PERFIL DOS PROFESSORES DE ENSINO MÉDIO PROFISSIONALIZANTE EM ENFERMAGEM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERFIL DOS PROFESSORES DE ENSINO MÉDIO PROFISSIONALIZANTE EM ENFERMAGEM"

Transcrição

1 PERFIL DOS PROFESSORES DE ENSINO MÉDIO PROFISSIONALIZANTE EM ENFERMAGEM PROFILE OF NURSING TEACHERS ENGAGED IN SECONDARY SCHOOL S PROFESSIONAL EDUCATION Greicelene Ap. H. Bassinello * Eliete Maria Silva ** RESUMO: O presente trabalho permitiu, a partir do conceito de análise sociológica das profissões, caracterizar o perfil e analisar as condições de trabalho do enfermeiro no exercício da docência. Este estudo configurou-se como descritivo de abordagem quantitativa, realizado em 2002, com 81 enfermeiros-docentes de ensino de nível médio de Piracicaba, São Paulo. Verificou-se a presença de um expressivo contingente de trabalhadores na faixa etária de 40 a 49 anos, a predominância do sexo feminino, com a maioria dos docentes casados. O modelo de contratação predominante foi o temporário, com uma jornada de até 20 horas semanais no ensino, que viabilizou a estratégia do multi-emprego, com predominância dos que trabalhavam em escola e hospital. A docência é atividade secundária para mais da metade dos participantes da pesquisa. Conclui-se que os enfermeiros-docentes investem em sua capacitação, apesar das dificuldades encontradas: reduzido reconhecimento e status profissional, baixos salários, perspectiva limitada de progressão na carreira e falta de condições e infra-estrutura na realização do seu trabalho. Palavras-chave: Docente de enfermagem; enfermagem; ensino; recurso humano. ABSTRACT: The present study allowed us to characterize the profile of nurses working in the exercise of teaching and to analyze their working conditions, from the concept of sociological analysis of the professions. It is a descriptive study of a quantitative approach, accomplished in 2002 with 81 nurses working as teachers in secondary schools, at Piracicaba, São Paulo. An expressive contingent of these workers was at the early and late forties, the majority being females and married. The predominant pattern of hiring was the temporary one. The work journey was up to twenty hours of teaching per week; this fact allowed for the multi-work strategy, mainly the simultaneous work in schools and hospitals. Teaching was the secondary activity for more than half of the participants in the research. We concluded the those nurse-teachers used to invest in their self training, in spite of the difficulties encountered: low professional recognition and status, low wages, short perspective of progression in the career, and lack of conditions and of infrastructure for he accomplishment of their job. Keywords: Nursing teacher; nursing; secondary education; human resource. INTRODUÇÃO A profissionalização dos trabalhadores de nível médio na área de enfermagem começou a se intensificar a partir de 1986, com a publicação da Lei nº 7498, que regulamenta o exercício profissional 1. Devido à necessidade de qualificação para atuar na área de enfermagem, acentuou-se a abertura de cursos por parte de diversas escolas de âmbito público e privado, o que demanda um corpo docente preparado. A atuação na docência em nível médio nos trouxe crescimento e indagações quanto à prática pedagógica do enfermeiro. Surgiu, assim, a questão norteadora para este estudo: Quem são os enfermeiros que atuam no ensino médio profissionalizante? Entre as áreas da atuação do enfermeiro, a docência em ensino médio implica alguns aspectos críticos na formação adequada do profissional, destacando-se a ausência de preparação pedagógica dos professores, o reduzido salário (que acarreta desinteresse e falta de investimento em atualização profissional), mais o acúmulo de atividades de trabalho, relegando a docência à função secundária 2. p.76 R Enferm UERJ 2005; 13:76-82.

2 Bassinello GAH, Silva EM Para Bomfim e Torrez 3, ensinar não é a atividade principal do enfermeiro, em virtude da variedade de determinantes, incluindo o modelo educacional e assistencial que se instalou no país, e a desvalorização da formação pedagógica. Muitos professores negam-se, então, a participar de qualquer projeto de formação pedagógica ou aperfeiçoamento na área. Boa parte da responsabilidade pelo descaso com essa necessária preparação deveu-se ao fato de as escolas nem sempre valorizarem o professor no desempenho de suas funções pedagógicas. Estudo realizado por Duarte 4, no município do Rio de Janeiro, revela que a absorção pelo mercado, na década de 80, dos licenciados em enfermagem foi inexpressiva, devido principalmente à ausência de contrato de trabalho, má remuneração e incompatibilidade entre o nível de expectativa e a experiência profissional. As vagas no mercado de trabalho eram preenchidas por enfermeiros sem a devida formação pedagógica e/ou outros profissionais sem licenciatura. O interesse pela pesquisa visando o enfermeiro-docente e seu trabalho no ensino profissionalizante vem da necessidade de conhecer melhor esse profissional e abordar aspectos relevantes da situação atual da enfermagem em nível médio, que vem sofrendo evidente expansão. Contudo, ao procedermos à revisão de literatura, observamos que muito pouco foi escrito sobre o assunto. A sociologia das profissões foi o referencial teórico encontrado para o desenvolvimento do presente trabalho, fundamentado nas relações entre a formação profissional, o mercado de trabalho e o contexto em que a profissão é desenvolvida, sob a influência do avanço tecnológico ou inovações no mundo das profissões. Dentro dessa perspectiva, apreende-se as forças estruturais e sociais que modelam e constituem as profissões, que se diferenciam pela sua situação no mercado de trabalho 5. Segundo Rabelo 6, perfil é uma característica que aponta para recorte, isto é, para distinção em relação a outros profissionais, mas, ao mesmo tempo, remete à identidade dentro da própria categoria profissional, ao indagar: quem somos nós no mundo do trabalho? Delimitamos a área de nosso estudo a uma região do Estado de São Paulo, abrangendo professores-enfermeiros envolvidos no ensino médio profissionalizante em enfermagem. São objetivos desta pesquisa: caracterizar o perfil desse profissional segundo variáveis relacionadas aos aspectos sociodemográficos, formação profissional, mercado de trabalho, acesso a informações científicas e analisar as condições do exercício da docência. METODOLOGIA O presente trabalho é um estudo descritivo, de abordagem quantitativa, contemplando 16 escolas públicas e privadas que oferecem cursos de auxiliar e técnico de enfermagem na região de Piracicaba. Dessas escolas, sete são públicas e nove, particulares. Inicialmente, solicitamos ao Conselho Regional de Enfermagem 7 (COREN SP) uma relação das escolas de ensino médio de enfermagem na região e, após o recebimento da listagem, efetuamos o contato por telefone com os responsáveis por cada escola, para obtermos informações como confirmação de endereço, responsabilidade técnica e número de docentes na instituição. A coleta de dados foi feita no período de fevereiro a março de Entregamos os questionários aos responsáveis técnicos das escolas, que os distribuíram aos docentes. Retornamos após duas semanas para buscar os questionários respondidos. Da população total constituída por 138 enfermeiros-docentes, recebemos 81 (76,4%) questionários preenchidos, já que 32 professores ministravam aula em duas escolas e responderam apenas um questionário, não caracterizando, assim, duplicidade nas respostas; 25 professores não efetuaram a devolução do instrumento de coleta. Contamos, então, com uma amostra representativa de 81 (76,4%) sujeitos. A região de Piracicaba está inserida nas 24 Direções Regionais de Saúde de São Paulo, pertencentes à estrutura da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, reorganizadas administrativamente a partir de São 25 municípios, englobando habitantes, segundo censo de 1999 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O questionário para a coleta de dados continha 20 questões abertas e fechadas, compreendendo: identificação do profissional (dados demográficos: idade, sexo e estado civil), formação profissional e pedagógica, mercado de trabalho, acesso a informações técnico-científicas, tempo de docência, grau de realização no magistério e motivo que o levou à docência. R Enferm UERJ 2005; 13: p.77

3 Para validação do instrumento de pesquisa, o pré-teste foi aplicado em outra amostra de 14 enfermeiros que trabalhavam no ensino médio profissionalizante, dos quais quatro trabalham na Escola Técnica Municipal de Paulínia e 10 em uma escola particular do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC), no município de Itapira. O questionário foi aplicado a todos aqueles que concordaram em participar deste estudo, mediante assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, dirigido ao respondente, com explicações sobre o objetivo do trabalho, após aprovação do projeto da pesquisa pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Os dados obtidos para caracterização da população foram analisados de forma descritiva e apresentados através de números absolutos e relativos quanto a cada uma das variáveis estudadas. O programa utilizado como banco de dados foi o EPI-INFO (Versão 6.0) e a análise estatística foi executada através do Statistical Analysis System for Windows - SAS, com o auxílio da Comissão de Pesquisa e Estatística da FCM - UNICAMP. RESULTADOS E DISCUSSÃO Observamos maior concentração de docentes na faixa etária entre 40 e 49 anos, totalizando 53,1%. Na faixa entre 30 e 39 anos, encontram-se 37% dos docentes e na faixa mais jovem (até 29 anos) encontram-se 7,4%. Somente 2,5% dos docentes estavam na faixa dos 50 anos e mais. Os dados relativos à distribuição de docentes por sexo confirmam a predominância do sexo feminino (95,1%) - característica peculiar da profissão e um contingente de apenas 4,9% participantes do sexo masculino. Ficou então corroborada a hegemonia feminina conforme apresentada no relatório do Conselho Federal de Enfermagem e Associação Brasileira de Enfermagem - COFEN/ABEn (1982/1983) envolvendo 94,1% de enfermeiros do sexo feminino, contra 5,6% do masculino 8. Observa-se, na análise em relação ao estado civil, o aumento da porcentagem de mulheres casadas, o que denota uma variação em relação a estudos anteriores. No relatório COFEN/ABEn, de 1982/1983, do total da população de enfermeiros estudados, 45,7% eram solteiros; 47,7%, casados; 2,0%, viúvos e 4,4%, separados, havendo, portanto, um aumento da proporção de casados. Esse aumento acentuou-se ainda mais no início do século XXI, conforme constatamos em nossa pesquisa, com a identificação de 76,5% de profissionais casados. Foram encontrados 14,8% solteiros, 4,9% divorciados, 2,5% separados e 1,2% viúvos. Para analisar o tempo de formados, foi tomada como base uma classificação proposta por Machado 9 em estudo da vida profissional do médico, decomposta em cinco fases, a saber: adentrando a vida profissional: jovens com menos de 30 anos, com até 4 anos de formado; afirmando se no mercado: com 5 a 9 anos de formação; consolidandose na vida profissional: com 10 a 24 anos de formação; desacelerando as atividades: com 50 a 59 anos de idade, há mais de 25 anos no mercado; e paralisando a vida profissional: com mais de 35 anos de formação. Comprovamos que, em relação ao tempo de formação profissional, 69,1% dos enfermeiros participantes da pesquisa se encontram consolidando sua vida profissional, isto é, entre 10 e 24 anos de conclusão dos cursos, enquanto 16% estão na fase de afirmação no mercado de trabalho; 13,6 % estão iniciando sua vida profissional;1,2 % desacelerando suas atividades profissionais e nenhum dos participantes paralisando a vida profissional. Em relação ao tempo de docência em enfermagem, há uma pequena inversão dos dados, sendo que 43,2% encontram-se em fase de iniciação de sua vida profissional, 40,7% encontram-se em fase de consolidação de sua vida profissional e 16% em fase de afirmação no mercado de trabalho. Verificou-se que 79% dos participantes freqüentaram alguma modalidade de cursos de atualização profissional, destacando-se os de especialização em enfermagem. Quanto às modalidades de formação - pós-graduação stricto sensu, cinco enfermeiros possuem mestrado, sendo dois em enfermagem e três na área de educação. Percebe-se, pelos resultados, que os enfermeiros-docentes respondentes investem na sua capacitação, uma vez que possuem uma ou mais titulações, o que enriquece a educação profissional continuada em enfermagem. Dos participantes da pesquisa, 51,85% possuem curso de Licenciatura em Enfermagem e 48,15% não possuem formação pedagógica e obtêm, através das Delegacias de Ensino, autorização provisória para ministrarem aulas. p.78 R Enferm UERJ 2005; 13:76-82.

4 Bassinello GAH, Silva EM A Faculdade de Enfermagem de Araras (UNIARARAS), instalada na região, já oferecia, desde meados de 1980 até 2002, a opção da Licenciatura integrada com o bacharelado, o que deve justificar o atual cenário de formação docente na região. Entretanto, essa constatação pode não refletir a realidade de formação docente nas demais regiões do estado e do país. A preocupação com a busca de um caminho para sanar as dificuldades encontradas na formação pedagógica do enfermeiro tem sido demonstrada pelo Projeto de Profissionalização dos Trabalhadores na Área de Enfermagem (PROFAE), através de sua proposta de capacitação dos enfermeiros - docentes para atuação no ensino médio. As contradições do mercado de trabalho e as instituições educacionais têm provocado distorções no exercício da docência, quando autorizam o enfermeiro a ministrar aulas, mesmo sem formação pedagógica. Entendemos que questões que envolvem o ensino-aprendizagem têm a ver com a formação do professor, que é o elo entre a teoria e a prática dessa atividade. Em nosso trabalho, verificou se que 39,5 % dos participantes estão submetidos a contrato de trabalho por tempo indeterminado e 12,5% por tempo determinado - contratos temporários ou por serviços prestados, a forma mais comum de contratação de escolas particulares e uma das formas de contratação estadual: a admissão em caráter temporário (ACT), em que o docente é contratado sem concurso público para suprir deficiências de pessoal. Faz-se necessário citar que 23 (28,4%) participantes da pesquisa estão submetidos ao regime da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), modelo característico de contratação das escolas técnicas estaduais vinculadas ao Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza. Para Angerami e Correia 10, as transformações ocorridas no mercado de trabalho, atualmente chamadas reestruturação produtiva ou acumulação flexível, trouxeram uma tendência de empregar cada vez mais uma força de trabalho que entra facilmente no mercado e é demitida sem custos. Observamos em nossa pesquisa que 53% dos docentes se submetem a contratos temporários de trabalho, o que comprova a citação anterior. Na docência de ensino médio, principalmente nas escolas privadas, os professores são contratados mediante poucas exigências e demitidos sem receberem direitos adicionais, como férias, décimo terceiro salário e fundo de garantia. Outra forma de contratação mencionada na pesquisa foi aquela por módulos, isto é, o professor é contratado para ministrar algumas disciplinas ou estágios, que são distribuídos através de módulos seqüenciais, o que caracteriza também o contrato temporário. Também observamos que 18,5% dos respondentes são efetivos, uma das características das escolas públicas, cujos profissionais são admitidos mediante concurso. Os docentes são admitidos de duas formas na educação estadual: uma, em caráter efetivo, por meio de concurso público com provas e títulos e outra, em caráter temporário (ACT), sem nenhum processo seletivo com provas de conhecimento ou habilidade 11. A carga horária semanal dedicada à docência prevalecente em nossa pesquisa é de até 20 horas semanais para um total de 48,1% dos participantes, seguida de 30 a 40 horas semanais (29,6%); 19,8% trabalham de 20 a 30 horas semanais e somente 2,5%, mais de 40 horas semanais. A jornada integral de trabalho docente tem duração de 40 horas aulas semanais; a completa, 30 horas aulas semanais e a jornada parcial de trabalho, 20 horas semanais. Os dados apontam que 67,9% dos profissionais possuem dois empregos, 23,5% dedicam-se apenas à docência e 8,6% possuem três vínculos empregatícios. A característica de múltiplos empregos denota o advento da diversidade e heterogeneidade dos postos de trabalhos atuais e as formas flexíveis de trabalho no setor. Vale mencionar o aumento dos contratos temporários, revelando a possibilidade de crescimento da rotatividade da força de trabalho empregada. Verifica-se que a maior parte dos professores (40,7%) trabalha em escola e hospital; 28,4% em escola e saúde pública; 22,2% só atuam em escolas; 3,7% em escola, hospital e saúde pública e 4,9% em outros tipos de instituição, ligadas a consultoria em enfermagem; instituição particular; empresa própria de enfermagem domiciliar, e enfermagem domiciliar. A docência é atividade secundária para a maioria (51,9%) dos enfermeiros-docentes participantes da pesquisa; para 46,9% é atividade principal e para 1,2% tem outra ordem de importân- R Enferm UERJ 2005; 13: p.79

5 cia, que foi justificada como atividade em que é dedicada menor carga horária, mas que não é de menor importância. Aplicamos a terminologia atividade principal, com base em Nóvoa 12 que a caracteriza como exercício em tempo integral ou quando o profissional só se dedica ao ensino, não o considerando uma atividade passageira, mas um trabalho importante na sua vida profissional. Entendemos que lecionar não é a principal atividade do enfermeiro-docente de nível médio profissionalizante em enfermagem; pode ser até a mais gratificante, porém parte da amostra investigada trabalha em hospitais, postos de saúde e conta com a área educacional para aumentar seus rendimentos. Dos pesquisados, a maioria (67,9%) nunca participou de nenhum tipo de pesquisa, enquanto 32,1% o fizeram. Esse dado nos parece peculiar, pois há pouca produção de conhecimento em nível médio profissionalizante em enfermagem. Verifica-se que também a maioria (75,3%) dos respondentes participou de eventos ligados à sua área, como: jornadas e congressos (50,8%), cursos (23%) seminários, reuniões e palestras (9,8%), campanhas de Prevenção da Hipertensão, Diabetes e AIDS (8,2%) e outros (8,2%). Os dados revelam que a maior parte dos enfermeiros (90,1%) possui conhecimento de informática e acesso à Internet, enquanto 9,9% não se movimentam nesse sentido. Não exploramos, na aplicação do questionário, se o uso do computador ou Internet tem relação com melhor desempenho do trabalho pedagógico. CONCLUSÕES A visão tecnicista que norteou o ensino no Brasil durante várias décadas reduziu bastante a atuação do professor, principalmente nos programas de qualificação profissional de nível médio de enfermagem. Hoje, com as alterações ocorridas no mundo da produção, a questão do conhecimento e formação profissional implica novamente a articulação da educação com as questões referentes à empregabilidade, agravante que se impõe na prática docente 13. Ao traçarmos o perfil do enfermeiro-docente na região de Piracicaba, em um nível micro de observação e análise, com base no modelo analítico da sociologia das profissões 5,9, percorremos uma trajetória que nos permitiu verificar o perfil demográfico com a presença de um expressivo contingente de trabalhadores na faixa etária de 40 a 49 anos, o que aponta para o envelhecimento da categoria e acompanha a transição demográfica da população, além da predominância do sexo feminino e maioria de docentes casadas, contribuindo para o orçamento familiar. As reflexões sobre a formação profissional apontaram para questões como: qual a real competência do enfermeiro credenciado para o exercício profissional dentro das especificações necessárias para a docência? Nessa perspectiva e à luz da sociologia das profissões, a inserção do enfermeiro no campo de trabalho da docência necessita da construção de um campo de conhecimento e técnicas próprias da profissão docente, mais a organização de normas e valores pautados nessa atividade. As leis que regulamentaram o ensino e o exercício da enfermagem profissional no país enfocam como atribuições do enfermeiro a participação no ensino, em escolas de enfermagem e auxiliar de enfermagem, treinamento de pessoal em serviço e atividades extra-escolares. Ao mesmo tempo, a legislação pertinente à formação de professores abriu brechas para que, onde não houvessem licenciados, outros docentes de áreas específicas pudessem, em caráter provisório, assumir as atividades pedagógicas, com as delegacias de ensino emitindo autorização para tanto. Nesse sentido, o que deveria ser provisório se perpetua com a renovação anual dessa autorização precária 14. Analisando a situação concreta das condições de trabalho de docentes em nível médio de enfermagem, fica evidente um mercado em crescente expansão, porém oferecendo contratos temporários que constituem opções secundárias de trabalho para os docentes, o que faz com que muitos dos enfermeiros se afastem dos projetos de formação adequada dessa área. Outro aspecto importante que devemos considerar é a atual estrutura dos cursos de licenciatura, longe de oferecer subsídios de que o enfermeiro precisa para se instrumentalizar no exercício das atividades de ensino, principalmente em relação às matérias específicas dos cursos profissionalizantes. O curso superior de enfermagem tem sido objeto de constantes análises e avaliações quanto às diretrizes e bases de formação profissional e estudiosos de enfermagem movimentaram-se no sentido de inserir o enfermeiro p.80 R Enferm UERJ 2005; 13:76-82.

6 Bassinello GAH, Silva EM generalista nessa frente de trabalho: docentes de nível médio de enfermagem 15. Em comparação a estudo anterior 2 sobre corpo docente de nível médio profissionalizante, não encontramos profissionais de nível médio de enfermagem e profissionais de áreas distintas da enfermagem atuando como docentes. Os achados apontam uma preocupação com a formação contínua e a formação pedagógica se mostrou, mesmo que parcialmente presente, o que denota interesse pelo desenvolvimento de serviços especializados ou expertise profissional, pontos fundamentais para qualquer projeto profissional. Concluímos que o estudo que desenvolvemos nos forneceu algumas respostas a questões referentes ao cotidiano do enfermeiro-docente. Na visão de Angerami e Correia 16, a enfermagem é plural e o profissional opta por um caminho frente à profissão e à sua prática. Se não houver a aceitação dessa multiplicidade, a enfermagem se fecha e não progride. É a vivência de ser enfermeiro e ser docente que nos leva a enfocar a caracterização do perfil do professor, procurando conhecer o espaço social em que esse profissional está inserido. Neste momento, acreditamos ser necessário aprofundar o processo de conhecer a realidade da formação profissional em nível médio de enfermagem, uma vez que poucos são os estudos nessa área. Ao refletir sobre a formação profissional, é preciso resgatar os processos de ensinoaprendizagem, bem como a enfermagem nele inserida, estimulando mudanças. Na preocupação com novos rumos, é importante estudar as condições concretas de trabalho docente e a formação pedagógica do enfermeiro, para então investir nos meios para a valorização dos cursos de formação profissional. REFERÊNCIAS 1. Vieira ALS, Oliveira ESA. A equipe de enfermagem no mercado de trabalho em saúde do Brasil. Saúde em Debate 2001; 25: Santos LHP. Vivendo em constante conflito: o significado da prática docente no ensino médio de enfermagem [dissertação]. Ribeirão Preto (SP): Escola de Enfermagem da USP; Bomfim MIRM, Torrez MNFB. A formação do formador no PROFAE: refletindo sobre uma proposta na área de enfermagem. Formação/ Ministério da Saúde 2002; 4: Duarte MJRS. Formação pedagógica do enfermeiro para o ensino de nível médio. Rev Enferm UERJ 2001; 9: Machado MH. Profissões de saúde: uma abordagem sociológica. Rio de Janeiro: Fiocruz; Rabelo MAM. Sobre os determinantes do perfil profissional: o caso da enfermagem. In: Anais do Seminário da região sudeste sobre perfil e competência do enfermeiro e o currículo mínimo para a graduação em enfermagem; 1988 nov 17-19; São Paulo, Brasil. São Paulo: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico; p Conselho Regional de Enfermagem (SP). Relação das escolas de enfermagem de nível médio. Disponível em: br. Acesso em 25 jun Conselho Federal de Enfermagem, Associação Brasileira de Enfermagem. O exercício da enfermagem nas instituições de saúde no Brasil. Rio de Janeiro: COFEN; Machado MH. Os médicos no Brasil: um retrato da realidade. Rio de Janeiro: Fiocruz; Angerami ELS, Correia FA. A modernidade na formação do enfermeiro: aspectos acadêmicos. In: Anais do Encontro Nacional de Escolas de Enfermagem; 1996 jul 24-24; São Paulo, Brasil. São Paulo: Universidade Federal de São Paulo; p Souza NA. Sou professor, sim senhor: representações do trabalho docente. Campinas: Papirus; Nóvoa A. Profissão professor. Portugal (Po): Porto Editora; Catani AM, Oliveira JF, Dourado LF. Mudanças no mundo do trabalho e reforma curricular dos cursos de graduação no Brasil. XX Reunião da ANPEd, Caxambu; 2000.Caxambu (MG): ANPEd; Bagnato MHS. Licenciatura em enfermagem para que? [tese de doutorado] Campinas (SP): Universidade Estadual de Campinas; Dilly CML, Jesus MCP. Processo educativo em enfermagem: das concepções pedagógicas à prática profissional.são Paulo: Robe Editorial; Angerami ELS, Correia FA. Em que consiste a enfermagem. In: Anais do 1º Seminário Nacional sobre Perfil e a Competência do Enfermeiro; 1987 set/out 29-02; Brasília, Brasil. Brasília (DF): Universidade de Brasília; p.38. R Enferm UERJ 2005; 13: p.81

7 PERFIL DE LOS PROFESORES DE ENSEÑANZA MEDIA DE PROFESIONALIZACIÓN EN ENFERMERÍA RESUMEN: El presente trabajo permitió, partindo del concepto de análisis sociológico de las profesiones, caracterizar el perfil y analizar las condiciones de trabajo del enfermero en el ejercicio de la docencia. Este estudio se ha configurado descriptivo, de enfoque cuantitativo, realizado en 2002, con 81 enfermerosdocentes de enseñanza de nivel medio de Piracicaba-São Paulo-Brasil. Se ha verificado la presencia de un expresivo contingente de trabajadores en la franja etaria de 40 a 49 años, el predominio del sexo femenino, la mayoría de los docentes casados. El modelo de contratación predominante fue el trabajo temporal, con una jornada de 20 horas semanales en la enseñanza, lo que hizo factible la estrategia del multiempleo, principalmente para aquellos que trabajaban en escuelas y hospitales. La docencia es actividad secundaria para más de la mitad de los participantes de la encuesta. Se concluyó que los enfermeros-docentes invierten en su capacitación, a pesar de dificultades como reconocimiento pequeño y estatus profesional, sueldos bajos, perspectiva limitada de progresión en la carrera y falta de condiciones y de infraestructura en el cumplimiento de su trabajo. Palabras clave: Docente de enfermería; enfermería; enseñanza; recurso humano. Recebido em: Aprovado em: Notas * Enfermeira, Mestre em Enfermagem, Professora da Faculdade de Enfermagem do Centro Universitário Hermínio Ometto UNIARARAS. ** Enfermeira, Professora Doutora do Departamento de Enfermagem da Faculdade de Ciências Médicas da UNICAMP e Coordenadora do Curso de Graduação em Enfermagem da FCM-UNICAMP. p.82 R Enferm UERJ 2005; 13:76-82.

AS CONTRIBUIÇÕES DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO

AS CONTRIBUIÇÕES DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO AS CONTRIBUIÇÕES DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO EDILEUZA DE FREITAS MIRANDA DE MENDONÇA Universidade Estadual de Goiás (Brasil) Campus BR 153, Km 98, CEP: 75001-970

Leia mais

RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACULDADE POLITÉCNICA DE UBERLÃNDIA 2009-2010

RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACULDADE POLITÉCNICA DE UBERLÃNDIA 2009-2010 RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACULDADE POLITÉCNICA DE UBERLÃNDIA 2009-2010 UBERLÂNDIA, MG JANEIRO, 2011 1 Este relatório aqui apresentado foi elaborado pela Comissão Própria de Avaliação da Faculdade

Leia mais

PERFIL DOS FUTUROS AUXILIARES DE ENFERMAGEM DA CIDADE DE CAMPINAS, SP, EM 1995: MOTIVOS, EXPECTATIVAS E DIFICULDADES RELACIONADAS AO CURSO*

PERFIL DOS FUTUROS AUXILIARES DE ENFERMAGEM DA CIDADE DE CAMPINAS, SP, EM 1995: MOTIVOS, EXPECTATIVAS E DIFICULDADES RELACIONADAS AO CURSO* Rev. Latino-am. Enfermagem - Ribeirão Preto - v. 5 - n. 1 - p. 89-96 - janeiro 1997 PERFIL DOS FUTUROS AUXILIARES DE ENFERMAGEM DA CIDADE DE CAMPINAS, SP, EM 1995: MOTIVOS, EXPECTATIVAS E DIFICULDADES

Leia mais

PERFIL DO ESTUDANTE DE ENFERMAGEM DO UNISALESIANO - LINS.

PERFIL DO ESTUDANTE DE ENFERMAGEM DO UNISALESIANO - LINS. PERFIL DO ESTUDANTE DE ENFERMAGEM DO UNISALESIANO - LINS. Jéssica Aparecida Gregório Ferreira (Acadêmica do Curso de Enfermagem), Lais Daniele Lourenço da Silva (Acadêmica do Curso de Enfermagem), Silvio

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores LEVANTAMENTO E ANÁLISE DAS NECESSIDADES DOCENTES DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES

Leia mais

APÊNDICE 1 QUESTIONÁRIO PARA O/A PROFESSOR/A DE GEOGRAFIA ENSINO MÉDIO

APÊNDICE 1 QUESTIONÁRIO PARA O/A PROFESSOR/A DE GEOGRAFIA ENSINO MÉDIO APÊNDICE 1 QUESTIONÁRIO PARA O/A PROFESSOR/A DE GEOGRAFIA MÉDIO Código: E P 1ª PARTE SEXO: ( ) FEMININO ( ) MASCULINO FAIXA ETÁRIA: ( ) menos de 25 anos de idade ( ) entre 26 e 35 anos de idade ( ) entre

Leia mais

QUADROS RESUMOS SÃO PAULO

QUADROS RESUMOS SÃO PAULO QUADROS RESUMOS SÃO PAULO Total de profissionais: 453.665 Enfermeiros: 105.438 Auxiliares e Técnicos de Enfermagem: 348.227 QUADRO RESUMO PERFIL SÓCIO ECONOMICO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM SÃO PAULO BLOCO

Leia mais

IEDA PARRA BARBOSA RINALDI. Professora do DEF/UEM e Doutoranda do DEM/FEF/Unicamp ELIZABETH PAOLIELLO MACHADO DE SOUZA

IEDA PARRA BARBOSA RINALDI. Professora do DEF/UEM e Doutoranda do DEM/FEF/Unicamp ELIZABETH PAOLIELLO MACHADO DE SOUZA A GINÁSTICA NO PERCURSO ESCOLAR DOS INGRESSANTES DOS CURSOS DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ E DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS IEDA PARRA BARBOSA RINALDI Professora

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 106, de 21 de dezembro de 2012

RESOLUÇÃO nº 106, de 21 de dezembro de 2012 RESOLUÇÃO nº 106, de 21 de dezembro de 2012 Dispõe sobre o processo de seleção interno de docentes para ministrar as disciplinas/módulos/unidade de aprendizagem ou educacional, constantes da estrutura

Leia mais

A MOBILIDADE DO PROFESSOR NA ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS ESCOLARES: O CASO DA FEIRA DAS NAÇÕES DO CENTRO EDUCACIONAL CRI ARTE EM ARACAJU-SE.

A MOBILIDADE DO PROFESSOR NA ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS ESCOLARES: O CASO DA FEIRA DAS NAÇÕES DO CENTRO EDUCACIONAL CRI ARTE EM ARACAJU-SE. 1 A MOBILIDADE DO PROFESSOR NA ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS ESCOLARES: O CASO DA FEIRA DAS NAÇÕES DO CENTRO EDUCACIONAL CRI ARTE EM ARACAJU-SE. GT8 Espaços Educativos, Currículo e Formação Docente (Saberes e

Leia mais

Graduação, a escolha entre licenciatura e bacharelado.

Graduação, a escolha entre licenciatura e bacharelado. Graduação, a escolha entre licenciatura e bacharelado. Vanessa Ferreira da Silveira Professora Orientadora Ileizi Fiorelli Silva Resumo: Neste texto pretendo discutir a separação entre Bacharelado e Licenciatura

Leia mais

TÍTULO: PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E ACADÊMICO DE DISCENTES DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR

TÍTULO: PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E ACADÊMICO DE DISCENTES DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR TÍTULO: PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E ACADÊMICO DE DISCENTES DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Sistema de Pontuação Docente. Sabrina Rodero Ferreira Gomes

Sistema de Pontuação Docente. Sabrina Rodero Ferreira Gomes Sistema de Pontuação Docente Maria Aparecida de Azevedo Martins Sabrina Rodero Ferreira Gomes 2011 PLANILHA DE PONTUAÇÃO FATORE S GRUPO 1 TITULAÇÃO/ATUALIZAÇÃO PONTO S MÁXIM OS A Técnico de Nível Médio;

Leia mais

Audiência Pública no Senado Federal

Audiência Pública no Senado Federal Audiência Pública no Senado Federal Comissão de Educação, Cultura e Esporte Brasília DF, 7 de maio de 2008 1 Audiência Pública Instruir o PLS n o 026 de 2007, que Altera a Lei n o 7.498, de 25 de junho

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O APRENDER PARA SABER E O SABER PARA ENSINAR: ACTUAIS DESAFIOS PARA UMA FORMAÇÃO PERMANENTE DE PROFESSORES

REFLEXÕES SOBRE O APRENDER PARA SABER E O SABER PARA ENSINAR: ACTUAIS DESAFIOS PARA UMA FORMAÇÃO PERMANENTE DE PROFESSORES REFLEXÕES SOBRE O APRENDER PARA SABER E O SABER PARA ENSINAR: ACTUAIS DESAFIOS PARA UMA FORMAÇÃO PERMANENTE DE PROFESSORES Andréia Serra Azul da Fonseca 1 Maristela Lage Alencar 2 Sinara Mota Neves 3 Universidade

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 CONTRIBUIÇÕES DE UM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: UM ESTUDO SOB O PONTO DE VISTA DOS PÓS-GRADUANDOS i RESUMO NATHÁLIA DE FÁTIMA JOAQUIM 1, CEYÇA

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO PROPOSIÇÕES ESTRATÉGIAS E RESPONSABILIDADE* UNIÃO DF ESTADOS MUNICÍPIOS 1. Profissionais da educação:

Leia mais

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações.

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações. 24 CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE Profª Ms Angela Maria Venturini Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro/ISERJ RESUMO O Curso Normal Superior (CNS) do Instituto Superior de Educação

Leia mais

ESTUDO COMPARADO ENTRE O PERFIL DO PROFESSOR DA REDE PÚBLICA DO ENSINO FUNDAMENTAL DE CURITIBA E REGIÃO METROPOLITANA

ESTUDO COMPARADO ENTRE O PERFIL DO PROFESSOR DA REDE PÚBLICA DO ENSINO FUNDAMENTAL DE CURITIBA E REGIÃO METROPOLITANA ESTUDO COMPARADO ENTRE O PERFIL DO PROFESSOR DA REDE Resumo PÚBLICA DO ENSINO FUNDAMENTAL DE CURITIBA E REGIÃO METROPOLITANA Fabiana Thomé da Cruz 1 Universidade Federal do Paraná Brasil, Março de 2011

Leia mais

A formação matemática de professores dos anos iniciais do ensino fundamental face às novas demandas brasileiras

A formação matemática de professores dos anos iniciais do ensino fundamental face às novas demandas brasileiras A formação matemática de professores dos anos iniciais do ensino fundamental face às novas demandas brasileiras EDDA CURI Universidade Cruzeiro do Sul (UNICSUL) Introdução No contexto educacional do terceiro

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2013. Manual do Usuário

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2013. Manual do Usuário MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BANANAL ESTADO DE SÃO PAULO

PREFEITURA MUNICIPAL DE BANANAL ESTADO DE SÃO PAULO PRIMEIRA RETIFICAÇÃO AO EDITAL DE ABERTURA PROCESSO SELETIVO CLASSIFICATÓRIO N 001/2014 A Prefeitura do Município de Bananal/SP, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista o disposto no artigo

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

I - a Lei 1.533, de 29 de dezembro de 2004; II - a Lei 1.640, de 28 de dezembro de 2005; III - a Lei 2.141, de 3 de setembro de 2009;

I - a Lei 1.533, de 29 de dezembro de 2004; II - a Lei 1.640, de 28 de dezembro de 2005; III - a Lei 2.141, de 3 de setembro de 2009; LEI Nº 2.885, DE 24 DE JUNHO DE 2014. Publicada no Diário Oficial nº 4.157 Dispõe sobre a revisão geral anual da remuneração dos Profissionais da Educação Básica, e adota outra providência. Faço saber

Leia mais

O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO

O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO Elisa Machado Matheussi elisa@rla01.pucpr.br Sirley Terezinha Filipak sirley@rla01.pucpr.br Pontifícia Universidade Católica do Paraná RESUMO Este estudo

Leia mais

CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS

CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS Alan do Nascimento RIBEIRO, Faculdade de Políticas Públicas Tancredo Neves Universidade do Estado de Minas Gerais Maria Amarante Pastor BARACHO,

Leia mais

REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Apêndice Regulamento do Projeto Empresarial REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO 1. APRESENTAÇÃO O Projeto Empresarial constitui um momento de aquisição, construção e aprimoramento

Leia mais

PLANO DE CARREIRA DOCENTE

PLANO DE CARREIRA DOCENTE PLANO DE CARREIRA DOCENTE SOCIEDADE DE ENSINO SUPERIOR DE ARACRUZ FACULDADE CASA DO ESTUDANTE FACE (ENSINO SUPERIOR) 1 TÍTULO I DOS OBJETIVOS E SUAS FINALIDADES Art. 1 º - Estabelecer as regras do Plano

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO:

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Profissionais da educação: formação inicial e continuada 1.1. Implantar

Leia mais

64 pontos não remunerada.

64 pontos não remunerada. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL RESOLUÇÃO 001/2015 ESTABELECE PROCEDIMENTOS E PARÂMETROS AVALIATIVOS PARA PROGRESSÃO DE DOCENTES À CLASSE E PROFESSOR TITULAR ANEXO

Leia mais

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL Ocilma Barros de Quental. Faculdade de Medicina do ABC(ocilmaquental2011@hotmail.com) Sheylla Nadjane Batista Lacerda.

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Pesquisa O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.755, DE 29 DE JANEIRO DE 2009. Institui a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica,

Leia mais

QUERO SER PROFESSOR UNIVERSITÁRIO: o interesse de licenciados em Educação Física

QUERO SER PROFESSOR UNIVERSITÁRIO: o interesse de licenciados em Educação Física QUERO SER PROFESSOR UNIVERSITÁRIO: o interesse de licenciados em Educação Física Susana Schneid Scherer 1 - IFSUL-RS Carmem Lucia Lascano Pinto - IFSUL- RS Resumo: Partindo da premissa de que a profissão

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES?

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? Beatriz Francisco Farah E-mail:biafarah@nates.ufjf.br A questão da educação para profissionais

Leia mais

O Plano nacional de Educação e a Expansão da Educação Superior

O Plano nacional de Educação e a Expansão da Educação Superior O Plano nacional de Educação e a Expansão da Educação Superior Luiz Cláudio Costa Brasília - novembro 2012 Contexto Indicadores de acompanhamento: taxa líquida: percentual da população de 18-24 anos na

Leia mais

Esta síntese apresenta a linha de base dos indicadores referentes às metas do PNE. O documento consiste em análises descritivas das séries históricas

Esta síntese apresenta a linha de base dos indicadores referentes às metas do PNE. O documento consiste em análises descritivas das séries históricas Esta síntese apresenta a linha de base dos indicadores referentes às metas do PNE. O documento consiste em análises descritivas das séries históricas dos indicadores selecionados pelo Ministério da Educação

Leia mais

O PERFIL DOS ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DE SÃO PAULO

O PERFIL DOS ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DE SÃO PAULO O PERFIL DOS ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA RIA DO ESTADO DE SÃO PAULO Karina Paes Bürger O ENSINO DE SAÚDE PÚBLICA P VETERINÁRIA RIA NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA RIA DO

Leia mais

Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem

Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem Resumo Maria Marly de Oliveira Coelho 1 Francinete Massulo Corrêa 2 O texto em pauta tem como foco reflexões,

Leia mais

VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, impactos e perspectivas.

VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, impactos e perspectivas. VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, impactos e perspectivas. GT 03 - Gênero, trabalho, profissões e políticas sociais na América Latina, na atualidade:

Leia mais

EDITAL Nº 01/2015, DE 15 DE ABRIL DE

EDITAL Nº 01/2015, DE 15 DE ABRIL DE Edital nº 01, de 15 de abril de 2015, da Universidade Federal de Pelotas UFPEL, referente ao processo seletivo simplificado, para a função temporária de TUTOR PRESENCIAL para atuar no Curso de Especialização

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2014. Manual do Usuário

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2014. Manual do Usuário MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIREÇÃO ACADÊMICA CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE SÃO LUIS MA 2009 DIRETORIA ACADÊMICA Diretor

Leia mais

O PERFIL DO ESTUDANTE INGRESSANTE NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DE UMA FACULDADE PRIVADA

O PERFIL DO ESTUDANTE INGRESSANTE NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DE UMA FACULDADE PRIVADA O PERFIL DO ESTUDANTE INGRESSANTE NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DE UMA FACULDADE PRIVADA PROFILING STUDENT INTAKE TO A PRIVATE COLLEGE S UNDERGRADUATE NURSING COURSE EL PERFIL DEL ESTUDIANTE INGRESANTE

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior 2013

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior 2013 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Censo da Educação Superior 2013 Quadro Resumo- Estatísticas gerais da Educação Superior, por Categoria Administrativa-

Leia mais

1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Edital nº 09, de 22 de julho de 2014 Edital nº 09, de 22 de julho de 2014, da Universidade Federal de Pelotas UFPEL, referente ao processo seletivo simplificado, para a função temporária de TUTOR PRESENCIAL

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Brasília DF 2009 SUMÁRIO LISTA DE TABELAS... 3 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Revista Científica Eletrônica de Ciências Sociais Aplicadas da EDUVALE - ISSN 1806-6283

Revista Científica Eletrônica de Ciências Sociais Aplicadas da EDUVALE - ISSN 1806-6283 O PAPEL DO PROFESSOR E DO AUXILIAR DE DESENVOLVIMENTO INFANTIL E DO ESTAGIÁRIO: Um diálogo necessário OLIVEIRA, Elisangela 1 SERAFIM, Lindineide 2 OLIVEIRA, Elizabete Gaspar de 3 RESUMO O presente estudo

Leia mais

Amostra Total. Pós-Graduação Nº % 111 63,43. Especialização/Aprimoramento. Mestrado 41 23,43 9 5,14. Doutorado 25 14,29. Outros. Não fez outros cursos

Amostra Total. Pós-Graduação Nº % 111 63,43. Especialização/Aprimoramento. Mestrado 41 23,43 9 5,14. Doutorado 25 14,29. Outros. Não fez outros cursos Inserção dos Egressos da Escola de Enfermagem da USP no Mercado de Trabalho: Facilidades e Dificuldades INSERTION OF USP NURSING GRADUATES INTO THE JOB MARKET: FACILITIES AND DIFFICULTIES ARTIGO ORIGINAL

Leia mais

Experiencias del MERCOSUR: los recursos humanos y el sistema de salud del Brasil.

Experiencias del MERCOSUR: los recursos humanos y el sistema de salud del Brasil. Experiencias del MERCOSUR: los recursos humanos y el sistema de salud del Brasil. Maria Helena Machado Bogotá, 2011 O MERCOSUL Mercado Comum do Sul foi criado em 26 de março de 1991, com a assinatura do

Leia mais

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM Salete Beatriz Scheid 1 Neide Tiemi Murofuse 2 INTRODUÇÃO: Vivemos atualmente numa sociedade marcada pelas intensas e rápidas

Leia mais

Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares

Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares Resumo Andréia Silva da Mata 1 Márcia Regina F. de Brito 2 O presente estudo teve como objetivo principal analisar o desempenho dos estudantes dos

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

Prof.ª Dr.ª do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Prof.ª Dr.ª do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TICs) NO CONTEXTO DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL (UAB) E O CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (UFSM) AVINIO, Carina

Leia mais

A Educação de Jovens e Adultos no Currículo da Licenciatura em Matemática: o caso da UFSCar

A Educação de Jovens e Adultos no Currículo da Licenciatura em Matemática: o caso da UFSCar A Educação de Jovens e Adultos no Currículo da Licenciatura em Matemática: o caso da UFSCar Resumo Fabiana Brianez* Renata Prenstteter Gama** Esse trabalho tem como objetivo analisar o currículo do curso

Leia mais

XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010

XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010 XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010 PERFIL DOS PROFESSORES-PESQUISADORES DOS CURSOS DA SAÚDE DE UMA UNIVERSIDADE CEARENSE Palavras-chave: Educação

Leia mais

REGULAMENTO DE MONITORIA-GRADUADA DAS FACULDADES DE VITÓRIA FDV. Estabelece normas para o funcionamento do Programa de Monitoria-Graduada na FDV

REGULAMENTO DE MONITORIA-GRADUADA DAS FACULDADES DE VITÓRIA FDV. Estabelece normas para o funcionamento do Programa de Monitoria-Graduada na FDV 1 1 1 1 1 1 0 1 0 REGULAMENTO DE MONITORIA-GRADUADA DAS FACULDADES DE VITÓRIA FDV Estabelece normas para o funcionamento do Programa de Monitoria-Graduada na FDV Art. 1 o. A monitoria-graduada é atividade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DA EDUCAÇÃO BÁSICA, TÉCNICA E TECNOLÓGICA Edital nº 19, de 27 de abril

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO Programa Especial de Formação Pedagógica de Docentes para as Disciplinas do Currículo da Educação Profissional de Nível Médio ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO COMISSÃO COORDENADORA DO

Leia mais

3º ECOM.EDU Encontro de Comunicação e Educação de Ponta Grossa O TUTOR NA EAD: QUEM É E O QUE FAZ.

3º ECOM.EDU Encontro de Comunicação e Educação de Ponta Grossa O TUTOR NA EAD: QUEM É E O QUE FAZ. 223 3º ECOM.EDU Encontro de Comunicação e Educação de Ponta Grossa O TUTOR NA EAD: QUEM É E O QUE FAZ. Andréia Bulaty 70 GT2: Mídia e Educação à Distância Modalidade: Pôster Resumo: O presente trabalho

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 ALUNOS DA LICENCIATURA QUE NÃO QUEREM SER PROFESSORES TRAÇOS DO PERFIL DOS ESTUDANTES DO CURSO DE MATEMÁTICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI Marcilia Bruna dos Reis Teixeira Universidade Federal

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

COMPOSIÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NA MACRORREGIÃO OESTE DO PARANÁ, 2014

COMPOSIÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NA MACRORREGIÃO OESTE DO PARANÁ, 2014 COMPOSIÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NA MACRORREGIÃO OESTE DO PARANÁ, 2014 Gabriela Souza Alves 1 Manoela de Carvalho Maria Lúcia Frizon Rizzotto Neide Tiemi Murofuse RESUMO: Trata-se de um

Leia mais

Estrutura e Funcionamento da Educação Básica. Prof. Me. Fabio Fetz de Almeida

Estrutura e Funcionamento da Educação Básica. Prof. Me. Fabio Fetz de Almeida Estrutura e Funcionamento da Educação Básica Prof. Me. Fabio Fetz de Almeida Pauta da aula: (02-30) Educação Especial; Princípios da educação nacional; Análise dos dados referentes à Educação no Brasil;

Leia mais

TRABALHO E EDUCAÇÃO NA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU: expansão e desafios para o Mestrado Profissional no Brasil

TRABALHO E EDUCAÇÃO NA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU: expansão e desafios para o Mestrado Profissional no Brasil TRABALHO E EDUCAÇÃO NA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU: expansão e desafios para o Mestrado Profissional no Brasil QUARESMA, Adilene Gonçalves Centro Universitário UNA RESUMO O mestrado profissional é uma

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - RÍO CLARO (BRASIL) Luiz Marcelo de Carvalho - Rosa Maria Feiteiro Cavalari

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - RÍO CLARO (BRASIL) Luiz Marcelo de Carvalho - Rosa Maria Feiteiro Cavalari UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - RÍO CLARO (BRASIL) Luiz Marcelo de Carvalho - Rosa Maria Feiteiro Cavalari Apresentação da institução A UNESP foi criada em 1976, pela Lei Estadual n.º 952, de 30.01.76,

Leia mais

Para efeito desta Lei:

Para efeito desta Lei: LEI ORDINARIA n 39/1993 de 17 de Dezembro de 1993 (Mural 17/12/1993) Estabelece o Plano de carreira do Magistério público do Município, institui o respectivo quadro de cargos e dá outras providências.

Leia mais

GRUPO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS CEPESLI/UFSM

GRUPO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS CEPESLI/UFSM GRUPO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS CEPESLI/UFSM WAGNER, Alison Marcelo; MARCHESAN, MariaTereza; PADILHA, Emanuele Coimbra; LEMES, Debora; HAYGERT, Suelen; AZEVEDO, Cinara; MESQUITA, Gisele. Graduado

Leia mais

ENSINO-APRENDIZAGEM NA GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO

ENSINO-APRENDIZAGEM NA GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO ENSINO-APRENDIZAGEM NA GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO Resumo ESCOBAR, Stephane Janaina de Moura 1 - PUCPR Grupo de Trabalho Formação de Professores e Profissionalização Docente Agência Financiadora: não contou

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria das Graças Oliveira Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, Brasil. Resumo Este texto é parte de uma Tese de Doutorado

Leia mais

CARREIRA DOS SERVIDORES DO QUADRO DO MAGISTÉRIO

CARREIRA DOS SERVIDORES DO QUADRO DO MAGISTÉRIO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR 3º Encontro de Integração dos Servidores da Educação CARREIRA DOS SERVIDORES DO QUADRO DO MAGISTÉRIO 29 de junho de 2011 Para mais informações consulte http://www.pmf.sc.gov.br/entidades/educa

Leia mais

PERFIL DO INGRESSANTE DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM

PERFIL DO INGRESSANTE DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PERFIL DO INGRESSANTE DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DE PALMEIRA DOS ÍNDIOS: uma contribuição no ensino-aprendizagem Alayde Ricardo da Silva Centro Universitário CESMAC alayde43@gmail.com Resumo:

Leia mais

A Formação do Enfermeiro Frente à Reforma Sanitária*

A Formação do Enfermeiro Frente à Reforma Sanitária* A Formação do Enfermeiro Frente à Reforma Sanitária* INTRODUÇÃO Maria Cecília Puntel de Almeida O relatório final da VIII Conferência Nacional de Saúde, ao apontar as modificações necessárias no setor

Leia mais

Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você.

Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você. Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você. Educação a Distância Anhembi Morumbi Agora você pode estudar em uma universidade internacional

Leia mais

Palabra clave: Sociología; trabajo; enseñanza; condiciones de trabajo.

Palabra clave: Sociología; trabajo; enseñanza; condiciones de trabajo. 1 ENSINO DE SOCIOLOGIA EM CUIABÁ E VÁRZEA GRANDE: ESTUDO DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO Marlene Renck 1 Marinete Covezzi 2 Resumo Apresenta-se neste artigo os resultados de uma pesquisa realizada com professores

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

2 Texto integrante dos Anais do XIX Encontro Regional de História: Poder, Violência e Exclusão. ANPUH/SP USP. 08 a 12 de setembro de 2008. Cd-Rom.

2 Texto integrante dos Anais do XIX Encontro Regional de História: Poder, Violência e Exclusão. ANPUH/SP USP. 08 a 12 de setembro de 2008. Cd-Rom. Ilíada P. da Silva &Emery M. Gusmão Maria de Fátima S. Moreira. Perfil profissional dos professores de história do município de Presidente Prudente. (UNESP) Os profissionais do ensino de História com exercício

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Amanda Pires Chaves Universidade de Sorocaba, Sorocaba/SP e-mail: amanda.pireschaves@gmail.com Maura Maria Morita Vasconcellos

Leia mais

O TRABALHO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA PERFIL DAS EQUIPES

O TRABALHO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA PERFIL DAS EQUIPES WORK IN THE FAMILY HEALTH PROGRAM PROFILE OF THE TEAMS EL TRABAJO EN EL PROGRAMA DE SALUD DE LA FAMILIA EL PERFIL DE LOS EQUIPOS Silvana Martins Mishima* Ana Cláudia Campos ** RESUMO Objetivase identificar

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/6/2009, Seção 1, Pág. 16.

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/6/2009, Seção 1, Pág. 16. PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/6/2009, Seção 1, Pág. 16. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Ministério da Saúde/Fundação Oswaldo Cruz

Leia mais

Faculdade São Francisco de Piumhi FASPI

Faculdade São Francisco de Piumhi FASPI Faculdade São Francisco de Piumhi FASPI PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS - PCCS DOCENTE Piumhi- MG Fevereiro / 2011 1 SUMÁRIO CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES....03 CAPÍTULO II - DO QUADRO

Leia mais

INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS EGRESSOS DO IFSUL CAMPUS PASSO FUNDO

INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS EGRESSOS DO IFSUL CAMPUS PASSO FUNDO INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS EGRESSOS DO IFSUL CAMPUS PASSO FUNDO Resumo Juliana Favretto 1 - IFSul Campus Passo Fundo Ionara Soveral Scalabrin 2 - IFSul Campus Passo Fundo Grupo de Trabalho - Políticas Públicas,

Leia mais

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Idalise Bernardo Bagé 1 GD6- Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação

Leia mais

Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização PNLD 2014

Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização PNLD 2014 Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização Levantamento das questões de interesse Perfil dos alunos, suas necessidades e expectativas; Condições de trabalho e expectativas dos professores;

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA REGULAR: UM ESTUDO SOBRE A VISAO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO, GESTÃO E QUALIDADE NO ENSINO SUPERIOR AS POLÍTICAS PÚBLICAS BRASILEIRAS

AVALIAÇÃO, GESTÃO E QUALIDADE NO ENSINO SUPERIOR AS POLÍTICAS PÚBLICAS BRASILEIRAS AVALIAÇÃO, GESTÃO E QUALIDADE NO ENSINO SUPERIOR AS POLÍTICAS PÚBLICAS BRASILEIRAS Fernanda de Cássia Rodrigues Pimenta UNICID 1 fernanda@educationet.com.br Prof. Dra. Celia Maria Haas UNICID 2 celiamhaas@uol.com.br

Leia mais

Panorama evolutivo dos trabalhos de conclusão do Curso de Graduação em Enfermagem de 2004 a 2009

Panorama evolutivo dos trabalhos de conclusão do Curso de Graduação em Enfermagem de 2004 a 2009 ARTIGO ORIGINAL Arq Med Hosp Fac Cienc Med Santa Casa São Paulo 2012;57(1):30-4. Panorama evolutivo dos trabalhos de conclusão do Curso de Graduação em de 2004 a 2009 Development view of research completion

Leia mais

EDITAL Nº. 39 de 21 de setembro de 2012

EDITAL Nº. 39 de 21 de setembro de 2012 EDITAL Nº. 39 de 21 de setembro de 2012 A Reitora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina IF-SC, no uso de suas atribuições legais e nos termos da Lei nº. 8.745, de 09/12/93

Leia mais

A FORMAÇÃO DO ENFERMEIRO PARA O ENSINO DE NÍVEL MÉDIO

A FORMAÇÃO DO ENFERMEIRO PARA O ENSINO DE NÍVEL MÉDIO DOCENCIA - FORMACIÓN A FORMAÇÃO DO ENFERMEIRO PARA O ENSINO DE NÍVEL MÉDIO EM ENFERMAGEM: UMA QUESTÃO DE COMPETÊNCIAS. LA FORMACIÓN DEL ENFERMERO PARA LA ENSEÑANZA DE NIVEL MEDIO EN ENFERMERÍA: UNA CUESTIÓN

Leia mais

Análise dos sistemas de educação superior no Brasil e em Portugal: o que apontam as políticas educacionais

Análise dos sistemas de educação superior no Brasil e em Portugal: o que apontam as políticas educacionais 1394 Análise dos sistemas de educação superior no Brasil e em Portugal: o que apontam as políticas educacionais X Salão de Iniciação Científica PUCRS Jonas Tarcisio Reis, Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

FÓRUNS ESTADUAIS DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE: ORIENTAÇÕES PARA SUA ORGANIZAÇÃO

FÓRUNS ESTADUAIS DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE: ORIENTAÇÕES PARA SUA ORGANIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR - CAPES FÓRUNS ESTADUAIS DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE: ORIENTAÇÕES PARA SUA ORGANIZAÇÃO (versão preliminar) Brasília, setembro

Leia mais

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 761 CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Fabiana Gonçalves Monti 1, Sérgio

Leia mais

O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG

O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG Juliana Diniz Gutierres FURG Stephany Sieczka Ely FURG Maria Renata Alonso Mota FURG Suzane da Rocha Vieira FURG Resumo: Esse estudo apresenta parte dos

Leia mais

ESTATISTICA SOBRE O NÚMEROS DE BOLSAS OU FINANCIAMENTOS NA FACULDADE RESUMO ABSTRACT

ESTATISTICA SOBRE O NÚMEROS DE BOLSAS OU FINANCIAMENTOS NA FACULDADE RESUMO ABSTRACT ESTATISTICA SOBRE O NÚMEROS DE BOLSAS OU FINANCIAMENTOS NA FACULDADE RAMOS, Alaína dos S. 1 SANTOS, Jéssica 2 PETITTO, Sonia 3 PERRI, Ricardo Alves 4 RESUMO Sabe-se que, hoje em dia, existe um grande aumento

Leia mais

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho.

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho. 1 FORMAÇÃO, INSERÇÃO E ATUAÇÃO PROFISSIONAL NA PERSPECTIVA DOS EGRESSOS DE UM CURSO DE PSICOLOGIA. BOBATO, Sueli Terezinha, Mestre em Psicologia pela UFSC, Docente do Curso de Psicologia na Universidade

Leia mais

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 84, DE 23 DE JULHO DE

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 84, DE 23 DE JULHO DE O Diretor Geral do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão Campus São Luís Centro Histórico, no uso de suas atribuições, torna público que estarão abertas no período de 24/07/2014

Leia mais