Soluções para melhoramento do conforto ambiental em Escolas da Rede Municipal de Caruaru.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Soluções para melhoramento do conforto ambiental em Escolas da Rede Municipal de Caruaru."

Transcrição

1 Soluções para melhoramento do conforto ambiental em Escolas da Rede Municipal de Caruaru. Deborah Cristina Alves de Brito - Master em Arquitetura Instituto de Pós-Graduação e Graduação IPOG Recife, Março de 2013 Resumo A boa arquitetura pode e deve solucionar as necessidades do usuário com nenhuma ou com o mais baixo uso de enérgia artificial. Tomando a afirmação acima como verdade, o trabalho apresenta um estudo sobre a existência ou não de soluções arquitetônicas para melhoramento do conforto ambiental em escolas da rede Municipal de Caruaru, em Pernambuco. A cidade é uma das mais populosas do interior de Pernambuco, está localizada a 130km da capital pernambuca, Recife, e tem clima semi-árido caracterizado por apresentar chuvas bastante irregulares concentradas em alguns meses do ano provocando estiagem, esse clima, abrange praticamente todo o nordeste brasileiro. A inquietação, a respeito das edificações escolares estarem preparadas para oferecer conforto térmico e visual aos alunos, surgi das novas necessidades mundiais de economia de energia e do aproveitamentodos recursos naturais para construção de edificações mais sustentáveis, ou seja edificações que apresentam soluções de menor impacto ambiental. Um referencial teórico antecedeu a etapa de levantamento e análise dos dados. Inicialmente foi identificado clima da cidade de Caruaru. Foram estudadas as recomendações para se obter conforto térmico sem a utilização de energia elétrica sugeridas pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) e por autores como Armando de Holanda, Frota e Schiffer. Estes estudos, na fase preliminar dos trabalhos, subsidiaram a fundamentação teórica para as análises que seriam feitas ao longo do trabalho, realizadas através da leitura das plantas e cortes (levantadas em arquivos municipais) e em visita as edificações. Sendo assim,o estudo tem como objetivo identificar e caracterizar as soluções de projeto utilizadas para proporcionar, de forma natural, conforto térmico e visual aos usuários, além de aprofundar os conhecimentos sobre desempenho térmico e sustentabilidade de edificações. Palavras-chave:Arquitetura escolar. Conforto ambiental. Recursos naturais. 1. Introdução: Adequar a arquitetura ao clima significa projetar espaços que proporcionem ao usuário sensações de conforto térmico, essa sensação acontece quando as trocas de calor entre o corpo humano e o meio ocorrem sem esforço, e desse ponto de vista sua capacidade de trabalho é máxima. No nordeste brasileiro, onde na maior parte do ano temos um alto índice de luz natural, toda essa luz deve ser aproveitada, porém ela também aumenta a temperatura local que pode ser solucionada com ventilação natural, como ensina o autor Armando de Holanda em seu livro

2 Roteiro para construir no nordeste. O livro traz princípios simples, que, se seguidos podem conferir o conforto térmico e visual necessários. Outro arquiteto brasileiro João Filgueiras Lima, o Lelé, em sua trajetória deixa perceptíveis dois aspectos básicos da construção: o clima e a pré-fabricação. É autoria dele o projeto arquitetônico do modelo inicial que deu origem a uma das edificações selecionadas para o estudo. O CAIC Centro de Atenção Integral à Criança Dr. Amaro de Lyra e César, localizado no bairro João Mota. O CAIC faz parte de um projeto criado no governo de Fernando Collor de Melo no ano de 1990, e inicialmente chamava-se CIAC Centros Integrados de Atendimento à Criança e ao Adolescente tinha a intenção de construir cinco mil CIAC em todo o Brasil. O modelo apresenta mais de duzentos tipos de peças distintas foi uma solução rápida e eficiente, capaz de se adaptar a diversas situações geográficas. O tema escolhido para pesquisa deve-se a falta de um estudo semelhante e a atual situação encontrada no município de Caruaru, que é a de se ter um modelo padrão de edifícios escolares que é implantado em qualquer terreno sem que exista uma análise de qual implantação, quais materiais ou tipos de aberturas seriam mais adequadas aos locais em que as edificações serão construídas, podendo torná-las mais sustentáveis. O mesmo acontece com outros tipos de edificações públicas como creches e as Unidades de Pronto Atendimento, UPA. Mostrando a pouca preocupação com o aproveitamento dos recursos naturais e com a economia de energia elétrica. Para seleção das edificações a serem estudas foi levado em consideração a época em que foram construídas, para que fosse feita também uma análise comparativa da evolução -em relação a conforto térmico- dessas escolas. 2. Referencial Teórico 2.1 O clima O IBGE -Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística- disponibiliza um mapa que foi atualizado pela Diretoria de Geociências, Coordenação de Recursos Naturais e Estudos Ambientais, em No mesmo, existe uma classificação climática brasileira. Segundo esse mapa, figura 1, o municipio de Caruaru encontra-se na zona Tropical Nordeste Oriental e dentro desta zona, apresenta clima semi-úmido apresentando durante o ano de 4 a 5 meses secos com temperatura média 18º C em todos os meses do ano.

3 Figura 1: Mapa Climas do Brasil Fonte: A ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) também apresenta um zoneamento bioclimático do Brasil, NBR , onde distingui oito regiões climáticas. Classificando também mais de 300 cidades brasileiras e apresentando estratégias bioclimáticas recomendadas para alcançar o conforto térmico. Através de um programa, o ZBBR 1.1 (2004), visto na figura 2, desenvolvido pelo Programa de Pós-Graduação em Construção Civil da Universidade Federal de São Carlos, foi possível localizar a classificação bioclimática do município de Caruaru e ter acesso as recomendações da NBR da ABNT. Figura 2: Classificação Bioclimática dos Municípios Brasileiros Fonte: Programa ZBBR Para a zona bioclimática 8, onde localiza-se o Município de Caruaru, temos as seguintes recomendações:

4 Grandes aberturas para ventilação (área da abertura > 40% da área do piso); Sombrear aberturas; Paredes e cobertas leves e refletoras: para paredes, transmitância térmica (U) 3,6 W/m²K e para cobertas, U 2,3 W/m²K; Ventilação cruzada permanente. 2.2 Como Construir no Nordeste Brasileiro Alguns autores também fizeram recomendações de como devem ser as edificações no nordeste, para que, sem uso de energia elétrica, seja alcançado o conforto térmico e visual. Armando Holanda, autor do livro Roteiro para construir no Nordeste é um deles, no qual, faz as seguintes propostas: Criar uma sombra abrigo protegendo do sol e das chuvas tropicais Recuar as paredes protegendo do sol, do calor, das chuvas e da umidade Vazar os muros filtram a luz e deixam a brisa penetrar Proteger as janelas abrigadas e sombreadas podem continuar abertas Abrir as portas permitindo tiragem de ar dos ambientes Continuar os espaços permitir que o ar circule livremente por toda edificação Construir com pouco componentes padronizados com várias possibilidades combinatórias

5 Conviver com a natureza utilizar o sombreamento vegetal Tabela 1: Recomendações do livro Roteiro para construir no nordeste de Armando Holanda Fonte: Holanda, 1976 / Tabela elaborada pelo autor, 2013 Frota e Schiffer, em seu livro Manual de conforto térmico, também apresentam recomendações de como construir em clima quente, mas na escala da cidade. Como por exemplo: Pensar edificações de maneira que torne possível que a ventilação alcance todos os edifícios e permita a ventilação cruzada de seus interiores, prevendo, assim,construções alongadas no sentido perpendicular ao vento dominante; Figura 3:Orientação das ruas e sombreamento das construções Fonte: Manual de conforto térmico, pág 70 Quando ruas que estiverem perpendiculares à direção dos ventos dominantes devem ser de maior dimensão, para evitar que construções situadas em lados opostos das ruas transformem-se em obstáculos para os ventos;

6 Figura 4: Orientação das ruas e sombreamento das construções Fonte: Manual de conforto térmico, pág 70 O arranjo das quadras deve incluir soluções quanto as distâncias entre as edificações para não funcionarem como barreiras ao vento para as edificações vizinhas; Figura 5:Esquema de ventilação urbana Fonte: Manual de conforto térmico, pag 72 Criação de caminhos com sombras para pedestres a partir da utilização da vegetação, marquises, toldos, projeções de andares acima do térreo; Figura 6:Esquema de sombreamento para pedestres Fonte: Manual de conforto térmico, pag 73 Evitar materiais que reflitam grande quantidade de radiação solar ou que tenham grande poder de armazenamento de calor nas superfícies externas, pois a noite o calor

7 armazenado, é devolvido para o ar, dirigindo-se para o interior e para o exterior das edificações. Dar preferência ao uso de cores claras no exterior das edificações, pois estas refletem mais a radiação solar e, portanto, menos calor atravessará as vedações. 3. Estudos de caso / Análise das edificações 3.1 Colégio Municipal Álvaro Lins Localizado no bairro Mauricio de Nassau, o colégio teve sua construção feita entre 1952 e 1953 e apresenta várias características da Arquitetura Moderna Pernambucana, trazida por Luiz Nunes que teve continuidade com vários outros arquitetos contemporâneos a ele como Delfim Amorim e Acácio Gil Borsoi. Entre elas, as características utilizadas para o melhoramento do conforto térmico, de forma passiva, que era uma preocupação constante nos anos 50, auge do trabalho desses arquitetos. Analisando a edificação, pode-se perceber que desde sua implantação, se pensou em trazer conforto térmico e visual aproveitando os recursos naturais, pois os blocos de salas de aula foram implantados no sentido norte/sul favorecendo a iluminação durante todo o dia e ventilação (nordeste e sudeste) o ano inteiro. Foi projetado também um pátio entre os blocos de salas de aula o que permite que o vento chegue a toda edificação. E para sombrear esse pátio fez uso da vegetação. Figura 7:Implantação da edificação com sua orientação Fonte: Arquivo da Prefeitura Municipal de Caruaru Além da preocupação com a implantação, é perceptível a utilização de diversas estratégias para alcançar conforto térmico, como- por exemplo- o uso de vários tipos de elementos vazados, cobogós, que filtram a luz solar, sem impedir que a ventilação entre nos ambientes. Faz uso da solução de recuar as paredes em relação à coberta sombreando as aberturas quando o sol está num ângulo mais alto, minimizando a energia solar absorvida pelas paredes externas, diminuindo, assim, a temperatura interna dos ambientes. O tipo de esquadria escolhida, as de veneziada de madeira, são bastante eficientes pois permitem a renovação do ar no ambiente, fluxo do vento na altura dos ocupantes, ventilação constante mesmo quando as esquadrias estão fechadas, filtram a luz solar e protegem contra chuvas. Outra estratégia são as bandeiras em vidro transparente acima das portas e janelas que permitem a entrada de

8 luz nos ambientes mesmo fechados.além dissso, faz uso sempre de aberturas em lados opostos dos ambientes favorecendo a ventilação cruzada. Fachada da edificação, marquise protegendo entrada Interior da sala de aula, visão para o exterior, uso de cobogós Tabela 2: Fotos das soluções encontradas Interior da sala de aula, visão para o corredor interno, uso de cobogó Estratégia de recuar as paredes Esquadrias de veneziada de madeira e bandeira em vidro Tabela 3: Fotos das soluções encontradas Pátio entre os blocos de salas de aula sombreado com vegetação 3.2 CAIC Centro de Atenção Integral à Criança Dr. Amaro de Lyra e César Figura 8:Foto de uma foto encontrada na sala da gestora da escola Localizada no bairro João Mota, bairro de classe média baixa da cidade, inaugurada em 1994, o CAIC, faz parte de um programa criado no governo de Fernando Collor de Melo no ano de

9 1990, e inicialmente chamava-se CIAC Centros Integrados de Atendimento à Criança e ao Adolescente tinha a intenção de construir cinco mil CIAC em todo o Brasil. O modelo apresenta mais de duzentos tipos de peças distintas foi uma solução rápida e eficiente, capaz de se adaptar a diversas situações geográficas. O modelo é de autoria do famoso arquiteto brasileiro João Filgueiras Lima, o Lelé, reconhecido por sua preocupação com clima e pré fabricação é também autor do projeto do Hospital Sarah Kubitschek, em Brasília. A respeito de sua implantação, assim como o Colégio Municipal Álvaro Lins, teve os blocos de sala de aula sendo implantados na orientação norte/sul o que favorece não só iluminação, mas também iluminação. Figura 9:Implantação da edificação com sua orientação Fonte: Arquivo da Prefeitura Municipal de Caruaru Toda a edificação parece ter sido projetada pensando no conforto ambiental, desde suas paredes, ao tipo de coberta, bem ao estilo Lelé. O edifício da escola é montado com elementos de concreto pré-fabricados. As paredes da escola são feitas de blocos de concreto levemente desencontrados permitindo que o vento atravesse as paredes, deixando-as, mesmo em dias quentes, frias. As esquadrias, pivotantes, utilizadas permitem abertura total do vão, favorecendo maior iluminação e ventilação natural. Acima das esquadrias e das paredes (que dão para os corredores) existem sempre bandeiras de vidro que abertas garantem ventilação não só nas salas, mas nos corredores internos e a passagem dos ventos para as salas do outro lado do corredor. No pavimento térreo existem ambientes, como o refeitório e o auditório, onde as aberturas vão do piso ao teto, favorecendo além de uma maior ventilação e iluminação natural a integração com o lado de fora edificação, permitindo permeabilidade entre os espaços. Interessante perceber que as algumas das esquadrias utilizadas funcionam também como um tipo de brise vertical barrando a entrada de sol. Essas esquadrias são pivotantes com quatro folhas e cada folha é formada por uma faixa opaca, a outra parte é formada por um vidro e outra faixa opaca, sendo a abertura da segunda faixa opcional. Isso se forma quando a faixa opaca estiver totalmente aberta, um tipo de brise vertical que pode auxiliar na proteção ao sol. Esquadrias desse tipo foram usadas no auditório.

10 Nas cobertas encontramos vários sheds que complementam a iluminação e auxiliam na ventilação, dependendo da orientação estes servem tanto como captadores de vento, que saem pelas janelas laterais ou como extratores, quando o ar penetra na edificação pelas janelas laterais e saem pelos sheds. Paredes de blocos desencontrados Sala de aula, esquadrias fechadas Sala de aula, esquadrias abertas Tabela 4: Fotos CAIC Bandeiras acima das paredes Visão interna dos sheds Visão externa dos sheds Tabela 5: Fotos CAIC Esquadrias que funcionam como brises verticais, parcialmente abertas Esquadrias que funcionam como brises verticais, completamente abertas Esquadrias vistas do lado de fora da edificação

11 Tabela 6: Fotos CAIC Esquadrias 3.3 Escola de tempo integral Rubem de Lima Barros Inaugurada em Julho de 2012, a escola localizada no bairro Cidade Jardim, bairro de classe baixa da cidade, é uma escola de tempo integral. Assim como o CAIC, o projeto arquitetônico segue um modelo, pré projetado, que vem sendo repetido nas novas escolas municipais de Caruaru, foram visitadas duas delas para que fosse possível perceber: se existiu alguma adaptação em relação a implantação, tipo de aberturas ou soluções que pudessem melhorar o condicionamento térmico da edificação. Implantação da edificação com sua orientação Fachada principal da escola Tabela 7: Imagens Escola Rubem de Lima Barros Analisando a implantação do prédio percebe-se que mais uma vez ela seguiu a melhor orientação quando se trata de edificações escolares, no sentido norte/sul favorecendo maior iluminação e ventilação natural. Parece que a preocupação com conforto térmico e visual conseguido de forma passiva, resumiu-se a implantação, já quando se trata de elementos que pudessem conferir conforto térmico e visual de maneira natural o modelo é falho. As fachadas chapadas não apresentam nenhum elemento que possa sombrear nem as vedações nem as janelas, fazendo com que essas vedações recebam a radiação solar durante todo o dia e todos os meses do ano, tornando os ambientes quentes. As esquadrias utilizadas, do tipo basculante, possibilitam a abertura total do vão, porém, as salas de aula possuem aberturas apenas de um lado, impossibilitando a ventilação cruzada, recomendada em climas quentes. Essas aberturas que deveriam corresponder a pelo menos 40% da área do piso são pequenas e insuficientes também quando se analisa a questão da iluminação natural. Nos corredores, localizados entre as salas de aulas, utilizou-se um fechamento em grade e no pavimento superior um fechamento com cobogós, o

12 que permite entrada de luz e vento. Porém, nas salas de aula, que numa escola deveriam ser os ambientes mais agradáveis, não é percebida nenhuma intenção de melhoramento do conforto de forma natural. As demais salas, como a sala de professores, diretoria, banheiros, refeitório entre outras, seguem na mesma linha sem apresentar soluções passivas que conferissem conforto aos usuários da edificação. Vista da fachada sem nenhum elemento de proteção solar Vista do tipo de janela adotada Tabela 8: Fotos da situação encontrada Vista do corredor Vista fachada Vista da Secretaria Vista do refeitório Tabela 9: Fotos dos ambientes 3.4 Escola de tempo integral Altair Nunes Porto Filho Essa escola tem uma história diferente, pois foi construída onde antes se localizava a antiga Fábrica de Sabão da cidade. Ela é formada por três blocos, dois deles já existentes foram reformados para abrigar a escola, o terceiro foi totalmente construído. O grande galpão transformou-se na quadra coberta da escola. Outro bloco, de apenas um pavimento, onde parecia funcionar a administração da fábrica, foi adaptado para dar lugar ao setor administrativo da escola, além do refeitório. O terceiro bloco, onde se encontram as salas de aula é todo novo e foi construído no modelo do bloco de aulas da Escola de tempo integral Rubem de Lima Barros apresentada anteriormente. Outra especificidade é que essa edificação ainda não está em funcionamento, pois a reforma encontra-se ainda em fase de acabamento. Devendo ser inaugurada ainda esse ano.

13 A implantação do bloco das salas de aula, edifício destacado em vermelho na figura 10, seguiu a mesma orientação das edificações já analisadas, Norte/Sul, facilitando a ventilação e a iluminação natural. Figura 10: Implantação Escola Altair Porto Filho Esse bloco é igual ao bloco de salas de aula da Escola de tempo integral Rubem de Lima Barros, por ser este o modelo que a municipalidade vem repetindo nas novas escolas da cidade, com uma única diferença, a vedação dos corredores que na escola já citada foi vedada com grades no pavimento térreo e elementos vazados, no primeiro pavimento, que permitem a entrada de luz e ventos. Nessa escola, foi vedada com elementos vazados que permitem entrada de pouca iluminação e -menos ainda- de ventilação, atrapalhando ainda a relação com o lado de fora da edificação. Ela, a escola, apresenta os mesmos pontos negativos já relacionados na construção anterior. Já no bloco da administração, que foi adaptado para receber essa função, foram deixados os beirais que sombreiam as paredes. Como também, as aberturas auxiliam na diminuição da temperatura dentro do ambiente. Fora essas, não existe nenhum outro elemento que possamos perceber preocupação com conforto ambiental. A solução da coberta da passarela que interliga o bloco administrativo ao bloco de sala de aulas também foi infeliz, já que foram utilizadas telhas de alumínio que esquentam rápido e aumentam a temperatura nos ambientes por ela cobertos.

14 Vista fachada de fundos do bloco de sala de aulas Vista passarela que interliga o bloco administrativo ao bloco de sala de aulas Tabela 10: vistas exteriores da edificação Fachada frontal do bloco adminitrativo Vista corredores, fechamento em elementos vazados 5. Resultados obtidos Elementos vazados utilizados na passarela Tabela 11: Elementos adotados Telhas metalicas É percebitível que,na Escola Municipal Alvaro Lins e no CAIC, houve uma preocupação clara com o conforto térmico e visual, refletindo a época em que foram construidos quando cada vez mais se procurava soluções para amenizar o calor no nordeste brasileiro. Podemos nessas edificações identificar vários elementos recomendados por Armando Holando, Frota e Shiffer e da ABNT, como sombrear as paredes, uso de cores claras e garantir ventilação cruzada permanente. Porém, nas edificações mais atuais, percebe-se a perda desses elementos em razão da crescente demanda de novas unidades escolares, trazendo a necessidade de implantação de várias escolas ao mesmo tempo, o que gerou um modelo único que, parar acelerar a construção, desconsidera o entorno e os recursos naturais locais.

15 Assim, fazendo uma comparação entre as edificações escolares mais antigas e as mais novas, é percepitível que como a arquitetura residencial, a arquitetura escolar perdeu bastante se levarmos em consideração as soluções passivas para se alcançar conforto térmico. Justamente quando a necessidades de economia de energia, e a preocupação de termos cada dia mais, edificações mais sustentaveis aumentam. É analisando a obra do arquiteto João Filgueiras Lima, Lelé, o CAIC, que podemos encontrar a solução para o problema da necessidade de rapidez da obra com a necessidade,cada vez maior, de conferir conforto térmico de forma natural nas escolas municipais, visto que, a curto prazo para conclusão da obra pode ser mais oneroso. Porém, a médio prazo a economia de energia pagaria esse custo inicial de sua construção. Ainda assim, no CAIC, percebeu-se que os usuários não sabiam usar a edificação, fechando com alvenaria alguns sheds e deixando as bandeiras fechadas não permitindo a passagem do ar de um ambiente para outro, ou seja, é preciso -ainda- ensinar os gestores a utilizar de forma correta esses elementos. Logo, é no Colégio Municipal Alvaro Lins, que encontramos uma maior quantidade de elementos utilizados pela arquitetura moderna difundinda em Permanbuco nos anos 50, são soluções simples que conferem à edificação o conforto ambiental desejado. 6. Conclusão Após o período de análise e discussão das informações coletadas, concluimos que: o conforto ambiental, que já foi prioridade nas construções escolares em Caruaru, como visto nas duas escolas mais antigas que foram analisadas, hoje não é visto como uma preocupação nesses edifícios, sendo esquecido em detrimento da rapidez e economia necessárias na construção de edifícios escolares, visto a grande demanda da tipologia na realidade da cidade. Como já foi afirmado. Além disso, percebe-se que, a criação e repetição desse modelo de edificação escolar, é um problema que afeta gravemente os usuários e os cofres públicos, pois para alcançar o conforto ambiental adequado acaba tendo que fazê-lo de forma artificial. Logo, o que foi economizado, tempo e dinheiro, nas etapas de projeto e obra, torna-se oneroso e dificultado no futuro, visto que é mais prático pensar numa edificação mais sustentável e confortável térmica e visualmente de forma natural do que adaptar uma edificação já existente para que esta se enquadre em tais parâmetros. Não queremos inventar a roda, esta já foi inventada, vamos estudar nosso passado para aprender a fazer com quem já fez, e fez bem feito, deixando ainda inúmeros exemplares que podem ser encontrados em Caruaru, em Recife e em todo o Brasil. 7. Referencias

16 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Projeto 02: /3 Parte 3: Zoneamento bioclimático brasileiro e diretrizes construtivas para habitações unifamiliares de interesse social, 2003 COSTA, Alcilia Afonso de Albuquerque. Arquitetura do sol, soluções climáticas produzidas em Recife nos anos 50. Disponível em Acesso em: 01 de março de EKERMAN, Sergio Kopinski. Um quebra-cabeça chamado Lelé. Disponível em Acesso em: 01 de março de FROTA, Anésia Barros; SCHIFFER, Sueli Ramos. Manual de conforto térmico. 6. ed. São Paulo: Studio Nobel, HOLANDA, Armando. Roteiro para construir no Nordeste. Recife: MDU: Universidade Federal de Pernambuco, 1976

7º Simpósio de Ensino de Graduação

7º Simpósio de Ensino de Graduação INSOLAÇÃO EM EDIFICAÇÕES 7º Simpósio de Ensino de Graduação Autor(es) ISABELA SABOYA PINTO LIMA Orientador(es) SUELI MANÇANARES LEME 1. Introdução O conforto térmico é um atributo necessário em edificações

Leia mais

Estes adendos e notas explicativas tem a finalidade de facilitar o entendimento e aperfeiçoar os critérios a seguir.

Estes adendos e notas explicativas tem a finalidade de facilitar o entendimento e aperfeiçoar os critérios a seguir. Estes adendos e notas explicativas tem a finalidade de facilitar o entendimento e aperfeiçoar os critérios a seguir. Adendos e notas 1/11 Adendo I de 24/0713 ao Referencial técnico de certificação Edifícios

Leia mais

ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO PARA O PERÍODO DE INVERNO NO HOSPITAL ESCOLA DE SÃO CARLOS

ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO PARA O PERÍODO DE INVERNO NO HOSPITAL ESCOLA DE SÃO CARLOS ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO PARA O PERÍODO DE INVERNO NO HOSPITAL ESCOLA DE SÃO CARLOS Marieli Azoia Lukiantchuki (1); Monica Faria de Almeida Prado (2); Rosana Maria Caram (3) (1) Departamento de Arquitetura

Leia mais

ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO.

ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO E DESIGN DISCIPLINA: CONFORTO AMBIENTAL 1 ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO. ARQUITETOS: KAZUYO SEJIMA E

Leia mais

PRINCÍPIOS BIOCLIMÁTICOS PARA O PROJETO DE EDIFICAÇÕES EM OURO PRETO / MG

PRINCÍPIOS BIOCLIMÁTICOS PARA O PROJETO DE EDIFICAÇÕES EM OURO PRETO / MG PRINCÍPIOS BIOCLIMÁTICOS PARA O PROJETO DE EDIFICAÇÕES EM OURO PRETO / MG ROCHA, Jozielle Marques da 1 GOMES, Adriano P. 2 INTRODUÇÃO Um projeto arquitetônico deve se adaptar às características do meio

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA A CASA HUBBE, PROJETADA POR MIES VAN DER ROHE, POSSUI

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA A CASA HUBBE, PROJETADA POR MIES VAN DER ROHE, POSSUI FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA ESQUADRIAS/PANOS

Leia mais

Insolação no projeto de arquitetura

Insolação no projeto de arquitetura Insolação no projeto de arquitetura Arq. Cláudia Barroso-Krause, D.Sc DTC e PROARQ FAU/UFRJ www.fau.ufrj.br/proarq Barroso-krause@proarq.ufrj.br Conhecer as necessidades ambientais da atividade prevista

Leia mais

Planta do pavimento térreo

Planta do pavimento térreo Planta do pavimento térreo Cortes e elevações típicos Acesso principal e praça de eventos Permeabildade do projeto com seu entorno Ecosistema interno com bosque de mata nativa Telhados verdes e praça de

Leia mais

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA Prof. ENEDIR GHISI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento

Leia mais

Profa. Cláudia Naves David Amorim

Profa. Cláudia Naves David Amorim ABDEH -Associação Brasileira para o Desenvolvimento do Edifício Hospitalar Curso: Projeto de Hospitais Sustentáveis - 17 e 18 de abril -São Paulo Profa. Cláudia Naves David Amorim LACAM Laboratório de

Leia mais

PROJETO DE AMPLIAÇÃO DO CENPES Centro de Pesquisa da Petrobras. Autor: Siegbert Zanettini Co-autor: José Wagner Garcia

PROJETO DE AMPLIAÇÃO DO CENPES Centro de Pesquisa da Petrobras. Autor: Siegbert Zanettini Co-autor: José Wagner Garcia PROJETO DE AMPLIAÇÃO DO CENPES Centro de Pesquisa da Petrobras Autor: Siegbert Zanettini Co-autor: José Wagner Garcia PARTIDO ARQUITETÔNICO DIRETRIZES GERAIS O edital do concurso aliado ao interesse por

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA CASA VIZINHA

Leia mais

Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO. Orientador(es) ADRIANA PETITO DE ALMEIDA SILVA CASTRO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1.

Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO. Orientador(es) ADRIANA PETITO DE ALMEIDA SILVA CASTRO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE COBERTURAS DE POLICARBONATO E ACRÍLICO: ESTUDO DE CASO NO CAMPUS DA UNIMEP EM SANTA BÁRBARA DOESTE Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 SELO CASA AZUL CAIXA Sandra Cristina Bertoni Serna Quinto Arquiteta Gerência Nacional de Meio Ambiente SELO CASA AZUL CAIXA CATEGORIAS E CRITÉRIOS SELO

Leia mais

O conforto térmico como um processo de adaptação ambiental: repensando os padrões da habitação em São Paulo Joana Carla Soares Gonçalves

O conforto térmico como um processo de adaptação ambiental: repensando os padrões da habitação em São Paulo Joana Carla Soares Gonçalves O conforto térmico como um processo de adaptação ambiental: repensando os padrões da habitação em São Paulo Joana Carla Soares Gonçalves O conceito mais atual de conforto térmico é aquele que relaciona

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA MURO CERCA

Leia mais

FUNCIONAL TOPOGRAFIA SOLAR/ PRIMEIRA METADE DO TERRENO E O INFERIOR LOCADO MAIS A

FUNCIONAL TOPOGRAFIA SOLAR/ PRIMEIRA METADE DO TERRENO E O INFERIOR LOCADO MAIS A FUNCIONAL IMPLANTAÇÃO IDENTIFICAR COMO SE DÁ A OCUPAÇÃO DA PARCELA DO LOTE, A DISPOSIÇÃO DO(S) ACESSO(S) AO LOTE; COMO SE ORGANIZA O AGENCIAMENTO, UMA LEITURA DA RUA PARA O LOTE ACESSO SOCIAL ACESSO ÍNTIMO

Leia mais

5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL

5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL 57 5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL O conjunto arquitetônico da residência de Antônio de Rezende Costa, que hoje abriga a Escola Estadual Enéas de Oliveira Guimarães foi pelos autores do presente

Leia mais

AVALIAÇÕES DE ESTRATÉGIAS BIOCLIMÁTICAS PRESENTES NA ARQUITETURA HABITACIONAL UNIFAMILIAR DO TRÓPICO ÚMIDO: A CASA ALDEIA VERDE EM MACEIÓ AL.

AVALIAÇÕES DE ESTRATÉGIAS BIOCLIMÁTICAS PRESENTES NA ARQUITETURA HABITACIONAL UNIFAMILIAR DO TRÓPICO ÚMIDO: A CASA ALDEIA VERDE EM MACEIÓ AL. AVALIAÇÕES DE ESTRATÉGIAS BIOCLIMÁTICAS PRESENTES NA ARQUITETURA HABITACIONAL UNIFAMILIAR DO TRÓPICO ÚMIDO: A CASA ALDEIA VERDE EM MACEIÓ AL. Wevila F. B. Correia (1); Gianna M. Barbirato (2) (1) DEHA

Leia mais

TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL

TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA CONFORTO AMBIENTAL I PROFª RITA SARAMAGO TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL PROJETO: SUGAWARADAISUKE ARCHITECTS LOANY GONZAGA.LUIZA DALVI.MÁRCIA MICHELLE.THAÍS MARA 1.ANÁLISE

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO TERMICO DE EDIFICIO ESCOLAR ATRAVES DO PROGRAMA ENERGYPLUS

ANÁLISE DO DESEMPENHO TERMICO DE EDIFICIO ESCOLAR ATRAVES DO PROGRAMA ENERGYPLUS ANÁLISE DO DESEMPENHO TERMICO DE EDIFICIO ESCOLAR ATRAVES DO PROGRAMA ENERGYPLUS Luis Fernando Malluf Sanchez Faculdade de Engenharia Civil CEATEC luis.fms1@puccampinas.edu.br Claudia Cotrim Pezzuto Faculdade

Leia mais

CASA CIRURGIÕES Local Botucatu Ano 2011-2014 Escritório FGMF Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral

CASA CIRURGIÕES Local Botucatu Ano 2011-2014 Escritório FGMF Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral CASA CIRURGIÕES Local Botucatu Ano 2011-2014 Escritório FGMF Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral Implantação e partido formal A casa Cirurgiões é uma residência unifamiliar de uso regular projetada

Leia mais

EDITAL 144/2014 CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS

EDITAL 144/2014 CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA MINAS GERAIS CAMPUS SANTA LUZIA EDITAL 144/2014 CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E

Leia mais

ESQUADRIAS Resumo da aula

ESQUADRIAS Resumo da aula ESQUADRIAS Resumo da aula Os vãos têm como funções a vedação e a comunicação dos ambientes internos e externos do edifício. Ambos necessitam de obras e serviços, executadas com materiais, segundo determinadas

Leia mais

Vila do IAPI - Patrimônio Cultural da Cidade

Vila do IAPI - Patrimônio Cultural da Cidade Item Diretriz Tipologia 1. Reformas e Ampliações 1.1. Cosntruções Originais 1.1.1. Não será permitida a demolição da edificação original para construção de uma nova edificação ou para qualquer outro fim.

Leia mais

MCMV-E CASA SUSTENTÁVEL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ARQUITETÔNICO URBANÍSTICA EM GRANDE ESCALA

MCMV-E CASA SUSTENTÁVEL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ARQUITETÔNICO URBANÍSTICA EM GRANDE ESCALA MCMV-E CASA SUSTENTÁVEL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ARQUITETÔNICO URBANÍSTICA EM GRANDE ESCALA Arq. Mario Fundaro Seminário internacional arquitetura sustentável São Paulo 2014 A CASA SUSTENTÁVEL Conceitos

Leia mais

CLIMA QUENTE E SECO Os ventos são quentes, secos e carregados poeira CLIMA QUENTE E ÚMIDO

CLIMA QUENTE E SECO Os ventos são quentes, secos e carregados poeira CLIMA QUENTE E ÚMIDO VENTILAÇÃO E CLIMA CLIMA CLIMA QUENTE E SECO regiões desérticas próximas ao equador. Médias de temperatura muito altas e grande amplitude térmica, umidade baixa, a radiação solar é direta, quase sem a

Leia mais

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 221 ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE

Leia mais

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor.

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Francisco Vecchia Departamento de Hidráulica e Saneamento Escola de Engenharia

Leia mais

COLÉGIO. Internacional. Escola verde Green School

COLÉGIO. Internacional. Escola verde Green School Escola verde Green School Sobre o Colégio Positivo Início das aulas: 18 de fevereiro de 2013 Lançamento oficial: 26 de março de 2013 Proposta de ensino bilíngue (português/inglês) Cerca de 350 alunos,

Leia mais

Conforto ambiental: Dicas de projeto para construção, ampliação e reforma de habitação em comunidades de baixa renda

Conforto ambiental: Dicas de projeto para construção, ampliação e reforma de habitação em comunidades de baixa renda Conforto ambiental: Dicas de projeto para construção, ampliação e reforma de habitação em comunidades de baixa renda Cláudia Barroso-Krause. DTC e PROARQ FAU/UFRJ A pesquisa em conforto ambiental nas edificações

Leia mais

ANAIS ELETRÔNICOS - 1ª JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E EXTENSÃO DO IFTO

ANAIS ELETRÔNICOS - 1ª JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E EXTENSÃO DO IFTO ARQUITETURA BIOCLIMÁTICA: RECOMENDAÇÕES APROPRIADAS PARA PALMAS/TO Djean da Costa BARBOSA (1); Mariana Brito de LIMA (2); (1) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do TO, AE 310 SUL, Avenida

Leia mais

Ação do vento. c) calcular a pressão dinâmica q:

Ação do vento. c) calcular a pressão dinâmica q: Ação do vento Neste item são apresentados os principais procedimentos para a determinação da ação do vento sobre edificações, extraídos da NBR 6123 (ABNT, 1988). 2.3.1 Procedimentos para o cálculo das

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DA QUADRA MULTIFUNCIONAL DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ, BRASIL.

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DA QUADRA MULTIFUNCIONAL DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ, BRASIL. AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DA QUADRA MULTIFUNCIONAL DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ, BRASIL. Adeildo Cabral da Silva, Professor-Pesquisador, Construção Civil, Centro Federal de

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO:

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: Adequações frente às s normas de desempenho. Marcelo Moacyr Diretor de Engenharia, Construção e Relacionamento 1 Escolha do Sistema Construtivo 2 Avaliações

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO EM HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL EM MADEIRA

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO EM HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL EM MADEIRA AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO EM HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL EM MADEIRA Ricardo Dias Silva (1); Admir Basso () (1) DAU/UEL, e-mail: rdsilva@uel.br () EESC/USP, e-mail: admbasso@sc.usp.br RESUMO Este

Leia mais

Aula 7 : Desenho de Ventilação

Aula 7 : Desenho de Ventilação Aula 7 : Desenho de Ventilação Definições: NBR 10821:2001, Caixilho para edificação: Janela Caixilho, geralmente envidraçado, destinado a preencher um vão, em fachadas ou não. Entre outras, sua finalidade

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Construção de Prédios no Campus V- Divinópolis-MG. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais

MEMORIAL DESCRITIVO. Construção de Prédios no Campus V- Divinópolis-MG. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais MEMORIAL DESCRITIVO Construção de Prédios no Campus V- Divinópolis-MG Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais Fevereiro/2007 INTRODUÇÃO O objetivo deste documento é complementar as informações

Leia mais

REVIT ARQUITECTURE 2013

REVIT ARQUITECTURE 2013 REVIT ARQUITECTURE 2013 O Revit 2013 é um software de Tecnologia BIM, que em português significa Modelagem de Informação da Construção. Com ele, os dados inseridos em projeto alimentam também um banco

Leia mais

ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS (acervo civil) ficha 11: Antigo Cine Teatro Helena

ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS (acervo civil) ficha 11: Antigo Cine Teatro Helena Página 70 de 141 ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS (acervo civil) ficha 11: Antigo Cine Teatro Helena Coroamento da fachada frontal Vista da fachada frontal Afastamento lateral esquerdo Inscrições do nome do antigo

Leia mais

Soluções Sustentáveis

Soluções Sustentáveis ANA ROCHA MELHADO Soluções Sustentáveis EMPREENDIMENTOS RESIDENCIAIS IV SEMINÁRIO DE INOVAÇÃO NA CONSTRUÇÃO CIVIL RIO DE JANEIRO, junho de 2011 SÍTIO E CONSTRUÇÃO (6 18) 1 - Relação do Edifício com o

Leia mais

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria AMBIENTE EFICIENTE Consultoria ESCOPO DOS SERVIÇOS CERTIFICAÇÃO LEED A certificação LEED pode ser aplicada no Brasil em oito tipologias: Novas Construções (New Construction) Edifícios Existentes Operação

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL 1 2 MUNICIPIO: DATA DA VISITA: DIA MÊS ANO HORA 00:00 3 4. LOTE LOJA 4 4.1 RESPONSAVEL: TIPO DE LOCALIZAÇÃO SITUAÇÃO INSERIR O NOME DO RESPONSÁVEL TÉCNICO GALPÃO LOJA EM SHOPPING ENDEREÇO INSERIR ENDEREÇO

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA BAIRRO

Leia mais

QUALIVERDE. Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012

QUALIVERDE. Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012 QUALIVERDE Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012 Legislação para Construções Verdes Concessão de benefícios às construções verdes, de modo a promover o incentivo à adoção das ações e práticas

Leia mais

OS SENTIDOS. Universidade de Caxias do Sul Curso de Arquitetura e Urbanismo Disciplina de Projeto Arquitetônico IV Professor Julio Ariel G.

OS SENTIDOS. Universidade de Caxias do Sul Curso de Arquitetura e Urbanismo Disciplina de Projeto Arquitetônico IV Professor Julio Ariel G. Universidade de Caxias do Sul Curso de Arquitetura e Urbanismo Disciplina de Projeto Arquitetônico IV Professor Julio Ariel G. Norro PARTIDO GERAL CONDOMÍNIO RESIDENCIAL OS SENTIDOS Acadêmicas: Laura Sirianni

Leia mais

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL NA OCUPAÇÃO DE CAMPUS UNIVERSITÁRIO

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL NA OCUPAÇÃO DE CAMPUS UNIVERSITÁRIO SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL NA OCUPAÇÃO DE CAMPUS UNIVERSITÁRIO Angelina D. L. Costa (1); Eduardo R. V. de Lima (2); Joel S. dos Santos (3); Neusa Paes Leme (4); Rayssa A. de Lira (5); Caroline M. Cevada

Leia mais

Lucca Schmidt Osellame, Márcio Rosa D Ávila(orientador) Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, PUCRS. Resumo

Lucca Schmidt Osellame, Márcio Rosa D Ávila(orientador) Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, PUCRS. Resumo Sustentabilidade e Habitação de Interesse Social - HIS: potencial de integração de tecnologia inovadora na produção de projetos habitacionais arquitetura em contêiner Lucca Schmidt Osellame, Márcio Rosa

Leia mais

LAUDO DE AVALIAÇÃO SIMPLIFICADO. ESTADO: Rio Verde USO PREDOMINANTE INFRA ESTRUTURA URBANA SERVIÇOS PÚBLICOS COMUNITÁRIOS

LAUDO DE AVALIAÇÃO SIMPLIFICADO. ESTADO: Rio Verde USO PREDOMINANTE INFRA ESTRUTURA URBANA SERVIÇOS PÚBLICOS COMUNITÁRIOS 1 - SOLICITANTE: CPF: Beatriz Carlos Fernandes 038.777.631-11 2- IDENTIFICAÇÃO DO BEM OBJETO DE AVALIAÇÃO ENDEREÇO: Nº. COMPL. BAIRRO: Rua Jacaranda Qd. 11 lt 237 Res. Gameleira CIDADE: ESTADO: Rio Verde

Leia mais

Diretrizes construtivas utilizando o Zoneamento Bioclimático Brasileiro

Diretrizes construtivas utilizando o Zoneamento Bioclimático Brasileiro Diretrizes const utilizando o Zoneamento Bioico Br Professor: Roberto Lamberts Mestranda: Mariana Garnica B. Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Eficiência Energética em Edificações Introdução

Leia mais

Chama-se vulgarmente de telhado qualquer tipo de cobertura em uma edificação. Porém, o telhado, rigorosamente, é apenas uma categoria de cobertura,

Chama-se vulgarmente de telhado qualquer tipo de cobertura em uma edificação. Porém, o telhado, rigorosamente, é apenas uma categoria de cobertura, Infinite Cursos. Chama-se vulgarmente de telhado qualquer tipo de cobertura em uma edificação. Porém, o telhado, rigorosamente, é apenas uma categoria de cobertura, em geral caracterizado por possuir um

Leia mais

CASH CARIBBEAN AFFORDABLE SOLAR HOUSE. Casa Solar Acessível Caribenha

CASH CARIBBEAN AFFORDABLE SOLAR HOUSE. Casa Solar Acessível Caribenha CASH CARIBBEAN AFFORDABLE SOLAR HOUSE Casa Solar Acessível Caribenha ESCOLHA DA CASA PAÍS LATINO CLIMA TROPICAL CASA PERMEÁVEL POSSIVEL ALCANCE DE INTERESSE SOCIAL CASH HOME Slogan: Ser verde e acessível.

Leia mais

Legendas. Térreo. 16 17 Ocupando um terreno de esquina, a construção evidencia a volumetria e o balanço. Superior

Legendas. Térreo. 16 17 Ocupando um terreno de esquina, a construção evidencia a volumetria e o balanço. Superior Detalhes Balanços arrojados Moderna, a fachada tem importante função estética, mas também é uma grande aliada para minimizar a incidência de raios solares e garantir mais privacidade do projeto Arquiteto:

Leia mais

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL SISTEMA DE VEDAÇÃO Um subsistema

Leia mais

ANEXO II PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO. Formulário para obtenção do QUALIVERDE

ANEXO II PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO. Formulário para obtenção do QUALIVERDE ANEXO II PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO Formulário para obtenção do QUALIVERDE Local da obra Nome do proprietário ou requerente RA Nome do autor do projeto (PRPA)

Leia mais

Curta. metragem. escritório vencedor. Por deborah apsan (visual) e lara muniz (texto) Projeto superlimão studio Fotos maíra acayaba

Curta. metragem. escritório vencedor. Por deborah apsan (visual) e lara muniz (texto) Projeto superlimão studio Fotos maíra acayaba escritório vencedor 2012 Curta metragem Andando de bicicleta rumo ao trabalho, Alexandre viu a casa de vila, hoje com 120 m 2, onde moraria com a mulher. No meio do projeto, a surpresa: Thomaz estava a

Leia mais

DEPARTAMENTO DE PROJETO DE ARQUITETURA

DEPARTAMENTO DE PROJETO DE ARQUITETURA Disciplina: PROJETO DE ARQUITETURA III FAP 355 Professores: MÓDULO 3 1 o. Período Letivo 2009 Cristiane Rose Duarte, Joacir Esteves, Luciana Andrade, Maria Ligia Sanches, Paulo Afonso Rheingantz e Vera

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 VERIFICAÇÃO DO PÉ DIREITO COMO TÉCNICA DE CONFORTO TÉRMICO Mariana Ferreira Martins Garcia 1 ;Phelippe Mendonça de Paiva 2 ; Diogo Humberto Muniz 3 ;Adriana Pereira Resende Martins 4 ; Daniela Satie Kodama

Leia mais

arquitetura bioclimática e desempenho térmico t edificações

arquitetura bioclimática e desempenho térmico t edificações PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL Construção Metálica Escola de Minas Universidade Federal de Ouro Preto arquitetura bioclimática e desempenho térmico t de edificações Henor Artur de Souza

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Tipologia Construtiva. Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015.

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Tipologia Construtiva. Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015. PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Tipologia Construtiva Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015. TIPOLOGIA CONSTRUTIVA 1 SUB HABITAÇÃO 1.1- Sub-habitação Compostos

Leia mais

LEI DA CALÇADA. Vamos fazer de São José um lugar cada vez melhor para se viver!

LEI DA CALÇADA. Vamos fazer de São José um lugar cada vez melhor para se viver! APRESENTAÇÃO Planejar uma cidade também significa cuidar da circulação das pessoas, garantido segurança e igualdade. Muitas pessoas caminham somente a pé, ultrapassando 30% de todos os deslocamentos de

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Ministério Público do Trabalho Procuradoria Regional da 23 ª Região Anteprojeto do novo Edifício-Sede Cuiabá MT Memorial Descritivo Terreno localizado no CPA (Centro Político-Administrativo) da cidade

Leia mais

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE TENORIO, LUCIENE A. (1); CARVALHO, AMANDA B. (2); ZHAYRA, ADELAIDE C. (3) 1. LVF Empreendimentos LTDA.

Leia mais

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental Eco Houses / Casas ecológicas Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental IDHEA - INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DA HABITAÇÃO ECOLÓGICA Conceito:

Leia mais

SEBRAE Memorial Descritivo. 1. Diretrizes

SEBRAE Memorial Descritivo. 1. Diretrizes SEBRAE Memorial Descritivo 1. Diretrizes A identidade do edifício institucional deve se dar pelo caráter da obra singular ou por um conjunto edificado que reconstitua o lugar como uma referência para a

Leia mais

DESENHO ARQUITETÔNICO CEPREVI 2012

DESENHO ARQUITETÔNICO CEPREVI 2012 DESENHO ARQUITETÔNICO CEPREVI 2012 OBJETIVO: Tornar o aluno apto a interpretação do desenho técnico e das simbologias utilizadas em projetos de segurança contra incêndio e pânico; Identificar e compreender

Leia mais

Agência de propaganda

Agência de propaganda c a p a Agência de propaganda Luz cria ambientações quentes e aconchegantes, como a arquitetura Por Claudia Sá Fotos: Rubens Campo e Algeo Caerolli UM EDIFÍCIO INAUGURADO NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2007,

Leia mais

Ações dos Ventos nas Edificações

Ações dos Ventos nas Edificações Ações dos Ventos nas Edificações Cálculo da pressão do vento atuante nas estruturas FTC-116 Estruturas Metálicas Eng. Wagner Queiroz Silva UFAM Ação do vento Vento = movimento de massas de ar É produzido

Leia mais

4 Estudo de casos. Janelas: 1 gene para o percentual da largura total da parede que a janela irá ocupar (número entre 0 e 1);

4 Estudo de casos. Janelas: 1 gene para o percentual da largura total da parede que a janela irá ocupar (número entre 0 e 1); 4 Estudo de casos Este capítulo apresenta estudo de casos para averiguar a eficácia do modelo definido no capítulo 3. Para provar que os conceitos funcionam e que o método é viável, decidiu-se otimizar

Leia mais

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE ILUMINAÇÃO NATURAL E ARTIFICIAL DA SALA AULA ATELIÊ 1 DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UFMS.

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE ILUMINAÇÃO NATURAL E ARTIFICIAL DA SALA AULA ATELIÊ 1 DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UFMS. ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE ILUMINAÇÃO NATURAL E ARTIFICIAL DA SALA AULA ATELIÊ 1 DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UFMS. Nathalya Luciano Buges - Acadêmica do Curso de Arquitetura e Urbanismo da UFMS

Leia mais

ESTUDOS BIOCLIMÁTICOS E TECNOLOGIAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO ARQUITETÔNICO EM PALMAS (TO)

ESTUDOS BIOCLIMÁTICOS E TECNOLOGIAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO ARQUITETÔNICO EM PALMAS (TO) ESTUDOS BIOCLIMÁTICOS E TECNOLOGIAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO ARQUITETÔNICO EM PALMAS (TO) Alinne O. de Freitas (1); Silvia Garcia Tavares (2); Raphael de S. Santos (3); Mariela C. A. de Oliveira (4)

Leia mais

CASA VARANDA. Implantação e Partido Formal

CASA VARANDA. Implantação e Partido Formal CASA VARANDA Local Itanhangá, Rio de Janeiro Ano 2008 Escritório Carla Juaçaba Arquitetura Autoras: Cristina Piccoli e Natasha Oltramari Implantação e Partido Formal A Casa Varanda é um refúgio de 140,40

Leia mais

Fugindo do tradicional

Fugindo do tradicional construção Fugindo do tradicional Distante do padrão das casas colonial-americanas que predominam no condomínio, o projeto ganhou linhas diferenciadas e muita iluminação natural, com janelas amplas por

Leia mais

PORTAS E JANELAS: A LIGAÇÃO DA CASA COM O MUNDO

PORTAS E JANELAS: A LIGAÇÃO DA CASA COM O MUNDO PORTAS E JANELAS: A LIGAÇÃO DA CASA COM O MUNDO É dito no ditado popular que os olhos de uma pessoa são as janelas de sua alma, trazendo este pensamento para uma residência, podemos entender que as janelas

Leia mais

VIMOS SOLICITAR A ANALISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO TRATA-SE DE UM CONJUNTO RESIDENCIAL VERTICAL COM AS SEGUINTES CARACTERISTICAS:

VIMOS SOLICITAR A ANALISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO TRATA-SE DE UM CONJUNTO RESIDENCIAL VERTICAL COM AS SEGUINTES CARACTERISTICAS: Á PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LEOPOLDO EM ANEXO. VIMOS SOLICITAR A ANALISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO TRATA-SE DE UM CONJUNTO RESIDENCIAL VERTICAL COM AS SEGUINTES CARACTERISTICAS: - 12 EDIFICIOS COM 10

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL PROJETO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Autores: Claudio Libeskind, Sandra Llovet, Mario Lotfi, David Ruscalleda Nesta cidade, feita de sucessivas adições, de fragmentos, o projeto sobrepõe outros, criando

Leia mais

PLANEJAMENTO URBANO E O CONFORTO AMBIENTAL NO LOTEAMENTO HBB EM TERESINA. TERESINA PI BRASIL. (Apoio CNPq) L. M. E. Kallas

PLANEJAMENTO URBANO E O CONFORTO AMBIENTAL NO LOTEAMENTO HBB EM TERESINA. TERESINA PI BRASIL. (Apoio CNPq) L. M. E. Kallas PLANEJAMENTO URBANO E O CONFORTO AMBIENTAL NO LOTEAMENTO HBB EM TERESINA. TERESINA PI BRASIL. (Apoio CNPq) L. M. E. Kallas RESUMO No desenho urbano, a adequação bioclimática aproveita variáveis do clima

Leia mais

O USO DO BRISE-SOLEIL PELOS PROJETISTAS NA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL

O USO DO BRISE-SOLEIL PELOS PROJETISTAS NA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL O USO DO BRISE-SOLEIL PELOS PROJETISTAS NA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL Caroline Pienes Weber (1); Joaquim C. Pizzutti dos Santos (2); Egon Vettorazzi (3) (1) Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

Grupo Usiminas fabrica em Cubatão e Ipatinga, em Minas Gerais, perfis de aço para a construção de habitações

Grupo Usiminas fabrica em Cubatão e Ipatinga, em Minas Gerais, perfis de aço para a construção de habitações Edição: 5132010 Litoral Paulista, sexta-feira, 20 de agosto Página: 1 Grupo Usiminas fabrica em Cubatão e Ipatinga, em Minas Gerais, perfis de aço para a construção de habitações w w w. u s i m i n a s.

Leia mais

O CONFORTO AMBIENTAL APLICADO À QUESTÃO DA HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL. O USO DE SOLUÇÕES PASSIVAS.

O CONFORTO AMBIENTAL APLICADO À QUESTÃO DA HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL. O USO DE SOLUÇÕES PASSIVAS. ISSN 1984-9354 O CONFORTO AMBIENTAL APLICADO À QUESTÃO DA HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL. O USO DE SOLUÇÕES PASSIVAS. Antônio Domingos Dias Ferreira, Fernando Benedicto Mainier, Carlos Alberto Pereira Soares,

Leia mais

2. Produção Arquitetônica e Eficiência Energética

2. Produção Arquitetônica e Eficiência Energética UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL ECO-EFICIÊNCIA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NAS EDIFICAÇÕES - Versão Revisada e Resumida

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA VENTILAÇÃO NATURAL E DA INÉRCIA TÉRMICA DO ENVELOPE CONSTRUTIVO EM EDIFICAÇÃO VERTICAL MULTIFAMILIAR

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA VENTILAÇÃO NATURAL E DA INÉRCIA TÉRMICA DO ENVELOPE CONSTRUTIVO EM EDIFICAÇÃO VERTICAL MULTIFAMILIAR 1 ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA VENTILAÇÃO NATURAL E DA INÉRCIA TÉRMICA DO ENVELOPE CONSTRUTIVO EM EDIFICAÇÃO VERTICAL MULTIFAMILIAR RESUMO Tiago Arent Longo (1); Luiz César de Castro (2) UNESC Universidade

Leia mais

COMPORTAMENTO TÉRMICO DA CONSTRUÇÃO

COMPORTAMENTO TÉRMICO DA CONSTRUÇÃO COMPORTAMENTO TÉRMICO DA CONSTRUÇÃO Capítulo 2 do livro Manual de Conforto Térmico NESTA AULA: Trocas de calor através de paredes opacas Trocas de calor através de paredes translúcidas Elementos de proteção

Leia mais

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua TIPOS DE ESTRUTURAS Prof. Marco Pádua A função da estrutura é transmitir para o solo a carga da edificação. Esta carga compõe-se de: peso próprio da estrutura, cobertura, paredes, esquadrias, revestimentos,

Leia mais

7 VENTILAÇÃO E ILUMINAÇÃO

7 VENTILAÇÃO E ILUMINAÇÃO V Prognóstico Ambiental 7 VENTILAÇÃO E ILUMINAÇÃO 7.1 INTRODUÇÃO E OBJETIVOS Este estudo visa avaliar as condições de Ventilação e Iluminação na região contida no perímetro da Operação Urbana do Porto

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME Sistema de ds A SOLUÇÃO INTELIGENTE PARA A SUA OBRA SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME www.placlux.com.br VOCÊ CONHECE O SISTEMA CONSTRUTIVO LIGHT STEEL FRAME? VANTAGENS LIGHT STEEL FRAME MENOR CARGA

Leia mais

Melhorias Construtivas. Sustentáveis

Melhorias Construtivas. Sustentáveis Melhorias Construtivas Sustentáveis O que é sustentabilidade? O Projeto Melhorias Habitacionais Sustentáveis na Bomba do Hemetério, foi criado com o objetivo de reduzir o consumo e melhor aproveitar os

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Este informativo foi elaborado visando a padronização para a Apresentação de Projetos junto ao da Associação, para que a análise e a aprovação de projetos transcorram de forma mais rápida e eficiente.

Leia mais

SMALL HOUSE. Sejima e Nishizawa 1999-2000

SMALL HOUSE. Sejima e Nishizawa 1999-2000 SMALL HOUSE 1999-2000 Sejima e Nishizawa Andressa Rodrigues Melo 11411ARQ028 Ariane Xavier Duarte 11411ARQ023 Guilherme Duarte Cunha 11411ARQ001 Larissa Costa Silva 11411ARQ026 Kazuyo Sejima e Ruye Nishizawa

Leia mais

CASA EN TERRAVILLE. Implantação e Partido Formal. Local: Porto Alegre Ano: 2010 Escritório MAPA Autoras : Ana Elísia da Costa e Thaís Gerhardt

CASA EN TERRAVILLE. Implantação e Partido Formal. Local: Porto Alegre Ano: 2010 Escritório MAPA Autoras : Ana Elísia da Costa e Thaís Gerhardt CASA EN TERRAVILLE Local: Porto Alegre Ano: 2010 Escritório MAPA Autoras : Ana Elísia da Costa e Thaís Gerhardt Implantação e Partido Formal A Casa em Terraville é uma residência unifamiliar de uso regular

Leia mais

CONFORTO TÉRMICO EM APARTAMENTOS DE UM CONJUNTO HABITACIONAL EM MACEIÓ/AL

CONFORTO TÉRMICO EM APARTAMENTOS DE UM CONJUNTO HABITACIONAL EM MACEIÓ/AL CONFORTO TÉRMICO EM APARTAMENTOS DE UM CONJUNTO HABITACIONAL EM MACEIÓ/AL José Eduardo Castro de Almeida (1); Ricardo C. Cabús (2) (1) Universidade Federal de Alagoas, Rua José de Alencar, 318 Farol Maceió/AL,

Leia mais

É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA PADRÃO NÃO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA (CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO

É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA PADRÃO NÃO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA (CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA (CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO DE ENGENHEIROS DA MARINHA / CPCEM/2013) É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA PADRÃO NÃO CIENTÍFICA E RÉGUA ESCALÍMETRO

Leia mais

APLICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE ESTRATÉGIAS BIOCLIMÁTICAS NO PROCESSO PROJETUAL DO CENTRO CULTURAL AUGUSTO SEVERO (NATAL/ RN): VENCEDOR DA BIENAL AROZTEGUI

APLICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE ESTRATÉGIAS BIOCLIMÁTICAS NO PROCESSO PROJETUAL DO CENTRO CULTURAL AUGUSTO SEVERO (NATAL/ RN): VENCEDOR DA BIENAL AROZTEGUI APLICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE ESTRATÉGIAS BIOCLIMÁTICAS NO PROCESSO PROJETUAL DO CENTRO CULTURAL AUGUSTO SEVERO (NATAL/ RN): VENCEDOR DA BIENAL AROZTEGUI 2009 Clara O. de M. Rodrigues(1); Débora N. Pinto (2);

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ANEXO II DO DECRETO N 80/2011 DE 02/05/2011 PARTE 01: OBRA NOVA OU AMPLIAÇÃO 1. Planta de situação

Leia mais

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno 3.3 O Largo do Carmo e seu entorno O Largo do Carmo, como ainda é conhecido o espaço público na frente das igrejas da Ordem Primeira e Terceira do Carmo, e ao lado do Teatro Vasques. Seu entorno conserva

Leia mais

UMA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DA NECESSIDADE DE PROTEÇÃO SOLAR PARA EDIFICAÇÕES DA CIDADE DE LONDRINA PR

UMA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DA NECESSIDADE DE PROTEÇÃO SOLAR PARA EDIFICAÇÕES DA CIDADE DE LONDRINA PR I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. UMA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DA NECESSIDADE

Leia mais

Desempenho Ambiental no Projeto de Arquitetura

Desempenho Ambiental no Projeto de Arquitetura Desempenho Ambiental no Projeto de Arquitetura SABESP 7ª Audiência de Sustentabilidade Construções Sustentáveis Profa. ROBERTA CONSENTINO KRONKA MÜLFARTH rkronka@usp.br LABAUT - Laboratório de Conforto

Leia mais

ESTUDO DE ADEQUAÇÃO DO IMÓVEL LOCADO PELA UNIFESP CAMPUS GUARULHOS

ESTUDO DE ADEQUAÇÃO DO IMÓVEL LOCADO PELA UNIFESP CAMPUS GUARULHOS ESTUDO DE ADEQUAÇÃO DO IMÓVEL LOCADO PELA UNIFESP CAMPUS GUARULHOS Fevereiro 2013 Estudo de Viabilidade Situação Atual: Hoje o Campus de Guarulhos da UNIFESP abriga as escolas de Filosofia, Letras e Ciências

Leia mais

AVALIAÇÃO NUMÉRICA DO DESEMPENHO TÉRMICO DO PRÉDIO SEDE DA PREFEITURA MUNICIPAL DE MARIANA - MG

AVALIAÇÃO NUMÉRICA DO DESEMPENHO TÉRMICO DO PRÉDIO SEDE DA PREFEITURA MUNICIPAL DE MARIANA - MG AVALIAÇÃO NUMÉRICA DO DESEMPENHO TÉRMICO DO PRÉDIO SEDE DA PREFEITURA MUNICIPAL DE MARIANA - MG Élen Silva Ataíde(1); Henor Artur de Souza(2) (1)Arquiteta, MSc. - Universidade Federal de Ouro Preto, DECAT/EM,

Leia mais