SLBZFISICA FÍSICA PARA O ENSINO MÉDIO EJA: EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOVIMENTOS ACELERADOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SLBZFISICA FÍSICA PARA O ENSINO MÉDIO EJA: EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOVIMENTOS ACELERADOS"

Transcrição

1 SLBZFISICA FÍSICA PARA O ENSINO MÉDIO EJA: EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOVIMENTOS ACELERADOS 1. MOVIMENTO UNIFORMEMENTE VARIADO M.U.V. Na maior parte dos casos a velocidade dos objetos em movimento não é constante. Nestas situações o movimento é denominado de variado. Se a velocidade variar sempre de uma mesma quantidade, tanto para aumentar como para diminuir, o movimento é classificado como UNIFORMEMENTE VARIADO, caso contrário, se a velocidade mudar aleatoriamente o movimento é classificado como VARIADO ou aleatório. No MUV a aceleração média e instantânea têm o mesmo valor. 1.1) Aceleração: Aceleração média ou simplesmente aceleração é definida como: Aceleração (a) de um corpo é definida como o quociente entre a variação de velocidade (ΔV) e o tempo ou intervalo de tempo no qual ocorreu esta variação. a = ΔV / Δt Onde: ΔV = Vf - Vi = V Vo Δt = tf - ti = t to Vf = V = Velocidade final (m/s) tf = t = tempo final (s) Vi = Vo = Velocidade inicial (m/s) ti = to = tempo inicial (s) a = aceleração escalar (m/s 2 ) Se o tempo inicial to ou ti começar do ZERO então Δt = t, onde o intervalo de tempo é o próprio tempo do movimento. Significado físico da aceleração: é o quanto a velocidade varia na unidade de tempo. Assim, se a aceleração de um objeto é 30m/s 2 significa que em cada segundo a sua velocidade varia (aumenta ou diminui) de 30m/s. Na tabela a baixo, no movimento (A), é mostrado que a cada segundo a velocidade varia de 3m/s e esta variação é constante, mas o valor da velocidade está mudando à medida que o tempo passa. Este é um movimento UNIFORMEMENTE VARIADO, pois a velocidade varia sempre da mesma quantidade, neste caso, de 3m/s. Assim, a aceleração vale 3m/s 2, significando que a cada (s) a variação da velocidade é de 3m/s. No movimento (B) a velocidade também varia, porém de uma forma não-uniforme: do 5s a0 6s vairou de 6m/s; do 6s ao7s variou de 19m/s; do 7s ao 8s variou de -33m/s e finalmente do 8s ao 9s variou de -24m/s. Este é um movimento ALEATORIAMENTE VARIADO (MAV) ou Não Uniformemente Variado. Este tipo de movimento não será estudado devido a sua complexidade. Mas entendendo o Movimento Uniformemente Variado (MUV) tem-se condições de entender todos os outros. (A): V(m/s) t(s) (B): V(m/s) Exemplo: Determinar a aceleração de um móvel que no instante 1min30s está a 20m/s e no instante 1min35s atinge a velocidade de 70m/s. Δt = t to = 1min35s 1min 30s = 5s =======> t = 5s ΔV = V Vo = 70m/s - 20m/s = 50m/s ===> ΔV= 50m/s a = ΔV / t = 50m/s / 5s = 10m/s 2 ========> a = 10m/s 2 isto significa que em cada segundo este objeto aumenta a sua velocidade em 10m/s.

2 Quando o valor numérico ou módulo da velocidade aumenta o MUV é denominado de ACELERADO, e quando ele diminui o MUV é denominado de RETARDADO ou desacelerado. Exercício: Classificar a os Movimentos (segundo: MU, MUV, MAV, acelerado, retardado): 10m/s...8m/s...6m/s...4m/s => e -3m/s...-9m/s...-15m/s...-21m/s => e 24m/s...24m/s...24m/s...24m/s => e 10m/s...4m/s...22m/s...-2m/s => e 1.2 Equações e gráficos do MUV a) Equações: A tabela a seguir mostra as equações ou fórmulas que governam e são utilizadas para resolver os exercícios de movimentos com aceleração constante a = ( V Vo) / t Definição de aceleração V = Vo + a. t Equação ou função da velocidade S = So + Vo. t + a. t 2 / 2 Equação ou função da posição ΔS = Vo. t + a. t 2 / 2 Equação do deslocamento V 2 = Vo a. ΔS Equação de Torricelli. Quando se utiliza o SI (que é sempre recomendado) não é necessário escrever as unidades. Assim, a posição S, So e o deslocamento ΔS serão expressos sempre em metros (m), a velocidade em (m/s) e a aceleração em (m/s 2 ). Por exemplo: 1) Dada a equação V = 7 15t. Significa que: Vo = 7m/s;...a = -15m/s 2; 2) Seja ΔS = 4t + 6t 2. Comparando termo a termo com a equação do deslocamento, tem-se: Vo = 4m/s e a aceleração vale 12m/s 2, pois a/2 é o coeficiente de t 2, logo a/2 = 6 ou a = 12. Então a = 12m/s 2. Exemplos: 1. Qual o deslocamento efetuado por um móvel em MUV animado de uma velocidade de 5m/s e que sofre uma aceleração de 10m/s 2 durante 3s. Solução: Vo = 5m/s;...a = 10m/s 2 ;...t = 3s;...ΔS =? ΔS = Vo. t + a. t 2 / 2 = (3) 2 / 2 = / 2 = 60m ΔS = 60m 2. Uma nave a 1200km/h em dado instante sofre uma aceleração constante durante 12s e atinge a velocidade de 1800km/h. Determinar o valor da aceleração e o deslocamento efetuado neste tempo. Solução: Vo = 1200km/h = 333,3m/s;...V = 1800km/h = 500m/s;...t = 12s a = (V Vo) / t = ( ,3) / 12 = 14,9m/s 2 =========> a = 14,9m/s 2 ΔS = Vo. t + a. t 2 / 2 = 333, ,9 (12) 2 / 2 = = 5073m ΔS = 5073m = 5,073km 3. Um carro está a 72km/h quando repentinamente são aplicados os freios. O carro para deixando uma marca de pneus de 20m. Calcular a aceleração aplicada pelos freios (supor MUV).

3 Solução: Vo = 72km/h = 20m/s;...V = 0 (parou);...δs = 20m (marca pneus) V 2 = Vo 2 2. a. ΔS ===> (20) 2 = 0 2. a. 20 ====> a = / 40 = - 10m/s 2 a = -10m/s 2 4. Um corpo desloca-se em MUV segundo a equação S = t 3t 2. Determinar: a) So =? ===> Resposta: So = 65m b) Equação da velocidade? ====> Resposta: V = Vo + at => V = t pois, Vo = 2m/s;... a.t 2 / 2 = a/2 t 2 = 3 t 2, comparando-se os coeficientes de t 2, tem-se: a/2 = 3 ====> a = 6m/s 2 c) O instante em que o móvel passa pela origem: Na origem S= 0 => 0 = t 2 que é uma equação do 2º grau e a solução é pela fórmula de Baskahra: -3t 2 + 2t + 65 = 0 ========> t = (-B ± ( B 2-4.A.C) 1/2 ) / 2 At 2 + Bt + C = 0 => A = -3;...B = 2;...C = 65; t = 5s e t = - 4,33s ( desconsiderado, tempo não pode ser negativo) t = 5s ( substituindo na equação faz com que S = 0): -3(5) 2 + 2(5) + 65 = = = 0 => Então quando t =5s o móvel está passando pela origem. b) Gráficos do MUV: Os gráficos descrevem o comportamento da posição (S) ou da velocidade (V) à medida que o tempo passa. A aceleração terá sempre um valor constante podendo apenas ser um valor positivo ou negativo conforme o movimento tenha aceleração e velocidade no mesmo sentido ou em sentidos contrários respectivamente, pois o movimento é acelerado quando o valor absoluto (sem considerar o sinal) ou módulo da velocidade aumenta e desacelerado ou retardado quando o valor absoluto da velocidade diminui. Gráfico V (x) t: A figura 2.1 mostra o gráfico V (x) t (velocidade em função do tempo para os movimento A e B. Analisando os gráficos pode-se concluir: Os movimentos são MUV pois o comportamento das velocidades de A e B são retilíneas. As velocidades variam uniformemente: aumentam ou diminuem, em cada caso, sempre da mesma quantidade à medida que o tempo passa; Mov. A: Vo = 20m/s;...V = 120m/s;...t = 35s. Movimento acelerado ( módulo da velocidade aumenta) a = (V Vo) / t = (120m/s 20m/s) / 35s = 100 / 35 = 2,8m/s 2 Mov. B: Vo = 120m/s;...V = 0;...t = 30s. Movimento retardado ( módulo da velocidade diminui) a = (V Vo) / t = (0 120 m / s) / 30 s = -120 / 30 = -4 m/s 2

4 Figura 2.1: Gráfico da velocidade em função do tempo. O ponto C, não significa encontro, mas sim que no instante 15,2s os movimentos têm a mesma velocidade, 58m/s, não importando a posição ocupada pelos objetos. Exemplo-2: Classificar os movimentos A e B e calcular a aceleração em cada caso, conforme mostrado na figura 2.2. Solução: Mov. A1: Retardado entre 0 e 17s Mov. A2: Acelerado entre 17s e 25s a = (V Vo) / t = (-45m/s 45m/s) / 25s = -90 / 25 = -3,6m/s 2 Mov. B1: Retardado entre 0 e 17s Mov. B2: Acelerado entre 17s e 35s a = (30m/s (-30m/s)) / 35s = (60m/s) / 35s = 1,7m/s 2 Figura 2.2a: Gráficos V(x)t. O comportamento retilíneo indica que os movimentos tem aceleração constante Conclusão: O fato da aceleração ser (+) ou (-) ou a inclinação do gráfico ser para cima ou para baixo não tem influência em o movimento ser acelerado ou retardado. Por exemplo, o movimento A2 é ACELERADO apesar de ter aceleração negativa e inclinação para baixo. No instante 17s, assinalado, significa que os as velocidades dos objetos TROCAM de SENTIDO ou atingem o REPOUSO por um brevíssimo instante. Por exemplo, o movimento B2 entre 0 e 17s tem uma velocidade decrescente no sentido negativo do eixo das posições ou movimento regressivo. A partir dos 17s o objeto B2 parte do repouso e se movimenta com velocidade crescente no sentido positivo do exo das posições ou movimento progressivo, conforme mostrado na figura 2.2.B. Exemplo-3: O deslocamento no MUV também pode ser determinado a partir do gráfico V (x) t da figura 2.3. São identificadas duas figuras geométricas: um triângulo e um retângulo. A área de cada figura é:

5 Triângulo: A T = h x b /2 = 100m/s. 10s / 2 = 500m Retângulo: A R = h x b = 100m/s. 15s = 1500m ΔS = A T + A R = 500m m = 2000m ΔS = 2000m 2.3: Gráfico V(x)t no MUV em que as áreas do triângulo e do retângulo equivalem ao deslocamento. Gráfico S (x) t: O gráfico S (x) t, figura 2.4, tem a forma de uma parábola devido o termo t 2 que aparece na equação da posição ou deslocamento. O vértice corresponde ao ponto em que o móvel troca de sentido o movimento. Os pontos em que a curva cruza o eixo dos tempos, corresponde à passagem do móvel pela origem, onde os respectivos tempos são as raízes da equação. Se a concavidade é para cima a aceleração é positiva, caso da figura 2.4a, e quando é para baixo a aceleração é negativa, figura 2.4b, e corresponderia à situação de lançar na vertical, para cima, um objeto até seu retorno ao solo. A situação de uma aceleração positiva corresponderia ao do movimento de compressão e retorno de uma mola, presa em uma das extremidades. O fato da aceleração ser positiva ou negativa não significa o valor da velocidade aumentar ou diminuir ou o movimento ser acelerado ou retardado, mas sim que em movimentos tipo ida-e-volta, tende a retornar para posições relativas mais baixas quando a aceleração é negativa e para posições relativas mais elevadas quando a aceleração é positiva. Figura 2.4: a) Gráfico da posição em função do tempo aceleração positiva; b) gráfico Sxt para aceleração negativa, concaviade voltada para baixo Gráfico a (x) t: O gráfico a (x) t tem a forma mostrada na figura 2.5. O seu comportamento é paralelo ao eixo dos tempos, indicando que a aceleração é constante (MUV) durante os 35s que dura o movimento neste exemplo. Se a aceleração fosse negativa a reta estaria abaixo do eixo dos tempos. A área da figura compreendida pelo

6 gráfico da aceleração é numericamente igual á variação da velocidade do corpo. Neste caso a variação da velocidade vale: ΔV = a. t => ΔV = 8m/s 2. 35s = 280m/s => ΔV = 280m/s Esta é a variação da velocidade. A velocidade final do móvel dependerá do valor de velocidade inicial, que será somada ou subtraída deste valor dependendo do sinal. Na lista de exercícios, no final do capítulo, são apresentados alguns exemplos. Figura 2.5: Gráfico da aceleração em função do tempo para o MUV 1.3) Exercícios: 1. Conceituar aceleração e escrever a sua fórmula de definição. 2. Escrever s equações do MUV identificando cada um de seus termos e a respectiva unidade de medida. 3. Qual o significado físico da aceleração num MUV? 4. Exemplificar pelo menos três situações que podem ser caracterizadas com sendo MUV. 5. Um móvel se movimenta segundo o registro de tempo e velocidade conforme a tabela a seguir: V(m/s) t (s) a) Determinar a aceleração; b) escrever a equação da velocidade; c) determinar o deslocamento durante os 5s. 6. Um móvel se movimenta segundo o registro de tempo e velocidade conforme a tabela a seguir: V(m/s) t (s) a) determinar a aceleração; b) escrever a equação da velocidade; c) determinar o deslocamento durante o tempo que durou o movimento. 7. Dada a equação S = 20-15t + 4t 2 determinar: a) So, Vo, a, o deslocamento após 5s e após 1min de movimento; b) Escrever a equação da velocidade para este caso. 8. Dada a equação S = 5 +10t - 8t 2 determinar: a) So, Vo, a, o deslocamento após 3s e após 1min de movimento; b) Escrever a equação da velocidade para este caso. 9. Um trem trafega a 72 km/h quando o maquinista aciona os freios. Determinar a aceleração, suposta constante, para que o trem pare em 60m. 10. Qual o deslocamento efetuado por um móvel em MUV, se ele estando a 45m/s, sofre uma aceleração de 8m/s 2, durante 11s? 11. Um objeto está a 50m/s quando sofre uma aceleração constante e atinge a velocidade de 170m/s após 15s. Determinar: a) aceleração; b) deslocamento efetuado neste tempo; c) escrever a respectiva equação da velocidade. 12. Um veículo está com velocidade inicial de 30m/s e é acelerado em MUV com 4m/s 2. Qual o seu deslocamento até ele atingir 60m/s?

7 2. MOVIMENTO DE QUEDA LIVRE O movimento de queda livre é um caso particular do M.U.V. em que o movimento ocorre na VERTICAL, a origem é a superfície da terra e as equações são as mesmas, com a diferença de que o deslocamento é substituído pela altura (h) e a aceleração (a) é substituída pela aceleração da gravidade (g). 2.1) Histórico: ~300 a.c, Aristóteles baseado em observação direta e considerações filosóficas afirmou: " Os corpos mais pesados caem mais rapidamente". Justificava isto considerando que toda\s as coias eram feitas dos quatro elementos: Terra, Fogo, Ar e Àgua. Logo o que era feito de terra ou era da terra, voltaria para ela tão mais rapidamente quanto mais terra tivesse, ou seja fosse mais pesado. ~1630. Galileu baseado em experimentação e aplicação do MÉTODO CIENTÍFICO estabeleceu a LEI da QUEDA LIVRE: " Num mesmo lugar e no vácuo todos os corpos caem com a mesma ACELERAÇÃO". O pensamento de Aristóteles e de sua escola perdurou por quase dois mil anos. Pois o ser humano era considerado o centro de todas as coisas, logo o que fosse lógico ou de acordo com o pensamento humano deveria ser verdade. Foi com experimentos como o de Galileu, que foi demostrado que a verdade pode estar fora do ser humano e muitas vezes, como a Física atual demonstra, nem sempre é entendível além de ser relativa. 2.2) Aceleração da gravidade: Queda livre: é o movimento dos corpos ( para cima ou para baixo) sem sofrer a ação do ar ou qualquer outra interferência. A única força atuante é a gravidade ou força gravitacional (peso do corpo). A causa da gravidade é o campo gravitacional que existe em torno de qualquer massa, cujos estudos, por Newton, resultou na Lei da Gravitação Universal. Gravidade: (grave = queda ou baixo): é a força com que os corpos são atraídos para o centro da terra. Lei da queda Livre: Todos os corpos independentes de suas massas, num mesmo lugar, caem com a mesma aceleração. Para propósitos práticos, qualquer corpo independente de sua massa cai em direção ao centro da terra com uma aceleração que pode ser considerada constante. Quando existe a influência do ar, a velocidade de queda pode depender do peso e da forma do corpo, como mostrado na figura 2.6, onde no ar a esfera de aço chega primeiro ao solo. Mas se a queda for no vácuo a pena e a esfera de aço atingem o solo ao mesmo tempo ou caem com a mesma aceleração. Esta aceleração recebe o nome de aceleração da gravidade e é representada pela letra (g). Ela é uma característica do corpo celeste em questão e depende da massa e da forma deste corpo. O valor da aceleração da gravidade depende da distância do ponto considerado ao centro do planeta ou da terra no nosso caso. Como a TERRA é levemente achatada o valor de (g) nos pólos é diferente e maior daquele do equador. À medida de se afasta da superfície, tanto para cima como para baixo, o valor de g diminui até se anular no centro da terra e num ponto muito distante ou infinito : g polo = 9,83 m/s 2...g equador = 9,78 m/s 2 => g = 10m/s 2 (aproximado) g Marte = 3,7 m/s 2...g Lua = 1,5 m/s 2...g (infinito) = 0 (nula) Quanto maior a massa do corpo celeste maior será o valor de g. O sol e estrelas tem valores de g milhares de vezes maior que o da terra.

8 Figura 2.6: a) Corpo em queda Não-Livre; b) Corpo em queda livre; c) forma "achatada" da Terra. O raio no equador, é maior que o raio no pólo 2.3) Equações do Movimento de Queda Livre: São as mesmas do MUV, só que agora o deslocamento DS ou ΔS é na vertical para cima ou para baixo. Assim, a posição S é substituída pela altura (H), o deslocamento ΔS é substituído por h e a aceleração (a) é substituída por (g): h = Vo. t ± g. t 2 / 2 V = Vo ± g. t V 2 = Vo 2 ± 2. g. h h = Variação de altura ou altura do corpo em relação ao solo ou superfície do mar (m); g = aceleração da gravidade, arredondado para 10 m/s 2. Sinal (+): movimento para baixo...sinal (-): lançamento para cima 2.4) Exemplos: 1. Uma pedra foi solta do alto de um prédio de 20m de altura. Calcular, assumindo queda livre (g = 10 m/s 2 ): a) tempo para atingir o solo; b) a velocidade com que a pedra atinge o solo. Solução (unidades SI):...Dados: Vo = 0 (deixado cair);... h = 20m (queda) a) h = Vo.t + g.t 2 / 2 => 20 = 0. t + 10.t 2 / 2 => t 2 = 40 / 10t = 4 = 2 => t = 2s b) V = 0 + g. t => V = 10m/s 2.2s = 20m/s => V = 20m/s 2. Um objeto é lançado verticalmente para baixo com uma velocidade de 20m/s, levando 4s para atingir o solo. Assumir movimento de queda livre MQL, g = 10 m/s 2 : a) qual a altura de que foi lançado? b) qual a velocidade ao atingir o solo? Solução (unidades SI):...Dados: Vo=20m/s;... t = 4s;... h =?;...V =? a) h = Vo. t + g. t 2 /2 = (4) 2 / 2 = / 2 = 80m + 80m = > h = 160m b) V = Vo + g. t = = 60m/s => V = 60m/s (c)

9 3. Uma pedra de 20 kg é lançada verticalmente para cima a 80 m/s. Supor MQL e g = 10 m/s 2 : a) qual a altura máxima atingida pela pedra? b) qual o tempo para voltar ao ponto de lançamento? c) qual a velocidade de retorno ao ponto de lançamento? Solução:...Dados: Vo = 80m/s;...Hmáx =?...V =? (retorno) a) V = Vo g. t => 0 = t => 10t = 80 => t = 8s (t subida) h = Vo. t - g. t 2 / 2 => h max = (8) 2 / 2 = 640m 320m => h máx = 320m b) tempo subida = tempo de descida => t T = 8s + 8s = 16s => t T = 16s c) Vo = V (Vinicial = Vfinal) => V = 80m/s (o valor é o mesmo só o sentido que mudou) 4. Dois corpos são lançados na vertical de uma altura H, com velocidade inicial Vo, um para cima e outro para baixo. Supondo MQL, pode-se afirmar: a) A velocidade do primeiro é a metade daquela do segundo; b) Atingem o solo com velocidade iguais; c) A velocidade do primeiro é o dobro daquela do segundo. Resposta: Alternativa (b). Justificativa: Os dois corpos caem da mesma altura com a mesma velocidade, embora não ao mesmo tempo. Pois aquele que foi lançado para cima, retornará ao ponto de lançamento com a mesma velocidade, Vo, que é aquela com que o segundo é lançado para baixo. 3) MOVIMENTO CIRCUNFERENCIAL UNIFORME - M.C.U. Os movimentos oscilatórios ou repetitivos são aqueles que executam movimentos que se repetem após dterminado tempo ou ficam confinados em determinado espaço ou ainda, que executam padrões semelhantes à medida que o tempo passa. Pertencem a esta classe os movimento oscilatórios periódicos: Movimento oscilatório ou REPETITIVO: o ponto ou objeto retorna à posição original ou em torno de uma posição média em determinado intervalo de tempo (marés, folhas ao vento, ondas do mar...). Movimento PERIÓDICO: o objeto retorna à posição original em intervalos de tempo iguais (ponteiros relógio, translação e rotação da terra,...). O tempo para o objeto voltar à mesma posição é chamado de PERÍODO. M.C.U. é um caso especial dos movimentos periódicos: "É um movimento cuja trajetória é uma CIRCUNFERÊNCIA e a velocidade é CONSTANTE". Ver figura 2.7. Figura 2.7: Representação de Movimento Circunferencial Uniforme 3.1) Período (t ): É o tempo que o móvel leva para executar uma volta. A unidade é o segundo (s):

10 t = tempo (s) / Nº voltas = t / n => t (s) Exemplos: -Qual o período da Terra em torno do Sol?... t = 365dias = 1 ano -Qual o período da Lua em torno da Terra?... t = 30 dias = s -Qual o período do ponteiro dos segundos?... t = 1 min = 60 s -Qual o período de um móvel em MCU se ele faz 200 voltas em 20 s? Solução: t = 20s / 200 voltas = 1/10 s = 0,1s => t = 0,1s 3.2) Frequência (f): Num MCU a frequência é número de voltas que o móvel executa na unidade de tempo (s): f = Nº Voltas / tempo = n / t => unidade: ( 1 / s = Hertz = Hz) => f (Hz) Hz = Hertz = unidade de frequência no SI (exemplo: 10voltas/s = 10Hz) 5kHz = 5x1000Hz = 5000Hz;...20MHz = 20x Hz = Hz. Comparando-se a fórmula da frequência e do período, pode-se verificar que elas são inversas, ou seja o seu produto é igual à unidade: f. t = (n/t) (t/n) = 1 f = 1 / t ou t = 1 / f Exemplo: Um móvel em MCU faz 3600 rotações em um minuto (3600rpm). Qual a sua frequência em Hz? Solução: f = 3600 voltas / 60s = 60 voltas / s = 60 Hz => f = 60Hz Figura 2.8: a) Vetor Velocidade no MCU; b) Direção da velocidade = tangente ao ponto considerado. 3.3) Velocidade Linear (V L ): Também denominada de velocidade tangencial, é a velocidade com que o móvel em MCU se desloca ao longo da circunferência. Esta velocidade é aquela com que o objeto abandonaria o movimento circunferencial segundo a tangente ao ponto no qual lhe foi "permitido" seguir em linha reta. É o que acontece com uma pedra que gira presa a um cordão. No caso do cordão arrebentar ela vai sair pela tangente ao ponto da circunferência no momento da ruptura ou da liberação da pedra. Esta velocidade é representada pelo VETOR VELOCIDADE LINEAR (V L ). Lembrando: os elementos de um vetor são MÓDULO, DIREÇÃO e SENTIDO. A direção deste vetor é o da reta tangente ao ponto considerado, e o sentido é dado pelo sentido de rotação. Ver figura 2.8. Nesta figura as retas r1 e r2 mostram a direção da velocidade linear V1 e V2 nos pontos considerados. O sentido em cada reta tangente é dado pelo sentido de rotação O módulo do vetor velocidade linear é dado pelo quociente do comprimento da trajetória pelo tempo decorrido. No caso de uma circunferência a trajetória é o próprio perímetro e o tempo de movimento é o

11 próprio período, que é o tempo para dar uma volta: V L = (Perímetro)/ t => V L = 2. π. R / t (m/s) R = raio da circunferência (m); t = τ = período do movimento (s) π = 3,1416 ( para facilitar arredonda-se para 3) Exemplo: Um móvel em MCU faz 20 voltas durante 10s ao longo de uma circunferência de 5m de diâmetro. Qual o módulo do vetor velocidade linear? Solução: R = D / 2 = > R = 5m / 2 = 2,5m => R = 2,5m t = tempo / voltas = 10s / 20 = (1/2) s = > t = τ = 0,5s V L = ,5m / 0,5s = 30 m/s => V L = 30m/s Dados para ilustração: V L da terra em torno do sol = ~30 km/s; V L da lua em torno da terra = ~1 km/s; V L de marte em torno do sol = ~24 km/s. Rigorosamente estes movimentos não são circunferenciais nem uniformes, mas consideram-se como tal para simplificar. 3.4) Exercícios 1. Por que existe aceleração no MCU? 2. Mostrar como transformar rpm em Hz. 3. Quando um movimento é chamado de periódico? 4. Em um relógio analógico determinar o período e velocidade angular dos ponteiros: a) dos segundos; b) dos minutos; c) das horas. 5. Um móvel em MCU tem um período de 2s. Determinar a frequência. 6. No MCU o vetor velocidade linear ou tangencial tem constante (direção; sentido; módulo; valor proporcional ao percurso) 7. Ao ser abandonado de uma altura h um corpo em queda livre atinge o solo com uma velocidade de 65m/s. Quanto vale a altura? 8. Um corpo é lançado para cima na vertical com uma velocidade de 300m/s. Supondo queda livre, determinar: a) a velocidade no ponto mais alto da trajetória; b) o tempo para atingir a altura máxima; c) a velocidade de retorno ao solo. 9. Se na questão nº 8 o movimento não fosse de queda livre como seriam alterados os resultados? 10. Um corpo é lançado para cima na vertical com uma velocidade de 600m/s. Supondo queda livre, determinar: a) a altura máxima atingida pelo corpo; b) o tempo para retornar ao solo. 11. Sabendo que a terra tem uma raio de 6400km aproximadamente no equador. Determinar: a) a velocidade linear num ponto na linha do equador em m/s e km/h; 12. Um eixo gira a 1200rpm. calcular o período e a frequência no S.I. Volta para página inicial

Neste ano estudaremos a Mecânica, que divide-se em dois tópicos:

Neste ano estudaremos a Mecânica, que divide-se em dois tópicos: CINEMÁTICA ESCALAR A Física objetiva o estudo dos fenômenos físicos por meio de observação, medição e experimentação, permite aos cientistas identificar os princípios e leis que regem estes fenômenos e

Leia mais

Lista 1 Cinemática em 1D, 2D e 3D

Lista 1 Cinemática em 1D, 2D e 3D UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA DEPARTAMENTO DE ESTUDOS BÁSICOS E INSTRUMENTAIS CAMPUS DE ITAPETINGA PROFESSOR: ROBERTO CLAUDINO FERREIRA DISCIPLINA: FÍSICA I Aluno (a): Data: / / NOTA: Lista

Leia mais

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.)

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) 3.1- Aceleração Escalar (a): Em movimentos nos quais as velocidades dos móveis variam com o decurso do tempo, introduz-se o conceito de uma grandeza

Leia mais

Curso de Engenharia Civil. Física Geral e Experimental I Movimento Prof.a: Msd. Érica Muniz 1 Período

Curso de Engenharia Civil. Física Geral e Experimental I Movimento Prof.a: Msd. Érica Muniz 1 Período Curso de Engenharia Civil Física Geral e Experimental I Movimento Prof.a: Msd. Érica Muniz 1 Período Posição e Coordenada de Referência Posição é o lugar no espaço onde se situa o corpo. Imagine três pontos

Leia mais

Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta

Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta Aula 03: Movimento em um Plano Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta Caro aluno, olá! Neste tópico, você vai aprender sobre um tipo particular de movimento plano, o movimento circular

Leia mais

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.)

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) Colégio Santa Catarina Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) 17 Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) 3.1- Aceleração Escalar (a): Em movimentos nos quais as velocidades

Leia mais

CINEMÁTICA - É a parte da mecânica que estuda os vários tipos de movimento, sem se preocupar com as causas destes movimentos.

CINEMÁTICA - É a parte da mecânica que estuda os vários tipos de movimento, sem se preocupar com as causas destes movimentos. INTRODUÇÃO À CINEMÁTICA REPOUSO OU MOVIMENTO? DEPENDE DO REFERENCIAL! CINEMÁTICA - É a parte da mecânica que estuda os vários tipos de movimento, sem se preocupar com as causas destes movimentos. REFERENCIAL.

Leia mais

III MOVIMENTO DE QUEDA LIVRE (M.Q.L.)

III MOVIMENTO DE QUEDA LIVRE (M.Q.L.) III MOVIMENTO DE QUEDA LIVRE (M.Q.L.) 1. INTRODUÇÃO Ao caminhar por praias do Nordeste brasileiro, uma pessoa, com certeza, passa junto de coqueiros bem carregados de cocos verdes. Em meio à bela paisagem,

Leia mais

Vestibular1 A melhor ajuda ao vestibulando na Internet Acesse Agora! www.vestibular1.com.br. Cinemática escalar

Vestibular1 A melhor ajuda ao vestibulando na Internet Acesse Agora! www.vestibular1.com.br. Cinemática escalar Cinemática escalar A cinemática escalar considera apenas o aspecto escalar das grandezas físicas envolvidas. Ex. A grandeza física velocidade não pode ser definida apenas por seu valor numérico e por sua

Leia mais

Movimento Uniformemente Variado (MUV)

Movimento Uniformemente Variado (MUV) Movimento Uniformemente Variado (MUV) É o movimento no qual a aceleração escalar é constante e diferente de zero. Portanto, a velocidade escalar sofre variações iguais em intervalos de tempos iguais Observe

Leia mais

Gráficos no MU e MUV. E alguns exercícios de vestibulares

Gráficos no MU e MUV. E alguns exercícios de vestibulares Gráficos no MU e MUV E alguns exercícios de vestibulares Tipos de movimentos -MU Velocidade positiva Velocidade negativa v = s t Que tipo de informação tiramos s x t V x t v = s t s = v. t MUV -espaço

Leia mais

a) O tempo total que o paraquedista permaneceu no ar, desde o salto até atingir o solo.

a) O tempo total que o paraquedista permaneceu no ar, desde o salto até atingir o solo. (MECÂNICA, ÓPTICA, ONDULATÓRIA E MECÂNICA DOS FLUIDOS) 01) Um paraquedista salta de um avião e cai livremente por uma distância vertical de 80 m, antes de abrir o paraquedas. Quando este se abre, ele passa

Leia mais

Exercícios de Física Gravitação Universal

Exercícios de Física Gravitação Universal Exercícios de Física Gravitação Universal 1-A lei da gravitação universal de Newton diz que: a) os corpos se atraem na razão inversa de suas massas e na razão direta do quadrado de suas distâncias. b)

Leia mais

Exercícios de Física Gravitação Universal

Exercícios de Física Gravitação Universal Exercícios de Física Gravitação Universal 1-A lei da gravitação universal de Newton diz que: a) os corpos se atraem na razão inversa de suas massas e na razão direta do quadrado de suas distâncias. b)

Leia mais

Exemplos de aceleração Constante 1 D

Exemplos de aceleração Constante 1 D Exemplos de aceleração Constante 1 D 1) Dada a equação de movimento de uma partícula em movimento retilíneo, s=-t 3 +3t 2 +2 obtenha: a) A velocidade média entre 1 e 4 segundos; e) A velocidade máxima;

Leia mais

Física Unidade IV Balística Série 1 - Queda livre e lançamento vertical

Física Unidade IV Balística Série 1 - Queda livre e lançamento vertical 01 Em uma queda livre, a resultante das forças é o peso; assim: R = P m a = m g a = g = constante Então, se há um movimento uniformemente variado (MUV), os itens b, d, e, g e h estão corretos, e os itens

Leia mais

Prof. Rogério Porto. Assunto: Cinemática em uma Dimensão II

Prof. Rogério Porto. Assunto: Cinemática em uma Dimensão II Questões COVEST Física Mecânica Prof. Rogério Porto Assunto: Cinemática em uma Dimensão II 1. Um carro está viajando numa estrada retilínea com velocidade de 72 km/h. Vendo adiante um congestionamento

Leia mais

UNOCHAPECÓ Lista 03 de exercícios Mecânica (lançamento de projéteis) Prof: Visoli

UNOCHAPECÓ Lista 03 de exercícios Mecânica (lançamento de projéteis) Prof: Visoli UNOCHAPECÓ Lista 03 de exercícios Mecânica (lançamento de projéteis) Prof: Visoli 1. A figura abaixo mostra o mapa de uma cidade em que as ruas retilíneas se cruzam perpendicularmente e cada quarteirão

Leia mais

OSCILAÇÕES: Movimento Harmônico Simples - M. H. S.

OSCILAÇÕES: Movimento Harmônico Simples - M. H. S. Por Prof. Alberto Ricardo Präss Adaptado de Física de Carlos Alberto Gianotti e Maria Emília Baltar OSCILAÇÕES: Movimento Harmônico Simples - M. H. S. Todo movimento que se repete em intervelos de tempo

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN NOME: TURMA: PROFESSOR: G:\2014\Pedagógico\Documentos\Exercicios\Est_Comp_Rec_Parcial\1ª Série\Física.

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN NOME: TURMA: PROFESSOR: G:\2014\Pedagógico\Documentos\Exercicios\Est_Comp_Rec_Parcial\1ª Série\Física. NOME: TURMA: PROFESSOR: 1 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DOS MOVIMENTOS Movimento: Um corpo está em movimento quando a posição entre este corpo e um referencial varia com o tempo. Este é um conceito relativo, pois

Leia mais

1. (Upe 2014) O deslocamento Δ x de uma partícula em função do tempo t é ilustrado no gráfico a seguir:

1. (Upe 2014) O deslocamento Δ x de uma partícula em função do tempo t é ilustrado no gráfico a seguir: 1. (Upe 2014) O deslocamento Δ x de uma partícula em função do tempo t é ilustrado no gráfico a seguir: Com relação ao movimento mostrado no gráfico, assinale a alternativa CORRETA. a) A partícula inicia

Leia mais

Lista de exercícios comitê. (Professor BOB)

Lista de exercícios comitê. (Professor BOB) Lista de exercícios comitê (Professor BOB) 1. (Fuvest) Dois carros, A e B, movem-se no mesmo sentido, em uma estrada reta, com velocidades constantes VÛ=l00km/h e V½=80km/h, respectivamente. a) Qual é,

Leia mais

Cinemática Unidimensional

Cinemática Unidimensional Cinemática Unidimensional 1 INTRODUÇÃO Na Cinemática Unidimensional vamos estudar o movimento de corpos e partículas, analisando termos como deslocamento, velocidade, aceleração e tempo.os assuntos que

Leia mais

MOVIMENTO UNIFORMEMENTE VARIADO (M.U.V)

MOVIMENTO UNIFORMEMENTE VARIADO (M.U.V) INSTITUTO DE EDUCAÇÃO PROF. DENIZARD RIVAIL A Educação é a base da vida 1ºAno do Ensino médio. Turmas: Jerônimo de Mendonça e Pedro Alcantara Disciplina: Física Prof. Dr. Mário Mascarenhas Aluno (a): 1.

Leia mais

UNIDADE 10 ESTUDOS DE MECÂNICA - INÍCIO LISTA DE EXERCÍCIOS

UNIDADE 10 ESTUDOS DE MECÂNICA - INÍCIO LISTA DE EXERCÍCIOS INTRODUÇÃO À FÍSICA turma MAN 26/2 profa. Marta F. Barroso UNIDADE 1 LISTA DE EXERCÍCIOS UNIDADE 1 ESTUDOS DE MECÂNICA - INÍCIO Exercício 1 Movendo-se com velocidade constante de 15 m/s, um trem, cujo

Leia mais

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea 2 O objetivo geral desse curso de Cálculo será o de estudar dois conceitos básicos: a Derivada e a Integral. No decorrer do curso esses dois conceitos, embora motivados de formas distintas, serão por mais

Leia mais

Atenção: é comum alguns vestibulares diferenciar Velocidade Média Vetorial de Velocidade Média Escalar, logo:

Atenção: é comum alguns vestibulares diferenciar Velocidade Média Vetorial de Velocidade Média Escalar, logo: Ciinemátiica É a parte da Física que estuda os movimentos independentes de suas causas. 1. Introdução 1.1. Movimento: é a mudança de posição de um móvel com o passar do tempo em relação a um certo referencial.

Leia mais

Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe

Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe Disciplina: Física Geral e Experimental III Curso: Engenharia de Produção Assunto: Gravitação Prof. Dr. Marcos A. P. Chagas 1. Introdução Na gravitação

Leia mais

Lista de Exercícios - Movimento em uma dimensão

Lista de Exercícios - Movimento em uma dimensão UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA Departamento de Física Disciplina: Física Básica II Lista de Exercícios - Movimento em uma dimensão Perguntas 1. A Figura 1 é uma gráfico

Leia mais

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 82) AD TM TC. Aula 26 (pág. 84) AD TM TC. Aula 27 (pág.

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 82) AD TM TC. Aula 26 (pág. 84) AD TM TC. Aula 27 (pág. Física Setor A rof.: Índice-controle de Estudo Aula 5 (pág. 8) AD TM TC Aula 6 (pág. 84) AD TM TC Aula 7 (pág. 85) AD TM TC Aula 8 (pág. 87) AD TM TC Aula 9 (pág. 87) AD TM TC Aula 30 (pág. 90) AD TM TC

Leia mais

Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar)

Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar) Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar) 1. OBJETIVOS DA EXPERIÊNCIA 1) Esta aula experimental tem como objetivo o estudo do movimento retilíneo uniforme

Leia mais

CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA 2014.2. Cinemática. Isabelle Araújo Engenharia de Produção Myllena Barros Engenharia de Produção

CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA 2014.2. Cinemática. Isabelle Araújo Engenharia de Produção Myllena Barros Engenharia de Produção CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA 2014.2 Cinemática Isabelle Araújo Engenharia de Produção Myllena Barros Engenharia de Produção Cinemática Na cinemática vamos estudar os movimentos sem

Leia mais

Prof. Rogério Porto. Assunto: Cinemática em uma Dimensão III

Prof. Rogério Porto. Assunto: Cinemática em uma Dimensão III Questões COVEST Física Mecânica Prof. Rogério Porto Assunto: Cinemática em uma Dimensão III 1. Um atleta salta por cima do obstáculo na figura e seu centro de gravidade atinge a altura de 2,2 m. Atrás

Leia mais

COLÉGIO JOÃO PAULO I UNIDADE SUL

COLÉGIO JOÃO PAULO I UNIDADE SUL COLÉGIO JOÃO PAULO I UNIDADE SUL Marcelo Rolim EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE CIÊNCIAS (FÍSICA) 8ª SÉRIE ENSINO FUNDAMENTAL 2º TRIMESTRE/2012 Exercícios de Revisão 01. Calcule a distância percorrida por um móvel

Leia mais

Gráficos: Q2)Para cada função posição x(t) diga se a aceleração é positiva, negativa ou nula.

Gráficos: Q2)Para cada função posição x(t) diga se a aceleração é positiva, negativa ou nula. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA-CFM DEPARTAMENTO DE FÍSICA FSC 5107 FÍSICA GERAL IA Semestre 2012.2 LISTA DE EXERCÍCIOS 2 - MOVIMENTO EM UMA DIMENSÃO Gráficos: Q1) Para cada gráfico seguinte de

Leia mais

Movimento Retilíneo Uniforme (MRU) Equação Horária do MRU

Movimento Retilíneo Uniforme (MRU) Equação Horária do MRU Movimento Retilíneo Uniforme (MRU) velocímetro do automóvel da figura abaixo marca sempre a mesma velocidade. Quando um móvel possui sempre a mesma velocidade e se movimenta sobre uma reta dizemos que

Leia mais

a) O movimento do ciclista é um movimento uniforme, acelerado ou retardado? Justifique.

a) O movimento do ciclista é um movimento uniforme, acelerado ou retardado? Justifique. NOME: Nº. Progressão Parcial da1 a série (EM) TURMA: 21D DATA: 23/ 03/ 12 DISCIPLINA: Física PROF. : Petrônio ASSUNTO: Exercício de revisão sobre movimento acelerado VALOR: NOTA: 1) Escreva no espaço abaixo

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Instituto de Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciência e Tecnologia

Universidade Federal de São Paulo Instituto de Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciência e Tecnologia Universidade Federal de São Paulo Instituto de Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciência e Tecnologia Oscilações 1. Movimento Oscilatório. Cinemática do Movimento Harmônico Simples (MHS) 3. MHS e Movimento

Leia mais

PRIMEIRO TRIMESTRE NOTAS DE AULAS LUCAS XAVIER www.wikifisica.com (FILOMENA E CORONEL) FÍSICA

PRIMEIRO TRIMESTRE NOTAS DE AULAS LUCAS XAVIER www.wikifisica.com (FILOMENA E CORONEL) FÍSICA α β χ δ ε φ ϕ γ η ι κ λ µ ν ο π ϖ θ ϑ ρ σ ς τ υ ω ξ ψ ζ Α Β Χ Ε Φ Γ Η Ι Κ Λ Μ Ν Ο Π Θ Ρ Σ Τ Υ Ω Ξ Ψ Ζ PRIMEIRO TRIMESTRE NOTAS DE AULAS LUCAS XAVIER www.wikifisica.com (FILOMENA E CORONEL) FÍSICA Ciência

Leia mais

Lista de exercícios nº 2

Lista de exercícios nº 2 F107 Física (Biologia) Turma B Prof. Odilon D. D. Couto Jr. Lista de exercícios nº 2 MOVIMENTO EM UMA DIMENSÃO Exercício 1: A velocidade escalar média é definida como a razão entre a distância total percorrida

Leia mais

Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo.

Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo. Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Cinemática Básica: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo. Velocidade: Consiste na taxa de variação dessa distância

Leia mais

Física Simples e Objetiva Mecânica Cinemática e Dinâmica Professor Paulo Byron. Apresentação

Física Simples e Objetiva Mecânica Cinemática e Dinâmica Professor Paulo Byron. Apresentação Apresentação Após lecionar em colégios estaduais e particulares no Estado de São Paulo, notei necessidades no ensino da Física. Como uma matéria experimental não pode despertar o interesse dos alunos?

Leia mais

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_ 4.O gráfico apresentado mostra a elongação em função do tempo para um movimento harmônico simples.

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_ 4.O gráfico apresentado mostra a elongação em função do tempo para um movimento harmônico simples. Eercícios Movimento Harmônico Simples - MHS 1.Um movimento harmônico simples é descrito pela função = 7 cos(4 t + ), em unidades de Sistema Internacional. Nesse movimento, a amplitude e o período, em unidades

Leia mais

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - UEMS 1 a LISTA DE EXERCÍCIOS DE MECÂNICA - NOTURNO. Sejam 3 vetores a, b e c dados por.

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - UEMS 1 a LISTA DE EXERCÍCIOS DE MECÂNICA - NOTURNO. Sejam 3 vetores a, b e c dados por. Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - UEMS 1 a LISTA DE EXERCÍCIOS DE MECÂNICA - NOTURNO Questão 1 Sejam 3 vetores a, b e c dados por a = (2, 1, 3), b = ( 1, 1, 0) e c = (0, 2, 1). Determine: a)

Leia mais

b) Qual deve ser a aceleração centrípeta, para que com esta velocidade, ele faça uma trajetória circular com raio igual a 2m?

b) Qual deve ser a aceleração centrípeta, para que com esta velocidade, ele faça uma trajetória circular com raio igual a 2m? 1 - Dadas as medidas da bicicleta abaixo: a) Sabendo que um ciclista pedala com velocidade constante de tal forma que o pedal dá duas voltas em um segundo. Qual a velocidade linear, em km/h da bicicleta?

Leia mais

Provas Comentadas OBF/2011

Provas Comentadas OBF/2011 PROFESSORES: Daniel Paixão, Deric Simão, Edney Melo, Ivan Peixoto, Leonardo Bruno, Rodrigo Lins e Rômulo Mendes COORDENADOR DE ÁREA: Prof. Edney Melo 1. Um foguete de 1000 kg é lançado da superfície da

Leia mais

MUV. constante igual a a 2,0 m/s. O veículo B, distando d = 19,2 km do veículo A, parte com aceleração constante igual a veículos, em segundos.

MUV. constante igual a a 2,0 m/s. O veículo B, distando d = 19,2 km do veículo A, parte com aceleração constante igual a veículos, em segundos. MUV 1. (Espcex (Aman) 013) Um carro está desenvolvendo uma velocidade constante de 7 km h em uma rodovia federal. Ele passa por um trecho da rodovia que está em obras, onde a velocidade máxima permitida

Leia mais

Aulas 8 e 9. Aulas 10 e 11. Colégio Jesus Adolescente. a n g l o

Aulas 8 e 9. Aulas 10 e 11. Colégio Jesus Adolescente. a n g l o Colégio Jesus Adolescente a n g l o Ensino Médio 1º Bimestre Disciplina Física Setor A Turma 1º ANO Professor Gnomo Lista de Exercício Bimestral SISTEMA DE ENSINO Aulas 8 e 9 1) Um autorama descreve uma

Leia mais

MOVIMENTOS VERTICAIS NO VÁCUO

MOVIMENTOS VERTICAIS NO VÁCUO MOVIMENTOS VERTICAIS NO VÁCUO MOVIMENTOS VERTICAIS NO VÁCUO 4.1 - INTRODUÇÃO Desde a antigüidade o estudo dos movimentos verticais era de grande importância para alguns cientistas conceituados, este era

Leia mais

Exercícios sobre Movimentos Verticais

Exercícios sobre Movimentos Verticais Exercícios sobre Movimentos Verticais 1-Uma pedra, deixada cair do alto de um edifício, leva 4,0 s para atingir o solo. Desprezando a resistência do ar e considerando g = 10 m/s 2, escolha a opção que

Leia mais

Lançamento Vertical e Queda Livre

Lançamento Vertical e Queda Livre Lançamento Vertical e Queda Livre 1 (Uerj 13) Três pequenas esferas, e uma mesma altura, verticalmente para o solo Observe as informações da tabela: Esfera Material Velocidade inicial E 1 chumbo E alumínio

Leia mais

EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARALELA 4º BIMESTRE

EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARALELA 4º BIMESTRE EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARALELA 4º BIMESTRE NOME Nº SÉRIE : 1º EM DATA : / / BIMESTRE 3º PROFESSOR: Renato DISCIPLINA: Física 1 VISTO COORDENAÇÃO ORIENTAÇÕES: 1. O trabalho deverá ser feito em papel

Leia mais

Física. Cinemática EDUCACIONAL EXERCÍCIOS. 01.(FM-Santos) Considere um ponto na superfície da Terra. É correto afirmar que:

Física. Cinemática EDUCACIONAL EXERCÍCIOS. 01.(FM-Santos) Considere um ponto na superfície da Terra. É correto afirmar que: Física Cinemática EXECÍCIOS 1.(FM-Santos) Considere um ponto na superfície da Terra. É correto afirmar que: a) o ponto descreve uma trajetória circular b) o ponto está em repouso c) o ponto descreve uma

Leia mais

F-128 Física Geral I 2 o Semestre 2012 LISTA DO CAPÍTULO 2

F-128 Física Geral I 2 o Semestre 2012 LISTA DO CAPÍTULO 2 Questão 1 Um motorista de um carro que vai 52 km/h freia, desacelera uniformemente e para em 5 segundos. Outro motorista, que vai a 34 km/h, freia mais suavemente, e para em 10 segundos. Represente em

Leia mais

Gráficos de M.U. Movimento Uniforme

Gráficos de M.U. Movimento Uniforme Gráficos de M.U. Movimento Uniforme 1. (Fuvest 1989) O gráfico a seguir ilustra a posição s, em função do tempo t, de uma pessoa caminhando em linha reta durante 400 segundos. Assinale a alternativa correta.

Leia mais

1 Introdução a Cinemática

1 Introdução a Cinemática 1 Introdução a Cinemática A cinemática é a parte da mecânica que estuda e descreve os movimentos, sem se preocupar com as suas causas. Seu objetivo é descrever apenas como se movem os corpos. A parte da

Leia mais

Força atrito. Forças. dissipativas

Força atrito. Forças. dissipativas Veículo motorizado 1 Trabalho Ocorrem variações predominantes de Por ex: Forças constantes Sistema Termodinâmico Onde atuam Força atrito É simultaneamente Onde atuam Sistema Mecânico Resistente Ocorrem

Leia mais

2 LISTA DE FÍSICA SÉRIE: 1º ANO TURMA: 2º BIMESTRE NOTA: DATA: / / 2011 PROFESSOR:

2 LISTA DE FÍSICA SÉRIE: 1º ANO TURMA: 2º BIMESTRE NOTA: DATA: / / 2011 PROFESSOR: 2 LISTA DE FÍSICA SÉRIE: 1º ANO TURMA: 2º BIMESTRE DATA: / / 2011 PROFESSOR: ALUNO(A): Nº: NOTA: Questão 1 - A cidade de São Paulo tem cerca de 23 km de raio. Numa certa madrugada, parte-se de carro, inicialmente

Leia mais

Slides para os alunos do 9º ano Colégio Módulo. Professor André Weber

Slides para os alunos do 9º ano Colégio Módulo. Professor André Weber Slides para os alunos do 9º ano Colégio Módulo Professor André Weber Movimento Uniforme O móvel percorre espaços iguais em tempos iguais (velocidade constante). Qual móvel está em MU? Azul Movimento Uniforme

Leia mais

www.enemdescomplicado.com.br

www.enemdescomplicado.com.br Exercícios de Física Gravitação Universal 1-A lei da gravitação universal de Newton diz que: a) os corpos se atraem na razão inversa de suas massas e na razão direta do quadrado de suas distâncias. b)

Leia mais

ALUNO: Nº SÉRIE: DATA: / / PROF.: VICTOR GERMINIO

ALUNO: Nº SÉRIE: DATA: / / PROF.: VICTOR GERMINIO ALUNO: Nº SÉRIE: DATA: / / PROF.: VICTOR GERMINIO LEIA A PROVA COM ATENÇÃO. NÃO SE DEIXE LEVAR PELA PRESSA. RELEIA ANTES DE ENTREGÁ-LA. EVITE RASURAS. AS QUESTÕES OBJETIVAS RASURADAS SERÃO ANULADAS. EXERCÍCIO

Leia mais

Capítulo 4 Trabalho e Energia

Capítulo 4 Trabalho e Energia Capítulo 4 Trabalho e Energia Este tema é, sem dúvidas, um dos mais importantes na Física. Na realidade, nos estudos mais avançados da Física, todo ou quase todos os problemas podem ser resolvidos através

Leia mais

ALUNO(A): Nº TURMA: TURNO: DATA: / / SEDE:

ALUNO(A): Nº TURMA: TURNO: DATA: / / SEDE: Professor: Edney Melo ALUNO(A): Nº TURMA: TURNO: DATA: / / SEDE: 01. As pirâmides do Egito estão entre as construções mais conhecidas em todo o mundo, entre outras coisas pela incrível capacidade de engenharia

Leia mais

Exercícios resolvidos recomendados para consolidação do estudo:

Exercícios resolvidos recomendados para consolidação do estudo: Exercícios resolvidos recomendados para consolidação do estudo: 1. (PUC-SP) A função horária das posições de um móvel sobre uma trajetória retilínea é S= 10 2t (no SI). Pede-se: b) a posição do móvel no

Leia mais

Ensino Médio Unidade Parque Atheneu Professor (a): Junior Condez Aluno (a): Série: 1ª Data: / / 2015. LISTA DE FÍSICA II

Ensino Médio Unidade Parque Atheneu Professor (a): Junior Condez Aluno (a): Série: 1ª Data: / / 2015. LISTA DE FÍSICA II Ensino Médio Unidade Parque Atheneu Professor (a): Junior Condez Aluno (a): Série: 1ª Data: / / 2015. LISTA DE FÍSICA II Obs: A lista somente será aceita com os cálculos. 1) Duas bolas de dimensões desprezíveis

Leia mais

FÍSICA GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS 2 APOSTILA 13

FÍSICA GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS 2 APOSTILA 13 FÍSICA rof. aphael GABAIO LISA DE EXECÍCIOS AOSILA esposta da questão : a) O enunciado afirma que após atinir a altura de m a velocidade torna-se constante e iual a m/s. Ora, de a s, a ordenada y mantém-se

Leia mais

horizontal, se choca frontalmente contra a extremidade de uma mola ideal, cuja extremidade oposta está presa a uma parede vertical rígida.

horizontal, se choca frontalmente contra a extremidade de uma mola ideal, cuja extremidade oposta está presa a uma parede vertical rígida. Exercícios: Energia 01. (UEPI) Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas das frases abaixo. O trabalho realizado por uma força conservativa, ao deslocar um corpo entre dois pontos é da

Leia mais

Capítulo 16. Gravitação. Página 231

Capítulo 16. Gravitação. Página 231 Capítulo 16 Gravitação Página 231 O peso de um corpo é consequência da força de gravidade com que o corpo é atraído pela Terra ou por outro astro. É medido com dinamômetro. Não levando em conta os efeitos

Leia mais

sendo as componentes dadas em unidades arbitrárias. Determine: a) o vetor vetores, b) o produto escalar e c) o produto vetorial.

sendo as componentes dadas em unidades arbitrárias. Determine: a) o vetor vetores, b) o produto escalar e c) o produto vetorial. INSTITUTO DE FÍSICA DA UFRGS 1 a Lista de FIS01038 Prof. Thomas Braun Vetores 1. Três vetores coplanares são expressos, em relação a um sistema de referência ortogonal, como: sendo as componentes dadas

Leia mais

Física. Questão 1. Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor:

Física. Questão 1. Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor: Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor: Física Questão 1 No setor de testes de velocidade de uma fábrica de automóveis, obteve-se o seguinte gráfico para o desempenho de um modelo novo: Com relação

Leia mais

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 16 GRÁFICOS DA CINEMÁTICA REVISÃO

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 16 GRÁFICOS DA CINEMÁTICA REVISÃO FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 16 GRÁFICOS DA CINEMÁTICA REVISÃO Como pode cair no enem? O estudo dos movimentos (Uniforme e Uniformemente Variado) é a aplicação física do estudo das funções em Matemática. As

Leia mais

Cinemática sem fórmulas?

Cinemática sem fórmulas? Cinemática sem fórmulas? Prof. Fernando Lang da Silveira IF-UFRGS Segundo Piaget a idéia de velocidade nas crianças é geneticamente anterior a de espaço percorrido, de deslocamento. Einstein, ao assistir

Leia mais

MCU Movimento Circular Uniforme Sem transmissão de movimento

MCU Movimento Circular Uniforme Sem transmissão de movimento MCU Movimento Circular Uniforme Sem transmissão de movimento 1. (Pucrj 2013) A Lua leva 28 dias para dar uma volta completa ao redor da Terra. Aproximando a órbita como circular, sua distância ao centro

Leia mais

Você acha que o rapaz da figura abaixo está fazendo força?

Você acha que o rapaz da figura abaixo está fazendo força? Aula 04: Leis de Newton e Gravitação Tópico 02: Segunda Lei de Newton Como você acaba de ver no Tópico 1, a Primeira Lei de Newton ou Princípio da Inércia diz que todo corpo livre da ação de forças ou

Leia mais

MOVIMENTO SOB A AÇÃO DA GRAVIDADE QUEDA LIVRE Lançamento obliquo e horizontal. profº CARLOS ALÍPIO

MOVIMENTO SOB A AÇÃO DA GRAVIDADE QUEDA LIVRE Lançamento obliquo e horizontal. profº CARLOS ALÍPIO 1 MOVIMENTO SOB A AÇÃO DA GRAVIDADE QUEDA LIVRE Lançamento obliquo e horizontal 2 QUEDA LIVRE MOVIMENTO SOB AÇÃO DA GRAVIDADE Na natureza podemos observar que um corpo abandonado dentro do campo gravitacional

Leia mais

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 17 LANÇAMENTO VERTICAL E QUEDA LIVRE

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 17 LANÇAMENTO VERTICAL E QUEDA LIVRE FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 17 LANÇAMENTO VERTICAL E QUEDA LIVRE Como pode cair no enem? celeração de 5 g (ou 50 m/s²), ocorrendo o enrijecimento dos músculos devido a força que o sangue exerce na volta

Leia mais

PRATICA EXPERIMENTAL. Introdução:

PRATICA EXPERIMENTAL. Introdução: PRATICA 2: Corpos em queda livre PRATICA EXPERIMENTAL Introdução: Ao deixar um corpo cair próximo da terra, este corpo será atraído verticalmente para baixo. Desprezando-se se a resistência do ar, todos

Leia mais

Lista de Exercícios de Física

Lista de Exercícios de Física Lista de Exercícios de Física Assunto: Dinâmica do Movimento Circular, Trabalho e Potência Prof. Allan 1- Um estudante, indo para a faculdade, em seu carro, desloca-se num plano horizontal, no qual descreve

Leia mais

CDF-CURSO DE FÍSICA SIMULADO VIRTUAL

CDF-CURSO DE FÍSICA SIMULADO VIRTUAL 1.Suponha que desejo medir o tamanho do besouro, vamos medir com uma régua especial, graduada em centímetros, como mostra a figura.. qual das alternativas abaixo melhor caracteriza a medida do tamanho

Leia mais

Unidade IX: Gravitação Universal

Unidade IX: Gravitação Universal Página 1 de 5 Unidade IX: Gravitação Universal 9.1 Introdução: Até o século XV, o homem concebia o Universo como um conjunto de esferas de cristal, com a Terra no centro. Essa concepção do Universo, denominada

Leia mais

material, porque seus 4 m de comprimento tornam-se desprezíveis se comparados aos 20000 m de percurso. Ponto Material

material, porque seus 4 m de comprimento tornam-se desprezíveis se comparados aos 20000 m de percurso. Ponto Material Estudante: 9º Ano/Turma: Data / /2014 Educadora: Daiana Araújo C.Curricular: Ciências Naturais/ Física A Mecânica é o ramo da Física que tem por finalidade o estudo do movimento e do repouso. É dividida

Leia mais

www.concursovirtual.com.br

www.concursovirtual.com.br Cinemática: É a parte da mecânica que estuda os movimentos, procurando determinar a posição, velocidade e aceleração do corpo a cada instante. Ponto Material: É todo corpo que não possua dimensões a serem

Leia mais

EXERCÍCIOS 2ª SÉRIE - LANÇAMENTOS

EXERCÍCIOS 2ª SÉRIE - LANÇAMENTOS EXERCÍCIOS ª SÉRIE - LANÇAMENTOS 1. (Unifesp 01) Em uma manhã de calmaria, um Veículo Lançador de Satélite (VLS) é lançado verticalmente do solo e, após um período de aceleração, ao atingir a altura de

Leia mais

Exercícios cinemática MCU, Lançamento horizontal e Oblíquo

Exercícios cinemática MCU, Lançamento horizontal e Oblíquo Física II Professor Alexandre De Maria Exercícios cinemática MCU, Lançamento horizontal e Oblíquo COMPETÊNCIA 1 Compreender as Ciências Naturais e as tecnologias a elas associadas como construções humanas,

Leia mais

Resumo de Física 2C13 Professor Thiago Alvarenga Ramos

Resumo de Física 2C13 Professor Thiago Alvarenga Ramos Resumo de Física 2C13 Professor Thiago Alvarenga Ramos ENERGIA Grandeza escalar que existe na natureza em diversas formas: mecânica, térmica, elétrica, nuclear, etc. Não pode ser criada nem destruída;

Leia mais

Lista de Exercícios - Integrais

Lista de Exercícios - Integrais Lista de Exercícios - Integrais 4) Calcule as integrais indefinidas: 5) Calcule as integrais indefinidas: 1 6) Suponha f(x) uma função conhecida e que queiramos encontrar uma função F(x), tal que y = F(x)

Leia mais

12-Função Horária da Posição do Movimento Uniforme

12-Função Horária da Posição do Movimento Uniforme 12-Função Horária da Posição do Movimento Uniforme Vamos agora chegar a uma função que nos vai fornecer a posição de um móvel sobre uma trajetória em qualquer instante dado. Para isto, vamos supor que

Leia mais

Lançamento Horizontal

Lançamento Horizontal Lançamento Horizontal 1. (Ufsm 2013) Um trem de passageiros passa em frente a uma estação, com velocidade constante em relação a um referencial fixo no solo. Nesse instante, um passageiro deixa cair sua

Leia mais

Revisão Cinemática (Movimento Vertical no Vácuo)

Revisão Cinemática (Movimento Vertical no Vácuo) INSTITUTO DE EDUCAÇÃO PROF. DENIZARD RIVAIL A Educação é a base da vida 1ºAno do Ensino médio. Turmas: Jerônimo de Mendonça e Pedro Alcantara Disciplina: Física Prof. Dr. Mário Mascarenhas Aluno (a): Revisão

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 6. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo de a para b é dado por: = =

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 6. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo de a para b é dado por: = = Energia Potencial Elétrica Física I revisitada 1 Seja um corpo de massa m que se move em linha reta sob ação de uma força F que atua ao longo da linha. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo

Leia mais

DINÂMICA. Força Resultante: É a força que produz o mesmo efeito que todas as outras aplicadas a um corpo.

DINÂMICA. Força Resultante: É a força que produz o mesmo efeito que todas as outras aplicadas a um corpo. DINÂMICA Quando se fala em dinâmica de corpos, a imagem que vem à cabeça é a clássica e mitológica de Isaac Newton, lendo seu livro sob uma macieira. Repentinamente, uma maçã cai sobre a sua cabeça. Segundo

Leia mais

FÍSICA - MOVIMENTO CIRCULAR UNIFORME - PARÂMETROS SITE: www.sofstica.com.br Responsável: Sebastião Alves da Silva Filho Data: 02.12.

FÍSICA - MOVIMENTO CIRCULAR UNIFORME - PARÂMETROS SITE: www.sofstica.com.br Responsável: Sebastião Alves da Silva Filho Data: 02.12. O MOVIMENTO CIRCULAR Podemos definir movimento circular como todo aquele em que a trajetória percorrida por um móvel corresponde a uma circunferência. Não custa insistir, ainda uma vez, que a circunferência

Leia mais

Professor : Vinicius Jacques Data: 03/08/2010 EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES / LEIS DE NEWTON

Professor : Vinicius Jacques Data: 03/08/2010 EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES / LEIS DE NEWTON Aluno (a): N Série: 1º Professor : Vinicius Jacques Data: 03/08/2010 Disciplina: FÍSICA EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES / LEIS DE NEWTON 01. Explique a função do cinto de segurança de um carro, utilizando o

Leia mais

Unidade IX: Gravitação Universal

Unidade IX: Gravitação Universal Colégio Santa Catarina Unidade IX: Gravitação Universal 143 Unidade IX: Gravitação Universal 9.1 Introdução: Até o século XV, o homem concebia o Universo como um conjunto de esferas de cristal, com a Terra

Leia mais

Programa de Retomada de Conteúdo - 3º Bimestre

Programa de Retomada de Conteúdo - 3º Bimestre Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio Regular. Rua Cantagalo 313, 325, 337 e 339 Tatuapé Fones: 2293-9393 e 2293-9166 Diretoria de Ensino Região LESTE 5 Programa de Retomada de Conteúdo

Leia mais

Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de Admissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx

Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de Admissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de dmissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx Questão Concurso 009 Uma partícula O descreve um movimento retilíneo uniforme e está

Leia mais

7] As polias indicadas na figura se movimentam em rotação uniforme, ligados por um eixo fixo.

7] As polias indicadas na figura se movimentam em rotação uniforme, ligados por um eixo fixo. Colégio Militar de Juiz de Fora Lista de Exercícios C PREP Mil Prof.: Dr. Carlos Alessandro A. Silva Cinemática: Vetores, Cinemática Vetorial, Movimento Circular e Lançamento de Projéteis. Nível I 1] Dois

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 3 o ano Disciplina: Física Eletrostática. Pré Universitário Uni-Anhanguera 01 - (MACK SP)

Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 3 o ano Disciplina: Física Eletrostática. Pré Universitário Uni-Anhanguera 01 - (MACK SP) Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 3 o ano Disciplina: Física Eletrostática 01 - (MACK SP) Fixam-se as cargas puntiformes q 1 e q 2, de

Leia mais

LANÇAMENTO OBLÍQUO (PROF. VADO)

LANÇAMENTO OBLÍQUO (PROF. VADO) LANÇAMENTO OBLÍQUO (PROF. VADO) 01) PUCSP- Suponha que em uma partida de futebol, o goleiro, ao bater o tiro de meta, chuta a bola, imprimindo-lhe uma velocidade V 0 cujo vetor forma, com a horizontal,

Leia mais

04) A posição de um objeto movendo-se ao longo do eixo x é dada por x = 3t - 4t² + t³, onde x está em metros e t em segundos.

04) A posição de um objeto movendo-se ao longo do eixo x é dada por x = 3t - 4t² + t³, onde x está em metros e t em segundos. Código: FISAP Disciplina: Física Aplicada Preceptores: Marisa Sayuri e Rodrigo Godoi Semana: 27/04/15 Lista 3- Movimento Retilíneo 01) A distância média da Terra ao Sol é igual a 150 milhões de quilômetros.

Leia mais