CAS: Uma Interface em Linguagem Natural, utilizando a Memória Dinâmica e CBR para Auxílio na Geração de Diagnósticos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAS: Uma Interface em Linguagem Natural, utilizando a Memória Dinâmica e CBR para Auxílio na Geração de Diagnósticos"

Transcrição

1 CAS: Uma Interface em Linguagem atural, utilizando a Memória Dinâmica e CBR para Auxílio na Geração de Diagnósticos Cezar A. Schipiura, Dr. Edson Emilio Scalabrin 2,2 Programa de Pós-graduação em Tecnologia em Saúde (PPGTS), Mestrando do PPGTS 2 Professor e Orientador do PPGTS Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), Brasil Resumo: Este artigo apresenta a proposta de uma arquitetura de sistema que tenta favorecer a tomada de decisão na emissão de diagnósticos, disponibilizando interfaces em linguagem natural para aplicações em domínios específicos da saúde. As definições da ontologia de domínio e dos padrões de frases interrogativas que uma aplicação é suscetível de responder são os pontos cruciais para tal aplicação. Tais definições formam a base para instanciação de várias estruturas de dados indexados e mecanismos de busca e raciocínio necessários para a prototipagem rápida de uma interface em linguagem natural para uma aplicação. Finalmente, a discussão será centrada na metodologia para obter os elementos básicos para construção rápida de um protótipo da interface em linguagem natural para uma aplicação específica com a estruturação e indexação dos conceitos, da construção das respostas assim como, alguns mecanismos adicionais que devem facilitar testar tal interface. Palavras-chave: Emissão de Diagnósticos, Linguagem atural, Ontologia, Indexação de Conceitos, Respostas. Abstract: This article presents the proposal of a system architecture that tries to favor the taking of decision in the diagnostic emission, making availability interfaces in natural language for applications in health specific s. The definitions of the ontology of and the standards of interrogative sentences that an application is susceptible to answer are the crucial points to such application. Such definitions form the base for to of some structures of indexed data and mechanisms of necessary search and reasoning for the fast construction of a prototype of an interface in natural language for an application. Finally, the discussion will be centered in the methodology to get the basic elements for fast construction of a prototype of the interface in natural language for a specific application with the structuralization and indexation of the concepts, of the construction of the answers as some additional mechanisms that they must facilitate to test such interface. Key-words: Diagnostic Emission, atural Language, Ontology, Concept Indexing, Answers. Introdução A popularização da Web está favorecendo a inclusão digital e também motivando a construção de máquinas de busca e auxílio à decisão, cada vez mais sofisticadas. Tal sofisticação, de forma ampla, encontra-se nos esforços sobre a Web Semântica, que incorpora elementos semânticos na formatação dos seus objetos e deve propiciar buscas com maior qualidade ou inteligência. A dinâmica e a complexidade de tais sistemas de busca requerem a construção de sistemas que exibam um comportamento inteligente. Segundo Roger Schank [], a inteligência é um processo baseado em conhecimentos armazenados em uma memória. O processo pode compreender um caso abstraindo um caso novo, resultando na aprendizagem sobre o caso corrente, a partir da recuperação de casos armazenados. a tentativa de simular a mente humana, Roger Schank [,2], criou um esquema de representação e manipulação de conhecimento chamado Memória Dinâmica. Para ele, a aprendizagem acontece quando algo inesperado ocorre e fatos estáticos não são os mais significativos. O conhecimento adquirido varia constantemente com o tempo, e auto-adaptação a esta alteração é uma importante parte da inteligência, tanto para máquinas quanto para os homens. Tal tentativa fundamenta-se em um método denominado raciocínio baseado em casos [3,4,5]. A metodologia do raciocínio baseado em casos sugere um modelo do raciocínio que incorpora a resolução de problemas, a compreensão e o aprendizado. Estes três elementos funcionam de

2 forma integrada para compor os processos da memória. Estas premissas sugerem que a qualidade do mecanismo de raciocínio baseado em casos depende de cinco elementos, sendo ) as experiências anteriores; 2) a habilidade na compreensão das situações atuais a partir das experiências anteriores; 3) a habilidade de adaptar soluções; 4) a habilidade em avaliar a situação e recuperar casos anteriores; e 5) a capacidade de armazenar corretamente as novas experiências na memória[,3,4,5]. Metodologia A nossa proposta tem um objetivo ambicioso que consiste na definição de uma arquitetura de software envolvendo módulos de software, que, dada uma ontologia de domínio, em uma base de dados, e conjunto de templates, gera automaticamente uma memória de objetos através de ontologias e taxonomias indexados de maneira a permitir um grande número de combinações entre objetos, possibilitando a compreensão de questionamentos recebidos em linguagem natural, elaborando respostas para tais questões. A implementação da memória dos agentes segue os princípios de memória dinâmica de Roger Schank []; o mecanismo para a compreensão das frases trocadas entre os agentes é baseado na idéia do parser baseados em casos de Martin [6] e Riesbeck [7] e a indexação e busca propõe uma complementação com a implementação dos conceitos do CBR de Kolodner [3]. Este mecanismo operará sobre uma estrutura de dados específica capturada de uma Base de Dados Relacional [8], onde são representados os conceitos com seus índices que compõem parte da memória. A partir deste cenário se desenvolve a proposta do CAS, que implementa um sistema que deve permitir questionar e obter respostas em linguagem natural, onde ambas questões e respostas são recebidas, compreendidas e respondidas de forma automática pelos agentes. Utilizamos para experimentos uma base de dados de Saúde, demonstrando a capacidade do CAS no auxílio na geração de diagnósticos. Casos resolvidos pelo CAS: ) Caso : Questão: Cite-me as s que desencadeiam a Diabetes Mellitus tipo II Resposta: As s que desencadeiam a Diabetes Mellitus tipo II são Afecções Pancreáticas, Distúrbios Hormonais, Síndrome de Cushing, Obesidade, Alcoolismo Crônico, Stress Emocional e Fatores Hereditários [9]. 2) Caso 2: Questão: Quais os medicamentos que possuem fármacos como sulfonilureais e biguanidas? Resposta: Os medicamentos que possuem fármacos como sulfonilureais e biguanidas são os Hiploglicemiantes orais [9]. A Construção Memória Dinâmica A memória criada a partir da Base relacional torna-se Dinâmica, pois permite reestruturações através de índices à medida que conceitos novos vão sendo adquiridos. Os objetos da Memória Dinâmica são construídos a partir das tabelas da base de dados []. Portanto o primeiro passo do CAS é extrair da base os nomes das tabelas e os respectivos relacionamentos, montando, assim, a primeira fase da construção da Memória Dinâmica através de grafos orientados. A Base de Dados Origem Os relacionamentos da base de Dados geram taxonomias que servirão para a primeira indexação dos objetos na memória, onde cada relação tem dois lados com definições particulares. O CAS busca as relações entre os objetos nas tabelas do sistema. Descrevemos a seguir os tipos de relações ou taxonomias que são montadas pelo CAS ao compor a Memória de Objetos. hiperglicemia partnership partnership órgão fator hipoglicemia complicação hipertensão arterial medicamento relação exame partnership partnership partnership property owner descrição diabetes hereditariedade Afecções Pancreáticas bronquite Figura - Relacionamentos entre os objetos tratamento parent/son todo o relacionamento hierárquico entre duas entidades. Esta relação não define herança;. / define a relação entre a entidade em si e suas instâncias;.2 compose/ define as entidades que fazem parte de uma outra, isto

3 é, um grupo de entidades que formam uma terceira com características próprias;.3 owner/property desmembra as entidades nas suas propriedades (características) ou relaciona em uma entidade, propriedades diversas; 2 /partnership define o relacionamento de agrupamento por características equivalentes entre os objetos. Esta relação define heranças que podem ser múltiplas. Podemos analisar as taxonomias na figura, onde a taxonomia parent/son define a relação entre dois objetos onde a tem várias partições do tipo son: = diabetes, bronquite; = ; ou property = descrição. O mesmo não acontece de baixo para cima onde um objeto somente tem um parent (, compose, ou owner), pois um objeto não pode ter mais de uma definição de cada vez para um determinado objeto. Podemos chamar esta relação de lógico-física e não de herança, pois é dentro dela que são encaixados os outros relacionamentos. Assim, o parent de um objeto é, por sua vez o objeto tem várias relações do tipo son; porém o relacionamento entre o objeto e o objeto é de /, onde o tipo de parent do assunto é e o tipo de son na relação -sitoma para o é de. Como são criados os Relacionamentos Os SGBD Relacionais atuais disponíveis para gerenciamento das Bases de Dados possuem algumas limitações na representação com relação à hierarquia de composição de objetos. Por exemplo, uma é composta por vários s e o CAS não pode identificar automaticamente se o relacionamento existente entre a tabela e a tabela (Doença- :-Sintoma) é horizontal, de parceria (partnership) ou vertical, de composição (), pois a representação é idêntica. Portanto, as hierarquias de composição devem ser informadas ao CAS na incorporação da Base de Dados, para que sejam identificados tais casos ao criar a Memória de Objetos no formato e:composição. Por exemplo, a é um objeto na Saúde, o é um objeto na Saúde e a também é um objeto na Saúde. O da é uma composição, ou seja, uma é composta de s que só a ela pertencem. Deve ser informado antecipadamente para não ser interpretado como parceria, pois como podemos observar na relação entre a e a onde a faz parte de uma lista de objetos que a desencadeia. Tal relação é identificada automaticamente pelo CAS. Estas definições estão esquematizadas na figura. A taxonomia / define o relacionamento entre um objeto e o seu conteúdo. Por exemplo, o objeto tem como os objetos Diabete Mellitus Tipo II, Insuficiência renal Crônica (IRA), entre outras. Cada um destes objetos citados tem como (parent) o objeto. As instâncias serão estruturadas após toda a taxonomia estar criada. Cada objeto possui características como, por exemplo, descrição, diagnóstico entre tantos. Cada uma dessas características é instanciada na memória de Objetos independentemente e relacionada com o seu objeto principal com a taxonomia owner/property. A instanciação das propriedades acontece no mesmo momento da instanciação dos objetos, pois são dependentes destes. A relação /partnership demonstra os agrupamentos dos objetos por participação de um objeto na composição de outro sem fazer parte dele. Essa participação é através de algumas características que um objeto participa com outro. É nesta relação que acontecem as heranças que poderão ser múltiplas onde cada partnership traz para junto do seu todas as suas características e relacionamentos. Podemos citar a manifestação da que, relacionada a determinada, possibilitará ao CAS responder sobre os órgãos que são envolvidos na e quais fármacos poderão ser utilizados para tratar das s de tal. relação fator Diabete Mellitus Tipo II object Afecções Pancreáticas Distúrbios Hormonais Síndrome de Cushing Obesidade Alcoolismo Crônico Combinação exame tratamento Figura 2 - Indexação dos conceitos partnership exame tratamento medicamento complicação órgão Outra relação não identificada automaticamente é o recurso utilizado para representar a relação :

4 dentro das possibilidades do SGBD quando é criada uma tabela de transição que somente está lá porque a linguagem SQL tem problemas com o tratamento deste tipo de relação. Portanto, na edição das composições deve-se simplesmente eliminar estas tabelas da lista. O CAS, não encontrando uma tabela no relacionamento entre duas outras, definirá uma relação : entre os objetos. Veja esta transformação na figura 3. Doenca Doenca Figura 3 - Interpretação dos relacionamentos do SGBDR Descobertos os objetos que equivalem às tabelas, eliminadas as tabelas de transição, e estabelecendo as composições hierárquicas, o CAS passa a nomear os relacionamentos e fazer os links entre o item de grupo () e os es (), informados na edição. Criação das Taxonomias Os relacionamentos então são buscados nas tabelas SGBDR para descobrir quais objetos se relacionam. Os relacionamentos geram, então as taxonomias. As relações já estabelecidas como de dependência são ignoradas nessa recuperação, isto é, quando o CAS lê o relacionamento e percebe que já foi representado na etapa de edição, ignora a leitura e passa para o próximo objeto da lista. Por exemplo, a relação de dependência entre a e os fatores que desencadeiam tal já estão alocadas nos grafos como dependência no momento da análise. Desta maneira este objeto é ignorado neste processo. Indexação dos Conceitos Absorvidos da Base de Dados Uma vez finalizada a geração dos grafos e composição da memória, a indexação dos conceitos é feita automaticamente pelo CAS através dos objetos e seus relacionamentos. O primeiro passo é a geração da árvore de índices na memória, que represente os objetos e os tipos de relações que podem possuir. Esses relacionamentos serão utilizados para construção dos conceitos tácitos de busca na elaboração dos templates. Criados os objetos, o CAS percorre toda a memória, indexando cada conceito nos seus índices devidos, gerando uma árvore de índices como podemos observar na figura 2. Resultados a nossa proposta de implementação de envolve a participação de um especialista com a maior experiência no assunto do negócio e Base de Dados. Para a inclusão de alguns conceitos tácitos na memória dinâmica, construindo templates que possibilitem construir relacionamentos entre conceitos que não estão representados na Base de Dados e podem gerar questionamentos, como veremos a seguir na construção dos templates. A estruturação dos conhecimentos pode ser feita antes da ativação do CAS, manualmente, ou na inicialização através do editor de estruturas. Ao carregar a Base de Dados, o conhecimento tácito, explicitado nos templates, será utilizado para indexar os conceitos, delineando novos caminhos de busca. O funcionamento da estrutura dos templates Um nome de seção apresenta o relacionamento representado pelos templates seguintes; [object:] cite-me as [object] que desencadeiam a [] [/] Figura 4 - Estrutura de um template A apresentação do relacionamento é composta pela palavra object base para verificação do relacionamento, seguido por um : (dois pontos) e o nome da relação a ser buscada na estrutura da memória (no caso ); Para cada conjunto de templates encontra-se indexada a possível resposta que atende às possíveis combinações de objetos, previstos no índice gerado pelos templates. Esta resposta será armazenada na memória para criação dos índices na construção da Memória Dinâmica de acordo com os relacionamentos encontrados na base. Tomemos aqui para o exemplo do caso citado anteriormente que faz uma solicitação à memória dinâmica sobre informações sobre s: Cite-me as s que desencadeiam a Diabetes Mellitus tipo II Conforme já identificamos, as seguintes partes compõe esta solicitação: Cite-me a(s) [object]s que desencadeiam a [] [/] Quando o parser [6,7] identifica o termo s, através dos índices relacionados, saberá

5 que ele é um objeto, ativando este conceito como na figura 3. a seqüência, o termo, na mesma operação, é identifica como um agrupamento () de s (partnership) e a expressão Diabetes Mellitus tipo II ativará o conceito /. Toda a questão só será considerada se a expressão Diabetes Mellitus tipo II pertencer ao índice, estiver relacionado a um na memória cujo parent seja um object do tipo. Esta busca é feita por uma função instanciada no momento da compreensão da questão, que irá, então, validá-la (figura 5). coumpound poliura Pressão Arterial coumpound Diabete partnership Mellitus Tipo I coumpound partnership Insuficiência Renal Aguda (I R A) partnership Afecções Pancreáticas Distúrbios Hormonais Síndrome de Cushing Obesidade Cálculos Renais Figura 5 - Máquina de busca e elaboração de respostas Modelo de Geração de Resposta Como vimos, a ativação dos conceitos é feita conforme a verificação da frase recebida, que é analisada lexicalmente através do algoritmo do parser criado por Martin [6]. Ativando os conceitos, o template da resposta é reconhecido e ativado. Através dos índices o CAS instancia uma função que, combina o template da resposta com os conceitos que a ativaram, iniciando a construção da resposta a partir da pergunta que será complementada com o item indicado entre colchetes (figuras 4 e 5). avegando pelos conceitos, a função instanciada identifica as instâncias dos objetos a serem buscadas. Para ativar o conceito object do template, o parser utilizou o objeto. Encontradas as instâncias, é montada a frase de resposta e devolvida ao agente gerador das frases. o exemplo: Cite-me as s que desencadeiam a Diabetes Mellitus tipo II São identificados os itens: Cite-me questão: identifica uma relação a as léxico: ignora parcialmente s objeto da questão está no plural que léxico: ignora parcialmente desencadeiam léxico: ignora parcialmente a léxico: ignora parcialmente objeto sendo questionado está no singular Diabete Mellitus Tipo II instância do objeto sendo questionado Conceitos ativados: [objeto] [] [/] Diabete Mellitus Tipo II Reconhece o índice na memória de acordo com os conceitos e a ordem estabelecida: Cite-me a(s) [object]s que desencadeiam a [] [/] Para este template há uma resposta elaborada, acessada através do índice da pergunta: r-:o/a/s object/s que desencadeiam a : :isntance é/são [object/] Os templates são completados de acordo com os conceitos ativados e a função instanciada devolverá o complemento, deixando a resposta desta maneira (figura 5): As s que desencadeiam a Diabetes Mellitus tipo II são Afecções Pancreáticas, Distúrbios Hormonais, Síndrome de Cushing, Obesidade, Alcoolismo Crônico, Stress Emocional e Fatores Hereditários [9] Elaboração da Resposta Identificada a questão, indexado a ela está o template da resposta que é complementado com os dados da pergunta e o complemento que é a resposta propriamente dita é resultado de uma função de busca na Estrutura de Objetos. o caso do exemplo, na elaboração da resposta temos indexado: r-:o/a/s object/s que desencadeiam a : :isntance é/são [object/] onde estão identificados: object,, / Diabetes Mellitus tipo II, ficando para complementar o item [object/]. Ao interpretar esta parte do template, o Agente verifica que, para esta resposta ele necessita encontrar do item object que tenham a da questão como. Este algoritmo é padrão para este tipo de template e facilmente o CAS compreende o tipo de busca que deve fazer, instanciando então um método de busca que

6 devolverá a resposta esperada: Afecções Pancreáticas, Distúrbios Hormonais, Síndrome de Cushing, Obesidade, Alcoolismo Crônico, Stress Emocional e Fatores Hereditários. Discussão e Conclusões A nossa proposta do CAS, é permitir obter respostas inteligentes automáticas sobre uma determinada especialidade, utilizando linguagem natural, utilizando metodologias desenvolvidas por vários autores, combinando seus conceitos, adicionados com uma proposta nossa da inclusão do conhecimento tácito. Como linguagem, sugerimos Java pela possibilidade de utilização da técnica de Orientação a Objetos, Grafos, Ontologias, Taxonomias e Templates, criando uma Estrutura Dinâmica de memória. A ciência Cognitiva tem contribuído muito com as ferramentas computacionais na área da Saúde, proporcionando uma eficiência considerável nos ambientes automatizados. A mais direta contribuição está no âmbito da reprodução do comportamento humano inteligente em ambientes que a computação tem participação ativa na emissão de laudos e auxílio na geração de diagnósticos. A abordagem que damos neste trabalho visa justamente colaborar de uma maneira eficiente nos estudos e desenvolvimento da Ciência Cognitiva para colaboração com a ciência da Saúde. Esta nossa participação abre um leque de opções para implementações nas áreas do reconhecimento, interpretação e compreensão de situações e elaboração de diagnósticos. Esta estrutura pode ser aproveitada para a tomada de decisões na área da medicina, através do cruzamento de dados do histórico do paciente com informações sobre fármacos, princípios ativos, órgãos onde atuam, agentes dores de s entre tantas outras. Por ser totalmente flexível, o sistema pode ser facilmente direcionado para organizações hospitalares, clínicas ou consultórios que possuam bases de dados de conhecimento explícito e que necessitem auxilio para combinação com o conhecimento tácito na tomada de decisão em tempo real e confiável. Para tanto, são necessárias a mudança da base de dados e a construção da estrutura do conhecimento tácito. Outra grande vantagem desse sistema está no âmbito de que, em trabalhos complementares futuros, poderão ser acessados informações e diagnósticos via voz através de telefone celular, via palmtop ou outros que tenham acesso à Internet. Referências Bibliográficas Schank, Roger C999: Dynamic Memory Revisited Cambridge University Press, Cambridge 2 Schank, Roger C & Abelson, R, (977), Scripts, Plans, Goals and Understanding Laurence Erlbaum Associates, ew Jersey. 3 Kolodner, Janet (993) Case-Based Reasoning Morgan Kaufmann Publishers, Inc São Mateo, Canadá. 4 Rich, Elaine; Knight, K, (994), Inteligência Artifical Makron Books do Brasil Editora Ltda. 2ª ed. São Paulo. 5 Araribóia, G.(988), Inteligência Artificial: Um curso prático. Livros Técnicos e Científicos, Editora Ltda - Rio de Janeiro. 6 Martin, Charles Eugene, (993), Direct Memory Access Parsing University of Chicago, Departament of Computer Science Technical Report CS 93-07, June Riesbeck, Christopher K; Schank, Roger C,(98), Inside Computer Understanding Laurence Erlbaum Associates, ew Jersey 8 Date C J. (2000). Introdução a Sistemas de Banco de Dados. 7ªed. Rio de Janeiro: Publicare consultoria e serviços. 9 Brunner,L.S & Suddarth, D.S, (2002), Tratado de Enfermagem Médico-Cirúrgica. 9 ed., Rio de Janeiro. Guanabara Koogan. Contato Cezar Augusto Schipiura. Formado em Tecnologia da Informação pela Faculdade SPEI, Especialista em Sistemas de Alto Desempenho pela Universidade Federal do Paraná, MBA em Administração de Empresas e egócios pela Fundação Getúlio Vargas. Mestrando em Tecnologia em Saúde PUCPR. Professor Universitário de Informática e Administração nas Faculdades Pitágoras, ESEEI e Martinus. Endereço: R. Estados Unidos, 588 apto 204, Bairro Bacacheri. Cep: Curitiba Paraná Brasil. Telefone:

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Sistema Educacional e Médico On-line (SEMedicOn): uma ferramenta híbrida para auxiliar pacientes, médicos e estudantes da saúde

Sistema Educacional e Médico On-line (SEMedicOn): uma ferramenta híbrida para auxiliar pacientes, médicos e estudantes da saúde Sistema Educacional e Médico On-line (SEMedicOn): uma ferramenta híbrida para auxiliar pacientes, médicos e estudantes da saúde Cláudia Batista Melo 1, 2, Ulrich Schiel 3, Lourdes Mattos Brasil 4, Edilson

Leia mais

RBC no Auxílio de Avaliações Imobiliárias

RBC no Auxílio de Avaliações Imobiliárias RBC no Auxílio de Avaliações Imobiliárias Adauto Trigueiro, Alcione da Costa Pinheiro, Clerton Filho, Kátia Silva Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)

Leia mais

Uso de taxonomias na gestão de conteúdo de portais corporativos.

Uso de taxonomias na gestão de conteúdo de portais corporativos. Gestão de Conteúdo web através de ontologias: conceitos e aplicações Fernando Silva Parreiras Contextualização O que? Uso de taxonomias na gestão de conteúdo de portais corporativos. Quem? Gerentes, consultores

Leia mais

Nathalie Portugal Vargas

Nathalie Portugal Vargas Nathalie Portugal Vargas 1 Introdução Trabalhos Relacionados Recuperação da Informação com redes ART1 Mineração de Dados com Redes SOM RNA na extração da Informação Filtragem de Informação com Redes Hopfield

Leia mais

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS

ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS Centro Universitário Feevale ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS Fernando Mertins Prof. Orientador: Rodrigo Rafael Villarreal Goulart Dezembro de 2007 Roteiro da Apresentação Introdução Objetivos

Leia mais

MBA Inteligência Competitiva Com ênfase em BI/CPM. Metadados

MBA Inteligência Competitiva Com ênfase em BI/CPM. Metadados MBA Inteligência Competitiva BI/CPM 1 Data Warehousing PÓS-GRADUAÇÃO MBA Inteligência Competitiva Com ênfase em BI/CPM Metadados Andréa Cristina Montefusco (36927) Hermes Abreu Mattos (36768) Robson Pereira

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Contextualização ENGENHARIA DE SOFTWARE ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS ENGENHARIA DA INFORMAÇÃO Perspectiva Histórica Engenharia de Software 1940:

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI Noções de sistemas de informação Turma: 01º semestre Prof. Esp. Marcos Morais

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

APLICATIVO PARA GERENCIAMENTO DE FORÇA DE TRABALHO EM EMPRESAS DE TELEFONIA MÓVEL

APLICATIVO PARA GERENCIAMENTO DE FORÇA DE TRABALHO EM EMPRESAS DE TELEFONIA MÓVEL APLICATIVO PARA GERENCIAMENTO DE FORÇA DE TRABALHO EM EMPRESAS DE TELEFONIA MÓVEL Tatiana Bogo Fujii Prof. Wilson Pedro Carli Orientador Introdução; Telefonia Celular; Internet; ASP; Inteligência Artificial;

Leia mais

SISTEMAS INTELIGENTES DE APOIO À DECISÃO

SISTEMAS INTELIGENTES DE APOIO À DECISÃO SISTEMAS INTELIGENTES DE APOIO À DECISÃO As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus trabalhadores do conhecimento com ferramentas

Leia mais

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL Figura: Capa do Livro Russell, S., Norvig, P. Artificial Intelligence A Modern Approach, Pearson, 2009. Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Pós-Graduação

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais

MedEl: Uma solução de E-Learning utilizando tecnologia Microsoft ASP.NET

MedEl: Uma solução de E-Learning utilizando tecnologia Microsoft ASP.NET MedEl: Uma solução de E-Learning utilizando tecnologia Microsoft ASP.NET Átila Correia Cunha 1, 2, Glaucon Henrique Mauricio Maia 1, 2, Waner Ferreira Tavares 1, 2, Jorge Bergson¹, Rui Gomes Patrício 3

Leia mais

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Banco de Dados Introdução João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Importância dos Bancos de Dados A competitividade das empresas depende de dados precisos e atualizados. Conforme

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO CST ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo desde a

Leia mais

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES [Observação: O template a seguir é utilizado como roteiro para projeto de sistemas orientado

Leia mais

UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1

UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1 UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1 Daniel de Faveri HONORATO 2, Renato Bobsin MACHADO 3, Huei Diana LEE 4, Feng Chung WU 5 Escrito para apresentação

Leia mais

Se observarmos nos diferentes livros. Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso

Se observarmos nos diferentes livros. Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso Arilo Cláudio Dias Neto ariloclaudio@gmail.com É Bacharel em Ciência da Computação formado na Universidade Federal do Amazonas, Mestre em Engenharia de Sistemas

Leia mais

UMA BREVE INTRODUÇÃO AO ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE COMPILADORES

UMA BREVE INTRODUÇÃO AO ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE COMPILADORES UMA BREVE INTRODUÇÃO AO ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE COMPILADORES 1 BRANCO; Guido Aparecido Junior, 2 TAMAE, Rodrigo Yoshio 1-Discente do Curso Sistemas de Informação FAEG/Garça 2-Docente do Curso Sistemas

Leia mais

Construção de Compiladores. Construção de Compiladores. Motivação. Motivação. Contexto Histórico. Classificações: Gerações 09/03/2010

Construção de Compiladores. Construção de Compiladores. Motivação. Motivação. Contexto Histórico. Classificações: Gerações 09/03/2010 Construção de Compiladores Prof. Raimundo Santos Moura (http://www.ufpi.br/rsm) Construção de Compiladores Livro-Texto: AHO, Alfred V.; ULLMAN, Jeffrey D.; SETHI, R. Compiladores: princípios, técnicas

Leia mais

Reuso. Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior

Reuso. Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Reuso Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Reutilização de Software Na maioria das áreas de engenharia de software, sistemas são desenvolvidos

Leia mais

PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL

PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL Adson Diego Dionisio da SILVA 1, Saulo Soares de TOLEDO², Luiz Antonio Costa Corrêa FILHO³, Valderí Medeiros

Leia mais

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados SISTEMA DE BANCO DE DADOS Banco e Modelagem de dados Sumário Conceitos/Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Arquiteturas de um Sistema Gerenciador... 5 3. Componentes de um Sistema... 8 4. Vantagens

Leia mais

Módulo 6: Inteligência Artificial

Módulo 6: Inteligência Artificial Módulo 6: Inteligência Artificial Assuntos: 6.1. Aplicações da IA 6.2. Sistemas Especialistas 6.1. Aplicações da Inteligência Artificial As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Exatas e da Terra - Campus I

Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Exatas e da Terra - Campus I Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas II/CPD025 Conceitos orientação a objetos. Evolução das técnicas de modelagem orientadas a objetos. Estrutura da linguagem UML. Conceito de processo interativo

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus trabalhadores do conhecimento com ferramentas e técnicas

Leia mais

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Sumário Conceitos / Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Consultas... 5 3. Relatórios... 8 4. Conclusões... 11

Leia mais

Um processo para construção de software mais transparente

Um processo para construção de software mais transparente Um processo para construção de software mais transparente Eduardo Almentero 1, and Julio Cesar Sampaio do Prado Leite 1 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC - Rio, Brasil {ealmentero,

Leia mais

UM AMBIENTE WEB PARA SUPORTE À TUTORIA EM CURSOS DE FORMAÇÃO A DISTÂNCIA

UM AMBIENTE WEB PARA SUPORTE À TUTORIA EM CURSOS DE FORMAÇÃO A DISTÂNCIA UM AMBIENTE WEB PARA SUPORTE À TUTORIA EM CURSOS DE FORMAÇÃO A DISTÂNCIA 052-TC-C4 ABRIL/2005 Tito Lívio de Campos INFERÊNCIA - titol@inferencia.com.br Prof. Dr. Marco A. Eleutério PUCPR - marcoa@ppgia.pucpr.br

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA

9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA 9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA Autor(es) MICHELE CRISTIANI BARION FREITAS Orientador(es) CECÍLIA SOSA ARIAS PEIXOTO 1. Introdução A partir de ferramentas

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software O que é a engenharia de software É um conjunto integrado de métodos e ferramentas utilizadas para especificar, projetar, implementar e manter um sistema. Método É uma prescrição

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 4ª Série Informática Industrial CST em Mecatrônica Industrial A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um

Leia mais

15 Conceitos de Bancos de Dados com o LibreOffice Base

15 Conceitos de Bancos de Dados com o LibreOffice Base Introdução a Informática - 1º semestre AULA 14 Prof. André Moraes Objetivos desta aula: Explorar as propriedades na criação de bancos de dados no LibreOffice Base; Criar e explorar tabelas; Criar e explorar

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS RESUMO Este artigo apresenta a especificação de um sistema gerenciador de workflow, o ExPSEE, de acordo com a abordagem de desenvolvimento baseado

Leia mais

Expressive Talking Heads: Um Estudo de Fala e Expressão Facial em Personagens Virtuais

Expressive Talking Heads: Um Estudo de Fala e Expressão Facial em Personagens Virtuais Expressive Talking Heads: Um Estudo de Fala e Expressão Facial em Personagens Virtuais Paula Salgado Lucena, Marcelo Gattass, Luiz Velho Departamento de Informática Pontifícia Universidade Católica do

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

PRDS - Programa de Residência em Desenvolvimento de Software

PRDS - Programa de Residência em Desenvolvimento de Software PRDS - Programa de Residência em Desenvolvimento de Software Laboratório de Engenharia de Software (LES) da PUC-Rio Carlos Lucena lucena@inf.puc-rio.br Rodrigo Paes rbp@les.inf.puc-rio.br Gustavo Carvalho

Leia mais

Construção de Aplicações em Saúde Baseadas em Arquétipos

Construção de Aplicações em Saúde Baseadas em Arquétipos Construção de Aplicações em Saúde Baseadas em Arquétipos Fabiane Bizinella Nardon 1, Tony França 1, Humberto Naves 1 1 Zilics Sistemas de Informação em Saúde, Brasil Resumo Este artigo apresenta uma discussão

Leia mais

De uma forma ampla, o profissional egresso deverá ser capaz de desempenhar as seguintes funções:

De uma forma ampla, o profissional egresso deverá ser capaz de desempenhar as seguintes funções: PLANO DE ENSINO 1. Identificação Curso: Tecnologia em Desenvolvimento de Software Disciplina: Estrutura de Dados Professor: Msc. Tiago Eugenio de Melo CPF: Regime de Trabalho: 40h CH. Semestral: 100h Siape:

Leia mais

4 Conversor EDTV Raw. 4.1 Arquitetura

4 Conversor EDTV Raw. 4.1 Arquitetura 4 Conversor EDTV Raw O conversor EDTV Raw é o programa que lê um documento escrito no perfil NCL EDTV e gera um documento Raw equivalente, i.e. que define a mesma apresentação. Este capítulo, apresenta

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO

SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO Danilo Freitas Silvas Sistemas de informação CEATEC danilofs.ti@gmail.com Resumo:

Leia mais

Novas Tecnologias para Construção do Prontuário Eletrônico do Paciente

Novas Tecnologias para Construção do Prontuário Eletrônico do Paciente Novas Tecnologias para Construção do Prontuário Eletrônico do Paciente Fabiane Bizinella Nardon 1, Sérgio Furuie 2, Umberto Tachinardi 3 Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO Profº. Edson T. França edson.franca@uninove.br Software Sistemas Conjunto de elementos, entre os quais haja alguma relação Disposição das partes ou dos elementos de um

Leia mais

PLATAFORMA DE UM PERSONAL HEALTH RECORD - PHR

PLATAFORMA DE UM PERSONAL HEALTH RECORD - PHR PLATAFORMA DE UM PERSONAL HEALTH RECORD - PHR Saulo Soares de TOLEDO 1, Misael Elias de MORAIS 2, Adson Diego Dionisio da SILVA 3, Luiz Antonio Costa Corrêa FILHO 4, Valderí Medeiros da SILVA 5 1 Departamento

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

Documento de Visão do Projeto

Documento de Visão do Projeto Documento de Visão do Projeto 1. Objetivo O propósito deste documento é coletar, analisar e definir as necessidades de alto-nível e características do projeto de software do Módulo Editor de Estruturas

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Fundamentos de Banco de Dados Aula 01 Introdução aos Sistemas de Bancos de Dados Introdução aos Sistemas de BD Objetivo Apresentar

Leia mais

Um Sistema de Suporte ao Planejamento para Gestão de Projetos

Um Sistema de Suporte ao Planejamento para Gestão de Projetos Um Sistema de Suporte ao Planejamento para Gestão de Projetos Fabrício Jailson Barth, Edson Satoshi Gomi Laboratório de Engenharia de Conhecimento (Knoma) Departamento de Computação e Sistemas Digitais

Leia mais

Padrões de Projeto. Prof. Jefersson Alex dos Santos (jefersson@dcc.ufmg.br) http://www.dcc.ufmg.br/~jefersson

Padrões de Projeto. Prof. Jefersson Alex dos Santos (jefersson@dcc.ufmg.br) http://www.dcc.ufmg.br/~jefersson Padrões de Projeto Prof. Jefersson Alex dos Santos (jefersson@dcc.ufmg.br) http://www.dcc.ufmg.br/~jefersson Apresentação Conceitos Definição Ponto de vista prático História Padrões de Projeto Conhecidos

Leia mais

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Itana M. S. Gimenes 1 itana@din.uem.br Fabrício R. Lazilha 2 fabricio@cesumar.br Edson A. O. Junior

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) SISTEMAS PARA INTERNET INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo

Leia mais

A MÁQUINA INTELIGENTE. O longo caminho do pensamento mecanizado Júlio Cesar da Silva - juliocesar@eloquium.com.br

A MÁQUINA INTELIGENTE. O longo caminho do pensamento mecanizado Júlio Cesar da Silva - juliocesar@eloquium.com.br A MÁQUINA INTELIGENTE O longo caminho do pensamento mecanizado Júlio Cesar da Silva - juliocesar@eloquium.com.br APRESENTAÇÃO Júlio Cesar da Silva Mestrando em Administração MBA em Gestão da Tecnologia

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

CURSO TECNOLÓGICO 2008/01 1º SEMESTRE. Programação e Estruturas de Dados Fundamentais

CURSO TECNOLÓGICO 2008/01 1º SEMESTRE. Programação e Estruturas de Dados Fundamentais 1º SEMESTRE Programação e Estruturas de Dados Fundamentais 8 Créditos Desenvolver a lógica de programação através da construção de algoritmos utilizando português estruturado Representar a solução de problemas

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CTS DE REDES DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo desde a história e a evolução

Leia mais

3 Trabalhos Relacionados

3 Trabalhos Relacionados 35 3 Trabalhos Relacionados Alguns trabalhos se relacionam com o aqui proposto sob duas visões, uma sobre a visão de implementação e arquitetura, com a utilização de informações de contexto em SMA, outra

Leia mais

UNIP Ciência da Computação AES Análise Essencial de Sistemas

UNIP Ciência da Computação AES Análise Essencial de Sistemas 1 Análise Essencial UNIP Ciência da Computação A análise essencial pode ser considerada um refinamento da análise estruturada. O problema existente (ou situação que requer a informatização) é estudado,

Leia mais

Introdução. Capítulo 1

Introdução. Capítulo 1 Capítulo 1 Introdução Em computação, muitos problemas são resolvidos por meio da escrita de um algoritmo que especifica, passo a passo, como resolver um problema. No entanto, não é fácil escrever um programa

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

JOSÉ AUGUSTO FABRI. Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software

JOSÉ AUGUSTO FABRI. Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software JOSÉ AUGUSTO FABRI Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software São Paulo 2007 JOSÉ AUGUSTO FABRI Uma Proposta de Modelo para a Criação

Leia mais

PLATAFORMA URBANMOB Aplicativo para captura de trajetórias urbanas de objetos móveis

PLATAFORMA URBANMOB Aplicativo para captura de trajetórias urbanas de objetos móveis PLATAFORMA URBANMOB Aplicativo para captura de trajetórias urbanas de objetos móveis Gabriel Galvão da Gama 1 ; Reginaldo Rubens da Silva 2 ; Angelo Augusto Frozza 3 RESUMO Este artigo descreve um projeto

Leia mais

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI Dr. George SILVA; Dr. Gilbert SILVA; Gabriel GUIMARÃES; Rodrigo MEDEIROS; Tiago ROSSINI; Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande do

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

Rastreabilidade e Análise de Impacto: Um caso de aplicação utilizando a ferramenta Visual Studio Team System

Rastreabilidade e Análise de Impacto: Um caso de aplicação utilizando a ferramenta Visual Studio Team System Rastreabilidade e Análise de Impacto: Um caso de aplicação utilizando a ferramenta Visual Studio Team System Tiago Domenici Griffo 1, Gothardo Francisco de Magalhães Santos 1, Rodrigo Becke Cabral 1 1

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

PROF. DR. PAULO ROBERTO SCHROEDER DE SOUZA

PROF. DR. PAULO ROBERTO SCHROEDER DE SOUZA Inteligência Artificial CONCEITOS PROF. DR. PAULO ROBERTO SCHROEDER DE SOUZA O que é Inteligência Artificial O que é Inteligência Artificial? É a ciência e engenharia de projetar/construir máquinas inteligentes,

Leia mais

PROJETO DA DISCIPLINA. PES II Processo de Engenharia de Software II

PROJETO DA DISCIPLINA. PES II Processo de Engenharia de Software II UNIOESTE - Universidade Estadual do Oeste do Paraná CCET - Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Colegiado de Informática Curso de Bacharelado em Informática PROJETO DA DISCIPLINA PES II Processo de

Leia mais

Revisão Inteligência Artificial ENADE. Prof a Fabiana Lorenzi Outubro/2011

Revisão Inteligência Artificial ENADE. Prof a Fabiana Lorenzi Outubro/2011 Revisão Inteligência Artificial ENADE Prof a Fabiana Lorenzi Outubro/2011 Representação conhecimento É uma forma sistemática de estruturar e codificar o que se sabe sobre uma determinada aplicação (Rezende,

Leia mais

Taxonomia da aprendizagem

Taxonomia da aprendizagem Taxonomia da aprendizagem Taxonomia de Bloom Desde 1948, um grupo de educadores assumiu a tarefa de classificar metas e objetivos educacionais. Eles propuseram-se a desenvolver um sistema de classificação

Leia mais

Documentação de um Produto de Software

Documentação de um Produto de Software Documentação de um Produto de Software Versão 3.0 Autora: Profª Ana Paula Gonçalves Serra Revisor: Prof. Fernando Giorno 2005 ÍNDICE DETALHADO PREFÁCIO... 4 1. INTRODUÇÃO AO DOCUMENTO... 6 1.1. TEMA...

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE INFORMÁTICA EDITOR DE HELP MANUAL DO USUÁRIO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE INFORMÁTICA EDITOR DE HELP MANUAL DO USUÁRIO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE INFORMÁTICA EDITOR DE HELP MANUAL DO USUÁRIO ANA PAULA CARVALHO LORENZONI MICHELINE PARIZOTTO PROFESSORA. MILENE SELBACH SILVEIRA ORIENTADORA

Leia mais

Introdução 17. 1 Introdução

Introdução 17. 1 Introdução Introdução 17 1 Introdução O volume de informações que gerenciamos tem crescido a cada dia. Realizamos milhões de pesquisas na Web, postamos mensagens em blogs, enviamos mensagens de correio eletrônico,

Leia mais

Extração de Conhecimento a partir dos Sistemas de Informação

Extração de Conhecimento a partir dos Sistemas de Informação Extração de Conhecimento a partir dos Sistemas de Informação Gisele Faffe Pellegrini & Katia Collazos Grupo de Pesquisa em Eng. Biomédica Universidade Federal de Santa Catarina Jorge Muniz Barreto Prof.

Leia mais

Ontologia Aplicada ao Desenvolvimento de Sistemas de Informação sob o Paradigma da Computação em Nuvem

Ontologia Aplicada ao Desenvolvimento de Sistemas de Informação sob o Paradigma da Computação em Nuvem Ontologia Aplicada ao Desenvolvimento de Sistemas de Informação sob o Paradigma da Computação em Nuvem Luiz Cláudio Hogrefe Orientador: Prof. Roberto Heinzle, Doutor Roteiro Introdução Fundamentação teórica

Leia mais

MONITORAMENTO REMOTO DO CONSUMO DE ÁGUA UTILIZANDO SOFTWARE DE INTERFACE HOMEM-MÁQUINA - HIDROAER

MONITORAMENTO REMOTO DO CONSUMO DE ÁGUA UTILIZANDO SOFTWARE DE INTERFACE HOMEM-MÁQUINA - HIDROAER MONITORAMENTO REMOTO DO CONSUMO DE ÁGUA UTILIZANDO SOFTWARE DE INTERFACE HOMEM-MÁQUINA - HIDROAER Alex Lage de Morais 1 ; Wilson Cabral de Sousa Jr. 2 ;Elaine Nolasco Ribeiro 3 RESUMO - Uma parte do projeto

Leia mais

GUILHERME STUTZ TÖWS ANIMAÇÃO DE ALGORITMOS

GUILHERME STUTZ TÖWS ANIMAÇÃO DE ALGORITMOS GUILHERME STUTZ TÖWS ANIMAÇÃO DE ALGORITMOS Trabalho de graduação do Curso de Ciência da Computação do Setor de Ciências Exatas da Universidade Federal do Paraná. Professor: André Luiz Pires Guedes CURITIBA

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware 1. A nova infra-estrutura de tecnologia de informação Conectividade Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos Sistemas abertos Sistemas de software Operam em diferentes plataformas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software Anna Carla Mohr Verner Helder Eugenio dos Santos Puia Florianópolis,

Leia mais

Metodologia e Gerenciamento do Projeto na Fábrica de Software v.2

Metodologia e Gerenciamento do Projeto na Fábrica de Software v.2 .:: Universidade Estadual de Maringá Bacharelado em Informática Eng. de Software III :. Sistema de Gerenciamento de Eventos - Equipe 09 EPSI Event Programming System Interface Metodologia e Gerenciamento

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

Data Warehouse Processos e Arquitetura

Data Warehouse Processos e Arquitetura Data Warehouse - definições: Coleção de dados orientada a assunto, integrada, não volátil e variável em relação ao tempo, que tem por objetivo dar apoio aos processos de tomada de decisão (Inmon, 1997)

Leia mais

Um Arcabouço open source em Python para DBC com

Um Arcabouço open source em Python para DBC com Um Arcabouço open source em Python para DBC com Suporte à Evolução Dinâmica não Antecipada Yguaratã C. Cavacanti 1, Hyggo Oliveira de Almeida 1, Evandro Costa 2 1 Instituto de Computação Universidade Federal

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER Objetivo dessa aula é descrever as características e a simbologia dos diagramas UML e MER na modelagem de sistemas de informação de uma forma a permitir a comunicação entre técnicos e gestores. Modelagem

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

Protótipo de um Sistema Móvel para a Extração de. Características em Fragmentos de Imagem de Tecido. Cólico

Protótipo de um Sistema Móvel para a Extração de. Características em Fragmentos de Imagem de Tecido. Cólico Protótipo de um Sistema Móvel para a Extração de Características em Fragmentos de Imagem de Tecido Cólico Application Prototype for Mobile Devices to Features Extraction in Image Fragments Colic Tissue

Leia mais

Modelo de Governança

Modelo de Governança Nome do Projeto Subproduto Responsável do Projeto / Área E-mail Desenvolvimento do Centro Nacional de Terminologia Moacyr Esteves Perche - DATASUS moacyr.perche@saude.gov.br Telefone (61) 3315-2915 Responsável

Leia mais

O uso do gestor de conteúdos plone no suporte a processos de software

O uso do gestor de conteúdos plone no suporte a processos de software O uso do gestor de conteúdos plone no suporte a processos de software Fernando Silva Parreiras Objetivo Demonstrar a aplicação de ferramentas de gestão de conteúdo, especificamente o plone, no apoio a

Leia mais