Departamento de Engenharia Civil Apoios Geodésico e Topográfico

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Departamento de Engenharia Civil Apoios Geodésico e Topográfico"

Transcrição

1 Departamento de Engenharia Civil Apoios Geodésico e Topográfico Rosa Marques Santos Coelho Paulo Flores Ribeiro 2006 / 2007

2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO TRIANGULAÇÃO E TRILATERAÇÃO Estabelecimento de uma rede de triangulação Estabelecimento de uma rede de triângulos baseado na trilateração Triangulação aérea TRIANGULAÇÃO GEODÉSICA EM PORTUGAL CONTINENTAL Rede geodésica de 1ª ordem Rede Geodésica de 2ª Ordem Rede Geodésica de 3ª Ordem TRIANGULAÇÃO TOPOGRÁFICA / CADASTRAL Operações de campo Operações de gabinete BIBLIOGRAFIA CÁLCULO E COMPENSAÇÃO DE UMA POLIGONAL DE APOIO... 15

3 1. INTRODUÇÃO Para a elaboração de cartas é necessário o conhecimento rigoroso das coordenadas geográficas de um número de pontos suficientemente grande para definir a região a representar. Esses pontos irão servir de apoio aos levantamentos topográficos, evitando, por um lado, perdas de rigor no desenvolvimento dos mesmos e permitindo, por outro, a sua ligação à Rede Geodésica Nacional (RGN). Um dos objectivos da geodesia consiste na determinação das coordenadas rigorosas desses pontos de apoio. A sua determinação é, contudo uma tarefa muito morosa, que se baseia na utilização do método das triangulações. O método das triangulações foi um método de medição introduzido pelo geodeta holandês Snellius ( ) que veio dar um contributo muito importante na evolução da Geodesia. O método das triangulações possibilitou aa determinação de distâncias ou comprimentos de alinhamentos através da realização de medições angulares em polígonos fechados. Este método era de tal forma rigoroso que se manteve como método de medição até aos nossos dias. 2. TRIANGULAÇÃO E TRILATERAÇÃO 2.1. Estabelecimento de uma rede de triangulação O estabelecimento de uma rede de triangulação baseia-se na relação que existe entre os lados e os ângulos de um triângulo. As operações necessárias para o estabelecimento da rede envolvem, por um lado, trabalhos de campo que consistem na materialização sobre o terreno dos vértices da triangulação, utilizando estruturas destinadas para esse fim, na medição rigorosa de todos os ângulos internos dos triângulos que a compõem e na medição do comprimento de um dos lados de um triângulo da rede (base de medição) e envolvem, por outro lado, a execução de trabalhos de gabinete com vista ao seu cálculo e compensação. Para o cálculo da rede de triangulação é ainda necessário orientá-la e determinar as coordenadas de um dos seus pontos, procedimentos que passam pela observação no ponto astronómico fundamental ou origem fundamental (utilizando observações astronómicas) das respectivas latitude, longitude e meridiano de lugar, sendo este último deduzido através do azimute de uma direcção tomada como referência. 3

4 A determinação do comprimento da base de medição foi inicialmente obtida por medição directa de distâncias com recurso a fios ou fitas de invar; actualmente a rectificação é efectuada através dos métodos electro-ópticos e electrónicos de medição de distâncias, que conduzem a precisões da mesma ordem de grandeza Estabelecimento de uma rede de triângulos baseado na trilateração Com o desenvolvimento dos aparelhos que se baseiam na medição indirecta de distâncias através dos métodos electro-ópticos e electrónicos, os quais permitem a determinação de grandes distâncias com erros absolutos de reduzida intensidade foi possível o desenvolvimento e a popularidade dos métodos de localização planimétrica de pontos baseados apenas na medição de distâncias entre eles. Estes processos denominam-se trilateração Triangulação aérea A observação e instalação da rede geodésica em Portugal teve início em finais do século XVIII e desde essa altura foi objecto de várias revisões para melhorar a sua precisão e cobertura. Actualmente, a revisão das redes geodésicas apoia-se fundamentalmente nos modernos métodos de medição electrónica de distâncias e de posicionamento espacial. O sistema GPS é agora bastante utilizado na triangulação aérea, com vista à obtenção de imagens do terreno, nomeadamente para a produção de ortofotocartografia. Esta técnica consiste em, através da ligação do sistema GPS ao centro óptico da lente da câmara fotográfica, coordenar o centro de projecção de cada fotograma. São utilizados dois aparelhos GPS (GPS diferencial), sendo um deles colocado à superfície do terreno, num ponto de coordenadas conhecidas, e um 2º aparelho no avião, ligado à câmara fotográfica. Esta técnica apresenta a grande vantagem da menor incidência de apoio de campo, sendo apenas necessário o referido apoio nos cantos do fotograma. 4

5 3. TRIANGULAÇÃO GEODÉSICA EM PORTUGAL CONTINENTAL O estabelecimento da triangulação geodésica em Portugal Continental utilizou os seguintes procedimentos: Foram medidas duas bases, em Portugal Continental, (comprimentos medidos para o estabelecimento da rede): Base da Chamusca que tem cerca de 4 km de comprimento, foi medida na planície da Chamusca e está ligada ao lado Aire-Melriça, situado a meio da cadeia; Base de Vilar Formoso que tem cerca de 19 km de comprimento e que foi expandida numa relação de 1/3 para o lado da rede Cabeça Alta Marofa. Na Figura 3.1 apresenta-se a figura de expansão para a Base Vilar Formoso. Figura 3.1 Figura de expansão para a Base de Vilar Formoso Para a orientação da rede, determinação da sua posição face à superfície de referência, foram determinadas por observações astronómicas as coordenadas de um vértice e o azimute de um dos lados. O vértice de origem da rede de triangulação geodésica corresponde, em cada país, ao seu Datum ponto em que por convenção se considera o geoíde tangente ao elipsoíde de referência. Em Portugal o estabelecimento da rede teve 5

6 como origem um dos vértices do Castelo de S.Jorge, em Lisboa, e o azimute calculado foi o da direcção Lisboa-Serves. Actualmente, a revisão da rede baseia-se na utilização de um novo Datum, localizado no centro geométrico de Portugal Continental, que se denomina Datum 73 Dt73. Com estes elementos e por transmissão de coordenadas é possível determinar as coordenadas geográficas de todos os vértices, relativas a diversos elipsóides de referência, as quais podem ser transformadas em coordenadas rectangulares, para cada sistema de eixos adoptado. A rede de triangulação geodésica permite a determinação das coordenadas de pontos que irão servir de base de apoio a levantamentos cartográficos e topográficos, em que se pretenda a sua ligação à referida rede. Para que se torne possível a ligação destes levantamentos à rede geodésica é necessário que os vértices da triangulação não estejam muito afastados entre si, verificando-se que para efeitos topográficos os lados dos triângulos não deverão ser superiores a cerca de 5 km. O estabelecimento de uma rede de triangulação geodésica de um país, com 5 km de lado conservando em toda a sua extensão a precisão necessária para apoiar trabalhos geodésicos, seria certamente um trabalho, senão irrealizável, pelo menos complexo e moroso, de forma que foi estabelecida uma rede dividida em ordens. Assim, a rede geodésica em Portugal encontra-se dividida em ordens, ou seja, utiliza-se uma cadeia de triângulos e outros polígonos (quadriláteros principalmente) grandes, estabelecida com grande rigor, que visa servir de apoio a trabalhos de maior precisão. Sobre esta rede vão-se apoiando outros polígonos com lados cada vez menores, que tem a finalidade de estruturar uma malha cada vez mais apertada, que permita o apoio de outro tipo de trabalhos de levantamento, como os trabalhos de levantamento topográfico de zonas pouco extensas. As estruturas utilizadas para materialização dos vários vértices são denominadas vértices ou marcos geodésicos, são geralmente pintados de branco e apresentam uma ou mais faixas pretas que se destinam a eliminar erros de fase e a evitar confusões entre sinais longínquos. Os marcos geodésicos devem ter uma forma geométrica simples, com um eixo de simetria vertical de modo a que, qualquer que seja o local de observação as linhas de visada se intersectem sobre aquele eixo. As formas mais adoptadas são o cilindro, o tronco de cone, o 6

7 tronco de pirâmide quadrangular, o paralelepípedo, etc. A parte do vértice geodésico destinada a ser visada denomina-se mira e deve ser construída com bastante rigor. Em função da ordem da rede a materializar também os vértices ou marcos terão características diferentes (forma e dimensões), como adiante se verá. A Rede Geodésica Nacional (RGN) está organizada em três ordens, constituindo as redes geodésicas de 1ª ordem, de 2ª ordem e de 3ª ordem. O número total de vértices existentes no território nacional é de cerca de 9000, repartidos por vértices de 1ª ordem, cerca de 120 vértices, de 2ª ordem cerca de 900 vértices e de 3ª ordem com a densidade de 1 vértice por cada 10 km 2. Cada vértice geodésico tem uma ficha de identificação e caracterização, como a seguidamente apresentada para o vértice geodésico da rede de 3ª ordem denominado Azambuja. 7

8 3.1. Rede geodésica de 1ª ordem A Rede Geodésica de 1ª ordem é constituída por cadeias de triângulos que apresentam comprimentos de lado entre 30 e 60 km. Esta rede de 1ª ordem está estruturada em duas redes, as redes fundamental e complementar, que constituem o esqueleto geodésico: Rede Fundamental constituída por uma cadeia que se desenvolve longitudinalmente ao longo de um meridiano, disposta segundo a direcção Norte-Sul (cadeia meridiana central), e por quatro cadeias dispostas na direcção Este-Oeste (cadeias paralelas) que estabelecem a ligação da Rede Geodésica Nacional à Rede Geodésica Espanhola. Na figura 3.2 apresenta-se uma imagem da carta da rede de triangulação geodésica fundamental, com indicação da cadeia meridiana, cadeias paralelas e rede complementar. Rede Complementar preenche lacunas deixadas pela rede fundamental. Os vértices da rede geodésica de 1ª ordem são geralmente materializados no terreno por grandes pirâmides em alvenaria (cerca de 9 a 10 metros), de secção quadrangular, podendo ser encimadas por outras de menor altura, ou por estruturas cilíndricas, contendo ambas ou só a inferior uma faixa de cor preta. As suas características principais são: altura total - cerca de 9 m ou 10 m; base das pirâmides - 3 m para a maior, 0,75 m para a menor; faixa preta - 1,5 m de largura. 8

9 Figura 3.2 Rede de triangulação geodésica de 1ª ordem 9

10 Na Figura 3.3 apresenta-se um vértice geodésico da rede de triangulação geodésica de primeira ordem, denominado Melriça, localizado no centro geométrico de Portugal Continental. Figura 3.3 Melriça vértice geodésico 3.2. Rede Geodésica de 2ª Ordem Os triângulos que constituem a Rede Geodésica de 2ª ordem ou secundária têm lados com comprimentos que podem variar entre 20 e 30 km e assentam directamente sobre os vértices geodésicos de 1ª ordem. Os vértices geodésicos de 2ª ordem são materializados no terreno por cilindros normalmente encimados por troncos de cone. Esta forma adoptada para os vértices denomina-se bolembreana. Têm duas faixas de cor preta, uma no cilindro e a outra no tronco de cone, não possuem altura total fixa por forma a que possam sobressair em relação à vegetação existente e ser visíveis entre si. As suas características principais são: base do cilindro - cerca de 1,4 m de diâmetro se a sua altura for superior a 4 m e 1,2 m se a altura for inferior; tronco de cone cerca de 1,2 m de altura, 0,6 m de diâmetro para a base superior e 0,4 m para a inferior; 10

11 faixas pretas - 0,5 m de largura no cilindro e 0,3 m de largura no tronco de cone. A distância do bordo superior da faixa do cilindro à base do tronco de cone é de cerca de 0,4 m. Na Figura 3.4 apresentam-se esquematicamente os vértices geodésicos de 2ª ordem. Figura Representação esquemática dos vértices geodésicos de 2ª ordem 3.3. Rede Geodésica de 3ª Ordem Os triângulos que constituem a rede geodésica de 3ª ordem têm lados com comprimentos que podem variar entre 5 e 10 km. A resolução dos triângulos que constituem a rede pode basear-se na medição de apenas dois dos ângulos internos de cada triângulo dado a menor precisão requerida, sendo o 3º ângulo interno determinado por diferença. Os vértices da rede de triangulação geodésica de 3ª ordem não apresentam altura total fixa, à semelhança dos vértices geodésicos de 2 ª ordem. Diferem dos vértices geodésicos de 2ª ordem por não apresentarem faixa de cor preta a envolver o cilindro que constitui a base da estrutura. 11

12 4. TRIANGULAÇÃO TOPOGRÁFICA / CADASTRAL A densidade dos vértices geodésicos da rede de triangulação geodésica de 3ª ordem não é suficiente para apoiar, na maior parte das situações, os trabalhos topográficos. No sentido de aumentar a densidade de vértices de apoio foi estabelecida a rede de triangulação cadastral, que se apoia nos vértices da rede de triangulação geodésica de 3ª ordem. A rede de triangulação cadastral está também, à semelhança da geodésica, organizada em três ordens, com os seguintes comprimentos para os lados dos triângulos que constituem a rede: 1ª ordem 2 a 4 km; 2ª ordem 1 a 2 km; 3ª ordem 300 a 600 m. O estabelecimento da rede cadastral constituiu uma tarefe menos complexa do que o da rede geodésica, dado por um lado a precisão exigida ser menor e por outro as dimensões dos lados dos triângulos que a constituem serem de menores dimensões. Quando os vértices da rede de triangulação cadastral não apresentam uma densidade suficiente para apoiar os trabalhos de levantamento de pormenor podem constituir-se, apoiadas nos vértices existentes, novas poligonais de apoio abertas ou fechadas. Figura 3.5 Marco cadastral representação esquemática 12

13 As estruturas utilizadas para a materialização dos vértices da rede denominam-se marcos cadastrais, apresentam uma forma paralelepipédica com as dimensões aproximadas de 0,25 m x 0,25 m x 0,50 m. Na Figura 3.5 apresenta-se, esquematicamente, um marco (em planta e em corte) da rede de triangulação cadastral. Cada marco é identificado com TC (triangulação cadastral), seguida de um número de ordem. Com o decorrer do tempo estas marcas acabam por desaparecer, por isso é preferível escolher, sempre que possível, pontos do terreno marcados por construções existentes. As operações necessárias ao estabelecimento de uma rede cadastral constam também de operações de campo e de operações de gabinete. 4.1 Operações de campo Reconhecimento A operação de reconhecimento tem como finalidade definir a localização dos vértices dos triângulos de forma a que eles sejam visíveis entre si e que a área dominada por cada um deles seja a maior possível. Medições de campo Estas operações constam da medição de uma base (comprimento de um dos lados) e dos ângulos internos ou, em alternativa se forem utilizados os processos de trilateração, da medição do comprimento de todos os lados que constituem a rede. 4.2 Operações de gabinete Cálculo e compensação de todos os triângulos que constituem a rede e sua representação. Os cálculos referidos consistem na definição das distâncias entre estações (entre vértices da rede), dos ângulos internos do polígono, dos rumos das direcções, das coordenadas planimétricas dos vértices e das respectivas coordenadas altimétricas. Todos os cálculos prevêem a determinação dos erros associados e a sua compensação. A compensação só deverá ser efectuada se os erros forem inferiores às tolerâncias aceites para cada trabalho efectuado. Seguidamente vai ser apresentado um exercício de aplicação com vista ao cálculo e compensação de uma poligonal de apoio de trabalho topográfico. 13

14 5. BIBLIOGRAFIA Academia Militar; Topografia; Academia Militar, Casaca J., Matos J., Baio M.; Topografia Geral; Lidel edições técnicas, lda.; Lisboa, Fevereiro de Costa, A. da Fonseca; Curso de Topografia; Vol. 4; CENFIC, 1986 Wolf, Paul R. e Brinker, Russell C.; Elementary Surveying;HarperCollins College Publishers; 9 th ed.; USA,1994. Xerez A.C.; Topografia geral (Volumes I e II).Técnica, I.S.T., Lisboa,

15 6. CÁLCULO E COMPENSAÇÃO DE UMA POLIGONAL DE APOIO A seguinte poligonal fechada, cujos vértices constituem os pontos estação de um levantamento topográfico, serve de base de apoio a um trabalho de levantamento topográfico. Baseado nesse aspecto torna-se necessário, no cálculo da poligonal, definir, se possível, os eventuais erros que tenham sido cometidos e efectuar a compensação dos mesmos. Em cada estação o aparelho foi orientado na direcção do Norte Magnético. O rumo da direcção AB (α AB ) é de 30 g e as coordenadas do ponto A são (20, 75, 25). As leituras efectuadas, entre estações, com o taqueómetro são as seguidamente apresentadas na caderneta de levantamento. Pontos Ângulos (grados) Leituras Estação Visados Azimutais Zenitais (m) 1,935 B 38,24 100,00 2,167 A 2,399 h = 1,67 m 1,720 C 109,94 107,56 2,010 2,300 0,715 A 238,29 100,00 0,945 B 1,175 h = 1,45 m 0,200 C 162,52 109,15 0,480 0,760 1,470 B 362,71 91,79 1,750 C 2,030 h = 1,54 m 2,528 A 309,36 90,69 2,820 3,112 15

16 Pretende-se que como exercício de aplicação dos métodos de cálculo de rumos, de distâncias, de cotas, de transmissão de coordenadas planimétricas e altimétricas calcule e compense a poligonal de apoio. O cálculo e a compensação da referida poligonal consiste em: 1. Ângulos Internos 1.1. Cálculo dos ângulos internos da poligonal 1.2. Compensação dos ângulos internos da poligonal Em observações de precisão média a tolerância pode ser definida por: T = 4 n em que n é o número de vértices da poligonal. O valor da compensação a efectuar é expresso por c = n 2. Rumos de direcções O cálculo dos rumos utiliza o método de transmissão de azimutes e/ou rumos. 3. Distâncias O cálculo das distâncias utiliza a expressão 2 D = k G sin z, pois trata-se da utilização de um método óptico. 4. Coordenadas 4.1. Planimétricas Cálculo Conhecidas as coordenadas planimétricas de um vértice e através do método de transmissão de coordenadas podem determinar-se as coordenadas dos outros vértices da poligonal de apoio. Caso exista erro de fecho planimétrico da poligonal (ver equação) há que proceder à respectiva compensação. 2 x 2 y ε = ε + ε ; ε ε x y = X = Y calculado calculado X Y conhecido conhecido 16

17 Compensação A compensação a efectuar em cada vértice, quer para a abcissa quer para a ordenada, é proporcional à soma das variações das abcissas e das ordenadas da poligonal, de acordo com a equação seguinte. C X unitária = ε X Xi ; C Y unitária = ε Y Yi 4.2. Altimétricas Cálculo Conhecida a cota ou altitude de um vértice e através do método de transmissão de coordenadas altimétricas podem determinar-se as coordenadas dos outros vértices da poligonal de apoio. Caso exista erro de fecho altimétrico da poligonal (ver equação), ou seja a cota conhecida do 1º vértice não seja igual à cota calculada, há que proceder à respectiva compensação. ε = C A calculada C A conhecida n = DNi i + 1 i = Compensação A compensação a efectuar em cada vértice é definida dividindo o erro de fecho pelo número de vértices do polígono (ver equação) e adicionando a cada cota anterior, já compensada, a respectiva compensação. c = ε n 17

Departamento de Engenharia Civil Métodos de Levantamento Clássico

Departamento de Engenharia Civil Métodos de Levantamento Clássico Departamento de Engenharia Civil Métodos de Levantamento Clássico Rosa Marques Santos Coelho Paulo Flores Ribeiro 006 / 007 1. INTRODUÇÃO O levantamento clássico utiliza aparelhos como a prancheta e respectiva

Leia mais

Departamento de Engenharia Civil Implantação de Pontos

Departamento de Engenharia Civil Implantação de Pontos Departamento de Engenharia Civil Implantação de Pontos Rosa Marques Santos Coelho Paulo Flores Ribeiro 2006 / 2007 1. Implantação A implantação de pontos ou quaisquer outros detalhes consiste na materialização

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA Departamento Engenharia Civil Secção Planeamento e Urbanismo Teóricas Curso Engenharia Civil ECTS 4,0 Teóricopráticas Distribuição das horas de contacto Trabalho Práticas e de Seminário Estágio Laboratoriais

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES PARA IMPLANTAÇÃO E APOIO TOPOGRÁFICO

ESPECIFICAÇÕES PARA IMPLANTAÇÃO E APOIO TOPOGRÁFICO ESPECIFICAÇÕES PARA IMPLANTAÇÃO E APOIO TOPOGRÁFICO Versão 1.0 30 de Abril de 2003 Índice 1 INTRODUÇÃO... 1 2 SISTEMA DE COORDENADAS... 1 2.1 DESCRIÇÃO... 1 3 TRANSPORTE DE COORDENADAS PARA SISTEMAS DE

Leia mais

Por que os cartógrafos e os geógrafos têm necessidade de conhecer topografia? Os levantamentos de base não existem em todos os lugares;

Por que os cartógrafos e os geógrafos têm necessidade de conhecer topografia? Os levantamentos de base não existem em todos os lugares; 1 - ELEMENTOS DE TOPOGRAFIA Definição: É o conjunto de técnicas aplicadas ao terreno, cujo objeto é o estabelecimento das cartas e das plantas. Conforme a etimologia da palavra, topografia é a arte de

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- TOPOGRAFIA

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- TOPOGRAFIA FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- TOPOGRAFIA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1. Com base nos seus conhecimentos, complete a lacuna com a alternativa abaixo que preencha corretamente

Leia mais

Topografia TRABALHOS DE CAMPO NIVELAMENTO GEOMETRICO LEVANTAMENTO TAQUEOMETRICO LEVANTAMENTO E CALCULO DE UMA POLIGONAL

Topografia TRABALHOS DE CAMPO NIVELAMENTO GEOMETRICO LEVANTAMENTO TAQUEOMETRICO LEVANTAMENTO E CALCULO DE UMA POLIGONAL Licenciatura em Engenharia Civil 1º Ano 2º Semestre Topografia Ano Lectivo 2004/2005 TRABALHOS DE CAMPO NIVELAMENTO GEOMETRICO LEVANTAMENTO TAQUEOMETRICO LEVANTAMENTO E CALCULO DE UMA POLIGONAL Trabalho

Leia mais

Topografia Levantamentos Topográficos. Sistema de Referência. Coordenadas Geodésicas (j, l, h) Projecção Cartográfica

Topografia Levantamentos Topográficos. Sistema de Referência. Coordenadas Geodésicas (j, l, h) Projecção Cartográfica LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS OBJECTIVO O objectivo desta disciplina é a aprendizagem de métodos e técnicas de aquisição de dados que possibilitem a determinação das coordenadas cartográficas de um conjunto

Leia mais

TOPOGRAFIA. Ângulos e Distâncias

TOPOGRAFIA. Ângulos e Distâncias TOPOGRAFIA Ângulos e Distâncias MEDIÇÃO DE ÂNGULOS Em topografia consideram-se apenas dois tipos de ângulos, contidos em dois planos: Projecção vertical Horizontal (planimetria) - ângulos horizontais ou

Leia mais

NORMAS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA TRABALHOS TOPOGRÁFICOS - CDA I OPERAÇÕES DE CAMPO

NORMAS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA TRABALHOS TOPOGRÁFICOS - CDA I OPERAÇÕES DE CAMPO NORMAS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA TRABALHOS TOPOGRÁFICOS - CDA I OPERAÇÕES DE CAMPO 1- As normas técnicas objetivam a caracterização de imóveis rurais pelo levantamento e materialização de seus limites,

Leia mais

Laboratório de Cartografia Digital - CTUFES

Laboratório de Cartografia Digital - CTUFES Geotecnologias Planejamento e Gestão AULA 05 Fundamentos de Geodésia Geodésia - Definição: Geodésia é a ciência de medida e mapeamento das variações temporais da superfície da Terra, considerando seu campo

Leia mais

Capítulo IV TAQUEOMETRIA

Capítulo IV TAQUEOMETRIA 62 Capítulo IV TAQUEOMETRIA 1. Princípios Gerais A taqueometria, do grego takhys (rápido), metren (medição), compreende uma série de operações que constituem um processo rápido e econômico para a obtenção

Leia mais

LEVANTAMENTO FOTOGRAMÉTRICO DE MONUMENTOS E DE EDIFÍCIOS ANTIGOS

LEVANTAMENTO FOTOGRAMÉTRICO DE MONUMENTOS E DE EDIFÍCIOS ANTIGOS Pág.: 1 / 5 1. INTRODUÇÃO A fotogrametria é um método de levantamento baseado na observação do mesmo objecto de dois ou três ângulos diferentes, possibilitando a reconstituição de uma imagem espacial a

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE TOPOGRAFIA ENGENHARIA CIVIL

EXERCÍCIOS DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE TOPOGRAFIA ENGENHARIA CIVIL EXERCÍCIOS DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE TOPOGRAFIA ENGENHARIA CIVIL INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA DOCENTES (2009/2010) 2009/2010 Ana Paula Falcão Flôr Ricardo

Leia mais

Disciplina: Topografia I

Disciplina: Topografia I Curso de Graduação em Engenharia Civil Prof. Guilherme Dantas Fevereiro/2014 Disciplina: Topografia I Indrodução atopografia definição Definição: a palavra "Topografia" deriva das palavras gregas "topos"

Leia mais

4/12/2013 ELEMENTOS DE GEODÉSIA E CARTOGRAFIA SISTEMAS DE REFERÊNCIA. Geóide -Gauss 1828. Modelo esférico Astronomia

4/12/2013 ELEMENTOS DE GEODÉSIA E CARTOGRAFIA SISTEMAS DE REFERÊNCIA. Geóide -Gauss 1828. Modelo esférico Astronomia FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL ELEMENTOS DE GEODÉSIA E CARTOGRAFIA Curso: Agronomia 6º Semestre / Eng. Florestal 7º Semestre Prof. responsável: Lorena Stolle Pitágoras(580-500 ac)

Leia mais

TOPOGRAFIA. Nivelamento

TOPOGRAFIA. Nivelamento TOPOGRAFIA Nivelamento Altimetria: parte da topografia que tem por objectivo, por meio de métodos e instrumentos adequados, atribuir uma cota altimétrica a cada ponto, de forma a poder determinar a diferença

Leia mais

I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário. Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs

I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário. Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs 1. FORMA DA TERRA Geóide Elipsóide Esfera Modelos de representação da Terra O modelo que mais

Leia mais

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO MARIA DO CÉU SIMÕES TERENO 2011 EUROPEU E AMERICANO SISTEMAS DE PROJEÇÕES ORTOGONAIS Ângulos Diedros A representação de objectos tridimensionais por meio de desenhos bidimensionais, utilizando projecções

Leia mais

Capítulo I GENERALIDADES

Capítulo I GENERALIDADES Topografia I Profa. Andréa Ritter Jelinek 1 Capítulo I GENERALIDADES 1. Conceitos Fundamentais Definição: a palavra Topografia deriva das palavras gregas topos (lugar) e graphen (descrever), que significa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER. Aula 01 Turma - 03

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER. Aula 01 Turma - 03 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER Laboratório de Topografia Aula 0 Turma - 03 Prof. Dr. Guttemberg Silvino Prof. Dr.

Leia mais

Hoje adota novas tecnologias no posicionamento geodésico, como por exemplo o Sistema de Posicionamento Global (GPS)

Hoje adota novas tecnologias no posicionamento geodésico, como por exemplo o Sistema de Posicionamento Global (GPS) Geodésia A Geodésia é uma ciência que se ocupa do estudo da forma e tamanho da Terra no aspecto geométrico e com o estudo de certos fenômenos físicos relativos ao campo gravitacional terrestre, visando

Leia mais

AULA 4 SISTEMAS DE REFERÊNCIA

AULA 4 SISTEMAS DE REFERÊNCIA AULA 4 SISTEMAS DE REFERÊNCIA Objetivos TOPOGRAFIA Gerais Visão geral de Sistemas de Referência Específicos Sistemas de Coordenadas; Sistema de Referência; Datum Geodésico; Sistemas de Referência De acordo

Leia mais

Introdução à Geodésia

Introdução à Geodésia UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS Disciplina: Leitura e Interpretação de Cartas Introdução à Geodésia Prof. Dr. Richarde Marques richarde@geociencias.ufpb.br

Leia mais

Topografia Aplicada a Terraplenagem

Topografia Aplicada a Terraplenagem Topografia Aplicada a Terraplenagem ALTIMETRIA Nivelamento Geométrico Método das Visadas Extremas PLANIMETRIA Malha Regular PLANIMETRIA IMPLANTAÇÃO DA MALHA REGULAR Equipamentos: 1 Teodolito (Utilizado

Leia mais

ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS

ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços de Estudos Topográficos nos Projetos Básicos de Engenharia Ferroviária. Devem ser considerados

Leia mais

LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS II GA108

LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS II GA108 LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS II GA108 Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências da Terra Departamento de Geomática Profa. Dra. Regiane Dalazoana LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS II GA108 a) Cálculo de Volumes

Leia mais

LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS ESTAÇÃO TOTAL x GPS RTK

LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS ESTAÇÃO TOTAL x GPS RTK LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS ESTAÇÃO TOTAL x GPS RTK Douglas Luiz Grando 1 ; Valdemir Land 2, Anderson Clayton Rhoden 3 Palavras-chave: Topografia; Geodésia; GPS de Precisão. INTRODUÇÃO Com a evolução das

Leia mais

Geomática Aplicada à Engenharia Civil. 1 Fotogrametria

Geomática Aplicada à Engenharia Civil. 1 Fotogrametria Geomática Aplicada à Engenharia Civil 1 Fotogrametria Conceitos 2 Segundo Wolf (1983), a Fotogrametria pode ser definida como sendo a arte, a ciência e a tecnologia de se obter informações confiáveis de

Leia mais

CONCEITO DE GEODÉSIA A FORMA DA TERRA SUPERFÍCIES DE REFERÊNCIA MARCOS GEODÉSICOS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS SISTEMA GEODÉSICO DE REFERÊNCIA

CONCEITO DE GEODÉSIA A FORMA DA TERRA SUPERFÍCIES DE REFERÊNCIA MARCOS GEODÉSICOS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS SISTEMA GEODÉSICO DE REFERÊNCIA Sumário P r o f. Ti a g o B a d r e M a r i n o G e o p r o c e s s a m e n t o D e p a r t a m e n t o d e G e o c i ê n c i a s I n s t i t u t o d e A g r o n o m i a U F R R J 2 Conceito de Geodésia

Leia mais

Especificações Técnicas para Uso da Rede de Referência Cartográfica Municipal RRCM

Especificações Técnicas para Uso da Rede de Referência Cartográfica Municipal RRCM Especificações Técnicas para Uso da Rede de Referência Cartográfica Municipal RRCM Junho de 2004 SUMÁRIO Página APRESENTAÇÃO 03 1. OBJETIVOS 03 2 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 04 3. DEFINIÇÕES 04 3.1. SISTEMA

Leia mais

VIII CONGRESSO BRASILEIRO DE CARTOGRAFIA FORTALEZA 24 a 31 DE JULHO DE 1977 O DATUM GEODÉSICO DE CHUÁ ENGENHEIRO LYSANDRO VIANA RODRIGUEZ

VIII CONGRESSO BRASILEIRO DE CARTOGRAFIA FORTALEZA 24 a 31 DE JULHO DE 1977 O DATUM GEODÉSICO DE CHUÁ ENGENHEIRO LYSANDRO VIANA RODRIGUEZ VIII CONGRESSO BRASILEIRO DE CARTOGRAFIA FORTALEZA 24 a 31 DE JULHO DE 1977 O DATUM GEODÉSICO DE CHUÁ ENGENHEIRO LYSANDRO VIANA RODRIGUEZ O DATUM GEODÉSICO DE CHUÁ I GENERALIDADES: O ideal de unificação

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / DIURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / DIURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / DIURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: CARTOGRAFIA E TOPOGRAFIA CÓDIGO: CRT003 CLASSIFICAÇÃO: Obrigatória PRÉ-REQUISITO: não tem CARGA HORÁRIA: TÉORICA : 30 horas

Leia mais

TOPOGRAFIA. Conceitos Fundamentais

TOPOGRAFIA. Conceitos Fundamentais TOPOGRAFIA Conceitos Fundamentais Conceitos Fundamentais Topografia topos (lugar) + graphein (descrever) descrição exacta e rigorosa de um lugar Conjunto dos princípios, métodos, aparelhos e convenções

Leia mais

Altera a caracterização do Sistema Geodésico Brasileiro

Altera a caracterização do Sistema Geodésico Brasileiro Altera a caracterização do Sistema Geodésico Brasileiro R.PR 1/2005 FOLHA 1/1 Competência: Artigo 24 do Estatuto aprovado pelo Decreto nº 4.740, de 13 de junho de 2003. O PRESIDENTE da FUNDAÇÃO INSTITUTO

Leia mais

TOPOGRAFIA. Áreas e Volumes

TOPOGRAFIA. Áreas e Volumes TOPOGRAFIA Áreas e Volumes A estimativa da área de um terreno pode ser determinada através de medições realizadas diretamente no terreno ou através de medições gráficas sobre uma planta topográfica. As

Leia mais

Aula 8 : Desenho Topográfico

Aula 8 : Desenho Topográfico Aula 8 : Desenho Topográfico Topografia, do grego topos (lugar) e graphein (descrever), é a ciência aplicada que representa, no papel, a configuração (contorno,dimensão e posição relativa) de um porção

Leia mais

[APOSTILA DE TOPOGRAFIA]

[APOSTILA DE TOPOGRAFIA] 2009 [APOSTILA DE TOPOGRAFIA] - SENAI-DR/ES CEP HRD APOSTILA DE TOPOGRAFIA Apostila montada e revisada pela Doc. Regiane F. Giacomin em março de 2009. Tal material foi baseado, e recortado em alguns momentos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA: IMPLANTAÇÃO DA GRADE DE TRILHAS E PARCELAS PERMANENTES NA RESERVA BIOLÓGICA DO UATUMÃ

TERMO DE REFERÊNCIA: IMPLANTAÇÃO DA GRADE DE TRILHAS E PARCELAS PERMANENTES NA RESERVA BIOLÓGICA DO UATUMÃ TERMO DE REFERÊNCIA: IMPLANTAÇÃO DA GRADE DE TRILHAS E PARCELAS PERMANENTES NA RESERVA BIOLÓGICA DO UATUMÃ 1. Objeto Contratação de serviço especializado de topografia plani-altimétrica georeferenciada

Leia mais

Topografia. Conceitos Básicos. Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004-

Topografia. Conceitos Básicos. Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004- Topografia Conceitos Básicos Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004- 1 ÍNDICE ÍNDICE...1 CAPÍTULO 1 - Conceitos Básicos...2 1. Definição...2 1.1 - A Planta Topográfica...2 1.2 - A Locação da Obra...4 2.

Leia mais

A Topografia no Sistema CR - Campeiro 7.0

A Topografia no Sistema CR - Campeiro 7.0 A Topografia no Sistema CR - Campeiro 7.0 Introdução a Topografia Enio Giotto Professor Titular da UFSM Elódio Sebem Professor Associado da UFSM SUMÁRIO 1 A TOPOGRAFIA E SEU CAMPO DE ATUAÇÃO 2 DIVISÃO

Leia mais

200784 Topografia I PLANO DE ENSINO. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 01

200784 Topografia I PLANO DE ENSINO. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 01 200784 Topografia I PLANO DE ENSINO Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 01 APRESENTAÇÃO DO PLANO DE ENSINO: 1. TOPOGRAFIA: Definições, Objetivos e Divisões.

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Métodos de Aquisição de dados Planialtimétricos

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Métodos de Aquisição de dados Planialtimétricos UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2 Métodos de Aquisição de dados Planialtimétricos Recife, 2014 Métodos de Aquisição dos Dados O cuidado

Leia mais

SENAI SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL/SE

SENAI SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL/SE SENAI SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL/SE CURSO: HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MEDIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL, COM ÊNFASE EM CANTEIRO DE OBRAS 2ª parte: Altimetria e Planialtimetria (APLICÁVEL

Leia mais

Levantamento topográfico

Levantamento topográfico MA092 - Geometria plana e analítica - Segundo projeto Levantamento topográfico Francisco A. M. Gomes Outubro de 2014 1 Descrição do projeto Nessa atividade, vamos usar a lei dos senos e a lei dos cossenos

Leia mais

muito como cartas náuticas faça para o watercraft, ou o a mapa rodoviário para excitadores. Usando estas cartas e outras ferramentas pilotos possa

muito como cartas náuticas faça para o watercraft, ou o a mapa rodoviário para excitadores. Usando estas cartas e outras ferramentas pilotos possa Carta Aeronáutica é a mapa projetou ajudar dentro navegação de avião, muito como cartas náuticas faça para o watercraft, ou o a mapa rodoviário para excitadores. Usando estas cartas e outras ferramentas

Leia mais

Engenharia Civil Topografia e Geodésia. Curso Técnico em Edificações Topografia GEODÉSIA

Engenharia Civil Topografia e Geodésia. Curso Técnico em Edificações Topografia GEODÉSIA e Geodésia GEODÉSIA e Geodésia GEODÉSIA O termo Geodésia, em grego Geo = terra, désia = 'divisões' ou 'eu divido', foi usado, pela primeira vez, por Aristóteles (384-322 a.c.), e pode significar tanto

Leia mais

ALGUNS TERMOS TÉCNICOS IMPORTANTES

ALGUNS TERMOS TÉCNICOS IMPORTANTES Topografia Medições de Distâncias ALGUNS TERMOS TÉCNICOS IMPORTANTES Ponto topográfico: É todo e qualquer ponto do terreno, que seja importante e levado em conta na medição da área. Ao final de cada alinhamento

Leia mais

Dados para mapeamento

Dados para mapeamento Dados para mapeamento Existem dois aspectos com relação aos dados: 1. Aquisição dos dados para gerar os mapas 2. Uso do mapa como fonte de dados Os métodos de aquisição de dados para o mapeamento divergem,

Leia mais

Departamento de Engenharia Civil CARTOGRAFIA

Departamento de Engenharia Civil CARTOGRAFIA Departamento de Engenharia Civil CARTOGRAFIA Rosa Marques Santos Coelho Paulo Flores Ribeiro 2006 / 2007 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 4 2 CARTOGRAFIA... 6 2.1 FORMA E DIMENSÕES DA TERRA... 6 2.2 SISTEMAS DE

Leia mais

O GPS IKE 1000 oferece velocidade, segurança e verificação. Com este equipamento a carga de trabalho e tempo dispendidos são minimizados devido a:

O GPS IKE 1000 oferece velocidade, segurança e verificação. Com este equipamento a carga de trabalho e tempo dispendidos são minimizados devido a: Os equipamentos IKE 1000 são equipamentos GPS de elevada precisão, robustos, adequados para recolher diferentes tipos de informação no campo, tais como dados geoespaciais com informação alfanumérica associada,

Leia mais

Introdução da Topografia

Introdução da Topografia UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 1 Introdução da Topografia Aula 1 Recife, 2014 O QUE É TOPOGRAFIA Grego Português Topo Lugar Grafia Descrição

Leia mais

Topografia Aplicada. Ana Paula Falcão/ João Matos Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura

Topografia Aplicada. Ana Paula Falcão/ João Matos Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura Topografia Aplicada Ana Paula Falcão/ João Matos Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura (Versão 1.0) 17 de Maio de 2007 Motivação Este documento é unicamente ilustrativo de aspectos práticos de

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 1. Sistema de Posicionamento por Satélite

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 1. Sistema de Posicionamento por Satélite UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 1 Sistema de Posicionamento por Satélite Recife, 2014 Sistema de Coordenadas Geográficas O globo é dividido

Leia mais

CARTOGRAFIA TEMÁTICA e GPS

CARTOGRAFIA TEMÁTICA e GPS CARTOGRAFIA TEMÁTICA e GPS Orientação e Forma Diversidade = A visibilidade é variável Ordem = As categorias se ordenam espontaneamente Proporcionalidade = relação de proporção visual Cores convencionais

Leia mais

T p o o p g o r g af a i f a Curso de Iniciação à Espeleologia Wind Rui Andrade 2013

T p o o p g o r g af a i f a Curso de Iniciação à Espeleologia Wind Rui Andrade 2013 Topografia Topografia Ciência que se encarrega da representação gráfica da superfície do relevo. Do grego: Topos (lugar) + Graphein (descrição) A topografia de exploração espeleológica pretende representar

Leia mais

Descrição do Datum Geodésico da Região Administrativa Especial de Macau

Descrição do Datum Geodésico da Região Administrativa Especial de Macau Descrição do Datum Geodésico da Região Administrativa Especial de Macau 1. Introdução Acompanhando a alteração social e o avanço de tecnologia e ciência, as tecnologias de recepção do sistema de posicionamento

Leia mais

Caderno de Respostas

Caderno de Respostas Caderno de Respostas DESENHO TÉCNICO BÁSICO Prof. Dr.Roberto Alcarria do Nascimento Ms. Luís Renato do Nascimento CAPÍTULO 1: ELEMENTOS BÁSICOS DO DESENHO TÉCNICO 1. A figura ilustra um cubo ao lado de

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE O ESTUDO DO LEITO DE CHEIA NUM TROÇO DO RIO MONDEGO

RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE O ESTUDO DO LEITO DE CHEIA NUM TROÇO DO RIO MONDEGO RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE O ESTUDO DO LEITO DE CHEIA NUM TROÇO DO RIO MONDEGO Instituto da Água - Direcção de Serviços de Recursos Hídricos Sónia Fernandes, Ana Catarina Mariano, Maria Teresa Álvares, Maria

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA DISTÂNCIA FOCAL DE UMA LENTE E ESTUDO DA FORMAÇÃO DE IMAGEM

DETERMINAÇÃO DA DISTÂNCIA FOCAL DE UMA LENTE E ESTUDO DA FORMAÇÃO DE IMAGEM ETERMINAÇÃO A ISTÂNCIA FOCAL E UMA LENTE E ESTUO A FORMAÇÃO E IMAGEM. Objectivo eterminação da distância focal de uma lente convergente e de uma associação de lentes, e estudo da formação de imagem. 2.

Leia mais

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais:

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: A COR DE UM CORPO MÓDULO 9 A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: luz branca vermelho alaranjado amarelo verde azul anil violeta A cor que um corpo iluminado

Leia mais

Lista de Exercícios de Topografia Planimetria

Lista de Exercícios de Topografia Planimetria Lista de Exercícios de Topografia Planimetria 1. Cite 3 métodos de levantamento topográfico e uma situação prática onde cada um poderia ser empregado. 2. Verifique se existe erro de fechamento angular

Leia mais

Introdução à Topografia

Introdução à Topografia Topografia Introdução à Topografia Etimologicamente a palavra TOPOS, em grego, significa lugar e GRAPHEN descrição, assim, de uma forma bastante simples, Topografia significa descrição do lugar. O termo

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais

Cobertura Fotogramétrica com uma Câmara Digital

Cobertura Fotogramétrica com uma Câmara Digital Cobertura Fotogramétrica com uma Câmara Digital Instituto Geográfico Português Direcção-Geral dos Recursos Florestais Paulo Patrício Inventário Florestal Nacional A Direcção-Geral dos Recursos Florestais

Leia mais

Plataforma Equatorial

Plataforma Equatorial Projecto Com a Cabeça na Lua OASA - Observatório Astronómico de Santana Açores Plataforma Equatorial Princípios fundamentais Utilização das Coordenadas Astronómicas Em geometria, sabemos que um sistema

Leia mais

No caso de existência no BDG, surgirá a seguinte mensagem: Visualize o resultado da pesquisa no final da página. Clicar sobre o botão OK.

No caso de existência no BDG, surgirá a seguinte mensagem: Visualize o resultado da pesquisa no final da página. Clicar sobre o botão OK. Sistema Geodésico Brasileiro Banco de Dados Geodésicos Opções de consulta: Para realizar este tipo de consulta, deve-se digitar o(s) código(s) da(s) estação(ões) a serem pesquisadas e clicar sobre o botão

Leia mais

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM 6.1. INTRODUÇÃO A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do seu eixo em planta e pelos perfis longitudinal e transversal. A Fig. 6.1 apresentada

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA UNIDADE DE FLORIANÓPOLIS DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE CONSTRUÇÃO CIVIL

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA UNIDADE DE FLORIANÓPOLIS DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE CONSTRUÇÃO CIVIL CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA UNIDADE DE FLORIANÓPOLIS DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE CONSTRUÇÃO CIVIL CURSO TÉCNICO DE GEOMENSURA MÓDULO I UNIDADE CURRICULAR TOPOGRAFIA I 5.7 Medição

Leia mais

UNIDADE II Processos de medição de ângulos e distâncias.

UNIDADE II Processos de medição de ângulos e distâncias. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS - FESO CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA CCT CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Profª Drª Verônica Rocha Bonfim Engª Florestal

Leia mais

Fotografia aérea e foto-interpretação

Fotografia aérea e foto-interpretação Fotografia aérea e foto-interpretação Fotografias aéreas e foto-interpretação são elementos e técnicas de trabalho fundamentais para um conhecimento aprofundado do território e para a elaboração ou actualização

Leia mais

MÓDULO I UNIDADE CURRICULAR TOPOGRAFIA I 5.1 INTRODUÇÃO À CIÊNCIA TOPOGRÁFICA. 5.1.1 Conceitos

MÓDULO I UNIDADE CURRICULAR TOPOGRAFIA I 5.1 INTRODUÇÃO À CIÊNCIA TOPOGRÁFICA. 5.1.1 Conceitos CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA UNIDADE DE FLORIANÓPOLIS DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE CONSTRUÇÃO CIVIL CURSO TÉCNICO DE GEOMENSURA MÓDULO I UNIDADE CURRICULAR TOPOGRAFIA I 5.1 INTRODUÇÃO

Leia mais

SISTEMAS DE COORDENADAS E PROJEÇÕES CARTOGRÁFICAS. Prof. M.Sc. César Vinícius Mendes Nery Email: vinicius.nery@ifnmg.edu.br Skipe: vinicius_nery

SISTEMAS DE COORDENADAS E PROJEÇÕES CARTOGRÁFICAS. Prof. M.Sc. César Vinícius Mendes Nery Email: vinicius.nery@ifnmg.edu.br Skipe: vinicius_nery SISTEMAS DE COORDENADAS E PROJEÇÕES CARTOGRÁFICAS Prof. M.Sc. César Vinícius Mendes Nery Email: vinicius.nery@ifnmg.edu.br Skipe: vinicius_nery Objetivos Ao final da aula o aluno deve: Comparar os modelos

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 114

Norma Técnica Interna SABESP NTS 114 Norma Técnica Interna SABESP NTS 114 LOCAÇÃO E LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO DE SEÇÕES TOPOGRÁFICAS Especificação Agosto - 2000 NTS 114: 2000 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1. OBJETIVO...1

Leia mais

Medindo a Terra com Sombras

Medindo a Terra com Sombras Projecto apresentado no XI Encontro Nacional de Estudantes de Física, Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, 27 Fevereiro - 1 Março de 2009, resultante de uma parceria entre a Sociedade Portuguesa

Leia mais

Projecções Cartográficas

Projecções Cartográficas Projecções Cartográficas Projecções azimutais Projecção azimutal polar ou normal (ponto de tangência é o polo) Projecção azimutal equatorial ou transversa (ponto de tangência é o equador): Projecção azimutal

Leia mais

REFLEXO DO PONTO, SEGMENTO DE RECTA E FIGURA GEOMÉTRICA NUM ESPELHO VERTICAL

REFLEXO DO PONTO, SEGMENTO DE RECTA E FIGURA GEOMÉTRICA NUM ESPELHO VERTICAL Figura 156. Óleo sobre tela de Almada Negreiros (1893-1970). Retrato do Poeta Fernando Pessoa. Apesar de parecer uma composição na base do quadrado devido à quadrícula do soalho, é na realidade um rectângulo.

Leia mais

GeoMafra Portal Geográfico

GeoMafra Portal Geográfico GeoMafra Portal Geográfico Nova versão do site GeoMafra Toda a informação municipal... à distância de um clique! O projecto GeoMafra constitui uma ferramenta de trabalho que visa melhorar e homogeneizar

Leia mais

GPS (Global Positioning System) Sistema de Posicionamento Global

GPS (Global Positioning System) Sistema de Posicionamento Global GPS (Global Positioning System) Sistema de Posicionamento Global 1 Sistema de Posicionamento Global é um sistema de posicionamento por satélite que permite posicionar um corpo que se encontre à superfície

Leia mais

Cartografia. Norma Técnica da Federação Nº1. Federação Portuguesa de Airsoft - APD Apartado 526816 4251-901Porto PORTUGAL

Cartografia. Norma Técnica da Federação Nº1. Federação Portuguesa de Airsoft - APD Apartado 526816 4251-901Porto PORTUGAL Cartografia Norma Técnica da Federação Nº1 Federação Portuguesa de Airsoft - APD Apartado 526816 4251-901Porto PORTUGAL www.fpairsoft.pt geral@fpairsoft.pt 1. Introdução 1.1 Objectivo A presente norma

Leia mais

No âmbito do projecto para elaboração

No âmbito do projecto para elaboração >>Boletim do IGeoE N.º 72 Novembro 2010 Levantamento de dados de aeródromos, heliportos e rádio Introdução No âmbito do projecto para elaboração do Manual VFR (Visual Flight Rules), responsabilidade do

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. Transformações de coordenadas para não especialistas

CURSO DE FORMAÇÃO. Transformações de coordenadas para não especialistas CURSO DE FORMAÇÃO Transformações de coordenadas para não especialistas Colégios de Engenharia Geográfica e Engenharia Geológica e Minas Região Centro José A. Gonçalves jagoncal@fc.up.pt Sumário do curso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO: ENGENHARIA RURAL IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA: CÓDIGO NOME ( T - P ) EGR 1008 TOPOGRAFIA E ELEMENTOS DE GEODÉSIA (3-3) OBJETIVOS

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé

RELATÓRIO TÉCNICO. Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé RELATÓRIO TÉCNICO Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé Trabalho realizado para: Câmara Municipal de Alfandega da Fé Trabalho realizado por: António Miguel Verdelho Paula Débora Rodrigues de

Leia mais

22 SÉCULOS A MEDIR ÁREA

22 SÉCULOS A MEDIR ÁREA SÉCULOS A MEDIR ÁREA MIGUEL ABREU E ANA CANNAS DA SILVA. O teorema favorito de Arquimedes Das geniais descobertas e invenções de Arquimedes (87- AC), conta-se que a sua favorita terá sido a de que a superfície

Leia mais

COLÉGIO JOÃO PAULO I GEOGRAFIA - EXERCÍCIOS PARA TRIMESTRAL 1

COLÉGIO JOÃO PAULO I GEOGRAFIA - EXERCÍCIOS PARA TRIMESTRAL 1 COLÉGIO JOÃO PAULO I GEOGRAFIA - EXERCÍCIOS PARA TRIMESTRAL 1 Professor(a): Richard 1) Sobre as coordenadas geográficas, assinale a alternativa correta. a) A longitude é determinada pelo ângulo formado

Leia mais

DIRETRIZES PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LEGISLAÇÃO, DOCUMENTOS, PROJETOS E DIRETRIZES ESPECÍFICAS

DIRETRIZES PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LEGISLAÇÃO, DOCUMENTOS, PROJETOS E DIRETRIZES ESPECÍFICAS DIRETRIZES PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LEGISLAÇÃO, DOCUMENTOS, PROJETOS E DIRETRIZES ESPECÍFICAS Visando subsidiar tecnicamente o processo com fins de regularização fundiária em áreas de AEIS-II, deverão

Leia mais

I: Aplicação. Descritiva. propriedade mais. importante. (vista

I: Aplicação. Descritiva. propriedade mais. importante. (vista Noções básicas de Geometria Descritiva e sua aplicação naa análise de estruturas geológicas António Alexandre Araújo (Centro de Geofísica de Évora, Departamento de Geociências, Escola de Ciências e Tecnologia

Leia mais

A = Alexandria S = Sienne. AS = 800 km estaca. AÊB = SÔA (alternos internos) AÊB = 7 12' AS = 7 12' B A. raios do Sol ao meio dia solar

A = Alexandria S = Sienne. AS = 800 km estaca. AÊB = SÔA (alternos internos) AÊB = 7 12' AS = 7 12' B A. raios do Sol ao meio dia solar Determinação experimental do perímetro da Terra e outras propostas de experiências envolvendo o ol e as suas sombras 1 eguem-se propostas de actividades, pensadas para serem concretizadas por professores

Leia mais

GeoMafra SIG Municipal

GeoMafra SIG Municipal GeoMafra SIG Municipal Nova versão do site GeoMafra Toda a informação municipal... à distância de um clique! O projecto GeoMafra constitui uma ferramenta de trabalho que visa melhorar e homogeneizar a

Leia mais

Escola Secundária Mouzinho da Silveira Departamento de Ciências Sociais e Humanas Grupo de Recrutamento 420 Ano Letivo de 2014 / 2015 Curso Básico

Escola Secundária Mouzinho da Silveira Departamento de Ciências Sociais e Humanas Grupo de Recrutamento 420 Ano Letivo de 2014 / 2015 Curso Básico Escola Secundária Mouzinho da Silveira Departamento de Ciências Sociais e Humanas Grupo de Recrutamento 420 Ano Letivo de 2014 / 2015 Curso Básico Planificação Anual da disciplina de GEOGRAFIA 7 º Ano

Leia mais

LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO (PLANIMETRIA)

LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO (PLANIMETRIA) Topografia LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO (PLANIMETRIA) Prof. Paulo Carvalho, M.Sc Macedo, M.Sc Prof. Emilia Rabanni, Dra. Poli, Brasil.. 2014 2/27 Levantamento Topográfico Planimétrico Medição Métodos de Levantamento

Leia mais

Aula 1. Atividades. V. A cartografia é a arte que tem o interesse de explicar a origem do planeta Terra. Estão corretas: e) II, IV e V.

Aula 1. Atividades. V. A cartografia é a arte que tem o interesse de explicar a origem do planeta Terra. Estão corretas: e) II, IV e V. Aula 1 1. Atividades A palavra cartografia é relativamente nova, sendo utilizada pela primeira vez em 8 de dezembro de 1839. Seu uso aconteceu na carta escrita em Paris, enviada pelo português Visconde

Leia mais

Concurso Público Federal Edital 06/2015

Concurso Público Federal Edital 06/2015 PROVA Concurso Público Federal Edital 06/2015 Área: Topografia e Desenho Técnico QUESTÕES OBJETIVAS Conhecimentos Específicos 01 a 30 Nome do candidato: Nº de Inscrição: INSTRUÇÕES 1º) Verifique se este

Leia mais

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA Diferença entre Cartografia e Topografia: A Topografia é muitas vezes confundida com a Cartografia ou Geodésia pois se utilizam dos mesmos equipamentos e praticamente dos mesmos

Leia mais

27 Tolerância geométrica

27 Tolerância geométrica A U A UL LA Tolerância geométrica de posição Um problema Como se determina a tolerância de posição de peças conjugadas para que a montagem possa ser feita sem a necessidade de ajustes? Essa questão é abordada

Leia mais

Componente curricular: Topografia e Cartografia. Curso: Técnico em Agroecologia Professor: Janice Regina Gmach Bortoli

Componente curricular: Topografia e Cartografia. Curso: Técnico em Agroecologia Professor: Janice Regina Gmach Bortoli Componente curricular: Topografia e Cartografia Curso: Técnico em Agroecologia Professor: Janice Regina Gmach Bortoli 1. Introdução a Topografia. 1.1. Definição. Como seria uma cidade se os donos de propriedades

Leia mais

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Elementos geométricos de uma estrada (Fonte: PONTES FILHO, 1998) GEOMETRIA DE VIAS 1. INTRODUÇÃO: A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do

Leia mais

Engenharia Civil. Alexandre Souza Eng. Agrimensor MSc. alexandre0363@gmail.com

Engenharia Civil. Alexandre Souza Eng. Agrimensor MSc. alexandre0363@gmail.com Engenharia Civil Alexandre Souza Eng. Agrimensor MSc. alexandre0363@gmail.com Levantamento topográfico -Planimetria Em um levantamento topográfico, normalmente são determinados pontos de apoio ao levantamento

Leia mais

Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos

Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos 0. (Unifor-998. CE) Um objeto luminoso está inicialmente parado a uma distância d de um espelho plano fixo. O objeto inicia um movimento

Leia mais