Aprendizagem Organizacional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aprendizagem Organizacional"

Transcrição

1 Aprendizagem Organizacional Emanuel Alexandre Moreira Pessanha - Cap Centro Integrado de Guerra Eletrônica CIGE Brasília, DF. Resumo Este artigo traz o conceito de aprendizagem organizacional e sua importância para uma organização, descrevendo atividades que potencializam a capacidade de aprender coletivamente. Atualmente, a aprendizagem organizacional é um diferencial significativo existente entre empresas e instituições. Envolve uma série de procedimentos e aspectos que devem ser implantados, de forma a criar condições necessárias ao desenvolvimento do aprendizado em uma coletividade. Palavras-chaves Aprendizagem Organizacional, Aprendizagem Coletiva, Liderança e Organizações. I. INTRODUÇÃO Excelência em resultados e o sucesso sustentado das organizações são funções diretas da capacidade de aprender coletivamente. (CAVALCANTE, 2002) [1] Em plena Era do Conhecimento, pessoas e organizações devem estar em constante atualização. As organizações precisam desenvolver suas habilidades em adquirir, interpretar e disponibilizar adequadamente as informações a todo instante. Transformar os locais de trabalho em organizações de aprendizagem passou a ser grande foco de interesse dos administradores. Dessa forma, o aprendizado nas organizações surge como uma janela de oportunidades, apontando soluções radicalmente diferentes para os problemas e provocando grandes saltos no desenvolvimento organizacional. A aprendizagem organizacional é uma mudança do comportamento da organização, um processo de aprendizagem coletiva. As organizações que aprendem são aquelas que desenvolvem sua capacidade de mudar e se adaptar continuamente. Nestas organizações, as pessoas abrem mão de suas velhas idéias, aprendem a ser abertas umas com as outras, compreendem como o local de trabalho realmente funciona, formam um plano ou visão com o qual todos concordam e depois trabalham em conjunto para conquistar essa visão [2]. Como sugere Senge [3]: "tudo gira em torno do que pensamos e de como fazemos o que pretendemos para nossa organização". Dentro deste contexto, serão apresentadas características evidenciadas por organizações que aprendem. II. CARACTERÍSTICAS EVIDENCIADAS POR ORGANI- ZAÇÕES QUE APRENDEM a. Trabalho em equipe No mundo moderno, o trabalho em equipe ganhou importância, uma vez que uma pessoa só, devido à quantidade de informações, não tem condições de processar todas as variáveis. O assunto é relevante, e as empresas estão reformulando seus organogramas e seções, de forma a evidenciar o trabalho em equipe. Atualmente, as empresas estão procurando pessoas que saibam trabalhar em equipe. A capacidade de relacionamento muitas vezes tem sido fator determinante na contratação de funcionários, sobrepondo inclusive o conhecimento dos mesmos. Esta capacidade é fundamental para que um trabalho em equipe possa fluir. O trabalho em equipe torna-se importante, no momento em que a fragmentação, baseada na especialização, cria 'paredes' e 'chaminés' que separam as diferentes funções em territórios independentes e, freqüentemente, inimigos. Uma ênfase muito grande na competição costuma prejudicar a colaboração. A reatividade muda o foco da atenção da administração para a solução de problemas, assumindo o lugar da criatividade. 1º) As equipes têm de aprender a utilizar o potencial de muitas mentes, sem evidenciar necessariamente uma única. 2º) As ações da equipe precisam ser inovadoras e coordenadas, de maneira a cada membro permanecer consciente dos outros membros e buscando agir de modo a complementar as ações destes outros membros. 3º) Uma equipe que aprende serve de estímulo constante a outras equipes, por intermédio da disseminação de suas práticas e habilidades de aprender em equipe de forma mais ampla. Quadro 1. Observações sobre o trabalho em equipe, [4] b. Tempo para reflexão A criação de uma rede de proteção para a reflexão individual e coletiva, capaz de sustentar a possibilidade da inovação e da mudança, é fundamental, pois garante um tempo livre para os sujeitos organizacionais refletirem. Para algumas organizações que ainda não compreenderam seu papel nesta nova ordem mundial, a criatividade e a iniciativa são vistas como perda de tempo e, conseqüentemente, de dinheiro que, de certa forma, se converteu em fim único. As reuniões semanais representam oportunidades para que sejam debatidos os assuntos da semana. Nestas reuniões, os assuntos são expostos para tirar as dúvidas, para esclarecer, informar sobre isso ou aquilo, que pode ser complementado

2 com as capacitações e as avaliações de desempenho para estimularem a aprendizagem. c. O tratamento de erros O modo como uma organização trata os erros é de suma importância, uma vez que errar é uma característica do ser humano, um ser totalmente analógico. Na aprendizagem coletiva, não há competição, só colaboração. Ela não é ditatorial, mas facilitadora. Ou seja, todos podem cometer erros, mas são guiados para a rota correta. A aprendizagem é algo para a vida toda. As pessoas devem estar abertas a rever sua perspectiva, ou seja, reavaliar suas idéias, abrir mão de velhas formas de pensar e fazer as coisas, bem como de quebrar paradigmas que já estão estabelecidos e enraizados em sua forma de ser. Esta não é uma tarefa fácil. As organizações que aprendem exercem continuamente a análise crítica de cada ação. Neste ponto, as pessoas separam o lado pessoal do lado profissional. Uma lição difícil de ser assimilada, pois não faz parte da cultura nacional. Dentro da questão do tratamento de erros, cresce de importância o conceito da Subsidariedade, que estimula o aprendizado por meio das experiências. O referido conceito encontra-se descrito a seguir, [5]: "Um organismo superior não deve assumir responsabilidades que podem, e devem ser exercidas por um organismo subordinado. As organizações, na verdade, costumavam ser projetadas de forma a assegurar que os erros jamais acontecessem. Isto acabou se tornando bastante caro em termos de controle, muito inibidor e nada criativo. A ausência de erros também denotava a ausência de experiências. Na situação de subsidariedade, o controle vem depois do fato. Deve-se primeiro confiar nas pessoas ou grupos até prova em contrário. A tarefa do líder é assegurar que as pessoas ou grupos são competentes para exercer a responsabilidade a eles atribuída, que compreendam as metas da organização e se comprometam com elas." d. A virtude da percepção dos erros A virtude da percepção dos erros é encontrada em organizações que aprendem a se situar. Estas organizações identificam quais são as suas reais aptidões, como também mapeiam os seus defeitos, aptidões que não possuem, descobrindo fragilidades e potencialidades [6]. Uma organização que aprende tem a virtude de reconhecer os próprios erros, pois, sem isso, o aprendizado não ocorre, fato comprovado no estudo de Redes Neurais Artificiais. Apesar de ser bonito e favorecer a captação de diversos bônus, o teatro esconde o que necessita ser corrigido, não propiciando o aprendizado, além de enfraquecer quem realmente tem condições de fazer o trabalho desejado, ao desviar a atenção os bônus, transformando-se em um verdadeiro engodo. Especificamente sobre o teatro, o mesmo é produto da competição interna, que, apesar de, a curto prazo, promover uma série de melhorias, a longo prazo, é o responsável por resultados terríveis. Pensamentos como A boa sorte de um amigo é uma benção para nós (econtrado no filme Sete anos no Tibet) fortalecem os elos de uma organização, unindo e consolidando parcerias, sendo também encontrados nas organizações que aprendem. e. Liderança Na distinção polar estabelecida por Bennis [7] entre liderança e gestão, a primeira sabe o que é necessário fazer e o que é certo, enquanto o gestor sabe como fazer as coisas de forma certa (Quadro 2). Para justificar esta polarização um tanto rígida, o autor sustenta que as organizações sofreriam de uma saturação de gestão "procedimental" e de uma ausência flagrante de liderança. Em função desta falta, as organizações teriam concentrado suas energias nos instrumentos de gestão, criando muitas vezes monstros burocráticos. As organizações que aprendem equilibram a gestão burocrática com liderança, entendida como uma abordagem da condução preocupada com a inovação e a mudança (desenvolvimento). O responsável pela solução de problemas tenta fazer com que alguma coisa continue funcionando, enquanto o criador tenta fazer algo novo para a situação. Quadro 2. Distinção entre gestão e liderança, [8] e [9] Gestão (fazer bem as coisas) Preocupação maior com: - Administração - Manutenção - Sistema/Estrutura - Curto prazo - Como? - Sistemas, recursos, tecnologia - Obediência - Controle Fonte: Crozier & Sérieyx apud Rivera, 2003 Liderança (saber o que fazer) Preocupação maior com: - Inovação - Desenvolvimento - Gente/ Confiança - Longo prazo - O quê? Por quê - Visão - Comprometimento - Poder Quadro 3. Mitos e realidades sobre liderança, [10] e [9] Liderança não é Liderança é 1. mágica ou mistério 1. habilidade humana e gerencial 2. propriedade de pessoas 2. alcançável por pessoas eminentes comuns 3. fruto de qualidades 3. produto de habilidades e especiais inatas conhecimentos aprendidos 4. panacéia para a solução de 4. forma de comunicação e todos os problemas articulação de uma missão e 5. uso do poder pessoal para garantir seguidores ou propósitos pessoais Fonte: Motta, p.222. de futuros alternativos 5. uso do poder existente para garantir o alcance de propósitos comuns O líder também tem a missão criar condições para tornar os recursos humanos mais capazes durante a sua caminhada, ou seja, investi-los de Empowerment [5], termo usado em programas de capacitação de recursos humanos. As organizações que aprendem trabalham no desenvolvimento do ser humano e não buscam apenas receber pessoas

3 totalmente prontas para uma determinada função. Reuniões mensais para estudos, discussão de procedimentos e troca de experiências, como também o assessoramento à coordenação e à direção, referente ao desenvolvimento humano, com o intuito de definir papéis a serem desempenhados, assim como análisar estratégias e atitudes a serem adotadas, representam formas de implementar o desenvolvimento das habilidades dos gestores. Segue, no Quadro 4, o conceito de Cadeia de Liderança, caracterizado por sua importância e pela sua simplicidade, contribuindo assim para o aprendizado do mesmo. Quadro 4. Cadeia de Liderança, [11] CADEIA DE LIDERANÇA - No trabalho com líderes subordinados, o comandante de uma fração deve preferir, sempre que for possível, um estilo de liderança participativo ou delegativo, mantendo em alerta o bom senso, a empatia e o tato, lembrando que os bons líderes têm luz própria e não precisam ser empurrados para frente. Contudo, o comandante de fração não pode deixar de estar perfeitamente informado sobre o que se passa e sobre os projetos em andamento. Deve coordenar os esforços para que os objetivos marcados sejam plenamente atingidos, tomando as decisões vitais para o desenvolvimento dos trabalhos e se responsabilizando pelos resultados alcançados, sejam eles bons ou maus. É preciso, ainda, manter contato aproximado com os líderes subordinados, indo até eles, iniciando a conversa e estimulando-os para que exponham seus problemas e opiniões. Dessa maneira, pouco a pouco, será estabelecida dentro da fração uma sólida cadeia de liderança, coincidente com a cadeia de comando, com a qual o comandante poderá enfrentar os desafios, na paz e na guerra, aplicando as idéias acima desenvolvidas em todos os escalões. f. Promoção do pensamento estratégico Organizações de sucesso fabricam sua estratégia, uma vez que estão continuamente aprendendo com as constantes mudanças nas condições dos negócios, ponderando o desejável e o factível. O segredo não está em obter a estratégia certa, mas sim em promover o pensamento estratégico. A escolha do projeto específico é apenas parte da necessidade do criador da política. O mais importante é a necessidade de conseguir enxergar a complexidade e formular conceitos e visões de mundo para lidar com essa complexidade. A promoção de um ambiente de aprendizagem e a valorização do pensamento estratégico são funções essenciais da liderança (Quem está capacitado para fazer mais, também está em condições de atender necessidades menores - fazer menos). g. Ciclo OADI e o aproveitamento do tempo O Ciclo OADI (sigla em inglês, que significa: observaravaliar-projetar-implementar), representado na Figura 1, foi criado para ser aplicado em um contexto organizacional. Este Ciclo apresenta conexões mais claras com as atividades. FIGURA 1 - Ciclo OADI - observar-avaliar-projetarimplementar, [12]. Conforme um ciclo de Comando e Controle, representado muitas vezes pelo Ciclo OODA, a vantagem competitiva é apontada por Senge [13], Nonaka [14] e outros autores como a capacidade de aprender mais rápido e melhor do que os concorrentes. Ou seja, é o processo de desenvolvimento do aprendizado das pessoas fazendo o diferencial competitivo das empresas. Dentro deste contexto, o aproveitamento do tempo passa a ser valorizado, podendo ser obtido por intermédio da valorização das atividades importantes, em detrimento das que não são importantes. O quadro abaixo representa uma forma simples que contribui para um melhor aproveitamento do tempo. Quadro 5. Janelas de Atividades, [15] Janela 1 Janela 2 Atividades urgentes e Atividades e ações importantes importantes Janela 3 Atividades urgentes que Não são importantes Janela 4 Atividades que não são importantes De acordo com o estudo das Janelas de Atividades, devem apenas ser realizadas as atividade das janelas 1 e 2, ignorando as janelas 3 e 4. Além disso, as pessoas devem procurar concentrar esforços na janela 2, de forma a diminuir as atividades da janela 1. h. Tipos de aprendizagem A aprendizagem pode ser do tipo operacional, envolvendo todas as etapas e procedimentos para se completar uma tarefa específica, ou do tipo conceitual, que engloba o pensar em por que as coisas são feitas, pretendendo desafiar o que está posto pela natureza, pelos procedimentos ou condições já existentes. Além destes dois tipos de aprendizagem, existem também as estruturas de armazenagem correspondentes, que se manifestam por meio da memória operacional, referente à aprendizagem operacional e à memória conceitual, referente à apreensão conceitual. Associados, estes dois tipos compõem o modelo mental do indivíduo [4]. Existem ainda dois modelos de apredizagem de importância para o presente estudo, o modelo Single Loop e o Double Loop. No modelo Snigle Loop, ou aprendizado de círculo simples, os erros são corrigidos, baseando-se em rotinas prévias e nas políticas vigentes. Em contrapartida, no modelo Double Loop, ou aprendizado de círculo duplo, procura-se corrigir o erro de maneira a envolver modificações nos objetivos, nas políticas e nas rotinas padronizadas da organização. Assim, o aprendizado de círculo duplo desafia convicções e normas que estão profundamente arraigadas na organização [4]. i. Tradição, cultura e valores A palavra tradição significa entrega. A cultura e os valores de uma organização são passados para as gerações futuras, atravessando o tempo. As gerações mais novas atualizam estes ensinamentos, utilizando-os como referência, ou ponto

4 de partida. A tradição, a cultura e os valores são de extrema importância, visto que os conhecimentos inovativos e estratégicos estão dentro da organização. Estes conhecimentos fazem parte da cultura da organização e se evidenciam ou não conforme o nível de comprometimento do grupo e de sua capacidade de tradução dos mesmos em ação, que, por sua vez, se transforma em produtos, processos e serviços. j. Valores humanísticos e democráticos O desenvolvimento organizacional, na realidade, é um termo utilizado para englobar uma série de intervenções de mudança planejada, com base em valores humanísticos e democráticos, que buscam melhorar a eficácia organizacional e o bem estar dos funcionários, [2]. Ao que se pode entender, o desenvolvimento organizacional valoriza tanto o crescimento humano como o organizacional, os processos de colaboração e participação, bem como o espírito investigativo. O respeito pelas pessoas é evidenciado. As pessoas são vistas como responsáveis, conscientes e dedicadas, sendo tratadas com dignidade e respeito. Além disso, a confiança e o apoio são externados. Uma organização eficaz e saudável se caracteriza por um clima de confiança, autenticidade, abertura e apoio [4]. k. Pensamento sistêmico - Princípio da alavancagem O pensamento sistêmico considera que pequenas atitudes bem focalizadas podem produzir mudanças significativas e duradouras, desde que atuando no lugar certo. Os sistemas são construídos com base no princípio de alavancagem, porém nem sempre são óbvios, principalmente se não compreendermos a natureza de suas forças. Tal qual um processo de mudanças precisa ser entendido como um processo, e não algo instantâneo. Para entender as questões organizacionais complexas, as organizações que aprendem olham o sistema inteiro como responsável pelo resultado. O funcionamento se equipara aos dos sistemas vivos que têm integridade e dependem do todo. O pensamento sistêmico é uma disciplina para ver o todo, verificando os padrões de mudanças em vez de fotos instantâneas. É um quadro referencial para ver interrelacionamentos, ao invés de eventos. É um conjunto de princípios gerais que abrange campos tão diversos quanto as ciências físicas e sociais, como também a engenharia e a administração, sendo, na verdade, uma sensibilidade à sutil interconectividade que dá aos sistemas vivos o seu caráter único. [14] l. Valorização do conhecimento Atualmente, o conhecimento passou a ser foco de discussões constantes no contexto da nova economia em todos os seus desafios e implicações, sendo peça fundamental para o desenvolvimento de um país, além de permear aspectos da sociedade, da política, do ambiente, da economia e das organizações [16]. Dentro deste contexto, pode-se dizer que a riqueza de um país depende principalmente do potencial de conhecimento a que as organizações têm acesso, e da forma como o organiza e o transforma em potencial competitivo, [17]. A importância do conhecimento no processo de tomada de decisão é retratada no quadro apresentado abaixo. Quadro 6. Heurística do Poder x Conhecimento, [18] Quem tem poder e tem Faz conhecimento Quem tem conhecimento e não Ensina tem poder Quem não tem conhecimento e Critica nem poder Quem não tem conhecimento e Destrói tem poder III. CONCLUSÃO Este artigo apresentou as características evidenciadas por uma organização que aprende. A aplicação de conhecimento neste esforço cria um diferencial entre as organizações, provocando grandes saltos no desenvolvimento organizacional. Trabalhos futuros nesta área podem abordar implementações que promovam o aprendizado em uma organização, como também as ferramentas disponibilizadas pelo Exército Brasileiro que possibilitem progressos na área da aprendizagem organizacional (Ex: Programa de Excelência Gerencial - PEG, Análise Pós Ação - APA, etc). O estudo de caso sobre determinada empresa ou órgão também pode ser elaborado. Emanuel Alexandre Moreira Pessanha Capitão de Comunicações do Exército Brasileiro, Tel REFERÊNCIAS [1] CAVALCANTE, Ubaldo Ataíde. Resultados Alcançados Com A Modernização Gerencial Da Justiça Federal - 5ª Região (Nordeste Brasileiro): uma experiência vitoriosa. Disponível em: <http://unpan1.un.org/intradoc/groups/public/documents/clad/clad pdf>. Acesso em: 18 junho 2007 [2] ROBBINS, Stephen. Comportamento Organizacional. São Paulo: Prentice Hall, [3] SENGE, Peter. Learning organization. DVD com palestra proferida na ExpoManagement. São Paulo, [4] Borba, Maribel Fátima de. Organizações Que Aprendem - A Aprendizagem Coletiva Alavancando o Desenvolvimento Organizacional e Regional: O Modelo de uma Empresa Santa-Cruzense. Santa Cruz do Sul, abril de Dissertação apresentada ao curso de Pós-Graduação Mestrado e Doutorado em Desenvolvimento Regional da Universidade de Santa Cruz do Sul para a obtenção do título de mestre em Desenvolvimento Regional.Orientador: Prof. Dr. Dieter R. Siedenberg. Co-Orientador: Prof. Dr. Inácio Helfer. [5] HESSELBEIN, Frances; GOLDSMITH, Marshall; BECKHARD, Richard. O Líder do Futuro. São Paulo: p. [6] DRUCKER, Peter. Inovação e espírito empreendedorentrepreneurship. São Paulo: Pioneira, [7] BENNIS, W.; NANNUS, B. Diriger. Paris: InterEditions, [8] CROZIER, M.; SÉRIEYX, H. Apud Rivera, [9] RIVERA, F. J. U.; ARTMANN, E. Leadership as a function of linguistics intersubjectivity. Interface - Comunic., Saúde, Educ. Educ., v.10, n.20, p , jul/dez [10] MOTTA, P. R. Gestão contemporânea: a ciência e a arte de ser dirigente. Rio de Janeiro: Record, [11] HECKSHER, Mario. Cadeia de Liderança. Resende: AMAN, 200?. Texto retirado da Revista Sangue Novo.

5 [12] KIM, Daniele H. O elo entre a aprendizagem individual e a aprendizagem organizacional. In: KLEIN, D. A. A gestão estratégica do capital intelectual. Rio de Janeiro: Qualitymark, [13] SENGE, Peter. A quinta disciplina. São Paulo: Ed. Nova Cultural [14] NONAKA, Ikujiro. A empresa criadora de conhecimento. In: STARKEY, K. In: Como as organizações aprendem. São Paulo: Futura, 1999, p [15] CASTRO, Davi Rogério da Silva. Assunto apresentado durante as aulas do Estágio de Elevação de Nível realizado no Grupo de Intruções Tática GIT, no ano de 2005, preparatório para o Curso de Especialização em Análise de Ambiente Eletromagnético, ministrado pelo ITA. [16] DEMO, Pedro. Política social do conhecimento. Petrópolis: Editora Vozes, [17] CARAÇA, J. Do saber ao fazer: porquê organizar a ciência. Lisboa: Gradiva, [18] CUNHA, Adilson Marques da. Quadro apresentado na Aula de Inteligência Artificial, durante o Curso de Especialização em Análise de Ambiente Eletromagnético, ministrado pelo ITA, em [19] SLOCZINSKI, Helena*. SANTAROSA; Lucila Maria Costi**. Aprendizagem Coletiva Em Curso Mediado Pela Web. *Universidade de Caxias do Sul - UCS; **Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS [20] Pilla, Bianca Smith*; Nakayama, Marina Keiko*; Schröeder, Christine da Silva*; Binotto**, Erlaine. Avaliando Práticas De E-Learning Em Empresas: Uma Proposta De Estudo. *Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS ** Universidade de Passo Fundo

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Gestão escolar: revendo conceitos

Gestão escolar: revendo conceitos Gestão escolar: revendo conceitos Myrtes Alonso É um equívoco pensar que o desempenho da escola se expressa apenas nos resultados da aprendizagem obtidos nas disciplinas e que é fruto exclusivo do trabalho

Leia mais

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências.

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências. 1 Programa Liderar O Grupo Solvi é um conglomerado de 30 empresas que atua nas áreas de saneamento, valorização energética e resíduos. Como alicerce primordial de seu crescimento encontrase o desenvolvimento

Leia mais

TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL.

TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL. TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL. André Murilo de Souza Cavalcante Resumo: Este artigo estuda as etapas do treinamento e suas características, Desta maneira, o

Leia mais

Liderança com foco em resultados

Liderança com foco em resultados Liderança com foco em resultados Como produzir mais, em menos tempo e com maior qualidade de vida. Introdução O subtítulo deste texto parece mais uma daquelas promessas de milagres. Independentemente de

Leia mais

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL: A CONDUTA DO INDIVÍDUO RESUMO

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL: A CONDUTA DO INDIVÍDUO RESUMO 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL: A CONDUTA DO INDIVÍDUO ALCALDE, Elisângela de Aguiar 1 MARIANO, Rosiane da Conceição 2 SANTOS, Nathália Ribeiro dos SANTOS, Rosilei Ferreira dos SANTOS, Sirene José Barbosa

Leia mais

COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL

COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL 1.Osnei FranciscoAlves 2. Jéssica Barros 1. Professor das Faculdades Integradas Santa Cruz. Administrador, MBA Executivo em Gestão de Pessoas e

Leia mais

Trabalho em equipe como fator facilitador da Gestão do Conhecimento

Trabalho em equipe como fator facilitador da Gestão do Conhecimento Trabalho em equipe como fator facilitador da Gestão do Conhecimento Viviane Maravieski Pereira (UTFPR) vivimaravieski@hotmail.com Isaura Alberton de Lima (UTFPR) alberton@cefetpr.br Resumo: Este artigo

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 5 Cultura Organizacional para Inovação Empreendedorismo de Negócios com Informática - Cultura Organizacional para Inovação 1 Conteúdo Intraempreendedorismo

Leia mais

Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes

Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes Adriane Hartman (CEFET-PR-PG) adriane.h@terra.com.br Prof. Dr. Dálcio

Leia mais

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende Como transformar a sua empresa numa organização que aprende É muito interessante quando se fala hoje com profissionais de Recursos Humanos sobre organizações que aprendem. Todos querem trabalhar em organizações

Leia mais

OFICINA DA PESQUISA DISCIPLINA: COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL

OFICINA DA PESQUISA DISCIPLINA: COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL OFICINA DA PESQUISA DISCIPLINA: COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivo Geral da Disciplina: Apresentar

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

LIDERANÇA DA NOVA ERA

LIDERANÇA DA NOVA ERA LIDERANÇA DA NOVA ERA Liderança da Nova Era Liderança é a realização de metas por meio da direção de colaboradores. A liderança ocorre quando há lideres que induzem seguidores a realizar certos objetivos

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Título do Case: Programa ELOS - Cliente e Colaborador como uma só corrente. Categoria: Projetos Internos Tema: Pessoas

Título do Case: Programa ELOS - Cliente e Colaborador como uma só corrente. Categoria: Projetos Internos Tema: Pessoas 1 Título do Case: Programa ELOS - Cliente e Colaborador como uma só corrente. Categoria: Projetos Internos Tema: Pessoas RESUMO A empresa vivia um cenário claro de desequilíbrio na gestão empresarial e

Leia mais

FERRAMENTAS DE GESTÃO DE PESSOAS PARA DIVIDIR CONHECIMENTO E MULTIPLICAR RIQUEZAS

FERRAMENTAS DE GESTÃO DE PESSOAS PARA DIVIDIR CONHECIMENTO E MULTIPLICAR RIQUEZAS FERRAMENTAS DE GESTÃO DE PESSOAS PARA DIVIDIR CONHECIMENTO E MULTIPLICAR RIQUEZAS ROGERIO LEME rogerio@lemeconsultoria.com.br /rogeriolemeoficial PUBLICAÇÕES ALGUNS DOS NOSSOS CLIENTES SETOR PÚBLICO SERVIÇOS

Leia mais

Liderança. Potencial PSI. Competências. Liderança: Qual é a definição? Conhecimento. -Com pares - Com subordinado - Com clientes -Com Gestor

Liderança. Potencial PSI. Competências. Liderança: Qual é a definição? Conhecimento. -Com pares - Com subordinado - Com clientes -Com Gestor Liderança Competências Conhecimento Habilidade Atitude - - Relacionamento - - -Com pares - Com subordinado - Com clientes -Com Gestor Crise Liderança: Qual é a definição? Principal fator de saída da empresa

Leia mais

O Princípio do Foco. Texto Base

O Princípio do Foco. Texto Base O Princípio do Foco Texto Base Há uma lei universal invariável determinando que todas as coisas fluem para a direção da sua atenção. Ou seja: onde estiver seu foco, estarão ali, sua energia, sua fé, sua

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 12

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 12 FACULDADE CAMÕES PORTARIA 4.059 PROGRAMA DE ADAPTAÇÃO DE DISCIPLINAS AO AMBIENTE ON-LINE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL DOCENTE: ANTONIO SIEMSEN MUNHOZ, MSC. ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: FEVEREIRO DE 2007. Gestão

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados Aperfeiçoamento Gerencial para Supermercados Liderança Liderança é a habilidade de influenciar pessoas, por meio da comunicação, canalizando seus esforços para a consecução de um determinado objetivo.

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Sistema de Informações Professores: Izolema Maria Atolini izolema@hotmail.com Período/ Fase: 5ª. Semestre:

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS 1 PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS Porto Alegre RS Março 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

.:. Aula 2.:. Educação Corporativa e Mudanças Organizacionais. Profª Daniela Cartoni daniela_cartoni@yahoo.com.br

.:. Aula 2.:. Educação Corporativa e Mudanças Organizacionais. Profª Daniela Cartoni daniela_cartoni@yahoo.com.br .:. Aula 2.:. Educação Corporativa e Mudanças Organizacionais Profª Daniela Cartoni daniela_cartoni@yahoo.com.br Definições Treinamento e Qualificação: não dependem de políticas de Educação Corporativa,

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

Como transformar Grupos em Equipes

Como transformar Grupos em Equipes Como transformar Grupos em Equipes Caminhos para somar esforços e dividir benefícios Introdução Gestores de diversos segmentos, em algum momento de suas carreiras, deparam-se com desafios que, à primeira

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

As Organizações e o Processo de Inclusão

As Organizações e o Processo de Inclusão As Organizações e o Processo de Inclusão Introdução Não há nada permanente, exceto a mudança. Heráclito, filósofo grego (544-483 a.c.). Mudança é o processo no qual o futuro invade nossas vidas. Alvin

Leia mais

Biblioteca Informa Novas Informações

Biblioteca Informa Novas Informações Biblioteca Informa Novas Informações Lista das informações incorporadas ao acervo da biblioteca adquiridas através de compra. Os vídeos estão disponíveis para consulta local. Administração Qualidade Nº

Leia mais

Módulo V. Conhecimento

Módulo V. Conhecimento Módulo V Conhecimento "Não confunda jamais conhecimento com sabedoria. Um o ajuda a ganhar a vida; o outro a construir uma vida. Sandra Carey MÓDULO 5 CONHECIMENTO 5.1 Gestão do Conhecimento A Gestão do

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA: MONICA ROCHA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança e Motivação são fundamentais para qualquer empresa que deseja vencer

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

Qualidade de Vida no Trabalho

Qualidade de Vida no Trabalho 1 Qualidade de Vida no Trabalho Alessandra Cristina Rubio¹ Thiago Silva Guimarães² Simone Cristina Fernandes Naves³ RESUMO O presente artigo tem como tema central a Qualidade de Vida no Trabalho, com um

Leia mais

A Qualidade Fundamental do Vendedor Altamente Eficaz

A Qualidade Fundamental do Vendedor Altamente Eficaz Em abril de 2.000 Jack Welch - o executivo do século foi entrevistado pela Executive Focus International. Essa entrevista foi coberta com exclusividade pela revista brasileira HSM Management, edição de

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO COMO FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA. Rogerio Leme rogerio@lemeconsultoria.com.br

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO COMO FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA. Rogerio Leme rogerio@lemeconsultoria.com.br TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO COMO FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA Rogerio Leme rogerio@lemeconsultoria.com.br PUBLICAÇÕES Solicitar slides: eventos@lemeconsultoria.com.br Contato: rogerio@lemeconsultoria.com.br

Leia mais

UNEMAT. Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br

UNEMAT. Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br UNEMAT GESTÃO DA INFORMAÇÃO, DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA ORGANIZACIONAL (GICIO) Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br SINOP MT 2015-2 CONCEITO DE CONHECIMENTO Conhecimento

Leia mais

Implementando uma estratégia de desenvolvimento de liderança

Implementando uma estratégia de desenvolvimento de liderança Implementando uma estratégia de desenvolvimento de liderança AGENDA Quem somos Nossa crença Implementando uma estratégia de desenvolvimento de liderança Case: Cia. Hering GESTÃO DE MARCAS SUPPLY CHAIN

Leia mais

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE COACHING EDUCATION By José Roberto Marques Diretor Presidente - Instituto Brasileiro de Coaching Denominamos de Coaching Education a explicação, orientação e aproximação

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Plano de Desenvolvimento Relação Ergonomia e Moda e Educação Corporativa Ilca Maria Moya de Oliveira Segundo Dutra (2004), a preparação para o futuro exige investimentos simultâneos: um na modernização

Leia mais

Motivos Causadores de Falhas de Comunicação dentro das Empresas

Motivos Causadores de Falhas de Comunicação dentro das Empresas Motivos Causadores de Falhas de Comunicação dentro das Empresas Franci Daniele Prochnow (CEFET-PR) francidaniele@yahoo.com Dr. Magda Lauri Gomes Leite (CEFET-PR) magda@pg.cefetpr.br Dr. Luiz Alberto Pilatti

Leia mais

Práticas de Apoio à Gestão

Práticas de Apoio à Gestão Práticas de Apoio à Gestão Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Organizações de Aprendizagem Learning Organization Conceitos Organizações de Aprendizagem

Leia mais

Objetivo. Apresentar uma síntese das principais teorias sobre liderança e suas implicações para a gestão.

Objetivo. Apresentar uma síntese das principais teorias sobre liderança e suas implicações para a gestão. Liderança Objetivo Apresentar uma síntese das principais teorias sobre liderança e suas implicações para a gestão. 2 Introdução O que significa ser líder? Todo gestor é um líder? E o contrário? Liderança

Leia mais

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS Ensinar para administrar. Administrar para ensinar. E crescermos juntos! www.chiavenato.com GESTÃO E PRÁTICAS DE RECURSOS HUMANOS Para Onde Estamos Indo? Idalberto Chiavenato Algumas empresas são movidas

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

PANORAMA E TENDENCIAS DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NO BRASIL

PANORAMA E TENDENCIAS DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NO BRASIL PANORAMA E TENDENCIAS DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NO BRASIL HEITOR J PEREIRA. Professor da FIA Fundação Instituto de Administração. Ex-Presidente da SBGC Soc. Bras. Gestão do Conhecimento Revolução Agrícola

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências 2 Professora: Zeila Susan Keli Silva 2º semestre 2012 1 Contexto Economia globalizada; Mudanças contextuais; Alto nível de complexidade do ambiente; Descoberta da ineficiência dos

Leia mais

1.Sinto que estou apagando incêndio, quando deveria ser mais estratégico. 2. Não costumo delegar bem minhas atividades

1.Sinto que estou apagando incêndio, quando deveria ser mais estratégico. 2. Não costumo delegar bem minhas atividades Liderança O perfil do gestor para o século XXI Principais falhas gerenciais 1.Sinto que estou apagando incêndio, quando deveria ser mais estratégico 2. Não costumo delegar bem minhas atividades 3. Tenho

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão I

Sistema Integrado de Gestão I Sistema Binário Faculdades Integradas Campos Salles Sistema Integrado de Gestão I Aulas 3 e 4 Administração da Empresa Digital Parte I Carlos Antonio José Oliviero São Paulo - 2012 Objetivos Qual é o papel

Leia mais

A importância do RH na empresa

A importância do RH na empresa A importância do RH na empresa O modo pelo qual seus funcionários se sentem é o modo pelo qual os seus clientes irão se sentir." Karl Albrecht Infelizmente, muitas empresas ainda simplificam o RH à função

Leia mais

CASE TICKET: DESENVOLVIMENTO DA LIDERANÇA PARA SUSTENTABILIDADE DO NEGÓCIO

CASE TICKET: DESENVOLVIMENTO DA LIDERANÇA PARA SUSTENTABILIDADE DO NEGÓCIO CASE TICKET: DESENVOLVIMENTO DA LIDERANÇA PARA SUSTENTABILIDADE DO NEGÓCIO Edna Bedani Abril 2013 MUITO PRAZER, SOMOS A EDENRED! Uma empresa internacional, líder em cartões e vouchers de serviços pré-pagos.

Leia mais

Enquete. O líder e a liderança

Enquete. O líder e a liderança Enquete O líder e a liderança Muitas vezes, o sucesso ou fracasso das empresas e dos setores são creditados ao desempenho da liderança. Em alguns casos chega-se a demitir o líder, mesmo aquele muito querido,

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Cassia Uhler FOLTRAN 1 RGM: 079313 Helen C. Alves LOURENÇO¹ RGM: 085342 Jêissi Sabta GAVIOLLI¹ RGM: 079312 Rogério Bueno ROSA¹ RGM:

Leia mais

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Gestão da Qualidade Aula 5 O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Objetivo: Compreender os requisitos para obtenção de Certificados no Sistema Brasileiro de Certificação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO 2009 Renata Araújo Volpe Estudante do curso de Engenharia de Produção (Brasil) Docente orientadora Carla Bittencourt Lorusso Email: revolpe@pop.com.br

Leia mais

PERSPECTIVA FUNCIONAL DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TIPOS DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO

PERSPECTIVA FUNCIONAL DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TIPOS DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO CURSO: GESTÃO AMBIENTAL PROFESSOR: WENES SILVA DOS SANTOS ALUNOS: ANDRÉ VIANA CAVALCANTE, DANILO CARVALHO DE OLIVEIRA, GEISA MOREIRA DE SOUSA, FERNANDA MONTES, LIAMAR MONTES, PRISCILA CASTRO, RAIMUNDINHA

Leia mais

Emanuel Gomes Marques, MSc

Emanuel Gomes Marques, MSc Emanuel Gomes Marques, MSc Roteiro da Apresentação Organizações Organizações foram criadas para servir pessoas Processo administrativo Diferenças de pessoal Eficiência e eficácia Características das empresas

Leia mais

PERFIL DO EMPREENDEDOR

PERFIL DO EMPREENDEDOR INTRODUÇÃO Em nossa vida, é necessário planejarmos com cuidado em que direção pretendemos focar nossos esforços. Após o planejamento, vem a ação. Desta forma, é fundamental conhecermos os caminhos que

Leia mais

khala@khalanet.com AVS Training tem por objetivo a excelência em processos de treinamento e desenvolvimento corporativos.

khala@khalanet.com AVS Training tem por objetivo a excelência em processos de treinamento e desenvolvimento corporativos. Apresentação AVS Training Telefone: 11 3637 3139 Web site: Emails: http:// avst@khalanet.com khala@khalanet.com CNPJ: 12.808.691/0001-33 AVS Training tem por objetivo a excelência em processos de treinamento

Leia mais

Av. Antônio Sales, 2371 loja 113 Dionísio Torres Fortaleza, CE

Av. Antônio Sales, 2371 loja 113 Dionísio Torres Fortaleza, CE Av. Antônio Sales, 2371 loja 113 Dionísio Torres Fortaleza, CE www.epossivelsim.com.br 3224.4940/3088.6161 INTRODUÇÃO Em nossa vida, é necessário planejarmos com cuidado em que direção pretendemos focar

Leia mais

Coleção Caminhos para o desenvolvimento de Organizações da Sociedade Civil

Coleção Caminhos para o desenvolvimento de Organizações da Sociedade Civil Coleção Caminhos para o desenvolvimento de Organizações da Sociedade Civil Avaliar o desempenho financeiro da organização.5 Fazer uso inteligente do que se tem à disposição Durante anos, foi comum acreditar

Leia mais

O SECRETARIADO EXECUTIVO E A FUNÇÃO DE GESTÃO 1

O SECRETARIADO EXECUTIVO E A FUNÇÃO DE GESTÃO 1 O SECRETARIADO EXECUTIVO E A FUNÇÃO DE GESTÃO 1 Adriane Lasta Alexandra da Silva 2 1 Considerações Iniciais A área secretarial está conhecendo um novo profissional, o secretário gestor, que é capaz de

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições Abertas Turma 12 (Noturno) -->Últimas Vagas até o dia 27/05/2013 CAMPUS IGUATEMI Turma 13

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

ACTION LEARNING. O que é Action Learning? FUN D A MEN T OS D O

ACTION LEARNING. O que é Action Learning? FUN D A MEN T OS D O C L E O W O L F F O que é Action Learning? Um processo que envolve um pequeno grupo/equipe refletindo e trabalhando em problemas reais, agindo e aprendendo enquanto atuam. FUN D A MEN T OS D O ACTION LEARNING

Leia mais

Gestão por Valores. com foco em Liderança. Carlos Legal

Gestão por Valores. com foco em Liderança. Carlos Legal Gestão por Valores com foco em Liderança Carlos Legal Quem somos Resultados melhores podem ser alcançados de forma sustentável. Pessoas melhores, geram lideranças e organizações melhores Nosso propósito

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Evolução PMC têm atuação diferenciada na gestão de pessoas e clima organizacional, gerando na equipe mais agilidade para a mudança e maior capacidade

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Gestão de Negócios Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Programa da Qualidade e Participação na Administração Pública

Programa da Qualidade e Participação na Administração Pública Programa da Qualidade e Participação na Administração Pública Professor José Luís Bizelli Alessandra D Aquila Cacilda de Siqueira Barros Luiz Antonio de Campos Paulo Desidério Rogério Silveira Campos Programa

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento MBA em Administração e Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento Aula 3 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Olá! Bem-vindos à nossa terceira aula. Antes de mais nada, assista ao vídeo a seguir e conheça

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

Função Gerencial. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Função Gerencial. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Função Gerencial Autor: Ader Fernando Alves de Pádua 1. INTRODUÇÃO Este artigo tem por objetivo levar aos seus leitores à uma aproximação teórica dos estudos da administração empresarial, enfocando a importância

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Liderança, gestão de pessoas e do ambiente de trabalho

Liderança, gestão de pessoas e do ambiente de trabalho Glaucia Falcone Fonseca O que é um excelente lugar para se trabalhar? A fim de compreender o fenômeno dos excelentes locais de trabalho, devemos primeiro considerar o que as pessoas falam sobre a experiência

Leia mais

Aula 04 Modelos Organizacionais

Aula 04 Modelos Organizacionais Aula 04 Modelos Organizacionais Objetivos da aula: Compreender os modelos organizacionais, e os estudos referentes às suas questões como: Especialização do trabalho; Departamentalização; Cadeia de comando;

Leia mais

Liderança CONCEITO DE LIDERANÇA

Liderança CONCEITO DE LIDERANÇA Tipos de Liderança Liderança CONCEITO DE LIDERANÇA LIDERANÇA é o processo de influenciar outros de modo a conseguir que eles façam o que o líder quer que seja feito, ou ainda, a capacidade para influenciar

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

WORKSHOP. Gestão de Pessoas

WORKSHOP. Gestão de Pessoas WORKSHOP Gestão de Pessoas VIDEO DINÂMICA INICIAL Fósforos/ Expectativas. GERÊNCIA E LIDERANÇA Pessoas não podem ser gerenciadas, mas sim lideradas. GERÊNCIA - ÊNFASE NOS PROCESSOS (GERENCIA COISAS) O

Leia mais

Comportamento Organizacional GRUPOS

Comportamento Organizacional GRUPOS Comportamento Organizacional GRUPOS Objetivos da Seção Ampliar a compreensão sobre a dinâmica dos grupos e equipes nas organizações. Apresentar algumas dicas para a criação e manutenção de equipes eficazes

Leia mais

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes Sólidos conteúdos com alegria - essas são algumas características das palestras de Marcelo de Elias. Outra característica marcante: Cada palestra é um projeto

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

Mestrado em Ciências da Educação/Música Ensino, Aprendizagem e Avaliação II

Mestrado em Ciências da Educação/Música Ensino, Aprendizagem e Avaliação II Trabalho 3 Depois de fazer as leituras recomendadas de Peter Senge, apresente a sua reflexão sobre se Considera que a sua escola é, ou não, uma organização aprendente? E porquê? Grandes equipas são organizações

Leia mais

O sistema de gestão ambiental baseado nas normas ISO 14000 como modelo de aprendizagem organizacional e gestão do conhecimento

O sistema de gestão ambiental baseado nas normas ISO 14000 como modelo de aprendizagem organizacional e gestão do conhecimento O sistema de gestão ambiental baseado nas normas ISO 14000 como modelo de aprendizagem organizacional e gestão do conhecimento Carlos Cesar Cavalcante Dias (UNIP/UNIFIEO) carlos.cesar@unifieo.br Dra. Irenilza

Leia mais

Organização Orientada para a Estratégia (Kaplan & Norton) Transformando a Estratégia em tarefa cotidiana de todos

Organização Orientada para a Estratégia (Kaplan & Norton) Transformando a Estratégia em tarefa cotidiana de todos Organização Orientada para a Estratégia (Kaplan & Norton) Transformando a Estratégia em tarefa cotidiana de todos Revisão Organizações focalizadas na estratégia: Traduzir a estratégia em termos operacionais;

Leia mais

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos Gestão por Processos Gestão por Projetos Gestão por Processos Gestão de Processos de Negócio ou Business Process Management (BPM) é um modelo de administração que une gestão de negócios à tecnologia da

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO 18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO Autor(es) ALINE MOREIRA Orientador(es) ARSÊNIO FIRMINO DE NOVAES NETTO Apoio

Leia mais

O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES

O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES Dione Nunes Franciscato 1 ;

Leia mais

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Centro de Educação Superior Barnabita CESB 1 RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Clara de Oliveira Durães 1 Profª. Pollyanna

Leia mais

Coaching Executivo: Coaching como instrumento fundamental do Líder

Coaching Executivo: Coaching como instrumento fundamental do Líder Coaching Executivo: Coaching como instrumento fundamental do Líder I Simpósio Coaching - Arte e Ciência CRA-SP 28 de maio de 2013 1 COACH Sentido original da palavra: veículo para transporte de pessoas.

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações

5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações 5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações O presente trabalho tem caráter descritivo-exploratório e portanto não tem o intuito de se chegar a conclusões definitivas, sendo sua principal contribuição a

Leia mais