São Paulo, 28 de fevereiro de Para: AGÊNCIA NACIONAL DO CINEMA ANCINE Avenida Graça Aranha, 35 Centro -Rio de Janeiro - RJ

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "São Paulo, 28 de fevereiro de 2012. Para: AGÊNCIA NACIONAL DO CINEMA ANCINE Avenida Graça Aranha, 35 Centro -Rio de Janeiro - RJ 20030-002"

Transcrição

1 São Paulo, 28 de fevereiro de Para: AGÊNCIA NACIONAL DO CINEMA ANCINE Avenida Graça Aranha, 35 Centro -Rio de Janeiro - RJ Ref.: CONSULTA PÚBLICA: MINUTA DE INSTRUÇÃO NORMATIVA QUE REGULAMENTA AS OBRIGAÇÕES DE VEICULAÇÃO DE CONTEÚDOS AUDIOVISUAIS NO SERVIÇO DE ACESSO CONDICIONADO E DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS Prezados Senhores, SKY BRASIL SERVIÇOS LTDA. ( SKY ), empresa com sede na Avenida das Nações Unidas nº , 14º e 15º andares, Brooklin Novo, São Paulo, Capital, inscrita no CNPJ/MJ sob o nº / , vem, respeitosamente, expor e apresentar seus comentários e suas contribuições à minuta de Instrução Normativa ( IN Geral ) objeto de consulta pública promovida por esta r. Agência. I. PRELIMINARMENTE Conforme é de conhecimento da ANCINE, a SKY é uma empresa brasileira dedicada à prestação dos serviços de televisão por assinatura, agora denominado Serviço de Acesso Condicionado ( SeAC ) em razão da promulgação da Lei nº /11, na atividade de distribuição e, certamente, será enquadrada com o empacotadora uma vez que é a SKY quem, em última instância, organiza e disponibiliza os seus pacotes de canais aos assinantes.

2 A SKY exerce sua atividade de distribuição essencialmente na modalidade tecnológica conhecida como DTH ( Direct-To-Home ) por meio de outorga de autorização, expedida pela Agência Nacional de Telecomunicações ANATEL. Com a Lei nº /11, que dispõe sobre a comunicação audiovisual de acesso condicionado, o mercado de televisão por assinatura, hoje SeAC, sofreu inúmeras alterações e interferências por parte do legislador, com um suposto propósito de incentivar a produção audiovisual nacional. Em relação à Lei nº /11, esta r. Agência está ciente de que a SKY promove Ação Declaratória c/c Pedido Condenatório de Obrigação de Não Fazer em face da ANCINE e da UNIÃO FEDERAL perante a 23ª Vara Cível da Justiça Federal da 3ª região, Processo nº , objetivando o reconhecimento da inexigibilidade da Política de Cotas criada pela referida Lei, especialmente dos seus artigos 17, 18 e 19, 2º, que tratam das cotas de canal brasileiros, de conteúdos nacionais em canais de pay per view e de canal jornalístico adicional. Nenhuma contribuição da SKY no processo de consulta pública deve ser entendida como renúncia, tolerância ou novação em relação aos direitos disputados em Juízo, que ficam aqui expressamente preservados e reservados. Entretanto, independentemente da ação judicial pendente a SKY vem, por meio da presente, contribuir com a consulta pública promovida pela ANCINE, como lhe é garantido. E, em que pese a minuta da IN Geral, em seu artigo 1º 1, prever a sua inaplicabilidade aos aspectos relativos à atividade de distribuição, é certo que o seu texto atinge diretamente a SKY e sua atividade, posto que certamente será considerada empacotadora, na medida em que, muitas vezes, repete a Lei nº /11 objeto da ação judicial supra citada e, em outras ocasiões, distorce e extrapola a mens legis contida na referida Lei. Nesse aspecto, a IN Geral em diversas ocasiões está inovando em relação à Lei de forma a colocar em risco o princípio da legalidade. 1 Art. 1º, 3º: Excluem-se do campo de aplicação desta IN os aspectos relativos à prestação do SeAC e à atividade de distribuição que se submete à regulação da Agência Nacional de Telecomunicações Anatel.

3 Daí a necessidade de manifestação da SKY quanto à consulta pública em tela, para análise e consideração desta r. Agência. II. DA MINUTA DA IN GERAL COMENTÁRIOS E CONTRIBUIÇÕES ESPECÍFICOS Art VII - promover ampla, livre e justa competição nas atividades de programação e empacotamento no mercado audiovisual brasileiro. Acrescentar o termo produção ao dispositivo. VII promover ampla, livre e justa competição nas atividades de produção, programação e empacotamento no mercado audiovisual brasileiro. Sugere-se que a ANCINE também inclua a promoção da competição na atividade de produção, já que esta é parte integrante das atividades de comunicação audiovisual de acesso condicionado. Além disso, a referida sugestão de alteração está de acordo com o próprio objetivo da ANCINE, que é fomentar a atividade de produção. Art. 5º... I - Auditório: espaço arquitetônico ou cênico, destinado à realização de Excluir o inciso I do Artigo 5º. reuniões, eventos artísticos ou apresentações de espetáculos culturais, com participação ou não de público, podendo ser utilizado como ambiente de gravação de conteúdos ou registros audiovisuais, incluindo estúdios, palcos, teatros e casas de espetáculo de modo geral; A Lei nº /11 não definiu o termo auditório, referindo-se ao mesmo

4 apenas na definição de Espaço Qualificado : Art. 3º... XII - Espaço Qualificado: espaço total do canal de programação, excluindo-se conteúdos religiosos ou políticos, manifestações e eventos esportivos, concursos, publicidade, televendas, infomerciais, jogos eletrônicos, propaganda política obrigatória, conteúdo audiovisual veiculado em horário eleitoral gratuito, conteúdos jornalísticos e programas de auditório ancorados por apresentador; Assim, de acordo com a Lei, não constituem obras audiovisuais de espaço qualificado os programas de auditório ancorados por apresentador. A IN Geral, por sua vez, pretende, com a definição de auditório, ampliar a definição de programas de auditório e, indiretamente, aumentando as obras audiovisuais que estariam excluídas do espaço qualificado e, portanto, não poderiam ser qualificadas para o preenchimento da cota de canal prevista no artigo 16 da Lei nº /11 (e transcrita ipsis literis no artigo 22 da IN Geral). Em razão dessa ampliação indireta da definição de programas de auditório (que não consta da Lei), a IN Geral certamente causará um efeito negativo no mercado do SeAC, na medida em que, artificialmente, supervalorizará os conteúdos excluídos dessa definição, e, por consequência, causará impactos em toda a cadeia deste mercado, especialmente ao consumidor final desse serviço. Desta forma, sugere-se a exclusão da definição do termo auditório. Alternativamente, sugere-se uma nova definição deste termo, especificando e limitando o alcance do termo auditório e, consequentemente, da definição de programas de auditório : Art. 5º... I - Auditório: espaço arquitetônico ou cênico, destinado à realização de reuniões, eventos artísticos ou apresentações de espetáculos culturais, com participação ou não de público, podendo ser utilizado como ambiente de gravação de conteúdos ou registros audiovisuais, incluindo estúdios, palcos, teatros e casas de espetáculo de modo geral, com

5 participação de público e ancorados por apresentador; Art. 5º... IX - Canal de Conteúdo Infantil e Adolescente: canal de programação que, no horário nobre, veicule majoritariamente obras audiovisuais direcionadas a crianças e adolescentes cuja classificação indicativa, regulamentada pelo Ministério da Justiça, considere recomendados para menores de até 12 anos; Alterar a redação do inciso IX e, acrescentar o inciso IX-A ao Art. 5º. IX - Canal de Conteúdo Infantil e Adolescente: canal de programação que, no horário nobre, veicule majoritariamente obras audiovisuais direcionadas a crianças e adolescentes, cuja classificação indicativa, regulamentada pelo Ministério da Justiça, considere recomendados para menores de até 12 (doze) anos de idade incompletos; IX-A - Canal de Conteúdo Adolescente: canal de programação que, no horário nobre, veicule majoritariamente obras audiovisuais direcionadas a adolescentes, cuja classificação indicativa, regulamentada pelo Ministério da Justiça, considere recomendados para menores entre 12 (doze) e 18 (dezoito) anos de idade;

6 A Lei nº 8.069/90, que dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), assim define criança e adolescente : Art. 2º Considera-se criança, para os efeitos desta Lei, a pessoa até doze anos de idade incompletos, e adolescente aquela entre doze e dezoito anos de idade. A definição constante do inciso IX do artigo 5º pretende reunir na definição de apenas um canal conteúdos para ambos os menores, criança e adolescente, mas indicando, equivocadamente, que tais conteúdos devem ser recomendados para menores de até 12 anos, que, pela definição do ECA, inclui apenas as crianças. Desta forma, no intuito de melhor esclarecer a definição e corrigir o equívoco apontado, sugere-se a definição, em separado, do Canal de Conteúdo Infantil e do Canal de Conteúdo Adolescente. Art. 5 XV Comunicação Pública de Obra Audiovisual: ato mediante o qual a obra audiovisual é disponibilizada ao público por qualquer meio ou procedimento, nos diversos segmentos de mercado audiovisual, destinado à representação ou execução pública, incluindo a exibição, transmissão, emissão, retransmissão, difusão. Excluir o inciso XV do Art. 5º. Trata-se de um conceito que não encontra respaldo na Lei n /2011. Ademais, o conceito de comunicação pública é abarcado pela Lei de Direitos Autorais. Por isso, sugere-se a exclusão. Além disso, a definição está imprecisa, uma vez que a obra pode ser disponibilizada por quaisquer meios, o que inclui distribuição, e esta não é espécie do gênero comunicação pública de obra audiovisual. A ANCINE com este interesse de legislar sobre tudo traz para o segmento de

7 distribuição de conteúdos os riscos da equiparação a comunicação pública, com as conseqüências nefastas que isso possa trazer para o setor que ela teria que incentivar e desonerar. Art. 5 XXII Grade de Canais: posicionamento determinado pela Excluir o inciso XXII do Art. 5º empacotadora dos canais de programação em cada pacote segundo ordem numérica sequencial na qual cada posição numérica corresponde a um canal de programação distinto. Sugere-se a exclusão do referido inciso, pois não há motivos para a ANCINE definir a organização dos canais das empacotadoras, uma vez que esta é uma atividade privada, cuja ingerência da Administração Pública deve ser mínima. Art. 5 XL Obra Audiovisual Não Publicitária: obra audiovisual que não se enquadre na definição de obra audiovisual publicitária. Exclusão do inciso XL do Art. 5º. Sugerimos excluir o inciso em atenção ao princípio da regulação mínima e contenção do excesso regulamentar. Os conceitos de obra audiovisual e audiovisual publicitária estão expressos na MP /2011, tornando-se desnecessária a menção negativa do que se define pelo positivo.

8 Art. 5 XLV - Programadora: empresa que exerça a atividade de seleção, organização ou formatação de conteúdos audiovisuais apresentados na forma de canais de programação, inclusive canais avulsos e canais payper-view, independentemente do seu objeto social ou nome empresarial. Acrescenta a palavra comercialmente ao inciso XLV: XLV - Programadora: empresa que exerça comercialmente a atividade de seleção, organização ou formatação de conteúdos audiovisuais apresentados na forma de canais de programação, inclusive canais avulsos e canais pay-per-view, independentemente do seu objeto social ou nome empresarial. A presente sugestão visa adequar a redação do artigo com os demais dispositivos desta proposta de Instrução Normativa e deixa-lo de maneira que esteja em consonância com o fim proposto na Lei do SeAC. Art. 5º... LII - Segmento de Mercado Audiovisual de Serviço de Acesso Condicionado (SeAC): aquele que consiste no serviço de telecomunicações de interesse coletivo prestado no regime privado, cuja recepção é condicionada à contratação remunerada por assinantes e destinado à distribuição de conteúdos audiovisuais na forma de pacotes, de canais nas modalidades avulsa de programação e avulsa de conteúdo programado e de canais de distribuição obrigatória, por meio de tecnologias, processos, meios eletrônicos e protocolos de comunicação quaisquer; Alterar a redação do inciso LII, do Art. 5º LII - Segmento de Mercado Audiovisual de Serviço de Acesso Condicionado (SeAC): aquele que consiste no serviço de telecomunicações de interesse coletivo prestado no regime privado, cuja recepção é condicionada à contratação remunerada por assinantes e destinado à distribuição de conteúdos audiovisuais na forma de pacotes, de canais nas modalidades avulsa de programação e avulsa de conteúdo programado e de canais de distribuição obrigatória, por meio de tecnologias, processos, meios eletrônicos e protocolos de comunicação quaisquer;

9 A definição proposta na IN Geral, na verdade, nada define sobre segmento, mas, sim, sobre SeAC, devendo repetir a definição prevista no inciso XXIII do Artigo 2º da Lei nº /11. Desta forma, sugere-se que conste deste dispositivo a definição de SeAC. Até porque, pela leitura do artigo 11 da IN Geral, conclui-se que segmento de mercado de SeAC será definido e especificado em IN específica: Art. 11. As obras audiovisuais publicitárias e as obras audiovisuais não publicitárias estrangeiras serão classificadas no ato do registro de título para o segmento de mercado de SeAC, nos termos da IN específica. Art. 6º Com vistas à consecução dos objetivos previstos no art. 4º desta IN, compreende-se por obras audiovisuais que constituem espaço qualificado as obras audiovisuais seriadas ou não seriadas dos tipos ficção, documentário, animação, reality show, videomusical e de variedades realizada fora de auditório, conforme estabelecido em seus respectivos Certificados de Registro de Título (CRT). Parágrafo único. As obras audiovisuais estruturadas em função de marca comercial, obras audiovisuais do tipo registro ou transmissão ao vivo e manifestações e eventos esportivos não serão consideradas como constituintes de espaço qualificado. Altera a redação do caput do art. 6º Art. 6º Com vistas à consecução dos objetivos previstos no art. 4º desta IN compreende-se por obras audiovisuais que constituem espaço qualificado todas as obras audiovisuais constantes do canal de programação excluindo-se conteúdos religiosos ou políticos, manifestações e eventos esportivos, concursos, publicidade, televendas, infomerciais, jogos eletrônicos, propaganda política obrigatória, conteúdo audiovisual veiculado em horário eleitoral gratuito, conteúdos jornalísticos e programas de auditório ancorados por apresentador.

10 A IN Geral pretende definir obras audiovisuais que constituem espaço qualificado de forma positiva e taxativa, ou seja, identificando, especificando e limitando as obras audiovisuais que poderão ser classificadas como sendo de espaço qualificado e, portanto, qualificadas para o preenchimento da cota de canal prevista no artigo 16 da Lei nº /11 (e transcrita ipsis literis no artigo 22 da IN Geral). Ocorre que a Lei, apesar de não possuir definição específica de obras audiovisuais que constituem espaço qualificado, trata indiretamente da questão ao definir Espaço Qualificado pela negativa: Art. 3º... XII - Espaço Qualificado: espaço total do canal de programação, excluindo-se conteúdos religiosos ou políticos, manifestações e eventos esportivos, concursos, publicidade, televendas, infomerciais, jogos eletrônicos, propaganda política obrigatória, conteúdo audiovisual veiculado em horário eleitoral gratuito, conteúdos jornalísticos e programas de auditório ancorados por apresentador; Com a definição de obras audiovisuais que constituem espaço qualificado de forma positiva e taxativa, a IN Geral limita em muito as obras audiovisuais que poderão ser qualificadas para o preenchimento da cota de canal, desvirtuando o espírito da Lei, que traz uma definição por exclusão, ainda que indiretamente. Aliás, a própria IN Geral, no inciso XX do artigo 5º, repete a definição de Espaço Qualificado constante da Lei, reforçando a necessidade de respeito das definições trazidas pela Lei. O Parágrafo Único sugerido neste dispositivo restringe ainda mais as obras que poderiam ser consideradas como constituintes de espaço qualificado, inovando indevidamente em relação à Lei nº /11, que não prevê tal restrição. A limitação excessiva decorrente da definição realizada pela IN Geral, além de se apresentar contrário à letra da Lei, causará um efeito negativo no mercado do SeAC, na medida em que, artificialmente, supervalorizará os conteúdos incluídos dentro dessa limitação, e, por consequência, causará impactos em toda a cadeia deste mercado, especialmente ao consumidor final desse serviço.

11 Tal limitação contraria, inclusive, os princípios da regulação da Comunicação Audiovisual no SeAC, identificados no artigo 3º da IN Geral: Art. 3º São princípios da regulação da Comunicação Audiovisual no SeAC: I - a liberdade de expressão e de acesso à informação; II - a promoção da diversidade cultural e das fontes de informação, produção e programação;... IV - o estímulo à produção independente e regional; V - o estímulo ao desenvolvimento social e econômico do País; VI - a liberdade de iniciativa, a mínima intervenção da Administração Pública... Desta forma, sugere-se que a definição de obras audiovisuais que constituem espaço qualificado seja extraída da definição de Espaço Qualificado que consta da Lei /2011, excluindo-se, por consequência, o Parágrafo Único. Art. 7º... III - seja produzido por empresa produtora brasileira, nos termos do inciso XLVII do art. 5º desta IN. 1º Para atendimento ao disposto no inciso II deste artigo serão considerados como parte integrante do patrimônio da obra audiovisual os seus elementos derivados, tais como marcas, formatos, personagens e enredo. 2º Em observância ao disposto no 1º deste artigo, será considerada como produzida por empresa produtora brasileira a obra cuja maioria dos direitos patrimoniais dos elementos derivados ou de criações intelectuais pré-existentes inseridas na obra pertençam a agente econômico brasileiro. 3º A obra audiovisual que contenha Altera a redação do inciso III, bem como exclui os parágrafos 1,2 e 3. Ao invés do parágrafo 4º, sugere-se que o mesmo seja o parágrafo único do artigo e, com a redação sugerida: Art. 7º III - seja produzido em conformidade com os critérios estabelecidos no inciso V do art. 1 o da Medida Provisória n o , de 6 de setembro de º Parágrafo Único: Para atendimento ao disposto no inciso II do caput deste artigo, a pessoa natural brasileira o brasileiro nato ou naturalizado há mais de 10 (dez) anos será equiparadao à empresa produtora brasileira, nos termos do inciso II do art. 20 da Lei nº /2011.

12 elementos ou criações intelectuais protegidas, cuja maioria dos direitos patrimoniais seja de titularidade de estrangeiros, somente será considerada brasileira caso o titular desses direitos conceda autorização por escrito que permita a exploração econômica, pela produtora brasileira ou seus outorgados, da obra audiovisual em quaisquer territórios e a qualquer tempo, sem que haja anuência para cada contratação, respeitando-se os direitos do titular para outros fins. 4º Para atendimento ao disposto no inciso II do caput deste artigo, a pessoa natural brasileira será equiparada à empresa produtora brasileira, nos termos do inciso II do art. 20 da Lei nº /2011. (a Lei diz brasileiro nato ou naturalizado há mais de 10 (dez) anos ) O presente dispositivo tem relação direta com o artigo 22, caput, da IN Geral, que repete o texto do artigo 16 da Lei nº /11: Art. 16. Nos canais de espaço qualificado, no mínimo 3h30 (três horas e trinta minutos) semanais dos conteúdos veiculados no horário nobre deverão ser brasileiros e integrar espaço qualificado, e metade deverá ser produzida por produtora brasileira independente. Ou seja, para o cumprimento de metade da cota de canal, os conteúdos devem ser brasileiros e integrar espaço qualificado. Ao definir conteúdo audiovisual brasileiro que constitui espaço qualificado, a IN Geral, especificamente quanto ao conteúdo audiovisual brasileiro, exige que o conteúdo deve ser produzido por empresa produtora brasileira, nos termos do inciso XLVII do art. 5º desta IN.

13 Entretanto, tal exigência se apresenta nitidamente excedente àquela prevista na legislação vigente. Primeiro, porque a própria Lei nº /11 contém a definição de conteúdo brasileiro : Art. 2º... VIII - Conteúdo Brasileiro: conteúdo audiovisual produzido em conformidade com os critérios estabelecidos no inciso V do art. 1 o da Medida Provisória n o , de 6 de setembro de 2001; E o referido inciso V do artigo 1º da MP nº /01 prevê expressamente os requisitos (não cumulativos) da obra audiovisual brasileira : V - obra cinematográfica brasileira ou obra videofonográfica brasileira: aquela que atende a um dos seguintes requisitos: a) ser produzida por empresa produtora brasileira, observado o disposto no 1 o, registrada na ANCINE, ser dirigida por diretor brasileiro ou estrangeiro residente no País há mais de 3 (três) anos, e utilizar para sua produção, no mínimo, 2/3 (dois terços) de artistas e técnicos brasileiros ou residentes no Brasil há mais de 5 (cinco) anos; b) ser realizada por empresa produtora brasileira registrada na ANCINE, em associação com empresas de outros países com os quais o Brasil mantenha acordo de co-produção cinematográfica e em consonância com os mesmos. c) ser realizada, em regime de co-produção, por empresa produtora brasileira registrada na ANCINE, em associação com empresas de outros países com os quais o Brasil não mantenha acordo de co-produção, assegurada a titularidade de, no mínimo, 40% (quarenta por cento) dos direitos patrimoniais da obra à empresa produtora brasileira e utilizar para sua produção, no mínimo, 2/3 (dois terços) de artistas e técnicos brasileiros ou residentes no Brasil há mais de 3 (três) anos. Segundo, porque a definição de produtora brasileira constante do inciso XLVII do art. 5º desta IN Geral diverge do previsto no 1 o do artigo 1º da MP nº

14 /01: 1 o Para os fins do inciso V deste artigo, entende-se por empresa brasileira aquela constituída sob as leis brasileiras, com sede e administração no País, cuja maioria do capital total e votante seja de titularidade direta ou indireta, de brasileiros natos ou naturalizados há mais de 10 (dez) anos, os quais devem exercer de fato e de direito o poder decisório da empresa. Ou seja, enquanto que a MP nº /01 exige que apenas a maioria do capital total e votante seja de titularidade, direta ou indireta, de brasileiros natos ou naturalizados há mais de 10 (dez) anos, o inciso XLVII do art. 5º desta IN Geral exige que esta titularidade seja de 70% (setenta por cento). Certamente, o texto da MP merece prevalecer sobre o texto da IN Geral, especialmente para privilegiar o objetivo de estimular a produção audiovisual. Além disso, o 2º também extrapola os requisitos da Lei nº /11 e da MP nº /01 ao exigir, para considerar a obra como produzida por empresa produtora brasileira, que a maioria dos direitos patrimoniais dos elementos derivados ou de criações intelectuais pré-existentes inseridas na obra pertençam a agente econômico brasileiro. Sugere-se, portanto, a sua exclusão, bem como do 3º. Em relação ao 4º, em que pese o próprio dispositivo fazer referência ao inciso II do art. 20 da Lei nº /2011, o mesmo se limitou a mencionar a pessoa natural brasileira, enquanto que o referido dispositivo da Lei menciona brasileiro nato ou naturalizado há mais de 10 (dez) anos: Art II - o conteúdo produzido por brasileiro nato ou naturalizado há mais de 10 (dez) anos será equiparado ao produzido por produtora brasileira; E, por oportuno, sugerimos a exclusão do parágrafo primeiro, pois a Ancine não deveria intervir nas relações privadas de titularidade autoral e de propriedades intelectuais das partes, bem como de derivados, sob pena de violar direitos individuais dos envolvidos garantidos constitucionalmente e por leis especiais, notadamente as de Direito de Autor e de Propriedade Intelectual.

15 Art. 8º Compreende-se por conteúdo audiovisual que constitui espaço qualificado produzido por produtora brasileira independente aquele que atenda os requisitos dispostos no art. 7º e cujo poder dirigente sobre o patrimônio da obra audiovisual, de acordo com o CPB emitido, seja detido por uma ou mais produtoras brasileiras independentes. 1º Em observância ao caput, para verificação da condição de independência, serão consideradas as relações de controle, coligação, associação ou vínculo da empresa produtora com: I empresa concessionária de serviço de radiodifusão de sons e imagens; ou II - agente econômico que exerça atividade de programação ou empacotamento que detenha direito de comunicação pública sobre o conteúdo audiovisual produzido. 2º A obra audiovisual brasileira que contenha elementos ou criações intelectuais protegidas, cuja maioria dos direitos patrimoniais seja de titularidade de terceiros, somente será considerada de produção independente caso o titular desses direitos conceda autorização por escrito que permita a exploração econômica, pela produtora brasileira independente, da obra audiovisual, incluídos os referidos elementos, sem que haja a necessidade de anuência para cada contratação, respeitando-se os direitos do titular para outros fins. Sugere-se a alteração da redação do caput do art. 8º e a exclusão do 2º. Art. 8º Compreende-se por conteúdo audiovisual que constitui espaço qualificado produzido por produtora brasileira independente aquele que atenda os requisitos dispostos no art. 7º e cujo poder dirigente sobre o patrimônio da obra audiovisual, de acordo com o CPB emitido, seja detido por uma ou mais produtoras brasileiras independentes. 1º Em observância ao caput, para verificação da condição de independência, serão consideradas as relações de controle, coligação, associação ou vínculo da empresa produtora com: I empresa concessionária de serviço de radiodifusão de sons e imagens; ou II - agente econômico que exerça atividade de programação ou empacotamento que detenha direito de comunicação pública sobre o conteúdo audiovisual produzido.

16 O presente dispositivo tem relação direta com o artigo 22, caput, da IN Geral, que repete o texto do artigo 16 da Lei nº /11: Art. 16. Nos canais de espaço qualificado, no mínimo 3h30 (três horas e trinta minutos) semanais dos conteúdos veiculados no horário nobre deverão ser brasileiros e integrar espaço qualificado, e metade deverá ser produzida por produtora brasileira independente. Ou seja, para o cumprimento de metade da cota de canal, os conteúdos devem ser brasileiros, integrar espaço qualificado e, ainda, ser produzida por produtora brasileira independente. Ao definir conteúdo audiovisual brasileiro que constitui espaço qualificado produzido por produtora independente, a IN Geral exige que o conteúdo atenda os requisitos no art. 7º e cujo poder dirigente sobre o patrimônio da obra audiovisual, de acordo com o CPB emitido, seja detido por uma ou mais produtoras independentes. Entretanto, tal exigência se apresenta nitidamente excedente àquela prevista na legislação vigente. Isto porque a própria Lei nº /11, em seu artigo 16, impõe como única exigência que tal conteúdo deverá ser produzida por produtora brasileira independente. A questão da titularidade dos direitos autorais patrimoniais sobre a obra audiovisual, objeto do 2º, também não está contemplada na legislação específica e vigente. A Ancine não deveria intervir nas relações privadas de titularidade autoral e de propriedades intelectuais das partes, bem como de derivados, sob pena de violar direitos individuais dos envolvidos garantidos constitucionalmente e por leis especiais, notadamente as de Direito de Autor e de Propriedade Intelectual. Por esta razão, sugere-se a exclusão deste dispositivo.

17 Art. 9º O reconhecimento da condição de conteúdo audiovisual que constitui espaço qualificado produzido por produtora brasileira independente está condicionado à apresentação, pela produtora, no ato de registro da obra para fins de emissão do CPB, de quaisquer contratos ou compromissos referentes a qualquer modalidade de exploração econômica da obra, bem como da exploração econômica de produtos, serviços ou marcas associadas ao conteúdo. Sugere-se a exclusão do Art. 9º. Considerando que, para o reconhecimento da condição de conteúdo audiovisual que constitui espaço qualificado produzido por produtora brasileira independente, nos termos da Lei nº /11, em seu artigo 16, basta que tal conteúdo deverá ser produzida por produtora brasileira independente, verifica-se a exigência de apresentação de contratos e compromissos referentes à exploração econômica da obra se apresenta indevida e abusiva. A Ancine não deveria intervir nas relações privadas de titularidade autoral e de propriedades intelectuais das partes, bem como de derivados, sob pena de violar direitos individuais dos envolvidos garantidos constitucionalmente e por leis especiais, notadamente as de Direito de Autor e de Propriedade Intelectual. Por esta razão, sugere-se a exclusão deste dispositivo. Além disso, há obras que podem ser produzidas sem incentivos fiscais ou dinheiro público pelo que essa exigência de forma genérica significa em injustificada invasão na liberdade contratual. Além disso, a questão do registro da obra para fins de emissão de CPB já é objeto de IN própria, apresentando-se sem razão a exigência de novos documentos.

18 Art Parágrafo Único. A programadora do canal de programação referido no caput deverá ser empresa cuja finalidade principal seja a de empreender comercialmente no setor audiovisual, auferindo as receitas necessárias ao seu funcionamento a partir da contratação de seu(s) canal(is) de programação ou da comercialização de espaço publicitário, sujeitando-se aos riscos inerentes à atuação no mercado. Sugere-se a exclusão do parágrafo único ao art. 14. A referida proposta do parágrafo único do artigo 14 restringe ainda mais os canais brasileiros que poderiam ser considerados como qualificados, para fins de cumprimento das cotas. Ademais, a presente proposta não encontra respaldo na legislação em vigor. A limitação excessiva, além de se apresentarse contrária à letra da Lei (artigo 9º), causará um efeito negativo no mercado do SeAC, na medida em que, artificialmente, supervalorizará os canais que estarão qualificados, e por consequência, causará impactos em toda a cadeia deste mercado, especialmente ao consumidor final desse serviço, que poderá sofrer um aumento na mensalidade de sua assinatura em virtude de uma imposição de reserva de mercado. Art. 23. A aferição das obrigações de veiculação de conteúdos audiovisuais brasileiros de que trata esta Seção será calculada a partir do somatório da duração efetiva de veiculação das obras audiovisuais. Sugere-se a exclusão do artigo 23. O presente dispositivo visa aumentar o tempo de cumprimento das cotas e, além disso, descaracteriza o produto final da obra, quando nela estão incluídos os anúncios. A Lei n /11 não faz qualquer exclusão da publicidade

19 durante o tempo de 3h30. Até porque, para fins de fiscalização por parte da ANCINE, é razoável que o período das cotas seja o tempo total do programa do início ao seu final e não apenas uma fração ou frações. Ademais os programas são produzidos normalmente para preencher meias horas ou horas cheias, contando com o espaço dos intervalos. As programadoras terão dificuldades de montarem a programação no modelo usual da televisão e da televisão por assinatura. Desta forma, visando não exceder às disposições na Lei em vigor, faz-se a presente sugestão de alteração no texto. A ANCINE vem declarando que pretende causar uma transição suave sem grandes alterações nas práticas usuais do mercado e dos interesses dos assinantes. Este tipo de restrição adicional contraria esse discurso. Art. 25. Compreende-se por pacote o agrupamento de canais de programação ofertados em última instância ao consumidor final, e que por ele possa ser ou tenha sido adquirido sem a necessidade de contratação de canais avulsos ou outro(s) conjunto(s) de canais adicionais. Parágrafo único. A inclusão ou exclusão de um ou mais canais em um pacote pré-existente configura a criação de um novo pacote, salvo no caso de pacote que não esteja mais disponível para aquisição pelos consumidores. Confere nova redação ao caput bem como ao parágrafo único. Art. 25. Compreende-se por pacote o agrupamento de canais de programação ofertados em última instância ao consumidor final, e que por ele possa ser ou tenha sido adquirido sem a necessidade de contratação de canais avulsos ou outro(s) conjunto(s) de canais adicionais, que poderão ser contratados separadamente. Parágrafo único. A inclusão ou exclusão de um ou mais canais em um pacote pré-existente, exceto de canais avulsos, configura a criação de um novo pacote, salvo no caso de pacote que não esteja mais disponível para aquisição pelos consumidores.

20 Em que pese a definição de pacote constante da Lei nº /11, repetida no inciso XLIV do artigo 5º da IN Geral, não distinguir os canais de programação que, uma vez agrupados, constituem o pacote, é certo os canais avulsos, ofertados na modalidade avulsa de programação ou em modalidade avulsa de conteúdo programado, não integram o pacote. Tanto isto é verdade que a Lei nº /11, ao tratar dos canais que serão desconsiderados para fins de cumprimento das cotas, exclui expressamente os canais avulsos dos pacotes sujeitos à cota de programação: Art. 19. Para efeito do cumprimento do disposto nos arts. 16 e 17, serão desconsiderados:... VI - os canais ofertados na modalidade avulsa de programação; VII - os canais de programação ofertados em modalidade avulsa de conteúdo programado. É importante frisar que as Empacotadoras, ao ofertar combinações de pacotes e canais avulsos estão apenas dando ao consumidor uma opção de aquisição dos serviços, mediante uma condição comercial favorável. De maneira alguma essa combinação configura uma nova criação de pacote, na medida em que a Lei exclui expressamente os canais avulsos. Eventual interpretação diversa desta poderá ensejar o descumprimento ao preceito legal em vigor e prejudicar o consumidor final, que terá que carregar mais canais que serão por eles pagos ou correrão o risco de perder a veiculação de determinados canais, para que a cota possa ser cumprida. Desta forma, sugere-se que, neste dispositivo, conste de forma expressa que os canais avulsos diferenciam-se dos demais canais e não podem ser confundidos com estes quando a IN Geral tratar de pacote. Para a ANATEL, na resolução 488, artigo 2º, inciso VIII, define como Plano de Serviço: conjunto de programas ou programação e outras facilidades de serviço contratadas pelo Assinante à Prestadora.

21 Art. 26. São obrigações da empacotadora: (...) V - garantir, nos pacotes em que houver canal jornalístico brasileiro, que seja ofertado pelo menos mais um canal de programação com as mesmas características no mesmo pacote; VI - garantir que quando um canal jornalístico brasileiro for ofertado para ser adquirido como canal avulso, seja ofertado ao menos mais um canal avulso com as mesmas características. Alteração da redação do inciso V e exclusão do inciso VI do Art. 26. V - garantir, nos pacotes em que houver canal jornalístico brasileiro, que seja ofertado pelo menos mais um canal de programação com as mesmas características no mesmo pacote ou na modalidade avulsa de programação; Em relação às obrigações apresentadas no referido dispositivo, especialmente nos incisos V e VI, a IN Geral interpreta equivocadamente o previsto na Lei nº /11, criando 2 (duas) obrigações, quando, de fato, a Lei prevê apenas 1 (uma): Art. 18. Nos pacotes em que houver canal de programação gerado por programadora brasileira que possua majoritariamente conteúdos jornalísticos no horário nobre, deverá ser ofertado pelo menos um canal adicional de programação com as mesmas características no mesmo pacote ou na modalidade avulsa de programação, observado o disposto no 4 o do art. 19. Na verdade, não há na Lei a obrigação prevista no inciso VI do artigo 26 da IN Geral. A obrigação existente na Lei é a de ofertar, quando o pacote contiver canal jornalístico brasileiro, pelo menos mais um canal de programação com as mesmas características no mesmo pacote ou na modalidade avulsa de programação. Desta forma, sugere-se a complementação do inciso V e a exclusão do inciso VI.

22 Art. 27. Havendo alteração na classificação dos canais de programação, as empacotadoras terão o prazo de 30 (trinta) dias a partir da publicação de que trata o art. 21 para efetuar eventual adequação dos seus pacotes ao disposto no art. 26 desta IN. Alteração do prazo de 30 para 90 dias. Art. 27. Havendo alteração na classificação dos canais de programação, as empacotadoras terão o prazo de 30 (trinta) 90 (noventa) dias a partir da publicação de que trata o art. 21 para efetuar eventual adequação dos seus pacotes ao disposto no art. 26 desta IN. Considerando que, conforme o artigo 18 da IN Geral, a classificação inaugural do canal de programação é de natureza declaratória por parte da programadora, e não da empacotadora, vislumbra-se a necessidade de prazo maior para realizar eventual adequação dos pacotes. Esta necessidade ocorre, sobretudo, em razão da importância de dar cumprimento ao disposto na Resolução n 488/07 da ANATEL, diante da eventual necessidade de retirada de canais, para adequar o pacote ao cumprimento da cota Daí a sugestão para aumento do prazo para 90 (noventa) dias. Art. 29. Para o cumprimento das obrigações do art. 26, o posicionamento dos canais brasileiros Exclusão do Art. 29 deverá situar-se entre as 50 (cinquenta) primeiras posições contadas a partir da posição do último canal de programação de distribuição obrigatória. O referido dispositivo não encontra qualquer amparo ou fundamento na Lei nº /11, apresentando-se, também, desprovido de razoabilidade. A posição de um canal no line up, ou seja, na grade de canais, não merece ser imposta, principalmente para garantir a liberdade de organização dos canais, de acordo com o seu conteúdo, suas características e conforme a estratégia de cada distribuidora, garantindo a livre concorrência. Além disso, referida proposta teria o efeito de ocasionar uma mudança na grade de canais toda vez que fosse inserido um novo canal brasileiro

23 qualificado. Do ponto de vista do consumidor, essa proposta apenas lhe dificultaria achar os seus canais favoritos no line up. Por fim, também impediria a organização de canais por gênero, por parte da empacotadora. Art Uma vez contabilizada a veiculação de uma obra audiovisual para fins do cumprimento da obrigação disposta no caput em Exclusão do parágrafo segundo do Art. relação a um canal avulso de 31 conteúdo programado, a mesma não será contabilizada par ao mesmo fim em relação a qualquer outro canal da mesma programadora. Primeiramente, a referida proposta não encontra qualquer amparo ou fundamento na Lei nº /2011, tratando de um excesso regulamentar. Além disso, este artigo apresenta-se desprovido de razoabilidade, uma vez que os canais de payperview e os programados são considerados janelas diferentes no segmento de televisão por assinatura. Deste modo, uma obra brasileira não pode ser penalizada por ter ido para a primeira janela (ppv) e depois migrar para a segunda janela (canais programados). Esse excesso conspira contra a dinâmica, lógica, prática, usos e costumes, bem como direitos dos produtores e programadoras. Ela ainda dificultará o acesso às obras audiovisuais pelos brasileiros, já que elas poderão ter a sua veiculação limitada em virtude do disposto na norma. Exibir uma obra no payperview que é uma diferencial importante pode liquidar o interesse da obra nos canais da janela seguinte. Assim, além de ser ilegal, a proposta mostra-se contra os direitos dos consumidores de TV por Assinatura que, na prática, somente verão os melhores filmes no pay-per-view. Art. 30. A empacotadora deverá contratar canais de programação por Exclusão do Art.30 meio de empresa brasileira localizada em território brasileiro.

24 A IN Geral, por meio do artigo 30, revigorou indevidamente o revogado artigo 31 da MP nº , que previa o seguinte: Art. 31. A contratação de programação ou de canais de programação internacional, pelas empresas prestadoras de serviços de comunicação eletrônica de massa por assinatura ou de quaisquer outros serviços de comunicação que transmitam sinais eletrônicos de som e imagem, deverá ser sempre realizada através de empresa brasileira qualificada na forma do 1 o do art. 1 o da Medida Provisória n o , de 6 de setembro de 2001, com a redação dada por esta Lei, ainda que o pagamento dos montantes a esta referentes seja feito diretamente à empresa estrangeira pela empresa brasileira que se responsabilizará pelo conteúdo da programação contratada, observando os dispositivos desta Medida Provisória e da legislação brasileira pertinente. Entretanto, como explicitado a Lei nº /11 expressamente revogou o referido artigo 31: Art. 37. Revogam-se o art. 31 da Medida Provisória n o , de 6 de setembro de 2001, e os dispositivos constantes dos Capítulos I a IV, VI e VIII a XI da Lei n o 8.977, de 6 de janeiro de Assim, se a Lei nº /11 expressamente revogou tal dispositivo, não se apresenta razoável que a IN Geral, que vem regulamentar a Lei, crie um dispositivo novo dispositivo igual àquele expressamente revogado pela norma regulamentada. Portanto, sugere-se a revogação deste artigo. Art. 33. Em caso de comprovada impossibilidade de cumprimento integral do disposto no art. 21 ou no art. 26, o interessado deverá submeter solicitação de dispensa à Ancine, que, caso reconheça a Alteração da redação do inciso I, do 1º. Alteração da redação do inciso I, II, inclusão dos incisos III, IV e V.

25 impossibilidade alegada, pronunciarse-á sobre as condições e limites da dispensa integral ou parcial do cumprimento das obrigações, conforme regulamento específico. 1º A Ancine poderá reconhecer a impossibilidade de cumprimento integral do disposto no art. 22 desta IN, levando em consideração, entre outros, os seguintes fatores: I - porte econômico da empresa, consideradas suas relações de vínculo, associação, coligação ou controle; II - tempo de atuação no mercado audiovisual brasileiro; III - perfil da programação; IV - número de assinantes do(s) canal(is) de programação. 2º A Ancine poderá reconhecer a impossibilidade de cumprimento integral do disposto no art. 26 desta IN, levando em consideração, entre outros, os seguintes fatores: I - número de assinantes da empacotadora; II porte econômico da empresa, consideradas suas relações de coligação, associação e controle. 3º Em quaisquer dos casos previstos neste artigo, a empresa deverá fundamentar o seu pedido, que poderá ser negado ou acatado integral ou parcialmente pela Ancine em decisão motivada. 1º I as peculiaridades da estrutura e da operação do interessado; 2º I - número de assinantes da empacotadora do(s) pacote(s); II as peculiaridades da estrutura técnica e da operação do interessado;. III - tempo de atuação no mercado audiovisual brasileiro; IV - perfil do(s) pacote(s). V viabilidade econômica nas transações comerciais envolvendo canais brasileiros qualificados. Causa preocupação o fato de a ANCINE considerar o porte econômico como um dos principais fatores na análise da solicitação do interessado na dispensa do cumprimento, integral ou parcial, das obrigações previstas nos artigos 22 e

26 26 da IN Geral. Se a IN Geral reconhece a possibilidade de solicitação, análise e reconhecimento da impossibilidade de cumprimento, parcial ou integral de tais obrigações, os fatores a serem considerados devem ser relacionados aos pontos que impossibilitam tal cumprimento. Daí a necessidade de analisar as peculiaridades da estrutura e da operação do interessado. A inclusão do porte econômico como fator sugere que, sendo o interessado uma empresa de grande porte, o mesmo terá necessariamente mais condições de cumprir tais obrigações, o que se apresenta como uma presunção falaciosa. É importante que a Agência leve em consideração eventual dificuldade de dar cumprimento às cotas por parte das Empacotadoras, em razão da falta de negociação ou acordo para transmitir canais brasileiros qualificados. Dessa forma, sugere-se a exclusão do fator porte econômico, para evitar a presunção acima mencionada, e adequação da redação na forma ora proposta. Art. 38. A empacotadora deverá manter disponível, com atualização mensal, em seu sítio na rede mundial de computadores: I - atalho eletrônico na página inicial, localizado de maneira clara, fácil e de acesso direto para página com a listagem completa de todos os pacotes efetivamente ofertados às distribuidoras, acompanhados dos respectivos preços; II - atalho eletrônico na página da qual constem as informações sobre todos os pacotes ofertados às distribuidoras, de que trata o inciso I, para página com listagem completa de todos os pacotes não mais ofertados aos consumidores e que ainda possuam assinantes. 1º Das informações referentes a cada pacote, constantes das páginas subsequentes às tratadas nos incisos I e II deste artigo, deverá constar o Alteração do inciso I e II do art. 38, exclusão do 3º, a renumeração e alteração do 4º e, exclusão da parte final do 5º. I - atalho eletrônico na página inicial, localizado de maneira clara, fácil e de acesso direto para página com a listagem completa de todos os pacotes atualmente efetivamente ofertados aos consumidores às distribuidoras, acompanhados dos respectivos preços; II - atalho eletrônico na página da qual constem as informações sobre todos os pacotes ofertados ao público às distribuidoras, de que trata o inciso I, para página com listagem completa de todos os pacotes não mais ofertados aos consumidores e que ainda possuam assinantes. 1º Das informações referentes a cada pacote, constantes das páginas subsequentes às tratadas nos incisos I

27 nome por extenso de todos os canais de programação que o compõem. 2º Os canais avulsos, canais payper-view, canais de distribuição obrigatória ou quaisquer serviços adicionais ofertados devem ser apresentados de forma distintiva, de maneira que não se confundam com os pacotes ofertados. 3º Adicionalmente às informações previstas nos incisos I e II do caput devem ser informados: I - o preço de cada pacote, desconsiderados os canais avulsos, canais pay-per-view, canais de distribuição obrigatória ou u quaisquer serviços adicionais ofertados; II - o preço individualizado dos canais avulsos e dos canais pay-per-view, assim como de quaisquer serviços adicionais ofertados separadamente; III - os valores e prazos de qualquer oferta promocional que envolva desconto por período de tempo, caso exista; IV - outras informações relevantes ao consumidor, tais como qualidade do serviço e riscos que se apresentem ao consumidor, conforme Lei nº 8.078/1990 (Código de Defesa do Consumidor - CDC). 4º Salvo informação referente à localidade, não poderá ser exigida do consumidor qualquer outra informação prévia ao acesso às páginas de que trata este artigo. 5º As informações previstas neste artigo deverão estar disponíveis desde e II deste artigo, deverá constar o nome por extenso de todos os canais de programação que o compõem. 2º Os canais avulsos, canais pay-perview, canais de distribuição obrigatória ou quaisquer serviços adicionais ofertados devem ser apresentados de forma distintiva, de maneira que não se confundam com os pacotes ofertados. 4º Salvo informação referente à localidade, não poderá ser exigida do consumidor qualquer outra informação prévia ao acesso às páginas de que trata este artigo. 5º As informações previstas neste artigo deverão estar disponíveis desde o dia inicial da oferta pública do pacote, ou desde o dia da inclusão ou exclusão de canal de programação da qual se origine novo pacote, ou desde o momento da alteração da composição de pacotes não mais ofertados ao público., e deverão ser mantidas por 5 (cinco) anos.

28 o dia inicial da oferta pública do pacote, ou desde o dia da inclusão ou exclusão de canal de programação da qual se origine novo pacote, ou desde o momento da alteração da composição de pacotes não mais ofertados ao público, e deverão ser mantidas por 5 (cinco) anos. Considerando que a relação das empacotadoras é com as distribuidoras, apresenta-se necessária a retificação dos incisos I e II deste dispositivo para substituir consumidor e público por distribuidoras. Além disso, sugere-se a exclusão parágrafo 3, pois cabe à ANATEL fiscalizar tais obrigações que são impostas à Distribuidora e não à Empacotadora. Por isso, tais obrigações de informação, em que pese a sua relevância para o consumidor, merece ser excluída desta proposta, uma vez que já se encontra regulamentada pelas normas da ANATEL. No parágrafo 4º, como o site será de acesso público não há necessariamente um consumidor (assinante) do outro lado da relação de consulta, pelo que sugere-se a indeterminação do sujeito. Outra sugestão consta da sugestão de eliminação da inútil e custosa determinação de manter disponíveis para acesso ao público informações no sítio de internet sobre pacotes que não mais existem e por tantos anos. Essa obrigação fere o princípio da razoabilidade e proporcionalidade, bem como o da intervenção mínima prevista no artigo 9º da Lei 12485/2011.

29 Art. 40. A empacotadora deverá manter atualizadas, no seu registro na Ancine, as informações relativas a todos os pacotes ofertados aos consumidores e não mais ofertados mas que ainda possuam assinantes. Parágrafo único. A atualização de que trata o caput deverá ser efetuada junto à Ancine previamente à oferta pública do pacote, ou à alteração da composição de pacotes não mais ofertados ao público, mas que ainda possuam assinantes. Alteração da redação do caput. Art. 40. A empacotadora deverá manter atualizadas, no seu registro na Ancine, as informações relativas a todos os pacotes ofertados aos consumidores às distribuidoras e não mais ofertados mas que ainda possuam assinantes. Parágrafo único. A atualização de que trata o caput deverá ser efetuada junto à Ancine previamente à oferta ao público a do pacote, ou à alteração da composição de pacotes não mais ofertados ao público às distribuidoras, mas que ainda possuam assinantes. Considerando que a relação das empacotadoras é com as distribuidoras, apresenta-se necessária a retificação deste dispositivo para substituir consumidores e público por distribuidoras. Por outro lado sugerimos a retificação do termo oferta pública que é relacionado ao mercado de ações transformando em oferta ao público que é o que a norma queria dizer. Art. 42. Com vistas à aferição do cumprimento das obrigações previstas nos arts. 22 a 24 desta IN, as empacotadoras que distribuam pacotes diretamente ao consumidor Excluir o Art. 42. final deverão disponibilizar para a Ancine os sinais distribuídos aos consumidores, com os respectivos metadados disponibilizados pelas programadoras, conforme estabelecido no art. 35 desta IN, sem encriptação, em cada um dos canais de programação por ela distribuídos. Parágrafo Único. A disponibilização de

Apresentação da Superintendência de Registro - SRE

Apresentação da Superintendência de Registro - SRE Apresentação da Superintendência de Registro - SRE Seminário SIAESP Agosto de 2013 andre.marques@ancine.gov.br Principais Atribuições Promover o registro e a classificação de agentes econômicos e obras

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.454, DE 13 DE MAIO DE 2002. Dispõe sobre remissão da Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica -

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 332, DE 2014 Altera a Lei nº 12.485, de 12 de setembro de 2011, para inserir o conceito de Rede Nacional e Estação de Abrangência Nacional e estabelecer obrigação de carregamento

Leia mais

Lei 12.485/2011. SeAC Serviço de Acesso condicionado. Lei da TV Paga

Lei 12.485/2011. SeAC Serviço de Acesso condicionado. Lei da TV Paga Lei 12.485/2011 SeAC Serviço de Acesso condicionado Lei da TV Paga Segundo a Anatel, o serviço de TV por assinatura atende aproximadamente 54,2 milhões de lares brasileiros e 27,9% das residências do país.

Leia mais

Nova Lei da TV Paga estimula concorrência e liberdade de escolha Preços de pacotes devem cair e assinantes terão acesso a programação mais

Nova Lei da TV Paga estimula concorrência e liberdade de escolha Preços de pacotes devem cair e assinantes terão acesso a programação mais Nova Lei da TV Paga estimula concorrência e liberdade de escolha Preços de pacotes devem cair e assinantes terão acesso a programação mais diversificada A Lei 12.485/2011 destrava a concorrência no setor,

Leia mais

JARBAS JOSÉ VALENTE. Presidente Substituto da Agência Nacional de Telecomunicações

JARBAS JOSÉ VALENTE. Presidente Substituto da Agência Nacional de Telecomunicações JARBAS JOSÉ VALENTE Presidente Substituto da Agência Nacional de Telecomunicações Brasília, 4 de junho de 2013 Agenda Lei da Comunicação Audiovisual de Acesso Condicionado (Lei n. 12.485, de 11/09/2012);

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.054, DE 23 DE ABRIL DE 2004.

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.054, DE 23 DE ABRIL DE 2004. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.054, DE 23 DE ABRIL DE 2004. Dispõe sobre o procedimento administrativo para aplicação de penalidades por infrações cometidas

Leia mais

LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995

LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995 LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995 Dispõe sobre o Serviço de TV a Cabo e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO

Leia mais

A nova distribuição do audiovisual no Brasil. Ara Apkar Minassian Superintendente de Serviços de Comunicação de Massa

A nova distribuição do audiovisual no Brasil. Ara Apkar Minassian Superintendente de Serviços de Comunicação de Massa A nova distribuição do audiovisual no Brasil Ara Apkar Minassian Superintendente de Serviços de Comunicação de Massa São Paulo, 8 de novembro de 2011 Dados do Setor Base de Assinantes 2011 2010 2008 22%

Leia mais

Painel 12: A ANCINE e a distribuição de conteúdo audiovisual pela Internet

Painel 12: A ANCINE e a distribuição de conteúdo audiovisual pela Internet XXXIV Congresso Internacional de Propriedade Intelectual - ABPI Painel 12: A ANCINE e a distribuição de conteúdo audiovisual pela Internet Rosana Alcântara Diretora Agosto de 2014 Agenda Atuação da ANCINE

Leia mais

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO TERMO DE AUTORIZAÇÃO Nº 33/2015/ORLE/SOR ANATEL TERMO DE AUTORIZAÇÃO PARA EXPLORAÇÃO DO SERVIÇO DE ACESSO CONDICIONADO, QUE ENTRE SI CELEBRAM A AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL E OXMAN TECNOLOGIA

Leia mais

Encontro NEOTV 2012. Regulamento e Processo de Outorgas do SeAC

Encontro NEOTV 2012. Regulamento e Processo de Outorgas do SeAC Encontro NEOTV 2012 Regulamento e Processo de Outorgas do SeAC José Mares Guia Junior Gerente-Geral de Regulamentação, Outorga e Licenciamento de Serviços por Assinatura Ângela Beatriz Cardoso de Oliveira

Leia mais

Atribuição da Coordenação de Análise de Direitos

Atribuição da Coordenação de Análise de Direitos Atribuição da Coordenação de Análise de Direitos III analisar e emitir parecer sobre os requerimentos de reconhecimento provisório de obras audiovisuais produzidas em regime de coprodução Internacional

Leia mais

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo 1 Lara Haje Laboratório de Políticas de Comunicação (LaPCom)

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DO OBJETO E DAS DEFINIÇÕES

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DO OBJETO E DAS DEFINIÇÕES Dispõe sobre a comunicação audiovisual de acesso condicionado; altera a Medida Provisória nº 2.228-1, de 6 de setembro de 2001, e as Leis nºs 11.437, de 28 de dezembro de 2006, 5.070, de 7 de julho de

Leia mais

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE RETRANSMISSÃO E DE REPETIÇÃO DE TELEVISÃO, ANCILARES AO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS CAPÍTULO I

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE RETRANSMISSÃO E DE REPETIÇÃO DE TELEVISÃO, ANCILARES AO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS CAPÍTULO I REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE RETRANSMISSÃO E DE REPETIÇÃO DE TELEVISÃO, ANCILARES AO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS CAPÍTULO I DAS GENERALIDADES Art. 1º Ficam instituídos por este Regulamento

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 772, DE 2011

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 772, DE 2011 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 772, DE 2011 Redação final do Projeto de Lei da Câmara nº 116, de 2010 (nº 29, de 2007, na Casa de origem). A Comissão Diretora apresenta a redação final do Projeto de Lei

Leia mais

As modificações promovidas pela nova lei vão sendo. Regulamentação da TV por assinatura

As modificações promovidas pela nova lei vão sendo. Regulamentação da TV por assinatura Visão Jurídica > Lei do SeAc Regulamentação da TV por assinatura Após vários anos de discussão no Congresso nacional, em setembro de 2011 foi finalmente promulgada a Lei n. 12.485/11, instituindo o chamado

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE SERVIÇO DE EMPRÉSTIMO DE VALORES MOBILIÁRIOS

ÂMBITO E FINALIDADE SERVIÇO DE EMPRÉSTIMO DE VALORES MOBILIÁRIOS Dispõe sobre empréstimo de valores mobiliários por entidades de compensação e liquidação de operações com valores mobiliários, altera as Instruções CVM nºs 40, de 7 de novembro de 1984 e 310, de 9 de julho

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA 38 SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 29, DE 2007 (Apensos os Projetos de Lei nº 70, de 2007, nº 332, de 2007, e nº 1.908, de 2007) Dispõe sobre

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS TEGMA GESTÃO LOGÍSTICA S.A. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO E PRINCÍPIOS GERAIS 2. DEFINIÇÕES 3. OBJETIVOS E ABRANGÊNCIA 4. PERÍODO DE VEDAÇÕES ÀS NEGOCIAÇÕES 5. AUTORIZAÇÃO

Leia mais

Contrato de Adesão CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC)

Contrato de Adesão CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) Contrato de Adesão CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) O texto deste Contrato foi submetido à aprovação da Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL, estando sujeito a

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe confere a Lei Orgânica Municipal,

O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe confere a Lei Orgânica Municipal, DECRETO N.º 060 /2013. REGULAMENTA A NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NO MUNICÍPIO DE ARACATI E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe

Leia mais

A N C I N E. ANCINE e a nova lei de incentivo ao desenvolvimento da indústria cinematográfica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGÊNCIAS DE PUBLICIDADE

A N C I N E. ANCINE e a nova lei de incentivo ao desenvolvimento da indústria cinematográfica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGÊNCIAS DE PUBLICIDADE A N C I N E ANCINE e a nova lei de incentivo ao desenvolvimento da indústria cinematográfica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGÊNCIAS DE PUBLICIDADE 1 ANCINE e a nova lei de incentivo ao desenvolvimento da indústria

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 243, DE 1º DE MARÇO DE 1996. DAS ENTIDADES RESPONSÁVEIS PELO MERCADODE BALCÃO ORGANIZADO

INSTRUÇÃO CVM Nº 243, DE 1º DE MARÇO DE 1996. DAS ENTIDADES RESPONSÁVEIS PELO MERCADODE BALCÃO ORGANIZADO TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 243, DE 1 o DE MARÇO DE 1996, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM N o 250/96, 343/00, 440/06 E 461/07.. Disciplina o funcionamento do mercado de balcão

Leia mais

O MANUAL DO PRODUTOR DA ANCINE, publicado em 2005, sofreu algumas alterações em função de novas Instruções Normativas editadas nos últimos meses.

O MANUAL DO PRODUTOR DA ANCINE, publicado em 2005, sofreu algumas alterações em função de novas Instruções Normativas editadas nos últimos meses. O MANUAL DO PRODUTOR DA ANCINE, publicado em 2005, sofreu algumas alterações em função de novas Instruções Normativas editadas nos últimos meses. Estamos preparando a reedição do manual com as alterações.

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DESCONTO NA MENSALIDADE DE INTERNET FIBRA POR 03 MESES CONTRATO INDIVIDUAL

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DESCONTO NA MENSALIDADE DE INTERNET FIBRA POR 03 MESES CONTRATO INDIVIDUAL REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DESCONTO NA MENSALIDADE DE INTERNET FIBRA POR 03 MESES CONTRATO INDIVIDUAL Esta Promoção é realizada pela Vivo, nas seguintes condições: 1. Das Definições 1.1 Fibra Tecnologia mais

Leia mais

NORMAS DE DILIGÊNCIA TÉCNICA DE VERIFICAÇÃO:

NORMAS DE DILIGÊNCIA TÉCNICA DE VERIFICAÇÃO: NORMAS DE DILIGÊNCIA TÉCNICA DE VERIFICAÇÃO: NORMAS DE DILIGÊNCIA TÉCNICA DE VERIFICAÇÃO: Considerando: - A Lei nº 12.232/10 estabelece no seu art. 4º que, para participar de licitações públicas, as agências

Leia mais

RESOLVEU: I - probidade na condução das atividades no melhor interesse de seus clientes e na integridade do mercado;

RESOLVEU: I - probidade na condução das atividades no melhor interesse de seus clientes e na integridade do mercado; Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações em bolsas de valores e dá outras providências. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS torna público que o Colegiado, em sessão

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DESCONTO NA MENSALIDADE DE INTERNET POR 3 MESES FIBRA ÁREA COM DISPONIBILIDADE DE TV

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DESCONTO NA MENSALIDADE DE INTERNET POR 3 MESES FIBRA ÁREA COM DISPONIBILIDADE DE TV REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DESCONTO NA MENSALIDADE DE INTERNET POR 3 MESES FIBRA ÁREA COM DISPONIBILIDADE DE Esta Promoção é realizada pela Vivo, nas seguintes condições: 1. Das Definições 1.1 Fibra Tecnologia

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado (CCT)

AUDIÊNCIA PÚBLICA. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado (CCT) AUDIÊNCIA PÚBLICA Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado (CCT) Assunto INFORMAÇÕES ACERCA DA APROVAÇÃO PELA AGÊNCIA REGULADORA DE LICENÇA PARA A TELEFÔNICA PRESTAR

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 531, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2013

INSTRUÇÃO CVM Nº 531, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2013 Altera dispositivos da Instrução CVM nº 356, de 17 de dezembro de 2001 e da Instrução CVM nº 400, de 29 de dezembro de 2003. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM torna público que o Colegiado,

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DESCONTO NA MENSALIDADE DE INTERNET POR 3 MESES FIBRA ÁREA COM DISPONIBILIDADE DE TV (CONDOMÍNIO)

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DESCONTO NA MENSALIDADE DE INTERNET POR 3 MESES FIBRA ÁREA COM DISPONIBILIDADE DE TV (CONDOMÍNIO) REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DESCONTO NA MENSALIDADE DE INTERNET POR 3 MESES FIBRA ÁREA COM DISPONIBILIDADE DE (CONDOMÍNIO) Esta Promoção é realizada pela Vivo, nas seguintes condições: 1. Das Definições 1.1

Leia mais

EDITAL PRÊMIO CURTACARAJÁS DE ESTÍMULO A PRODUÇÃO AUDIOVISUAL PARA WEB DOCUMENTÁRIOS - 2014

EDITAL PRÊMIO CURTACARAJÁS DE ESTÍMULO A PRODUÇÃO AUDIOVISUAL PARA WEB DOCUMENTÁRIOS - 2014 EDITAL PRÊMIO CURTACARAJÁS DE ESTÍMULO A PRODUÇÃO AUDIOVISUAL PARA WEB DOCUMENTÁRIOS - 2014 A ALIANÇA CARAJÁS DE CULTURA, ESPORTE E TECNOLOGIA, através do coletivo audiovisual, LABIRINTO CINEMA CLUBE torna

Leia mais

RESOLUÇÃO N 3.518. Documento normativo revogado pela Resolução 3.919, de 25/11/2010.

RESOLUÇÃO N 3.518. Documento normativo revogado pela Resolução 3.919, de 25/11/2010. RESOLUÇÃO N 3.518 Documento normativo revogado pela Resolução 3.919, de 25/11/2010. Disciplina a cobrança de tarifas pela prestação de serviços por parte das instituições financeiras e demais instituições

Leia mais

Manual de Práticas Comerciais

Manual de Práticas Comerciais Manual de Práticas Comerciais MANUAL DE PRÁTICAS COMERCIAIS SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 1. COMPROMISSO COM A QUALIDADE DE VEICULAÇÃO 1.1 ENTREGA DO PEDIDO DE INSERÇÃO (P.I.) 1.2 VENCIMENTO DE FATURAS 1.3 ALTERAÇÃO

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986.

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. Regulamenta a concessão de financiamento para compra de ações pelas Sociedades Corretoras e Distribuidoras. O Presidente da Comissão de Valores Mobiliários

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL

PROPRIEDADE INTELECTUAL PROPRIEDADE INTELECTUAL RN-034/2014 Regulamenta os direitos sobre criações intelectuais resultantes de pesquisas apoiadas por instrumentos de fomento - auxílios e bolsas - disponibilizados pelo CNPq, a

Leia mais

CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Ministério da Saúde ANS Resolução Normativa RN Nº. 279, de 24.11.2011: Dispõe sobre a regulamentação dos artigos 30 e 31 da Lei nº 9.656, de 3 de junho de 1998, e revoga as Resoluções do CONSU Nº. 20 e

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 506, DE 27 DE SETEMBRO DE 2011

INSTRUÇÃO CVM Nº 506, DE 27 DE SETEMBRO DE 2011 Altera a Instrução CVM nº 301, de 16 de abril de 1999. Revoga o art. 12 da Instrução CVM nº 14, de 17 de outubro de 1980. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS CVM torna público que o Colegiado,

Leia mais

DA EMISSÃO DAS DEBÊNTURES. Artigo com redação dada pela Instrução CVM nº 307, de 7 de maio de 1999

DA EMISSÃO DAS DEBÊNTURES. Artigo com redação dada pela Instrução CVM nº 307, de 7 de maio de 1999 TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 281, DE 4 DE JUNHO DE 1998, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM N os 307/99 E 480/09. Dispõe sobre o registro de distribuição pública de debêntures por

Leia mais

EDITAL BOLSA FUNARTE DE INCENTIVO À PESQUISA DA ARTE CIRCENSE

EDITAL BOLSA FUNARTE DE INCENTIVO À PESQUISA DA ARTE CIRCENSE EDITAL BOLSA FUNARTE DE INCENTIVO À PESQUISA DA ARTE CIRCENSE O Presidente da Fundação Nacional de Artes - Funarte, no uso das atribuições que lhe confere o inciso V artigo 14 do Estatuto aprovado pelo

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM N.º 411, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2004. Altera a Instrução CVM n o 409, de 18 de agosto de 2004.

INSTRUÇÃO CVM N.º 411, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2004. Altera a Instrução CVM n o 409, de 18 de agosto de 2004. INSTRUÇÃO CVM N.º 411, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2004 Altera a Instrução CVM n o 409, de 18 de agosto de 2004. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM torna público que o Colegiado, em reunião

Leia mais

ANÁLISE DO EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SDM Nº 15/2011 BM&FBOVESPA

ANÁLISE DO EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SDM Nº 15/2011 BM&FBOVESPA ANÁLISE DO EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SDM Nº 15/2011 MINUTA PROPOSTA CVM Art. 1º As pessoas habilitadas a atuar como integrantes do sistema de distribuição, os analistas, os consultores e os administradores

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DESCONTO NA MENSALIDADE DE INTERNET POR 3 MESES FIBRA ÁREA COM DISPONIBILIDADE DE TV

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DESCONTO NA MENSALIDADE DE INTERNET POR 3 MESES FIBRA ÁREA COM DISPONIBILIDADE DE TV REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DESCONTO NA MENSALIDADE DE INTERNET POR 3 MESES FIBRA ÁREA COM DISPONIBILIDADE DE TV Esta Promoção é realizada pela Vivo, nas seguintes condições: 1. Das Definições 1.1 Fibra Tecnologia

Leia mais

SELEÇÃO PÚBLICA PETROBRAS CULTURAL MINAS GERAIS EDIÇÃO 2014 REGULAMENTO GERAL

SELEÇÃO PÚBLICA PETROBRAS CULTURAL MINAS GERAIS EDIÇÃO 2014 REGULAMENTO GERAL SELEÇÃO PÚBLICA PETROBRAS CULTURAL MINAS GERAIS EDIÇÃO 2014 REGULAMENTO GERAL 1. OBJETO Este regulamento estabelece as regras gerais da Seleção Pública Petrobras Cultural Minas Gerais Edição 2014. São

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE FOMENTO (SFO)

SUPERINTENDÊNCIA DE FOMENTO (SFO) SUPERINTENDÊNCIA DE FOMENTO (SFO) A Superintendência de Fomento é o setor responsável na ANCINE pela análise, aprovação e acompanhamento dos projetos audiovisuais que pretendem utilizar recursos oriundos

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense Conselho Superior

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense Conselho Superior RESOLUÇÃO Nº 046 CONSUPER/2014 Regulamento para participação em atividades esporádicas para professores submetidos ao Regime de Dedicação Exclusiva. O Presidente do do IFC, Professor Francisco José Montório

Leia mais

a) nome completo, sexo, data de nascimento, naturalidade, nacionalidade, estado civil, filiação e nome do cônjuge ou companheiro;

a) nome completo, sexo, data de nascimento, naturalidade, nacionalidade, estado civil, filiação e nome do cônjuge ou companheiro; Instrução CVM 301/99. DA IDENTIFICAÇÃO E CADASTRO DE CLIENTES Art. 3º Para os fins do disposto no art. 10, inciso I, da Lei nº 9.613/98, as pessoas mencionadas no art. 2º (DENTRE OUTRAS, CORRETORAS DE

Leia mais

Prezado (a) Associado (a),

Prezado (a) Associado (a), Prezado (a) Associado (a), Seguem abaixo os itens do Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para Atividade de Gestão de Patrimônio Financeiro no Mercado Doméstico que estão em Audiência Pública

Leia mais

CG DA MODALIDADE TRADICIONAL PU CONDIÇÕES GERAIS DA ZURICHCAP TRADICIONAL PU 01

CG DA MODALIDADE TRADICIONAL PU CONDIÇÕES GERAIS DA ZURICHCAP TRADICIONAL PU 01 CONDIÇÕES GERAIS DA ZURICHCAP TRADICIONAL PU 01 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ZURICH BRASIL CAPITALIZAÇÃO S/A. CNPJ: 17.266.009/0001-41 ZURICHCAP TRADICIONAL PU 01 MODALIDADE: TRADICIONAL

Leia mais

Mais de 8,5 milhões de assinantes; Concentração de operadoras de TV por Assinatura; Poucas Programadoras Brasileiras;

Mais de 8,5 milhões de assinantes; Concentração de operadoras de TV por Assinatura; Poucas Programadoras Brasileiras; Mais de 8,5 milhões de assinantes; Concentração de operadoras de TV por Assinatura; Poucas Programadoras Brasileiras; Concentração de programadoras brasileiras; Pouco investimento na produção audiovisual.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução;

RESOLUÇÃO Nº 2689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução; RESOLUÇÃO Nº 2689 Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna

Leia mais

FAQ SADIS (Sistema de Acompanhamento da Distribuição em Salas)

FAQ SADIS (Sistema de Acompanhamento da Distribuição em Salas) FAQ SADIS (Sistema de Acompanhamento da Distribuição em Salas) 1. Quem deve prestar as informações? 2. Quem pode acessar o sistema? 3. Uma empresa distribuidora pode autorizar outra empresa a prestar as

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 02/2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 02/2009 INSTRUÇÃO NORMATIVA N 02/2009 Regulamenta os procedimentos relativos à certificação digital, para garantir a segurança das transações eletrônicas realizadas por meio dos sistemas, das aplicações e dos

Leia mais

MANUAL DE NORMAS COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO

MANUAL DE NORMAS COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO MANUAL DE NORMAS COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO VERSÃO: 31/3/2011 2/12 MANUAL DE NORMAS COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO PACOTES DOS SERVIÇOS VIVO FIBRA

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO PACOTES DOS SERVIÇOS VIVO FIBRA REGULAMENTO DA PROMOÇÃO PACOTES DOS SERVIÇOS VIVO FIBRA CONTRATO INDIVIDUAL Esta Promoção é realizada pela Vivo, nas seguintes condições: 1. Das Definições 1.1 Fibra: Tecnologia mais moderna oferecida

Leia mais

Termo de Uso A AGENDA SUSTENTABILIDADE única e exclusiva proprietária do domínio www.agenda SUSTENTABILIDADE.com.br, doravante denominado AGENDA SUSTENTABILIDADE, estabelece o presente TERMO DE USO para

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO PACOTE DE INTERNET DIÁRIO PRÉ PAGO

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO PACOTE DE INTERNET DIÁRIO PRÉ PAGO TERMOS E CONDIÇÕES DE USO PACOTE DE INTERNET DIÁRIO PRÉ PAGO O presente Termo tem a finalidade de regular as relações entre a CLARO S.A., empresa autorizatária do Serviço Móvel Pessoal, inscrita no CNPJ/MF

Leia mais

c Publicada no DOU de 16-12-2004.

c Publicada no DOU de 16-12-2004. LEI N o 10.999, de 15 DE DEZEMBRO DE 2004 Autoriza a revisão dos benefícios previdenciários concedidos com data de início posterior a fevereiro de 1994 e o pagamento dos valores atrasados nas condições

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 5.269, DE 2001 (Apensos os Pls. 2.134/96, 2.415/96, 3.046/97, 3.422/97, 4.052/98, 4.360/98, 1.568/99, 2.029/99, 2.089/99, 2.507/00, 3.573/00, 3.235/00,

Leia mais

DECISÃO DE IMPUGNAÇÃO AO EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº 05/2011

DECISÃO DE IMPUGNAÇÃO AO EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº 05/2011 DECISÃO DE IMPUGNAÇÃO AO EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº 05/2011 Impugnação ao edital da licitação em epígrafe, proposta por NORTH SEGURANÇA LTDA, mediante protocolo nº 2011/004806, datado de 06/09/2011. 1

Leia mais

Atualização 18/12/09 Versão Final 1

Atualização 18/12/09 Versão Final 1 Atualização 18/12/09 Versão Final 1 Atualização 18/12/09 Versão Final 2 GLOBO.COM MANUAL DE PRÁTICAS COMERCIAIS PARA INTERNET APRESENTAÇÃO 1 - COMPROMISSO COM A QUALIDADE DE VEICULAÇÃO 1.1 - ENTREGA DO

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA CADASTRO E SELEÇÃO DE OBRAS AUDIOVISUAIS BRASILEIRAS

CHAMADA PÚBLICA PARA CADASTRO E SELEÇÃO DE OBRAS AUDIOVISUAIS BRASILEIRAS CHAMADA PÚBLICA PARA CADASTRO E SELEÇÃO DE OBRAS AUDIOVISUAIS BRASILEIRAS 1. Sobre a Sétima A SÉTIMA quer ajudar os realizadores, artistas, coletivos de audiovisual, distribuidoras e produtoras, que não

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL. R E C O M E N D A Ç Ã O nº 77/2008

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL. R E C O M E N D A Ç Ã O nº 77/2008 R E C O M E N D A Ç Ã O nº 77/2008 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelo Procurador da República signatário, no exercício de suas funções constitucionais e legais, em especial o artigo 6º, inciso VII, b e

Leia mais

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO TERMO DE AUTORIZAÇÃO Nº 94/2014/ORLE/SOR ANATEL TERMO DE AUTORIZAÇÃO PARA EXPLORAÇÃO DO SERVIÇO DE ACESSO CONDICIONADO, QUE ENTRE SI CELEBRAM A AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL E TELECOMUNICACOES

Leia mais

RESOLUÇÃO N 3518. Parágrafo único. Para efeito desta resolução:

RESOLUÇÃO N 3518. Parágrafo único. Para efeito desta resolução: RESOLUÇÃO N 3518 Disciplina a cobrança de tarifas pela prestação de serviços por parte das instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil. O BANCO CENTRAL

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 279 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 279 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 279 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre a regulamentação dos artigos 30 e 31 da Lei nº 9.656, de 3 de junho de 1998, e revoga as Resoluções do CONSU nºs 20 e 21, de 7 de

Leia mais

REGULAMENTO PRÊMIO FOLHABV DE CRIAÇÃO PUBLICITÁRIA

REGULAMENTO PRÊMIO FOLHABV DE CRIAÇÃO PUBLICITÁRIA REGULAMENTO PRÊMIO FOLHABV DE CRIAÇÃO PUBLICITÁRIA A EDITORA BOA VISTA LTDA, pessoa jurídica de direito privado, com sede na Rua Lobo D almada, 43, na cidade Boa Vista, Estado de Roraima, inscrita no CNPJ

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇOS S.A.

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇOS S.A. CNPJ 02.328.280/0001-97 POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇOS S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF nº 02.238.280/0001-97 Rua Ary Antenor de Souza, nº 321,

Leia mais

ANEXO III TRANSAÇÕES SEM CARTÃO PRESENTE

ANEXO III TRANSAÇÕES SEM CARTÃO PRESENTE ANEXO III TRANSAÇÕES SEM CARTÃO PRESENTE O presente Anexo III faz parte integrante do Contrato de Credenciamento ao Sistema Elavon ( CONTRATO ) registrado no 5º Oficial de Registro de Títulos e Documentos

Leia mais

NORMA SOBRE REGISTRO DE INTENÇÃO DE DOAÇÃO A INSTITUIÇÃO DE UTILIDADE PÚBLICA, UTILIZANDO SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES

NORMA SOBRE REGISTRO DE INTENÇÃO DE DOAÇÃO A INSTITUIÇÃO DE UTILIDADE PÚBLICA, UTILIZANDO SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES NORMA SOBRE REGISTRO DE INTENÇÃO DE DOAÇÃO A INSTITUIÇÃO DE UTILIDADE PÚBLICA, UTILIZANDO SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES 1 - DO OBJETIVO 1.1. Esta Norma tem por objetivo estabelecer condições para prestação

Leia mais

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Regulamenta o oferecimento e a aceitação do seguro garantia judicial para execução fiscal e seguro garantia parcelamento administrativo fiscal para

Leia mais

REGULAMENTO DA OFERTA TIM CASA FIXO BRASIL + MÓVEL TIM BRASIL (1/9/2015 a 20/12/2015)

REGULAMENTO DA OFERTA TIM CASA FIXO BRASIL + MÓVEL TIM BRASIL (1/9/2015 a 20/12/2015) REGULAMENTO DA OFERTA TIM CASA FIXO BRASIL + MÓVEL TIM BRASIL (1/9/2015 a 20/12/2015) Empresa Participante: INTELIG TELECOMUNICAÇÕES LTDA., com sede na Rua Fonseca Teles, nº 18, A30, bloco B, Térreo, São

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 Estabelece os critérios de concessão de acesso ao Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse SICONV. O SECRETÁRIO DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA

Leia mais

Regulamento Sobre a Contratação de Serviços e Aquisição de Equipamentos ou Materiais pelas Prestadoras de Serviços de Telecomunicações

Regulamento Sobre a Contratação de Serviços e Aquisição de Equipamentos ou Materiais pelas Prestadoras de Serviços de Telecomunicações AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ASSESSORIA TÉCNICA CONSULTA PÚBLICA Nº 118, DE 13 DE ABRIL DE 1999 Regulamento Sobre a Contratação de Serviços e Aquisição de Equipamentos ou Materiais pelas Prestadoras

Leia mais

ANÚNCIO DE INÍCIO DE DISTRIBUIÇÃO DO Fundo de Investimento Imobiliário Votorantim Securities CNPJ/MF: 10.347.505/0001-80

ANÚNCIO DE INÍCIO DE DISTRIBUIÇÃO DO Fundo de Investimento Imobiliário Votorantim Securities CNPJ/MF: 10.347.505/0001-80 ANÚNCIO DE INÍCIO DE DISTRIBUIÇÃO DO Fundo de Investimento Imobiliário Votorantim Securities CNPJ/MF: 10.347.505/0001-80 VOTORANTIM ASSET MANAGEMENT DTVM LTDA. ( Administrador ), comunica o início da distribuição

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO SORTEIO MÊS DAS MÃES DE ARMÁRIO CHEIO

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO SORTEIO MÊS DAS MÃES DE ARMÁRIO CHEIO REGULAMENTO DA PROMOÇÃO SORTEIO MÊS DAS MÃES DE ARMÁRIO CHEIO 1. DADOS DA EMPRESA PROMOTORA: ASSOCIAÇÃO DOS LOJISTAS DO EMPREENDIMENTO TERRITÓRIO DO CALÇADO DE JAÚ, sociedade civil de direito privado,

Leia mais

ANEXO VI MODELOS DAS DECLARAÇÕES E DOS COMPROMISSOS PREVISTOS NO EDITAL

ANEXO VI MODELOS DAS DECLARAÇÕES E DOS COMPROMISSOS PREVISTOS NO EDITAL ANEXO VI MODELOS DAS DECLARAÇÕES E DOS COMPROMISSOS PREVISTOS NO EDITAL ANEXO VI MODELOS DAS DECLARAÇÕES E DOS COMPROMISSOS PREVISTOS NO EDITAL p. 1 / 13 ANEXO VI MODELOS DAS DECLARAÇÕES E DOS COMPROMISSOS

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP ECO 2.1 MODALIDADE DADE INCENTIVO PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP ECO 2.1 MODALIDADE DADE INCENTIVO PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP ECO.1 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.30/0001-94 APLUBCAP ECO.1 MODALIDADE: INCENTIVO PROCESSO SUSEP Nº: 15414.0055/011-47

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 Define os requisitos do cadastro de produtos médicos. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe conferem

Leia mais

Audiência Pública - 02 de 2011

Audiência Pública - 02 de 2011 Audiência Pública 02 de 2011 Empresa: ABEAM ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE APOIO MARÍTIMO ANEXO DA RESOLUÇÃO Nº 2155ANTAQ, DE 19 DE JULHO DE 2011, QUE APROVA A NORMA PARA OUTORGA DE AUTORIZAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 23.364 INSTRUÇÃO Nº 1161-56.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº 23.364 INSTRUÇÃO Nº 1161-56.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 23.364 INSTRUÇÃO Nº 1161-56.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Arnaldo Versiani Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE DAS DEFINIÇÕES INICIAIS

ÂMBITO E FINALIDADE DAS DEFINIÇÕES INICIAIS Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas em bolsas e mercados de balcão organizado por meio da rede mundial de computadores e dá outras providências. O PRESIDENTE DA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.437, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2006. Mensagem de veto Altera a destinação de receitas decorrentes da Contribuição para o Desenvolvimento

Leia mais

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGUROS SEGUROS

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGUROS SEGUROS EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGUROS SEGUROS TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO Vivo HDTV

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO Vivo HDTV REGULAMENTO DA PROMOÇÃO Vivo HDTV Esta Promoção é realizada pela Vivo. A promoção decorre de oferta do serviço de TV por Assinatura, nas seguintes condições: 1. Das Definições Para esta Promoção, aplicam-se

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N o 477, DE 30 DE SETEMBRO DE 2013. Dispõe sobre o Seguro Garantia, divulga Condições Padronizadas e dá outras providências. O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

COMERCIAL CABO TV SÃO PAULO LTDA

COMERCIAL CABO TV SÃO PAULO LTDA São Paulo, 16 de outubro de 1998 À Agência Nacional de Telecomunicações Superintendência de Serviços de Comunicação de Massa SAS - Quadra 06 - Bloco H - 2º andar - Biblioteca 70313-900 - Brasília - DF

Leia mais

TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE)

TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE) TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE) PARTES ESSENCIAIS: I- QUALIFICAÇÃO DAS PARTE; II- INFORMAÇÕES RELEVANTES; III- CLÁUSULAS; IV- ASSINATURAS: das partes através de seus representantes

Leia mais

EXTRATO DO CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS

EXTRATO DO CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS EXTRATO DO CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito privado

Leia mais

CONTRATO DE ADESÃO AO PLANO ALTERNATIVO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO - LINHA CONTROLE 80

CONTRATO DE ADESÃO AO PLANO ALTERNATIVO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO - LINHA CONTROLE 80 CONTRATO DE ADESÃO AO PLANO ALTERNATIVO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO - LINHA CONTROLE 80 Pelo presente instrumento particular, a TELECOMUNICAÇÕES DE SÃO PAULO S/A TELESP, com sede na Rua Martiniano

Leia mais

WORKSHOP Registro e Manutenção dos Produtos RN 356 IN-DIPRO 45 IN-DIPRO 46

WORKSHOP Registro e Manutenção dos Produtos RN 356 IN-DIPRO 45 IN-DIPRO 46 WORKSHOP Registro e Manutenção dos Produtos RN 356 IN-DIPRO 45 IN-DIPRO 46 NORMATIVOS Resolução Normativa nº 356, de 2014 Altera a RN nº 85, de 2004. Altera a RN nº 89, de 2003. Altera a RN nº 309, de

Leia mais

RESOLUÇÃO CGPC Nº XX - MINUTA V.1_SPC, 30ABR2009. Quadro Comparativo

RESOLUÇÃO CGPC Nº XX - MINUTA V.1_SPC, 30ABR2009. Quadro Comparativo RESOLUÇÃO CGPC Nº XX - MINUTA V.1_SPC, 30ABR2009 Quadro Comparativo O PRESIDENTE DO CONSELHO DE GESTÃO DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR, no uso das atribuições que lhe conferem os artigos 5º, 18 e 74 da Lei

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 5.120-C, DE 2001. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 5.120-C, DE 2001. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 5.120-C, DE 2001 Dispõe sobre as atividades das Agências de Turismo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei dispõe

Leia mais

PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA GENERAL SHOPPING BRASIL S.A CNPJ/MF nº 08.764.621/0001-53 NIRE 35.300.340.833

PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA GENERAL SHOPPING BRASIL S.A CNPJ/MF nº 08.764.621/0001-53 NIRE 35.300.340.833 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA GENERAL SHOPPING BRASIL S.A CNPJ/MF nº 08.764.621/0001-53 NIRE 35.300.340.833 CLÁUSULA 1. OBJETIVOS DA OUTORGA DE OPÇÕES 1.1 Os objetivos do Plano de Opção de Compra

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da República,

Excelentíssimo Senhor Presidente da República, EM Interministerial nº 113/2006 - MF/MEC Brasília, 11 de outubro de 2006. Excelentíssimo Senhor Presidente da República, Temos a honra de submeter à apreciação de Vossa Excelência o presente Projeto de

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A.

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A. I - DEFINIÇÕES 1. As definições utilizadas na presente Política de Divulgação de

Leia mais

PROJETO DE LEI N /2013, DE SETEMBRO DE 2013. Dispõe sobre a Regulamentação do Marketing Multinível ou de Rede E dá outras providências

PROJETO DE LEI N /2013, DE SETEMBRO DE 2013. Dispõe sobre a Regulamentação do Marketing Multinível ou de Rede E dá outras providências PROJETO DE LEI N /2013, DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre a Regulamentação do Marketing Multinível ou de Rede E dá outras providências O Congresso Nacional Decreta: CAPITULO I DAS DEFINIÇÕES DO QUE SE ENTENDE

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. Mês de Vigência Taxa de Juros 1º 0,65% a.m. 2º ao 12º 0,45% a.m.

CONDIÇÕES GERAIS. Mês de Vigência Taxa de Juros 1º 0,65% a.m. 2º ao 12º 0,45% a.m. PLIN FIDELIDADE MODALIDADE TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.003764/2008-28 CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso

Leia mais