SeGURAnÇA do TRABALHO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SeGURAnÇA do TRABALHO"

Transcrição

1 SeGURAnÇA do TRABALHO

2 Se durante o trabalho você se deparar com alguma situação que não conste neste manual, não se precipite e nem se arrisque desnecessariamente. Em caso de dúvida procure seu Encarregado imediato, além dos procedimentos internos de segurança e a legislação vigente. Bom trabalho! 2

3 POLÍTicA de SeGURAnÇA A Construtora Adolpho Lindenberg S.A. busca a excelência na implantação e manutenção de ações que promovam um ambiente de trabalho seguro e saudável, na realização de seus empreendimentos através de: Planejamento, monitoramento e orientação de ações para prevenção dos riscos; Comprometimento de todos os envolvidos; Conscientização de todos os colaboradores na saúde e segurança do trabalho, praticando a melhoria contínua; Atendimento aos procedimentos e legislação. 1. OBJeTiVO A Construtora Adolpho Lindenberg tem o objetivo de atender às necessidades de segurança e saúde de nossos trabalhadores, na busca por uma qualidade de vida melhor principalmente dentro dos canteiros de obra. 2. introdução Este manual foi desenvolvido pelo SESMT (Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho) da empresa Construtora Adolpho Lindenberg, a fi m de orientar todos os trabalhadores quanto às Normas e Procedimentos de Segurança e Saúde no Trabalho (SST). 3. ReSPOnSABiLidAdeS A execução dos serviços deverá ser acompanhada pela Engenharia da Obra formada por Engenheiros, Administrativo, Almoxarifes, Assistentes, Mestre de obras, Encarregados, Técnico de edifi cações, Estagiário de engenharia, entre outros, sendo inspecionados e orientados pela Área de Segurança e Saúde do Trabalho através de profi ssionais como Engenheiro de Segurança do Trabalho, Técnico de Segurança do Trabalho e Técnico de Enfermagem do Trabalho. 4

4 8. instalações SAniTÁRiAS As instalações sanitárias devem: a Ser mantidas em perfeito estado de conservação e higiene; b Ter portas de acesso que impeçam o devassamento e ser construídas de modo a manter o resguardo conveniente; c Ter parede de materiais resistente e lavável, podendo ser de madeira; d Ter pisos impermeáveis, laváveis e de acabamento antiderrapante; 20 Pessoas ou Fração e Não se ligar diretamente com os locais destinados às refeições; f Ser independente para homens e mulheres; g Ter ventilação e iluminação adequadas; h Ter instalações elétricas adequadamente protegidas; 10 Pessoas ou Fração i Ter pé-direito mínimo de 2,50m (dois metros e cinquenta centímetros), ou respeitando-se o que determina o Código de Obras do Município da obra; j Estar situadas em locais de fácil e seguro acesso, não sendo permitido um deslocamento superior a 150 (cento e cinquenta) metros do posto de trabalho aos gabinetes sanitários, mictórios e lavatórios. 20 Pessoas ou Fração ATenÇÃO: Manter as instalações sanitárias sempre limpas e desobstruídas, pois depois do seu uso outros também utilizarão. Qualquer irregularidade observada deve ser comunicada de imediato a equipe de engenharia da obra. 8

5 9. VeSTiÁRiO O vestiário destina-se ao local para a troca de vestimenta e guarda da mesma durante o período da jornada de trabalho dos prestadores de serviço. Os vestiários devem: a b c d e f Ter paredes de alvenaria, madeira ou material equivalente; Ter pisos de concreto, cimentado, madeira ou material equivalente; Ter cobertura que proteja contra as intempéries; Ter área de ventilação correspondente a 1/10 (um décimo) de área do piso; Ter iluminação natural e/ou artifi cial; Ter armários individuais dotados de fechadura ou dispositivo com cadeado; g Ter pé-direito mínimo de 2,50m (dois metros e cinquenta centímetros), ou respeitando-se o que determina o Código de Obras do Município da obra; h Ser mantidos em perfeito estado de conservação, higiene e limpeza; i Ter bancos em número sufi ciente para atender aos usuários, com largura mínima de 0,30m (trinta centímetros). ATenÇÃO: Todos os objetos pessoais devem ser mantidos dentro dos armários. Os calçados podem ser guardados limpos em sapateiras. 9

6 10. chuveiros A área dos chuveiros se destina se a higienização dos colaboradores devendo atender: a Área mínima necessária para utilização de cada chuveiro é de 0,80m2 (oitenta centímetros quadrados), com altura de 2,10m (dois metros e dez centímetros) do piso; b O piso do local onde forem instalados os chuveiros deve ter caimento que assegure o escoamento da água para a rede de esgoto, quando houver, e ser de material antiderrapante e provido de estrados; c d Os chuveiros devem ser de metal ou plástico, individual, dispondo de água quente; Deve haver um suporte para sabonete e cabide para toalha, correspondente a cada chuveiro; e Os chuveiros elétricos devem ser aterrados adequadamente, comprovando através de laudo de aterramento e diagrama unifi lar. ATenÇÃO: Manter a área dos chuveiros sempre limpas, organizadas e desobstruídas; Não é permitido que se deixe roupas e/ou objetos pessoais nas áreas dos chuveiros. 10

7 11. LAVATÓRiOS Os lavatórios devem ser utilizados somente para lavagem das mãos antes ou após a utilização das instalações sanitárias ou refeições. Não é permitido lavar marmitas e/ou EPI nos lavatórios das instalações sanitárias. Os lavatórios devem: a b c d e f g Ser individuais ou coletivo tipo calha; Possuir torneira de metal ou de plástico; Ficar a uma altura de 0,90m (noventa centímetros); Ser ligados diretamente à rede de esgoto, quando houver; Ter revestimento interno de material liso, impermeável e lavável; Ter espaçamento mínimo entre as torneiras de 0,60m (sessenta centímetros), quando coletivos; Dispor de recipiente para coleta de papéis usados com tampa. ATenÇÃO: Conservem as saboneteiras e toalheiros; Joguem os papeis utilizados dentro do lixo; Qualquer irregularidade observada comunicar de imediato a equipe de engenharia da obra ou através das caixas de sugestões. 11

8 12. ReFeiTÓRiO Nos canteiros de obra é obrigatória à existência de um refeitório, local adequado para refeições. O refeitório deve: a b c d e f g h i j k Ter paredes que permitam o isolamento durante as refeições; Ter piso de concreto, cimentado ou de outro material lavável; Ter cobertura que proteja das intempéries; Ter capacidade para garantir o atendimento de todos os trabalhadores no horário das refeições; Ter ventilação e iluminação natural e/ou artifi cial; Ter lavatório instalado em suas proximidades ou no seu interior; Ter mesas com tampos lisos e laváveis; Ter assentos em número sufi ciente para atender aos usuários; Ter depósito, com tampa, para detritos; Não estar situado em subsolos ou porões das edifi cações; Não ter comunicação direta com as instalações sanitárias; l Ter pé-direito mínimo de 2,80m (dois metros e oitenta centímetros), ou respeitando-se o que determina o Código de Obras do Município da obra. ATenÇÃO: Independentemente do número de trabalhadores deve haver local exclusivo para o aquecimento de refeições, dotado de equipamento adequado e seguro para o aquecimento. É proibido preparar, aquecer e fazer refeições fora do refeitório. 12

9 13. BeBedOUROS É obrigatório o fornecimento de água potável, fi ltrada e fresca, para os trabalhadores, por meio de bebedouros de jato inclinado ou outro dispositivo equivalente, sendo proibido o uso de copos coletivos. 25 Pessoas ou Fração distância Máxima a ser percorrida: metros na horizontal - 15 metros na vertical ( A cada 5 pavimentos de 3 metros) Para dimensionamento das áreas de vivência e outras informações, consultar o D.Q.01-Manual para implantação e operação de canteiros. ATenÇÃO: Conservem os bebedouros sem danificá-los, para garantir o contínuo fornecimento de água potável e fresca. 13

10 14. epc (equipamento de PROTeÇÃO coletiva) Tela Fachadeira O perímetro da construção de edifícios deve ser fechado com tela de fachada, formando barreira protetora contra projeção de materiais e ferramentas, a partir da plataforma principal e secundária, só podendo ser retirada quando a vedação da periferia, até a plataforma imediatamente superior estiver concluída e após conclusão da fachada. Nas atividades da fase de acabamento externo também deve ser utilizado a tela fachadeira. Esta tela deve ser instalada de forma que acompanhe o contorno da plataforma de proteção. SLQA - Sistema Limitador de Quedas em Altura O sistema limitador de quedas em altura, instalado com a fi nalidade de evitar a queda de ferramentas e/ou materiais que possa cair de lajes a serem concretadas e de lajes aonde a alvenaria externa ainda não foi concluída, substituindo assim um jogo de bandeja secundária. 16 SLQA - Pesado

11 14. epc (equipamento de PROTeÇÃO coletiva) Fonte: SLQA - Intermediário Sistema Limitador de Quedas em Altura SLQA - Leve (Apara Lixo) Medidas de Proteção Para Pedestres Sempre que houver riscos de queda de materiais em locais de passagens de pessoas será necessária a instalação de galeria de proteção nestes locais, a fi m garantir a integridade física. Dependendo da região o código de obras obriga a necessidade de solicitação de Alvará da Prefeitura local. Lembrando que esta proteção serve tanto para áreas externas como internas do canteiro. 17

12 14. epc (equipamento de PROTeÇÃO coletiva) Proteções Guarda-corpo As proteções guarda-corpo são obrigatórias para proteger os colaboradores que atuam em locais de risco de queda, como as lajes. Proteção Guarda-Corpo para laje concretada Proteção Guarda-Corpo para elevação de alvenaria Proteção Guarda-Corpo para laje a concretar Sistemas de Proteções Coletivas 18

13 14. epc (equipamento de PROTeÇÃO coletiva) Detalhe Linha De Vida Deve ser instalado conforme especificação técnica do fabricante em toda a laje, desde o momento do assoalhamento até a marcação dos gastalhos e subida dos pilares e logo após ser feita a sua ascensão para atender a laje acima. Proteção de janela Prever a proteção de janela em trabalhos como o de revestimento de gesso próximo à abertura de janelas quando o andaime estiver na altura do peitoril. 19

14 15. epi (equipamento de PROTeÇÃO individual) Capacete de Segurança com recomendação de Jugular Óculos de Segurança Abafador de Ruído/Protetor Auricular Cinto de Segurança Uniforme Completo Luvas Respirador/Máscara Duplo Talabarte Botina de Segurança Para atividades especifi cas devem ser observadas a necessidade de utilização dos diversos EPI como: Respiradores e Máscaras Cinto de segurança tipo paraquedista com duplo talabarte e mosquetão de 55cm com absorvedor de energia Protetor auricular do tipo concha ou de inserção Óculos de proteção Protetor Facial Luvas (raspa, pigmentada, latex, anti vibração, entre outros.) Botina de segurança, com palmilhas especiais que evitam perfurações Em caso de duvidas de que EPI utilizar, consulte o técnico de segurança de seu canteiro de obras. 22

15 18. elevador TiPO cremalheira Operado somente por profi ssional devidamente qualifi cado, sendo comprovado através de certifi cado que deverá permanecer no local; Deverá ser realizado diariamente, antes do inicio das atividades, um Check List verifi cando as condições do equipamento e encaminhado ao encarregado; Não é permitido o transporte simultâneo de cargas e pessoas; Em caso de água na base do elevador, esta deverá ser retirada com bomba para que o elevador volte a funcionar; O elevador só poderá parar em pavimentos onde estão instaladas as proteções laterais, rampas e cancelas. ATenÇÃO: Sempre que o operador não estiver na cabine, o equipamento deverá ser desligado e o painel trancado, evitando a operação por outras pessoas. 25

16 19. GRUAS e Mini GRUAS As gruas e mini- gruas são utilizadas dentro do canteiro de obras para transporte vertical e içamento de cargas. Toda a obra que tem uma grua ou mini grua instalada deve possuir o plano de cargas, determinando o local de passagem da lança e contra lança da grua, local de carga e descarga, limites da obra, circulação de colaboradores, entre outros. O plano de carga deve ser inserido no PCMAT, elaborado pelo Engenheiro Civil, Engenheiro de Segurança do Trabalho e através do locador. O plano de cargas deve ser cumprido e respeitado por todos no canteiro de obras a fi m de evitar a queda de materiais, contando também com a colaboração de todos que circulam pela obra, respeitando às áreas isoladas pelo sinaleiro para carga e descarga de materiais através desses equipamentos. 26

17 24. BRiGAdA de incêndio Todas as obras deverão ter 10 % de sua equipe treinada para atuar no caso de principio de incêndio até no máximo 30 dias após o inicio das atividades de fundação. Em caso de principio de incêndio paralise as atividades no local, os colaboradores deverão se dirigir ao ponto ponto de encontro e comunicar imediatamente os brigadistas e equipe da obra. A obra deverá ter extintores para o combate de princípio de incêndio com inspeções mensais e layout de localização do canteiro de obras dentro do PCMAT. Exemplo de placas de acordo com o Manual de Comunicação Visual das Obras ATenÇÃO: Não é permitida a violação e utilização indevida dos extintores dentro da obra. 33

18 25. SinALiZAÇÕeS de SeGURAnÇA A Construtora possui o Manual de Comunicação Visual de placas de sinalização para as obras que deve ser seguido. Lembrando que a sinalização é muito importante para evitar acidentes e também direcionar as pessoas tanto em visitas como em casos de emergências. Há vários tipos de sinalização: orientação, advertência, informação, indicação, entre outras ATenÇÃO: 34 Caso a obra esteja com falhas na sinalização, procure o almoxarife ou comunique ao setor de Engenharia e Segurança da Obra!

19 SEGURANÇA DO TRABALHO dezoito80.com.br Nome: Empresa: Manual de SeguranÁa do Trabalho EdiÁ o 1 ï Impresso em Fevereiro 2014 ï Distribuido de Fevereiro 2014 a Fevereiro 2015 ï Tiragem peáas.

18.4. Áreas de vivência

18.4. Áreas de vivência 18.4. Áreas de vivência 18.4.1. Os canteiros de obras devem dispor de: a) instalações sanitárias; (118.015-0 / I4) b) vestiário; (118.016-9 / I4) c) alojamento; (118.017-7 / I4) d) local de refeições;

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 18.4 Áreas de Vivência 18.4.1. Os canteiros de obras devem dispor de: a) instalações sanitárias; b) vestiário; c) alojamento; d)

Leia mais

NR 18 NR 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção (118.000-2)

NR 18 NR 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção (118.000-2) NR 18 NR 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção (118.000-2) Resumo da NR 18 para áreas de vivência 18.1. Objetivo e campo de aplicação. 18.1.1. Esta Norma Regulamentadora NR

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA.

QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. O presente trabalho é resultado de um consenso estabelecido

Leia mais

NR 24 - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO

NR 24 - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO NR 24 - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO 24.1 Instalações Sanitárias 24.1.1 Todo estabelecimento deve ser dotado de instalações sanitárias, constituídas por vasos sanitários,

Leia mais

NR - 18 - APLICADA EM CANTEIROS DE OBRAS

NR - 18 - APLICADA EM CANTEIROS DE OBRAS NR - 18 - APLICADA EM CANTEIROS DE OBRAS ELVIO LUIZ LORIERI DIR. CANTEIRO DE OBRAS DA ALEC. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS WWW.ALEC.ORG.BR PARA IMPLANTAÇÃO DE UM CANTEIRO DE OBRA, DEVEMOS

Leia mais

O que é Canteiro de Obras?

O que é Canteiro de Obras? O que é Canteiro de Obras? Sistema complexo, com muitos riscos associados Análise prévia e criteriosa de sua implantação Qualidade Produtividade Segurança Cartão de visita da obra!!! O que é Canteiro

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. (Proteção Periférica Primária e Secundária)

MANUAL TÉCNICO. (Proteção Periférica Primária e Secundária) MANUAL TÉCNICO (Proteção Periférica Primária e Secundária). 2 SUMÁRIO Proteção Periférica Primária e Secundária...03 Descrição Técnica...04 Sistema de Ancoragem...06 Norma Regulamentadora NR-18...07 Atualização

Leia mais

NR-24 CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO

NR-24 CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO NR-24 CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO Órgão Responsável pelo Estabelecimento Endereço CNAE Inspetor (es) DADOS DA INSPEÇÃO Estabelecimento Contato Numero de Servidores Referências

Leia mais

GUIA ORIENTATIVO ÁREAS DE VIVÊNCIA

GUIA ORIENTATIVO ÁREAS DE VIVÊNCIA GUIA ORIENTATIVO ÁREAS DE VIVÊNCIA GUIA PARA IMPLANTAÇÃO DE ÁREAS DE VIVÊNCIA NOS CANTEIROS DE OBRA GUIA ÁREAS DE VIVÊNCIA 1 2 GUIA ORIENTATIVO ÁREAS DE VIVÊNCIA GUIA PARA IMPLANTAÇÃO DE ÁREAS DE VIVÊNCIA

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Lançar mão dos recursos e técnicas de

Leia mais

de Prevenção de Acidentes) para melhorar as condições de segurança e trabalho na construção Civil.

de Prevenção de Acidentes) para melhorar as condições de segurança e trabalho na construção Civil. FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª MarivaldoOliveira COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Lançar mão dos recursos e técnicas de prevenção

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA ANDAIME TUBULAR ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. INFORMAÇÃO TÉCNICA... 2 2. PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA... 4 2.1. USO DOS ANDAIMES TUBULARES... 5 2.2. MANUTENÇÃO (DIRETRIZES

Leia mais

Coleção MONTICUCO Fascículo Nº 70 Engenharia de Segurança e Meio Ambiente do Trabalho LISTA DE CHECAGEM ANDAIME SUSPENSO MOTORIZADO

Coleção MONTICUCO Fascículo Nº 70 Engenharia de Segurança e Meio Ambiente do Trabalho LISTA DE CHECAGEM ANDAIME SUSPENSO MOTORIZADO LISTA DE CHECAGEM DE ANDAIME SUSPENSO MOTORIZADO 1 Autor DEOGLEDES MONTICUCO Iniciou aos 14 anos como Mensageiro. 1974 - Engenheiro Civil e 1975 - Engenheiro de Segurança do Trabalho. Obras de construções:

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção

Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção Por que eu devo utilizar equipamentos de segurança e onde encontrá-los? Os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) foram feitos para evitar

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO. PORTARIA N.º 320 DE 23 DE MAIO DE 2012 (D.O.U. de 24/05/2012 - Seção 1 - pág.

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO. PORTARIA N.º 320 DE 23 DE MAIO DE 2012 (D.O.U. de 24/05/2012 - Seção 1 - pág. MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO PORTARIA N.º 320 DE 23 DE MAIO DE 2012 (D.O.U. de 24/05/2012 - Seção 1 - pág. 63) Submete a Consulta Pública a proposta de alteração

Leia mais

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001)

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18 Andaime Suspenso Mecânico ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18.15.30 Os sistemas de fixação e sustentação e as estruturas de apoio dos andaimes

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro.

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro. e MANUAL TÉCNICO ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR e ANDAIME TUBULAR Objetivo Estabelecer os procedimentos que devem ser obedecidos na liberação de montagem / desmontagem de andaimes com a finalidade de

Leia mais

CANTEIRO DE OBRAS CARTÃO DE VISITA DA OBRA!!! 26/02/2015. Sistema complexo, com muitos riscos associados

CANTEIRO DE OBRAS CARTÃO DE VISITA DA OBRA!!! 26/02/2015. Sistema complexo, com muitos riscos associados CANTEIRO DE OBRAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I Sistema complexo, com muitos riscos associados Análise prévia e criteriosa de

Leia mais

01 - DADOS GERAIS DA EMPRESA 02 - NÚMERO DE TRABALHADORES (AS) DA EMPRESA. 03 EPI s EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

01 - DADOS GERAIS DA EMPRESA 02 - NÚMERO DE TRABALHADORES (AS) DA EMPRESA. 03 EPI s EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Rua Doutor Faivre, 888 - Fone: (41) 3264-4211 Fax: (41) 3264-4292 01 - DADOS GERAIS DA EMPRESA NOME: CNPJ: ENDEREÇO: MUNICÍPIO: CEP: FONE / FAX: PROPRIETÁRIO: ENCARREGADO: 02 - NÚMERO DE TRABALHADORES

Leia mais

MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO

MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO 1 SUMÁRIO Acessórios 03 Instruções de montagem 04 Dicas Importantes 10 Acesso dos Andaimes 11 Informações de Segurança 12 2 ACESSÓRIOS 3 ANDAIME FACHADEIRO INSTRUÇÕES

Leia mais

DICAS DE SEGURANÇA NA OBRA

DICAS DE SEGURANÇA NA OBRA ASSOCIAÇÃO DOS CONSTRUTORES E INCORPORADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE CAPÃO DA CANOA DICAS DE SEGURANÇA NA OBRA Profissional qualificado e registrado operando o Guincho ( com certificado); Profissional qualificado

Leia mais

PROJETO DE FISCALIZAÇÃO DO MTE NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

PROJETO DE FISCALIZAÇÃO DO MTE NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL OBJETIVOS PROJETO DE FISCALIZAÇÃO DO MTE NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL VIGÊNCIA 2010 / 2011 Redução do número de acidentes graves e fatais do setor; Redução da mão de obra informal; Atendimento à demanda

Leia mais

GRUPO 01 GRUPO 02 GRUPO 03 NÃO SE APLICA

GRUPO 01 GRUPO 02 GRUPO 03 NÃO SE APLICA CONCEITO DE AVALIAÇÃO CHECK LIST 1. MEMORIAL SOBRE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NAS NOTA MÉDIA FINAL: 6,71NOTA MÉDIA FINAL: 4,82NOTA MÉDIA FINAL: 8,97 ATIVIDADES E OPERAÇÕES a) O memorial contempla

Leia mais

Indústria da Construção: Canteiro de obras

Indústria da Construção: Canteiro de obras Indústria da Construção: Canteiro de obras Grupo de Materiais de Construção 1 INTRODUÇÃO: Definição: O Canteiro de obras é o conjunto de "áreas destinadas à execução e apoio dos trabalhos da indústria

Leia mais

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno PPRA MANUAL PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO FORMULÁRIO PARA RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Esse Formulário deve ser aplicado

Leia mais

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE II O CANTEIRO DE OBRAS

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE II O CANTEIRO DE OBRAS MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE II O CANTEIRO DE OBRAS O canteiro de obras Introdução Sistema de produção Em muitos casos de obras de construção e montagem o canteiro de obras pode ser comparado a uma fábrica

Leia mais

manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial.

manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial. manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR Sumário Andaime Tubular...03 Montagem Especial...04 Acessórios...05 Modos e Pontos de Ancoragem...06 Dicas Importantes...07 Acesso dos Andaimes...08 Informações de Segurança...09

Leia mais

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO Andaime Tubo Equipado...03 Acessórios...04 Modos e Pontos de Ancoragem...05 Dicas Importantes...07 Acesso dos Andaimes...08 Informações de Segurança...09 Fotos Obras...10 Atualização

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. NR 18-Construção Civil-Alterações

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. NR 18-Construção Civil-Alterações VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NR 18-Construção Civil-Alterações Orientador Empresarial PORTARIA SIT nº 201/2011: 24.01.2011, com

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO E TRANSPORTE DE MATERIAIS E PESSOAS

MOVIMENTAÇÃO E TRANSPORTE DE MATERIAIS E PESSOAS Página: 1 de 13 Texto final APROVADO pelo CPN em 2 SET de 2010, considerando a Nota Técnica O66 2010- DSST/SIT/MTE ITEM TEXTO ATUAL TEXTO PROPOSTO 18.14.1 Os equipamentos de transporte vertical de materiais

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Procedimento para Bancada de Serra Circular Elétrica

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Procedimento para Bancada de Serra Circular Elétrica Revisão: 00 Folha: 1 de 6 1) OBJETIVO Este procedimento estabelece os requisitos e condições mínimas para a implementação de medidas de controle e sistemas preventivos, de forma a garantir a segurança

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS I IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome: Endereço: AP: Nome Fantasia: Inscrição Municipal: Nº do Processo: CNPJ: Tipo de Serviço: ( ) Municipal ( ) Filantrópico ( ) Conveniado SUS RJ ( ) Privado ( ) Estadual

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR LOGO DA EMPRESA EMPRESA: DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE: LOCAL DA ATIVIDADE: ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR FOLHA: 01 DE 10. DATA DE EMISSÃO: DATA DE APROVAÇÂO: REVISÃO: HORÁRIO: ASSINATURA DOS ENVOLVIDOS NA

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 04. Procedimento para Plataformas e Telas (apara-lixo de proteção)

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 04. Procedimento para Plataformas e Telas (apara-lixo de proteção) Revisão: 00 Folha: 1 de 10 1. Objetivo Assegurar que todos os canteiros de obras efetuem a montagem das plataformas e a colocação da tela de proteção de acordo com a as especificações da NR -18 2. Documentos

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O PCMAT DE UMA OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE CRICIÚMA-SC COM A NR 18 - ESTUDO DE CASO

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O PCMAT DE UMA OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE CRICIÚMA-SC COM A NR 18 - ESTUDO DE CASO ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O PCMAT DE UMA OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE CRICIÚMA-SC COM A NR 18 - ESTUDO DE CASO RESUMO Lucas Vaz Franco Crispim (1), Clovis Norberto Savi (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

NR 24 - Condições Sanitárias e de Conforto nos Locais de Trabalho Publicação ATUAL PROPOSTA COMENTÁRIOS

NR 24 - Condições Sanitárias e de Conforto nos Locais de Trabalho Publicação ATUAL PROPOSTA COMENTÁRIOS NR 24 - Condições Sanitárias e de Conforto nos Locais de Trabalho Publicação ATUAL PROPOSTA COMENTÁRIOS 1. Instalações Sanitárias 2. Vestiários 3. Refeitórios 4. Cozinhas 5. Alojamento 6. Condições de

Leia mais

ELEVADOR DE TRAÇÃO A CABO E CREMALHEIRAS

ELEVADOR DE TRAÇÃO A CABO E CREMALHEIRAS 1. OBJETIVO Esta apresentação tem por objetivo estabelecer diretrizes mínimas para assegurar a implementação de medidas preventivas e de proteção para a utilização de Elevadores de Tração a Cabo e Cremalheiras,

Leia mais

LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO

LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO Conforme NR-10 ACME S.A Ind. Com. 1 de 9 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Identificação do Responsável pela Execução do Serviço. Nome: Empresa: Registro: Local de Execução do Serviço.

Leia mais

ANDAIMES E PLATAFORMAS DE TRABALHO

ANDAIMES E PLATAFORMAS DE TRABALHO Página: 1 de 5 ITEM TEXTO ATUAL TEXTO PROPOSTO 18.15.1 Manter 18.15.1.1 18.15.2 Os andaimes devem ser dimensionados e construídos de modo a suportar, com segurança, as cargas de trabalho a que estarão

Leia mais

Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF

Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF A Comissão de segurança do Instituto de Química da UFF(COSEIQ) ao elaborar essa proposta entende que sua função é vistoriar, fiscalizar as condições

Leia mais

ANEXO X. Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016

ANEXO X. Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016 ANEXO X Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016 NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Página 1 de 5 1 - CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1 As normas aplicáveis aos serviços a serem

Leia mais

CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS

CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS CPN - CPR CPN - Comitê Permanente Nacional sobre Condições e Meio Ambiente do Trabalho na Indústria da Construção Civil.. Atribuições

Leia mais

Segurança do Trabalho no Canteiro de Obras PARTE 2

Segurança do Trabalho no Canteiro de Obras PARTE 2 Segurança do Trabalho no Canteiro de Obras PARTE 2 Equipamento de Proteção Coletiva (EPC): 2 Áreas vazadas: Equipamento de Proteção Coletiva (EPC) 18.13.1. É obrigatória a instalação de proteção coletiva

Leia mais

Gestão da produção: Sistemas isolados. Gestão da produção: Funções envolvidas. Conteúdo. Gestão Integrada. Gestão Integrada

Gestão da produção: Sistemas isolados. Gestão da produção: Funções envolvidas. Conteúdo. Gestão Integrada. Gestão Integrada Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Especialização em Gerenciamento de Obras Gestão Integrada Conteúdo Gestão Integrada Getsão de Fluxos Físicos Gestão

Leia mais

Anexo 3 - Questionário específico - construção

Anexo 3 - Questionário específico - construção Anexo 3 - Questionário específico - construção 85 Empresa: Morada: Localidade: Cód. Postal: Distrito: Telefone: NIF: Código de CAE-Rev. 2/92: Actividade principal da empresa: Categoria da Actividade: Número

Leia mais

CATÁLOGO 2013 PLACAS DE SINALIZAÇÃO CONSTRUÇÃO CIVIL INDÚSTRIAS

CATÁLOGO 2013 PLACAS DE SINALIZAÇÃO CONSTRUÇÃO CIVIL INDÚSTRIAS CATÁLOGO 2013 rev. 01 PLACAS DE SINALIZAÇÃO CONSTRUÇÃO CIVIL INDÚSTRIAS Um dos fatores responsáveis pela causa de grande parte dos acidentes é a falta de sinalização disponível sobre os locais que oferecem

Leia mais

ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade

ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade 1. Conceito/objetivo do produto: O relatório destina-se a informar e orientar as condições de acesso e utilização de equipamentos e instalações

Leia mais

ADEQUAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES E DO MOBILIÁRIO URBANO À PESSOA DEFICIENTE

ADEQUAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES E DO MOBILIÁRIO URBANO À PESSOA DEFICIENTE Esta norma aplica-se atodas as edificações de uso público e/ou mobiliário urbano, tanto em condições temporárias como em condições permanentes. É sempre necessário consultar o REGULAMENTO DO CÓDIGO NACIONAL

Leia mais

ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO

ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO e MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO Trabalho em Altura Uma das principais causas de acidentes de trabalho graves e fatais se deve a eventos envolvendo quedas de trabalhadores de diferentes

Leia mais

Area de vivencia na construcao civil. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Seguranca do Trabalho

Area de vivencia na construcao civil. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Seguranca do Trabalho Area de vivencia na construcao civil Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Seguranca do Trabalho Area de vivencia As áreas de vivência devem ser mantidas em perfeito estado de conservação, higiene e

Leia mais

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Gerenciamento de Obras Prof. Dr. Ivan Xavier Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Fases do Gerenciamento: 3. Operação e controle da obra. 3. Operação e controle da obra: Reunião de partida da obra;

Leia mais

PREVENÇÃO DE ACIDENTE NOS TRABALHOS EM ALTURA

PREVENÇÃO DE ACIDENTE NOS TRABALHOS EM ALTURA PALESTRA PREVENÇÃO DE ACIDENTE NOS TRABALHOS EM ALTURA OBJETIVO: PASSAR CONHECIMENTO E EXPERIÊNCIA ADQUIRIDA NA PREVENÇÃO DE ACIDENTES EM TRABALHO EM ALTURA O QUE DIZ A LEI SEGUNDO A LEI, A CULPA ESTÁ

Leia mais

-Só iniciar a tarefa com PT-Permissão para Trabalho,e cumpra as Recomendações de segurança contidas nela.

-Só iniciar a tarefa com PT-Permissão para Trabalho,e cumpra as Recomendações de segurança contidas nela. PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÂO POP 005000-OM -06 1/2 PINTURA DE PAREDE COM USO DE ANDAIME REVISÃO: 00 FOLHA 1- OBJETIVO ESTE PROCEDIMENTO ESTABELECE OS REQUISITOA MÍNIMOS DE SEGURANÇA NO TRABALHO DE PINTURA.

Leia mais

Figura 1: Plataforma de trabalho do andaime. Figura 2: Piso metálico da plataforma de trabalho.

Figura 1: Plataforma de trabalho do andaime. Figura 2: Piso metálico da plataforma de trabalho. INSTRUÇÕES DE USO ANDAIME TUBULAR 1. Devem ser tomadas precauções especiais, quando da montagem, desmontagem e movimentação de andaimes próximos às redes elétricas. 2. O piso de trabalho dos andaimes deve

Leia mais

Perspectivas e modificações previstas no âmbito da NR-18. Sinduscon-SP 06 de Fevereiro de 2009

Perspectivas e modificações previstas no âmbito da NR-18. Sinduscon-SP 06 de Fevereiro de 2009 Perspectivas e modificações previstas no âmbito da NR-18 Sinduscon-SP 06 de Fevereiro de 2009 Cestos aéreosa GT- Cesto Aéreo(em discussão no CPN) É proibido a utilização de equipamentos de guindar

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE UM CANTEIRO DE OBRAS DE ACORDO COM A NR18 ESTUDO DE CASO

IMPLANTAÇÃO DE UM CANTEIRO DE OBRAS DE ACORDO COM A NR18 ESTUDO DE CASO IMPLANTAÇÃO DE UM CANTEIRO DE OBRAS DE ACORDO COM A NR18 ESTUDO DE CASO RESUMO Orientando Alison Bonfante (1), Orientador Clovis Norberto Savi (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1) bonfantee_@hotmail.com,

Leia mais

Este procedimento tem como objetivo, estabelecer critérios e procedimentos necessários para montagem e utilização de escadas, rampas e passarelas.

Este procedimento tem como objetivo, estabelecer critérios e procedimentos necessários para montagem e utilização de escadas, rampas e passarelas. Revisão: 00 Folha: 1 de 7 1. Objetivo Este procedimento tem como objetivo, estabelecer critérios e procedimentos necessários para montagem e utilização de escadas, rampas e 2. Documentos de Referência

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO SETIN ENGENHARIA

SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO SETIN ENGENHARIA SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO / QSMS SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO SETIN ENGENHARIA JORGE LUÍS DE DEUS PINTO TATIANA TAVARES HORIBE VANDERSON ALVES RIBEIRO Sumário Missão da Diretoria

Leia mais

CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS

CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS ELEVADOR A CABO ELEVADOR DE CREMALHEIRA Elevador de cremalheira e pinhão Maior custo compra / aluguel; Maior padrão de segurança;

Leia mais

NR 24 - Condições Sanitárias e de Conforto nos Locais de Trabalho (124.000-5)

NR 24 - Condições Sanitárias e de Conforto nos Locais de Trabalho (124.000-5) NR 24 - Condições Sanitárias e de Conforto nos Locais de Trabalho (124.000-5) 24.1. Instalações sanitárias. 24.1.1. Denomina-se, para fins de aplicação da presente NR, a expressão: a) aparelho sanitário:

Leia mais

b) gabinete sanitário: também denominado de latrina, retrete, patente, cafoto, sentina, privada, WC, o local destinado a fins higiênicos e dejeções;

b) gabinete sanitário: também denominado de latrina, retrete, patente, cafoto, sentina, privada, WC, o local destinado a fins higiênicos e dejeções; 24 - Condições Sanitárias e de Conforto nos Locais de Trabalho (124.000-5) 24.1. Instalações sanitárias. 24.1.1. Denomina-se, para fins de aplicação da presente NR, a expressão: a) aparelho sanitário:

Leia mais

NR 18 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção SUMÁRIO

NR 18 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção SUMÁRIO NR 18 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção SUMÁRIO 18.1 Objetivo e Campo de Aplicação 18.2 Comunicação Prévia 18.3 Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO versão 04

MEMORIAL DESCRITIVO versão 04 MEMORIAL DESCRITIVO versão 04 Arquitetônico Hidrossanitário EMPREENDIMENTO: Edifício Residencial ÁREA CONSTRUIDA: 2.323,60 m² ÁREA DO TERRENO: 1.474,00 m² LOCALIZAÇÃO: Rua Ianne Thorstemberg, n 344 Bairro

Leia mais

NR 18 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção SUMÁRIO

NR 18 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção SUMÁRIO NR 18 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção SUMÁRIO 18.1 Objetivo e Campo de Aplicação 18.2 Comunicação Prévia 18.3 Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. ENGº CIVIL E DE SEGURANÇA DO TRABALHO LUIZ ANTÔNIO VIÉGAS DA SILVA luizviegasrj@gmail.

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. ENGº CIVIL E DE SEGURANÇA DO TRABALHO LUIZ ANTÔNIO VIÉGAS DA SILVA luizviegasrj@gmail. Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite ENGº CIVIL E DE SEGURANÇA DO TRABALHO LUIZ ANTÔNIO VIÉGAS DA SILVA luizviegasrj@gmail.com DISCIPLINA Prevenção em Máquinas e Equipamentos I Assunto Condições

Leia mais

Questionário de Identificação das Principais Situações de Grave e Iminente Risco nos Canteiros de Obras da Indústria da Construção no Estado da Bahia

Questionário de Identificação das Principais Situações de Grave e Iminente Risco nos Canteiros de Obras da Indústria da Construção no Estado da Bahia Questionário de Identificação das Principais Situações de Grave e Iminente Risco nos Canteiros de Obras da Indústria da Construção no Estado da Bahia O presente trabalho é resultado de um consenso estabelecido

Leia mais

Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( )

Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( ) Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( ) Nome: Endereço: Data: / 2.005 Vistoriado por: Características da Edificação : LEGISLAÇÃO DECRETO Nº 5.296 DE 2 DE DEZEMBRO DE 2004 NBR 9050/2004;

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS001 CANTEIRO DE OBRAS Revisão: 03 Dez./13 SUMÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS001 CANTEIRO DE OBRAS Revisão: 03 Dez./13 SUMÁRIO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS001 CANTEIRO DE OBRAS Revisão: 03 Dez./13 SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2

Leia mais

NR 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção (118.0002)

NR 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção (118.0002) NR 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção (118.0002) 18.1 Objetivo e Campo de Aplicação 18.2 Comunicação Prévia Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria

Leia mais

NR 6 E P I. Equipamento de Proteção Individual. Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978

NR 6 E P I. Equipamento de Proteção Individual. Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978 NR 6 E P I Equipamento de Proteção Individual Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978 A sexta Norma Regulamentadora, cujo título é Equipamento de Proteção Individual (EPI), estabelece: definições legais,

Leia mais

NR 18 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção SUMÁRIO

NR 18 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção SUMÁRIO NR 18 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção SUMÁRIO 18.1 Objetivo e Campo de Aplicação 18.2 Comunicação Prévia 18.3 Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria

Leia mais

Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015

Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015 Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015 Altera a Norma Regulamentadora nº 34 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção e Reparação Naval. O Ministro de Estado do Trabalho e Previdência

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA ÁS PRESTADORAS DE SERVIÇOS

NORMAS DE SEGURANÇA ÁS PRESTADORAS DE SERVIÇOS NORMAS DE SEGURANÇA ÁS PRESTADORAS DE SERVIÇOS 1 O SESMT Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho elaborou esta norma com o objetivo de estabelecer as condições mínimas no cumprimento

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria DSST n.º 02, de

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Portaria n 4, de 04/07/95 D.O.U. de 07/07/95 ALTERAÇÔES: Pela Portaria n 7, de 3 de março de 1997 Pela Portaria n 12, de 6 de maio

Leia mais

O Brasil tem utilizados desses equipamentos em todas as obras como os Estádios de Futebol, Portos, Aeroportos, Construção Civil, etc.

O Brasil tem utilizados desses equipamentos em todas as obras como os Estádios de Futebol, Portos, Aeroportos, Construção Civil, etc. GRUAS Os modernos Canteiros de Obras se utilizam de GRUAS para reduzirem o número de operários, auxiliar no cumprimento de prazos apertados e viabilizar a implantação de diversos sistemas de pré-moldados

Leia mais

Estaleiros de Equipamentos e Obras

Estaleiros de Equipamentos e Obras isep Engenharia Civil Estaleiros de Equipamentos e Obras [EEQO] Organização do Estaleiro de uma Obra de Construção Civil Eduardo Azevedo, nº 980019 Estaleiros de Equipamentos e Obras Organização do Estaleiro

Leia mais

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENAÇÃO DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL SUBGERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO SUMÁRIO Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria DSST n.º

Leia mais

NR 18 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção

NR 18 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção NR 18 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção PORTARIAS ATENDIDAS 1983 - Portaria Nº. 18 de 26 de agosto de 1983 1992 - Portaria Nº. 2 de 20 de maio de 1992 1997 - Portaria Nº.

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NORMA REGULAMENTADORA n.º 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS E FINANCEIRAS PARA A CONSTRUÇÃO DA UNIDADE DE PROCESSAMENTO DE DOCES E OUTROS PELA ASSOCIAÇÃO DE MULHERES DE PORTO DE AREIA

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS E FINANCEIRAS PARA A CONSTRUÇÃO DA UNIDADE DE PROCESSAMENTO DE DOCES E OUTROS PELA ASSOCIAÇÃO DE MULHERES DE PORTO DE AREIA ORIENTAÇÕES TÉCNICAS E FINANCEIRAS PARA A CONSTRUÇÃO DA UNIDADE DE PROCESSAMENTO DE DOCES E OUTROS PELA ASSOCIAÇÃO DE MULHERES DE PORTO DE AREIA Consultora: Eng. Agr. Marcio G. de Lima Alta Floresta, Maio

Leia mais

Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e de Proteção Coletiva (EPC)

Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e de Proteção Coletiva (EPC) Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e de Proteção Coletiva (EPC) PCC 2302 Gestão da Produção na Construção Civil Profº Francisco Ferreira Cardoso Juliana Bueno Silva Thales Landgraf Soraia Regina

Leia mais

NR 24 CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO

NR 24 CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO NR 24 CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO 24.1 Instalações sanitárias 24.1.1 Denomina-se, para fins de aplicação da presente NR, a expressão: a) aparelho sanitário: o equipamento

Leia mais

03/01/2015. Sumário. Trabalho em altura. Trabalho em altura; EPI s para trabalho em altura; EPC s; Aplicação do conjunto x trabalho Conclusão.

03/01/2015. Sumário. Trabalho em altura. Trabalho em altura; EPI s para trabalho em altura; EPC s; Aplicação do conjunto x trabalho Conclusão. Andre Cavalcanti Santos Téc. em saúde e segurança do trabalho E-mail: cavalcanti_sst@hotmail.com Sumário Trabalho em altura; EPI s para trabalho em altura; EPC s; Aplicação do conjunto x trabalho Conclusão.

Leia mais

PORTARIA CVS Nº 02, de 11/01/2010

PORTARIA CVS Nº 02, de 11/01/2010 PORTARIA CVS Nº 02, de 11/01/2010 Dispõe sobre Regulamento Técnico que estabelece requisitos sanitários para estabelecimentos destinados a eventos esportivos. A Diretora Técnica do Centro de Vigilância

Leia mais

NR 24 - Condições Sanitárias e de Conforto nos Locais de Trabalho. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78

NR 24 - Condições Sanitárias e de Conforto nos Locais de Trabalho. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 24.1 Instalações sanitárias. NR 24 - Condições Sanitárias e de Conforto nos Locais de Trabalho 24.1.1 Denomina-se, para fins de aplicação da presente NR, a expressão: Publicação D.O.U. Portaria GM n.º

Leia mais

Sinalização. Catálogo de Placas EXTINTOR DE INCÊNDIO 164,2/21,3-2.329-K-W/ 10.513.146/0001-94

Sinalização. Catálogo de Placas EXTINTOR DE INCÊNDIO 164,2/21,3-2.329-K-W/ 10.513.146/0001-94 Sinalização Catálogo de Placas EXTINTOR DE INCÊNDIO 164,2/21,3-2.329-K-W/ 10.513.146/0001-94 Materiais VINIL AUTO-ADESIVO PVC / PS Utilizado em ambientes internos e externos. Pode ser confeccionado com

Leia mais

PLANO DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS Execução de pinturas

PLANO DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS Execução de pinturas Página 1 de 7 PLANO DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS Execução de pinturas Página 2 de 7 PROCESSO CONSTRUTIVO 1. EECUÇÃO DE PINTURAS Esta actividade consiste nos trabalhos de pinturas nas paredes simples

Leia mais

Portaria nº 30 de 20 de Dezembro de 2001

Portaria nº 30 de 20 de Dezembro de 2001 Portaria nº 30 de 20 de Dezembro de 2001 A SECRETÁRIA DE INSPEÇAO DO TRABALHO e o DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso das atribuições legais que lhe conferem o Decreto n.º

Leia mais

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 18 CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DO TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 18 CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DO TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO - NORMA REGULAMENTADORA Nº 18 CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DO TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Alterada pela Portaria SIT nº 224, de 06/05/2011 - DOU de 10/05/2011 Aprovada pela Portaria SSST nº 4 - DOU

Leia mais

Engenharia de Segurança e Meio Ambiente

Engenharia de Segurança e Meio Ambiente Engenharia de Segurança e Meio Ambiente Introdução A Engemix possui uma equipe de Engenheiros de Segurança e Meio Ambiente capacitada para dar todo subsídio técnico para implantação, operação e desmobilização

Leia mais

CARTILHA DE SEGURANÇA EM OBRA

CARTILHA DE SEGURANÇA EM OBRA CARTILHA DE SEGURANÇA EM OBRA FAÇA SEU TRABALHO COM SEGURANÇA OBJETIVO Esta cartilha é para você trabalhador da construção civil, em cuja atividade profissional ocorre o maior número de acidentes, em todo

Leia mais

ANEXO 5. Detalhamento dos serviços sob responsabilidade da Concessionária

ANEXO 5. Detalhamento dos serviços sob responsabilidade da Concessionária ANEXO 5 Detalhamento dos serviços sob responsabilidade da Concessionária 1 Os SERVIÇOS de que trata este Anexo deverão ser prestados no âmbito do SETOR OPERACIONAL DAS ESTAÇÕES e dos EMPREENDIMENTOS ASSOCIADOS.

Leia mais

REDES DE COOPERAÇÃO PARA MELHORIA DOS AMBIENTES E PREVENÇÃO DE AGRAVOS NOS CANTEIROS DE OBRAS

REDES DE COOPERAÇÃO PARA MELHORIA DOS AMBIENTES E PREVENÇÃO DE AGRAVOS NOS CANTEIROS DE OBRAS REDES DE COOPERAÇÃO PARA MELHORIA DOS AMBIENTES E PREVENÇÃO DE AGRAVOS NOS CANTEIROS DE OBRAS Ijuí 13/09/2012 José Enio Fontoura de Andrade Médico do Trabalho CEREST-Serra Deuteronômio 22.8 Quando edificares

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 4: CAIXAS DE SAÍDA CONDIÇÕES As caixas de saída devem ser projetadas nas tubulações secundárias nas seguintes condições: a) Nas entradas e saídas de fios telefônicos nos eletrodutos; b) Para diminuir

Leia mais

Norma Regulamentadora n 18- Condições e meio ambiente de trabalho na indústria da construção

Norma Regulamentadora n 18- Condições e meio ambiente de trabalho na indústria da construção Norma Regulamentadora n 18- Condições e meio ambiente de trabalho na indústria da construção SUMÁRIO 1. Introdução 02 2. Desenvolvimento 02 2.1. Objetivo, Campo de Aplicação e Comunicação Prévia 02 2.2.

Leia mais