PERFIL DOS PROFESSORES DE ENSINO MÉDIO PROFISSIONALIZANTE EM ENFERMAGEM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERFIL DOS PROFESSORES DE ENSINO MÉDIO PROFISSIONALIZANTE EM ENFERMAGEM"

Transcrição

1 PERFIL DOS PROFESSORES DE ENSINO MÉDIO PROFISSIONALIZANTE EM ENFERMAGEM PROFILE OF NURSING TEACHERS ENGAGED IN SECONDARY SCHOOL S PROFESSIONAL EDUCATION Greicelene Ap. H. Bassinello * Eliete Maria Silva ** RESUMO: O presente trabalho permitiu, a partir do conceito de análise sociológica das profissões, caracterizar o perfil e analisar as condições de trabalho do enfermeiro no exercício da docência. Este estudo configurou-se como descritivo de abordagem quantitativa, realizado em 2002, com 81 enfermeiros-docentes de ensino de nível médio de Piracicaba, São Paulo. Verificou-se a presença de um expressivo contingente de trabalhadores na faixa etária de 40 a 49 anos, a predominância do sexo feminino, com a maioria dos docentes casados. O modelo de contratação predominante foi o temporário, com uma jornada de até 20 horas semanais no ensino, que viabilizou a estratégia do multi-emprego, com predominância dos que trabalhavam em escola e hospital. A docência é atividade secundária para mais da metade dos participantes da pesquisa. Conclui-se que os enfermeiros-docentes investem em sua capacitação, apesar das dificuldades encontradas: reduzido reconhecimento e status profissional, baixos salários, perspectiva limitada de progressão na carreira e falta de condições e infra-estrutura na realização do seu trabalho. Palavras-chave: Docente de enfermagem; enfermagem; ensino; recurso humano. ABSTRACT: The present study allowed us to characterize the profile of nurses working in the exercise of teaching and to analyze their working conditions, from the concept of sociological analysis of the professions. It is a descriptive study of a quantitative approach, accomplished in 2002 with 81 nurses working as teachers in secondary schools, at Piracicaba, São Paulo. An expressive contingent of these workers was at the early and late forties, the majority being females and married. The predominant pattern of hiring was the temporary one. The work journey was up to twenty hours of teaching per week; this fact allowed for the multi-work strategy, mainly the simultaneous work in schools and hospitals. Teaching was the secondary activity for more than half of the participants in the research. We concluded the those nurse-teachers used to invest in their self training, in spite of the difficulties encountered: low professional recognition and status, low wages, short perspective of progression in the career, and lack of conditions and of infrastructure for he accomplishment of their job. Keywords: Nursing teacher; nursing; secondary education; human resource. INTRODUÇÃO A profissionalização dos trabalhadores de nível médio na área de enfermagem começou a se intensificar a partir de 1986, com a publicação da Lei nº 7498, que regulamenta o exercício profissional 1. Devido à necessidade de qualificação para atuar na área de enfermagem, acentuou-se a abertura de cursos por parte de diversas escolas de âmbito público e privado, o que demanda um corpo docente preparado. A atuação na docência em nível médio nos trouxe crescimento e indagações quanto à prática pedagógica do enfermeiro. Surgiu, assim, a questão norteadora para este estudo: Quem são os enfermeiros que atuam no ensino médio profissionalizante? Entre as áreas da atuação do enfermeiro, a docência em ensino médio implica alguns aspectos críticos na formação adequada do profissional, destacando-se a ausência de preparação pedagógica dos professores, o reduzido salário (que acarreta desinteresse e falta de investimento em atualização profissional), mais o acúmulo de atividades de trabalho, relegando a docência à função secundária 2. p.76 R Enferm UERJ 2005; 13:76-82.

2 Bassinello GAH, Silva EM Para Bomfim e Torrez 3, ensinar não é a atividade principal do enfermeiro, em virtude da variedade de determinantes, incluindo o modelo educacional e assistencial que se instalou no país, e a desvalorização da formação pedagógica. Muitos professores negam-se, então, a participar de qualquer projeto de formação pedagógica ou aperfeiçoamento na área. Boa parte da responsabilidade pelo descaso com essa necessária preparação deveu-se ao fato de as escolas nem sempre valorizarem o professor no desempenho de suas funções pedagógicas. Estudo realizado por Duarte 4, no município do Rio de Janeiro, revela que a absorção pelo mercado, na década de 80, dos licenciados em enfermagem foi inexpressiva, devido principalmente à ausência de contrato de trabalho, má remuneração e incompatibilidade entre o nível de expectativa e a experiência profissional. As vagas no mercado de trabalho eram preenchidas por enfermeiros sem a devida formação pedagógica e/ou outros profissionais sem licenciatura. O interesse pela pesquisa visando o enfermeiro-docente e seu trabalho no ensino profissionalizante vem da necessidade de conhecer melhor esse profissional e abordar aspectos relevantes da situação atual da enfermagem em nível médio, que vem sofrendo evidente expansão. Contudo, ao procedermos à revisão de literatura, observamos que muito pouco foi escrito sobre o assunto. A sociologia das profissões foi o referencial teórico encontrado para o desenvolvimento do presente trabalho, fundamentado nas relações entre a formação profissional, o mercado de trabalho e o contexto em que a profissão é desenvolvida, sob a influência do avanço tecnológico ou inovações no mundo das profissões. Dentro dessa perspectiva, apreende-se as forças estruturais e sociais que modelam e constituem as profissões, que se diferenciam pela sua situação no mercado de trabalho 5. Segundo Rabelo 6, perfil é uma característica que aponta para recorte, isto é, para distinção em relação a outros profissionais, mas, ao mesmo tempo, remete à identidade dentro da própria categoria profissional, ao indagar: quem somos nós no mundo do trabalho? Delimitamos a área de nosso estudo a uma região do Estado de São Paulo, abrangendo professores-enfermeiros envolvidos no ensino médio profissionalizante em enfermagem. São objetivos desta pesquisa: caracterizar o perfil desse profissional segundo variáveis relacionadas aos aspectos sociodemográficos, formação profissional, mercado de trabalho, acesso a informações científicas e analisar as condições do exercício da docência. METODOLOGIA O presente trabalho é um estudo descritivo, de abordagem quantitativa, contemplando 16 escolas públicas e privadas que oferecem cursos de auxiliar e técnico de enfermagem na região de Piracicaba. Dessas escolas, sete são públicas e nove, particulares. Inicialmente, solicitamos ao Conselho Regional de Enfermagem 7 (COREN SP) uma relação das escolas de ensino médio de enfermagem na região e, após o recebimento da listagem, efetuamos o contato por telefone com os responsáveis por cada escola, para obtermos informações como confirmação de endereço, responsabilidade técnica e número de docentes na instituição. A coleta de dados foi feita no período de fevereiro a março de Entregamos os questionários aos responsáveis técnicos das escolas, que os distribuíram aos docentes. Retornamos após duas semanas para buscar os questionários respondidos. Da população total constituída por 138 enfermeiros-docentes, recebemos 81 (76,4%) questionários preenchidos, já que 32 professores ministravam aula em duas escolas e responderam apenas um questionário, não caracterizando, assim, duplicidade nas respostas; 25 professores não efetuaram a devolução do instrumento de coleta. Contamos, então, com uma amostra representativa de 81 (76,4%) sujeitos. A região de Piracicaba está inserida nas 24 Direções Regionais de Saúde de São Paulo, pertencentes à estrutura da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, reorganizadas administrativamente a partir de São 25 municípios, englobando habitantes, segundo censo de 1999 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O questionário para a coleta de dados continha 20 questões abertas e fechadas, compreendendo: identificação do profissional (dados demográficos: idade, sexo e estado civil), formação profissional e pedagógica, mercado de trabalho, acesso a informações técnico-científicas, tempo de docência, grau de realização no magistério e motivo que o levou à docência. R Enferm UERJ 2005; 13: p.77

3 Para validação do instrumento de pesquisa, o pré-teste foi aplicado em outra amostra de 14 enfermeiros que trabalhavam no ensino médio profissionalizante, dos quais quatro trabalham na Escola Técnica Municipal de Paulínia e 10 em uma escola particular do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC), no município de Itapira. O questionário foi aplicado a todos aqueles que concordaram em participar deste estudo, mediante assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, dirigido ao respondente, com explicações sobre o objetivo do trabalho, após aprovação do projeto da pesquisa pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Os dados obtidos para caracterização da população foram analisados de forma descritiva e apresentados através de números absolutos e relativos quanto a cada uma das variáveis estudadas. O programa utilizado como banco de dados foi o EPI-INFO (Versão 6.0) e a análise estatística foi executada através do Statistical Analysis System for Windows - SAS, com o auxílio da Comissão de Pesquisa e Estatística da FCM - UNICAMP. RESULTADOS E DISCUSSÃO Observamos maior concentração de docentes na faixa etária entre 40 e 49 anos, totalizando 53,1%. Na faixa entre 30 e 39 anos, encontram-se 37% dos docentes e na faixa mais jovem (até 29 anos) encontram-se 7,4%. Somente 2,5% dos docentes estavam na faixa dos 50 anos e mais. Os dados relativos à distribuição de docentes por sexo confirmam a predominância do sexo feminino (95,1%) - característica peculiar da profissão e um contingente de apenas 4,9% participantes do sexo masculino. Ficou então corroborada a hegemonia feminina conforme apresentada no relatório do Conselho Federal de Enfermagem e Associação Brasileira de Enfermagem - COFEN/ABEn (1982/1983) envolvendo 94,1% de enfermeiros do sexo feminino, contra 5,6% do masculino 8. Observa-se, na análise em relação ao estado civil, o aumento da porcentagem de mulheres casadas, o que denota uma variação em relação a estudos anteriores. No relatório COFEN/ABEn, de 1982/1983, do total da população de enfermeiros estudados, 45,7% eram solteiros; 47,7%, casados; 2,0%, viúvos e 4,4%, separados, havendo, portanto, um aumento da proporção de casados. Esse aumento acentuou-se ainda mais no início do século XXI, conforme constatamos em nossa pesquisa, com a identificação de 76,5% de profissionais casados. Foram encontrados 14,8% solteiros, 4,9% divorciados, 2,5% separados e 1,2% viúvos. Para analisar o tempo de formados, foi tomada como base uma classificação proposta por Machado 9 em estudo da vida profissional do médico, decomposta em cinco fases, a saber: adentrando a vida profissional: jovens com menos de 30 anos, com até 4 anos de formado; afirmando se no mercado: com 5 a 9 anos de formação; consolidandose na vida profissional: com 10 a 24 anos de formação; desacelerando as atividades: com 50 a 59 anos de idade, há mais de 25 anos no mercado; e paralisando a vida profissional: com mais de 35 anos de formação. Comprovamos que, em relação ao tempo de formação profissional, 69,1% dos enfermeiros participantes da pesquisa se encontram consolidando sua vida profissional, isto é, entre 10 e 24 anos de conclusão dos cursos, enquanto 16% estão na fase de afirmação no mercado de trabalho; 13,6 % estão iniciando sua vida profissional;1,2 % desacelerando suas atividades profissionais e nenhum dos participantes paralisando a vida profissional. Em relação ao tempo de docência em enfermagem, há uma pequena inversão dos dados, sendo que 43,2% encontram-se em fase de iniciação de sua vida profissional, 40,7% encontram-se em fase de consolidação de sua vida profissional e 16% em fase de afirmação no mercado de trabalho. Verificou-se que 79% dos participantes freqüentaram alguma modalidade de cursos de atualização profissional, destacando-se os de especialização em enfermagem. Quanto às modalidades de formação - pós-graduação stricto sensu, cinco enfermeiros possuem mestrado, sendo dois em enfermagem e três na área de educação. Percebe-se, pelos resultados, que os enfermeiros-docentes respondentes investem na sua capacitação, uma vez que possuem uma ou mais titulações, o que enriquece a educação profissional continuada em enfermagem. Dos participantes da pesquisa, 51,85% possuem curso de Licenciatura em Enfermagem e 48,15% não possuem formação pedagógica e obtêm, através das Delegacias de Ensino, autorização provisória para ministrarem aulas. p.78 R Enferm UERJ 2005; 13:76-82.

4 Bassinello GAH, Silva EM A Faculdade de Enfermagem de Araras (UNIARARAS), instalada na região, já oferecia, desde meados de 1980 até 2002, a opção da Licenciatura integrada com o bacharelado, o que deve justificar o atual cenário de formação docente na região. Entretanto, essa constatação pode não refletir a realidade de formação docente nas demais regiões do estado e do país. A preocupação com a busca de um caminho para sanar as dificuldades encontradas na formação pedagógica do enfermeiro tem sido demonstrada pelo Projeto de Profissionalização dos Trabalhadores na Área de Enfermagem (PROFAE), através de sua proposta de capacitação dos enfermeiros - docentes para atuação no ensino médio. As contradições do mercado de trabalho e as instituições educacionais têm provocado distorções no exercício da docência, quando autorizam o enfermeiro a ministrar aulas, mesmo sem formação pedagógica. Entendemos que questões que envolvem o ensino-aprendizagem têm a ver com a formação do professor, que é o elo entre a teoria e a prática dessa atividade. Em nosso trabalho, verificou se que 39,5 % dos participantes estão submetidos a contrato de trabalho por tempo indeterminado e 12,5% por tempo determinado - contratos temporários ou por serviços prestados, a forma mais comum de contratação de escolas particulares e uma das formas de contratação estadual: a admissão em caráter temporário (ACT), em que o docente é contratado sem concurso público para suprir deficiências de pessoal. Faz-se necessário citar que 23 (28,4%) participantes da pesquisa estão submetidos ao regime da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), modelo característico de contratação das escolas técnicas estaduais vinculadas ao Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza. Para Angerami e Correia 10, as transformações ocorridas no mercado de trabalho, atualmente chamadas reestruturação produtiva ou acumulação flexível, trouxeram uma tendência de empregar cada vez mais uma força de trabalho que entra facilmente no mercado e é demitida sem custos. Observamos em nossa pesquisa que 53% dos docentes se submetem a contratos temporários de trabalho, o que comprova a citação anterior. Na docência de ensino médio, principalmente nas escolas privadas, os professores são contratados mediante poucas exigências e demitidos sem receberem direitos adicionais, como férias, décimo terceiro salário e fundo de garantia. Outra forma de contratação mencionada na pesquisa foi aquela por módulos, isto é, o professor é contratado para ministrar algumas disciplinas ou estágios, que são distribuídos através de módulos seqüenciais, o que caracteriza também o contrato temporário. Também observamos que 18,5% dos respondentes são efetivos, uma das características das escolas públicas, cujos profissionais são admitidos mediante concurso. Os docentes são admitidos de duas formas na educação estadual: uma, em caráter efetivo, por meio de concurso público com provas e títulos e outra, em caráter temporário (ACT), sem nenhum processo seletivo com provas de conhecimento ou habilidade 11. A carga horária semanal dedicada à docência prevalecente em nossa pesquisa é de até 20 horas semanais para um total de 48,1% dos participantes, seguida de 30 a 40 horas semanais (29,6%); 19,8% trabalham de 20 a 30 horas semanais e somente 2,5%, mais de 40 horas semanais. A jornada integral de trabalho docente tem duração de 40 horas aulas semanais; a completa, 30 horas aulas semanais e a jornada parcial de trabalho, 20 horas semanais. Os dados apontam que 67,9% dos profissionais possuem dois empregos, 23,5% dedicam-se apenas à docência e 8,6% possuem três vínculos empregatícios. A característica de múltiplos empregos denota o advento da diversidade e heterogeneidade dos postos de trabalhos atuais e as formas flexíveis de trabalho no setor. Vale mencionar o aumento dos contratos temporários, revelando a possibilidade de crescimento da rotatividade da força de trabalho empregada. Verifica-se que a maior parte dos professores (40,7%) trabalha em escola e hospital; 28,4% em escola e saúde pública; 22,2% só atuam em escolas; 3,7% em escola, hospital e saúde pública e 4,9% em outros tipos de instituição, ligadas a consultoria em enfermagem; instituição particular; empresa própria de enfermagem domiciliar, e enfermagem domiciliar. A docência é atividade secundária para a maioria (51,9%) dos enfermeiros-docentes participantes da pesquisa; para 46,9% é atividade principal e para 1,2% tem outra ordem de importân- R Enferm UERJ 2005; 13: p.79

5 cia, que foi justificada como atividade em que é dedicada menor carga horária, mas que não é de menor importância. Aplicamos a terminologia atividade principal, com base em Nóvoa 12 que a caracteriza como exercício em tempo integral ou quando o profissional só se dedica ao ensino, não o considerando uma atividade passageira, mas um trabalho importante na sua vida profissional. Entendemos que lecionar não é a principal atividade do enfermeiro-docente de nível médio profissionalizante em enfermagem; pode ser até a mais gratificante, porém parte da amostra investigada trabalha em hospitais, postos de saúde e conta com a área educacional para aumentar seus rendimentos. Dos pesquisados, a maioria (67,9%) nunca participou de nenhum tipo de pesquisa, enquanto 32,1% o fizeram. Esse dado nos parece peculiar, pois há pouca produção de conhecimento em nível médio profissionalizante em enfermagem. Verifica-se que também a maioria (75,3%) dos respondentes participou de eventos ligados à sua área, como: jornadas e congressos (50,8%), cursos (23%) seminários, reuniões e palestras (9,8%), campanhas de Prevenção da Hipertensão, Diabetes e AIDS (8,2%) e outros (8,2%). Os dados revelam que a maior parte dos enfermeiros (90,1%) possui conhecimento de informática e acesso à Internet, enquanto 9,9% não se movimentam nesse sentido. Não exploramos, na aplicação do questionário, se o uso do computador ou Internet tem relação com melhor desempenho do trabalho pedagógico. CONCLUSÕES A visão tecnicista que norteou o ensino no Brasil durante várias décadas reduziu bastante a atuação do professor, principalmente nos programas de qualificação profissional de nível médio de enfermagem. Hoje, com as alterações ocorridas no mundo da produção, a questão do conhecimento e formação profissional implica novamente a articulação da educação com as questões referentes à empregabilidade, agravante que se impõe na prática docente 13. Ao traçarmos o perfil do enfermeiro-docente na região de Piracicaba, em um nível micro de observação e análise, com base no modelo analítico da sociologia das profissões 5,9, percorremos uma trajetória que nos permitiu verificar o perfil demográfico com a presença de um expressivo contingente de trabalhadores na faixa etária de 40 a 49 anos, o que aponta para o envelhecimento da categoria e acompanha a transição demográfica da população, além da predominância do sexo feminino e maioria de docentes casadas, contribuindo para o orçamento familiar. As reflexões sobre a formação profissional apontaram para questões como: qual a real competência do enfermeiro credenciado para o exercício profissional dentro das especificações necessárias para a docência? Nessa perspectiva e à luz da sociologia das profissões, a inserção do enfermeiro no campo de trabalho da docência necessita da construção de um campo de conhecimento e técnicas próprias da profissão docente, mais a organização de normas e valores pautados nessa atividade. As leis que regulamentaram o ensino e o exercício da enfermagem profissional no país enfocam como atribuições do enfermeiro a participação no ensino, em escolas de enfermagem e auxiliar de enfermagem, treinamento de pessoal em serviço e atividades extra-escolares. Ao mesmo tempo, a legislação pertinente à formação de professores abriu brechas para que, onde não houvessem licenciados, outros docentes de áreas específicas pudessem, em caráter provisório, assumir as atividades pedagógicas, com as delegacias de ensino emitindo autorização para tanto. Nesse sentido, o que deveria ser provisório se perpetua com a renovação anual dessa autorização precária 14. Analisando a situação concreta das condições de trabalho de docentes em nível médio de enfermagem, fica evidente um mercado em crescente expansão, porém oferecendo contratos temporários que constituem opções secundárias de trabalho para os docentes, o que faz com que muitos dos enfermeiros se afastem dos projetos de formação adequada dessa área. Outro aspecto importante que devemos considerar é a atual estrutura dos cursos de licenciatura, longe de oferecer subsídios de que o enfermeiro precisa para se instrumentalizar no exercício das atividades de ensino, principalmente em relação às matérias específicas dos cursos profissionalizantes. O curso superior de enfermagem tem sido objeto de constantes análises e avaliações quanto às diretrizes e bases de formação profissional e estudiosos de enfermagem movimentaram-se no sentido de inserir o enfermeiro p.80 R Enferm UERJ 2005; 13:76-82.

6 Bassinello GAH, Silva EM generalista nessa frente de trabalho: docentes de nível médio de enfermagem 15. Em comparação a estudo anterior 2 sobre corpo docente de nível médio profissionalizante, não encontramos profissionais de nível médio de enfermagem e profissionais de áreas distintas da enfermagem atuando como docentes. Os achados apontam uma preocupação com a formação contínua e a formação pedagógica se mostrou, mesmo que parcialmente presente, o que denota interesse pelo desenvolvimento de serviços especializados ou expertise profissional, pontos fundamentais para qualquer projeto profissional. Concluímos que o estudo que desenvolvemos nos forneceu algumas respostas a questões referentes ao cotidiano do enfermeiro-docente. Na visão de Angerami e Correia 16, a enfermagem é plural e o profissional opta por um caminho frente à profissão e à sua prática. Se não houver a aceitação dessa multiplicidade, a enfermagem se fecha e não progride. É a vivência de ser enfermeiro e ser docente que nos leva a enfocar a caracterização do perfil do professor, procurando conhecer o espaço social em que esse profissional está inserido. Neste momento, acreditamos ser necessário aprofundar o processo de conhecer a realidade da formação profissional em nível médio de enfermagem, uma vez que poucos são os estudos nessa área. Ao refletir sobre a formação profissional, é preciso resgatar os processos de ensinoaprendizagem, bem como a enfermagem nele inserida, estimulando mudanças. Na preocupação com novos rumos, é importante estudar as condições concretas de trabalho docente e a formação pedagógica do enfermeiro, para então investir nos meios para a valorização dos cursos de formação profissional. REFERÊNCIAS 1. Vieira ALS, Oliveira ESA. A equipe de enfermagem no mercado de trabalho em saúde do Brasil. Saúde em Debate 2001; 25: Santos LHP. Vivendo em constante conflito: o significado da prática docente no ensino médio de enfermagem [dissertação]. Ribeirão Preto (SP): Escola de Enfermagem da USP; Bomfim MIRM, Torrez MNFB. A formação do formador no PROFAE: refletindo sobre uma proposta na área de enfermagem. Formação/ Ministério da Saúde 2002; 4: Duarte MJRS. Formação pedagógica do enfermeiro para o ensino de nível médio. Rev Enferm UERJ 2001; 9: Machado MH. Profissões de saúde: uma abordagem sociológica. Rio de Janeiro: Fiocruz; Rabelo MAM. Sobre os determinantes do perfil profissional: o caso da enfermagem. In: Anais do Seminário da região sudeste sobre perfil e competência do enfermeiro e o currículo mínimo para a graduação em enfermagem; 1988 nov 17-19; São Paulo, Brasil. São Paulo: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico; p Conselho Regional de Enfermagem (SP). Relação das escolas de enfermagem de nível médio. Disponível em: br. Acesso em 25 jun Conselho Federal de Enfermagem, Associação Brasileira de Enfermagem. O exercício da enfermagem nas instituições de saúde no Brasil. Rio de Janeiro: COFEN; Machado MH. Os médicos no Brasil: um retrato da realidade. Rio de Janeiro: Fiocruz; Angerami ELS, Correia FA. A modernidade na formação do enfermeiro: aspectos acadêmicos. In: Anais do Encontro Nacional de Escolas de Enfermagem; 1996 jul 24-24; São Paulo, Brasil. São Paulo: Universidade Federal de São Paulo; p Souza NA. Sou professor, sim senhor: representações do trabalho docente. Campinas: Papirus; Nóvoa A. Profissão professor. Portugal (Po): Porto Editora; Catani AM, Oliveira JF, Dourado LF. Mudanças no mundo do trabalho e reforma curricular dos cursos de graduação no Brasil. XX Reunião da ANPEd, Caxambu; 2000.Caxambu (MG): ANPEd; Bagnato MHS. Licenciatura em enfermagem para que? [tese de doutorado] Campinas (SP): Universidade Estadual de Campinas; Dilly CML, Jesus MCP. Processo educativo em enfermagem: das concepções pedagógicas à prática profissional.são Paulo: Robe Editorial; Angerami ELS, Correia FA. Em que consiste a enfermagem. In: Anais do 1º Seminário Nacional sobre Perfil e a Competência do Enfermeiro; 1987 set/out 29-02; Brasília, Brasil. Brasília (DF): Universidade de Brasília; p.38. R Enferm UERJ 2005; 13: p.81

7 PERFIL DE LOS PROFESORES DE ENSEÑANZA MEDIA DE PROFESIONALIZACIÓN EN ENFERMERÍA RESUMEN: El presente trabajo permitió, partindo del concepto de análisis sociológico de las profesiones, caracterizar el perfil y analizar las condiciones de trabajo del enfermero en el ejercicio de la docencia. Este estudio se ha configurado descriptivo, de enfoque cuantitativo, realizado en 2002, con 81 enfermerosdocentes de enseñanza de nivel medio de Piracicaba-São Paulo-Brasil. Se ha verificado la presencia de un expresivo contingente de trabajadores en la franja etaria de 40 a 49 años, el predominio del sexo femenino, la mayoría de los docentes casados. El modelo de contratación predominante fue el trabajo temporal, con una jornada de 20 horas semanales en la enseñanza, lo que hizo factible la estrategia del multiempleo, principalmente para aquellos que trabajaban en escuelas y hospitales. La docencia es actividad secundaria para más de la mitad de los participantes de la encuesta. Se concluyó que los enfermeros-docentes invierten en su capacitación, a pesar de dificultades como reconocimiento pequeño y estatus profesional, sueldos bajos, perspectiva limitada de progresión en la carrera y falta de condiciones y de infraestructura en el cumplimiento de su trabajo. Palabras clave: Docente de enfermería; enfermería; enseñanza; recurso humano. Recebido em: Aprovado em: Notas * Enfermeira, Mestre em Enfermagem, Professora da Faculdade de Enfermagem do Centro Universitário Hermínio Ometto UNIARARAS. ** Enfermeira, Professora Doutora do Departamento de Enfermagem da Faculdade de Ciências Médicas da UNICAMP e Coordenadora do Curso de Graduação em Enfermagem da FCM-UNICAMP. p.82 R Enferm UERJ 2005; 13:76-82.

AS CONTRIBUIÇÕES DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO

AS CONTRIBUIÇÕES DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO AS CONTRIBUIÇÕES DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO EDILEUZA DE FREITAS MIRANDA DE MENDONÇA Universidade Estadual de Goiás (Brasil) Campus BR 153, Km 98, CEP: 75001-970

Leia mais

PERFIL DO ESTUDANTE DE ENFERMAGEM DO UNISALESIANO - LINS.

PERFIL DO ESTUDANTE DE ENFERMAGEM DO UNISALESIANO - LINS. PERFIL DO ESTUDANTE DE ENFERMAGEM DO UNISALESIANO - LINS. Jéssica Aparecida Gregório Ferreira (Acadêmica do Curso de Enfermagem), Lais Daniele Lourenço da Silva (Acadêmica do Curso de Enfermagem), Silvio

Leia mais

Graduação, a escolha entre licenciatura e bacharelado.

Graduação, a escolha entre licenciatura e bacharelado. Graduação, a escolha entre licenciatura e bacharelado. Vanessa Ferreira da Silveira Professora Orientadora Ileizi Fiorelli Silva Resumo: Neste texto pretendo discutir a separação entre Bacharelado e Licenciatura

Leia mais

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM Salete Beatriz Scheid 1 Neide Tiemi Murofuse 2 INTRODUÇÃO: Vivemos atualmente numa sociedade marcada pelas intensas e rápidas

Leia mais

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Amanda Pires Chaves Universidade de Sorocaba, Sorocaba/SP e-mail: amanda.pireschaves@gmail.com Maura Maria Morita Vasconcellos

Leia mais

A DIVULGAÇÃO DAS PESQUISAS DE DOCENTES DO DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

A DIVULGAÇÃO DAS PESQUISAS DE DOCENTES DO DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A DIVULGAÇÃO DAS PESQUISAS DE DOCENTES DO DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA Glauciane Marques de Assis Berteloni 1 ; Maria

Leia mais

TÍTULO: PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E ACADÊMICO DE DISCENTES DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR

TÍTULO: PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E ACADÊMICO DE DISCENTES DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR TÍTULO: PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E ACADÊMICO DE DISCENTES DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

Audiência Pública no Senado Federal

Audiência Pública no Senado Federal Audiência Pública no Senado Federal Comissão de Educação, Cultura e Esporte Brasília DF, 7 de maio de 2008 1 Audiência Pública Instruir o PLS n o 026 de 2007, que Altera a Lei n o 7.498, de 25 de junho

Leia mais

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 RESUMO Aila Catori Gurgel Rocha 1 Rosana de Sousa Pereira Lopes 2 O problema proposto

Leia mais

RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACULDADE POLITÉCNICA DE UBERLÃNDIA 2009-2010

RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACULDADE POLITÉCNICA DE UBERLÃNDIA 2009-2010 RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACULDADE POLITÉCNICA DE UBERLÃNDIA 2009-2010 UBERLÂNDIA, MG JANEIRO, 2011 1 Este relatório aqui apresentado foi elaborado pela Comissão Própria de Avaliação da Faculdade

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

PLANO DE CARREIRA DOCENTE

PLANO DE CARREIRA DOCENTE PLANO DE CARREIRA DOCENTE SOCIEDADE DE ENSINO SUPERIOR DE ARACRUZ FACULDADE CASA DO ESTUDANTE FACE (ENSINO SUPERIOR) 1 TÍTULO I DOS OBJETIVOS E SUAS FINALIDADES Art. 1 º - Estabelecer as regras do Plano

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Brasília DF 2009 SUMÁRIO LISTA DE TABELAS... 3 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa GESTÃO EDUCACIONAL INTEGRADA: Oferecendo 04 Habilitações: supervisão de ensino, orientação educacional, inspeção de ensino e administração escolar. JUSTIFICATIVA O Curso de Especialização em Gestão Educacional

Leia mais

Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você.

Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você. Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você. Educação a Distância Anhembi Morumbi Agora você pode estudar em uma universidade internacional

Leia mais

XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010

XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010 XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010 PERFIL DOS PROFESSORES-PESQUISADORES DOS CURSOS DA SAÚDE DE UMA UNIVERSIDADE CEARENSE Palavras-chave: Educação

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR DE 2009

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR DE 2009 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR DE 2009 Brasília DF 2010 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5 PROCESSO DE COLETA

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.755, DE 29 DE JANEIRO DE 2009. Institui a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica,

Leia mais

Secretaria de Tecnologia da Informação e da Comunicação Aplicadas à Educação

Secretaria de Tecnologia da Informação e da Comunicação Aplicadas à Educação Secretaria de Tecnologia da Informação e da Comunicação Aplicadas à Educação Processo Seletivo nº 001/2012, de 13 de março de 2012. 1. Das Disposições Preliminares A presente seleção de candidatos a Professores

Leia mais

Evolução das Matrículas por Modalidade 2000-2004 58.396 43.396 46.277 37.242 30.730

Evolução das Matrículas por Modalidade 2000-2004 58.396 43.396 46.277 37.242 30.730 Informe Técnico do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial APRESENTAÇÃO DESEMPENHO & OFERTA v.2, n.1, março de 25 Criado com o propósito de divulgar o comportamento do desempenho institucional no curto

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

APÊNDICE 1 QUESTIONÁRIO PARA O/A PROFESSOR/A DE GEOGRAFIA ENSINO MÉDIO

APÊNDICE 1 QUESTIONÁRIO PARA O/A PROFESSOR/A DE GEOGRAFIA ENSINO MÉDIO APÊNDICE 1 QUESTIONÁRIO PARA O/A PROFESSOR/A DE GEOGRAFIA MÉDIO Código: E P 1ª PARTE SEXO: ( ) FEMININO ( ) MASCULINO FAIXA ETÁRIA: ( ) menos de 25 anos de idade ( ) entre 26 e 35 anos de idade ( ) entre

Leia mais

QUADROS RESUMOS SÃO PAULO

QUADROS RESUMOS SÃO PAULO QUADROS RESUMOS SÃO PAULO Total de profissionais: 453.665 Enfermeiros: 105.438 Auxiliares e Técnicos de Enfermagem: 348.227 QUADRO RESUMO PERFIL SÓCIO ECONOMICO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM SÃO PAULO BLOCO

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO:

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Profissionais da educação: formação inicial e continuada 1.1. Implantar

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações.

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações. 24 CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE Profª Ms Angela Maria Venturini Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro/ISERJ RESUMO O Curso Normal Superior (CNS) do Instituto Superior de Educação

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 UMA ANÁLISE DA PERSPECTIVA DOS GRADUANDOS DO CURSO DE MATEMÁTICA DAS MODALIDADES DE LICENCIATURA E BACHARELADO DA UFRN SOBRE A FORMAÇÃO CONTINUADA STRICTO SENSU Claudianny Noronha Amorim Universidade Federal

Leia mais

AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1. FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1. FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL GLOSSÁRIO EDUCAÇÃO PROFISSIONAL SENAC DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL RIO DE JANEIRO NOVEMBRO/2009 AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Ações educativas destinadas ao desenvolvimento de competências necessárias

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Este regulamento, elaborado pela Coordenação do Curso de Ciências Econômicas da Universidade Metodista de São Paulo, tem por objetivo regulamentar o desenvolvimento

Leia mais

Sistema de Pontuação Docente. Sabrina Rodero Ferreira Gomes

Sistema de Pontuação Docente. Sabrina Rodero Ferreira Gomes Sistema de Pontuação Docente Maria Aparecida de Azevedo Martins Sabrina Rodero Ferreira Gomes 2011 PLANILHA DE PONTUAÇÃO FATORE S GRUPO 1 TITULAÇÃO/ATUALIZAÇÃO PONTO S MÁXIM OS A Técnico de Nível Médio;

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES?

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? Beatriz Francisco Farah E-mail:biafarah@nates.ufjf.br A questão da educação para profissionais

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

PERFIL E PERCEPÇÕES DE ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO SOBRE A EDUCAÇÃO SUPERIOR E TECNOLÓGICA

PERFIL E PERCEPÇÕES DE ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO SOBRE A EDUCAÇÃO SUPERIOR E TECNOLÓGICA PERFIL E PERCEPÇÕES DE ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO SOBRE A EDUCAÇÃO SUPERIOR E TECNOLÓGICA Resumo Ivanete Bellucci Pires de Almeida 1 - Fatec Tatuapé Aldo Pontes 2 - Fatec Indaiatuba Grupo de Trabalho Educação

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CEG/CEPG N.º 01/99

RESOLUÇÃO CONJUNTA CEG/CEPG N.º 01/99 RESOLUÇÃO CONJUNTA CEG/CEPG N.º 01/99 Dispõe sobre a aplicação das Leis n. 9.394/96 e n. 9.678/98, a periodização do ano letivo, a caracterização das disciplinas e dos requisitos curriculares complementares,

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

Com base nesses pressupostos, o objetivo deste estudo foi conhecer como vem se dando a inserção e a empregabilidade, nas empresas do Pólo Industrial

Com base nesses pressupostos, o objetivo deste estudo foi conhecer como vem se dando a inserção e a empregabilidade, nas empresas do Pólo Industrial Introdução Esta proposta de estudo insere-se na linha de pesquisa Trabalho, Gênero e Políticas Sociais do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da PUCRJ e buscou conhecer questões referentes à inserção

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999.

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. Regulamenta a Lei 9.786, de 8 de fevereiro de 1999, que dispõe sobre o ensino no Exército Brasileiro e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DA EDUCAÇÃO BÁSICA, TÉCNICA E TECNOLÓGICA Edital nº 19, de 27 de abril

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR NA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR NA MODALIDADE PRODUTO TÍTULO DO PROJETO: Consolidação da capacidade institucional com vistas a melhoria dos processos de monitoramento e avaliação dos programas de fomento voltados para a Educação Básica e para o Ensino Superior.

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DA CARREIRA DOCENTE CAPÍTULO I DO CORPO DOCENTE E SUAS ATIVIDADES

REGULAMENTAÇÃO DA CARREIRA DOCENTE CAPÍTULO I DO CORPO DOCENTE E SUAS ATIVIDADES REGULAMENTAÇÃO DA CARREIRA DOCENTE CAPÍTULO I DO CORPO DOCENTE E SUAS ATIVIDADES Artigo 1.º - O corpo docente da PUCPR é constituído pelo pessoal de nível superior que exerce atividades de ensino, pesquisa

Leia mais

REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU (Regimento aprovado pelo Conselho Deliberativo da Fiocruz em 28/08/2008) 1. Dos Objetivos 1.1. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) oferece programas de pós-graduação

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA PÓS-DOUTORADO PNPD/CAPES 2015

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA PÓS-DOUTORADO PNPD/CAPES 2015 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA PÓS-DOUTORADO PNPD/CAPES 2015 De ordem da Senhora Diretora do Centro de Pesquisas René Rachou (CPqRR), da Fundação Oswaldo Cruz

Leia mais

O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO

O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO Elisa Machado Matheussi elisa@rla01.pucpr.br Sirley Terezinha Filipak sirley@rla01.pucpr.br Pontifícia Universidade Católica do Paraná RESUMO Este estudo

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 Marta Luz Sisson de Castro PUCRS O Banco de Dados Produção do conhecimento na área de Administração da Educação: Periódicos Nacionais 1982-2000

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

Análise dos sistemas de educação superior no Brasil e em Portugal: o que apontam as políticas educacionais

Análise dos sistemas de educação superior no Brasil e em Portugal: o que apontam as políticas educacionais 1394 Análise dos sistemas de educação superior no Brasil e em Portugal: o que apontam as políticas educacionais X Salão de Iniciação Científica PUCRS Jonas Tarcisio Reis, Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP Alunos apontam melhorias na graduação Aumenta grau de formação dos professores e estudantes mostram que cursos possibilitam

Leia mais

O Plano nacional de Educação e a Expansão da Educação Superior

O Plano nacional de Educação e a Expansão da Educação Superior O Plano nacional de Educação e a Expansão da Educação Superior Luiz Cláudio Costa Brasília - novembro 2012 Contexto Indicadores de acompanhamento: taxa líquida: percentual da população de 18-24 anos na

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL

PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL SILVA, Régis Henrique dos Reis - NUPEFI/CEPAE/UFG SILVA, Sarah Maria de Freitas Machado - ESEFEGO/UEG

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Rio de Janeiro, 2003 CAPÍTULO I DOS CURSOS: MODALIDADES E OBJETIVOS Art. 1º. Em conformidade com o Regimento Geral de nos termos da Lei de Diretrizes e Bases da

Leia mais

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1.

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1. A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem como objeto de análise o processo de

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Cacoal RO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS

Leia mais

Comitê Gestor Institucional de Formação Inicial e Continuada de Profissionais do Magistério da Educação Básica

Comitê Gestor Institucional de Formação Inicial e Continuada de Profissionais do Magistério da Educação Básica Comitê Gestor Institucional de Formação Inicial e Continuada de Profissionais do Magistério da Educação Básica CHAMADA PÚBLICA PARA SELEÇÃO DE COORDENADOR PEDAGÓGICO PARA O CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe Sumário Título I Dos Cursos de Pós Graduação e suas finalidades...1 Título II Dos Cursos de Pós Graduação em Sentido Lato...1 Título III Dos Cursos de

Leia mais

DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC)

DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC) Escola de Enfermagem Wenceslau Braz DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC) INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico do Curso de Enfermagem da Escola de Enfermagem Wenceslau Braz (EEWB) da cidade

Leia mais

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho.

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho. 1 FORMAÇÃO, INSERÇÃO E ATUAÇÃO PROFISSIONAL NA PERSPECTIVA DOS EGRESSOS DE UM CURSO DE PSICOLOGIA. BOBATO, Sueli Terezinha, Mestre em Psicologia pela UFSC, Docente do Curso de Psicologia na Universidade

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

CRIAÇÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO

CRIAÇÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A B A H I A P r ó - R e i t o r i a d e E n s i n o d e G r a d u a ç ã o Palácio da Reitoria - Rua Augusto Viana s/n - Canela - 40.110-060 - Salvador Bahia E-mails:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS ANEXO A SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS COMPONENTES CURRICULARES PRÁTICAS DE ENSINO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação

Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação Pesquisa TIC Educação 2010 Coletiva de Imprensa Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação São Paulo, 09 de Agosto de 2011 CGI.br Comitê Gestor

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DO TRABALHO E EDUCAÇÃO NA SAÚDE 1- Introdução: contextualização a iniciativa O curso

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais

QUERO SER PROFESSOR UNIVERSITÁRIO: o interesse de licenciados em Educação Física

QUERO SER PROFESSOR UNIVERSITÁRIO: o interesse de licenciados em Educação Física QUERO SER PROFESSOR UNIVERSITÁRIO: o interesse de licenciados em Educação Física Susana Schneid Scherer 1 - IFSUL-RS Carmem Lucia Lascano Pinto - IFSUL- RS Resumo: Partindo da premissa de que a profissão

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL Ocilma Barros de Quental. Faculdade de Medicina do ABC(ocilmaquental2011@hotmail.com) Sheylla Nadjane Batista Lacerda.

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Regulação, supervisão e avaliação do Ensino Superior: Perguntas Frequentes. 1

Regulação, supervisão e avaliação do Ensino Superior: Perguntas Frequentes. 1 Regulação, supervisão e avaliação do Ensino Superior: Perguntas Frequentes. 1 1. Quais são os tipos de instituições de ensino superior? De acordo com sua organização acadêmica, as instituições de ensino

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Lourdes Passaura* RESUMO: Este artigo relata a experiência de um trabalho efetuado por meio do projeto de supervisão

Leia mais

1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Edital nº 09, de 22 de julho de 2014 Edital nº 09, de 22 de julho de 2014, da Universidade Federal de Pelotas UFPEL, referente ao processo seletivo simplificado, para a função temporária de TUTOR PRESENCIAL

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO GRANDENSES INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2010 17 05 2010

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO GRANDENSES INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2010 17 05 2010 O Diretor das Faculdades Integradas Campo Grandenses, no uso de suas atribuições regimentais e por decisão dos Conselhos Superior, de Ensino, Pesquisa, Pós Graduação e Extensão e de Coordenadores, em reunião

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS FATEC JUNDIAÍ 2009

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS FATEC JUNDIAÍ 2009 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS FATEC JUNDIAÍ 2009 Apresentação: O curso de Especialização em Gestão Estratégica de Negócios será oferecido em nível de pós-graduação, pela Faculdade

Leia mais

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Capítulo 3 Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Maria Inês Monteiro Mestre em Educação UNICAMP; Doutora em Enfermagem USP Professora Associada Depto. de Enfermagem

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 106, de 21 de dezembro de 2012

RESOLUÇÃO nº 106, de 21 de dezembro de 2012 RESOLUÇÃO nº 106, de 21 de dezembro de 2012 Dispõe sobre o processo de seleção interno de docentes para ministrar as disciplinas/módulos/unidade de aprendizagem ou educacional, constantes da estrutura

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO PARA REGULAMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO REGIME DE TRABALHO EM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DA UNEMAT RESOLUÇÃO Nº. - CONEPE

MINUTA DE RESOLUÇÃO PARA REGULAMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO REGIME DE TRABALHO EM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DA UNEMAT RESOLUÇÃO Nº. - CONEPE MINUTA DE RESOLUÇÃO PARA REGULAMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO REGIME DE TRABALHO EM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DA UNEMAT RESOLUÇÃO Nº. - CONEPE Regulamenta o regime de trabalho de Tempo Integral, em Dedicação Exclusiva

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO,

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, Juliana Cordeiro Soares Branco CEFET MG Juliana.b@ig.com.br OLIVEIRA, Maria Rita Neto Sales CEFET MG mariarita2@dppg.cefetmg.br

Leia mais

OS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO SINAES - DA IMPLANTAÇÃO DO SINAES AO FINAL DO SEGUNDO CICLO AVALIATIVO 2004/2012

OS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO SINAES - DA IMPLANTAÇÃO DO SINAES AO FINAL DO SEGUNDO CICLO AVALIATIVO 2004/2012 OS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO SINAES DA IMPLANTAÇÃO DO SINAES AO FINAL DO SEGUNDO CICLO AVALIATIVO 2004/2012 Profa. Ms. Fernanda de Cássia Rodrigues Pimenta UNICID 1 fernanda@educationet.com.br Prof.

Leia mais

Instrução Normativa xx de... 2014.

Instrução Normativa xx de... 2014. REGULAMENTO PARA AFASTAMENTO DE SERVIDORES DOCENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL PARA CAPACITAÇÃO EM PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU E PÓS-DOUTORADO

Leia mais

Programa de Capacitação

Programa de Capacitação Programa de Capacitação 1. Introdução As transformações dos processos de trabalho e a rapidez com que surgem novos conhecimentos e informações têm exigido uma capacitação permanente e continuada para propiciar

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA DA SAÚDE

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA DA SAÚDE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA DA SAÚDE Edital PPGPS Nº 01/2015 para Seleção de Candidatos ao PNPD 2015 PROCESSO

Leia mais

EDITAL Nº. 39 de 21 de setembro de 2012

EDITAL Nº. 39 de 21 de setembro de 2012 EDITAL Nº. 39 de 21 de setembro de 2012 A Reitora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina IF-SC, no uso de suas atribuições legais e nos termos da Lei nº. 8.745, de 09/12/93

Leia mais

Palavras-chave: Política de formação; Reformas educacionais; Formação de professores;

Palavras-chave: Política de formação; Reformas educacionais; Formação de professores; A POLÍTICA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARFOR: O PAPEL DOS FÓRUNS ESTADUAIS PERMANENTE DE APOIO A FORMAÇÃO DOCE Edinilza Magalhães da Costa Souza UFPA Resumo

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais