CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS PARA ABASTECIMENTO RESIDENCIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS PARA ABASTECIMENTO RESIDENCIAL"

Transcrição

1 MARCOS TOZZI E JOSÉ JUNJI OTA CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS PARA ABASTECIMENTO RESIDENCIAL DEBORA SPERANCETTA Ex-aluna - Engenharia Civil - Centro Universitário Positivo / UnicenP JULIANO VIZZOTTO ALVES Ex-aluno - Engenharia Civil - Centro Universitário Positivo / UnicenP CLÁUDIO MARCHAND KRÜGER Professor - Centro Universitário Positivo / UnicenP da Vinci, Curitiba, v. 1, n. 1, p. 9-27,

2 CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS PARA ABASTECIMENTO RESIDENCIAL RESUMO Este trabalho pretende contribuir para a redução do desperdício de água em residências através da utilização das águas pluviais em locais onde não se necessita de água potável como: vasos sanitários, regar plantas e jardins e lavar automóveis e calçadas. O sistema para captação da chuva é formado por um conjunto de áreas de coleta, calhas, condutores, filtros, bomba e um reservatório de armazenamento. O funcionamento é simples, pois a água captada nos telhados é conduzida até um reservatório subterrâneo, que bombeia esta água para outro, elevado, o qual faz a distribuição da água na residência por gravidade. Para o dimensionamento do sistema, citam-se os diversos métodos de determinação do volume captado de águas pluviais e do volume do reservatório de armazenamento. Com o desenvolvimento deste trabalho pretende-se criar uma saída alternativa para o problema da escassez de água que vem aumentando a cada dia. Palavras-chave: Captação de Águas Pluviais, Utilização, Aproveitamento. ABSTRACT The present work aims to contribute to the reduction of residential water waste through the use of rain water where drinking water is not necessary, such as: toilets, lawn watering, car and pavemente washing. The rain water collection system is composed of gutters, filters, pumps and a reservoir. The rain water is conducted to an underground reservoir and then pumped to an elevated one, which distributes the water throughout the residence. Several methods for sizing the reservoir are listed. Key words: Rain water collection, rain water use. 30

3 DÉBORA SPERANCETTA, JULIANO VIZZOTTO ALVES E CLÁUDIO KRÜGER CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS PARA ABASTECIMENTO RESIDENCIAL DEBORA SPERANCETTA, JULIANO VIZZOTTO ALVES E CLÁUDIO KRÜGER 1. INTRODUÇÃO A Terra possui km 3 de água espalhada por toda a superfície, na forma de lagos, rios, campos de gelo e oceanos. Além da água superficial, existem km 3 de água infiltrada abaixo do solo e ainda cerca de km 3 em forma de vapor. Mesmo com todo este volume, a água potável é finita. Do total de água na Terra, 97,5% está nos oceanos, o restante permanece em ciclo de: chuva, neve, evaporação e gelo. Restam, portanto, km 3 de água doce, que pode parecer muito, mas não é. O uso irracional da água transforma o abastecimento num dos maiores problemas que a humanidade enfrenta. Em relação à água doce distribuída no mundo, representada na Figura 1, a maior parte (68,7%) está na forma de gelo e neve permanentes na Antártida, região ártica e regiões montanhosas. Águas subterrâneas compreendem mais ou menos Figura 1 Distribuição da água doce no mundo 30% do total da água doce. Apenas 0,26% da água doce da Terra está concentrada em lagos, reservatórios e rios, sendo estas as formas mais acessíveis economicamente. A água é um recurso renovável, mas finito, e a perspectiva de um colapso mundial é considerada muito preocupante por especialistas, que alertam que até o final do século o problema dos recursos hídricos será grave. Com o aumento da população mundial, da indústria e da agricultura, sabe-se que a água potável está se esgotando e além deste fator, o uso irracional faz com que a situação se agrave ainda mais. Conseqüentemente, com a escassez da água em praticamente todo o mundo, tornase importante o seu gerenciamento, e uma das formas é aproveitar as águas pluviais para fins de uso doméstico, industrial e agrícola, através de sistemas de utilização das águas pluviais. 31

4 CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS PARA ABASTECIMENTO RESIDENCIAL O objetivo deste trabalho é indicar uma alternativa para a redução do consumo de água em uma residência, baseado no aproveitamento das águas pluviais, composto por superfícies de coleta, calhas e condutores, filtros, reservatórios de armazenamento e bombas. A água armazenada será empregada para ações que não demandam água potável, como lavar carros e calçadas e em descargas de vasos sanitários. 2. SISTEMA DE CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS Captar água da chuva significa não só economia nas contas, mas combate aos ciclos de escassez e de enchentes nas cidades, pois ao se armazenar esta água, boa parte deixa de escoar para os encanamentos pluviais, diminuindo o impacto das enchentes. As técnicas necessárias para operar um sistema de utilização das águas pluviais devem seguir as seguintes etapas: - Coleta das águas pluviais através de telhados, coberturas, marquises, etc; - Armazenamento das águas pluviais em reservatórios; - Verificação da qualidade das águas pluviais; - Abastecimento local pelo uso das águas pluviais; - Drenagem do excesso das águas pluviais provocados pelas chuvas intensas; - Águas pluviais complementares às do abastecimento público das cidades, em épocas de estiagem (emergências); - Eliminação da água coletada no início das chuvas. A água coletada deve seguir níveis de qualidade para os diferentes modos de utilização, os quais variam com o grau de poluição do ar e com a condição de limpeza da área de coleta. Os tratamentos para os diversos fins de utilização das águas pluviais são apresentados na Tabela 1. Tabela 1 Tratamento da água em relação à utilização das águas pluviais. (FENDRICH e OLIYNIK, 2002) A localização da área de coleta limita a utilização das águas pluviais porque o grau de limpeza está em função desta área. A Tabela 2 mostra o grau de pureza da água referente ao local onde foi coletada. 32

5 DÉBORA SPERANCETTA, JULIANO VIZZOTTO ALVES E CLÁUDIO KRÜGER Tabela 2 Grau de pureza relacionado à área de coleta indicando sua utilização. (FENDRICH e OLIYNIK, 2002) 3. COMPONENTES DO SISTEMA 3.1 Áreas de Coleta Em relação à residência, a coleta das águas pluviais é feita diretamente no telhado. Para coletar as águas pluviais,basta direcionar o condutor vertical das calhas para o reservatório de armazenamento. 3.2 Calhas/Condutores As calhas são utilizadas para captar a água das chuvas dos telhados que são transportadas diretamente para os reservatórios de armazenamento através dos condutores. 3.3 Filtros e Telas Ao redor dos ralos das calhas encontram-se folhas, sujeiras ou areias que podem diminuir, ou obstruir totalmente a passagem da mesma no condutor vertical, além de poluir a água. Devido a este fato, é necessário evitar que tais materiais sejam levados para dentro das tubulações e do reservatório de armazenamento junto com as águas pluviais, utilizando grelhas. 3.4 Reservatórios de Armazenamento Os reservatórios de armazenamento das águas pluviais devem atender a três condições básicas: não ter vazamentos; serem construídos com material não poluente, que venha a contaminar a água armazenada e, que não propicie o aparecimento e proliferação de algas. Devem ter uma tampa para evitar a evaporação da água e prevenir contra a entrada de sujeiras, insetos e pequenos animais, tendo uma forma que não dificulte a limpeza do seu interior. 33

6 CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS PARA ABASTECIMENTO RESIDENCIAL Os reservatórios devem ser dimensionados de acordo com o uso a que se destina a água pluvial, do tipo da construção, e da capacidade do local de instalação. 3.5 Bombas Uma bomba é necessária para elevar a água do reservatório de armazenamento subterrâneo ao reservatório elevado, o qual fornece água à casa por gravidade. Um eletrodo ou uma bóia deve ser acoplado ao reservatório de armazenamento para registrar o nível de água, para automatizar o bombeamento. 4. CONSUMO DOMÉSTICO DE ÁGUA A Tabela 3 apresenta os parâmetros do consumo de água potável que pode ser substituída por águas pluviais em usos internos e externos, segundo TOMAZ (1998), citado por FENDRICH (2002). Tabela 3 Substituição de água potável pela utilização das águas pluviais (TOMAZ, 1998) * Consumo de 6 l/descarga em bacia sanitária acoplada a caixa de descarga 5. MÉTODOS PARA O DIMENSIONAMENTO DO RESERVATÓRIO DE ÁGUAS PLUVIAIS De acordo com experiências internacionais e nacionais, seja pelo emprego de métodos de demanda de água constantes, ou ainda, pelo empirismo prático reinante no meio técnico, com relação à utilização das águas pluviais, um dos grandes problemas é a determinação da capacidade do reservatório de armazenamento, levando-se em conta: a área do telhado, a precipitação pluvial do local, o intervalo dos dias de estiagem e a demanda desejada de água. A seguir serão abordados os métodos pesquisados para estimar o volume do reservatório de armazenamento. 5.1 Critério Utilizado no Japão Segundo FENDRICH e OLIYNIK (2002) a capacidade do reservatório de armazenamento é determinada em função da área de coleta das águas pluviais como: 34

7 DÉBORA SPERANCETTA, JULIANO VIZZOTTO ALVES E CLÁUDIO KRÜGER Onde: V = capacidade do reservatório de armazenamento das águas pluviais (m 3 ); A c = área da superfície de coleta (m 2 ); C r = coeficiente de escoamento superficial regional (m). O coeficiente C r da Equação (1), teoricamente, deveria ser um valor representativo das características regionais do clima e das chuvas. Entretanto, no Japão, baseando-se em dados de estudos obtidos na Região Metropolitana de Tóquio, adota-se o valor padrão C r = 0,1 m, aplicado nacionalmente, ou seja, representa um volume de 100 l de águas pluviais por m 2 de área de coleta. Então, para um telhado de 100 m 2, o volume do reservatório deve ser de 10 mil litros. 5.2 Método Desenvolvido por Fendrich. Um dos métodos para quantificar o volume das águas pluviais que merece uma maior atenção é o estudo realizado pelo professor Roberto Fendrich, referente ao volume da precipitação pluvial armazenável na Bacia Hidrográfica Urbana do Rio Belém, rio 100% curitibano. Deve-se citar que a preocupação do estudo de FENDRICH (2002) tem ligação direta aos problemas relacionados às enchentes urbanas, devido às grandes áreas impermeáveis, que são decorrentes da crescente urbanização das bacias hidrográficas. Segundo FENDRICH (2002), a capacidade dos reservatórios de armazenamento das águas pluviais é dada pela seguinte expressão: Onde: V = capacidade do reservatório de armazenamento das águas pluviais (m 3 ); V r = volume unitário de reservação das águas pluviais (m 3 /m 2 ); A c= área de coleta das águas pluviais (m 2 ). As capacidades dos reservatórios de armazenamento das águas pluviais para as várias áreas de coleta, em relação às litologias da Bacia Hidrográfica Urbana do Rio Belém estão indicadas nas tabelas 4 e 5. (1) (2) 35

8 CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS PARA ABASTECIMENTO RESIDENCIAL Tabela 4 Capacidade dos reservatórios de armazenamento das águas pluviais nas áreas da Formação Guabirotuba e dos Sedimentos Recentes da Bacia Hidrográfica Urbana do rio Belém (FENDRICH, 2002) Tabela 5 Capacidade dos reservatórios de armazenamento das águas pluviais nas áreas do Embasamento Cristalino da Bacia Hidrográfica Urbana do Rio Belém (FENDRICH, 2002) 5.3 Método de Rippl O Método de Rippl (PINTO et al., 1976), utilizado pela ABNT no Projeto de Norma de Captação e Uso Local de Águas Pluviais (2000), consiste em estimar o volume de águas pluviais através de uma seqüência de chuvas e verificar a demanda necessária de água para cada mês do ano, com o objetivo de armazenar a água da chuva para o consumo nãopotável de uma residência. No caso em questão, a aplicação do método equivale ao cálculo do máximo déficit acumulado do reservatório de águas pluviais, considerando que o mesmo reservatório inicia o período de simulação cheio. Mês a mês, são calculadas as diferenças entre o volume de chuva captado e o volume utilizado para consumo e acumuladas as diferenças negativas (retiradas de água do reservatório). As diferenças positivas são desprezadas quando o reservatório já está cheio. Para o cálculo do consumo residencial diário, CREDER (1995) estima que cada quarto social é ocupado por duas pessoas e cada quarto de serviço é ocupado por uma pessoa. A demanda de água necessária em uma residência é calculada através do número de pessoas, juntamente com o consumo per capita. Como se trata da utilização das águas pluviais para usos não-potáveis, somente serão considerados os consumos de vasos sanitários, lavagens de carro, lavagens de pisos externos e irrigação de jardins. 36

9 DÉBORA SPERANCETTA, JULIANO VIZZOTTO ALVES E CLÁUDIO KRÜGER 6. APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE DIMENSIONAMENTO DO RESERVA- TÓRIO A UMA RESIDÊNCIA DE ALTO PADRÃO 6.1 Critério Utilizado no Japão Para a aplicação deste critério foram utilizados os dados mensais dos índices pluviométricos de Curitiba, no período de Volume do reservatório: Área do telhado = 244,68 m 2 Coeficiente de escoamento superficial regional (Japão) = 0,1 m Da Equação (1): V= 244,68 x 0,1 = m 3 = l 6.2 Método Desenvolvido por Fendrich - Volume do reservatório: Área do telhado = 244,68 m 2 Volume unitário de reservação das águas pluviais = 0,0205 m 3 /m 2 Da Equação (2): V = 0,0205 x 244,68 = 5,0 m Método de Rippl Para a aplicação do Método de Rippl foram utilizados os dados mensais dos índices pluviométricos de Curitiba, no período de , e os valores de consumo médio de água não-potável em uma residência. Foi realizado o dimensionamento para uma residência unifamiliar de alto padrão, com 9 habitantes (quatro quartos sociais e um de serviço), onde as águas pluviais serão utilizadas exclusivamente nos vasos sanitários com consumo estimado em 60 l/hab.dia e em uma torneira externa para lavagem de carros, pisos e regar plantas. Como se trata de uma residência de alto padrão, foram considerados 2 carros, com um consumo aproximado para lavagem de cada carro de 150 l/semana, de 2 l/ dia.m 2 para a lavagem dos pisos externos com 100 m 2, e para a irrigação do jardim com 50 m 2, um consumo de 2 l/dia.m 2, segundo a Tabela 3. 37

10 CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS PARA ABASTECIMENTO RESIDENCIAL - Cálculo da demanda de águas pluviais para uso não-potável Lavagem de carro = 150 x 2 x 4 = 1200 l / mês Lavagem de pisos externos = 100 x 2 x 4 = 800 l / mês Irrigação de jardim = 50 x 2 x 4 = 400 l / mês Demanda na descarga do vaso sanitário = 60 x 9 x 30 = l / mês Demanda mensal = l / mês = 18.6 m 3 / mês - Volume Reservado Através do Método de Rippl, que nada mais é do que um balanço de entradas e saídas de água em um reservatório hipotético, calcula-se o volume do reservatório de armazenamento que deve ser suficiente para suprir a demanda nos períodos de carência e para isso se utilizou algumas estimativas de chuvas, a fim de analisar as diferentes capacidades de armazenamento das águas pluviais nos períodos de estiagem e períodos de ocorrência de muita chuva. As tabelas a seguir apresentam os cálculos de volume do reservatório utilizando estimativas de chuva mínima, média e máxima. Tabela 6 Capacidade do reservatório com chuva mínima (ano de 1985) (*) Volume do Reservatório = 63,74 m 3 38

11 DÉBORA SPERANCETTA, JULIANO VIZZOTTO ALVES E CLÁUDIO KRÜGER Tabela 7 Capacidade do reservatório com chuva média (*) Volume do Reservatório = 1,70 m 3 Tabela 8 Capacidade do reservatório com chuva máxima (ano de 1998) (*) Volume do Reservatório = 15,16 m 3 A tabela 7 utiliza um ano fictício, construído com as chuvas médias mensais da série histórica de chuvas adotada, e a Tabela 8 utiliza um ano real (1998), com o maior total precipitado da série, apesar disto, o ano de 1998 contém valores pequenos de chuvas em maio, junho e novembro, o que resulta em um reservatório maior que o obtido com a chuva média. Analisando os resultados mostrados pelas Tabelas, percebe-se que a diferença de volumes é bastante grande, isto porque não é possível prever em qual período acontecerá um ano de estiagem ou um ano bastante chuvoso. 39

12 CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS PARA ABASTECIMENTO RESIDENCIAL 7. CORTES ESQUEMÁTICOS DA RESIDÊNCIA DE ALTO PADRÃO MOS- TRANDO O SISTEMA DE CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS A Figura 2 apresenta o projeto do sistema de utilização das águas pluviais na residência de alto padrão e a Figura 3 mostra um corte da residência que identifica as tubulações de águas pluviais. Figura 2 Figura 2 Projeto do sistema de utilização das águas pluviais Figura 3 Corte mostrando a tubulação de águas pluviais 8. CONCLUSÃO Avaliações feitas pela SANEPAR indicam que Curitiba pode viver uma crise de abastecimento entre 2030 e 2050 dependendo do ritmo de crescimento populacional e de degradação dos mananciais. Se algo não for feito, em pouco tempo faltará água para uma 40

13 DÉBORA SPERANCETTA, JULIANO VIZZOTTO ALVES E CLÁUDIO KRÜGER parcela da população, o que resultaria em sistemas de rodízio permanente de fornecimento de água potável. Com o objetivo de reduzir o consumo de água potável em uma residência, através da utilização das águas pluviais, foram citados neste projeto alguns métodos para a determinação do volume de água da chuva a ser reservado. Os métodos abordados para encontrar o volume do reservatório de armazenamento das águas pluviais possuem diferentes enfoques, como o emprego de métodos de demanda de água constantes, o empirismo prático reinante no meio técnico, e a preocupação ambiental devido às enchentes urbanas, que tem por objetivo reter as águas pluviais nos logradouros para não sobrecarregar as redes públicas, e assim, aproveitar esta água para o uso não potável em residências, indústrias, postos de gasolina, supermercados, etc. Verifica-se que o método de Rippl, utilizado pela ABNT no Projeto de Norma para a Captação e Uso Local de Águas Pluviais (2000), não possui um parâmetro que indique qual evento de chuva utilizar para a determinação da capacidade do reservatório das águas pluviais, por isso decidiu-se aplicar várias possibilidades de chuvas, o que resultou em volumes bastante diferentes. O método de Rippl, que se preocupa exclusivamente com a redução do consumo de água potável, exige que o reservatório esteja cheio, pois é dimensionado para suprir a necessidade de água para o ano todo. O método de Fendrich foi desenvolvido para diminuir as enchentes provocadas pela impermeabilização do solo, fazendo com que cada logradouro segure a água da chuva e em conseqüência utilize-a para a redução do consumo de água potável. Neste caso, o reservatório deve estar sempre vazio para que possa receber a água da chuva, e então utilizá-la. A instalação do sistema de utilização das águas pluviais requer alguns cuidados, FENDRICH e OLIYNIK (2002) citam que as tubulações das águas pluviais devem ser utilizadas separadamente das tubulações das águas do abastecimento público, pois a conexão levaria à poluição ou diminuição da qualidade da água da cidade pelas águas pluviais. Para evitar isso, uma das medidas preventivas seria pintar a tubulação das águas pluviais, segundo FENDRICH (2002), de verde escuro, para sua fácil identificação, pois se trata de uma solução ambiental. AGRADECIMENTOS Os autores agradecem a colaboração e o apoio do Orientador Cláudio Marchand Krüger e aos Professores Roberto Fendrich e Selma Aparecida Cubas. 41

14 CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS PARA ABASTECIMENTO RESIDENCIAL REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Captação e uso local de águas pluviais (projeto de norma). Rio de Janeiro, CREDER, H. Instalações Hidráulicas e Sanitárias. São Paulo: LTC, FENDRICH, R. Coleta, armazenamento, utilização e infiltração das águas pluviais na drenagem urbana. Curitiba, p. Tese (Doutorado) Universidade Federal do Paraná. FENDRICH, R.; OLIYNIK, R. Manual de utilização das águas pluviais: 100 maneiras práticas. Curitiba: Livraria do Chain, PINTO, N. L. de S, HOLTZ, A. C. T., MARTINS, J. A., GOMIDE, F. L. S. Hidrologia Básica. São Paulo: Edgard Blücher, TOMAZ, P. Aproveitamento de água da chuva para fins não-potáveis em áreas urbanas. Conservação da água. Guarulhos: Edição do Autor,

APROVEITAMENTO DA ÁGUA PLUVIAL PARA FINS NÃO POTÁVEIS

APROVEITAMENTO DA ÁGUA PLUVIAL PARA FINS NÃO POTÁVEIS ISSN 1984-9354 APROVEITAMENTO DA ÁGUA PLUVIAL PARA FINS NÃO POTÁVEIS Andrea Sartori Jabur (UTFPR) Heloiza Piassa Benetti (UTFPR) Elizangela Marcelo Siliprandi (UTFPR) Resumo A utilização das águas pluviais,

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE DO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL NO ESTADO DE RONDÔNIA

ESTUDO DA VIABILIDADE DO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL NO ESTADO DE RONDÔNIA ISSN 1984-9354 ESTUDO DA VIABILIDADE DO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL NO ESTADO DE RONDÔNIA Sérgio Luiz Souza Nazário (UNESC) Natália Sanchez Molina (UNESC) Rafael Germano Pires (UNESC) Débora Pereira

Leia mais

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades.

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. professor Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. Também serão produzidos, dentro de sala de aula, cartazes

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS EM ÁREAS URBANAS

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS EM ÁREAS URBANAS UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS EM ÁREAS URBANAS Profª. Simone Rosa da Silva 2015 Torres empresariais : Isaac newton e Alfred Nobel Const.: Rio Ave Aspectos

Leia mais

Detenção Distribuída e Utilização das Águas Pluviais

Detenção Distribuída e Utilização das Águas Pluviais XI Simpósio Nacional de Sistemas Prediais SISPRED UFPR UTFPR Curitiba, 17 à 19/06/2009 Detenção Distribuída e Utilização das Águas Pluviais Professor Dr. Roberto Fendrich Departamento de Hidráulica e Saneamento

Leia mais

Capitulo 3. Previsão de consumo de água não potável

Capitulo 3. Previsão de consumo de água não potável Capitulo 3 Previsão de consumo de água não potável Em 1851 Mulvaney descreveu pela primeira vez o conceito de tempo de concentração David Maidment, 1993 3-1 Índice Capítulo 3- Previsão de consumo de água

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA NAS EDIFICAÇÕES INDUSTRIAIS

UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA NAS EDIFICAÇÕES INDUSTRIAIS UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA NAS EDIFICAÇÕES INDUSTRIAIS Margolaine Giacchini (UEPG) margolaine@pop.com.br Alceu Gomes de Andrade Filho (UEPG) Resumo Os recursos hídricos estão ameaçados pela degradação

Leia mais

Destacando a importância do uso adequado dos recursos hídricos.

Destacando a importância do uso adequado dos recursos hídricos. Destacando a importância do uso adequado dos recursos hídricos. Leomir Silvestre e Rui Junior Captação, uso e reuso da água Vocês sabem como é feito o processo de captação de água? Captação, uso e reuso

Leia mais

CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA EM CONDOMÍNIOS HORIZONTAIS

CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA EM CONDOMÍNIOS HORIZONTAIS CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA EM CONDOMÍNIOS HORIZONTAIS Isabelle Yruska de Lucena Gomes da Costa 1 ; Celso Augusto Guimarães Santos 2 e Fernando A. Burity 3 RESUMO O presente artigo aborda sobre a captação

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira) PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira) Institui o Programa Nacional de Conservação, Uso Racional e Reaproveitamento das Águas. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º A presente lei tem por

Leia mais

I-157 - APROVEITAMENTO DAS ÁGUAS ATMOSFÉRICAS

I-157 - APROVEITAMENTO DAS ÁGUAS ATMOSFÉRICAS I-157 - APROVEITAMENTO DAS ÁGUAS ATMOSFÉRICAS Beatriz Rodrigues de Barcelos (1) Aluna do 8º semestre do curso de Engenharia Ambiental da Universidade Católica de Brasília (UCB). Estagiou no Programa de

Leia mais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173535

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173535 COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173535 Aproveitamento de água de chuva Luciano Zanella Palestra apresentado no 2.Semana de Engenharia Ambiental, Poços de Caldas, 2015 A série Comunicação Técnica compreende trabalhos

Leia mais

II-152 AVALIAÇÃO DA POSSIBILIDADE DE USO DA ÁGUA DE CHUVA NO CAMPUS BARIGUI DA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ

II-152 AVALIAÇÃO DA POSSIBILIDADE DE USO DA ÁGUA DE CHUVA NO CAMPUS BARIGUI DA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ II-152 AVALIAÇÃO DA POSSIBILIDADE DE USO DA ÁGUA DE CHUVA NO CAMPUS BARIGUI DA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Ana Paula Matias Schatzmann (1) Graduanda em Engenharia Ambiental pela Universidade Tuiuti do

Leia mais

Viabilidade técnica e econômica da captação de

Viabilidade técnica e econômica da captação de GESTÃO INTEGRADA DA ÁGUA DE CHUVA NO SETOR URBANO Viabilidade técnica e econômica da captação de água de chuva no meio urbano Luciano Zanella aproveitamento de água de chuva simples facilmente aplicável

Leia mais

Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009

Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009 Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009 Tema 2 Projeto de sistemas de aproveitamento de água de chuva Rodolfo Luiz Bezerra Nóbrega Universidade Federal

Leia mais

XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS COMPARAÇÃO DE DIMENSIONAMENTO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUAS PLUVIAIS PARA UMA ESCOLA

XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS COMPARAÇÃO DE DIMENSIONAMENTO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUAS PLUVIAIS PARA UMA ESCOLA XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS COMPARAÇÃO DE DIMENSIONAMENTO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUAS PLUVIAIS PARA UMA ESCOLA Ronaldo Kanopf de Araújo 1, Lidiane Bitencourt Barroso 2 ; Denise Kanopf de

Leia mais

Programa de Conservação e Uso Racional da Água nas Edificações do Município de Curitiba - PURAE

Programa de Conservação e Uso Racional da Água nas Edificações do Município de Curitiba - PURAE Programa de Conservação e Uso Racional da Água nas Edificações do Município de Curitiba - PURAE Profº Dr. Roberto Fendrich DHS Departamento de Hidráulica e Saneamento/UFPR crafen@uol.com.br e fendrich.dhs@ufpr.br

Leia mais

Tipos de Reuso. . Reuso Industrial

Tipos de Reuso. . Reuso Industrial Cerca de 71% da superfície do planeta Terra é coberta por água. Cerca de 97,5% dessa água é salgada e está nos oceanos, 2,5% é doce sendo que deles, 2% estão nas geleiras, e apenas 0,5% estão disponíveis

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA. Cisterna Junho/2013

P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA. Cisterna Junho/2013 P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA Cisterna Junho/2013 Sendo a água doce um recurso natural escasso, as diversas questões a ela relacionadas são hoje motivo de preocupação em todo o mundo. Dentre

Leia mais

Projeto Tecnologias Sociais para a Gestão da Água

Projeto Tecnologias Sociais para a Gestão da Água Projeto Tecnologias Sociais para a Gestão da Água Projeto Tecnologias Sociais para a Gestão da Água www.tsga.ufsc.br O QUE É E COMO FUNCIONA? Trata-se de um sistema desenvolvido para captar e armazenar

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ABASTECIMENTO DE ÁGUA Profª. Eliane Carneiro Gomes Departamento de Saúde Comunitária

Leia mais

UMA PROPOSTA DE APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA PARA O CULTIVO DE MORANGOS NO SÍTIO CAPOROROCA, LAMI, PORTO ALEGRE/RS

UMA PROPOSTA DE APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA PARA O CULTIVO DE MORANGOS NO SÍTIO CAPOROROCA, LAMI, PORTO ALEGRE/RS UMA PROPOSTA DE APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA PARA O CULTIVO DE MORANGOS NO SÍTIO CAPOROROCA, LAMI, PORTO ALEGRE/RS Laura Rita Rui laurarui@cpovo.net Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

1 de 10 04/02/2013 10:51

1 de 10 04/02/2013 10:51 1 de 10 04/02/2013 10:51 inicial produtos Água e Esgoto ETE Trat. Biológico de Esgoto Aproveitamento de água de chuva Reuso de esgoto tratado Eco Lava-Rápido Filtro Central Cisternas Sistemas de Ozônio

Leia mais

Profa. Ana Luiza Veltri

Profa. Ana Luiza Veltri Profa. Ana Luiza Veltri EJA Educação de Jovens e Adultos Água de beber Como está distribuída a água no mundo? A Terra, assim como o corpo humano, é constituída por dois terços de água; Apenas 1% da quantidade

Leia mais

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1:

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: IPH 111 Hidráulica e Hidrologia Aplicadas Exercícios de Hidrologia Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: Tabela 1 Características

Leia mais

REUTILIZAÇÃO DA ÁGUA DOS APARELHOS DE AR CONDICIONADO EM UMA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO NO MUNICÍPIO DE UMUARAMA-PR

REUTILIZAÇÃO DA ÁGUA DOS APARELHOS DE AR CONDICIONADO EM UMA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO NO MUNICÍPIO DE UMUARAMA-PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 REUTILIZAÇÃO DA ÁGUA DOS APARELHOS DE AR CONDICIONADO EM UMA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO NO MUNICÍPIO DE UMUARAMA-PR Thatiane Rodrigues Mota 1 ; Dyoni Matias

Leia mais

ATITUDES QUE DEVES DE TOMAR: Economizar Reciclar e Reutilizar

ATITUDES QUE DEVES DE TOMAR: Economizar Reciclar e Reutilizar A Crise da Água ATITUDES QUE DEVES DE TOMAR: Economizar Reciclar e Reutilizar ÁGUA A água é um recurso natural que depende da maneira como o Homem a utiliza para ser renovável ou não. Quando se pensa que

Leia mais

reuso e utilização de água de chuva

reuso e utilização de água de chuva Definições Legislação sobre reuso e utilização de água de chuva FABIANO GENEROSO Biólogo Especialista em Técnicas Avançadas em Análises Clínicas - USP Especialista em Parasitologia Médica - USP Especialista

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CHUVA ARMAZENADA, TRATAMENTOS NECESSÁRIOS E SUAS APLICAÇÕES PARA FINS NÃO POTÁVEIS PARA A CIDADE DE CATALÃO GO.

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CHUVA ARMAZENADA, TRATAMENTOS NECESSÁRIOS E SUAS APLICAÇÕES PARA FINS NÃO POTÁVEIS PARA A CIDADE DE CATALÃO GO. ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CHUVA ARMAZENADA, TRATAMENTOS NECESSÁRIOS E SUAS APLICAÇÕES PARA FINS NÃO POTÁVEIS PARA A CIDADE DE CATALÃO GO. Pedro de Almeida Carísio¹; Heber Martins de Paula 2 Engenharia

Leia mais

SIMULAÇÃO DE UM SISTEMA DE ARMAZENAMENTO DE AGUA DA CHUVA RESUMO

SIMULAÇÃO DE UM SISTEMA DE ARMAZENAMENTO DE AGUA DA CHUVA RESUMO You are free: to copy, distribute and transmit the work; to adapt the work. You must attribute the work in the manner specified by the author or licensor SIMULAÇÃO DE UM SISTEMA DE ARMAZENAMENTO DE AGUA

Leia mais

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental Eco Houses / Casas ecológicas Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental IDHEA - INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DA HABITAÇÃO ECOLÓGICA Conceito:

Leia mais

Durante séculos, em diversos locais ao redor do planeta, as pessoas

Durante séculos, em diversos locais ao redor do planeta, as pessoas Manejo Sustentável da água Conteúdo deste documento: I. Introdução à captação e armazenamento de água da chuva II. Vantagens da utilização de água da chuva III. Considerações sobre a qualidade da água

Leia mais

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES METODOLOGIAS PARA DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA EM MESO- REGIÕES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES METODOLOGIAS PARA DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA EM MESO- REGIÕES DO ESTADO DE PERNAMBUCO COMPARAÇÃO DE DIFERENTES METODOLOGIAS PARA DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA EM MESO- REGIÕES DO ESTADO DE PERNAMBUCO Arthur Paiva Coutinho 1, Paulo T.R. de Gusmão², Suzana M. G.L.

Leia mais

Curso: Panorama dos Recursos Hídricos no Mundo e no Brasil

Curso: Panorama dos Recursos Hídricos no Mundo e no Brasil Curso: Panorama dos Recursos Hídricos no Mundo e no Brasil Aula: A água em números Alexandre Resende Tofeti Brasília - DF 23 de Agosto de 2013 CFI Dados sobre a Água no Mundo e na América do Sul Reservas

Leia mais

Os projetos de habitação de interesse social adotados nesta pesquisa encontram-se caracterizados na tabela 1.

Os projetos de habitação de interesse social adotados nesta pesquisa encontram-se caracterizados na tabela 1. DETERMINAÇÃO DOS CUSTOS DIRETOS E DA VIABILIDADE ECONÔMICA PARA UM SISTEMA DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA PLUVIAL E EQUIPAMENTOS SANITÁRIOS ECONOMIZADORES DE ÁGUA: ESTUDO DE CASO PARA HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

Leia mais

Melhorias Construtivas. Sustentáveis

Melhorias Construtivas. Sustentáveis Melhorias Construtivas Sustentáveis O que é sustentabilidade? O Projeto Melhorias Habitacionais Sustentáveis na Bomba do Hemetério, foi criado com o objetivo de reduzir o consumo e melhor aproveitar os

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE SISTEMAS DE AR CONDICIONADO VISANDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE SISTEMAS DE AR CONDICIONADO VISANDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE SISTEMAS DE AR CONDICIONADO VISANDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Thatiane Rodrigues Mota 1 Dyoni Matias de Oliveira 2 ; Paulo Inada 3 Desenvolvimento

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Geraldo Resende) Estabelece a Política Nacional de Captação, Armazenamento e Aproveitamento de Águas Pluviais e define normas gerais para sua promoção. O Congresso Nacional

Leia mais

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2 professor Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas:. Mapa conceitual sobre Água: Água no cotidiano - Módulo que são em três estados físicos A oferta de água - Módulo 2 é encontrada

Leia mais

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO HIDROLOGIA I RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 - Introdução: Apresentação do Programa da Disciplina, Sistema de Avaliação; Conceito; Importância e Aplicação da Hidrologia (2h) 2 - Ciclo Hidrológico (2h);

Leia mais

Aproveitamento de água de chuva para fins não potáveis em áreas urbana

Aproveitamento de água de chuva para fins não potáveis em áreas urbana Aproveitamento de água de chuva para fins não potáveis em áreas urbana Fortaleza dos Templários em Tomar- 1160 dc.portugal Conservação da água Ciclo hidrológico ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas

Leia mais

LEGISLAÇÃO SOBRE USO RACIONAL DA ÁGUA

LEGISLAÇÃO SOBRE USO RACIONAL DA ÁGUA LEGISLAÇÃO SOBRE USO RACIONAL DA ÁGUA LEGISLAÇÃO SOBRE USO RACIONAL DA ÁGUA MARÇO 2004 SUMÁRIO 1. L EI COMPLEMENTAR Nº 110/2003 - MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO/RS...3 2. L EI Nº 5935/2002 - MUNICÍPIO DE BLUMENAL/SC...4

Leia mais

APROVEITAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS PARA FINS NÃO POTÁVEIS CONJUNTO KOSMOS CURITIBA-PR

APROVEITAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS PARA FINS NÃO POTÁVEIS CONJUNTO KOSMOS CURITIBA-PR FERNANDO DE CASTILHOS LIMA APROVEITAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS PARA FINS NÃO POTÁVEIS CONJUNTO KOSMOS CURITIBA-PR Trabalho apresentado para obtenção parcial do título de MBA em Gestão Ambiental no curso de

Leia mais

Conteúdo: A água. O ciclo da água. Estados físicos da água. Tecnologia de tratamento. Combate ao desperdício. CIÊNCIAS DA NATUREZA

Conteúdo: A água. O ciclo da água. Estados físicos da água. Tecnologia de tratamento. Combate ao desperdício. CIÊNCIAS DA NATUREZA 2 Conteúdo: A água. O ciclo da água. Estados físicos da água. Tecnologia de tratamento. Combate ao desperdício. 3 Habilidades: Refletir sobre a importância da água para o Planeta Terra, para a vida e o

Leia mais

PURAE Programa de Conservação e Uso Racional da Água nas Edificações. Vereador Derosso

PURAE Programa de Conservação e Uso Racional da Água nas Edificações. Vereador Derosso PURAE Programa de Conservação e Uso Racional da Água nas Edificações Vereador Derosso Desperdício de água potável Desperdício de água potável Desperdício de água potável Desperdício de água potável velpurae

Leia mais

ESTUDOS DE CASO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL PARA FINS NÃO POTÁVEIS EM INSTITUIÇÃO DE ENSINO: ESTUDO DE CASO EM FLORIANÓPOLIS - SC

ESTUDOS DE CASO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL PARA FINS NÃO POTÁVEIS EM INSTITUIÇÃO DE ENSINO: ESTUDO DE CASO EM FLORIANÓPOLIS - SC ESTUDOS DE CASO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL PARA FINS NÃO POTÁVEIS EM INSTITUIÇÃO DE ENSINO: ESTUDO DE CASO EM FLORIANÓPOLIS - SC ANA KELLY MARINOSKI Orientador: Prof. Enedir Ghisi, PhD INTRODUÇÃO Objetivo

Leia mais

"Água e os Desafios do. Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO.

Água e os Desafios do. Setor Produtivo EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. "Água e os Desafios do Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PAPEL DE CADA UM É o desenvolvimento que atende às necessidades

Leia mais

DIMENSIONAMENTO E SIMULAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE UM RESERVATÓRIO PARA APROVEITAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA: RESULTADOS PRELIMINARES

DIMENSIONAMENTO E SIMULAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE UM RESERVATÓRIO PARA APROVEITAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA: RESULTADOS PRELIMINARES DIMENSIONAMENTO E SIMULAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE UM RESERVATÓRIO PARA APROVEITAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA: RESULTADOS PRELIMINARES Ana Roberta Victoria Silva 1, Rutinéia Tassi 2 RESUMO Esse artigo apresenta

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais

Projeto do Vereador Paulo Salamuni. Idealização Professor Luiz Campestrini

Projeto do Vereador Paulo Salamuni. Idealização Professor Luiz Campestrini Programa de Reaproveitamento de Águas Projeto do Vereador Paulo Salamuni Idealização Professor Luiz Campestrini 1. Texto Base Programa de Reaproveitamento de Águas * Paulo Salamuni A previsão referente

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

Formas de uso da água

Formas de uso da água Formas de uso da água INTRODUÇÃO A água é utilizada para várias atividades humanas: uso doméstico, geração de energia, irrigação, navegação, lazer, entre outras atividades. Distribuição relativa do consumo

Leia mais

AVALIAÇÃO DE METODOLOGIAS PARA DIMENSIONAMENTO DE RESERVATÓRIOS PARA APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL

AVALIAÇÃO DE METODOLOGIAS PARA DIMENSIONAMENTO DE RESERVATÓRIOS PARA APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE ENGENHARIA CIVIL LEONARDO FONTANELA AVALIAÇÃO DE METODOLOGIAS PARA DIMENSIONAMENTO DE RESERVATÓRIOS PARA APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL CRICIÚMA,

Leia mais

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta Núcleo União Pró-Tietê Água : O ouro azul do planeta Água A água é um mineral, elemento químico simples (H 2 O) fundamental para o planeta. Forma oceanos, geleiras, lagos e rios. Cobre ¾ da superfície

Leia mais

4. INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUAS PLUVIAIS

4. INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUAS PLUVIAIS 4. INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUAS PLUVIAIS As instalações de águas pluviais devem ser projetadas de modo a obedecer às seguintes exigências: a) Recolher e conduzir a vazão de projeto até locais permitidos

Leia mais

X Encontro de Extensão

X Encontro de Extensão 5CTDECPEX02 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA PARA FINS NÃO POTÁVEIS Celso Augusto Guimarães Santos (3); Klissia Magno (2); Mellyne Palmeira (1); Renan Dantas (1); Isabelle Yruska de Lucena Gomes Braga (2)

Leia mais

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com A Qualidade da Água nas Cidades de e Gicélia Moreira (ID) 1,AntonioJoão S. Filho(ID) 1 Nataline C. S. Barbosa (ID) 1 Antonio N. de Souza (PG) Departamento de Química CCT-UEPB *gicelia.moreira2009@gmail.com

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DO USO DA ÁGUA DA CHUVA: UM ESTUDO DE CASO DA IMPLANTAÇÃO DE CISTERNA NA UFRN / RN

VIABILIDADE ECONÔMICA DO USO DA ÁGUA DA CHUVA: UM ESTUDO DE CASO DA IMPLANTAÇÃO DE CISTERNA NA UFRN / RN ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& VIABILIDADE ECONÔMICA DO USO DA ÁGUA DA CHUVA: UM

Leia mais

Cisternas para o aproveitamento de água da chuva: uso não potável em escolas municipais de Horizontina

Cisternas para o aproveitamento de água da chuva: uso não potável em escolas municipais de Horizontina Cisternas para o aproveitamento de água da chuva: uso não potável em escolas municipais de Horizontina Cristina Raquel Reckziegel (FAHOR) cr000900@fahor.com.br Gezebel Marcela Bencke (FAHOR) gb000888@fahor.com.br

Leia mais

POTENCIAL ECONÔMICO DO APROVEITAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS:

POTENCIAL ECONÔMICO DO APROVEITAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS: UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ RAQUEL SARAVY DE CARVALHO POTENCIAL ECONÔMICO DO APROVEITAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS: ANÁLISE DA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA A REGIÃO URBANA DE LONDRINA APUCARANA PR DEZEMBRO

Leia mais

CONSERVAÇÃO DA ÁGUA NO MEIO URBANO

CONSERVAÇÃO DA ÁGUA NO MEIO URBANO CONSERVAÇÃO DA ÁGUA NO MEIO URBANO ÁGUA NO PLANETA TERRA 70 % Superfície ÁGUA 97% ÁGUA SALGADA 3% ÁGUA DOCE ÁGUA DOCE BRASIL = 12 % 20% 0% NORTE OUTRAS 80% IMPORTÂNCIA DA ÁGUA BEM ÚNICO E FINITO SOBREVIVÊNCIA

Leia mais

11º Seminário Tecnologia de Sistemas Prediais SindusConSP. Agua: pague menos

11º Seminário Tecnologia de Sistemas Prediais SindusConSP. Agua: pague menos 11º Seminário Tecnologia de Sistemas Prediais SindusConSP Agua: pague menos Atitudes para o usuário diminuir o consumo de água da rede pública: 1. Peças que economizam água 2. Medição individualizada e

Leia mais

Sustentabilidade de Aqüíferos. José do Patrocínio Tomaz Albuquerque Professor Aposentado UFPB/UFCG.

Sustentabilidade de Aqüíferos. José do Patrocínio Tomaz Albuquerque Professor Aposentado UFPB/UFCG. Sustentabilidade de Aqüíferos José do Patrocínio Tomaz Albuquerque Professor Aposentado UFPB/UFCG. Sustentabilidade de Aqüíferos A visão sistêmica do Ciclo Hidrológico e as relações inter e intra-sistemas:

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Recursos Hídricos na Região Sudeste: Segurança Hídrica, Riscos, Impactos e Soluções São Paulo, 20-21 de novembro de 2014 Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Rhama Consultoria Ambiental

Leia mais

APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA EM EDIFICAÇÕES: REFLEXÕES E NECESSIDADES

APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA EM EDIFICAÇÕES: REFLEXÕES E NECESSIDADES CAPTAÇÃO E MANEJO DE ÁGUA DE CHUVA PARA SUSTENTABILIDADE DE ÁREAS RURAIS E URBANAS TECNOLOGIAS E CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA TERESINA, PI, DE 11 A 14 DE JULHO DE 2005 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA EM EDIFICAÇÕES:

Leia mais

ADOÇÃO DE FONTES ALTERNATIVAS PARA CONSERVAÇÃO DE ÁGUA NO MEIO URBANO: APROVEITAMENTO DIRETO DE PRECIPITAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA EM EDIFÍCIOS ESCOLARES.

ADOÇÃO DE FONTES ALTERNATIVAS PARA CONSERVAÇÃO DE ÁGUA NO MEIO URBANO: APROVEITAMENTO DIRETO DE PRECIPITAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA EM EDIFÍCIOS ESCOLARES. ADOÇÃO DE FONTES ALTERNATIVAS PARA CONSERVAÇÃO DE ÁGUA NO MEIO URBANO: APROVEITAMENTO DIRETO DE PRECIPITAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA EM EDIFÍCIOS ESCOLARES. Jorge Alberto Cecin 1 ; Luciano Zanella 2 ; Wolney

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO Os equipamentos do Kit Chuva atendem as exigências da norma NBR 15527: Água de chuva - Aproveitamento de coberturas em áreas urbanas para fins não potáveis Requisitos. KIT CHUVA Filtro

Leia mais

Proposta de Água de Reúso ETE Insular

Proposta de Água de Reúso ETE Insular Proposta de Água de Reúso ETE Insular Setor Operacional de Esgoto SEOPE / AFLS Gerência de Políticas Operacionais GPO Gerência de Meio Ambiente - GMA Setor de Qualidade de Água e Esgoto /Gerência Operacional

Leia mais

Uma visão sistêmica para conservação de água no ambiente construído

Uma visão sistêmica para conservação de água no ambiente construído Uma visão sistêmica para conservação de água no ambiente construído Profa. Dra. Marina S. de Oliveira Ilha FEC/UNICAMP Marina Ilha SBCS08 1 Distribuição da água doce superficial MUNDO CONT. AMERICANO Nordeste

Leia mais

A água nossa de cada dia

A água nossa de cada dia A água nossa de cada dia Marco Antonio Ferreira Gomes* Foto: Eliana Lima Considerações gerais A água é o constituinte mais característico e peculiar do Planeta Terra. Ingrediente essencial à vida, a água

Leia mais

Eixo Temático ET-08-011 - Recursos Hídricos NOVAS TECNOLOGIAS PARA MELHOR APROVEITAMENTO DA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA

Eixo Temático ET-08-011 - Recursos Hídricos NOVAS TECNOLOGIAS PARA MELHOR APROVEITAMENTO DA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA 413 Eixo Temático ET-08-011 - Recursos Hídricos NOVAS TECNOLOGIAS PARA MELHOR APROVEITAMENTO DA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA Maria Isabel Cacimiro Xavier Estudante de Graduação em Gestão Ambiental, IFPB,

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DE ÁGUA EM EMPRESA DE TRANSPORTES NO NORTE DO PARANÁ - BRASIL

PROPOSTA DE PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DE ÁGUA EM EMPRESA DE TRANSPORTES NO NORTE DO PARANÁ - BRASIL PROPOSTA DE PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DE ÁGUA EM EMPRESA DE TRANSPORTES NO NORTE DO PARANÁ - BRASIL Shaiany Corrêa Ferreira Nogas 1 ; Stella Maris da Cruz Bezerra 2 ; Celimar Azambuja Teixeira 3 ; Bruna

Leia mais

DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL

DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL Fabiana Y. Kobayashi 3695130 Flávio H. M. Faggion 4912391 Lara M. Del Bosco 4913019 Maria Letícia B. Chirinéa 4912241 Marília Fernandes 4912683 DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL escola politécnica - USP Novembro

Leia mais

Capítulo 141-Regionalização hidrográfica

Capítulo 141-Regionalização hidrográfica Capítulo 141-Regionalização hidrográfica 141-1 Capítulo 141-Regionalização hidrográfica 141.1 Introdução O mundo passa por grandes transformações e os recursos hídricos deverão no séeculo XXI ser analisado

Leia mais

Neam Sul - Núcleo de Educação Ambiental Sul

Neam Sul - Núcleo de Educação Ambiental Sul Seminário Socioambiental Água Fonte de Vida PURA Programa de Uso Racional da Água Unidade de Negócio Sul Sabesp Neam Sul - Núcleo de Educação Ambiental Sul Panorama Mundial - Escassez A SOBREVIVÊNCIA DA

Leia mais

APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA PARA FINS NÃO POTÁVEIS, ANÁLISE EM RESIDÊNCIA UNIFAMILIAR EM MACAÚBAS-BA 1

APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA PARA FINS NÃO POTÁVEIS, ANÁLISE EM RESIDÊNCIA UNIFAMILIAR EM MACAÚBAS-BA 1 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA PARA FINS NÃO POTÁVEIS, ANÁLISE EM RESIDÊNCIA UNIFAMILIAR EM MACAÚBAS-BA 1 Luiz Henrique Sant ana de Figueiredo 2 RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo analisar

Leia mais

guia de instalação cisterna vertical

guia de instalação cisterna vertical guia de instalação cisterna vertical FORTLEV CARACTERÍSTICAS FUNÇÃO Armazenar água pluvial ou água potável à temperatura ambiente. APLICAÇÃO Residências, instalações comerciais, fazendas, escolas ou qualquer

Leia mais

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor. Encanador 1) Objetivos Gerais Aprofundar os conhecimentos sobre o profissional que tem como um dos focos de trabalho a água e o saneamento básico, assim como problemas que podem ocorrer quando houver sinistros

Leia mais

O que é saneamento básico?

O que é saneamento básico? O que é saneamento básico? Primeiramente, começaremos entendendo o real significado de saneamento. A palavra saneamento deriva do verbo sanear, que significa higienizar, limpar e tornar habitável. Portanto,

Leia mais

SISTEMA DE REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA RESIDUAIS DE PROCESSOS INDUSTRIAL E ESGOTO RESIDENCIAIS POR MEIO DE TRANSFORMAÇÃO TÉRMICAS FÍSICO QUÍMICA N0.

SISTEMA DE REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA RESIDUAIS DE PROCESSOS INDUSTRIAL E ESGOTO RESIDENCIAIS POR MEIO DE TRANSFORMAÇÃO TÉRMICAS FÍSICO QUÍMICA N0. SISTEMA DE REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA RESIDUAIS DE PROCESSOS INDUSTRIAL E ESGOTO RESIDENCIAIS POR MEIO DE TRANSFORMAÇÃO TÉRMICAS FÍSICO QUÍMICA N0. 4 JACIRO JOHNSON PEREIRA JACQUIMINOUT jaciro.jacquiminout@am.senai.br

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

REÚSO DE ÁGUA CINZA EM BACIAS SANITÁRIAS. Palavras-chave: Reúso, Água cinza, Bacias sanitárias, Recursos hídricos.

REÚSO DE ÁGUA CINZA EM BACIAS SANITÁRIAS. Palavras-chave: Reúso, Água cinza, Bacias sanitárias, Recursos hídricos. REÚSO DE ÁGUA CINZA EM BACIAS SANITÁRIAS Gilsâmara Alves Conceição 1 João José Cerqueira Porto 2 1 Universidade Federal da Bahia, Escola Politécnica. Av. Cardeal da Silva, 132, Federação, 40210-630. Salvador-BA,

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE RESERVATÓRIOS PARA O APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL: CRITÉRIOS ECONÔMICOS

DIMENSIONAMENTO DE RESERVATÓRIOS PARA O APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL: CRITÉRIOS ECONÔMICOS DIMENSIONAMENTO DE RESERVATÓRIOS PARA O APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL: CRITÉRIOS ECONÔMICOS Marcus A. S. Campos (1); Marina S. de Oliveira Ilha(2) (1) Departamento de Arquitetura Faculdade de Engenharia

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA.

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. Nilton de Paula da Silva 1 Ederaldo Godoy Junior 2 José Rui

Leia mais

Aluna do Instituto Federal Catarinense, Campus Videira. Curso técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio. E-mail: brunaaraldi@hotmail.

Aluna do Instituto Federal Catarinense, Campus Videira. Curso técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio. E-mail: brunaaraldi@hotmail. ANÁLISE DO APROVEITAMENTO DA ÁGUA DA CHUVA NAS ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE VIDEIRA-SC E ESTUDO DA VIABILIDADE DA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CAPTAÇÃO E APROVEITAMENTO DESSA ÁGUA NO IFC CÂMPUS VIDEIRA Bruna

Leia mais

Gestão do uso da água em edifícios e critérios para obtenção do Selo Casa Azul da Caixa

Gestão do uso da água em edifícios e critérios para obtenção do Selo Casa Azul da Caixa 60 Hydro Setembro 2010 Lúcia Helena de Oliveira é professora do Departamento de Engenharia de Construção Civil da Epusp Escola Politécnica da Universidade de São Paulo e pesquisadora da área de sistemas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL. Relatório de Iniciação Científica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL. Relatório de Iniciação Científica UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Relatório de Iniciação Científica APERFEIÇOAMENTO DO PROGRAMA COMPUTACIONAL NETUNO: ANÁLISE ECONÔMICA Marcelo

Leia mais

Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água.

Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água. Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água. 01 Água no corpo humano: cérebro 75% sangue 81% músculos 75% coração

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE PLACAS DE ARDÓSIA ARMADAS PARA ARMAZENAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA

RESERVATÓRIOS DE PLACAS DE ARDÓSIA ARMADAS PARA ARMAZENAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - COBESA RESERVATÓRIOS DE PLACAS DE ARDÓSIA ARMADAS PARA ARMAZENAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA Autores Marina Boldo Lisboa Marcio Andrade Henrique de Melo

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO DE UMA EMPRESA DE PROJETO DE SISTEMA DE CAPTAÇÃO, ARMAZENAMENTO E REUTILIZAÇÃO DA ÁGUA DA CHUVA

PLANO DE NEGÓCIO DE UMA EMPRESA DE PROJETO DE SISTEMA DE CAPTAÇÃO, ARMAZENAMENTO E REUTILIZAÇÃO DA ÁGUA DA CHUVA COMUNICAÇÃO 387 PLANO DE NEGÓCIO DE UMA EMPRESA DE PROJETO DE SISTEMA DE CAPTAÇÃO, ARMAZENAMENTO E REUTILIZAÇÃO DA ÁGUA DA CHUVA Fabio Rosati de Athayde Passos 1, Gustavo Garcia Bonilha 1, Flávio Edmundo

Leia mais

Aproveitamento de água de chuva de coberturas em áreas urbanas para fins não potáveis - Requisitos

Aproveitamento de água de chuva de coberturas em áreas urbanas para fins não potáveis - Requisitos Aproveitamento de água de chuva de coberturas em áreas urbanas para fins não potáveis - Requisitos APRESENTAÇÃO 1) Este 2º Projeto foi elaborado pela ABNT/CEET-00.001.77 - Comissão de Estudo Especial Temporária

Leia mais

Tecnologia para o reaproveitamento de água de chuva. Catálogo de Produtos 2011

Tecnologia para o reaproveitamento de água de chuva. Catálogo de Produtos 2011 Tecnologia para o reaproveitamento de água de chuva Catálogo de Produtos 2011 Soluções profissionais Wisy Aquastock A WISY AG, sediada na Alemanha e fundada em 1989, foi a pioneira na busca de soluções

Leia mais

USO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL COMO APOIO PARA O DIMENSIONAMENTO DE RESERVATÓRIOS PARA ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL

USO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL COMO APOIO PARA O DIMENSIONAMENTO DE RESERVATÓRIOS PARA ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL USO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL COMO APOIO PARA O DIMENSIONAMENTO DE RESERVATÓRIOS PARA ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL

Leia mais

Uso sustentável da água na construção. Marina Sangoi de Oliveira Ilha Livre-Docente LEPSIS/FEC/UNICAMP

Uso sustentável da água na construção. Marina Sangoi de Oliveira Ilha Livre-Docente LEPSIS/FEC/UNICAMP Uso sustentável da água na construção Marina Sangoi de Oliveira Ilha Livre-Docente LEPSIS/FEC/UNICAMP Profa. Dra. Marina Ilha, FEC/UNICAMP 13% águas superficiais - mundo 34,9% Américas 68 região Norte

Leia mais

LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007

LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007 LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007 CRIA, no município de Manaus, o Programa de Tratamento e Uso Racional das Águas nas edificações PRO-ÁGUAS. O PREFEITO DE MANAUS, usando das atribuições que lhe são

Leia mais

Água - Recurso Natural

Água - Recurso Natural - Recurso Natural PROF. Carla Gracy Ribeiro Meneses A água é um elemento essencial para a humanidade. Nosso corpo é composto por dois terços de água, isso equivalente ao nosso peso total. Curiosidades!

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE TELHADOS VERDES EM UM PONTO CRÍTICO DE SANTA MARIA - RS¹

DIMENSIONAMENTO DE TELHADOS VERDES EM UM PONTO CRÍTICO DE SANTA MARIA - RS¹ DIMENSIONAMENTO DE TELHADOS VERDES EM UM PONTO CRÍTICO DE SANTA MARIA - RS¹ BINS, Fernando Henrique²; TEIXEIRA, Laís³; TEIXEIRA, Marília 4 ; RIBEIRO, Mariana 5 1 Trabalho de pesquisa_unifra ² Acadêmico

Leia mais