Programa de Conservação e Uso Racional da Água nas Edificações do Município de Curitiba - PURAE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa de Conservação e Uso Racional da Água nas Edificações do Município de Curitiba - PURAE"

Transcrição

1 Programa de Conservação e Uso Racional da Água nas Edificações do Município de Curitiba - PURAE Profº Dr. Roberto Fendrich DHS Departamento de Hidráulica e Saneamento/UFPR e

2 1. RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO DAS ÁGUAS PLUVIAIS V = V r x A c V = Volume do Reservatório de Detenção (m 3 ) V r = Volume Unitário de Detenção (mm/m 2 ) A c = Área de Coleta das Águas Pluviais (m 2 ) 1.1 JAPÃO (1995): Em Todo o País: V r = 100 mm/m 2 = 100 l /m 2 Para: A c = 100 m 2 V = l = 10 m GUARULHOS (2000): Lei Nº (Independe da A imp do Lote) Para: A LOTE = 125 m 2 (V = 0,5 m 3 ) Até A LOTE = 600 m 2 (V = 3,5 m 3 ) A LOTE > 600 m 2 Adotar: V r = 6,0 mm/m 2 = 6,0 l/m CURITIBA (2002): (FENDRICH) Detenção Distribuída das Águas Pluviais em Todas as Bacias Hidrográficas em Função das A IMP Vr = 20,5 mm/m 2 = 20,5 l/m 2 Para: A c = 100 m 2 V = l = 2,05 m 3

3 1.4 SÃO PAULO (2002): Lei Nº Micro-reservatórios de Detenção Para A i > 500 m 2 V = Volume do Reservatório de Detenção (m 3 ) A i = Área Impermeabilizada do Lote (m 2 ) V = 0,15 x Ai x IP x t IP = Intensidade Pluviométrica = 0,06 m/h = 60 mm/h (?) t = Tempo de Duração da Chuva = 1 h (?) Substituindo: V = 0,009 x A i Portanto: V r = 9 mm/m 2 = 9 l /m 2 Para: A i = 100 m 2 V = 900 l = 0,90 m RIO DE JANEIRO (2004): Decreto Nº Para A i > 500 m 2 V = k x A i x h V = Volume do Reservatório de Detenção (m 3 ) k = Coef. de Abatimento (= 0,15) (Igual de São Paulo?) A i = Área Impermeabilizada do Lote (m 2 ) h = Altura de Chuva (= 0,06 m nas áreas 1, 2 e 4) (Igual de São Paulo?) (= 0,07 m nas áreas 3 e 5) (Chove mais nestas áreas?) Substituindo e Para: A i = 100 m 2 - Áreas de Planejamento 1, 2 e 4: V = 900 l = 0,90 m 3 - Áreas de Planejamento 3 e 5: V = l = 1,05 m 3

4 1.6 CURITIBA (2007): Decreto Nº 176 Sec. Municipal de Obras Públicas/Sec. Municipal de Urbanismo/ Sec. Municipal do Meio Ambiente de Curitiba V = 0,20 x I x A V = Vol. do Reserv. de Retenção (?) ou de Detenção (?) I = 0,080 m/h (Intensidade da Chuva?) A = Área Impermeabilizada do Lote (m 2 ) Para Lote: A = 100 m 2 Vol. do Reserv. de Retenção ou de Detenção (?) V = 0,20 x 0,080 x 100 = 1,60 m 3 /h = 27 l /min = 0,45 l /s - Resultou em VAZÃO (?) Não é VOLUME! - Qual o Tempo de Duração da Chuva? OBJETIVO DO DECRETO: Orientação aos Projetistas de Drenagem Superficial dos Critérios para Dimensionamento e Implantação dos Mecanismos de Contenção de Cheias (?)

5 2. INSTRUMENTOS LEGAIS DE NORMATIZAÇÃO NO BRASIL 2.1 UTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS PLUVIAIS 03/2000 Comitê Brasileiro de Construção Civil CB2, da ABNT, PNBR 02: Captação e Uso Local de Águas Pluviais > Dimensionamento de Reservatórios de Detenção Pelo Método de Rippl? > Comitê Desativado em 12/ /2006 Comissão de Estudo Especial Temporária de Aproveitamento de Água de Chuva, da ABNT, PNBR Aproveitamento de Água de Chuva em Áreas Urbanas Para Fins Não Potáveis Requisitos. > Atendimento de Consumo Médio, Não Utilizando Índices Pluviométricos e > Regularização de Vazões pelo Método de Rippl? 10/2007 Editada a Norma NBR /2007 (ABNT)

6 2.2 ÁGUAS CINZAS 03/ Conselho Nacional de Recursos Hídricos CNRH Resolução Nº 54/2005 ARTIGO 1º: Critérios Gerais, Modalidades e Diretrizes. ARTIGO 2º: Definições Adequadas do Reúso de Água. ARTIGO 3º: Indica Cinco Modalidades do Reúso de Água, em Nenhuma Delas o Reúso em Bacias Sanitárias, Atendendo ao Princípio Básico da Preservação da Saúde Pública dos Habitantes das Edificações.

7 3. LEGISLAÇÃO EM CURITIBA > LEI Nº /2003: PURAE CÂMARA MUNICIPAL DE CURITIBA < (Racionalização dos Usos da Água Potável + Utilização de Fontes Alternativas: Águas Pluviais e Águas Servidas) O Prefeito Municipal de Curitiba, em 18/09/2003, sancionou a Lei Nº , elaborada pelo Presidente da Câmara Municipal e aprovada por unanimidade dos vereadores, Cria no Município de Curitiba o Programa de Conservação e Uso Racional da Água nas Edificações PURAE. > DECRETO Nº 293/2006 PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA< (Regulamentou a Lei Nº /2003: PURAE) Em 22/03/2006, a Secretaria de Urbanismo/P.M.C., apresentou o Decreto Nº 293: Regulamenta a Lei Nº /03 - PURAE e dispõe sobre os critérios do uso e conservação racional da água nas edificações e dá outras providências.

8 A demora na regulamentação da Lei PURAE, de acordo com o Secretário Municipal do Urbanismo, foi devida aos ajustes feitos depois de uma ampla discussão com a Sociedade Civil. Em 22 de Março, Dia Mundial da Água, concomitantemente à realização da 8ª Conferência Mundial da ONU Sobre Biodiversidade e Meio Ambiente nas Cidades, com a presença e participação de representantes de muitos países dos cinco continentes e ainda, presença de toda a cúpula do Ministério do Meio Ambiente do Brasil, o Prefeito Municipal de Curitiba, sancionou nesse dia, o Decreto Nº 293/2006.

9 A. SIMULAÇÃO com o Art. 5º 1º: 1º) Edifício Residencial com Área Projetada da Cobertura = 190 m 2 ; 2º) Edifício com 15 Pavimentos e 1 Ud. Habitacional / Pavimento; 3º) Unidade Habitacional com 3 Quartos. (+) No Art. 5º 1º Edificações Residenciais: O Volume é do Reservatório de Detenção das ÁGUAS PLUVIAIS ou é do Reservatório das ÁGUAS CINZAS DE REÚSO? V = N. C. d. 0,25 V = Volume do reservatório (l); N = Número de unidades habitacionais; C = Consumo diário (l/dia) = f (Nº de quartos); d = Número de dias de reserva = 2 dias d = 2 dias de reserva é estabelecido pelas concessionárias para Água Potável.

10 Se for para Águas Cinzas de Reúso, o Decreto não fornece nenhum parâmetro de qualidade que estas águas deverão ter, colocando em perigo a saúde dos usuários. V = 15 x 800 x 2 x 0,25 V = 6.000l 1º) Se o reservatório for destinado ao armazenamento das Águas Cinzas para Reúso: Onde estão especificados os Parâmetros de Qualidade dessas águas no Decreto, ou na Própria Lei Nº ? 2º) Se o reservatório for destinado a Detenção das Águas Pluviais para Utilização em fins não-potáveis: Onde estão as especificações do dimensionamento do reservatório de auto-limpeza para sedimentação das impurezas presentes no telhado?

11 De acordo com a Expressão dos Volumes de Detenção Distribuída das Águas Pluviais para o Município de Curitiba (2002): V = 20,5 mm/m 2 x A V = Volume do reservatório de detenção das águas pluviais (m 3 ); A = Área de coleta das águas pluviais (m 2 ). Como a área de captação das águas pluviais do edifício é A = 190 m 2 : V = 20,5 x 190 V = l (O reservatório de detenção das águas pluviais deve ter apenas 65 % do volume calculado pela Expressão do Decreto Nº 293/06).

12 (+) No Art 5º 2º Edificações Comerciais: Persiste a mesma dúvida do 1º: É Reservatório de Detenção e Utilização das Águas Pluviais ou é Reservatório de Reúso das Águas Cinzas? V = A c. 0,75 V = Volume do reservatório (l); A c = Área total computável da edificação (m 2 ). B. SIMULAÇÃO com o Art. 5º 2º : Edifício Comercial: - Área total computável A c = m 2 ; - Área do telhado A = m 2 V = x 0,75 = l (Águas Cinzas de de Reúso? ou ou Águas Pluviais para para Utilização?) O volume do Reservatório de Detenção das Águas Pluviais: V = 20,5 x = l (18,2X (18,2X Maior Maior do do que que o Reservatório de de Reúso!) (+) No Art. 5º 3º : Reservatório mínimo de 500 l. Esse reservatório é destinado ao armazenamento das Águas Cinzas de Reúso? Ou é destinado a detenção das Águas Pluviais?

13 Com relação a Regulamentação da Lei Nº /03 PURAE, sempre me posicionei para que a mesma fosse regulamentada, a luz de critérios e parâmetros técnicocientíficos, via 3 decretos municipais distintos: - 1º Decreto: Para regulamentar a Racionalização dos Usos da Água Potável; - 2º Decreto: Para regulamentar a Detenção Distribuída das Águas Pluviais e a Utilização para Fins Não-Potáveis; - 3º Decreto: Para regulamentar o Reúso das Águas Cinzas, somente após o desenvolvimento de estudos e pesquisas, para fornecer aos usuários os critérios e os parâmetros de qualidade das águas cinzas de reúso nas instalações prediais, para não colocar em risco a saúde dos habitantes das edificações.

14 ESTE POSICIONAMENTO AOS RESPONSÁVEIS PELA REGULAMENTAÇÃO DA LEI MUNICIPAL Nº /03 PURAE, FOI REGISTRADO EM: 19/09/2003: Reunião no SINDUSCON PR (Presenças do Prefeito Municipal Cassio Taniguchi, do Presidente da Câmara Municipal João Cláudio Derosso, e do Secretário Municipal de Urbanismo Luiz Fernando de Souza Jamur). 01/07/2005: Reunião na Secretaria Municipal de Urbanismo (Presenças do Secretário de Urbanismo Luiz Fernando de Souza Jamur e do Engenheiro Civil Volmir Selig, Vice-Presidente do SINDUSCON PR). 27/09/2005: No Debate da SEPEC/2005 Reúso de Águas Servidas e Aproveitamento das Águas Pluviais nas Edificações (Análise da Lei Municipal Nº /2003 de Curitiba), no Auditório da UTFPR (Presença do Secretário Municipal de Urbanismo Luiz Fernando de Souza Jamur). 14/10/2005: Ano XXXII, Nº 607, Página 7: Boletim do Instituto de Engenharia do Paraná:- IEP: Box na Cor Verde, o posicionamento externado no Debate da SEPEC/2005 (UTFPR).

15 18/11/2005: Seminário Racionalização e Reúso da Água no Município de Curitiba, Câmara Municipal de Curitiba, Coordenação dos Vereadores João Cláudio Derosso, Presidente, Felipe Braga Côrtes, da Comissão de Urbanismo e Obras Públicas, e Paulo Salamuni, da Comissão de Legislação, Justiça e Redação. No Debate da Lei Nº /2003 PURAE, foi entregue para todos os participantes, o meu posicionamento: Exposição de Motivos Para Postergar a Regulamentação do Reúso das Águas Cinzas nas Edificações de Curitiba. (Consta dos Anais do Legislativo Municipal). Me parece que não só os meus posicionamentos, assim como de outros Profissionais altamente qualificados, das áreas da Construção Civil, do Saneamento Básico, da Arquitetura e Urbanismo, da Hidrologia e Drenagem Urbana, entre outros, foram totalmente inócuos e, foi feita a Regulamentação da Lei Nº /2003 PURAE, mediante o Decreto Nº 293/2006, a qual ao meu ver, misturou os três temas envolvidos, todos de alta relevância para a preservação e conservação dos recursos hídricos de Curitiba e sua Região Metropolitana.

16 Me recordo a pergunta feita pelo Engenheiro Civil Volmir Selig, na Reunião de 19/09/2003, no SINDUSCON PR, aos participantes do Legislativo e Executivo Municipais: De quem será a responsabilidade e a culpa de uma ligação indevida e cruzada das Águas Cinzas de Reúso com a Água Potável de Consumo e, a filha pequena do seu melhor Amigo, ingerindo-a com vírus infeccioso, contrair hepatite crônica e/ou mesmo ocasionar a sua morte? A Resposta à pergunta está contida no Parágrafo Único do Art. 2º do Decreto Nº293/2006: A EXECUÇÃO DOS MECANISMOS PREVISTOS NO PROJETO CITADO NO CAPUT DESTE ARTIGO, É DE RESPONSABILIDADE DO PROPRIETÁRIO E DO PROFISSIONAL RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO DA OBRA, DEVENDO A MESMA SER CONCLUÍDA ANTES DE OCORRER A HABITAÇÃO DA EDIFICAÇÃO.

17 Pela resposta, os Responsáveis pela Elaboração da Lei Nº /03 PURAE, o LEGISLATIVO MUNICIPAL DE CURITIBA, e, os Responsáveis pela sua Regulamentação e Implementação, o EXECUTIVO MUNICIPAL DE CURITIBA, se eximem de todas e quaisquer responsabilidades e/ou imputação de culpabilidade. Os Responsáveis, facilmente, serão encontrados na ART Anotação de Responsabilidade Técnica do CREA-PR, o PROPRIETÁRIO, o PROJETISTA e o EXECUTOR DA OBRA.

18 COM OS POSICIONAMENTOS: CREA-PR (Câmaras Especializadas de Engenharia Civil e Arquitetura e Urbanismo) SENGE-PR Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná SINDUSCON-PR Sindicato da Indústria da Construção Civil do Paraná ABENC-PR Associação Brasileira de Engenheiros Civis Dep. do PR I.E.P Instituto de Engenharia do Paraná Coordenadores dos Cursos de Engenharia Civil e de Arquitetura e Urbanismo: UFPR; UTFPR; UEL; UEM; UEPG; UNIOESTE; PUCPR; UNICENP; UTP; FAG; UDC Demais Entidades de Classe de Todo o Estado do Paraná

19 5. CONCLUSÕES Num intervalo de três anos, foi excluída a possibilidade de utilização da água cinza em edificações residenciais, fato esse devido a participação intensa do meio técnico e científico Local, onde cabe destacar, a participação de Pesquisadores do DHS UFPR. A racionalização dos usos da água potável, a preservação e conservação dos recursos hídricos pela utilização de fontes alternativas tais como águas pluviais e águas cinzas para fins não-potáveis, é de suma importância não só para o Brasil, mas também para toda a Humanidade, tendo em vista as perspectivas sombrias da escassez de água, atingindo bilhões de pessoas nas próximas décadas.

Detenção Distribuída e Utilização das Águas Pluviais

Detenção Distribuída e Utilização das Águas Pluviais XI Simpósio Nacional de Sistemas Prediais SISPRED UFPR UTFPR Curitiba, 17 à 19/06/2009 Detenção Distribuída e Utilização das Águas Pluviais Professor Dr. Roberto Fendrich Departamento de Hidráulica e Saneamento

Leia mais

PURAE Programa de Conservação e Uso Racional da Água nas Edificações. Vereador Derosso

PURAE Programa de Conservação e Uso Racional da Água nas Edificações. Vereador Derosso PURAE Programa de Conservação e Uso Racional da Água nas Edificações Vereador Derosso Desperdício de água potável Desperdício de água potável Desperdício de água potável Desperdício de água potável velpurae

Leia mais

reuso e utilização de água de chuva

reuso e utilização de água de chuva Definições Legislação sobre reuso e utilização de água de chuva FABIANO GENEROSO Biólogo Especialista em Técnicas Avançadas em Análises Clínicas - USP Especialista em Parasitologia Médica - USP Especialista

Leia mais

Lei nº 10200 DE 08/01/2015

Lei nº 10200 DE 08/01/2015 Lei nº 10200 DE 08/01/2015 Norma Estadual - Maranhão Publicado no DOE em 12 jan 2015 Dispõe sobre a Política Estadual de Gestão e Manejo Integrado de Águas Urbanas e dá outras providências. O Governador

Leia mais

LEGISLAÇÃO SOBRE USO RACIONAL DA ÁGUA

LEGISLAÇÃO SOBRE USO RACIONAL DA ÁGUA LEGISLAÇÃO SOBRE USO RACIONAL DA ÁGUA LEGISLAÇÃO SOBRE USO RACIONAL DA ÁGUA MARÇO 2004 SUMÁRIO 1. L EI COMPLEMENTAR Nº 110/2003 - MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO/RS...3 2. L EI Nº 5935/2002 - MUNICÍPIO DE BLUMENAL/SC...4

Leia mais

LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007

LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007 LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007 CRIA, no município de Manaus, o Programa de Tratamento e Uso Racional das Águas nas edificações PRO-ÁGUAS. O PREFEITO DE MANAUS, usando das atribuições que lhe são

Leia mais

Uma visão sistêmica para conservação de água no ambiente construído

Uma visão sistêmica para conservação de água no ambiente construído Uma visão sistêmica para conservação de água no ambiente construído Profa. Dra. Marina S. de Oliveira Ilha FEC/UNICAMP Marina Ilha SBCS08 1 Distribuição da água doce superficial MUNDO CONT. AMERICANO Nordeste

Leia mais

11º Seminário Tecnologia de Sistemas Prediais SindusConSP. Agua: pague menos

11º Seminário Tecnologia de Sistemas Prediais SindusConSP. Agua: pague menos 11º Seminário Tecnologia de Sistemas Prediais SindusConSP Agua: pague menos Atitudes para o usuário diminuir o consumo de água da rede pública: 1. Peças que economizam água 2. Medição individualizada e

Leia mais

Os projetos de habitação de interesse social adotados nesta pesquisa encontram-se caracterizados na tabela 1.

Os projetos de habitação de interesse social adotados nesta pesquisa encontram-se caracterizados na tabela 1. DETERMINAÇÃO DOS CUSTOS DIRETOS E DA VIABILIDADE ECONÔMICA PARA UM SISTEMA DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA PLUVIAL E EQUIPAMENTOS SANITÁRIOS ECONOMIZADORES DE ÁGUA: ESTUDO DE CASO PARA HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Geraldo Resende) Estabelece a Política Nacional de Captação, Armazenamento e Aproveitamento de Águas Pluviais e define normas gerais para sua promoção. O Congresso Nacional

Leia mais

Gestão das Águas Pluviais no Meio Urbano

Gestão das Águas Pluviais no Meio Urbano Gestão das Águas Pluviais no Meio Urbano PROF. DR. JOSÉ RODOLFO SCARATI MARTINS ESCOLA POLITÉCNICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO A CIDADE É O GRANDE VILÃO AMBIENTAL Grandes demandas concentradas sobre uma

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE DO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL NO ESTADO DE RONDÔNIA

ESTUDO DA VIABILIDADE DO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL NO ESTADO DE RONDÔNIA ISSN 1984-9354 ESTUDO DA VIABILIDADE DO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL NO ESTADO DE RONDÔNIA Sérgio Luiz Souza Nazário (UNESC) Natália Sanchez Molina (UNESC) Rafael Germano Pires (UNESC) Débora Pereira

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS EM ÁREAS URBANAS

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS EM ÁREAS URBANAS UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS EM ÁREAS URBANAS Profª. Simone Rosa da Silva 2015 Torres empresariais : Isaac newton e Alfred Nobel Const.: Rio Ave Aspectos

Leia mais

TECNOLOGIAS ÁGUA AGENDA ÁGUA

TECNOLOGIAS ÁGUA AGENDA ÁGUA TECNOLOGIAS ÁGUA AGENDA ÁGUA Carla Sautchúk 21/06/2011 1 Cenário da água PANORAMA DA ÁGUA NO BRASIL Detém 12% da água do mundo e 53% da água do continente sul americano; 90% dos recursos hídricos são utilizados

Leia mais

APROVEITAMENTO DA ÁGUA PLUVIAL PARA FINS NÃO POTÁVEIS

APROVEITAMENTO DA ÁGUA PLUVIAL PARA FINS NÃO POTÁVEIS ISSN 1984-9354 APROVEITAMENTO DA ÁGUA PLUVIAL PARA FINS NÃO POTÁVEIS Andrea Sartori Jabur (UTFPR) Heloiza Piassa Benetti (UTFPR) Elizangela Marcelo Siliprandi (UTFPR) Resumo A utilização das águas pluviais,

Leia mais

Uso sustentável da água na construção. Marina Sangoi de Oliveira Ilha Livre-Docente LEPSIS/FEC/UNICAMP

Uso sustentável da água na construção. Marina Sangoi de Oliveira Ilha Livre-Docente LEPSIS/FEC/UNICAMP Uso sustentável da água na construção Marina Sangoi de Oliveira Ilha Livre-Docente LEPSIS/FEC/UNICAMP Profa. Dra. Marina Ilha, FEC/UNICAMP 13% águas superficiais - mundo 34,9% Américas 68 região Norte

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA NAS EDIFICAÇÕES INDUSTRIAIS

UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA NAS EDIFICAÇÕES INDUSTRIAIS UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA NAS EDIFICAÇÕES INDUSTRIAIS Margolaine Giacchini (UEPG) margolaine@pop.com.br Alceu Gomes de Andrade Filho (UEPG) Resumo Os recursos hídricos estão ameaçados pela degradação

Leia mais

CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS PARA ABASTECIMENTO RESIDENCIAL

CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS PARA ABASTECIMENTO RESIDENCIAL MARCOS TOZZI E JOSÉ JUNJI OTA CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS PARA ABASTECIMENTO RESIDENCIAL DEBORA SPERANCETTA Ex-aluna - Engenharia Civil - Centro Universitário Positivo / UnicenP deborasperancetta@hotmail.com

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA Prof. Dr. Eng. Civil Adilson Pinheiro Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Departamento de Engenharia Civil UNIVERSIDADE

Leia mais

XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS COMPARAÇÃO DE DIMENSIONAMENTO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUAS PLUVIAIS PARA UMA ESCOLA

XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS COMPARAÇÃO DE DIMENSIONAMENTO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUAS PLUVIAIS PARA UMA ESCOLA XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS COMPARAÇÃO DE DIMENSIONAMENTO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUAS PLUVIAIS PARA UMA ESCOLA Ronaldo Kanopf de Araújo 1, Lidiane Bitencourt Barroso 2 ; Denise Kanopf de

Leia mais

CONSERVAÇÃO DA ÁGUA NO MEIO URBANO

CONSERVAÇÃO DA ÁGUA NO MEIO URBANO CONSERVAÇÃO DA ÁGUA NO MEIO URBANO ÁGUA NO PLANETA TERRA 70 % Superfície ÁGUA 97% ÁGUA SALGADA 3% ÁGUA DOCE ÁGUA DOCE BRASIL = 12 % 20% 0% NORTE OUTRAS 80% IMPORTÂNCIA DA ÁGUA BEM ÚNICO E FINITO SOBREVIVÊNCIA

Leia mais

III - disciplinar a implantação adequada e o funcionamento dos sistemas de coleta, tratamento e disposição de esgotos sanitários;

III - disciplinar a implantação adequada e o funcionamento dos sistemas de coleta, tratamento e disposição de esgotos sanitários; PROJETO DE: EMENDA À LEI ORGÂNICA LEI COMPLEMENTAR LEI ORDINÁRIA RESOLUÇÃO NORMATIVA DECRETO LEGISLATIVO ( X ) Nº /2013 AUTOR/SIGNATÁRIO: Ver. GILBERTO PAIXÃO EMENTA: Dispõe sobre os serviços e obras para

Leia mais

CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA EM CONDOMÍNIOS HORIZONTAIS

CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA EM CONDOMÍNIOS HORIZONTAIS CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA EM CONDOMÍNIOS HORIZONTAIS Isabelle Yruska de Lucena Gomes da Costa 1 ; Celso Augusto Guimarães Santos 2 e Fernando A. Burity 3 RESUMO O presente artigo aborda sobre a captação

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DE ÁGUA EM EMPRESA DE TRANSPORTES NO NORTE DO PARANÁ - BRASIL

PROPOSTA DE PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DE ÁGUA EM EMPRESA DE TRANSPORTES NO NORTE DO PARANÁ - BRASIL PROPOSTA DE PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DE ÁGUA EM EMPRESA DE TRANSPORTES NO NORTE DO PARANÁ - BRASIL Shaiany Corrêa Ferreira Nogas 1 ; Stella Maris da Cruz Bezerra 2 ; Celimar Azambuja Teixeira 3 ; Bruna

Leia mais

Tipos de Reuso. . Reuso Industrial

Tipos de Reuso. . Reuso Industrial Cerca de 71% da superfície do planeta Terra é coberta por água. Cerca de 97,5% dessa água é salgada e está nos oceanos, 2,5% é doce sendo que deles, 2% estão nas geleiras, e apenas 0,5% estão disponíveis

Leia mais

Gestão do uso da água em edifícios e critérios para obtenção do Selo Casa Azul da Caixa

Gestão do uso da água em edifícios e critérios para obtenção do Selo Casa Azul da Caixa 60 Hydro Setembro 2010 Lúcia Helena de Oliveira é professora do Departamento de Engenharia de Construção Civil da Epusp Escola Politécnica da Universidade de São Paulo e pesquisadora da área de sistemas

Leia mais

Santo André, 26 de agosto de 2014. À Prefeitura Municipal de Santo André Conselho Municipal de Política Urbana. Ref.

Santo André, 26 de agosto de 2014. À Prefeitura Municipal de Santo André Conselho Municipal de Política Urbana. Ref. Santo André, 26 de agosto de 2014 À Prefeitura Municipal de Santo André Conselho Municipal de Política Urbana Ref.: Revisão da LUOPS O SINDUSCON-SP Sindicato da Industria da Construção Civil do Estado

Leia mais

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\ ATO DE SANÇÃO N.º 003/2010. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ACAUÃ, ESTADO DO PIAUÍ, no uso de suas atribuições legais, sanciona por meio do presente, o Projeto de Lei do Executivo de N.º 002/2010, Ementa: Dispõe

Leia mais

Informativo Eletrônico do Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios Guandu, da Guarda e Guandu-Mirim

Informativo Eletrônico do Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios Guandu, da Guarda e Guandu-Mirim BOLETIM DIGITAL Edição 5 - Julho 2014 Informativo Eletrônico do Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios Guandu, da Guarda e Guandu-Mirim Estresse hídrico na Bacia do Paraíba do Sul preocupa Comitê Foto:

Leia mais

Aula 2 - Concepção de Sistemas de Abastecimento

Aula 2 - Concepção de Sistemas de Abastecimento Aula 2 - Concepção de Sistemas de Abastecimento 2.1 - Definição e Objetivos Objetivo principal de um Sistema de Abastecimento de água: fornecer ao usuário uma água de boa qualidade para seu uso, em quantidade

Leia mais

O Reuso da Água no contexto da Política Municipal de Combate às Mudanças Climáticas

O Reuso da Água no contexto da Política Municipal de Combate às Mudanças Climáticas O Reuso da Água no contexto da Política Municipal de Combate às Mudanças Climáticas Weber Coutinho Gerente de Planejamento e Monitoramento Ambiental Secretaria Municipal de Meio Ambiente Junho / 2015 Mudanças

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE TELHADOS VERDES EM UM PONTO CRÍTICO DE SANTA MARIA - RS¹

DIMENSIONAMENTO DE TELHADOS VERDES EM UM PONTO CRÍTICO DE SANTA MARIA - RS¹ DIMENSIONAMENTO DE TELHADOS VERDES EM UM PONTO CRÍTICO DE SANTA MARIA - RS¹ BINS, Fernando Henrique²; TEIXEIRA, Laís³; TEIXEIRA, Marília 4 ; RIBEIRO, Mariana 5 1 Trabalho de pesquisa_unifra ² Acadêmico

Leia mais

Capítulo 24- Leis municipais sobre água de chuva

Capítulo 24- Leis municipais sobre água de chuva Aproveitamento de água de chuva em áreas urbanas para fins não potáveis Capitulo 24- Leis municipais sobre água de chuva Engenheiro Plínio Tomaz 23 de dezembro 2009 pliniotomaz@uol.com.br Capítulo 24-

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 002 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº 002 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010. RESOLUÇÃO Nº 002 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010. Dispõe sobre as diretrizes técnicas e condições necessárias para aprovação de PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS pela OPERADORA DO S.A.A.E em empreendimentos localizados

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1175, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 1175, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 1175, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013. Dispõe sobre critérios para definição de derivações, captações e lançamentos de efluentes insignificantes, bem como serviços e outras interferências em corpos

Leia mais

Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte

Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte IGARN Natal maio/2014 BASE LEGAL PARA A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS Art. 1º Fundamentos: LEI 9.433/1997 a água é bem de domínio

Leia mais

Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini

Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini A Gestão de Recursos Hídricos H e a Regulação da Medição de Água Situação

Leia mais

NORMA DE FISCALIZAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA DE ENGENHARIA CIVIL E QUÍMICA N 001/09 DE ABRIL DE 2009.

NORMA DE FISCALIZAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA DE ENGENHARIA CIVIL E QUÍMICA N 001/09 DE ABRIL DE 2009. NORMA DE FISCALIZAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA DE ENGENHARIA CIVIL E QUÍMICA N 001/09 DE ABRIL DE 2009. Esclarece a competência dos Engenheiros: Civis, de Fortificações, Sanitaristas e Químicos quanto projetos,

Leia mais

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP R. R. Chahin a a. Companhia de Saneamento Básico do Estado de

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TECNOLOGIA VERDE BRASIL - ATVerdeBrasil MINUTA DE PROJETO DE LEI A SER SUGERIDA AOS PODERES PÚBLICOS

ASSOCIAÇÃO TECNOLOGIA VERDE BRASIL - ATVerdeBrasil MINUTA DE PROJETO DE LEI A SER SUGERIDA AOS PODERES PÚBLICOS ASSOCIAÇÃO TECNOLOGIA VERDE BRASIL - ATVerdeBrasil MINUTA DE PROJETO DE LEI A SER SUGERIDA AOS PODERES PÚBLICOS PROJETO DE LEI DO LEGISLATIVO Dispõe sobre a obrigatoriedade da instalação de telhados verdes

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE LEI Nº 354/2014 Dispõe sobre a Política Municipal de Saneamento Básico, cria o Conselho Municipal de Saneamento Básico e o Fundo Municipal de Saneamento de Básico, e dá outras providências. A Prefeita

Leia mais

... Completando 75 anos em 2011 hoje presente em 12 capitais brasileiras é mantida pela indústria brasileira de cimento, com o propósito de promover

... Completando 75 anos em 2011 hoje presente em 12 capitais brasileiras é mantida pela indústria brasileira de cimento, com o propósito de promover ... Completando 75 anos em 2011 hoje presente em 12 capitais brasileiras é mantida pela indústria brasileira de cimento, com o propósito de promover o desenvolvimento da construção civil. Clique para editar

Leia mais

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades.

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. professor Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. Também serão produzidos, dentro de sala de aula, cartazes

Leia mais

LEGISLAÇÃO SOBRE USO RACIONAL DA ÁGUA

LEGISLAÇÃO SOBRE USO RACIONAL DA ÁGUA LEGISLAÇÃO SOBRE USO RACIONAL DA ÁGUA LEGISLAÇÃO SOBRE USO RACIONAL DA ÁGUA MARÇO 2004 SUMÁRIO 1. L EI COMPLEMENTAR Nº 110/2003 - MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO/RS...3 2. L EI Nº 5935/2002 - MUNICÍPIO DE BLUMENAL/SC...4

Leia mais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173535

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173535 COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173535 Aproveitamento de água de chuva Luciano Zanella Palestra apresentado no 2.Semana de Engenharia Ambiental, Poços de Caldas, 2015 A série Comunicação Técnica compreende trabalhos

Leia mais

7º ENCONTRO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA Recife setembro 2005

7º ENCONTRO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA Recife setembro 2005 7º ENCONTRO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA Recife setembro 2005 O PAPEL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA NA QUALIDADE AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

Leia mais

Curso: Panorama dos Recursos Hídricos no Mundo e no Brasil

Curso: Panorama dos Recursos Hídricos no Mundo e no Brasil Curso: Panorama dos Recursos Hídricos no Mundo e no Brasil Aula: A água em números Alexandre Resende Tofeti Brasília - DF 23 de Agosto de 2013 CFI Dados sobre a Água no Mundo e na América do Sul Reservas

Leia mais

Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água

Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água Mierzwa, José Carlos Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de Reuso de Água Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Sumário Legislações de Reuso; Consumo de Água na Indústria; Experiências de Sucesso: Banco de Boas Práticas Ambientais;

Leia mais

Falta de água e excesso de água

Falta de água e excesso de água Falta de água e excesso de água Quando era aluno na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, o professor doutor José Meiches era Secretário de Obras Públicas do Estado de São Paulo em seu primeiro

Leia mais

USO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL COMO APOIO PARA O DIMENSIONAMENTO DE RESERVATÓRIOS PARA ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL

USO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL COMO APOIO PARA O DIMENSIONAMENTO DE RESERVATÓRIOS PARA ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL USO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL COMO APOIO PARA O DIMENSIONAMENTO DE RESERVATÓRIOS PARA ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL

Leia mais

Aproveitamento de água de chuva para fins não potáveis em áreas urbana

Aproveitamento de água de chuva para fins não potáveis em áreas urbana Aproveitamento de água de chuva para fins não potáveis em áreas urbana Fortaleza dos Templários em Tomar- 1160 dc.portugal Conservação da água Ciclo hidrológico ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas

Leia mais

PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007

PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007 PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007 ESTABELECE OS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS E ADMINISTRATIVOS PARA EMISSÃO DA DECLARAÇÃO DE RESERVA DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA E DE OUTORGA PARA USO DE POTENCIAL

Leia mais

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS Autores: Rita de Cássia Junqueira: Cargo atual: Tecnóloga Sanitarista Formação: Tecnologia Sanitária Universidade de Campinas -

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM E MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS DA CIDADE DO NATAL 3.2 -MEDIDAS NÃO-ESTRUTURAIS

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM E MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS DA CIDADE DO NATAL 3.2 -MEDIDAS NÃO-ESTRUTURAIS PLANO DIRETOR DE DRENAGEM E MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS DA CIDADE DO NATAL 3.2 -MEDIDAS NÃO-ESTRUTURAIS NATAL/RN, Outubro / 2009 EQUIPE DO PLANO DIRETOR DE DRENAGEM E MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS (PPDDMA) Demétrio

Leia mais

SISTEMA DE CONTENÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS

SISTEMA DE CONTENÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS SISTEMA DE CONTENÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS Com a crescente urbanização e expansão das cidades os problemas resultantes das chuvas tem se tornado cada vez mais frequentes e mais graves devido a diversos fatores:

Leia mais

LEI Nº 9.511, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014 A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI:

LEI Nº 9.511, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014 A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: 1 Gabinete do Prefeito LEI Nº 9.511, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014 Estabelece regras de Controle de Águas Pluviais e Drenagem Urbana e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.334, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010. Estabelece a Política Nacional de Segurança de Barragens destinadas à acumulação de água

Leia mais

Conservação de Água nos Edifícios. Marina Sangoi de Oliveira Ilha Livre-Docente LEPSIS/FEC/UNICAMP

Conservação de Água nos Edifícios. Marina Sangoi de Oliveira Ilha Livre-Docente LEPSIS/FEC/UNICAMP Conservação de Água nos Edifícios Marina Sangoi de Oliveira Ilha Livre-Docente LEPSIS/FEC/UNICAMP 13% águas superficiais - mundo 34,9% Américas 68 região Norte 6% região Sudeste ~ 9,1 milhões hab. 68%

Leia mais

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL E CONSERVAÇÃO DA ÁGUA EM PROJETOS DE EDIFÍCIOS PARA HABITAÇÃO

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL E CONSERVAÇÃO DA ÁGUA EM PROJETOS DE EDIFÍCIOS PARA HABITAÇÃO SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL E CONSERVAÇÃO DA ÁGUA EM PROJETOS DE EDIFÍCIOS PARA HABITAÇÃO Andreza KALBUSCH M.Sc., Eng., Doutorando em Engenharia Civil pela UFSC. Rua João Pio Duarte Silva, s/n - Córrego

Leia mais

AVALIAÇÃO ECONÔMICA DOS SISTEMAS DE REÚSO DE ÁGUA EM EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS

AVALIAÇÃO ECONÔMICA DOS SISTEMAS DE REÚSO DE ÁGUA EM EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS VIII-Mierzwa-Brasil-3 AVALIAÇÃO ECONÔMICA DOS SISTEMAS DE REÚSO DE ÁGUA EM EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS José Carlos Mierzwa (1) Professor Pesquisador do Departamento de Engenharia Hidráulica e Sanitária

Leia mais

ATA DA 54ª REUNIÃO DO CONSELHO GESTOR DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA.

ATA DA 54ª REUNIÃO DO CONSELHO GESTOR DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA. ATA DA 54ª REUNIÃO DO CONSELHO GESTOR DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA. OBJETO: - Proposta de Alteração e atualização do Zoneamento da APA do Rio Verde; - Proposta de Alteração do Decreto

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE AÇÕES PREVISTAS PELO PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA DE PORTO ALEGRE

IMPLANTAÇÃO DE AÇÕES PREVISTAS PELO PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA DE PORTO ALEGRE IMPLANTAÇÃO DE AÇÕES PREVISTAS PELO PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA DE PORTO ALEGRE 1) INTRODUÇÃO A cidade de Porto Alegre, capital do estado do Rio Grande do Sul, tem aproximadamente 1.300.000 habitantes

Leia mais

DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 15, DE 14 DE ABRIL DE 2011

DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 15, DE 14 DE ABRIL DE 2011 DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 15, DE 14 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre mecanismos e valores de cobrança pelo uso de recursos hídricos na bacia hidrográfica do rio Piracicaba-MG. O Comitê da Bacia Hidrográfica

Leia mais

Projeto do Vereador Paulo Salamuni. Idealização Professor Luiz Campestrini

Projeto do Vereador Paulo Salamuni. Idealização Professor Luiz Campestrini Programa de Reaproveitamento de Águas Projeto do Vereador Paulo Salamuni Idealização Professor Luiz Campestrini 1. Texto Base Programa de Reaproveitamento de Águas * Paulo Salamuni A previsão referente

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CHUVA ARMAZENADA, TRATAMENTOS NECESSÁRIOS E SUAS APLICAÇÕES PARA FINS NÃO POTÁVEIS PARA A CIDADE DE CATALÃO GO.

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CHUVA ARMAZENADA, TRATAMENTOS NECESSÁRIOS E SUAS APLICAÇÕES PARA FINS NÃO POTÁVEIS PARA A CIDADE DE CATALÃO GO. ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CHUVA ARMAZENADA, TRATAMENTOS NECESSÁRIOS E SUAS APLICAÇÕES PARA FINS NÃO POTÁVEIS PARA A CIDADE DE CATALÃO GO. Pedro de Almeida Carísio¹; Heber Martins de Paula 2 Engenharia

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Período: 2º semestre de 2014 Docente: Priscila Borges Alves Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Prontuário: 20.006-2 Regime de trabalho: [ X ] RDE [ ] 40h [ ] 20h Área: [ ]

Leia mais

APROVEITAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS PARA FINS NÃO POTÁVEIS CONJUNTO KOSMOS CURITIBA-PR

APROVEITAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS PARA FINS NÃO POTÁVEIS CONJUNTO KOSMOS CURITIBA-PR FERNANDO DE CASTILHOS LIMA APROVEITAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS PARA FINS NÃO POTÁVEIS CONJUNTO KOSMOS CURITIBA-PR Trabalho apresentado para obtenção parcial do título de MBA em Gestão Ambiental no curso de

Leia mais

DECRETO N.º 93/2004. Considerando a adoção de novo fluxo para emissão das licenças, resolve:

DECRETO N.º 93/2004. Considerando a adoção de novo fluxo para emissão das licenças, resolve: PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO URBANISMO DECRETO N.º 93/2004 Regulamenta o artigo 1º da Lei N.º 10.914/03 e dispõe sobre a instalação de Cercas Energizadas destinadas à proteção

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 5, DE 10 DE ABRIL DE

RESOLUÇÃO Nº 5, DE 10 DE ABRIL DE RESOLUÇÃO Nº 5, DE 10 DE ABRIL DE 2000 (Publicada no D.O.U de 11 de abril de 2000) (Modificada pela Resolução nº18, de 20 de dezembro de 2001, e pela Resolução nº 24, de 24 de maio de 2002) O Conselho

Leia mais

ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL

ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DATA: FEV/2011 1 de 10 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. NORMAS E ESPECIFICAÇÕES... 3 3. SISTEMAS

Leia mais

Clique para editar o estilo do título mestre

Clique para editar o estilo do título mestre ABCP... Completando 75 anos em 2011 hoje presente em 12 capitais brasileiras é mantida pela indústria brasileira de cimento, com o propósito de promover o desenvolvimento da construção civil. Clique para

Leia mais

Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009

Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009 Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009 Tema 2 Projeto de sistemas de aproveitamento de água de chuva Rodolfo Luiz Bezerra Nóbrega Universidade Federal

Leia mais

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Associação Brasileira de Recursos Hídricos Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Vladimir Caramori CTEC/UFAL Fortaleza, novembro de 2010 Gestão das águas urbanas Tema complexo reconhecido

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO À LEGISLAÇÃO PARA O PLANEJAMENTO DA DRENAGEM URBANA. Flávio A. de O. Alves 1 ; Costa, A. R 2.

CONTRIBUIÇÃO À LEGISLAÇÃO PARA O PLANEJAMENTO DA DRENAGEM URBANA. Flávio A. de O. Alves 1 ; Costa, A. R 2. FLÁVIO, A. O. A.; COSTA, A. R. Contribuição à Legislação para o Planejamento da Drenagem Urbana. In: CONGRESSO DE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO DA UFG COMPEEX, 2006, Goiânia. Anais eletrônicos do XIV Seminário

Leia mais

II-152 AVALIAÇÃO DA POSSIBILIDADE DE USO DA ÁGUA DE CHUVA NO CAMPUS BARIGUI DA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ

II-152 AVALIAÇÃO DA POSSIBILIDADE DE USO DA ÁGUA DE CHUVA NO CAMPUS BARIGUI DA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ II-152 AVALIAÇÃO DA POSSIBILIDADE DE USO DA ÁGUA DE CHUVA NO CAMPUS BARIGUI DA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Ana Paula Matias Schatzmann (1) Graduanda em Engenharia Ambiental pela Universidade Tuiuti do

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA PUBLICADO NO DOM N o 80 DE 20 / OUTUBRO / 2005 DECRETO N o 1.255 Regulamenta a Lei n o 11.035/04 e dispõe sobre a instalação de Cercas Energizadas destinadas à proteção

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica (DRDH) e de outorga de direito de uso de recursos

Leia mais

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II UFJF Faculdade de Engenharia - Dep. de Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Projeto VIII Prof: Luciane Tasca Grupo: Jeanny Vieira, Livia Cosentino, Marília

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 5 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Cap5 Plano Diretor de Águas Pluviais A gestão das águas pluviais dentro do município

Leia mais

Crise da Água em São Paulo Balanço e Propostas contribuição para o debate

Crise da Água em São Paulo Balanço e Propostas contribuição para o debate Crise da Água em São Paulo Balanço e Propostas contribuição para o debate Câmara dos Deputados 14 de Julho de 2015 Comissão Especial da Crise Hídrica O porque do colapso dos sistemas A Pergunta é: Precisávamos

Leia mais

INSTITUTO DE ENGENHARIA

INSTITUTO DE ENGENHARIA INSTITUTO DE ENGENHARIA DISCUSSÕES INTERNAS SOBRE A SITUAÇÃO ATUAL E FUTURA DOS RECURSOS HÍDRICOS DA MACROMETRÓPOLE PAULISTA. CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES. AGOSTO 2014 RECURSOS HIDRICOS PARA A MACROMETROPOLE

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE RESOLUÇÃO COPLAN Nº 001/2012 O Coordenador do COPLAN/ALTO VALE, no exercício de suas atribuições e, atendendo a deliberação ocorrida na reunião ordinária do dia 07/12/2011, resolve: Art. 1º Fica aprovado,

Leia mais

ESTUDOS DE CASO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL PARA FINS NÃO POTÁVEIS EM INSTITUIÇÃO DE ENSINO: ESTUDO DE CASO EM FLORIANÓPOLIS - SC

ESTUDOS DE CASO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL PARA FINS NÃO POTÁVEIS EM INSTITUIÇÃO DE ENSINO: ESTUDO DE CASO EM FLORIANÓPOLIS - SC ESTUDOS DE CASO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL PARA FINS NÃO POTÁVEIS EM INSTITUIÇÃO DE ENSINO: ESTUDO DE CASO EM FLORIANÓPOLIS - SC ANA KELLY MARINOSKI Orientador: Prof. Enedir Ghisi, PhD INTRODUÇÃO Objetivo

Leia mais

CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015

CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015 CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015 A Carta das Águas do Acre 2015 é o documento resultado do Seminário Água e Desenvolvimento Sustentável realizado pelo Governo do Estado do Acre, através da Secretaria de Estado

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Infraestrutura Urbana e Recursos Naturais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Infraestrutura Urbana e Recursos Naturais MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Infraestrutura Urbana e Recursos Naturais Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 037/COGUN/SEAE/MF Brasília, 05

Leia mais

3º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente

3º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente Eficiência no aproveitamento de água de chuva nas edificações: estado da arte Lidiane Bittencourt Barroso 1, Ronaldo Kanopf de Araújo 2, Delmira Beatriz Wolff 3 1 Colégio Técnico Industrial de Santa Maria

Leia mais

SIMULAÇÃO DE UM SISTEMA DE ARMAZENAMENTO DE AGUA DA CHUVA RESUMO

SIMULAÇÃO DE UM SISTEMA DE ARMAZENAMENTO DE AGUA DA CHUVA RESUMO You are free: to copy, distribute and transmit the work; to adapt the work. You must attribute the work in the manner specified by the author or licensor SIMULAÇÃO DE UM SISTEMA DE ARMAZENAMENTO DE AGUA

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 1. Objeto. 2. Referências. OUTORGA DE APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS UHE / PCH / CGH 3. Obtenção de outorgas junto ao. 4. Fluxograma dos procedimentos para uso

Leia mais

Elementos para o controle da drenagem urbana

Elementos para o controle da drenagem urbana (*) artigo em elaboração para submeter a RBRH Elementos para o controle da drenagem urbana Carlos E. M. Tucci Instituto de Pesquisas Hidráulicas Universidade Federal do Rio Grande do Sul Av. Bento Gonçalves,

Leia mais

Plano de Saneamento Básico

Plano de Saneamento Básico Plano de Saneamento Básico Marcelo de Paula Neves Lelis Rio de Janeiro, 09/06/2011 Saneamento Básico A Lei 11.445/07, em seu Art. 3 º, define Saneamento Básico como sendo o conjunto de serviços, infra-estruturas

Leia mais

1 Introdução. antes de mudar

1 Introdução. antes de mudar Introdução 1 Introdução antes de mudar Recebendo as chaves do imóvel, o proprietário deverá providenciar junto as concessionárias, as ligações de alguns serviços indispensáveis ao funcionamento de sua

Leia mais

Planejamento na Drenagem Urbana: o caso de Porto Alegre RS

Planejamento na Drenagem Urbana: o caso de Porto Alegre RS Planejamento na Drenagem Urbana: o caso de Porto Alegre RS Prefeitura Municipal de Porto Alegre - PMPA Departamento de Esgotos Pluviais - DEP Dados Gerais do Município de Porto Alegre ~1,4 milhões de habitantes

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO CIVIL

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO CIVIL TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO CIVIL 1. TURNO: Noturno GRAU ACADÊMICO: Tecnólogo em Construção Civil PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2. OBJETIVO/PERFIL DO PROFISSIONAL A SER FORMADO Objetivo

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO OBRA: CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social). PROPRIETÁRIO: Prefeitura Municipal de Sobral. ENDEREÇO: Rua Sem Denominação Oficial

Leia mais

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES METODOLOGIAS PARA DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA EM MESO- REGIÕES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES METODOLOGIAS PARA DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA EM MESO- REGIÕES DO ESTADO DE PERNAMBUCO COMPARAÇÃO DE DIFERENTES METODOLOGIAS PARA DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA EM MESO- REGIÕES DO ESTADO DE PERNAMBUCO Arthur Paiva Coutinho 1, Paulo T.R. de Gusmão², Suzana M. G.L.

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. ADAIL CARNEIRO) Dispõe sobre a individualização de instalação de hidrômetro nas edificações verticais residenciais e nas de uso misto e nos condomínios

Leia mais

1 de 10 04/02/2013 10:51

1 de 10 04/02/2013 10:51 1 de 10 04/02/2013 10:51 inicial produtos Água e Esgoto ETE Trat. Biológico de Esgoto Aproveitamento de água de chuva Reuso de esgoto tratado Eco Lava-Rápido Filtro Central Cisternas Sistemas de Ozônio

Leia mais