FUNDAMENTOS DE GEODÉSIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAMENTOS DE GEODÉSIA"

Transcrição

1 1 FUNDAMENTOS DE GEODÉSIA CAPÍTULO 03 1 ASPECTOS CONCEITUAIS Entende-se a Geodésia como a ciência que estuda a forma e as dimensões do planeta Terra, bem como a determinação do campo gravitacional e da superfície oceânica. Segundo Webster, A geodésia é o ramo da matemática aplicada que deter - mina a exata posição de pontos, figuras e áreas de grandes porções da superfície terrestre. Também a forma e o tamanho da Terra, além das variações do seu campo gravitacional. Esta definição revela a complexidade que o estudo completo da Ciência Geodésica apresenta. 1.2 Objetivos da Geodésia. O objetivo primordial da Geodésia é a determinação da forma e das dimensões da Terra. Em decorrência deste objetivo, o estudo da Geodésia subdivide-se em dois capítulos da Geodésia: Geodésia Global ou Geral que se encarrega da mensuração da forma dimensões da Terra; e das Geodésia Aplicada que se encarrega da determinação precisa da posição de pontos sobre a superfície terrestre, nas áreas continentais e nas áreas oceânicas, para mapeamento e outras finalidades. Para realizar os seus objetivos, a Geodésia vale-se de operações geométricas sobre a superfície terrestre, mensurando ângulos e distâncias, associadas às determinações astronômicas. Realiza também medições gravimétricas para detalhar o campo de gravidade do orbe terrestre, podendo realizar o rastreio da superfície terrestre por meio de satélites artificiais. 2 FORMAS DA TERRA 2.1. Esboço Histórico Ao longo da história da humanidade a Terra foi imaginada possui diversas formas geométricas, descritas sumariamente a seguir as diversas concepções Homero concebeu que a Terra tinha uma forma de disco achatado.

2 2 Pitágoras de Samos, no Século VI a.c., e Aristóteles, no Século IV a.c., descreveram a Terra com possuindo a forma esférica; Anaximenes concebia a Terra como tendo uma forma geométrica retangular; Eratóstenes pensava na forma esférica e realizou medidas objetivas para a determinação de suas dimensões; Isaac Newton, no Século XVII, considerou-a elipsoidal; Gauss, no Século XVIII, concluiu que o Geóide seria a melhor definição geométrica da Terra. A adoção de uma forma geométrica para o planeta Terra depende dos fins práticos a que se propõe; para a Topografia adota-se a geometria plana, para cálculos astronômicos recorre-se a forma esférica., para cálculos mais rigorosos, firma-se o modelo geométrico-matemático tipo elipsoidal de revolução. 2.2 A forma física e real da Terra A superfície terrestre é bastante irregular, possuindo a variação de seu relevo entre o ponto culminante representado pelo pico do Monte Everest, com cerca de metros de altitude, e a maior depressão, situada no Oceano Pacífico, com cerca de metros de profundidade em relação ao nível do mar. Sobre a superfície física da Terra (real, também denominada de topográfica) são desenvolvidas as operações de mensuração, sejam geodésicas ou topográficas. As operações de mensuração, angulares e lineares, no campo, devem ser executadas para a obtenção de coordenadas posicionais, identificadoras de um conjunto de pontos descritores materializados na superfície territorial investigada, as quais serão caracterizadas devidamente por transformações de natureza matemática em função da adoção do modelo geométrico idealizado para representar a Terra. 2.3 Formas idealizadas para representar a Terra O MODELO GEÓIDAL O geóide é uma forma geométrica idealizada para a Terra, a qual não possui até então definições geométricas com identidade matemática (formulação analítica), sendo definida pela superfície média dos mares, suposta em repouso e penetrando por baixo dos continentes. O sistema de referencia é a superfície equipotencial, também denominada de superfície de nível, que se caracteriza por apresentar o mesmo potencial em todos os seus pontos. Devido as irregularidades na distribuição das massas do planeta, a forma Geoidal é complexa e é observada por meio de medições gravimétricas, por toda a superfície. Tendo o planeta ¾ partes de água, fazse necessário às observações dos satélites para auxiliar na determinação do Geóide. A

3 3 Figura 1 ilustra a Carta Geoidal do Mundo, obtida a partir do modelo gravitacional da NASA, com as alturas geoidais em metros. A Figura 2 representa, por sua vez, a Carta Geoidal do Brasil, adaptada por Blitzkow, 1995.

4 4 MODELO ESFEROIDAL A partir da visualização da projeção da Terra sobre a superfície da Lua, no fenômeno de eclipse solar, e das observações da chegada de navios nos portos, os gregos concluíram pela forma esferoidal para o planeta. A partir de observações simples e cálculos aproximados, o grego Eratóstenes chegou à conclusão de que o raio da esfera terrestre teria, aproximadamente, valor igual a km. Este valor é bem próximo daquele atualmente aceito, como sendo igual a km. A Figura 3 ilustra o modelo esférico idealizado para representar a Terra. Mais tarde outros métodos foram empregados para se obter o raio da esfera terrestre, destacando-se, entre outros, Posidônio e Ptolomeu. R T 0 Figura 3: Modelo esferoidal

5 5 MODELO ELIPSOIDAL Com o advento das modernas técnicas de mensuração e modernização do seu instrumental, a Ciência Geodésica alcançou um grande avanço no Século XVII com o francês Picard, que conseguiu medir o comprimento de um arco de meridiano, cujo trabalho foi continuado por J. cassini, estendendo a medida do comprimento do arco de meridiano no sentido Norte, em direção à Dunquerque, e para o Sul, até a divisa com a Espanha. Este trabalho de mensuração geodésica resultou em se descobrir que o comprimento do arco é maior para o Sul, indicando a forma de um elipsóide para a Terra, com seu eixo de rotação maior que o eixo equatorial. Porém, o físico-matemático Isaac Newton, no mesmo Século XVII, contestou tal fato, afirmando que sendo a Terra composta de três quarto partes de água, a massa fluída, devido à rotação da Terra, tenderia a alongar-se no plano equatorial e, conseqüentemente, achatar-se nos pólos, resultando que o eixo de rotação ser menor do que o eixo equatorial. A contribuição de Newton foi baseada em sua Teoria da Gravitação, estabelecida sobre a lei da gravidade terrestre. A Figura 4 indica o modelo elipsóidico adotado para representar a forma geométrica do planeta. Figura 04: Modelo elipsoidal terrestre b a As duas teorias deram margem à controvérsia entre os cientistas. A Academia Francesa de Ciências, objetivando dirimir dúvidas, organizou uma expedição ao Equador e a Lapônia para realizar a mensuração de arcos de meridiano. As medições provaram que o planeta Terra era achatado nos pólos, conforme a Teoria desenvolvida por Isaac Newton. Estando estabelecida a forma geométrica para a Terra, vários geodesistas procuraram estabelecer a melhor proporção para o elipsóide de revolução. No Quadro 1, apresentado adiante, tem-se os principais resultados obtidos para caracterizar os parâmetros do elipsóide. Os parâmetros explicitados são: a semi-eixo maior, o semi-eixo menor e o achatamento.

6 6 Quadro 1: Parâmetros do elipsóide de revolução determinados no decorrer do tempo. A Figura 5 ilustra a expedição realizada no Equador, para mensuração do comprimento de arco de meridiano, entre os anos de 1735 e No ano de 1967, a União Internacional de Geodésia e Geofísica, em vista de trabalhos mais recentes, recomendou a adoção do denominado Elipsóide de Referência Sendo então adotados os parâmetros: a = 6.378,160 km α = 1/298,25

7 7 Com o desenvolvimento da tecnologia de Posicionamento Global por Satélites Sistema GPS, atualmente justifica-se a adoção de um sistema referencial único de determinação de coordenadas; desta forma, alguns sistemas de referencia geodésico do elipsóide surgiram, conforme o Quadro 2, dado adiante, apresenta os parâmetros elipsoidais..

8 8 De maneira sintética, a Figura 6 demonstra comparativamente os três modelos idealizados para representar a Terra. NORMAL AO ELIPSOIDE DESVIO DAS NORMAIS NORMAL AO GEOIDE SUPERFICIE REAL (TOPOGRÁFICA) SUPERFICIE GEOIDAL SUPERFICIE SUPERFICIE ELIPSOIDICA Figura 6: Modelos geométricos e matemáticos idealizados para representar a forma da Terra, utilizados para a caracterização de pontos localizados na superfície terrestre. 3 APLICAÇÕES DA GEODÉSIA Segundo Peter Vanicëk, a Geodésia tem sua aplicação em: Produção de Mapas Na distribuição e implantação de pontos de controle, tanto horizontais como verticais, na superfície terrestre, estabelecendo uma rede de vértices geodésicos georeferenciados que servirão de apoio para as atividades de mapeamento cartográfico;

9 9 Planejamento urbano A necessidade de georeferenciamento de pontos de controle geodésico, a serem utilizados na identificação e localização de vias urbanas, logradouros públicos, etc, fomentando o desenvolvimento urbano. Projetos de Obras Engenharia Grandes estruturas, tais como barragens, pontes e grandes edifícios necessitam dispor de plantas para uma perfeita localização predeterminada. No caso de barragens e irrigações, a forma da superfície eqüipotencial deve ser conhecida. A determinação do movimento e a forma da superfície eqüipotencial são função da Geodésia. Ecologia O estudo do efeito da ação do homem no meio ambiente. Atividades tais como movimento de terra, água subterrânea, extração de petróleo, possuem os efeitos monitorados mediante a Geodésia. Hidrologia O posicionamento e os mapas são fornecidos pela Geodésia, contendo as informações relativas às bacias hidráulicas, etc. Outras aplicações Demarcação de limites territoriais, cadastro imobiliários e fundiários, mapeamentos para a produção da Cartográfica Temática, etc. 4 SISTEMAS GEODÉSICOS Um Sistema Geodésico se caracteriza pela definição de um elipsóide de referência, de um datum e do desvio da vertical do lugar. O Datum é fica determinado pelos parâmetros iniciais: coordenadas geodésicas de um ponto georeferenciado (que pode ser um vértice de um triângulo), uma base geodésica (lado do triangulo) e azimute desta base. As coordenadas fixam o ponto no elipsóide de referência. A base, por sua vez, fornece a escala, enquanto que o azimute orienta o sistema. A vertical, determinada pela direção do fio de prumo sobre a superfície física da Terra, pode não coincidir com a normal ao elipsóide. Haverá um desvio, denominado de desvio da vertical, conforme ilustra a Figura 7. Ressalta-se também, que o centro do elipsóide de referência pode não coincidir com o centro de massa da Terra.

10 10 Um elipsóide de referência pode ser definido ou arbitrado. Observando-se a Figura 7 poder-se-á identificar as superfícies de referência a ser adotada pelos geodesistas, podendo ser o Esferóide ou o Elipsóide de Revolução para realizar os cálculos geodésicos. que. A forma geométrica do elipsóide de revolução é a que mais se aproxima do Geóide, sendo a que oferece resultados mais exatos. Na América do Norte e Central se usa o Elipsóide de Clark, enquanto que na América do Sul o Elipsóide de Hayford ainda é usado. No Brasil, ainda existem mapas com base neste elipsóide. 5 SISTEMA GEODÉSICO BRASILEIRO - SGB 5.1 Caracterização do Sistema. O Elipsóide de Referência Internacional de 1967 define a forma geométrico-matemática do planeta Terra, adotado no Brasil desde 1969 (SAD 69). A altimetria encontra-se referenciada à superfície eqüipotencial que contem o nível médio do mar na Baia de Imbituba, em Santa Catarina (a superfície média do mar é definida a partir de observações da variação do nível do mar no marégrafo ali instalado). É da responsabilidade do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE fixar as diretrizes e bases da Cartografia Brasileira e dar outras providências e, para tal, estabelecer um sistema planialtimétrico único de pontos geodésicos de controle, materializados no terreno para servir de base ao desenvolvimento de trabalhos de natureza geodésica e cartográfica. A Figura 8 ilustra a placa de bronze que é colocada numa base de concreto, identificando o denominado marco geodésico, implantado no território brasileiro. Figura 8: Referência de nível do marco geodésico pertencente ao SGB

11 Especificações Gerais do SGB Parâmetros do Elipsóide Forma Geométrica da Terra Semi-eixo maior (a) = ,000m Achatamento (f) = 1/298,25 Orientação: Geocêntrica - Eixo de rotação paralelo ao eixo de rotação da Terra. Plano meridiano de Greenwich como inicio das longitu des. Topocêntrica - Vértice Chuá, da cadeia de triangulação do paralelo 20º Sul. Sendo: ϕ = 19º 45 41,6527 Sul (Latitude) λ = 48º 06 04,0639 WGr. (Longitude) Azimute (α) = 271º 30 04,05 SWNE, para o Vértice UBERABA. Desvio da vertical (η) = 3,59 Um sistema geodésico, assim definido, é denominado de regional, tendo em vista que o centro do elipsóide de referência não coincide com o centro de massa da Terra, sendo o elipsóide ajustado a uma rede geodésica de pontos, tendo no Vértice Chuá seu vínculo básico (datum planimétrico). 7 SISTEMAS DE COORDENADAS EM GEODÉSIA As posições dos pontos na superfície terrestre são definidas por meio de linhas de referência, denominadas de coordenadas, que ao se cruzarem em ângulos estabelecidos, os definem naquele lugar. Os principais sistemas de coordenadas são três: coordenadas esféricas, coordenadas retangulares e coordenadas polares. Em Cartografia trabalha-se com os seguintes sistemas de coordenadas: Coordenadas Geodésicas, Coordenadas Cartesianas, Coordenadas Plano-retangulares - UTM 7.1 Sistema Elipsoidal de Coordenadas (Geodésico) Para que o posicionamento de um ponto sobre o Elipsóide de Referência seja determinado de maneira única, foram estabelecidas linhas de referência que permitem que isto possa ser efetivado. As Figuras 9 e 10, mostram a superfície de referência elipsoidal, as linhas de referência desenhadas sobre ela e a identificação da posição de um ponto situado sobre a superfície terrestre mediante suas coordenadas geodésicas.

12 12 As linhas desenhadas no sentido Norte/Sul são denominadas de meridiano,s enquanto que as linhas desenhadas no sentido Leste/Oeste são denominadas de paralelos Estas linhas formam um sistema denominado de Sistema de Coordenadas Geodésico, cuja origem é um ponto situado sobre o meridiano que passa por Greenwich (na Inglaterra) e sobre a linha do Equador. As coordenadas definidas do sistema são denominadas de latitudes e longitudes geodésicas. Projeção de um ponto sobre a superfície de referência elipsoidal Considera-se, simultaneamente, a latitude e a longitude de um ponto na superfície terrestre. A cada latitude corresponde um paralelo e a cada longitude, um meridiano. O ponto de encontro dos dois determina a posição do ponto P 1 sobre a superfície de referência. Porém, o ponto P 1 é na verdade a projeção do ponto P sobre a superfície de referência, isto porque o ponto P encontra-se sobre a superfície real (topográfica). A normal PP 1 Figura 9: Superfície de referência geodésica P H P λ Figura 10: Apresenta a longitude de um ponto P situado sobre a superfície de referên cia (Longitude Oeste). λ MERIDIANO DE GREENWICH

13 13 A Figura 11 ilustra mais claramente o sistema de coordenadas geodésicas ORIGEM Figura 11: Meridiano e Paralelos Geodésicos As coordenadas geodésicas: aspectos conceituais A Latitude ϕ de um ponto situado na superfície terrestre é o ângulo que formado pela normal à superfície de projeção (N), nesse ponto, com o plano que contém a linha do Equador, como mostra a Figura 12: a b D N A Figura 12: representa a elipse meridiana contendo a latitude de um ponto A.e o respectivo ângulo da nor ϕ mal AD com o semi-eixo maior O LINHA DO EQUADOR

14 14 As latitudes são referenciadas a partir do Equador, de 0 a 90, no Hemisfério Norte (positivas), e de 0 a 90 no Hemisfério Sul (negativas), seguida da indicação se é Norte (N) ou Sul (S). A longitude λ de um ponto da superfície terrestre é o ângulo diedro que forma o plano meridiano que passa pelo ponto com o plano que passa pelo meridiano de Greenwich. As longitudes são referenciadas a partir de Greenwich, de 0 a 180, na direção Leste, (positivas) ou na direção Oeste.(negativas). A Figura 10 mostra graficamente o definido. A Longitude e a Latitude podem ser aplicadas a um sistema de coordenadas relacionadas ao posicionamento de qualquer ponto situado na superfície dà Terra. Admite-se que a partir de 0º de latitude e 0º de longitude, existam os quadrantes NE, SE, SW e NW. O conjunto de linhas meridianos e paralelos forma a rede de linhas imaginárias ao redor do globo terrestre, constituindo as coordenadas geográficas (Esferóide)/geodésicas (Elipsóide). Essas coordenadas também podem ser expressas em metros. No Equador esses arcos podem medir m de comprimento, na direção leste/oeste. À medida que se afasta par o norte ou para o sul do Equador, o comprimento do arco (C) pode ser calculado, em metros, utilizando a seguinte expressão: ϕ Na Tabela 1, apresentada a seguir, tem-se os comprimentos dos arcos de 1º de meridiano e 1º de paralelo, nas diferentes latitudes. TABELA 1: Comprimento de arcos de meridianos e de Paralelos

15 Geometria do elipsóide Como afirmado, o elipsóide é um dos sólidos que melhor se adapta à superfície física da Terra, por ter uma geometria simples de se calcular, tornando-se a figura ideal para mapeamentos cartográficos. Este sólido que é gerado pela rotação de uma elipse meridiana em torno de seu eixo menor (B), e, por se tratar de uma figura que possui parâmetros conhecidos, poder-s-á determinar matematicamente a posição relativa de pontos projetados sobre a sua superfície. A Figura 14, permite observar os parâmetros geométricos da elipse meridiana. B b A A F O F a a b B Figura 13: Elipse meridiana e seus parâmetros geométricos Na Figura 13, o segmento AA é o eixo maior da elipse, que corresponde em projeção sobre o plano vertical com a linha do Equador. O eixo menor BB, de valor igual a duas vezes o semi-eixo menor (2b), constitui-se num referencial em torno do qual a elipse meridiana sofre o movimento rotacional, gerando o elipsóide de revolução, simulando o movimento de rotação da Terra. Dois são os parâmetros geométricos que determinam a elipse: o semi-eixo maior (a) e o semi-eixo menor (b). Geralmente substituí-se o semi-eixo menor (b) pelos parâmetros geométricos denominados de achatamento, 1 a excentricidade e 2 a excentricidade, todos extraídos dedutivamente a partir da geometria da elipse meridiana: Achatamento (f) = (a b) / a Excentricidades OF 1 a excentricidade (e) = = AO (a ² - b ² ) ½ a

16 16 OF 2 a excentricidade (e ) = = OB ( a ² - b ² ) ½ b 7.2 Sistema de Coordenadas Cartesiano Este sistema de coordenadas possui a sua origem no centro de massa da Terra. Os eixos cartesianos X e Y pertencem ao plano do Equador, enquanto que o eixo Z coincide com o eixo de rotação da Terra. O ponto P projetado sobre a superfície de referência elipsoidal ficará identificado cartesianamente pelas coordenadas: P(X P,Y P,Z P ). A Figura 14 mostra a posição do sistema em relação ao elipsóide de referência. Meridiano de Greenwich Z!P X λ λ ϕ Yp P Zp Xp Y Figura 14:Sistema de coordenadas cartesianas Devido à facilidade de programação este sistema é muito usado em procedimentos computacionais informatizados (softwares). As relações entre os dois sistemas de coordenadas (cartesiano e elipsóidico) são obtidas pelas seguintes expressões: Transformação de coordenadas geodésicas (ϕ,λ, h) para cartesianas (X, Y, Z) X = (N + h)xcos(ϕ)xcos(λ) Y = (N + h)xcos(ϕ)xsen(λ) Z = [(1 e 2 )x(n + h]xsen(ϕ)

17 17 Transformação de coordenadas cartesianas (X, Y, Z) para geodésicas (ϕ,λ, h) tan(λ) = Y/X tan(ϕ) = (Z + e 2 xnxsen(ϕ))/(x 2 + Y 2 ) h = Xxsec(ϕ)xsec(λ) V = Yxsec(ϕ)xcossec(λ) V V = a/ (1 e 2 xsen(ϕ)) 1/2 onde,: a : semi-eixo maior b : semi-eixo menor h : altitude elipsoidal ϕ : Latitude geodésica λ : Longitude geodésica e : excentricidade V : raio de curvatura da vertical principal Fundamentos para a obtenção das coordenadas cartesianas Se seccionar-se o elipsóide perpendicularmente ao Equador, de modo que contenha o eixo menor (b), ter-se-á obtido o meridiano máximo, conforme as Figuras 13 e 15, esta apresentada a seguir: Z P x b M ( x, z ) O Q a N D Q z X P H Grande Normal Figura 15: Meridiano máximo

18 18 Estas figuras máximas de meridianos, sendo o sólido achatado nos pólos, são definida pela equação cônica da elipse: X Y Z + + a a b " = 1 A partir desta equação poder-se-á obter os parâmetros geométricos do elipsóide, tais como: Excentricidade do elipsóide (e) o 1 a excentricidade o 2 a excentricidade; e = e = ( a " b " ) a ( a " - b " ) b Eixo menor (b) b = a - (f x a ) Grande Normal (N) É uma das seções normais principais que passa por um determinado ponto do elipsóide. É o segmento de reta (MH), perpendicular ao plano tangente ao M sobre a superfície curva no elipsóide. Sua aplicação é básica para o cálculo do raio médio de uma determinada região do trabalho geodésico. N = a (1- e " sen "ϕ# Raio de curvatura da secção meridiana (M) Dentre as secções normais que passam pelo mesmo ponto no elipsóide, o raio de curvatura é mais uma informação dentre as principais. É o segmento de reta correspondente ao raio de uma secção de um plano circular coincidente com o plano da seção elipsóidica.no ponto considerado. Sua aplicação é no cálculo do raio médio naquela secção meridiana.

19 19 a ( 1 e " M = ( 1- e " sen " (ϕ) ) 3/2 Raio médio (Rº) Rº = (MN) 8 EXERCÍCIOS SOBRE OS FUNDAMENTOS DE GEODÉSIA Elaborar um quadro contendo os parâmetros geométricos do elipsóide de referência correspondentes aos sistemas geodésicos de Hayforf, Internacional, SAD 69 e WGS 84; Quais as medições geodésicas que são executadas para caracterizar a forma geoidal? O quê entende-se por desvio da vertical do lugar? Ilustrar sua resposta com o auxílio de um desenho. Qual a utilidade prática, no campo de atuação da Engenharia Civil, do modelo Geóide para representar a forma geométrica do planeta Terra? Que significa o termo altura geoidal e qual a importância da sua determinação para alcançar os objetivos da Geodésia? Explicar, de maneira clara e sucinta, cada um dos parâmetros do Sistema Geodésico Brasileiro SBG. Qual o significado dos termos Latitude e Longitude? Caso julgue necessário, ilustrar sua resposta com um desenho. O Sistema de Coordenadas Geodésicas é o mesmo que o Sistema de Coordenadas Geográficas? Explicar. A expressão C (m) = xcos(ϕ $ % & ' (% % ) * +, ' -. ) / * Dois parâmetros geométricos caracterizam uma elipse. A partir destes dois elementos geométricos deduza e explique sucintamente os seguintes termos:

20 20 o Achatamento o Semidistância focal o 1 a excentricidade o 2 a excentricidade Utilizando os parâmetros do Elipsóide de Referência de Hayford, solicita-se determinar os valores numéricos correspondentes aos elementos seguintes: o Achatamento o Semi-eixo menor o Semidistância focal o Excentricidades o Grande Normal (N), para a Latitude 13º S Solicita-se determinar os valores numéricos relativos aos parâmetros elipsóidicos M, N e Rº, a partir do Elipsóide de Referência SAD 69, referidos ao ponto P, cuja Latitude é igual a 38º28 19,8610. Determinar os valores das coordenadas cartesianas correspondentes ao ponto geodésico localizado sobre a superfície terrestre, cujas coordenadas geodésicas com referência ao SAD 59 valem: Latitude Sul (ϕ = 19º26 31,062 Longitude Oeste (λ) = 44º12 58,206 Altura geoidal (h) = 801,97 m

Introdução à Geodésia

Introdução à Geodésia UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS Disciplina: Leitura e Interpretação de Cartas Introdução à Geodésia Prof. Dr. Richarde Marques richarde@geociencias.ufpb.br

Leia mais

Hoje adota novas tecnologias no posicionamento geodésico, como por exemplo o Sistema de Posicionamento Global (GPS)

Hoje adota novas tecnologias no posicionamento geodésico, como por exemplo o Sistema de Posicionamento Global (GPS) Geodésia A Geodésia é uma ciência que se ocupa do estudo da forma e tamanho da Terra no aspecto geométrico e com o estudo de certos fenômenos físicos relativos ao campo gravitacional terrestre, visando

Leia mais

CONCEITO DE GEODÉSIA A FORMA DA TERRA SUPERFÍCIES DE REFERÊNCIA MARCOS GEODÉSICOS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS SISTEMA GEODÉSICO DE REFERÊNCIA

CONCEITO DE GEODÉSIA A FORMA DA TERRA SUPERFÍCIES DE REFERÊNCIA MARCOS GEODÉSICOS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS SISTEMA GEODÉSICO DE REFERÊNCIA Sumário P r o f. Ti a g o B a d r e M a r i n o G e o p r o c e s s a m e n t o D e p a r t a m e n t o d e G e o c i ê n c i a s I n s t i t u t o d e A g r o n o m i a U F R R J 2 Conceito de Geodésia

Leia mais

4/12/2013 ELEMENTOS DE GEODÉSIA E CARTOGRAFIA SISTEMAS DE REFERÊNCIA. Geóide -Gauss 1828. Modelo esférico Astronomia

4/12/2013 ELEMENTOS DE GEODÉSIA E CARTOGRAFIA SISTEMAS DE REFERÊNCIA. Geóide -Gauss 1828. Modelo esférico Astronomia FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL ELEMENTOS DE GEODÉSIA E CARTOGRAFIA Curso: Agronomia 6º Semestre / Eng. Florestal 7º Semestre Prof. responsável: Lorena Stolle Pitágoras(580-500 ac)

Leia mais

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. PTR 2202 Informações Espaciais

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. PTR 2202 Informações Espaciais Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Transportes PTR Laboratório de Topografia e Geodésia LTG PTR 2202 Informações Espaciais 1/34 Denizar Blitzkow Edvaldo Simões

Leia mais

Engenharia Civil Topografia e Geodésia. Curso Técnico em Edificações Topografia GEODÉSIA

Engenharia Civil Topografia e Geodésia. Curso Técnico em Edificações Topografia GEODÉSIA e Geodésia GEODÉSIA e Geodésia GEODÉSIA O termo Geodésia, em grego Geo = terra, désia = 'divisões' ou 'eu divido', foi usado, pela primeira vez, por Aristóteles (384-322 a.c.), e pode significar tanto

Leia mais

I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário. Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs

I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário. Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs 1. FORMA DA TERRA Geóide Elipsóide Esfera Modelos de representação da Terra O modelo que mais

Leia mais

AULA 4 SISTEMAS DE REFERÊNCIA

AULA 4 SISTEMAS DE REFERÊNCIA AULA 4 SISTEMAS DE REFERÊNCIA Objetivos TOPOGRAFIA Gerais Visão geral de Sistemas de Referência Específicos Sistemas de Coordenadas; Sistema de Referência; Datum Geodésico; Sistemas de Referência De acordo

Leia mais

Capítulo I GENERALIDADES

Capítulo I GENERALIDADES Topografia I Profa. Andréa Ritter Jelinek 1 Capítulo I GENERALIDADES 1. Conceitos Fundamentais Definição: a palavra Topografia deriva das palavras gregas topos (lugar) e graphen (descrever), que significa

Leia mais

Altera a caracterização do Sistema Geodésico Brasileiro

Altera a caracterização do Sistema Geodésico Brasileiro Altera a caracterização do Sistema Geodésico Brasileiro R.PR 1/2005 FOLHA 1/1 Competência: Artigo 24 do Estatuto aprovado pelo Decreto nº 4.740, de 13 de junho de 2003. O PRESIDENTE da FUNDAÇÃO INSTITUTO

Leia mais

Conceitos de Geodésia

Conceitos de Geodésia Sumário P r o f. Ti a g o B a d r e M a r i n o G e o p r o c e s s a m e n t o D e p a r t a m e n t o d e G e o c i ê n c i a s I n s t i t u t o d e A g r o n o m i a U F R R J SISTEMAS DE COORDENADAS

Leia mais

Disciplina: Topografia I

Disciplina: Topografia I Curso de Graduação em Engenharia Civil Prof. Guilherme Dantas Fevereiro/2014 Disciplina: Topografia I Indrodução atopografia definição Definição: a palavra "Topografia" deriva das palavras gregas "topos"

Leia mais

SISTEMAS DE COORDENADAS E PROJEÇÕES CARTOGRÁFICAS. Prof. M.Sc. César Vinícius Mendes Nery Email: vinicius.nery@ifnmg.edu.br Skipe: vinicius_nery

SISTEMAS DE COORDENADAS E PROJEÇÕES CARTOGRÁFICAS. Prof. M.Sc. César Vinícius Mendes Nery Email: vinicius.nery@ifnmg.edu.br Skipe: vinicius_nery SISTEMAS DE COORDENADAS E PROJEÇÕES CARTOGRÁFICAS Prof. M.Sc. César Vinícius Mendes Nery Email: vinicius.nery@ifnmg.edu.br Skipe: vinicius_nery Objetivos Ao final da aula o aluno deve: Comparar os modelos

Leia mais

A figura da Terra. Da esfera ao Geóide (passando pelo elipsóide)

A figura da Terra. Da esfera ao Geóide (passando pelo elipsóide) A figura da Terra Da esfera ao Geóide (passando pelo elipsóide) Uma primeira aproximação: a Terra esférica Esfera: Superfície curva fechada cujos pontos se encontram todos a igual distância, R, de um ponto

Leia mais

Estudos Ambientais. Aula 4 - Cartografia

Estudos Ambientais. Aula 4 - Cartografia Estudos Ambientais Aula 4 - Cartografia Objetivos da aula Importância da cartografia; Conceitos cartográficos. O que é cartografia Organização, apresentação, comunicação e utilização da geoinformação nas

Leia mais

Apontamentos de aula: Tópicos Básicos de Cartografia e Sistema Universal Transversal Mercator (UTM)

Apontamentos de aula: Tópicos Básicos de Cartografia e Sistema Universal Transversal Mercator (UTM) Apontamentos de aula: Tópicos Básicos de Cartografia e Sistema Universal Transversal Mercator (UTM) Colaboradores: Emanoel Jr da S. Nunes Érica S. Nakai Pedro Paulo da S. Barros Coordenador: Prof. Peterson

Leia mais

Laboratório de Cartografia Digital - CTUFES

Laboratório de Cartografia Digital - CTUFES Geotecnologias Planejamento e Gestão AULA 05 Fundamentos de Geodésia Geodésia - Definição: Geodésia é a ciência de medida e mapeamento das variações temporais da superfície da Terra, considerando seu campo

Leia mais

Topografia. Conceitos Básicos. Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004-

Topografia. Conceitos Básicos. Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004- Topografia Conceitos Básicos Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004- 1 ÍNDICE ÍNDICE...1 CAPÍTULO 1 - Conceitos Básicos...2 1. Definição...2 1.1 - A Planta Topográfica...2 1.2 - A Locação da Obra...4 2.

Leia mais

Componente curricular: Topografia e Cartografia. Curso: Técnico em Agroecologia Professor: Janice Regina Gmach Bortoli

Componente curricular: Topografia e Cartografia. Curso: Técnico em Agroecologia Professor: Janice Regina Gmach Bortoli Componente curricular: Topografia e Cartografia Curso: Técnico em Agroecologia Professor: Janice Regina Gmach Bortoli 1. Introdução a Topografia. 1.1. Definição. Como seria uma cidade se os donos de propriedades

Leia mais

Sistemas de Coordenadas:

Sistemas de Coordenadas: Necessários para expressar a posição de pontos sobre a superfície (elipsóide, esfera, plano). Î Para o Elipsóide, empregamos o Sistema de Coordenadas Cartesiano e Curvilíneo: PARALELOS E MERIDIANOS. Î

Leia mais

Especificações Técnicas para Uso da Rede de Referência Cartográfica Municipal RRCM

Especificações Técnicas para Uso da Rede de Referência Cartográfica Municipal RRCM Especificações Técnicas para Uso da Rede de Referência Cartográfica Municipal RRCM Junho de 2004 SUMÁRIO Página APRESENTAÇÃO 03 1. OBJETIVOS 03 2 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 04 3. DEFINIÇÕES 04 3.1. SISTEMA

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 3. SISTEMAS DE REFERÊNCIA CLÁSSICOS 4. SISTEMAS DE REFERÊNCIA MODERNOS 5. MATERIALIZAÇÃO DE UM SISTEMA DE REFERÊNCIA

1. INTRODUÇÃO 3. SISTEMAS DE REFERÊNCIA CLÁSSICOS 4. SISTEMAS DE REFERÊNCIA MODERNOS 5. MATERIALIZAÇÃO DE UM SISTEMA DE REFERÊNCIA SISTEMAS DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO 2. SISTEMAS COORDENADOS E SUPERFÍCIES UTILIZADOS EM GEODÉSIA 2.1 Sistema de Coordenadas Cartesianas 2.2 Sistema de Coordenadas Geodésicas 2.3 Sistema de Coordenadas

Leia mais

SISTEMAS DE 18 COORDENADAS UTILIZADOS EM ASTRONOMIA NÁUTICA E NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA

SISTEMAS DE 18 COORDENADAS UTILIZADOS EM ASTRONOMIA NÁUTICA E NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA SISTEMAS DE 18 COORDENADAS UTILIZADOS EM ASTRONOMIA NÁUTICA E NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA 18.1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS Conforme visto no capítulo anterior, para determinar a posição de qualquer ponto na superfície

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- TOPOGRAFIA

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- TOPOGRAFIA FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- TOPOGRAFIA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1. Com base nos seus conhecimentos, complete a lacuna com a alternativa abaixo que preencha corretamente

Leia mais

elipsoide de revolução

elipsoide de revolução 19.(TRT-8/CESPE/2013) Para a obtenção de mapas, é necessário que haja a projeção da superfície real ou física em formas geométricas, sendo que alguns ajustes prévios são necessários para que se possa fazer

Leia mais

muito como cartas náuticas faça para o watercraft, ou o a mapa rodoviário para excitadores. Usando estas cartas e outras ferramentas pilotos possa

muito como cartas náuticas faça para o watercraft, ou o a mapa rodoviário para excitadores. Usando estas cartas e outras ferramentas pilotos possa Carta Aeronáutica é a mapa projetou ajudar dentro navegação de avião, muito como cartas náuticas faça para o watercraft, ou o a mapa rodoviário para excitadores. Usando estas cartas e outras ferramentas

Leia mais

Coordenadas Geográficas

Coordenadas Geográficas Orientação A rosa-dos-ventos possibilita encontrar a direção de qualquer ponto da linha do horizonte. Por convenção internacional, a língua inglesa é utilizada como padrão, portanto o Leste muitas vezes

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 1 ESFERA CELESTE E O SISTEMA DE COORDENADAS Esfera Celeste. Sistema de Coordenadas. Coordenadas Astronómicas. Sistema Horizontal. Sistema Equatorial Celeste. Sistema Equatorial Horário. Tempo

Leia mais

Tenha isso muito claro na cabeça!

Tenha isso muito claro na cabeça! Tenha isso muito claro na cabeça! Existem duas formas de representar a Terra (existem mais, mas vamos tratar de duas): - modelo matemático = elipsóide - modelo quase real = geóide. O elipsóide é uma figura

Leia mais

FUNDAMENTOS DE GEODÉSIA

FUNDAMENTOS DE GEODÉSIA FUNDAMENTOS DE GEODÉSIA Fontes: - Apostila Geodésia Geométrica Antonio S. Silva / Joel G. Jr. - Curso de GPS e Cartografia Básica Instituto CEUB de Pesquisa e Desenvolvimento. - Noções Básicas de Cartografia

Leia mais

APOSTILA TOPOGRAFIA PRÁTICA

APOSTILA TOPOGRAFIA PRÁTICA APOSTILA TOPOGRAFIA PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO A TOPOGRAFIA O verdadeiro nascimento da topografia veio da necessidade de o homem ter conhecimento do meio em que vive. Este desenvolvimento ocorreu desde os primeiros

Leia mais

No caso de existência no BDG, surgirá a seguinte mensagem: Visualize o resultado da pesquisa no final da página. Clicar sobre o botão OK.

No caso de existência no BDG, surgirá a seguinte mensagem: Visualize o resultado da pesquisa no final da página. Clicar sobre o botão OK. Sistema Geodésico Brasileiro Banco de Dados Geodésicos Opções de consulta: Para realizar este tipo de consulta, deve-se digitar o(s) código(s) da(s) estação(ões) a serem pesquisadas e clicar sobre o botão

Leia mais

MEC. Curso de Formação Continuada. em Georreferenciamento Aplicado ao Cadastro de Imóveis Rurais GEODÉSIA & CARTOGRAFIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MEC. Curso de Formação Continuada. em Georreferenciamento Aplicado ao Cadastro de Imóveis Rurais GEODÉSIA & CARTOGRAFIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Centro Federal De Educação Tecnológica Do Espírito Santo Gerência De Apoio Ao Ensino Coordenadoria De Recursos Didáticos Curso de Formação

Leia mais

Geodesia Física e Espacial. ******* Sistemas e Tecnologias de Georeferenciação. Ano lectivo 2011/2012

Geodesia Física e Espacial. ******* Sistemas e Tecnologias de Georeferenciação. Ano lectivo 2011/2012 Geodesia Física e Espacial ******* Sistemas e Tecnologias de Georeferenciação Ano lectivo 2011/2012 Definição A geodesia é uma palavra de origem grega (γεωδαιζία ) que literalmente quer dizer divisão da

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE CARTOGRAFIA PARA ENGENHARIA

NOÇÕES BÁSICAS DE CARTOGRAFIA PARA ENGENHARIA NOÇÕES BÁSICAS DE CARTOGRAFIA PARA ENGENHARIA CAPÍTULO 04 1 INTRODUÇÃO Desde que o brilho da inteligência humana iluminou a face da Terra e o homem começou a se locomover sobre a superfície terrestre,

Leia mais

NOTA TÉCNICA. Sistema Geodésico de Referência: Figura geométrica da superfície terrestre: Época de referência das coordenadas:

NOTA TÉCNICA. Sistema Geodésico de Referência: Figura geométrica da superfície terrestre: Época de referência das coordenadas: NOTA TÉCNICA TÉRMINO DO PERÍODO DE TRANSIÇÃO PARA ADOÇÃO NO BRASIL DO SISTEMA DE REFERÊNCIA GEOCÊNTRICO PARA AS AMÉRICAS (SIRGAS), EM SUA REALIZAÇÃO DE 2,4 (SIRGAS2) A definição, implantação e manutenção

Leia mais

Geomática. Cartografia para Engenharia Ambiental. Prof. Alex Mota dos Santos

Geomática. Cartografia para Engenharia Ambiental. Prof. Alex Mota dos Santos Geomática Cartografia para Engenharia Ambiental Prof. Alex Mota dos Santos Castro (2004) O problema da representação Em síntese, a Cartografia trata das normas para representação dos elementos da superfície

Leia mais

11/11/2013. Professor

11/11/2013. Professor UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Topografia II Introdução à Geodésia Prof. Dr. André Luís Gamino Professor Definição: - Geodésia é a ciência

Leia mais

VIII CONGRESSO BRASILEIRO DE CARTOGRAFIA FORTALEZA 24 a 31 DE JULHO DE 1977 O DATUM GEODÉSICO DE CHUÁ ENGENHEIRO LYSANDRO VIANA RODRIGUEZ

VIII CONGRESSO BRASILEIRO DE CARTOGRAFIA FORTALEZA 24 a 31 DE JULHO DE 1977 O DATUM GEODÉSICO DE CHUÁ ENGENHEIRO LYSANDRO VIANA RODRIGUEZ VIII CONGRESSO BRASILEIRO DE CARTOGRAFIA FORTALEZA 24 a 31 DE JULHO DE 1977 O DATUM GEODÉSICO DE CHUÁ ENGENHEIRO LYSANDRO VIANA RODRIGUEZ O DATUM GEODÉSICO DE CHUÁ I GENERALIDADES: O ideal de unificação

Leia mais

Noções de cartografia aplicada ao Google Earth

Noções de cartografia aplicada ao Google Earth Noções de cartografia aplicada ao Google Earth Sobre a Cartografia A cartografia está diretamente relacionada à nossa evolução, pois nos acompanha desde os primeiros deslocamentos da espécie humana sobre

Leia mais

Aula 1. Atividades. V. A cartografia é a arte que tem o interesse de explicar a origem do planeta Terra. Estão corretas: e) II, IV e V.

Aula 1. Atividades. V. A cartografia é a arte que tem o interesse de explicar a origem do planeta Terra. Estão corretas: e) II, IV e V. Aula 1 1. Atividades A palavra cartografia é relativamente nova, sendo utilizada pela primeira vez em 8 de dezembro de 1839. Seu uso aconteceu na carta escrita em Paris, enviada pelo português Visconde

Leia mais

Forma e Dimensões da Terra Prof. Rodolfo Moreira de Castro Junior

Forma e Dimensões da Terra Prof. Rodolfo Moreira de Castro Junior Topografia e Geomática Fundamentos Teóricos e Práticos AULA 02 Forma e Dimensões da Terra Prof. Rodolfo Moreira de Castro Junior Características Gerais da Terra A Terra gira em torno de seu eixo vertical

Leia mais

LABORATÓRIO DE GEOPROCESSAMENTO DIDÁTIC

LABORATÓRIO DE GEOPROCESSAMENTO DIDÁTIC LABORATÓRIO DE GEOPROCESSAMENTO DIDÁTICO Professora: Selma Regina Aranha Ribeiro Estagiários: Ricardo Kwiatkowski Silva / Carlos André Batista de Mello Forma da Terra Superfície Topográfica Forma verdadeira

Leia mais

A NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA É SIMPLES?

A NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA É SIMPLES? A NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA É SIMPLES? 2005 Curso de Capitão o Amador: PROGRAMA E INSTRUÇÕES GERAIS PARA O EXAME DE CAPITÃO O exame para a categoria de Capitão Amador constará de uma prova escrita, com duração

Leia mais

RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE. Capítulo 3 Meteorologia Básica e Aplicações (Vianello e Alves)

RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE. Capítulo 3 Meteorologia Básica e Aplicações (Vianello e Alves) RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE Capítulo 3 Meteorologia Básica e Aplicações (Vianello e Alves) INTRODUÇÃO A Radiação Solar é a maior fonte de energia para a Terra, sendo o principal elemento meteorológico,

Leia mais

A Topografia no Sistema CR - Campeiro 7.0

A Topografia no Sistema CR - Campeiro 7.0 A Topografia no Sistema CR - Campeiro 7.0 Introdução a Topografia Enio Giotto Professor Titular da UFSM Elódio Sebem Professor Associado da UFSM SUMÁRIO 1 A TOPOGRAFIA E SEU CAMPO DE ATUAÇÃO 2 DIVISÃO

Leia mais

Breve Introdução à Informação Geográfica. João Carreiras Geo-DES jmbcarreiras@iict.pt

Breve Introdução à Informação Geográfica. João Carreiras Geo-DES jmbcarreiras@iict.pt Breve Introdução à Informação Geográfica João Carreiras Geo-DES jmbcarreiras@iict.pt Resumo 1 Informação Geográfica 2 Características da Informação Geográfica 3 Conceito de Escala 4 Coordenadas, Projecções

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE ICMBio CURSO DE GEOPROCESSAMENTO. Módulo A. Cartografia Básica

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE ICMBio CURSO DE GEOPROCESSAMENTO. Módulo A. Cartografia Básica MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE ICMBio CURSO DE GEOPROCESSAMENTO Módulo A Cartografia Básica MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

200784 Topografia I PLANO DE ENSINO. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 01

200784 Topografia I PLANO DE ENSINO. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 01 200784 Topografia I PLANO DE ENSINO Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 01 APRESENTAÇÃO DO PLANO DE ENSINO: 1. TOPOGRAFIA: Definições, Objetivos e Divisões.

Leia mais

PROVA COMENTADA GEOGRAFIA/ ÍRIS TIPO B

PROVA COMENTADA GEOGRAFIA/ ÍRIS TIPO B PROVA COMENTADA GEOGRAFIA/ ÍRIS TIPO B Questão 1 A partir de seus conhecimentos sobre projeções cartográficas e analisando a que foi utilizada no mapa a seguir, você pode inferir que se trata da projeção:

Leia mais

GPS - GNSS. Posiconamento por satélites (GNSS / GPS) e suas aplicações. Escola Politécnica UFBA. Salvador-BA 2011

GPS - GNSS. Posiconamento por satélites (GNSS / GPS) e suas aplicações. Escola Politécnica UFBA. Salvador-BA 2011 Posiconamento por satélites (GNSS / GPS) e suas aplicações acaldas@ufba.br Escola Politécnica UFBA Salvador-BA 2011 GPS - GNSS Global Positioning System Global Navigation Satellite System (GPS + GLONASS

Leia mais

FORMA DA TERRA E SISTEMAS DE REFERÊNCIA

FORMA DA TERRA E SISTEMAS DE REFERÊNCIA FORMA DA TERRA E SISTEMAS DE REFERÊNCIA Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG aplicado ao Meio Ambiente 2011 Por que é preciso ter conhecimento a respeito de cartografia

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE TOPOGRAFIA ENGENHARIA CIVIL

EXERCÍCIOS DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE TOPOGRAFIA ENGENHARIA CIVIL EXERCÍCIOS DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE TOPOGRAFIA ENGENHARIA CIVIL INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA DOCENTES (2009/2010) 2009/2010 Ana Paula Falcão Flôr Ricardo

Leia mais

Encontrando o seu lugar na Terra

Encontrando o seu lugar na Terra Encontrando o seu lugar na Terra A UU L AL A Nesta aula vamos aprender que a Terra tem a forma de uma esfera, e que é possível indicar e localizar qualquer lugar em sua superfície utilizando suas coordenadas

Leia mais

LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS ESTAÇÃO TOTAL x GPS RTK

LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS ESTAÇÃO TOTAL x GPS RTK LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS ESTAÇÃO TOTAL x GPS RTK Douglas Luiz Grando 1 ; Valdemir Land 2, Anderson Clayton Rhoden 3 Palavras-chave: Topografia; Geodésia; GPS de Precisão. INTRODUÇÃO Com a evolução das

Leia mais

O mundo à nossa volta é povoado de formas as mais variadas tanto nos elementos da natureza como nos de objetos construídos pelo homem.

O mundo à nossa volta é povoado de formas as mais variadas tanto nos elementos da natureza como nos de objetos construídos pelo homem. TRIDIMENSIONALIDADE O mundo à nossa volta é povoado de formas as mais variadas tanto nos elementos da natureza como nos de objetos construídos pelo homem. As formas tridimensionais são aquelas que têm

Leia mais

Elementos de Astronomia

Elementos de Astronomia Elementos de Astronomia Astronomia Antiga, Esfera Celeste, Coordenadas e Movimento Diurno dos Astros Rogemar A. Riffel Sala 1316 e-mail: rogemar@ufsm.br http://www.ufsm.br/rogemar/ensino.html Por que estudar

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA: IMPLANTAÇÃO DA GRADE DE TRILHAS E PARCELAS PERMANENTES NA RESERVA BIOLÓGICA DO UATUMÃ

TERMO DE REFERÊNCIA: IMPLANTAÇÃO DA GRADE DE TRILHAS E PARCELAS PERMANENTES NA RESERVA BIOLÓGICA DO UATUMÃ TERMO DE REFERÊNCIA: IMPLANTAÇÃO DA GRADE DE TRILHAS E PARCELAS PERMANENTES NA RESERVA BIOLÓGICA DO UATUMÃ 1. Objeto Contratação de serviço especializado de topografia plani-altimétrica georeferenciada

Leia mais

Introdução à Topografia

Introdução à Topografia Topografia Introdução à Topografia Etimologicamente a palavra TOPOS, em grego, significa lugar e GRAPHEN descrição, assim, de uma forma bastante simples, Topografia significa descrição do lugar. O termo

Leia mais

Aula 12 O SISTEMA UTM, A CARTA INTERNACIONAL AO MILIONÉSIMO E O DESDOBRAMENTO DAS FOLHAS TOPOGRÁFICAS

Aula 12 O SISTEMA UTM, A CARTA INTERNACIONAL AO MILIONÉSIMO E O DESDOBRAMENTO DAS FOLHAS TOPOGRÁFICAS Aula 12 O SISTEMA UTM, A CARTA INTERNACIONAL AO MILIONÉSIMO E O DESDOBRAMENTO DAS FOLHAS TOPOGRÁFICAS META Apresentar o sistema UTM como forma de localização dos elementos terrestres e a composição das

Leia mais

[APOSTILA DE TOPOGRAFIA]

[APOSTILA DE TOPOGRAFIA] 2009 [APOSTILA DE TOPOGRAFIA] - SENAI-DR/ES CEP HRD APOSTILA DE TOPOGRAFIA Apostila montada e revisada pela Doc. Regiane F. Giacomin em março de 2009. Tal material foi baseado, e recortado em alguns momentos

Leia mais

Introdução à Geodesia

Introdução à Geodesia à Geodesia 1. Objectivos.. Programa a) História da Geodesia. Estrutura da Geodesia e sua interligação b) Movimentos da Terra. Sistemas de referência. c) Camo Gravítico da Terra d) A forma e dimensão da

Leia mais

Topografia Levantamentos Topográficos. Sistema de Referência. Coordenadas Geodésicas (j, l, h) Projecção Cartográfica

Topografia Levantamentos Topográficos. Sistema de Referência. Coordenadas Geodésicas (j, l, h) Projecção Cartográfica LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS OBJECTIVO O objectivo desta disciplina é a aprendizagem de métodos e técnicas de aquisição de dados que possibilitem a determinação das coordenadas cartográficas de um conjunto

Leia mais

UNIDADE II Processos de medição de ângulos e distâncias.

UNIDADE II Processos de medição de ângulos e distâncias. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS - FESO CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA CCT CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Profª Drª Verônica Rocha Bonfim Engª Florestal

Leia mais

ESCALAS ESCALAS. Cartografia conceitos básicos. Prof. Luciene Delazari. l E L E N

ESCALAS ESCALAS. Cartografia conceitos básicos. Prof. Luciene Delazari. l E L E N Cartografia conceitos básicos Prof. Luciene Delazari Introdução ao SIG Agronomia ESCALAS ESCALA é a relação entre o comprimento na representação e o comprimento horizontal correspondente no terreno. As

Leia mais

Introdução da Topografia

Introdução da Topografia UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 1 Introdução da Topografia Aula 1 Recife, 2014 O QUE É TOPOGRAFIA Grego Português Topo Lugar Grafia Descrição

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. Transformações de coordenadas para não especialistas

CURSO DE FORMAÇÃO. Transformações de coordenadas para não especialistas CURSO DE FORMAÇÃO Transformações de coordenadas para não especialistas Colégios de Engenharia Geográfica e Engenharia Geológica e Minas Região Centro José A. Gonçalves jagoncal@fc.up.pt Sumário do curso

Leia mais

Relação entre a Geodesia e outras disciplinas científicas

Relação entre a Geodesia e outras disciplinas científicas Relação entre a Geodesia e outras disciplinas científicas É a inter-relação que determina o grau de utilidade e aceitabilidade de qualquer actividade humana, e em última análise, dita o seu alcance A apresentar:

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil. Cartografia. Profa. Adriana Goulart dos Santos

Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil. Cartografia. Profa. Adriana Goulart dos Santos Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil Cartografia Profa. Adriana Goulart dos Santos Geoprocessamento e Mapa Cartografia para Geoprocessamento Cartografia preocupa-se

Leia mais

As fórmulas para a determinação da gravidade teórica (ou normal) sobre a terra normal são do tipo

As fórmulas para a determinação da gravidade teórica (ou normal) sobre a terra normal são do tipo . A FÓRMULA INTERNACIONAL DA GRAVIDADE NORMAL As fórmulas para a determinação da gravidade teórica (ou normal) sobre a terra normal são do tipo γ = γ e β sin 2 φ + termos de ordem superior [.] Com precisão

Leia mais

Aula 5 NOÇÕES BÁSICAS DE GEODÉSIA E ASTRONOMIA DE POSIÇÃO. Antônio Carlos Campos

Aula 5 NOÇÕES BÁSICAS DE GEODÉSIA E ASTRONOMIA DE POSIÇÃO. Antônio Carlos Campos Aula 5 NOÇÕES BÁSICAS DE GEODÉSIA E ASTRONOMIA DE POSIÇÃO META Mostrar as normas básicas de posicionamento e direção terrestre e apresentar formas de orientação que auxiliam na localização. OBJETIVOS Ao

Leia mais

Aula 18 Elipse. Objetivos

Aula 18 Elipse. Objetivos MÓDULO 1 - AULA 18 Aula 18 Elipse Objetivos Descrever a elipse como um lugar geométrico. Determinar a equação reduzida da elipse no sistema de coordenadas com origem no ponto médio entre os focos e eixo

Leia mais

1. (Ufsm 2012) Observe as projeções cartográficas: Numere corretamente as projeções com as afirmações a seguir.

1. (Ufsm 2012) Observe as projeções cartográficas: Numere corretamente as projeções com as afirmações a seguir. 1. (Ufsm 2012) Observe as projeções cartográficas: Numere corretamente as projeções com as afirmações a seguir. ( ) Na projeção cilíndrica, a representação é feita como se um cilindro envolvesse a Terra

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / DIURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / DIURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / DIURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: CARTOGRAFIA E TOPOGRAFIA CÓDIGO: CRT003 CLASSIFICAÇÃO: Obrigatória PRÉ-REQUISITO: não tem CARGA HORÁRIA: TÉORICA : 30 horas

Leia mais

ASTRONOMIA GEODÉSICA. Posicionamento pelas Estrelas

ASTRONOMIA GEODÉSICA. Posicionamento pelas Estrelas ASTRONOMIA GEODÉSICA Posicionamento pelas Estrelas Basílio Santiago Adriano Salviano 1 ÍNDICE NOTA DOS AUTORES CAPÍTULO 1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS E SISTEMAS DE COORDENADAS Introdução à Astronomia Geodésica

Leia mais

17º Congresso de Iniciação Científica O CONHECIMENTO GEOMÉTRICO EM PORTUGAL NO SÉCULO XVI E SUAS APLICAÇÕES NA CARTOGRAFIA MARÍTIMA

17º Congresso de Iniciação Científica O CONHECIMENTO GEOMÉTRICO EM PORTUGAL NO SÉCULO XVI E SUAS APLICAÇÕES NA CARTOGRAFIA MARÍTIMA 17º Congresso de Iniciação Científica O CONHECIMENTO GEOMÉTRICO EM PORTUGAL NO SÉCULO XVI E SUAS APLICAÇÕES NA CARTOGRAFIA MARÍTIMA Autor(es) FLÁVIA DE ALMEIDA LUCATTI Orientador(es) JOANA DARC DA SILVA

Leia mais

Levantamento topográfico

Levantamento topográfico MA092 - Geometria plana e analítica - Segundo projeto Levantamento topográfico Francisco A. M. Gomes Outubro de 2014 1 Descrição do projeto Nessa atividade, vamos usar a lei dos senos e a lei dos cossenos

Leia mais

As cônicas. c, a 2 elipse é uma curva do plano em que qualquer um de seus pontos, por exemplo,, satisfaz a relação:

As cônicas. c, a 2 elipse é uma curva do plano em que qualquer um de seus pontos, por exemplo,, satisfaz a relação: As cônicas As cônicas podem ser definidas a partir de certas relações que caracterizam seus pontos. A partir delas podemos obter suas equações analíticas e, a partir delas, suas propriedades.. A elipse

Leia mais

TOPOGRAFIA INTRODUÇÃO

TOPOGRAFIA INTRODUÇÃO TOPOGRAFIA INTRODUÇÃO Prof. Dr. Daniel Caetano 2013-1 Objetivos Conhecer o professor e o curso Importância do ENADE Iniciação Científica Importância da Topografia Conhecer mais sobre a Terra O que é topografia

Leia mais

CARTAS NÁUTICAS E POSICIONAMENTO

CARTAS NÁUTICAS E POSICIONAMENTO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO OCEANOGRÁFICO GRADUAÇÃO EM OCEANOGRAFIA DISCIPLINA 2100107: CARTAS NÁUTICAS E POSICIONAMENTO 16/MAI/2008 CT FERNANDO DE OLIVEIRA MARIN FOTO TIRADA DA APOLLO 17 EM 1972

Leia mais

COLÉGIO JOÃO PAULO I GEOGRAFIA - EXERCÍCIOS 1ª PARCIAL V2 1ª SÉRIE

COLÉGIO JOÃO PAULO I GEOGRAFIA - EXERCÍCIOS 1ª PARCIAL V2 1ª SÉRIE COLÉGIO JOÃO PAULO I GEOGRAFIA - EXERCÍCIOS 1ª PARCIAL V2 1ª SÉRIE Professor(a): Richard QUESTÃO 1 Considere a reprodução da obra intitulada La Escuela del Sur de autoria de Joaquin Torres García, artista

Leia mais

Podemos considerar a elipse como uma circunferência achatada. Para indicar o maior ou menor achatamento, definimos a excentricidade:

Podemos considerar a elipse como uma circunferência achatada. Para indicar o maior ou menor achatamento, definimos a excentricidade: Leis de Kepler Considerando um referencial fixo no Sol, por efeito da lei da gravitação universal, o movimento dos planetas ao redor do Sol acontece segundo as três leis de Kepler. Na verdade, as leis

Leia mais

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. STT 0616 Geomática Aplicada I

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. STT 0616 Geomática Aplicada I Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Transportes STT Laboratório de Topografia e Geodésia LTG STT 0616 Geomática Aplicada I 1 Geomática Aplicada I STT0616 Professora:

Leia mais

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA Diferença entre Cartografia e Topografia: A Topografia é muitas vezes confundida com a Cartografia ou Geodésia pois se utilizam dos mesmos equipamentos e praticamente dos mesmos

Leia mais

Exercícios de Cartografia II

Exercícios de Cartografia II Exercícios de Cartografia II 1. (UFRN) Um estudante australiano, ao realizar pesquisas sobre o Brasil, considerou importante saber a localização exata de sua capital, a cidade de Brasília. Para isso, consultou

Leia mais

A Escola e o Relógio de Sol Resumo

A Escola e o Relógio de Sol Resumo Universidade Federal de São Carlos Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia Departamento de Matemática A Escola e o Relógio de Sol Resumo Autora: Raquel Duarte de Souza Orientador: Prof. Dr. José Antônio

Leia mais

Questão 01) A linha imaginária que circula a Terra a 23 27 de latitude norte denomina-se:

Questão 01) A linha imaginária que circula a Terra a 23 27 de latitude norte denomina-se: Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 1º Disciplina: GEOGRAFIA Data da prova: 22/02/14 Questão 01) A linha imaginária que circula a Terra

Leia mais

SISTEMAS GEODÉSICOS DE REFERÊNCIA E

SISTEMAS GEODÉSICOS DE REFERÊNCIA E SISTEMAS GEODÉSICOS DE REFERÊNCIA E PROJEÇÕES CARTOGRÁFICAS GENERALIDADES Como representar a Terra esférica, se os mapas são planos? Como se localizar em qualquer ponto do planeta? Adotar uma superfície

Leia mais

NORMAS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA TRABALHOS TOPOGRÁFICOS - CDA I OPERAÇÕES DE CAMPO

NORMAS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA TRABALHOS TOPOGRÁFICOS - CDA I OPERAÇÕES DE CAMPO NORMAS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA TRABALHOS TOPOGRÁFICOS - CDA I OPERAÇÕES DE CAMPO 1- As normas técnicas objetivam a caracterização de imóveis rurais pelo levantamento e materialização de seus limites,

Leia mais

Material de apoio para o exame final

Material de apoio para o exame final Professor Rui Piassini Geografia 1ºEM Material de apoio para o exame final Questão 01) Um transatlântico, navegando pelo Oceano Índico, cruza o Trópico de Capricórnio e segue do Sul para o Norte. Observando

Leia mais

Forma da Terra. Profa. Dra. Rúbia Gomes Morato Prof. Dr. Reinaldo Paul Pérez Machado

Forma da Terra. Profa. Dra. Rúbia Gomes Morato Prof. Dr. Reinaldo Paul Pérez Machado Forma da Terra Profa. Dra. Rúbia Gomes Morato Prof. Dr. Reinaldo Paul Pérez Machado Representação da forma da Terra (aquele planeta onde vivimos) Geóide forma ideal do globo terráqueo obtida homogenizando

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP LABTOP Topografia 1. Coordenadas Aula 1

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP LABTOP Topografia 1. Coordenadas Aula 1 UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP LABTOP Topografia 1 Coordenadas Aula 1 Recife, 2014 Sistema de Coordenadas Um dos principais objetivos da Topografia é a determinação

Leia mais

Ano: 6º Turma: 6.1 / 6.2

Ano: 6º Turma: 6.1 / 6.2 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2014 Disciplina: Geografia Professor (a): Fernando Parente Ano: 6º Turma: 6.1 / 6.2 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo

Leia mais

ORIENTAÇÃO E LOCALIZAÇÃO

ORIENTAÇÃO E LOCALIZAÇÃO ORIENTAÇÃO E LOCALIZAÇÃO Para se orientar o homem teve de desenvolver sua capacidade de observação. Observando a natureza o homem percebeu que o Sol aparece todas as manhãs aproximadamente, num mesmo lado

Leia mais

ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091

ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091 ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091 INTRODUÇÃO Trata-se de um modelo científico de trabalho, representando o Sol, a Terra e a Lua, e mostrando como estes se relacionam entre si. Foi concebido para mostrar

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 9 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

Palavras-Chave: Sistema de Posicionamento Global. Sistemas de Localização Espacial. Equação de Superfícies Esféricas.

Palavras-Chave: Sistema de Posicionamento Global. Sistemas de Localização Espacial. Equação de Superfícies Esféricas. METODOS MATEMÁTICOS PARA DEFINIÇÃO DE POSICIONAMENTO Alberto Moi 1 Rodrigo Couto Moreira¹ Resumo Marina Geremia¹ O GPS é uma tecnologia cada vez mais presente em nossas vidas, sendo que são inúmeras as

Leia mais

Objetivos. Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas e

Objetivos. Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas e MÓDULO 2 - AULA 13 Aula 13 Superfícies regradas e de revolução Objetivos Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas

Leia mais

Localização de um lugar relativamente a outros locais, conhecidos.

Localização de um lugar relativamente a outros locais, conhecidos. Localização de um lugar relativamente a outros locais, utilizando pontos de referência conhecidos. Indicação de edifícios/construções conhecidas (da casa de um amigo, de uma Igreja, de uma rotunda, de

Leia mais

MÓDULO I UNIDADE CURRICULAR TOPOGRAFIA I 5.1 INTRODUÇÃO À CIÊNCIA TOPOGRÁFICA. 5.1.1 Conceitos

MÓDULO I UNIDADE CURRICULAR TOPOGRAFIA I 5.1 INTRODUÇÃO À CIÊNCIA TOPOGRÁFICA. 5.1.1 Conceitos CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA UNIDADE DE FLORIANÓPOLIS DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE CONSTRUÇÃO CIVIL CURSO TÉCNICO DE GEOMENSURA MÓDULO I UNIDADE CURRICULAR TOPOGRAFIA I 5.1 INTRODUÇÃO

Leia mais