UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ. Samile Laureano Socio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ. Samile Laureano Socio"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Samile Laureano Socio RELATO DE EXPERIÊNCIA AUDITORIA DE ENFERMAGEM: RETROSPECTIVA E SISTEMATIZAÇÃO EM UMA OPERADORA DE SAÚDE CURITIBA 2012

2 2 Samile Laureano Socio RELATO DE EXPERIÊNCIA AUDITORIA DE ENFERMAGEM: RETROSPECTIVA E SISTEMATIZAÇÃO EM UMA OPERADORA DE SAÚDE Trabalho de Conclusão de Curso apresentada ao curso de Pós Graduação Auditoria e Gestão em Saúde da Universidade Tuiuti do Paraná, como requisito para a obtenção do título de especialização. Orientador (a): Ozana de Campos CURITIBA 2012

3 3 TERMO DE APROVAÇÃO Samile Laureano Socio RELATO DE EXPERIÊNCIA AUDITORIA DE ENFERMAGEM: RETROSPECTIVA E SISTEMATIZAÇÃO EM UMA OPERADORA DE SAÚDE Esta dissertação (monografia) foi julgada e aprovada para a obtenção do título de especialização, no curso de Auditoria e Gestão em Saúde da Universidade Educacional Tuiuti do Paraná. Curitiba, de de Curso de Auditoria e Gestão em Saúde Universidade Tuiuti do Paraná Orientador: Prof. Dr. Instituição e Departamento Prof. Dr. Instituição e Departamento Prof. Dr. Instituição e Departamento

4 4 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho aos meus pais Maria e Ariovaldo, por todo amor, carinho, força e dedicação que me proporcionam todos os dias, e ao meu marido Eduardo por estar sempre ao meu lado, um grande companheiro, e principalmente a Deus, pois sem ele nada se concretizaria em minha vida.

5 5 AGRADECIMENTO Primeiramente a Deus que me concedeu entendimento e força no decorrer de toda minha formação e principalmente para a realização deste estudo. A minha orientadora, que sabiamente apontou meu potencial levando ao crescimento interior. Gostaria de agradecer igualmente a todos os professores que estiveram ao nosso lado nessa jornada. Quero aproveitar esta oportunidade para agradecer também os meus colegas de curso que estiveram comigo nesta árdua caminhada. Muito Obrigada!

6 A Auditoria, através da análise e verificação operativa, possibilita avaliar a qualidade dos processos, sistemas e serviços e a necessidade de melhoria ou de ação preventiva/corretiva/saneadora (GÓIAS, 2005, p. 16) 6

7 7 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivo Específico METODOLOGIA FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA AUDITORIA Tipos de auditoria Auditoria Prospectiva Auditoria Concorrente Auditoria Retrospectiva Auditoria de Enfermagem RELATO DE EXPERIÊNCIA...33 CONCLUSÃO...42 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...44

8 8 LISTA DE SIGLAS ANS COFEN INAMPS INPS INSS OPME SADT SCIELO SNA SUS Agencia Nacional de Saúde Conselho Federal de Enfermagem Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência Social Instituto Nacional de Previdência Social Instituto Nacional de Seguridade Social Órteses, Próteses e Materiais Especiais Serviço Auxiliar de Diagnóstico e Tratamento Scientific Electronic Online Sistema Nacional de Auditoria Sistema Único de Saúde

9 9 RESUMO Este tema tão abrangente vem apresentar a sistematização da auditoria de enfermagem retrospectiva em uma operadora de saúde através de um relato de experiência vivenciado em uma cooperativa médica através do cargo de enfermeira auditora. O referido estudo tem por justificativa analisar juntamente com esta operadora os procedimentos necessários realizados pelo (a) enfermeiro (a) auditor (a) na auditoria retrospectiva. Tendo assim o objetivo conceituar através da fundamentação teórica a auditoria e tipos de auditoria, apresentando o papel do auditor de enfermagem diante da visão de autores renomados, a importância da Auditoria de Enfermagem Retrospectiva, demonstrando assim, qual o processo de trabalho de uma enfermeira auditora em uma operadora de saúde. A metodologia aplicada do referido trabalho será baseado em uma vivencia profissional, material de sala de aula, levantamentos bibliográficos, busca eletrônica de artigos baseados em dados scielo (Scientific Eletronic Online). E a pesquisa teórica se deu de forma qualitativo-descritiva, utilizando dados primários e dados secundários fundamentado em autores renomados, através da pesquisa bibliográfica. Os resultados do referido estudo apontam que a Auditoria Retrospectiva é de suma importância para os planos de Saúde, pois avalia a assistência de enfermagem prestada ao cliente através do prontuário, verificando os procedimentos frente aos padrões e protocolos estabelecidos, adequando desta forma o custo por procedimento. Palavras-chave: Auditoria de enfermagem. Operadora de saúde. Auditoria Retrospectiva.

10 10 ABSTRACT This theme is present as comprehensive systematization of nursing audit retrospective in a health carrier through an experience report on a cooperative medical lived through the nurse's office audit. The study is to examine with this justification operator performed the procedures required by (a) nurse (a) auditor (a) in the retrospective audit. Having thus conceptualize the goal through theoretical types of audit and audit, with the role of the auditor of nursing at the sight of renowned authors, identifying the importance Audit Retrospective, thus demonstrating that the process work of a nurse auditor in a health carrier. The methodology of this work will be based on an experienced professional, classroom materials, literature surveys, electronic search of articles based on data SCIELO (Scientific Electronic Online). And the theoretical research took place in a qualitative / descriptive, using primary data and secondary data based on well-known authors, through the literature search. The results of this study indicate that the Audit Retrospective is of paramount importance to health insurance, it evaluates the nursing care delivered to clients through the records, checking procedures against the standards and protocols, thereby adjusting the cost per procedure. Key words: Audit of nursing. Operator health. Retrospective audit.

11 11 1 INTRODUÇÃO A saúde no Brasil já foi marcada por vários tipos de demandas social, política e econômica. E na Constituição Federal de 1988 define em seu Art. 196 que a saúde é direito de todos e dever do Estado, mas tem sido difícil de ser atendida, pois o Sistema Único de Saúde (SUS) não está sendo capaz de oferecer assistência a todos os que necessitam de um atendimento público, levando assim há uma procura maior dos serviços oferecidos pela saúde privada. Os serviços privados de assistência médica, hospitalar e laboratorial tem uma grande diversidade estrutural (PEREIRA FILHO, 2011). Por volta de 1920, surgem às primeiras empresas de medicina de grupo ao qual começou nos Estados Unidos. Em 1.923, através da Lei Elói Chaves é criado as Caixas de Aposentadorias e Pensões para trabalhadores das ferrovias, onde são inclusos encargos e a assistência médica aos filiados e seus dependentes. Entre e 1.939, o governo Vargas unifica as diversas Caixas de Aposentadoria e Institutos de Aposentadoria, por categoria profissional (IAPI, IAPC, IAPTEC, etc.) (HISTÓRICO DA SAÚDE NO BRASIL, 2011). De acordo com o Histórico da Saúde no Brasil (2011), as empresas de medicina de grupo surgiu na década de 60 para atender, de início, aos trabalhadores do ABC paulista, pois as indústrias multinacionais que estava se instalando nesta região, acharam precária a saúde pública, e buscaram através das empresas de medicina de grupo com diferentes planos de saúde, propiciar atendimento médico de qualidade a seus empregados, onde essas empresas evoluíram e prosperaram em todo o país. Diante das exigências impostas por várias empresas surgem diversos tipos de planos de saúde e dentre o Instituto Nacional de Assistência Médica da

12 12 Previdência Social (INAMPS) que era restrito aos empregados que contribuíam com a previdência social, foi criado pelo regime militar em 1974 pelo desmembramento do Instituto Nacional de Previdência Social (INPS), atual Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS); filiada ao Ministério da Previdência e Assistência Social (atual Ministério da Previdência Social), tendo por finalidade prestar atendimento médico aos que contribuíam com a previdência social (empregados de carteira assinada). O INAMPS era subordinado ao Ministério da Previdência e Assistência Social e era responsável pela assistência médica individualizada (O QUE É O SUS, 2011). O INAMPS tinha estabelecimentos próprios, mas a maioria dos atendimentos era realizada pela iniciativa privada, pois os convênios estabeleciam a remuneração por atendimentos. Nos primeiro anos da década de 70 aconteceu uma crise do financiamento da previdência social, com repercussões no INAMPS e meados da década de 80 o INAMPS passou por diversas mudanças nos atendimento, adotando medidas que aproximam sua ação de uma cobertura universal de clientela, tendo o fim da exigência da carteira do INAMPS para o atendimento nos hospitais próprios e conveniados da rede pública (O QUE É O SUS, 2011). Com a globalização ocorreu o crescimento do mercado capitalista e as empresas tiveram que investir em tecnologia, aprimorando os ambientes internos, com o intuito de reduzir custos e tornar seus negócios mais competitivos. Assim, houve a necessidade das demonstrações financeiras das empresas de serem analisadas por profissionais que não tivessem vinculo empregatício com a mesma, surgindo desta forma, a profissão do auditor, profissional responsável em analisar as contas e emitir uma opinião. A evolução da auditoria ocasionou o

13 13 desenvolvimento econômico dos países, do crescimento das empresas e expansão das atividades produtoras, gerando um futuro promissor na administração dos negócios e de práticas financeiras. Diante desta linha introdutória o referido estudo foi subdividido em quatro partes sendo que na primeira parte está os objetivos gerais e específicos. Na Segunda parte está a Metodologia utilizada no decorrer do trabalho. Na terceira parte está a Fundamentação teórica fundamentado e embasado em autores renomados para apresentar conceitos sobre a sistematização da Auditoria de enfermagem retrospectiva em uma operadora de saúde, destacando nos subtítulos Auditoria, tipos de Auditoria, Auditoria Prospectiva, Auditoria Concorrente, Auditoria Retrospectiva, Auditoria de Enfermagem em sequencia está o Relato de Experiência e a Conclusão, sendo finalizado com as referências bibliográficas.

14 OBJETIVOS O referido trabalho irá demonstrar através do Objetivo Geral e Objetivos Específicos, as metas que se deseja alcançar Objetivo Geral Descrever a sistematização da auditoria de enfermagem uma analise retrospectiva em uma operadora de saúde Objetivos Específicos Conceituar através da fundamentação teórica a auditoria e tipos de auditoria; Apresentar o papel do auditor de enfermagem diante da visão de autores renomados; Identificar a importância da Auditoria de Enfermagem Retrospectiva; Demonstrar qual o processo de trabalho de uma enfermeira auditora em uma operadora de saúde.

15 15 2. METODOLOGIA A metodologia aplicada do referido trabalho será baseado em uma vivencia profissional, material de sala de aula, levantamentos bibliográficos, busca eletrônica de artigos baseados em dados scielo (Scientific Eletronic Online). A natureza da pesquisa será de forma aplicada através dos instrumentos, meios e métodos para se chegar às aplicações práticas (SANTOS, 2007). Ao analisar a referida empresa buscou apontar a auditoria de enfermagem retrospectiva e como embasamento foi necessário realizar uma pesquisa teórica que se deu de forma qualitativo-descritiva, onde para Minayo (2003) pesquisa qualitativa é o pensamento a ser seguido e trata-se do conjunto de técnicas adotados para construir uma realidade através de crenças, valores e significados. E de acordo com Gil (1991) a pesquisa descritiva, como o próprio nome diz, descreve as características de determinada população ou fenômeno ou o estabelecimento de relações entre variáveis, envolvendo o uso de técnicas padronizadas de coleta de dados: questionário e observação sistemática, fazendo um levantamento do assunto abordado. Para o desenvolvimento desta pesquisa os dados primários, feito através da vivencia profissional em uma empresa e os dados secundários relacionado à teoria, fundamentado em autores renomados, através da pesquisa bibliográfica. De acordo com Gil (2007, p. 64) a pesquisa bibliográfica é desenvolvida a partir de material já elaborado, constituído principalmente de livros e artigos científicos. Para Santos (2007, p. 126) é um tipo de pesquisa obrigatório a todo e qualquer modelo de trabalho científico. É um estudo organizado sistematicamente com base em materiais publicados. São exigidas a busca de informações

16 16 bibliográficas e a seleção de documentos que se relacionam com os objetivos da pesquisa. Ainda de acordo com Santos (2007, p. 139), a Fundamentação teórica também conhecida como referencial teórico, revisão da literatura ou ainda pressupostos teórico, a fundamentação teórica é a parte do planejamento/projeto que apresenta o desenvolvimento de um texto sobre o tema, com base nos principais autores consultados, no qual o aluno não tentará esgotar o assunto, pois é um estudo ainda prévio da pesquisa. Foram feitas observações na organização, bem como consultas autorizadas em documentos fornecidos pela empresa, analisando-se como a empresa vem se utilizando da auditoria de enfermagem retrospectiva e segundo Godoy (1995, p. 21) os dados coletados na análise documental possibilitam a validação das informações obtidas com a organização pesquisada na primeira etapa de coleta de dados.

17 17 3. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA A auditoria através de métodos e técnicas determina se as ações e os resultados da empresa estão dentro dos parâmetros das metas planejadas, e para verificar com exatidão este procedimento são necessários alguns requisitos que serão abordados no decorrer desta fundamentação teórica de acordo com alguns autores reconhecidos e renomados, destacando os conceitos sobre a Auditoria, Tipos de Auditoria, Auditoria de Enfermagem, Relato de Experiência vivenciado na auditoria de enfermagem retrospectiva em uma operadora de Saúde. 3.1 AUDITORIA De acordo com o Manual de Auditoria Interna (2008) os ambientes das empresas estão cada vez mais exigindo a adoção de medidas e técnicas de acompanhamento e controle para diminuir falhas e evitar problemas que possam colocar a empresa em risco, perante o comércio de forma geral, os acionistas e os clientes, proporcionando a aplicação de diversos mecanismos, oferecendo várias alternativas para solucionar os problemas encontrados no ambiente das organizações. Dentre estas alternativas está a auditoria. A palavra auditoria tem sua origem do latim audire que significa ouvir. No inicio da história todas as pessoas que possuíam a função de verificar a legitimidade dos fatos econômico-financeiros, prestando contas a um superior, poderia ser considerado um auditor (RIOLLINO; KLIUKAS, 2003). A auditoria no Brasil surgiu com a vinda de empresas internacionais e com o crescimento das nacionais, ou seja, a partir da evolução dos mercados capitais.

18 18 Porém só oficializada em 1968, através do Banco Central do Brasil (RIOLLINO; KLIUKAS, 2003). De acordo com Sá (1982, p.25), Auditoria: [...] é uma tecnologia contábil aplicada ao sistemático exame dos registros, demonstrações e de quaisquer informes ou elementos de consideração contábil, visando a apresentar opiniões, conclusões, críticas e orientações sobre situações ou fenômenos patrimoniais da riqueza aziendal, pública ou privada, quer ocorrido, quer por ocorrer ou prospectados e diagnosticados. Auditoria é o processo sistemático, documentado e independente, para obter evidência de auditoria e avaliá-la objetivamente para determinar a extensão na qual os critérios de auditoria são atendidos (INTERPRETAÇÃO DA NORMA E TÉCNICAS DE GESTÃO POR PROCESSOS ISO 9001:2008, 2011, p.47). Auditoria: é o exame sistemático e independente dos fatos pela observação, medição, ensaio ou outras técnicas apropriadas de uma atividade, elemento ou sistema para verificar a adequação aos requisitos preconizados pelas leis e normas vigentes e determinar se as ações e seus resultados estão de acordo com as disposições planejadas (GOIAS, 2005, p.16). De acordo com Camelo, Pinheiro, Campos e Oliveira (2009), no Brasil em 1990 a Lei nº 8080, conhecida como Lei Orgânica da Saúde estabeleceu a necessidade de criação do Sistema Nacional de Auditoria (SNA), e em 1993 a Lei nº 8689 de 27 de julho de 1993, criou a SNA e estabeleceu como sua competência o acompanhamento, a fiscalização, o controle e a avaliação técnico cientifica, contábil, financeira e patrimonial das ações e serviços de saúde. O Ministério da Saúde a partir de um setor criou a Agencia Nacional de Saúde (ANS) ao qual a mesma nasceu através da Lei Nº de janeiro de Tal lei descreve em seu Art. 1º que agência reguladora tem as funções de regulação, normatização, controle e fiscalização das atividades que garantem a

19 19 assistência suplementar à saúde. As competências da ANS descritas no Art. 4º da Lei federal conforme segue: [...] XV Estabelecer critérios de aferição e controle de qualidade dos serviços oferecidos pelas operadoras de planos privados de assistência a saúde, sejam eles próprios, referenciados, contratados ou conveniados; [...] XXVI Fiscalizar a atuação das operadoras e prestadores de serviços de saúde com relação à abrangência das coberturas de patologias e procedimentos; [...] XXXVII Zelar pela qualidade dos serviços de assistência a saúde no âmbito da assistência a saúde suplementar. A Agencia Nacional de Saúde de acordo com a Lei supracitada tem por finalidade a missão de promover a defesa do interesse publico na assistência suplementar à saúde, regular as operadoras setoriais inclusive quanto às suas relações com prestadores e consumidores, e contribuir para o desenvolvimento das ações de saúde no país. Contudo para Paim e Zucchi (2008) as operadoras de saúde passaram a buscar ferramentas que atendessem a essa regulamentação, dentre essas ferramentas inclui-se a auditoria de avaliação da qualidade dos serviços credenciados, identificando as condições de funcionamento e qualidade da assistência fornecida aos seus usuários. De acordo com Franco e Marra (1992), a auditoria apresenta diversas formas, de acordo com as suas características peculiares, e com os fins a que se destina, podendo ser realizada para confirmar com exatidão as demonstrações contábeis, para ter melhor controle administrativo, atendendo as exigências legais,

20 20 as obrigações fiscais, entre outros, não deixando de apurar erros e fraudes, onde deverá ter as revisões integrais dos documentos relativos à conta examinada e dos registros contábeis. O objetivo da auditoria é aumentar o grau de confiança nas demonstrações contábeis por parte dos usuários. Isso é alcançado mediante a expressão de uma opinião pelo auditor sobre se as demonstrações contábeis foram elaboradas em todos os aspectos relevantes, em conformidade com uma estrutura de relatório financeiro aplicável. No caso da maioria das estruturas conceituais para fins gerais, essa opinião expressa se as demonstrações contábeis estão apresentadas adequadamente, em todos os aspectos relevantes, em conformidade com a estrutura de relatório financeiro. A auditoria conduzida em conformidade com as normas de auditoria e exigências éticas relevantes capacita o auditor a formar essa opinião (MELHEM; COSTA, 2011, p. 104). Para Corbari & Macedo (2011), a auditoria vem ampliando sua ação diante de qualquer atividade profissional sobre um determinado objeto para mensurá-lo e avaliá-lo com o objetivo de propor ajustes e correções necessárias, devendo ser exercida com honestidade e padrão moral. Segundo o Manual de Auditoria Interna (2008), as auditorias têm aumentado, influenciando a especialização do quadro de auditores, formando uma equipe com visão multidisciplinar, atuando de forma coordenada e tendo como finalidade o assessoramento da administração nas empresas, agindo de forma eficiente e com eficácia, no que se refere às pessoas, à logística, aos controles, ao processo de gestão administrativa, entre outros. Os auditores [...] deverão aperfeiçoar seus conhecimentos, capacidades e outras competências mediante um desenvolvimento profissional contínuo. A formação continuada pode ser obtida pela frequência a conferências, seminários, cursos universitários, programas de formação interna e participação em projetos de pesquisa (MANUAL DE AUDITORIA INTERNA, 2008, p. 23).

21 21 O trabalho de auditoria não deve ser afetado por interesses pessoais e deve ser assumido com toda a responsabilidade e ser feito com eficiência devendo ser utilizada para cumprir os procedimentos necessários. Assim, segundo INTOSAI (2001 apud Corbari & Macedo, 2011), a informação obtida pelos auditores no processo de auditoria não deverá ser revelada a terceiros, nem oralmente nem por escrito. Para Castro (2008) a auditoria garante que os controles sejam adequados, corretamente executados, espelhando a realidade da entidade consistindo em um mecanismo de controle, revisando e avaliando a eficiência e auxiliando nas tomadas de decisões. E Melhem & Costa (2011) destaca que o processo de auditoria tem normas específicas que são o caminho que deve ser observado pelo auditor no decorrer do seu trabalho e é imprescindível para o editor verificar constantemente a atualização dessas normas. O auditor deve se preocupar com as habilidades de comunicação verbal entre os membros da empresa, mantendo um bom relacionamento, no intuito de adquirir cooperação para executar as tarefas designadas, procurando ver as coisas do ponto de vista da outra pessoa, sendo necessário ter maturidade, controle emocional e esforço consciente (MANUAL DE AUDITORIA INTERNA, 2008). O trabalho de uma auditoria deve ser adequadamente planejado, supervisionado e suportado por papéis de trabalho feitos com profissionalismo e alta competência, além de obter evidências relevantes, fidedignas e suficientes para dar suporte razoável ao parecer do auditor (Corbari & Macedo, 2011, p. 2018) Assim, segundo Corbari & Macedo (2011), a extensão dos procedimentos de auditoria devem ser estendidas até conseguir elementos dos fatos para formar e fundamentar o parecer do auditor, colhendo informações necessárias para encontrar

22 22 o objeto de análise definindo a amplitude do trabalho. Assim, a auditoria consiste no levantamento dos dados in loco relativos ao órgão auditado, ao qual permite ao auditor o conhecimento prático das operações e do ambiente da organização. O INTOSAI (2001, apud Corbari e Macedo, 2011) destaca que o auditor tem que levar em consideração os conteúdos que estão à disposição nos documentos de trabalho devendo ser completos e detalhados permitindo ao auditor fundamentar as suas conclusões. A auditoria não tem finalidade punitiva, do ponto de vista da assistência á saúde, ela verifica o cuidado, detecta erros e os analisa quanto à natureza e significado, fornecendo indicadores de padrão ou tendência, assim como subsidio para modificação de procedimentos e técnicas, com o objetivo primordial de promover melhoria da assistência ao paciente (MANUAL DE CONSULTAS DAS NORMAS DE AUDITORIA MÉDICA, 2011) Tipos de auditoria A auditoria pode ser dividida em Analítica ou Operacional. Segundo Manual de Consultas das normas de Auditoria Médica (2011) a Auditoria Analítica é o conjunto de procedimentos especializados que consistem na análise de relatórios, processos e documentos, visando avaliar se o serviço ou sistema de saúde atendem as normas e padrões previamente definidos. Porém para Manual de Auditoria de contas médicas (2005) afirma objetivar a identificação de situações consideradas incomuns e passiveis de avaliação. Diante dos fatos o Manual de Consultas das normas de Manual de Consultas das normas de Auditoria Médica (2011) considera Auditoria Operacional a

23 23 verificação de processos e documentos comparados aos requisitos legais/normativos e atividades relativas a áreas de saúde através do exame direto dos fatos, documentações e situações. Para a auditoria em execução, esta se divide em três tipos sendo auditoria prospectiva, concorrente e retrospectiva Auditoria Prospectiva Segundo Manual de Consultas das normas de Auditoria Médica (2011) a Auditoria Prospectiva tem caráter preventivo procurando detectar situações de alarmes evitando problemas futuros. Justos (2011) destaca em sua aula de auditoria em saúde, que a auditoria prospectiva são as auditorias médicas e de enfermagem antes da realização de um evento, exemplos; Auditoria de Liberação Prévia: dando suporte médico e técnico a central de liberação de beneficiários da operadora de saúde Serviços de Rede de Atendimento, dimensionamento da rede própria ou credenciada e atividades de manutenção e avaliação periódica da rede de atendimento Pericias pré-operatórias Médicas, odontológicas, psicológicas, exames médicos ou odontológicos periciais físicos e/ou documentais em pacientes Entrevista Qualificada, contratação de planos de beneficiários.

24 24 Para Justus (2011) a perícia médica é o exame pericial, documental e clinico realizado por médico com finalidade de validar ou autorizar procedimentos médicos podendo ser pré ou pós, sendo imprescindível para agilizar a decisão diante a incerteza. Auditoria prospectiva apresenta-se algumas não conformidades mais comuns referente à liberação previa como, por exemplo: falta de código ou descrição do procedimento e ou Serviço Auxiliar de Diagnóstico e Tratamento (SADT), ausência de justificativa do médico assistente, solicitação excessiva de códigos, solicitação de materiais e medicamentos importados, solicitação de procedimentos não reconhecidos pelas sociedades médicas, solicitações de Órteses, Próteses e Materiais Especiais (OPME), resistência do envio de relatórios complementares e distorções, fraudes e desobediências às regras básicas praticadas por alguns profissionais e instituições que prestam assistência à saúde (JUSTUS, 2011). Pra definir melhor a auditoria prospectiva, esta possibilita que os procedimentos realizados nos pacientes sejam analisados previamente pelos médicos auditores evitando assim glosas e/ou complicações futuras Auditoria Concorrente O Manual de Auditoria de contas médicas (2005) afirma que a Auditoria Concorrente é o acompanhamento contínuo das hospitalizações enfocando os custos e a qualidade dos serviços prestados, observando os prontuários com as prescrições, evoluções médicas e anotações de enfermagem, possibilitando a discussão relacionada ao paciente entre o médico auditor e o médico assistente.

25 25 Justus (2011) define como auditoria concorrente as auditorias médicas e de enfermagem durante a realização de um evento, com o objetivo de identificar distorções em contas hospitalares, promover correções, buscar aperfeiçoamento do atendimento médico-hospitalar ou ambulatorial, mensuração da qualidade de assistência e os custos das instituições de saúde. Assim, a auditoria concorrente é: Visita Médica Hospitalar: acompanhamento do médico auditor durante o internamento hospitalar convenio; Visita Hospitalar de Enfermeiro: acompanhamento do enfermeiro auditor durante o internamento hospitalar convenio; Auditoria Hospitalar no Leito: acompanhamento do enfermeiro auditor durante o internamento hospitalar prestador de serviço. Justus (2011) apresenta algumas não conformidades apresentadas mediante a auditoria concorrente: falta de justificativa médica longa permanência; mudança ou inclusão de procedimentos sem liberação prévia; uso de OPMEs; medicamentos especiais; dieta parenteral e enteral sem liberação prévia; ausência de evolução diária e ou registros incompletos. Para atender a demanda das internações apresentadas os auditores médicos/enfermeiros destinam-se ao prestador de serviço para acompanhar os atendimentos prestados ao cliente, avaliando a qualidade de assistência prestada, adquirindo conhecimento das condições apresentadas pelo usuário através dos dados do prontuário do paciente, promovendo correções, diminuições de custos e evitando glosas futuras, sem lesar o código de ética profissional, emitindo assim no final da visita um relatório que será encaminhado ao setor de auditoria retrospectiva.

26 Auditoria Retrospectiva A auditoria retrospectiva é aquela realizada após a alta do paciente, onde se utiliza o prontuário para avaliação. Neste tipo de auditoria, o paciente não é beneficiado após a avaliação dos dados obtidos na auditoria, entretanto o benefício se reverte para a assistência de forma global (KURCGANT, 2006). A auditoria retrospectiva é a auditoria feita após a alta do paciente, e os dados obtidos não reverterão em benefícios deste paciente diretamente, mas sim para a assistência de maneira global. Também tem a desvantagem de não permitir saber se o que foi feito não foi anotado (PEREIRA & TAKAHASHI, 1991). Para Manual de Consultas das normas de Auditoria Médica (2011) a Auditoria Retrospectiva descreve ser de extrema importância, pois avalia resultados e corriges as falhas apresentadas. A auditoria mencionada acima realiza a analise de documentos, de relatórios encaminhados pela auditoria concorrente, autorizações prévias, de contas médicas propriamente dita com analise do auditor médico e de enfermagem (MANUAL DE AUDITORIA DE CONTAS MÉDICAS, 2005). Justus (2011) menciona em sua aula lecionada que auditoria retrospectiva são as auditorias médicas e de enfermagem após a realização de um evento, segue como exemplo: Pericia Pós-Operatória, exames médicos ou odontológicos periciais físicos e ou documentais em pacientes após a realização do procedimento; Analise de Contas Hospitalares In Loco, auditoria das cobranças dos procedimentos médicos realizados na sede do prestador de serviço

27 27 Analise de Contas Médica /Odontológica e Hospitalares nas operadoras de saúde, auditoria de cobrança dos procedimentos médicos realizados na sede da operadora. Neste momento podem-se gerar glosas dos procedimentos realizados, e para Rodrigues, Perroca e Jericó (2004) glosa significa cancelamento ou recusa, parcial ou total de orçamento, conta, verba por serem considerados ilegais ou indevidos, ou seja itens que o auditor da operadora (plano de saúde) não considera cabível para o pagamento. Para Justus (2011) as glosas podem ser classificadas como administrativas ou técnicas. As administrativas são decorrentes de falhas operacionais no momento da cobrança, falta de interação entre o plano de saúde e o prestador de serviço (instituição hospitalar), ou ainda falha na analise da conta do prestador, as técnicas são apresentações dos valores de serviços, honorários, materiais e medicamentos utilizados. 3.2 AUDITORIA DE ENFERMAGEM De acordo com Paim & Ciconelli (2007) diante do desenvolvimento do setor capitalista no país, a saúde procurou aprimorar seus atendimentos para atender com eficiência a nova demanda imposta pela sociedade, procurando alternativas para adaptar-se a um mercado cada vez mais competitivo, garantindo bons resultados satisfazendo assim seus clientes. Assim, Berti & Almeida (2005) destaca que os serviços direcionados para a saúde tem por objetivo atender com eficiência, eficácia, acessibilidade e adequabilidade, e de acordo com Cunha et al (2003) os funcionários especializados

AUDITORIA EM ENFERMAGEM. UNIPAC UBERLÂNDIA CURSO GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: Administração ll Profa : Amanda Cristina de Oliveira Mendes

AUDITORIA EM ENFERMAGEM. UNIPAC UBERLÂNDIA CURSO GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: Administração ll Profa : Amanda Cristina de Oliveira Mendes AUDITORIA EM ENFERMAGEM UNIPAC UBERLÂNDIA CURSO GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: Administração ll Profa : Amanda Cristina de Oliveira Mendes Conceito AUDITORIA é uma avaliação sistemática e formal de

Leia mais

Benchmarking Resultados de Auditoria SUS e Convênio no Setor de Faturamento da Santa Casa de Votuporanga

Benchmarking Resultados de Auditoria SUS e Convênio no Setor de Faturamento da Santa Casa de Votuporanga Benchmarking Resultados de Auditoria SUS e Convênio no Setor de Faturamento da Santa Casa de Votuporanga Daniella Vila Falchi Enfermeira, com especialização em Urgência e Emergência, em curso Auditoria

Leia mais

Cobrança de Procedimentos por pacote e diárias compactadas

Cobrança de Procedimentos por pacote e diárias compactadas TEMA 4 DO PRÉ CONGRESSO CONBRASS 2012 Atualização na formatação de preços dos procedimentos por pacote e tabelas de diárias compactadas - Dra.Giuseppina Pellegrini "A vida não se abala com a nossa ignorância,

Leia mais

Texto CURSO DE COOPERATIVISMO AUDITORIA EM SAÚDE

Texto CURSO DE COOPERATIVISMO AUDITORIA EM SAÚDE Texto CURSO DE COOPERATIVISMO AUDITORIA EM SAÚDE Etimologia Termo Auditoria deriva: Palavra inglesa audit que significa examinar, corrigir, certificar. Do latim auditore O que ouve; ouvinte. Definição

Leia mais

Enf.ª Danielle Perdigão

Enf.ª Danielle Perdigão Enf.ª Danielle Perdigão ORAÇÃO DO AUDITOR Senhor, Dai-me paciência para orientar os que erram por desconhecimento; Dai-me coragem para enfrentar os que fazem malversação dos recursos da saúde; Mas, sobretudo,

Leia mais

Briefing Auditoria Médica ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA BENEFICENTE ESPÍRITO SANTENSE

Briefing Auditoria Médica ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA BENEFICENTE ESPÍRITO SANTENSE Paginas: 1/1 ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA BENEFICENTE ESPÍRITO SANTENSE CONTRATAÇÃO DE EMPRESAS ESPECIALIZADAS NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE AUDITORIA MÉDICA NAS DEPENDÊNCIAS DO HOSPITAL JAYME SANTOS NEVES 1 OBJETO

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS ORDEM DE SERVIÇO 002/2014

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS ORDEM DE SERVIÇO 002/2014 ORDEM DE SERVIÇO 002/2014 Dispõe sobre Instruções de Apresentação do Recurso Eletrônico de Glosas e revoga o 2º do art. 2º da Ordem de Serviço 09/2013 O Diretor de Saúde do Instituto de Previdência do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II O PROCESSO DE AUDITORIA EM ENFERMAGEM 1 Greco, Rosangela Maria 2

Leia mais

Auditoria do Processo de Contas Hospitalares. Enfª Ms Cristiane Azevedo Supervisora da Auditoria Administrativa e de Enfermagem RAUF

Auditoria do Processo de Contas Hospitalares. Enfª Ms Cristiane Azevedo Supervisora da Auditoria Administrativa e de Enfermagem RAUF Auditoria do Processo de Contas Hospitalares Enfª Ms Cristiane Azevedo Supervisora da Auditoria Administrativa e de Enfermagem RAUF Declaração de potencial conflito de interesses Não possuo vínculo ou

Leia mais

Nutrição e dietética:

Nutrição e dietética: O sistema permite o cadastro de vários almoxarifados, e controla os estoques separadamente de cada um, bem como o cadastro de grupos de estocagem, visando o agrupamento dos insumos estocáveis, classificados

Leia mais

Objetivo Principal. Objetivos Secundários

Objetivo Principal. Objetivos Secundários Objetivo Principal O Personal Med Hospitalar foi resultado de um longo esforço de O&M em hospitais de vários portes e regiões do Brasil. O sistema foi concebido a partir do detalhamento de 176 processos

Leia mais

Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde)

Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde) Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde) Demonstrativo de retorno: modelo formal de representação e descrição documental do padrão TISS sobre o pagamento dos eventos assistenciais realizados

Leia mais

ÍNDICE TISS versão 3.0 Implantação 31/05/2014

ÍNDICE TISS versão 3.0 Implantação 31/05/2014 1 ÍNDICE 1. Visão Geral 3 2. O que é a TISS 3 3. Histórico da evolução do modelo 3 4. O que faz parte da TISS 4 5. Guias e demonstrativos 4 6. Plano de contingência 4 7. Guia de consulta 5 8. Guia de SP/SADT

Leia mais

O que é Saúde Complementar

O que é Saúde Complementar O que é Saúde Complementar A Lei 9.656/1998 define Operadora de Plano de Assistência à Saúde como sendo a pessoa jurídica constituída sob a modalidade de sociedade civil ou comercial, cooperativa, ou entidade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS)

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º A Unidade de Auditoria

Leia mais

Divulgação Novo TISS 3.02.00

Divulgação Novo TISS 3.02.00 Manual TISS 3.0.00 Índice Tema Introdução Conteúdo e Estrutura Guia de Consulta Legenda Guia de Consulta Guia SP SADT Legenda Guia SP SADT Guia Solicitação de Internação Legenda Guia Solicitação de Internação

Leia mais

Manual do Prestador SEPACO. Saúde. ANS - n 40.722-4

Manual do Prestador SEPACO. Saúde. ANS - n 40.722-4 Manual do Prestador Saúde o ANS - n 40.722-4 SEPACO Prezado prestador, Este manual tem como objetivo formalizar a implantação das rotinas administrativas do Sepaco Saúde, informando as características

Leia mais

MANUAL DO REFERENCIADO TISS

MANUAL DO REFERENCIADO TISS MANUAL DO REFERENCIADO TISS Prezado Referenciado, As instruções contidas neste Manual têm como principal objetivo, servir como guia para que os agentes integrantes do processo de faturamento e conciliação

Leia mais

Manual do Processo de Faturamento

Manual do Processo de Faturamento Manual do Processo de Faturamento Apresentação MV Sumário Processo de Faturamento 6 Leia-me primeiro... 6 Faturamento de... Convênios e Particular 8 Faturamento de Convênios... 8 Protocolar Documentação...

Leia mais

Auditoria em Saúde ASSESSORANDO A GESTÃO

Auditoria em Saúde ASSESSORANDO A GESTÃO Auditoria em Saúde ASSESSORANDO A GESTÃO 1 Tânia Regina Fávero Enfermeira Licenciatura em Enfermagem pela UNICAMP/SP MBA em Gestão de Planos de Saúde Docente em cursos na ABRAMGE/SP Docente em cursos na

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde. Atibaia, 21 de abril de 2010

Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde. Atibaia, 21 de abril de 2010 Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde Atibaia, 21 de abril de 2010 Cenário atual DESAFIOS Desafios da Sustentabilidade Pressão constante sobre os custos Incorporação de novas tecnologias

Leia mais

TISS 3.01.00 CARTILHA. 1. Divulgação 3.01.00 - CNU/ANS. 2. Material TISS 3.01.00. 3. Componentes da TISS 3.01.00

TISS 3.01.00 CARTILHA. 1. Divulgação 3.01.00 - CNU/ANS. 2. Material TISS 3.01.00. 3. Componentes da TISS 3.01.00 1. Divulgação 3.01.00 - CNU/ANS CARTILHA TISS 3.01.00 2. Material TISS 3.01.00 3. Componentes da TISS 3.01.00 4. Rotina Operacional Central de Atendimento Autorização 5. Rotina Operacional Contas Médicas

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

4. DOS DEVERES 1. DA EMPRESA

4. DOS DEVERES 1. DA EMPRESA 1. APRESENTAÇÃO O Manual Nacional de Acidente do Trabalho tem por finalidade estabelecer normas, regras e diretrizes que norteiem o INTERCÂMBIO de Acidente do Trabalho entre todas as UNIMEDs do país, consolidando

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO GUIAS TISS

MANUAL DE PREENCHIMENTO GUIAS TISS MANUAL DE PREENCHIMENTO GUIAS TISS Padrão TISS Atendendo à exigência da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), a partir do dia 31 de Agosto do corrente ano, a Unimed Sobral se adequará ao padrão

Leia mais

MANUAL DO PRESTADOR DE SERVIÇOS E EVENTOS DE SAÚDE

MANUAL DO PRESTADOR DE SERVIÇOS E EVENTOS DE SAÚDE Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária - INFRAERO MANUAL DO PRESTADOR DE SERVIÇOS E EVENTOS DE SAÚDE Brasília, Março de 2013 Versão 1.1 INSTRUÇÕES GERAIS Este MANUAL tem como objetivo orientar

Leia mais

APRESENTAÇÃO UNIHOSP SAÚDE S/A CNPJ: 01.445.199/0001-24 Rua Campos Sales, 517 Centro Santo André - SP MANUAL DE ORIENTAÇÕES AO CREDENCIADO

APRESENTAÇÃO UNIHOSP SAÚDE S/A CNPJ: 01.445.199/0001-24 Rua Campos Sales, 517 Centro Santo André - SP MANUAL DE ORIENTAÇÕES AO CREDENCIADO APRESENTAÇÃO UNIHOSP SAÚDE S/A CNPJ: 01.445.199/0001-24 Rua Campos Sales, 517 Centro Santo André - SP MANUAL DE ORIENTAÇÕES AO CREDENCIADO Este manual visa esclarecer as regras e normas para o serviço

Leia mais

Universidade do Estado de Minas Gerais Instituto Superior de Ensino e Pesquisa de Ituiutaba Sistemas de Informação Segurança e Auditoria de Sistemas

Universidade do Estado de Minas Gerais Instituto Superior de Ensino e Pesquisa de Ituiutaba Sistemas de Informação Segurança e Auditoria de Sistemas 1. Conceitos e Organização da Auditoria Universidade do Estado de Minas Gerais 1.1 Conceitos Auditoria é uma atividade que engloba o exame de operações, processos, sistemas e responsabilidades gerenciais

Leia mais

Empresa de Consultoria especializada em Gestão do Negócio Saúde

Empresa de Consultoria especializada em Gestão do Negócio Saúde Empresa de Consultoria especializada em Gestão do Negócio Saúde Consultoria Técnica para a Gestão da Sinistralidade Suporte para Organização das Auditorias Operadora Consultoria Técnica em OPME Auditorias,

Leia mais

ÍNDICE. - 1 Guia Padrão TISS Versão 3.01.00

ÍNDICE. - 1 Guia Padrão TISS Versão 3.01.00 ÍNDICE TÓPICO PAG. 1 Apresentação... 2 2 Definição do Padrão TISS... 3 3 Objetivo do Padrão TISS... 3 4 Guias (formulários) do Padrão TISS... 3 5 Preenchimento das Guias do Padrão TISS... 4 Guia de Consulta...

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI 002/2009

CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI 002/2009 1 CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI 002/2009 Versão: 01 Aprovação em: 29/05/2009 Unidade Responsável: Coordenadoria de Controle Interno I FINALIDADE Estabelecer e

Leia mais

Definir metodologia para realizar o processo de cobrança de Prontuários Clínicos e Cirúrgicos.

Definir metodologia para realizar o processo de cobrança de Prontuários Clínicos e Cirúrgicos. 1/6 1. OBJETIVO Definir metodologia para realizar o processo de cobrança de Prontuários Clínicos e Cirúrgicos. 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO GUIATISS- Guia de Troca de Informações em Saúde Suplementar; PM- Prescrição

Leia mais

SERVMED SAÚDE MANUAL DE PREENCHIMENTO TISS

SERVMED SAÚDE MANUAL DE PREENCHIMENTO TISS SERVMED SAÚDE MANUAL DE PREENCHIMENTO TISS MAIO/2007 Blumenau-SC, 18 de maio de 2007. À Rede Credenciada Prezados Credenciados: Como é de conhecimento de todos, dia 31 de maio de 2007 é o prazo que a Agência

Leia mais

CAFÉ UNIDAS SÃO PAULO E MHZ

CAFÉ UNIDAS SÃO PAULO E MHZ CAFÉ UNIDAS SÃO PAULO E MHZ 11 Novembro 2015 Início: 9:00 horas Término: 12:00 horas GESTÃO DE CUSTOS ASSISTENCIAIS PROGRAMAÇÃO DO EVENTO 09h00 às 09h30 09h30 às 10h30 10h30 às 11h00 11h00 às 12h00 Welcome

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS

IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS Brasília, 08 de junho de 2010. Cumprimento de Contratos das Operadoras com os Laboratórios Clínicos. DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO SETORIAL - DIDES Gerência de

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

COMO SOBREVIVER À RESOLUÇÃO NORMATIVA 259/11?

COMO SOBREVIVER À RESOLUÇÃO NORMATIVA 259/11? COMO SOBREVIVER À RESOLUÇÃO NORMATIVA 259/11? HOW TO SURVIVE THE NORMATIVE RESOLUTION 259/11? CÓMO SOBREVIVIR A LA NORMATIVA RESOLUCIÓN 259/11? RESUMO: Este texto é fruto de uma pesquisa bibliográfica.

Leia mais

Termo de uso genérico para designar qualquer grau de UNIMED Singular, Federação/ Central e Confederação, individualmente ou no conjunto.

Termo de uso genérico para designar qualquer grau de UNIMED Singular, Federação/ Central e Confederação, individualmente ou no conjunto. 1- INTERCÂMBIO A negociação entre as UNIMEDS do País, que geram relações operacionais específicas e normatizadas para atendimento de usuários na área de ação de uma cooperativa ou contratados por outra

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

TREINAMENTO DO PADRÃO TISS 3.00.01

TREINAMENTO DO PADRÃO TISS 3.00.01 TREINAMENTO DO PADRÃO TISS 3.00.01 Coordenadoras TISS: Elisandra Baldissera e Roseli Fistarol Colaboradores: Cesar Paz, Denise Bertoldo e Patrique Hedlund 1 Organização do evento Os slides estão disponíveis

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE NUTRIÇÃO, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

AS ALTERAÇÕES NAS NORMAS DE AUDITORIA INDEPENDENTE VIGENTES NO BRASIL (2) O RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE

AS ALTERAÇÕES NAS NORMAS DE AUDITORIA INDEPENDENTE VIGENTES NO BRASIL (2) O RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE AS ALTERAÇÕES NAS NORMAS DE AUDITORIA INDEPENDENTE VIGENTES NO BRASIL (2) O RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE Um dos pontos mais polêmicos e de maior impacto nestas alterações das normas de auditoria independente

Leia mais

DESAFIOS PARA O ADMINISTRADOR HOSPITALAR NUM CENÁRIO DE CRESCENTE COMPLEXIDADE NO SEGMENTO DA SAÚDE. Adm. Sérgio Lopez Bento 4.10.

DESAFIOS PARA O ADMINISTRADOR HOSPITALAR NUM CENÁRIO DE CRESCENTE COMPLEXIDADE NO SEGMENTO DA SAÚDE. Adm. Sérgio Lopez Bento 4.10. DESAFIOS PARA O ADMINISTRADOR HOSPITALAR NUM CENÁRIO DE CRESCENTE COMPLEXIDADE NO SEGMENTO DA SAÚDE Adm. Sérgio Lopez Bento 4.10.2012 A G E N D A 1. Cenário da saúde no Brasil 2. Um setor cada vez mais

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SERAFINA CORRÊA ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SERAFINA CORRÊA ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS CARGO: ALMOXARIFE a) Descrição Sintética: Zelar pelo Patrimônio Público. b) Descrição Analítica: Controlar as mercadorias de uso da administração municipal;

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC)

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC) 1 A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR 2 CONCEITOS 3 SAÚDE SUPLEMENTAR: atividade que envolve a operação de planos privados de assistência à saúde sob regulação do Poder

Leia mais

PROCESSO ELETRÔNICO PADRÃO TISS. Agosto/2014

PROCESSO ELETRÔNICO PADRÃO TISS. Agosto/2014 PROCESSO ELETRÔNICO PADRÃO TISS Agosto/2014 PADRÃO DE TROCA DE INFORMAÇÕES NA SAÚDE SUPLEMENTAR Padrão TISS Histórico e Consulta Pública nº 43 Padrão TISS - Versão 3.0 3 Histórico RN 305 09/10/2012 - Termo

Leia mais

Versão 1.0 MANUAL PRÁTICO TISS 3.02.00. 1. Divulgação 3.02.00 Unimed Taubaté/ANS. 2. Material TISS 3.02.00 3. Componentes da TISS 3.02.

Versão 1.0 MANUAL PRÁTICO TISS 3.02.00. 1. Divulgação 3.02.00 Unimed Taubaté/ANS. 2. Material TISS 3.02.00 3. Componentes da TISS 3.02. Versão 1.0 MANUAL PRÁTICO TISS 3.02.00 1. Divulgação 3.02.00 Unimed Taubaté/ANS 2. Material TISS 3.02.00 3. Componentes da TISS 3.02.00 SUMÁRIO 1. Divulgação 3.02.00 - Unimed Taubaté/ANS...2 3.2.1. Guias

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO CONCURSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM TEMA 04: ATIVIDADES DO ENFERMEIRO ATIVIDADES DO ENFERMEIRO SUPERVISÃO GERENCIAMENTO AVALIAÇÃO AUDITORIA

Leia mais

PADRÃO TISS COMPONENTE DE CONTEÚDO E ESTRUTURA. Formulários do Plano de Contingência

PADRÃO TISS COMPONENTE DE CONTEÚDO E ESTRUTURA. Formulários do Plano de Contingência PADRÃO TISS COMPONENTE DE CONTEÚDO E ESTRUTURA Formulários do Plano de Contingência Padrão TISS - Componente de Conteúdo e Estrutura - Novembro 2013 311 Logo da Empresa GUIA DE CONSULTA 2- Nº Guia no Prestador

Leia mais

Manual TISS Troca de Informaçõ

Manual TISS Troca de Informaçõ Manual TISS Troca de Informaçõ ções em Saúde Suplementar Versão o 1.1 Instruçõ ções para preenchimento das guias PREENCHER EXCLUSIVAMENTE COM CANETA PRETA OU AZUL GCES A Unimed Natal desenvolveu este manual

Leia mais

AUDITORIA EM ENFERMAGEM EM SERVIÇOS DE PRONTO ATENDIMENTO DE UM HOSPITAL

AUDITORIA EM ENFERMAGEM EM SERVIÇOS DE PRONTO ATENDIMENTO DE UM HOSPITAL AUDITORIA EM ENFERMAGEM EM SERVIÇOS DE PRONTO ATENDIMENTO DE UM HOSPITAL AMANDA GOUVEA DE OLIVEIRA Amandago_15@hotmail.com ANA PAULA RIBEIRO LEGRAMANTI Paulinhaaa.r@gmail.com RICARDO YOSHIO HORITA ricardohorita@uol.com.br

Leia mais

AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES

AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES 1 AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES Alessandra Cristina Rubio¹ Josiane Marcacini Silva² RESUMO Thiago Silva Guimarães³ A auditoria interna é de suma importância para as organizações,

Leia mais

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 INTRODUÇÃO Desde que foi fundada em 2001, a ética, a transparência nos processos, a honestidade a imparcialidade e o respeito às pessoas são itens adotados pela interação

Leia mais

Manual de Orientação ao Cliente. Bem vindo à

Manual de Orientação ao Cliente. Bem vindo à Manual de Orientação ao Cliente Bem vindo à Prezado Associado: Nós da São Miguel Saúde sentimo-nos honrados em poder atender você e sua família disponibilizando serviços médicos com qualidade. Seu Plano

Leia mais

ÍNDICE. - 1 Guia Padrão TISS Versão 3.02.00

ÍNDICE. - 1 Guia Padrão TISS Versão 3.02.00 ÍNDICE TÓPICO PAG. 1 Apresentação... 2 2 Definição do Padrão TISS... 3 3 Objetivo do Padrão TISS... 3 4 Guias (formulários) do Padrão TISS... 3 5 Preenchimento das Guias do Padrão TISS... 4 Guia de Consulta...

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO

REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO 1 REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO 2 1. CARACTERIZAÇÃO DO SETOR 1.1. Definição do Gerenciamento A definição do gerenciamento pode ser dada sob diversos enfoques, dentre os quais destacamos o texto escrito por

Leia mais

PLANOS DE SAÚDE. O que é preciso saber?

PLANOS DE SAÚDE. O que é preciso saber? PLANOS DE SAÚDE O que é preciso saber? Queridos amigos, Estamos muito felizes por concluir a nossa segunda cartilha sobre direitos atrelados à saúde. Este trabalho nasceu com o propósito de levar informações

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES SUPERVISIONADOS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º.Os estágios que compõem a estrutura curricular do curso do curso de graduação em Farmácia da Faculdade de Ciências

Leia mais

Apresentação. Prezado beneficiário,

Apresentação. Prezado beneficiário, LANOIII Apresentação Prezado beneficiário, Visando dar continuidade à prestação dos melhores serviços em saúde e promover uma melhor qualidade de vida ao beneficiário, a CompesaPrev apresenta o CompesaSaúde

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA (EBA) DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM I

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA (EBA) DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM I UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA (EBA) DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM I Sistema de Informação em Enfermagem DUTRA, Herica Silva Profa.

Leia mais

Manual de Preenchimento da TISS (Troca de Informações em Saúde Suplementar)

Manual de Preenchimento da TISS (Troca de Informações em Saúde Suplementar) Manual de Preenchimento da TISS (Troca de Informações em Saúde Suplementar) 0 Última Atualização: 16/05/07 9:30h SUMÁRIO I Introdução Página 2 II - Formulários/ Legendas Página 5 II.1 Guias Página 5 2.1.1

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Administração LFE em Análise de Sistemas

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM: TELECOMUNICAÇÕES I - INTRODUÇÃO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM: TELECOMUNICAÇÕES I - INTRODUÇÃO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM: TELECOMUNICAÇÕES I - INTRODUÇÃO O Curso Superior de Tecnologia em Telecomunicações prevê em sua grade curricular atividades

Leia mais

Conheça o Software de Gestão Hospitalar que se adapta às suas necessidades! www.sishosp.com.br (19) 3241.3535

Conheça o Software de Gestão Hospitalar que se adapta às suas necessidades! www.sishosp.com.br (19) 3241.3535 Conheça o Software de Gestão Hospitalar que se adapta às suas necessidades! www.sishosp.com.br (19) 3241.3535 www.sishosp.com.br (19) 3241.3535 Controle a saúde da sua instituição com o sistema de Gestão

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03

RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03 RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03 Aprova a NBC T 12 Da Auditoria Interna. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que as Normas Brasileiras de Contabilidade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO AUDITORIA INTERNA DA UNIFEI. CAPÍTULO I Disposições Preliminares

REGIMENTO INTERNO AUDITORIA INTERNA DA UNIFEI. CAPÍTULO I Disposições Preliminares REGIMENTO INTERNO DA UNIFEI CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º. A Auditoria Interna da Universidade Federal de Itajubá é um órgão técnico de assessoramento da gestão, vinculada ao Conselho de

Leia mais

ESTUDO DE CASO MATERNIDADE DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO PEDRO

ESTUDO DE CASO MATERNIDADE DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO PEDRO INSTITUTO DE SAÚDE DA COMUNIDADE DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO EM SAÚDE PLANEJAMENTO E GERÊNCIA EM SAÚDE II ESTUDO DE CASO MATERNIDADE DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO PEDRO Professores: Dra. Luciana Alves

Leia mais

A auditoria de contas hospitalares

A auditoria de contas hospitalares Questão D-a A auditoria de contas hospitalares A) É necessária na saúde suplementar, mas não é necessária no SUS B) É necessária no SUS, mas não é necessária na saúde suplementar C) Tem como finalidade

Leia mais

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à PEDIATRIA da FUSAM, compreendendo as seguintes funções:

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à PEDIATRIA da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: ANEXO I DO OBJETO Descrição da Prestação de Serviços relacionados à PEDIATRIA da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: 1) Os serviços deverão ser prestados nas dependências da Fundação por profissionais

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Município de Caxias do Sul

Estado do Rio Grande do Sul Município de Caxias do Sul DECRETO Nº 16.627, DE 19 DE AGOSTO DE 2013. Define os exemplos de atribuições dos cargos de Arquiteto, Assistente Social, Contador, Enfermeiro, Fonoaudiólogo e Odontólogo, criado pela Lei Complementar

Leia mais

Manual do Prestador. Versão 1.0 Maio/2014. Manaus - Amazonas ANS Nº 38809-2 1

Manual do Prestador. Versão 1.0 Maio/2014. Manaus - Amazonas ANS Nº 38809-2 1 Manual do Prestador Versão 1.0 Maio/2014 Manaus - Amazonas 1 SUMÁRIO Apresentação... 3 1. Identificação do beneficiário...3 2. Atendimento ao beneficiário... 4 2.1. Requisitos para o atendimento... 4 2.2.

Leia mais

1. Normas Brasileiras de Contabilidade - Brasil. 2. Auditoria Interna. 3. Auditor Interno. I. Título.

1. Normas Brasileiras de Contabilidade - Brasil. 2. Auditoria Interna. 3. Auditor Interno. I. Título. PUBLICAÇÃO DO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE SAS Quadra 5 Bloco J - Ed. CFC Fone: (61) 3314 9600 / Fax: (61) 3322 2033 CEP: 70070-920 Brasília DF Site: www.cfc.org.br E-mail: cfc@cfc.org.br Edição eletrônica

Leia mais

MANUAL DO CREDENCIADO

MANUAL DO CREDENCIADO MANUAL DO CREDENCIADO MANUAL DO CREDENCIADO APRESENTAÇÃO Prezado (a) Doutor (a): A ORAL ODONTO é uma empresa criada e administrada por profissionais dentistas que se dedicam a oferecer os melhores recursos

Leia mais

Regimento como elaborar

Regimento como elaborar PGQ - Programa Gestão com Qualidade d Sistema 4 - Oficina Melhores Práticas Oficina i 1 Regimento como elaborar Facilitador Dr.Sérgio Luz sergiol@webcorensp.org.br Apresentação PGQ Programa Gestão com

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DA ASSEFAZ TISS TROCA DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE SUPLEMENTAR VERSÃO 2

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DA ASSEFAZ TISS TROCA DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE SUPLEMENTAR VERSÃO 2 MANUAL DE ORIENTAÇÃO DA ASSEFAZ TISS TROCA DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE SUPLEMENTAR VERSÃO 2 1 Brasília/DF - 2007 1. Introdução A meta deste trabalho é estruturar e auxiliar no correto preenchimento das Guias

Leia mais

RESOLUÇÃO CFO-20/2001

RESOLUÇÃO CFO-20/2001 16 de agosto de 2001 RESOLUÇÃO CFO-20/2001 Normatiza Perícias e Auditorias Odontológicas em Sede Administrativa. O Conselho Federal de Odontologia, no uso de suas atribuições que lhe confere a Lei nº 4.324,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFO-20 /2001

RESOLUÇÃO CFO-20 /2001 RESOLUÇÃO CFO-20 /2001 Normatiza Perícias e Auditorias Odontológicas em Sede Administrativa. O Conselho Federal de Odontologia, no uso de suas atribuições que lhe confere a Lei nº 4.324, de 14 de abril

Leia mais

UNIDAS. Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014

UNIDAS. Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014 UNIDAS Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014 Saúde no Brasil Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado,

Leia mais

Manual de Reembolso. Para ter acesso a este benefício, fique atento às dicas a seguir. 2ª edição

Manual de Reembolso. Para ter acesso a este benefício, fique atento às dicas a seguir. 2ª edição Manual de Reembolso 2ª edição Você sabia que quando não utiliza os serviços da rede credenciada do Agros, seja por estar fora da área de cobertura do plano de saúde ou por opção, pode solicitar o reembolso

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA Nº 847/2008 (atualizada até a Resolução de Mesa nº 951, de 3 de novembro de 2009) Regulamenta a

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

SAÚDE CONNECT 3.001 FATURAMENTO

SAÚDE CONNECT 3.001 FATURAMENTO SAÚDE CONNECT 3.001 FATURAMENTO FATURAMENTO - PRESTADOR... 3 1. DIGITAR GUIAS... 3 1.1 GUIA DE CONSULTA... 3 1.2 GUIA DE SP/SADT... 8 1.3 GUIA DE HONORÁRIOS... 17 1.4 RESUMO DE INTERNAÇÃO... 23 1.5 GUIA

Leia mais

1001 NÚMERO DA CARTEIRA INVÁLIDO 16/11/2006 16/11/2006 1002 NÚMERO DO CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE INVÁLIDO 16/11/2006 16/11/2006

1001 NÚMERO DA CARTEIRA INVÁLIDO 16/11/2006 16/11/2006 1002 NÚMERO DO CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE INVÁLIDO 16/11/2006 16/11/2006 1001 NÚMERO DA CARTEIRA INVÁLIDO 16/11/2006 16/11/2006 1002 NÚMERO DO CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE INVÁLIDO 16/11/2006 16/11/2006 1003 A ADMISSÃO DO BENEFICIÁRIO NO PRESTADOR OCORREU ANTES DA INCLUSÃO DO BENEFICIÁRIO

Leia mais

Relacionamento entre Operadoras e Prestadores

Relacionamento entre Operadoras e Prestadores Relacionamento entre Operadoras e Prestadores Ciclo de Debates GV Saúde 18.outubro.2006 João Alceu Amoroso Lima Vice Presidente SulAmérica Saúde 1. Panorama de Mercado 2. Ações A SulAmérica - Curto/Médio/Longo

Leia mais

1001 NÚMERO DA CARTEIRA INVÁLIDO 16/11/2006 16/11/2006

1001 NÚMERO DA CARTEIRA INVÁLIDO 16/11/2006 16/11/2006 1001 NÚMERO DA CARTEIRA INVÁLIDO 16/11/2006 16/11/2006 1002 NÚMERO DO CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE INVÁLIDO 16/11/2006 16/11/2006 A ADMISSÃO DO BENEFICIÁRIO NO PRESTADOR OCORREU ANTES DA INCLUSÃO 1003 DO BENEFICIÁRIO

Leia mais

NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013.

NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013. NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013. Assessoria da Presidência Assessoria técnica Grupo de consultores ad hoc Conselho Federal de

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

PROCESSO CONSULTA Nº 10/2014 PARECER CONSULTA Nº 04/2015

PROCESSO CONSULTA Nº 10/2014 PARECER CONSULTA Nº 04/2015 PROCESSO CONSULTA Nº 10/2014 PARECER CONSULTA Nº 04/2015 Solicitantes: DR. M. L. B. CRM/GO XXXX Conselheiro Parecerista: DR. PAULO ROBERTO CUNHA VENCIO Assunto: RESPONSABILIDADE ÉTICA E LEGAL DE PROFESSOR

Leia mais

FONTE: Comissão de Estudos de Auditoria Interna do Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul

FONTE: Comissão de Estudos de Auditoria Interna do Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul AULA 02 Prof. Ailton Azevedo M. da Nóbrega Disciplina: AUDITORIA Turma: 6 CCN 2011.02 AUDITORIA INTERNA CONCEITO: É um controle gerencial que funciona por meio de medição e avaliação da eficiência e eficácia

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O estágio

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

ROTEIRO. Normatização - RN 305. Plano de Trabalho FUNDAFFEMG. Estudo de caso FUNDAFFEMG.

ROTEIRO. Normatização - RN 305. Plano de Trabalho FUNDAFFEMG. Estudo de caso FUNDAFFEMG. ROTEIRO Normatização - RN 305. Plano de Trabalho FUNDAFFEMG. Estudo de caso FUNDAFFEMG. Resolução Normativa nº 305, de 09/10/2012 Encontra-se em vigência, desde 01 de maio de 2013 a versão 3.00.01 que

Leia mais

AUDITORIA EM SAÚDE E ATRIBUIÇÕES DO ENFERMEIRO AUDITOR AUDITING IN HEALTH AND ASSIGNMENTS OF THE NURSE AUDITOR

AUDITORIA EM SAÚDE E ATRIBUIÇÕES DO ENFERMEIRO AUDITOR AUDITING IN HEALTH AND ASSIGNMENTS OF THE NURSE AUDITOR AUDITORIA EM SAÚDE E ATRIBUIÇÕES DO ENFERMEIRO AUDITOR AUDITING IN HEALTH AND ASSIGNMENTS OF THE NURSE AUDITOR Patrícia Lopes de Freitas Siqueira Bacharel em Enfermagem pela Faculdade de Ciências Biomédicas

Leia mais