O ENFERMEIRO NO PLANEJAMENTO DO ESPAÇO FÍSICO HOSPITALAR THE NURSE IN THE PLANNING OF THE HOSPITAL PHYSICAL SPACE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O ENFERMEIRO NO PLANEJAMENTO DO ESPAÇO FÍSICO HOSPITALAR THE NURSE IN THE PLANNING OF THE HOSPITAL PHYSICAL SPACE"

Transcrição

1 484 O ENFERMEIRO NO PLANEJAMENTO DO ESPAÇO FÍSICO HOSPITALAR THE NURSE IN THE PLANNING OF THE HOSPITAL PHYSICAL SPACE Cíntia Dadalto Lima Graduada em enfermagem pelo Centro Universitário do Leste de Minas Gerais UnilesteMG. Marcela de Aquino Lopes Graduada em enfermagem pelo Centro Universitário do Leste de Minas Gerais UnilesteMG. Virgínia Maria da Silva Gonçalves Enfermeira. Especialista em Administração Hospitalar. Mestre em Saúde, Desenvolvimento e Meio Ambiente. Docente do Centro Universitário do Leste de Minas Gerais UnilesteMG. RESUMO O planejamento do espaço físico hospitalar traz grandes benefícios para a instituição: um melhor aproveitamento dos espaços desonera gastos desnecessários, auxilia o processo de cura do paciente e evita disseminação de doenças infecto-contagiosas. Esta é uma pesquisa bibliográfica que aborda a história hospitalar, arquitetura versus funcionalidade e a participação do enfermeiro no planejamento do hospital. Os resultados demonstram uma necessidade de maior divulgação sobre a realização do planejamento hospitalar e sobre consultoria entre os enfermeiros para que assim efetivem sua participação elevando a qualidade da edificação em resposta às expectativas dos usuários. Observa-se uma necessidade de realização de mais estudos sobre a atuação do enfermeiro no planejamento do espaço físico hospitalar, pois este pode ser um novo campo de trabalho para a enfermagem. PALAVRAS-CHAVE: Arquitetura hospitalar. Enfermagem. Planejamento Hospitalar. ABSTRACT The planning of the space physical hospitalar brings great benefits for the institution: a better use of the spaces exonerates unnecessary expenses, it aids the process of the patient's cure and it avoids spread of infect-contagious diseases This is a bibliographical research that it approaches the history hospitalar, architecture versus functionality and the nurse's participation in the planning of the hospital. The results demonstrate a need of larger popularization about the accomplishment of the planning hospitalar and on consultancy among the nurses so that they execute like this his/her participation elevating the quality of the construction in response to the users' expectations. A need of accomplishment of more studies is observed about the nurse's performance in the planning of the space physical hospitalar, because this can be a new work field for the nursing. KEY WORDS: Hospital Architecture. Nursing. Hospital Planning. INTRODUÇÃO Durante a guerra militar a assistência hospitalar não demonstrava eficiência, as doenças infecto-contagiosas cresciam devido a falta de pessoas preparadas para

2 485 oferecer o cuidado necessário. Florence Nightingale com seu conhecimento de enfermagem foi à precursora das iniciativas administrativas hospitalares, realizou transformações na estrutura física que interferiu diretamente no índice de transmissão de agentes infecciosos entre os doentes reduzindo o índice de mortalidade de 40% para 2% (GEOVANINI et al., 2005; TREVIZAN, 1988). Com o transcorrer dos anos, os hospitais continuaram evoluindo e a partir de estudos científicos foram modificando sua estruturação física realçando a necessidade da realização de um planejamento do hospital anteriormente a sua construção (GEOVANINI et al., 2005; TREVIZAN, 1988). O planejamento é realizado de forma pró ativa, ou seja, precisa ser construído já pensando em seu funcionamento e nos objetivos a serem alcançados (ROBBINS, 2002). Este planejamento envolve um estudo do espaço, das atividades exercidas no ambiente e dos equipamentos básicos de cada setor/sala da unidade hospitalar, visando um atendimento de qualidade, respeitando as normas estabelecidas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), do Ministério da Saúde, e das Secretarias Estaduais e Municipais da saúde (BRASIL, 2002). A elaboração do projeto do espaço físico envolve uma equipe multiprofissional e segue a etapa de estudo preliminar, projeto básico e projeto executivo. Para isso os profissionais possuem uma resolução específica, a Resolução das Diretrizes Colegiadas nº50, que foi criada em 21 de fevereiro de 2002 e dispõe sobre o regulamento técnico para o planejamento, programação, elaboração e avaliação de projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde (BRASIL, 2002). O estudo preliminar é realizado para que seja feita uma análise e assim selecione o que melhor preencha o Programa de Necessidades do Ministério da Saúde respeitando a legislação que regulamenta a elaboração do espaço físico hospitalar e possa então ser concretizado o projeto básico e o executivo. É analisada a topografia, condições ambientais, vias para o acesso, sonorizações, taxa de poluição, tráfego, não somente para uma boa estética hospitalar, mas também para a contribuição da melhoria do bem estar dos clientes (BRASIL, 2002; BRASIL, 1995; CARVALHO, 2004). Nos últimos anos os hospitais vêm sofrendo algumas alterações que buscam o progresso das instalações e o aumento da eficiência dos serviços para que assim se encaixe no programa da qualidade (CUNHA, 2004), nota-se que esta preocupação não está relacionada aos cuidados, mas envolvem também uma estratégia de marketing para superar a competitividade do mercado (BELLO, 2000). O hospital trabalha diretamente com o ser humano e precisa explorar todos os aspectos para trazer conforto e facilidades no dia a dia do usuário. Ao realizar o projeto hospitalar deve-se respeitar as condições ambientais, criar espaços lúdicos e lembrar-se de que podem ocorrer futuras expansões (GOES, 2004). Para uma efetiva organização é necessário a interação entre todas as atividades da instituição de saúde, pois, o hospital possui relações de diferentes níveis de tecnologia e profissionais (GOES, 2004). O enfermeiro passa grande parte de seu tempo no hospital, trabalha com o paciente de forma direta ou no setor de gerenciamento, estando assim presente em quase todos os ambientes hospitalares (BRASIL, 1986). Ocupa 80% das ações de saúde e por estar intimamente ligado ao cliente, acaba conhecendo toda a rotina hospitalar (SANTOS et al., 2005).

3 486 O enfermeiro precisa ficar atento à necessidade de mudanças realiza quase que integralmente o diagnóstico situacional da instituição, participa diretamente do planejamento e estruturação do espaço físico hospitalar para um melhor aproveitamento dos espaços (BRASIL, 1986). O tema é de grande relevância acadêmica e social, permite a reflexão e incentiva uma assistência melhorada devido ao favorecimento dos recursos físicos. Este é um estudo multidisciplinar que objetiva firmar, através das literaturas existentes, a evolução hospitalar, arquitetura versus funcionalidade e a relação do enfermeiro junto ao processo de planejamento do espaço físico hospitalar. METODOLOGIA Esta é uma pesquisa bibliográfica descritiva, desenvolvida com base em material já elaborado, constituído principalmente de livros e artigos científicos. Para Gil (2007, p.45) a principal vantagem da pesquisa bibliográfica reside no fato de permitir ao investigador cobertura de uma gama de fenômenos muito mais ampla do que poderia pesquisar diretamente. Foi escolhido este tipo de metodologia devido à escassez de estudos divulgados pela enfermagem abrangendo o assunto escolhido tendo então que ser construído um entendimento acerca de materiais produzidos e divulgados por outros profissionais. A busca dos artigos foi realizada durante o período de maio de 2008 a agosto de 2009 na Biblioteca Virtual de Saúde do Ministério da Saúde do Brasil (BVS MS) (TAB. 1) e na Biblioteca Virtual de Saúde (BVS) (TAB. 2), já a busca por impressos foi realizada na Biblioteca do Centro Universitário do Leste de Minas Gerais (Unileste-MG) (TAB. 3), outras obras foram selecionadas através de metodologia supracitada nas referências dos artigos consultados (TAB. 4). Na Biblioteca Virtual de Saúde foi consultado pelos Descritores em Ciências da Saúde (DeCS): administração hospitalar; arquitetura hospitalar; administradores hospitalares; gerentes hospitalares; legislação hospitalar; planejamento hospitalar; unidades hospitalares. Como limites foram usados campo de busca como descritor de assunto e idiomas português e espanhol. Na Biblioteca Virtual de Saúde do Ministério da Saúde, foi escolhido entre as áreas temáticas ofertadas o assunto arquitetura e engenharia em saúde. Na biblioteca do Unileste-MG foram pesquisadas bibliografias relacionadas ao tema 1 Arquitetura hospitalar, 2 Monografia, 3 Gestão de Serviços de Saúde e 4 História da enfermagem. Os artigos foram selecionados após a realização de cinco tipos diferenciados de leitura e ao serem consultados eles eram simultaneamente catalogados: primeira leitura (L1) dando ênfase aos títulos e selecionados aqueles que envolviam assuntos que fossem relevantes ao contexto deste artigo, a segunda leitura (L2)foi realizada de forma exploratória abstendo-se ao resumo, tendo por objetivo a verificação de interesse sob a obra consultada. Na terceira etapa (L3) o tipo de leitura utilizado foi a seletiva chegando inclusive a introdução que determinou se o material realmente era conveniente à esta pesquisa. Na quarta etapa (L4) a leitura foi analítica e serviu para ordenação das informações e consistiu da leitura superficial do documento. Na quinta e ultima etapa (L5) a leitura realizada foi interpretativa e teve por objetivo

4 487 relacionar o que o autor dizia com o problema para qual se propunha uma solução (GIL, 2002). Conforme avançava as leituras, os artigos que não preenchiam o requisito eram descartados. RESULTADOS TABELA 1 Referências encontradas na Biblioteca Virtual de Saúde do Ministério da Saúde TEMA L1 L2 L3 L4 L5 Arquitetura e Engenharia em Saúde A TAB. 1 mostra os dados de acervo encontrados na biblioteca virtual de saúde do Ministério da Saúde, foi pesquisado um total de 101 bibliografias encontradas sobre o rema Arquitetura e Engenharia em saúde, este total foi sendo selecionado chegando a 8 obras utilizadas neste trabalho, a maior parte das bibliografias encontradas nesta fonte foi escrito por arquitetos e engenheiros. TABELA 2 Referências encontradas na Biblioteca Virtual de Saúde DEC S L1 L2 L3 L4 L5 Administração e Organização Hospitalar Arquitetura Hospitalar Administradores Hospitalares Gerentes Hospitalares Legislação Hospitalar DEC S L1 L2 L3 L4 L5 Planejamento Hospitalar Unidades hospitalares A TAB. 2 demonstra o acervo da biblioteca virtual de saúde, segundo cada descritor de assunto consultado, rico em quantidade e qualidade, foram inicialmente elegidos 1751 obras realizou-se seleção por leituras para extrair aqueles que fossem relevantes a esta pesquisa sendo realmente utilizados apenas 6 materiais. Apesar de extenso o número de bibliografias nesse campo, muitos temas são repetitivos. TABELA 3 Referências encontradas na Biblioteca do UnilesteMG DESCRITORES L1 L2 L3 L4 L5 Arquitetura Hospitalar Monografia Gestão de Serviços de Saúde História da Enfermagem

5 488 A TAB. 3 reflete a busca realizada na biblioteca do Centro Universitário do Leste de Minas Gerais, foram pesquisado por 4 descritores, o numero de livros selecionados foram 8. TABELA 4 Referências encontradas por supracitação das obras consultadas L1 L2 L3 L4 L A TAB. 4 explana a utilização de artigos supracitados nas bibliografias das obras consultadas, sendo a busca dos mesmos realizados pelo site google. Entre os campos de busca indica-se a biblioteca virtual de saúde como referencial em acervo bibliográfico sobre o tema. O número amplo de bibliografia consultada no geral e o número escasso escolhido revelam a dificuldade de encontrar acervo com textos voltados para este assunto, evidenciando a necessidade de mais produção da enfermagem sobre esta área. Os dados resultantes do final desta seleção foram estruturados em forma de tópicos buscando uma evolução de entendimento linearmente. Primeiro fez-se a apresentação da parte histórica do espaço físico hospitalar para clarear as modificações ocorridas ao longo dos anos e a importância de adequação do ambiente à realidade encontrada, depois foi relatada a relação deste espaço com as funções exercidas no ambiente, e as consequências e benefícios trazidos por essa interação, por fim sugere-se o enfermeiro como consultor hospitalar objetivando uma divulgação maior desta área para os profissionais da enfermagem, explicitando a vantagem do seu conhecimento por todo ambiente hospitalar já adquirido durante sua graduação. DISCUSSÃO Evolução hospitalar A evolução hospitalar sofreu influência de cinco fatores que são: o sobrenatural, a guerra, a caridade, a ciência e a economia. Os primeiros hospitais existentes funcionavam como isolamento, eram ambientes insalubres e promíscuos (TREVIZAM, 1988). No Egito e na Índia, civilização primordial, encontra-se o templo de saturno diz-se que este foi primeiro hospital que se teve noticias, seu surgimento foi anteriormente a Era Cristã. Nesta época o ambiente hospitalar era erguido em locais ventilados, com proximidade ao meio ambiente, as práticas ali exercidas envolviam grande teor de misticismo e superstições (BRASIL, 1965). Com o decorrer dos anos, esses hospitais passam a centrar-se na medicina curativista (DALMASSO, 2005), mudam sua visão da administração tornando-se uma organização com padrões de lucros mínimos para que possam ao menos se manter (BRASIL, 1965). O Brasil herdou a forma Lusitânia de assistência e arquitetura hospitalar dando ênfase ao padrão arquitetônico pavilhonar que centrava a preocupação com o contágio, mas diferenciando-os de nosocômios (SANGLARD, 2007).

6 489 Na década de 50 foi introduzido no Brasil os Princípios Básicos de Padronização Hospitalar como recurso de grande importância que visava manter um controle de qualidade básico das instituições de saúde (TREVIZAN,1988) e apenas em 21 de fevereiro de 2002 que a diretoria colegiada da Agencia Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) adotou uma resolução para padronizar as construções e/ou reformas realizadas em Unidades de Saúde, a Resolução das Diretrizes Colegiadas (RDC n 50) (BRASIL, 2002). O movimento da humanização surgiu no século XX e a estrutura física hospitalar passa ter grande importância, devendo ser projetada de maneira a favorecer a cura e possibilitar a interação entre o paciente e sua família (PADILHA; MANCIA, 2005). No século XX os profissionais de saúde e hospitais buscam centrar sua visão no paciente como um todo, tendo uma visão holística onde o próprio cliente participa das decisões a serem tomadas (DALMASSO, 2005). Desde então os hospitais investem cada vez mais em tecnologia para manutenção, segurança, infra-estrutura predial e diagnóstico ou tratamentos médicos, diminuindo custos e diminuindo as chances de falhas ocorrentes (MARINELLI; CAMARGO, 2004). Os recursos físicos nos hospitais assumem grande importância, a busca pela excelência ficou acirrada e necessita-se para chegar a este ponto um aprimoramento contínuo de forma a atender as exigências dos usuários fazendo com que estes se sintam satisfeitos no ambiente (GUELLY; ZUCCHI, 2005). Arquitetura versus funcionalidade O planejamento do espaço físico hospitalar é de grande importância e diz-se que: Hospital errado, ao nascer, é o deficiente físico, cuja eficiência será prejudicada ou inutilizada definitivamente (BRASIL, 1965, p.151). A arquitetura hospitalar constitui uma das partes da realização do planejamento do espaço físico, mas somente pode ocorrer após a delimitação dos espaços necessários para aquele hospital, para isso o primeiro passo é o investidor da obra tomar a decisão de qual tipo de hospital ele deseja: Hospital geral, Hospital específico, Maternidade e etc. Após essa primeira escolha, é importante também avaliar qual é o objetivo em longo prazo desse hospital, pois ao arquitetar um hospital é necessário pensar em suas futuras expansões. Decidido estes passos é criada uma listagem dos espaços que estarão presentes na obra e um estudo de cada um deles evidenciando a sua função e materiais ali utilizados (GOES, 2004). A integração e os vários tipos de arquiteturas interligadas a engenharia, administração hospitalar, engenharia clinica, bioengenharia, melhora as necessidades das futuras funções já relacionando os seus resultados com a preocupação da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) (BRASIL, 1995). Através do recurso físico do ambiente podem-se estimular comportamentos diversos, por isso o cuidado da escolha nesse quesito vem crescendo a cada dia (BELLO, 2000). Sendo o hospital uma das instituições mais complexas existentes, o desenho físico deve ser utilizado de forma inteligente gerando compatibilidade com suas

7 490 funções, deixando a valorização da imagem atrás da funcionalidade, agindo preditivamente contra aquilo que realmente é um problema (POTIER, 2006). No século XIX Von Petten Koffer descobriu a transmissibilidade de microorganismos causadores de doenças individualmente ou por meio do ambiente, sendo esta uma grande preocupação nos dias atuais (FONTANA, 2006). Por isso cada vez mais a Arquitetura-Infecto-Preditiva vem lutando de uma forma diferenciada contra a infecção hospitalar, ela visa utilizar-se da arquitetura como uma forma de diminuir o risco desse tipo de infecção. Para isso ela quebra alguns preconceitos arraigados pelo passar dos anos e desonera custos muitas vezes inúteis (BRASIL, 1995). A arquitetura hospitalar deve concentra-se em atender três preocupações básicas: aspectos funcionais, aspectos técnicos e os aspectos psicosociais (BELLO, 2000). Um hospital com edificação onerosa não necessariamente indicará uma boa qualidade, pois a qualidade é referente à conformidade com a legislação, juntamente ao requerimento necessário para um bom funcionamento do ambiente (BELLO, 2000). Parte deste custo deve ser direcionada ao ambiente de trabalho, que interfere diretamente na produtividade dos profissionais. Sendo o hospital um lugar de tensão por estar lidando com vidas, a responsabilidade é muito grande, e a preocupação com a funcionalidade do local aumenta ainda mais (CUNHA, 2004). Estudos mostram que há muitos casos relacionados com danos a saúde do trabalhador devido ao espaço físico hospitalar inadequado. A edificação então deve auxiliar o trabalho dentro da instituição e ajudar o fluxo de usuários a fluir com mais facilidade (BELLO, 2000). O enfermeiro no planejamento hospitalar O administrador possui a função de planejamento, organização, liderança e controle, visando à realização de um trabalho bem sucedido (ROBBINS, 2002). O primeiro consultor hospitalar a que se têm notícias foi Florence Nightingale, que associou conhecimento científico à realidade dos hospitais. Baseando-se neste conhecimento, fez a primeira grande mudança no hospital: o seu espaço físico, abrindo os olhos da área médica para a importância do planejamento hospitalar (TREVIZAN, 1988). A preocupação ao planejar o hospital vai muito além de que respeitar o impacto da arquitetura sob os usuários, as instituições hospitalares em sua maioria deixaram de serem instituições de caridade e agora visam lucros e assim sendo necessita-se de um profissional especializado que compreenda até que ponto o porte do hospital será benéfico ou maléfico, realizando um levantamento da região que será erguido (BRASIL, 1965). O consultor hospitalar realiza toda a programação do hospital, lista os ambientes que devem conter e orienta quanto à funcionalidade de cada local, fornecendo informações preciosas para que o arquiteto desenvolva um projeto de boa qualidade, assinando os dois juntos à autoria do projeto (BRASIL, 1965). Para a escolha do consultor deve-se ter muita cautela partindo do pressuposto da importância do trabalho deste profissional no planejamento. O

8 491 consultor e o arquiteto trabalharão juntos combinando o conhecimento da administração hospitalar, do funcionamento hospitalar juntamente com o conhecimento dos planos (BRASIL, 1965). E é através do diagnóstico situacional sempre atualizado, muito comumente realizado pelo enfermeiro, que se consegue averiguar os pós e contras do hospital tanto em funcionamento quanto em arquitetura (BRASIL, 1965). A realização das mudanças propostas pela Enfermeira Florence interferiu no índice de mortalidade que teve uma redução de 40% para 2% na mortalidade dos enfermos. Houve modificação nos leitos dos pacientes, na lavanderia, cozinha, limpeza e a forma como os serviços eram registrados (TREVIZAN, 1988). A percepção sobre o funcionamento hospitalar e as necessidades dos cuidados para melhora do cliente faz do profissional enfermeiro um diferencial, pois a tomada de decisões depende diretamente da influência da percepção sobre o problema (ROBBINS, 2002). A participação já existente e indireta da enfermagem fica explícita em trechos do texto do autor Bello (2000) que diz que a cada planejamento hospitalar, pode-se contar com os enfermeiros responsáveis por cada setor, que estes conhecem as necessidades diárias para um atendimento de qualidade. Onde não há hospital bem aparelhado dificilmente haverá médicos, e bons clínicos e especialistas (BRASIL, 1965, p. 148). CONCLUSÃO Os estudos mostram a mudança ocorrida no ambiente hospitalar durante a história existente e os benefícios da evolução arquitetônica. Revela ainda uma participação já existente da enfermagem na consultoria hospitalar contribuindo com o seu conhecimento sobre o funcionamento dos ambientes para auxiliar o consultor, mas ao realizar este estudo percebeu-se a escassez de material produzido pela enfermagem sobre este assunto. Observa-se uma necessidade de realização de mais estudos sobre a atuação do enfermeiro no planejamento do espaço físico hospitalar, pois este pode ser um novo campo de trabalho para a enfermagem. REFERÊNCIAS BELLO, S Cedrés. Humanización y calidad de los ambientes hospitalarios. RFM, Caracas, v.23, n.2, p.93-97, jul Disponível em: < 04&lng=es&nrm=iso > Acesso em: 10 set BRASIL. ANVISA. Ministério da Saúde. RDC nº50, de 21 de fevereiro de Dispõe sobre o regulamento técnico para planejamento, programação, elaboração e avaliação de projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde. Brasília. Disponível em: <http://elegis.anvisa.gov.br/leisref/public/showact.php?id=11946&mode=print_version> Acesso em: 24 jul

9 492. Ministério da Saúde. Departamento Nacional de Saúde. Divisão de Organização Hospitalar. História e Evolução dos Hospitais. Rio de Janeiro Disponível em: < > Acesso em: 27 maio Secretaria de Assistência à saúde. Série Saúde & Tecnologia Textos de apoio à Programação Física dos Estabelecimentos Assistenciais de Saúde Arquitetura na Prevenção de Infecção Hospitalar. Brasília, p. Disponível em: < > Acesso em: 26 ago Secretaria Nacional de Ações Básicas de Saúde. Divisão Nacional de Organização de Serviços de Saúde. Instrumento de Avaliação para hospital geral de médio porte. Brasília, 1986, 75p. Disponível em: < > Acesso em: 26 Ago CARVALHO, Antônio Pedro Alves, et al. Arquitetura de Unidades Hospitalares. Salvador: FAUFBA, ARQSAUDE/GEA hosp, ISC, Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/arquitetura_unidades_hospitalares1.pdf > Acesso em: 08 out CUNHA, Luiz Claúdio Rezende. A cor no ambiente hospitalar. Anais do I Congresso Nacional da ABDEH IV Seminário de engenharia clínica Disponível em: < Acesso em: 13 ago DALMASSO, Gabriela Liuzzi. A relação entre espaço e saúde: umacontribuição da arquitetura para a humanização das Unidades de Tratamento Intensivo, f. Dissertação (Mestrado) - UFRJ/PROARQ/Programa de Pós-graduação em Arquitetura. Rio de Janeiro, Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/monografias/relacao_espaco_saude.pdf > Acesso em: 04 abr FONTANA, Rosane Teresinha. As infecções hospitalares e a evolução histórica das infecções. Rev. bras. enferm., Brasília, v. 59, n. 5,set./out Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s &lng=&nrm=iso>. Acesso em: 15 ago GEOVANINI, Telma; MOREIRA, Almerinda; SCHOELLER, Soraia Dornelles; MACHADO, William C.A. História da Enfermagem Versões e Interpretações. 2. ed. Rio de Janeiro: Revinter, GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

10 493 GIL, Antonio Carlos. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. São Paulo: Atlas, 2007, 208p. GOES, Ronald de. Manual Prático de Arquitetura Hospitalar. [S.L]: Edgard Blucher, GUELLY, Augusto; Zucchi, Paola. A influência do espaço físico na recuperação do paciente e os sistemas e instrumentos de avaliação. Rev. Adm. Saúde, São Paulo. v. 7, n. 27, abr./jun Disponível em: < 3bedaa03f.pdf > Acesso em: 03 out MARINELLI, Alexandra; CAMARGO, Azael Rangel. O estabelecimento de Saúde e o edifício de alta tecnologia. 4f. Anais do I Congresso Nacional da ABDEH IV Seminário de Engenharia Clínica, Disponível em: < > Acesso em: 04 abr PADILHA, Maria Itayra Coelho de Souza; MANCIA, Joel Rolim. Florence Nightingale e as irmãs de caridade: revisitando a história. Rev. bras. enferm., Brasília, v. 58, n. 6, dez Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s &lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 13 ago POTIER, Ana Carolina. Quão Pós-Modernos são os Hospitais Brasileiros? Revista Instituto Brasileiro de Desenvolvimento e Pesquisas Hospitalares, v. 7, p. 8-12, 2006 Disponível em: < > Acesso em: 13 Ago ROBBINS, Stephen P. Comportamento Organizacional. 9. ed. São Paulo: Prentice Hall, SANGLARD, Gisele. Hospitais: espaços de cura e lugares de memória da saúde. Anais do Museu Paulista. São Paulo. v.15, n.2, p , jul./dez Disponível em: < > Acesso em: 27 maio TREVIZAN, Maria Auxiliadora. Enfermagem Hospitalar Administração & Burocracia. Brasília: Universidade de Brasília (UNB), 1988.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Kalina Coeli Costa de Oliveira Dias (NEPB/UFPB) kalinacoeli@gmail.com Ana

Leia mais

Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014

Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014 Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014 Aspectos a serem abordados: Reflexões sobre: O contexto da Aliança Mundial para Segurança do Paciente. Panorama da Regulamentação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO INTERINSTITUCIONAL EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO INTERINSTITUCIONAL EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO INTERINSTITUCIONAL EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE RESÍDUOS QUÍMICOS E O PROCESSO DE DESCARTE EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Edital do Concurso Público SOBRAGEN 2015

Edital do Concurso Público SOBRAGEN 2015 Titulação de Especialista em Gerenciamento em Enfermagem INSCRIÇÕES até 15/09/2015 Normas do Concurso Público para obtenção do Título de Especialista em Gerenciamento em Enfermagem PREFÁCIO A Sociedade

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Gestão de Qualidade. HCFMRP - USP Campus Universitário - Monte Alegre 14048-900 Ribeirão Preto SP Brasil

Gestão de Qualidade. HCFMRP - USP Campus Universitário - Monte Alegre 14048-900 Ribeirão Preto SP Brasil Gestão de Qualidade O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, visando a qualidade assistencial e a satisfação do cliente compromete-se a um entendimento

Leia mais

O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE*

O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE* O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE* Janaína Verônica Lahm 1 Elizabeth Maria Lazzarotto INTRODUÇÃO: A preocupação com o meio ambiente começou somente no final do século passado,

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB.

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. Antonio José Barbosa Neto (ajbneto_@hotmail.com) 1 Ceciliana Araújo Leite (cecidemais@hotmail.com)

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL A SANTA CASA BH TEM TODOS OS CUIDADOS PARA VOCÊ CONQUISTAR UMA CARREIRA SAUDÁVEL. Missão Humanizar a assistência

Leia mais

A evolução financeira do setor de queimados, sua legitimidade, seu financiamento e sua complexidade no período de 2002 a 2010

A evolução financeira do setor de queimados, sua legitimidade, seu financiamento e sua complexidade no período de 2002 a 2010 A evolução financeira do setor de queimados, sua legitimidade, seu financiamento e sua complexidade no período de 2002 a 2010 Antonio Pescuma Junior I ; Aquilas Mendes II ; Paulo Cezar Cavalcante de Almeida

Leia mais

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente?

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente? O tema Segurança do Paciente vem sendo desenvolvido sistematicamente pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) desde sua criação, cooperando com a missão da Vigilância Sanitária de proteger

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Informações sobre a disciplina: Professor: Eng. Carlos Bernardo Gouvêa Pereira Site: www.carlosbernardo.com Email: prof_carlospereira@camporeal.edu.br

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES

A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES André F. Soares Correia, FSM, andre.s.correia@hotmail.com¹ Virginia Tomaz Machado, FSM, vtmachado@hotmail.com²

Leia mais

TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL

TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

1º. SIMPÓSIO DE HOTELARIA WOLF COMERCIAL. HOTELARIA HOSPITALAR O olhar do profissional de saúde

1º. SIMPÓSIO DE HOTELARIA WOLF COMERCIAL. HOTELARIA HOSPITALAR O olhar do profissional de saúde 1º. SIMPÓSIO DE HOTELARIA WOLF COMERCIAL HOTELARIA HOSPITALAR O olhar do profissional de saúde HOTELARIA HOSPITALAR Diferencial competitivo Estar em um hotel Investimento Melhoria da qualidade da prestação

Leia mais

Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas

Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas Ligia Scrivano Paixão Diretora do Sistema de Bibliotecas e coordenadora do curso de Biblioteconomia da Universidade Santa

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM AUDITORIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE Unidade

Leia mais

Constituição de competência para humanização da assistência na prática do enfermeiro em Unidade de Terapia Intensiva

Constituição de competência para humanização da assistência na prática do enfermeiro em Unidade de Terapia Intensiva Constituição de competência para humanização da assistência na prática do enfermeiro em Unidade de Terapia Intensiva Nara Elizia Souza de OLIVEIRA 1 ; Lizete Malagoni de A. C. OLIVEIRA 2 ; Roselma LUCCHESE

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas As pessoas devem ser tratadas como parceiros da organização. ( Como é isso?) Reconhecer o mais importante aporte para as organizações: A INTELIGÊNCIA. Pessoas:

Leia mais

Administração de CPD Chief Information Office

Administração de CPD Chief Information Office Administração de CPD Chief Information Office Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os principais conceitos e elementos relacionados ao profissional de

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO EM GRUPOS DE PESQUISAS E A OPORTUNIDADE DE CRESCIMENTO E VISIBILIDADE DA ENFERMAGEM 1

A PARTICIPAÇÃO EM GRUPOS DE PESQUISAS E A OPORTUNIDADE DE CRESCIMENTO E VISIBILIDADE DA ENFERMAGEM 1 A PARTICIPAÇÃO EM GRUPOS DE PESQUISAS E A OPORTUNIDADE DE CRESCIMENTO E VISIBILIDADE DA ENFERMAGEM 1 NASCIMENTO, Letícia 2 ; NEVES, Eliane Tatsch 3 ; PIESZAK, Greice Machado 4 ; POTRICH, Tassiana 5 RESUMO

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM HOTELARIA HOSPITALAR Unidade Dias e Horários

Leia mais

TÍTULO DA FUTURA MONOGRAFIA: SUBTÍTULO, SE HOUVER.

TÍTULO DA FUTURA MONOGRAFIA: SUBTÍTULO, SE HOUVER. 1 UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DE HUMANIDADES E DIREITO CURSO DE DIREITO NOME DO AUTOR TÍTULO DA FUTURA MONOGRAFIA: SUBTÍTULO, SE HOUVER. SÃO BERNARDO DO CAMPO 2014 2 NOME DO AUTOR TÍTULO

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

INDICADORES DE QUALIDADE NA GESTÃO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM: REVISÃO INTEGRATIVA

INDICADORES DE QUALIDADE NA GESTÃO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM: REVISÃO INTEGRATIVA INDICADORES DE QUALIDADE NA GESTÃO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM: REVISÃO INTEGRATIVA Bellé MBB, Ferreira DBR, Premoli RC Hospital Regional de Araranguá, Araranguá - SC monicabb20@hotmail.com Resumo- Poster

Leia mais

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL Rio de Janeiro 2002 Doenças Infecciosas e Parasitárias na BVS

Leia mais

Administração e Planejamento em Serviço Social. Administração em Serviço Social Conceitos e contextualizações

Administração e Planejamento em Serviço Social. Administração em Serviço Social Conceitos e contextualizações Administração e Planejamento em Serviço Social Profa. Edilene Maria de Oliveira Administração em Serviço Social Conceitos e contextualizações Palavras chave: Administração, planejamento, organização 1

Leia mais

Curso de Especialização em MBA EXECUTIVO EM SAÚDE

Curso de Especialização em MBA EXECUTIVO EM SAÚDE Curso de Especialização em MBA EXECUTIVO EM SAÚDE ÁREA DO CONHECIMENTO: Administração. Saúde. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em MBA Executivo em Saúde. OBJETIVO DO CURSO:

Leia mais

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II Ministério da Educação Secretaria de Ensino Superior Diretoria de Hospitais Univ ersitários e Residências em Saúde A articulação da Graduação em Saúde, dos Hospitais de Ensino e das Residências em Saúde

Leia mais

Consultoria em ambientes de saúde

Consultoria em ambientes de saúde Consultoria em ambientes de saúde Teoria ou prática? Na L+M, você tem os dois. Ambientes de saúde são sistemas complexos que precisam estar disponíveis 365 dias por ano, 24 horas por dia. São diferentes

Leia mais

Sistema de Apoio à Elaboração de Projetos de Investimentos em Saúde

Sistema de Apoio à Elaboração de Projetos de Investimentos em Saúde Sistema de Apoio à Elaboração de Projetos de Manuela Souza Ribeiro, Arquiteta. e Desenvolvimento DESCRIÇÃO O Somasus constitui-se num sistema de consulta online, a cerca de aspectos relacionados à estrutura

Leia mais

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Carolina K. Souza Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Engenharia de Produção, Campus universitário

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Júlio César Coelho do Nascimento (Enfermeiro Pós-graduando em Oncologia Clínica- Centro de Especialização em Enfermagem

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Gestão de Risco em Saúde: Segurança para Pacientes, Equipes e Ambiente Assistencial

FICHA TÉCNICA. Gestão de Risco em Saúde: Segurança para Pacientes, Equipes e Ambiente Assistencial FICHA TÉCNICA Gestão de Risco em Saúde: Segurança para Pacientes, Equipes e Ambiente Assistencial O objetivo do curso é capacitar os profissionais de saúde no uso de ferramentas de gerenciamento de risco

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO DE RACIONALIZAÇAO DOS PROCESSOS DA GOVERNANÇA HOTELEIRA

TÍTULO: ESTUDO DE RACIONALIZAÇAO DOS PROCESSOS DA GOVERNANÇA HOTELEIRA TÍTULO: ESTUDO DE RACIONALIZAÇAO DOS PROCESSOS DA GOVERNANÇA HOTELEIRA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DO INSTITUTO MAUÁ DE

Leia mais

Relatório de Gestão da CCIH

Relatório de Gestão da CCIH Relatório de Gestão da CCIH 1 - Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH é formada por membros executores -01 Enfermeira, 01 Farmacêutica e 01 Medico Infectologista e consultores-representantes

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 2ª Série Processos Gerenciais CST em Gestão Financeira A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ADMINISTRAÇÃO DE ENFERMAGEM AVALIANDO O QUE ESTUDAMOS 1. A Supervisão de Enfermagem é fundamental para o desenvolvimento dos recursos humanos, através da educação

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL Módulos Disciplinas Carga Horária Módulo I Sociologia da saúde 30 h Módulo II Economia da saúde 30 h Módulo III Legislação em saúde 30 h

Leia mais

Relatório de Gestão da CCIH

Relatório de Gestão da CCIH Relatório de Gestão da CCIH 1 - Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH é formada por membros executores -01 enfermeira, 01 farmacêutica e 01 infectologista e consultoresrepresentantes

Leia mais

XVIII JORNADA DE ENFERMAGEM EM HEMODINÂMICA.

XVIII JORNADA DE ENFERMAGEM EM HEMODINÂMICA. . Qualificando o desempenho operacional utilizando ferramentas de Tecnologia de Informação. sfl.almada@gmail.com Enfª Sueli de Fátima da Luz Formação: Bacharel em Enfermagem e Obstetrícia Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM I

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM I UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM OBJETIVOS DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM I MÉTODOS DE TRABALHO - FERRAMENTAS NA ORGANIZAÇÃO DO PROCESSO DE TRABALHO DA ENFERMAGEM 1.

Leia mais

Gerenciamento de Custos. Profª Karina Gomes Lourenço

Gerenciamento de Custos. Profª Karina Gomes Lourenço Gerenciamento de Custos Profª Karina Gomes Lourenço A EXPANSÃO DOS GASTOS NA SAÚDE (Nível Macroeconômico) Aumento da Demanda Incorporação de direitos universais de cobertura Mudanças na estrutura etária

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE USO RACIONAL DA ÁGUA NO CAMPUS DO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PARTE 05

IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE USO RACIONAL DA ÁGUA NO CAMPUS DO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PARTE 05 IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE USO RACIONAL DA ÁGUA NO CAMPUS DO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PARTE 05 Doalcey A. Ramos, Centro de Ciências Tecnológicas, doalcey@joinville.udesc.br

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Instituto Sócrates Guanaes

Instituto Sócrates Guanaes Instituto Sócrates Guanaes Instituição de direito privado sem fins lucrativos; Fundado em 13 de julho de 2000; Qualificado como Organização Social; Reconhecido como instituição de utilidade pública municipal

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

Sabe-se que a cirurgia é praticada desde a pré-história, através de procedimentos de trepanação (operação que consiste em praticar uma abertura em um

Sabe-se que a cirurgia é praticada desde a pré-história, através de procedimentos de trepanação (operação que consiste em praticar uma abertura em um Renata Ariano Sabe-se que a cirurgia é praticada desde a pré-história, através de procedimentos de trepanação (operação que consiste em praticar uma abertura em um osso). No entanto, a cirurgia teve seus

Leia mais

Curso de Especialização EM MBA EXECUTIVO EM GESTÃO DE PESSOAS E RECURSOS HUMANOS

Curso de Especialização EM MBA EXECUTIVO EM GESTÃO DE PESSOAS E RECURSOS HUMANOS Curso de Especialização EM MBA EXECUTIVO EM GESTÃO DE PESSOAS E RECURSOS HUMANOS ÁREA DO CONHECIMENTO: Administração NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em MBA Executivo em

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Especialização em Metodologia do Ensino Superior Imperatriz

Leia mais

CICLO DE INOVAÇÃO NA GESTÃO PÚBLICA 14/07/2014. Infrahosp

CICLO DE INOVAÇÃO NA GESTÃO PÚBLICA 14/07/2014. Infrahosp Infrahosp Julho 2014 1 Sumário Categoria:... 3 Temática... 3 Ementa... 3 Ideia... 4 Infrahosp... 4 Nome do Pré-Projeto:... 4 Órgão executor:... 4 Início / Término da implementação:... 4 Público-alvo:...

Leia mais

Análise da qualidade de vida no trabalho em uma empresa prestadora de serviços de fotocópias e serviços diversos no município de Bambuí/MG

Análise da qualidade de vida no trabalho em uma empresa prestadora de serviços de fotocópias e serviços diversos no município de Bambuí/MG Análise da qualidade de vida no trabalho em uma empresa prestadora de serviços de fotocópias e serviços diversos no município de Bambuí/MG Kamyla Espíndola Gibram REIS 1 ; Estefânia Paula da SILVA 2 ;

Leia mais

CCIH/SCIH: a Enfermagem à frente da prevenção de infecções hospitalares

CCIH/SCIH: a Enfermagem à frente da prevenção de infecções hospitalares freeimages.com CCIH/SCIH: a Enfermagem à frente da prevenção de infecções hospitalares A adesão dos profissionais de saúde e o envolvimento de pacientes e familiares nas medidas de prevenção reduzem o

Leia mais

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe 1378 O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe V Mostra de Pesquisa da Pós- Graduação Cristiane Ferraz Quevedo de Mello 1,

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE VILA VELHA ESTRUTURA BIBLIOTECA FESVV

FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE VILA VELHA ESTRUTURA BIBLIOTECA FESVV FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE VILA VELHA ESTRUTURA BIBLIOTECA FESVV VILA VELHA 2010 1. BIBLIOTECAS DA FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ ESPÍRITO SANTO As Bibliotecas da Faculdade Estácio de Sá Espírito Santo, seguem

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

A PERCEPÇÃO DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM SOBRE LIMPEZA TERMINAL EM UTI

A PERCEPÇÃO DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM SOBRE LIMPEZA TERMINAL EM UTI 1 A PERCEPÇÃO DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM SOBRE LIMPEZA TERMINAL EM UTI INTRODUÇÃO Maria do Socorro Oliveira Guimarães - NOVAFAPI Paula Cristina Santos Miranda Queiroz - NOVAFAPI Rosania Maria de Araújo -

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ RELATÓRIO DO QUESTIONÁRIO APLICADO AO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO II SEMESTRE/2014 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA)

Leia mais

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão Hospital Universitário Walter Cantídio Diretoria de Ensino e Pesquisa Serviço de Desenvolvimento de Recursos Humanos Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão HOSPITAL

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara dos Deputados pela imprensa escrita.

O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara dos Deputados pela imprensa escrita. Câmara dos Deputados Centro de Formação e Treinamento CEFOR Programa de Pós-Graduação Nara Lucia de Lima O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA Romaldo Bomfim Medina Jr 1 Luciane Silva Ramos 2 Fernanda Franceschi de Freitas 3 Carmem Lúcia Colomé Beck 4 O movimento

Leia mais

A pesquisa textual em bases de dados e os recursos disponíveis no âmbito da Biblioteca Virtual em Saúde - BVS

A pesquisa textual em bases de dados e os recursos disponíveis no âmbito da Biblioteca Virtual em Saúde - BVS A pesquisa textual em bases de dados e os recursos disponíveis no âmbito da Biblioteca Virtual em Saúde - BVS Competência informacional é um conjunto de competências de aprendizagem e pensamento crítico

Leia mais

ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS

ANEXO II AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS EQUIPE DE DESINSTITCUIONALIZAÇÃO - MODALIDADE: VALOR DO PROJETO: 1. DADOS

Leia mais

I-070 - DIAGNÓSTICO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇO DE SAÚDE EM UM HOSPITAL PÚBLICO EM BELÉM/PA

I-070 - DIAGNÓSTICO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇO DE SAÚDE EM UM HOSPITAL PÚBLICO EM BELÉM/PA I-070 - DIAGNÓSTICO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇO DE SAÚDE EM UM HOSPITAL PÚBLICO EM BELÉM/PA Lana Tais da Silva Coelho (1) Estudante do curso de Engenharia Ambiental do Instituto de

Leia mais

Curso de Especialização em GESTÃO EM SAÚDE MENTAL

Curso de Especialização em GESTÃO EM SAÚDE MENTAL Curso de Especialização em GESTÃO EM SAÚDE MENTAL ÁREA DO CONHECIMENTO: Saúde. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Gestão em Saúde Mental. PERFIL PROFISSIONAL: Entender

Leia mais

Atuação do Farmacêutico no Âmbito Hospitalar: Desafio em Recursos Humanos

Atuação do Farmacêutico no Âmbito Hospitalar: Desafio em Recursos Humanos Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências da Saúde PET Farmácia Atuação do Farmacêutico no Âmbito Hospitalar: Desafio em Recursos Humanos Antonio E. Matoso Mendes Orientadora: Maria Luíza D. Fávero

Leia mais

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Responsável: Hernandes Pires do Reis Consultor da Divisão de Manutenção e Suporte a Sistemas Endereço:

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Título: Autores: Unidade Acadêmica: INTRODUÇÃO

Título: Autores: Unidade Acadêmica: INTRODUÇÃO Título: AVALIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA EM SAÚDE AO IDOSO NO MUNÍCIPIO DE ANÁPOLIS-EFETIVIDADE E RESOLUTIVIDADE Autores: Júlia Maria Rodrigues de OLIVEIRA, Marta Rovery de SOUZA. Unidade Acadêmica:

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF.

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. Danilo Domingos Gonzales Simão 1 Fábio Augusto Martins Pereira 2 Gisele Maciel de Lima 3 Jaqueline

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS Taís Lopes Saranholi Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: tais_saranholi@hotmail.com Cássia Marques da Rocha Hoelz E-mail: cassiarocha@bauru.sp.gov.br

Leia mais

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira Sumário Psicologia no Brasil: percurso histórico Psicologia no Brasil nos últimos vinte anos Referências legais e organização

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Assistência de Enfermagem à Saúde do Trabalhador Professor: Daniely Oliveira Nunes Gama E-mail: danioliveiranunes@yahoo.com.br

Leia mais

BIREME/OPAS/OMS BVS Saúde Pública. Projeto BVS-SP-7 Atualização da terminologia e áreas temáticas em saúde pública (01 de julho de 2002) 1.

BIREME/OPAS/OMS BVS Saúde Pública. Projeto BVS-SP-7 Atualização da terminologia e áreas temáticas em saúde pública (01 de julho de 2002) 1. BIREME/OPAS/OMS BVS Saúde Pública Projeto BVS-SP-7 Atualização da terminologia e áreas temáticas em saúde pública (01 de julho de 2002) 1. Introdução Este documento descreve o projeto para atualização

Leia mais

MBA em Auditoria dos Serviços de Saúde Objetivo do curso:

MBA em Auditoria dos Serviços de Saúde Objetivo do curso: Com carga horária de 420 horas o curso de MBA em Auditoria dos Serviços de Saúde é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no curso: 04) para avaliação nos diversos

Leia mais

FATORES ASSOCIADOS À ADESÃO E ABANDONO DO TRATAMENTO DA TUBERCULOSE

FATORES ASSOCIADOS À ADESÃO E ABANDONO DO TRATAMENTO DA TUBERCULOSE FATORES ASSOCIADOS À ADESÃO E ABANDONO DO TRATAMENTO DA TUBERCULOSE Arieli Rodrigues Nóbrega Videres¹- arieli.nobrega@hotmail.com Layz Dantas de Alencar²- layzalencar@gmail.com ¹ Professora mestre do curso

Leia mais

FONTES PARA O ESTUDO DO TURISMO

FONTES PARA O ESTUDO DO TURISMO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA TURISMO PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 4 JANEIRO DE 2006 FONTES PARA O ESTUDO DO TURISMO GUARALDO, Tamara de S. Brandão ACEG Faculdade de Ciências Humanas docente

Leia mais

no Brasil O mapa da Acreditação A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais

no Brasil O mapa da Acreditação A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais O mapa da Acreditação no Brasil A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais metodologias Thaís Martins shutterstock >> Panorama nacional Pesquisas da ONA (Organização

Leia mais

Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial

Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Programa 0049 DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL Objetivo Ampliar e melhorar a oferta de atendimento aos portadores de necessidades educativas especiais. Público Alvo Alunos com necessidades educativas

Leia mais

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS Andréia Guaracho Ramos (1) Bacharel em Química e Pós Graduada em Química Industrial pela Fundação

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS DENOMINAÇÃO DO CARGO: AUXILIAR DE BIBLIOTECA NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO: C DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES TÍPICAS DO CARGO: Organizar, manter e disponibilizar os acervos bibliográficos para docentes, técnicos e alunos;

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Partes Iniciais ou Elementos Pré- Textuais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Partes Iniciais ou Elementos Pré- Textuais Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Partes Iniciais ou Elementos Pré- Textuais Disciplina: Orientação de Conclusão de Curso Professor: Fernando Zaidan PROJETO - Elaboração de um projeto é de grande importância

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

GRADUAÇÃO E TRABALHO EM ENFERMAGEM RELACIONADOS AO SOFRIMENTO PSÍQUICO: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

GRADUAÇÃO E TRABALHO EM ENFERMAGEM RELACIONADOS AO SOFRIMENTO PSÍQUICO: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA GRADUAÇÃO E TRABALHO EM ENFERMAGEM RELACIONADOS AO SOFRIMENTO PSÍQUICO: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Luana Aparecida Alves da Silva 1 Ana Carolina Rossin¹ Thaís Dresch Eberhardt 2 Leonardo Dresch Eberhardt 3

Leia mais