ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional)"

Transcrição

1 ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional) 1

2 Senhor (a) Avaliador (a), a) Para Autoavaliação: utilizar a coluna "A" do campo ; b) Para Avaliação da Equipe de Trabalho: utilizar a coluna "E" do campo ; e c) Para Avaliação da Chefia Imediata: utilizar a coluna "C" do campo. Conceitos 4 Excelente Quando ocorrer frequentemente. 3 Satisfatório Quando ocorrer com mediana frequência. 2 Regular Quando ocorrer com pouca frequência. 1 Insuficiente Quando ocorrer eventualmente. Fator 1: Conhecimento de métodos e técnicas (Peso 1) Grau de conhecimento teórico e prático para o desenvolvimento adequado das atividades. a) Domina e aplica os conhecimentos na sua área de atuação. b) Propõe melhorias no seu processo de trabalho. c) Compartilha conhecimentos visando a continuidade dos processos de trabalho. d) Seu conhecimento o torna capaz de tomar decisões e resolver problemas. e) Reconhece a importância do seu trabalho e o relaciona as outras atividades desenvolvidas. Descrição Média Total do Fator 1 Fator 2: Trabalho em equipe (Peso 1) Capacidade de trabalhar em equipe, mantendo uma postura profissional, participativa, colaboradora e interpessoal. a) Relaciona-se com os colegas, superiores, subordinados e usuários, mantendo um bom clima de trabalho. b) Desenvolve atividades em equipe na busca de resultados, de acordo com planos e metas de trabalho. c) Valoriza o trabalho em equipe, contribuindo com a atuação positiva dos demais. d) Contribui com idéias e soluções para atingir as metas de trabalho de sua equipe. e) Sabe ouvir e respeitar os diferentes pontos de vista. Média Total do Fator 2 Fator 3: Cumprimento das normas de procedimentos e de conduta (Peso 1) Capacidade para observar e cumprir normas e regulamentos, bem como manter um comportamento adequado ao serviço público e aos padrões éticos e de conduta estabelecidos. a) Cumpre o horário e comparece com assiduidade ao trabalho, comunicando e justificando possíveis imprevistos. b) Executa suas atividades de acordo com a legislação vigente e as diretrizes institucionais. c) Trata com urbanidade e profissionalismo as pessoas no ambiente de trabalho, de acordo com os padrões éticos. d) Mantém sigilo em assuntos confidenciais e encaminha corretamente os assuntos que fogem do seu poder de decisão. e) Conserva o patrimônio público, utilizando os recursos de maneira racional. Média Total do Fator 3 Fator 4: Produtividade no trabalho (Peso 0,5) Capacidade de organizar, executar o trabalho e cumprir prazos, de acordo com os padrões estabelecidos e recursos disponíveis, visando o alcance dos objetivos institucionais. a) Realiza suas atividades aproveitando bem os recursos disponíveis: equipamentos, tempo, orçamento, pessoas. b) Organiza seu tempo, priorizando as atividades conforme planos e metas de trabalho. c) Cumpre os prazos estabelecidos para executar suas atividades. d) Cumpre as atividades que lhe são atribuídas, apresentando resultados estabelecidos. e) Preocupa-se em manter o ambiente de trabalho favorável ao desempenho das atividades, seja em seu aspecto físico ou no relacionamento com os colegas. Média Total do Fator 4 Fator 5: Comprometimento com o trabalho (Peso 0,5) Aplicar-se no desenvolvimento dos trabalhos com comprometimento, disponibilidade, responsabilidade, e aprendizagem, enfatizando o cumprimento das metas institucionais e da missão institucional. a) Executa o trabalho com disposição e responsabilidade. b) Suas atitudes condizem com os valores da instituição: ética, respeito, segurança, transparência, profissionalismo. c) Aceita desenvolver novas atividades, para atender as necessidades da instituição. d) Participa de capacitações e eventos oferecidos pela instituição, buscando a aprendizagem contínua. e) Alinha a execução dos seus trabalhos com vistas ao cumprimento da missão, da visão. Fator 6: Qualidade técnica do trabalho (Peso 0,5) Atingir os objetivos institucionais previamente definidos, de forma adequada à finalidade, com eficiência e eficácia. a) É flexível à implantação das mudanças dos processos de trabalho. b) Desenvolve suas atividades com o padrão de qualidade requerida pelo cargo. c) Executa atividades com incidência mínima de erros e ausência de retrabalhos. d) Comunica-se de forma clara e objetiva, fazendo com que as idéias e as informações sejam compreendidas. e) Acompanha e participa do andamento dos trabalhos realizados até a sua concretização. 3. Cumprimento da Meta Individual Pactuada (Peso 0,5) Média Total do Fator 5 Média Total do Fator 6 Total dos Fatores de Avaliação Avaliação exclusiva da Chefia Imediata: Nível de comprometimento do servidor para o alcance das metas pactuadas com a chefia e a equipe de trabalho, de acordo com os compromissos de desempenho individual assumidos no Plano de Trabalho. Conceito Escala das Metas Individuais Executadas 4 Atingiu mais de 70% das metas individuais pactuadas. 3 Atingiu mais de 60% a 70% das metas individuais pactuadas.

3 2 Atingiu de 50% a 60% das metas individuais pactuadas. 1 Atingiu menos de 50% das metas individuais pactuadas. da Meta Individual 4. Observações do Avaliador 1. Cite conhecimentos e habilidades a serem desenvolvidas e aperfeiçoadas, e indique cursos ou programas de capacitação e/ou treinamento que poderão contribuir com a melhoria do desempenho do servidor. Conhecimentos e Habilidades Cursos de Capacitação e Treinamento 2. Com relação às condições de trabalho, indique aquelas que você considera inadequadas e possíveis providências para adequá-las. Condições de trabalho inadequadas Providências a serem adotadas 5. Resultado da Avaliação Individual (1) : Pontuação (2) : (1) Somatório das notas obtidas dos Fatores de Avaliação e da Meta de Desempenho Individual. (2) Aplicar a escala de s (Conversão de Pontos para Parcela Individual). 6. Identificação dos Avaliadores (Representante da Equipe de Trabalho) Assinatura do Avaliador - Equipe de Trabalho (Chefia Imediata) Função Código da Função 7. Ciência do Servidor Avaliado Concordo com a avaliação. Discordo com a avaliação. ANEXO II Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Gerencial) Senhor (a) Avaliador (a), a) Para Autoavaliação: utilizar a coluna "A" do campo ; b) Para Avaliação da Equipe de Trabalho: utilizar a coluna "E" do campo ; e c) Para Avaliação da Chefia Imediata: utilizar a coluna "C" do campo. Conceitos 4 Excelente Quando ocorrer frequentemente. 3 Satisfatório Quando ocorrer com mediana frequência. 2 Regular Quando ocorrer com pouca frequência. 1 Insuficiente Quando ocorrer eventualmente. Fator 1: Conhecimento de métodos e técnicas (Peso 1) Grau de conhecimento teórico e prático para o desenvolvimento adequado das atividades. a) Domina e aplica os conhecimentos na sua área de atuação. b) Propõe melhorias no seu processo de trabalho. c) Compartilha conhecimentos visando a continuidade dos processos de trabalho. d) Seu conhecimento o torna capaz de tomar decisões e resolver problemas. e) Reconhece a importância do seu trabalho e o relaciona as outras atividades desenvolvidas. Descrição Média Total do Fator 1

4 Fator 2: Trabalho em equipe (Peso 1) Capacidade de trabalhar em equipe, mantendo uma postura profissional, participativa, colaboradora e interpessoal. a) Relaciona-se com os colegas, superiores, subordinados e usuários, mantendo um bom clima de trabalho. b) Desenvolve atividades em equipe na busca de resultados, de acordo com planos e metas de trabalho. c) Valoriza o trabalho em equipe, contribuindo com a atuação positiva dos demais. d) Contribui com idéias e soluções para atingir as metas de trabalho de sua equipe. e) Sabe ouvir e respeitar os diferentes pontos de vista. Média Total do Fator 2 Fator 3: Cumprimento das normas de procedimentos e de conduta (Peso 1) Capacidade para observar e cumprir normas e regulamentos, bem como manter um comportamento adequado ao serviço público e aos padrões éticos e de conduta estabelecidos. a) Cumpre o horário e comparece com assiduidade ao trabalho, comunicando e justificando possíveis imprevistos. b) Executa suas atividades de acordo com a legislação vigente e as diretrizes institucionais. c) Trata com urbanidade e profissionalismo as pessoas no ambiente de trabalho, de acordo com os padrões éticos. d) Mantém sigilo em assuntos confidenciais e encaminha corretamente os assuntos que fogem do seu poder de decisão. e) Conserva o patrimônio público, utilizando os recursos de maneira racional. Média Total do Fator 3 Fator 4: Produtividade no trabalho (Peso 0,5) Capacidade de organizar, executar o trabalho e cumprir prazos, de acordo com os padrões estabelecidos e recursos disponíveis, visando o alcance dos objetivos institucionais. a) Realiza suas atividades aproveitando bem os recursos disponíveis: equipamentos, tempo, orçamento, pessoas. b) Organiza seu tempo, priorizando as atividades conforme planos e metas de trabalho. c) Cumpre os prazos estabelecidos para executar suas atividades. d) Cumpre as atividades que lhe são atribuídas, apresentando resultados estabelecidos. e) Preocupa-se em manter o ambiente de trabalho favorável ao desempenho das atividades, seja em seu aspecto físico ou no relacionamento com os colegas. Média Total do Fator 4 Fator 5: Comprometimento com o trabalho (Peso 0,5) Aplicar-se no desenvolvimento dos trabalhos com comprometimento, disponibilidade, responsabilidade, e aprendizagem, enfatizando o cumprimento das metas institucionais e da missão institucional. a) Executa o trabalho com disposição e responsabilidade. b) Suas atitudes condizem com os valores da instituição: ética, respeito, segurança, transparência, profissionalismo. c) Aceita desenvolver novas atividades, para atender as necessidades da instituição. d) Participa de capacitações e eventos oferecidos pela instituição, buscando a aprendizagem contínua. e) Alinha a execução dos seus trabalhos com vistas ao cumprimento da missão, da visão. Média Total do Fator 5 Fator 6: Capacidade técnica gerencial (Peso 0,5) Capacidade de acompanhar as atividades desenvolvidas em sua equipe, com conhecimento de todos os processos de trabalho da unidade, como forma de articulação gerencial, visando contribuir para o alcance da meta institucional. a) Conduz e integra a equipe, por meio de uma relação de parceria, estimulando o crescimento profissional, dentro de um clima de motivação para o alcance dos objetivos institucionais. b) Compartilha seus conhecimentos e experiências, buscando o aprimoramento da capacitação técnica, dos métodos e processos, de maneira a atingir melhores resultados. c) Oportuniza condições de trabalho adequadas à equipe, avaliando desempenhos e despertando motivação, proatividade e disciplina. d) Coordena e acompanha o planejamento e desenvolvimento das metas institucionais. e) Possui habilidade para lidar com conflitos e opiniões divergentes, atuando de forma justa e sensata na aplicação de soluções. Média Total do Fator 6 3. Cumprimento da Meta Individual Pactuada (Peso 0,5) Total dos Fatores de Avaliação Avaliação exclusiva da Chefia Imediata: Nível de comprometimento do servidor para o alcance das metas pactuadas com a chefia e a equipe de trabalho, de acordo com os compromissos de desempenho individual assumidos no Plano de Trabalho. Conceito Escala das Metas Individuais Executadas 4 Atingiu mais de 70% das metas individuais pactuadas. 3 Atingiu mais de 60% a 70% das metas individuais pactuadas. 2 Atingiu de 50% a 60% das metas individuais pactuadas. 1 Atingiu menos de 50% das metas individuais pactuadas. da Meta Individual 4. Observações do Avaliador 1. Cite conhecimentos e habilidades a serem desenvolvidas e aperfeiçoadas, e indique cursos ou programas de capacitação e/ou treinamento que poderão contribuir com a melhoria do desempenho do servidor. Conhecimentos e Habilidades Cursos de Capacitação e Treinamento 2. Com relação às condições de trabalho, indique aquelas que você considera inadequadas e possíveis providências para adequá-las. Condições de trabalho inadequadas Providências a serem adotadas 5. Resultado da Avaliação Individual (1) : Pontuação (2) : (1) Somatório das notas obtidas dos Fatores de Avaliação e da Meta de Desempenho Individual. (2) Aplicar a escala de s (Conversão de Pontos para Parcela Individual).

5 6. Identificação dos Avaliadores (Representante da Equipe de Trabalho) (Chefia Imediata) Função Assinatura do Avaliador - Equipe de Trabalho Código da Função 7. Ciência do Servidor Avaliado Concordo com a avaliação. Discordo com a avaliação. ANEXO III Pedido de Reconsideração (Avaliação de Desempenho Individual) 2. Manifestação Expressa do Servidor Descrever o motivo de não concordância com a avaliação de desempenho, identificando o avaliador, seja da Equipe de Trabalho ou da Chefia Imediata e apontando por "Fator e Item de Avaliação". Fator 1: Conhecimento de métodos e técnicas. Fator 2: Trabalho em equipe. Fator 3: Cumprimento das normas de procedimentos e de conduta. 3. Manifestação Expressa do Servidor Descrever o motivo de não concordância com a avaliação de desempenho, identificando, seja da Equipe de Trabalho ou da Chefia Imediata e apontando por "Fator e Item de Avaliação". Fator 4: Produtividade no trabalho. Fator 5: Comprometimento com o trabalho. Fator 6: Qualidade técnica do trabalho (Funcional) ou Capacidade gerencial (Gerencial). Te l e f o n e 4. Ciência dos Avaliadores (Representante da Equipe de Trabalho) Aceito. Aceito parcialmente. Não aceito. Assinatura do Avaliador - Equipe de Trabalho (Chefia Imediata) Aceito. Aceito parcialmente. Não aceito. ANEXO IV Análise do Pedido de Reconsideração (Avaliação de Desempenho Individual)

6 2. Identificação dos Avaliadores (Representante da Equipe de Trabalho) (Chefia Imediata) Função Código da Função 3. Parecer da Equipe de Trabalho Justificativa: Deferido. Deferido parcialmente. Indeferido. Assinatura do Avaliador - Equipe de Trabalho 4. Parecer da Chefia Imediata Justificativa: Deferido. Deferido parcialmente. Indeferido. 5. Ciência do Servidor Avaliado Concordo com a análise. Discordo com a análise. ANEXO V Pedido de Recurso (Avaliação de Desempenho Individual) 2. Manifestação Expressa do Servidor Descrever o motivo de não concordância com a avaliação de desempenho, identificando o avaliador, seja da Equipe de Trabalho ou da Chefia Imediata, apontando por "Fator e Item de Avaliação". Fator 1: Conhecimento de métodos e técnicas. Fator 2: Trabalho em equipe. Fator 3: Cumprimento das normas de procedimentos e de conduta. 2. Manifestação Expressa do Servidor Descrever o motivo de não concordância com a avaliação de desempenho, identificando o avaliador, seja da Equipe de Trabalho ou da Chefia Imediata, apontando por "Fator e Item de Avaliação". Fator 4: Produtividade no trabalho. Fator 5: Comprometimento com o trabalho. Fator 6: Qualidade técnica do trabalho (Funcional) ou Capacidade gerencial (Gerencial). Te l e f o n e 3. À Comissão de Avaliação de Desempenho - CAD Encaminho o Pedido de Recurso à Comissão de Avaliação de Desempenho - CAD, por meio da Coordenação-Geral de Recursos Humanos - CGRH, para analise de minhas manifestações. ANEXO VI Análise do Pedido de Recurso (Avaliação de Desempenho Individual) 2. Parecer da Comissão de Acompanhamento da Avaliação de Desempenho - CAD Favorável. Parcialmente favorável. Não favorável.

7 Considerações da decisão: do Presidente da CAD Assinatura do Presidente da CAD 3. Ciência do Servidor Avaliado ANEXO VII Dados da Iniciativa (Plano de Trabalho Institucional) Denominação: [Expressa o propósito principal da iniciativa em uma palavra ou frase-síntese de fácil compreensão. Produto único, facilmente mensurável e controlável.] Descrição: [É o propósito, a representação formal daquilo que se quer atingir com o término da iniciativa. Uma breve descrição que expressa o resultado que se deseja alcançar, ou seja, a transformação da situação que se propõe modificar. É o produto único que deve ser expresso com concisão, precisão, evitando a generalidade, dando a idéia do que se pretende de forma clara, categórica e determinante.] Objetivo Estratégico: [A qual Objetivo Estratégico a Iniciativa se propõem alavancar.] Unidade de Avaliação: [É a unidade organizacional: GM, SE, CONJUR, SPPS, SPPC, CRPS e CRPC; responsável pelo acompanhamento do desempenho institucional, junto as suas unidades organizacionais.] Patrocinador: [Pessoa ou grupo que fornece recursos para a iniciativa. Demandante e também responsável pelas decisões mais importantes a serem tomadas no rumo da iniciativa.] Unidade Organizacional: [Unidade administrativa responsável pela execução da iniciativa.] Responsável: [Pessoa da Unidade Organizacional designada para gerenciar a iniciativa.] Te l e f o n e Iniciativa Dependente: [Qual iniciativa esta depende ou é parte, se for o caso.] Parceiros da Iniciativa: [Órgãos ou Unidades Organizacional que participam direta e/ou indiretamente da iniciativa.] Classificação da Iniciativa: [Identificar a classificação da iniciativa: Nível 1 - Estratégica Prioritária; Nível 2 - Estratégica e Nível 3 - Tático-operacional.] Nível 1 ( ) Estratégica Prioritária Nível 2 ( ) Estratégica Nível 3 ( ) Tático-operacional Classificação da Iniciativa: [Identificar a classificação da iniciativa: Nível 1 - Estratégica Prioritária; Nível 2 - Estratégica e Nível 3 - Tático-operacional.] Projeto ( ) [Projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo, que servem para alavancar a estratégia, proporcionando saltos qualitativos em determinado processo, e que pode ultrapassar um exercício.] Atividade ( ) [Atividade é esforço contínuo empreendido para manter um produto, serviço ou resultado exclusivo, que servem para alavancar a estratégia, proporcionando saltos qualitativos em determinado processo de trabalho, e que pode ultrapassar um exercício.] Justificativa: [É uma situação indesejável formalmente declarada como evitável ou uma necessidade não atendida identificada no órgão. Deve-se abordar o diagnóstico e as causas da situação-problema para a qual a iniciativa foi proposta; alertar quanto às conseqüências da não implementação; informar a existência de condicionantes favoráveis ou desfavoráveis.] Público-alvo: [Especificar o(s) segmento(s) ao(s) qual (is) a iniciativa se destina e que se beneficia(m) direta e legitimamente com sua execução. São os grupos Período: [Estabelecer o período de vigência da iniciativa: MM/AA a MM/AA.] de pessoas, comunidades, instituições ou setores que serão atingidos diretamente pelos resultados da iniciativa. A definição do público-alvo é importante para identificar e focar as iniciativas (escopo) que devem compor.] Escopo (Subprodutos/Entregas): [O produto único da iniciativa deve ser dividido em "Subprodutos" menores para que seja mais facilmente gerenciada. São as declarações de intenção específica da iniciativa que representa os subprodutos.] Descrição do Escopo: [Descrição resumida dos principais subprodutos da iniciativa proposta.] Detalhamento da Iniciativa Responsável: [Pessoa (s) responsável (eis) pelo Subproduto, Processo ou Atividade.] Meta Individual: [Meta pactuada com a(s) pessoa(s) responsável (eis).] Indicador e Meta Intermediária Indicador da Iniciativa: [Instrumento capaz de medir o desempenho da iniciativa. Deve ser passível de aferição e coerente com o objetivo estabelecido, ser Fórmula de Cálculo: [Identificar a formula de cálculo do Indicador da sensível à contribuição da iniciativa e apurável em tempo oportuno.] Iniciativa.] ANEXO VIII Cálculo da Avaliação de Desempenho 1. Desempenho Institucional 1.1. Cumprimento das Metas Globais Percentual das Metas Globais - MG = N (MROI/MPOI) X 100 I=1 N Onde: N: Número de Indicadores Estratégicos dos Objetivos Estratégicos selecionados para mensuração do desempenho institucional. MROi: Meta Realizada para o Indicador do Objetivo i. MPOi: Meta Programada para o Indicador do Objetivo i Cumprimento das Metas Intermediárias Percentual das Metas Intermediárias - MI = N (MRII/MPII) X 100 I=1 N Onde: N: Número de Indicadores Intermediários das Iniciativas vinculadas aos Objetivos Estratégicos, pactuados para mensuração do desempenho institucional. MRIi: Meta Realizada para o Indicador da Inicitaiva i. MPIi: Meta Programada para o Indicador da Inicitaiva i Cálculo do Percentual Final das Metas Institucionais (20% do Resultado das Metas Globais) + (80% do Resultado das Metas Intermediárias) 1.4. Escala de Pontos da Avaliação de Desempenho Institucional Percentual Alcançado Pontuação Institucional 70% ou mais 80 pontos De 66 até 69,99% 75 pontos De 60% até 65,99% 70 pontos De 56% até 59,99% 65 pontos De 50% até 55,99% 60 pontos

8 De 46% até 49,99% De 40% até 45,99% De 36% até 39,99% De 30% até 35,99% De 26% até 29,99% De 20% até 25,99% Abaixo de 20% 55 pontos 50 pontos 45 pontos 40 pontos 35 pontos 30 pontos 25 pontos 2. Desempenho Individual 2.1. Cálculo dos Fatores de Avaliação Autoavaliação - AU = [(F1+F2+F3) X 1 + (F4 + F5 + F6) X 0,5] X 0, 15 5 Avaliação da Equipe de Trabalho - AE = [(F1+F2+F3) X 1 + (F4+F5+ F6) X 0,5] X 0,25 5 Avaliação da Chefia Imediata - AC = [(F1+F2+F3) X 1 + (F4+F5+ F6) X 0,5] X 0,60 5 Onde: F1: Fator de avaliação 1. F2: Fator de avaliação 2. F3: Fator de avaliação 3. F4: Fator de avaliação 4. F5: Fator de avaliação 5. F6: Fator de avaliação Cálculo da Final dos Fatores de Avaliação = AU + AE + AC Onde: AU: Valor Final da da Autoavaliação. AE: Valor Final da da Avaliação da Equipe de Trabalho. AC: Valor Final da da Avaliação da Chefia Imediata Meta Individual Pactuada Atribuir a da Meta Individual Executada, aplicando-se a tabela abaixo: Conceito 4 Atingiu mais de 70% das metas individuais pactuadas. 3 Atingiu mais de 60% a 70% das metas individuais pactuadas. 2 Atingiu de 50% a 60% das metas individuais pactuadas. 1 Atingiu menos de 50% das metas individuais pactuada. Escala das Metas Individuais Executadas 2.4. Cálculo da Final da Avaliação de Desempenho Individual Avaliação do Desempenho Individual = ( Fatores de Avaliação) + ( Meta Individual) 2.5. Escala de Pontos da Avaliação de Desempenho Individual Onde: N: final da Avaliação de Desempenho Individual. (N) Pontos 17 N N < N < N < N < N < N < ). Identificação do Servidor ANEXO IX Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional) Conceitos 4 Excelente Quando ocorrer frequentemente. 3 Satisfatório Quando ocorrer com mediana frequência. 2 Regular Quando ocorrer com pouca frequência. 1 Insuficiente Quando ocorrer eventualmente. Fator 1: Conhecimento de métodos e técnicas (Peso 1) Grau de conhecimento teórico e prático para o desenvolvimento adequado das atividades. a) Domina e aplica os conhecimentos na sua área de atuação. b) Propõe melhorias no seu processo de trabalho. c) Compartilha conhecimentos visando a continuidade dos processos de trabalho. d) Seu conhecimento o torna capaz de tomar decisões e resolver problemas. e) Reconhece a importância do seu trabalho e o relaciona as outras atividades desenvolvidas. Descrição Total Fator 1

9 Fator 2: Trabalho em equipe (Peso 1) Capacidade de trabalhar em equipe, mantendo uma postura profissional, participativa, colaboradora e interpessoal. a) Relaciona-se com os colegas, superiores, subordinados e usuários, mantendo um bom clima de trabalho. b) Desenvolve atividades em equipe na busca de resultados, de acordo com planos e metas de trabalho. c) Valoriza o trabalho em equipe, contribuindo com a atuação positiva dos demais. d) Contribui com idéias e soluções para atingir as metas de trabalho de sua equipe. e) Sabe ouvir e respeitar os diferentes pontos de vista. Total Fator 2 Fator 3: Cumprimento das normas de procedimentos e de conduta (Peso 1) Capacidade para observar e cumprir normas e regulamentos, bem como manter um comportamento adequado ao serviço público e aos padrões éticos e de conduta estabelecidos. a) Cumpre o horário e comparece com assiduidade ao trabalho, comunicando e justificando possíveis imprevistos. b) Executa suas atividades de acordo com a legislação vigente e as diretrizes institucionais. c) Trata com urbanidade e profissionalismo as pessoas no ambiente de trabalho, de acordo com os padrões éticos. d) Mantém sigilo em assuntos confidenciais e encaminha corretamente os assuntos que fogem do seu poder de decisão. e) Conserva o patrimônio público, utilizando os recursos de maneira racional. Total Fator 3 Fator 4: Produtividade no trabalho (Peso 0,5) Capacidade de organizar, executar o trabalho e cumprir prazos, de acordo com os padrões estabelecidos e recursos disponíveis, visando o alcance dos objetivos organizacionais. a) Realiza suas atividades aproveitando bem os recursos disponíveis: equipamentos, tempo, orçamento, pessoas. b) Organiza seu tempo, priorizando as atividades conforme planos e metas de trabalho. c) Cumpre os prazos estabelecidos para executar suas atividades. d) Cumpre as atividades que lhe são atribuídas, apresentando resultados estabelecidos. e) Preocupa-se em manter o ambiente de trabalho favorável ao desempenho das atividades, seja em seu aspecto físico ou no relacionamento com os colegas. Total Fator 4 Fator 5: Comprometimento com o trabalho (Peso 0,5) Aplicar-se no desenvolvimento dos trabalhos com comprometimento, disponibilidade, responsabilidade, e aprendizagem, enfatizando o cumprimento das metas institucionais e da missão institucional. a) Executa o trabalho com disposição e responsabilidade. b) Suas atitudes condizem com os valores da instituição: ética, respeito, segurança, transparência, profissionalismo. c) Aceita desenvolver novas atividades, para atender as necessidades da instituição. d) Participa de capacitações e eventos oferecidos pela instituição, buscando a aprendizagem contínua. e) Alinha a execução dos seus trabalhos com vistas ao cumprimento da missão, da visão. Total Fator 5 Fator 6: Qualidade técnica do trabalho (Peso 0,5) Atingir os objetivos organizacionais previamente definidos, de forma adequada à finalidade, com eficiência e eficácia. a) É flexível à implantação das mudanças dos processos de trabalho. b) Desenvolve suas atividades com o padrão de qualidade requerida pelo cargo. c) Executa atividades com incidência mínima de erros e ausência de retrabalhos. d) Comunica-se de forma clara e objetiva, fazendo com que as idéias e as informações sejam compreendidas. e) Acompanha e participa do andamento dos trabalhos realizados até a sua concretização. Total Fator 6 Total dos Fatores de Avaliação 3. Cumprimento da Meta Individual Pactuada (Peso 0,5) Avaliação exclusiva da Chefia Imediata: Nível de comprometimento do servidor para o alcance das metas pactuadas com a chefia e a equipe de trabalho, de acordo com os compromissos de desempenho individual assumidos no Plano de Trabalho. Conceito Escala das Metas Individuais Executadas 4 Atingiu mais de 70% das metas individuais pactuadas. 3 Atingiu mais de 60% a 70% das metas pactuadas. 2 Atingiu de 50% a 60% das metas pactuadas. 1 Atingiu menos de 50% das metas pactuadas. da Meta Individual 4. Observações do Avaliador 1. Cite conhecimentos e habilidades a serem desenvolvidas e aperfeiçoadas, e indique cursos ou programas de capacitação e/ou treinamento que poderão contribuir com a melhoria do desempenho do servidor. Conhecimentos e Habilidades Cursos de Capacitação e Treinamento 2. Com relação às condições de trabalho, indique aquelas que você considera inadequadas e possíveis providências para adequá-las. Condições de trabalho inadequadas Providências a serem adotadas 5. Resultado da Avaliação Individual (1) : Pontuação (2) : (1) Somatório das notas obtidas dos Fatores e da Meta Individual; (2) Aplicar a escala de s (Conversão de Pontos para Parcela Individual).

10 6. Identificação do(a) Avaliador(a) (Chefia Imediata) Função 7. Ciência do Servidor Avaliado Código da Função Concordo com a avaliação. Discordo com a avaliação. ANEXO X Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Gerencial) Unidade/Órgão em Exercício Conceitos 4 Excelente Quando ocorrer frequentemente. 3 Satisfatório Quando ocorrer com mediana _reqüência. 2 Regular Quando ocorrer com pouca _reqüência. 1 Insuficiente Quando ocorrer eventualmente. Fator 1: Conhecimento de métodos e técnicas (Peso 1) Grau de conhecimento teórico e prático para o desenvolvimento adequado das atividades. a) Domina e aplica os conhecimentos na sua área de atuação. b) Propõe melhorias no seu processo de trabalho. c) Compartilha conhecimentos visando a continuidade dos processos de trabalho. d) Seu conhecimento o torna capaz de tomar decisões e resolver problemas. e) Reconhece a importância do seu trabalho e o relaciona as outras atividades desenvolvidas. Descrição Total Fator 1 Fator 2: Trabalho em equipe (Peso 1) Capacidade de trabalhar em equipe, mantendo uma postura profissional, participativa, colaboradora e interpessoal. a) Relaciona-se com os colegas, superiores, subordinados e usuários, mantendo um bom clima de trabalho. b) Desenvolve atividades em equipe na busca de resultados, de acordo com planos e metas de trabalho. c) Valoriza o trabalho em equipe, contribuindo com a atuação positiva dos demais. d) Contribui com idéias e soluções para atingir as metas de trabalho de sua equipe. e) Sabe ouvir e respeitar os diferentes pontos de vista. Total Fator 2 Fator 3: Cumprimento das normas de procedimentos e de conduta (Peso 1) Capacidade para observar e cumprir normas e regulamentos, bem como manter um comportamento adequado ao serviço público e aos padrões éticos e de conduta estabelecidos. a) Cumpre o horário e comparece com assiduidade ao trabalho, comunicando e justificando possíveis imprevistos. b) Executa suas atividades de acordo com a legislação vigente e as diretrizes institucionais. c) Trata com urbanidade e profissionalismo as pessoas no ambiente de trabalho, de acordo com os padrões éticos. d) Mantém sigilo em assuntos confidenciais e encaminha corretamente os assuntos que fogem do seu poder de decisão. e) Conserva o patrimônio público, utilizando os recursos de maneira racional. Total Fator 3 Fator 4: Produtividade no trabalho (Peso 0,5) Capacidade de organizar, executar o trabalho e cumprir prazos, de acordo com os padrões estabelecidos e recursos disponíveis, visando o alcance dos objetivos organizacionais. a) Realiza suas atividades aproveitando bem os recursos disponíveis: equipamentos, tempo, orçamento, pessoas. b) Organiza seu tempo, priorizando as atividades conforme planos e metas de trabalho. c) Cumpre os prazos estabelecidos para executar suas atividades. d) Cumpre as atividades que lhe são atribuídas, apresentando resultados estabelecidos. e) Preocupa-se em manter o ambiente de trabalho favorável ao desempenho das atividades, seja em seu aspecto físico ou no relacionamento com os colegas. Total Fator 4 Fator 5: Comprometimento com o trabalho (Peso 0,5) Aplicar-se no desenvolvimento dos trabalhos com comprometimento, disponibilidade, responsabilidade, e aprendizagem, enfatizando o cumprimento das metas institucionais e da missão institucional. a) Executa o trabalho com disposição e responsabilidade. b) Suas atitudes condizem com os valores da instituição: ética, respeito, segurança, transparência, profissionalismo. c) Aceita desenvolver novas atividades, para atender as necessidades da instituição. d) Participa de capacitações e eventos oferecidos pela instituição, buscando a aprendizagem contínua. e) Alinha a execução dos seus trabalhos com vistas ao cumprimento da missão, da visão. Total Fator 5

11 Fator 6: Capacidade técnica gerencial (Peso 0,5) Capacidade de acompanhar as atividades desenvolvidas em sua equipe, com conhecimento de todos os processos de trabalho da unidade, como forma de articulação gerencial, visando contribuir para o alcance da meta institucional. a) Conduz e integra a equipe, por meio de uma relação de parceria, estimulando o crescimento profissional, dentro de um clima de motivação para o alcance dos objetivos institucionais. b) Compartilha seus conhecimentos e experiências, buscando o aprimoramento da capacitação técnica, dos métodos e processos, de maneira a atingir melhores resultados. c) Oportuniza condições de trabalho adequadas à equipe, avaliando desempenhos e despertando motivação, proatividade e disciplina. d) Coordena e acompanha o planejamento e desenvolvimento das metas institucionais. e) Possui habilidade para lidar com conflitos e opiniões divergentes, atuando de forma justa e sensata na aplicação de soluções. Total Fator 6 3. Cumprimento da Meta Individual Pactuada (Peso 0,5) Total dos Fatores de Avaliação Avaliação exclusiva da Chefia Imediata: Nível de comprometimento do servidor para o alcance das metas pactuadas com a chefia e a equipe de trabalho, de acordo com os compromissos de desempenho individual assumidos no Plano de Trabalho. Conceito Escala das Metas Individuais Executadas 4 Atingiu mais de 70% das metas individuais pactuadas. 3 Atingiu mais de 60% a 70% das metas individuais pactuadas. 2 Atingiu de 50% a 60% das metas individuais pactuadas. 1 Atingiu menos de 50% das metas individuais pactuadas. da Meta Individual 4. Observações do Avaliador 1. Cite conhecimentos e habilidades a serem desenvolvidas e aperfeiçoadas, e indique cursos ou programas de capacitação e/ou treinamento que poderão contribuir com a melhoria do desempenho do servidor. Conhecimentos e Habilidades Cursos de Capacitação e Treinamento 2. Com relação às condições de trabalho, indique aquelas que você considera inadequadas e possíveis providências para adequá-las. Condições de trabalho inadequadas Providências a serem adotadas 5. Resultado da Avaliação Individual (1) : Pontuação (2) : (1) Somatório das notas obtidas dos Fatores e da Meta Individual; (2) Aplicar a escala de s (Conversão de Pontos para Parcela Individual). 6. Identificação do(a) Avaliador(a) (Chefia Imediata) Função 7. Ciência do Servidor Avaliado Código da Função Concordo com a avaliação. Discordo com a avaliação.

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional CASO PRÁTICO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E GESTÃO DE TALENTOS: COMO A GESTÃO DA CULTURA, DO CLIMA E DAS COMPETÊNCIAS CONTRIBUI PARA UM AMBIENTE PROPÍCIO À RETENÇÃO DE TALENTOS CASO PRÁTICO: COMPORTAMENTO

Leia mais

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP Fatores e Indicadores de Desempenho ADP RESPONSABILIDADE / COMPROMETIMENTO COM A INSTITUIÇÃO - Assumir o compromisso na realização das atribuições - Atuar com disposição para mudanças - Buscar qualidade

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO DIRETORIA DE SISTEMAS E INFORMAÇÃO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO DIRETORIA DE SISTEMAS E INFORMAÇÃO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO DIRETORIA DE SISTEMAS E INFORMAÇÃO PLANO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TRIÊNIO /2015 DSI/CGU-PR Publicação - Internet 1 Sumário 1. RESULTADOS

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. Institui o Programa de Fortalecimento Institucional da ANAC. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício das competências

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE GESTÃO E RECURSOS HUMANOS - SEGER MANUAL DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO INDIVIDUAL

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE GESTÃO E RECURSOS HUMANOS - SEGER MANUAL DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO INDIVIDUAL GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE GESTÃO E RECURSOS HUMANOS - SEGER MANUAL DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO INDIVIDUAL 2013 PARTE I 1. OBJETIVOS DO MANUAL Este manual tem como propósito orientar

Leia mais

Resolução nº 281, de 08 de outubro de 2015.

Resolução nº 281, de 08 de outubro de 2015. Resolução nº 281, de 08 de outubro de 2015. Regulamenta o Sistema de Avaliação de Desempenho do CREMESP. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Este ato normativo estabelece os critérios e procedimentos

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA DE PROJETOS

CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA DE PROJETOS www.tecnologiadeprojetos.com.br Diretoria de Acompanhamento e Avaliação de Projetos da Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais DAPE/SEE-MG RELATÓRIO DE PESQUISA 1 : CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA Boletim GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 13 de outubro de 2010 EXTRA Nº 2 OUTUBRO INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 385, DE 13 DE OUTUBRO DE 2010. Institui, no âmbito do IPEA,

Leia mais

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 30/06/2015 Boletim Administrativo Eletrônico de Pessoal Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 Revisa e altera os objetivos estratégicos do plano

Leia mais

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional.

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Tema 1: Eficiência Operacional Buscar a excelência na gestão de custos operacionais. Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Agilizar

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA EXECUTIVA COMITÊ DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA EXECUTIVA COMITÊ DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA EXECUTIVA COMITÊ DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES NORMA OPERACIONAL/DTI/ Nº 01, DE 1 DE SETEMBRO DE 2014. Dispõe sobre a governança e

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob;

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob; 1. Esta Política institucional de gestão de pessoas: Política institucional de gestão de pessoas a) é elaborada por proposta da área de Gestão de Pessoas da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob

Leia mais

PORTARIA Nº 98, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA Nº 98, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SUPERINTENDÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE PORTARIA Nº 98, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE - SUDENE,

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO(A) SERVIDOR(A) AVALIADO(A) IDENTIFICAÇÃO DA CHEFIA IMEDIATA

IDENTIFICAÇÃO DO(A) SERVIDOR(A) AVALIADO(A) IDENTIFICAÇÃO DA CHEFIA IMEDIATA Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas Diretoria de Desenvolvimento de Pessoas Divisão de Acompanhamento Funcional e Formação Permanente Setor de Acompanhamento

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: CST em Gestão em Recursos Humanos MISSÃO DO CURSO A missão do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da ESTÁCIO EUROPAN consiste em formar

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Oficina de Planejamento Estratégico

Oficina de Planejamento Estratégico Oficina de Planejamento Estratégico Conselho Estadual de Saúde Secretaria Estadual da Saúde Paraná, agosto de 2012 Planejamento Estratégico Planejamento: atividade inerente ao ser humano Cada um de nós

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

RESOLUÇÃO SEPLAG N.º 16, DE 22 DE MARÇO DE 2004.

RESOLUÇÃO SEPLAG N.º 16, DE 22 DE MARÇO DE 2004. RESOLUÇÃO SEPLAG N.º, DE DE MARÇO DE 00. * Publicada no Minas Gerais, em de março de 00. Define a metodologia e os procedimentos da Avaliação Especial de Desempenho do servidor público civil em estágio

Leia mais

MINUTA RESOLUÇÃO Nº... /2014, DE.. DE... DE 2014.

MINUTA RESOLUÇÃO Nº... /2014, DE.. DE... DE 2014. MINUTA RESOLUÇÃO Nº... /2014, DE.. DE... DE 2014. Regulamenta a avaliação de desempenho funcional dos Servidores Técnico-Administrativos da Fundação Universidade Regional de Blumenau - FURB prevista na

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC 1. CONCEITOS E DEFINIÇÕES 1.1 Políticas de Gestão de Pessoas são o conjunto de estratégias ou políticas específicas

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAS E PROJETOS

SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAS E PROJETOS SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAS E PROJETOS GERÊNCIA DE PROGRAMAS E PROJETOS - GPP COMISSÃO DE ORGANIZAÇÃO, NORMAS E PROCEDIMENTOS TERMO DE ABERTURA PROJETO: Centro de Treinamento e Capacitação

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO POMBA-MG CONSELHO DIRETOR

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO POMBA-MG CONSELHO DIRETOR SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO POMBA-MG Em defesa da Agroecologia CONSELHO DIRETOR CONSELHO DIRETOR DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE 1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE GABINETE DO SECRETÁRIO GA PUBLICADA NO DOE DE 12-1-213 SEÇÃO I PÁG 46-5 RESOLUÇÃO SMA Nº 97, DE 1 DE OUTUBRO DE 213 O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 23/2012 Aprova a implantação do Sistema de Gestão de Pessoas por Competências (SGPC) da UFPB. O Conselho Universitário

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

NORMAS E CRITÉRIOS PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS ESTÁVEIS E EM ESTÁGIO PROBATÓRIO DO IF GOIANO

NORMAS E CRITÉRIOS PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS ESTÁVEIS E EM ESTÁGIO PROBATÓRIO DO IF GOIANO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO NORMAS E CRITÉRIOS PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

V Congresso Auditar. Tema:

V Congresso Auditar. Tema: V Congresso Auditar Tema: Carreira em Organizações Públicas - Conceitos e Experiências Prof. Dr. José Antonio Monteiro Hipólito Brasília, 05 de setembro de 014 14:00 15:30h Agenda 1. Introdução: Importância

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Barra Mansa Gabinete do Prefeito

Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Barra Mansa Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 6567, DE 20 DE JULHO DE 2011 Ementa: Regulamenta a Lei Municipal n.º 3.147/2000 alterada pela Lei n.º 3.413/2003 e revoga o Decreto n.º 3.651/2001. atribuições de seu cargo, O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

Fevereiro 2015 DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS DRH ESCOLA JUDICIÁRIA MILITAR EJM

Fevereiro 2015 DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS DRH ESCOLA JUDICIÁRIA MILITAR EJM Fevereiro DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS DRH ESCOLA JUDICIÁRIA MILITAR EJM 2 ÍNDICE PLANO ESTRATÉGICO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO... 3 Apresentação... 3 Missão... 4 Visão de Futuro... 4 Valores... 4 PERSPECTIVAS...

Leia mais

ÍNDICE 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO

ÍNDICE 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIAS ADOTADAS 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO 4. OBJETIVOS DA GESTÃO DO DESEMPENHO 5. BENEFÍCIOS ESPERADOS DO MODELO 6. DIRETRIZES

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

8. Atividades, projetos ou processos em que se desdobram as ações:

8. Atividades, projetos ou processos em que se desdobram as ações: FORMULÁRIO DO PLANO DE TRABALHO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 1. CICLO DE AVALIAÇÃO: 2. UNIDADE ORGANIZACIONAL (UNIDADE DE AVALIAÇÃO): CHEFE DA UNIDADE 3. NOME: CHEFE DO PLANO DE TRABALHO 4. MATRÍCULA: 5.

Leia mais

1 APRESENTAÇÃO. Página 3 de 16

1 APRESENTAÇÃO. Página 3 de 16 Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 4 3 PÚBLICO-ALVO DA GESTÃO ESTRATÉGICA... 4 4 INFORMAÇÕES SOBRE O MODELO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DO TCE/RN... 5 4.1 DIRECIONADORES ESTRATÉGICOS... 5 4.2 OBJETIVOS

Leia mais

INSTRUMENTOS DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

INSTRUMENTOS DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO GERÊNCIA DE GESTÃO E AVALIAÇÃO DA REDE DE ENSINO INSTRUMENTOS DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO GOIÂNIA 2010 SEDUC/GO Matrícula

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DO TRT DA 10ª REGIÃO NA IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO ESTRATÉGICA

A EXPERIÊNCIA DO TRT DA 10ª REGIÃO NA IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO ESTRATÉGICA A EXPERIÊNCIA DO TRT DA 10ª REGIÃO NA IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO ESTRATÉGICA Fabiana Alves de Souza dos Santos Diretora de Gestão Estratégica do TRT 10 1/29 O TRT da 10ª Região Criado em 1982 32 Varas do Trabalho

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

Ana Cláudia Braga Mendonça

Ana Cláudia Braga Mendonça Plano de Cargos e Salários CSJT OCUPAÇÃO DE FUNÇÃO COMISSIONADA E CARGO EM COMISSÃO I - FUNÇÕES COMISSIONADAS (FC-1 - FC-6) 80% > servidores integrantes das Carreiras do Poder Judiciário da União; (Art.3º)

Leia mais

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Dezembro/2010 2 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Missão: Prover soluções efetivas de tecnologia

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

Ambientação nos conceitos

Ambientação nos conceitos Ambientação em Gestão de Projetos Maria Lúcia Almeida Ambientação nos conceitos Gestão de áreas funcionais e gestão de projetos Qualquer um pode ser gerente de projetos? Qual a contribuição da gestão de

Leia mais

Apresentação para a implantação da Avaliação de Desempenho

Apresentação para a implantação da Avaliação de Desempenho SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE RECURSOS HUMANOS Data: 22de março de 2012 Local: CEFOR Vila Mariana Apresentação para a implantação da Avaliação de Desempenho Maria Aparecida Novaes Rita

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Política de Gestão de Pessoas

Política de Gestão de Pessoas julho 2010 5 1. Política No Sistema Eletrobras, as pessoas são agentes e beneficiárias do fortalecimento organizacional, contribuindo para a competitividade, rentabilidade e sustentabilidade empresarial.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento ético

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Lista de verificação (Check list) para planejamento e execução de Projetos

Lista de verificação (Check list) para planejamento e execução de Projetos www.tecnologiadeprojetos.com.br Lista de verificação (Check list) para planejamento e execução de Projetos Eduardo F. Barbosa Dácio G. Moura Material didático utilizado na disciplina Desenvolvimento de

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 13/06/2014 14:08:02 Endereço IP: 177.1.81.29 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE

REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE 1 REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE A Escola de Contas Públicas Professor Barreto Guimarães (ECPBG) torna público o regulamento do 1º Concurso Inovação no TCE-PE, que será regido de acordo com

Leia mais

Auto-Avaliação Formulário de Avaliação de desempenho individual

Auto-Avaliação Formulário de Avaliação de desempenho individual Auto-Avaliação Formulário de Avaliação de desempenho individual Matrícula do Avaliado: Nome do Avaliado: Lotação: Cargo Avaliação refere-se a qual ano? Data de realização: Probatório: ( ) Sim ( ) Não Caso

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1 o. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

Como se tornar um líder de Sucesso!

Como se tornar um líder de Sucesso! Como se tornar um líder de Sucesso! Os 10 mandamentos do Como se tornar um líder de Sucesso! O líder é responsável pelo sucesso ou fracasso de uma organização. A liderança exige de qualquer pessoa, paciência,

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

1.1. Estabelecer uma sistemática de avaliação individual de desempenho para os empregados da ABDI.

1.1. Estabelecer uma sistemática de avaliação individual de desempenho para os empregados da ABDI. de 9. OBJETIVO.. Estabelecer uma sistemática de avaliação individual de desempenho para os empregados da ABDI.. APLICAÇÃO.. Este procedimento se aplica a todos os empregados da ABDI.. DEFINIÇÕES.. Avaliação

Leia mais

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos Gestão por Processos Gestão por Projetos Gestão por Processos Gestão de Processos de Negócio ou Business Process Management (BPM) é um modelo de administração que une gestão de negócios à tecnologia da

Leia mais

O FATOR HUMANO EM PROJETOS DE TI

O FATOR HUMANO EM PROJETOS DE TI 1 O FATOR HUMANO EM PROJETOS DE TI 2 INTRODUÇÃO O FATOR HUMANO E OS FATORES QUE IMPACTAM PROCESSOS EM PROJETOS DE TI Mudança de paradigma: humano é o ponto central fator humano Processos Normas Normas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica em Saúde da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

DIRETOR(A) DE SEDE ESCRITÓRIO TETO BRASIL BAHIA

DIRETOR(A) DE SEDE ESCRITÓRIO TETO BRASIL BAHIA DIRETOR(A) DE SEDE ESCRITÓRIO TETO BRASIL BAHIA Identificação do Cargo Departamento / Área Cargo a que reporta (Liderança direta) Cargos sob sua dependência (Liderança direta) Organograma Diretoria de

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

Garantir efetividade na tramitação dos processos judiciais e administrativos e assegurar a razoável duração do processo.

Garantir efetividade na tramitação dos processos judiciais e administrativos e assegurar a razoável duração do processo. Eficiência Operacional. Buscar a efetividade nos trâmites judiciais e administrativos. Garantir efetividade na tramitação dos processos judiciais e administrativos e assegurar a razoável duração do processo.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

RELATÓRIO TREINAMENTO ADP 2013 ETAPA 01: PLANEJAMENTO

RELATÓRIO TREINAMENTO ADP 2013 ETAPA 01: PLANEJAMENTO RELATÓRIO TREINAMENTO ADP 2013 ETAPA 01: PLANEJAMENTO 1. Apresentação geral Entre os dias 15 e 18 de Abril de 2013 foram realizados encontros de quatro horas com os servidores e supervisores da Faculdade

Leia mais

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa Educação Corporativa Liderança Estratégia Gestão O que é Educação corporativa? Educação corporativa pode ser definida como uma prática coordenada de gestão de pessoas e de gestão do conhecimento tendo

Leia mais

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público GUIA Avaliação Continuada da Gestão Pública 25 pontos A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público PQSP: Avaliação

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO (PGD)

PROGRAMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO (PGD) UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DIVISÃO DE TREINAMENTO E AVALIAÇÃO SERVIÇO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROGRAMA DE

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

Equipe: Administradores de Sucesso. Componentes: Ricardo Miranda, Dalma Noronha, Fabio Macambira, Nivea Santos

Equipe: Administradores de Sucesso. Componentes: Ricardo Miranda, Dalma Noronha, Fabio Macambira, Nivea Santos Equipe: Administradores de Sucesso Componentes: Ricardo Miranda, Dalma Noronha, Fabio Macambira, Nivea Santos CONCEITOS PERFIS DE CARGOS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TIPOS DE AVALIAÇÃO FEEDBACK CASES SUMÁRIO

Leia mais

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA 1. Introdução A apresentação dos Projetos de Inovação e Melhoria - PIM pelos Escalões/Divisões possui os seguintes objetivos: a. Estimular os Escalões e Divisões do Cmdo

Leia mais

Ficha de Avaliação Periódica para Estágio Probatório

Ficha de Avaliação Periódica para Estágio Probatório 1 Ficha de Avaliação Periódica para Estágio Probatório Avaliação I Período de / / a / / Cargo / Emprego: Nº de Matrícula: Nome do Servidor: Secretaria / Setor: Nome do(s) avaliador (es): Avaliador(es)

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 2012 DGC/SPRH/DVRH

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 2012 DGC/SPRH/DVRH Pesquisa de Clima Organizacional PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 2012 DGC/SPRH/DVRH Pesquisa de Clima Organizacional Objetivo da Pesquisa de Clima Organizacional: Conhecer de forma sistematizada o clima

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30/10/2014, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Artigo 19, Inciso XVII do

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

(ANEXO 4) * ESTÁGIO PROBATÓRIO FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL SERVIDOR PAR

(ANEXO 4) * ESTÁGIO PROBATÓRIO FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL SERVIDOR PAR (ANEXO 4) * ESTÁGIO PROBATÓRIO FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL SERVIDOR PAR DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nome do Servidor Estagiário: Cargo do Servidor Estagiário: Período de Estágio Probatório:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 A PRESIDENTE EM EXERCÍCIO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO que as entidades da Administração Pública Federal indireta

Leia mais