APNCF Parceiro estratégico no Sector Ferroviário Nacional

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APNCF Parceiro estratégico no Sector Ferroviário Nacional"

Transcrição

1 Newsletter Julho 2007 APNCF Parceiro estratégico no Sector Ferroviário Nacional A Associação Portuguesa para a Normalização e Certificação Ferroviária (APNCF) tem duas vertentes estratégicas na sua actividade: Normalização e Certificação. No que respeita à Normalização, a APNCF encontra-se reconhecida, no quadro do Sistema Português da Qualidade (SPQ), pelo Organismo Nacional de Normalização Instituto Português da Qualidade (IPQ) como Organismo de Normalização Sectorial (ONS) para o domínio das aplicações ferroviárias, assumindo assim a responsabilidade da coordenação das Comissões Técnicas Portuguesas de Normalização CT 143 "Aplicações ferroviárias" e CTE 9 "Aplicações eléctricas e electrónicas no domínio ferroviário". No que respeita à Certificação, está em curso o Projecto "APNCF Organismo Notificado", através do qual de pretende conduzir a APNCF à condição de poder exercer actividades de certificação de âmbito regulamentar, intervindo no projecto da Alta Velocidade. As Orientações para o Sector Ferroviário Nacional, estabelecidas pelo Governo em Outubro de 2006, identificam quatro objectivos estratégicos de suporte às metas e acções prioritárias identificadas para o horizonte 2015, o quarto dos quais promover a Investigação, o Desenvolvimento e a Inovação se relaciona intimamente com as actividades que a APNCF se propõe concretizar. Este objectivo é alcançado através de três vectores orientadores: Desenvolvimento da capacidade de ID&I nacional Investigação europeia Interoperabilidade, normalização e certificação Deste modo, a APNCF constitui-se como parceiro privilegiado no Sector Ferroviário Nacional. A APNCF conta presentemente com 30 associados: ALSTOM, CARRIS, CATIM, CP, EFACEC Sistemas de Electrónica, EIP, EMEF, ENA, FERBRITAS, FERGRUPO, FERNAVE, FERROVIAS, FERTAGUS, FUTRIFER, GEOFER, GIBB, ISQ, IST, METRO-MONDEGO, METROPOLITANO de LISBOA, NEC, NEOPUL, PROMORAIL, REFER, REFER Telecom, SATEPOR, SIEMENS, SOMAFEL, THALES e TRANSDEV METRO. A APNCF conta ainda com 3 correspondentes: LNEC e 2 pessoas singulares. APNCF Organismo de Normalização Sectorial A intervenção da APNCF no Sistema Português da Qualidade como Organismo de Normalização Sectorial permite a consolidação das actividades das Comissões Técnicas Portuguesas de Normalização CT 143 e CTE 9, as quais foram criadas em Na verdade, com a assumpção por parte da APNCF das responsabilidades de coordenação e secretariado destas Comissões Técnicas, o sector ferroviário nacional passou ele próprio a desempenhar tal tarefa. Assim, a APNCF, por si própria ou através da CT 143 e da CTE 9, assegura a representação nacional no CEN/CENELEC/ETSI JPC Rail (Joint Programming Committee on Railway), nas reuniões plenárias do Comité Técnico CEN/TC 256 "Railway applications" e respectivos Sub-Comités SC 1 "Track", SC 2 "Wheelsets and bogies" e SC 3 "Braking", nas reuniões plenárias do Comité Técnico CLC/TC 9X

2 "Electrical and electronic applications for railways" e respectivos Sub-Comités SC 9XA "Communication, signalling and processing systems", SC 9XB "Electromechanical material on board rolling stock" e SC 9XC "Electric supply and earthing systems for public transport equipment and ancillary equipment (Fixed installations)", a Presidência e o Secretariado do Sub-Comité CEN/TC 256/SC 1 "Track" e a Coordenação e o Secretariado do Grupo de Trabalho CEN/TC 256/SC 1/WG 21 "Acceptance of trackworks after renewal and/or maintenance". Para além destas responsabilidades, a APNCF apoia os peritos portugueses que participam nos Grupos de Trabalho dos Comités Técnicos europeus de normalização, contribuindo para a coordenação entre o CEN, o CENELEC, a UIC e a ERA. CEN Comité Europeu de Normalização CENELEC Comité Europeu de Normalização Electrotécnica ETSI Instituto Europeu de Normalização para as Telecomunicações UIC União Internacional dos Caminhos-de-ferro ERA Agência Ferroviária Europeia Projecto APNCF Organismo Notificado A APNCF está a desenvolver um Sistema de Gestão da Qualidade, de acordo com os requisitos da norma NP EN ISO/IEC 17020:2006 "Critérios gerais para o funcionamento de diferentes tipos de organismos de inspecção (ISO/IEC 17020:1998)" e com os requisitos aplicáveis da norma NP EN 45011:2001 "Requisitos gerais para organismos de certificação de produtos (ISO/IEC Guia 65:1996)", com vista à acreditação da APNCF, pelo Instituto Português da Acreditação (IPAC), e posteriormente à notificação como Organismo Notificado, pelo Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres (IMTT), no âmbito da Directiva 96/48/CE Interoperabilidade do Sistema Ferroviário Transeuropeu de Alta Velocidade. A elaboração dos procedimentos operacionais aplicáveis aos vários subsistemas (Infra-estruturas, Energia, Material Circulante, Controlo-comando e sinalização, Exploração e Manutenção) e aos componentes da interoperabilidade, num total de mais de uma centena de documentos, conta com a participação de cerca de 80 peritos nomeados pelos associados. Neste momento, o Manual da Qualidade, já elaborado, encontra-se em fase de validação, sendo expectável que até final de Julho de 2007 entrem igualmente em fase de validação os procedimentos de carácter geral, concretizando-se assim a espinha dorsal do Sistema de Gestão da Qualidade. Por outro lado, também já se encontra completo o conjunto de procedimentos aplicáveis ao sub-sistema Infra-estruturas, o que permitirá num prazo curto que a APNCF possa solicitar ao IMTT a pré-notificação junto da Comissão Europeia com a consequente e estratégica entronização no seio do NB Rail Grupo Europeu dos Organismo Notificados para a Directiva da Alta Velocidade. Nova edição da Agenda Estratégica para a Investigação Ferroviária 2020 A Direcção-Geral Research da Comissão Europeia, através do European Rail Research Advisory Council (ERRAC), acabou de publicar a nova edição da Agenda Estratégica para a Investigação Ferroviária Esta nova edição tem o enfoque na melhoria das experiências vividas pelos Passageiros e pelos Clientes do transporte de mercadorias, a bem dos cidadãos e da sociedade em geral, colocando o caminho-de-ferro no centro do sistema de transportes. Foram definidas 7 prioridades nas áreas de investigação: Mobilidade Inteligente: gerir os sistemas de informação ao Cliente; Energia e Ambiente: aumentar o nível de protecção ambiental e salvaguardar a competitividade comercial do sector ferroviário; Segurança das Pessoas: melhorar a segurança dos Clientes e dos colaboradores;

3 Ensaios, Homologação e Segurança: acelerar a aprovação de produtos enquanto se diminuem os riscos através da melhoria da gestão de segurança; Competitividade e Tecnologias: melhorar a atractividade dos produtos para os Clientes e reduzir o ciclo de vida dos custos através de tecnologia moderna; Estratégia e Economia: Desenvolver novos modelos de facturação e planeamento para os custos das infra-estruturas ferroviárias; Infra-estrutura: manutenção da eficiência dos custos e manutenção gratuita dos sistemas de interoperabilidade nas infra-estruturas. Para mais informação, ver: Organismos europeus de normalização assinam Memorando de Entendimento com a ERA Os organismos europeus de normalização, CEN, CENELEC e ETSI assinaram um Memorandum of Understanding (MoU) com a European Railway Agency (ERA) visando melhorar a interoperabilidade na rede ferroviária europeia. Para mais detalhes, ver: CENELEC assina Acordos de Cooperação com a CER e a EIM O CENELEC assinou uma parceria com a Community of Railway and Infrastructure Companies (CER) e a European Rail Infrastructure Managers (EIM). Os Acordos de Cooperação assinados ajudarão a melhorar o desempenho da normalização europeia no sector ferroviário. Por via dos Acordos de Cooperação, a CER e a EIM poderão participar activamente nos trabalhos de normalização do CENELEC a todos os níveis. Entrando no comboio da normalização electrotécnica europeia, a CER e a EIM reconhecem os méritos e a importância das normas voluntárias, como ferramenta complementar para a co-regulação conjunta com as Especificações Técnicas para a Interoperabilidade, as quais definem os requisitos técnicos obrigatórios para satisfazer os requisitos essenciais das Directivas da Interoperabilidade estabelecidas pela Comissão Europeia. Para mais informação, ver: ean+electrotechnical+standardization+on+a+fast+track.htm

4 Projecto RAILSAFE Harmonização do Ensino, Qualificação e Certificação de soldadores de carris em caminhos-de-ferro O projecto RAILSAFE tem por objectivo harmonizar o ensino, a qualificação e a certificação de soldadores de carris em caminhos de ferro por aluminotermia, assegurar a qualidade e o acesso à formação profissional contínua e à certificação de competências tendo em vista melhorar a empregabilidade e permitir a possibilidade de troca de soldadores entre autoridades nacionais de caminhos de ferro e empresas na União Europeia. Financiado parcialmente pela Comissão Europeia ao abrigo do Programa Comunitário de Acção em Matéria de Formação Profissional - Leonardo da Vinci -, este projecto de três anos está a ser desenvolvido por nove parceiros de sete países diferentes. Com o contributo de vários peritos de soldadura de carris à escala Europeia, foi desenvolvido um programa de formação harmonizado, incluindo um sistema de avaliação comum, e que cumpre com os requisitos da norma EN :2006. O curso definido conta com uma parte de formação teórica genérica seguido de formação prática específica no processo de soldadura a ser utilizado. Posteriormente os candidatos serão avaliados através de um exame teórico e outro prático que conduzirá a atribuição de um Diploma, válido para sempre. Os detentores do Diploma necessitarão posteriormente de demonstrar um ano de experiência satisfatória, supervisionada e documentada para poderem receber um Certificado. Este certificado terá uma validade de dois anos, mas poderá ser renovado, através da demonstração de uma experiência satisfatória ou através de outro exame prático durante a validade do seu certificado. Durante os meses de Abril e Junho de 2007 foram realizados cinco cursos-piloto em países da União Europeia (Portugal, Reino Unido, Alemanha, Holanda e Suécia) com o objectivo de aferir o trabalho desenvolvido e que conduziram à emissão dos primeiros diplomas de soldador europeu de carris por aluminotermia. Em Portugal a parte teórica do curso decorreu no Instituto de Soldadura e Qualidade (ISQ) Taguspark e a parte prática nas instalações da Ferrovias no Poceirão, tendo participado 8 candidatos de 4 empresas diferentes (Fergrupo, Ferrovias, Neopul e Promorail). No âmbito deste projecto foi ainda desenvolvido um Guia que define as regras a serem seguidas para a aprovação das escolas de formação, dos examinadores e dos responsáveis pela emissão de diplomas e certificados bem como uma base de dados que permitirá a verificação das qualificações dos soldadores on-line. No dia 11 de Julho de 2007 realizou-se uma sessão de divulgação do estado de desenvolvimento deste projecto no ISQ Taguspark. Para mais informações consulte a Internet em ou contacte

5 FERTAGUS recebe Certificado de segurança ferroviária Em cerimónia realizada no dia 9 de Julho, a qual contou com a presença da Secretária de Estado dos Transportes, a FERTAGUS recebeu o Certificado de segurança ferroviária emitido pela autoridade nacional competente. Concurso para Consultor do CEN no domínio da Infra-estrutura Ferroviária O CEN Comité Europeu de Normalização abriu concurso para a selecção de um Consultor no domínio da Infra-estrutura Ferroviária (Via). Os candidatos devem uma vasta experiência no sector ferroviário e conhecer profundamente as Especificações Técnicas para a Interoperabilidade Subsistema Infra-estruturas. A função poderá interessar, em particular, a Consultores no âmbito ferroviário ou a peritos na pré-reforma que desejam manter uma actividade reduzida no sector. Para mais detalhes, ver: Reuniões de normalização Estão agendadas as seguintes reuniões de normalização com participação directa da APNCF: Nível nacional CT 143 Aplicações ferroviárias, Lisboa, CTE 9 Aplicações eléctricas e electrónicas no domínio ferroviário, Lisboa, Nível Europeu CEN/TC 256/SC 1/WG 21 Railway applications / Track / Acceptance of trackwork after renewal and/or maintenance work, Bruxelas, /13 CEN/TC 256/SC 2 Railway applications / Wheelsets and bogies, Bruxelas, CEN/TC 256/SC 3 Railway applications / Braking, Bruxelas, CEN/TC 256 TM Railway applications, Bruxelas, CEN/UIC European Committee for Standardization / International Railways Union, Bruxelas, CEN/TC 256/SC 1 Railway applications / Track, Roma, CLC/SC 9XA Communication, signalling and processing systems, Bruxelas, CEN/TC 256 Railway applications, Bruxelas, /25 CEN/TC 256/SC 1/WG 21 Railway applications / Track / Acceptance of trackwork after renewal and/or maintenance work, a definir, /06 CLC/SC 9XB Electromechanical material on board rolling stock, Bruxelas, IEC/TC 9 Electrical equipment and systems for railways, Bordéus, /16 CLC/SC 9XC Electric supply and earthing systems for public transport equipment and ancillary apparatus (Fixed installations), Bad Reichenball, /22 CLC/TC 9X Electrical and electronic applications for railways, Bruxelas, /05 CEN/TC 256/SC 1 CRM pren Railway applications / Track, Bruxelas, CEN/TC 256/SC 1 CRM pren Railway applications / Track, Bruxelas, APNCF Associação Portuguesa para a Normalização e Certificação Ferroviária Edifício da Estação de Alcântara-Terra Av. de Ceuta LISBOA Tel.: (+351) Fax: (+351)

APNCF Associação Portuguesa para a Normalização e Certificação Ferroviária Portuguese Association for Railway Standardization and Certification

APNCF Associação Portuguesa para a Normalização e Certificação Ferroviária Portuguese Association for Railway Standardization and Certification APNCF Associação Portuguesa para a Normalização e Certificação Ferroviária Portuguese Association for Railway Standardization and Certification PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO 2007 APROVADO EM ASSEMBLEIA

Leia mais

www.apncf.pt 1ª fase de candidaturas alargada até final de Abril de 2008

www.apncf.pt 1ª fase de candidaturas alargada até final de Abril de 2008 enews@apncf Newsletter Março 2008 www.apncf.pt Projecto APNCF Organismo Notificado (ON) Candidaturas para constituição da Bolsa de Avaliadores 1ª fase de candidaturas alargada até final de Abril de 2008

Leia mais

Concurso para Consultor do CEN no domínio da interoperabilidade do sistema ferroviário trans-europeu

Concurso para Consultor do CEN no domínio da interoperabilidade do sistema ferroviário trans-europeu enews@apncf Newsletter Agosto 2007 Concurso para Consultor do CEN no domínio da interoperabilidade do sistema ferroviário trans-europeu O Comité Europeu de Normalização (CEN) abriu concurso para a selecção

Leia mais

Inovar em rede. A cidadania na Gestão Pública. www.quidgest.com quidgest@quidgest.com

Inovar em rede. A cidadania na Gestão Pública. www.quidgest.com quidgest@quidgest.com www.quidgest.com quidgest@quidgest.com Inovar em rede A cidadania na Gestão Pública Quidgest Portugal R. Castilho n.º 63 6.º 1250-068 Lisboa Portugal tel. (+351) 213 870 563 / 652 / 660 fax. (+351) 213

Leia mais

Uma rede que nos une

Uma rede que nos une Uma rede que nos une Uma rede que nos une O IMTT - Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres, I.P. é um organismo da Administração Central, dotado de autonomia administrativa e financeira,

Leia mais

VI Seminário sobre Normalização e Certificação Ferroviária

VI Seminário sobre Normalização e Certificação Ferroviária enews@apncf Newsletter Dezembro 2007 VI Seminário sobre Normalização e Certificação Ferroviária A APNCF realizou no dia 28 de Novembro de 2007, no Monte de Caparica (auditório do Instituto Português da

Leia mais

Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. promovido pelos Laboratórios Associados.

Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. promovido pelos Laboratórios Associados. Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Encontro com a Ciência em Portugal, promovido pelos Laboratórios Associados. Sessão: TGV Comboios de Alta Velocidade ERTMS Tecnologias de Controlo-Comando

Leia mais

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 26/2007/A de 19 de Novembro de 2007 Regulamenta o Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento da Qualidade e Inovação O Decreto Legislativo Regional

Leia mais

CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES

CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES NAS EMPRESAS PLANEAR PARA A REDUÇÃO DE CUSTOS E OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES 19 e 20 Fevereiro 2013 Auditório dos CTT- Correios de Portugal Lisboa Horário Laboral: 09h30

Leia mais

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES)

Leia mais

10ª Semana da Responsabilidade Social. Certificação da Responsabilidade Social Geradora de confiança Base para negócios sustentáveis

10ª Semana da Responsabilidade Social. Certificação da Responsabilidade Social Geradora de confiança Base para negócios sustentáveis 10ª Semana da Responsabilidade Social Certificação da Responsabilidade Social Geradora de confiança Base para negócios sustentáveis Enquadramento geral No mundo de hoje todas as sociedades têm ambições

Leia mais

APCER. Associação Portuguesa de Certificação. www.apcer.pt

APCER. Associação Portuguesa de Certificação. www.apcer.pt APCER Associação Portuguesa de Certificação www.apcer.pt CERTIFICAÇÃO UM PASSO PARA A EXCELÊNCIA VANTAGENS: Cultura Organizacional; Confiança; Reconhecimento; Valor Acrescentado. QUEM SOMOS Constituída

Leia mais

Alargar os Horizontes -Visão CP -

Alargar os Horizontes -Visão CP - Alargar os Horizontes -Visão CP - Seminário de Transporte Ferroviário Porto, 1 de Outubro de 2009 Francisco Cardoso dos Reis Agenda Contexto Programa Transformação Estratégica CPmais Resultados 2008 Qualidade

Leia mais

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02 Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental Acções de Valorização e Qualificação Ambiental Aviso - ALG-31-2010-02 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO

Leia mais

PLANO DE TRANSIÇÃO OHSAS 18001:2007

PLANO DE TRANSIÇÃO OHSAS 18001:2007 PLANO DE TRANSIÇÃO OHSAS Agenda 1. Processo de normalização no âmbito da SST; 2. Ponto de situação da revisão da norma NP4397; 3. Plano de Transição APCER OHSAS. 1. Processo de normalização no âmbito da

Leia mais

Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade Enquadramento Nacional

Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade Enquadramento Nacional Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade Enquadramento Nacional 15-07-2014 Teresa Guimarães CERTIFICAÇÃO é uma das atividades de avaliação da conformidade de sistemas de gestão (Entidades) de produtos

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Eixo Prioritário IV Protecção e Valorização Ambiental ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUAS INTERIORES Aviso nº : CENTRO-VQA-2009-14-PIN-07

Leia mais

Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido

Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido MEMO/08/79 Bruxelas, 8 de Fevereiro de 2008 Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido 1. O Programa Operacional de Cooperação Transnacional Espaço Atlântico

Leia mais

INTRODUÇÃO. 3 IMPORTANCIA DA NORMALIZAÇÃO. 4 ORGANISMOS DE NORMALIZAÇÃO SECTORIAL. 5 COMISSÕES TÉCINCAS PORTUGUESAS DE NORMALIZAÇÃO CT. 7 APVE / ONS.

INTRODUÇÃO. 3 IMPORTANCIA DA NORMALIZAÇÃO. 4 ORGANISMOS DE NORMALIZAÇÃO SECTORIAL. 5 COMISSÕES TÉCINCAS PORTUGUESAS DE NORMALIZAÇÃO CT. 7 APVE / ONS. ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 IMPORTANCIA DA NORMALIZAÇÃO... 4 ORGANISMOS DE NORMALIZAÇÃO SECTORIAL... 5 COMISSÕES TÉCINCAS PORTUGUESAS DE NORMALIZAÇÃO CT... 5 NORMAS PORTUGUESAS (NP)... 6 ELABORAÇÃO DE UMA NORMA

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO. Acção de Formação do Grupo de Trabalho. Sensibilização Sensibilização Geral para a Qualidade. Qualidade.

IMPLEMENTAÇÃO. Acção de Formação do Grupo de Trabalho. Sensibilização Sensibilização Geral para a Qualidade. Qualidade. 1. ENQUADRAMENTO As organizações têm vindo a aderir de uma forma crescente ao Processo de Certificação como uma Ferramenta imprescindível à Melhoria da Gestão. Esta evolução foi acelerada pela própria

Leia mais

PROJECTO DE DECISÃO. Introdução do Sistema GSM-R e definição do respectivo tipo de autorização

PROJECTO DE DECISÃO. Introdução do Sistema GSM-R e definição do respectivo tipo de autorização PROJECTO DE DECISÃO Introdução do Sistema GSM-R e definição do respectivo tipo de autorização 1. Introdução A CEPT desenvolveu, desde 1995, acções no sentido de definir os requisitos de espectro e de âmbito

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Qualidade e Inovação, uma relação biunívoca. AAOUP- Associação de Antigos Orfeonistas da Universidade do Porto

Qualidade e Inovação, uma relação biunívoca. AAOUP- Associação de Antigos Orfeonistas da Universidade do Porto Qualidade e Inovação, uma relação biunívoca AAOUP- Associação de Antigos Orfeonistas da Universidade do Porto Jorge Marques dos Santos, local, Porto, 18 de abril de 2013 IPQ- Instituto Português da Qualidade

Leia mais

ção o de Sistemas de Qualidade no Sector da Cartografia com base nas Normas ISO 9000:2000 Implementaçã

ção o de Sistemas de Qualidade no Sector da Cartografia com base nas Normas ISO 9000:2000 Implementaçã Implementaçã ção o de Sistemas de Qualidade no Sector da Cartografia com base nas Normas ISO 9000:2000 Carlos Antunes Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (http://correio.cc.fc.ul.pt pt/~ /~mcarlos)

Leia mais

SERVIÇO EUROPEU DE SELECÇÃO DO PESSOAL (EPSO)

SERVIÇO EUROPEU DE SELECÇÃO DO PESSOAL (EPSO) 25.5.2011 PT Jornal Oficial da União Europeia C 155 A/1 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS SERVIÇO EUROPEU DE SELECÇÃO DO PESSOAL (EPSO) ANÚNCIO DE CONCURSO GERAL EPSO/AD/215/11 Administradores no

Leia mais

METROLOGIA Infraestrutura para a competitividade nacional e do bem-estar dos cidadãos

METROLOGIA Infraestrutura para a competitividade nacional e do bem-estar dos cidadãos METROLOGIA Infraestrutura para a competitividade nacional e do bem-estar dos cidadãos Eduarda Filipe Directora do Departamento de Metrologia do IPQ Caparica, 30 de outubro de 2014 Sumário 1. Introdução

Leia mais

A gestão da qualidade e a série ISO 9000

A gestão da qualidade e a série ISO 9000 A gestão da qualidade e a série ISO 9000 Seminário QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃ ÇÃO FLUP 3 Novembro 2005 3 Novembro 2005 Maria Beatriz Marques / APQ-DRN A gestão da qualidade e a série

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS PARECER DA COMISSÃO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS PARECER DA COMISSÃO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 22.2.2007 COM(2007)80 final 2004/0048 (COD) PARECER DA COMISSÃO nos termos do n. 2, terceiro parágrafo, alínea c), do artigo 251. do Tratado CE, sobre as alterações

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Organismos Intermédios Eixo Prioritário VI - Assistência Técnica Convite para

Leia mais

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015 NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ENQUADRAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DA REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES E DO MECANISMO INTERLIGAR A EUROPA JOSÉ VALLE / CEETVC ORIENTAÇÕES BASE DO PROGRAMA DA CEETVC PARA O

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS EMPRESAS DE BETÃO PRONTO

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS EMPRESAS DE BETÃO PRONTO ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS EMPRESAS DE BETÃO PRONTO CATÁLOGO DE SERVIÇOS... um parceiro fiável. INTRODUÇÃO 2 A APEB Associação Portuguesa das Empresas de Betão Pronto, é uma associação empresarial sem fins

Leia mais

DECLARAÇÃO CONJUNTA DA COESS E DA UNI-EUROPA SOBRE A HARMONIZAÇÃO EUROPEIA DAS LEGISLAÇÕES QUE REGULAM O SECTOR DA SEGURANÇA PRIVADA

DECLARAÇÃO CONJUNTA DA COESS E DA UNI-EUROPA SOBRE A HARMONIZAÇÃO EUROPEIA DAS LEGISLAÇÕES QUE REGULAM O SECTOR DA SEGURANÇA PRIVADA DECLARAÇÃO CONJUNTA DA COESS E DA UNI-EUROPA SOBRE A HARMONIZAÇÃO EUROPEIA DAS LEGISLAÇÕES QUE REGULAM O SECTOR DA SEGURANÇA PRIVADA INTRODUÇÃO O sector da segurança privada, na União Europeia, está em

Leia mais

Regulamento UE n.º 445/2011

Regulamento UE n.º 445/2011 Certificação das Entidades Responsáveis pela Manutenção de Vagões de Mercadorias Regulamento UE n.º 445/2011 Paulo Taveira 28/02/2012 S U M Á R I O 1 Enquadramento Legal 2 Definições e Conceitos 3 Sistema

Leia mais

Encontro Certificação de Sistemas de Informação para a Saúde

Encontro Certificação de Sistemas de Informação para a Saúde Encontro Certificação de Sistemas de Informação para a Saúde Roteiro da Certificação Fernando Mota José Luís Graça Organigrama funcional UONCSTI UONCSTI - Missão Apoiar o cumprimento da missão da ACSS,

Leia mais

NORMALIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO. 10º Congresso Nacional de Manutenção. 19 de Novembro de 2009 Pedro Coelho - APMI

NORMALIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO. 10º Congresso Nacional de Manutenção. 19 de Novembro de 2009 Pedro Coelho - APMI NORMALIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO 10º Congresso Nacional de Manutenção 19 de Novembro de 2009 Pedro Coelho - APMI Normalização na Manutenção Como se desenvolve a actividade de Normalização em Portugal Normas

Leia mais

CLUSTER DA ALTA VELOCIDADE. Porto, 30 de Junho 2008

CLUSTER DA ALTA VELOCIDADE. Porto, 30 de Junho 2008 CLUSTER DA ALTA VELOCIDADE Porto, 30 de Junho 2008 Alta Velocidade Eixos prioritários: EIXO LISBOA MADRID EIXO LISBOA PORTO EIXO PORTO -VIGO Investimento Investimento Total nos três eixos prioritários

Leia mais

Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação. Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes

Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação. Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes Proposta de funcionamento e objectivos do Grupo Trabalho Oportunidades Projectos e propostas LNEC 30 Maio 2013 Grupos

Leia mais

Workshop sobre ''Normalização de TI - técnicas de segurança''

Workshop sobre ''Normalização de TI - técnicas de segurança'' Workshop sobre ''Normalização de TI - técnicas de segurança'' Apresentação do itsmf e reativação da CT 163 Mário Lavado Presidente ONS TIC - itsmf 19-12-2012 Agenda Apresentação do itsmf Portugal Apresentação

Leia mais

Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas

Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas CENFIM, Trofa 6 de Maio de 2014 Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas Rui Ferreira Alves O Sector da Construção no contexto da União Europeia Sector estratégico: relevante para promover

Leia mais

Apresentação Corporativa

Apresentação Corporativa CONSULTORIA E ESTUDOS TÉCNICOS DE AMBIENTE E SEGURANÇA, S.A. Apresentação Corporativa Dezembro 2011 Propriedade da Enviprime 12/2011. Proibida a Cópia Sem Autorização Prévia SOBRE A ENVIPRIME, S.A. é uma

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DOS STIC SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E DE COMUNICAÇÃO

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DOS STIC SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E DE COMUNICAÇÃO DINSTITUTO SUPERIOR CURSOS PARA EXECUTIVOS E GESTÃO BANCÁRIA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DOS STIC SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E DE COMUNICAÇÃO Início: 29 de Setembro de 2005 INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO

Leia mais

Regulamento Interno do Centro de Informática e Tecnologias da Informação da Universidade Nova de Lisboa PREÂMBULO

Regulamento Interno do Centro de Informática e Tecnologias da Informação da Universidade Nova de Lisboa PREÂMBULO Regulamento Interno do Centro de Informática e Tecnologias da Informação da Universidade Nova de Lisboa PREÂMBULO Os princípios de orientação do presente regulamento do CITI são os seguintes: 1º Participação

Leia mais

INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO

INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO Janeiro 2004 INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO 1 - OBJECTIVOS O Conhecimento é fonte de Desenvolvimento. A criação e transmissão do Conhecimento

Leia mais

V WORKSHOP INTERNACIONAL A AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE FISCALIZAÇÃO DO MERCADO

V WORKSHOP INTERNACIONAL A AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE FISCALIZAÇÃO DO MERCADO V WORKSHOP INTERNACIONAL A AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DEZEMBRO 2009 RESUMO ASAE Natureza Jurídica; Estrutura; Caracterização Responsabilidades dos operadores económicos Domínio Harmonizado Nova Abordagem

Leia mais

Regulamento. Preâmbulo

Regulamento. Preâmbulo Regulamento Preâmbulo As Empresas e os Empreendedores são a espinha dorsal de qualquer economia, em termos de inovação, de criação de emprego, de distribuição de riqueza e de coesão económica e social

Leia mais

7º. Programa-Quadro. A Experiência da ANIMEE

7º. Programa-Quadro. A Experiência da ANIMEE 7º. Programa-Quadro Projectos de Investigação para Associações A Experiência da ANIMEE Quem é a ANIMEE Uma Associação, de de âmbito nacional, cujo cujo objectivo principal é o de de representar os os interesses

Leia mais

Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas O enquadramento legal!

Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas O enquadramento legal! Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas O enquadramento legal! 25 de Janeiro de 2013 Agenda: Enquadramento Legislativo e Regulamentar adequado à Utilização de Energia nas empresas; Âmbito

Leia mais

Sistemas de Incentivos

Sistemas de Incentivos Sistemas de Incentivos Apoios para PME na colaboração com entidades do SCT Lurdes Pinho (Secretária Técnica Sistemas de Incentivos ON.2) 1 Enquadramento 2 Estrutura ON.2 Eixo Prioritário FEDER % PO I -

Leia mais

inovação e normalização José Augusto A. K. Pinto de Abreu Rio de Janeiro, 2 de Setembro de 2010

inovação e normalização José Augusto A. K. Pinto de Abreu Rio de Janeiro, 2 de Setembro de 2010 inovação e normalização José Augusto A. K. Pinto de Abreu Rio de Janeiro, 2 de Setembro de 2010 Bilhões de US$ A explosão do comércio internacional 18.000 16.000 14.000 12.000 10.000 8.000 6.000 4.000

Leia mais

O que é o Banco Europeu de Investimento?

O que é o Banco Europeu de Investimento? O que é o Banco Europeu de Investimento? O BEI é o banco da União Europeia. Como primeiro mutuário e mutuante multilateral, proporciona financiamento e conhecimentos especializados a projectos de investimento

Leia mais

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES Opções da União Europeia e posição de Portugal 1 I Parte - O Plano de Acção da EU Plano de Acção para a Mobilidade Urbana Publicado pela Comissão Europeia

Leia mais

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Manila, 18 a 22 de Março de 2013 1 Enquadramento: No âmbito do Acordo de Parceiros celebrado entre a AICEP e o GPEARI (Ministério

Leia mais

INSTITUCIONAL. Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO. Operações no Domínio da Administração em Rede

INSTITUCIONAL. Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO. Operações no Domínio da Administração em Rede Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL Operações no Domínio da Administração em Rede Aviso para apresentação de candidaturas - Eixo Prioritário V Governação e Capacitação Institucional

Leia mais

GPPQ Gabinete de Promoção do 7º Programa-Quadro de I&DT. 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (2007-2013)

GPPQ Gabinete de Promoção do 7º Programa-Quadro de I&DT. 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (2007-2013) Sessão de Apresentação de Oportunidades de Financiamento para as PME 7º Programa-Quadro de I&DT da União Europeia Investigação para as PME Margarida Garrido margarida.garrido@gppq.mctes.pt Santarém, Escola

Leia mais

DIRECTIVA PRODUTOS DE CONSTRUÇÃO CONTROLO DO MERCADO

DIRECTIVA PRODUTOS DE CONSTRUÇÃO CONTROLO DO MERCADO DIRECTIVA PRODUTOS DE CONSTRUÇÃO CONTROLO DO MERCADO Ana Margarida Neto Núcleo de Planeamento Direcção Serviços de Planeamento e Controlo Operacional PROGRAMA ASAE Enquadramento DPC - Controlo do Mercado

Leia mais

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura No âmbito do Contrato de Delegação de Competências do POPH na CCP 1. Enquadramento da Iniciativa A Iniciativa Formação para Empresários tem

Leia mais

Ajudamos a (sua) empresa a crescer.

Ajudamos a (sua) empresa a crescer. CONSULTORIA Ajudamos a (sua) empresa a crescer. O QUE FAZEMOS SISTEMAS DE GESTÃO GESTÃO DA PRODUÇÃO E DAS PRODUÇÕES PRODUTIVIDADE E INOVAÇÃO INTERNACIONALIZAÇÃO PROJECOS DE INVESTIMENTO E INCENTIVOS

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência

Leia mais

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO CONSIDERANDO QUE: PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO A simplificação administrativa e a administração electrónica são hoje reconhecidas como instrumentos fundamentais para a melhoria da competitividade e da

Leia mais

Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias

Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias Índice Quem Somos O SGI da AMBISIG; A implementação do SGIDI na AMBISIG; Caso de Sucesso. Quem somos? Somos uma empresa com 16 anos de experiência

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa

Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa Comissão Europeia O que é a Estratégia Europeia para o Emprego? Toda a gente precisa de um emprego. Todos temos necessidade de

Leia mais

INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050

INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050 INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050 Lisboa, 26 de Novembro 2009 1. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 2. MOBILIDADE SUSTENTÁVEL 3. EXPLORAÇÃO & PRODUÇÃO 4. DOUTORAMENTO EM MEIO EMPRESARIAL 5. OPEN

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO

1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO 1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO Painel: Empreendedorismo Social - 27 e 28 de Outubro de 2011 Práticas Inovadoras de Responsabilidade Social e Empreendedorismo Cascais, 27 de Outubro de 2011

Leia mais

Benefícios da Certificação para a Administração Pública

Benefícios da Certificação para a Administração Pública Benefícios da Certificação para a Administração Pública Hélder Estradas, 7 de Maio de 2008 Agenda 1 - Resumo Histórico da Certificação em Portugal; 2 - Vantagens da Certificação; 3 - Processo de Certificação.

Leia mais

MARCAÇÃO CE DE JANELAS E PORTAS

MARCAÇÃO CE DE JANELAS E PORTAS MARCAÇÃO CE DE JANELAS E PORTAS EXPERIÊNCIA EDIMETAL TIAGO PINTO 27.01.2010 IPQ 27.01.2010 MARCAÇÃO CE DE JANELAS E PORTAS: EXPERIÊNCIA EDIMETAL 1 ORGANIZAÇÃO DE NEGÓCIOS O Grupo Edifer tem o seu capital

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

Actos de Engenharia - Instalações Eléctricas

Actos de Engenharia - Instalações Eléctricas Actos de Engenharia - Instalações Eléctricas Ponto de vista do Grupo de Trabalho Interno da Ordem dos Engenheiros Zita A. Vale zitavale@engenheiros.pt zitavale@sapo.pt zav@isep.ipp.pt 10.º ENCONTRO NACIONAL

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Abril 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 3 3. Quadro Legal 6 2

Leia mais

Instituto Superior da Maia ISMAI CET. Realização de Eventos Multimédia

Instituto Superior da Maia ISMAI CET. Realização de Eventos Multimédia Instituto Superior da Maia ISMAI CET Realização de Eventos Multimédia CoordenadorA Professora Doutora Célia Sousa Vieira cvieira@ismai.pt fundamentos e Objectivos A área de formação deste CET reside nos

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13

ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13 QUEM SOMOS FUNDEC APRESENTAÇÃO HISTÓRIA OBJECTIVOS A

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2005 COM(2005) 361 final 2005/0147 (COD) Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que revoga a Directiva 90/544/CEE do Conselho relativa

Leia mais

A DGAE e a Política de Inovação

A DGAE e a Política de Inovação A DGAE e a Política de Inovação Seminário A Criatividade e a Inovação como Factores de Competitividade e Desenvolvimento Sustentável APOCEEP, 9 de Julho de 2009 José António Feu Director do Serviço para

Leia mais

E R A S M U S Guia do Estudante ERASMUS. Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Guia do Estudante

E R A S M U S Guia do Estudante ERASMUS. Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Guia do Estudante ERASMUS Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Guia do Estudante Normas Gerais A mobilidade de estudantes, uma das acções mais frequentes do Programa, inclui duas vertentes de actividade: realização

Leia mais

PROPOSTA DE PROJECTO DE ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE ESTATÍSTICA

PROPOSTA DE PROJECTO DE ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE ESTATÍSTICA SÃO TOMÉ E PRINCIPE PROPOSTA DE PROJECTO DE ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE ESTATÍSTICA 1. FINALIDADE Os objectivos da ENDE de São Tomé e Príncipe são reforçar o SEN

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO Sessão Plenária 15 de Dezembro 2009 A. Sevinate Pontes H. Pinto CS/11 Comissão Sectorial para a Educação e Formação Índice 1 2 3 4 5 6 7 8 Enquadramento Legal Âmbito

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

COOPERAÇÃO ENTRE PORTUGAL E ANGOLA EM C&T

COOPERAÇÃO ENTRE PORTUGAL E ANGOLA EM C&T A cooperação Bilateral Angola - Portugal: estado atual e reforço futuro WORKSHOP PROGRAMA HORIZONTE 2020: COOPERAÇÃO EM INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO ENTRE ANGOLA E A UNIÃO EUROPEIA Luanda, 3 e 4 de outubro

Leia mais

Gestão da Qualidade. Gestão de auditorias internas. 09-12-2009 11:13 Natacha Pereira & Sibila Costa 1 NP EN ISO 19011:2003

Gestão da Qualidade. Gestão de auditorias internas. 09-12-2009 11:13 Natacha Pereira & Sibila Costa 1 NP EN ISO 19011:2003 Gestão da Qualidade Gestão de auditorias internas 09-12-2009 11:13 Natacha Pereira & Sibila Costa 1 NP EN ISO 19011:2003 Linhas de orientação para auditorias a sistema de gestão da qualidade e/ou gestão

Leia mais

Redes Inteligentes Inovar, para Competir nos Mercados Globais

Redes Inteligentes Inovar, para Competir nos Mercados Globais Missão Desenvolver infraestruturas de energia, mobilidade e ambiente, para um mundo sustentável Construindo parcerias de longo prazo Com elevado conteúdo tecnológico Assegurando agilidade e flexibilidade

Leia mais

Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade na Administração Pública. www.apcer.pt

Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade na Administração Pública. www.apcer.pt Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade na Administração Pública www.apcer.pt Hélder Estradas 4 de Novembro de 2005 QUEM SOMOS Constituída em Abril de 1996 (IPQ, AIPortuguesa AIPortuense, actual

Leia mais

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA A Formação no ISQ A actividade de Formação do ISQ tem sido uma forte aposta enquanto factor determinante para o desenvolvimento e melhoria de desempenho dos sectores tecnológicos

Leia mais

INVESTIR EM I&D - PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 CIÊNCIA E INOVAÇÃO -PLANO PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 - NOVA TIPOLOGIA DE PROJECTOS

INVESTIR EM I&D - PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 CIÊNCIA E INOVAÇÃO -PLANO PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 - NOVA TIPOLOGIA DE PROJECTOS CIÊNCIA E INOVAÇÃO -PLANO PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 - NOVA TIPOLOGIA DE PROJECTOS 1 ENQUADRAMENTO - I - Os objectivos delineados na Estratégia de Lisboa e as conclusões do Conselho de Barcelona,

Leia mais

Seventh Research Framework Programme (2007-2013) Paula Galvão paula.galvao@gppq.mctes.pt

Seventh Research Framework Programme (2007-2013) Paula Galvão paula.galvao@gppq.mctes.pt Seventh Research Framework Programme (2007-2013) -Sessão- Oportunidades para as PME no 7º Programa-Quadro de I&DT Paula Galvão paula.galvao@gppq.mctes.pt Gabinete de Promoção do 7º Programa-Quadro de IDT

Leia mais

MODELO DE GESTÃO DO SISTAFE

MODELO DE GESTÃO DO SISTAFE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA Unidade Técnica da Reforma Da Administração Financeira do Estado - UTRAFE MODELO DE GESTÃO DO SISTAFE Maputo, 12 de Julho de

Leia mais

5. ACTIVIDADES DE NORMALIZAÇÃO E LABORATORIAIS

5. ACTIVIDADES DE NORMALIZAÇÃO E LABORATORIAIS 5. ACTIVIDADES DE NORMALIZAÇÃO E LABORATORIAIS 5.1 Actividade do ICP-ANACOM como organismo de normalização sectorial (ONS) 5.1.1 Telecomunicações e compatibilidade electromagnética No que respeita a assuntos

Leia mais

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS:

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: Acesso a cuidados de saúde programados na União Europeia, Espaço Económico Europeu e Suiça. Procedimentos para a emissão do Documento

Leia mais

Prioridades da presidência portuguesa na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Prioridades da presidência portuguesa na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Prioridades da presidência portuguesa na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Prioridades da presidência portuguesa da União Europeia na área de Ciência e Tecnologia Construir o futuro da Ciência e da

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

DURATINET: Rede Transnacional para promover a durabilidade das infra-estruturas de transportes no Espaço Atlântico

DURATINET: Rede Transnacional para promover a durabilidade das infra-estruturas de transportes no Espaço Atlântico DURATINET: Rede Transnacional para promover a durabilidade das infra-estruturas de transportes no Espaço Atlântico M. Manuela Salta Laboratório Nacional de Engenharia Civil Av. Prof. do Brasil, 101, 1700-066

Leia mais

Sistema de qualificação Sectores especiais

Sistema de qualificação Sectores especiais União Europeia Publicação no suplemento do Jornal Oficial da União Europeia 2, rue Mercier, 2985 Luxembourg, Luxemburgo +352 29 29 42 670 ojs@publications.europa.eu Informação e formulários em linha: http://simap.europa.eu

Leia mais

Área Metropolitana do. Porto 2007-2013. Programa Territorial de Desenvolvimento

Área Metropolitana do. Porto 2007-2013. Programa Territorial de Desenvolvimento Área Metropolitana do Porto 2007-2013 Programa Territorial de Desenvolvimento Modernização do Governo Electrónico e melhoria da relação das empresas e dos cidadãos com a Administração Desconcentrada e

Leia mais

A importância de um sistema de transportes global e integrado

A importância de um sistema de transportes global e integrado AS GRANDES OBRAS PÚBLICAS Em Infra-estruturas de Transportes O Novo Paradigma da Mobilidade e das Acessibilidade A importância de um sistema de transportes global e integrado \\ Joaquim Polido Organização

Leia mais

Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio:

Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio: Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio: Mudança de paradigma energético em Portugal, com um implícito Desenvolvimento Sustentável suportado no seu crescimento económico, justiça

Leia mais