃO LEED O QUE CERTIFICA E COMO E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL

CERTIFICAÇÃO LEED O QUE CERTIFICA E COMO E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL CERTIFICAÇÃO LEED O QUE CERTIFICA E COMO E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL Introdução: A tendência de sustentabilidade e respeito ao meio ambiente estão tomando conta de diversos setores

Leia mais

Uso e Ocupação do Solo. Escolha do local de projeto de acordo com critérios de sustentabilidade

Uso e Ocupação do Solo. Escolha do local de projeto de acordo com critérios de sustentabilidade Uso e Ocupação do Solo Escolha do local de projeto de acordo com critérios de sustentabilidade Os principais objetivos do projeto de um sítio sustentável são minimizar o impacto no local e aumentar os

Leia mais

Tecnologia de Tração Elétrica

Tecnologia de Tração Elétrica REV.00 01 Tecnologia de Tração Elétrica Veículos a Bateria Trólebus Híbridos Hidrogênio Fuel Cel ou Pilha a Combustível 02 Veículos a Bateria VANTAGENS 1. TOTALMENTE ELÉTRICO. POLUIÇÃO PRATICAMENTE ZERO.

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2015

Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2015 Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2015 Nome da instituição: De Angeli Feiras & Eventos Tipo de instituição: Evento Setor econômico: Turismo Endereço: Edifício

Leia mais

A Iniciativa para a Sustentabilidade do Cimento. 10 anos de progresso avançar para a próxima década

A Iniciativa para a Sustentabilidade do Cimento. 10 anos de progresso avançar para a próxima década A Iniciativa para a Sustentabilidade do Cimento 10 anos de progresso avançar para a próxima década A Iniciativa para a Sustentabilidade do Cimento 10 anos de progresso avançar para a próxima década Em

Leia mais

Divisão de Questões Globais PROCLIMA Programa de Prevenção às Mudanças Climáticas CETESB Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental

Divisão de Questões Globais PROCLIMA Programa de Prevenção às Mudanças Climáticas CETESB Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental João Wagner Alves 1 Divisão de Questões Globais PROCLIMA Programa de Prevenção às Mudanças Climáticas CETESB Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental Agradecimentos: Prof. Dr. Ronaldo Balassiano

Leia mais

EMISSÕES DE CO2 USO DE ENERGIA RESÍDUOS SÓLIDOS USO DE ÁGUA 24% - 50% 33% - 39% 40% 70%

EMISSÕES DE CO2 USO DE ENERGIA RESÍDUOS SÓLIDOS USO DE ÁGUA 24% - 50% 33% - 39% 40% 70% USO DE ENERGIA EMISSÕES DE CO2 USO DE ÁGUA RESÍDUOS SÓLIDOS 24% - 50% 33% - 39% 40% 70% Certificado Prata Ouro Platina Prevenção de Poluição nas Atividades de Construção: Escolha do terreno Densidade

Leia mais

Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a construção sustentável

Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a construção sustentável Seminário: Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a construção sustentável Hugo da Costa Rodrigues Filho Hugo da Costa Rodrigues Filho Associação Brasileira de Cimento Portland,

Leia mais

Eficiencia Energética e Sustentabilidade

Eficiencia Energética e Sustentabilidade Eficiencia Energética e Sustentabilidade Sorocaba Setembro 2010 Linda Murasawa Superintendente de Desenvolvimento Sustentavel Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento sustentável é aquele que satisfaz

Leia mais

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL COLÓQUIO EMPREGOS VERDES E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS 20.08.2009

Leia mais

dicas sustentáveis Como crescer com práticas responsáveis

dicas sustentáveis Como crescer com práticas responsáveis dicas sustentáveis Como crescer com práticas responsáveis Um desafio que envolve você! Compartilhamos os mesmos espaços e problemas, mas também as soluções. É fundamental ter atitudes responsáveis, suprindo

Leia mais

Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil. A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto

Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil. A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto Histórico das reuniões 1992 - assinam a Convenção Marco sobre Mudança Climática na ECO-92.

Leia mais

Conceito e Evolução da utilização da Energia

Conceito e Evolução da utilização da Energia Energia Limpa Agenda O que é energia limpa? Tipos de energia limpa Energia Hídrica Energia Eólica Energia Geotérmica Biomassa Energia Solar Energia do Mar O Brasil neste cenário Protocolo de Kyoto Conceito

Leia mais

Barra/Gávea 2012 EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE. Plano de Metas EP+20 +5. O O que diz a AGENDA AMBIENTAL. Reaproveitamento de águas de chuva METAS:

Barra/Gávea 2012 EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE. Plano de Metas EP+20 +5. O O que diz a AGENDA AMBIENTAL. Reaproveitamento de águas de chuva METAS: Barra/Gávea 2012 EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE Plano de Metas EP+20 +5 O O que diz a AGENDA AMBIENTAL ÁGUA Reaproveitamento de águas de chuva Tratamento de águas cinzas Fitodepuração do Rio Rainha 1.

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS Roberto Lamberts, PhD. Universidade Federal de Santa Catarina- UFSC Laboratório de Eficiência Energética em Edificações LABEEE Conselho Brasileiro

Leia mais

NOSSA CAIXA DESENVOLVIMENTO. JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento

NOSSA CAIXA DESENVOLVIMENTO. JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento NOSSA CAIXA DESENVOLVIMENTO JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento 21.10.2011 QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com início de atividades em Março/2009

Leia mais

JULIETA ALCIATI DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES COM O MERCADO

JULIETA ALCIATI DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES COM O MERCADO JULIETA ALCIATI DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES COM O MERCADO Agenda Introdução Definição dos limites de um inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa Limites Operacionais Identificando e Calculando emissões

Leia mais

Sistemas de aquecimento de água residencial e o ASBC: Aquecedor Solar de Baixo Custo Por Felipe Marques Santos Aluno do curso de Engenharia de Energia Projeto Coordenado por Prof. Dr. Rogério Gomes de

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ Abril de 2015 Sumário Resumo Executivo 03 1. INTRODUÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 06 3. OBJETIVO 06 4. MATERIAL E MÉTODOS

Leia mais

Estudo da emissão veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em veículos movidos à DIESEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior

Estudo da emissão veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em veículos movidos à DIESEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior Estudo da emissão veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em veículos movidos à DIESEL Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior INTRODUÇÃO Durante milhões de anos a Terra passou por ciclos naturais de aquecimento

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS

GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS Luiz Felipe de Camargo Kastrup Faculdade de Saúde Pública USP Paulo Bernardi Junior Instituto de Pesquisas Energéticas e

Leia mais

M0.1 Registrar a intenção do cumprimento ao Pacto dos Prefeitos, por favor anexe a carta de compromisso [Anexo]

M0.1 Registrar a intenção do cumprimento ao Pacto dos Prefeitos, por favor anexe a carta de compromisso [Anexo] O (Compact of Mayors) é o maior esforço internacional de cooperação entre prefeitos e funcionários municipais para demonstrar seu compromisso com a redução das emissões de gases de efeito estufa assim

Leia mais

Sumário. Resumo Executivo 1 INTRODUÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 06 3. OBJETIVO 06 4. MATERIAL E MÉTODOS 06. 4.1 Limites Organizacionais 06

Sumário. Resumo Executivo 1 INTRODUÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 06 3. OBJETIVO 06 4. MATERIAL E MÉTODOS 06. 4.1 Limites Organizacionais 06 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED dezembro de 2011. Sumário Resumo Executivo 03 1 INTRODUÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 06 3. OBJETIVO 06 4. MATERIAL E MÉTODOS

Leia mais

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Texto Preliminar Completo - Agosto 2011 INTRODUÇÃO Começam a existir no Brasil um bom número de edifícios com

Leia mais

Formação e Capacitação de Pessoas na Infraero

Formação e Capacitação de Pessoas na Infraero Formação e Capacitação de Pessoas na Infraero Desafios, Necessidades e Perspectivas da Formação e Capacitação de Recursos Humanos na Área Aeronáutica (Senado Federal Comissão de Serviços de Infraestrutura)

Leia mais

PLANO DE SUSTENTABILIDADE

PLANO DE SUSTENTABILIDADE PLANO DE SUSTENTABILIDADE Rock in Rio 2013 O QUE NOS MOVE Temos que assumir não só as nossas próprias responsabilidades mas um compromisso coletivo, enquanto cidadãos e profissionais, em cada atividade

Leia mais

POTENCIAL E OPORTUNIDADES DO USO DE VEÍCULOS HÍBRIDOS NO BRASIL

POTENCIAL E OPORTUNIDADES DO USO DE VEÍCULOS HÍBRIDOS NO BRASIL POTENCIAL E OPORTUNIDADES DO USO DE VEÍCULOS HÍBRIDOS NO BRASIL Aníbal Durães de Almeida Júnior 1 ; Paula Leopoldino de Barros 1 ; Guilherme Wilson da Conceição 1 ; Richele Cabral Gonçalves 1 ; 1 FETRANSPOR

Leia mais

CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL IMPLANTAÇÃO DA AGÊNCIA GRANJA VIANA

CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL IMPLANTAÇÃO DA AGÊNCIA GRANJA VIANA IMPLANTAÇÃO DA AGÊNCIA GRANJA VIANA CONCEITO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL CONSTRUÇÃO ECOLÓGICA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL PROMOVE INTERVENÇÕES CONSCIENTES SOBRE O MEIO AMBIENTE, ADAPTANDO-O PARA AS NECESSIDADES

Leia mais

Energia, Sustentabilidade e Certificação na Construção

Energia, Sustentabilidade e Certificação na Construção Energia, Sustentabilidade e Certificação na Construção Introdução Segundo relatório do World Business Council for Sustainable Development (WBCSD) o setor de construção responde por 40% do consumo mundial

Leia mais

OBRAS VÃO TRANSFORMAR VIRACOPOS NO MAIOR AEROPORTO DA AMÉRICA LATINA

OBRAS VÃO TRANSFORMAR VIRACOPOS NO MAIOR AEROPORTO DA AMÉRICA LATINA OBRAS VÃO TRANSFORMAR VIRACOPOS NO MAIOR AEROPORTO DA AMÉRICA LATINA Aeroportos Brasil Viracopos investirá R$ 9,5 bilhões na ampliação e modernização do complexo aeroportuário nos 30 anos da concessão

Leia mais

INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2013

INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2013 INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2013 A liberação de gases de efeito estufa (GEE) associada às atividades humanas em todo o mundo é reconhecida como a principal causa das mudanças climáticas que vem sendo observadas

Leia mais

Eduardo Giesen Coordenação Latino-americana GAIA www.no-burn.org

Eduardo Giesen Coordenação Latino-americana GAIA www.no-burn.org Taller do Sociedade Civil sobre MDL & Florestas e o mercado de carbono Incineração e mercados de carbono: Falsas soluções para um grande e REAL problema Eduardo Giesen Coordenação Latino-americana GAIA

Leia mais