FERRAMENTAS DA WEB 2.0 PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM AMBIENTE ORGANIZACIONAL. Tacila Gonçalves Nascimento, Patrícia Lima Quintão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FERRAMENTAS DA WEB 2.0 PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM AMBIENTE ORGANIZACIONAL. Tacila Gonçalves Nascimento, Patrícia Lima Quintão"

Transcrição

1 Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery - ISSN Curso de Sistemas de Informação - N. 10, JAN/JUN 2011 FERRAMENTAS DA WEB 2.0 PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM AMBIENTE ORGANIZACIONAL Tacila Gonçalves Nascimento, Patrícia Lima Quintão Faculdade Metodista Granbery FMG Rua Batista de Oliveira, 1145 Centro CEP: Juiz de Fora MG Brasil Resumo. O objetivo deste artigo é explorar uma das ferramentas da Web 2.0, o Wiki, que pode auxiliar a gestão do conhecimento dentro de um ambiente organizacional. Permite criar, de forma colaborativa, bases de conhecimento, possibilitando que, além de informações úteis, todo o conhecimento gerado dentro desse ambiente possa ser disseminado de maneira estruturada entre colaboradores, entre setores, quebrando barreiras de espaço e tempo, interagindo até com fornecedores e clientes. Palavras- chave: Internet, Web 2.0, Gestão do Conhecimento, Tecnologias, Wiki. 1. Introdução Realizar qualquer tipo de mudança é algo esperado para o progresso e evolução da condição humana (ANGELONI, 2005). Entretanto, no cenário atual caracterizado por transformações contínuas, a globalização trouxe consigo mudanças de paradigmas, regras, novas tecnologias e, como consequência, o modo como as pessoas se relacionam e expõem aquilo que pensam e sabem também sofreu alterações. A World Wide Web, ou simplesmente Web, torna-se para esse momento de transformações, principalmente tecnológicas, uma forma de viabilizar a comunicação interna e a gestão do conhecimento dentro das organizações. A Web, que em seu início teve o objetivo apenas de fornecer informação, em um segundo momento é caracterizada pela participação maciça dos usuários, que deixam de ser apenas expectadores e passam a atuar como criadores de conteúdo, trocando ideias, compartilhando arquivos e informações, gerindo conhecimento (COUTINHO e BOTTENTUIT JÚNIOR, 2007). 1

2 Em particular, ferramentas como Blog, Wiki, Podcast, Chat e Fórum de Discussão, APIs Google, presentes na segunda geração da Web, alavancam a disseminação e o compartilhamento de informações, além de serem utilizadas como base para que a aprendizagem colaborativa aconteça (COUTINHO e BOTTENTUIT JÚNIOR, 2007). Nesse contexto, mostrar a correlação entre gestão do conhecimento e tecnologia, expor cada geração da Web, e explorar a ferramenta Wiki como apoio na aplicabilidade da gestão do conhecimento dentro de um ambiente organizacional será foco desse trabalho. Dessa forma, este trabalho é organizado da seguinte forma: além dessa Introdução, no Capítulo 2 são abordadas as transformações e características em cada geração da Web; o Capítulo 3 descreve a relação entre Wiki e gestão do conhecimento, e como esta ferramenta de característica colaborativa pode atender e contribuir para a disseminação e criação de uma base de conhecimento dentro da organização. O Capítulo 4 apresenta o estudo de caso, mostrando as principais ferramentas do Wiki e utilizando o sistema DokuWiki para a criação de uma base de conhecimento. Finalizando, tem-se as considerações finais do trabalho e as referências bibliográficas utilizadas. 2. WEB: DO INÍCIO ÀS NOVAS TENDÊNCIAS Com o surgimento de novas tecnologias, o uso da Internet, seja por meio de computadores, notebooks ou dispositivos móveis, oferece grandes benefícios aos usuários, principalmente em relação à comodidade e agilidade na realização de tarefas cotidianas (COUTINHO e BOTTENTUIT JÚNIOR, 2007). Na década de 90, o surgimento da World Wide Web (Web), o desenvolvimento dos browsers (ou navegadores) e a diminuição de custos de acesso fizeram com que a Internet tivesse um crescimento exponencial, alcançando os usuários comuns. Com isso, transformações nas formas de comunicação e inúmeras atividades, como comércio eletrônico, entretenimento, disseminação de informação e conhecimento, criação de redes sociais, compartilhamento de arquivos, passaram a ser cada vez mais comuns entre os usuários da Internet Geração 1.0 Usuários espectadores 2

3 A Geração 1.0 da Web tem início a partir da popularização da Internet, em 1995, e seu principal objetivo é facilitar o acesso à Internet e às diversas mídias, transformando-se em um veículo de comunicação dinâmico e eficiente desde seu crescimento e da expansão dos navegadores desenvolvidos até então (GUIZZO, 1999). Também chamada de Web 1.0, essa fase é caracterizada por exibir páginas com a maioria dos conteúdos estáticos; apenas administradores eram responsáveis por inserir o conteúdo e as informações que seriam expostas aos usuários, ou seja, as informações eram utilizadas de forma unidirecional, dos webmasters 1 para os usuários. Portanto, o papel do usuário era apenas de espectador das ações e conteúdos disponibilizados na Web, não possuía autonomia para reeditar, alterar e tão pouco compartilhar informações. Na perspectiva de Coutinho e Bottentuit Júnior (2007), o cenário que marcava a Web 1.0 era a enorme gama de informação disponibilizada para o público, entretanto se restringia aos usuários que tinham poder de compra, pois a maioria dos serviços eram pagos e controlados por licença, tornando o acesso às páginas e serviços da Web limitados. De acordo com Primo (2007), o avanço tecnológico, o aumento da quantidade de acessos à Internet, a expansão da velocidade de banda, a necessidade de rapidez e eficiência na comunicação e a garantia da integridade da informação são fatores que contribuíram para que as páginas Web ficassem ainda mais robustas, acessíveis e mais interativas. Neste contexto, tem-se a transição da Web 1.0 para a segunda fase da Web, denominada Web 2.0, ou geração 2.0, no final da década de 90 e início dos anos Geração 2.0 da Web Hora de compartilhar O termo Web 2.0 surgiu numa conferência de brainstorming 2 entre as empresas O Reilly e a MediaLive International, em outubro de 2004, sobre o qual ele Tim O Reilly tecia as seguintes considerações: [...] a Web 2.0 é a mudança para uma Internet como plataforma, e um 1 Desenvolvedores profissionais de websites. 2 Metodologia de exploração de ideias, visando à obtenção das melhores soluções de um grupo de pessoas (ALVES, 2010). 3

4 entendimento das regras para obter sucesso nesta nova plataforma. Entre outras, a regra mais importante é desenvolver aplicativos que aproveitem os efeitos de rede para se tornarem melhores quanto mais são usados pelas pessoas, aproveitando a inteligência coletiva (O REILLY, 2005, online). Segundo Primo (2007), a Web 2.0 transformou a maneira e as formas de publicação, compartilhamento e organização das informações, somando os espaços e a forma de interação entre os usuários. A Web 2.0 não se limita apenas às normas técnicas (serviços Web, linguagens específicas), contudo referencia também a um período tecnológico, às estratégias de mercado e aos processos de comunicação que acontecem via computador. Tomando-se como base as considerações de O Reilly (2005) e Primo (2007), a geração 2.0 da Web caracteriza-se por apresentar: interfaces ricas, agradáveis e de fácil utilização; o sucesso da ferramenta depende do número de usuários, por se tratar de ferramentas de conteúdo colaborativo; baixo custo e gratuidade na maioria dos sistemas disponibilizados; crescente utilização e construção de páginas pessoais (blog); acesso e edição mútua das informações; rápidas transformações (quase instantâneas) das informações e conteúdo das páginas; os aplicativos podem funcionar on-line ou off-line; criação de comunidades de pessoas que se interessam por determinado assunto; crescente utilização de aplicativos Web dentro de ambientes empresariais; facilidade de compra e acesso a produtos pela ascensão da utilização do comércio eletrônico, e-commerce 3 ; utilização de Tags 4 em quase todos os aplicativos. A geração 2.0 da Web tem repercussões sociais importantes, que enfatizam o trabalho colaborativo, a troca e circulação de informações, redes de relacionamento, construção social de conhecimento apoiados pela informática. Com isso, termos como Blog, Wikipédia, Orkut, YouTube, Hi5 ou Del.icio.us, Twitter, Facebook, MSN Messenger são apenas alguns exemplos de ferramentas que fazem parte da variedade de aplicativos disponíveis. 3 Forma de comercialização de produtos e serviços por meio de sites na Internet. 4 Palavras-chaves com acesso (links) para outros sistemas ou páginas com temas relacionados. 4

5 A Ilustração 1 ressalta o papel colaborativo do usuário na segunda fase da Web. O internauta 5 deixa de lado a passividade de apenas receber as informações e conteúdos disponibilizados nos sites e passa a ser um ativo importante, junto aos webmasters, na criação de conteúdos, compartilhamento de arquivos, informação e conhecimento por meio das redes sociais que crescem exponencialmente. Ilustração 1 - Diferenças entre a Web 1.0 e a Web 2.0 (BLOGSPOT, 2010, adaptada) Considerada uma das tecnologias que mais cresce atualmente, como já visto, a Web traz consigo uma ampla quantidade de opções e facilidades, além de comodidade ao usuário na realização de diversas tarefas. Visando organizar a grande quantidade de informações disponibilizadas na Web, tem-se como objeto de solução a Web 3.0 ou Web Semântica (WS), que é considerada uma extensão da Web 2.0 (SANTOS, 2005). 5 Usuário de páginas e serviços da Internet. 5

6 2.3. Web 3.0 ou Web Semântica Hora de Organizar O conceito de Web 3.0, ou Web Semântica (WS), foi idealizado pelo inglês Tim Berners-Lee, em 2001, criador da World Wide Web, sendo apelidada como Web inteligente. Tem como principal objetivo resolver problemas na recuperação de dados nas páginas disponíveis no ambiente WWW (SANTOS, 2005). Os mecanismos de busca da Web 3.0 reúnem informações de diferentes bancos de dados, processam tais informações e produzem novos conteúdos automaticamente, o que garante a associação de elementos que, a princípio, não estariam relacionados (SOUZA e ALVARENGA, 2004). Para que tais buscas sejam realizadas nos padrões da Web Semântica, é necessário o uso de metadado que, segundo Santos (2005), é a informação estruturada sobre recursos de informação, ou seja, associação de dados a objetos que auxiliam seus atributos. A falta de homogeneidade semântica é considerada um dos problemas mais difíceis de resolver, devido à complexidade de integrar as informações. Para tanto, torna-se inevitável o uso de ontologias 6, bem como uma linguagem única com o objetivo de representar e unificar tais recursos (SOUZA e ALVARENGA, 2004). De acordo com a Ilustração 2, a Web Semântica é considerada uma Web colaborativa em tempo real, em que os aplicativos e dispositivos especializados e personalizados interagem por meio da infraestrutura de dados da Internet, trocando informações entre si, automatizando tarefas rotineiras dos usuários, caminhando em paralelo com as ferramentas disponibilizadas e caracterizadas pelos conceitos da Web Documento ou arquivo que define formalmente as relações entre termos e conceitos. 6

7 Ilustração 2 As três gerações da Web (OLIVEIRA, 2010, adaptada) O número de usuários da Web aumentou de acordo com o surgimento de novas tecnologias e ferramentas que utilizam a Internet como ambiente de aplicação, as quais trouxeram consigo novas maneiras de interação, comunicação e troca de informações entre os usuários. De acordo com a Ilustração 2, o conceito de Web 3.0 começa a ser consolidado a partir de Um novo conceito, também denominado a geração 4.0, da Web já é idealizado, como será visto no próximo tópico Caminhando para a Web 4.0 Com as alternativas de navegação cada vez mais rápidas, já é idealizado o conceito da quarta geração da Web. A Web 4.0 ou WebOS é baseada em sistemas operacionais da Web, ou seja, segundo Flandoli (2010), é um gigantesco sistema operacional inteligente e dinâmico, que irá suportar as interações dos indivíduos, utilizando os dados disponíveis, instantâneos ou históricos, para propor ou suportar a tomada de decisão, com base em um complexo sistema de inteligência artificial. Segundo Lisboa (2009), a Web 4.0 oferece transparência global, governança, distribuição, participação, colaboração na indústria, redes políticas e sociais e outros esforços importantes da comunidade, porém algumas questões como invasão de privacidade (acesso indesejado aos dados pessoais), controle (sem administrador global), dependência da 7

8 tecnologia e dos sistemas, sobrecarga (disponibilidade de sistemas de pessoas) são fatores considerados vulneráveis aos usuários e merecem consideração e amadurecimento. O que caracteriza a WebOS é o termo serendipismo, ou seja, o dom de fazer descobertas felizes por acaso (FLANDOLI, 2010). A Web 4.0 busca soluções para questões ainda não levantadas, ou problemas que ainda não existem, como, por exemplo, a câmera digital, que passou a fazer parte dos notebooks, celulares e até canetas; mesma funcionalidade em aparelhos extremamente distintos, por isso, na perspectiva do autor, essa geração da Web é, portanto, baseada muito mais em hardware do que em software. De acordo com a Ilustração 3, sob a forma de uma linha do tempo, são mostradas todas as fases da Web, desde seu início até as tendências para implementações futuras. As transformações tecnológicas, o aumento de largura de banda e a grande expansão na quantidade de acessos por parte dos usuários são fatores importantes que contribuem para o crescimento e a aplicabilidade dessa tendência que é a quarta geração da Web. Ilustração 3 Linha do tempo da Web (FLANDOLI, 2010, adaptada) Também é possível notar, a partir da Ilustração 3, que à medida que novas tecnologias e recursos são pensados ou criados há necessidade de reorganização das informações, bem como da reestruturação. 8

9 3. WIKIS: BASE DE CONHECIMENTO NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL O conhecimento tornou-se a maior das riquezas dentro de uma organização, por isso, apesar de ser propriedade individual, o conhecimento deve ser distribuído dentro do ambiente corporativo. No entanto, um dos maiores desafios para os gestores está em promover a disseminação e o compartilhamento das informações geradas e acumuladas para toda a organização. Para auxiliar a gestão do conhecimento, a ferramenta Wiki tem contribuído para que tal função seja realizada de maneira a estruturar e organizar a base de conhecimento organizacional, a fim de que o conhecimento estruturado possa contribuir para que a tomada de decisões traga retornos positivos e satisfatórios à empresa. 3.1 Wikis O Wiki é uma tecnologia da Web 2.0 voltada para o apoio ao trabalho colaborativo. A palavra Wiki tem origem havaiana e significa rápido, uma menção à simplicidade de edição das páginas Wikis. O primeiro sistema Wiki surgiu em 1995, desenvolvido por Ward Cunningham (CONTE, 2007), e tornou-se popular a partir do surgimento da Wikipédia, uma enciclopédia on-line colaborativa, que tem crescido exponencialmente com a contribuição de voluntários das mais diversas áreas e com diferentes tipos de abordagem. Diferentemente das práticas de edição centralizada das páginas da Web, um Wiki é um site que permite a edição colaborativa, ou seja, vários usuários podem criar e editar seu conteúdo (textos, hiperlinks entre páginas) de modo simplificado, sem a necessidade de um programa de edição de páginas Web, sendo realizado no próprio navegador (CONTE, 2007). Segundo Conte (2007), o Wiki utiliza uma sintaxe simplificada para marcar e destacar títulos e elementos, respectivamente, o que facilita a utilização dos Wikis por usuários não-técnicos, não estando o sistema limitado apenas ao manuseio de profissionais ou especialistas em programação Web. O conceito de WikiWords também é empregado neste contexto, sendo definido como a junção de duas palavras iniciadas por letras maiúsculas que, quando escritas, automaticamente são transformadas em hiperlinks para uma página. 9

10 Alguns exemplos de sistemas que utilizam esta tecnologia são o TWiki, Wikilog, PBWiki, PHPWik, MediaWiki e DokuWiki. 3.2 Gestão do Conhecimento e Wikis Uma nova proposta de trabalho é apresentada nos ambientes corporativos, nos quais funcionários trabalham em equipe, de maneira colaborativa e cooperativa, buscando a criação e a disseminação de conhecimentos de maneira dinâmica e natural (SCHONS et al., 2007). De acordo com Nonaka e Takeuchi (2003), a criação de novos conhecimentos dá-se a partir da interação entre os conhecimentos de cada indivíduo (tácito e explícito) e também entre os indivíduos. Ainda sob a visão dos autores, o principal processo para criação do conhecimento organizacional deve ser intensivo no nível de grupo, pois a interação e discussão entre os membros da equipe pode expor os conhecimentos tácitos ocultos que, de outra maneira, não seriam comunicados. Nesse contexto, diante de inúmeras ferramentas de colaboração disponíveis principalmente na Web, os sistemas Wikis se destacam por permitirem o fluxo de conhecimento nos cenários intra ou interorganizacional por meio de redes computacionais, promovendo interatividade entre todos os atores da cadeia produtiva (colaboradores, clientes, fornecedores, concorrentes) (SCHONS et al., 2007). Sob a perspectiva de Schons, Silva e Malossi (2007), um sistema Wiki tem como ideia principal a modificação de qualquer texto original, de modo que novos conhecimentos sejam adicionados aos já existentes. Pode-se classificar tais sistemas como Wikis abertos em que qualquer pessoa pode editar uma página, ou como Wikis Fechados, os quais apresentam acesso restrito para edição de conteúdo, ou seja, somente usuários cadastrados ou com a permissão do administrador podem contribuir com novos conteúdos ou acrescentar um novo texto. Seja em ambientes educativos ou organizacionais, os sistemas Wiki têm como principais potencialidades (COUTINHO e BOTTENTUIT JÚNIOR, 2007): interação e colaboração dinâmica na relação entre os usuários; 10

11 abertura para troca de ideias, propostas de linhas de trabalho para determinados objetivos; criação ou reconstrução de uma base de conhecimentos, como glossários, dicionários, manuais, relatórios, de acordo com o ambiente em que está sendo aplicado; trabalha com controle de versões, ou seja, como um histórico a partir do qual os usuários podem observar as alterações e evolução da criação do documento em questão; gera estrutura de conhecimento partilhado, permitindo a potencialização das comunidades de aprendizagem. Essas fortes características das ferramentas Wikis permitem alavancar o conhecimento colaborativo em redes sociais, permitindo a construção de um ambiente voltado para a aprendizagem. Desse modo, o conhecimento tácito individual é compartilhado com todos, formando um grupo, e a partir de então dissemina-se novamente o conhecimento para outros grupos, tendo o conhecimento disseminado em um ciclo constante (SCHONS et al., 2007). Esse processo, na visão de Nonaka e Takeuchi (1997), é o princípio da espiral do conhecimento. Conforme descrito por Schons, Silva e Malossi (2007), assim como quaisquer sistemas de colaboração da Web 2.0 aplicados em um ambiente corporativo, a utilização dos Wikis requer alguns cuidados e atenção para questões relacionadas a: massa crítica: é necessário um número significativo de membros que estejam dispostos, capacitados e utilizem o sistema a fim de que ele traga os resultados esperados; cultura: os resultados com a utilização de Wikis serão satisfatórios para a organização se de fato houver entre os colaboradores interesse e desejo de colaborar; atualização: a frequência com que os conteúdos são atualizados tem de ser constante, para que todos percebam os benefícios que a ferramenta pode trazer para o meio organizacional; administração: é necessário designar os colaboradores que serão responsáveis pela segurança, disseminação, integridade e infraestrutura do projeto; investimento: os Wikis baseiam-se em software livre e podem ser hospedados em servidores de baixo custo, o que inicialmente significa um baixo investimento. 11

12 Os benefícios trazidos pela utilização de Wikis em ambientes organizacionais são muitos com isso, a criação e, consequentemente, a expansão do conhecimento nas organizações passam a ser incentivadas constantemente com a popularização exponencial das redes sociais e ambientes que permitam a troca de conhecimento e experiências. 4 Estudo de Caso Dentro da perspectiva da gestão do conhecimento, a competitividade das empresas passou a ser relacionada e avaliada pelo seu grau de inovação apresentada em produtos, serviços e processos. Como visto, o conhecimento passou a ser considerado como capital intelectual para a organização, porém, para que tal conhecimento possa trazer algum benefício para ações de tomada de decisão, por exemplo, tem que estar devidamente estruturado e possuir canais para que aconteça sua disseminação entre setores e colaboradores (SCHONS et al., 2007). Com base nos conceitos apresentados sobre Gestão do Conhecimento e de algumas ferramentas da segunda geração da Web, a Web 2.0, será desenvolvido um estudo de caso baseado em uma empresa cujo nome não será mencionado por questão de sigilo, aplicando os recursos dos sistemas Wiki para construção de uma base de conhecimento dentro dessa organização. 4.1 Criando e administrando uma base de conhecimento com o Dokuwiki Como descrito, a principal necessidade da empresa é estabelecer uma política de Gestão do Conhecimento, e, para isso, será utilizada como ferramenta de suporte o sistema DokuWiki, a fim de que toda a documentação dos sistemas e projetos implantados ou em desenvolvimento possam ser construídos e acessados por todas as equipes de TI da empresa. O DokuWiki foi instalado no servidor de aplicações da empresa sob plataforma Linux, o servidor Web utilizado foi o Apache. Como o DokuWiki não utiliza recursos de Banco de Dados, não foi necessária a instalação de nenhum SGBD (Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados). 12

13 O sistema Wiki implantado na empresa será utilizado para a criação e armazenamento dos Manuais, Casos de Uso, Dicionários de Dados dos sistemas e pequenos projetos solicitados à empresa. A página inicial, conforme a Ilustração 6, apresenta: 1. Menus Laterais, contendo acesso às Alterações Recentes, Pesquisa, Autenticação e Índice. 2. Links de navegação e localização. 3. Rodapé, mostrando o usuário autenticado, última modificação na página e o nome do arquivo. 4. Conteúdo do Wiki página inicial Ilustração 6 Página inicial do Wiki da empresa A equipe de Segurança da Informação é responsável pela administração de todo o conteúdo e perfil dos usuários do sistema, visto que o DokuWiki permite a criação de apenas um perfil de Administrador. O Administrador do sistema tem permissão para realizar o gerenciamento de usuários, administrar as listas de controle de acesso, incluindo ou excluindo usuários e definindo o perfil de cada um. É o administrador também quem realiza a instalação dos 13

14 plugins e modifica as configurações gerais do sistema, como configurações de exibição, de segurança, de autenticação, de edição, configurações do anti-spam e de mídia. Na Ilustração 7 é mostrada a página de configuração e administração do DokuWiki. Ilustração 7 Página Administração configurações gerais do DokuWiki. A política de permissões utilizada é a de Wiki Fechado, ou seja, leitura, escrita e envio de arquivos somente por usuários previamente cadastrados pelo Administrador, sendo que os usuários não autenticados no sistema possuem, por default, permissão apenas para leitura. O DokuWiki possui uma área de administração e controle de perfis de usuários, utilizando o sistema de Lista de Controle de Acesso (ACL), conforme a Ilustração 8. Para facilitar o controle do perfil dos usuários, pode-se criar grupos com o tipo de permissão já definido, ligando cada usuário ao grupo correspondente, conforme mostrado na Ilustração 9. Os perfis podem ser definidos como: Nenhum: usuário não possui permissão para acessar o conteúdo do Wiki; Ler: possui apenas permissão para leitura do conteúdo; Editar: possui permissão para a edição das páginas criadas; Criar: possui permissão para a criação de novo conteúdo; Enviar: possui permissão para enviar arquivos ao conteúdo das páginas; Excluir: possui permissão para exclusão de conteúdo; não se aplica à exclusão de páginas inteiras. 14

15 As permissões superiores incluem as inferiores, sendo as permissões Criar, Enviar e Excluir aplicadas apenas para o conteúdo das páginas e não para a criação das mesmas. Ilustração 8 Definindo perfis de usuários criando grupos. Ilustração 9 Definindo perfis de usuários criando usuários. A edição e criação de conteúdo das páginas são permitidas apenas com a autenticação dos usuários (Ilustração 10), de acordo com o perfil estabelecido pela Segurança da Informação. 15

16 Ilustração 10 Página Wiki com permissão para leitura e edição. Depois de autenticado, todas as ações de edição nas páginas realizadas pelo usuário são gravadas, sendo essas listadas na página de Alterações Recentes, como mostra a Ilustração 11. Essa página apresenta uma lista com todas as mudanças realizadas pelo usuário, exibindo seu nome, a data e hora da última alteração. Essa ação, chamada de Função de Rastreabilidade, auxilia na gestão do controle de conteúdo, pois, já que todas as ações de edição dos usuários são gravadas, o grau de responsabilidade de quem edita o conteúdo aumenta diante da equipe e de toda a empresa, para as quais serão exibidas todas as informações registradas pelos colaboradores. 16

17 Ilustração 11 Página de Alterações Recentes. Fonte: própria autora. A edição das páginas no DokuWiki não necessita de realizar o upload dos arquivos, ou seja, não é necessário passar os arquivos alterados ou as novas páginas criadas manualmente para o servidor, basta que o usuário (com permissão para edição) clique no botão de edição e realize as atualizações necessárias na página. Para usuários iniciantes ou para aqueles que não desejam digitar o conteúdo por meio da sintaxe do DokuWiki, por não possuírem conhecimento básico da sintaxe, o sistema possui uma barra de ferramentas com alguns recursos principais de formatação, como negrito, itálico, sublinhado, marcadores, listas numeradas, nível de títulos, imagens, conforme exibido na Ilustração 12. Ilustração 12 Área para edição do conteúdo das páginas. 17

18 Uma facilidade que a empresa encontrou para que toda documentação de Casos de Usos já digitalizados e alguns projetos iniciados fossem inseridos no sistema de colaboração foi a utilização de um recurso que permite a inserção de textos já digitados no Wiki, fazendo, o próprio sistema, a adaptação para a sintaxe do Wiki, como, por exemplo, reconhecimento de textos em negrito, itálicos, marcadores, sublinhados agilizando e facilitando o trabalho de toda a equipe para padronização desses documentos já existentes e armazenados na empresa. A presença de links internos facilita a manutenção e navegação pelos conteúdos dos Casos de Uso, que geralmente são documentos extensos, ou outro conteúdo que seja extenso, como exibido na Ilustração 13. A partir desses links internos é possível direcionar-se para outra página ou realizar um mapeamento dentro do próprio documento. Também é permitido o uso de links externos, ou seja, a ligação do conteúdo do Wiki com outro site ou página Web comum. Ilustração 13 Link Interno Ao clicar no link (A1) será direcionado, na mesma página, para a seção Fluxos Alternativos. Quanto à organização e armazenamento das páginas, o DokuWiki permite a criação de namespaces, ou seja, um recurso que pode ser comparado à criação de diretórios para o armazenamento das páginas criadas. A Ilustração 14 mostra a criação de um namespace dentro do Wiki, em que se tem o nome do namespace (ou pasta) dicionario e 18

19 em seguida o caractere : (dois pontos) e o nome da página a ser criada Dicionário de Dados. Ilustração 14 Criação de namespace. Como já visto, esse sistema Wiki cria arquivos de textos para cada página inserida no sistema e isso permite que rotinas de backup possam ser criadas de maneira simplificada, já que as páginas são consideradas arquivos de texto. Esses arquivos de textos com suas páginas ficam organizados no diretório data/pages. Para que todas as páginas criadas fiquem organizadas dentro desse diretório, pode-se utilizar o recurso de namespace para essa estruturação. A partir da criação de um namespace, cria-se automaticamente uma pasta na estrutura de arquivos do Dokuwiki. Tomando como exemplo a Ilustração 14, foi criado o namespace dicionario, portanto, no diretório data/pages, será criada uma pasta com esse mesmo nome; consequentemente, todas as páginas criadas nesse namespace ficarão armazenadas dentro dessa pasta (dicionário). A Ilustração 15 exibe a organização e estruturação dos diretórios criados, o que enfatiza a facilidade de manutenção e realização de backup dessas páginas. 19

20 Ilustração 15 Criação de Namespace. As imagens também são armazenadas em um diretório padrão, ficam dentro da pasta chamada media, no diretório data/media. O Dokuwiki ainda permite que sejam realizadas pesquisas por todo o conteúdo do sistema criado, sendo essas buscas realizadas a partir de palavras-chave ou pelo nome completo da página ou seção. Os resultados mostrados aparecem de duas maneiras: mostra as páginas com nomes coincidentes, exibindo links para esses conteúdos, e detalha onde essas palavras foram encontradas no código-fonte, conforme a Ilustração 16. Ilustração 16 Recurso de Pesquisa. 20

21 O DokuWiki possui uma infinidade de plugins que possuem recursos variados e com as mais diversificadas aplicações como, por exemplo, exportar o conteúdo da página para PDF, permitir que o conteúdo seja impresso, plugins para controle automático de conteúdo, criação de um blog a partir do DokuWiki. Além disso, permite também que plugins sejam criados pelos próprios usuários, de acordo com a necessidade de aplicação em seu sistema Wiki. A manutenção desses plugins acontece de maneira fácil e apenas o usuário com perfil administrador é quem pode instalá-lo no sistema, por meio da página Administrar Configurações gerais do Wiki (Ilustração 7). A aplicação da gestão do conhecimento utilizando como suporte a ferramenta Wiki na empresa, trouxe retornos satisfatórios para a empresa, como: redução de custos com desenvolvimento de páginas; padronização da documentação; a diminuição da quantidade de documentos publicados em papel, trazendo economia e liberando espaço em armário e gavetas; facilidade para encontrar documentos bem como navegar por eles, agilizando a realização de tarefas e implementação de sistemas; centralização da informação, ou seja, a informação gerada fica armazenada em um único local; utilização de apenas um servidor de arquivos para armazenamento e publicação das páginas; controle de acesso centralizado (Segurança da Informação); aprovação total dos colaboradores, mudando a perspectiva da empresa quanto à criação e disseminação de conhecimento; criação de um ambiente de aprendizado colaborativo, favorecendo trabalho em equipe. Porém, alguns fatores precisam ser observados e podem ser considerados como obstáculos para a implantação do sistema Wiki: necessidade de treinamento dos editores, apesar da sintaxe ser de fácil aprendizado; necessidade de acompanhamento por um administrador; necessidade de mudança de cultura no ambiente organizacional; dificuldades de diagramar objetos complexos como tabelas grandes. 21

UTILIZAÇÃO DE WIKIS PARA A APRENDIZAGEM COLABORATIVA NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL

UTILIZAÇÃO DE WIKIS PARA A APRENDIZAGEM COLABORATIVA NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL Conferência IADIS Ibero-Americana WWW/Internet 2011 UTILIZAÇÃO DE WIKIS PARA A APRENDIZAGEM COLABORATIVA NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL Patrícia Lima Quintão 1 e 2, Mehran Misaghi 3, Tacila Gonçalves Nascimento

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar os princípios que se destacam como características da Web 2.0. INTRODUÇÃO

Leia mais

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO 1. DIMENSÃO PEDAGÓGICA 1.a) ACESSIBILIDADE SEMPRE ÀS VEZES NUNCA Computadores, laptops e/ou tablets são recursos que estão inseridos na rotina de aprendizagem dos alunos, sendo possível

Leia mais

Tema 3 Ferramentas e Funcionalidades do Moodle

Tema 3 Ferramentas e Funcionalidades do Moodle Tema 3 Ferramentas e Funcionalidades do Moodle O Moodle dispõe de uma variedade de ferramentas que podem aumentar a eficácia de um curso online. É possível facilmente compartilhar materiais de estudo,

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br Soluções em Software para Medicina Diagnóstica www.digitalmed.com.br NOTA DE AGRADECIMENTO Primeiramente, agradecemos pela sua receptividade em conhecer as nossas soluções, afinal, é sempre uma imensa

Leia mais

Desenvolvimento de Sites. Subtítulo

Desenvolvimento de Sites. Subtítulo Desenvolvimento de Sites Subtítulo Sobre a APTECH A Aptech é uma instituição global, modelo em capacitação profissional, que dispõe de diversos cursos com objetivo de preparar seus alunos para carreiras

Leia mais

O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem

O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem O Microsoft Office 365 é a suíte de Produtividade da Microsoft, que oferece as vantagens da Nuvem a empresas de todos os tamanhos, ajudando-as

Leia mais

Channel. Visão Geral e Navegação. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9

Channel. Visão Geral e Navegação. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9 Channel Visão Geral e Navegação Tutorial Atualizado com a versão 3.9 Copyright 2009 por JExperts Tecnologia Ltda. todos direitos reservados. É proibida a reprodução deste manual sem autorização prévia

Leia mais

like a Boss mandic Um GUIA para você escolher bem, e se tornar uma Autoridade em Serviços de Compartilhamento de Arquivos na Nuvem.

like a Boss mandic Um GUIA para você escolher bem, e se tornar uma Autoridade em Serviços de Compartilhamento de Arquivos na Nuvem. BOX like a Boss Um GUIA para você escolher bem, e se tornar uma Autoridade em Serviços de Compartilhamento de Arquivos na Nuvem. mandic CLOUD SOLUTIONS Mais e mais empresas buscam soluções para dar suporte

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG Moema Gomes Moraes 1 RESUMO: Este trabalho faz uma reflexão sobre os aspectos relacionados ao uso de Blogs no ensino de Matemática. Para isto, ele inicia fazendo uma reflexão

Leia mais

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS 769 SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS Mateus Neves de Matos 1 ; João Carlos Nunes Bittencourt 2 ; DelmarBroglio Carvalho 3 1. Bolsista PIBIC FAPESB-UEFS, Graduando em Engenharia de

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS Guia Inicial de Acesso e Utilização Para Docentes Versão 1.0b Outubro/2010 Acesso e utilização do Ambiente Virtual de Ensino

Leia mais

1. Introdução. 2. Conceitos. 3. Metodologia. 4. Resultados. 5. Considerações

1. Introdução. 2. Conceitos. 3. Metodologia. 4. Resultados. 5. Considerações Comunidades de Prática Experiências e Contribuições da Tecnologia para a Educação Profissional Lane Primo Senac Ceará 2012 Sumário 1. Introdução 2. Conceitos 3. Metodologia 4. Resultados 5. Considerações

Leia mais

MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO

MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO Desenvolvido por: Patricia Mariotto Mozzaquatro SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO....03 2 O AMBIENTE MOODLE......03 2.1 Quais as caixas de utilidade que posso adicionar?...04 2.1.1 Caixa

Leia mais

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Janeiro de 2011 p2 Usuários comerciais e organizações precisam

Leia mais

ESTRUTURA PARA PORTAIS ELETRÔNICOS MUNICIPAIS

ESTRUTURA PARA PORTAIS ELETRÔNICOS MUNICIPAIS ESTRUTURA PARA PORTAIS ELETRÔNICOS MUNICIPAIS 1. Apresentação Os sites e sistemas web desenvolvidos pela Dynamika apresentam um conjunto de critérios de desenvolvimento que visam entregar o projeto de

Leia mais

Novell Vibe 4.0. Março de 2015. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos

Novell Vibe 4.0. Março de 2015. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos Novell Vibe 4.0 Março de 2015 Inicialização Rápida Quando você começa a usar o Novell Vibe, a primeira coisa a se fazer é configurar sua área de trabalho pessoal e criar uma área de trabalho de equipe.

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Como as marcações auxiliam na organização do conteúdo de um ambiente virtual

Como as marcações auxiliam na organização do conteúdo de um ambiente virtual 39 Como as marcações auxiliam na organização do conteúdo de um ambiente virtual Catarina Yuki Sato 1 Glauber José Vaz² Ivo Pierozzi Júnior² A Agropedia brasilis é um ambiente tecnológico voltado para o

Leia mais

Tecnologia da Informação Aplicada a Gerenciamento de Acervo Documental Histórico

Tecnologia da Informação Aplicada a Gerenciamento de Acervo Documental Histórico Tecnologia da Informação Aplicada a Gerenciamento de Acervo Documental Histórico Kayo Delgado Medeiros de Almeida¹, Elon Gomes Vieira 2, Carlos Vitor de Alencar Carvalho 3, Magno Fonseca Borges 4, José

Leia mais

Novell Vibe 3.4. Novell. 1º de julho de 2013. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos

Novell Vibe 3.4. Novell. 1º de julho de 2013. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos Novell Vibe 3.4 1º de julho de 2013 Novell Inicialização Rápida Quando você começa a usar o Novell Vibe, a primeira coisa a se fazer é configurar sua área de trabalho pessoal e criar uma área de trabalho

Leia mais

Tecnologia da Informação UNIDADE 3:Estrutura organizacional de TI

Tecnologia da Informação UNIDADE 3:Estrutura organizacional de TI Tecnologia da Informação UNIDADE 3:Estrutura organizacional de TI * A segurança da informação está relacionada com proteção de um conjunto de dados, no sentido de preservar o valor que possuem para a organização.

Leia mais

3 Acrescentar Recursos

3 Acrescentar Recursos 2010 1 publicar o nome, sua descrição, a data de publicação, a duração e sua repetição. Funcionará como a agenda do professor, a qual os estudantes não terão acesso. Para finalizar, selecione o Tipo de

Leia mais

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador Microsoft Internet Explorer Browser/navegador/paginador Browser (Navegador) É um programa que habilita seus usuários a interagir com documentos HTML hospedados em um servidor web. São programas para navegar.

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Fabiana Pacheco Lopes 1 1 Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) fabipl_21@yahoo.com.br Resumo.Este

Leia mais

Virtualização de Sistemas Operacionais

Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização de Sistemas Operacionais Felipe Antonio de Sousa 1, Júlio César Pereira 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil felipeantoniodesousa@gmail.com, juliocesarp@unipar.br Resumo.

Leia mais

A revolução tecnológica dos sistemas de gestão empresarial

A revolução tecnológica dos sistemas de gestão empresarial A revolução tecnológica dos sistemas de gestão empresarial Uma nova era se inicia Nosso objetivo é apresentar um nova era de oferta de soluções de sistemas de gestão empresarial. Para isso, vamos relembrar

Leia mais

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP.

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. Luan de Souza Melo (Fundação Araucária), André Luís Andrade Menolli (Orientador), Ricardo G. Coelho

Leia mais

Curso de atualização Educação Integral e Integrada. Tutorial Moodle. Belo Horizonte, 2013.

Curso de atualização Educação Integral e Integrada. Tutorial Moodle. Belo Horizonte, 2013. Curso de atualização Educação Integral e Integrada Tutorial Moodle Belo Horizonte, 2013. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ACESSANDO O AMBIENTE... 4 3. CONHECENDO O AMBIENTE... 5 3.1. CAIXAS DE UTILIDADES... 5 4.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3

DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3 DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3 Eduardo Laguna Rubai, Tiago Piperno Bonetti Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR- Brasil eduardorubay@gmail.com, bonetti@unipar.br Resumo.

Leia mais

Aplicação Web para comércio eletrônico institucional Guilherme CORRÊA¹; Thiago DIAS².

Aplicação Web para comércio eletrônico institucional Guilherme CORRÊA¹; Thiago DIAS². Aplicação Web para comércio eletrônico institucional Guilherme CORRÊA¹; Thiago DIAS². ¹Estudante do curso Análise e Desenvolvimento de sistemas. Instituto Federal de Minas Gerais campus Bambuí. Rod. Bambuí

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO 1 A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² Bruna Barçante¹ Aylla Barbosa Ribeiro¹ Fernanda Teixeira Ferreira Leite¹

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais

Sistemas de Informação Gerenciais Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Terceira aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com Maio -2013 Governança

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

CSF Designer Intuition SOLUÇÕES DE OUTPUT FIS

CSF Designer Intuition SOLUÇÕES DE OUTPUT FIS SOLUÇÕES DE OUTPUT FIS O CSF Designer Intuition TM da FIS ajuda organizações que lidam com o cliente a criar, de forma instantânea e interativa, documentos comerciais respeitando as regulações vigentes,

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning.

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. Autor(a): Gliner Dias Alencar Coautor(es): Joaquim Nogueira Ferraz Filho, Marcelo Ferreira de Lima, Lucas Correia de Andrade, Alessandra

Leia mais

Análise de uma Experiência de Utilização de Recursos de Tecnologias da Informação e da Comunicação em Educação Ambiental

Análise de uma Experiência de Utilização de Recursos de Tecnologias da Informação e da Comunicação em Educação Ambiental 1 Análise de uma Experiência de Utilização de Recursos de Tecnologias da Informação e da Comunicação em Educação Ambiental Rio de Janeiro- RJ- Maio/2012 Educação Universitária Métodos de Pesquisa em EAD

Leia mais

Tecnologia da Informação UNIDADE 3

Tecnologia da Informação UNIDADE 3 Tecnologia da Informação UNIDADE 3 *Definição * A segurança da informação está relacionada com proteção de um conjunto de dados, no sentido de preservar o valor que possuem para a organização. *Definição

Leia mais

DUAS RODAS DESENVOLVE PORTAL COLABORATIVO E ELIMINA PROCESSOS EM PAPEL. Case de Sucesso

DUAS RODAS DESENVOLVE PORTAL COLABORATIVO E ELIMINA PROCESSOS EM PAPEL. Case de Sucesso DUAS RODAS DESENVOLVE PORTAL COLABORATIVO E ELIMINA PROCESSOS EM PAPEL PERFIL Em 1925, surgiu a primeira fábrica de óleos essenciais do Brasil, em Jaraguá do Sul - SC. A autenticidade, a qualidade de seus

Leia mais

André Boaventura Gomide Universidade Federal de Santa Catarina

André Boaventura Gomide Universidade Federal de Santa Catarina 2, 3 e 4 de Julho de 2009 ISSN 1984-9354 A INFORMATIZAÇÃO DO CONTROLE DE DOCUMENTOS DE UM SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE COM A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE MEDIAWIKI: PROPOSTA DE UMA CONFIGURAÇÃO DO SOFTWARE

Leia mais

WIKI COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DO CONHECIMENTO: UM ESTUDO DE CASO NA BIBLIOTECA AMADEU AMARAL

WIKI COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DO CONHECIMENTO: UM ESTUDO DE CASO NA BIBLIOTECA AMADEU AMARAL WIKI COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DO CONHECIMENTO: UM ESTUDO DE CASO NA BIBLIOTECA AMADEU AMARAL Graduanda: Juliana Camargo Souza Macedo Orientadora: Iris Abdallah Motivos para escolha do tema: A disciplina

Leia mais

Web 2.0. Amanda Ponce Armelin RA 052202

Web 2.0. Amanda Ponce Armelin RA 052202 Amanda Ponce Armelin RA 052202 Americana, 2007 Tópicos Introdução Web 1.0 Definição Comparativo Web1.0 x Web2.0 Web 3.0 Definição Conclusão Definição Principais características Discórdia Termos Essenciais

Leia mais

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES ISSN 2316-7785 WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES Arlam Dielcio Pontes da Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco arllan_dielcio@hotmail.com

Leia mais

Sistemas de Produtividade

Sistemas de Produtividade Sistemas de Produtividade Os Sistemas de Produtividade que apresentaremos em seguida são soluções completas e podem funcionar interligadas ou não no. Elas recebem dados dos aplicativos de produtividade,

Leia mais

NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL PROFESSOR

NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL PROFESSOR NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL PROFESSOR 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL

Leia mais

O QUE FAZEMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS

O QUE FAZEMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS O QUE FAZEMOS Provemos consultoria nas áreas de comunicação online, especializados em sites focados na gestão de conteúdo, sincronização de documentos, planilhas e contatos online, sempre integrados com

Leia mais

Construtor de sites SoftPixel GUIA RÁPIDO - 1 -

Construtor de sites SoftPixel GUIA RÁPIDO - 1 - GUIA RÁPIDO - 1 - Sumário Introdução...3 Por que utilizar o Construtor de Sites?...3 Vantagens do Construtor de Sites...3 Conceitos básicos...3 Configuração básica do site...5 Definindo o layout/template

Leia mais

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Questão em foco: Colaboração de produto 2.0 Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Tech-Clarity, Inc. 2009 Sumário Sumário... 2 Introdução à questão... 3 O futuro da

Leia mais

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar Tópicos Especiais em Informática Msc. Márcio Alencar Recursos Certamente, um dos atrativos do chamado e- Learning (ou ensino á distância com uso de ferramentas computacionais/eletrônicas), são os novos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CRISTÃ DE MOÇOS DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

ASSOCIAÇÃO CRISTÃ DE MOÇOS DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO MANUAL MEDIAWIKI Manual Media Wiki Página 2 Sumário O que é MediaWiki... 4 Acesso ao sistema... 5 Criação do índice principal... 7 Criação de página... 14 Bloqueio/Proteção de página... 17 Manual Media

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

OFICINA BLOG DAS ESCOLAS

OFICINA BLOG DAS ESCOLAS OFICINA BLOG DAS ESCOLAS Créditos: Márcio Corrente Gonçalves Mônica Norris Ribeiro Março 2010 1 ACESSANDO O BLOG Blog das Escolas MANUAL DO ADMINISTRADOR Para acessar o blog da sua escola, acesse o endereço

Leia mais

O PaperPort 12 Special Edition (SE) possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos.

O PaperPort 12 Special Edition (SE) possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos. Bem-vindo! O Nuance PaperPort é um pacote de aplicativos para gerenciamento de documentos da área de trabalho que ajuda o usuário a digitalizar, organizar, acessar, compartilhar e gerenciar documentos

Leia mais

MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO MOODLE FACULDADE INTERAÇÃO AMERICANA VIRTUAL - Versão: Aluno

MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO MOODLE FACULDADE INTERAÇÃO AMERICANA VIRTUAL - Versão: Aluno 1 MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO MOODLE FACULDADE INTERAÇÃO AMERICANA VIRTUAL - Versão: Aluno Acessando o sistema 1- Para acessar a Faculdade Interação Americana Virtual digite o seguinte endereço: http://ead.fia.edu.br/

Leia mais

AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares

AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares Denis Lacerda Paes 1 ; Angelo Augusto Frozza 2 RESUMO O trabalho apresentado visa desenvolver uma aplicação baseada em

Leia mais

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br Soluções em Software para Medicina Diagnóstica www.digitalmed.com.br NOTA DE AGRADECIMENTO Primeiramente, agradecemos pela sua receptividade em conhecer as nossas soluções, afinal, é sempre uma imensa

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMA DE ARQUIVOS

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMA DE ARQUIVOS ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMA DE ARQUIVOS DISTRIBUÍDOS (DFS) Visão geral sobre o Sistema de Arquivos Distribuídos O Sistema de Arquivos Distribuídos(DFS) permite que administradores do

Leia mais

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem 2.1 Introdução Caro Pós-Graduando, Nesta unidade, abordaremos o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) que será utilizado no curso: o Moodle. Serão

Leia mais

Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos de Minas.

Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos de Minas. PALAVRA DO COORDENADOR Estimado, aluno(a): Seja muito bem-vindo aos Cursos Livres do UNIPAM. Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos

Leia mais

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services - Windows SharePoint Services... Page 1 of 11 Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Ocultar tudo O Microsoft Windows

Leia mais

APRENDENDO BIOSSEGURANÇA COM O USO DE WIKIS. Janara de Camargo Matos 1 *

APRENDENDO BIOSSEGURANÇA COM O USO DE WIKIS. Janara de Camargo Matos 1 * 1 APRENDENDO BIOSSEGURANÇA COM O USO DE WIKIS Janara de Camargo Matos 1 * RESUMO A internet ou Web 2.0 é um espaço onde se pode criar, editar e transformar páginas de maneira simples. A utilização de tecnologias

Leia mais

SGCD 2.0 Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico

SGCD 2.0 Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico Atualizado em 24/08/2011 No final de 2007, o Serviço Técnico de Informática da UNESP Marília, disponibilizou para a comunidade acadêmica e administrativa o Sistema

Leia mais

O que há de novo no PaperPort 12? O PaperPort 12 possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos.

O que há de novo no PaperPort 12? O PaperPort 12 possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos. Bem-vindo! O Nuance PaperPort é um pacote de aplicativos para gerenciamento de documentos da área de trabalho que ajuda o usuário a digitalizar, organizar, acessar, compartilhar e gerenciar documentos

Leia mais

Potencialidades Tecnológicas e Educacionais - Parte II

Potencialidades Tecnológicas e Educacionais - Parte II UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA V SEMINÁRIO DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOCENTE Patric da Silva Ribeiro patricribeiro@unipampa.edu.br Maicon Isoton maiconisoton@gmail.com Potencialidades Tecnológicas

Leia mais

Manual do Painel Administrativo

Manual do Painel Administrativo Manual do Painel Administrativo versão 1.0 Autores César A Miggiolaro Marcos J Lazarin Índice Índice... 2 Figuras... 3 Inicio... 5 Funcionalidades... 7 Analytics... 9 Cidades... 9 Conteúdo... 10 Referência...

Leia mais

Codificar Sistemas Tecnológicos

Codificar Sistemas Tecnológicos Codificar Sistemas Tecnológicos Especificação dos Requisitos do Software Sistema de gestão para a Empresa Cliente SlimSys Autor: Equipe Codificar Belo Horizonte MG Especificação dos Requisitos do Software

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet

Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet 57 Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet Hoje em dia ter a Internet como aliada é um recurso indispensável para qualquer educador ou responsável por treinamento corporativo que atue em qualquer

Leia mais

Guia de utilização da Wiki Atenas

Guia de utilização da Wiki Atenas Your Logo Here Reforçando a Comunicação para a Colaboração Web Wiki Atenas IFSULDEMINAS (Campus Poços de Caldas - MG) Guia de utilização da Wiki Atenas O Conceito de Wiki O Conceito de Wiki O sistema MediaWiki

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

maior tempo médio de navegação 48h 26m 2º estados unidos 42h 19m 3º reino unido 36h 30m o país mais sociável da internet

maior tempo médio de navegação 48h 26m 2º estados unidos 42h 19m 3º reino unido 36h 30m o país mais sociável da internet ferramentas web 2.0 para profissionais de informação leonardo simonini 13/08/2013 internet no brasil 190 de habitantes milhões 381,3 de usuários horas por dia milhões fontes: Censo 2010 e Ibope Net Rakings

Leia mais

EXIN Cloud Computing Fundamentos

EXIN Cloud Computing Fundamentos Exame Simulado EXIN Cloud Computing Fundamentos Edição Maio 2013 Copyright 2013 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

Resumo da solução SAP SAP Technology SAP Afaria. Gestão da mobilidade empresarial como vantagem competitiva

Resumo da solução SAP SAP Technology SAP Afaria. Gestão da mobilidade empresarial como vantagem competitiva da solução SAP SAP Technology SAP Afaria Objetivos Gestão da mobilidade empresarial como vantagem competitiva Simplifique a gestão de dispositivos e aplicativos Simplifique a gestão de dispositivos e aplicativos

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios?

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? O CA ERwin Modeling fornece uma visão centralizada das principais definições de

Leia mais

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução Gestão do Conteúdo 1. Introdução Ser capaz de fornecer informações a qualquer momento, lugar ou através de qualquer método e ser capaz de fazê-lo de uma forma econômica e rápida está se tornando uma exigência

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Proposta Concessionária Terra Nova Land Rover

Proposta Concessionária Terra Nova Land Rover SATIS 2011 Proposta Concessionária Terra Nova Land Rover 21/03/2011 A SATIS Índice 1 A Satis 1 A Proposta 1 Serviços 2 Mapa do Site 2 SEO 3 Sistema de gerenciamento de conteudo 4 Cronograma e Prazos 5

Leia mais

Estatística Básica via MySQL para Pesquisas On-Line

Estatística Básica via MySQL para Pesquisas On-Line Estatística Básica via MySQL para Pesquisas On-Line Gabriel Ramos Guerreiro - DEs, UFSCar 1 2 Anderson Luiz Ara-Souza - DEs, UFSCar 1 3 Francisco Louzada-Neto - DEs, UFSCar 1 4 1. INTRODUÇÃO Segundo Cavalcanti

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Manual de Utilização Moodle

Manual de Utilização Moodle Manual de Utilização Moodle Perfil Professor Apresentação Esse manual, baseado na documentação oficial do Moodle foi elaborado pela Coordenação de Tecnologia de Informação CTI do câmpus e tem como objetivo

Leia mais

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ACESSO ÀS FERRAMENTAS 9 FUNÇÕES 12 MENSAGENS 14 CAMPOS OBRIGATÓRIOS

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Ferramentas Online. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Ferramentas Online. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET CONCEITOS, OBJETIVOS, BENEFÍCIOS E TENDÊNCIAS Renato Schumacher

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

EQUIPE: ANA IZABEL DAYSE FRANÇA JENNIFER MARTINS MARIA VÂNIA RENATA FREIRE SAMARA ARAÚJO

EQUIPE: ANA IZABEL DAYSE FRANÇA JENNIFER MARTINS MARIA VÂNIA RENATA FREIRE SAMARA ARAÚJO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA DISCIPLINA: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO II PROFESSORA: PATRÍCIA

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 APLICAÇÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL (Estudo de Caso: Rede Eletrosom Ltda em Pires do Rio - GO) MÁRCIO FERNANDES 1, DÉBORA DE AMORIM VIEIRA 2, JOSIANE SILVÉRIA CALAÇA MATOS

Leia mais