Software Livre e as alterações no mercado de software no Brasil e no mundo elementos para uma política governamental de software

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Software Livre e as alterações no mercado de software no Brasil e no mundo elementos para uma política governamental de software"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA Software Livre e as alterações no mercado de software no Brasil e no mundo elementos para uma política governamental de software Deivi Lopes Kuhn Porto Alegre, dezembro de 2005.

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS Software Livre e as alterações no mercado de software no Brasil e no mundo elementos para uma política governamental de software Deivi Lopes Kuhn Orientadora: Professora Marcilene Martins Monografia apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Ciências Econômicas, na Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre, dezembro de 2005.

3 Agradecimentos A todos os voluntários que desenvolveram os softwares livres que permitiram a construção desta monografia, seja por acreditarem na importância da liberdade de acesso a tecnologia, seja por simples exercício intelectual. A todos aqueles que acham que o conhecimento deve ser livre e compartilhado de todas as maneiras, seja através de um código fonte, seja pela educação formal, na qual destaco o esforço da professora Marcilene Martins pelo tempo dedicado a orientação deste trabalho e pelas importantes sugestões e correções.

4 SUMÁRIO INTRODUÇÃO FUNDAMENTOS TEÓRICOS PARA A ANÁLISE DAS FIRMAS E DOS MERCADOS Concepções de firma Elementos de Estrutura de Mercados Oligopólico Mercados Atomísticos ou Concentrados Fontes de Barreiras a Entradas Estratégias competitivas das firmas Estratégias de crescimento Estratégias de Preços Concepções sobre a intervenção do Estado CARACTERIZAÇÃO DO MERCADO DE SOFTWARE PROPRIETÁRIO O Software como um bem não-rival Composição de custos e formação de preços no mercado de software proprietário Caracterização dos custos A discriminação de preços como estratégia competitiva Barreiras à entrada e dinâmica da concorrência no setor Economias de Rede Aprisionamento de clientes Bens Complementares como fonte de aprisionamento tecnológico Hardware Software Fontes Adicionais de Barreiras à Entrada Conseqüências do poder de mercado sobre a concorrência O SOFTWARE LIVRE COMO UM NOVO PARADIGMA TÉCNICO- ORGANIZACIONAL NO MERCADO DE SOFTWARE O surgimento e Evolução do Software Livre O surgimento do Software Livre... 43

5 3.1.2 A consolidação do movimento de Software Livre O Novo modelo de produção de software A Catedral e o Bazar A Open Source Initiative e novo foco do movimento de Software Livre Vantagens na adoção de Software Livre por parte das empresas usuárias Vantagens na adoção de Software Livre por empresas A especificidade do usuário governo Impacto do Software Livre sobre as dimensões de produção e concorrência no setor de software Estratégias das empresas fornecedoras de software face ao avanço do Software Livre no mercado Novo modelo de negócios com software livre MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS DE MUDANÇAS COM A DIFUSÃO DO SOFTWARE LIVRE Aspectos da estrutura e do desempenho recente do setor Aspectos da dinâmica competitiva do setor Medidas de Política e Perspectivas da Adoção de Software Livre Principais ações do Governo Federal pró-software Livre Perspectivas de mudanças na dinâmica do mercado com a difusão do Software Livre Vantagens e desafios do novo modelo CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS REFERÊNCIAS NA INTERNET GLOSSÁRIO... 90

6 INTRODUÇÃO A tecnologia da informação tem comprovado a cada dia sua força dentro da economia global, seja como setor de grande faturamento ou seja como elemento da nova dinâmica tecnológica do capitalismo. Contudo, neste novo mercado com suas características específicas, um subsetor em especial se destaca: o mercado de software que possui na sua alta rentabilidade um aspecto importante se comparado aos demais setores de tecnologia. O mercado de Software se tornou estratégico dentro das disputas entre as empresas da área. Porém, mesmo com tanto interesse das empresas em entrar neste setor, ele continua, sendo um mercado bastante concentrado em grande parte de suas áreas de atuação. onde poucos conseguem consolidar seus produtos a se estabelecer como alternativa para os consumidores. Todavia, um novo movimento, denominado predominantemente no Brasil como Software Livre e nos Estados Unidos como Open Source, vem provocando profundas alterações na dinâmica do setor e chamando a atenção pela qualidade de seus produtos e pela sua crescente utilização, sobretudo no mundo empresarial. Este novo modelo de desenvolvimento de software, o qual passa a ser considerado um serviço ao invés de um produto, promove uma grande mudança na estrutura, nas estratégias e nos resultados no setor e mais amplo ainda, em todo o mercado de tecnologia da informação. O novo e grande concorrente não vem mais de uma pequena empresa que revoluciona com um produto totalmente novo, como no início do crescimento do setor, nem de grandes empresas que se articulam para conquistar um novo mercado, mas sim de um novo modelo, surgido de um movimento social, usando instrumentais totalmente novos e não personificados em nenhuma empresa específica. O Software nada mais é que rotinas escritas em uma determinada linguagem que são convertidas para linguagem de máquina. No modelo tradicional de Software, as empresas desenvolvem cada rotina necessária para o seu funcionamento, convertem em linguagem de máquina e distribuem apenas o seu produto através de licenças de uso sobre ele e tratando o código original como segredo industrial. No modelo de Software Livre, o acesso ao código não possui restrições, qualquer um pode acessá-lo, alterá-lo e redistribuí-lo a vontade. As empresas do setor passam a ser remuneradas pelos serviços que prestam para os usuários deste software. Em todo o mundo este novo modelo se apresenta como uma alternativa de desenvolvimento tecnológico e de economia para empresas usuárias de tecnologia e para os governos, ambos muito dependentes e aprisionados a fornecedores de Software. O próprio

7 Governo Brasileiro, especialmente depois da posse do Presidente Lula, vêm utilizando softwares livres em praticamente todos os seus setores, e estabaleceu o seu uso como objetivo estratégico para todo o Governo. O presente trabalho vai analisar as mudanças ocorridas na indústria de software, bem como os motivos que levaram o Governo Federal a estabelecer o uso de um modelo específico do mercado de software como uma decisão estratégica. Para tanto, o primeiro capítulo fará uma rápida revisão na literatura de análise de modelos de concorrência concentradas, utilizando referenciais de economia industrial. Já o segundo capítulo, procura aplicar esses referenciais de análise ao setor de tecnologia da informação, com ênfase para o mercado de software, abordando temas como economias de rede, barreiras a entrada, custos de substituição por produtos similares e estrutura de preço. Com esta caracterização, pretende-se mostrar os fundamentos da excessiva concentração existente no mercado e da dificuldade de novas tecnologias e produtos se estabelecerem quando originadas e defendidas fora das empresas líderes do setor. O terceiro capítulo trata do surgimento do modelo de Software Livre, desde o seu início como movimento de caráter social, as alterações introduzidas no próprio processo de produção de conhecimento materializado em software. Também será demonstrado como os movimentos a favor do Software Livre se colocam em termos de argumentação e suas posturas políticas e filosóficas nas suas argumentações, correlacionando como tanto a produção de software, quanto a adoção por parte dos indivíduos e empresas se justificam em cada um dos modelos. A partir deste diagnóstico e das estratégias usadas nos movimentos socias, serão abordadas as alterações que a introdução do Software Livre trouxe para a dinâmica concorrencial do setor e sua relação com uma estrutura de mercado extremamente concentrada, descrevendo as estratégias das empresas do setor, bem como o novo modelo de negócios que está se espalhando pelo mercado. O último capítulo irá analisar a estrutura atual do mercado de software no Brasil e sua dinâmica competitiva, mostrando como a estratégia de adoção de Software Livre e do novo modelo de produção de software pode alterar o mercado. A partir deste ponto, será analisado a política pró-software Livre do Governo Federal, mostrando algumas ações já realizadas e em andamento dentro das políticas governamentais, sua influência sobre o mercado privado na adoção de Software Livre e em que medida isto pode contribuir para o desenvolvimento nacional. Finalizando o trabalho será demonstrado as perspectivas da difusão do Software Livre no mercado nacional, vantagens e desafios para do novo modelo e apontando para um possível reposicionamento do país no mercado mundial de produção de software.

8

9 1 - FUNDAMENTOS TEÓRICOS PARA A ANÁLISE DAS FIRMAS E DOS MERCADOS O presente capítulo irá fazer uma breve revisão do referencial teórico de economia industrial, focando em mercados de concorrência oligopolista. Será abordado o debate econômico em relação às diferentes concepções de firma. A partir disto, analisaremos os principais elementos de estruturas de mercado, como barreiras à entrada, diferenciação de produtos e barreiras à saída. A base desta caracterização de estrutura do setor analisaremos as estratégias de crescimento e de posicionamento das firmas em mercados concentrados. Por fim faremos uma breve análise das diferentes concepções sobre a intervenção do estado atividade industrial. 1.1 Concepções de firma Ao realizarmos a análise sobre um determinado mercado, o primeiro ponto que precisa ser considerado são os objetivos identificados para as empresas que atuam neste mercado. Esta questão tem sido objeto de debate, seja pela maneira com que as diferentes concepções teóricas e suas visões do funcionamento do sistema econômico tratam o assunto, seja pela própria evolução das firmas caracterizada por profundas mudanças no seu funcionamento e objetivos, ao longo da história do capitalismo. Na visão da economia política clássica a empresa não desempenha um papel central. Dado que ela considera os indivíduos enquanto detentores de capital, os burgueses é que surgem como sendo o principal elemento de análise. Já a moderna empresa está separada dos seus proprietários, criando um ente jurídico à parte, bem diferente das empresas típicas do início do capitalismo, onde a empresa se confundia com a família que a possuía. Já com a teoria neoclássica, sobretudo a partir de Alfred Marshal, a firma passa à condição de elemento central na análise, porém, ainda ligada à visão do capitalista que a controla, e que no decorrer das gerações leva ao declínio da empresa familiar, abrindo caminho para novos concorrentes. Segundo Marshall, mesmo que os filhos dos empresários, de maneira geral, consigam manter a empresa funcionando, (...) depois de passada uma geração, quando as velhas tradições deixarem de ser um guia seguro, e quando os liames que uniam os antigos empregados já tiverem se dissolvido, o negócio desmantelará... (Marshall, pg 256). Outros elementos fundamentais nesta concepção neoclássica da firma são as hipóteses da livre mobilidade de capitais e dos rendimentos decrescentes de escala, os quais, agora

10 generalizados para toda a economia, e não mais restritos à agricultura, como na visão da teoria ricardiana. Em relação aos objetivos da firma, tal concepção, porquanto mais interessada na eficiência alocativa, ressaltará a maximização de lucro como tradução da função-objetivo das firmas. Assim, as empresas tomariam decisões visando, a curto prazo, maior lucratividade com a sua base atualmente instalada, ao passo que a longo prazo buscariam a definição de um tamanho ótimo de sua planta industrial. A contraposição à abordagem neoclássica da firma e dos mercados ganha força no debate econômico, a partir do início dos anos 20, com um artigo de Piero Sraffa, onde este autor criticava vários pressupostos da abordagem tradicional, e concluia que seria necessário retornar a análise para o monopólio, ao invés da concorrência perfeita. As principais críticas deste autor eram sobre a lei de rendimentos decrescentes, que teriam sido assim definidas para garantir que as curvas de oferta tivessem formas geométricas desejadas, e que a teoria do tamanho ótimo das firmas contraria a realidade. Entre as visões de firma alternativas a da abordagem neoclássica, temos a gerencialista que mostra que as empresas atuais são comandadas por gerentes profissionais, e que estes possuem objetivos, ou ainda, função utilidade, diferentes do que unicamente o lucro. Neste sentido, um gerente poderia trocar um pouco de lucro por um aumento de vendas, o que elevaria o seu reconhecimento entre outros gerentes. Neste modelo, o crescimento das vendas da empresa ocupa papel central. Para os neoschumpeterianos, destacando as obras de Richard Nelson e Sidney Winter, as empresas agem de acordo com rotinas cristalizadas através de sua experiência. A empresa não é um ente que simplesmente possui custos variáveis, mas sim um conjunto de rotinas que incluem conhecimento, interpretação de informações do ambiente externo e uma sistemática de produção. Uma parte destes conhecimentos e rotinas são não formalizados, sendo adquiridos na prática. A firma também pode ser vista como um arranjo institucional duradouro, de acordo com a contribuição de Richard Coase, e não mais como simples contratações de fatores no mercado. Segundo esta teoria, haveria duas formas de alocação de recursos, uma típica de mercado, e outra hierárquica, interna à empresa. Porém, esta concepção ainda se baseia na eficiência alocativa, entre contratações de mercado e uso da hierarquia interna, buscando uma boa utilização dos custos de transação. 1.2 Elementos de Estrutura de Mercados Oligopólicos Mercados Atomísticos ou Concentrados

11 Um fator fundamental a ser observado quando analisamos as estruturas de mercado é o seu grau de concentração, isto é, verificar quantas indústrias estão atuando no mercado e a participação que elas têm nas quantidades produzidas. Esta medida nos permite, entre outras coisas, verificar se existe um poder de mercado significativo colocado para as firmas. Uma empresa líder em um mercado concentrado possui o poder de controlar os seus preços, estabelecendo uma relação de vantagem em relação aos concorrentes e, principalmente, aos demais setores da economia. Na visão neoclássica todos os produtos são idênticos ou homogêneos, não sendo possível que uma empresa pratique preço diferente das demais. Na prática ocorre justamente o contrário, a concorrência existe através de produtos similares, mas não idênticos, normalmente com preços diferentes, o que é chamado de diferenciação de produtos. Esta diferenciação pode levar à possibilidade de uma empresa fixar o preço de seus produtos num patamar acima das demais, desde que os seus consumidores estejam dispostos a pagar a mais pelo produto de uma determinada marca. A diferenciação de produtos pode ocorrer de muitas maneiras e alguns mercados podem ser mais propícios à diferenciação que outros. Costuma-se ainda a classificar os produtos sob diferentes formas de diferenciação, a horizontal, que consiste em alterações do produto que pode fazer com que alguns consumidores prefiram este produto, mas outros podem não gostar desta mesma característica. Outra diferenciação possível é a vertical, onde novas características são adicionadas ao produto, levando a que o comprador prefira este produto por um mesmo nível de preços. Normalmente este último tipo de diferenciação leva a maiores diferenciais de preço (George; Joll, 1983: pg 81). A hipótese, típica de uma análise neoclássica, de que mercados homogêneos sem barreiras à entrada são concorrenciais, em oposição a mercados oligopolizados, leva a uma concepção enganosa dos mecanismos de competição. A análise da dinâmica concorrencial a partir da abordagem de Schumpeter diz que um mercado concentrado pode, sim, ser tão ou mais concorrencial do que os mercados com grande número de ofertantes. Conforme Possas, Um mercado atomístico, composto de empresas economicamente insignificantes e desprovidas de qualquer poder de mercado, enquanto paradigma competitivo, é um lamentável ficção da ortodoxia econômica que, se verdadeira, debilitaria o ambiente competitivo e o processo de concorrência ao ponto de tornar este último inoperante, com

12 conseqüentes prejuízos ao consumidor e ao bem-estar social, quando visto em perspectiva dinâmica. (Possas, 2002, pg 419) Fontes de Barreiras a Entradas Quando tomamos o grau de concentração dentro de uma determinada indústria, como indicador do seu poder de mercado estamos esquecendo um aspecto importante, o da interrelação entre diferentes empresas de diferentes ramos industriais. Tanto quanto com o número de firmas atualmente concorrentes, uma empresa estará também constantemente preocupada com a entrada de novos concorrentes. A microeconomia tradicional ou neoclássica se baseia no conceito marshalliano de concorrência determinada pelo número e tamanho dos concorrentes, ignorando assim a concorrência potencial, isto é, novas empresas interessadas em iniciar operações em uma determinada indústria. A economia clássica prevê que existe livre mobilidade de capitais entre indústrias. Assim, ao existir um setor com lucratividade acima da média, haveria empresas interessadas em iniciar suas atividades nesta indústria para tentar se apropriar de parte destes lucros extraordinários. Por outro lado, se a lucratividade for inferior à média, algumas empresas ou mudariam de ramo, ou encerrariam suas atividades, diminuindo a oferta de produtos, elevando o preço até o padrão normal de lucratividade. Nesta análise dinâmica, a migração entre diferentes setores industriais só terminaria quando a lucratividade fosse a mesma para todas as firmas. Na prática, porém, podemos verificar que inúmeras indústrias mantém lucros acima da média durante longo tempo, indicando tanto a presença de barreiras à mobilidade de capitais, quanto a incapacidade destes novos capitais de concorrer em igualdade de condições com os capitais já estabelecidos. Segundo Kupfer, Joe S. Bain, principal formulador da teoria das barreiras à entrada de novas firmas na indústria, definiu este conceito da seguinte maneira: Barreiras a entrada corresponde a qualquer condição estrutural que permita que empresas já estabelecidas em uma indústria possam praticar preços superiores ao competitivo sem atrair novos capitais. (Kupfer, pg 113) Alguns exemplos de barreiras à entrada são a manutenção de capacidade ociosa planejada, diferenciação de produtos, registro de marca, patentes, segredo industrial, tecnologia

13 empregada, controle sobre matérias-primas ou sobre a cadeia de comercialização, volume de capital mínimo necessário, custos financeiros de entrada, entre outros. (Silva: 1999, pg 120). Economia de Escala Quando analisamos os custos de produção de uma determinada firma, podemos identificar os custos fixos, que são aqueles independentes da quantidade produzida, e os custos variáveis, que aumentam a cada nova unidade produzida. Quando analisamos uma determinada curva, temos um grande debate teórico sobre como a estrutura de custos das firmas reage ao aumento da quantidade produzida. A economia de vertente neoclássica defende que, a partir de certo ponto, o custo de produzir uma unidade adicional aumenta, levando a deseconomias de escala. Esta definição de como se comportam os custos de uma empresa é determinante para definirmos o tamanho que ela terá no mercado. Caso haja deseconomias de escala, podemos dizer que o mercado terá várias empresas, competindo cada uma no seu ótimo em termos de custo. Por outro lado, caso haja economias de escala, não haveria limites para o tamanho ótimo da firma. Vários fatores sugerem que a segunda alternativa é mais razoável. A argumentação para existência de deseconomias de escala normalmente está associada à deficiências gerenciais que ocorreriam dentro da firma devido ao seu tamanho. Esta hipótese poderia fazer sentido no início do século passado, numa firma familiar, conforme Alfred Marshall havia definido, mas não nas modernas corporações administradas por gerências profissionais. Além disso, problemas relacionados, por exemplo, ao fluxo de informações intra ou entre empresas, foram resolvidos em grande parte pelas modernas tecnologias da informação e comunicação. Assim, o que se observa, na prática, é que para uma dada escala produtiva relevante, as empresas tendem a operar sob condição ou de retornos constante ou de retornos crescentes de escala. Ao considerarmos uma estrutura de custos com retornos de escala constantes ou ainda crescentes, passamos a não ter um ponto ótimo de produção, mas sim uma quantidade mínima que precisa ser produzida, o que a literatura chama de Escala Mínima Eficiente (Lootty e Szapiro, pg 52). Uma firma precisa produzir uma quantidade igual ou superior a esta quantidade caso queira se manter competitiva. Diferenciação de Produto A competição via diferenciação de produtos pode constituir-se em mais uma forma de barreira à entrada. Os consumidores possuem dificuldades de avaliar e conhecer produtos,

14 levando à assimetria de informação, e as empresas com boa reputação passam a ter vantagens sobre outras empresas que não disponham da mesma condição. Uma empresa entrante precisa manter preços inferiores para incentivar os consumidores a adquirir seus produtos o que, por outro lado, pode levar a uma guerra de preços perigosa para o entrante, que não tem como avaliar a capacidade das empresas rivais em tal situação. Barreiras à Saída Quando uma empresa abandona um determinado mercado nem sempre ela consegue recuperar os investimentos que realizou no momento de sua entrada. Os custos de saída têm grande relação com as barreiras à entrada na medida que pode se constituir num importante fator de influência para a decisão de entrar ou não em um mercado. A empresa sempre avalia o cenário de não conseguir obter sucesso. O peso da incerteza e dos riscos ligados a um investimento aumentam diretamente em relação aos recursos que não podem ser resgatados após serem investidos, os quais, caracterizariam então o que se denominam custos irrecuperáveis (Hasenclever e Ferreira, 2002: pg 141). Alguns exemplos desse tipo de custo são os gastos em publicidade, pesquisa específica para o produto, custos de credibilidade, formação de redes de fornecimento e comercialização, criação de ativos intelectuais - como software, marca, etc. Apesar de tais custos representarem, em muitas indústrias, peso significativo em termos de volume de investimento, dificilmente eles poderão ser recuperados. 1.3 Estratégias competitivas das firmas Estratégias de crescimento Como discutimos em relação à natureza e dos objetivos das firmas, o seu crescimento é um dos objetivos mais presentes no âmbito das estratégias das empresas. Para entendermos como elas conseguem efetivar este objetivo é fundamental analisarmos as estratégias de crescimento mais utilizadas. Diversificação Uma das estratégias normalmente usadas pelas empresas é a diversificação de produtos e de área de atuação. As motivações para esta estratégia de expansão estão ligadas a vários motivos:

15 Incerteza Os administradores das corporações, ao verificarem a incerteza inerente a qualquer mercado, procuram diversificar a área de atuação da empresa para garantir que, caso ocorra alguma alteração substancial no seu mercado original, ela tenha condições de manter sua existência no futuro. Interesse dos administradores Os administradores de uma empresa, interessados em sua reputação perante o mercado não atuam apenas no interesse de aumentar a lucratividade da empresa. Um dos principais fatores de valorização de um administrador é o tamanho da empresa gerida por ele, sendo esta a sua principal motivação nas decisões por ele tomadas. Recursos ociosos A existência de recursos ociosos dentro da empresa, levam a estratégias de crescimento para propiciar melhor aproveitamento. Além deste aspecto de eficiência, é normal que as próprias pessoas envolvidas em atividades com relativo grau de ociosidade procurem novas atividades. Poder de mercado Uma firma pode traçar uma estratégia de diversificação a fim de aumentar o seu poder de mercado, expandindo o número de produtos a fim de alcançar novos mercados correlatos ou substitutos. Fontes de matéria prima A fabricação de produtos que dependam dos mesmos fatores de produção acabam sendo incentivadas. Uma firma que necessita de uma determinada matéria-prima, e tenha conhecimento pleno sobre seu mercado passa a ter uma vantagem para iniciar a produção de um outro produto que use a mesma matéria-prima. Redes de distribuição A montagem de uma rede de distribuição é um dos aspectos mais importantes para a capacidade de escoamento de uma produção. Uma empresa que promova a entrada de um produto similar terá grande facilidade de usar a mesma rede de distribuição para seu novo produto.

16 Aproveitar Imagem Uma empresa que possua boa imagem em seus produtos, conseguindo ligar o seu nome à qualidade, passa a ter uma vantagem para conquistar os consumidores para seu novo produto. Os consumidores esperam que este novo produto tenha a mesma qualidade dos produtos já em comercialização. Integração Vertical As firmas podem ainda adotar a estratégia de expandir sua área de atuação para outras partes da cadeia produtiva de seu produto, englobando tanto a etapa de fornecimento de insumos como etapas posteriores de produção. Este tipo de ação, denominada integração vertical, comumente está ligada à segurança de uma firma que pode temer que um elemento da sua cadeia produtiva possa ter problemas de qualidade ou capacidade para expansão, ou ainda que ela possa se destacar no controle da cadeia produtiva. A integração vertical também pode ser motivada unicamente pelo desejo de crescimento e expansão a firma, que vê numa área correlata, um setor de fácil investimento. Além disso, controlar um elo a mais da cadeia produtiva pode ser importante na estratégia de competição com os concorrentes, além de levantar mais uma barreira à entrada de concorrentes. A Teoria dos Custos de Transação, por sua vez, nos diz que na negociação de uma firma com um fornecedor existem custos adicionais, os custos de transação, que podem levar a incorporação da atividade para buscar maior eficiência. Estes custos são influenciados por vários fatores, como: quantidade de vezes que ocorre a transação, complexidade da relação entre os agentes econômicos, racionalidade limitada, incertezas, oportunismo, etc. Aquisições e Fusões Dentre as estratégias de crescimento das firmas a de aquisições e fusões tende a ser de grande relevância. Os motivos da tomada de decisão deste tipo de estratégia são variados e normalmente complexos. Do lado da empresa a ser adquirida podemos ter: A firma, ou o mercado em que ela atua, está passando por um período desfavorável, e esta pode ser uma maneira de manter o capital investido; O dono da firma é obrigado a vendê-la para pagar obrigações tributárias;

17 A firma pode ter alcançado um determinado estágio de crescimento que se tornou muito grande para uma gerência não profissional; (George, Joll; 1983: pg 121) A Firma que está adquirindo ou as que estão em fase de fusão podem ser motivadas por: Economia de escala: aumentando a especialização nas atividades em cada fábrica, melhorando a escala ótima de cada fábrica ou ainda levando a economia de custos não produtivos, como o de marketing; Complementaridades: uma firma pode ser melhor do que a outra em uma determinada atividade, de maneira que a fusão ou aquisição pode melhorar a eficiência de ambas; Velocidade e segurança: as fusões e aquisições são uma maneira mais rápida de se obter o crescimento de uma firma. É uma estratégia muito utilizada em caso de crescimento horizontal; Monopólio e poder de mercado: pode ser a maneira mais fácil de eliminar a concorrência ou de aumentar o poder sobre o mercado. Fatores financeiros e promocionais: o valor das ações das firmas pode influenciar positivamente a estratégia de fusão, pois os investidores podem ter diferentes percepções, vendo em uma firma melhores perspectivas do que em outra. Conforme George e Joll, as estratégias de aquisições e fusões são normais quando uma grande empresa se sente ameaçada por uma empresa menor e inovadora, já que: O lucro auferido pela pequena empresa firma em sua escala de produção será muito menor que os prejuízos potenciais da grande firma se esta não conseguir responder com seu próprio produto ou processo melhorado. Nessas circunstâncias, a grande firma pode estar preparada para pagar mais pela firma inovadora do que o valor desta para seus atuais proprietários (isto é, mais do que o valor atual do fluxo futuro de lucros que eles podem esperar). (George, Joll e Lynk, 1983: pg. 96) Estratégias de Preços Dentro da análise da dinâmica concorrencial em mercados concentrados e com barreiras à entrada, a teoria do preço limite pretende explicar as estratégias de preços das empresas a fim de

18 evitar que novas empresas venham a ter incentivos à entrada em seus setores. Esta análise parte da hipótese de que uma empresa que esteja auferindo lucros extraordinários avalie que novas empresas terão interesse de entrar neste mercado a fim de compartilhar parte desta renda. Entre as estratégias possíveis de manutenção de sua posição, a empresa estabelecida pode adotar o preço competitivo, que, por definição, não atrairia a entrada de novas empresas. Outra possibilidade seria definir o preço correspondente ao nível de lucro máximo, atraindo definitivamente a empresa entrante e determinando que no futuro possa haver queda de lucratividade. Contudo, como há barreiras à entrada e/ou vantagens competitivas para a empresa estabelecida e formadora de preço, ela poderia fixá-lo ao nível de um preço limite, o qual, ao mesmo tempo em que permite auferir um pouco de lucro extraordinário, consegue impedir a entrada de novas empresas no mercado. Uma outra estratégia de preços compatível com estruturas de mercados oligopólicas, desde que atendida a condição de segmentação do mercado consumidor, é a política de discriminação de preços. Esta é uma estratégia normalmente adotada em mercados concentrados visando aumentar o lucro e o volume de produtos comercializados, segmentando os compradores conforme os diferentes valores que cada um atribui ao produto, isto é, conforme a elasticidade de demanda de cada um. Esta estratégia pode ocorrer de diferentes maneiras, como segmentar a demanda em diferentes mercados, cobrando, por exemplo, um preço maior em países com renda mais alta, ou ainda, separando o público de um mesmo mercado, dando descontos à parcela mais sensível a preço, como normalmente ocorre para estudantes. 1.4 Concepções sobre a intervenção do Estado Enfoque das falhas de mercado Na teoria econômica há um debate intenso sobre o papel do Estado na economia. Porém, existe um certo consenso de que a participação do Estado se justifica em certas situações onde o mercado não consegue por si só determinar a melhor situação para a sociedade, seria o que os economistas neoclássicos chamam de falhas de mercado (Ferraz; et alli, 1999: pg 549). Os cinco principais tipos de falha mercado são: Estruturas de mercado ou condutas não competitivas Em mercados onde existem fortes economias de escala, quanto menos empresas

19 participarem deles menores serão os custos de produção, o que leva a uma estrutura oligopolista. Nestes casos é necessário evitar que estas empresas adotem condutas anticompetitivas, limitando, para tanto, o seu poder de mercado. Externalidades Conforme o modelo tradicional de concorrência todos os custos da produção de um bem é apropriado pelo produtor, bem como todos os benefícios do bem são apropriados pelo consumidor. Porém na prática este pressuposto muitas vezes não ocorre, causando com que custos ou benefícios extras não sejam capturados pelas transações de mercado, causando o que chamamos de externalidades. As externalidades ocorrem quando a atividade de uma empresa gera impactos prejudiciais ou positivos, normalmente de maneira indireta, em outras empresas, ou em particulares, causando custos e prejuízos ou benefícios para estes. No primeiro caso denominase de externalidade negativa, o segundo de externalidade positiva. A poluição é um exemplo típico de externalidade negativa, enquanto investimentos em pesquisa pura a positiva. Uma externalidade negativa está relacionada com um custo que existe ao produzir um produto, mas que não se estabelece como um custo direto do produtor. Um caso comum disto é a poluição, que não é um custo direto para a produtor, mas sim um custo para a sociedade afetada por ela. Na prática, esta característica faz com que o bem seja ofertado em excesso no mercado. Já a externalidade positiva pode ser definida quando um bem produzir benefícios extras para outras pessoas além do comprador. As atividades de pesquisa e desenvolvimento, ou ainda a produção de bens com características próximas a de bens públicos exemplificam este caso. Conforme Stiglitz & Walsh (2003: 351), Bens que geram externalidades positiva como pesquisa e desenvolvimento terão oferta subótima no mercado. Um outro tipo de externalidade positiva é o que se denomina externalidade de rede, que ocorre quando um consumidor é beneficiado a cada novo consumidor existente. O exemplo clássico é quando dois sistemas de telefonia que não estão interligados concorrem entre si. O consumidor tenderá a entrar na rede do fornecedor com a maior base de usuários instalada. Quanto maior a vantagem, maior será a dificuldade para o concorrente em desvantagem de competir, e maior será o lucro extraordinário que a maior rede terá. (Stiglitz e Walsh, pg 207) Bens Públicos Os bens públicos são aqueles que possuem duas características particulares, a nãoexclusividade, que significa que não é possível atribuir o preço do bem a um agente econômico

20 em específico não sendo possível portanto a sua comercialização, e a não-rivalidade, que diz que o aumento de unidades consumidas não afeta os custos de produção. A classificação de um bem como rival é quando o consumo de uma unidade interfere no consumo de outros. Uma pessoa que esteja passando em uma calçada, por exemplo, não impede que outras pessoas possam usá-la, ao contrário do que ocorre com o consumo de uma barra de chocolate. A informação é um caso típico de bem não-rival; uma pessoa que esteja usando uma idéia não impede que outra a utilize ao mesmo tempo. Um bem excludente é aquele em que é possível controlar o consumo, ou ainda que se possa excluir pessoas de seu consumo. Ele é não excludente quando os custos de se controlar o consumo é muito alto, ou ainda quando este controle não é possível. A segurança pública, apesar de ser percebida como um bem com diferentes valores pelas pessoas, possui uma característica de bem não-excludente, pois os benefícios gerados por ela não podem ser separados. Direito de propriedade comuns Bens que são de propriedade pública normalmente necessitam de proteção por parte do Estado, pois os agentes tendem a não ter motivações para a sua conservação. Diferenças entre as taxas de preferências intertemporais sociais e privadas As empresas tendem a não investir em atividades com retorno muito demorado e incerto, mesmo que seja de alto interesse social. Pesquisas científicas apresentam estas características. O enfoque da regulação do mercado Teoria dos Custos de Transação (TCT) A TCT surgiu com um artigo de Ronald Coase, denominado The Nature of the Firm, em que ele defende que as empresas existem principalmente porque podem decidir hierarquicamente a alocação de fatores de produção, ao contrário do que ocorre no mecanismo de mercado, indicando a existência de um custos implícitos ao se atuar no mercado, o Custo de Transação. Este artigo iniciou o estudo da TCT, que seriam as condições nas quais os custos de transação deixam de ser desprezíveis e passam a ser um elemento importante nas decisões dos agentes econômicos, contribuindo para determinar a forma pela qual são alocados os recursos da economia. (Fiani, 2002: 267) A TCT tem tido grande aplicação em áreas como a análise da concorrência e a regulação econômica. No enfoque da defesa da concorrência ocorre uma mudança de postura em relação à

A EVOLUÇÃO DA ECONOMIA INDUSTRIAL

A EVOLUÇÃO DA ECONOMIA INDUSTRIAL A EVOLUÇÃO DA ECONOMIA INDUSTRIAL Pablo Bielschowsky 1 RESUMO O presente artigo resgata a evolução da teoria industrial desde Marshall, passando pelas teorias de formação de preços em oligopólio e pela

Leia mais

Módulo 4.2 DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO

Módulo 4.2 DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Módulo 4.2 DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Proporciona ao executivo informações básicas b para começar a usufruir das vantagens do planejamento estratégico, através s do tratamento adequado

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 COMPETITIVIDADE SOB A ÓTICA DAS CINCO FORÇAS DE PORTER: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA OXIFOR OXIGÊNIO FORMIGA LTDA JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES OLIVEIRA 1, LÍVIA COUTO CAMBRAIA 2 RESUMO: Neste trabalho,

Leia mais

Prof. Marcopolo Marinho

Prof. Marcopolo Marinho Aula 05 Marketing Modelo E-C-D; Modelo de cinco forças de ameaças ambientais; Análise do Ambiente Externo; Ferramenta de mapeamento de processos e de planificação estratégica - 5w2h; O Plano Estratégico:

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI Resposta do Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Leia o texto e responda o seguinte: a) identifique os recursos de: Hardware: microcomputadores,

Leia mais

Lógica de Programação

Lógica de Programação Lógica de Programação Sistema de Informação Sistemas de Informação em Negócios e SIG Francisco Rodrigues Sistemas de Informação em Negócios Ajudam os funcionários na execução das tarefas, principalmente

Leia mais

Faculdade INED 26/08/2008. Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Projeto Integrador III. Banco de Dados e Sistemas para Internet.

Faculdade INED 26/08/2008. Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Projeto Integrador III. Banco de Dados e Sistemas para Internet. Faculdade INED Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Projeto Integrador III Legislação Propriedade Intelectual do Software Banco de Dados e Sistemas para Internet Agosto-2008 1 2 Referências Agenda PRESIDÊNCIA

Leia mais

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 10, Monopólio :: REVISÃO 1. Suponha que um monopolista estivesse produzindo em um ponto no qual seu custo marginal fosse maior do que sua receita marginal. De que forma ele

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Estudantes na Escola de Administração da FGV utilizam seu laboratório de informática, onde os microcomputadores estão em rede

Leia mais

3 Literatura teórica

3 Literatura teórica 23 3 Literatura teórica O FFP é um exemplo de programa bem sucedido na indução de lealdade dos consumidores. Tal programa recompensa consumidores por acúmulo de viagens numa mesma companhia, enquanto pune

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ATUÁRIA PROGRAMA DE ENSINO

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ATUÁRIA PROGRAMA DE ENSINO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ATUÁRIA PROGRAMA DE ENSINO Curso: ECONOMIA Ano: 2005/2 Disciplina: Microeconomia III Código: 3276 Créditos: 04 Carga Horária: 60 H/A EMENTA Abordar,

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Estruturas de mercado UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Texto para Discussão 1 De acordo com a natureza do mercado em que estão inseridas, as empresas deparam-se com decisões políticas diferentes,

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Informações de licenciamento para clientes da Microsoft

Informações de licenciamento para clientes da Microsoft Informações de licenciamento para clientes da Microsoft Introdução Por que a Microsoft está fazendo este lançamento? Benefícios para a sua empresa Como adquirir licenças com direitos de aluguel Software

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem.

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. Microeconomia Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. A macroeconomia, por sua vez, estuda os fenômenos da economia em geral,

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG Introdução SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG A finalidade principal de um SIG é ajudar uma organização a atingir as suas metas, fornecendo aos administradores uma visão das operações regulares da empresa,

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO ASSISTÊNCIA TÉCNICA - HARDWARE E SOFTWARE

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO ASSISTÊNCIA TÉCNICA - HARDWARE E SOFTWARE OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO ASSISTÊNCIA TÉCNICA - HARDWARE E SOFTWARE 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

Microeconomia. Estruturas de mercado. Tópicos para Discussão Mercados Perfeitamente Competitivos. Maximização de Lucros

Microeconomia. Estruturas de mercado. Tópicos para Discussão Mercados Perfeitamente Competitivos. Maximização de Lucros Microeconomia Estruturas de mercado Tópicos para Discussão Mercados Perfeitamente Competitivos Maximização de s Receita Marginal, Custo Marginal e Maximização de s PINDYCK, R. e RUINFELD, D. Microeconomia.

Leia mais

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico.

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Resumo A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Edwin Aldrin Januário da Silva (UFRN) aldrin@sebraern.com.br Neste trabalho, iremos descrever sinteticamente o modelo de Porte sobre

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

ESTRUTURAS DE MERCADO

ESTRUTURAS DE MERCADO ESTRUTURAS DE MERCADO Introdução A concorrência é uma forma de organizar os mercados que permite determinar os preços e as quantidades de equilíbrio. Incentivo: Meio de estimular a competição Lucro: Motivo

Leia mais

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência Sistemas de Informação e o Processo de Gerência É necessário que seja feita uma visão integrada do processo de administrar, para que se possa localizar adequadamente o sistema de informação neste mesmo

Leia mais

Estratégia empresarial e gestão de custos

Estratégia empresarial e gestão de custos Estratégia empresarial e gestão de custos Marcello Lopes dos Santos* A empresa e seu ambiente Uma adequada formação de preço de venda é uma questão crucial para que uma empresa possa sobreviver e crescer,

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Módulo 17 Estratégias mercadológicas

Módulo 17 Estratégias mercadológicas Módulo 17 Estratégias mercadológicas Todas as empresas para terem sucesso no mercado a longo prazo precisam de uma estratégia. Segundo Peter Druker, as estratégias são os planos de vôos das empresas. Analisando

Leia mais

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO 1 Paulo Bastos Tigre Professor titular Instituto de Economia da UFRJ Seminário Implementando uma cultura de inovação em P&D. São Paulo, 8 julho 2010 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO Conceitos de inovação

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI GUIA PARA MELHORAR O SEU Principais Práticas para a Proteção de PI PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI 2013 Centro para Empreendimento e Comércio Responsáveis TABELA DE CONTEÚDO CAPÍTULO 1: Introdução à Proteção

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

FUSÕES E AQUISIÇÕES: SINERGIA E CRIAÇÃO DE VALOR

FUSÕES E AQUISIÇÕES: SINERGIA E CRIAÇÃO DE VALOR FUSÕES E AQUISIÇÕES: SINERGIA E CRIAÇÃO Principais Vantagens Principais fontes de sinergia Principais cuidados Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante Associados,

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

UNIDADE 2 Empreendedorismo

UNIDADE 2 Empreendedorismo UNIDADE 2 Empreendedorismo O mundo tem sofrido inúmeras transformações em períodos de tempo cada vez mais curtos. Alguns conceitos relativos à administração predominaram em determinados momentos do século

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

ICE INSTITUTO CUIABADO DE EDUCAÇÃO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 4º SEMESTRE RECURSOS HUMANOS CARLOS EDUARDO JULIANI

ICE INSTITUTO CUIABADO DE EDUCAÇÃO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 4º SEMESTRE RECURSOS HUMANOS CARLOS EDUARDO JULIANI ICE INSTITUTO CUIABADO DE EDUCAÇÃO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 4º SEMESTRE RECURSOS HUMANOS CARLOS EDUARDO JULIANI SOFTWARE LIVRE E SOFTWARE PROPRIETARIO Software Livre. O software livre foi desenvolvido,

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado:

ADMINISTRAÇÃO. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado: Questão nº 1 Produto Para fazer frente ao problema de prazo de entrega do produto, a Megabooks poderia compensá-lo com uma agregação de valor ao produto. Poderia, por exemplo, utilizar uma sobrecapa personalizada

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB Anexo(5), da Port nº 26/2011, da SecCTM MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB 1 PROPÓSITO Estabelecer orientações

Leia mais

MÓDULO BÁSICO. PROFESSOR GREGÓRIO VARVAKIS E PROFESSOR PAULO DIAS Introdução à Gestão da Inovação

MÓDULO BÁSICO. PROFESSOR GREGÓRIO VARVAKIS E PROFESSOR PAULO DIAS Introdução à Gestão da Inovação MÓDULO BÁSICO PROFESSOR GREGÓRIO VARVAKIS E PROFESSOR PAULO DIAS Introdução à Gestão da Inovação Realização: INTRODUÇÃO A GESTÃO DA INOVAÇÃO SUMÁRIO UNIDADE 1 Inovação: o que é e quais os tipos? 1.1 O

Leia mais

Administração Financeira e Orçamento Empresarial UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Administração Financeira e Orçamento Empresarial UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROF: HEBER LAVOR MOREIRA GISELE KARINA NASCIMENTO MESQUITA MARIA SANTANA AMARAL Flor de Lis MATERIAL

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Usando o SI como vantagem competitiva Vimos

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual

Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual Nota: O estudo deste módulo requer cerca de 02 horas. Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual O que é Propriedade Intelectual? Você provavelmente sabe a resposta desta questão. Sabemos que o inventor

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

EMPREENDEDORISMO E PLANO DE NEGÓCIOS

EMPREENDEDORISMO E PLANO DE NEGÓCIOS EMPREENDEDORISMO E PLANO DE NEGÓCIOS Professor: Luis Guilherme Magalhães professor@luisguiherme.adm.br www.luisguilherme.adm.br (62) 9607-2031 ANÁLISE DE MERCADO PROPÓSITO Importante ressaltar que os propósitos

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA CONJUNTA BNDES/FINEP/MS DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO SETOR DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS E TECNOLOGIAS PARA A SAÚDE INOVA SAÚDE EQUIPAMENTOS MÉDICOS - 02/2013 Modelo de Plano

Leia mais

Gestão Estratégica no Serviço Público

Gestão Estratégica no Serviço Público Projeto Maricá Coordenador: José Geraldo Abunhaman Gestão Estratégica no Serviço Público Prof. Joel de Lima Pereira Castro Junior, PhD joelpcastro@uol.com.br Por que planejar? O processo de liberdade do

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

Terceiro Resumo de Projeto de Engenharia de Software

Terceiro Resumo de Projeto de Engenharia de Software Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Terceiro Resumo de Projeto de Engenharia de Software Grupo Open Source: Eduardo Telles Giovani Tadei Marco Aurélio Renata Monique Primeira Aula O aspecto

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

TEMPLATE PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS EMPREENDEDORES FINALISTAS

TEMPLATE PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS EMPREENDEDORES FINALISTAS Edição 2014 TEMPLATE PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS EMPREENDEDORES FINALISTAS Disponibilizamos esse material com o objetivo de guiar os finalistas do Prêmio Santander Empreendedorismo 2014 na apresentação

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE MODELO PARA FORMULAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Análise do ambiente externo Macroambiente Ambiente setorial feedback Ambiente Interno (forças e

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA JUSTIÇA MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA JUSTIÇA PORTARIA CONJUNTA SEAE/SDE Nº 50, DE 1º DE AGOSTO DE 2001 (publicada no Diário Oficial da União nº 158-E, de 17/08/01, Seção 1, páginas 12 a 15) O Secretário

Leia mais

Aula 6. Estratégias Genéricas e Modelo das Forças Competitivas de Porter. Profa. Daniela Cartoni

Aula 6. Estratégias Genéricas e Modelo das Forças Competitivas de Porter. Profa. Daniela Cartoni Aula 6 Estratégias Genéricas e Modelo das Forças Competitivas de Porter Profa. Daniela Cartoni Planejamento estratégico É um processo gerencial que possibilita ao executivo estabelecer o rumo a ser seguido

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

NAGI PG. Capacitação em Gestão da Inovação para o Setor de Petróleo e Gás. Polo: Petrobras

NAGI PG. Capacitação em Gestão da Inovação para o Setor de Petróleo e Gás. Polo: Petrobras NAGI PG NÚCLEO DE APOIO À GESTÃO DA INOVAÇÃO NA CADEIA DE PETRÓLEO E GÁS Capacitação em Gestão da Inovação para o Setor de Petróleo e Gás Polo: Petrobras Programa do Módulo I Módulo I: Planejamento Estratégico

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

2. A Teoria Clássica. 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido

2. A Teoria Clássica. 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido 2. A Teoria Clássica 2. A Teoria Clássica 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido Os mercados financeiros desempenham o papel de permitir que indivíduos e corporações transfiram dinheiro intertemporalmente.

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan Negócios Internacionais Capítulo 3.2 Influencia Governamental no Comércio 2004 Prentice Hall, Inc Objectivos do Capítulo Compreender a racionalidade

Leia mais

"Software " significa coletivamente o Software do Servidor e o Software do Cliente.

Software  significa coletivamente o Software do Servidor e o Software do Cliente. Palisade Corporation Contrato de Licença Simultânea em Rede Favor lembrar de registrar seu software online no endereço http://www.palisade.com/support/register.asp. ESTE É UM CONTRATO. USANDO ESTE SOFTWARE,

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EXERCÍCIOS DO LIVRO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ALUNO ADRIANO RAMPINELLI FERNANDES

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EXERCÍCIOS DO LIVRO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ALUNO ADRIANO RAMPINELLI FERNANDES FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EXERCÍCIOS DO LIVRO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ALUNO ADRIANO RAMPINELLI FERNANDES Capítulo 1 - Página 28 - Questões de revisão 1.2 O que é exatamente um sistema

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Na prática, não existe uma classificação rígida, permitindo aos autores e principalmente as empresas classificar seus sistemas de diversas maneiras. A ênfase

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

Sistemas ERP. Profa. Reane Franco Goulart

Sistemas ERP. Profa. Reane Franco Goulart Sistemas ERP Profa. Reane Franco Goulart Tópicos O que é um Sistema ERP? Como um sistema ERP pode ajudar nos meus negócios? Os benefícios de um Sistema ERP. Vantagens e desvantagens O que é um ERP? ERP

Leia mais

TEORIA DA FIRMA E CUSTOS INDUSTRIAIS

TEORIA DA FIRMA E CUSTOS INDUSTRIAIS TEORIA DA FIRMA E CUSTOS INDUSTRIAIS Bruno Aguilar da Cunha 1, Diego Alamino de Oliveira 2 1,2 FATEC SOROCABA - Faculdade de Tecnologia de Sorocaba José Crespo Gonzales 1 bruno.cunha2@fatec.sp.gov.br,

Leia mais

A Presença da Siderurgia Brasileira no Mercado Internacional: Desafios para Novos Avanços

A Presença da Siderurgia Brasileira no Mercado Internacional: Desafios para Novos Avanços A Presença da Siderurgia Brasileira no Mercado Internacional: Desafios para Novos Avanços Fernando Rezende 1 As importantes transformações ocorridas na siderurgia brasileira após a privatização promovida

Leia mais

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS A decisão de automatizar 1 A decisão de automatizar Deve identificar os seguintes aspectos: Cultura, missão, objetivos da instituição; Características

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers.

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers. Quanto vale O preço de uma empresa, referência fundamental nas negociações de qualquer tentativa de fusão ou aquisição, nunca é aleatório. Ao contrário, sua determinação exige a combinação da análise estratégica

Leia mais

Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica

Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica Fernando César Lima Leite fernandodfc@gmail.com 1. A comunicação científica e sua importância Qualquer

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais