GESTÃO COLABORATIVA DE CONHECIMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO COLABORATIVA DE CONHECIMENTO"

Transcrição

1 GESTÃO COLABORATIVA DE CONHECIMENTO Rafael Akira Etho, Francisco Perez de Sousa, Sueli Aparecida Loddi, Rosangela Kronig, Eduardo Claudio Nicácio Resumo Faculdade de Tecnologia São Bernardo do Campo ( FATEC SBC) Av. Pereira Barreto, 400 Centro, São Bernardo do Campo SP ) Na economia globalizada e competitiva o investimento em Gestão do Conhecimento, pode tornar-se o diferencial competitivo. no processo de construir o conhecimento e disponibilizá-lo a todos que participam das tomadas de decisão. Neste contexto a excelência das Organizações depende de sua capacidade de gerir a informação, para a obtenção do conhecimento. O presente trabalho aborda a utilização de soluções de Participação Colaborativa na Gestão do Conhecimento, destacando a tecnologia Wiki, softwares e páginas da Internet, que podem ser facilmente utilizado por qualquer usuário. Abstract In the global economy the investment in Knowledge Management, will become the competitive differentiator in the process of building knowledge and making it available to all who participate in the decision-making. This context the excellence of organizations depends on their ability to manage information, to obtain knowledge. Similarly, in this paper addresses the use of solutions of Collaborative Participation in Knowledge Management in the Web 2.0 technology tools based on Internet. Among these technologies stands out the Wiki, software and websites, which can be easily used by any user. Among the best known examples of wiki technology is Wikipedia, the free encyclopedia digital available for access on the Internet. Introdução As constantes transformações, ocasionadas pela globalização da economia, impõem as organizações um ciclo constante mudanças e as Organizações que não se adaptarem correm o risco tornarem-se obsoletas. Os avanços na Tecnologia de Informação (TI) afetam os processos do conhecimento, que tem a finalidade de estruturar de forma eficiente o conhecimento contido nas Organizações, facilitando seu compartilhamento. A abordagem da Gestão do Conhecimento (GC) consiste no estudo da formação de processos que gerenciam o conhecimento existente, estruturando a criação de novos conhecimentos, para disseminá-los, as organizações utilizam os recursos de TI para incorporá-los em novos produtos, serviços, tecnologias e sistemas, que atendam as constantes e rápidas mudanças de ambientes globalizados de alta competitividade. 1

2 A Participação Colaborativa é um dos recursos de TI que auxilia a implementação de GC nas organizações. Possui relativamente baixo custo, facilidade de uso e acesso, que tem por finalidade viabilizar, agregar e disseminar a manipulação e gerenciamento do conhecimento. Implementar a Participação Colaborativa, torna-se um importante instrumento para a disseminação do conhecimento organizacional, que gera e cria novas estruturas, para apresentar competitividade diferenciada diante dos concorrentes. Realizar a associação entre TI e GC está relacionado ao uso de Sistemas de Informação (SI) para o compartilhamento de informações ou conhecimento, para expandir o crescimento das Organizações. Esse artigo abortada a utilização da GC viabilizada por ferramentas de formato Wiki de Participação Colaborativa e sua contribuição para a Wikipédia, a enciclopédia digital disponível para livre acesso na Internet. Este artigo consistirá em análise de pesquisa bibliográfica relacionada ao tema, composta por livros, artigos, revistas, materiais da Internet, criteriosamente selecionados. Gestão do Conhecimento (GC) Para Beal (2004), o conhecimento, no contexto da TI, são dados organizados e processados em uma informação, que possui contexto, relevância e organização para ser utilizada na solução de um problema. Para que compreender o funcionamento destes mecanismos, em primeiro plano, deve-se observar que o conhecimento, na visão de Turban, McLean e Wetherbe (2004), o conhecimento dentro de uma organização é o conjunto do trabalho de uma equipe, sendo considerado por muitos como seu ativo mais importante e um dos princípios básicos para o sucesso de qualquer organização. Na perspectiva de Turban, McLean e Wetherbe (2004), a GC é o processo que identifica, seleciona, organiza, distribui e transfere informação e conhecimento, fazendo parte do arquivo da empresa, geralmente de forma não estruturada. A divisão do conceito de conhecimento facilita o entendimento e direciona as empresas para melhor capitalização dos ativos intelectuais e materiais disponíveis e fornece subsídios para sua infra-estrutura (NONAKA E TAKEUTI, 1997). O quadro 1 ilustra a ideia dessa divisão. Para Nonaka e Takeuchi (1997), o conhecimento tácito e o conhecimento explícito não são isolados ou antagônicos, mas complementares, interagindo entre si, produzindo uma interação social entre indivíduos, expandindo-se em termos qualitativos e quantitativos. Conhecimento Tácito Conhecimento Explícito Conhecimento Subjetivo Conhecimento Objetivo Conhecimento da Experiência (Corpo) Conhecimento da Racionalidade (Mente) Conhecimento Simultâneo (Aqui e agora) Conhecimento Seqüencial (Lá e então) Conhecimento Análogo (Prática) Conhecimento Digital (Teoria) Quadro.1 Tipos de Conhecimento (Fonte: Nonaka e Takeuchi (1997, p. 67)) 2

3 WEB 2.0 O termo WEB 2.0 foi criado em 2004 por Tim O Reilly, executivo da editora O Reilly Media, que publica livros e sítios relacionados à área de computação (MELO, 2007). Para Terra (2009, p. 4), a definição de WEB 2.0 pode ser considerada como um [...] processo de criação e geração de valor sobre o conteúdo de maneira colaborativa, ferramentas simples e extremamente amigáveis. Entretanto, a WEB 2.0 não se refere a uma atualização, embora o termo conote uma nova versão da Web, mas uma mudança na forma de tratamento da tecnologia por usuários e desenvolvedores, designada como uma segunda geração de serviços que utilizam as práticas ou plataformas da WEB baseados em Redes Sociais 1. Para Santela apud Lima (2009), a utilização da interface gráfica nos computadores propiciou às tecnologias digitais. Desta forma viabilizando a maleabilidade, rapidez de transporte e alta capacidade de armazenamento (LIMA, 2009, p. 65, grifo do autor). Segundo Oliveira Junior e Gusmão (2008), constataram-se algumas características nos serviços da Internet. O quadro 2 descreve características da WEB e WEB 2.0. WEB 1.0 WEB 2.0 Usuário é o consumidor da informação Usuário é o consumidor e produtor da informação. Dificuldades inerentes à programação Facilidade de criação e edição de páginas on-line. e aquisição de software específico para a criação de páginas na Web. Para se ter um espaço na rede, na O usuário tem vários servidores para disponibilizar a maioria dos servidores é necessário sua página de forma gratuita. pagar. Menor número de ferramentas e Grande número de ferramentas e possibilidades. possibilidades. Quadro 2 Diferenças WEB 1.0 e WEB 2.0 (Fonte: Oliveira Junior e Gusmão (2008)) As Inovações da WEB 2.0 A hibridização de tecnologias e convergência das mídias é tratada como uma nova linguagem, que modificará os métodos de representação, do modo de trabalhar e criar, [...] disponibilizar infinitas interfaces homem/máquina, configurando-se em uma tecnologia intelectual de grande flexibilidade (LIMA, 2009, p. 68). Segundo Terra (2009), a WEB 2.0 caracteriza-se pela utilização de ferramentas digitais mais colaborativas, na qual usuários passam de consumidores de informação para produtores e validadores de conteúdo, designando-se uma segunda geração de comunidades e serviços baseados na plataforma Web, como o Wikis. 1 Redes Sociais: Estrutura social que conecta indivíduos por um ou mais de um tipo de interdependência. 3

4 Outro fator preponderante da WEB 2.0 foi o surgimento do sítio de buscas Google, que foi primeiro a considerar a Internet como uma comunidade, e não apenas como uma coleção de sítios isolados. Os fundadores do Google, Larry Page e Sergey Brin, perceberam que os membros da comunidade conhecida como Internet referenciavam-se uns aos outros utilizando citações por meio de links, da mesma forma que os autores de trabalhos acadêmicos o fazem (MCAFEE, 2010). Participação Colaborativa Segundo Schons, Silva e Molossi (2007), a Participação Colaborativa consiste em um modelo de trabalho em que funcionários participam do trabalho de modo colaborativo e cooperativo, visando criar e compartilhar o conhecimento de forma dinâmica. Para Silveira et al. (2007), a evolução do pensamento na WEB 2.0 que acompanhou a globalização do mundo, propiciou inclusão do poder de participação e colaboração dos usuários na Internet, formando um conjunto de práticas e fundamentos, que tornaram-se tão importantes quanto os próprios usuários. A participação colaborativa tem por objetivo viabilizar a construção conjunta de conhecimento [...] por um grupo de autores dispersos ou não geograficamente (LIMA, 2009, p. 67). Além disso, a disseminação da Web, demandou maior fluxo participativo de escrita, que necessitava refletir opiniões (técnicas, científicas, dentre outras), inicialmente atendida por [...] os editores de textos cooperativos, ferramentas de produção textual cooperativa dos groupwares ou em ambientes de aprendizagem cooperativa junto com outros recursos destinados a integração digital (LIMA, 2009, p. 66, grifo do autor). A tendência tecnológica de interatividade total viabiliza condições para que muitos sejam simultaneamente, produtores, difusores e consumidores de conhecimento, construindo e reconstruindo por milhares de cérebros e mãos (LIMA, 2009, grifo do autor). Segundo Terra (2009), na economia base que considera a informação como commodity 2, as discussões e interações de qualidade destinam-se como espaços de colaboradores, parceiros, clientes e fornecedores utilizados para compartilharem conhecimento com objetivo de criar novos produtos e serviços. Organizações de vários setores da economia utilizam-se das tecnologias e abordagens para gerar valor a partir do conhecimento de seus stakeholders 3, sejam eles acionistas, clientes, empregados, cidadãos ou a própria sociedade. Para Lima (2009), o atual cenário tecnológico viabilizou pela primeira vez na história a integração de vários tipos de mídia, de maneira fácil, rápida e criativa, em um mesmo suporte, viabilizando a criação de novas linguagens e formas inéditas comunicação e pensamento. Oportunidade atribuída ao reflexo do cenário econômico mundial nas organizações, que necessitam inovar para agradar seus clientes e simultaneamente, reduzir custos e melhora a eficiência. 2 Commodity: É um serviço de rede social que utiliza a Internet para comunicação on-line através de uma rede interativa de fotos, blogs e perfis de usuário. 3 Stakeholders: Individuo ou grupo que pode afetar ou ser afetado por determinado negócio, via opiniões ou ações. 4

5 A Participação Colaborativa gerindo o Conhecimento Compreender os relacionamentos de valor entre fabricantes, fornecedores, distribuidores, consumidores, parceiros, funcionários e o papel por eles desempenhado na WEB 2.0, poderá melhorar a inteligência, a agilidade e a eficiência nas organizações, em todas as esferas do negócio visando criar produção eficiente, com inteligência (TERRA, 2009). Para Lima (2009) o advento da Internet moderna, o intercâmbio dinâmico e instantâneo entre os agentes produtivos, conectados à rede propiciou [...]a digitalização e a integração a uma rede mundial elevaram as possibilidades de troca de metamorfose constante dos produtos e saberes, ampliando o caráter coletivo do conhecimento [...] (ALVES E ALVES, 2003 apud LIMA, 2009, p. 66, grifo do autor). Vale lembrar que no contexto competitivo é necessário a construção de confiança e aptidões de colaboração com parceiros, intermediários, clientes, fornecedores e funcionários, para gerar valor com experiências compartilhadas e obter vantagem competitiva (TERRA, 2009). Por iguais razões Bock e Marca (1995, p. 105), afirmam que: As pessoas necessitam de se comunicar para compartilhar informações necessárias para tarefas empresariais. Dentro dos grupos de trabalho, os indivíduos tendem a focar as tarefas particulares - por exemplo, concluindo suas atribuições, criando e encontrando informações. Assim, o trabalho numa organização moderna dependerá do fluxo de informações entre pessoas, lugares e tarefas. Os produtos de trabalho em grupo (Groupware) facilitam este fluxo, priorizando os documentos de negócio e então a natureza do próprio trabalho. As aplicações de Internet que baseiam-se na participação colaborativa dos usuários, tendem a modificar a maneira com que as informações são disponibilizadas a sociedade globalizada na Internet, deixando de ser estáticas e pouco interativas, como em jornais e revistas. Dentre as aplicações pode-se citar Facebook 4, Myspace 5, Linkedin 6, Orkut 7, Twitter 8 e Yotube, fazendo parte da chamada WEB 2.0 (TERRA, 2009). Segundo McAfee (2010), pesquisas em agosto de 2008, identificaram que os sítios, Google, Youtube, Facebook, MySpace, Wikipédia e Blogger, estavam entre os dez mais visitados, sendo estes seis apontados por Tim O Reilly como sítios representavam a WEB 2.0. Os sítios apontados por Tim O Reilly estão relacionados no quadro 3. 4 Facebook: Sítio de rede social nos quais, todos os membros podem relacionar-se entre si, por meio de ligações entre os membros mais próximos. 5 Myspace: É um serviço de rede social que utiliza a Internet para comunicação on-line através de uma rede interativa de fotos, blogs e perfis de usuário. 6 Linkedin: Sítio de rede social com fins comerciais cujos membros apresentam as suas qualificações profissionais. 7 Orkut: Sítio de rede social cujos membros criam novas amizades e mantêm os relacionamentos. 8 Twitter: Sítio de rede social, composto por microblogs, para transmissão de mensagens curtas de até 140 caracteres, sendo possível atualizações de conteúdo via sms, s, mensagens instantâneas, entre outros. 5

6 Sítios Wikipédia Facebook e MySpace Delicious Flickr e Youtube Conteúdo A enciclopédia colaborativa. Sítios de redes sociais. Recurso de bookmarking Sítio para compartilhamento de mídias, Flickr para fotos e Youtube para vídeos. Sítios de Blogger e Typepad, de utilitários blogging e Technorati que buscam blogs. Sítio de sistema de pesquisa. Sítio de anúncios de classificados com base na localização do usuário. Quadro 3 Sítios apontados por Tim O Reilly como representantes da WEB 2.0 (Fonte: McAfee (2010)) Blogger, Typepad e Technorati Google Craiglist O gerenciamento de ferramentas de edição colaborativa propiciou a edição de mensagens elaboradas por grupo de autores, inovando em relação a outras formas de comunicação colaborativa como fóruns, chats, listas de discussão, entre outros (LIMA, 2009). A utilização do Wiki pode-se definir como Qualquer instância onde diversas pessoas precisam trocar idéias, a partir de conhecimentos coletivos, pode beneficiar-se dos recursos oferecidos pela plataforma (LIMA, 2009, p. 69). Diferentemente de outras páginas da Internet, um sistema Wiki pode ter o conteúdo editado e atualizado por usuários, sem que haja a necessidade de autorização do autor da versão anterior (BLATTMANN E SILVA, 2007). Wiki A tecnologia Wiki foi criada por Ward Canninghan no de 1995, para aprimorar a colaboração de conhecimento, baseado em suas dificuldades de compartilhar, com seus colegas, as inovações das técnicas para o desenvolvimento de software, com a criação de páginas Web que poderiam ser lidas e também editadas por qualquer leitor, esta criação foi chamada de WikiWikiWeb, posteriormente a abreviado para Wiki (MCAFEE, 2010). Para Lima (2009), dentre o sistemas colaborativos o sistema Wiki é atualmente sistema mais conhecido, evoluído, flexível e amistoso, sendo definida como A plataforma Wiki é uma espécie de utopia surgida com a Internet, destinada à construção livre e coletiva do conhecimento (LIMA, 2009, p. 67, grifo nosso). Para Lacy (2008), os Wikis iniciaram sua trajetória devido à necessidade de gerar e modificar páginas da Web de forma simples e rápida por qualquer pessoa, sem a necessidade de acesso ao servidor, e usando apenas a própria Web. Este contexto corrobora a afirmação de que Os wikis permitem maior interatividade por meio da colaboração entre os editores (MATTISON, 2003 apud BLATTMANN E SILVA, 2007, p. 202). Sistemas que utilizam a plataforma Wiki, na realidade, são sistemas de gestão de conteúdo desenvolvidos colaborativamente, utilizando diretamente o próprio navegador web (LACY, 2008, p. 59). Segundo McAfee (2010), utilizando o Wiki, usuários podem adicionar, excluir e alterar conteúdos, devido ao suporte de banco de dados a tecnologia Wiki, em que as 6

7 alterações das contribuições são armazenadas permanentemente. Todas as ações são reversíveis e visíveis para qualquer usuário, permitindo rastrear, identificar e comparar as alterações no conteúdo, ou reverter para versões anteriores. Este pensamento é refletido de forma simples que define o Wiki como Website que permite qualquer usuário adicionar, remover e ainda editar e alterar assuntos sem necessidade de autorização (LIMA, 2009, p. 67, grifo do autor). Além disso, Ramalho e Tsunoda (2007) mencionam que os Wikis possuem diversas finalidades, podem ser utilizadas como sítios dinâmicos, ferramentas para a gestão de projetos e documentos, principalmente como bases de conhecimento dinâmica sendo adaptáveis a ambientes acadêmicos, organizacionais a própria WEB. Vale lembrar, que o Wiki possui a capacidade de mixar as mídias digitais, em forma de palavras, imagens, sons, animações, dentre outros, bem como a criação de links para outros conteúdos, esta característica de agregar materiais digitais, o termo Wiki passou a se utilizado para identificar documentos em hipertexto, como também o software (Wiki Engine) usado para criá-los (LIMA, 2009, p. 67 e 68, grifo do autor). Vulnerabilidade do Wiki Segundo Lima (2009), devido a forma aberta e de fácil acessibilidade de um Wiki propiciar a ação de usuários mal intencionados, desavisados ou simplesmente desatentos, dificilmente encontram-se Wikis com conteúdo estranho ao que é proposto em cada página. Embora grande parte dos Wikis estar aberta ao público, existem casos ligados a razões de autenticidade, privacidade e segurança, há a necessidade de proteção do conteúdo, na qual é requerido uma autorização ou autenticação do usuário por meio de identificação e senha, para editar e até ter acesso a leitura do respectivo conteúdo (LIMA, 2009). A princípio, o controle dos Wikis é realizado necessariamente no mínimo em níveis de gerenciamento e utilização, limitando e restringindo o acesso de usuários à publicação, parcialmente ou em sua totalidade, por meio da atribuição de categoria pública ou privada, criação de seções reservadas de uso exclusivo de administradores e moderadores, na qual são submetidos à supervisão prévia os conteúdos editados, que poderão ser passíveis de rejeição no ato da publicação. Dessa forma, pode-se adotar políticas de somente acesso a leitura do conteúdo ou a implementação de práticas em que apenas os usuários previamente registrados e aceitos obtenham a permissão de editar conteúdo, que possibilite a identificar o membro por meio de seu endereço de Internet, e caso esteja disponível, seu dados de identificação (LIMA, 2009). Wiki na Participação Colaborativa O Wiki por meio da filosofia do software livre tem proporcionado de forma dinâmica e coletiva o acesso ao conhecimento e à sua produção, que torna a ação colaborativa uma via da democratização do conhecimento (LIMA, 2009). Além disso, a utilização do Wiki não se destina apenas a construção de grandes projetos, mas qualquer instância em que pessoas precisem trocar idéias, a partir de conhecimentos coletivos, podendo-se beneficiar dos recursos que são oferecidos pela ferramenta (LIMA, 2009). 7

8 De modo geral segundo (McAfee, 2010), o Wiki é utilizado por pequenos e grandes grupos de pessoas que desejam criar conteúdos ou sítios de Internet de forma colaborativa. Por conseguinte Lima (2009, p. 77, grifo do autor) ressalta ainda a afirmação de Ward Cunninghan, quanto à contribuição da plataforma Wiki para o acervo cultural da WEB que consiste em Permitir a interação dos usuários, pelo fato de se construir numa boa ferramenta de colaboração, tanto síncrona como assíncrona. Dessa forma, tal ferramenta serve de suporte às redes sociais. Em suma, o Wiki está se tornando uma ferramenta popular destinada a criação coletiva de conteúdos, espalhando-se pela Internet, gerando projetos que possuem grande destaque, como a Wikipédia (LIMA, 2009). Wiki no Meio Corporativo Segundo Lima (2009), em meados do ano 2000 Organizações implementaram o uso técnico do Wiki como software colaborativo, sendo amplamente utilizado em projetos de comunicação, nas Intranets (redes de computadores internas das organizações) e elaboração de documentos, destacando-se que em alguns casos, os utilizam atualmente, como único sítio corporativo nas organizações, substituindo inclusive as Intranets. A tecnologia Wiki apresenta-se cada vez mais difundida nas Organizações, devido aos resultados positivos e benefícios apresentados nos processo de GC, atuando dinamicamente nos fluxos dos processos interiores e exteriores da Organização, com o amparo das redes de computadores aumenta a interação entre os membros de uma cadeia produtiva, que por sua vez amplia o conhecimento (SCHONS, 2008). Além disso, os Wikis propiciam a interligação de funcionários de diferentes áreas, setores e níveis hierárquicos, envolvendo assuntos do crescimento da Organização, podendo viabilizar soluções simples para problemas mais complexos. Em suma, para atingir os objetivos organizacionais, é de fundamental importância, que os membros de uma Organização estejam conscientizados e engajados com o processo colaborativo (JESDAUN; ANDERSEN apud SCHONS, 2008). Wikipédia A Wikipédia foi criada, por Jimmy Wales e Larry Sanger, sendo lançada no dia 15 de janeiro de Sua concepção foi viabilizada a partir da utilização de tecnologia Wiki desenvolvida por Ward Cunningham, com a proposta de criar uma enciclopédia com qualidade e disponível gratuitamente para todas as pessoas, por meio da Internet, tornando-se a maior enciclopédia da sociedade do conhecimento,, tornando-o um dos sítios mais acessados da Internet (MCAFEE, 2010; GREGIANIN E PINHEIRO, 2010). A definição da Wikipédia segundo Gregianin e Pinheiro (2010, p. 16), [...] é uma enciclopédia multilíngüe, escrita por voluntários de todo o mundo e disponível on-line no site Seu conteúdo é livre, podendo ser copiado e utilizado por qualquer pessoa, desde que sejam preservados os direitos de cópia e modificações [...], garantidos pela licença GNU FDL e também pela licença da Creative Commons. 8

9 Os autores definem ainda, que a evolução do crescimento da Wikipédia é medida por meio da quantidade de artigos disponíveis desde o ano de seu lançamento em A tabela 1, apresenta a evolução da quantidade de artigos disponibilizados entre os anos de 2001 e Ano/Artigos Quantidade de Artigos Quantidade de Línguas mil milhão mil 1 (Inglês) ,9 milhões Demais línguas milhão 1 (Inglês) milhões 1 (Inglês) ,4 milhões 1 (Inglês) milhões ,3 milhões 1 (Inglês) mil 1 (Língua Portuguesa) Tabela 1 Quantidade disponível de artigos e línguas por ano (Fonte: adaptado de Gregianin e Pinheiro (2010); McAfee (2010)) A Wikipédia é controlada pela organização Wikimedia Foundation Inc., lançada em 20 de Junho de 2003, por Jimmy Wales. A organização é regida pela autoridade máxima do Board of Trustees (Conselho de Administração), que gere as doações realizadas a Fundação. Este órgão é responsável por orientar as atividades e o cumprimento das bylaws (regulamentos da Fundação), que podem aplicar sansões aos membros, definir pagamento de cotas ou alterar as leis que regem a organização (GREGIANIN E PINHEIRO, 2010). Os recursos humanos da Fundação Wikimedia são formados por colaboradores, que são os voluntários registrados em pelos menos um dos projetos da organização e realizam a elaboração dos artigos, e a estrutura de empregados, ligados hierarquicamente ao Conselho de Administração, responsáveis pela infra-estrutura da Fundação, constituídos por coordenador Legal, coordenador financeiro, responsável técnico, responsável financeiro, técnicos de TI e relações públicas. Quanto as receitas da Fundação Wikimedia são obtidas somente por meio de doações realizadas pelos membros da comunidade e pelas empresas, entretanto a Fundação Wikimedia não permitir a publicidade com finalidade comercial para obtenção de receita. As doações são captadas em campanhas para o recolhimento de fundos, para auxiliarem com as despesas. A Fundação também conta com benfeitorias, destacando-se a participação do próprio Jimmy Wales e a doações de 23 servidores pelo Yahoo!, na Coréia do Sul (GREGIANIN E PINHEIRO, 2010). Confiabilidade da Informação Segundo Gregianin e Pinheiro (2010), consistências e insuspeita da informação contida nos disponibilizados na Wikipédia, deve considerar um conjunto de pontos para a publicação de um artigo, dispostos no quadro 4, requisitos para a publicação de artigos na Wikipédia. 9

10 Requisitos Descrição Imparcialidade Os artigos devem obedecer a critérios de imparcialidade, sendo escritos por um ponto de vista neutro Verificabilidade Toda a informação adicionada deve ser verificável, ou seja, precisa de fontes Nada de pesquisa inédita Teorias e pesquisas pessoais devem lançadas e disponibilizadas em locais apropriados Quadro 4 Requisitos para publicação a publicação de artigos na Wikipédia (Fonte: adaptado de Gregianin e Pinheiro (2010)) Como forma de ministrar a produção de conteúdos relevantes, a Wikipédia promove concursos que visam premiar contribuições importantes, registrando uma medalha colocada na pagina do usuário colaborador. Pode-se acompanhar a correção de erros e melhorias dos artigos, com a criação de listas de artigos sob observação e com páginas das mudanças recentes, rastreando-se as alterações de caráter duvidoso. Para Gregianin e Pinheiro (2010), a Wikipédia difere das Enciclopédias tradicionais por conter temas elaborados de forma extensível, que possibilita a inclusão artigos em mais tópicos, devido expansão ilimitada de conteúdos. Segundo os mesmos autores foram publicados alguns estudos comparativos dos níveis de confiabilidade entre a Wikipédia e as Enciclopédias tradicionais. O quadro 5 apresenta o resumo de alguns dos estudos de confiabilidade que foram realizados. Quadro 5 Confiabilidade entre a Wikipédia e Enciclopédias tradicionais Ano Entidade Resultado 2004 Revista de computação alemã c t, A Wikipédia apresentou superioridade em relação às publicada pela editora Heise Heinz enciclopédias Encarta e Brockhaus 2005 Nature Foram analisados 42 artigos, a Wikipédia apresentou 162 erros, a Encyclopedia Britanica, apresentou 123 erros e ambas apresentaram 4 erros graves. Sendo, então consideradas no mesmo patamar Serviço de Informação de Colônia, na Alemanha, publicado na revista Stern A Wikipédia obteve melhores notas em 43 dos 50 artigos analisados. (Fonte: adaptado de Gregianin e Pinheiro (2010); McAfee (2010)) Complementando o assunto McAfee (2010), cita que após a divulgação do estudo publicado pela Nature em 22 de dezembro de 2005, todos erros haviam sido corrigidos em 25 de janeiro de 2006, transparecendo o funcionamento a forma de colaboração e organização. Considerações Finais Uma nova era está apenas no início, transformando a humanidade e seu modo de vida. O espaço ocupado pela Internet se torna cada vez mais importante na medida que aproxima as pessoas e as organizações. A Internet cresce a uma velocidade exponencial, diminuindo distâncias e aproximando as sociedades, permitindo que os comportamentos sociais sejam discutidos e buscando o entendimento entre os povos. O conhecimento humano acumulado ao longo de milênios, nessa nova era está ao nosso alcance. Neste contexto, abordou-se a evolução da Gestão do Conhecimento no decorrer do tempo, sendo perceptível que a difusão do conhecimento progride geometricamente, desempenhando um papel fundamental nas Organizações. A pesquisa abordou a evolução do conceito WEB para a WEB 2.0 que propiciou o desenvolvimento de práticas e formas de colaboração, disponíveis para os usuários da 10

11 Internet, indiferente de sua localização geográfica, com o mínimo domínio da tecnologia, que podem contribuir com conhecimentos, facilitando a criação de oportunidades e novas modalidades de negócios, utilizando a participação colaborativa, como um conjunto de práticas desse novo ambiente de integração de conhecimento. O uso da tecnologia Wiki nos SI, poderá viabilizar o desenvolvimento de soluções que utilizam a GC com a Participação Colaborativa para produzir o conhecimento; levantando-se, dentre as formas de Participação Colaborativa o uso da tecnologia Wiki, na abordagem da Wikipédia, uma enciclopédia disponível na Internet, que pode ser editada por qualquer usuário. Por fim, as dificuldades e problemas, como a confiabilidade da informação, segurança contra vandalismo, definição de direitos, remuneração proporcional as criações e desenvolvimentos, estabelecimento de fronteiras, pertinentes a Participação Colaborativa e a utilização inadequada da tecnologia Wiki, caso não haja o correto gerenciamento do conhecimento e das práticas necessárias. Referências Beal, Adriana. Gestão Estratégica da Informação Como Transformar a Informação e a Tecnologia da Informação em Fatores de Crescimento e de Alto Desempenho nas Organizações. São Paulo: Atlas, BOCK, Geoffrey; MARCA, David. Designing Groupware. Nova Iorque: McGraw- Hill, Disponível em: <http://danillonunes.net/curriculo-dos-padroes-web/a-historia-dainternet-e-da-web-e-a-evolucao-dos-padroes-web/#a-origem-da-internet>. Acesso em: 12 Mar às 16h50. GREGIANIN, Leonardo; PINHEIRO, Eduardo. Wikipédia A Enciclopédia Livre e Gratuita da Internet. São Paulo: Novatec, LACY, Miguel Koren O Brien de. Xwiki, um wiki de segunda geração, Wiki 2.0. LINUX MAGAZINE. Edição 43, p , julho de Disponível em: <http://www.linuxnewmedia.com.br/images/uploads/pdf_aberto/lm43_56-61.pdf> Acesso em: 12 mar às 14h15. LIMA, Maria Conceição Alves de. Produzindo Coletivamente na Web A Tecnologia Wiki. 1ª Edição, São Paulo: Biblioteca 24 Horas, Seven System Internacional Ltda., MCAFEE, Andrew. EMPRESAS 2.0 A Força das Mídias Colaborativas para Superar Grandes Desafios Empresariais. Tradução Edson Furmankiewicz. Rio de Janeiro: Elsevier, MELO, Junior, Cleuton Sampaio. Web 2.0 e Mashups: Reinventando a Internet. Rio de Janeiro: Brasport,2007. NONAKA, Iukujiro; TAKEUTI, Hirotaka. Criação de Conhecimento na Empresa Como as Empresas Japonesas Geram a Dinâmica da Inovação. 12ª Edição. Rio de Janeiro: Elsevier, OLIVEIRA JUNIOR, Gilson Medeiros de; GUSMÃO, Eduardo Gade. Centro de Informática - CIn, Universidade Federal de Pernambuco - UFPE. WEB 2.0. Pernambuco: p. 11

12 Disponível em: <http://www.cin.ufpe.br/~egg/entrada/pegareapagar/apresentacao.ppt> Acesso em: 12 mar às 14h50. SCHONS, Claudio Henrique. A Contribuição dos Wikis como Ferramentas de Colaboração no Suporte a Gestão do Conhecimento Organizacional. Informação & Sociedade: Estudos, João Pessoa, v.18, n.2, p , mai/ago Disponível em: <http://www.brapci.ufpr.br/download.php?dd0=12342> Acesso em: 03 set às 13h40. SCHONS, Claudio Henrique; SILVA, Fabiano Couto Corrêa da; MOLOSSI, Sinara. O uso de wikis na gestão do conhecimento em organizações. Biblios: Revista de Biblioteconomía y Ciencias de la Infornación. Lima:2007, Ano 8, n.27, p. 1-10, janmar Disponível em: <http://www.cin.ufsc.br/~claudioschons/publicationspt.html > Acesso em: 02 set às 16h30. SILVEIRA, Filho, Otton T. da; ARAUJO, Lucas Wan-Meyl de; MENEZES, Gabriel da Silva; DUTRA, Francisco Costa; FONTES, Bernardo Botelho. Curso: Ciencia da Computacao - Disciplina: Informatica I, Universidade Federal Fluminense UFF. O que é WEB 2.0. Rio de Janeiro: jul. 2007, 16p. Disponível em: <http://www.ic.uff.br/~otton/graduacao/informaticai/oqueeweb2.pdf> Acesso em: 02 set às 16h30. TURBAN, Efraim. MCLEAN, Ephraim. WETHERBE, James. Tecnologia da Informação Para Gestão - Transformando os Negócios da Economia Digital. 3ª Edição. Porto Alegre: Bookman Companhia Editora, p p TURBAN, Efraim. RAINER, Jr., R. Kelly. POTTER, Richard E. Administração de Tecnologia da Informação. 3ª Edição. Rio de Janeiro: Elsevier, TERRA, José Cláudio. Gestão 2.0 Como Integrar a Colaboração e a Participação em Massa Para o Sucesso nos Negócios. Rio de Janeiro: Elsevier,

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar os princípios que se destacam como características da Web 2.0. INTRODUÇÃO

Leia mais

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular.

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular. Trabalha de Conclusão do Curso Educação a Distância : Um Novo Olhar Para a Educação - Formação de Professores/Tutores em EaD pelo Portal Somática Educar Ferramentas de informações e comunicações e as interações

Leia mais

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Questão em foco: Colaboração de produto 2.0 Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Tech-Clarity, Inc. 2009 Sumário Sumário... 2 Introdução à questão... 3 O futuro da

Leia mais

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre Página 1 de 5 Gestão do conhecimento Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. A Gestão do Conhecimento, do inglês KM - Knowledge Management, é uma disciplina que tem suscitado cada vez mais atenção nas

Leia mais

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing 26 3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing O surgimento das mídias sociais está intimamente ligado ao fenômeno da geração de conteúdo pelo usuário e ao crescimento das redes sociais virtuais

Leia mais

O QUE FAZEMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS

O QUE FAZEMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS O QUE FAZEMOS Provemos consultoria nas áreas de comunicação online, especializados em sites focados na gestão de conteúdo, sincronização de documentos, planilhas e contatos online, sempre integrados com

Leia mais

Como monitorar o que estão falando da minha empresa

Como monitorar o que estão falando da minha empresa http://www.tecnocratadigital.com.br/wp-content/uploads/2010/11/social-media-optimization.jpg Como monitorar o que estão falando da minha empresa nas Mídias Sociais de forma simples e direta. Paulo Milreu

Leia mais

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Carlos Roberto de Souza Tavares 1 Carlos Mário Dal Col Zeve 2 RESUMO Um dos maiores problemas que as empresas atuais enfrentam refere-se

Leia mais

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG Moema Gomes Moraes 1 RESUMO: Este trabalho faz uma reflexão sobre os aspectos relacionados ao uso de Blogs no ensino de Matemática. Para isto, ele inicia fazendo uma reflexão

Leia mais

Conceitos Fundamentais

Conceitos Fundamentais 19 Capítulo 1 Conceitos Fundamentais Para compreendermos este livro, há que se entender alguns conceitos-chave que vão permear a sua leitura. O blog hoje é o melhor mecanismo para construir relacionamentos

Leia mais

1. Apresentação. 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social. 1.2. Engajamento na Iniciativa

1. Apresentação. 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social. 1.2. Engajamento na Iniciativa 1. Apresentação 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social A conexão Digital para o Desenvolvimento Social é uma iniciativa que abrange uma série de atividades desenvolvidas por ONGs em colaboração

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

30/07/2015. Ferramentas para Gestão do Conhecimento Organizacional

30/07/2015. Ferramentas para Gestão do Conhecimento Organizacional Ferramentas para Gestão do Conhecimento Organizacional 1 3 Exemplos 4 2 Informação Choo (2006): informação é um conceito intrínseco em quase tudo que a empresa faz; Institucional Gerencial Operacional

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADES INTEGRADAS VIANNA JÚNIOR Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação Lúcia Helena de Magalhães 1 Teresinha Moreira de Magalhães 2 RESUMO Este artigo traz

Leia mais

www.portaldoaluno.info GERENCIAMENTO EM TI Professor: André Dutton

www.portaldoaluno.info GERENCIAMENTO EM TI Professor: André Dutton GERENCIAMENTO EM TI Professor: André Dutton 1 BASES TECNOLÓGICAS Direcionadores do uso de tecnologia da informação. Uso de Tecnologia da Informação nas organizações. Benefícios do uso de Tecnologia de

Leia mais

Sistemas Cooperativos. Professor Alan Alves Oliveira

Sistemas Cooperativos. Professor Alan Alves Oliveira Sistemas Cooperativos Professor Alan Alves Oliveira 1. Sistemas de Informação e Sistemas Cooperativos 2 Sistemas de Informação 3 Sistemas de Informação Sistemas ampamente utilizados em organizações para

Leia mais

BIBLIOTECA 2.0 uso das ferramentas Web 2.0 na biblioteca INATEL

BIBLIOTECA 2.0 uso das ferramentas Web 2.0 na biblioteca INATEL Temática 2: Direito à Informação, Acesso à Informação e Inclusão Social BIBLIOTECA 2.0 uso das ferramentas Web 2.0 na biblioteca INATEL Alexander Willian Azevedo aw.azevedo@yahoo.com.br Universidade Federal

Leia mais

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES ISSN 2316-7785 WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES Arlam Dielcio Pontes da Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco arllan_dielcio@hotmail.com

Leia mais

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar Tópicos Especiais em Informática Msc. Márcio Alencar Recursos Certamente, um dos atrativos do chamado e- Learning (ou ensino á distância com uso de ferramentas computacionais/eletrônicas), são os novos

Leia mais

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Franco Vieira Sampaio 1 Atualmente a informática está cada vez mais inserida no dia a dia das empresas, porém, no início armazenavam-se os dados em folhas,

Leia mais

Enciclopédias digitais colaborativas

Enciclopédias digitais colaborativas Enciclopédias digitais colaborativas Telma Johnson Panorama geral A emergência de um novo modelo de produção coletiva de enciclopédias gratuitas online, baseadas na filosofia do voluntariado e do livre

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

O Uso das Redes Sociais Como Método Alternativo de Ensino

O Uso das Redes Sociais Como Método Alternativo de Ensino O Uso das Redes Sociais Como Método Alternativo de Ensino As Redes Sociais Virtuais são grupos ou espaços específicos na Internet, que permitem partilhar dados e informações, sendo estas de caráter geral

Leia mais

Aula 4 WEB 2.0. 1. Conceito

Aula 4 WEB 2.0. 1. Conceito Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 4 WEB 2.0 Web 2.0 é um

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

W H I T E P A P E R O s B e n e f í c i o s d a E m p r e s a S o c i a l n o M u n d o W e b 2. 0

W H I T E P A P E R O s B e n e f í c i o s d a E m p r e s a S o c i a l n o M u n d o W e b 2. 0 Av Eng. Luiz Carlos Berrini 1645, 8 andar, 04571-000 Brooklin Novo, São Paulo SP Brazil. Tel: 55 11 5508-3400 Fax: 55 11 5508 3444 W H I T E P A P E R O s B e n e f í c i o s d a E m p r e s a S o c i

Leia mais

A BRASIL ROTÁRIO FRENTE ÀS MÍDIAS ELETRÔNICAS. Carlos Jerônimo da Silva Gueiros

A BRASIL ROTÁRIO FRENTE ÀS MÍDIAS ELETRÔNICAS. Carlos Jerônimo da Silva Gueiros A BRASIL ROTÁRIO FRENTE ÀS MÍDIAS ELETRÔNICAS Carlos Jerônimo da Silva Gueiros Um mundo em transformação 1998 / 1999 Mutirão Digital apoiar as escolas públicas no acesso à Internet 2010-12 anos depois...

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Experiência: E@D - PROJETO SERPRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

Experiência: E@D - PROJETO SERPRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Experiência: E@D - PROJETO SERPRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Serviço Federal de Processamento de Dados SERPRO Universidade Corporativa Ministério da Fazenda Responsável: Margareth Alves de Almeida - Chefe

Leia mais

Informática Básica. Internet Intranet Extranet

Informática Básica. Internet Intranet Extranet Informática Básica Internet Intranet Extranet Para começar... O que é Internet? Como a Internet nasceu? Como funciona a Internet? Serviços da Internet Considerações finais O que é Internet? Ah, essa eu

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE T.I.C. 8.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE T.I.C. 8.º ANO DE T.I.C. 8.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO O aluno deve ser capaz de: - desenvolver capacidades na utilização das tecnologias de informação e comunicação que permitam uma literacia digital

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS Guia Inicial de Acesso e Utilização Para Docentes Versão 1.0b Outubro/2010 Acesso e utilização do Ambiente Virtual de Ensino

Leia mais

REDES SOCIAIS. Profº Thiago Arantes

REDES SOCIAIS. Profº Thiago Arantes REDES SOCIAIS Profº Thiago Arantes Todos os direitos reservados - IAB 2014 - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANTÔNIO TAVARES PEREIRA ROMILSON BARSANULFO DA SILVA

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANTÔNIO TAVARES PEREIRA ROMILSON BARSANULFO DA SILVA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANTÔNIO TAVARES PEREIRA ROMILSON BARSANULFO DA SILVA A IMPORTÂNCIA DAS REDES SOCIAIS PARA A COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Rede Social e En-dades de Ensino. Laércio Cosen-no Mai/2011

Rede Social e En-dades de Ensino. Laércio Cosen-no Mai/2011 Rede Social e En-dades de Ensino Laércio Cosen-no Mai/2011 Relembrando o III Congresso... Educação Tradicional Conhecimento centralizado Ensino presencial Mundo com fronteiras Professor - > célula de conhecimento

Leia mais

Análise de uma Experiência de Utilização de Recursos de Tecnologias da Informação e da Comunicação em Educação Ambiental

Análise de uma Experiência de Utilização de Recursos de Tecnologias da Informação e da Comunicação em Educação Ambiental 1 Análise de uma Experiência de Utilização de Recursos de Tecnologias da Informação e da Comunicação em Educação Ambiental Rio de Janeiro- RJ- Maio/2012 Educação Universitária Métodos de Pesquisa em EAD

Leia mais

Sistemas Colaborativos: Conceito, Característicasdes e Funcionalidades

Sistemas Colaborativos: Conceito, Característicasdes e Funcionalidades Sistemas Colaborativos: Conceito, Característicasdes e Funcionalidades Carla Oliveira (e-mail) é formada pela FATEC - Faculdade de Tecnologia de São Paulo, no curso de Automação de Escritórios e Secretariado.

Leia mais

@ A expansão da web, que. @ Presença cada vez maior do

@ A expansão da web, que. @ Presença cada vez maior do Mídias Sociais Inteligência coletiva Em 1996, a web (1.0) era predominantemente um ambiente de leitura. Só uma pequena fração do conteúdo era criada pelo usuário; Dez anos depois, duas grandes mudanças:

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 1. ANTECEDENTES:

TERMO DE REFERÊNCIA 1. ANTECEDENTES: TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA OU PROFISSIONAL CONSULTOR PARA O DESENHO, HABILITAÇÃO E MANUTENÇÃO DO PORTAL NA WEB DO INSTITUTO SOCIAL DO MERCOSUL. 1. ANTECEDENTES: Atualmente o site do Instituto

Leia mais

Wiki(pédia) depois da edição básica robôs e semântica

Wiki(pédia) depois da edição básica robôs e semântica Wiki(pédia) depois da edição básica robôs e semântica 474 milhões Pessoas que consultam a Wikipédia todos os meses 6.º Site mais visitado do mundo 21 milhões Número total de artigos da Wikipédia 284 Número

Leia mais

A Estrutura da Web. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti

A Estrutura da Web. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti A Estrutura da Web Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti A Estrutura da Web Até agora: redes onde unidades eram pessoas ou entidades sociais, como empresas e organizações Agora (Cap 13, 14 e

Leia mais

VANTAGEM ESTRATÉGICA. Assunto: Administração do Conhecimento

VANTAGEM ESTRATÉGICA. Assunto: Administração do Conhecimento 1 VANTAGEM ESTRATÉGICA Assunto: Administração do Conhecimento Objetivos do capítulo: 1. Explicar como os sistemas de administração do conhecimento podem ajudar na iniciativa de construir uma empresa geradora

Leia mais

O IMPACTO SOCIAL DA INTERNET

O IMPACTO SOCIAL DA INTERNET O IMPACTO SOCIAL DA Miguel Gomes da Costa Junior Rede de milhões de computadores de todo o mundo interligados por linhas telefônicas, fibra ótica e satélites. Poderosa fonte de informação e comunicação

Leia mais

WIKI COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DO CONHECIMENTO: UM ESTUDO DE CASO NA BIBLIOTECA AMADEU AMARAL

WIKI COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DO CONHECIMENTO: UM ESTUDO DE CASO NA BIBLIOTECA AMADEU AMARAL WIKI COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DO CONHECIMENTO: UM ESTUDO DE CASO NA BIBLIOTECA AMADEU AMARAL Graduanda: Juliana Camargo Souza Macedo Orientadora: Iris Abdallah Motivos para escolha do tema: A disciplina

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB

Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB Alt-N Technologies, Ltd 1179 Corporate Drive West, #103 Arlington, TX 76006 Tel: (817) 652-0204 2002 Alt-N

Leia mais

ANA LÚCIA DE OLIVEIRA BARRETO

ANA LÚCIA DE OLIVEIRA BARRETO COLÉGIO MILITAR DO RIO DE JANEIRO GUIA BÁSICO DE UTILIZAÇÃO DA REDE COLABORATIVA Construçãoo de Saberes no Ensino Médio ANA LÚCIA DE OLIVEIRA BARRETO CMRJ - 2010 2 LISTA DE FIGURAS Figura 01: Exemplo de

Leia mais

ANÁLISE DE UMA EXPERIÊNCIA DE UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL

ANÁLISE DE UMA EXPERIÊNCIA DE UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL ANÁLISE DE UMA EXPERIÊNCIA DE UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL Cristina Haguenauer Latec/UFRJ cristina.haguenauer@gmail.com Fabiana Macieira Lawinscky

Leia mais

Tecnologias Móveis e Ferramentas Web 2.0 no Ensino Superior: algumas possibilidades

Tecnologias Móveis e Ferramentas Web 2.0 no Ensino Superior: algumas possibilidades Tecnologias Móveis e Ferramentas Web 2.0 no Ensino Superior: algumas possibilidades João Batista Bottentuit Junior Universidade Federal do Maranhão UFMA jbbj@terra.com.br 29 de Outubro de 2013 Contexto

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Sistemas Colaborativos Empresariais (ECS) Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar

Leia mais

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio 440mil pequenos negócios no Brasil, atualmente, não utilizam nenhuma ferramenta de gestão, segundo o Sebrae Varejo 2012 27% 67% de comerciantes que não possuíam computadores dos que possuíam utilizavam

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Política de Segurança da Informação Código: PSI_1.0 Versão: 1.0 Data de Publicação: 28/05/2014 Controle de Versão Versão Data Responsável Motivo da Versão 1.0 28/05/2014 Heitor Gouveia Criação da Política

Leia mais

Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador

Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador Soluções de análise da SAP Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador Índice 3 Um caso para análise preditiva

Leia mais

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Morgana Hamester História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Contexto atual Modelização digital contemporaneidade;

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC UNIDADE 03

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC UNIDADE 03 UNIDADE 03 / AULA 06 UNIDADE 03 Apostila Estácio Sociedade da Informação de Demerval L. Polizelli e Adalton M. Ozaki, 1ª Edição/2007 1 O CONHECIMENTO DIGITALIZADO 2 O que é informação? É um conjunto de

Leia mais

PUC Minas Abril / Maio de 2009. Marketing. Digital. Prof. Caio Cesar (caiocgo@pucminas.br)

PUC Minas Abril / Maio de 2009. Marketing. Digital. Prof. Caio Cesar (caiocgo@pucminas.br) PUC Minas Abril / Maio de 2009 Marketing Digital Prof. Caio Cesar (caiocgo@pucminas.br) Caio Cesar? Ensino / Pesquisa / Consultoria Marketing de Varejo Comunicação Online Design de Interação caiocgo@pucminas.br

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Portais Corporativos como Ferramenta Estratégica na Gestão do Conhecimento Organizacional: um estudo exploratório

Portais Corporativos como Ferramenta Estratégica na Gestão do Conhecimento Organizacional: um estudo exploratório Portais Corporativos como Ferramenta Estratégica na Gestão do Conhecimento Organizacional: um estudo exploratório Queli Terezinha Schmitz (TUPER, UDESC, UTFPR) queli@sbs.udesc.br Hélio Gomes de Carvalho

Leia mais

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Aline Silveira SANTOS 2 Lorena PADRINI 3 Maria Claudia COSTA 4 João de CASTRO 5 Centro Universitário

Leia mais

USO DE REDES SOCIAIS DA INTERNET COMO FERRAMENTAS DE APOIO NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS E POSSIBILIDADES. Douglas Ribeiro da Silva, Caroline Kraus Luvizotto

USO DE REDES SOCIAIS DA INTERNET COMO FERRAMENTAS DE APOIO NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS E POSSIBILIDADES. Douglas Ribeiro da Silva, Caroline Kraus Luvizotto 1333 USO DE REDES SOCIAIS DA INTERNET COMO FERRAMENTAS DE APOIO NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS E POSSIBILIDADES Douglas Ribeiro da Silva, Caroline Kraus Luvizotto Discente do curso de Ciências Contábeis da UNOESTE.

Leia mais

Thursday, October 18, 12

Thursday, October 18, 12 O Site Legado do IFP é uma comunidade online e global dos ex-bolsistas do programa. É um recurso e um lugar para você publicar notícias profissionais, recursos e teses para a comunidade global do IFP,

Leia mais

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO 1. DIMENSÃO PEDAGÓGICA 1.a) ACESSIBILIDADE SEMPRE ÀS VEZES NUNCA Computadores, laptops e/ou tablets são recursos que estão inseridos na rotina de aprendizagem dos alunos, sendo possível

Leia mais

*** Os serviços de redes sociais mais utilizados no setor público

*** Os serviços de redes sociais mais utilizados no setor público [O livro baseia-se em entrevistas exploratórias realizadas entre 2009 e 2011 com diretores de agências e departamentos do Poder Executivo do governo federal americano, com profissionais de TI que trabalham

Leia mais

Gerenciamento de Dados e Gestão do Conhecimento

Gerenciamento de Dados e Gestão do Conhecimento ELC1075 Introdução a Sistemas de Informação Gerenciamento de Dados e Gestão do Conhecimento Raul Ceretta Nunes CSI/UFSM Introdução Gerenciando dados A abordagem de banco de dados Sistemas de gerenciamento

Leia mais

MOODLE é o acrónimo de "Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment. Executado em um AVA - Ambiente Virtual de Apresendizagem;

MOODLE é o acrónimo de Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment. Executado em um AVA - Ambiente Virtual de Apresendizagem; MOODLE é o acrónimo de "Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment Software livre, de apoio à aprendizagem; Executado em um AVA - Ambiente Virtual de Apresendizagem; A expressão designa ainda

Leia mais

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem 2.1 Introdução Caro Pós-Graduando, Nesta unidade, abordaremos o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) que será utilizado no curso: o Moodle. Serão

Leia mais

Web 2.0. Amanda Ponce Armelin RA 052202

Web 2.0. Amanda Ponce Armelin RA 052202 Amanda Ponce Armelin RA 052202 Americana, 2007 Tópicos Introdução Web 1.0 Definição Comparativo Web1.0 x Web2.0 Web 3.0 Definição Conclusão Definição Principais características Discórdia Termos Essenciais

Leia mais

Recurso E-Meeting para o Moodle: um relato do desenvolvimento de uma solução livre de webconferência otimizada para redes de baixo desempenho.

Recurso E-Meeting para o Moodle: um relato do desenvolvimento de uma solução livre de webconferência otimizada para redes de baixo desempenho. Recurso E-Meeting para o Moodle: um relato do desenvolvimento de uma solução livre de webconferência otimizada para redes de baixo desempenho. Resumo Este artigo apresenta uma solução de webconferência

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação - Centro de Ciências Agrárias Departamento de Computação Os sistemas de informação empresariais na sua carreira Introdução à Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação COM06850-2015-II Prof.

Leia mais

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS REFLEXÕES PEDAGÓGICAS A forma como trabalhamos, colaboramos e nos comunicamos está evoluindo à medida que as fronteiras entre os povos se tornam mais diluídas e a globalização aumenta. Essa tendência está

Leia mais

Uma solução completa para sua estrátegia de SOCIAL MEDIA HELLO WORLD!

Uma solução completa para sua estrátegia de SOCIAL MEDIA HELLO WORLD! Uma solução completa para sua estrátegia de SOCIAL MEDIA HELLO WORLD! SocialSuite Rua Claudio Soares, 72-16 andar +55 11 3032 1982 São Paulo - SP Brasil Introdução Esse material foi desenvolvido pela equipe

Leia mais

Sistema de gestão do conhecimento: etapas iniciais

Sistema de gestão do conhecimento: etapas iniciais Sistema de gestão do conhecimento: etapas iniciais Willians Santos de Oliveira 1, Claudia Pinto Pereira Sena 1, 2, Diego Freire da Silva 1, Ricardo Sena Carvalho 1, 2 1 Curso de Sistemas de Informação

Leia mais

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos 1 Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Sátiro Santiago Junior 1. Introdução A estruturação de processos voltados para a medição e monitoramentos das

Leia mais

Sistemas Cooperativos

Sistemas Cooperativos Comércio Eletrônico e Sistemas Cooperativos Sistemas Cooperativos Prof. Hélio de Sousa Lima Filho helio.slfilho@hotmail.com 1. Definição Sistemas mais dinâmicos Exige maior interação entre os usuários

Leia mais

Política de uso de dados

Política de uso de dados Política de uso de dados A política de dados ajudará você a entender como funciona as informações completadas na sua área Minhas Festas. I. Informações que recebemos e como são usadas Suas informações

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE WIKIS PARA A APRENDIZAGEM COLABORATIVA NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL

UTILIZAÇÃO DE WIKIS PARA A APRENDIZAGEM COLABORATIVA NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL Conferência IADIS Ibero-Americana WWW/Internet 2011 UTILIZAÇÃO DE WIKIS PARA A APRENDIZAGEM COLABORATIVA NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL Patrícia Lima Quintão 1 e 2, Mehran Misaghi 3, Tacila Gonçalves Nascimento

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE Mayara Teles Viveiros de Lira (UFAL) Maria Helena de Melo Aragão (UFAL) Luis Paulo Leopoldo Mercado (UFAL) Resumo Este estudo analisa

Leia mais

A que se propõe? Histórico e Evolução. Funcionalidades. Aplicações Comerciais. Tecnologias Envolvidas. Áreas Afetadas. Bibliografia. A que se propõe?

A que se propõe? Histórico e Evolução. Funcionalidades. Aplicações Comerciais. Tecnologias Envolvidas. Áreas Afetadas. Bibliografia. A que se propõe? O que é? Educação à Distância: [...]a modalidade de educação em que as atividades de ensino-aprendizagem são desenvolvidas majoritariamente (e em bom número de casos exclusivamente) sem que alunos e professores

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 11 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Política de Privacidade

Política de Privacidade Política de Privacidade Declaração de privacidade on-line da F. Hoffmann La-Roche AG Obrigado por visitar o Hotsite Accu-Ckek Connect! Na Roche entendemos que proteger a privacidade dos visitantes nos

Leia mais

GUIA BÁSICO DE COMUNICAÇÃO

GUIA BÁSICO DE COMUNICAÇÃO GUIA BÁSICO DE COMUNICAÇÃO CONVERSA DE ELEVADOR Sendo um empreendedor social, você sabe como é importante ser capaz de descrever sua organização, definindo o que diferencia seu trabalho e detalhando o

Leia mais

Monitoramento de Redes Sociais

Monitoramento de Redes Sociais Monitoramento de Redes Sociais O QlikBrand é uma ferramenta profissional para monitoramento de mídias sociais e o primeiro "Social Mídia Discovery" com Qlikview. Localiza menções nas mídias sociais, interage

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Pós-Graduação Gestão Estratégica de Empresas e Negócios Gestão do Conhecimento Trabalho desenvolvido pelos alunos da turma GEEN 0535, do curso de Gestão Estratégica de Empresas e Negócios, para a disciplina

Leia mais

Marcel Ayres Diretor de Planejamento. Twitter @MarcelAyres Linkedin Meadiciona Renata Cerqueira Diretora de Monitoramento Online. Twitter @renatacbc

Marcel Ayres Diretor de Planejamento. Twitter @MarcelAyres Linkedin Meadiciona Renata Cerqueira Diretora de Monitoramento Online. Twitter @renatacbc Marcel Ayres Diretor de Planejamento. Também faz parte, como pesquisador, do Grupo de Pesquisa em Interações, Tecnologias Digitais e Sociedade. Desenvolve pesquisas sobre Realidade Aumentada, Mídias Digitais

Leia mais

REDES SOCIAIS. Prof. Thiago Arantes

REDES SOCIAIS. Prof. Thiago Arantes REDES SOCIAIS Prof. Thiago Arantes - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido pela legislação

Leia mais

Software Livre, Redes Sociais e Segurança na Internet. Alexandro Silva alexos@ngsecurity.com.br

Software Livre, Redes Sociais e Segurança na Internet. Alexandro Silva alexos@ngsecurity.com.br Segurança na Internet Alexandro Silva alexos@ngsecurity.com.br 1 Alexandro Silva penguim.wordpress.com Professor da Graduação e Pós-Graduação da Unijorge Atua no mercado OpenSource a mais de 10 anos Membro

Leia mais

Jornalismo Interativo

Jornalismo Interativo Jornalismo Interativo Antes da invenção da WWW, a rede era utilizada para divulgação de informações direcionados a públicos muito específicos e funcionavam através da distribuição de e-mails e boletins.

Leia mais

Introdução. PSINF Internet / Intranet nas Empresas. Motivos. Intranet. Canais. Finalidade

Introdução. PSINF Internet / Intranet nas Empresas. Motivos. Intranet. Canais. Finalidade Introdução PSINF Internet / Intranet nas Empresas Prof. Alexandre Beletti Ferreira Internet: sites sobre lazer, shopping, cultura, etc... Intranet: sistemas corporativos de informações, e que também podem

Leia mais

Breve história das mídias sociais. Os primórdios. Outros influenciadores

Breve história das mídias sociais. Os primórdios. Outros influenciadores Breve história das mídias sociais Facebook, Twitter, Orkut, YouTube sim, conhecemos todos esses nomes que estão presentes em nosso dia a dia, seja para entretenimento e informação ou para uso profissional.

Leia mais

Novo mundo, nova web, novas habilidades

Novo mundo, nova web, novas habilidades Novo mundo, nova web, novas habilidades Novo mundo. Globalizado.. Comunicação possível 24 horas/dia, 7 dias/semana. Empresas tornam-se multinacionais. Trabalhadores podem estar em qualquer lugar. (orientais

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento 8º Congresso Internacional da Qualidade para Competitividade 02/07/2006 Dr. José Cláudio C. Terra Slide 1 Era do Conhecimento Linha de Montagem Linha de Montagem? Slide 2 Era do

Leia mais

Computer Supported Cooperative Work - CSCW

Computer Supported Cooperative Work - CSCW Computer Supported Cooperative Work - CSCW trabalho cooperativo auxiliado por computador http://www.professores.uff.br/screspo/ CSCW O termo CSCW - Computer Supported Cooperative Work, foi criado oficialmente

Leia mais

PROJETOS, PARCERIAS E ARRANJOS INOVATIVOS: o caso do Núcleo de Documentação da Universidade Federal Fluminense

PROJETOS, PARCERIAS E ARRANJOS INOVATIVOS: o caso do Núcleo de Documentação da Universidade Federal Fluminense TRABALHO ORAL IMPACTO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA Dimensionamento dos impactos dos serviços digitais na Biblioteca PROJETOS, PARCERIAS E ARRANJOS INOVATIVOS: o caso

Leia mais

O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem

O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem O Microsoft Office 365 é a suíte de Produtividade da Microsoft, que oferece as vantagens da Nuvem a empresas de todos os tamanhos, ajudando-as

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL Na internet, cada computador conectado à rede tem um endereço IP. Todos os endereços IPv4 possuem 32 bits. Os endereços IP são atribuídos à interface

Leia mais